Você está na página 1de 3

Questões da Aula 1

(Aula 1, Questão 1) “Se nos voltarmos com profundidade e honestidade para o fenômeno religioso,
vamos descobrir que lá se encontra a referência aos fundamentos do ser humano.” Nesse contexto, o
que é fenômeno religioso? Como se manifesta na vida do ser humano?
R: Pelo o que eu pude compreender do texto, o fenômeno religioso é a necessidade do homem de explicar sua
existência e o mundo a sua volta. É a busca incessante do porquê de estarmos nesse planeta e também uma
forma de conforto e proliferação de amor e bem ao próximo. Ele pode se manifestar de inúmeras formas, mas
um belo exemplo são os templos criados na cultura oriental para celebrar e rezar para seus ancestrais.
(Aula 1, Questão 2) Cresce no mundo aquilo que se costuma chamar de ‘fundamentalismo religioso’. O
fundamentalismo religioso é aquela atitude pela qual a pessoa “confere caráter absoluto ao seu ponto
de vista” (BOFF, 2002, p. 25). Apresente um exemplo atual de fundamentalismo religioso no Brasil ou
no mundo.
R: Podemos perceber o fundamentalismo religioso em vários âmbitos no Brasil, principalmente nas questões
políticas e sociais. Não querendo desrespeitar a crença de ninguém, porém podemos citar a questão polêmica
do aborto, que ainda não é totalmente discutido na forma de saúde pública e científico, e sim de forma
religiosa, chegando assim a um eterno debate ético.
(Aula 1, Questão 3) Conceitue Antropologia e Antropologia da Religião. Pesquise no conteúdo da
disciplina e em outras referências científicas que o ajudem a enriquecer a sua resposta.
R: A antropologia em si depende da multidisciplinaridade e tem como objeto de estudo o homem e suas
culturas. Ele é avaliado em âmbito psicológico, social e cultural. Já a antropologia da religião promove a
reflexão sobre o fenômeno religioso e compreender o ser humano que está presente nas manifestações culturais
e religiosas, onde o mesmo tem em si a transcendência.
(Aula 1, Questão 4) Porque a Antropologia, a Sociologia, a Psicologia, a Medicina, a Pedagogia e tantas
outras ciências estudam religião? Fundamente a sua resposta a partir do conteúdo da disciplina e de
outras fontes científicas que podem ser encontradas no Scielo ou na Biblioteca da UCB.
R: Devemos estudar a religião porque nos relacionamos diariamente com pessoas de diferentes crenças e
culturas, além de nos fazer compreender melhor alguns choques culturais que podemos vir a sofrer. A
antropologia da religião não estuda somente o ser humano mas também procura vias de acesso ao outro por
meio da empatia (se colocar no lugar do próximo), por isso compreender a matéria é importante pois faz de
nós estudantes menos preconceituosos.
(Aula 1, Questão 5) Como você percebe o conceito substantivo e funcional da religião na atualidade?
Qual é a tendência mais comum? O que falta para que haja um equilíbrio e consequentemente uma
intervenção mais significativa das religiões para a construção de uma cultura de paz?
Percebo que hoje em dia a religião perdeu um pouco sua força. Pela questão da diversidade e frieza do ser
humano. Acredito que a maioria das religiões ainda pregam a paz e a solidariedade, porém, o mundo está
caminhando para um lado obscuro, onde tudo é permitido desde que te faça "feliz". Acredito que a tendência
desse caminho da felicidade independente, infelizmente, acaba sendo de uma sociedade de pessoas orgulhosas
e egocentristas. Ainda falta respeito e cordialidade. Vejo que o caminho para um mundo melhor é
principalmente o senso de solidariedade e de ajuda ao próximo. Estamos em uma sociedade em que a
felicidade está sendo buscada pela razão. A paz e a felicidade, ao meu ver, está no amor ao próximo, afinal
somos todos iguais
Questões da Aula 2
(Aula 2, Questão 1) Na aula 2 você acompanhou a conversa entre estudantes na UCB sobre o que é
Antropologia. No diálogo entre eles há uma afirmação de que o conhecimento científico é algo
relativamente novo na história e que outros tipos de conhecimentos também são importantes como a
Teologia, a Filosofia, o conhecimento mítico, conhecimento artístico. Você já havia pensado nisso? O
que achou dessa ideia? Em que ela contribui para sua formação pessoal e intelectual?
Realmente nunca parei para pensar sobre as áreas de Ciências Sociais e isso já mostra como estamos perdendo
o interesse em entender o próximo e buscar conhecimento sobre o porquê das diferenças que as vezes nos
incomodam. Acredito que é sim importante ter esse conhecimento mesmo que seja superficial, pois me faz
me colocar no lugar do próximo. Estas aulas têm contribuído para minha formação pessoal no sentido de ser
