Você está na página 1de 271

Centro Filosófico do Kung Fu - Internacional

CHINA & ARTES


MARCIAIS
História e Filosofia

Volume 1

www.centrofilosoficodokungfu.com.br
“Se atravessarmos a vida convencidos de que a nossa é a única maneira de pensar

que existe, vamos acabar perdendo todas as oportunidades que surgem a cada dia”

(Akio Morita)
Editorial

Esta publicação é o 1° volume da coletânea “História e Filosofia


das Artes Marciais”, selecionada para cada país que teve destaque na sua
formação. Aqui o foco é a China.

Todo conteúdo é original da “Wikipédia”, editado e


fornecido gratuitamente pelo Centro Filosófico do Kung
Fu - Internacional.

É muito importante divulgar esta coletânea no meio das artes


marciais, independente do praticante; pois estaremos contribuindo para a
formação de uma classe de artistas marciais de melhor nível que, com
certeza, nosso meio estará se enriquecendo.

Bom trabalho !
CHINA & ARTES MARCIAIS
Historia e Filosofia
Conteúdo

1 República Popular da China 1


1.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2.1 Pré-história . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2.2 Primeiras dinastias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2.3 China Imperial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2.4 Declínio dinástico e guerras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.2.5 República (1912-1949) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.2.6 República Popular (1949-presente) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.3 Geografia e clima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.3.1 Flora e fauna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.3.2 Problemas ambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.4 Demografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.4.1 Composição étnica e idiomas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.4.2 Urbanização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.4.3 Religião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.5 Governo e política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.5.1 Relações exteriores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.5.2 Forças armadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.5.3 Problemas sócio-políticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.6 Subdivisões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.7 Economia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.8 Infraestrutura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.8.1 Educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.8.2 Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.8.3 Telecomunicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.8.4 Transportes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.8.5 Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.8.6 Ciência e tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.9 Cultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.9.1 Esportes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.9.2 Feriados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

i
ii CONTEÚDO

1.10 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22


1.11 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.12 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

2 História da China 33
2.1 Pré-história . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
2.1.1 Neolítico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
2.2 História antiga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
2.2.1 Dinastia Xia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
2.2.2 Dinastia Shang . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
2.2.3 Dinastia Zhou . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
2.2.4 Período das Primaveras e dos Outonos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.2.5 Período dos reinos combatentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.3 China Imperial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.3.1 Dinastia Qin (221 —206 a.C.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.3.2 Dinastia Han (202 a.C. —220 d.C.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
2.3.3 Dinastia Jin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
2.3.4 Dinastia Sui: reunificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
2.3.5 Dinastia Tang: o retorno da prosperidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
2.3.6 Cinco dinastias e dez reinos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.3.7 Divisão política: os liaos, os sungs, os xias ocidentais, os jins . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.3.8 Os mongóis e a Dinastia Yuan . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.3.9 Dinastia Ming: nova hegemonia dos hans . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.3.10 Dinastia Qing . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
2.4 O declínio da monarquia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
2.5 A República da China . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
2.6 A China do presente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
2.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
2.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
2.9 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

3 Língua chinesa 44
3.1 Transliteração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.2 Dialetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.3 Gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.4 Sistema de escrita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.5 Estrutura fonológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
3.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

4 Dinastia 47
4.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
CONTEÚDO iii

4.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47


4.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

5 Muralha da China 49
5.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
5.2 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
5.2.1 Extensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
5.2.2 Estrutura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
5.2.3 Principais Portas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
5.3 Patrimônio Mundial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
5.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
5.5 Galeria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
5.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

6 Dragão chinês 52
6.1 Adoração ao Dragão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
6.2 Representação das cores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
6.3 O dragão como regente do tempo e da água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
6.4 O dragão como símbolo da autoridade imperial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
6.5 A crença moderna no dragão chinês . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
6.6 Representação do dragão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
6.6.1 Representação Neolítica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
6.6.2 Representação Clássica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
6.7 Garras do Dragão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
6.8 Referências Culturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
6.8.1 Número nove . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
6.8.2 Horóscopo Chinês . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
6.8.3 Constelações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
6.9 Dança do Dragão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
6.10 Dragões Chineses na cultura popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
6.11 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

7 Filosofia chinesa 58
7.1 História do pensamento chinês . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
7.2 O pensamento chinês pode ser chamado de filosofia? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
7.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
7.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

8 Yin-yang 59
8.1 Princípios complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
8.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
8.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
8.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
iv CONTEÚDO

9 Confúcio 61
9.1 Nascimento e juventude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
9.2 Viagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
9.3 Ideias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
9.4 Discípulos e legado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
9.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
9.6 Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
9.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
9.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

10 Confucionismo 64
10.1 Temas do raciocínio confucionista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
10.1.1 Ritual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
10.1.2 Lealdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
10.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
10.2.1 Mêncio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
10.2.2 Xun Zi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
10.2.3 Império chinês . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
10.2.4 Antiguidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
10.2.5 Dias de hoje . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
10.2.6 Ditos do Confucionismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
10.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
10.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66

11 I Ching 67
11.1 Filosofia e cosmologia no I Ching . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
11.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
11.2.1 Dinastia Chou . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
11.3 O uso oracular do I Ching . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
11.4 Manifestações culturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
11.5 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
11.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
11.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
11.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

12 Lao Zi 70
12.1 O Legado do Tao Te Ching . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
12.2 A história de Lao Zi segundo o cânon religioso taoista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
12.3 Influência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
12.3.1 Brecht e Lao Zi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
12.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
12.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
CONTEÚDO v

12.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72


12.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
12.8 Leituras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

13 Taoismo 74
13.1 Categorização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
13.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
13.3 O tao do taoismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
13.4 Filosofia taoista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
13.4.1 Wu wei . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
13.4.2 Textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
13.4.3 Taoismo e confucionismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
13.5 Religião taoista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
13.5.1 Influências no zen-budismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
13.6 Taoismo fora da China . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
13.6.1 Taoismo no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
13.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
13.8 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
13.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
13.10Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
13.11Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

14 Tao Te Ching 82
14.1 Origens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
14.2 Difusão no ocidente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
14.3 Interpretação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
14.4 Cosmogonia no Tao Te Ching . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
14.5 Trechos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
14.6 A dificuldade de traduzir a língua chinesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
14.6.1 Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
14.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
14.8 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
14.9 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
14.10Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
14.10.1 Textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

15 Sun Tzu 88
15.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
15.2 A Arte da Guerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
15.3 Autenticidade histórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
15.4 Legado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
15.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
vi CONTEÚDO

15.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
15.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
15.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

16 A Arte da Guerra 92
16.1 A guerra na época de Sun Tzu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
16.2 Capítulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
16.3 Entendendo A Arte da Guerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
16.4 Análise de A Arte da Guerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
16.5 Análise de militares sobre A Arte da Guerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
16.6 Trechos do livro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
16.7 Panorama histórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
16.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
16.9 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
16.10Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

17 Artes marciais 107


17.1 A origem do termo “artes marciais” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
17.2 A História das artes marciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
17.3 Imagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
17.4 Sistemas de classificação dos estilos de luta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
17.4.1 Artes marciais orientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
17.4.2 No Ocidente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
17.5 Vídeos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
17.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
17.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

18 Cronologia das artes marciais 110


18.1 Idade do Cobre (4000 AC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
18.2 Idade do Bronze (2000 a 1000 AC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
18.3 Idade do Ferro e Antiguidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
18.4 Idade Média (500 a 1500) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
18.5 Início da Idade Moderna (1500 a 1800) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
18.6 Século XIX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
18.7 Século XX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
18.8 Século XXI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
18.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

19 Artes marciais chinesas 114


19.1 História das artes marciais chinesas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
19.2 Estilos de artes marciais chinesas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
19.2.1 Estilos externos (外家 wài jiā) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
19.2.2 Estilos internos (內家 nèi jiā) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
CONTEÚDO vii

19.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

20 Shaolin 116
20.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
20.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
20.3 As Dez Normas Budistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
20.4 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
20.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
20.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

21 Meditação budista 118


21.1 Diferentes visões e equívocos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
21.2 Tradições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
21.2.1 Theravada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
21.2.2 Vajrayana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
21.2.3 Zen . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
21.2.4 Terra pura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
21.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
21.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
21.5 Leituras adicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
21.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

22 Bodhidharma 120
22.1 Ensinamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
22.1.1 Meditação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
22.1.2 Bodhidharma e as Artes Marciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
22.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
22.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
22.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121

23 Budismo 122
23.1 A vida de Buda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
23.2 Conceitos budistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
23.2.1 A vida e o mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
23.2.2 Sofrimento: causas e soluções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
23.2.3 A forma como as coisas são . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
23.3 Escolas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
23.4 Nirvana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
23.5 Origens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
23.6 Cosmologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
23.7 Escrituras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
23.8 Difusão do budismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
23.8.1 Índia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
viii CONTEÚDO

23.8.2 Sri Lanka e Sudeste da Ásia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130


23.8.3 China . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
23.8.4 Coreia e Japão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
23.8.5 Tibete . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
23.9 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
23.10Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
23.11Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
23.12Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
23.13Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134

24 Wushu 135
24.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
24.2 O termo “Kung Fu” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
24.3 A saudação Kin Lai . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
24.4 Objetivos e benefícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
24.5 Estilos De Kung Fu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
24.6 Livros de treinamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
24.7 Cinema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
24.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
24.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
24.10Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138

25 Baguazhang 139
25.1 Andar em círculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
25.2 Shi yao (十要): As 10 Orientações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
25.3 Ba Fa (八法): os oito princípios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
25.4 Os oito animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
25.5 A história do Baguazhang . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
25.6 Escolas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
25.6.1 Na China . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
25.6.2 No Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
25.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
25.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
25.9 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142

26 Ba gua 143
26.1 O princípio das “Oito Mutações” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
26.2 Ba Gua 八卦 (Oito Trigramas) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
26.3 O conceito original . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
26.4 Lendas sobre a revelação do conhecimento do Ba Gua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
26.5 O uso do Ba Gua como amuleto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
26.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
CONTEÚDO ix

26.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145


26.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
26.9 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

27 Trigrama 146
27.1 Trigramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
27.2 Os oito Trigramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
27.3 Dos Trigramas aos Hexagramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
27.4 Descrição de cada trigrama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
27.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
27.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

28 Pa chi chuan 148


28.1 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
28.2 O “estilo do guarda-costas” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
28.3 Personagens de ficção que lutam pa chi chuan . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
28.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148

29 Bak sil lam 149


29.1 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149

30 Choy lay fut 150


30.1 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150

31 Fei hok phai 151


31.1 Graduação oficial do estilo Fei Hok Phai . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
31.2 Técnicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
31.3 Hierarquia e Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
31.4 Nomenclaturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
31.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
31.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
31.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151

32 Hung gar 152


32.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
32.2 Sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
32.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153

33 Kung shi 154


33.1 A saudação írini . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154

34 Pak Hok 155


34.1 Sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
34.2 Legenda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
x CONTEÚDO

34.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155


34.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
34.5 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

35 Sanshou 156
35.1 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
35.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
35.2.1 O sanshou como esporte de combate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
35.3 Sanshou amador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
35.3.1 Categorias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
35.3.2 Regras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
35.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157

36 Shaolin quan 158


36.1 Formas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
36.2 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

37 Punho de Serpente (Wushu) 160


37.1 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
37.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
37.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
37.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160

38 Shuai jiao 161


38.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
38.2 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

39 I-chuan 162
39.1 Técnicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
39.2 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162

40 Dim mak 163


40.1 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
40.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

41 Qinna 164
41.1 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
41.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
41.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
41.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165

42 Tai chi chuan 166


42.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
42.2 Origem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
CONTEÚDO xi

42.3 Ji e qui . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168


42.4 Estilos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
42.5 As treze posturas fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
42.6 Os dez princípios essenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
42.7 Arte marcial, esporte ou prática para a saúde? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
42.8 Árvore genealógica das linhagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
42.9 No Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
42.10Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
42.11Literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
42.12Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
42.13Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
42.14Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172

43 Louva-a-deus do norte 173


43.1 A lenda da criação do estilo do louva-a-deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
43.2 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
43.3 Estilos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
43.4 Sete estrelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
43.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
43.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174

44 Louva-a-deus do sul 175


44.1 Ramos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
44.1.1 Lau Shui 劉瑞/劉水 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
44.1.2 Kwong Sai Jook Lum 江西竹林 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
44.1.3 Boi de Ferro 鐵牛 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
44.2 “Hakka Kuen” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
44.3 Louva-a-deus? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
44.4 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
44.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
44.6 Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

45 Wing Chun 178


45.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
45.2 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
45.3 Nomenclaturas de graduação do Wing Chun . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
45.3.1 Professores (Mestres) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
45.3.2 Alunos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
45.3.3 Alunas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
45.4 Cinema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
45.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
45.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
xii CONTEÚDO

45.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179

46 Hsing-i chuan 180


46.0.1 As Formas Animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
46.1 Hsing-i chuan no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
46.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
46.3 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
46.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181

47 Garra de águia 182


47.1 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
47.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
47.3 Principais movimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
47.3.1 Graduação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
47.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

48 Zui quan 184

49 Chi kung 185


49.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
49.2 No Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
49.3 Classificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
49.4 Inspiração da natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
49.5 O Grou . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
49.6 A Tartaruga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
49.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
49.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188

50 Chacra 189
50.1 Energia vital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
50.2 O corpo físico e cada um dos chacras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
50.2.1 Muladhara . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
50.2.2 Svadhisthana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
50.2.3 Manipura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
50.2.4 Anahata . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
50.2.5 Vishuddha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
50.2.6 Ajña . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
50.2.7 Sahasrara . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
50.3 Como energizar os chacras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
50.4 Origem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
50.5 Prana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
50.6 Kundalini . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
50.7 Definição da Doutrina Espírita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
CONTEÚDO xiii

50.8 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194


50.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194

51 Palma de ferro 195


51.1 Abrangência do conceito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
51.2 Treinamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195

52 Nunchaku 196
52.1 Anatomia do nunchaku . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
52.1.1 Anatomia do nunchaku tradicional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
52.1.2 Anatomia do nunchaku moderno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
52.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
52.3 Escolas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
52.4 Nunchaku no combate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
52.5 Cuidados com o nunchaku . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
52.6 Mestres do nunchaku . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
52.7 Nunchaku na cultura popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
52.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
52.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
52.10Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
52.11Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199

53 Sansetsukon 200
53.1 Registros históricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
53.2 Ficção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
53.3 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200

54 Dao (sabre) 201


54.1 Uso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
54.2 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
54.2.1 A lâmina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
54.2.2 A guarda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
54.2.3 A empunhadura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
54.2.4 Os panos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
54.3 Tipos de Dao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
54.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
54.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203

55 Bruce Lee 204


55.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
55.1.1 Infância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
55.1.2 Nomes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
55.1.3 Família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
xiv CONTEÚDO

55.1.4 Início nas artes marciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205


55.1.5 Deixando Hong Kong . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
55.2 A vida nos EUA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
55.2.1 Jun Fan Kung Fu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
55.3 Aptidão física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
55.3.1 Os abdominais de Bruce Lee . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
55.4 Jeet Kune Do . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
55.4.1 Long Beach e campeonatos de lutas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
55.5 Carreira artística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
55.6 Filmografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
55.7 Filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
55.8 Morte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
55.8.1 Conspirações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
55.9 Personagens em sua homenagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
55.10Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
55.10.1 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
55.11Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211

56 Jeet kune do 212


56.1 Origem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
56.2 Entendendo o Jeet Kune Do . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
56.3 A filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213

57 Soco de uma polegada 214


57.1 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
57.2 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214

58 Yip Man 215


58.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
58.2 Cinema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
58.3 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
58.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
58.5 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
58.6 Fontes, contribuidores e licenças de texto e imagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
58.6.1 Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
58.6.2 Imagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
58.6.3 Licença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
Capítulo 1

República Popular da China

A República Popular da China (RPC; chinês simpli- o fim da Segunda Guerra Mundial. Na fase de 1946-1949
ficado: 中华人民共和国; chinês tradicional: 中華人 da Guerra Civil Chinesa, o Partido Comunista derrotou
民共和國; pinyin: ), também conhecida simplesmente o nacionalista Kuomintang no continente e estabeleceu a
como China, é o maior país da Ásia Oriental e o mais po- República Popular da China, em Pequim, em 1 de ou-
puloso do mundo, com mais de 1,36 bilhão de habitantes, tubro de 1949, enquanto o Partido Nacionalista mudou
quase um quinto da população da Terra. É uma república a sede do seu governo para Taipei. Desde então, a ju-
socialista, governada pelo Partido Comunista da China risdição da República da China está limitada à Taiwan
(PCC) sob um sistema unipartidário* [4] e que tem juris- e algumas ilhas periféricas (incluindo Penghu, Kinmen e
dição sobre vinte e duas províncias, cinco regiões autô- Matsu) e o país recebe reconhecimento diplomático limi-
nomas (Xinjiang, Mongólia Interior, Tibete, Ningxia e tado ao redor do mundo.
Guangxi), quatro municípios (Pequim, Tianjin, Xangai
Desde a introdução de reformas econômicas em 1978,
e Chongqing) e duas Regiões Administrativas Especiais a China tornou-se em uma das economias de mais rá-
com grande autonomia* [5] (Hong Kong e Macau). A ca- pido crescimento no mundo,* [9] sendo o maior expor-
pital da RPC é Pequim.* [6] tador e o terceiro maior importador de mercadorias do
Com aproximadamente 9,6 milhões de quilômetros qua- planeta. A industrialização reduziu a sua taxa de pobreza
drados, a República Popular da China é o terceiro (ou de 53% (em 1981) para 8% (em 2001).* [10] O país tem
quarto) maior país do mundo em área total e o segundo sido considerado uma superpotência emergente por vá-
maior em área terrestre.* [7] Sua paisagem é variada, com rios acadêmicos,* [11] analistas econômicos* [12] e mili-
florestas de estepes e desertos (como os de Gobi e de tares.* [13] A importância da China* [14]* [15] como uma
Taklamakan) no norte seco e frio, próximo da Mongólia e grande potência é refletida através de seu papel como
da Sibéria (Rússia), e florestas subtropicais no sul úmido segunda maior economia do mundo (ou segunda maior
e quente, próximo ao Vietnã, Laos e Mianmar. O terreno em poder de compra) e da sua posição como membro
do país, a oeste, é de alta altitude, com o Himalaia e as permanente do Conselho de Segurança da Organização
montanhas Tian Shan formando fronteiras naturais entre das Nações Unidas e de várias outras organizações multi-
a China, a Índia e a Ásia Central. Em contraste, o litoral laterais, incluindo a Organização Mundial do Comércio,
leste da China continental é de baixa altitude e tem uma Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, Grupo dos Vinte,
longa faixa costeira de 14 500 quilômetros, delimitada a BRICS e da Organização para Cooperação de Xangai.
sudeste pelo Mar da China Meridional e a leste pelo Mar Além disso, o país é reconhecido como uma potência nu-
da China Oriental, além dos quais estão Taiwan, Coreia clear, além de possuir o maior exército do mundo em nú-
(Norte e Sul) e Japão. mero de soldados e o segundo maior orçamento de defesa.
A nação tem uma longa história, composta por diversos
períodos distintos. A civilização chinesa clássica —uma
das mais antigas do mundo —floresceu na bacia fértil do 1.1 Etimologia
rio Amarelo, na planície norte do país.* [8] O sistema po-
lítico chinês era baseado em monarquias hereditárias, co- A palavra “China”é derivada do persa Cin (‫)چین‬, que
nhecidas como dinastias, que tiveram seu início com a por sua vez é derivado do sânscrito Cina (चीन).* [16] O
semimitológica Xia (aproximadamente 2000 a.C.) e ter- termo é registrado pela primeira vez em 1516 no diário
minaram com a queda dos Qing, em 1911. Desde 221 do explorador português Duarte Barbosa.* [17] A pala-
a.C., quando a dinastia Qin começou a conquistar vários vra sânscrita foi usada para se referir à China já em 150
reinos para formar um império único, o país expandiu-se, d.C.* [18] Há várias teorias acadêmicas sobre a origem
fraturou-se e reformulou-se várias vezes. A República da desta palavra. A teoria tradicional, proposta no século
China, fundada em 1911 após a queda da dinastia Qing, XVII por Martino Martini, é a de que a palavra China
governou o continente chinês até 1949. Em 1945, a repú- é derivada de Qin (秦), o mais ocidental dos reinos chi-
blica chinesa adquiriu Taiwan do Império do Japão, após neses durante a dinastia Zhou, ou a partir do sucesso da

1
2 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

dinastia Qin (221–206 a.C.).* [19] A palavra Cina é usada 1.2.2 Primeiras dinastias
em duas escrituras hindus – o Mahābhārata, do século V
a.C., e no Código de Manu, do século II a.C. – referindo- A tradição chinesa indica a Dinastia Xia como a pri-
se a um país localizado na fronteira tibetana-birmana no meira dinastia imperial, mas ela era considerada mítica
leste da Índia.* [20]* [21] até que escavações científicas encontraram os primeiros
sítios da Cultura Erlitou, da Idade do Bronze, na provín-
Na China, os nomes comuns para se referir ao país in-
cia de Henan em 1959. Os arqueólogos já descobriram
cluem Zhōngguó (chinês simplificado: 中国, literalmente
sítios urbanos, implementos de bronze e túmulos em lo-
‘O(s) Estado(s) do Meio’) e Zhonghua (chinês simpli-
cais citados como pertencentes aos Xia em antigos textos
ficado: 中华), embora o nome oficial do país tenha sido
históricos, mas é impossível verificar se esses restos são
alterado inúmeras vezes por sucessivas dinastias e gover-
dessa época sem registros escritos do período.* [28]
nos modernos. O termo Zhongguo apareceu em vários
textos antigos, como o Shujing do século VI a.C,* [22] e A primeira dinastia chinesa que deixou registros histó-
em tempos pré-imperiais ele foi muitas vezes usado como ricos foi a vagamente feudal Dinastia Shang (Yin), que
um conceito cultural para distinguir o Huaxia dos bárba- estabeleceu-se ao longo do rio Amarelo, no leste da
ros. O termo, que pode ser singular ou plural, se refere ao China, do século XVII ao XI a.C. A escrita oráculo em
grupo de Estados na planície central da China. Foi só no ossos dessa dinastia representa a forma mais antiga de
século XIX que a expressão surgiu como o nome formal escrita chinesa já encontrada e é uma ancestral direta dos
do país. Os chineses não eram os únicos a definir a sua caracteres chineses modernos usados em todo o leste da
nação como“central”, já que outras civilizações tinham Ásia. Os Shang foram invadidos pelo oeste pela Dinastia
a mesma opinião sobre si mesmas.* [23] Zhou, que governou entre os séculos XII e V a.C., até que
a sua autoridade centralizada foi lentamente corroída por
senhores de guerra feudais. Vários Estados independen-
1.2 História tes finalmente emergiram do enfraquecido governo Zhou
e entraram em guerra constantemente uns contra os ou-
tros durante o chamado Período das Primaveras e Outo-
1.2.1 Pré-história nos, que durou 300 anos, sendo apenas ocasionalmente
interrompido pelo imperador Zhou. Até o momento do
Período dos Reinos Combatentes, durante os séculos V e
III a.C., havia sete poderosos Estados soberanos no que
é agora é a atual China, cada um com seu próprio rei,
ministério e exército.* [29]

1.2.3 China Imperial

Territórios aproximados ocupados por diferentes dinastias, bem


como por modernos Estados políticos, ao longo da história da
China.

Evidências arqueológicas sugerem que os primeiros Alguns dos milhares de guerreiros de terracota em tamanho real
hominídeos habitaram a China entre 250 mil a 2,24 mi- da dinastia Qin (ca. 210 a.C.)
lhões de anos atrás.* [24] Uma caverna em Zhoukoudian
(próximo da atual Pequim) continha fósseis datados entre O primeiro Estado unificado chinês foi estabelecido
300 mil e 780 mil a.C.* [25]* [26] Os fósseis da caverna por Qin Shi Huang, do Estado Qin, em 221 a.C. Qin
são do Homem de Pequim, um exemplo de Homo erectus proclamou-se o“Primeiro Imperador”(始皇帝) e impôs
que manipulava o fogo. Há também restos de Homo sa- muitas reformas em toda a nação, principalmente a nor-
piens que datam de 18 mil a 11 mil a.C. encontrados no malização forçada da língua, medidas, comprimento de
local do Homem de Pequim.* [27] eixos e da moeda chinesa. A Dinastia Qin durou apenas
1.2. HISTÓRIA 3

quinze anos, caindo logo após a morte de Qin Shi Huang, uma população de cerca de 100 milhões de habitantes. O
que com o duro legalismo e políticas autoritárias levou a governo dessa dinastia foi um período culturalmente rico
uma rebelião generalizada no país.* [30]* [31] para a filosofia e as artes da nação. A pintura de pai-
A subsequente Dinastia Han governou a China entre 206 sagem e de retrato foram trazidas para novos níveis de
a.C. e 220 d.C. e criou uma duradoura identidade cultu- maturidade e complexidade após o reinado dos Tang e as
ral entre a população, fator que resiste até os dias atu- elites sociais se reuniram para apreciar e partilhar a sua
ais.* [30]* [31] Essa dinastia expandiu consideravelmente própria arte, além de negociar obras preciosas. Filósofos
o território do império através de campanhas militares como Cheng Yi e Zhu Xi revigoraram o confucionismo,
infundido ideais budistas, e destacaram uma nova organi-
que atingiram Coreia, Vietnã, Mongólia e Ásia Central,
além de também ter ajudado a criar a Rota da Seda no zação de textos clássicos que levaram à doutrina central
do neoconfucionismo.* [40]
centro da Ásia. A China foi por grande parte dos úl-
timos dois milênios a maior economia do mundo. No Em 1271, o líder mongol e quinto Khagan do Império
entanto, na parte final da Dinastia Qing, o desenvolvi- Mongol, Kublai Khan, estabeleceu a Dinastia Yuan, com
mento econômico chinês começou a declinar e o rápido o último remanescente da Dinastia Song caindo para os
desenvolvimento da Europa durante a Revolução Indus- Yuan em 1279. Antes da invasão mongol, as dinastias
trial permitiu-lhe ultrapassar a nação chinesa (ver Grande chinesas teriam tido cerca de 120 milhões de pessoas
Divergência).* [32] sob seu comando; após a conquista ter sido concluída em
1279, o censo de 1300 estimou cerca de 60 milhões de
habitantes.* [41]

A Grande Muralha da China foi construída por várias dinas- A Cidade Proibida, em Pequim, foi o palácio imperial chi-
tias ao longo de dois mil anos para proteger as regiões agrícolas nês desde meados da Dinastia Ming até ao fim da Dinastia
sedentárias do interior chinês de incursões de pastores nômades Qing. Atualmente o local é considerado Patrimônio Mundial pela
das estepes do norte. UNESCO.* [42]

Após o colapso dos Han, um outro período de desu- Um camponês chamado Zhū Yuánzhāng derrubou a Di-
nião seguiu-se, que incluiu a época chamada de Três Rei- nastia Yuan em 1368 e fundou a Dinastia Ming.* [43] Sob
nos.* [33] Os Estados independentes chineses deste pe- essa dinastia, a China entraria em outra era de ouro, com
ríodo, como o Wu Oriental, estabeleceram relações di- o desenvolvimento de uma das mais fortes marinhas do
plomáticas com o Japão,* [34] introduzindo o sistema de mundo e uma economia rica e próspera em meio a um flo-
escrita chinês por lá. Em 581, a China foi reunificada rescimento artístico e cultural. Foi durante este período
sob o governo da Dinastia Sui.* [35] No entanto, essa di- que Zheng He liderou explorações em todo o mundo, che-
nastia recuou após sua derrota na Guerra Goguryeo-Sui gando até ao continente africano. Nos primeiros anos
(598-614).* [36]* [37] da dinastia Ming, a capital da China foi transferida de
*
Durante as dinastias Tang e Song, a tecnologia e a cultura Nanquim para Pequim. [44]
chinesa entraram em uma idade de ouro.* [38] O Impé- Durante a Dinastia Ming, pensadores como Wang Yang-
rio Tang esteve no auge do poder até meados do século ming criticaram e ampliaram o neoconfucionismo atra-
VIII, quando a Rebelião de An Lushuan destruiu a pros- vés dos conceitos do individualismo e da moralidade
peridade do reino.* [39] A dinastia Song foi o primeiro inata, o que teria um impacto enorme sobre o posterior
governo na história do mundo a emitir papel-moeda e pensamento japonês. A Coreia Joseon também se tornou
a primeira entidade política chinesa a estabelecer uma um Estado vassalo da China Ming e adotou a maior parte
marinha permanente. Entre os séculos X e XI, a popu- de sua estrutura burocrática neoconfucionista.* [44]
lação da China dobrou de tamanho. Esse crescimento se Em 1644, Pequim foi saqueada por uma coalizão de for-
deu por meio do cultivo de arroz, expandido na China ças rebeldes lideradas por Li Zicheng, um oficial Ming
central e austral, e à produção de excedentes abundantes inferior que liderou a revolta camponesa. O último im-
de alimentos.* [40] perador Ming, Chongzhen, cometeu suicídio quando a ci-
Dentro das suas fronteiras, a dinastia Song do Norte tinha dade caiu. A Dinastia Qing, de origem manchu, então
4 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

aliou-se ao general Ming Wu Sangui e derrubou a dinas- guerra civil foi uma das mais sangrentas da história da
tia Shun, de Li, e depois assumiu o controle de Pequim, humanidade, custando pelo menos 20 milhões de vi-
que se tornou a nova capital dos Qing. No total, o custo das (mais do que o número total de mortes da Primeira
da conquista manchu da China foi de mais de 25 milhões Guerra Mundial), com algumas estimativas chegando até
de vidas.* [45] 40 milhões de mortos. Outras rebeliões custosas segui-
ram a Rebelião Taiping, como Guerras do Clã Punti-
Hakka (1855-1867), Rebelião Nien (1851-1868), Re-
1.2.4 Declínio dinástico e guerras belião Miao (1854-1873), Revolta dos Panthay (1856-
1873) e a Revolta Dungan (1862-1877).* [47]* [48]
Cada uma dessas rebeliões resultou em uma perda
estimada de vários milhões de vidas e teve um
impacto devastador sobre a já frágil economia do
país.* [49]* [50]* [51] O fluxo do ópio britânico apressou
ainda mais a queda do império. No século XIX, a era do
colonialismo estava no auge e a grande diáspora chinesa
começou, sendo que hoje cerca de 35 milhões de chine-
ses vivem no sudeste da Ásia.* [52] As taxas de emigração
foram reforçadas por catástrofes nacionais, como a Fome
do Norte da China de 1876-1879, que custou entre 9 e 13
milhões de vidas.* [53] De 108 a.C. à 1911, a China pas-
sou por 1 828 períodos de fome* [54] (um por ano) em
Juncos chineses sob bombardeio britânico durante a Guerra do
algum lugar do território do império.* [55]
Ópio.

A Dinastia Qing, que durou até 1912, foi a última dinastia


imperial da China. No século XIX, essa linhagem ado-
tou uma postura defensiva em relação ao imperialismo
europeu, embora estivesse envolvida em uma expansão
imperialista particular para a Ásia Central. Neste mo-
mento, o país começou a perceber a importância do resto
do mundo, em particular do Ocidente. Como a China se
abriu ao comércio exterior e à atividade missionária, o
ópio produzido pela Índia britânica foi forçado a entrar
no Império Qing. Duas Guerras do Ópio com a Grã- Na Guerra Sino-Japonesa de 1894-1895, que foi disputada pela
Bretanha enfraqueceram o controle do Imperador. O influência na Coreia, as tropas japonesas derrotaram as forças
imperialismo ocidental revelou-se desastroso para o país: da Dinastia Qing.

Enquanto a China era destruída por contínuas guerras, o


Japão Meiji conseguia rapidamente modernizar suas for-
ças armadas e definir suas ambições sobre a conquista da
Coreia e da Manchúria. A pedido do imperador core-
ano, o governo Qing enviou tropas para ajudar a supri-
mir a Rebelião Tonghak em 1894. No entanto, o Japão
também enviou tropas para a Coreia, levando à Primeira
Guerra Sino-Japonesa, o que resultou no fim da influência
Uma pintura do século XIX da Rebelião Taiping de 1850–1864. da China Qing na península coreana, bem como a cessão
de Taiwan (incluindo as Ilhas Pescadores) para o Japão
*
O enfraquecimento do regime Qing e a humilhação apa- em 1895. [56]
rente dos tratados desiguais aos olhos do povo chinês Após esta série de derrotas, um plano de reforma para
levou à crescente desordem social doméstica. No fi- o império para se tornar uma moderna monarquia cons-
nal de 1850, o sul chinês entrou em ebulição com a titucional ao estilo Meiji foi elaborado pelo imperador
Rebelião Taiping, uma violenta guerra civil que durou Guangxu em 1898, mas encontrou resistência e foi pa-
até 1864. A rebelião foi liderada por Hong Xiuquan, rado pela imperatriz Tseu-Hi, que colocou imperador
que foi parcialmente influenciado por uma interpreta- sob prisão domiciliar em um golpe de Estado. O mal-
ção idiossincrática do cristianismo. Hong acreditava fadado levante dos boxers de 1898-1901, cujo principal
ser ele o filho de Deus e o irmão mais novo de Jesus. alvo eram os ocidentais em Pequim, resultou em cerca de
Embora as forças de Qing tenham sido vitoriosas, essa 115 mil mortes.* [57]
1.2. HISTÓRIA 5

No início do século XX, uma massiva desordem civil ha- guerra regionais exerciam controle real sobre seus respec-
via começado e apelos por reformas e revolução eram ou- tivos territórios.* [62]* [63] No final dos anos 1920, o Ku-
vidos em todo o país. O imperador Guangxu de 38 anos omintang nacionalista de Chiang Kai-shek foi capaz de
de idade morreu em prisão domiciliar em 14 de novem- reunificar o país sob seu próprio controle através de uma
bro de 1908, curiosamente um dia antes antes da morte da série de hábeis manobras políticas e militares, conhecidas
própria Tseu-Hi. Com o trono vazio, ele foi sucedido pelo popularmente como a Expedição do Norte.* [64]* [65]
herdeiro escolhido a dedo pela imperatriz, seu sobrinho
de dois anos de idade Pu Yi, que se tornou o imperador
Xuantong. A consorte de Guangxu tornou-se a impera-
triz viúva Longyu. Em outro golpe de Estado em 1912,
Yuan Shikai derrubou Pu Yi e forçou Longyu a assinar
o decreto de abdicação como regente, terminando mais
de dois mil anos de domínio imperial na China. Longyu
morreu, sem filhos, em 1913.* [58]

1.2.5 República (1912-1949)

Civis chineses sendo enterrados vivos por soldados japoneses


durante o Massacre de Nanquim, na Segunda Guerra Sino-
Japonesa

O Kuomintang mudou a capital do país para Nanquim e


implementou a "tutela política”, um estágio intermediá-
rio de desenvolvimento político delineado no programa
San-min, de Sun Yat-sen, para transformar a China em
um Estado democrático moderno. Efetivamente, a tutela
política significou um governo unipartidário comandado
pelo Kuomintang, mas o partido dividiu-se politicamente
em facções concorrentes.* [66]* [67] Esta divisão política
tornou difícil para Chiang combater os comunistas, com
quem o Kuomintang guerreava desde 1927, na Guerra
Civil Chinesa. Esta guerra continuou com êxito para o
Sun Yat-sen, o pai da China moderna (sentado à direita), e Kuomintang, especialmente depois que os comunistas se
Chiang Kai-shek, posteriormente o presidente da República da retiraram na Grande Marcha, até que o Incidente de Xi’
China. an e a agressão japonesa forçaram Chiang a enfrentar o
Japão Imperial.* [68]* [69]
Em 1 de janeiro de 1912, a República da China foi es- A Segunda Guerra Sino-Japonesa (1937-1945), uma
tabelecida, anunciando o fim da China Imperial.* [59] parte da Segunda Guerra Mundial, forçou uma aliança
Sun Yat-sen do Kuomintang (Partido Nacionalista ou entre o Kuomintang e os comunistas. A "Política dos Três
KMT) foi proclamado o presidente provisório da Repú- Tudos" do Japão no norte da China—"matar todos, quei-
blica.* [60] No entanto, a presidência foi dada mais tarde
mar tudo e destruir tudo”—levou a inúmeras atrocidades
a Yuan Shikai, um ex-general Qing, que tinha assegu- de guerra cometidas contra a população civil pelos sol-
rado a deserção de todo o Exército de Beiyang do im- dados japoneses; ao todo, mais de 20 milhões de ci-
pério Qing à revolução. Em 1915, Yuan proclamou-se vis chineses morreram.* [70]* [71] Estima-se que 200 mil
Imperador da China, mas foi forçado a abdicar e restabe-
chineses foram massacrados apenas na cidade de Nan-
lecer a república em face da condenação popular, não sóquim durante a ocupação japonesa.* [72] O Japão se ren-
da população em geral, mas também do próprio Exército deu incondicionalmente para a China em 1945. Taiwan,
de Beiyang e de seus comandantes.* [61] incluindo as Ilhas Pescadores, foi colocada sob o con-
Após a morte de Yuan Shikai em 1916, a China estava trole administrativo da República da China, que imedia-
politicamente fragmentada, com um governo reconhe- tamente reivindicou sua soberania. A China emergiu vi-
cido internacionalmente, mas virtualmente impotente no toriosa, com o auxílio da invasão soviética em agosto de
âmbito doméstico e assentado em Pequim. Senhores da 1945* [73], mas foi devastada e financeiramente drenada
6 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

pela guerra. A desconfiança permanente entre o Kuomin- da China substituiu a República da China na Organização
tang e os comunistas levou à retomada da guerra civil. das Nações Unidas e tomou seu lugar como membro per-
Em 1947, a lei constitucional foi estabelecida, mas por manente do Conselho de Segurança. No mesmo ano, pela
causa da contínua agitação muitas disposições da Consti- primeira vez, o número de países que reconheciam a Re-
tuição da República da China nunca foram implementa- pública Popular da China superou os que reconheciam
das na China continental.* [74]* [75]* [76] a República da China, com sede em Taipei, como o go-
verno legítimo do país. Em fevereiro de 1972, no auge da
ruptura sino-soviética, Mao e Zhou Enlai encontraram o
1.2.6 República Popular (1949-presente) então presidente americano Richard Nixon em Pequim.
No entanto, os Estados Unidos só foram reconhecer ofi-
Os conflitos da Guerra Civil Chinesa terminam em 1949, cialmente a República Popular como o único governo le-
quando o Partido Comunista tomou o controle da China gítimo da China em 1 de janeiro de 1979.* [82]
continental e o Kuomintang recuou para o mar, reduzindo Após a morte de Mao em 1976 e a prisão do Bando dos
seu território para apenas Taiwan, Hainan e suas ilhas vi- Quatro, que foram responsabilizados pelos excessos da
zinhas. Em 1 de outubro de 1949, Mao Tsé-Tung pro- Revolução Cultural, Deng Xiaoping rapidamente arreba-
clamou a criação da República Popular da China,* [77] tou o poder do sucessor de Mao, Hua Guofeng. Em-
que ficou conhecida no ocidente como “China comu- bora ele nunca tenha se tornado o chefe do partido ou
nista”ou“China Vermelha”durante o período da Guerra do Estado, Deng foi o "líder supremo" de fato da China
Fria. Em 1950, o Exército de Libertação Popular (ELP) na época e sua influência dentro do Partido levou o país
teve sucesso na recaptura de Hainan da República da a importantes reformas econômicas. Posteriormente, o
China, ocupou o Tibete e derrotou a maioria das for- Partido Comunista afrouxou o controle governamental
ças remanescentes do Kuomintang nas províncias de sobre a vida dos cidadãos e as comunas populares fo-
Yunnan e Xinjiang, apesar de alguns redutos do Partido ram dissolvidas, sendo que muitos camponeses recebe-
Nacionalista ainda tiverem sobrevivido por muito mais ram múltiplos arrendamentos de terra, com o aumento
tempo.* [78] de incentivos e da produção agrícola. Estes eventos mar-
caram a transição da China de uma economia planejada
para uma economia mista com um ambiente de mercado
cada vez mais aberto, um sistema chamado por alguns
de "socialismo de mercado" e que o Partido Comunista
da China oficialmente descreve como “socialismo com
características chinesas”. A China adotou a sua atual
constituição em 4 de dezembro de 1982.* [83] Outras fon-
tes, no entanto, interpretam as reformas impostas pelo go-
verno chinês como um abandono do sistema econômico
socialista.* [84]* [85]
A morte do oficial pró-reforma Hu Yaobang ajudou a de-
sencadear o Protesto na Praça da Paz Celestial em 1989,
durante o qual estudantes e outros civis fizeram campa-
nha por vários meses, pedindo o combate contra a corrup-
ção e uma maior reforma política, que incluísse os direi-
Mao Tsé-Tung proclama a criação da República Popular da tos democráticos e a liberdade de expressão. No entanto,
China em 1949. eles foram finalmente dispersos em 4 de junho, quando
as tropas e veículos do ELP entraram à força e abriram a
Mao encorajou o crescimento da população e, sob a sua praça, resultando em várias vítimas. Este evento foi am-
liderança, a população chinesa quase duplicou, passando plamente divulgado e trouxe condenação mundial e san-
de cerca de 550 milhões para mais de 900 milhões de ha- ções contra o governo chinês.* [86]* [87] O incidente co-
bitantes.* [79] No entanto, o "Grande Salto Adiante" de nhecido como "O Rebelde Desconhecido" tornou-se par-
Mao, um projeto de larga escala de reforma econômica ticularmente famoso na época.* [88]
e social, resultou em um número estimado de 45 milhões
de mortes entre 1958 e 1961, principalmente por causa O presidente Jiang Zemin e o primeiro-ministro Zhu
da fome.* [80] Entre 1 e 2 milhões de proprietários de Rongji, ambos ex-prefeitos da cidade de Xangai, lide-
terra foram executados sob a acusação de serem“contra- raram a nação na década de 1990. Sob os dez anos de
revolucionários”.* [81] Em 1966, Mao e seus aliados lan- administração de Jiang e Zhu, o desempenho econômico
çaram a Revolução Cultural, que duraria até a morte do do país retirou cerca de 150 milhões de camponeses da
líder comunista uma década depois. Essa Revolução, mo- pobreza e manteve uma taxa média anual de crescimento
tivada por lutas de poder dentro do partido e pelo medo da do produto interno bruto (PIB) de 11,2%. O país ade-
União Soviética, levou a uma grande reviravolta na socie- riu formalmente à Organização Mundial do Comércio
dade chinesa. Em outubro de 1971, a República Popular (OMC) em 2001.* [89]* [90]
1.3. GEOGRAFIA E CLIMA 7

1.3 Geografia e clima

O centro financeiro de Pequim em julho de 2014.

Imagem de satélite do extenso território chinês.

Monte Everest, Tibete, na fronteira China-Nepal.

