Você está na página 1de 208

Sistema esquelético

Acidentes ósseos
• Marcas ósseas são características estruturais
visíveis nas superfícies dos ossos
• Cada referência tem uma função especifica:
– Formação de articulação
– Fixação de um músculo
– Passagem de nervos e vasos sanguíneos
Acidentes ósseos
• Foramens
• Cristas
• Goteiras
• Facetas
• Condilos
• Cabeça
• Colo
• Meato
• Fossa...
Acidentes ósseos (cont.)

• Depressões e orifícios

– Forame (foramen = orifício)

Uma abertura através da qual passam vasos

sanguíneos, nervos ou ligamentos, como o

forame magno do osso occipital


Acidentes ósseos (cont.)

– Meato (meatus = canal)

Uma passagem em forma de tubo que recorre o

interior de um osso

Ex. meato acústico externo do osso temporal


Acidentes ósseos (cont.)

– Fissura

• Abertura estreita em forma de fenda entre

partes adjacentes de ossos, através das quais

passam vasos sanguíneos e nervos

Ex. Fissura orbital superior do osso esfnoidal


Acidentes ósseos (cont.)

– Fossa (fossa = fenda, trincheira)

• Uma depressão sobre um osso

Ex. a fossa mandíbular do osso temporal


Acidentes ósseos (cont.)

– Fenda ou sulco

• Sulco ou fenda que se acomoda a estruturas

moles

Ex. sulco da artéria meníngea média


Acidentes ósseos (cont.)

• Processos que Formam Articulações

– Côndilo (côndilo = elevação arredondada)

Uma proeminência grande e arredondada

convexa

Ex. Côndilo medial do fémur


Acidentes ósseos (cont.)

– Cabeça

Uma projeção arredondada suportada pelo colo do

osso

Ex. a cabeça do fémur


Acidentes ósseos (cont.)

– Faceta

Uma superfície lisa e plana ou pouco profunda

Ex. as facetas articulares das vértebras


Acidentes ósseos (cont.)

• Processos onde se inserem Tendões

Ligamentos e ou tecidos conjuntivos

– Tuberosidade

– Um processo grande, arredondado, usualmente

rugoso, Ex. Tuberosidade isquiatica do osso coxal


Acidentes ósseos (cont.)

– Crista

Bordo proeminente

Ex. a crista ilíaca do osso coxal


Acidentes ósseos (cont.)

– Trocanter

– Projeção muito grande que se encontra apenas

no fémur
Divisões do Sistema
esquelético

• Esqueleto axial

206

• Esqueleto apendicular
Divisões do Sistema
esquelético
• O esqueleto axial (80)
Consiste de ossos distribuídos ao longo do
eixo longitudinal. As partes do esqueleto axial
são
– Crânio
• Crânio 08
• Face 14
– Osso hioide 01
– Ossículos da audição 06
– Coluna vertebral 26
– Tórax
• Esterno 01
• Costelas 24
Divisões do Sistema
esquelético (cont.)

• O esqueleto apendicular (126)


Consiste dos ossos das cinturas e dos
membros superiores e inferiores
(extremidades). As partes do esqueleto
apendicular são
– Cintura escapular
• Omoplatas 02
• Clavícula 02
Divisões do Sistema
esquelético (cont.)

– Membro superior
• Úmero 02
• Cúbito 02
• Rádio 02
• Ossos do Carpo 16
• Metacárpios 10
• Falanges 28
Divisões do Sistema
esquelético (cont.)