uma pessoa melhor e mais dedicada em ouvir o outro, já que nessa era digital a relação interpessoal acabou
ficando mais fácil, porém, cada vez mais distante. Quanto ao intelecto, acredito que só de ser uma pessoa de
bem já me faz ser uma pessoa inteligente, pois somos todos humanos e nunca devemos apontar o dedo para o
outro sem antes olhar para nós mesmos e reconhecer nossos erros.
(Aula 2, Questão 2) Os estudantes conversaram também sobre Ciências Naturais e Ciências Sociais
(onde está a Antropologia), eles utilizaram um conceito de Roberto Damatta para identificar a diferença
entre essas ciências. E você o que apreendeu desse conceito? Leia novamente o conceito de Damatta e
explique com suas palavras o que diferencia Ciências naturais de Ciências Sociais.
R: Ciências Naturais: Estuda fenômenos que podem ser isolados e reproduzidos em laboratório. Os mesmos
tem certa frequência de repetição e uma “lei natural” que o rege.
Ciências Sociais: Estuda fenômenos complexos que não podem ser reproduzidos em laboratório, somente
podem ser observados, o que demanda muito tempo para se obter conhecimento cientifico, já que cada ser
humano está contextualizado na sua individualidade.
Questões da Aula 3
(Aula 3, Questão 1) Partindo das teorias abordadas pela antropóloga CONSORTE, Josildeth, sobre a
constituição do ser humano, somente o fator biológico não nos torna humanos. Comente essa afirmação.
R: Somente os fatores biológicos não nos torna humanos pelo simples fato de haver diversas aparições de
sociedades ao redor do mundo que desenvolveram técnicas diferentes de adaptação e cultura, pois viemos ao
mundo com o dom da criação. Com isso vemos que não somos só instintivos e que cada ser tem suas
peculiaridades.
(Aula 3, Questão 2) Um dos conceitos apresentados na aula que diz respeito ao processo de evolução do
ser humano é a Capacidade de Simbolização. O que isso significa? Responda baseando-se na ideia da
autora, mas utilizando suas próprias palavras.
R: A capacidade de simbolização é o que permite que os seres humanos consigam falar e representar o que
não está presente no momento. Essa capacidade dá ao homem uma identidade, pois como trás o texto, é como
ele produz a sua existência diante ao ambiente que está inserido.
Questões da Aula 4
(Aula 4, Questão 1) Conceitue e exemplifique etnocentrismo, diversidade e relativismo cultural.
R: Etnocentrismo: É quando o “eu” vê o diferente como fora da normalidade e considera suas crenças a única
verdade absoluta. É a distorção do outro representando nossa dificuldade de se colocar no lugar das pessoas e
compreendê-las sem nos transformarmos. Exemplo: O extermínio dos judeus durante a segunda guerra
mundial.
Diversidade: É a capacidade que o ser humano tem de criar e se diferenciar dos demais, trazendo formas
alternativas de se lidar com a mesma situação. Exemplo: Diferentes formas de se celebrar um casamento.
Relativismo Cultural: Entender e interpretar o outro que sempre se dará a partir da perspectiva cultural presente
no observador. Esse movimento resulta numa releitura do “objeto estudado” a partir do ponto de vista de
várias culturas ou padrões culturais e da sua evolução. Exemplo: Comer sashimi de salmão, que não é um
costume brasileiro mas os mesmos compraram essa ideia
(Aula 4, Questão 2) Na página cinco dessa aula, no diálogo que o professor de antropologia faz com os
estudantes no bar, o professor fala sobre uma questão importante desenvolvida pelos antropólogos em
seus estudos e pesquisas, de que para entender e interpretar o “outro” é necessário fazer um movimento
de deslocamento cultural. O que você entendeu por movimento de deslocamento cultural? Por que é
importante fazer esse movimento?

O movimento de deslocamento cultural como explicitado pelo professor no diálogo são os métodos e as
técnicas para se colocar no lugar e compreender o 'outro'. Ou seja, é a partir de sua própria cultura conhecer o
diferente, se aproximar do 'outro' com um olhar amigável, de curiosidade, de aprendizado. Não é mudar sua
cultura ou suas ideologias, mas sim conhecer e trazer pra si o que o 'outro' pode oferecer de melhor. Além
disso, é importante fazer esse movimento de deslocamento cultural para entender o diferente e derrubar o
preconceito e as barreiras que nos separam do desconhecido, pois, só podemos saber como realmente algo é
conhecendo-o, sem conceitos internalizados, apenas com um olhar de aprendizado se aproximar do que não
conhece e passar a conhecê-lo e a respeitá-lo da forma que ele é, pois, a partir do momento que conhecemos
a cultura e as razões das escolhas do outro compreendemos e nos aproximamos do diferente.