No entanto, o rápido crescimento econômico que tornou


a economia chinesa a segunda maior do mundo, também
impactou severamente os recursos naturais e o meio am-
biente do país.* [91] Outra preocupação é que os benefí-
cios do crescimento da economia não foram distribuídos
uniformemente entre a população, resultando em uma
ampla lacuna de desenvolvimento entre as áreas urbanas O rio Li em Guilin, na região autônoma de Guangxi.
e rurais. Como resultado, com o presidente Hu Jintao e o
primeiro-ministro Wen Jiabao, o governo chinês iniciou A República Popular da China é o terceiro maior país do
políticas para abordar estas questões de distribuição equi- mundo em área terrestre* [102] e é considerado o terceiro
tativa de recursos, embora o resultado continue a ser ob- ou quarto maior em relação à área total.* [103] A incer-
servado.* [92] Mais de 40 milhões de agricultores foram teza sobre o tamanho do país está relacionada com a vali-
deslocados de suas terras,* [93] em geral para o desen- dade de certos territórios reivindicados pela China, como
volvimento econômico, contribuindo para as 87 mil ma- Aksai Chin e Vale de Shaksgam (ambos os territórios
nifestações e motins que aconteceram por toda a China também são reivindicados pela Índia), e com a forma
apenas em 2005.* [94] Os padrões de vida melhoraram como a área territorial é calculada.* [104]
significativamente, mas os controles políticos se manti-
veram estáveis.* [95] Embora a China tenha, em grande A China tem fronteiras com quatorze nações, mais do que
parte, conseguido manter a sua rápida taxa de cresci- qualquer outro país do mundo; no sentido horário, a par-
mento econômico, apesar da recessão no final da década tir do sul: Vietnã, Laos, Myanmar, Índia, Butão, Nepal,
de 2000, sua taxa de crescimento começou a diminuir no Paquistão,* [105] Afeganistão, Tajiquistão, Quirguistão,
início da década de 2010 e a economia continua exces- Cazaquistão, Rússia, Mongólia e Coreia do Norte. Além
sivamente centrada no investimento fixo.* [96]* [97]* [98] disso, a fronteira entre a República Popular da China e a
Além disso, os preparativos para uma grande mudança República da China (Taiwan) está localizada em águas
de liderança no Partido Comunista no final de 2012 territoriais. A China tem uma fronteira terrestre de
foram marcados por disputas entre facções e escânda- 22.117 km, a maior do mundo.* [106]
los políticos.* [99] Durante a mudança da liderança da O território da China possui uma grande variedade de
China em novembro de 2012, Hu Jintao e Wen Jiabao paisagens. No leste, ao longo da costa do Mar Ama-
foram substituídos como presidente e primeiro-ministro relo e do Mar da China Oriental, há extensas planícies
por Xi Jinping e Li Keqiang, que assumem tais cargos em aluviais densamente povoadas, enquanto que nas bordas
2013.* [100]* [101] do planalto da Mongólia Interior, no norte, campos po-
8 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

dem ser vistos. O sul da China é dominado por colinas e


cordilheiras baixas.* [106]
No centro-leste estão os deltas dos dois maiores rios chi-
neses, o rio Amarelo e o rio Yangtzé (Chang Jiang).
Outros rios importantes são o Xi-Jiang, o Mekong, o
Brahmaputra e o Amur. Para o oeste, estão cordilhei-
ras importantes, especialmente o Himalaia, com o ponto
mais alto da China na metade oriental do monte Everest,
e caracterizado por altos planaltos entre as paisagens mais
áridas, como o Taklamakan e o deserto de Gobi.* [106]
Uma questão importante é a contínua expansão dos
desertos, principalmente o deserto de Gobi.* [107] Em-
bora as linhas de barreira de árvores, plantadas desde Panda-gigante, animal endêmico da China.
1970, tenham reduzido a frequência de tempestades de
areia, secas prolongadas e resultados negativos nas prá-
ticas agrícolas, tempestades de poeira ainda assolam o são encontrados mamíferos como o cavalos, camelos,
norte da China a cada primavera e então se espalham para jerboas e tigres. Entre as espécies encontradas na re-
outras partes do leste da Ásia, incluindo Japão e Coreia. gião indomalaia, estão o gato-leopardo, o tigre Amoy, o
De acordo com a fiscalização ambiental da China, a rato-de-bambu, tupaias e várias espécies de macacos e
SEPA, a República Popular da China perde cerca de 4000 símios. Algumas sobreposições existem entre as duas re-
km2 por ano para a desertificação.* [108] giões, por causa da dispersão natural e da migração, como
veados, antílopes, ursos, lobos, porcos e roedores. O fa-
Água, erosão e controle da poluição têm se tornado ques- moso panda-gigante é encontrado somente em uma área
tões importantes nas relações da China com outros paí- limitada ao longo do rio Yangtzé. Há um problema com o
ses. O derretimento das geleiras no Himalaia, também comércio de espécies ameaçadas, embora já existam leis
pode levar à escassez de água para centenas de milhões que proíbem tais atividades.* [112]
de pessoas.* [109]
A China também contém uma variedade de tipos de
A China tem um clima dominado principalmente por floresta. O nordeste e o noroeste do país contêm mon-
estações secas e monções úmidas, o que leva a diferen- tanhas e florestas de coníferas, suportando espécies ani-
ças de temperatura no inverno e no verão. No inverno, os mais que incluem alces e ursos-negros-asiáticos, junta-
ventos do norte, provenientes de áreas de altas latitudes, mente com cerca de 120 tipos de aves. As úmidas flo-
são frios e secos; no verão, os ventos do sul, de zonas ma- restas de coníferas podem ter moitas de bambu como um
rítimas em baixa latitude, são quentes e úmidos. O clima sub-bosque, sendo substituído por rododendros. As flo-
na China é diferente de região para região por causa da restas subtropicais, que dominam a região central-sul da
extensa e complexa topografia do país.* [110] China, abrigam 146 mil espécies de plantas. Florestas
tropicais e florestas tropicais sazonais, embora confina-
das em Yunnan e na ilha de Hainan, na verdade, contêm
um quarto de todas as espécies vegetais e animais encon-
tradas na China.* [113]

1.3.2 Problemas ambientais

Nas últimas décadas, a China sofreu com a grave deteri-


oração ambiental e poluição de seu território.* [114] Em-
bora algumas legislações, tais como a Lei de Proteção
Ambiental de 1979, sejam bastante rigorosas, elas são
mal aplicadas, já que são frequentemente desconsidera-
das pelas comunidades locais e funcionários do governo
em favor do rápido desenvolvimento econômico. Como
Panorama de Huanglong, em Sichuan.
resultado, os protestos públicos e distúrbios por ques-
tões ambientais têm se tornado cada vez mais comum no
país.* [115]
1.3.1 Flora e fauna
Ativistas ambientais, tais como Ma Jun advertiram so-
Um dos dezessete países megadiversos,* [111] a China bre o perigo de que a poluição da água representa para
encontra-se em duas das biorregiões mais importantes do a sociedade chinesa.* [116] De acordo com o Ministério
mundo, a paleártica e a indomalaia. Na zona paleártica, chinês de Recursos Hídricos, cerca de 300 milhões de
1.4. DEMOGRAFIA 9

Imagem de satélite de uma espessa neblina formada por poluição


Imagem de satélite do território chinês e de outras partes da Ásia
atmosférica (proveniente de poluição urbana e industrial) sobre
Oriental à noite. As províncias litorâneas, no leste do país, são
a costa oriental da China, na região da Baía Bohai e do Mar
muito mais densamente povoadas do que o interior chinês, no
Amarelo; junho de 2009.
oeste.

chineses não têm acesso à água potável e 40% dos rios


do país estavam poluídos por resíduos industriais e agrí- o número com 60 anos ou mais cresceu para 13,26% da
colas no final de 2011.* [117] Esta crise é agravada pelo população, dando uma proporção total de dependentes de
problema perene da escassez de água, sendo que 400 das 29,86%. A proporção da população em idade de trabalho
600 cidades chinesas pesquisadas apresentavam poucos era de cerca de 70%.* [129]
recursos de água potável.* [118]* [119] Além disso, várias Embora seja um país de renda média para os padrões oci-
grandes cidades costeiras do país, incluindo Xangai, são dentais, o rápido crescimento do país tem tirado cente-
consideradas altamente vulneráveis a inundações de larga nas de milhões de pessoas da pobreza desde 1978. Hoje,
escala.* [120] cerca de 10% da população chinesa vive abaixo da linha
No entanto, a China é investidor mundial líder em tecno- de pobreza (com 1 dólar por dia), uma queda de 64%
logias de energias renováveis, com 52 bilhões dólares in- em relação aos níveis de 1978. O desemprego urbano na
vestidos apenas em 2011.* [121]* [122]* [123] O país pro- China caiu para 4% no final de 2007, embora o desem-
duz mais turbinas eólicas e painéis solares do que qual- prego global real seja de cerca de 10%.* [130]
quer outro* [124] e projetos de energia renovável, como Com uma população de mais de 1,3 bilhões e escas-
o aquecimento solar de água, são amplamente adotados, sez de recursos naturais, a China está muito preocupada
em nível local.* [125] Em 2009, mais de 17% da energia com seu crescimento populacional e tentou, com resul-
da China foi obtida a partir de fontes renováveis, princi- tados diversos,* [131] implementar uma política rigorosa
palmente de usinas hidrelétricas, das quais a China tem de planejamento familiar, conhecida como "política do
uma capacidade total instalada de 197 GW.* [126] Em filho único". A meta do governo é de uma criança por fa-
2011, o governo chinês anunciou planos de investir qua- mília, com exceções para as minorias étnicas e com certo
tro trilhões de yuans (618,55 bilhões de dólares) em pro- grau de flexibilidade nas áreas rurais. Espera-se que o
jetos de infraestrutura de água ao longo de um período crescimento populacional da China estabilize-se nas pri-
de dez anos e para completar a construção de um sistema meiras décadas do século XXI, embora algumas proje-
de prevenção de inundações e anti-secas até 2020.* [127] ções estimam uma população entre 1,4 bilhões e 1,6 bi-
lhões até 2025. O Ministro de Planejamento Familiar
da China indicou que a política do filho único será man-
tida pelo menos até 2020.* [132] No entanto, essa estraté-
1.4 Demografia gia do governo encontra resistência, particularmente nas
áreas rurais do país, por causa da necessidade de traba-
O censo nacional de 2010 estimou a população da Re- lho agrícola e de uma tradicional preferência por meni-
pública Popular da China em 1 338 612 968 habitantes. nos (que mais tarde podem servir como herdeiros do sexo
Cerca de 21% da população (145 461 833 homens; 128 masculino). As famílias que não respeitam essa política
445 739 mulheres) tinha 14 anos ou menos, 71% (482 frequentemente mentem durante os censos.* [133]
439 115 homens; 455 960 489 mulheres) tinha entre 15 A decrescente confiança das estatísticas demográficas da
e 64 anos de idade e 8% (48 562 635 homens; 53 103 902China desde o início do planejamento familiar no final
mulheres) tinha mais de 65 anos anos de idade. A taxa de
dos anos 1970 torna a avaliação da eficácia dessa política
crescimento populacional em 2006 foi de 0,6%.* [128] difícil.* [133] Os dados do censo de 2010 indicam que a
Ao final de 2010, a proporção de pessoas do continente taxa de fecundidade total pode agora ser em torno de 1,4
chinês com 14 anos ou mais era de 16,60%, enquanto filhos por mulher.* [134] O governo está particularmente
10 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

Crescimento populacional chinês de 1949 a 2008

preocupado com o desequilíbrio na proporção entre os se-


xos no nascimento, aparentemente um resultado de uma
combinação da tradicional preferência por meninos e da
pressão do planejamento familiar, o que levou à proibi-
ção de utilização de dispositivos de ultrassonografia para Mapa de grupos etnolinguísticos na China em 1990
situações não emergenciais, em uma tentativa de se evitar
abortos seletivos.* [135]
enquanto a população das 55 minorias nacionais combi-
Segundo o censo de 2010, havia 118,06 meninos nasci- nadas aumentou 7 362 627 de pessoas, ou 6,92%.* [143]
dos para cada 100 meninas, o que é 0,53 pontos menor
do que o índice obtido em uma pesquisa por amostra- O censo de 2010 registrou um total de 593 832 cidadãos
gem populacional realizada em 2005.* [136] No entanto, estrangeiros que viviam na China. Os maiores desses gru-
a razão de sexo de 118,06 ainda está além da faixa nor- pos eram provenientes da Coreia do Sul (120 750), dos
*
mal de cerca de 105% e os especialistas alertam para Estados Unidos (71 493) e do Japão (66 159). [144]
uma crescente instabilidade social se esta tendência con- Os idiomas mais falados na China pertencem à família
tinuar.* [137] Para a população nascida entre os anos de linguística sino-tibetana. Há, também, vários grandes
1900 e 2000, estima-se que poderia haver 35,59 milhões grupos linguísticos dentro da língua chinesa. As varieda-
mulheres a menos do que homens.* [138] Outros demó- des mais faladas são o mandarim (nativamente falado por
grafos argumentam que os desequilíbrios de gênero ob- mais de 70% da população), o wu (inclui o xangainês), o
servados podem surgir a partir do sub-registro dos nas- yue (inclui o cantonês e o taishanês), o min (inclui hok-
cimentos de meninas.* [139]* [140]* [141]* [142] Um es- kien e teochew), o xiang, o gan e o hakka. Línguas não-
tudo recente sugere que até três milhões de bebês chine- sínicas faladas amplamente por minorias étnicas incluem
ses sejam escondidos pelos seus pais a cada ano.* [142] o zhuang, o mongol, o tibetano, o uigur, o hmong e o
De acordo com o censo de 2010, os homens representa- coreano. O mandarim padrão, uma variedade do manda-
vam 51,27% do total da população, enquanto as mulheres rim baseada no dialeto de Pequim, é a língua oficial naci-
compunham 48,73% do total.* [136] onal e é usado como uma língua franca entre as pessoas
de diferentes origens linguísticas.* [145]

1.4.1 Composição étnica e idiomas


1.4.2 Urbanização
A China reconhece oficialmente 56 grupos étnicos dis-
tintos, sendo o maior deles os chineses da etnia han, que Desde 2000, as cidades chinesas têm se expandido a uma
constituem cerca de 91,51% da população total do país. taxa média de 10% ao ano. Estima-se que a população
Os han, o maior grupo étnico único do mundo, superam urbana do país irá aumentar para 400 milhões de pessoas
outros grupos étnicos chineses em cada província, muni- em 2025,* [146] quando suas cidades irão abrigar uma po-
cípio e região autônoma, exceto no Tibete e em Xinjiang. pulação de mais de um bilhão de habitantes.* [147] A taxa
Eles são descendentes de antigas tribos huaxia que viviam de urbanização do país aumentou de 17,4% para 46,6%
ao longo do rio Amarelo.* [143] entre 1978 e 2009, uma escala sem precedentes na histó-
As minorias étnicas representam cerca de 8,49% da po- ria humana.* [148] Entre 150 e 200 milhões de trabalha-
pulação chinesa, de acordo com o censo de 2010. Em dores migrantes trabalham em tempo parcial nas grandes
comparação com o censo populacional de 2000, a popu- cidades, voltando para o campo periodicamente com os
lação han aumentou em 66 537 177 pessoas, ou 5,74%, seus ganhos.* [149]* [150]
1.5. GOVERNO E POLÍTICA 11

Hoje, a China tem dezenas de cidades com um milhão ou independentes, enquanto as estimativas oficiais sugerem
mais de habitantes, incluindo as três cidades globais de que há apenas 16 milhões de cristãos no país.* [167] O
Pequim, Hong Kong e Xangai. Em 2025, o país terá 221 islamismo também está presente no país, porém estatís-
cidades com mais de um milhão de habitantes.* [147] ticas sobre o tema são difíceis de serem encontradas e os
valores que a maioria das estimativas fornecem ficam em
torno de 20 e 30 milhões de muçulmanos (1,5% a 2%
1.4.3 Religião da população).* [168]* [169]* [170]* [171] Existem tam-
bém seguidores de outras religiões minoritárias, como o
Na China, o governo permite um grau limitado de hinduísmo, o dongbaismo, o bön e uma série de novas re-
liberdade religiosa, porém a tolerância oficial só é esten- ligiões e seitas. Em julho de 1999, a prática espiritual
dida aos membros de organizações religiosas aprovadas da seita Falun Gong foi oficialmente proibida pelas au-
pelo Estado e não para aqueles que são adeptos de outras toridades* [172] e vários organismos internacionais têm
religiões. É difícil se obter o número exato de seguido- criticado o tratamento do governo à esse grupo.* [173]
res de grupos religiosos devido à falta de dados oficiais,
mas há um consenso geral de que a religião no país está
passando por um tipo de “ressurgimento”nos últimos
20 anos.* [157] Uma pesquisa de Phil Zuckerman, no site 1.5 Governo e política
Adherents.com, concluiu que em 1998, 59% (mais de 700
milhões de pessoas)* [158] da população era irreligiosa.
Enquanto outra pesquisa de 2007 constatou que existem
300 milhões de pessoas (23% da população) religiosas,
divergindo do número oficial de 100 milhões.* [157]

Templo do Céu, um complexo de edifícios taoistas em Pequim

Apesar dos resultados de diferentes pesquisas, a mai- Tiannamen com um retrato de Mao Tsé-Tung.
oria concorda que as religiões tradicionais —budismo,
confucionismo, taoismo e a religião tradicional chinesa A República Popular da China, ao lado do Vietnã, do
—são as religiões dominantes. De acordo com várias Laos e de Cuba, é um dos quatro Estados restantes que se
fontes, o budismo na China possui entre 660 milhões declaram socialistas no mundo.* [174]* [175] No entanto,
(50%) a 1 bilhão de membros (80%),* [159] enquanto na prática, a estrutura política da China não pode ser ca-
que o número de taoistas é de 400 milhões de pessoas racterizada de maneira tão simples.* [176] O governo chi-
(~30%).* [160]* [161] No entanto, devido ao fato de que nês tem sido descrito como comunista e socialista, mas
uma pessoa pode participar de duas ou mais destas cren- também como autoritário, com fortes restrições rema-
ças tradicionais e, ao mesmo tempo, pela dificuldade em nescentes em muitas áreas, principalmente em relação à
diferenciar claramente o budismo, o confucionismo, o ta- internet, imprensa, liberdade de reunião, direitos repro-
oismo e a religião tradicional chinesa, o número de adep- dutivos e liberdade de religião.* [177] Seu atual sistema
tos dessas religiões podem ser sobrepostos. Além disso, político/econômico é denominado por seus líderes como
os seguidores do budismo e do taoismo não são conside- "socialismo com características chinesas".* [83]
rados necessariamente religiosos por aqueles que seguem O país é governado pelo Partido Comunista da China
tais filosofias.* [162]* [163]* [164] (PCC), cujo poder está consagrado na constituição.* [178]
Das religiões minoritárias, o cristianismo tem sido parti- O sistema eleitoral chinês é hierárquico, segundo o qual
cularmente destacado como uma das de mais rápido cres- os Congressos Populares locais são eleitos diretamente e
cimento (especialmente desde os últimos 200 anos) e, todos os níveis mais elevados de Congresso Popular até
hoje, possui entre 40 milhões (3%)* [157]* [165] a 54 mi- a Assembleia Popular Nacional (APN) são eleitos indire-
lhões (4%) de seguidores,* [166] de acordo com pesquisas tamente pelo Congresso Popular de nível imediatamente
12 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

inferior.* [178] O sistema político é parcialmente descen- 1.5.1 Relações exteriores


tralizado, com poucos processos democráticos internos
ao partido e ao nível das vilas locais, embora estas expe-
riências tenham sido marcadas pela corrupção. Há outros
partidos políticos na China, referidos no país como parti-
dos democráticos, que participam da Assembleia Popular
Nacional e da Conferência Consultiva Política do Povo
Chinês (CPPCC).* [179]
Comparada às suas políticas fechadas de até meados dos
anos 1970, a liberalização da China resultou em um clima
administrativo menos restritivo do que o anterior. O país
apoia fortemente o princípio leninista de "centralismo de-
mocrático",* [178] mas a política chinesa é muito dife-
rente da democracia liberal ou da social-democracia ado-
tada na maioria dos países do Ocidente e a Assembleia
Nacional Popular tem sido descrita como uma institui-
ção que na prática é muito dependente do governo cen- Hu Jintao em encontro com o ex-presidente dos Estados Unidos,
tral.* [180] George W. Bush, em 2006.

A República Popular da China (RPC) tem relações di-


plomáticas com 171 países e mantém embaixadas em
162 deles.* [186] A sua legitimidade é contestada pela
República da China (RC, conhecida simplesmente como
Taiwan) e alguns outros países; portanto, é o maior e
mais populoso país, mas com reconhecimento relativa-
mente limitado. A Suécia foi o primeiro país ocidental
a estabelecer relações diplomáticas com a RPC em 9 de
maio de 1950.* [187] Em 1971, a RPC substituiu a RC
O Grande Salão do Povo, onde está a Assembleia Popular Naci- como o único representante da China nas Nações Unidas
onal, na Praça da Paz Celestial, em Pequim. e como um dos cinco membros permanentes do Conselho
de Segurança.* [188] O país também é um ex-membro
e ex-líder do Movimento de Países Não-Alinhados e
O presidente em exercício do país é Xi Jinping e seu ainda se *considera um defensor dos países em desenvol-
primeiro-ministro é Li Keqiang, que também é um ex- vimento. [189]
membro sênior do Comitê Permanente do Politburo do Sob a sua interpretação da "Política de Uma China", o
Partido, um órgão com atualmente sete integrantes que país tornou um pré-requisito para o estabelecimento de
dividem os cargos mais importantes do país.* [181] O relações diplomáticas que o outro país reconheça a sua
secretário-geral do Partido Comunista da China é atu- reivindicação sob Taiwan e corte os laços oficiais com o
almente Xi Jinping, que é também o presidente da Co- governo taiwanês. As autoridades chinesas protestaram
missão Militar Central e serve como líder político do em várias ocasiões quando países estrangeiros fizeram
país.* [100] aberturas diplomáticas com a RC,* [190] especialmente
*
Houve alguns movimentos pela liberalização política do em relação a vendas de armamentos. [191] Reuniões po-
líticas entre líderes de governos estrangeiros e o 14º Dalai
país, em que eleições abertas contestadas são agora rea-
lizadas nos níveis de vilas e cidades, [182] [183] sendo Lama também sofrem oposição do governo chinês,
* *
*
que
que as legislaturas têm mostrado alguma assertividade de considera o Tibete parte formal do seu território. [192]
vez em quando. No entanto, o partido mantém o controle Grande parte da atual política exterior da China é decla-
efetivo sobre as nomeações governamentais: na ausência radamente baseada nos Cinco Princípios de Coexistên-
de uma oposição significativa, o PCC ganha por falta de cia Pacífica de Zhou Enlai: não-interferência nos assun-
concorrência na maioria das vezes. As preocupações po- tos de outros países, não-agressão, convivência pacífica,
líticas na China incluem diminuir o fosso crescente entre igualdade e benefícios mútuos. A política externa do país
os ricos e os pobres, além do combate à corrupção dentro também é impulsionada pelo conceito de“harmonia sem
da liderança do governo.* [184] uniformidade”, que incentiva as relações diplomáticas
O nível de apoio popular ao governo e à sua gestão do entre os Estados, apesar de diferenças ideológicas. Esta
país está entre os mais altos do mundo, sendo que 86% política levou a China a apoiar os Estados que são consi-
dos cidadãos chineses expressaram satisfação com a eco- derados perigosos ou repressivos pelas nações ocidentais,
nomia de sua nação de acordo com uma pesquisa do Pew como Zimbabué, Coreia do Norte e Irã.* [193]
Research Center feita em 2008.* [185] Conflitos com países estrangeiros ocorreram em alguns
1.5. GOVERNO E POLÍTICA 13

Terceira cúpula dos países membros do BRICS na cidade chinesa Caça chinês Chengdu J-10.
de Sanya, em abril de 2011.

momentos da história chinesa recente, particularmente


com os Estados Unidos, como no bombardeio americano
da embaixada chinesa em Belgrado, durante a Guerra do
Kosovo em maio de 1999, e no incidente entre aviões mi-
litares dos dois países em abril de 2001 na província chi-
nesa de Hainan. A relações internacionais do país com
muitas nações ocidentais estremeram-se por um tempo
Soldados da Guarda de Honra do Exército da República Popular
após a repressão militar no Protesto na Praça da Paz
da China em marcha.
Celestial em 1989, embora nos últimos anos o país te-
nha melhorado suas relações diplomáticas com o Oci-
dente.* [194]* [195] A China também tem uma relação forma sua despesa militar real. A Central Intelligence
econômica cada vez mais próxima da Rússia e os dois Agency (CIA) estima que o orçamento militar chinês real
governos muitas vezes votam em conjunto no Conselho para 2008 tenha sido entre de 105 e 150 bilhões de dóla-
de Segurança.* [196]* [197] res.* [205]
O país tem fortes laços políticos e econômicos com vá- A República Popular da China (RPC), com a posse
rias nações do mundo em desenvolvimento. Mais nota- de armas nucleares, é considerada uma grande potên-
velmente, ele tem seguido uma política de engajamento cia militar regional e uma superpotência militar emer-
com os países africanos em comércio e cooperação bi- gente.* [206] o país é o único membro do Conselho de
lateral.* [198]* [199] A Xinhua, a agência de notícias ofi- Segurança da ONU com uma capacidade de projeção de
cial do país, declarou em 2008 que havia cerca de 750 poder relativamente limitada.* [207]
mil cidadãos chineses que trabalhavam ou viviam na
Muito progresso foi feito na última década e a RPC conti-
África.* [200] Além disso, a China tem reforçado os seus
nua a fazer esforços para concluir a modernização de suas
laços com as economias da América do Sul, tornando-se o
forças armadas. O país comprou caças de última geração
maior parceiro comercial do Brasil e construindo laços es-
da Rússia, como o Sukhoi Su-30, e também produziu os
tratégicos com a Argentina.* [201]* [202] Junto com Bra-
seus próprios caças modernos, especificamente os chine-
sil, Rússia, Índia e África do Sul, o país é membro do
ses Chengdu J-10, Shenyang J-11 e Chengdu J-20.* [208]
grupo BRICS de economias emergentes importantes e se-
Também adquiriu e aprimorou o míssil russo S-300, que
diou a terceira cúpula oficial do bloco em Sanya, na pro-
é considerado um dos melhores sistemas de intercepta-
víncia de Hainan, em abril de 2011.* [203]
ção de aeronaves do mundo.* [209] Em anos recentes, a
China divulgou um protótipo de caça stealth, o Chengdu
J-20, previsto para entrar em operação entre 2017 e
1.5.2 Forças armadas
2019.* [210] Em anos recentes, a China concentrou-se na
Com mais de 2,3 milhões de soldados ativos, o Exército construção de navios de *
longo alcance, introduzindo seu
de Libertação Popular (ELP), em inglês People's Libera- primeiro porta-aviões. [211]
tion Army (PLA), é a maior força militar do mundo, em Há pouca informação disponível sobre as motivações que
termos de número de tropas, e possui o segundo maior apoiam a modernização militar da China. Um relatório
orçamento de defesa do mundo.* [204] O ELP consiste de 2007 do Secretário de Defesa dos Estados Unidos ob-
de um exército, marinha, força aérea e uma força nu- servou que “as ações da China em determinadas áreas
clear estratégica. O governo anunciou que o orçamento aparecem cada vez mais incompatíveis com as suas polí-
do ELP para 2009 foi de 70 bilhões de dólares. No en- ticas declaratórias”de ascensão pacífica.* [212] Por sua
tanto, os Estados Unidos afirmam que a China não in- vez, o governo chinês afirma que mantém um exército
14 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

puramente para fins defensivos.* [213] rais.* [222]* [223]


Algumas "usinas de ideias", como o Conselho Europa- A censura do discurso político e da informação, inclusive
Ásia, alegaram que as atuais tensões entre os Estados Uni- na internet,* [224] é aberta e usada rotineiramente para
dos e a China sobre a decisão abrupta de Washington, silenciar as críticas ao governo e ao Partido Comunista
D.C. de vender armas à Taiwan* [214] podem desenca- Chinês.* [225]* [226] Em 2010, a organização Repórteres
dear uma nova corrida armamentista na Ásia alimentada sem Fronteiras classificou a China na 171ª posição (entre
basicamente por motivos ideológicos nacionais, uma si- 178 estados) em seu relatório anual do "Índice de Liber-
tuação que lembra em muitos aspectos a era McCarthy, dade de Imprensa".* [227]
quando os Estados Unidos foram abertamente favoráveis
ao lobby de Chiang Kai-shek.* [215]

1.5.3 Problemas sócio-políticos

Manifestantes pró-democracia reunidos no dia 1 de outubro de


2014 em Hong Kong.

O governo reprime as manifestações de organizações e


crenças que considera uma potencial ameaça para o con-
trole da“estabilidade social”, como foi o caso do Protesto
na Praça da Paz Celestial em 1989. O Partido Comunista
tem tido pouco sucesso em controlar a informação: um
Protestos contra a prisão de Liu Xiaobo no Japão em 2010. Liu poderoso sistema de controle de mídia enfrenta o avanço
foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz de 2010, por “sua
muito forte do mercado e de cidadãos cada vez mais edu-
longa batalha não-violenta pelos direitos humanos na China.”
*
[216]
cados, além de mudanças culturais que estão tornando o
país mais aberto, especialmente em relação a questões
* *
Apesar dos controles econômicos e sociais por parte do ambientais. [228] [229]
governo terem sido muito enfraquecidos na China desde Vários governos estrangeiros e ONGs rotineiramente
a década de 1970, a liberdade política é ainda muito res- criticam a RPC, alegando violações generalizadas dos
trita. A Constituição da República Popular da China direitos civis, incluindo a utilização sistemática de
(RPC) afirma que os “direitos fundamentais”dos ci- detenção de ativistas políticos prolongada sem julga-
dadãos incluem a liberdade de expressão, a liberdade de mento justo, confissões forçadas, tortura, maus-tratos de
imprensa, o direito a um julgamento justo e à liberdade prisioneiros, além de restrições à liberdade de expressão,
de religião, o sufrágio universal e os direitos de proprie- de reunião, associação, de religião e aos direitos traba-
dade.* [178] No entanto, estas disposições não conferem lhistas.* [177] A China executa mais pessoas do que qual-
aos chineses proteção significativa, na prática, contra pro- quer outro país no mundo, respondendo por 72% do total
cedimentos penais do Estado.* [217]* [218]* [219] mundial de execuções em 2009, embora não seja o maior
*
Com a reforma econômica chinesa, dezenas de milhões carrasco per capita do mundo. [230] O país também tem
de trabalhadores rurais do país que se mudaram para as a segunda maior população carcerária do planeta (atrás
grandes cidades* [220] foram tratados como pessoas de apenas dos Estados Unidos), *
com 1.701.344 presos em
segunda classe por um sistema obsoleto de registro do- todo o território chinês. [231]
mésticos, chamado hukou, que controla os benefícios go- O governo chinês responde às críticas afirmando que a no-
vernamentais.* [221] O sistema de direitos de proprie- ção de direitos humanos deve levar em conta o atual nível
dade é fraco e ocorrem desapropriações abusivas de ter- de desenvolvimento econômico e a situação geopolítica,
ras de camponeses.* [220] Em 2003/2004, um agricul- além de se concentrar mais sobre os direitos do povo
tor médio tinha de pagar três vezes mais impostos, em- à subsistência e desenvolvimento.* [232] O aumento da
bora o seu rendimento tenha sido de apenas um sexto do alfabetização, da expectativa de vida e do padrão de vida
de um morador urbano médio.* [221] Desde então, uma dos chineses médios nas últimas três décadas é visto
série de impostos rurais têm sido reduzidos ou suprimi- pelo governo como um progresso tangível em matéria
dos e outros serviços sociais prestados às populações ru- de direitos humanos.* [233] Os esforços na última dé-
1.7. ECONOMIA 15

cada para combater desastres naturais, como as constan-


tes enchentes do rio Yangtzé e acidentes de trabalho tam-
bém são retratados pelo governo como um progresso em
matéria de direitos humanos para um país em desenvol-
vimento.* [232]

1.6 Subdivisões
A República Popular da China (RPC) tem o controle
administrativo sobre 22 províncias e considera Taiwan
como a sua 23ª província, apesar da ilha ser atualmente
administrada pela República da China (RC), que con- Roewe 950, carro produzido pela SAIC Motor, a maior monta-
testa a alegação da RPC. A China também tem cinco dora de veículos do país.
subdivisões oficialmente denominadas regiões autôno-
mas (cada uma com um grupo étnico minoritário desig-
nado); quatro municípios e duas Regiões Administrativas 10% por ano.* [238] A renda per capita da China cresceu
Especiais (RAE), que possuem um alto grau de autono- 8% ao ano nos últimos 30 anos. Além disso, é um dos
mia política. Estas 22 províncias, cinco regiões autôno- países BRIC.* [239]
mas e quatro municípios podem ser referidos coletiva- Desde sua fundação em 1949, a República Popular da
mente como "China continental", um termo que geral- China adotava um estilo soviético de economia plani-
mente exclui as RAE de Hong Kong e Macau. Nenhuma ficada. Com a morte de Mao Tse-tung e o fim da
dessas divisões são reconhecidas pelo governo da RC, que Revolução Cultural, os novos dirigentes chineses co-
reivindica a totalidade do território da RPC.* [234] meçaram a reformar a economia. A sua transforma-
ção em economia mista, foi iniciada por Deng Xiao-
ping em 1978, após a falha da economia planificada
em desenvolver os sistemas produtivos chineses a níveis
aceitáveis.* [240] As reformas de Xiaoping incluíram a
1.7 Economia privatização das fazendas, o que pôs fim à agricultura
coletiva, e de indústrias estatais que fossem considera-
das de baixo desempenho na época, como mineração e
produtos básicos (roupas, processamento de alimentos),
entre outras. Em 1978, a China e o Japão normaliza-
ram as relações diplomáticas e a China aceitou emprésti-
mos do Japão. Nas últimas décadas este país tem sido o
maior credor estrangeiro da China.* [241] Para selar sua
condição de economia globalizada, em 2001 a China foi
aceita na Organização Mundial do Comércio.* [242] Atu-
almente, 70% da economia da China é privada, e este
número continua crescendo.* [243] A economia da China
composta por membros capitalistas“transplantados num
corpo socialista debilitado”, modifica, em 1995, a taxa
de crescimento, impulsionada principalmente pelo setor
não-estatal, para 8,9%, superando as expectativas do go-
O distrito financeiro de Pudong, em Xangai, se tornou símbolo verno e antecipando a meta prevista no IX Plano Quin-
de rápida expansão econômica da China desde os anos 1990, quenal (1996-2000).* [244]
após as reformas promovidas por Deng Xiaoping.
Este robusto crescimento econômico, combinado com
A economia da República Popular da China é a segunda excelentes fatores internos como estabilidade política,
maior do mundo.* [236] Seu produto interno bruto (PIB grandes reservas em moeda estrangeira (a maior do
nominal) é estimado em 7,3 trilhões de dólares (dados de mundo, com 818,9 bilhões de dólares),* [245] mercado
2011),* [237] enquanto seu poder de compra foi calcu- interno com grande potencial de crescimento, faz com
lado em pouco mais de 11,3 trilhões de dólares. A renda que a China seja actualmente um dos melhores locais do
per capita do país está em 5.185 dólares por pessoa (no- mundo para investimentos estrangeiros, com uma ava-
minal) e 8.395 dólares por pessoa (PPP) em 2011, de liação de risco (Moody's) A2, índice considerado exce-
acordo com o Fundo Monetário Internacional. A China lente.* [246]
é a nação com o maior crescimento econômico dos úl- As grandes mudanças sociais e econômicas promovidos
timos 25 anos, com a média do crescimento do PIB em pelos seguidores de Deng Xiaoping deram uma nova di-
16 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

People's Republic of China's Nominal Gross Domestic Product


(GDP) From 1952 to 2012 últimos 30 anos. Levando em conta a renda per ca-
50,000 pita e moeda desvalorizada, o custo de vida na China é
baixo.* [238]
40,000 A China é o quarto país mais visitado do mundo, com
GDP (in billion yuan RMB)

50,9 milhões de visitantes internacionais em 2009.* [250]


30,000 Actualmente a China é a segunda potência comercial
do mundo, atrás dos Estados Unidos e a frente do Ja-
20,000 pão. Suas reservas internacionais de moedas estran-
geiras atingiram 2,4 trilhões de dólares, os maiores do
10,000
mundo.* [251] A China possui cerca de 1,6 trilhão de
dólares de títulos financeiros dos Estados Unidos.* [252]
A China detém 801,5 bilhões de dólares em títulos do
0
1950 1960 1970 1980 1990 2000 2010 Tesouro americano, tornando-se o maior credor estran-
Year
geiro da dívida pública americana.* [253]* [254] O inves-
timento da China no mercado internacional está cres-
Crescimento do PIB nominal chinês entre 1952 e 2012. cendo rapidamente. Em 2008 era o sexto maior inves-
tidor no mercado internacional.* [255]
O sucesso comercial da China tem sido devido principal-
mente ao seu baixo custo de produção. São atribuídos
uma combinação de fatores como mão-de-obra de baixo
custo, boa infraestrutura, bom nível de tecnologia, alta
produtividade, em alguns casos, o não pagamento de li-
cenças comerciais, a política governamental favorável e
uma moeda muito desvalorizada.* [256]
O Estado ainda predomina nas áreas-chaves da indústria
como a energia e as indústrias pesadas, a iniciativa pri-
vada (30 milhões de empresas privadas) responde entre
33%* [257] a 70% do PIB em 2005, enquanto que a esti-
mativa da OCDE é superior a 50% da produção nacional
da China,* [258] muito superior a 1% de 1978.* [259]
Edifício da Bolsa de Valores de Xangai no centro financeiro de
Pudong, Xangai.

nâmica política à China contemporânea e limitaram as


opções dos governantes do país. Houve nos últimos anos
uma melhoria no padrão de vida dos chineses, embora
seja um país com renda média para os padrões mun-
diais. O rápido crescimento econômico do país conse-
guiu retirar centenas de milhões de pessoas da pobreza
desde 1978 - o número de camponeses pobres caiu de
200 milhões para 80 milhões em 10 anos. Apenas 10%
da população vive abaixo da linha de pobreza (em com-
paração com 64% em 1978) e 99,8% dos jovens são al-
fabetizados. Desemprego urbano diminuiu para 4 por
cento em 2007 (desemprego real pode estar em 10%). Plantação de arroz em Longsheng, Guangxi.
A expectativa de vida chinesa é a terceira maior do leste
asiático, com 73 anos, atrás da Coreia do Sul com 77,3 e A China ocupa posição 29 no ranking no Índice de
do Japão com 82,2.* [244] A China é o segundo maior Competitividade Global.* [260] Quarenta e seis empre-
consumidor mundial de bens de luxo, com 27,5% da sas chinesas entraram na lista da Fortune Global 500
quota global, atrás do Japão.* [247] O mercado de varejo em 2010.* [261] Utilizando o cálculo de capitalização
da China cresceu 16,8% ao ano.* [248] de mercado, quatro das dez empresas mais valiosas do
Com reformas econômicas iniciados em 1978, a China mundo são chinesas. Algumas delas incluem a primeira
cresceu 90 vezes,* [249] se tornando a economia de maior no ranking mundial PetroChina Company (empresa de
crescimento mundial nos últimos 25 anos, com cresci- petróleo mais valiosa do mundo), terceiro no ranking
mento do PIB em torno de 10% por ano. A renda per Banco Industrial e Comercial da China (banco mais va-
capita da China tem crescido cerca de 8% ao ano nos lioso do mundo), quinto no ranking China Mobile (em-
1.8. INFRAESTRUTURA 17

presa de telecomunicações mais valiosa do mundo) e sé- ção de seus filhos, muitas vezes, investindo grande parte
tima no ranking China Construction Bank.* [262] da renda da família na educação. Aulas particulares e
Apesar do progresso significativo dos últimos anos, exis- atividades recreativas, como em línguas estrangeiras ou
tem grandes obstáculos para o crescimento chinês a longo música, são populares entre as famílias
*
de classe média
prazo. A significativa piora da distribuição de renda é que podem pagar por esses serviços. [267]
apenas um dos fatores negativos para o desenvolvimento Em 2007, 93,3% da população acima de 15 anos de idade
social, com um coeficiente de Gini em 41,1 e cada vez era alfabetizada.* [128] A taxa de alfabetização da juven-
maior.* [263] Outro grande problema é o direito previ- tude chinesa (idade 15-24) foi de 98,9% (99,2% para o
denciário que, com a política do filho único e aumento da sexo masculino e 98,5% feminino), em 2000.* [268] Em
expectativa de vida, apresenta desequilíbrios no fluxo de março de 2007, a China anunciou a decisão de tornar
caixa, sendo cada vez menor a relação entre trabalhadores a educação uma “prioridade estratégica nacional”, o
contribuintes por aposentado. Cerca de 21% da popula- orçamento central das bolsas nacionais será triplicado em
ção tem 14 anos ou menos de idade e 8% tem mais de dois anos e 223,5 bilhões de yuans (28,65 bilhões de dó-
65 anos. Outro aspecto é a diferença de desenvolvimento lares) de um financiamento adicional será atribuído pelo
econômico entre as áreas costeiras (urbanas), nordeste e governo central nos próximos cinco anos, para melhorar
leste da China e o seu interior, principalmente no sul e o ensino obrigatório nas zonas rurais.* [269]
oeste, ainda predominantemente agrário e de baixa renda, A qualidade das faculdades e universidades varia con-
exacerbada com a liberação do mercado, pois os investi- sideravelmente em todo o país. As cinco melhores
dores preferem investir em áreas com melhor infraestru- universidades classificadas na China continental são a
tura e trabalhadores mais qualificados.* [264] Universidade de Tsinghua, a Universidade de Pequim,
a Universidade de Nanquim, a Universidade Fudan e a
Universidade de Ciência e Tecnologia da China.* [270]
1.8 Infraestrutura

1.8.1 Educação 1.8.2 Saúde

Hospital Internacional Cardiovascular TEDA, em Tianjin.


Campus e auditório da Universidade de Tsinghua, em Pequim,
uma universidade muito bem avaliada na China continental.
O Ministério da Saúde, juntamente com os gabinetes pro-
Em 1986, o país estabeleceu a meta de longo prazo de vinciais de saúde, supervisiona as necessidades médicas
fornecer educação básica obrigatória de nove anos para da população chinesa.* [271] A ênfase na saúde pública
cada criança. Em 2007, havia 396.567 escolas primárias, e na medicina preventiva tem caracterizado a política de
94.116 escolas secundárias e 2.236 instituições de ensino saúde do país desde 1950. Naquela época, o Partido Co-
superior na República Popular da China.* [265] Em feve- munista começou a Campanha de Saúde Patriótica, que
reiro de 2006, o governo avançou sua meta de educação visava a melhoria do saneamento básico e da higiene,
básica se comprometendo a fornecer educação de nove além do tratamento e prevenção de diversas patologias.
anos completamente de graça, incluindo livros didáticos e Doenças como cólera, febre tifoide e escarlatina, que an-
taxas.* [266] Portanto, o sistema de ensino atual na China, teriormente eram frequentes por toda a China, quase fo-
introduziu a educação obrigatória e gratuita para todos os ram erradicadas pela campanha. Depois que Deng Xi-
cidadãos chineses, com ensino fundamental com duração aoping começou a implantação de reformas econômicas
de 9 anos (6-15) e quase todas as crianças nas áreas ur- em 1978, a saúde pública melhorou rapidamente devido a
banas continuam seus três anos do ensino médio. Muitos melhor nutrição da população, apesar de muitos dos ser-
pais estão profundamente comprometidos com a educa- viços gratuitos de saúde prestados no campo terem de-
18 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

saparecido junto com as comunas populares. O sistema


de saúde chinês tornou-se na maior parte privatizado e
experimentou um aumento significativo na qualidade. A
expectativa de vida nacional ao nascer subiu de cerca de
35 anos em 1949 para 73,18 anos em 2008* [272]* [273]
e a mortalidade infantil caiu de 300 por mil em 1950 para
cerca de 23 por mil em 2006.* [274]* [275] A desnutrição
atingia 12% da população em 2002, de acordo com fon-
tes da FAO, das Nações Unidas.* [276] Em 2009, o go-
verno começou uma iniciativa de grande escala para pres-
tar cuidados médico no valor de 124 bilhões de dólares e
que se espera possa vir a atingir 90% da população da
China.* [277]
Em 2012, a expectativa de vida média ao nascer da China
era de 74,8 anos* [278] e sua taxa de mortalidade infan- Nova sede da Televisão Central da China, em Pequim.
til era de 15,6 por mil nascimentos.* [279] Apesar dos
significativos avanços na saúde e na construção de avan- dor, a NTT, possui menos de 18 milhões de assinantes. O
çadas instalações médicas, o país tem vários problemas espaço entre os dois grandes prestadores de banda larga
emergentes de saúde pública, como doenças respiratórias chineses e os prestadores do resto do mundo, continuará a
causadas pela poluição do ar generalizada* [280] e cente- crescer rapidamente, visto que os outros dez maiores pro-
nas de milhões de habitantes que são fumantes de cigar- vedores de banda larga operam em mercados desenvolvi-
ros,* [281]* [282] uma possível epidemia de HIV/AIDS dos, com elevados níveis de penetração da banda larga
no futuro e o aumento da obesidade entre os jovens ur- e com rápida desaceleração do crescimento de assinan-
banos.* [283]* [284] A grande população do país e suas tes.* [293]
cidades densamente povoadas levaram a surtos de doen-
ças graves nos últimos anos, como o de SARS em 2003,
embora este tenha sido contido com sucesso.* [285] 1.8.4 Transportes
Estima-se que cerca de 760 000 pessoas morrem anual-
mente na China por causa da poluição ambiental (além
do tabagismo), principalmente a partir da poluição do
ar e da água (incluindo a poluição do ar interior).* [286]
Em 2007, a China ultrapassou os Estados Unidos como
o maior emissor mundial de dióxido de carbono.* [287]
Cerca de 90% das cidades chinesas sofrem com algum
grau de poluição da água* [288] e quase 500 milhões de
pessoas não tinham acesso à água potável em 2005.* [289]
Relatórios do Banco Mundial e do New York Times
indicaram a poluição industrial, particularmente do ar,
como um perigo significativo à saúde da população do
país.* [290]

1.8.3 Telecomunicações
Mapa do Sistema Nacional de Autoestradas da China:
A China tem atualmente a maioria dos usuários de
Em operação
celulares no mundo, com mais de 800 milhões de usuá- Em construção/planejado.
rios em julho de 2010.* [291] O país também tem o
maior número de usuários de internet e banda larga no O transporte na parte continental da República Popular
mundo.* [292] da China melhorou significativamente desde a década de
A China Telecom e a China Unicom, dois grandes pres- 1990 como parte de um esforço do governo para vincular
tadores de serviços de banda larga, são responsáveis por toda a nação através de uma série de vias expressas. O
20% dos assinantes de banda larga global, enquanto os comprimento total da rede de autoestradas era de 65 000
dez maiores fornecedores de serviços de banda larga do km no final de 2009, a segunda maior rede do mundo,
mundo, respondem juntos por 39% dos clientes de banda perdendo apenas para os Estados Unidos.* [294] A posse
larga do planeta. A China Telecom tem mais de 55 mi- de um automóvel privado está aumentando a uma taxa
lhões de assinantes de banda larga e a China Unicom, tem anual superior a 30%. A venda de automóveis come-
mais de 40 milhões, enquanto o terceiro maior fornece- çou a aumentar rapidamente após a crise financeira em
1.8. INFRAESTRUTURA 19

2009. Cerca de 18,06 milhões de veículos foram vendi- Aeroporto Internacional de Pudong. A China está ainda
dos na China em 2010, uma expansão de 33% em relação a desenvolver o seu próprio sistema de navegação por sa-
a 2009 com 13,8 milhões.* [295] Os analistas preveem télite, chamado Beidou, que começou a oferecer serviços
que as vendas anuais de veículos no país possa subir para de navegação comerciais em toda a Ásia em 2012* [304]
40 milhões em 2020.* [296] Um efeito colateral do rápido e está planejado para oferecer uma cobertura global até
crescimento da rede de estradas chinesa é que tem ha- 2020.* [305]
vido um aumento significativo nos acidentes de trânsito,
causados pela má aplicação de leis de tráfego; apenas em
2011, cerca de 62 mil chineses morreram em acidentes
rodoviários.* [297]* [298]
A China também possui a maior rede ferroviária de alta
velocidade do mundo, com mais de 9 676 km de linhas
em serviço.* [299] Destes, 3 515 km servem trens com ve-
locidade máxima de 300 km/h.* [300] Em 2011, a China
produziu seus primeiros trens de alta velocidade cons-
truídos inteiramente sem assistência estrangeira.* [301] O
país pretende operar cerca de 16 000 km de linhas ferro-
viárias de alta velocidade até 2020.* [302]

Porto de Xangai, em uma ilha da Baía de Hangzhou, se


tornou o mais movimentado do mundo em 2010

1.8.5 Energia

Transrapid de Xangai. A China tem o maior sistema ferroviário


de alta velocidade em todo o mundo, com mais de 6.500 km de
linhas em serviço.