– Cintura pélvica
• Osso coxal 02
– Membro inferior
• Fémur 02
• Tíbia 02
• Perónio 02
• Rótula 02
• Ossos do tarso 14
• Metatárcicos 10
• Falanges 28
Caixa Craniana

• O esqueleto, cefálico consiste do crânio,


ossos da face e ossículos do ouvido

• As suturas são articulações imóveis entre os


ossos do crânio
– Sutura coronal, lambdóide, escamosa,
nasomaxilar, esfenofrontal, esfenoescamosa,
occipitomastoidea e sagital
Caixa Craniana
• Os oito ossos cranianos incluem:
– Frontal (1)

– Parietal (2)

– Temporal (2)

– Occipital (1)

– Esfenóide (1)

– Etmóide (1)
Caixa Craniana - Frontal

• Frontal (1)
– Osso que forma a parte anterior do crânio, a
porção superior (teto) das órbitas e a maior parte
da Fossa craniana anterior

– Os seios frontais situam-se profundamente neste


osso, e actuam como caixas de ressonância
Caixa Craniana - Frontal

• Frontal (cont)
– Acidentes ósseos
• Bordos supraórbitários
• Buraco supraórbitário
• Fossas orbitárias
• Glabela
• Espinha nasal
Vista anterior do crânio
Caixa Craniana - Frontal

• Frontal (cont)
– Relações anatómicas
• Parietais
• Nasal
• Zigomático
• Etmóide
• Lacrimal
• Esfenóide
Vista superior do crânio

• Identificam-se quatro ossos

– Frontal

– Parietais(2x)

– Occipital
Vista superior do crânio
Caixa Craniana

• O ponto mais alto do crânio denomina-

se de vertex e localiza-se ao nível da

sutura sagital próximo do seu ponto

médio
Caixa Craniana - Parietal
• Osso parietais (2)
– Formam os lados e teto do crânio. Articulados
na linha mediana, formando a sutura sagital. A
linha de articulação com o frontal forma a
sutura coronal
– Relação anatómica
• Frontal
• Occipital
• Temporal
• Esfenóide
Caixa Craniana - Temporal

• Temporais (2) (tempora = têmporas)

– Os dois ossos temporais (formam a parte


inferior dos lados do crânio e parte do soalho
craniano)

– Na vista lateral do crânio os ossos temporal e


Zigomático unem-se para formar o arco
Zigomático
Caixa Craniana - Temporal

– A fossa mandíbular forma uma articulação

com uma projecção na mandíbula (osso

inferior da boca) denominada processo

condilar para formar a articulação

temporomandibular (ATM)
Crânio (cont.)

– Meato acústico externo

– É o canal no osso temporal que leva ao ouvido


médio

– A apófise mastóide (mastoid = em forma de


mama) é uma projecção arredondada do osso
temporal posteriormente ao meato acústico
externo

– Ele serve como ponto de fixação para vários


Caixa Craniana - Temporal

– Apófise estilóide (stylos = pilar) projecta-se para

baixo desde a superfície inferior do osso temporal

e serve como ponto de fixação para os músculos

e ligamentos da língua e do pescoço

– O canal carotídio é o canal através do qual passa

a artéria carótida interna


Caixa Craniana - Occipital

• Occipital (occipital = parte de trás da cabeça)


– Forma a parte posterior e uma porção
proeminente da base da crânio

– O forame magno é o maior forame no crânio. Ele


é um grande orifício no osso occipital através do
qual passam a medula espinal, as artérias
vertebrais e os nervos
Caixa Craniana - Occipital

– Os côndilos occipitais são projecções ovais, uma

de cada lado do forame magno, que se articulam

com a primeira vértebra cervical (Atlas)


Vista superior da base do
crânio
Caixa Craniana - Esfenóide

• Esfenóide (spheno = em forma de cunha)


– Está situado na parte média da base do crânio.
Este osso é referido como a pedra fundamental
do soalho craniano porque une-se a todos os
outros ossos cranianos

– A sua forma é frequentemente descrita como de


um morcego com as asas estendidas
Caixa Craniana - Esfenóide

– Um ramo do nervo trigémeo (mandíbular)

passa através do forame oval. O osso

Esfenôide também contém o canal óptico,

através do qual passa o nervo óptico


Caixa Craniana - Esfenóide

– os seios esfenoidais que drenam para a cavidade

nasal. Na superfície superior do corpo do

Esfenôide, há uma depressão denominada sela

turca que aloja a hipófise (sela de turco)


Caixa Craniana - Etmóide

• Etmóide (ethmoid = semelhante a uma


peneira)
– É um osso leve e esponjoso localizado na parte
frontal do soalho craniano, entre as órbitas. O
etmóide contém 3 a 18 espaços aéreos, ou
"células". É por estas "células" que o osso recebe
seu nome
– O conjunto de células etmoidais forma os seios
etmoidais
– A lâmina vertical (ou perpendicular) forma a
porção superior do septo nasal
Caixa Craniana - Etmóide

– A lâmina crivosa forma o teto da cavidade nasal.

Ela contém forames crivosos, através dos quais

passa o nervo olfativo. Projectando-se para cima

da lâmina crivosa, há um processo triangular

denominado crista galli (crista de galo), que serve

como ponto de fixação para as membranas

(meninges) que recobrem o cérebro


Caixa Craniana - Etmóide

– Cornetos nasais superior e inferior – são lâminas

ósseas finas, em forma de pergaminho, que

filtram o ar antes que ele passe à traqueia, aos

brônquios e pulmões
Crânio – Ossos da face
• Os 14 ossos faciais são:
– Nasal (2)
– Maxilas (2)
– Zigomático (2)
– Mandíbula (1)
– Lacrimal (2)
– Palatino (2)
– Concha nasal inferior (2)
– Vômer (1).
Ossos da face - Nasais

• Os ossos nasais formam parte do dorso

do nariz. A porção inferior do nariz, que

é sua porção principal, consiste de

cartilagem
Ossos da face - Maxilar
• Os maxilares (macera = mastigar)
– Unem-se para formar o osso superior da
mandíbula e articulam-se com todos os ossos da
face, excepto a mandíbula, ou osso inferior da
boca
– Cada osso maxilar contém um seio maxilar, que
se abre na cavidade do nariz. O processo alvéolar
(alveolus = cavidade) contém os alvéolos
(encaixes ósseos) em que os dentes estão
inseridos
Crânio (cont)

– A maxila forma os três quartos anteriores do


palato duro
– As maxilas esquerda e direita fundem-se
antes do nascimento. Se a fusão não ocorrer,
surge uma condição denominada fenda do
palato e o lábio leoporino
– A fusão incompleta dos lados dos ossos
palatinos também pode ocorrer
Crânio (cont)

– Dependendo da extensão e da posição da

fenda, a fala e a deglutição podem ser

afectadas. Um procedimento cirúrgico

algumas vezes pode melhorar o problema


Crânio (cont)

• Os seios paranasais
São cavidades nos ossos do crânio que se
comunicam com a cavidade nasal. Elas são
revestidas por membranas mucosas. Os
ossos cranianos que contêm seios
paranasais são
– Frontal
– Esfenôide
– Etmóide
– Maxilas
Crânio (cont)

– As secreções da membrana mucosa de um seio


paranasal drenam na cavidade nasal
– Uma inflamação da membrana devido a uma
alergia ou infecção é denominada sinusite. Se a
membrana se edemacia o suficiente para
bloquear a drenagem na cavidade nasal, a
pressão liquida acumula-se no seio paranasal,
resultando numa cefaleia sinusal
– Além de produzir muco, os seios paranasais
servem como câmaras de ressonância sonora
durante a fala
Crânio (cont)

• Ossos zigomáticos

– Os dois ossos zigomáticos habitualmente

referidos como maças do rosto, formam as

proeminências das bochechas

– Os ossos temporal e zigomático unem-se para

formar o arco zigomático


Crânio (cont)

• A mandíbula (mandere = mastigar)