Em 2012, a China foi o maior construtor mundial de no-


vos aeroportos e o governo chinês começou um projeto
de cinco anos e de 250 bilhões de dólares para expandir e
modernizar o transporte aéreo doméstico.* [303] No en-
tanto, o transporte de longa distância continua a ser domi-
nado por ferrovias e sistemas de ônibus fretados. As fer-
rovias são o suporte vital do país, são monopolizadas pelo Hidrelétrica de Três Gargantas, a maior barragem do mundo.
Estado e divididas em vários gabinetes ferroviários em
diferentes regiões. Devido à grande demanda, o sistema A economia da China é altamente deficiente no que diz
está regularmente sujeito a superlotação, especialmente respeito ao aproveitamento. O país gasta de 20% a
durante os períodos de férias, como durante o Ano Novo 100% de energia adicional em comparação com países da
Chinês. A rede ferroviária chinesa transportou cerca de OCDE para os mesmos processos industriais. A China é
1,68 bilhões de passageiros apenas em 2010. Em áreas o maior consumidor de energia do mundo,* [306] mas de-
urbanas, as bicicletas continuam a ser um modo muito co- pende do carvão para fornecer 70% das suas necessidades
mum de transportes, apesar do aumento da prevalência de energéticas.* [307] Tudo isso aliado a uma regulamenta-
automóveis - em 2012 existiam cerca de 470 milhões de ção ambiental deficiente, tem como consequência a grave
bicicletas na China.* [302] e maciça poluição do ar e da água (a China tem 20 das
30 cidades mais poluídas do mundo). Por conseguinte, o
Os sistemas de metrô também estão em rápido desen-
governo prometeu aumentar a utilização de energias reno-
volvimento nas grandes cidades chinesas, sob a forma
váveis, estabelecendo a meta de atingir 10% do consumo
de redes de sistemas de trens subterrâneos ou VLTs.
total de energia até 2010 e 30% em 2050.* [308]
Hong Kong tem um dos mais desenvolvidos sistemas
de transporte público do mundo, enquanto que Xangai
tem uma linha ferroviária maglev de alta velocidade que 1.8.6 Ciência e tecnologia
liga a cidade ao seu principal aeroporto internacional, o
20 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

Histórico

A China foi um dos líderes mundiais em ciência e tecno-


logia até a Dinastia Ming. Antigas descobertas e inven-
ções chinesas, como a fabricação do papel, a impressão, a
bússola e a pólvora (as Quatro Grandes Invenções), con-
tribuíram para o desenvolvimento econômico de toda a
Ásia e Europa. No entanto, a atividade científica chi-
nesa entrou em um declínio prolongado no século XIV.
Ao contrário dos cientistas europeus da Revolução Ci-
entífica, os pensadores chineses medievais não tentaram
reduzir as observações da natureza às leis matemáticas
e não formaram uma comunidade acadêmica que ofere-
cia a revisão por pares e a pesquisa progressiva. Houve
um aumento da concentração sobre a literatura, as artes,
a administração pública, enquanto a ciência e a tecnolo-
gia eram vistas como triviais ou restritas a um número
limitado de aplicações práticas. As causas desta Grande
Divergência continuam a ser discutidas.* [309]
Depois de repetidas derrotas militares para as nações oci-
dentais no século XIX, os reformadores chineses come-
çaram a promoção da ciência e da tecnologia modernas,
como parte do movimento de auto-fortalecimento. Após
a vitória comunista na Guerra Civil Chinesa em 1949, fo-
ram feitos esforços para organizar a ciência e a tecnologia
Lançamento do foguete Longa Marcha 3B, no Centro Espacial
baseando-se no modelo da União Soviética. No entanto, a
de Xichang.
Revolução Cultural (1966-1976) de Mao Tsé-Tung teve
um efeito catastrófico na pesquisa chinesa, já que aca-
dêmicos foram perseguidos e a formação de cientistas e
engenheiros foi severamente restringida por quase uma
década. Após a morte de Mao em 1976, a ciência e a
tecnologia se estabeleceram como uma das Quatro Mo-
dernizações e o sistema acadêmico de inspiração sovié- comunicações e computação pessoal,* [316]* [317]* [318]
tica foi gradualmente reformado.* [309] e os supercomputadores chineses são consistentemente
classificados entre os mais poderosos do mundo.* [319] A
China é ainda o maior investidor mundial em tecnologia
Era moderna de energias renováveis.* [123]
O programa espacial chinês é um dos mais ativos no
Desde o fim da Revolução Cultural, o país se tornou um mundo e é um grande orgulho nacional.* [320]* [321] Em
dos líderes mundiais em poderes tecnológicos,* [310] gas- 1970, a China lançou seu primeiro satélite, o Dong Fang
tando cerca mais de 100 bilhões de dólares em pesquisa Hong I. Em 2003, o país se tornou o terceiro a indepen-
e desenvolvimento apenas em 2011.* [311] A ciência e a dentemente enviar seres humanos ao espaço, com o taiko-
tecnologia são vistas como vitais para a realização da co- nauta Yang Liwei a bordo da Shenzhou 5. Em setembro
esão econômica e dos objetivos políticos do país, além de 2012, oito cidadãos chineses viajaram para o espaço.
de serem consideradas uma fonte de orgulho nacional Em 2008, a China realizou sua primeira caminhada espa-
a um grau às vezes descrito como “tecno-nacionalista” cial durante a missão Shenzhou 7. Em 2011, o primeiro
.* [312] Quase todos os membros do Comitê Permanente módulo da estação espacial chinesa, Tiangong-1, foi lan-
do Politburo do PCC têm cursos de engenharia.* [313] çado, marcando o primeiro passo de um projeto para
A China está rapidamente desenvolvendo seu sistema de montar uma grande estação tripulada em 2020.* [322] O
ensino, com ênfase na ciência, matemática e engenharia. Programa de Exploração Lunar Chinês inclui uma mis-
Em 2009, o país produziu mais de 10 mil Ph.D.s gra- são de exploração em 2013 e, possivelmente, um pouso
duados em engenharia e cerca de 500 mil BScs gradu- lunar tripulado em 2025.* [323]* [324] A experiência ad-
ados, mais do que qualquer outro país.* [314] O país é quirida com o programa lunar poderá ser utilizada para
também o segundo que mais publica trabalhos científicos futuros programas, tais como a exploração de Marte e
no mundo, produzindo 121.500 só em 2010, incluindo de Vênus.* [325] No entanto, alguns analistas estrangeiros
5.200 nos principais periódicos científicos internacio- têm acusado a China de secretamente usar suas missões
nais.* [315] Empresas de tecnologia chinesas, como a espaciais civis para fins militares, como o lançamento de
Huawei e a Lenovo, se tornaram líderes mundiais em tele- satélites de vigilância.* [326]
1.9. CULTURA 21

1.9 Cultura

Um espetáculo de ópera chinesa (ópera de Pequim) em Pequim.

Estátua de Confúcio em Xangai. Muro dos Nove Dragões, na Cidade Proibida. O dragão chinês
era um símbolo reservado ao Imperador da China ou às famílias
de alto nível imperial durante a dinastia Qing.
Desde os tempos antigos, a cultura chinesa foi fortemente
influenciada pelo confucionismo e por filosofias conser-
vadoras. Durante grande parte da era dinástica do país, pectos tradicionais da cultura chinesa, como a posse da
oportunidades de progresso social podiam ser alcançadas terra rural, o sexismo e o sistema educacional confucio-
através de um alto desempenho nos prestigiosos exames nista, preservando outros, como a estrutura familiar e a
imperiais, que foram instituídos em 605 d.C. para ajudar cultura de obediência ao Estado.* [329]
o Imperador a selecionar os burocratas mais hábeis. A Alguns analistas veem o período após o estabelecimento
ênfase literária dos exames afetou a percepção geral de
da RPC, em 1949, como uma continuação da história di-
refinamento cultural da nação, como a crença de que a nástica tradicional chinesa, enquanto outros afirmam que
caligrafia e a pintura literata eram formas superiores de
o governo do Partido Comunista danificou os fundamen-
arte do que a dança ou o teatro. A cultura chinesa há tos da cultura chinesa, especialmente através de movi-
muito enfatiza um profundo senso histórico e uma forte
mentos políticos, como a Revolução Cultural dos anos
perspectiva nacional introspectiva.* [327] 1960, onde muitos aspectos da cultura tradicional foram
Várias linhas de pensamento mais autoritárias e racionais destruídos, tendo sido denunciados como “regressivos
também foram influentes, sendo o legalismo um exem- e prejudiciais”ou “vestígios do feudalismo". Muitas
plo proeminente. Durante muitas ocasiões houve con- características importantes da moral e da cultura tradici-
flito entre essas filosofias - por exemplo, a individualista onal do país, como o confucionismo, a arte, a literatura e
e neo-confucionista dinastia Song acreditava que o lega- as artes cênicas, como a Ópera de Pequim, foram altera-
lismo afastava-se do espírito original do confucionismo. dos conforme as políticas do governo e a propaganda da
Os exames e a cultura do mérito ainda permanecem muito época.* [329]
valorizados na China atual. Nos últimos anos, vários neo-Atualmente, o governo chinês aceita vários elementos da
confucionistas alegaram que os modernos ideais demo- cultura tradicional chinesa como sendo parte integrante
cráticos e os direitos humanos são compatíveis com os da sociedade do país. Com a ascensão do nacionalismo
valores confucionistas tradicionais.* [328] chinês e o fim da Revolução Cultural, as várias formas
Os primeiros líderes da República Popular da China de arte tradicional, literatura, música, cinema, moda e
(RPC) nasceram na ordem imperial tradicional, mas fo- arquitetura chinesa têm experimentado um forte renas-
ram influenciados pelo Movimento de Quatro de Maio e cimento.* [330]* [331] O folclore e a arte em geral tam-
pelos ideais reformistas. Eles tentaram mudar alguns as- bém têm despertado o interesse nacional e internacio-
22 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

nal.* [332] A aptidão física é amplamente enfatizada na cultura chi-


Antes do início do comércio marítimo sino-europeu, no nesa. Exercícios matinais são uma atividade comum,
século XVI, a China medieval e a Europa Ocidental es- sendo que os cidadãos idosos são incentivados a praticar
tavam ligadas pela Rota da Seda, que era uma rota- qigong e tai chi chuan.* [337] Os jovens chineses tam-
chave de intercâmbio cultural e econômico. Artefatos da bém têm interesse em basquete, especialmente nos cen-
história dessa rota, além da história natural do deserto tros urbanos. A National Basketball Association (NBA),
de Gobi, são exibidos no Museu da Rota da Seda em dos Estados Unidos, tem um enorme número de seguido-
Jiuquan.* [333] res entre a juventude do país, com alguns jogadores de
origem chinesa, como Yao Ming.* [338] Academias de
A culinária chinesa é altamente diversificada, com base ginástica estão ganhando popularidade rapidamente no
em vários milênios de história. Os imperadores das an- país, com mais de três mil estabelecimentos que atendiam
tigas dinastias chinesas eram conhecidos por promover cerca de 3 milhões de clientes ativos nas principais cida-
banquetes com mais de cem pratos servidos em uma des chinesas em 2010.* [339] Além disso, a China é o lar
mesma ocasião, empregando funcionários da cozinha im- de vários ciclistas, com uma estimativa de 470 milhões
perial e inúmeras concubinas para preparar a comida. de bicicletas em 2012.* [340]
Tais pratos reais gradualmente se tornaram parte de uma
ampla cultura chinesa. O alimento básico é o arroz, mas Muitos esportes mais tradicionais também são praticados
o país também é conhecido pelos seus pratos com carne. na China. Corridas de Barco Dragão ocorrem durante o
Especiarias são endêmicas da culinária do país.* [334] Festival do Barco Dragão todos os anos e desde então ga-
nharam popularidade no exterior. Na Mongólia Interior,
esportes como a luta mongol e o turfe são populares. No
Tibete, tiro com arco e hipismo são parte de festivais tra-
1.9.1 Esportes dicionais da cultura local.* [341]
A China participa dos Jogos Olímpicos desde 1932, ape-
sar de ter apenas participado como República Popular da
China a partir de 1952. O país sediou os Jogos Olímpi-
cos de Verão de 2008 em Pequim, onde seus atletas re-
ceberam 51 medalhas de ouro – o maior número de me-
dalhas de ouro de todas as nações participantes naquele
ano.* [342] O país também ganhou o maior número de
medalhas do que qualquer outra nação durante os Jogos
Paralímpicos de Verão de 2012, com 231, sendo 95 de
ouro.* [343]* [344] A China sediou os Jogos da Ásia Ori-
ental de 2013, em Tianjin, e os Jogos Olímpicos de Verão
Cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Verão de da Juventude de 2014, em Nanquim.* [345]
2008 no Estádio Nacional de Pequim.

1.9.2 Feriados

1.10 Ver também

• Ásia
Corrida de Barco Dragão em Hong Kong, um esporte
popular no país.
• Lista de Estados soberanos

A China tem uma das culturas esportivas mais antigas do


• Lista de Estados soberanos e territórios dependentes
mundo. Há evidências de que um tipo de futebol era jo-
da Ásia
gado no país por volta do ano 1000.* [335] Hoje, alguns
dos esportes mais populares no país incluem as artes mar-
ciais, o basquete, o futebol, o tênis de mesa, o badminton, • Lista de Estados com reconhecimento limitado
a natação e a sinuca. Jogos de tabuleiro, como o go (co-
nhecido como weiqi na China), xiangqi e, mais recente- • Nomes da China
mente, o xadrez também são jogados em nível profissio-
nal.* [336] • Unidades de medida chinesas
1.11. REFERÊNCIAS 23

1.11 Referências [16] "China". The American Heritage Dictionary of the En-
glish Language (2000). Boston and New York: Houghton-
Mifflin.
[1] Fundo Monetário Internacional (FMI): World Economic
Outlook Database (Outubro de 2014). Visitado em 29 de [17]“China”. Oxford English Dictionary (1989). ISBN
outubro de 2014. 0199573158. O original em português aqui: (“O Grande
Reino da China”). ISBN 8120604512.
[2] Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento
(PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) [18] Encontrado no livro 2 do Artaxastra de Cautília. (Denis
(24 de julho de 2014). Visitado em 2 de agosto de 2014. Crispin Twitchett, Michael Loewe, John King Fairbank,
The Ch'in and Han Empires 221 B.C.–A.D. 220, p. 20.)
[3] "Income inequality: Delta blues", The Economist, 23 de
janeiro de 2013. Página visitada em 23 de janeiro de [19] Martino, Martin, Novus Atlas Sinensis, Vienna 1655, Pre-
2013. face, p. 2.

[4] Walton, Greg; International Centre for Human Rights and [20] Liu, Lydia He, The Clash of Empires, p. 77.
Democratic Development. China's golden shield: corpo-
rations and the development of surveillance technology in [21] Wade, Geoff. "The Polity of Yelang and the Origin of the
the People's Republic of China. [S.l.]: Rights & Demo- Name 'China'". Sino-Platonic Papers, No. 188, Maio de
cracy, 2001. 5 p. ISBN 9782922084429 Página visitada 2009, p. 20.
em 29 de agosto de 2009.
[22] 尚書 • 梓材》:「皇天既付中國民越厥疆土于先王」
[5] Sino-British Joint Declaration. Visitado em 8 de setembro Roughly translated as “The Heavens awarded the lands
de 2008. and peoples of Zhōngguó to our ancestors”.

[6] Constituição da República Popular da China (Adotada em [23] Endymion Wilkinson, Chinese History: A Manual (Cam-
4 de dezembro de 1982) People.com.cn (29 de maio de bridge, MA: Harvard University Press, Rev. and enl.,
2007). Visitado em 9 de maio de 2009. 2000 ISBN 0-674-00247-4 ), 132.

[7] Area Country Comparison Table. Visitado em 18 de [24] “Early Homo erectus Tools in China”. Archaeological
março de 2009. Institute of America. 2000. Acessado em 30 de novembro
de 2012.
[8] Rivers and Lakes China.org.cn. Visitado em 15 de junho
[25] Ian Tattersall. (1997). “Out of Africa again...and
de 2009.
again?". Scientific American 276 (4): 60–68.
[9] Country profile: China BBC News (1 de julho de 2009). DOI:10.1038/scientificamerican0497-60.
Visitado em 14 de julho de 2009.
[26] Shen, G; Gao, X; Gao, B; Granger, De. (Mar 2009).
[10] Fighting Poverty: Findings and Lessons from China’s “Age of Zhoukoudian Homo erectus determined with
Success. Banco Mundial. Acessado em 10 de agosto de (26)Al/(10)Be burial dating”. Nature 458 (7235): 198–
2006. 200. DOI:10.1038/nature07741. ISSN 0028-0836.
PMID 19279636. Bibcode: 2009Natur.458..198S.
[11] From Rural Transformation to Global Integration: The
[27] Peking Man Site at Zhoukoudian UNESCO. Visitado em
Environmental and Social Impacts of China's Rise to Su-
4 de outubro de 2012.
perpower Carnegie Endowment for International Peace (9
de fevereiro de 2006). Visitado em 17 de janeiro de 2010. [28] “Bronze Age China”by Galeria Nacional de Arte. Aces-
sado em 7 de janeiro de 2013.
[12] Bergsten, C. Fred; Bates, Gill; Lardy, Nicholas R. e Mit-
chell, Derek. China: The Balance Sheet: What the World [29] The Warring States Period of Ancient China 480 BCE to
Needs to Know about the Emerging Superpower. Capa 221 BCE Universidade Estadual de San José. Visitado em
dura, ilustrada ed. [S.l.]: PublicAffairs. p. 224. ISBN 22 de outubro de 2012.
978-1-58648-464-4
[30] Bodde, Derk. (1986). “The State and Empire of Ch'in”
[13] Tenente-coronel da Marinha dos Estados Unidos Uckert, , in The Cambridge History of China: Volume I: the Ch'in
Merri B. (abril de 1995). China as an Economic and Mili- and Han Empires, 221 B.C. – A.D. 220. Edited by Denis
tary Superpower: A Dangerous Combination? p. 33. Air Twitchett and Michael Loewe. Cambridge: Cambridge
War College, Air University. University Press. ISBN 0-521-24327-0.

[14] Gordon, Peter. Review of “China: The Balance Sheet -- [31] Lewis, Mark Edward. The Early Chinese Empires: Qin
What the World Needs to Know Now About the Emerging and Han. London: Belknap Press, 2007. ISBN 978-0-
Superpower” The Asia Review of Books. Visitado em 674-02477-9
2007 de dezembro de 24.
[32] Dahlman, Carl J; Aubert, Jean-Eric. China and the Kno-
[15] Miller, Lyman. China an Emerging Superpower? Stan- wledge Economy: Seizing the 21st century World Bank Pu-
ford Journal of International Relations. Visitado em 24 blications via Eric.ed.gov. Visitado em 22 de outubro de
de dezembro de 2007. 2012.
24 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

[33] Whiting, Marvin C., (2002). Imperial Chinese Military [52] The world's successful diasporas. Management Today. 3
History. iUniverse. ISBN 0-595-22134-3 de abril de 2007.

[34] Jacques Gernet, (1996). A history of Chinese civiliza- [53] Dimensions of need – People and populations at risk.
tion. Cambridge University Press. ISBN 0-521-49781-7. Food and Agriculture Organization of the United Nations
p.198 (FAO).

[35] Denis Crispin Twitchett, Michael Loewe, John King Fair- [54] Ó Gráda, C.. Universidade de Princeton: Famine: A
bank, (1986). The Cambridge history of China, Volume Short History. Visitado em 14 de janeiro de 2013.
1. Cambridge University Press. ISBN 0-521-24327-0.
p.375 [55] Journal of the Royal Institute of International Affairs:
China: Land of Famine. Visitado em 11 de janeiro de
[36] Ki-Baik Lee, (1984). A new history of Korea. Harvard 2013.
University Press. ISBN 978-0-674-61576-2. p.47
[56] Sino-Japanese War (1894-95) Encyclopaedia Britannica.
[37] David Andrew Graff, (2002). Medieval Chinese warfare, Visitado em 12 de novembro de 2012.
300–900. Routledge. ISBN 0-415-23955-9. p.13
[57] Naveed S. Sheikh (2009). Body Count: a quantita-
[38] Adshead, S. A. M. (2004). T'ang China: The Rise of the tive review of political violence across world civilizations
East in World History. New York: Palgrave Macmillan, RISSC. Visitado em 29 de outubro de 2012.
ISBN 1-4039-3456-8
[58] Pu Yi, Last Emperor of China And a Puppet for Japan,
[39] City University of HK Press, (2007). China: Five Thou- Dies. Enthroned at 2, Turned Out at 6, He Was Later a
sand Years of History and Civilization. City University of Captive of Russians and Peking Reds. (19 de outubro de
HK Press. ISBN 962–937–140–5. p.71 1967). Visitado em 21 de julho de 2007.
[40] Paludan, Ann (1998). Chronicle of the Chinese Emperors. [59] Kenneth James Hammond, Kristin Eileen Stapleton,
London: Thames & Hudson, ISBN 0-500-05090-2. p. (2008). The Human Tradition in Modern China. Row-
136. man & Littlefield, ISBN 9780742554665. p.viii.
[41] Ping-ti Ho,“An Estimate of the Total Population of Sung-
[60] Eileen Tamura, (1997). China: Understanding Its
Chin China”, in Études Song, Series 1, No 1, (1970) pp.
Past, Volume 1. University of Hawaii Press, ISBN
33–53.
0824819233. p.146.
[42] UNESCO Lista do Património da Humanidade: Palá-
[61] Stephen Haw, (2006). Beijing: A Concise History. Taylor
cios Imperiais das Dinastias Ming e Qing em Pequim e
& Francis, ISBN 0415399068. p.143.
Shenyang UNESCO. Visitado em 04 de maio de 2007.
[62] Bruce Elleman, (2001). Modern Chinese Warfare. Rou-
[43] Ming Dynasty TravelChinaGuide.com. Visitado em 9 de
tledge, ISBN 0415214742. p.149.
dezembro de 2012.

[44] Rice, Xan (25 de julho de 2010). Chinese archaeologists' [63] Graham Hutchings, (2003). Modern China: A Guide to
African quest for sunken ship of Ming admiral The Guar- a Century of Change. Harvard University Press, ISBN
dian. 0674012402. p.459.

[45] John M. Roberts (1997). A Short History of the World. [64] Peter Zarrow, (2005). China in War and Revolution,
Oxford University Press. p.272. ISBN 019511504X. 1895-1949. Routledge, ISBN 0415364477. p.230.

[46] Ainslie Thomas Embree, Carol Gluck (1997). Asia in [65] M. Leutner, (2002). The Chinese Revolution in the
Western and World History: A Guide for Teaching. M.E. 1920s: Between Triumph and Disaster. Routledge, ISBN
Sharpe. p.597. ISBN 1563242656. 0700716904. p.129.

[47] Jenks, R.D. Insurgency and Social Disorder in Guizhou: [66] Hung-Mao Tien, (1972). Government and Politics in Ku-
The Miao‘Rebellion’ , 1854–1873. Honolulu: University omintang China, 1927-1937, Volume 53. Stanford Uni-
of Hawaii Press. 1994. versity Press, ISBN 0804708126. pp.60-72.

[48] Cf. William J. Peterson, The Cambridge History of China [67] Suisheng Zhao, (2000). China and Democracy: Reconsi-
Volume 9 (Cambridge University Press, 2002) dering the Prospects for a Democratic China. Routledge,
ISBN 0415926947. p.43.
[49] Damsan Harper, Steve Fallon, Katja Gaskell, Julie Grund-
vig, Carolyn Heller, Thomas Huhti, Bradley Maynew, Ch- [68] David Ernest Apter, Tony Saich, (1994). Revolutionary
ristopher Pitts. Lonely Planet China. 9. 2005. ISBN 1- Discourse in Mao's Republic. Harvard University Press,
74059-687-0 ISBN 0674767802. p.198.

[50] Gernet, Jacques. A History of Chinese Civilization. 2. [69] Jean Fritz, (1988). China's Long March: 6,000 miles of
New York: Cambridge University Press, 1996. danger. Putnam, ISBN 0399215123.

[51] Perry, Elizabeth. Rebels and Revolutionaries in Northern [70] “Nuclear Power: The End of the War Against Japan”.
China, 1845–1945 (Stanford, CA: Stanford UP, 1980). BBC —History.
1.11. REFERÊNCIAS 25

[71] Himeta, Mitsuyoshi (姫田光義) (日本軍による『三 [88] The New York Times: Behind the Scenes: The Tank Man
光政策・三光作 をめぐって』) (Concerning the Th- of Tiananmen (3 de junho de 2009). Visitado em 3 de
ree Alls Strategy/Three Alls Policy By the Japanese Forces), junho de 2009.
Iwanami Bukkuretto, 1996, Bix, Hirohito and the Making
of Modern Japan, 2000 [89] China Daily: Nation bucks trend of global poverty (11 de
julho de 2003). Visitado em 13 de janeiro de 2013.
[72] Judgement: International Military Tribunal for the Far
East”Chapter VIII: Conventional War Crimes (Atrocities) [90] People's Daily: título=China's Average Economic Growth
(Novembro de 1948). Visitado em 14 de janeiro de 2013. in 90s Ranked 1st in World Título não preenchido, favor
adicionar (1 de março de 2000). Visitado em 13 de janeiro
[73] HALLIDAY, Jon e CHANG, Jung. “Mao: a história de 2013.
desconhecida”. São Paulo: Companhia das Letras, 2006,
p. 351 [91] China’s Environmental Crisis New York Times (26 de
agosto de 2007). Visitado em 16 de maio de 2012.
[74] Harvey Feldman, (1991). Constitutional Reform and the
Future of the Republic of China. M.E. Sharpe, ISBN [92] China worried over pace of growth. BBC. Acessado em
0873328809. 16 de abril de 2006.

[75] Chih-Yu Shih, Zhiyu Shi, (1999). Collective Democracy: [93] China: Migrants, Students, Taiwan. Migration News. Ja-
Political and Legal Reform in China. Chinese University neiro de 2006.
Press, ISBN 9622018270. p.176.
[94] In Face of Rural Unrest, China Rolls Out Reforms.
[76] Suisheng Zhao, (1996). Power by Design: Constitution- Washington Post. 28 de janeiro de 2006.
Making in Nationalist China. University of Hawaii Press,
[95] Frontline: The Tank Man transcript Frontline PBS (11 de
ISBN 0824817214.
abril de 2006). Visitado em 12 de julho de 2008.
[77] The Chinese people have stood up. UCLA Center for East
[96] China economy: Latest numbers add to recovery hopes
Asian Studies. Acessado em 16 de abril de 2006.
BBC (9 de novembro de 2012).
[78] Smith, Joseph; and Davis, Simon. [2005] (2005). The A
[97] The decade of Xi Jinping Financial Times (25 de novem-
to Z of the Cold War. Issue 28 of Historical dictionaries
bro de 2012). Visitado em 27 de novembro de 2012.
of war, revolution, and civil unrest. Volume 8 of A to Z
guides. Scarecrow Press publisher. ISBN 0-8108-5384-1, [98] China sees both industrial output and retail sales rise BBC
ISBN 978-0-8108-5384-3. (9 de dezembro de 2012). Visitado em 9 de dezembro de
2012.
[79] Madelyn Holmes. (2008). "Students and teachers of the
new China: thirteen interviews": 185. McFarland. Visi- [99] Bo Xilai scandal: Timeline BBC (5 de setembro de 2012).
tado em 7 de novembro de 2011. Visitado em 11 de setembro de 2012.
[80] Akbar, Arifa (17 de setembro de 2010). Mao's Great Leap [100] Xi Jinping crowned new leader of China Communist Party
Forward 'killed 45 million in four years' The Independent. The Daily Telegraph (15 de novembro de 2012). Visitado
Visitado em 30 de outubro de 2010. em 15 de novembro de 2012.
[81] Busky, Donald F. (2002). Communism in History and [101] New China leadership tipped to be all male Stuff.co.nz (6
Theory. Greenwood Publishing Group, p.11. de novembro de 2012).
[82] Michael Y.M. Kao: “Taiwan's and Beijing's Campaigns [102] Countries of the world ordered by land area Listofcoun-
for Unification”in Harvey Feldman and Michael Y.M. triesoftheworld.com. Visitado em 27 de abril de 2010.
Kao (eds.): Taiwan in a Time of Transition (New York:
Paragon House, 1988). p.188. [103] Foreign & Commonwealth Office: The People's Republic
of China (7 de setembro de 2005). Visitado em 11 de
[83] Hart-Landsberg, Martin; and Burkett, Paul. “China and janeiro de 2013.
Socialism. Market Reforms and Class Struggle”. Aces-
sado em 30 de outubro de 2008. [104] CIA World Factbook: Field Listing – Disputes – interna-
tional. Visitado em 11 de janeiro de 2013.
[84] China Profile BBC.co.uk (18 de novembro de 2012). Vi-
sitado em 9 de janeiro de 2013. [105] A fronteira da China com o Paquistão está na disputada
província da Caxemira. A área sob administração paquis-
[85] “China Is a Private-Sector Economy” (em en) busines- tanesa é reivindicada pela Índia.
sweek (21 de agosto de 2005). Visitado em 9 de janeiro
de 2013. [106] CIA – The World Factbook Cia.gov. Visitado em 1 de
novembro de 2011.
[86] Youngs, R. The European Union and the Promotion of De-
mocracy. Oxford University Press, 2002. ISBN 978-0- [107] “Beijing hit by eighth sandstorm”. BBC news. Visitado
19-924979-4. em 17 de abril de 2006.

[87] Carroll, J. M. A Concise History of Hong Kong. Rowman [108] "The gathering sandstorm: Encroaching desert, missing
& Littlefield, 2007. ISBN 978-0-7425-3422-3. water". The Independent. 9 de novembro de 2007.
26 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

[109] "Himalaya glaciers melting much faster". MSNBC, 24 de [127] “Splashing out: China to spend 4 trillion yuan on wa-
novembro de 2008. ter projects”. Want China Times, 11 de julho de 2011.
Acessado em 27 de novembro de 2011.
[110] Departamento Econômico e Social da Embaixada da Re-
pública Popular da China na República de Moçambique: [128] HDRstats.undp.org (2009). UNHD. Acessado em 11 de
O clima da China (4 de abril de 2005). Visitado em 8 de janeiro de 2013.
janeiro de 2013.
[129] Michael Bristow Beijing (28 de abril de 2011). China cen-
[111] Biodiversity Theme Report Environment.gov.au (10 de sus shows population ageing and urban BBC. Visitado em
dezembro de 2009). Visitado em 27 de abril de 2010. 1 de novembro de 2011.

[112] China's Illegal Wildlife Trade in Tigers, Turtles, Timber [130] Urban unemployment declines to 4% in China People's
Environment News Service (17 de março de 2010). Visi- Daily Online (22 de janeiro de 2008). Acessado em 27 de
tado em 27 de outubro de 2012. julho de 2008.

[113] China's tropical rainforests decline 67% in 30 years Mon- [131] The New England Journal of Medicine, Setembro de 2005
gabay.com (3 de março de 2008). Visitado em 16 de no- Content.nejm.org. Visitado em 14 de julho de 2009.
vembro de 2012.
[132] China to keep one-child policy CNN (10 de março de
[114] Ma Xiaoying; Ortalano, Leonard. Environmental Regu- 2008). Visitado em 14 de julho de 2009.
lation in China. [S.l.]: Rowman & Littlefield Publishers,
[133] China's population growth 'slowing' BBC (28 de março de
2002.
2001). Visitado em 16 de dezembro de 2012.
[115] Riot police and protesters clash over China chemical plant
[134] The most surprising demographic crisis The Economist (5
BBC (28 de outubro de 2012).
de maio de 2011). Visitado em 1 de novembro de 2011.
[116] “Tackling China’s water crisis online”. ChinaDialo-
[135] Shortage of girls forces China to criminalise selective
gue.net. 21 de setembro de 2006. Acessado em 23 de
abortion The Daily Telegraph (9 de janeiro de 2005). Vi-
novembro de 2011.
sitado em 22 de outubro de 2012.
[117] “China's decade plan for water”. The Earth Institute. [136] “Chinese mainland gender ratios most balanced since
Columbia University. 24 de outubro de 2011. Acessado 1950s: census data”. Xinhua. 28 de abril de 2011. Aces-
em 23 de novembro de 2011. sado em 20 de outubro de 2011.
[118] Ma, Jun Li, Naomi (2006). Tackling China's Water Crisis [137] Chinese facing shortage of wives BBC News (12 de ja-
Online chinadialogue.net. Visitado em 18 de fevereiro de neiro de 2007). Visitado em 23 de março de 2009.
2007.
[138] Estimation of the Number of Missing Females in China:
[119] 300 million Chinese drinking unsafe water People's Daily 1900–2000 page 20
Online (23 de dezembro de 2004). Visitado em 27 de
março de 2009. [139] M. G. Merli and A. E. Raftery. 1990.“Are births under-
reported in rural China? Manipulation of statistical re-
[120] Flood Risk Ranking Reveals Vulnerable Cities Science cords in response to China's population policies”, Demo-
Daily (21 de agosto de 2012). Visitado em 22 de agosto graphy 37 (February): 109–126.
de 2012.
[140] Johansson, Sten. (1991). “The missing girls of China: a
[121] Friedman, Lisa (25 de março de 2010). China Leads Ma- new demographic account”. Population and Development
jor Countries With $34.6 Billion Invested in Clean Tech- Review 17 (1): 35–51. DOI:10.2307/1972351.
nology The New York Times. Visitado em 27 de abril de
2010. [141] Merli, M. Giovanna. (2000). “Are births underreported
in rural China?". Demography 37 (1): 109 126.
[122] Black, Richard (26 de março de 2010). China steams
ahead on clean energy BBC News. Visitado em 27 de [142] “Chinese hiding three million babies a year”. The Daily
abril de 2010. Telegraph, 30 de maio de 2010. Acessado em 20 de ou-
tubro de 2011.
[123] China Leads The World In Renewable Energy Investment
Forbes (27 de julho de 2012). Visitado em 5 de dezembro [143] Communiqué of the National Bureau of Statistics of Pe-
de 2012. ople's Republic of China on Major Figures of the 2010
Population Census (No. 1). Acessado em 4 de outubro de
[124] Bradsher, Keith (31 de janeiro de 2010). China leads glo- 2011.
bal race to make clean energy.
[144] “Major Figures on Residents from Hong Kong, Macao
[125] “China's big push for renewable energy”. Scientific Ame- and Taiwan and Foreigners Covered by 2010 Population
rican, 4 de agosto de 2008. Acesso em 24 de setembro de Census”. National Bureau of Statistics of China, 29 de
2011. abril de 2011. Acessado em 4 de outubro de 2011.

[126] China tops the world in clean energy production. Ecosen- [145] Languages. 2005. GOV.cn. Acessado em 3 de maio de
sorium. Acesso em 24 de setembro de 2011. 2006.
1.11. REFERÊNCIAS 27

[146] Sridhar, Asha (14 de dezembro de 2011). Round and [164] Index-China Chinese Philosophies and religions Index-
about: Urban planning gone haywire The Hindu. china.com. Visitado em 14 de junho de 2009.

[147] Preparing for China's urban billion McKinsey Global Ins- [165] Watts, Jonathan (7 de fevereiro de 2007). Christian po-
titute (Fevereiro de 2009). Visitado em 12 de dezembro pulation in China. Visitado em 27 de agosto de 2007.
de 2012.
[166] China Survey Reveals Fewer Christians than Some Evan-
[148] China urbanization (PDF) World Bank Institute (2011). gelicals Want to Believe Assistnews.net (1 de outubro de
Visitado em 12 de dezembro de 2012. 2007). Visitado em 15 de junho de 2009.

[149] Harney, Alexandra (3 de fevereiro de 2008). Migrants are [167] Chinese government official statistics on Christian popu-
China's 'factories without smoke' CNN. Visitado em 27 de lation in China hrwf.org. Visitado em 27 de agosto de
março de 2009. 2007.

[150] Tschang, Chi-Chu (4 de fevereiro de 2009). A Tough [168] China The World Factbook CIA. Visitado em 15 de junho
New Year for China's Migrant Workers Business Week. de 2009.
Visitado em 27 de março de 2009.
[169] China (includes Hong Kong, Macau, and Tibet)
[151] Communiqué of the National Bureau of Statistics of Pe- Departamento de Estado dos Estados Unidos. Visitado
ople's Republic of China on Major Figures of the 2010 em 15 de junho de 2009.
Population Census (No. 1) Serviço Nacional de Estatís-
ticas da China (28 de abril de 2011). Visitado em 29 de [170] NW China region eyes global Muslim market China Daily
abril de 2011. (9 de julho de 2008). Visitado em 14 de julho de 2009.

[152] Yu Tao, University of Oxford. A Solo, a Duet, or an En- [171] Muslim Media Network Muslim Media Network (24 de
semble? Analysing the Recent Development of Religious março de 2008). Visitado em 14 de julho de 2009.
Communities in Contemporary Rural China. ECRAN -
[172] Xinhua, China Bans Falun Gong, People's Daily, 22 de
Europe-China Research and Advice Network. University
julho de 1999
of Nottingham. p. 12. Acessado em 25 de setembro de
2012. [173] Mary-Anne Toy, Underground existence for Falun Gong
faithful, The Age, 26 de julho de 2008.
[153] Buddhism in China. By staff reporter ZHANG XU-
EYING Chinatoday.com.cn. Visitado em 17 de outubro [174] Randall Hoven, 7 November 2007. American Thinker.
de 2011. Acessado em 14 de julho de 2009.
[154] ANALYSIS (1 de maio de 2008). Religion in China on [175] Cienciala, Anna (1996). The Rise and Fall of Communist
the Eve of the 2008 Beijing Olympics Pew Forum. Visi- Nations 1917–1994. Acessado em 16 de outubro de 2008.
tado em 17 de outubro de 2011.
[176] Boum, Aomar (1999). Journal of Political Ecology: Case
[155] Prof: Christians remain a small minority in China today Studies in History and Society. Acessado em 5 de maio de
Purdue.edu (26 de julho de 2010). Visitado em 17 de 2007.
outubro de 2011.
[177] Freedom House: Freedom in the World 2011: China.
[156] Views on globalisation and faith. Ipsos MORI. Acessado
em 5 de julho de 2011. [178] Imprensa Oficial da Região Administrativa de Macau:
Constituição da República Popular da China. Visitado em
[157] Asia-Pacific | Survey finds 300 m China believers BBC 14 de julho de 2009.
News (7 de fevereiro de 2007). Visitado em 15 de junho
de 2009. [179] CFR.org CFR.org. Visitado em 27 de abril de 2010.

[158] Nonreligious, continued... Adherents.com. Visitado em [180] BBC, Country Report: China BBC News. Visitado em 14
15 de junho de 2009. de julho de 2009.

[159] Buddhists in the world Vipassanafoundation.com. Visi- [181] China: Comitê Permanente do Politburo é renovado (em
tado em 15 de junho de 2009. português) Estadão (15 de novembro de 2012). Visitado
em 7 de fevereiro de 2013.
[160] How Now Tao? Asia Sentinel (27 de abril de 2007). Vi-
sitado em 15 de junho de 2009. [182] Título não preenchido, favor adicionar (2003). Visitado
em 18 de fevereiro de 2007.
[161] Alliance of Religions and Conservation (ARC) (PDF).
Visitado em 14 de julho de 2009. [183] Lohmar, Bryan; and Somwaru, Agapi; Does China’s
Land-Tenure System Discourage Structural Adjustment?. 1
[162] Religions and Beliefs in China Travelchinaguide.com. Vi- de maio de 2006. USDA Economic Research Service.
sitado em 14 de junho de 2009. Acessado em 3 de maio de 2006.

[163] Society for Anglo Chinese Understanding SACU. Visi- [184] China sounds alarm over fast-growing gap between rich
tado em 14 de junho de 2009. and poor. Acessado em 16 de abril de 2006.
28 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

[185] PEWresearch.org (22 de julho de 2008). Visitado em 27 [205] Departamento de Defesa dos Estados Unidos: China Mili-
de abril de 2010. tary Power Report 2009 (2009). Visitado em 9 de janeiro
de 2013.
[186] Background Note: China. Visitado em 10 de março de
2011. [206] Nolt, James H. Analysis: The China-Taiwan military ba-
lance. Asia Times. Acessado em 15 de abril de 2006.
[187] Why is President Hu’s visit to Denmark important?. Vi-
sitado em 9 de dezembro de 2012. [207] Andrew, Martin. AsianResearch.org AsianResearch.org.
Visitado em 27 de abril de 2010.
[188] Chang, Eddy (22 de agosto de 2004). Perseverance will
pay off at the UN, The Taipei Times. [208] Sinodefence.com Sinodefence.com (28 de março de
2009). Visitado em 27 de abril de 2010.
[189] China says communication with other developing coun-
tries at Copenhagen summit transparent People's Daily (21 [209] SinoDefence: Surface-to-air Missile System (2006).
de dezembro de 2009). Visitado em 20 de agosto de 2010. Acessado em 7 de julho de 2009.

[190] Taiwan's Ma to stopover in US: report (11 de janeiro de [210] GlobalSecurity.com: Chinese Stealth Fighter. Visitado
2010). em 11 de janeiro de 2013.

[191] Macartney, Jane (1 de fevereiro de 2010). China says US [211] Terra Networks: China constrói seu primeiro porta-aviões
arms sales to Taiwan could threaten wider relations The militar (19 de novembro de 2008). Visitado em 9 de ja-
Times. neiro de 2013.

[192] Moore, Malcolm (8 de janeiro de 2010). China cancels [212] China Military Power Report.indd (PDF) Departamento
UK human rights summit after Akmal Shaikh execution de Defesa dos Estados Unidos. Visitado em 27 de abril de
The Daily Telegraph. 2010.

[193] Keith, Ronald C.. China from the inside out – fitting the [213] China fury at US military report BBC News (26 de março
People's republic into the world. [S.l.]: PlutoPress. de 2009). Visitado em 27 de abril de 2010.

[194] Ready to face the world? The Economist (6 de março de [214] AFP (2 de fevereiro de 2010). China: US spat over
1997). Visitado em 24 de março de 2011. Taiwan could hit co-operation Agence France Presse. Vi-
sitado em 14 de janeiro de 2013.
[195] China and Europe: A summit dominated by trade could
get frosty The Economist (27 de novembro de 2007). Vi- [215] AEC (31 de janeiro de 2010). The New ‘China Lobby’
sitado em 24 de março de 2011. : Return of the McCarthyite Hard-Right Asian European
Council. Visitado em 14 de janeiro de 2013.
[196] Energy to dominate Russia President Putin's China visit
[216] The Nobel Peace Prize 2010 - Prize Announcement
BBC (5 de junho de 2012).
nobelprize.org (8 de outubro de 2010).
[197] Friction at the U.N. as Russia and China Veto Another Re-
[217] World Report 2009 Human Rights Watch. Visitado em
solution on Syria Sanctions New York Times (19 de julho
14 de julho de 2009.
de 2012). Visitado em 15 de novembro de 2012.
[218] Will the Boat Sink the Water?: The Life of China's Peasants
[198] McLaughlin, Abraham; “A rising China counters US
/ Chen Guidi and Wu Chuntao (2006) ISBN 1-58648-
clout in Africa”. Christian Science Monitor. 30 de março
358-7
de 2005.
[219] Empire of Lies: The Truth About China in the Twenty-First
[199] Lyman, Princeton N.;“China’s Rising Role in Africa”.
Century / Guy Sorman (2008) ISBN 1-59403-216-5
21 de julho de 2005. Council of Foreign Relations. Aces-
sado em 26 de junho de 2007. [220] Wingfield, Rupert (7 de março de 2006). China’s rural
millions left behind BBC News. Visitado em 14 de julho
[200] Politzer, Malia; “China and Africa: Stronger Econo-
de 2009.
mic Ties Mean More Migration”. Migration Information
Source. Agosto de 2008. [221] Luard, Tim (10 de novembro de 2005). China rethinks
peasant apartheid BBC News. Visitado em 14 de julho de
[201] “Is Brazil a derivative of China?". Forbes.com. 24 de 2009.
agosto de 2011. Acessado em 24 de setembro de 2011.
[222] Articles Los Angeles Times articles.latimes.com (30 de de-
[202] “China, Argentina agree to further strategic ties”. zembro de 2005). Visitado em 27 de abril de 2010.
Xinhua.com. 9 de setembro de 2011. Acessado em 24
de setembro de 2011. [223] China ends school fees for 150m BBC News (13 de de-
zembro de 2006). Visitado em 27 de abril de 2010.
[203] “BRICS summit ends in China”. BBC. 14 de abril de
2011. Acessado em 24 de outubro de 2011. [224] Human Rights in China: Media Control in China (2004).
Visitado em 12 de janeiro de 2013.
[204] China Seeks to Allay US Fears as Summit Nears (2006).
Visitado em 15 de abril de 2006. [225] Freedom House: Freedom on the Net Report: China.
1.11. REFERÊNCIAS 29

[226] In Rare Defiance, Chinese Journalists Protest Against [244] . “Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda”
Party Censors International Business Times (4 de janeiro . Páginas 110-112 - (ISBN 85-7026-395-3) São Paulo.
de 2013). Visitado em 4 de janeiro de 2013.
[245] Ministério do Planejamento do Brasil: Reservas cambi-
[227] Annual Worldwide Press Freedom Index – 2005 ais da China crescem 34,3% e alcançam patamar recorde.
Repórteres sem Fronteiras (2010). Visitado em 14 de Visitado em 11 de janeiro de 2013.
novembro de 2010. (em inglês)
[246] Forbes: Hong Kong, China ratings may be upgraded in a
[228] 1998 US Embassy Beijing report “The Fading of Envi- few months. Visitado em 11 de janeiro de 2013.
ronmental Secrecy”* [ligação inativa]. Acessado em 4 de
fevereiro de 2007. [247] China Daily: Super Rich have Craze for luxury goods (3
de março de 2010). Visitado em 4 de março de 2010.
[229] 1997 US Embassy Beijing report“Environmental NGOs
in China: Green is Good, But Don't Openly Oppose the [248] Escritório Nacional de Estatísticas da China: Total Re-
Party”* [ligação inativa]. Acessado em 4 de fevereiro de tail Sales of Consumer Goods (2007.12) (13 de março de
2007. 2008). Visitado em 21 de novembro de 2008.