– Osso inferior da boca, é o maior e mais forte osso
facial
– Ela é o único osso móvel do crânio
– A mandíbula tem o côndilo mandíbular que forma
uma articulação com a fossa mandíbular do osso
temporal para formar a articulação
temporomandibular
– A cavidade alvéolar é um arco que contem os
alvéolos (encaixes) para os dentes mandíbulares
Crânio (cont)

– O forame mentoniano (mentum = queixo) é um

orifício na mandíbula usado como ponto de

referência para dentistas para injectar anestésicos


Crânio (cont)

• Os ossos lacrimais pares (lacrima = lágrima)


– São ossos finos, lembrando grosseiramente uma
unha em tamanho e forma

– São os menores ossos da face

– Podem ser observados nas vistas anterior e


lateral do crânio
Crânio (cont)

• Ossos palatinos

– São ossos em forma de L que constituem a

porção posterior do palato


Crânio (cont)

• O Vômer (arado)

– É um osso grosseiramente triangular que forma a

parte inferior e posterior do septo nasal. Ele é

observado claramente na vista anterior do crânio


Crânio (cont)

– As estruturas que formam o septo nasal são a


lâmina perpendicular do etmóide, a cartilagem do
septo e o Vômer
– Um septo nasal desviado projecta-se para o lado
da linha mediana do nariz
– Se o desvio é intenso, pode bloquear totalmente a
passagem nasal
– Mesmo um bloqueio incompleto pode levar à
congestão nasal, ao bloqueio dos seios
paranasais, à sinusite crónica a cefaleias ou a
epistaxes
Ossos da face – Concha nasal
inferior
Crânio (cont)

• Os fontanelas
– São espaços preenchidos por membranas
entre os ossos cranianos dos fetos e crianças.
as principais são:
• Anterior
• Posterior
• Antero-laterais
• Póstero-laterais
Crânio (cont)

• Osso Hióide (hyoedes = em forma de U)


– O hióide é um osso em forma de U que não se
articula com nenhum outro osso
– Está localizado no pescoço, entre a mandíbula e a
laringe
– Ele sustenta a língua e fornece fixação para
alguns de seus músculos, bem como para alguns
músculos do pescoço
Crânio (cont)

– O osso hióide frequentemente é fracturado

durante o estrangulamento. Como resultado, ele é

cuidadosamente examinado em uma autópsia

quando há suspeita de estrangulamento


Coluna vertebral
• Coluna Vertebral
Os ossos da coluna vertebral dividem-se em:
– Vértebras cervicais (7)
– Torácicas (12)
– Lombares (5)
– Sacro (5, fundidas) (1)
– Cóccix (4, fundidas) (1)
Antes da fusão das vértebras sacrais e coccígeas,
o número total de vértebras é 33
Coluna vertebral (cont.)

• Divisões

– Composta de uma série de ossos


denominados vértebras

– É uma barra forte e flexível que se move para


a frente, para trás e para os lados
Coluna vertebral (cont.)

• Funções
– Encerra e protege a medula espinhal

– Sustenta a cabeça

– Serve como ponto de fixação para as costelas


e os músculos do dorso

– Permite o movimento
Coluna vertebral (cont.)

– Entre as vértebras adjacentes, da segunda


vértebra (áxis) até o sacro, há discos
intervertebrais.Cada disco é composto de uma
camada externa, consistindo de fibrocartilagem, e
uma estrutura interna mole, pulposa e gelatinosa,
altamente elástica. Com o tempo o disco vai
sendo comprimido, diminuindo a distância entre
eles (a pessoa perde altura)
– Os discos formam articulações fortes, que
permitem vários movimentos da coluna vertebral e
absorvem o choque vertical
Coluna vertebral (cont.)