[230] Yixiang, Lin (1 de abril de 2009). China Responsible for [249] China must be cautious in raising consumption China
72 Percent of Executions Worldwide The Epoch Times. Daily. Visitado em 8 de fevereiro de 2009.
Visitado em 19 de agosto de 2010.
[250] UNWTO Barom07 2 en.doc (PDF). Visitado em 14 de
[231] Folha de S. Paulo: Brasil passa a Rússia e tem a terceira maio de 2010.
maior população carcerária do mundo (5 de junho de de
2014). [251] China’s Foreign-Exchange Reserves Surge, Exceeding $2
Trillion Bloomberg L.P. (15 de julho de 2009). Visitado
[232] “China's Progress in Human Rights”, julho de 2005. em 19 de julho de 2010.
Acessado: 18 de abril de 2008.
[252] China must keep buying US Treasuries for now-paper
[233] “China's reform and opening-up promotes human rights, Reuters (20 de agosto de 2009). Visitado em 19 de agosto
says premier”. 11 de dezembro de 2003. Embassy of the de 2009.
People's Republic of China in the United States. Acessado
em 28 de abril de 2006. [253] CNNMoney.com: Washington learns to treat China with
care (29 de julho de 2009). Visitado em 11 de janeiro de
[234] Gwillim Law (2 de abril de 2005). Provinces of China. 2013.
Acessado em 15 de abril de 2006.
[254] Hornby, Lucy (23 de setembro de 2009). Factbox: US-
[235] Em pinyin, Shandong. A forma vernácula“Xantum”é re- China Interdependence Outweighs Trade Spat Reuters.
gistrada no Vocabulário da Língua Portuguesa, de Rebelo Visitado em 25 de setembro de 2009.
Gonçalves, e no Dicionário Etimológico da Língua Portu-
guesa: Nomes Próprios, de Antenor Nascentes. [255] On China's rapid growth in outward FDI China Daily (3
de agosto de 2009). Visitado em 19 de julho de 2010.
[236] China supera Japão e é a segunda maior economia do
mundo, diz BC chinês Folha.com (30 de julho de 2010). [256] China widens yuan, non-dollar trading range to 3% (23 de
Visitado em 31 de julho de 2010. setembro de 2005). Visitado em 19 de julho de 2010.

[237] Escritório Nacional de Estatísticas da China: National [257] english@peopledaily.com.cn (13 de julho de 2005).
Economy Maintained Steady and Fast Development in the Título não preenchido, favor adicionar People.com.cn. Vi-
Year of 2011 (17 de janeiro de 2012). Visitado em 11 de sitado em 27 de abril de 2010.
janeiro de 2013.
[258] China2bandes.doc (PDF). Visitado em 27 de abril de
[238] Chinese economy slows to still sizzling 11.5% growth (em 2010.
Inglês) USA Today (25 de outubro de 2007). Visitado em
30 de outubro de 2007. [259] China Is a Private-Sector Economy BusinessWeek (22 de
agosto de 2005). Visitado em 27 de março de 2007.
[239] A Progress Report on the Building of the BRICs, Gold-
man Sachs, Acesso em 11 de novembro de 2012. [260] Fórum Econômico Mundial: The Global Competitiveness
Report 2009-2010 (2009-2010). Visitado em 24 de se-
[240] Maria-João Gregório. A herança de Deng Xiao Ping. Vi- tembro de 2009.
sitado em 11 de janeiro de 2013.
[261] CNN.com.: Global 500 (2010). Visitado em 27 de julho
[241] Berkeley.edu (PDF). Visitado em 27 de abril de 2010. de 2010.

[242] Veja: O novo gigante do mercado. Visitado em 11 de [262] Financial Times: Global 500 2009 (2009). Visitado em
janeiro de 2013. 12 de agosto de 2009.

[243] BusinessWeek: China Is a Private-Sector Economy. Vi- [263] PNUD: Human development reports 2006 (2006). Visi-
sitado em 11 de janeiro de 2013. tado em 11 de janeiro de 2013.
30 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

[264] Banco do Nordeste: Disparidades Regionais na China: do [284] “Obesity Sickening China's Young Hearts”. 4 de agosto
planejamento Central do PCC à globalização (2005). Vi- de 2000. People's Daily. Acessado em 17 de abril de
sitado em 11 de janeiro de 2013. 2006.

[265] Factbox: Education in China (2008). China-Arab Educa- [285] “China’s latest SARS outbreak has been contained,
tion Information Network. Acessado em 12 de janeiro de but biosafety concerns remain”. 18 de maio de 2004.
2013. Organização Mundial da Saúde. Acessado em 17 de abril
de 2006.
[266] China pledges free 9-year education in rural west (21 de
fevereiro de 2006). China Economic Net. [286] China 'buried smog death finding' BBC News (3 de julho
de 2007). Visitado em 1 de novembro de 2011.
[267] “China's graft: Tough talk, old message”by Mary Hen-
nock. BBC News (27 de setembro de 2004). Acessado [287] John Vidal and David Adam (19 de junho de 2007).
em 2 de abril de 2006. China overtakes US as world's biggest CO2 emitter The
Guardian. Visitado em 1 de novembro de 2011.
[268] Where And Who Are The World’s Illiterates: China
[288] China says water pollution so severe that cities could lack
UNESCO. Visitado em 14 de julho de 2009.
safe supplies China Daily (7 de junho de 2005). Visitado
[269] Premier Wen announces hefty educational investment. em 1 de novembro de 2011.
Xinhuanet (2007). Acessado em 6 de março de 2007. [289] Kahn, Joseph (26 de agosto de 2007). As China Roars,
Pollution Reaches Deadly Extremes The New York Times.
[270] All-around Ranking (2003). Acessado em 17 de abril de
Visitado em 1 de novembro de 2011.
2006.
[290] Air Pollution in Yixian Air Pollution in Yixian (16 de se-
[271] China AIDS Survey at Yahoo. Visitado em 18 de abril de
tembro de 2009). Visitado em 25 de maio de 2010.
2006.
[291] China August mobile phone users top 823 million People's
[272] Population Growth in China : The Basic Characteristics Daily. Visitado em 28 de setembro de 2010.
of China's Demographic Transition (PDF). Visitado em 1
de novembro de 2011. [292] Barboza, David (26 de julho de 2008). China Surpasses
US in Number of Internet Users NY times. Visitado em
[273] “China”. CIA World Factbook, 16 de maio de 2008 26 de julho de 2008.
[274] CIA World Factbook. 20 de abril de 2006. Acessado em [293] TeleGeography: Broadband provider rankings: The Rise
3 de maio de 2006. and Rise of China (28 de julho de 2010). Visitado em 11
de janeiro de 2013.
[275] China’s Infant Mortality Rate Down. CHINA.ORG.CN,
11 de setembro de 2001. Acessado em 3 de maio de 2006. [294] China's total mileage of expressways open to traffic re-
ached 65,000 kilometers English.peopledaily.com.cn (15
[276] Nutrition country profiles: China summary. Visitado em de janeiro de 2010). Visitado em 14 de julho de 2010.
22 de julho de 2007. Cópia arquivada em 15 de setembro
de 2007. [295] China ultrapassa 18 milhões de veículos vendidos (8 de
janeiro de 2010). Visitado em 14 de maio de 2010.
[277] Noam N. Levey (12 de maio de 2012). Global push to
guarantee health coverage leaves U.S. behind Los Angeles [296]“China premium car sector remains bright spot”. Reuters,
Times. Visitado em 15 de maio de 2012. 23 de abril de 2012. Acessado em 24 de abril de 2012.

[278] Country Comparison: Life Expectancy at Birth CIA [297] Chinese bus collides with tanker, killing 36 BBC (26 de
(2012). Visitado em 7 de junho de 2012. agosto de 2012). Visitado em 28 de agosto de 2012.

[298] China suspends tough new traffic penalties BBC (6 de ja-


[279] Country Comparison: Infant Mortality Rate CIA (2012).
neiro de 2013). Visitado em 6 de janeiro de 2013.
Visitado em 7 de junho de 2012.
[299] China opens world's longest high-speed rail route BBC (26
[280] McGregor, Richard (2 de julho de 2007). 750,000 a year de dezembro de 2012). Visitado em 26 de dezembro de
killed by Chinese pollution Financial Times. Visitado em 2012.
22 de julho de 2007.
[300] Japan's bullet train will have a top speed of 310 mph Daily
[281] “Smoking 'will kill one third of young Chinese men'". 16 Mail (16 de fevereiro de 2011). Visitado em 1 de novem-
de agosto de 2001. Honolulu Community College. Aces- bro de 2011.
sado em 17 de abril de 2006.
[301] “China pushes ahead with high-speed rail”. Financial Ti-
[282] “China's Tobacco Industry Wields Huge Power” artigo mes, 27 de dezembro de 2011. Acessado em 3 de janeiro
de Didi Kirsten Tatlow no The New York Times de 10 de de 2012.
junho de 2010. Acessado em 10 de janeiro de 2013.
[302] “China boasts biggest high-speed rail network”. Agence
[283] “Serving the people?". 1999. Bruce Kennedy. CNN. France-Presse via The Raw Story, 24 de julho de 2011.
Acessado em 17 de abril de 2006. Retrieved 24 de abril de 2012.
1.11. REFERÊNCIAS 31

[303] China's New Plan: A Great Leap Into The Air NPR (19 [323] Sen.com: China to launch lunar rover in 2013 (3 de agosto
de maio de 2012). de 2012). Visitado em 1 de setembro de 2012.

[304] China's Beidou GPS-substitute opens to public in Asia [324] The Guardian:“China could make moon landing in 2025”
BBC (27 de dezembro de 2012). Visitado em 27 de de- (20 de setembro de 2010). Visitado em 17 de outubro de
zembro de 2012. 2011.

[305] “The final frontier”. China Daily. 27 de abril de 2012. [325] LOUISE WATT, China's Space Program Shoots for
Moon, Mars, Venus, Associated Press, 11 de julho de
[306] Swartz, Spencer e Oster, Shai (19 de julho de 2010). 2011.
China Becomes World's Biggest Energy Consumer Wall
Street Journal. Visitado em 19 de julho de 2010. [326] BBC: Questions over Chinese satellites 'to monitor sea' (6
de setembro de 2012).
[307] Feller, Gordon. China’s Coal ECOworld. Visitado em
19-7-2010. [327] BBC: A Point Of View: What kind of superpower could
China be? (19 de outubro de 2012). Visitado em 21 de
[308] China have set a Renewable Energy Target of 10% of outubro de 2012.
Electric Power Capacity by 2010 Reuters (11 de março
[328] Bary, Theodore de. Constructive Engagement with Asian
de 2008). Visitado em 19 de julho de 2010.
Values. Visitado em 11 de janeiro de 2013.
[309] Donald D. DeGlopper (1987). A Country Study: China.
[329] Revista Filosofia: China: um comunismo reinventado.
Chapter 9 – Science and Technology. Biblioteca do Con-
Visitado em 11 de janeiro de 2013.
gresso. Acessado em 9 de abril de 2012.
[330] Lcweb2.loc.gov: “China: Traditional arts”. Library of
[310] “7 Technologies Where China Has the U.S. Beat”. Gre- Congress – Country Studies. Visitado em 1 de novembro
enBiz.com. 7 de dezembro de 2010. Acessado em 30 de de 2011.
agosto de 2012.
[331] Britannica.com: China: Cultural life: The arts. Visitado
[311] “China 'to overtake US on science' in two years”. BBC em 1 de novembro de 2011.
News, 28 de março de 2011. Acessado em 26 de abril de
2012. [332] Lcweb2.loc.gov: China: Folk and Variety Arts” Library
of Congress – Country Studies. Visitado em 1 de novembro
[312] David Kang and Adam Segal, “The Siren Song of Tech- de 2011.
nonationalism”. Far Eastern Economic Review. Março
de 2006. [333] Museu da Rota da Seda: Museu da Rota da Seda. Visitado
em 14 de julho de 2009.
[313] “2011 Global R&D Funding Forecast”. Battelle.org.
2011. Acessado em 9 de abril de 2012. [334] Kong Foong Ling. In: Tuttle Publishing. “The Food of
Asia”. [S.l.: s.n.]. ISBN 0-7946-0146-4
[314] “Desperately seeking math and science majors”. CNN,
29 de julho de 2009. Acessado em 9 de abril de 2012. [335] Athleticscholarships.net: Origins of the Great Game. Vi-
sitado em 1 de novembro de 2011.
[315] “China publishes the second most scientific papers in in-
ternational journals in 2010: report”. Xinhua, 2 de de- [336] “Chinese players dominate at Malaysia open chess cham-
zembro de 2011. Acessado em 25 de abril de 2012. pionship”. TheStar.com] (2 de setembro de 2011). Vi-
sitado em 24 de setembro de 2011.
[316] Who’s afraid of Huawei? The Economist (4 de agosto de
[337] =Tai Chi Helps Seniors Live Fuller Lives. Visitado em 13
2012). Visitado em 11 de agosto de 2012.
de julho de 2012.
[317] Shares in China's Lenovo rise on profit surge New Straits
[338] Beech, Hannah. (28 de abril de 2003). "Yao Ming". Vi-
Times (17 de agosto de 2012).
sitado em 30 de março de 2007.
[318] BBC: Lenovo ousts HP as world's top PC maker, says [339] China Sports Business: China health club market – Huge
Gartner (11 de outubro de 2012). potential & challenges (1 de julho de 2011). Visitado em
31 de julho de 2012.
[319] 'Titan' supercomputer is world's most powerful The Daily
Telegraph (12 de novembro de 2012). Visitado em 13 de [340] “Bike-Maker Giant Says Fitness Lifestyle Boosting China
novembro de 2012. Sales”(17 de agosto de 2012). Visitado em 8 de setembro
de 2012.
[320] China Now Tops U.S. in Space Launches Wired (16 de
abril de 2012). Visitado em 24 de outubro de 2012. [341] Qinfa, Ye. Sports History of China. About.com. Aces-
sado em 21 de abril de 2006.
[321] David Eimer, “China's huge leap forward into space th-
reatens US ascendancy over heavens”. The Telegraph. 5 [342] BBC Sport: “China targets more golds in 2012”] (27 de
de novembro de 2011. agosto de 2008). Visitado em 27 de novembro de 2011.

[322] BBC: “Rocket launches Chinese space lab” (29 de se- [343] London2012.com: Medal Count. Visitado em 9 de se-
tembro de 2011). Visitado em 20 de maio de 2012. tembro de 2012.
32 CAPÍTULO 1. REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

[344] USA Today: China dominates medals; U.S. falls short at


Paralympics (9 de setembro de 2012).

[345] Bidding Process For 2014 Summer Youth Games Begins.


Visitado em 11 de janeiro de 2013.

[346] Governo da República Popular da China: 国务院办公厅


关于 2011 年部分节假日安排的通知 (em Mandarim)
(2010). Visitado em 17 de janeiro de 2011.

1.12 Ligações externas


• The Central People's Government of People's Re-
public of China (em inglês)
• China Internet Information Center (China.org.cn)
(em inglês)
• Google Maps – China

• Google Maps – China


• PINHEIRO-MACHADO, Rosana. Made in China
: produção e circulação de mercadorias no circuito
China-Paraguai-Brasil. Porto Alegre: Universidade
Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia
e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação
em Antropologia, 2009.
Capítulo 2

História da China

Este artigo costuma refletir as descobertas arqueológicas


mais recentes e os estudos também por não haver espaço
para refletir todas as ideias e descobertas.
Para a história mais aprofundada da China após a Guerra
Civil Chinesa, ver História da República Popular da
China e História de Taiwan.

2.1 Pré-história
Na pré-história, a China foi habitada, entre 550 mil a
300 mil anos antes de Cristo, pelo Homo erectus, ante-
passado do Homo sapiens cujo um dos espécimes mais
famoso é o Homem de Pequim, descoberto em 1927 em
Zhoukoudian que usava instrumentos de pedra e o fogo.
Os primeiros indícios de fogo são de há 460 mil anos pelo
Homo Erectus, sessenta mil anos depois alimentavam-se
Territórios aproximados ocupados por diferentes dinastias, bem de carne, nozes e bagas. Também foram descobertos res-
como modernos Estados políticos, ao longo da história da China. tos de alimentos de frutos selvagens, especialmente gin-
ginha do rei, juntamente com rebentos de plantas e tubér-
A história da China está registrada em documentos que culos, insetos, répteis, aves, ovos, ratos e grandes mamí-
datam do século XVI a.C. em diante e que demons- feros. Viviam em grutas, abrigos nos rochedos e acampa-
tram ser aquele país uma das civilizações mais antigas mentos ao ar livre. Os caçadores-recoletores primitivos
do mundo com existência contínua. Os estudiosos enten- de há 200 mil anos moviam-se duns sítios para os outros
dem que a civilização chinesa surgiu em cidades-Estado aproveitando os vários e diferentes recursos sazonais* [2]
no vale do rio Amarelo. O ano 221 a.C. costuma ser re- Entre 200 mil e 50 mil a.C. o Homo sapiens inicial habi-
ferido como o momento em que a China foi unificada na tou certas zonas da China* [3] e o mais recente, o Homo
forma de um grande reino ou império, apesar de já haver Sapiens Sapiens esteve em Zhoukoudian 40 mil anos a.C..
vários estados e dinastias antes disso. As dinastias su- Também esteve no mesmo sítio Homo Erectus há 1 mi-
cessivas desenvolveram sistemas de controle burocrático lhão de anos. Os homens Sapien fixaram-se no Nordeste
que permitiriam ao imperador chinês administrar o vasto da China há cerca de 25 mil anos atrás a seguir de a parte
território que viria a ser conhecido como a China.* [1] mais quente do Sul já ter sido explorado.* [4]

A fundação do que hoje se chama a civilização chinesa


é marcada pela imposição forçada de um sistema de es- 2.1.1 Neolítico
crita comum, pela dinastia Qin no século III a.C., e pelo
desenvolvimento de uma ideologia estatal baseada no No início do período Neolítico, que na China é entre
confucionismo, no século II a.C. Politicamente, a China 8000 e 2000 a.C, o clima da Ásia Oriental era tropical.
alternou períodos de unidade e fragmentação, sendo con- O Norte chinês possuía densas florestas e a havia cro-
quistada algumas vezes por potências externas, algumas codilos e elefantes. Descobertas arqueológicas recentes
das quais terminaram assimiladas pela população chi- revelaram que várias culturas regionais efetuaram sepa-
nesa. Influências culturais e políticas de diversas par- radamente a transição da recoleção para a produção de
tes da Ásia, e mais tarde algumas da Europa levadas por alimentos. Nelas incluem-se as culturas de Yangshao no
ondas sucessivas de imigrantes, fundiram-se para criar a curso médio do rio Amarelo, que cultivava painço e ou-
imagem da atual cultura chinesa.* [1] tros cereais a 6500 a.C,* [5], talvez 7000* [6] e também

33
34 CAPÍTULO 2. HISTÓRIA DA CHINA

tinha galinhas e porcos, a Dawenkou em Shandong. Os esmorecer.* [12]


agricultures do norte chinês tinham de enfrentar secas e
cheias frequentes, apesar dessas dificuldades a sofisticada
cultura da aldeia de Yangshao usava uma forma primi- Abrigos
tiva de irrigação, estava florescente em 5000 a.C. e ti-
nha 100 casas* [7] A Majiabang no curso inferior do rio Os agricultores iniciais do norte da China construíram al-
Yangzi (Iansequião) e a Dapenkeng ao longo da costa sul deamentos semi-permanentes, movendo-se quando pre-
e de Taiwan. A cultura Majiabang emergiu no sexto mi- cisavam de novas terras e voltando mais tarde a seguir da
lénio a.C. e caraterizou-se pelo cultivo de arroz à cerca terra recuperar a fertilidade. As casas, em concavidades
de 6500 a.C.* [5], apesar de já o terem aclimatado 1500 ou ao nível do solo, redondas ou quadradas, como pare-
anos antes e de se pensar que já era cultivado em 8500 des de taipa e telhados de colmo feitos de camadas canas
a.C.. A agricultura chinesa tornou-se bem organizada e e argila e hastes de painço, sustentados por traves.* [13]
intensiva ao longo dos séculos seguintes, especialmente
no sul.* [6] já possuindo porcos e búfalos aquáticos e pelo Ornamentos de osso
uso da cerâmica com motivos gravados por incisão.* [8]
Perto da costa chinesa o cultivo de tubérculos como o No norte chinês e na Manchúria os primeiros ornamentos
inhame e o taro foi acompanhado pelo surgimento de pessoais são de há cerca de 7500 a.C.. Os caçadores que
alfaias mais complexas para cavar e pintar.* [9] os criaram faziam agulhas e furadores de ossos de tigre,
de leopardos, de ursos e de veados e inscreviam desenhos
em bocados de chifre. Perfuravam dentes de texugo e de
Em Hemudu outros animais, fazendo colares com eles, medalhões e
brincos.* [14]
No sudeste da China, em Hemudu tinha sido descoberta
uma povoação neolítica de 5000 a.C.. As descobertas
incluem peças de terracota, artigos de madeira e osso e
ossadas de porcos e búfalo, havia igualmente apitos fei-
2.2 História antiga
tos com ossos de aves, possivelmente destinados a atrair
pássaros a armadilhas. A descoberta com maior impor- 2.2.1 Dinastia Xia
tância foi a de que o povo de Hemedu se dedicava à
orizicultura.* [6]* [10] A dinastia Xia é algo mítica. A tradição chinesa diz que
os humanos têm a sua origem nos parasitas do corpo
do criador, Pangu. A seguir ao seu óbito governantes
Em Bampo sábios introduziram as invenções e instituições funda-
mentais da sociedade humana. O primeiro governante
O sítio arqueológico mais conhecido em Bampo, perto de chamava-se Fuxi, que domesticou os animais e instituiu
Xi'an e foi ocupado a partir de 4500 a.C.. até 3750 a.C. o casamento. Depois foi Shennong, que introduziu a
Bampo tinha 45 casas, mais ou menos, e os seus habi- agricultura, a medicina e o comércio. Mais tarde veio
tantes cultivavam painço, possuiam cães e porcos e pro- Huangdi, o Imperador Amarelo, a quem foi atribuída a
duziam cerâmica que além de decorada ocasionalmente invenção da escrita, da cerâmica e do calendário. Sécu-
possuía marcas gravadas.* [11] los mais tarde surgiu o imperador Yao que governou sa-
biamente e introduziu o controle de cheias. O seu feito
mais notório foi a sua decisão de não eleger o filho como
Cerâmica
futuro imperador, por não o considerar digno, mas um
Como marcas iguais têm sido descobertas em cerâmi- sábio humilde de nome Shun. Os reinados de Shun e Yao
cas em outros locais da região, foi sugerido que elas não seriam mais tarde admirados como uma idade dourada.
seriam simples marcas de oleiro mas um estágio inicial Voltando ao tema, Shun nomeou por sua vez o seu fiel mi-
da criação de carateres chineses, sugestão algo polémica. nistro Yu como sucessor. É nesta altura que a pré-história
Também foram descobertos fragmentos de outro tipo de da China se funde com a história. O reinado de Yu teve
cerâmica, conhecida como cerâmica de Longshan, des- segundo a tradição início em 2205 a.C, Yu terá alegada-
coberta em Chengziyai, no noroeste da província de Sha- mente fundado a Dinastia Xia, a primeira* das três dinas-
dong. Em vez de ser vermelha e às vezes pintada com tias da China antiga: Xia, Shang e Zhou. [15]
representações estilizadas de pássaros e flores como a de Quando as escavações arqueológicas se iniciaram, na dé-
Yangshao, não era pintada, era mais delicada e elevada cada de 20 do século passado, a visão tradicional da di-
numa base circular ou assente em três pés. O provável nastia Xia foi desafiada e Yu foi reduzido a figura mítica.
é que as duas culturas se desenvolveram isoladamente e Mais recentemente, a posição da dinastia Xia foi restau-
que a cultura de Longshan, que se espalhou largamente na rada, não como a primeira de uma série de dinastias mas
Ásia Oriental, se espalhou lentamente até à Planície Cen- como o mais poderoso de muitos pequenos estados exis-
tral, onde a tradição da cerâmica pintada já começara a tentes ao longo do vale do rio Amarelo, coexistindo com
2.2. HISTÓRIA ANTIGA 35

os estados Shang e Zhou iniciais. O estado Xia que exis- centro cerimonial e administrativo do estado Shang na
tiu aproximadamente entre 1900 e 1350 a.C., foi identi- sua fase tardia. Em Xibeigang, 3 quilómetros a norte fo-
ficado com a localidade de Erlitou, na provínica de He- ram descobertos 11 grandes túmulos cruciformes que po-
nan, local onde têm sido escavados edifícios apalaçados e diam pertencer aos 11 monarcas Shang, que segundo os
túmulos e os mais antigos recetáculos de bronze até hoje registos existentes teriam reinado em Anyang.* [20]* [21]
conhecidos foram encontrados. A árvore genealógica dos
seus governantes foi mantida nos Shiji, os Registos Históri-
cos compilados por Sima Qian, grande historiador chinês, Governantes Shang
e futuramente provados por inscrições em ossos oracula-
res.* [15]
Os governantes Shang faziam um importante papel ceri-
Em 1900 a.C. foi o ano das primeiras cidades descobertas monial, mas também se ocupavam da administração do
na China.* [16] estado e eram servidos por funcionários com funções es-
pecializadas. Eram apoiados por vários clãs aristocráti-
cos com os quais tinham relações de parentesco ou de
2.2.2 Dinastia Shang matrimónio. A aristocracia dedicava-se a artes militares
e lutava com carros puxados a cavalo. A relação entre
os Shang e os clãs era pessoal mas formalizada atráves de
cerimónias de investidura, nos quais o rei podia pedir ser-
viços aos clãs, laborais e militares. Os Shang bem como
os seus apoiantes da aristocracia levavam a cabo campa-
nhas agressivas contra os vizinhos, obtendo prisioneiro e
saque. Também se expandiam graças a mandatos para a
criação de novos povoados e da disponibilização de no-
vas zonas para a agricultura. Com estes meios o estado
Shang expandiu-se do seu núcleo territorial junto ao rio
amarelo até ao vale do rio Wei até a atual província de
Shanxi.* [20]

Relações dos Shang com outros

Os Shang formaram relações com um estado chamado


Shu, o que talvez signifique que uma cultura se desenvol-
veu de forma independente na província de Sichuan.* [20]

Economia Shang

Encontraram-se restos de sociedades avançadas e estratificadas


A base económica do estado Shang era a agricultura e a
datados da época da Dinastia Shang no vale do rio Amarelo. sua colheita mais importante era o milhete (ou painço). O
clima da planície do norte chinês era então mais tropical
O registro mais antigo do passado da China data da Di- e arborizado, necessitando assim de uma grande quanti-
nastia Shang, possivelmente no século XIII a.C., na forma dade de mão de obra para a libertar para a agricultura.
de inscrições divinatórias em ossos ou carapaças de ani- Afirma-se muitas vezes, especialmente por historiadores
mais, segundo a tradição chinesa começou em 1766 e marxistas, como Guo Moruo, que a mão de obra utili-
acabou em 1122 a.C.* [17] zada normalmente era escrava e que a sociedade Shang
devia ser considerada como o estágio esclavagista da evo-
A dinastia Shang teve uma série de capitais das quais a lução social chinesa. Tal ideia tem sido motivada por in-
mais importante era Zhengzhou, capital durante o pe- dícios de sacrifícios humanos que faziam parte das ceri-
ríodo inicial e intermédio da dinastia que tinha uma mu- mónias funébres da realeza, e por certas inscrições oracu-
ralha com cerca de 6,4 quilómetros de comprimento e lares. Há pouco tempo Jun Li sugeriu que não a maioria
10 metros de altura que protegia um grande povoado, e da população não era composta por escravos, no sentido
Anyang ocupada entre 1300 e 1050 a.C..* [18] * [19]* [20] de serem comprados e vendidos, e que esta usufría de
As casas e oficinas ali (em Zhengzhou) encontradas in- liberdade individual. No entanto era obrigada a traba-
dicam que a sociedade Shang era altamente organizada e lhos coercivos, como a construção de muralhas e tarefas
socialmente estratificada. Nos arredores de Anyang, em agrícolas, sendo também recrutada para serviços milita-
Xiaotun, foram descoberos indícios do que teria sido o res.* [22]
36 CAPÍTULO 2. HISTÓRIA DA CHINA

Fragmentos de ossos oraculares racional das escolas filosóficas que tornariam-se prepo-
derantes durante o período Zhou.* [27]
Muita da informação disponível da sociedade Shang che- Os historiadores chineses de períodos posteriores
gou até nós graças a inscrições feitas em omoplatas de habituaram-se à noção de que uma dinastia sucedia
bovinos, ou com menos regular em carapaças de tartaru- a outra, mas sabe-se que a situação política na China
gas. Diziam que eram“ossos de dragão" e era reduzidos a primitiva era muito mais complexa. Alguns acadêmicos
pó para fins medicinais. Foram descobertos mais 200 mil sugerem que os xias e os shangs talvez fossem entidades
fragmentos do ossos oraculares em Xiaotun. Os osso ora- políticas que co-existiram, da mesma maneira que os
culares revelam nos as mais variadas coisas sobre o estado zhous foram contemporâneos dos shangs.* [20]
Shang. Usavam de 3 mil grafemas diferentes e incluíam
uma semana de dez dias e um ciclo de 60 dias.* [23]
Alimentação

Metalurgia chinesa Shang A soja tinha sido introduzida em 1200 a.C..* [28]

Os indícios acumulados nos últimos anos apoiam a teoria


da descoberta independente da metalurgia na China e da 2.2.3 Dinastia Zhou
rápida transferência de técnicas cerâmicas para a manu-
fatura de objetos em bronze. A produção e utilização do Segundo a tradição a dinastia Zhou reinou entre 1122 e
bronze era controlada pelo imperador. A quantidade de 256 a.C.. Este período enorme é divido em Zhou Oci-
objetos encontrados demonstra que a extração de minério dental, de 1122 a 771 a.C., e Zhou Oriental, estando este
e a manufatura de peças constituíam grandes indústrias. ainda subdivido nos períodos de Primavera e Outono, de
Os recipientes Shang iniciais eram fundidos em moldes 771 a 481 a.C., e dos Estados Combatentes, de 481 a 221
distintos sendo as várias partes posteriormente unidas. a.C..* [29]
Uma indústria em pequena escala surgiu em Gansu por A capital dos Zhou era perto da atual Xi'an. No apogeu
volta do ano 2000 a.C.. Este método foi a base sobre o do poder dos Zhou a China chegava tão a norte como a
qual se desenvolveu a produção de bronze em grande es- Mongólia.* [30]
cala.* [24]
Segundo o Shujing, o Livro dos Documentos a queda dos
Shang foi devida aos erros do seu último governante,
Zhou.* [31]* [32]
Túmulos
Resultante da queda dos Shang o mandato do céu foi-lhes
Os reis Shang eram sepultados em grandes túmulos cruci- retirado. O rei Wen passou a ser considerado um expo-
formes, cuja escavação exigia o trabalho de centenas de ente de virtude e o seu filho, o rei Wu, depois de vencer
pessoas. Os cadáveres eram postos em caixões de ma- os Shang numa batalha num sítio chamado Muye. Os do-
deira rodeados por objetos funerários. Nas rampas que cumentos indicam que os Zhou faziam parte uma aliança
conduziam ao fundo do túmulo encontravam-se cadáve- de oito nações e eles ganharam porque as tropas Shang
res humanos e de cavalos.* [25]<* [26] se revoltaram por causa da crueldade do seu líder. Tudo
isto se passou cerca de 1045 a.C., cerca de 80 anos de-
pois da data do costume considerada como a queda dos
Religião Shang* [33]
Um pouco mais tarde, possivelmente em 1043 a.C., o rei
Graças as provas pode se ter uma ideia da religião Shang. Wu faleceu, sucedendo-lhe o filho, decisão que ruturou
O povo Shang adorava vários deuses, dos quais muitos com o passado, pois no estado Shang a sucessão era feita
eram ascedentes da realeza. Outros eram espíritos da por um irmão.* [34]
Natureza, e ainda outros possivelmente derivassem de Os Zhou tem sido considerados feudais.* [35]
mitos populares ou de cultos locais. O culto do ancestrais
era praticado por grande parcela da população e perma-
neceu uma parte essencial do culto religioso até aos tem- Origem e localização
pos modernos. Um estudo recente mostra que Di signifi-
cava“deuses”coletivamente e apenas com os Zhous sur- Imenso tempo antes da queda dos Shang, os Zhou apare-
giria a ideia de um deus principal. Os indícios descober- ceram como um estado poderoso a ocidente do principal
tos nos túmulos mostra-se clao que acreditavam na vida centro de atividades Shang. A origem do povo Zhou não
depois da morte, e as perguntas oraculares podem ter sido é clara. Segundo Mêncio, um discípulo de Confúcio, “o
dirigidas a antepassados falecidos. A corte Shang pode rei Wen erá um bárbaro ocidental”, a teoria que os Zhou
ter sido frequentado por Xamãs e, possível, o próprio rei teriam origem turca tem ganho algum apoio. No entanto
fosse um xamã. Se estas opiniões estiverem certas o ca- não há apoios linguísticos que assinalem uma origem dis-
ráter da religião Shag era muito diferente da abordagem tantes. Uma teoria mais equilibrada sugere que a sua ori-
2.3. CHINA IMPERIAL 37

gem seria o vale do rio Fen, na província de Shanxi, tendo 2.2.5 Período dos reinos combatentes
os Zhou migrado mais tarde para o vale do rio Wei, a
oeste de Xi'an, na adjacente província de Shanxii. Lá, Após um processo de consolidação política, restavam, no
na proximidade do estado Shang, eles acabaram por ado- final do século V a.C., sete Estados proeminentes. A fase
tar muitos apetos da cultura vizinha, um processo que durante a qual estas poucas entidades políticas combate-
lhes permitiu adquirir técnicas administrativas que tor- ram umas contra as outras é conhecida como o Período
nou mais fácil a tomada de poder.* [36] dos Reinos Combatentes. Durante a época dos Estados
Combatentes. Os sete principados que disputaram a su-
premacia neste período eram: Zhao, Wei, Han, Qiu, Qi,
Yan e Chu.
2.2.4 Período das Primaveras e dos Outo-
A figura de um rei zhou continuou a existir até 256 a.C.,
nos mas apenas como chefe nominal, sem poderes concretos.
A fase final deste período começou durante o reinado de
No século VIII a.C., o poder político tornou-se descen- Ying Zheng, rei de Qin. Após lograr a unificação dos
tralizado, durante o chamado Período das Primaveras e outros seis Estados e anexar outros territórios nos atu-
dos Outonos, cujo nome advém dos Anais das Primave- ais Zhejiang, Fujian, Guangdong e Guangxi em 214 a.C.,
ras e dos Outonos. Naquele período, chefes militares lo- proclamou-se o primeiro Imperador (Qin Shi Huangdi).
cais empregados pelos zhous começaram a agir com au-
tonomia e a disputar a hegemonia. A situação agravou-
se com a invasão de outros povos a partir de nordeste,
como os qins (ou chins), o que forçou os zhous a mover
sua capital a leste, para Luoyang. Isto marca a segunda
grande fase da Dinastia Zhou: os zhous orientais. Em
cada um das centenas de Estados que vieram a surgir (al-
guns meros vilarejos com um castelo), potentados locais
detinham a maior parte do poder político e sua subser-
viência aos reis zhous era apenas nominal. Por exemplo,
tais chefes locais passaram a envergar títulos reais. Este
período viu surgir movimentos intelectuais e filosóficos
influentes como o confucionismo, o taoísmo, o legalismo
e o moísmo, parcialmente como reação às mudanças po-
líticas da época.* [37]

Qin Shihuang, primeiro imperador da China.

2.3 China Imperial

2.3.1 Dinastia Qin (221 —206 a.C.)

Os historiadores costumam denominar de China Imperial


o período entre o início da Dinastia Qin (século III a.C.)
e o fim da Dinastia Qing (no começo do século XX). Em
230 a.C, o Estado Quin iniciou as várias campanhas que
Os Reinos Combatentes. levaram à unificação da China. Os outros estados for-
maram alianças para tentarem impedir o seu avanço, e
38 CAPÍTULO 2. HISTÓRIA DA CHINA

em 227 a.C. houve uma tentativa de assassinato do rei sorte do imperador) e eunucos. A Rebelião do Turbante
Qin Shi Huangdi. Os esforços de resistência fraqueja- Amarelo, protagonizado pelos camponeses, estalou em
ram e em 221 a.C o rei Zheng do estado Qin assumiu o 184 e resultou numa era de chefes guerreiros. No caos
título de Qin Shi Huangdi, primeiro imperador da Dinas- subseqüente, três Estados buscaram a preeminência du-
tia Qin.* [38] Embora seu reinado sobre uma China uni- rante o chamado Período dos Três Reinos.
ficada tenha durado apenas doze anos, o imperador qin
logrou subjugar grande parte do que se constitui no cerne
das terras hans chinesas e uni-las sob um governo alta- 2.3.3 Dinastia Jin
mente centralizado com sede em Xianyang (a atual Xian).
A doutrina do legalismo, pela qual se orientava o impera- Embora os três grupos tenham sido temporariamente uni-
dor, enfatizava a observância estrita de um código legal e ficados em 278 pela Dinastia Jin, os grupos étnicos não-
o poder absoluto do monarca. Tal filosofia, embora muito hans controlavam boa parte do país no início do século IV
eficaz para expandir o império pela força, mostrou-se in- e provocaram migrações de hans em grande escala para a
servível para governar em tempo de paz. Os qins promo- margem sul do YangTzé. Em 303, o povo di revoltou-se,
veram o silenciamento brutal da oposição política, cuja capturou Chengdu e estabeleceu o Estado de Cheng Han.
epítome foi o incidente conhecido como a queima de li- Os xiongnus, chefiados por Liu Yuan, rebelaram-se tam-
vros e o sepultamento de acadêmicos (vivos). bém e fundaram o Estado de Han Zhao. Seu sucessor, Liu
Cong, capturou e executou os dois últimos imperadores
A Dinastia Qin é famosa por ter iniciado a Grande Mu-
jins ocidentais. O Período dos Dezesseis Reinos assistiu a
ralha da China, que foi posteriormente ampliada e aper-
uma pletora de breves dinastias não-chinesas que, a partir
feiçoada durante a Dinastia Ming. Incluem-se entre as
de 303, governaram o norte da China. Os grupos étnicos
demais contribuições dos qin a unificação do direito, da
ali presentes incluíam os ancestrais dos turcos, mongóis e
linguagem escrita e da moeda da China, bem-vindas após
tibetanos. A maioria daqueles povos nômades, relativa-
as tribulações dos períodos da Primavera e do Outono e
mente pouco numerosos, já havia sido achinesada muito
dos Reinos Combatentes. Até mesmo algo tão prosaico
antes de sua ascensão ao poder. Na verdade, alguns de-
como o comprimento dos eixos das carroças teve que ser
les, em especial os chiangs e os xiongnus, já habitavam as
uniformizado de modo a permitir um sistema comercial
regiões de fronteira no interior da Grande Muralha desde
viável que abrangesse todo o império.
o final da Dinastia Han, com o consentimento desta.

2.3.2 Dinastia Han (202 a.C. —220 d.C.) 2.3.4 Dinastia Sui: reunificação

A Dinastia Han emergiu em 202 a.C., como a pri- A Dinastia Sui logrou reunificar o país em 581, após quase
meira a adotar a filosofia do confucionismo, que se tor- quatro séculos de fragmentação política na qual o norte e
nou a base ideológica de todos os regimes chineses até o sul se desenvolveram independentemente. Do mesmo
o fim da China Imperial. Durante esta fase dinástica, modo que os soberanos qin haviam unificado a China
a China logrou grandes avanços nas artes e nas ciên- após o Período dos Reinos Combatentes, os suis uniram o
cias. O Imperador Wu consolidou e ampliou o império país e criaram diversas instituições que terminaram por
ao expulsar os xiongnus (que alguns identificam com os ser adotadas por seus sucessores, os tangs. Da mesma
hunos) para as estepes do que é hoje a Mongólia Inte- forma que os qins, porém, os suis sobrecarregaram seus
rior, tomando-lhes o território correspondente às atuais recursos e caíram.
províncias de Gansu, Ningxia e Qinghai. Isto permitiu
abrir as primeiras ligações comerciais entre a China e o
Ocidente: a Rota da Seda. 2.3.5 Dinastia Tang: o retorno da prospe-
Entretanto, as aquisições de terras pelas elites gradual- ridade
mente causaram uma crise tributária. Em 9 d.C., o usur-
pador Wang Mang fundou a breve Dinastia Xin (“nova” Em 18 de junho de 618, Gaozu tomou o poder e estabele-
) e deu início a um amplo programa de reformas agrária ceu a Dinastia Tang. Iniciou-se então uma era de prospe-
e econômica. As famílias proprietárias de terras jamais ridade e inovações nas artes e na tecnologia. O budismo,
apoiaram as reformas, que favoreciam os camponeses e a que se havia instalado gradualmente na China a partir do
pequena nobreza, e a instabilidade causada por sua opo- século I, tornou-se a religião predominante e foi adotada
sição levou ao caos e a rebeliões. pela família imperial e pelo povo.

O Imperador Guangwu reinstituiu a Dinastia Han, sedi- Os tangs, da mesma forma que os hans, mantiveram aber-
ada agora em Luoyang, próximo a Xian, com o apoio das tas as rotas comerciais para o Ocidente e para o sul; di-
famílias proprietárias e mercantis. Alguns denominam versos comerciantes estrangeiros fixaram-se na China.
este período Dinastia Han Oriental. O poder dos hans A partir de cerca de 860, a Dinastia Tang começou a de-
declinou em meio a aquisições de terras, invasões e rixas clinar, devido a uma série de rebeliões internas e de re-
entre clãs consortes (isto é, clãs a que pertenciam a con- voltas de Estados clientes. Um chefe guerreiro, Huang
2.3. CHINA IMPERIAL 39

Chao, capturou Guangzhou em 879 e executou a maioria 2.3.8 Os mongóis e a Dinastia Yuan
dos seus 200.000 habitantes. Em 880, Luoyang caiu-lhe
nas mãos e, em 881, Changan. O Imperador Xizong fugiu O Império Jin foi derrotado pelos mongóis, que em se-
para Chengdu e Huang estabeleceu um governo que, em- guida subjugaram os sungs meridionais ao cabo de uma
bora posteriormente destruído por forças tangs, lançou o guerra longa e cruenta, a primeira na qual as armas de
país num novo período de caos político. fogo desempenharam um papel importante. Com isto, a
China foi mais uma vez unificada, mas agora como parte
de um vasto Império Mongol. Neste período, Marco
Polo visitou a corte imperial em Pequim. Os mongóis
2.3.6 Cinco dinastias e dez reinos dividiam-se então entre os que preferiam manter sua base
nas estepes e aqueles que desejavam adotar os costumes
Ao interregno entre a Dinastia Tang e a Dinastia Sung, ca- dos chineses hans. Um destes era Cublai Cã, neto de
racterizado pela fragmentação política, dá-se o nome de Gêngis Cã e fundador da Dinastia Yuan, a primeira a go-
Período das Cinco Dinastias e dos Dez Reinos. Com du- vernar toda a China a partir de Pequim.
ração de pouco mais de meio século, entre 907 e 960, esta
fase histórica viu a China tornar-se uma pluralidade de es-
tados. Cinco regimes sucederam-se rapidamente no con- 2.3.9 Dinastia Ming: nova hegemonia dos
trole do tradicional coração territorial do país, no norte, hans
enquanto que dez regimes mais estáveis ocupavam por-
ções do sul e do oeste da China.

2.3.7 Divisão política: os liaos, os sungs, os


xias ocidentais, os jins

Mapa da Eurásia em cerca de 1200, anteriormente às invasões


mongóis.
A China sob a Dinastia Ming (em 1580).