• Curvaturas normais
– Quando vista de lado, a coluna vertebral mostra
quatro curvaturas
– Duas delas, denominadas curvatura cervical
lombar, são convexas (abaulamento para fora)em
relação à frente do corpo, e duas, denominadas
torácica e sacral, são côncavas (abaulamento
para dentro)
– Elas aumentam a força e ajudam a manter o
equilíbrio na posição erecta
1

4
Coluna vertebral (cont.)

• Vértebra Típica

– As vértebras em diferentes regiões da

coluna variam em tamanho, forma e

detalhe mas são similares o suficiente para

que possamos discutir uma vértebra típica


Coluna vertebral (cont.)

– O espaço entre o arco vertebral e o corpo

contém a medula espinhal e é conhecido

como forame vertebral

– Os forames vertebrais de todas as

vértebras formam, em conjunto, o canal

vertebral
Coluna vertebral (cont.)

• Corpo da vértebra

– Configuração cilindroide, cuja superfície superior

se articula com o corpo da vértebra que está por

cima, e cuja superfície inferior se articula com o

corpo da vértebra que está por baixo


Coluna vertebral (cont.)

• Forame vertebral
– Mais ou menos arredondado que dá passagem à
espinhal medula
• Apófise transversa e apófise espinhosa
– Serve para inserção de músculos
• Face articular
– Articula-se com a vértebra abaixo dela
• Fóvea ou faceta costal
– Articula-se com a costela
Coluna vertebral (cont.)

• Vértebras cervicais (7)

– Da 2ª à 6ª vértebras cervicais, têm corpos

pequenos, com apófises espinhosas

aparentemente bífidos

– Todas as vértebras cervicais possuem 3 forames


• 1 vertebral

• 2 transversos por onde passam vasos e nervos


Coluna vertebral (cont.)

• As duas primeiras vértebras cervicais diferem


das outras
– A 1ª é o Atlas
• Não tem corpo nem processo espinhoso. A superfície
superior contém faces articulares superiores que se
articulam com os côndilos occipitais (permite mover a
cabeça para cima e para baixo – dizer que sim)
– A 2ª é o Áxis
• Possui um corpo, denominado dente ou apófise
odontóide (articula-se com o Atlas, permitindo o
movimento da cabeça para os lados – dizer que não)
Coluna vertebral (cont.)

• A 7ª vértebra cervical, denominada

proeminente, é marcada por um grande

processo espinhoso, que pode ser visto e

palpado na base da nuca


Coluna vertebral (cont.)

• Vértebras torácicas (12)


– As 10 primeiras vértebras possuem facetas
articulares, que servem para articularem-se com
as costelas

• Vértebras lombares (5)


– As apófises espinhosas são bem adaptados para
a fixação de grandes músculos
SACRO
• Osso triangular formado pela união de cinco
vértebras sagradas
• A fusão começa entre 16 e 18 anos de idade
e usualmente está completa por volta dos 25
anos
• O sacro serve como uma forte fundação para
a cintura pélvica. Ele está posicionado na
porção posterior da cavidade pélvica, entre
os dois ossos do quadril
Cóccix

• O cóccix tem forma triangular e é formado

pela fusão (usualmente entre 20 e 30 anos

de idade) das vértebras coccígeas


Tórax
• O esqueleto torácico consiste do
– Esterno
– Costelas com cartilagens costais
– Vértebras torácicas

• A caixa torácica protege os órgãos vitais na


área do tórax
Esterno

• O esterno é um osso plano e estreito


localizado no centro da parede torácica
anterior
– É dividido no manúbrio (manubrium = manivela), a
porção superior

– Corpo, a porção média e maior

– Processo xifóide
Esterno (cont.)