Em 960, a Dinastia Sung (960-1279) logrou controlar a


maior parte da China e escolheu Kaifeng para sua capi- O forte sentimento popular hostil ao governo “estran-
tal, dando início a um período de prosperidade econô- geiro”levou a rebeliões camponesas que terminaram por
mica, enquanto que a Dinastia Liao dos khitans governava repelir os mongóis de volta às estepes e a instituir a
a Manchúria e a Mongólia. Em 1115, subiu ao poder a Dinastia Ming em 1368.
Dinastia Jin (1115-1234), dos jurchens* [39] e, em dez Durante o governo mongol, a população havia sido re-
anos, aniquilou a Dinastia Liao. Tomou a China seten- duzida em 40 por cento, para um total estimado em
trional e Kaifeng das mãos da Dinastia Sung, forçando- 60 milhões de pessoas. Dois séculos depois, a popula-
a a transferir sua capital para Hangzhou e a reconhecer ção dobrara de tamanho, o que deu causa a uma maior
os jins como soberanos. A China encontrava-se, então, urbanização e à maior complexidade da divisão do traba-
dividida entre a Dinastia Jin, ao norte, a Dinastia Sung lho. Surgiram pequenas indústrias, dedicadas à produção
Meridional, ao sul e os xias ocidentais, a oeste. Os sungs de papel, seda, algodão e porcelana, em especial em gran-
meridionais passaram por um período de grande desen- des centros urbanos como Pequim e Nanquim. Prevale-
volvimento tecnológico, possivelmente devido, em parte, ciam, porém, as pequenas cidades com mercados que co-
à pressão militar que sofriam na sua fronteira setentrio- merciavam principalmente comida mas também alguns
nal. itens manufaturados, como alfinetes e azeite.
40 CAPÍTULO 2. HISTÓRIA DA CHINA

Apesar da xenofobia e da introspecção intelectual ca- século XVII. Embora os manchus fossem conquistado-
racterística do neo-confucionismo, uma escola crescen- res estrangeiros, adotaram rapidamente as tradicionais
temente popular, a China do início da Dinastia Ming não regras de governo confucianas e terminaram por governar
se isolara. O comércio exterior e outros contatos com o na mesma linha das dinastias nativas anteriores.
mundo externo, em especial com o Japão, cresceram bas- Os manchus obrigaram os hans a adotar o seu estilo de
tante. Mercadores chineses exploraram todo o Oceano penteado e de vestimenta, sob pena de morte.
Índico e atingiram a África Oriental com as viagens de
Zheng He. O Imperador Kangxi ordenou a criação do mais completo
dicionário de caracteres chineses até então. Durante o
Zhu Yuanzhang (ou Hongwu), fundador da Dinastia reinado do Imperador Qianlong, compilou-se um catá-
Ming, lançou as bases de um Estado menos interessado logo das obras mais importantes sobre cultura chinesa.
em comércio do que em extrair recursos do setor agrícola.
Talvez devido ao passado camponês do imperador, o sis- Para evitar uma assimilação completa pela sociedade chi-
tema econômico ming enfatizava a agricultura, ao contrá- nesa, os manchus estabeleceram um sistema de“oito es-
rio do que fizeram as Dinastias Sung e Mongol, cujas fi- tandartes”(ou “bandeiras”), divisões administrativas
nanças se baseavam no comércio. As grandes proprieda- - oriundas de tradições militares manchus - nas quais as
des rurais foram confiscadas pelo governo, divididas e ar- famílias manchus se distribuíam. Os manchus na China
rendadas. Proibiu-se a escravidão privada, o que fez com empregavam a sua própria língua, mantinham suas tra-
que os camponeses com a posse da terra predominassem dições, como o tiro com arco e o hipismo, e detinham
na agricultura, após a morte do Imperador Yongle. Tais privilégios econômicos e legais nas cidades chinesas.
políticas permitiram aliviar a pobreza causada pelos re- Ao longo do meio século seguinte, os manchus consoli-
gimes anteriores. daram o seu controle sobre o território antes pertencente
A dinastia possuía um governo central forte e complexo aos mings e ampliaram sua esfera de influência para in-
que unificou o império. O papel do imperador passou a cluir Xinjiang, o Tibete e a Mongólia.
ser mais autocrático, embora Zhu Yuanzhang precisasse O século XIX testemunhou o enfraquecimento do go-
lançar mão dos chamados “Grandes Secretários”para verno qing, em meio a grandes conflitos sociais, estag-
auxiliá-lo a lidar com a enorme burocracia, a qual mais nação econômica e influência e ingerência ocidentais. O
tarde causaria o declínio da dinastia, por impedir o go- interesse britânico em continuar o comércio de ópio com
verno de se adaptar às mudanças sociais. a China colidiu com éditos imperiais que baniam aquela
O Imperador Yongle procurou ampliar a influência da droga viciante, o que levou à Primeira Guerra do Ópio,
China além de suas fronteiras, ao exigir que outros gover- em 1840. O Reino Unido e outras potências ocidentais,
nantes lhe enviassem embaixadores para pagar tributo. inclusive os Estados Unidos, ocuparam “concessões”à
Construiu-se uma grande marinha, inclusive navios de força e ganharam privilégios comerciais. Hong Kong foi
quatro mastros com deslocamento de 1.500 t. Criou-se cedida aos britânicos em 1842 pelo Tratado de Nanquim.
um exército regular de um milhão de homens. As for- Também ocorreram naquele século a Rebelião Taiping
ças chinesas conquistaram parte do que é hoje o Vietnã, (1851-1864) e o Levante dos Boxers (1899-1901). Em
enquanto que a frota imperial navegava pelos mares da muitos aspectos, as rebeliões e os tratados que os qings se
China e o Oceano Índico, chegando até a costa oriental viram forçados a assinar com potências imperialistas são
da África. Os chineses estenderam sua influência até o sintomáticos da incapacidade do governo chinês em re-
Turquestão. Diversas nações asiáticas pagaram tributo ao agir adequadamente aos desafios que enfrentava a China
imperador. Internamente, o Grande Canal foi ampliado, no século XIX.
com impacto positivo sobre o comércio. Produziam-se
mais de 100.000 t de ferro por ano. Imprimiam-se livros
com o uso da tipografia. O palácio imperial da Cidade
Proibida atingiu então ao seu atual esplendor. Enfim, o
2.4 O declínio da monarquia
período ming parece ter sido um dos mais prósperos para
a China. Também foi naquela época que o potencial do As duas Guerras do Ópio e o tráfico daquela droga fo-
sul da China veio a ser totalmente explorado. O período ram custosos para a Dinastia Qing e o povo chinês. O
ming testemunhou a última ampliação da Grande Mura- tesouro imperial quebrou duas vezes, por conta do pa-
lha da China. gamento de indenizações devidas às guerras e à grande
evasão de prata causada pelo tráfico de ópio. A China so-
freu duas fomes extremas vinte anos após cada uma das
2.3.10 Dinastia Qing Guerras do Ópio nos anos 1860 e 1880, quando a Dinas-
tia Qing se mostrou incapaz de acudir a população. Tais
A Dinastia Qing (1644-1911) foi fundada após a der- eventos tiveram um profundo impacto ao desafiar a he-
rota dos mings, a última dinastia han chinesa, pelas mãos gemonia de que os chineses gozavam na Ásia há séculos
dos manchus. Estes, anteriormente conhecidos como jur- e mergulharam o país no caos.
chens, invadiram a China a partir do norte no final do Uma vasta revolta, a Rebelião Taiping, fez com que cerca
2.5. A REPÚBLICA DA CHINA 41

de um-terço do país passasse ao controle de um movi- forçado a entregar o poder a Yuan Shikai, que comandara
mento religioso pseudo-cristão chefiado pelo “Rei Ce- o Novo Exército (tropas chinesas treinadas e equipadas à
lestial”Hong Xiuquan. Somente ao cabo de catorze anos maneira ocidental) e fora primeiro-ministro durante a era
é que as forças qings lograram destruir o movimento, em qing, como parte do acordo para a abdicação do último
1864. Estima-se que a rebelião teria causado entre vinte monarca da dinastia. Nos anos seguintes, Shikai aboliu
e cinqüenta milhões de mortos. as assembleias nacional e Provinciais e declarou-se im-
Os líderes qing suspeitavam da modernidade e dos avan- perador em 1915. Suas ambições imperiais encontraram
ços sociais e tecnológicos, que viam como ameaças ao seu forte oposição por parte de seus subordinados, de modo
que terminou por abdicar, morrendo em 1916 e deixando
controle absoluto sobre a China. Por exemplo, a pólvora,
que havia sido largamente empregada pelos exércitos das um vácuo de poder na China. Com o governo republi-
cano em frangalhos, o país passou a ser administrado por
Dinastias Sung e Ming, fora proibida pelos qings ao as-
sumirem o controle do país. Por este e outros motivos, coligações variáveis de chefes militares provinciais.
a dinastia encontrava-se despreparada para lidar com as Um evento pouco notado, ocorrido em 1919 - o
invasões ocidentais. As potências ocidentais intervieram Movimento do Quatro de Maio -, haveria de ter repercus-
militarmente para reprimir o caos doméstico, como nos sões a longo prazo para o restante da história da China no
casos da Rebelião Taiping e do Levante dos Boxers. século XX. O movimento teve início como uma resposta
Nos anos 1860, a Dinastia Qing logrou sufocar revoltas, ao que teria sido um insulto imposto à China pelo Tratado
com enorme custo e perda de vidas. Isto minou a credi- de Versalhes, que encerrara a Primeira Guerra Mundial,
bilidade do regime qing e contribuiu para o surgimento mas tornou-se um movimento de protesto contra a situ-
de senhores da guerra locais. O Imperador Guangxu ação interna do país. Entre os intelectuais chineses, a
procurou lidar com a necessidade de modernizar o país adoção de ideias mais radicais seguiu-se ao descrédito da
por meio do Movimento de Auto-Fortalecimento. Entre- filosofia liberal ocidental, o que resultaria no conflito ir-
tanto, a partir de 1898, a Imperatriz regente Cixi manteve reconciliável entre a esquerda e a direita na China que
Guangxu preso sob a alegação de “deficiência mental” dominaria a história do país pelo restante do século.
, após um golpe militar por ela orquestrado com o apoio Nos anos 1920, Sun Yat-sen estabeleceu uma base revo-
da facção conservadora, contrária às reformas. Guangxu lucionária no sul da China e lançou-se à unificação de seu
faleceu um dia antes da imperatriz regente (segundo al- fragmentado país. Com auxílio soviético, ele aliou-se ao
guns, por ela envenenado). Os “novos exércitos”qings Partido Comunista da China (PCC). Após a sua morte
(treinados e equipados conforme o modelo ocidental) fo- em 1925, um de seus protegidos, Chiang Kai-shek, assu-
ram fragorosamente derrotados na Guerra Sino-Francesa miu o controle do Kuomintang (Partido Nacionalista, ou
(1883-1885) e na Guerra Sino-Japonesa (1894-1895). KMT) e logrou reunir sob seu governo a maior parte do
No início do século XX, o Levante dos Boxers, um mo- sul e do centro da China numa campanha militar conhe-
vimento conservador antiimperialista que pretendia fazer cida como a Expedição do Norte. Após derrotar os chefes
o país regressar a um estilo de vida tradicional, ameaçou guerreiros daquelas regiões, Chiang obteve a fidelidade
o norte da China. A imperatriz regente, provavelmente nominal dos líderes do norte. Em 1927, voltou-se contra
com o fito de garantir o seu controle sobre o governo, o PCC e expulsou os exércitos comunistas e seus chefes
apoiou os boxers quando estes avançaram sobre Pequim. de suas bases no sul e no leste da China. Em 1934, as
Em reação, a chamada Aliança dos Oito Estados inva- tropas do PCC empreenderam a Longa Marcha, através
diu a China. Composta de tropas britânicas, japonesas, da região mais inóspita da China a noroeste, onde estabe-
russas, italianas, alemãs, francesas, norte-americanas e leceram uma base guerrilheira em Yan'an, na província
austro-húngaras, a aliança derrotou os boxers e exigiu de Shanxi.
mais concessões do governo qing. Durante a Longa Marcha, os comunistas reorganizaram-
se sob um novo chefe, Mao Tse-tung. O conflito entre
o KMT e o PCC continuou, aberta ou clandestinamente,
ao longo dos catorze anos da invasão japonesa, apesar
2.5 A República da China da aliança nominal entre ambos os partidos para opor-se
aos japoneses em 1937. A guerra civil chinesa continuou
Frustrados com a resistência da corte qing em reformar após a derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial em
o país e a fraqueza da China, jovens funcionários, ofici- 1945. Em 1949, o PCC já ocupava a maior parte do país.
ais militares e estudantes - inspirados nas ideias revolu- Chiang Kai-shek refugiou-se, com o resto de seu governo,
cionárias de Sun Yat-sen - começaram a defender a der- em Taiwan, onde declarou Taipé a capital provisória da
rubada da Dinastia Qing e a proclamação da república. República da China e afirmou seu propósito de reconquis-
Um levante militar, conhecido como Levante Wuchang, tar a China continental.
iniciou-se em 10 de outubro de 1911 em Wuhan, e le-
vou à formação de um governo provisório da República
da China em Nanquim, em 12 de março de 1912. Sun
Yat-sen foi o primeiro a assumir a presidência, mas viu-se
42 CAPÍTULO 2. HISTÓRIA DA CHINA

2.6 A China do presente [6] Série de autores e consultores, Dorling Kindersley, History
(título original), 2007, ISBN 978-989-550-607-1, pág 36
e 37
Com a proclamação da República Popular da China
(RPC) em 1 de outubro de 1949, o país viu-se novamente [7] Série de autores e consultores, Dorling Kindersley, History
dividido entre a RPC, no continente, e a República da (título original), 2007, ISBN 978-989-550-607-1, pág 36
China (RC), em Taiwan e outras ilhas. Cada uma das e 37 e 60
partes se considera o único governo legítimo da China e
[8] Roberts, John A. G., History of China (título original),
denuncia o outro como ilegítimo. Desde os anos 1990, Palgrave MacMillan, 1999(primeira edição), 2006 (se-
a RC tem procurado obter maior reconhecimento inter- gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 33 a 34
nacional, enquanto que a RPC se opõe veementemente a
qualquer envolvimento internacional e insiste na "Política [9] Série de editores e colaboradores, Sinais do tempo do
de uma China". mundo antigo (título em Portugal), Dorling Kindersley,
1993 (primeira edição),pág 77
Politicamente, o governo deixou de ser heterodoxamente
comunista após a morte de Mao Zedong em 1976, apesar [10] Série de editores e colaboradores, Sinais do tempo do
do Partido Comunista continuar no poder. Deng Xiao- mundo antigo (título em Portugal), Dorling Kindersley,
ping, mesmo não sendo o presidente de direito, foi de fato 1993 (primeira edição),pág 88
quem comandou a China durante a década de 1980. Em [11] Roberts, John A. G., History of China (título original),
1991 Jiang Zemin assumiu a presidência do país, gover- Palgrave MacMillan, 1999(primeira edição), 2006 (se-
nando até 2003, quando entregou o poder ao seu sucessor, gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 34
Hu Jintao.* [40]
[12] Roberts, John A. G., History of China (título original),
Para a história da China após a Guerra Civil Chinesa, Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
ver História da República Popular da China e História de gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 33 a 35
Taiwan.
[13] Série de editores e colaboradores, Sinais do tempo do
mundo antigo (título em Portugal), Dorling Kindersley,
1993 (primeira edição)
2.7 Ver também
[14] Série de editores e colaboradores, Sinais do tempo do
mundo antigo (título em Portugal), Dorling Kindersley,
• Cronologia da história da China
1993 (primeira edição),pág 75
• Dinastias chinesas [15] Roberts, John A. G., History of China (título original),
• História de Hong Kong Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 35
• História de Macau
[16] Série de editores e colaboradores, Sinais do tempo do
• História de Taiwan mundo antigo (título em Portugal), Dorling Kindersley,
1993 (primeira edição), pág 107
• Revolução Chinesa
[17] Roberts, John A. G., History of China (título original),
• Controvérsia dos ritos na China Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 35 e 37

[18] Série de editores e colaboradores, Sinais do tempo do


2.8 Referências mundo antigo (título em Portugal), Dorling Kindersley,
1993 (primeira edição), pág 120
[1] Roberts, John A. G., History of China (título original),
Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se- [19] Série de autores e consultores, Dorling Kindersley, History
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3 (título original), 2007, ISBN 978-989-550-607-1, pág 60

[2] Série de editores e colaboradores, Sinais do tempo do [20] Roberts, John A. G., History of China (título original),
mundo antigo (título em Portugal), Dorling Kindersley, Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
1993 (primeira edição),pág 38 e 39 gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 36

[3] Roberts, John A. G., History of China (título original), [21] Série de autores e consultores, Dorling Kindersley, History
Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se- (título original), 2007, ISBN 978-989-550-607-1, pág 61
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 33
[22] Roberts, John A. G., History of China (título original),
[4] Série de autores e consultores, Dorling Kindersley, History Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
(título original), 2007, ISBN 978-989-550-607-1, pág 25 gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 37

[5] Aydon, Cyril, The Story of Man - An Introduction to [23] Roberts, John A. G., History of China (título original),
150.000 Years of Human History (título original), Cons- Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
table, 2007, ISBN 978-989-616-314-3, pág 44 gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 37 e 38
2.9. LIGAÇÕES EXTERNAS 43

[24] Roberts, John A. G., History of China (título original), 2.9 Ligações externas
Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 38 • A universal guide for China studies (em inglês)
[25] Série de autores e consultores, Dorling Kindersley, History • Timeline of Chinese history Título não preenchido,
(título original), 2007, ISBN 978-989-550-607-1, pág 61 favor adicionar (em inglês)
[26] Roberts, John A. G., History of China (título original),
Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 38

[27] Roberts, John A. G., History of China (título original),


Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 39

[28] Série de editores e colaboradores, Sinais do tempo do


mundo antigo (título em Portugal), Dorling Kindersley,
1993 (primeira edição),pág 124

[29] Roberts, John A. G., History of China (título original),


Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 40

[30] O'Neill, Hugh B., Companion to Chinese History (título


original), 1987

[31] O'Neill, Hugh B., Companion to Chinese History (título


original), 1987

[32] Roberts, John A. G., History of China (título original),


Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 40

[33] Roberts, John A. G., History of China (título original),


Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 40

[34] Roberts, John A. G., History of China (título original),


Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 40

[35] Roberts, John A. G., History of China (título original),


Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág- 41

[36] Roberts, John A. G., History of China (título original),


Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 40

[37] Roberts, John A. G., History of China (título original),


Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, págs 43-44,
46-51

[38] Roberts, John A. G., History of China (título original),


Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (se-
gunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3, pág 54

[39] Não confundir esta Dinastia Jin, dos jurchens, com as ou-
tras três homônimas que governaram a China em diferen-
tes períodos.

[40] Quagio, Ivan. [2009] (2009). Olhos Abertos - A História


da Nova China. São Paulo: Editora Francis. ISBN 978-
85-89362-95-5
Capítulo 3

Língua chinesa

Wade-Giles, criado por dois missionários estadunidenses.


Após a Revolução comunista chinesa, em 1949, uma
comissão de filólogos criou um novo sistema conhecido
como pinyin. Como um exemplo, no sistema Wade-Giles
escreve-se "Mao Tsé Tung", enquanto que em pinyin
grafa-se "Máo Zédōng". Para indicar os tons utilizam-
se acentos sobre as vogais ou ainda números, ao final de
cada sílaba.

3.2 Dialetos
A língua chinesa apresenta grande variedade de dialetos,
sendo tamanha a diferença entre eles a ponto de muitos
serem incompreensíveis entre si.* [* carece de fontes?] O
idioma mantém a unidade por causa da origem comum
de seus diferentes dialetos e pelo fato de a escrita ser co-
mum a todos eles, transcrevendo não apenas sons, que va-
riam de região para região, mas também conceitos, que
permanecem inalteráveis de região para região. Os prin-
Logotipo da wikipédia em língua chinesa cipais dialetos do chinês são:

O que habitualmente se chama língua chinesa (chinês


simplificado: 汉 语; chinês tradicional: 漢 語; pinyin:
Hànyǔ) (chinês simplificado: 华语; chinês tradicional:
華語; pinyin: Huáyǔ) (chinês simplificado: 中文; pinyin:
Zhōngwén) é, na verdade, uma família linguística que
pertence ao tronco linguístico sino-tibetano. Aproxima-
damente, a quinta parte dos habitantes da Terra fala al-
guma forma de chinês como língua materna, tornando, a
língua chinesa, a mais falada no planeta, embora não a Teclado de computador em chinês tradicional
mais difundida.* [* carece de fontes?]
É uma língua tonal, isolante e, basicamente, monossi-
• Mandarim, considerado o idioma oficial da re-
lábica, tendendo ao monossilabismo principalmente na
gião de Beijing e, teoricamente, falado em toda a
variante escrita, enquanto as variantes faladas (notoria-
China, incluindo Taiwan, sendo também falado em
mente o mandarim) costumam fazer amplo uso de pala-
Singapura;
vras dissilábicas e polissilábicas. As raízes lexicais são,
no entanto, todas monossilábicas.* [* carece de fontes?] • Cantonês, falado em Cantão (província de Cantão),
Hong Kong, Macau e sudeste do país;

3.1 Transliteração • Sichuanês, falado no centro da China (região de


Sichuan e Chongqing);
A transliteração dos caracteres chineses para as línguas • Hakka (Hacá), falado em província de Cantão,
que usam o alfabeto latino pode ser feita pelo sistema Fujian, Ainão, Jiangxi de China continental, Hong

44
3.5. ESTRUTURA FONOLÓGICA 45

Kong, Taiwanês e sudeste do país.

3.3 Gramática
A gramática da língua chinesa é relativamente mais fá-
cil que a de outras línguas. O chinês não tem trocas de
género nem de número. Os verbos mantêm-se imutáveis
em todos os casos e em todos os tempos gramaticais. Por
exemplo: o verbo Ser 是 (shi) não se conjuga, seja quem
for o sujeito ou o tempo.

A oração do pai-nosso em chinês, em Jerusalém

Manuscrito em chinês no Vietnã O tipo mais comum de caracteres (80% a 90%, depen-
dendo dos autores) são os semântico-fonéticos, constituí-
dos, como o nome indica, por dois ou mais elementos,
o fonético, que indica a pronúncia aproximada, e o se-
3.4 Sistema de escrita mântico, indicativo do significado, denominado radical.
Por exemplo: em 河 hé, “rio”, e 湖 hú, “lago”, os
três traços à esquerda são o pictograma simplificado para
O sistema de escrita chinês é logográfico, ou seja,
rio, enquanto, à direita, se encontra o elemento fonético.
os grafemas são logogramas que denotam palavras ou
Combinando 氵 "água”e 木 mù, obtém-se 沐 mù,“lavar
morfemas. A escrita chinesa, em todas suas variantes, é
o cabelo”. Este método é muito produtivo para a criação
caracterizada pela ausência de um alfabeto. Os logogra-
de novos caracteres. Os nomes de muitos dos elementos
mas não transcrevem os sons da fala (fonemas), mas sig-
da tabela periódica são formados desta maneira. 钚 bù,
nificados, e cada grafema pode ser pronunciado de uma
“plutónio”, é constituído pelo radical para “metal”,
forma completamente diferente de acordo com o dialeto.
金 jīn, e pelo componente fonético 不 bù (“não”), ou,
É muito frequente chamar-se, aos logogramas, tal como se descreve em chinês, " 不 dá o som e 金 dá o
"ideogramas" ou "hieróglifos". No entanto, os ide- significado”.
ogramas representam ideias e não tanto palavras ou
Com a complexidade e variedade de objetos a serem no-
morfemas, sendo raros os sistemas de escrita das línguas
meados, muitos acabam sendo designados por mais de
humanas verdadeiramente ideográficos. Cada grafema
um logograma, de modo que os caracteres postos um ao
isolado é lido como uma sílaba diferente. Quando a
lado do outro geram um novo significado. Por exemplo,
palavra tem duas sílabas, cada sílaba que a compõe é
a palavra “computador”(電腦) é representada com as
representada com um grafema diferente.
palavras “eletricidade”(電) e “cérebro”(腦).
Apenas uma pequena percentagem do total de sinogra-
mas (outro nome para caracteres chineses) são realmente
ideogramas ou pictogramas. Por exemplo: para se repre-
sentar a ideia de “brilho”combina-se as representações 3.5 Estrutura fonológica
de 日,"sol”, e 月,"lua”, obtendo-se o ideograma 明. A
repetição de um pictograma pode levar à criação de um A estrutura fonológica do chinês, como as das demais
ideograma. É o caso de 木,"árvore”, e de 林“bosque” línguas sino-tibetanas, é caracterizada pela diferença na
e 森,“floresta”, criados através da sua duplicação e tri- entonação de cada palavra. Assim, uma mesma sílaba
plicação, respetivamente. pode ter significados completamente diversos, depen-
46 CAPÍTULO 3. LÍNGUA CHINESA

3.7 Bibliografia
• Dicionário inglês-chinês (em inglês)

• Dicionário português-chinês (em português)


• Dicionário Conciso Chinês-Português, de Wang Suo
Ying e Lu Yanbin (SISU, Xangai, 1994)

Livro escolar usado por Puyi, o último imperador da China, en-


sinando, em chinês, como se pronunciar as letras do alfabeto
latino

dendo da entonação utilizada - conferindo certa musica-


lidade no discurso da fala. Devido a essa característica,
não existe acento tônico. O número de tons possíveis va-
ria de um dialeto para outro. No mandarim, existem qua-
tro tons e mais um quinto tom neutro. No hakka, exis-
tem seis tons; no taiwanês, sete tons; e, no cantonês, nove
tons.* [* carece de fontes?]

Harbin

Urumqi Shenyang

Hohhot

Beijing
JIN
Taiyuan

Lanzhou

Xi'an
LAS LENGUAS SINÍTICAS MANDARÍN Nanjing
Shanghai
Mandarín 836 millones (en todo el mundo)
Jin 45 millones (normalmente agrupado con el mandarín) Wuhan Hangzhou
Chengdu
Wu 77 millones HUI
Hui 3,2 millones (normalmente agrupado con el wu) Chongqing WU
Nanchang
Gan 31 millones
XIANG GAN
Xiang 36 millones Changsha
Min 60 millones (incluido el taiwanés) Fuzhou
Hakka 34 millones (en todo el mundo) MIN Taipei
Yue (cantonés) 71 millones (en todo el mundo) Kunming HAKKA
Ping 2 millones (normalmente agrupado con el yue)

Nanning
YUE Guangzhou
Hong Kong
PING

Mapa mostrando a distribuição das diferentes línguas chinesas


na China

3.6 Ver também


• Caracteres chineses

• Chinês tradicional

• Chinês simplificado

• Pinyin

• Língua de Sinais Chinesa

• Línguas siníticas
Capítulo 4

Dinastia

Dinastia é uma sequência de governantes considerados Embora seja um postura política usual da monarquia tam-
como membros da mesma família. Historiadores con- bém nos regimes republicanos, o termo é usado, por
sideram tradicionalmente muitos estados soberanos da analogia, para descrever uma família que se mantém no
história num quadro de sucessivas dinastias, por exem- poder ao longo de gerações, como a "dinastia Somoza",
plo, o Antigo Egito, Império Persa, e a China Imperial. na Nicarágua.
Grande parte da história política europeia é dominada por
Na Grécia antiga, dinasta era o nome dado a membros de
dinastias, como os Carolíngios, Capetianos, Bourbons, algumas oligarquias ou a reis de pequenos territórios.
Habsburgos, Stuarts, Hohenzollerns e os Romanovs. Até
o século 19, foi dado como certo que uma função legí-
tima de um monarca foi para engrandecer sua dinastia,
ou seja, para aumentar o território, a riqueza e o poder 4.1 Etimologia
dos membros da família.* [1]
Dinastia também é muitas vezes chamado de casa real A palavra dinastia deriva (via latim) do grego δυναστεία
(por exemplo, a Casa de Windsor), e pode ser descrito (dunasteia), “poder, do domínio, dominação”,* [2] que
como imperial, real, ducal, principesca, ou condal, de- vem de δυνάστης (dunastēs):“senhor, governador”,* [3]
pendendo do título de seus governantes. A dinastia tam- em si de δύναμις (dunamis),“poder”,* [4] e, finalmente,
bém pode se referir à época em que a família reinou, bem a partir de δύναμαι (dunamai), “ser capaz”.
como para eventos, tendências e artefatos da época (por
exemplo, um “vaso da dinastia Ming").
Enquanto na língua inglesa inclui referências a um con- 4.2 Ver também
junto de famílias proeminentes e influentes como dinas-
tias, em grande parte do mundo, a palavra tem sido asso- • Casa Real
ciada com a monarquia e definido patrilinearmente. Pa-
rentesco e herança foram predominantemente visto e le-
galmente calculado através da descendência de um ances- 4.3 Referências
tral comum na linha masculina. No entanto, os homens
descendem de uma dinastia através de mulheres, por ve-
[1] Thomson, David (1961).“As instituições da monarquia”.
zes, adotou o nome de dinastia que ao reivindicar a sua Europa Desde Napoleão . New York: Knopf. pp. 79-80.
posição ou herança (por exemplo, Casa de Orange, Casa “A ideia básica da monarquia era a ideia de que direito he-
de Bagration, Casa de Habsburgo-Lorena). reditário deu o melhor título para o poder político ... Os
O Japão tem a mais longa dinastia existente: a dinastia perigos da sucessão disputada foram evitados melhor por
Yamato, que consiste de uma família imperial e o impe- sucessão hereditária: famílias governantes tinham um in-
teresse natural em passar para os seus descendentes refor-
rador. A dinastia foi fundada em 660 a.C e dura até os
çada poder e prestígio ... Frederico o Grande da Prússia,
dias de hoje. Seu poder, no entanto, tem oscilado entre o Catarina, a Grande, da Rússia, Maria Teresa da Áustria,
absolutismo monárquico e uma função estritamente ceri- foram igualmente encantada com a ideia de reforçar o seu
monial ou figurativa (atualmente uma monarquia consti- poder, a centralização do governo em suas próprias mãos
tucional). contra os privilégios locais e feudais, e assim adquirir mais
Em geral, a sucessão do soberano obedece à regra da autoridade absoluta no estado. Além disso, as rivalidades
muito dinásticas e conflitos entre esses monarcas do sé-
primogenitura. A partir do primogênito, os demais mem-
culo XVIII, levou-os a procurar sempre os métodos mais
bros da família do soberano fazem parte da linha suces- eficientes de governo”
são, segundo o grau de parentesco. Nem sempre, porém,
o parentesco precisa ser biológico: a dinastia romana dos [2] δυναστεία , Henry George Liddell, Robert Scott, A
Antoninos, por exemplo, era formada por filhos adotivos. Greek-Inglês Lexicon, em Perseus. Visitado em 09 de
agosto de 2014.

47
48 CAPÍTULO 4. DINASTIA

[3] δυνάστης, Henry George Liddell, Robert Scott, A Greek-


Inglês Lexicon, em Perseus. Visitado em 09 de agosto de
2014.

[4] δύναμις, Henry George Liddell, Robert Scott, A Greek-


Inglês Lexicon, em Perseus. Visitado em 09 de agosto de
2014.
Capítulo 5

Muralha da China

A Muralha da China também conhecida como a


Grande Muralha, é uma impressionante estrutura de
arquitetura militar construída durante a China Impe-
rial.* [1]
A Grande Muralha consiste de diversas muralhas, cons-
truídas durante várias dinastias ao longo de aproximada-
mente dois milênios (começou no ano 220 a.C com tér-
mino no século XV, durante a Dinastia Ming). Se, no
passado, a sua função foi essencialmente defensiva, no
presente constitui um símbolo da China e uma procurada
atração turística.
As suas diferentes partes distribuem-se entre: o Mar
Amarelo (litoral Nordeste da China), o deserto de Góbi
e, a Mongólia (a Noroeste).

5.1 História

Durante muito tempo pensou-se que a Grande Muralha


fora construída para proteger o Império Chinês contra
a ameaça de invasão por tribos vizinhas. Na verdade,
porém, o Império Qin não corria qualquer perigo em
relação às tribos do norte quando a muralha começou a
ser construída. Qin Shihuang, primeiro imperador chinês - Dinastia Chin.

Apenas os Hsiung-nu se haviam fixado significativamente


no território chinês, e mesmo estes pouco resistiram ras construções surgiram antes da unificação do império,
quando o exército de Meng T’ien os expulsou da região em 221 a.C. Ao unir sete reinos em um país, o impe-
de Ordos. A muralha seria uma defesa contra ataques rador Qin Shihuang (259-210 a.C. - Dinastia Chin) co-
futuros, mas o custo em vidas humanas parece excessivo meçou a unificar a muralha, aproveitando as inúmeras
para uma estrutura que não era uma necessidade imedi- fortificações construídas por reinos atuais. Com aproxi-
ata. madamente três mil quilômetros de extensão à época, foi
A idéia da muralha pode ter nascido da obsessão de Shi ampliada nas dinastias seguintes.* [2]
Huang Di pela segurança e da sua paixão por grandes pro- Com a morte do imperador Qin Shihuang, iniciou-se na
jetos. Porém, pode ter havido razões mais pragmáticas: China um período de agitações políticas e de revoltas,
a muralha seria um local conveniente para onde enviar os durante o qual os trabalhos na Grande Muralha ficaram
desordeiros e fazê-los trabalhar.A construção da muralha paralisados. Com a ascensão da Dinastia Han ao poder,
também dava emprego aos milhares de soldados sem tra- por volta de 206 a.C., reiniciou-se o crescimento chinês
balho, depois que a formação do império pôs fim à guerra e os trabalhos na muralha foram retomados ao longo dos
entre os estados. Além disso, logo que a muralha ficasse séculos até o seu esplendor na Dinastia Ming, por volta do
terminada, teriam de ser colocados soldados em toda a século XV, quando adquiriu os atuais aspectos e uma ex-
sua extensão, assegurando-se assim que grande parte do tensão de cerca de sete mil quilômetros. Acredita-se que
exército seria mantida bem longe do capital. As primei- os trabalhos na muralha ocuparam a mão de obra de cerca

49
50 CAPÍTULO 5. MURALHA DA CHINA

de um milhão de operários (até 80% teriam perecido du- Por não se tratar de uma estrutura única, as característi-
rante a sua construção, por causa da má alimentação e do cas da Grande Muralha variam de acordo com a região
frio), entre soldados, camponeses e prisioneiros. em que os diferentes trechos estão construídos. Devido a
A magnitude da obra, entretanto, não impediu as incur- diferenças de materiais, condições de relevo, projetos e
sões de mongóis, xiambeis e outros povos, que ameaça- técnicas de construção, e mesmo da situação militar vi-
ram o império chinês ao longo de sua história. Por volta vida por cada dinastia, os trechos da muralha apresentam
do século XVI perdeu a sua função estratégica, vindo a ser variações. Perto de Beijing, por exemplo, os muros foram
abandonada a partir de 1664, com a expansão chinesa na construídos com blocos de pedras de calcário; em outras
regiões, podem ser encontrados o granito ou tijolos no
direção norte na Dinastia Qing.
aparelho das muralhas; nas regiões mais ocidentais, de
No século XX, na década de 1980, Deng Xiaoping deu desertos, onde os materiais são mais escassos, os muros
prioridade à Grande Muralha como símbolo da China, foram construídos com vários elementos, entre os quais
estimulando uma grande campanha de restauração de di- faxina (galhos de plantas enfeixados). Em geral os muros
versos trechos. Porém, a requalificação do monumento apresentam uma largura média de sete metros na base e
como atração turística sem normas para a sua utilização de seis metros no topo, alçando-se a uma altura média de
adequada, aliada à falta de critérios técnicos para a res- sete metros e meio. Segundo anunciaram cientistas chi-
tauração de alguns trechos (como o próximo a Jiayuguan, neses em abril de 2009, o comprimento total da muralha
no Oeste do país, onde foi empregado cimento moderno é de 8.850 km.* [5]
sobre uma estrutura de pedra argamassada, que levou ao
desabamento de uma torre de seiscentos e trinta anos), Além dos muros, em posição dominante sobre os terre-
geraram várias críticas por parte dos preservacionistas, nos, a muralha compreende ainda elementos como portas,
que estimam que cerca de dois terços do total do monu- torres de vigilância e fortes.
mento estejam em ruínas. As torres, cujo número é estimado por alguns autores em
cerca de quarenta mil, permitiam observar a aproximação
e a movimentação do inimigo. As sentinelas que as guar-
5.2 Características neciam serviam-se de um sistema de comunicações que
empregava bandeiras coloridas, sinais de fumaça e fogos.
De planta quadrada, atingiam até dez metros de altura,
5.2.1 Extensão divididas internamente. No pavimento inferior podiam
ser encontrados alojamentos para os soldados, estábulos
Estende-se desde o passo de Jiayuguan (província de para os animais e depósitos de armas e suprimentos. Du-
Gansu), lado oeste, até a foz do rio Yalujiang (província rante a Dinastia Ming, um sinal de fumaça junto com um
de Liaoning), lado leste. . Atravessa o Deserto de Gobi, tiro significava a aproximação de cem inimigos, dois si-
quatro províncias (Hebei, Shanxi, Shaanxi e Gansu) e nais de fumaça acompanhados de dois tiros eram o alerta
duas regiões autônomas (Mongólia e Ningxia).* [3] para quinhentos inimigos, e três sinais de fumaça com
Em 2012 foi anunciado que a Muralha da China mede três tiros para mais de mil inimigos * [* carece de fontes?].
21196 quilômetros na totalidade e aproximadamente 7 Os fortes guarneciam posições estratégicas, como pas-
metros de altura. Esta medida contempla todas as paredes sos entre as montanhas. Eram dotados de escadas para
que foram alguma vez construídas, mesmo as que já não a infantaria e de rampas para a cavalaria, funcionando
existem* [4]. como bases de operação. Eram dominados por uma torre
de planta quadrada, que se elevava a até doze metros de
altura, e defendidos por grandes portões de madeira.
5.2.2 Estrutura

5.2.3 Principais Portas

Dentre suas passagens mais importantes (關口 simplifi-


cado: 关口) destacam-se:

• Porta Shanhai (山海關)

• Porta Juyong (居庸關)

Grande Muralha, China: mapa com a localização dos diversos


trechos. • Porta Niángzi (娘子關)
5.6. LIGAÇÕES EXTERNAS 51

5.3 Patrimônio Mundial


A Muralha da China após concurso informal internacio-
nal em 2007, foi considerada uma das Novas Sete Mara-
vilhas do Mundo.
Em 1986, a China inscreveu na Lista do Património Mun-
dial da UNESCO os seguintes monumentos: a Grande
Muralha, o Palácio Imperial das dinastias Ming e Qing
em Pequim, o Sítio do Homem de Pequim em Zhoukou-
dian, as Grutas de Mogao em Dunhuang, o Mausoléu do
Primeiro Imperador Qin e o Monte Taishan. Estas nome-
ações foram aprovadas pelo Comité do Património Mun-
dial em 1987.* [6]

5.4 Referências
[1] Muralha da China - Localização, construção, importância
histórica e turística

[2] Como foi construída a Muralha da China

[3] Guia Geo - China.

[4] Muralha da China tem afinal 21196 mil quilómetros.

[5] BBC Brasil - Grande Muralha da China é maior do que


se pensava, diz pesquisa página visitada em 21 de abril de
2009.

[6] Instituto Cultural de Macau: Património Mundial

5.5 Galeria

• Foto de Satélite pela NASA



• Início da muralha em Jiayuguan

• Encontro da muralha com o Mar de Bohai em


Shanhaiguan

5.6 Ligações externas


• Mapa da Muralha (em inglês)
• Latitude e Longitude de alguns pontos ao longo da
Muralha (em inglês)
• Muralha da China (em português) em Fortale-
zas.org.
Capítulo 6

Dragão chinês

Dragão (long em chinês, yong ou ryong em coreano, e freqüência dentro de China como um emblema nacional
ryu em japonês) segundo a mitologia chinesa, foi um dos do que o dragão. Em Hong Kong, entretanto, o dra-
quatro animais sagrados convocados por Pan Ku (o deus gão é uma marca desta cidade, um símbolo usado para
criador) para participarem na criação do mundo. É enor- promove-la internacionalmente.
memente diferente do ocidental, sendo um misto de vá- Muitos chineses frequentemente usam o termo“descen-
rios animais místicos: Olhos de tigre, corpo de serpente,
dentes do dragão”(龍的傳人) como um símbolo de iden-
patas de águia, chifres de veado, orelhas de boi, bigodes tidade étnica. Embora esta tendência tenha começado so-
de carpa e etc. Representa a energia do fogo, que destrói
mente quando diferentes nacionalidades asiáticas procu-
mas permite o nascimento do novo. (a transformação). ravam símbolos animais para reapresentações na década
Simboliza a sabedoria e o Império.
de 70. O lobo foi usado entre os mongóis, o macaco entre
É representado de várias formas, a mais comum é o dra- os tibetanos.
gão de 4 patas, cada uma com 4 dedos para frente e 1 para Na cultura chinesa atualmente, é mais usado para fins de-
trás, o dragão imperial, ou carregando uma pérola numa corativos. É um tabu deformar uma representação de um
das patas chamada de Yoku (元氣) pela antiga lenda chi- dragão; por exemplo, uma campanha da propaganda da
nesa - “dragão das águas marinhas”. Nike, que caracterizou o jogador de basquetebol ameri-
A Imagem de um dragão azul preside o leste, o oriente. cano LeBron James que matava um dragão (além de bater
O dragão chinês é uma criatura mitológica chinesa que num mestre velho de KungFu), foi imediatamente censu-
aparece também em outras culturas orientais, e também rada pelo governo chinês após o protesto público sobre o
desrespeito.
conhecidos às vezes de dragão oriental. Descrito como
longo, uma criatura semelhante a uma serpente de qua- Um número de provérbios e de dialetos chineses também
tro garras, ao contrário do dragão ocidental que é qua- caracteriza referências ao dragão, por exemplo: “Espe-
drúpede e representado geralmente como mau, o dragão rando o único filho virar dragão”(望子成龍, também é
chinês tem sido por muito tempo um símbolo poderoso do tão bem sucedido e poderoso quanto um dragão).
poder auspicioso no folclore e na arte chineses. Os dra-
gões chineses controlam a água nas nações de agricultura
irrigada. Este é o contraste com o dragão ocidental, que
podem cuspir fogo para mostrar o seu poder mítico. O
6.1 Adoração ao Dragão
dragão também é a junção do conceito de yang (mascu-
lino) e associado com o tempo para trazer chuva e de água
em geral. Seu correlativo feminino é Fenghuang.
O dragão às vezes é usado no ocidente como um em-
blema nacional de China. Entretanto, este uso dentro da
República Popular da China e da República da China em
Taiwan é raro.
A princípio, o dragão era historicamente o símbolo do
imperador da China. Começando com a Dinastia Yuan,
os cidadãos comuns foram proibidos de se associar com
o símbolo. O dragão ressurgiu durante a Dinastia Qing e
apareceu em bandeiras nacionais.
Em seguida, o dragão tem uma conotação agressiva, mi-
litar que o governo chinês deseja evitar. É por estas ra-
zões que o panda gigante é de longe mais usado com mais
Dragão Chinês

52
6.3. O DRAGÃO COMO REGENTE DO TEMPO E DA ÁGUA 53

Uma antiga forma de escrita tem a forma de símbolo ca- Vermelho e Negro: Dragões destas cores eram bestas fe-
racterizada pelo “dragão”que agora é escrito 龍 ou 龙 rozes cujas lutas causavam tempestades e outros desastres
e pronunciado de forma longa no mandarim. naturais.
A origem do dragão chinês não é precisa, mas muitos es- Amarelo: Estes eram os mais afortunados e favoráveis
tudiosos concordam que se originou dos totens de dife- dos dragões. Não podiam ser domados, capturados ou
rentes tribos na China. Alguns sugeriram que vêm de mesmo mortos. Apenas apareciam em tempos apropri-
uma representação de uma junção de animais existentes, ados e somente se houvesse uma perfeição à ser encon-
tais como serpentes, de peixes, ou de crocodilos. Por trada.
exemplo, o local de Banpo da cultura de Yangshao em Os Dragões chineses podiam tomar a forma humana ou
Shaanxi representou uma alongada serpente marinha. Os de uma fera se desejassem e tinham uma bizarra coleção
arqueólogos acreditam que “peixes longos”teriam evo- de fobias. Temiam o ferro, mas para criaturas que eram
luído em imagens do dragão chinês. vistas como mestres de tais elementos e quase divinos,
A associação com peixes é refletida na lenda de uma carpa também temiam outras estranhas coisas como centopéias
que viu o topo de uma montanha e decidido ir alcançá- ou fios de seda tingidos em cinco cores. O Japão tam-
la. Nadou rio acima, escalando correntezas e cachoeiras bém tinha seus dragões. Chamados de Tatsu, eles eram
e não as deixando atrapalharem seu caminho. Quando bastante relacionados com os Dragões Chineses. Assim
alcançou o topo, lá havia a mística "porta do dragão" e como eles, também tinham diferentes sub-tipos, entre-
a saltando se transformou em dragão. Acredita-se que tanto geralmente tinham somente três garras e eram mais
diversas cachoeiras e cataratas na China poderiam ser a parecidos com lagartixas.”
localização da porta do dragão. Esta lenda é usada como
uma representação simbólica para o esforço necessário
para superar obstáculos e conseguir o sucesso.
Uma vista alternativa, defendida por He Xin, é que an-
tes o dragão representou uma espécie de crocodilo. Es- 6.3 O dragão como regente do
pecificamente, Crocodylus porosus, um antigo e gigante tempo e da água
crocodilo. O crocodilo é conhecido por poder perceber
com precisão mudanças na pressão de ar, e poder prever
a vinda da chuva. Esta pode ter sido a origem dos atribu- Os dragões chineses são fortemente associados com água
tos mitológicos do dragão em controlar o tempo, especial na opinião popular. Acreditam serem regentes das águas,
a chuva. Além disso, há uma evidência da adoração do tais como cachoeiras, rios, ou mares, e também como
crocodilo em antigas civilizações como babilônicas, indi- do espaço, Rayquaza. Podem aparecer enquanto a água
anas, e maias. jorra (tornado ou furação d'água). Esta habilidade como
A associação com o crocodilo também é amparada pela regente da água e do tempo, o dragão é mais semelhante
visão em tempos antigos de que os grandes crocodilos ao homem na forma, descrito frequentemente como hu-
eram uma variedade de dragão. Por exemplo, na história manóide, vestido em traje de rei, mas com uma cabeça
de Zhou Chu, sobre a vida de um guerreiro da Dinastia do dragão que usa ornato da realeza na cabeça.
Jin, dizem que matou um“dragão”que infestou as águas Há quatro principais reis dragões, representando cada um
de sua vila, que parece ter sido um crocodilo. dos quatro mares: o mar do leste (que correspondem ao
Outros propuseram que sua forma é a fusão de totens de mar de China do leste), o mar sul (que correspondem ao
várias tribos como o resultado da fusão delas. A forma em mar de China sul), o mar ocidental (visto às vezes como
espiral da serpente ou do dragão jogou um papel impor- o Oceano Índico e além), e o mar norte (visto às vezes
tante na cultura chinesa antiga. As figuras lendárias como como o lago Baikal).
Nüwa (女媧), Fuxi (伏羲) são descritas como tendo cor- Por causa desta associação, são vistos como “em cargo”
pos de serpente. de fenômeno aquáticos relacionas ao tempo. Em épo-
Alguns estudiosos relatam que o primeiro imperador len- cas remotas, muitas vilas chinesas (especialmente aque-
dário da China, Huang Di (黃帝, imperador amarelo), las perto dos rios e dos mares) tiveram os templos de-
usou uma serpente para revestir seus braços. Cada vez dicados a seu “rei dragão”local. Nas épocas de seca
que conquistava uma outra tribo, incorporava o emblema ou de enchentes, era comum que o nobres e oficiais lo-
do seu inimigo derrotado no seu braço. Isso explica por- cais do governo conduzissem à comunidade oferecendo
que o dragão parece ter características de vários animais. em sacrifícios e em conduzissem outros ritos religiosos
satisfazendo o dragão, para pedir chuva ou uma cessação
dela.
O rei de Wu-Yue em cinco dinastias e dez reinos no pe-
6.2 Representação das cores ríodo foi frequentemente conhecido como “rei dragão”
ou do “o rei do dragão dos mares”por causa de suas
Azul: Augúrio do Verão obras hidráulicas que “domesticaram”os mares.
54 CAPÍTULO 6. DRAGÃO CHINÊS

6.4 O dragão como símbolo da au-


toridade imperial

Dragão Chinês

Dragão que simboliza a Dinastia Qin. damente enraizado em tradições culturais chinesas tais
como a celebração do Ano Novo Chinês. Usam também
No fim de seu reino, o primeiro imperador, Qin Shi Hu- pipas de dragão nas celebrações.
ang diz-se que se imortalizou em um dragão que se asse-
melhava a seu emblema, e ascendeu aos céus. Desde que
os chineses consideram Qin Shi Huang como seu ante- 6.6 Representação do dragão
passado, às vezes se denominam como“os descendentes
do dragão”. Esta lenda contribuiu também para o uso
do dragão chinês como um símbolo do poder imperial. 6.6.1 Representação Neolítica
O dragão, principalmente os dragões amarelos ou doura- Representações de dragões foram encontradas extensiva-
dos com as cinco garras em cada pé, eram um símbolo mente em sitos arqueológicos do período paeolítico por
para o imperador em muitas dinastias chinesas. O trono toda China. A primeira representação de dragões foi en-
imperial foi chamado de trono do dragão. Durante a tar- contrada no sitio de Xinglongwa. Os sítios culturais de
dia Dinastia Qing, o dragão foi adotado mesmo como a Yangshao em Xi'an produziram potes de argila com te-
bandeira nacional. Era uma ofensa grave para que os ci- mática nos dragões. A cultura de Liangzhu produziu tam-
dadãos usarem roupas com um símbolo do dragão. O bém amostra de dragões. Os sítios culturais de Hongshan
dragão é caracterizado nas esculturas das escadarias de no interior da Mongólia até hoje produziram amuletos de
palácios e de túmulos imperiais, tais como a cidade proi- jade de dragão do jade na forma de dragões porcos.
bida em Pequim.
Anteriormente tais formas era o dragão porco. É uma
Em algumas lendas chinesas, um imperador podia carre- criatura enrolada, alongada com uma cabeça que se as-
gar uma marca de nascença na forma de um dragão. Por semelha a um javali. O sinal para “dragão”na escrita
exemplo, uma lenda diz a narrativa de um camponês que chinesa anterior tem uma forma em espiral similar, como
trazia uma marca de nascença do dragão que eventual- mais tarde os amuletos de jade do dragão do período de
mente derrubou a dinastia existente e fundou uma nova; Shang.
uma outra lenda diz do príncipe escondia de seus inimi-
gos que era identificado por sua marca de nascença do
dragão. 6.6.2 Representação Clássica
Em contraste, a imperatriz da China era frequentemente
identificada com o Fenghuang. “Dungeons & Dragons”descrevem“Nove Tipo clássicos”
de dragões, nove sendo números auspiciosos na cultura
Chinesa. São estes:
6.5 A crença moderna no dragão
• Tianlong (天龍, tiān lÒng: literalmente “Dragão
chinês do paraíso”), Dragão Celestial - O soberano dos
dragões.
Em épocas modernas, a crença no dragão parece ser espo-
rádica na melhor das hipóteses. Parece ser muito poucos • Shenlong (神龍, shén lóng: literalmente “espírito
os que veriam o dragão como uma criatura literalmente do dragão”), Dragão Espiritual - controla o tempo
real. A adoração dos reis dragões como um regente das e tem que ser satisfeito, ou as condições de tempo
águas e do tempo continua em muitas áreas, e é profun- ficam desastrosas.
6.6. REPRESENTAÇÃO DO DRAGÃO 55

• Fucanglong (伏藏龍), Dragão dos Tesouros Escon- • O primeiro é chamado de bixi (贔屭 pinyin: bìxì),
didos guardião de metais preciosos e de jóias enter- que parece uma tartaruga gigante e é bom carre-
rados na Terra. gando peso. Encontra-se frequentemente como a
base de pedra esculpida de tabuletas monumentais.
• Dilong (地龍), Dragão da Terra – controla os rios.
consome a primavera no paraíso e o outono no mar. • O segundo é chamado de chiwen (螭吻 ou 鴟吻
pinyin chǐwěn ou 嘲风 pinyin cháofēng), que parece
• Yinglong (應 龍), Dragão Alado - acredita-se ser
uma besta e gosta de ver longe. Encontra-se sempre
um poderoso empregado de Huang Di, o imperador
no telhado.
amarelo, mais tarde imortalizado como um dragão.

• Jiaolong (虯 龍), Dragão Chifrudo – considerado • O terceiro é chamado de pulao (蒲牢 pinyin pǔláo),
poderoso. que parece um dragão pequeno, e gosta de rujir. As-
sim encontra-se sempre em sinos.
• Panlong (蟠龍), Dragão Espiralado - mora nos lagos
do Oriente. • O quarto é chamado de bi'an (狴犴 pinyin bì'àn),
que parece um tigre, e é poderoso. Encontra-se fre-
• Huanglong (黃 龍), Dragão Amarelo - um dragão quentemente em portas da prisão para amedrontar
sem chifre conhecido por sua sabedoria. os prisioneiros.
• Rei Dragão (龍王) - cada um governa sobre um dos
• O quinto é chamado de taotie (饕餮 pinyin tāotiè),
quatro mares: do leste, do sul, do oeste, e do norte.
que ama comer e é encontrado em mercadorias re-
lacionadas à comida.
Ao contrário da opinião popular, chinês nunca fez qual-
quer esforço intencional em definir os dragões, embora • O sexto é chamado de qiuniu (囚牛 pinyin qíuníu),
várias palavras fossem usadas para descrever dragões em que gosta de música, e é encontrado em instrumen-
vários estados. Por exemplo, Panlong é um dragões em tos musicais tais como harpas chinesas (胡琴).
estado enrolado. Eles, entretanto, dividem dragões por
suas cores. Ou seja, dragão preto representa o norte, dra- • O sétimo é chamado de yazi (睚眦 ou 睚眥 pinyin
gão vermelho representa o sul, o dragão verde/azul re- yázī), que gosta de matar, e é encontrado em espadas
presenta o leste, o dragão branco representa o oeste e o e em facas.
dragão amarelo representa o centro. Esta é uma repre-
sentação menos popular das direções e das estações do • O oitavo é chamado de suanni (狻猊 pinyin suānní)
que quatro símbolos usados na Constelação Chinesa. que parece um leão e gosta do fumo além de ter uma
O Jiao (Jiaolong) e o li (Lilong) às vezes são usados para afinidade para fogo de artifício. Encontra-se geral-
descrever a outra espécie de dragão (do inferior), ambos mente em acendedores de incenso.
sem chifres. Visto que o dragão é visto na maior parte
como auspicioso ou sagrado, o jiao e o li são descritos às • O caçula é chamado de jiaotu (椒圖 pinyin jiāotú),
vezes como mau ou malicioso. que parece uma concha ou moluscos e não gosta de
ser perturbado. É usado na porta dianteira ou no
degrau da porta.

Os Nove Dragões

Além destes, há nove filhos do dragão, que caracterizam


proeminente em decorações arquitetônicas e monumen- Dragão Chinês
tais:
56 CAPÍTULO 6. DRAGÃO CHINÊS

6.7 Garras do Dragão cido como KuLong, com o mesmo significado.

Nota-se às vezes que os dragões chineses têm cinco de- 6.8.2 Horóscopo Chinês
dos em cada pé, dragões coreanos tem quatro, quando os
dragões japoneses tem três. Para explicar este fenômeno, O dragão é um dos 12 animais no horóscopo chinês que
a lenda chinesa indica que todos os dragões imperiais se é usado no calendário chinês. Acredita-se que cada ani-
originaram na China, e, além disso, longe da China um mal está associado com determinados traços da persona-
dragão foi poucos dedos do pé que teve. Os dragões exis- lidade. Os anos do dragão são geralmente os mais popu-
tem somente na China, na Coréia, e no Japão porque se lares para ter bebês. Há mais bebês nascidos em anos do
viajarem além não teriam nenhum dedo do pé para con- dragão do que em todos os outros anos animais do horós-
tinuar. A lenda japonesa tem uma história similar à chi- copo.
nesa. Quanto mais viajaram mais os dedos do pé cres-
ceram e em conseqüência, se fossem muito longe teriam
muitos dedos do pé para continuar a andam corretamente. 6.8.3 Constelações
Entretanto, os registros históricos mostram que os dra-
gões chineses comuns tiveram quatro dedos do pé, mas O Dragon Azure - Qing Longo - 青龍 é considerado ser
o dragão imperial teve cinco (como nos cinco elementos o primeiro dos quatro guardiãos celestiais, os outros três
da filosofia chinesa). o dragão de Quatro garras era re- sendo o Zhu Que - 朱雀 (Pássaro Vermelho), Bai Hu -
servado para príncipes e determinados oficiais de maior 白虎 (tigre branco), Xuan Wu - 玄武 (tartaruga preta -
patente. O dragão com três garras foi usado pelo público como criatura). Neste contexto, o dragão azure é associ-
geral (visto extensamente em vários bens chineses no Di- ado com o leste e o elemento da madeira.
nastia Ming). De fato, era uma ofensa grave para qual-
quer um - exceto o próprio imperador - usar o tema do
dragão com cinco garras. O uso impróprio do número de 6.9 Dança do Dragão
garras foi considerado traição, punível pela execução da
tribo inteira do ofensor. Desde que a maioria das nações A dança do dragão é típica à do rancho, apenas as pessoas
orientais e em um ou outro ponto foram considerados tri- fazem 8 filas de maneira a dividir os dançarinos com trajes
butários chineses, foram permitidos somente dragões de rotos e borrados de tinta chinesa para alegrar espíritos
quatro garras. antepassados.

6.8 Referências Culturais 6.10 Dragões Chineses na cultura


popular
6.8.1 Número nove
Como parte do folclore tradicional, os dragões aparecem
O número nove é considerado de sorte na China porque em uma variedade de mitos.
é o único dígito maior possível, e os dragões chineses são
relacionados freqüentemente com ele. Por exemplo, um • Na viagem o oeste, o filho do Rei Dragão do oeste
dragão chinês é descrito normalmente nos termos de nove estava condenado a servir como um cavalo para os
atributos e tem geralmente 117 escamas- 81 (9x9) mas- viajantes por causa de sua imprudência em uma festa
culino e 36 (9x4) feminino. na corte celestial.
Isto também é porque há nove formas do dragão e o dra- • Em Fengshen Yanyi e outras histórias, Nezha, ga-
gão tem nove filhos (veja a descrição deles acima). Da roto herói, derrota os Reis Dragões e domestica os
“Parede do Nove Dragões”é uma parede com imagens mares.
de nove dragões diferentes, e é encontrada em palácios e
em jardins imperiais. Enquanto nove foram considerados • Pelo que entendo da cultura chinesa do fim do seculo
o número do imperador, só foram permitidos aos oficiais X dar um dragao (simbolo) significa o mesmo que
os maiores usarem nove dragões em suas vestes - e então desejar que sua amizade dure para sempre.
somente com a veste coberta completamente com sobre-
tudo. os oficiais do Baixo escalão tiveram oito ou cinco Fonte Livro Yantu Kare sec X da bliblioteca imperial chi-
dragões em suas vestes, cobertas outra vez com sobre- nesa
tudo; até mesmo o próprio imperador usou sua veste do
dragão com um de seus nove dragões escondidos da vista.
Há um número de lugares na China chamada de “nove 6.11 Ver também
dragões”, sendo o mais famoso Kowloon (em cantonese)
em Hong.kong. A parte do Mekong no Vietnã é conhe- • Dragão coreano
6.11. VER TAMBÉM 57

• Dragão europeu
Capítulo 7

Filosofia chinesa

A filosofia chinesa tem uma história de milhares de anos. ses não gregas apontam como principal justificativa que
Como um dos exemplos, O“Livro das Mutações”, ou I todos os sistemas de pensamento de origem oriental (cá
Ching, introduziu os princípios fundamentais da filosofia inclusa a filosofia chinesa) e africana, seriam sempre es-
chinesa. peculações acerca de conceitos teológicos, a não consti-
tuir uma filosofia dita com propriedade. Isso é um argu-
mento falacioso e incorreto, pois as filosofias do Oriente e
7.1 História do pensamento chinês África também estiveram fora da esfera exclusivamente
teológica, abordando temas de ética, estética, entre ou-
tros, de modo que dizer que somente o Ocidente possui
A filosofia chinesa tem seus primórdios em priscas eras,
filosofia seria usar de um argumento não apenas logica-
com tratados e prolegômenos sobre ética e política. Já
mente falho, mas também eurocêntrico e racista.
na obra Às Margens do Rio de Shi Nai'an há inúmeras
referências a o que seria Verdade, o que seria correto ou
não.
7.3 Ver também
A filosofia chinesa se expande a partir dos estudos dos
doutos confucianos, e seu conhecimento, a par da be-
• Lao Zi
nevolência e justiça são capitais para a escolha dos
mandarins e administradores imperiais chineses. • Tao Te Ching
Os conceitos de união com a natureza, os opostos • Confucionismo
(Yin/Yang) do taoísmo são elementos capitais na filosofia
chinesa, caracterizada pela ênfase à benevolência, justiça,
retidão e respeito à autoridade.
7.4 Ligações externas
A derradeira parte levou os ideólogos do partido comu-
nista chinês a execrarem por décadas a filosofia chinesa,
• As cem escolas de pensamento, em inglês em http:
apoiando o marxismo e o pensamento de Mao Tsé Tung,
//www.chinaknowledge.de
sobretudo o expresso no Livro Vermelho.
Recentemente estudos aprofundados dos analetos de • Arquivo Etext de Filosofia Chinesa, em ingles
Confúcio e de Mêncio levaram à reabilitação da filoso-
fia chinesa tradicional junto às autoridades.

7.2 O pensamento chinês pode ser


chamado de filosofia?
Há muito se discute se haveria uma "filosofia" como
um sistema codificado de preceitos, fora do que se en-
tende como filosofia no Ocidente, isto é, os sistemas
oriundos da antiga escolástica grega, com estudos sobre
epistemologia, ética, moral, e que teriam dado toda a
base do pensamento ocidental, passando por Aristóteles,
Platão, Sócrates, São Tomás de Aquino, Espinoza, Kant
e Husserl entre muitos outros não menos importantes.
Os que preconizam a inexistência de uma filosofia de ba-

58
Capítulo 8

Yin-yang

Yin e Yang são dois conceitos básicos do taoismo que sim, referir-se a yang como positivo apenas indica que ele
expõem a dualidade de tudo que existe no universo. Des- é positivo quando comparado com yin, que será negativo.
crevem as duas forças fundamentais opostas e comple- Esta analogia é como a carga elétrica atribuída a prótons
mentares que se encontram em todas as coisas: o yin é e eléctrons: os opostos complementam-se, positivo não é
o princípio feminino, a agua, a passividade, escuridão e bom ou mau, é apenas o oposto complementar de nega-
absorção. O yang é o princípio masculino, o fogo, a luz tivo.
e atividade.* [2] O diagrama do tei-gi simboliza o equilíbrio das forças
Segundo essa ideia, cada ser, objeto ou pensamento pos- da natureza, da mente e do físico. Yang (branco) e yin
sui um complemento do qual depende para a sua exis- (preto) integrados num movimento contínuo de geração
tência. Esse complemento existe dentro de si. Assim, se mútua representam a interação destas forças.
deduz que nada existe no estado puro: nem na atividade A realidade observada é fluida e em constante mutação,
absoluta, nem na passividade absoluta, mas sim em trans- na perspectiva da filosofia chinesa tradicional. Portanto,
formação contínua. Além disso, qualquer ideia pode ser tudo que existe contém tanto o princípio yin quanto o
vista como seu oposto quando visualizada a partir de ou- yang. O símbolo tei-gi expressa esse conceito: o yang
tro ponto de vista. Neste sentido, a categorização seria origina o yin, e o yin destina o yang.'
apenas por conveniência. Estas duas forças, yin e yang,
Desde os primeiros tempos, os dois polos arquetípicos
seriam a fase seguinte do "tao", princípio gerador de to-
das as coisas, de onde surgem e para onde se destinam. da natureza foram representados pelo claro e pelo escuro,
pelo inflexível e pelo dócil, pelo acima e pelo abaixo. O
Esta doutrina é de uso corrente na medicina tradicional
yang, o poder criador, era associado ao céu e ao Sol, en-
chinesa. quanto o yin corresponde à agua, ao receptivo. O céu
está acima e está cheio de movimento. A água - na antiga
concepção geocêntrica - está em baixo e em repouso.
8.1 Princípios complementares
Dessa forma, yin passou a simbolizar o repouso, e yang,
o movimento. No reino do pensamento, yin é a mente
Segundo este princípio, duas forças complementares intuitiva, complexa, ao passo que yang é o intelecto, raci-
compõem tudo que existe, e do equilíbrio dinâmico entre onal e claro. Yin é a tranquilidade contemplativa do sábio,
elas surge todo movimento e mutação. Essas forças são: yang a vigorosa ação criativa do rei.

Esse diagrama apresenta uma disposição simétrica do yin


• Yang: o princípio ativo, diurno, luminoso, quente, a
sombrio e do yang claro. A simetria, contudo, não é es-
).
tática. É uma simetria rotacional que sugere,de forma
• Yin: o princípio passivo, noturno, escuro, frio, o si- eloquente, um continuo movimento cíclico. Os dois pon-
lêncio, o fim, Ugyo (Forma da Boca Fechada). tos do diagrama simbolizam a ideia de que, toda vez que
cada uma das forças atinge seu ponto extremo, manifesta
Também é identificado como o tigre e o dragão, repre- dentro de si a semente de seu oposto.
sentando os opostos.* [* carece de fontes?]
Essas qualidades acima atribuídas a cada uma das duali-
dade são não definições, mas analogias que exemplificam 8.2 Ver também
a expressão de cada um deles no mundo fenoménico. Os
princípios em si mesmos estão implícitos em toda e qual- • Medicina tradicional chinesa
quer manifestação.
• Yin-yang na medicina tradicional chinesa
Os exemplos acima não incluem qualquer juízo de valor,
e não há qualquer hierarquia entre os dois princípios. As- • Bandeira da Coreia do Sul

59
60 CAPÍTULO 8. YIN-YANG

O tai chi tu representa a geração do tei-gi a partir do vazio* [3]

• I Ching
• Taoismo

• Acupuntura e psicologia
• Nova Era

8.3 Referências
[1] LAO-TSÉ. Tao Te Ching: o livro que revela Deus. Tradu-
ção de Huberto Rohden. São Paulo. Martin Claret. 2003.
p. 25.

[2] Grande enciclopédia Larousse (página 11710). Madri:


Planeta.

[3] WU, J. Tai chi chuan: a alquimia do movimento. 5ª edi-


ção. Rio de Janeiro. Mauad. 2010. p. 26.

8.4 Ligações externas


• O Diagrama do Tai Chi, artigo de Roque E. Seve-
rino.
Capítulo 9

Confúcio

Confúcio (chinês: 孔子, pinyin: Kǒng Zǐ, Wade- de Lu, hoje Shantung. Segundo algumas fontes antigas,
Giles: K'ung-tzu, ou chinês: 孔 夫 子, pinyin: Kǒng teria nascido em 27 de agosto de 552 a.C. (ou seja, no vi-
Fūzǐ, Wade-Giles: K'ung-fu-tzu), literalmente "Mestre gésimo primeiro ano do duque Hsiang).* [9] Esse estado
Kong",* [1] (tradicionalmente 27 de agosto de 551 a.C. é denominado de “terra santa”pelos chineses. Confú-
– 479 a.C.)* [2] foi um pensador e filósofo chinês do cio estava longe de se originar de uma família abastada,
Período das Primaveras e Outonos. embora seja dito que ele tinha ascendência aristocrática.
Seu pai, Shu-Liang He, antes magistrado e guerreiro de
A filosofia de Confúcio sublinhava uma moralidade pes-
soal e governamental, também os procedimentos correc- certa fama, tinha setenta anos quando se casou com a mãe
de Confúcio, uma jovem de quinze anos chamada Yen
tos nas relações sociais, a justiça e a sinceridade. Estes
valores ganharam relevo na China sobre outras doutrinas, Cheng Tsai, que diziam ser descendente de Po Chi'in, o
filho mais velho do Duque de Chou, cujo sobrenome era
como o legalismo (法家) e o taoismo (道家) durante a
Dinastia Han* [3]* [4]* [5](206 a.C. – 220). Os pensamen- Chi.
tos de Confúcio foram desenvolvidos num sistema filosó- Dos onze filhos, Confúcio era o mais novo. Seu pai mor-
fico conhecido por confucionismo (儒家). reu quando ele tinha três anos de idade, o que o obrigou
Porque nenhum texto é demonstrável ser de autoria de a trabalhar desde muito jovem para ajudar no sustento da
Confúcio, e as ideias que mais chegadas lhe eram fo- família. Aos quinze anos, resolveu dedicar suas energias
ram elaboradas em escritos acumulados durante o pe- em busca do aprendizado. Em vários estágios de sua vida
ríodo entre a sua morte e a fundação do primeiro im- empregou suas habilidades como pastor, vaqueiro, funci-
pério chinês em 221 a.C., muitos académicos são muito onário e guarda-livros. Aos dezenove anos se casou com
cautelosos em atribuir asserções específicas ao próprio uma jovem chamada Chi-Kuan. Confúcio teve um filho,
Confúcio. Os seus ensinamentos podem ser encontra- K'ung Li.
dos na obra Analectos de Confúcio (論語), uma colec-
ção de aforismos, que foi compilada muitos anos após a
sua morte. Por cerca de dois mil anos, pensou-se ter sido
Confúcio o autor ou editor de todos os Cinco Clássicos (五 9.2 Viagens
經)* [6]* [7] como o Clássico dos Ritos (禮記) (editor), e
Os Anais de Primavera e Outono (春秋) (autor). Confúcio viajou por diversos destes reinos, esteve em ín-
Os princípios de Confúcio tinham uma base nas tradições timo contacto com o povo e pregou a necessidade de uma
e crenças chinesas comuns. Favoreciam uma lealdade fa- mudança total do sistema de governo por outro que se
miliar forte, veneração dos ancestrais, respeito para com destinasse a assegurar o bem-estar dos súbditos, pondo
os idosos pelas suas crianças (e, de acordo com intérpre- em prática processos tão simples como a diminuição
tes posteriores, das esposas para como os maridos), e a de contribuições e o abrandamento das penalidades. Já
família como a base para um governo ideal. Expressou idoso, retirou-se para a sua terra natal, onde morreu com
o conhecido princípio, "não faças aos outros o que não 72 anos.
queres que façam a ti", uma das versões mais antigas da Confúcio é biograficamente, segundo o historiador chi-
ética da reciprocidade. nês Sima Qian (século II a.C.), uma representação típica
do herói chinês. Ele era alto, forte, enxergava longe, ti-
nha uma barriga cheia de Chi, usava longa barba, símbolo
de sabedoria, mas vestia-se bem e era simples. Era tam-
9.1 Nascimento e juventude bém de um comportamento exemplar, demonstrando sua
doutrina nos seus actos. Pescava com anzol, dando opção
Confúcio, também conhecido como K'ung Ch'iu, K'ung aos peixes, e caçava com um arco pequeno, para que os
Chung-ni ou Confucius,* [8] nasceu em meados do século animais pudessem fugir. Comia sem falar, era directo,
VI (551 a.C.), em Tsou, uma pequena cidade no estado franco, acreditava ser um representante do céu.

61
62 CAPÍTULO 9. CONFÚCIO

• Xin, integridade;

• Zhing, fidelidade;

• Yi, justiça, retidão, honradez.

Ilustração de 1922 de Confúcio. Fotografia do túmulo de Confúcio em Qufu, Província de Shan-


dong, China.

9.3 Ideias Cada um desses princípios ligar-se-ia às características


que para ele se encontravam ausentes ou decadentes na
A sua ideologia de organização da sociedade procurava sociedade.
também recuperar os valores antigos, perdidos pelos ho- Confúcio não procurou uma distinção aprofundada sobre
mens de sua época. No entanto, em sua busca pelo Tao, a natureza humana, mas parece ter acreditado sempre no
ele usava uma abordagem diferente da noção de despren- valor da educação para a condicionar. Sua bibliografia
dimento proposta pelos taoístas. A sua teoria baseava-se consta de três livros básicos, sendo que os dois últimos
num critério mais realístico, onde a prática do comporta- são atribuídos aos seus discípulos:
mento ritual daria uma possibilidade real aos praticantes
de sua doutrina de viverem em harmonia.
• Lun yu (Diálogos, Analectos), no qual se encontra a
Confúcio não pregava a aceitação plena de um papel de- síntese de sua doutrina.
finido para os elementos da sociedade, mas sim que cada
um cumprisse com seu dever de forma correta. Já o con- • Dà Xué (大学) (Grande Ensinamento) e
dicionamento dos hábitos serviria para temperar os es-
• Zhong Yong (Jung Yung), ou a "Doutrina do Meio".
píritos e evitar os excessos. Logo, a sua doutrina apre-
goava a criação de uma sociedade capaz, culturalmente
instruída e disposta ao bem estar comum. A sua escola Após sua morte, Confúcio recebeu o título de “Lorde
foi sistematizada nos seguintes princípios: Propagador da Cultura Sábio Supremo e Grande Realiza-
dor”(大成至聖文宣王), nome que se encontra registado
em seu túmulo.
• Ren, humanidade (altruísmo);
Ao contrário de profetas de religiões monoteístas, Con-
• Li, ou cortesia ritual; fúcio não pregava uma teologia que conduzisse a huma-
nidade a uma redenção pessoal. Pregava uma filosofia
• Zhi, conhecimento ou sabedoria moral; que buscava a redenção do Estado mediante a corretude
9.6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 63

do comportamento individual. Tratava-se de uma dou- [4] Gao 2003


trina orientada para esse mundo, pregava um código de
[5] Chen 2003
conduta social e não um caminho para a vida após a
morte* [10]. [6] The Analects 479 BC - 221 BC, VII.1

[7] Kang 1958


9.4 Discípulos e legado [8] Os Analectos, Confúcio, trad. de D. C. Lau, ISBN 85-
254-1563-4, p. 12.
Discípulos de Confúcio e seu único neto, Zisi, continua- [9] Os Analectos, Confúcio, trad. de D. C. Lau, ISBN 85-
ram a sua escola filosófica após sua morte. Estes esforços 254-1563-4, p. 167.
espalharam os ideais de Confúcio para os estudantes que
depois se tornaram funcionários em muitas das cortes re- [10] KISSINGER, Henry, Sobre a China, pp. 32-33
ais chinesas, dando assim ao Confucionismo o primeiro
teste em grande escala de seu dogma. Apesar de confiar
fortemente no sistema ético-político de Confúcio, dois de 9.6 Referências bibliográficas
seus mais famosos seguidores enfatizaram aspectos radi-
calmente diferentes de seus ensinamentos. Mêncio (sé- • Avril Price-Budgen, Martin Folly, People in His-
culo IV a.C.) articulou a bondade inata no ser humano tory, Mitchel Beazley Publishers, 1988 - Dispositivo
como uma fonte das intuições éticas que guiam as pessoas legal - 27 543/89
para rén, yì, e lǐ, enquanto Xun Zi (século III d.C.) res-
saltou os aspectos realista e materialista do pensamento • Roberts, John A. G., History of China (título origi-
de Confúcio, salientando que a moralidade foi incutida na nal), Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição),
sociedade através da tradição e nos indivíduos, através da 2006 (segunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3,
formação. págs - 46-51
Este realinhamento no pensamento de Confúcio foi pa-
ralelo ao desenvolvimento de Legalismo, que viu a pi-
edade filial como auto-interesse e não como um instru- 9.7 Ver também
mento útil para um governante criar um Estado eficiente.
A divergência entre estas duas filosofias políticas veio à • Confucionismo
tona em 223 a.C., quando o estado de Qin conquistou
toda a China. Li Ssu, o primeiro-ministro da Dinastia Qin • Mêncio
convenceu Qin Shi Huang a abandonar as recomendações • Analectos de Confúcio
confucionistas de distribuir feudos a parentes, voltando
ao sistema anterior da Dinastia Zhou, que ele via como
contrário à ideia legalista de centralização do Estado em
torno do governante. Quando os conselheiros de Con-
9.8 Ligações externas
fúcio defenderam sua posição, Li Ssu executou muitos
estudiosos confucionistas e seus livros foram queimados, • Confucio.org
o que foi considerado um duro golpe para a filosofia e a • Digital Library (Projecto Gutenberg)
sabedoria chinesas.
As ideias de Confúcio foram adotadas como filosofia ofi- • 孔子世系 (A Genealogia de Confúcio) (em chinês):
cial do Estado durante a Dinastia Han (206 AC - 220 uma tabela que mostra os ancestrais e os directos
DC), o conhecimento daquelas ideias passou a ser uma descendentes de Confucio.
das principais qualificações exigidas de funcionários pú-
blicos, que já eram selecionados por meio de concorridos
exames e foram encarregados de manter a harmonia no
Império* [10].

9.5 Referências
[1] normalmente abreviado para chinês: 孔 子, pinyin:
Kǒngzǐ

[2] Confucius (Stanford Encyclopedia of Philosophy)


Plato.stanford.edu. Visitado em 2010-11-07.

[3] Ban 111, vol.56


Capítulo 10

Confucionismo

O confucionismo (儒學, * ? Rúxué) ou confucianismo é o fantasma da Humanidade e da Justiça.* [1]


um sistema filosófico chinês criado por [[Confúcio Kung- Ver agir em relação aos outros, mas de uma atitude sub-
Fu-Tzu. (孔夫子). Entre as preocupações do confucio- jacente da humanidade. O conceito de Confúcio de hu-
nismo estão a moral, a política, a pedagogia e a religião. manidade (仁, ren) é provavelmente melhor expresso na
Conhecida pelos chineses como “ensinamentos dos sá- versão confucionista de Ética da reciprocidade, ou a Re-
bios”. Fundamentada nos ensinamentos de seu mestre, gra de Ouro:“não faça aos outros o que você não gostaria
o confucionismo encontrou uma continuidade histórica
que fizessem a ti”.
única. Além de tradição religiosa, o confucionismo é
Confúcio nunca disse se o homem nasce bom ou mau,* [2]
considerado uma filosofia, ética social, ideologia política,
tradição literária e um modo de vida. Confúcio, forma observando que, naturalmente, os homens são semelhan-
latina de Kung Fu Tsé, filósofo chinês do século VI a.C, tes, mas, na prática, são diferentes* [3]. Confúcio per-
compila e organiza antigas tradições da sabedoria chinesacebeu que todos os homens nascem com semelhanças in-
e elabora uma doutrina assumida como oficial na China trínsecas, mas também que o homem é condicionado e in-
por mais de 25 mil séculos . Combatido como reacioná- fluenciado pelo estudo e pela prática. A opinião de Xunzi
rio durante a Revolução Cultural chinesa (1966-1976), o é que os homens originalmente só querem o que eles ins-
confucionismo toma novo impulso após as recentes mu- tintivamente querem, apesar dos resultados positivos ou
danças políticas no país. Atualmente, 25% da população negativos que aquilo pode trazer; por isso o desenvolvi-
chinesa declara-se adepta do confucionismo. mento é necessário. Do ponto de vista de Mencius todos
os homens nascem para compartilhar a bondade, como
a compaixão e o bom coração, embora possam se tornar
malignos. O texto clássico dos Três Personagens começa
10.1 Temas do raciocínio confucio- assim: “As pessoas no momento em que nascem são
nista naturalmente boas (bondosas)", que decorre da idéia de
Mencius. Todos os pontos de vista, eventualmente, levam
ao reconhecimento da importância da educação humana
A humanidade é o núcleo no confucionismo. Uma ma- e do desenvolvimento.
neira simples de apreciar o pensamento de Confúcio é
considerá-lo como sendo baseado em diferentes níveis de O Ren também tem uma dimensão política. Se o gover-
honestidade, e uma forma simples de entender o pensa- nante não tem o Ren, o confucionismo diz que será difícil,
mento de Confúcio é examinar o mundo usando a lógica se não impossível, para os seus súditos comportarem-se
da humanidade. Na prática, os elementos do confucio- humanamente. O Ren é a base da teoria política confu-
nismo acumularam-se ao longo do tempo. Existe o clás- ciana: pressupõe um governante autocrático, exortado a
sico Wuchang (五常), constituído por cinco elementos: não agir desumanamente com seus súditos. Um gover-
Ren (仁, a Humanidade), Yi (义, justiça), Li (礼, ri- nante desumano corre o risco de perder o “Mandato
tual), Zhi (智, conhecimento) e Xin (信, integridade), e dos Céus”, o direito de governar. Um governante sem
há também o Sizi clássico (四字), com quatro elemen- tal mandato não precisa ser obedecido. Mas um gover-
tos: Zhong (忠, lealdade), Xiao (孝, a piedade filial), Jie nante que reina de forma humana e cuida do povo deve ser
(节, continência) e Yi (义, justiça). Há ainda muitos ou- obedecido rigorosamente, pois a benevolência de seu go-
tros elementos, tais como o Cheng (诚, honestidade), Shu verno mostra que ele foi incumbido pelo céu. O próprio
(恕, bondade e perdão), Lian (廉, honestidade e pureza), Confúcio tinha pouco a dizer sobre a vontade do povo,
Chi (耻, vergonha, juízo e senso de certo e errado), Yong mas seu principal seguidor, Mêncio, disse em uma oca-
(勇, bravura), Wen (温, amável e gentil), Liang (良, bom, sião que a opinião das pessoas sobre certos assuntos im-
bom coração), Gong (恭, respeitoso, reverente), Jian (俭, portantes devem ser consideradas.
frugal) e Rang (让, modéstia, discrição). Entre todos os Ao contrário de profetas de religiões monoteístas, Con-
elementos, o Ren (Humanidade) e o Yi (Justiça) são fun- fúcio não pregava uma teologia que conduzisse a huma-
damentais. Às vezes, a moralidade é interpretada como

64
10.2. HISTÓRIA 65

nidade a uma redenção pessoal. Pregava uma filosofia subvertida pelos regimes autocráticos da China. Confú-
que buscava a redenção do Estado mediante a corretude cio defendia uma sensibilidade à realpolitik das relações
do comportamento individual. Tratava-se de uma dou- de classe na sua época. Ele não propôs que“o poder dá a
trina orientada para esse mundo, pregava um código de razão”, mas que um ser superior que recebeu o "mandato
conduta social e não um caminho para a vida após a do céu" (天命) deveria ser obedecido devido a sua retidão
morte* [4]. moral.
Anos mais tarde, no entanto, a ênfase foi colocada mais
10.1.1 Ritual sobre as obrigações dos governados para o governante, e
menos nas obrigações do governante para os governados.
A lealdade era também uma extensão dos deveres do in-
divíduo com os amigos, cônjuge e familiares. A lealdade
para com a família vinha primeiro, em seguida para o
cônjuge, depois para o governante, e por último aos ami-
gos. A lealdade era considerada uma das grandes virtudes
humanas.
Confúcio também percebeu que a lealdade e a piedade
filial podem entrar em conflito.

10.2 História
Dos seguidores de Confúcio, o século I A.C. encontrou
em Meng Zi (孟子)(Mêncio) e Xun Zi (荀子) um grande
desenvolvimento e expansão na sociedade. Esses dois au-
tores buscaram compreender o confucionismo dentro de
“Ritual e Vida”de Confúcio por Prospero Intorcetta, 1687.
um pensamento natural, recorrente nas forças que atua-
vam na sociedade em seus períodos de vida.
No Confucionismo, o termo "ritual" logo foi estendido
para incluir o comportamento cerimonial secular e, even-
tualmente, refere-se também ao decoro ou polidez que 10.2.1 Mêncio
se vê no dia a dia. Rituais foram codificados e tratados
como um sistema completo de normas. O próprio Confú- Mêncio acreditava na importância da educação para re-
cio tentou reanimar a etiqueta das dinastias antigas. Após tificar a boa natureza humana, que teria sido depravada
sua morte, as pessoas o viam como uma grande autori- em função dos conflitos e das necessidades impostas pela
dade sobre os comportamentos dos rituais. vida. O ser humano possuiria a capacidade de desenvol-
É importante notar que o“ritual”desenvolveu um signi- ver um espírito de ajuda mútua de modo a evitar os con-
ficado específico no confucionismo, ao contrário de seus flitos interpessoais inerentes à existência humana.
significados religiosos usuais. No confucionismo, os atos
da vida cotidiana são considerados rituais. Os rituais não 10.2.2 Xun Zi
são necessariamente regimentados ou práticas arbitrárias,
mas sim as rotinas em que muitas vezes as pessoas se in- Já Xun Zi recorreu ao verso da moeda para compreender
serem, consciente ou inconscientemente, durante o curso o papel de Confúcio. Ele acreditava numa natureza per-
normal de suas vidas. Moldar os rituais de uma forma que versa do homem, derivado dos mesmos instintos de pre-
leve a uma sociedade saudável e satisfeita e a um povo servação dos animais. Talvez pensando nos rituais pro-
saudável e satisfeito é um objetivo da filosofia confucio- postos para a sociedade, e pela necessidade de ordena-
nista. ção, tal como no maior fundamento das lendas de funda-
ção chinesas e na influência jurista, Xun Zi via no interior
do homem uma inteligência capaz de articular meios pelo
10.1.2 Lealdade
qual poderia evitar sua condição natural de forma arbitrá-
A lealdade ( 忠, zhong) é equivalente à piedade filial em ria, mas que para isso haveria de ter criado uma escala de
um plano diferente. É particularmente relevante para a valores delimitantes da ação humana.
classe social a que a maioria dos alunos de Confúcio per- Mêncio conseguiu uma boa repercussão popular por sua
tencia, porque a única maneira de um jovem estudioso abordagem otimista da vida, mas as classes altas da socie-
e ambicioso fazer o seu caminho no mundo confuciano dade viram em Xun Zi uma explicação razoável para suas
chinês era entrar em um serviço civil no governo. Como dúvidas. Assim ao menos deixam transparecer algumas
a piedade filial, no entanto, a lealdade era frequentemente biografias de Sima Qian (II a. C.).
66 CAPÍTULO 10. CONFUCIONISMO

10.2.3 Império chinês 10.2.6 Ditos do Confucionismo

O Confucionismo se tornaria a doutrina oficial do impé- • Mesmo nas situações mais pobres uma pessoa que
rio chinês durante a dinastia Han ( séculos III a. C. - vive corretamente será feliz.Coisas mal adquiridas
III d. C.), encontrando continuadores ao longo deste pe- sempre trarão tristeza.
ríodo que se destacaram em vários campos diferentes.
Donz Zhong shu, por exemplo, buscou revigorar e re-
interpretar o confucionismo através das teorias cosmoló- 10.3 Ver também
gicas dos [cinco elementos] (Terra, Madeira, Fogo, Metal
e Água); Wang Chong utilizou-se de um ceticismo lógico • Confúcio
para criticar as crenças infundadas e os mitos religiosos.
• Filosofia oriental
Embora tivesse perdido um certo vigor após a dinastia
Han, o confucionismo seria novamente desenvolvido no • Rito
movimento conhecido como neoconfucionismo, datado
do século X d.C., através da figura de personagens como • Síntese das religiões orientais
os irmãos Cheng e Zhuxi, o grande comentador confuci-
onista.
10.4 Referências
10.2.4 Antiguidade [1]“Yuandao”por Han Yu: Ren e Yi são nomes específicos,
Dao e De (Dao De significa moralidade) são posição fan-
tasma (韓愈《原道》:仁與義,為定名;道與德,為
虛位。)

[2] Homer H. Dubs: 'Nature in the Teaching of Confucius',


p. 233.

[3] Lun Yu (Yang Huo) 13 de maio de 2009

[4] KISSINGER, Henry, Sobre a China, pp. 32-33

Templo de Confúcio em Kaohsiung (Taiwan).

De qualquer modo, já na antiguidade o confucionismo


atingiu um pleno sucesso, tornando-se uma filosofia mo-
ral de profundo impacto na estrutura social e cotidiana
da sociedade. O valor ao estudo, à disciplina, à ordem, à
consciência política e ao trabalho são lemas que o confu-
cionismo introjetou de maneira definitiva na vida da ci-
vilização chinesa da antiguidade aos dias de hoje. Note-
se que, ao contrário do que muitos afirmam, o confucio-
nismo não se trata de uma religião. Não possui um credo
estabelecido, mas apenas determinações rituais de cará-
ter social, que permitem a um adepto do confucionismo
a liberdade de crença em qualquer tipo de sistema meta-
físico ou religioso que não vá contra as regras de respeito
mútuo e etiqueta pessoal.

10.2.5 Dias de hoje

O confucionismo é ainda praticado em vários países.


Apesar da sua origem asiática, diversos países incorpo-
ram alguns conceitos do sistema em suas práticas nota-
damente urbanas. No Brasil, o confucionismo não é ob-
servado em nenhum segmento da sociedade.
Capítulo 11

I Ching

foi objeto de discussão.


Alguns vêem o ideograma I como semelhante ao dese-
nho de um camaleão, representando o movimento (como
o lagarto) e a mutação (como o mimetismo do camaleão).
Outros afirmam que o ideograma é formado pelo do Sol
em cima e o da Lua embaixo, a mutação sendo simboli-
zada pelo movimento incessante destes astros no céu.
Para o pensameno chinês, não há o que mude, há apenas
o mudar. A mutação seria o caráter mesmo do mundo.
Mas a mutação é, em si mesma, invariável, ela sempre
existe. Portanto, “I”significa mutação e não-mutação.
Subjaz, à complexidade do universo, uma 'simplicidade'
que consiste nos princípios que estão por trás de todos os
ciclos. Ao fluir com as circunstâncias se evita o atrito e
portanto a resistência: esse é o caminho do homem sábio.
Tanto o taoísmo como o confucionismo, duas das princi-
pais correntes filosóficas chinesas, beberam da fonte do
Sequência do Rei Wen I.
Tudo que ocorre no céu e na terra tem sua imagem
O I Ching ou Livro das Mutações, é um texto clássico nos oito trigramas, que estão continuamente se transfor-
chinês composto de várias camadas, sobrepostas ao longo mando um no outro. Têm várias camadas de significados,
do tempo. É um dos mais antigos e um dos únicos tex- e representam processos da natureza.
tos chineses que chegaram até nossos dias. Ching, sig-
nificando clássico, foi o nome dado por Confúcio à sua
edição dos antigos livros. Antes era chamado apenas I: 11.2 História
o ideograma I é traduzido de muitas formas, e no século
XX ficou conhecido no ocidente como “mudança”ou
“mutação”. 11.2.1 Dinastia Chou
O “I Ching”pode ser compreendido e estudado tanto O I Ching surgiu antes da dinastia Chou (1150-249 a.C.)
como um oráculo quanto como um livro de sabedoria. e era um conjunto de oito Kua, figuras formadas por três
Na própria China, é alvo do estudo diferenciado realizado e seis linhas sobrepostas. James Legge, na tradução para
por religiosos, eruditos e praticantes da filosofia de vida o inglês (1882), chamou de trigrama o conjunto de três
taoísta. linhas e hexagrama o de seis, para distingui-los entre si.
A origem dos 64 hexagramas é atribuída a Fu Hsi, o cria-
dor mítico chinês, e até a dinastia Chou eles formavam o
11.1 Filosofia e cosmologia no I I. Os oito trigramas têm nomes não encontrados em chi-
Ching nês, a origem é pré-literária.
O tempo obscureceu a compreensão das linhas, e no co-
As oito figuras que formam o I Ching estão na base da cul- meço da dinastia Chou surgiram dois anexos: o Julga-
tura que se desenvolveu na China durante milênios. Para mento, atribuído pela tradição ao rei Wên, e as Linhas,
os chineses a ordem do mundo depende de se dar o nome atribuídas a seu filho, o duque de Chou, ambos fundado-
correto às coisas, portanto o significado de “I”sempre res desta dinastia.