• O manúbrio articula-se com as clavículas e


com a primeira e segunda costelas
• Se as mãos de um socorrista estiverem mal-
posicionadas durante a ressuscitação
cardiopulmonar (RCP), existe o risco de
fracturar o processo xifóide e perfurar o
fígado
• Local de punção de medula óssea
Costelas
• Doze pares de costelas compõem os lados
da cavidade torácica
• As costelas aumentam em comprimento da
primeira à sétima
• Então, elas diminuem em comprimento até a
décima-segunda costela. Cada costela
articula-se posteriormente com sua vértebra
torácica correspondente.
Costelas
• Da primeira à sétima costelas são
denominadas costelas verdadeiras
• Os cinco pares restantes são referidos como
costelas falsas, pois suas cartilagens costais
não se fixam directamente ao esterno ou
nem mesmo se fixam
• A décima-primeira e décima-segunda
costelas falsas também são denominadas
costelas flutuantes
Costelas (cont.)

• Os espaços entre as costelas, denominados espaços

intercostais (inter = entre), são ocupados por

músculos, vasos sanguíneos e nervos intercostais


Cintura escapular
• Fixa os ossos dos membros superiores ao
esqueleto axial
• Cada uma das duas cinturas escapulares
consiste de dois ossos
– Clavícula
– Omoplata
Clavícula

• É um osso longo, situado transversalmente

entre o acrómio da omoplata e o manúbrio do

esterno

• Tem o feitio de um biscoito em S, mostrando-

nos portanto 2 curvaturas


Omoplata
• São ossos grandes, triangulares e planos, situados
na parte posterior do tórax
• Uma crista aguda, a espinha, corre diagonalmente
através da superfície posterior do corpo. A
extremidade da espinha é denominada acrômio (acro
= topo). Este processo articula-se com a clavícula.
Inferiormente ao acrômio está uma depressão
denominada cavidade glenóide
• Esta cavidade articula-se com a cabeça do úmero
para formar a articulação do ombro. Também está
presente na omoplata uma projecção denominada
processo coracóide, ao qual se fixam os músculos.
Membro superior
• Os ossos de cada membro superior incluem
– Úmero
– Cúbito (ulna)
– Rádio
– Carpo
– Metacarpo
– Falanges
Úmero
• Maior e mais longo osso do MS
• Articula-se com a omoplata e no cotovelo
com o rádio e o cúbito
• Acidentes anatómicos
– Cabeça (articula com a cavidade glenóide)
– Troquiter e troquino
– Colo anatómico ou cirúrgico
– Tuberosidade deltóidea (fixação do músculo
deltóide)
– Côndilo (articula com a cabeça do rádio)
Úmero (cont.)

– Tróclea (articula-se com o cúbito)

– Troquiter e o troquino separados pela goteira

bicipital (que dá passagem ao bícipite)


Cúbito

• Osso medial do antebraço (localizado no lado

do dedo mínimo)
Cúbito
• Osso longo que com o rádio constitui o
esqueleto do antebraço
• Apresenta um corpo e duas extremidades
– O corpo apresenta 3 faces: Anterior , posterior,
interna
– A parte superior ajusta-se à Tróclea do úmero
(articulação úmero-cubital) – Grande cavidade
sigmoidea
• Posteriormente apresenta o olecrâneo – que
insere poderosos músculos
Cúbito
• A extremidade inferior é a cabeça do cúbito
• Exteriormente apresenta apresenta uma
superfície articular que corresponde à
cavidade sigmoide do rádio
• Inferiormente outra superfície articular para
os ossos da primeira fiada do carpo
• Do lado mais interno destaca-se a apófise
estiloide que se dirige verticalmente para
baixo
Rádio

• Encontra-se imediatamente para fora do

cúbito

• O corpo mostra 3 faces

– Anterior

– Posterior

– Externa
Rádio
• Superior
– Designa-se por cabeça do rádio
• Cilíndrica apresenta uma face escavada em cúpula –
Cabeça do rádio
• Inferior
– Parte mais volumosa do osso, irregular, de forma
cuboíde
• Na parte inferior deste cubo – articulação rádio-cárpica
• Apresenta externamente a apófise stiloide do rádio
Ossos do carpo
• Constituído por 8 osso curtos – os osso do
carpo
• Dispostos em 2 fiadas transversais
– Superior
• Escafóide
• Semilunar
• Piramidal
• Pisiforme
– Inferior
• Trapézio
• Trapezoide
• Grande osso (capitato)
• Unciforme
Mão

• Carpo

• Metacarpo

• Dedos
Metacarpo
• São 5, os metacárpicos
– Primeiro
– Segundo...terceiro...