67
68 CAPÍTULO 11. I CHING

Mais tarde, mesmo o significado destes textos começou a mais simples, com o uso de três moedas. Este é o método
ficar obscuro, e no século VI a.C. foram acrescentadas as mais utilizado hoje no Japão e nos países ocidentais.
Dez Asas, que a tradição atribui a Confúcio, embora seja
claro que a maioria delas não pode ser de sua autoria. O
nome “I Ching”é dado ao conjunto dos Kua e todos os
textos posteriores.
O I Ching escapou da grande queima de livros feita pelo
11.4 Manifestações culturais
tirano Ch'in Shih Huang Ti, no tempo em era considerado
um livro de magia e adivinhação, o que levou a escola de
magos das dinastias Ch'in e Han a interpretá-lo segundo 11.5 História
outras visões A doutrina do yin-yang foi sobreposta ao
texto. O sábio Wang Pi veio a resgatá-lo como livro de Há cerca de seis ou sete mil anos havia um mito univer-
sabedoria. sal de que todos os seres eram provenientes do útero de
*
Houve várias traduções do“I Ching”para línguas ociden- uma Mãe Cósmica [1]; tal mito da criação universal teve
tais, algumas claramente desrespeitosas, tratando a cul- lugar durante uma fase informe do mundo, aonde nada
tura chinesa como primitiva. A tradução de Legge fez podia ainda ser identificado. Inicialmente cultuada na
parte da série Sacred books of the East (Livros sagrados Índia, como Kali, a Mãe Informe, recebeu depois o nome
do Oriente), e foi traduzida também para o português. de Tiamat (Babilônia), Nu Kua(China), Temut (Egito),
Têmis (Grécia pré-helênica) e Tehom (Síria e Canaã) --
Richard Wilhelm traduziu o I Ching para o alemão ao
este último foi o termo usado mais tarde pelos escritores
longo dos anos em que viveu na China, inclusive durante
bíblicos para Abismo. As mais antigas noções de criação
a invasão japonesa, quando a cidade em que estava foi
se originavam da idéia básica do nascimento, que consis-
cercada. Teve o apoio de um velho e sábio mestre, Lao
tia na única origem possível das coisas e esta condição
Nai Suan, que morreu ao ser concluída a tradução. A edi-
prévia do caos primordial foi extraída diretamente da te-
ção alemã é do ano de 1923. Wilhelm traduziu também
oria arcaica de que o útero cheio de sangue era capaz de
outro clássico chinês, o Tao Te Ching.
criar magicamente a prole. Acreditava-se que a partir do
sangue divino do útero e através de um movimento, dança
ou ritmo cardíaco, que agitasse este sangue, surgissem os
11.3 O uso oracular do I Ching “frutos”, a própria maternidade. Essa é uma das razões
pelas quais as danças das mulheres primitivas eram reple-
A ênfase no aspecto oracular do“I”variou com o tempo. tas em movimentos pélvicos e abdominais. Muitas tradi-
No século VI a.C. era visto mais como livro de filosofia, ções referiram o princípio do coração materno que detém
ao passo que na dinastia Han, quando a magia teve grande todo o poder da criação. Este coração materno, “uma
papel, era visto como oráculo. energia capaz de coagular o caos espumoso”* [2] organi-
zou, separou e definou os elementos que compõem e pro-
Como todo oráculo, exige a aproximação correta: a me- duzem o cosmos; a esta energia organizadora os gregos
ditação prévia, o ritual, e a formulação precisa da per- deram o nome de Diakosmos, a Determinação da Deusa.
gunta. O oráculo nunca falha, quem falha é o consulente: Os egípcios, nos hieróglifos, chamaram este coração de
se a pergunta não foi clara e precisa, isto indica que a ab e os hebreus foram os primeiros a chamar de pai (ainda
pessoa não tem clareza sobre o que deseja saber. O ritual que masculinizassem, a idéia fundamental de família e
tem a função psicológica de focar a atenção da pessoa na continuidade da vida não era patriarcal).
consulta.
O coração e o sangue definem um elo imanente a todos
A consulta oracular é feita com 50 varetas (originalmente
os seres que dele nasceram e uma idéia de coração oculto
de mil-folhas, uma planta sagrada), das quais uma é se- do universo que pulsa e mantém o ritmo de ciclos das
parada e as outras 49 manuseadas, seguindo seis vezes estações, dos nascimentos, mortes, destinos. Este é o sig-
a mesma operação matemática, para a obtenção da res- nificado que está no Livro dos Mortos ou das mutações.
posta. Dessa manipulação resulta uma linha firme ou uma No mesmo sentido o livro chinês é denominado Livro das
linha maleável, que podem ser móveis. As linhas firmes Mutações.
são resultado da obtenção dos números 7 ou 8, e as male-
aveis vêm dos números 6 ou 9. Destes, 6 e 9 correspon- O nome chinês dado à Mãe Primordial e informe é Nu
dem a linhas móveis que, por estarem prestes a mudar, Kua, nome referido também entre os egípcios, gregos,
têm importância na interpretação. mesopotâmicos e hindu. As referências a ela remontam
há 2.500 a.C. e a imagem permanece venerada nas re-
O I Ching, por ser um livro sagrado, e as varetas usadas giões setentrionais. Kuan Yin ou A Mulher é uma deusa
na consulta, eram guardados em uma caixa de madeira dos casamentos e das mulheres em geral. O corpo ori-
virgem, embrulhados em seda também virgem. ginal do I Ching chama-se “kua”(oito Trigramas) e os
Durante a dinastia Han, que durou de 206 a.C. até 220 sessenta e quatro hexagramas são denominados por kua,
d.C., a consulta começou a ser feita de forma alternativa, derivado linguístico de Mãe Primordial ou Nu Kua.
11.8. LIGAÇÕES EXTERNAS 69

11.6 Referências
[1] O I Ching da Deusa,

[2] B. Walker, O I Ching da Deusa, p. 11

• I Ching, tradução do chinês para o alemão por


Richard Wilhelm, 1923. Edição brasileira, 1982,
traduzida do alemão por Alayde Mutzenbecher e
Gustavo Corrêa Pinto; traz o prefácio de C.G.Jung
à tradução inglesa. .
• O I Ching da Deusa. Barbara Walker. Editora Cul-
trix.

11.7 Ver também


• Hexagramas (I Ching)

• Trigramas
• Bagua

• Cinco Clássicos

• Marie-Louise von Franz

11.8 Ligações externas


• O I Ching segundo a visão taoísta do Mestre Liu Pai
Lin - entrevista de Antonio Moreira.
•“A Natureza e Origem do I Ching”, artigo de Roque
E. Severino.
• (em chinês) O texto completo do I Ching em chinês
Capítulo 12

Lao Zi

Lao Zi (em chinês: 老子, transl. Lǎozi - pronunciado


como Láu‑tz, em mandarim) também conhecido como
Laozi, Lao Tzu, Lao Tsé, Lao-Tsé* [2], Láucio, Lao
Tzi, Lao Tseu, Lao Tze (Wade-Giles), Lao Tan e Li
Erh,* [3] foi um mítico filósofo e alquimista chinês. Sua
imagem mais conhecida o representa sobre um búfalo (o
processo de domesticação deste animal é associado ao ca-
minho da iluminação nas tradições zen budistas). A ele,
é atribuída a autoria de uma das obras fundamentais do
taoismo: o Tao Te Ching (道德經). A influência deste
livro é tão disseminada que ele tornou-se, na atualidade,
um dos livros mais traduzidos em todo o mundo.
Alguns consideram Lao Zi um personagem mítico, no li-
miar das lendas. Uma destas lendas conta que ele nasceu
com a aparência de um velho: por isto, teria recebido
este nome (Lao Zi significa, literalmente, “criança ve-
lha”, “jovem mestre”, pela junção de lao [idoso, ma-
duro, sábio] com zi [criança, jovem, adolescente]* [1]).
Muitos consideram que esta lenda pode ser interpretada
como uma metáfora sobre a antiguidade do taoismo, dou-
trina fundamentada em conceitos filosóficos tradicionais
anteriores à própria redação do Tao Te Ching. Alguns
estudiosos, como Russell Kirkland, chegam a duvidar
de sua existência como indivíduo, considerando sua obra
um agregado de contribuições de antigos mestres taois-
tas. Seu texto sobre a “Comunidade Taoista”pode ser
encontrado entre os links indicados abaixo nas “páginas
externas”.
Ao deixar a China, o guarda da fronteira lhe pede que deixe um
Segundo Ronnie Littlejohn, o material escrito mais antigo registro de sua sabedoria: o Tao Te Ching
associado a Lao Zi aparece nos capítulos internos da obra
de Zhuangzi. O cânon religioso taoista, citado abaixo, si-
tua sua vida em por volta de 1300 a.C. As referências capital do estado de Ch'u. O seu contato com os livros e a
mais conhecidas informam que viveu aproximadamente sua sabedoria pessoal induziram-no a criar uma doutrina
nos séculos VII ou VI a.C.* [4]. Muitos historiadores si- de caráter panteísta segundo a qual o Tao, ou caminho,
tuam sua vida no século IV a.C., durante a época das Cem é o princípio material e espiritual, criador e ordenador
Escolas de Pensamento e o Período dos Reinos Comba- do mundo. No terreno prático, preconizou a vida con-
tentes. templativa e a supressão de qualquer desejo. Desgostoso
com as intrigas e disputas da vida na corte, ele decidiu
abandonar esta vida, seguindo para as Terras do Oeste,
12.1 O Legado do Tao Te Ching em direção à Índia.
Ao chegar à fronteira, o guardião de fronteiras Yin-hsi
Segundo a tradição Chinesa, Lao Zi trabalhou muitos reconheceu sua sabedoria, o reverenciou conforme a tra-
anos como bibliotecário real, exercendo o cargo de su- dição chinesa pedindo para tornar-se seu discípulo e pe-
perintendente judicial dos arquivos imperiais em Loyang, diu a ele que, antes de sair da China, deixasse um registro

70
12.2. A HISTÓRIA DE LAO ZI SEGUNDO O CÂNON RELIGIOSO TAOISTA 71

de seus ensinamentos por escrito. Assim, antes de partir,


Lao Zi escreveu os 81 pequenos poemas que receberam
o título de Tao Te Ching.

12.2 A história de Lao Zi segundo


o cânon religioso taoista

O bebê Lao Zi e sua mãe

Na introdução de sua tradução do “Tao Te Ching: O


Livro do Caminho e da Virtude”, Wu Jyh Cherng co-
menta a biografia de Lao-Tsé. Conforme os registros do
cânon religioso taoista, “Lao Tse teria nascido na pro-
víncia de Na Hue, na cidade de Guo Yang, no 25º dia da
segunda lua do ano Ken-Tzen da era Wu-Tin (no período
entre 1324 a.C. – 1408 a.C.).”Segundo a mesma fonte,
seu pai seria um famoso alquimista da dinastia San que Lao Zi representado como divindade taoista
viveu mais de cem anos. Sua mãe e mestra o teria con-
cebido ao engolir uma pérola de luz, e sua gestação teria
demorado 81 anos. “Lao Tse nasceu do lado esquerdo
das costelas da sagrada mãe, no jardim da família, sob
uma árvore de nome Li (ameixeira), com cabelos bran- Gobi, durante a qual emanou raios de luz em cinco cores,
cos e orelhas grandes. Por isso, recebeu o nome de Lao transformando-se em corpo de luz dourada e desapare-
Tse (filho velho) e Li Er (orelha grande da ameixeira).” cendo no céu.”
A união dos termos chineses para 'velho' e 'criança' em
seu nome justificam seu título de 'Senhor do Fim e do “Após sua ascensão, retornou novamente à terra encar-
Princípio'. nado como filho único do senhor Li Po Yang da província
Shu.”Seu discípulo Yi Shi, o oficial da fronteira, o reen-
Foi convidado pelo rei Wen para ser o responsável pela controu na aldeia da família Li. Diante dele, a criança de
biblioteca real e assumiu o cargo de historiador real até o três anos de idade revelou sua verdadeira imagem. Seu
19º dia da quinta lua do 25º ano da era do rei Zhao, ano corpo cresceu, transformando-se em luz dourada branca.
em que“iniciou sua grande viagem para o ocidente, com “Lao Tse pronunciou mais um ensinamento: o Tratado
intuito de chegar aos reinos da atual Índia, Afeganistão e Maravilhoso do Princípio Solar do Tesouro do Espírito
Itália. Durante a viagem, permaneceu algum tempo na (Ling Bao Yuan Yang Miao Ching). Após concluir seu
fronteira de Yü Men e aceitou o oficial-chefe da fronteira ensinamento, os duzentos membros da família Li ascen-
como discípulo. Ditou-lhe vários escritos, entre eles o cionaram, seguidos por Lao Tse e Yi Shi. Isso aconteceu
Tao Te Ching.”Até este ponto, temos a história mais no dia 28 de abril de 1118 a.C.”
divulgada sobre a vida do autor do Tao Te Ching. A con-
tinuação desta história registrada no cânon taoista não é “Depois do segundo nascimento e ascensão, Lao Tse
tão conhecida. ainda retornou inúmeras vezes para transmitir os ensina-
mentos e para ordenar as novas tradições. Por isso, é
Ainda segundo o texto de Wu Jyh Cherng: chamado pelos taoistas como Sublime Patriarca do Ca-
“Muitos anos depois, teve sua ascensão no deserto de minho.”* [5]
72 CAPÍTULO 12. LAO ZI

12.3 Influência

Na religião taoista, Lao Zi recebe a consideração de uma divin-


dade

Cujo nome resplandece no livro!


Pois primeiro é preciso arrancar do sábio a sua sabedoria.
Por isso, agradecimento também se deve ao aduaneiro:
Ele a extraiu daquele.”

12.4 Referências
[1] LAO-TSÉ. Tao Te Ching. Tradução de Huberto Rohden.
Pintura da Dinastia Qing onde Confúcio apresenta a Lao Zi o São Paulo. Martin Claret. 2003. p. 17,18.
jovem Buda Gautama
[2] LAO-TSÉ. Tao Te Ching. Tradução de Huberto Rohden.
São Paulo. Martin Claret. 2003. 195 p.
Lao-Tsé é tradicionalmente considerado o fundador do
taoismo, movimento com vertentes filosóficas e religio- [3] WATTS, A. Tao: o curso do rio. Tradução de Terezinha
sas distintas designadas por nomes diferentes em chinês: Santos. São Paulo. Editora Pensamento. p. 25.
Tao Chia é o termo que se refere ao taoismo filosófico;
[4] LAO-TSÉ. Tao Te Ching. Tradução de Huberto Rohden.
Tao Chiao é o termo que se refere ao taoismo religioso. São Paulo. Martin Claret. 2003. p. 18.
Junto com o confucionismo e o budismo, o taoismo inte-
gra os fundamentos da tradição espiritual da China. Seu [5] CHERNG, W. J. Tao Te Ching - O Livro do Caminho e
seguidor Zhuangzi é outro famoso filósofo taoista chinês da Virtude de Lao Tse. Editora Mauad. 1996. (a versão
cuja filosofia foi muito influente no desenvolvimento do completa do livro encontra-se disponível para download
budismo chan e do budismo zen. na Biblioteca Virtual da Escola do Futuro da USP, link
indicado entre as “Páginas Externas”, como obra em
A religião taoista o considera como uma divindade, reve- domínio público)
renciada em diversos templos e cerimônias.

12.5 Bibliografia
12.3.1 Brecht e Lao Zi
• Lao Tse, ISBN 85-7279-065-9, Editora Ordem do
Bertolt Brecht escreveu um belo conto sobre o impor- Graal na Terra
tante papel deste guardião de fronteiras na transmissão
deste legado para a humanidade. O poema foi escrito em • Lao Tzu, Hua Hu Ching: Os Últimos Ensinamentos
1938 e inserido na terceira parte do volume Poemas de de Lao Tzu (Hua-Ching Ni), Editora Pensamento
Svendborg, publicado em Copenhague em 1939. O texto
completo com a tradução literal deste poema por Marcus
V. Mazzari pode ser encontrado em “páginas externas” 12.6 Ver também
. Esta é a conclusão do texto:
“Mas não celebremos apenas o sábio • Taoismo
12.8. LEITURAS 73

• Tao

• Tao Te Ching
• Zhuangzi

12.7 Ligações externas


• O Escrito do Curso e da Sua Virtude. Uma excelente
tradução do Tao-Te-Ching em português (apresen-
tada juntamente com o texto original em chinês),
por Mário Bruno Sproviero
• Laozi (Lao-tzu) em The Internet Encyclopedia of
Philosophy (IEP) (em inglês)
• Tao-Te-Ching, por Lǎozĭ (em chinês, alemão e in-
glês)

• "Água mole em pedra dura: sobre um motivo taoísta


na lírica de Brecht, por Marcus V Mazzari. O artigo
inclui a tradução do poema “Lenda sobre o surgi-
mento do livro Tao Te Ching durante o caminho de
Lao-tsé à emigração”.
• O Cânon Taoísta (Daozang) (em espanhol)

• De Freud a Bion por los Caminos de Lao-Tsu - Ar-


tigo do psicanalista Ignacio Gerber (em espanhol)

• “The“Laoist”Community and the creation of Lao-


Tzu's thought”, por Russell Kirkland (em inglês)

• Sociedade Taoísta do Brasil

12.8 Leituras
• Lao Tse, Tao-te King, texto e comentário de Richard
Wilhelm. Editora Pensamento.

• Wu Jyh Cherng, Tao Te Ching - O Livro do Caminho


e da Virtude de Lao Tse (tradução direta do Chinês
para o português). Editora Mauad.
• Wu Jyh Cherng com Líla Schwair, Dào, em sua Es-
sência. Editora Mauad.
• António M. de Campos, Tao Te King - Livro do Ca-
minho e do Bom Caminhar (tradução direta do Chi-
nês para o Português, comentários, introdução à filo-
sofia taoista, glossário completo de caracteres). Edi-
tora Relógio d'Água, 2010.
Capítulo 13

Taoismo

Representação do tao, o conceito fundamental do taoismo, na


escrita chinesa

Estátua representando Lao-Tsé, o mítico fundador do taoismo escolas que, frequentemente, misturaram crenças e prá-
ticas que antecediam até mesmo os textos-chave do ta-
oismo - como, por exemplo, as teorias da Escola dos Na-
O Taoismo, também chamado Daoismo e turalistas, que sintetizaram conceitos como o do yin-yang
Tauismo* [1]* [2], é uma tradição filosófica e religiosa e o dos cinco elementos. As escolas taoistas tradicional-
originária da China que enfatiza a vida em harmonia com mente reverenciam Lao Zi e os "imortais" ou“ancestrais”
o Tao (romanizado atualmente como “Dao”). O termo e possuem diversos rituais de adivinhação e exorcismo,
chinês tao significa “caminho”, “via”ou “princípio” além de práticas que visam a atingir o êxtase e obter maior
, e também pode ser encontrado em outras filosofias e longevidade ou mesmo a imortalidade.
religiões chinesas. No taoismo, especificamente, o termo As tradições e éticas taoistas variam de acordo com a es-
designa a fonte, a dinâmica e a força motriz por trás de cola, porém, no geral, enfatizam a serenidade* [4], a não
tudo que existe. ação (wu-wei), o vazio, a moderação dos desejos* [5], a
É, basicamente, indefinível: “O Tao do qual se pode simplicidade* [6], a espontaneidade, a contemplação da
discorrer não é o eterno Tao.”* [3] A principal obra do natureza* [7] e os Três Tesouros: compaixão, moderação
taoismo é o Tao Te Ching, um livro conciso e ambíguo e humildade.
que contém os ensinamentos atribuídos a Lao Zi (chinês: O taoismo teve uma influência profunda na cultura chi-
老子, pinyin: Lǎozi, Wade-Giles: Lao Tzu). Juntamente nesa no decorrer dos séculos. Os clérigos do taoismo
com os escritos de Zhuangzi, estes textos formam os ali- institucionalizado (chinês: 道 士, pinyin: dàoshi), ge-
cerces filosóficos do taoismo. Este taoismo filosófico, in- ralmente, tomam cuidado para deixar clara a distin-
dividualista por natureza, não foi institucionalizado. ção entre suas tradições rituais e os costumes e práti-
Ao longo do tempo, no entanto, foram sendo criadas for- cas encontrados na religião popular chinesa, uma vez
mas institucionalizadas do taoismo na forma de diferentes que estas distinções podem ser facilmente pouco per-

74
13.1. CATEGORIZAÇÃO 75

Tsé-Tung; continuou, no entanto, a ser praticado livre-


mente em Taiwan. Hoje em dia, é uma das cinco religiões
reconhecidas pela República Popular da China e, embora
não costume ser compreendida com facilidade longe de
suas raízes asiáticas, tem seguidores em diversas socieda-
des ao redor do mundo.* [8]

13.1 Categorização
Há um debate sobre como, e se, o taoismo deve ser clas-
sificado. Lívia Kohn dividiu-o em três categorias:* [9]

1. Taoismo filosófico (Chinês: 道家; pinyin: dàojiā;


Wade-Giles: tao-chia) - A escola filosófica baseada
nos textos Dao De Jing (道德经) e Zhuangzi (庄
子);

2. Taoismo religioso (chinês: 道 教; pinyin: dào-


jiào; Wade-Giles: tao-chiao) - Uma família de mo-
vimentos religiosos organizados da China, oriundos
Prática de tai chi chuan, uma arte marcial com forte influência
do movimento Mestres Celestiais durante o final da
taoista
Dinastia Han e, mais tarde, incluindo as seitas “or-
todoxa”(Zhengyi; 正一) e a“Realidade Completa”
(Quanzhen, 全眞), que reivindicam linhagens des-
cendentes de Laozi (老子) ou Daoling Zhang no fi-
nal da dinastia Han;

3. Taoismo tradicional - A religião tradicional chi-


nesa. Manifestações da tradição religiosa chinesa,
de caráter popular, integram elementos do taoismo
religioso, do confucionismo e do budismo.

Esta distinção é complicada pelas dificuldades


hermenêuticas (interpretações) na categorização
das escolas taoistas, seitas e movimentos.* [10] Alguns
estudiosos acreditam que não há distinção entre daojia
Templo taoista Nanyan, nas Montanhas Wudang, na província
e daojiao.* [11] De acordo com Kirkland, “a maioria
de Hubei, na República Popular da China dos estudiosos que tem estudado o taoismo a sério, tanto
na Ásia quanto no Ocidente, finalmente abandonou a
dicotomia simplista de tao-chia (taoismo filosófico) e
*
ceptíveis. A alquimia chinesa (especialmente neidan), a tao-chiao (taoismo religioso)". [12]
astrologia chinesa, o zen-budismo, diversas artes marci- Hansen afirma que a identificação de “taoismo”, como
ais, a medicina tradicional chinesa, o feng shui e diversos tal, ocorreu pela primeira vez no início da Dinastia Han,
estilos de qiqong têm suas histórias entrelaçadas com a quando dao-jia foi identificado como uma única es-
do taoismo. Além da China em si, o taoismo teve grande cola.* [13] Os escritos de Laozi e Zhuangzi foram uni-
influência nas sociedades do leste da Ásia. dos sob esta tradição única durante a Dinastia Han,
*
Após Lao Zi e Zhuangzi, a literatura do taoismo cres- mas, notavelmente, não antes desta. [14] É improvável
ceu com regularidade e passou a ser compilada na forma que Zhuangzi fosse *
familiarizado com o texto Daodejing
*
de um cânone, o Daozang, que, por vezes, era publicado (Tao-te-ching). [15] [16] Além disso, Graham afirma
a mando do Imperador da China. Ao longo da história que Zhuangzi não teria se identificado como um taoista,
chinesa, o taoismo foi, por diversas vezes, decretado a uma classificação que não surgiu até bem depois de sua
*
religião do Estado. Após o século XVII, no entanto, ele morte. [16]
perdeu muito de sua popularidade. Tal como todas as O taoismo não cai estritamente sob uma definição de uma
outras atividades religiosas, o taoismo foi reprimido nas religião organizada, como as tradições abraâmicas, nem
primeiras décadas da República Popular da China e até pode puramente ser estudado como o autor ou uma vari-
mesmo perseguido durante a Revolução Cultural de Mao ante da religião tradicional chinesa, tanto que a religião
76 CAPÍTULO 13. TAOISMO

tradicional está fora dos princípios e ensinamentos nu- o taoismo é uma das cinco religiões reconhecidas pela
cleares do taoismo.* [17] Robinet afirma que o taoismo República Popular da China, que regula suas atividades
pode ser melhor entendido como um modo de vida do através de uma estatal burocrática (a Associação Taoista
que como uma religião, e que seus adeptos não se apro- da China).* [30]
ximam ou veem o taoismo da mesma maneira não taoista
com que os historiadores o têm feito.* [18] Henri Mas-
pero observou que muitos trabalhos acadêmicos enqua- 13.3 O tao do taoismo
dram o taoismo como uma escola de pensamento focado
na busca pela imortalidade.* [19]
O ideograma tao (ou dao) (道) pode ser traduzido como
“via”ou “caminho”, mas assume um significado mais
abstrato para a religião e para a filosofia chinesa. É o que
13.2 História há de mais profundo e misterioso na realidade e que faz
com que tudo seja como é. É o conjunto indiferenciado
Tradicionalmente, o taoismo é atribuído a três fontes de tudo o que existe, mas também o princípio supremo
principais: que gera e está na origem do seu “devir”, ou seja, é
também o seu“caminhar”. Embora seja invisível, inau-
dível e intangível, manifesta‑se pela sua influência, a que
• A mais antiga, o mítico "Imperador Amarelo", que
se chama “virtude”—o te (德, dé). Mas essa influência
teria vivido entre 2697 a.C. e 2597 a.C.* [20];
é espontânea, ou seja, faz parte da sua própria natureza,
• A mais famosa, o livro de aforismos místicos Tao do seu próprio fluir natural. Como se diz no Tao Te King:
Te Ching (Dao De Jing), supostamente escrito por o tao “age sem agir”(為無為, wu wei).
Laozi (Lao Tse), que, segundo a tradição, foi Um tema no pensamento chinês primitivo é tian-dao ou
um contemporâneo mais velho de Confúcio (551 “caminho da natureza”(tian, também traduzido como
a.C.−479 a.C.); "céu" e, às vezes, "Deus"). Corresponde aproximada-
mente à ordem das coisas de acordo com a lei natural.
• Os trabalhos do filósofo Zhuangzi (Chuang-Tsé)
Tanto o “caminho da natureza" quanto o “grande ca-
(369 a.C.−286 a.C.)
minho”inspiram o afastamento estereotípico taoista das
doutrinas morais e normativas. Assim, pensado como o
Outros livros ampliaram o taoismo, como o Tratado do processo pelo qual cada coisa se torna o que ela é (a“mãe
Vazio Perfeito, de Liezi; e a compilação Huainanzi. Além de todas as coisas”), parece difícil imaginar que temos
destes, o antigo I Ching,“O Livro Das Mutações”, é tido que escolher entre quaisquer valores de seu conteúdo nor-
como uma fonte extra do taoismo, assim como práticas de mativo - portanto pode ser visto como um príncípio efici-
adivinhação da China antiga. ente de "vazio" que sustenta confiavelmente o funciona-
Algumas formas de taoismo podem ser rastreadas até as mento do universo.
religiões tradicionais na China pré-histórica, que, mais
tarde, se uniram em uma tradição taoista.* [21]* [22]
Laozi é tradicionalmente considerado como o fundador 13.4 Filosofia taoista
do taoismo e está intimamente associado, nesse contexto,
com o taoismo“original”ou“primordial”.* [23] Laozi • Do“caminho”, surge“um”(aquele que está consci-
recebeu o reconhecimento imperial como uma divindade, ente), de cuja consciência, por sua vez, surge o con-
em meados da século II a.C..* [24] O taoismo ganhou sta- ceito de “dois”(yin e yang), dos quais o número
tus oficial na China durante a Dinastia Tang, cujos impe- “três”está implícito (céu, terra e humanidade); pro-
radores alegaram que Laozi era seu parente.* [25] Vários duzindo, finalmente, por extensão, a totalidade do
imperadores Song, mais notavelmente Huizong, estavam mundo como o conhecemos, “as 10 000 coisas”,
ativos na promoção do taoismo, coletando textos taois- através da harmonia do wu xíng. O caminho, en-
tas e edições publicadas do Daozang.* [26] Aspectos do quanto passa pelos cinco elementos do wu xíng, é
confucionismo, taoismo e do budismo foram sintetizados também visto como circular, agindo sobre si mesmo
conscientemente na escola neoconfucionista, que, even- através da mudança para simular um ciclo de vida e
tualmente, se tornou a ortodoxia imperial para os fins bu- morte nas 10 000 coisas do universo fenomênico.
rocráticos do Estado.* [27]
• Aja de acordo com a natureza e com sutileza, em
A Dinastia Qing, no entanto, muito favoreceu clássicos lugar de força.
confucionistas e rejeitou os trabalhos taoistas. Durante
o século XVIII, a biblioteca imperial foi construída, mas • A perspectiva correta será encontrada pela atividade
excluiu praticamente todos os livros taoistas.* [28] No iní- mental da pessoa, até chegar a uma fonte mais pro-
cio do século XX, o taoismo tinha caído tanto, que apenas funda que guie sua interação pessoal com o universo
*
uma cópia completa do Daozang ainda permanecia, no [nota 1]. O desejo obstrui a habilidade pessoal de
*
Mosteiro Nuvem Branca, em Pequim. [29] Atualmente, entender o caminho* [nota 2], moderar o desejo gera
13.4. FILOSOFIA TAOISTA 77

contentamento. Os taoistas acreditam que, quando Tao Te Ching


um desejo é satisfeito, outro, mais ambicioso, brota
para substituí-lo. Em essência, a maioria dos taois-O Tao Te Ching (道德經), ou Dao De Jing, é amplamente
tas sente que a vida deve ser apreciada como ela é, considerado como o mais influente texto taoista.* [31] É
em lugar de forçá-la a ser o que não é. Idealmente, uma escritura de fundação de importância central no ta-
não se deve desejar nada,“nem mesmo não desejar” oismo, supostamente escrita por Laozi entre 350 e 250
. a.C.* [32] No entanto, a data exata em que foi escrito é
ainda objecto de debate: há aqueles que a colocam em
qualquer lugar entre os séculos VI a.C. e III d.C.* [33] Ele
• Unidade: ao perceber que todas as coisas (inclu-
tem sido usado como um texto ritual ao longo da história
sive nós mesmos) são interdependentes e constante-
do taoismo religioso.* [34]
mente redefinidas pela mudança das circunstâncias,
passamos a ver todas as coisas como elas são e a nós Os comentadores taoistas ponderaram profundamente
mesmos como apenas uma parte do momento pre- nos primeiros versos do Tao Te Ching. Eles são ampla-
sente. Essa compreensão da unidade nos leva a uma mente discutidos, tanto na literatura acadêmica quanto na
apreciação dos fatos da vida e do nosso lugar neles mais popular. Uma interpretação comum é semelhante à
como simples momentos miraculosos que “apenas observação de Korzybski de que“o mapa não é o territó-
são”. rio”.* [35] As linhas de abertura, com a tradução literal
e a comum, são:
• Dualismo: a oposição e combinação dos dois prin-
cípios básicos - yin e yang - do universo é uma 道可道, 非常道.
grande parte da filosofia básica. Algumas das asso- “O caminho que pode ser descrito não é o
ciações comuns com yang e yin, respectivamente, verdadeiro caminho.”
são: masculino e feminino, luz e sombra, ativo e (O tao (caminho ou o caminho) pode ser dito,
passivo, movimento e quietude. Os taoistas acredi- não da forma usual.)
tam que nenhum dos dois é mais importante ou me-
lhor que o outro. Na verdade, nenhum pode existir 名可名, 非常名.
sem o outro, porque eles são aspectos equiparados “O nome que pode ser nomeado não é o nome
do todo. São, em última análise, uma distinção arti- constante.”
ficial baseada em nossa percepção das 10 000 coisas, (Os nomes podem ser citados, os nomes não
portanto é só nossa percepção delas que realmente usuais.)
muda.* [nota 3]
Tao, literalmente, significa“caminho”ou“o caminho”
e pode significar figuradamente “natureza essencial”,
“destino”, “princípio”, ou “caminho verdadeiro”.
13.4.1 Wu wei O filosófico e religioso tao é infinito, sem qualquer limi-
tação. Um ponto de vista afirma que a abertura parado-
Muito da essência do tao está na arte do wu wei (“agir xal destina-se a preparar o leitor para os ensinamentos
pelo não agir”). No entanto, isso não significa “espere sobre o tao não ensinável.* [36] Acredita-se que o tao é
sentado que o mundo caia no seu colo”. Essa filosofia transcendente, indistinto e sem forma. Por isso, não pode
descreve uma prática de se realizarem coisas através da ser nomeado ou categorizado. Mesmo a palavra “tao”
ação mínima. Pelo estudo da natureza da vida, você pode pode ser considerada uma perigosa tentação de fazer do
influenciar o mundo do modo mais fácil e menos disrup- tao um nome limitador.* [37]
tivo (usando a sutileza em vez da força). A prática de se-
O Tao Te Ching não é tematicamente ordenado. No
guir a corrente em vez de ir contra ela é uma ilustração:
entanto, os principais temas do texto são repetidamente
uma pessoa progride muito mais não por lutar e se deba-
expressos em formulações variantes, muitas vezes com
ter contra a água, mas permanecendo quieta e deixando
apenas uma pequena diferença entre elas.* [38] Os temas
o trabalho nas mãos da correnteza.
principais giram em torno da natureza do tao e como
O wu wei funciona a partir do momento em que confia- alcançá-lo. O tao é dito ser inominável e capaz de realizar
mos no nosso design humano, que é perfeitamente ajus- grandes coisas através de meios pequenos.* [39] Há um
tado para nosso lugar na natureza. Em outras palavras, debate importante sobre qual tradução do Tao Te Ching
confiando na nossa natureza em vez de na nossa raciona- é a melhor. Discussões e disputas sobre várias traduções
lidade, nós podemos encontrar contentamento sem uma do Tao Te Ching podem tornar-se amargas, envolvendo
vida de luta constante contra forças reais e imaginárias. visões profundamente arraigadas.* [40]
Os comentários antigos sobre o Tao Te Ching são textos
importantes por direito próprio. O comentário Heshang
13.4.2 Textos Gong foi, provavelmente, escrito no século II d.C. e é, tal-
vez, o mais antigo comentário. Ele contém a edição do
78 CAPÍTULO 13. TAOISMO

Tao Te Ching que foi transmitida até os dias atuais.* [41] vão viver longas e frutíferas vidas. Que os ímpios e seus
Outros comentários importantes incluem o Xiang'er, um descendentes vão sofrer e ter encurtadas vidas. Tanto a
dos textos mais importantes do Caminho do Mestre Celes- Taiping Jing (“Escritura de Grande Paz”) e o Baopuzi
tial e o Wang Bi.* [42] (“Livro do Mestre que Conserva a Simplicidade”) con-
têm fórmulas alquímicas taoistas que se acreditavam po-
der conduzir à imortalidade.* [50]* [51]
Zhuangzi
Além disso, o Huainanzi é uma compilação da escrita de
O Zhuangzi (庄子) é, tradicionalmente, atribuído a um oito acadêmicos da dinastia Han que combina taoismo,
sábio taoista de mesmo nome, mas isso foi recentemente confucionismo e os conceitos legalistas, incluindo as teo-
contestado no meio acadêmico ocidental. Zhuangzi tam- rias, tais como yin-yang e cinco fases. O patrono Liu An
bém aparece como um personagem na narrativa do livro. (c. 180-122 a.C.) foi governador do estado de Huainan
O Zhuangzi contém prosa, poesia, humor e disputa. O li- e neto do fundador da dinastia Han. O discurso em sua
vro é, frequentemente, visto como complexo e paradoxal corte, favoreceu o pensamento taoista e trouxe filósofos,
quanto aos argumentos e temas de discussão, que não são poetas e mestres de práticas esotéricas para a sua corte.
aqueles comuns à filosofia clássica ocidental, como a dou- Isso resultou no Huainanzi.* [52]
trina do nome de retificação (zhengming) e fazer distin-
ções“isso/não presente”(shi/fei ). * [* carece de fontes?]
Entre o elenco de personagens das histórias do Zhuangzi,
13.4.3 Taoismo e confucionismo
está Laozi, o autor do Tao Te Ching, bem como Confúcio.
O taoismo é uma tradição que, dialogando com seu tra-
dicional contraste, o confucionismo, modelou a vida chi-
Daozang nesa por mais de 2 000 anos. O taoismo enfatiza a es-
pontaneidade ou liberdade da manipulação sociocultural
O Daozang (道藏,Tesouro dos Tao) é, por vezes, referido pelas instituições, linguagem e práticas culturais. Mani-
como o cânon taoista. Foi, originalmente, compilado du- festa o anarquismo - defendendo essencialmente a ideia
rante as dinastias Jin, Tang e Song. A versão publicada de que não precisamos de nenhuma orientação centrali-
sobreviveu durante a dinastia Ming.* [43] O Ming Dao- zada. Espécies naturais seguem caminhos apropriados a
zang inclui quase 1 500 textos.* [44] Seguindo o exemplo elas e os seres humanos são uma espécie natural. Segui-
do budista Tripitaka, é dividido em três dong (洞, “ca- mos todos por processos de aquisição de diferentes nor-
vernas”,“grutas”). Eles estão organizados do mais alto mas e orientações da sociedade, mas poderíamos viver
para o mais baixo:* [45]* [46] em paz mesmo se não procurássemos unificar todas estas
formas naturais de ser.
1. O Zhen (“real”ou “verdade”- 眞): Inclui o Como o conceito confucionista de governo consiste em
Shangqing. fazer todos seguirem a mesmo moral, o taoismo repre-
senta, de certa forma, a antítese do conceito confuci-
2. A Xuan (“mistério"- 玄): Inclui o Lingbao. onista referente a deveres morais, coesão social e res-
ponsabilidades governamentais (embora o pensamento
3. O Shen (“divino”- 神): Inclui textos anteriores a
de Confúcio inclua valores taoistas e o inverso também
Maoshan (茅山).
ocorra, como se pode observar lendo os Analectos de
Confúcio.
Daoshi geralmente não consultam versões publicadas do
Daozang, mas escolhem individualmente, ou herdam, os
textos incluídos no Daozang. Estes textos foram passados 13.5 Religião taoista
por gerações de professor para aluno.* [47]
A escola Shangqing tem uma tradição de se aproximar Embora Laozi nunca tenha pregado nenhuma religião no
do taoismo através do estudo das escrituras. Acredita-se Tao Te Ching e tenha sempre se mantido no terreno fi-
que, recitando alguns textos muitas vezes, se será recom- losófico e moral, cerca de mil anos depois da sua morte,
pensado com a imortalidade.* [48] formou-se um corpo de doutrinas e de práticas religio-
sas e culturais que constituíram a religião taoista. A re-
ligião taoista conserva apenas uns traços da filosofia de
Outros textos
Laozi, com empréstimos de ideias e práticas culturais do
Enquanto o Tao Te Ching é o mais conhecido, há mui- budismo, com a introdução de vários deuses, deusas e gé-
tos outros textos importantes no taoismo tradicional. nios, e uma mistura com algumas crenças preexistentes,
Taishang Ganying Pian “
( Tratado do Abençoado na Res- como a teoria dos cinco elementos, a alquimia e o culto
posta e Retribuição”) discute pecado e ética e tornou- aos ancestrais.
se uma referência de moralidade popular nos últimos sé- Tentativas de alcançar maior longevidade eram um tema
culos.* [49] Afirma que aqueles em harmonia com o tao frequente na magia e alquimia taoistas, com vários
13.7. VER TAMBÉM 79

feitiços e poções, ainda existentes, com esse propósito. tico à filosofia taoista e, durante as primeiras décadas de
Muitas versões antigas da medicina tradicional chinesa dominação mongol, o taoismo viu um período de expan-
foram enraizadas no pensamento taoista e a medicina chi- são, entre os séculos XIII e XIV. Devido a isso, muitas es-
nesa moderna, bem como as artes marciais chinesas, são colas taoistas tradicionais mantêm centros de ensino em
ainda de várias formas baseadas em conceitos taoistas, vários países ao redor do mundo.
como o tao, o qi e o balanço entre o yin e o yang.* [nota
4]
Com o tempo, a absoluta liberdade dos seguidores do ta-
13.6.1 Taoismo no Brasil
oismo pareceu ameaçadora à autoridade de alguns gover-
No Brasil, existem vários ramos ligados ao taoismo, tanto
nantes, que incentivaram o crescimento de seitas mais
o religioso (taochiao) quanto o filosófico (taochia). Uma
comprometidas com as tradições confucionistas. Uma
das vertentes religiosas mais importantes é representada
escola taoista foi formada ao fim da dinastia Han, por
pela Sociedade Taoista do Brasil. A Sociedade Taoista
Zhang Daoling. Muitas seitas evoluíram através dos anos,
do Brasil foi instituída no Rio de Janeiro, em 15 de ja-
mas a maioria traça suas origens a Zhan Daoling, e grande
neiro de 1991, com o objetivo de difundir o ensinamento
parte dos templos taoistas modernos pertence a uma ou
do taoismo em todas as suas formas de expressão - reli-
outra dessas seitas. As escolas taoistas incorporam pan-
giosa, filosófica, científica e cultural - e contribuir para o
teões inteiros de divindades, incluindo Laozi, Zhang Da-
aperfeiçoamento espiritual dos frequentadores.
oling, O Imperador Amarelo, O Imperador de Jade, Lei
Gong (O Deus do Trovão), entre outros. O caminho taoista propõe a restauração do estado pleno
de vida e consciência, chamado tao. Para isso, utilizam-
As duas maiores escolas taoistas da atualidade são a
se vários meios, como as práticas que promovem a boa
Seita Zhengyi (evoluída de uma seita fundada por Zhang
saúde física e mental, o estudo de clássicos escritos pelos
Daoling) e o Taoismo Quanzhen (fundado por Wang
grandes mestres do passado, os métodos místicos para
Chongyang).
a restauração da ordem interna e fundamentalmente a
meditação, como caminho de autotransformação e ele-
13.5.1 Influências no zen-budismo vação espiritual.
A Sociedade Taoista do Brasil foi fundada por Wu Jyh
Como há algumas afinidades entre a visão taoista e a visão Cherng (1958-2004), sacerdote taoista Kao Kon Fa Shi
budista do mundo, quando, no século I, foi introduzido na (Alto Ofício, Mestre da Lei). Mestre Cherng escreveu
China, o budismo indiano foi, em grande parte, interpre- diversos livros sobre artes taoistas e traduziu o Tao Te
tado usando-se conceitos taoistas. O budismo chan (禅 Ching (O Livro do Caminho e da Virtude) e o Yi Jing (I-
宗, chánzōng), que se desenvolveu como uma escola dis- Ching, O Livro das Mutações), entre outros clássicos do
tinta na China medieval, refletiu estas fortes influências taoismo.
da filosofia chinesa e, em particular, do taoismo. Com o
Em março de 2002, foi inaugurada a sede de São Paulo,
tempo, o chan acabou se estabelecendo na Coreia, onde
um espaço adequado para a prática e estudo do taoismo,
recebeu o nome seon. Havia monges que chegavam de
suas artes e sabedoria, onde se têm palestras abertas ao
outros países da Ásia para estudar o chan e a escola foi
público, rituais, meditação e diversos cursos. Entre as
se espalhando pelos países vizinhos. No Vietname, re-
atividades de São Paulo, enfatizam-se as práticas de me-
cebeu o nome thien e, no Japão, ficou conhecida como
ditação (tao yin), I Ching (ou Yi Jing), feng shui, astrologia
zen (禅, zen). Através da história, essas escolas cresce-
chinesa (zi wei dou shu), tai chi chuan (ou tai ji quan), chi
ram de maneira independente, tendo desenvolvido identi-
kung (ou qi gong) e o atendimento de acupuntura e mas-
dades próprias e características bastante diferentes umas
sagem (tui na).
das outras.
Além dos grupos formalmente ligados ao taoismo, tam-
Na China, elementos do taoismo se combinaram com
bém podem ser encontrados muitos ensinamentos taois-
elementos do budismo e do confucionismo na forma do
tas em várias escolas do budismo maaiana chinês e tam-
neoconfucionismo. A adopção por parte dos confucio-
bém em religiões sincréticas como o cao dai, entre outras.
nistas de vários conceitos taoistas deu origem, durante a
dinastia Song (960–1279 d.C.), à chamada “Escola Ne-
oconfucionista”ou "Escola da Razão".
13.7 Ver também
13.6 Taoismo fora da China • Filosofia oriental

• I Ching
A filosofia taoista é praticada em várias formas, em ou-
tros países além da China. Kouk Sun Do, na Coreia, é uma • Tao Yin
dessas variações. A filosofia taoista encontrou muitos se-
guidores ao redor do mundo. Genghis Khan era simpá- • Qigong
80 CAPÍTULO 13. TAOISMO

• Tai chi chuan [12] Kirkland (2004) p. 2.