• Apresentam as articulações
– Metacárpicas
– Metacarpo-falângicas
Dedos
• Falange
• Falanginha
• Falangeta
Ou
• Próximal
• Medial
• Distal

O pulgar só tem 2 falanges


Membros inferiores

• Anca

• Coxa

• Perna

• Pé
Membros inferiores
• Os membros inferiores ou membros pélvicos
são especialmente 8, destinadas à função
locomotora
• Configurados à semelhança dos membros
superiores, compreendem também quatro
segmentos que são, de cima para baixo
– Anca (cintura pélvica) com um só osso - O Osso
coxal
– Coxa com um só osso também – O Fémur
– Perna com dois - a Tíbia e a Perónio
– Pé com 26 ossos repartidos pelo Tarso,
Metatarso e dedos
Osso coxal

• O osso coxal constitui sozinho o esqueleto da


anca

• Formado por três peças primitivamente


separadas
– Ilion em cima

– Isquion em baixo

– Púbis à frente
Osso coxal
• Considerando como uma só peça temos
– Face externa
• Acetábulo ou cavidade cotiloide – recebe a cabeça do
fémur
• Fossa ilíaca externa
• Buraco obturado
– Face interna
• Dividida em 2 partes, superior e inferior
• Apresenta a faceta auricular – constitui a articulação
sacro-ilíaca
Osso coxal
– Bordos
• Anterior
• Posterior
• Superior – vulgarmente crista ilíaca
• Inferior
– Ângulos
• Antero superior
• Póstero-superior
• Antero-inferior – forma a sínfise púbica
• Póstero-inferior
Bacia

• Os 2 ossos coxais reunidos à frente pela

sínfise púbica e separados pelo sacro, com

que se articulam, constituem com este último

a designada Bacia ou Pélvis


Bacia
• Extremamente importante em obstetrícia
• Forma de cone, eixo oblíquo de cima para
baixo e de diante para trás
– Estreito Superior (exopélvico)
• Promontório sagrado
• Linha inonimada
• Sínfise púbica
– Estreito interior (endopélvico)
• Espinha ciática
• Cóccix
• Sínfise púbica
Comparação a bacia feminina
e masculina
• A pelve feminina é adaptada para a gestação
e o parto
– Os ossos masculinos geralmente são maiores e
mais pesados do que os femininos, e possuem
referências anatómicas mais proeminentes para a
fixação muscular

– Onde mais se destinguem é nas dimensões


Mulher Homem
• Estrutura geral leve e • Estrutura geral pesada
fina • Pelve maior profunda
• Pelve maior rasa • Sacro longo, estreito,
• Sacro curto, plano, com leve concavidade
curvado posteriormente
na parte inferior • Arco púbis com ângulo
• Arco púbis com ângulo < 90º
> 90º • Ílio mais vertical
• Ílio menos vertical • Crista ilíaca mais
• Crista ilíaca menos curva
curva • Acetábulo grande
• Acetábulo pequeno • Forame obturado
• Forame obturado oval redondo
• Estreito sup oval • Estreito sup em
Fémur (cont.)

• É o mais comprido, desenha um ligeiro arco


de concavidade posterior e apresenta-se
levemente torcido sobre o seu eixo

• Obliquidade mais acentuada na mulher do


que no homem porque na mulher é mais
curto, e a bacia é mais larga
Fémur (cont.)

• Apresenta um corpo e duas extremidades


– Superior
– Inferior
• O corpo mostra-nos uma face anterior, uma
interna e uma externa. O encontro das faces
são os bordos. O mais importante é o
posterior, também designado par linha
áspera do fémur
Fémur (cont.)

• Superiormente apresenta a cabeça do fémur,


que articula com o acetábulo para constituir a
articulação coxo-fémoral.

• Olha para dentro para cima e para a frente, e


apresenta nas proximidades do seu centro
uma depressão que é a fosseta do ligamento
redondo
Fémur (cont.)

• Imediatamente para fora e para baixo, da


cabeça, encontra-se o colo anatómico
• Mais para fora , vê-se uma eminência
quadrilátera que dá inserção a poderosos
músculos, o grande trocânter
• Na parte inferior e posterior do colo, destaca-
se uma pequena mas robusta apófise o
pequeno trocânter que dá inserção ao psoas-
ilíaco
Fémur (cont.)

• Continua-se pelo corpo do fémur pelo chamado


colo cirúrgico local de eleição de fracturas

• Inferior e medialmente temos o tróclea do fémur


que se articula com a rótula, e os côndilos que
se articulam com os pratos da tíbia, constituindo
a articulação do joelho

• Chanfradura intercondiliana
Rótula

• Osso curto, achatado, mais ou menos

circular, colocado à frente da articulação,

como um escudo a defender

– Face anterior convexa e rugosa

– Face posterior articular


Tíbia
• A Tíbia é um osso longo que como o perónio
constitui o esqueleto da perna
• Apresenta a considerar um corpo e duas
extremidades
• O corpo apresenta
– Face interna
– Face externa
– Face posterior- nesta vê-se a linha oblíqua da
tíbia
Tíbia (cont.)

• O encontro das faces desenha os bordos que


formam a crista da tíbia
• Superiormente apresenta 2 superfícies
articulares horizontais – cavidades glenoides
da tíbia separadas pela espinha da tíbia e
suportadas por 3 robustas massas, as
tuberosidades da tíbia, a interior, a exterior e
a anterior
Tíbia (cont.)

• Extremidade inferior
– Inferiormente articula-se a Tróclea do astragalo
(articulação tíbio-társica)

– Externamente possui a faceta articular para o


perónio

– Internamente tem o maléolo interno que também


serve para articulação tíbio-társica
Perónio
• Encontra-se imediatamente para fora e para
trás da tíbia
• Mais fino que a tíbia, apresenta também o
corpo e 2 extremidades
• Corpo
– Face externa
– Face interna
– Face posterior
Perónio (cont.)

• Extremidade superior (cabeça do perónio)


– Apresenta medialmente uma cabeça articular
para a tíbia
• Extremidade inferior
– Medialmente apresenta uma face articular
para a tíbia e para o astragalo
– Lateralmente apresenta prolongamento
designado maléolo externo
Ossos do tarso
• Constituído por 7 ossos curtos dispostos em
2 fiadas
• Posterior
– Astragalo
– Calcâneo
• Anterior
– Cuboide
– Escafoide
– 3 cuneiformes
Ossos do tarso (cont.)

• Astragalo
– Forma cuboide, tem uma tróclea para articular
com a tíbia (articulação tíbio-társica)
– A face posterior articula com o calcâneo
(articulação astragalo-calcaneana)
– Face anterior tem uma cabeça esférica para o
Escafoide (articulação astragalo-escafoideia)
Ossos do tarso (cont.)

• Calcâneo

– Mais volumoso que o astragalo

– Forma de paralelepípedo

– Articula-se com o astragalo e com o cuboide


Ossos do metatarso

• São cinco

– O primeiro

– Segundo...quinto

– Articulam-se com o tarso e com a falange


Ossos dos dedos
• São cinco
– Primeiro
– Segundo...quinto
– Constituído por 3 falanges
• Próximal
• Medial
• Distal
Arcos do pé

Suportam peso e servem de alavanca ao

deambular

• Longitudinal

– A sua altura pode diminuir por enfraquecimento,

originando o pé plano

• Transverso