• Tai chi pai lin [13] Chad Hansen. Taoism Standford Encyclopedia of Philo-
sophy Metaphysics Research Lab, CSLI, Stanford Univer-
• Yingtan sity. Visitado em 2008-10-01.

• Zen budismo [14] Kohn (2000), p. 44.

• Monismo dialético [15] Chad Hansen. Taoism Standford Encyclopedia of Philo-


sophy Metaphysics Research Lab, CSLI, Stanford Univer-
• Religiões do Oriente sity. Visitado em 2008-10-01.

• Taoismo coreano [16] Graham (1989) p. 170–171

[17] Robinet (1997), p. 103.


• Síntese das religiões orientais
[18] Robinet (1997), p. 3–4.

[19] Maspero (1981), p. 211.


13.8 Notas
[20] BLOFELD, J. Taoismo: o caminho para a imortalidade.
[1] Veja wu wei. São Paulo. Editora Pensamento. p. 10.

[2] Veja também carma. [21] Demerath (2003), p. 149.

[22] Hucker (1995), pp. 203–04.


[3] Ver taiji.
[23] Robinet 1997, p. 63.
[4] Ver yin-yang.
[24] Robinet (1997), p. 50.

[25] Robinet (1997), p. 184.


13.9 Referências
[26] Robinet (1997), p. 213.
[1] Academia Brasileira de Letras. Disponível em
[27] Kohn (2000), p. XVII.
http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/
start.htm?sid=23. Acesso em 26 de setembro de 2013. [28] Schipper (1993), p. 19.
[2] SCHAFER, E. H. Biblioteca de história universal Life: [29] Schipper (1993), p. 220.
China antiga. Tradução de Maria de Lourdes Campos
Campello. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Edi- [30] Direitos Humanos Sem Fronteiras “Religious Freedom
tora. 1979. p. 19. in China in 2006”* [ligação inativa]PDF (30.6 KB) En-
dereço dado para a Delegação UE-China do Parlamento
[3] Tao Te Ching (Capítulo I), Lao Zi. Wikisource. Europeu.

[4] BLOFELD, J. Taoismo: o caminho para a imortalidade. [31] Miller (2003), p. IX


Tradução de Gílson César Cardoso de Souza. 10ª edição.
São Paulo. Pensamento. 1995. p. 24-26. [32] TSAI, C. Tao em quadrinhos. Tradução de Maria Clara
de B. W. Fernandes. Rio de Janeiro. Ediouro. 1997. p.
[5] TSAI, C. Tao em quadrinhos. Tradução de Maria Clara 7.
de B. W. Fernandes. Rio de Janeiro. Ediouro. 1997. p.
[33] Eliade (1984), p. 26
15.
[34] Kohn & Lafargue (1998), p. 158.
[6] LAO-TSÉ. Tao Te Ching: o livro que revela Deus. São
Paulo. Martin Claret. 2003. p. 104. [35] Barret (2006), p. 40.
[7] WILKINSON, P. O livro ilustrado das religiões: o fasci- [36] Kim (2003), pp. 21-22
nante universo das crenças e doutrinas que acompanham o
homem através dos tempos. Tradução de Margarida e Flá- [37] Kohn & Lafargue (1998), pp 104.
vio Quintiliano. São Paulo. Publifolha. 2001. p. 70,71.
[38] Kim (2003), p. 13
[8] The Ancient Chinese Super State of Primary Societies: Ta-
[39] Van Voorst (2005), p. Ref 165
oist Philosophy for the 21st Century, You-Sheng Li, junho
de 2010, p. 300 [40] Kohn & Lafargue (1998), pp. 185-86.
[9] Kohn (2000), pp. XI, XXIX. [41] Schipper & Verellen (2004) , p. 73.

[10] Mair (2001) p. 174 [42] Schipper & Verellen (2004), p. 74-77.

[11] Robinet (1997), p. 3. [43] Schipper & Verellen (2004), p. 1, p.30.


13.11. LIGAÇÕES EXTERNAS 81

[44] Schipper & Verellen (2004), p. 36.

[45] Schipper & Verellen (2004), p. 15.

[46] Litte (2000), p. 46

[47] Schipper & Verellen (2004), p. 44.

[48] Robinet (1997), p. 132.

[49] O Cânon Taoista <! - Bot gerada ref -->

[50] Schipper & Verellen (2004), p. 70-71.

[51] Robinet (1997), p. 73.

[52] Patheos Biblioteca - Taoismo: Desenvolvimento Inicial

13.10 Bibliografia
• Tse, Lao. Tao-te King: Texto e Comentário de Ri-
chard Wilhelm. [S.l.]: Editora Pensamento.
• Capra, Fritjoff. O Tao da Física. São Paulo: Editora
Cultrix.
• Blofeld, John. O Portal da Sabedoria. [S.l.]: Editora
Pensamento.
• Walker, Brian Browne. O I-Ching Fácil. [S.l.]: Edi-
tora Cultrix.
• Cherng, Wu Jyh. I Ching: A Alquimia dos Núme-
ros. [S.l.]: Editora Mauad.
• Cherng, Wu Jyh. Tai Chi Chuan: A Alquimia dos
Movimentos. [S.l.]: Editora Mauad.
• Wu Jyh. Iniciação ao Taoísmo. [S.l.]: Editora
Mauad. vol. I.
• Cherng, Wu Jyh. Iniciação ao Taoísmo. [S.l.]: Edi-
tora Mauad. vol. II.

• Cherng, Wu Jyh. Tao Te Ching: O Livro do Cami-


nho e da Virtude de Lao Tse. [S.l.]: Editora Mauad.
(Tradução direta do chinês para o português)
• CHERNG, Wu Jyh; SCHWAIR, Líla. Dào: Em
Sua Essência. [S.l.]: Editora Mauad.

13.11 Ligações externas


• NETO, José Bizerril; Mestres do Tao: Tradição,
Experiência e Etnografia
• Tao Te Ching, na tradução de Mário Bruno Sprovi-
ero
Capítulo 14

Tao Te Ching

14.1 Origens

Tao Te Ching edição Wang Bi, Japão 1770

Lao Tzu encontra Yin Xi, o guardião do portão do Tibete


Tao Te Ching, Dao de Jing ou Tao-te king* [1] (em
chinês: * ? 道德經) , comumente traduzido como O Li- Como a maior parte das figuras mitológicas dos fundado-
vro do Caminho e da Virtude, é uma das mais conheci- res de religiões, a vida do escritor do Tao Te Ching, Lao
das e importantes obras da literatura da China. Foi escrito Tzu, é envolto em lendas. Segundo a tradição, Lao Tzi
entre 350 e 250 a.C.* [2] Sua autoria é, tradicionalmente, nasceu no sul da China cerca de 604 a.C, tendo sido su-
atribuída a Lao Tzi (literalmente,“Velho Mestre”), po- perintendente judicial dos arquivos imperiais em Loyang,
rém a maioria dos estudiosos atuais acredita que Lao Tzi capital do estado de Ch'u. Desgostoso pelas intrigas da
nunca existiu e que a obra é, na verdade, uma reunião de vida na corte, Lao Tzi decidiu afastar-se da sociedade,
provérbios pertencentes a uma tradição oral coletiva ver- seguindo para as Terras do Oeste. Montado em uma car-
sando sobre o tao (a“realidade última”do universo)* [3]. roça guiada por um boi, seguiu viagem, mas, ao atraves-
A obra inspirou o surgimento de diversas religiões e filo- sar a fronteira, um dos seus amigos, o policial Yin-hsi, o
sofias, em especial o taoismo e o budismo chan (e sua reconheceu e lhe pediu que escrevesse seus ensinamentos
versão japonesa, o zen). antes de partir. Lao Tzi, então, escreveu o pequeno livro

82
14.4. COSMOGONIA NO TAO TE CHING 83

conhecido posteriormente como Tao Te Ching e partiu O Tao Te Ching situa a origem de todas as coisas no Tao
em seguida. Segundo a história, morreu em 517 a.C. Lao (Caminho, Senda), que, longe do conceito de Deus das
Tzi foi canonizado pelo imperador Han entre os anos 650 religiões deístas, é um princípio inimaginável, inenarrá-
a.C. e 684 a.C. vel, eterno e absoluto, que não pode ser compreendido, já
Trata‑se de um texto filosófico relativamente curto, com que qualquer tentativa de classificá-lo cria uma dicotomia
pouco mais de 5 000 caracteres, que era originariamente que não pode existir em algo eterno e absoluto. Já que o
conhecido como Lao Tse (老子, que significa “Velho Tao não pode ser compreendido, o Tao Te Ching enfatiza
Mestre”) ou como “o Texto de 5 000 palavras”(五 que não existem meios de manipulá-lo. Logo, os seres de-
vem viver uma vida simples, sem grandes questionamen-
千字文, wǔqiān zìwén). O seu nome actual vem das pa-
lavras que iniciam cada uma das duas secções principais tos morais ou filosóficos, onde se enfatize o“não agir”(a
“não acção”, wu wei, 無為), isto é, deixar-se guiar pelo
em que é hoje normalmente dividido, chamadas Livro do
Tao (道經, dào jīng) e Livro do Te (德經, dé jīng). A pa- curso natural e lógico dos eventos do universo. O homem
que segue este princípio acaba liberto das vicissitudes da
lavra Ching (經, jīng) designa um livro considerado como
um clássico. Tao (道, dào), que significa“via”ou“ca- vida, e se torna o“Homem Santo”celebrado no taoismo.
minho”, é o nome usado para designar o que há de mais Uma filosofia deste tipo logicamente quebra todos os con-
profundo e misterioso na realidade, e Te (德, dé), que sig- ceitos e tentativas do homem de controlar seu destino e
nifica “virtude”ou “conduta”, é o nome usado pelos sugere que toda tentativa de se criar uma religião, uma
taoistas para designar a sua manifestação no mundo. A sociedade política ou moral acaba sempre sendo infrutí-
escola de pensamento taoista 道家 (dào jiā) ficou explici- fera.
tamente identificada com a palavra Tao por ter atribuído
conotações novas a este termo, associando‑o a uma abor-
dagem diferente do conceito de Realidade Última. Os
mais recentes estudos apontam que Tao Te Ching tenha 14.4 Cosmogonia no Tao Te Ching
sido escrito entre 460 a.C. e 380 a.C.
A versão mais antiga que se conhece do Tao Te King foi As ideias cosmogónicas e metafísicas do Tao Te Ching,
encontrada em 1993, em Guodian, na China, num túmulo de acordo com algumas ramificações do taoismo, podem
datado do período de meados do século IV ao início do sé- ser definidas da seguinte forma:
culo III a.C. Está escrita numa série de réguas de bambu, Tudo nasce do vazio indiferenciado, imensurável, inson-
cada uma das quais contém cerca de vinte caracteres. O dável, que nunca pode ser exaurido:“o Tao sem nome”,
texto passa de uma régua para outra sem qualquer pon- que se move em torno de si mesmo sem parar. Deste“Tao
tuação ou divisão em parágrafos ou capítulos. De todas sem nome”(que não existe), nasce o que existe (e tem
as versões que chegaram até os nossos dias, a que é nor- nome): o Caminho (Tao). Não vemos o Tao como um
malmente considerada como sendo a mais fiável é a que por causa dos nomes com que designamos o que vemos
acompanha os comentários ao Tao Te King escritos por com os nossos sentidos - as “10 000 coisas”(o carac-
Wang Pi (王弼, wángbì; n.226 – f. 249 d.C.).* [4]
tere chinês que significa “10 000”, , é usado, como
aliás também no grego, para significar uma míriade, ou
seja, um número grande e indefinido.) É com o apareci-
14.2 Difusão no ocidente mento dos nomes que aparecem todas as coisas e o um se
transforma em muitos.
A primeira tradução do Tao Te Ching para uma língua A Virtude (Te) é a manifestação do Tao através da sua
ocidental ocorreu somente no século XVIII, por obra de misteriosa operação: o chamado “agir não agindo”- a
missionários jesuítas na China. Essa tradução foi apre- acção intríseca que caracteriza a natureza das coisas -“O
sentada na Real Sociedade de Londres para o Melhora- modo de Caminhar”.
mento do Conhecimento Natural em 1788. Desde então,
A partir destas ideias cosmogónicas e metafísicas, Lao
o Tao Te Ching tornou-se cada vez mais conhecido no
Tzi deduz um sistema de moral e regras de conduta que
ocidente, sendo, atualmente, um dos livros mais traduzi-
tem, por objectivo, conformar as acções humanas com a
dos no mundo, ao lado da Bíblia e do Bagavadguitá* [5].
ordem natural do universo. O homem nasceu do Tao mas,
depois, começou a desviar-se dos seus atributos, ou seja,
perdeu a virtude - o saber como caminhar. É uma queda
14.3 Interpretação que lembra a queda que se seguiu à expulsão de Adão e
Eva do paraíso, segundo a Bíblia. O Caminho do Tao é o
As diversas correntes do pensamento religioso e filosófico caminho de volta ao estado de graça em harmonia com o
através dos tempos atribuíram milhares de interpretações Tao (o chamado “regresso precoce”).
diferentes ao sentido do Tao Te Ching. Porém, o tema Tao é normalmente traduzido como Caminho ou Via.
principal do livro é localizado em seu primeiro provér- Mas apenas por parecer ser “o melhor que se pôde ar-
bio:“O Tao que pode ser dito não é o Tao Verdadeiro”. ranjar”. De facto, o caminho não se distingue do ca-
84 CAPÍTULO 14. TAO TE CHING

que tem nome”e vemos, então, todas coisas diferencia-


das, cada uma com o seu nome. É com o aparecimento
dos nomes que aparecem todas as coisas e o um se trans-
forma em muitos.
Em termos mentais, o Caminho do Tao é o caminho de
volta a esse breve “estado de graça”inicial. Um es-
tado em que qualquer trabalho mental interior é elimi-
nado e em que regressamos à nossa espontaneidade natu-
ral. As práticas dos budismos chan e zen, que tiveram a
sua origem nas ideias taoistas, têm, como objectivo, exac-
tamente atingir esse estado mental primordial de fusão
paradoxal com o um.

14.5 Trechos
Cap.1
O Tao que pode ser ensinado
Não é o Tao eterno
O nome que pode ser falado
Não é o nome eterno
O inominável é o eterno real
Nomear é a origem de todas as coisas separadas.
Lao Zi Livre do desejo você vê o mistério
Preso no desejo você vê apenas as manifestações
minhante ou do caminhar. Não há criador. O universo No entanto mistério e manifestações surgem da mesma
(o Céu e a Terra) apareceu (e aparece continuamente) a fonte
partir do Tao primordial. O que existe aparece do que
não existia antes e é eterno. O universo é como um or- Essa fonte é chamada Escuridão
ganismo vivo resultante da expansão vitalizada do Tao (a Escuridão dentro da Escuridão
ordem natural, a providência). O Tao manifesta-se conti-
nuamente no fluxo e refluxo constante de todas coisas que O portal para todo o entendimento.
existem e que foram criadas pela sua actividade. Cap.40
O Tao não tem personalidade. O que vitaliza o universo
são dois princípios ou substâncias que combinados são o As dez mil coisas nascem a partir do que
Tao: o yang (luz, calor, criativo, masculino) - que existe existe (e tem nome)
especialmente concentrado no Céu - e o yin (sombra, frio, E o que existe nasce do que não existe (e não
receptivo, feminino) - que existe especialmente concen- tem nome).
trado na Terra.
Vários filósofos taoistas chineses entendem os versículos Cap.4
que expõem as ideias cosmogónicas sobre o início do uni-
verso como sendo, de facto ou também, a descrição do O Tao é como o espaço vazio dentro de um
modo como a consciência da realidade externa emerge vaso;
na nossa mente. Mas, por mais que o enchamos, nunca ficará
cheio.
Quando vemos uma cor ou ouvimos um som, há um mo-
É incomensurável, como se fosse o Antepas-
mento breve inicial em que o nosso cérebro ainda não
sado de todas as coisas.
fez um julgamento sobre a nossa percepção; não sabe-
mos ainda que som ou cor é, nem sequer temos ainda
uma consciência clara que estamos a ouvir ou ver alguma Cap.41
coisa. Estamos no domínio “do sem nome”, do vazio
indiferenciado que nunca pode ser exausto ou descrito. Quando um estudioso mais sábio ouve fa-
Depois, quando emerge a consciência e o pensamento, lar no Tao,
que tem por base a linguagem, passamos ao domínio“do Abraça-o com zelo.
14.6. A DIFICULDADE DE TRADUZIR A LÍNGUA CHINESA 85

Quando um estudioso médio ouve falar no Tao, Governa-se um estado


Pensa nele de vez em quando. Como se frita um peixe pequeno.
Quando um estudioso inferior ouve falar no (Para fritar um peixe pequeno, é só deixá-lo fri-
Tao, tar; não é preciso virá-lo ou interferir de outro
Ri-se às gargalhadas. modo qualquer. E usa-se lume brando.)
Se ele não risse
O Tao não seria o Tao (o Caminho).
14.6 A dificuldade de traduzir a
Cap.11
língua chinesa
Trinta raios convergem para o meio de uma
roda A língua chinesa (e sobretudo a mais antiga) é muito con-
Mas é o buraco em que vai entrar o eixo que a cisa. São frequentes frases sem verbos como“eu grande
torna útil. tu pequeno”ou“eu grande tu”(= sou maior do que tu).
Molda-se o barro para fazer um vaso; Para a traduzir, é necessário compor a frase com prono-
É o espaço dentro dele que o torna útil. mes, advérbios, preposições, conjunções, que não estão
Fazem-se portas e janelas para um quarto; na língua original.
São os buracos que o tornam útil.
Enquanto nas línguas ocidentais a gramática é uma es-
Por isso, a vantagem do que está lá
trutura sólida com a qual se podem construir períodos e
Assenta exclusivamente
parágrafos complexos, a gramática chinesa é fluida e fle-
na utilidade do que lá não está.
xível. Hoje usam-se sinais de pontuação, mas isso é muito
recente. Por isso, como não existem maiúsculas, é, por
Cap.48 vezes, complicado perceber onde começa cada frase. No
estilo clássico, utilizavam-se as rimas de palavras para in-
Na busca do conhecimento, todos os dias dicar o fim das frases.
algo é adquirido, Os caracteres são elementos que formam frases com
Na busca do Tao, todos os dias algo é deixado grande versatilidade. Cada caractere (ou palavra) é um
para trás. elemento móvel na estrutura e influencia o significado e
E cada vez menos é feito a função dos outros e é influenciada por eles. Só quando
até se atingir a perfeita não-acção. se percorreu e analisou toda uma frase de um texto chi-
Quando nada é feito, nada fica por fazer. nês antigo se “decifra”o seu significado. Dependendo
Domina-se o mundo deixando as coisas segui- do contexto, a palavra «mestre» pode significar também
rem o seu curso. “para servir o mestre”,“para seguir o mestre”etc. Uma
E não interferindo. palavra antes de um verbo pode constituir o tema de uma
frase mas pode também ser um determinante do verbo,
Cap.3 como, por exemplo, em“dez andar”, que significa“an-
dar dez passos”. A palavra“eu”pode significar eu, me,
Não exaltar os homens com habilidade su- mim, o meu, a minha. O plural só é indicado em caso de
perior necessidade, quando não se entende pelo sentido de uma
Evita que as pessoas rivalizem entre si; frase.
Não dar valor às coisas raras “Bom chá" é um chá que é bom, mas a“chá bom”segue-
Evita que surjam ladrões; se um termo de comparação (bom, nessa posição, signi-
Não lhes mostrar o que pode excitar os seus de- fica maior do que). “Cão carne”pode significar duas
sejos coisas diferentes conforme o contexto: carne de cão ou
É o modo de manter os seus corações em paz. carne para o cão. Mas “vaca carne”é carne de vaca,
Por isso, o sábio governa simplificando-lhes as porque a vaca é um animal herbívoro.
mentes,
Enchendo-lhes a barriga, Na língua escrita de estilo antigo, cada palavra, em geral,
Enfraquecendo-lhes a ambição era escrita usando um único caractere (monossilábico);
Fortalecendo-lhes os ossos, era um estilo muito mais conciso e literário do que é a
Mantendo-os sem conhecimentos e desejos língua falada. (Por isso, os europeus julgaram, inicial-
que os desviem do Caminho, mente, que o chinês era uma língua monossilábica. Mas
De modo a que os que têm nunca ousem sequer a língua falada é mais dissilábica e polissilábica.)
interferir. Como o Tao Te Ching foi escrito usando a escrita de es-
Se nada for feito, tudo estará bem. tilo antigo, o texto é extremamente conciso e não é de
interpretação fácil mesmo para um chinês. O significado
Cap.60 de cada monossílabo, no meio de uma série continua de
86 CAPÍTULO 14. TAO TE CHING

caracteres sem pontuação, não surge espontaneamente; O Espírito do Vale é imortal.


as frases têm uma estrutura mais difícil de detectar. As É a misteriosa vagina maternal.
palavras que rimam sugerem as frases que estão presen- A porta por onde sai a raiz do Céu e da Terra.
tes; mas nem sempre elas estão lá e nem sempre a es- Uma raiz tão fina quanto um fio de seda.
trutura fica perfeitamente clara. Sabe-se também que na Mas o que a partir dela se eleva nunca se esgota.
época de Lao Tzi não havia uma escrita unificada, por-
que a China não estava ainda politicamente unificada, e Tao Te Ching 道德經 (Cap.6)
que o significado e pronúncia de muitos caracteres se foi
alterando com o tempo.* [4]
Em chinês: (Vale, ravina com água) (espí-

14.6.1 Exemplos
Na busca do conhecimento, todos os dias
algo é adquirido,
Na busca do Tao, todos os dias algo é deixado
para trás.
E cada vez menos é feito
até se atingir a perfeita não acção.
Quando nada é feito, nada fica por fazer.
Domina-se o mundo deixando as coisas
seguirem o seu curso.
E não interferindo.

Tao Te Ching 道德經 (Cap.48)

Em chinês: agir aprender dia aumentar

rito) (não) (morre)


(correcto) (nome) (obscuro) (“garganta funda
feminina”)
(obscuro) (“garganta funda feminina”) (dele)
(porta)
(correcto) (nome, significado) (Céu) (Terra)
(raiz, objecto fino e longo)
(fio de algodão macio) (fio de algodão macio)
(parece) (existir)
(uso, utilidade) (sai dele) (não) (esforço)
Nota: Espírito do Vale é outra designação
para o Tao.
agir Tao dia perder
perder gera novo perder
continua até à não acção
não acção contudo não sem acção 14.7 Referências
agarrar céu debaixo normal pelo sem trabalho
enquanto isto tendo trabalho [1] BLOFELD, J. Taoismo: o caminho para a imortalidade.
não suficiente para agarrar céu debaixo Tradução de Gílson César Cardoso de Souza. São Paulo.
Pensamento. p.36.
14.10. LIGAÇÕES EXTERNAS 87

[2] TSAI, C. Tao em quadrinhos. Tradução de Maria Clara • 老 子 道 德 經: A paragon ebook, LAO ZI most-
de B. W. Fernandes. Rio de Janeiro. Ediouro. 1997. p. comprehensive ebook for FREE in PDF & HTM
7. format, contains 50 translations in 6 different
layouts, by Sanmayce.
[3] TSAI, C. Tao em quadrinhos. Tradução de Maria Clara
de B. W. Fernandes. Rio de Janeiro. Ediouro. 1997. p.
7.

[4] António M. de Campos, Tao Te King - Livro do Ca-


minho e do Bom Caminhar (tradução direta do Chinês
para o Português, comentários, introdução à filosofia ta-
oista, glossário completo de caracteres). Editora Relógio
d'Água, 2010.

[5] TSAI, C. Tao em quadrinhos. Tradução de Maria Clara


de B. W. Fernandes. Rio de Janeiro. Ediouro. 1997. p.
13-14.

14.8 Bibliografia
• Lao Tse, ISBN 85-7279-065-9, Editora Ordem do
Graal na Terra

• Rijckenborgh, Jan van. Gnosis Chinesa - Comentá-


rios sobre o Tao te King (em português). [S.l.]: Ro-
sacruz (atual Pentagrama Publicações), 2006. 978-
85-62923-00-5 - Download completo gratuito

• Lao Tse, Tao-te King, texto e comentário de Richard


Wilhelm. Editora Pensamento.

• Wu Jyh Cherng, Tao Te Ching - O Livro do Caminho


e da Virtude de Lao Tse (tradução direta do chinês
para o português). Editora Mauad.

14.9 Ver também


• Tao

• I Ching

• Tai Chi Chuan

14.10 Ligações externas

14.10.1 Textos
• de Stephen Mitchell.

• O Escrito do Curso e da Sua Virtude de Mário Bruno


Sproviero que contêm também o texto em chinês

• Tradução em português pela comunidade do Wiki-


source

• 老 子 Lǎozĭ 道 德 經 Dàodéjīng Chi-


nese+English+German
Capítulo 15

Sun Tzu

Sun Tzu (chinês simplificado: 孙武; chinês tradicional:


孫 武; pinyin: Sūn Wǔ) (544 a.C. - 496 a.C.) foi um
general, estrategista e filósofo chinês. Sun Tzu é mais co-
nhecido por sua obra A Arte da Guerra, composta por 13
capítulos de estratégias militares.
Sun Tzu, também grafado como Sun Tze ou Sun Wu em
outras traduções, foi uma figura histórica cuja existência é
questionada por vários historiadores. Tradicionalmente,
Sun Tzu terá vivido no Período das Primaveras e Outo-
nos da China (722 a.C. – 481 a.C.) como general do Rei
Hu Lu. Historiadores mais recentes, que admitem a sua
existência, datam o seu trabalho, A Arte da Guerra, do
Período dos Reinos Combatentes (476 a.C. – 221 a.C.),
baseado nas descrições da guerra desse livro, e pela seme-
lhança da forma de redação do texto com outros trabalhos
feitos no início do período dos Reinos Combatentes.* [1]
Os historiadores mais tradicionais acreditam que o seu
descendente, Sun Pin, também escreveu um tratado so-
bre tácticas militares, intitulado A Arte da Guerra de Sun
Pin. Ambos são mencionados como Sun Tzu nos textos
tradicionas chineses, e alguns historiadores acreditavam
que Sun Wu era de facto Sun Pin até à descoberta dos
seus trabalhos, em 1972. Durante os séculos XIX e XX,
A Arte da Guerra de Sun Tzu, ganhou grande populari-
dade sendo adaptado na prática pelo mundo Ocidental,
continuando os seus trabalhos a influenciar as culturas e
políticas tanto dos mundos Asiático como do Ocidental.
Estátua de Sun Tzu em Yurihama, Tottori, Japão

mais lidos na sequência do Período dos Reinos Comba-


15.1 Biografia tentes (475 a.C.–221 a.C.), um período de guerras contí-
nuas entre sete nações (Zhao, Qi, Qin, Chu, Han, Wei e
As referências mais antigas sobre o local de nascimento Yan) que lutaram para controlarem os vastos férteis ter-
de Sun Tzu não são concordantes. Os Anais de Prima- ritórios da zona Este da China.* [4]
vera e Outono referem que Sun Tzu nasceu em Qi,* [2] Uma das histórias mais conhecidas sobre Sun Tzu, do
enquanto que os Registros do Historiador (Shiji) descre- Shiji, descreve o seu temperamento da seguinte forma:
vem que Sun Tzu teria nascido em Wu.* [3] ante de contratar Sun Tzu, o rei de Wu testou as suas
Ambas as fontes estão de acordo em que Sun Tzu nas- capacidades ordenando que treinasse um harém de 180
ceu no Período das Primaveras e Outonos da China (722 concubinas para que elas se tornassem em soldados. Sun
a.C.–481 a.C.), e que exerceu as suas funções como ge- Tzu dividiu-as em duas companhias, escolhendo para as
neral e estrategista, ao serviço do rei Hu Lu, do estado comandar as duas concubinas preferidas do rei. Quando
de Wu, no final do século VI a.C. início de 512 a.C.. As Sun Tzu lhes ordenou que se colocassem de face no chão,
vitórias de Sun Tzu inspiraram-no a escrever a Arte da elas riram-se. Como reacção, Sun Tzu disse que o gene-
Guerra. A Arte da Guerra foi um dos tratados militares ral, ele próprio, era responsável por assegurar que os sol-

88
15.2. A ARTE DA GUERRA 89

dados entendiam as suas ordens. De novo, Sun Tzu dá- qual a identidade do autor ou autores, mas, descobertas
lhes a mesma ordem e, de novo, elas riram-se. Então, Sun arqueológicas provaram que esta obra terá o actual con-
Tzu ordenou que executassem as duas concubinas prefe- teúdo apenas desde o início da Dinastia Han (206 a.C. –
ridas do rei, contra os protestos deste. Sun Tzu explicou 220).* [8] Por ser impossível provar de forma incontes-
ao rei que se os soldados compreendiam as ordens mas tável a data de finalização destes textos, antes daquelas
não as cumpriam, então a culpa era dos oficiais. Sun Tzu datas, as diferentes teorias à cerca do seu autor e da data
acrescentou que, quando um general é nomeado, é seu da obra, talvez nunca venham a ser resolvidas.* [9] Al-
dever cumprir a sua missão, mesmo que o rei protestasse. guns estudiosos acreditam que, contrariamente à crença
Após a execução das duas concubinas, foram escolhidos popular, esta obra contém não só os textos do autor origi-
novos oficiais para as substituir. Após este episódio, am- nal, mas também comentários e explicações de filósofos
bas as companhias passaram a executar as suas ordens militares como Li Quan e Du Mu.
sem qualquer falha.* [5] Dos textos militares escritos antes unificação China no
Os Shiji referem que mais tarde Sun Tzu provou em ba-século II a.C., sobreviveram seis, onde se inclui A Arte
talha que as suas teorias eram eficazes (por exemplo, na
da Guerra. Em meados da Dinastia Song, estes seis tra-
Batalha de Boju), que ele tinha uma carreira militar de
balhos foram compilados com um texto da Dinastia Tang
sucesso e que ele escreveu A Arte da Guerra baseada na
numa obra designada por Sete Clássicos Militares. Como
sua experiência prática.* [5] No entanto, Zuo Zhuan, um
peça central deste trabalho, A Arte da Guerra criou as
texto antigo que descreve pormenorizadamente a Batalha
fundações da da teoria militar ortodoxa na China. Para
de Boju, não faz qualquer referência a Sun Tzu.* [6] ilustrar esta perspectiva, a leitura deste livro era obriga-
Sun Pin, descendente de Sun Tzu, também se tornou um tória para passar nos exames *necessários para nomeação
famoso estudioso das artes militares.* [5] imperial a posições militares. [10]
De acordo com Simpkins & Simpkins, a obra de Sun Tzu
utiliza linguagem que pode não ser muito usual num texto
15.2 A Arte da Guerra militar ocidental sobre guerra e estratégia. Por exemplo,
o capítulo 11º afirma que um líder deve ser «sereno e in-
questionável» e capaz de compreender «planos de difícil
compreensão». Eles afirmam que o texto contém anota-
ções que há muito confundem leitores ocidentais que não
possuem conhecimentos sobre o pensamento religioso do
leste asiático. O significado daquelas anotações torna-se
claro quando interpretado no contexto da prática e pensa-
mento taoísta. Sun Tzu via o general perfeito um mestre
taoísta iluminado, o que levou a que A Arte da Guerra
fosse considerada como um exemplo cimeiro de estraté-
gia taoísta.* [11]
Esta obra não só é popular entre teóricos militares, mas
também tem vindo a crescer de interesse, e a ser utili-
zado, no campo político, em particular os seus líderes,
e no mundo empresarial. Embora o seu título remeta
para a guerra, este livro descreve o conceito de estra-
tégia de um modo amplo, abrangendo o planeamento e
a administração pública. O texto estabelece teorias de
batalha, mas também defende a diplomacia e o relacio-
namento com outros povos como factores essenciais ao
bem-estar do Estado.* [7]
Em 1972, estudiosos descobriram uma colecção de tex-
tos antigos escritos em tiras de bambú. Entre eles esta-
Uma versão em bambu de A Arte da Guerra
vam A Arte da Guerra e os Métodos Militares, de Sun Pin.
A descoberta dos trabalhos de Sun Pin é considerada ex-
A Arte da Guerra (chinês tradicional: 孫子兵法; chinês
tremamente importante em parte pela sua relação com
simplificado: 孙子兵法; pinyin: Sūnzǐ Bīng Fǎ) é atri-
Sun Tzu e, por outro lado, pelo contributo adicional que
buída a Sun Tzu. Representa uma filosofia de guerra para
dá à doutrina militar da China antiga. A descoberta como
gerir conflitos e vencer batalhas. É aceite como obra-
um todo vem aumentar, significativamente, o conjunto
prima em estratégia e frequentemente citada e referida
de teorias militares sobreviventes do Período dos Reinos
por teóricos e generais, desde que foi publicada, tradu-
Combatentes. O tratado de Sun Pin é o único texto mili-
zida e distribuída por todo o mundo..* [7]
tar conhecido deste período descoberto no século XX, e
Existem muitas teorias sobre quando terá sido escrita e
90 CAPÍTULO 15. SUN TZU

é semelhante ao A Arte da Guerra.* [12] popular entre os seus generais. O livro contribuiu, tam-
bém, para a unificação do Japão. O domínio do livro era
reconhecido e apreciado entre os samurai, e os seus ensi-
namentos eram transmitidos e exemplificados por daimyo
15.3 Autenticidade histórica e shogun, como Oda Nobunaga, Toyotomi Hideyoshi, e
Tokugawa Ieyasu.* [16]
Alguns historiadores duvidam da existência de Sun Tzu
O Almirante de Armada Tōgō Heihachirō, que liderou
e da data habitual atribuída à sua obra, A Arte da Guerra.
as forças japonesas na vitória contra a Rússia na Guerra
O seu cepticismo é alimentado por diversos factores que
Russo-Japonesa, era um ávido leitor desta obra.* [17]
incluem possíveis incorrecções históricas e anacronismos
no texto, tal como a possibilidade da execução das con- O líder comunista Mao Tsé-Tung afirmou que parte da
cubinas favoritas do rei. Este cepticismo, que por vezes sua vitória sobre Chiang Kai-shek e o Kuomintang em
leva a uma negação total da existência de uma figura his- 1949 se deveu A Arte da Guerra. O livro influenciou bas-
tórica de nome Sun Wu (Sun Tzu), tem originado acesos tante os textos de Mao sobre a guerra de guerrilha que,
debates entre cépticos e tradicionalistas, em especial na mais tarde, influenciaram as revoltas comunistas por todo
China. A atribuição da autoria desta obra varia entre os o mundo.* [16]
historiadores: desde Sun; a um estudioso Chu Wu Zixu; O general Vo Nguyen Giap, o militar responsável pela vi-
um autor desconhecido; uma escola de pensamento em tória sobre os franceses e norte-americanos na Guerra do
Qi ou Wu; Sun Pin; e outros.* [13] Vietnam, era um acérrimo estudioso das ideias de Sun
Os mais tradicionalistas atribuiem a autoria da presente Tzu, colocando-as efectivamente na prática. A derrota
obra a Sun Wu, que é referenciado nos Registros do His- dos Estados Unidos, mais do que o seu peso social e mili-
toriador e em Os Anais de Primavera e Outono. Sun Wu tar, chamou a atenção dos militares americanos para a fi-
tem vasta actividade entre o século VI a.C. e o início de gura de Sun Tzu e dos ensinamentos. Ho Chi Minh tradu-
512 a.C.. A referência de alguns factos em A Arte da ziu a obra para estudo dos oficiais vietnamitas.* [18]* [19]
Guerra em outros textos históricos, é considerada como O Departamento do Exército dos Estados Unidos, atra-
a prova da sua autenticidade e existência, assim como au- vés do seu orgão máximo de decisão, ordenou a todas as
toria do livro. Alguns conceitos estratégicos, tais como unidades que tivessem nas bibliotecas das suas sedes li-
a classificação dos terrenos, são atribuídos a Sun Tzu. A vros sobre a arte da guerra para estudo do seu pessoal.
sua utilização em outros trabalhos, como Os Métodos de A Arte da Guerra é um exemplo de uma obra para estar
Sima, são considerados como prova da sua autenticidade presente em todas as unidades, e os oficiais são obriga-
histórica.* [14] dos a preparar apresentações sobre a análise que fazem
Por seu lado, os mais cépticos apontam alguns proble- ao livro.* [20]
mas nos pontos de vista dos tradicionalistas, nomeada- A obra de Sun Tzu está incluída nas leituras dos
mente anacronismos em termos, tecnologia, ideias filo- Marines(Marine Corps Professional Reading Program
sóficas, acontecimentos e técnicas militares. Colocam nova designação para Commandant's Reading List).* [21]
em causa algumas disparidades entre guerras de grande Durante a Guerra do Golfo na década de 90, ambos os ge-
dimensão e técnicas sofisticadas descritas nos textos, e nerais Norman Schwarzkopf e Colin Powell puseram prá-
aquelas pequenas e mais primitivas batalhas que muitos tica os princípios engano, velocidade e ataque aos pontos
acreditam que eram predominantes no século VI a.C.. No fracos do inimigo.* [16]
entanto, de acordo com Ralph D. Sawyer, é muito pro-
vável que Sun Tzu tenha existido, não só como general, Mark McNeilly escreveu no livro Sun Tzu and the Art of
mas que tenha escrito os princípios do livro a ele atri- Modern Warfare que uma interpretação mais moderna de
buído.* [15] Sawyer defende que os ensinamentos servi- Sun Tzu, e a sua importância através da história da China,
riam para passar de geração para geração dentro da famí- é essencial para a compreensão da ascensão como potên-
lia ou em pequenas escolas de discípulos, onde se inclui cia mundial da China, no século XXI. Os actuais histori-
Sun Pin, tendo sido revistos e expandidos desde a sua cri- adores chineses baseiam-se em ensinamentos de estraté-
ação.* [15] gia históricos e n'A Arte da Guerra no desenvolvimento
das suas teorias, estabelecendo uma relação directa en-
tre as suas actuais lutas e aquelas da China no tempo de
Sun Tzu. Os ensinamentos de Sun Tzu, e de outros es-
15.4 Legado critores tradicionais, têm uma grande influência sobre o
desenvolvimento das actuais estratégias da China e dos
A Arte da Guerra de Sun Tzu influenciou muitas figuras seu líderes.* [22]
históricas. Segundo a tradição, o primeiro imperador da
China unififcada, Qin Shi Huang, considerava que o livro
tinha um valor incalculável, no final do Período dos Rei-
nos Combatentes. O livro foi introduzido no Japão por
volta do ano de 760, e rapidamente se tornou bastante
15.7. VER TAMBÉM 91

15.5 Referências • McNeilly, Mark R. (2001), Sun Tzu and the Art of
Modern Warfare, Oxford University Press, ISBN 0-
[1] Sawyer 2007, pp. 421–422 19-513340-4.

[2] Sawyer 2007, p. 151 • Sawyer, Ralph D. (1994), The Art of War, Westview
Press, ISBN 0-8133-1951-X.
[3] Sawyer 2007, pp. 153
• Sawyer, Ralph D. (2005), The Essential Art of War,
[4] McNeilly 2001, pp. 3–4
Basic Books, ISBN 0-465-07204-6.
[5] Bradford 2000, pp. 134–135
• Sawyer, Ralph D. (2007), The Seven Military Clas-
[6] Zuo Qiuming. BOOK XI. DUKE DING (em chinese e sics of Ancient Classics, Basic Books, ISBN 0-465-
English) Zuo Zhuan. Visitado em 1 de Abril de 2012. 00304-4.
[7] McNeilly 2001, p. 5 • Simpkins, Annellen; Simpkins, C. Alexander
(1999), Taoism: A Guide to Living in the Balance,
[8] Sawyer 2007, p. 423
Tuttle Publishing, ISBN 978-0-8048-3173-4.
[9] Sawyer 2007, pp. 150
• Tung, R.L. (2001), “Strategic Management
[10] Sawyer 1994, pp. 13–14 Thought in East Asia”, in Warner, Malcolm,
Comparative Management:Critical Perspectives on
[11] Simpkins & Simpkins 1999, pp. 131–33
Business and Management, 3, Routledge, ISBN
[12] Sawyer 1994, p. 14 0-415-13263-0.

[13] Sawyer 2005, pp. 34–35

[14] Sawyer 1993, pp. 149–150 15.7 Ver também


[15] Sawyer, Ralph D. (2007), The Seven Military Classics of
Ancient China, New York: Basic Books, pp. 150–151, • A Arte da Guerra, livro de estratégia militar escrito
ISBN 0-465-00304-4 por Sun Tzu.

[16] McNeilly 2001, pp. 6–7 • A Arte da Guerra, livro de estratégia militar escrito
por Nicolau Maquiavel.
[17] Tung 2001, p. 805
• O Livro dos Cinco Anéis, livro de estratégia militar
[18] Interview with Dr. William Duiker Sonshi.com. Visitado escrito por Miyamoto Musashi.
em February 5, 2011.

[19] "Learning from Sun Tzu, Military Review, May–June


2003", Military Review. 15.8 Ligações externas
[20] Army, U. S. (no date (1985?)), Military History and Pro-
fessional Development, U. S. Army Command and Ge- • The Art of War, por Sun Tzu, tradução em inglês do
neral Staff College, Fort Leavenworth, Kansas: Combat livro A Arte da Guerra.
Studies Institute, 85-CSI-21 85 A Arte da Guerra é men-
cionada para aquisição por cada unidade na página 18 de • A Arte da Guerra, eBook em português.
Military History Libraries for Duty Personnel
• A Arte da Guerra aplicada na Guerra do Vietnã.
[21] Marine Corps Professional Reading Program Official U.S.
Marine Corps Web Site.

[22] McNeilly 2001, p. 7

15.6 Bibliografia
• Bradford, Alfred S. (2000), With Arrow, Sword, and
Spear: A History of Warfare in the Ancient World,
Greenwood Publishing Group, ISBN 0-275-95259-
2.

• Hanzhang, Tao; Wilkinson, Robert (1998), The Art


of War, Wordsworth Editions, ISBN 978-1-85326-
779-6.
Capítulo 16

A Arte da Guerra

A Arte da Guerra (chinês: 孫子兵法; pinyin: sūn zĭ sim, o livro migrou das estantes dos estrategistas para as
bīng fǎ literalmente “Estratégia Militar de Sun Tzu” do economista e do administrador* [1]
), é um tratado militar escrito durante o século IV a.C. Embora as táticas bélicas tenham mudado desde a época
pelo estrategista conhecido como Sun Tzu. O tratado é de Sun Tzu, esse tratado teria influenciado, segundo
composto por treze capítulos, cada qual abordando um a Enciclopédia Britânica, certos estrategistas modernos
aspecto da estratégia de guerra, de modo a compor um como Mao Tsé-Tung, em sua luta contra os japoneses e
panorama de todos os eventos e estratégias que devem
os chineses nacionalistas.
ser abordados em um combate racional. Acredita-se que
o livro tenha sido usado por diversos estrategistas milita- Inclusive encontra-se nos escritos militares de Mao-Tse-
res através da história como Napoleão, Zhuge Liang, Cao Tung citações do livro A Arte da Guerra de Sun Tzu.
Cao, Takeda Shingen, Vo Nguyen Giap e Mao Tse Tung. O general brasileiro Alberto Mendes Cardoso chamou o
Desde 1772 existem edições europeias (quatro traduções livro do Sun Tzu de clássico militar.
russas, uma alemã, cinco em inglês), apesar de serem
consideradas insatisfatórias. A primeira edição ociden-
tal tida como uma tradução fidedigna data de 1927.
A Arte da Guerra foi traduzido para o português por Caio
16.1 A guerra na época de Sun Tzu
Fernando Abreu e Miriam Paglia (1995).
Só poderemos apreciar a originalidade do pensamento
Apesar da antiguidade da obra, nenhuma obra ou tratado
de Sun Tzu se dispusermos de uma noção das diferen-
é tão completo e tão atual quanto A Arte da Guerra.
ças qualitativas entre as artes de guerrear nos séculos IV
Com seu caráter sentencioso, Sun Tzu forja a figura de um e V e as de períodos anteriores. Até 500 a.C., a guerra
general cujas qualidades são o segredo, a dissimulação e era, de certo modo, ritual. Efetuavam-se campanhas sa-
a surpresa. zonais, em conformidade com um código mais ou menos
estabelecido. Estavam proibidas as hostilidades durante
os meses das sementeiras e das colheitas, enquanto no in-
verno os camponeses semi-hibernavam nas suas cabanas
de tijolos, sendo o frio demasiado para se poder comba-
ter. Também no verão era quente demais. Teoricamente,
pelo menos, as guerras eram interrompidas durante os
meses de nojo que se seguiam à morte de um senhor feu-
dal. Em combate, não era correto bater em homens ve-
lhos ou aplicar qualquer golpe a quem já estivesse ferido.
O governante de boa índole não “massacrava cidades”
, não “emboscava exércitos adversários”, nem levava
a guerra para além da estação própria, e nenhum prín-
cipe que se prezasse se baixava a qualquer dissimulação
ou aproveitaria qualquer oportunidade desleal.
Quando o rei Chuang, de Ch'u, cercava a capital de Sung,
em 594 a.C., a certa altura os mantimentos começaram
a escassear, tendo o seu ministro da Guerra observado:
Edição de bolso americana de A Arte da Guerra. “Se os mantimentos nos acabam antes de subjugarmos a
cidade, teremos de voltar para casa”.
Hoje, A Arte da Guerra parece destinado a secundar ou- O rei mandou que Tzu-fan subisse a rampa encostada à
tra guerra: a das empresas no mundo dos negócios. As- muralha da cidade para apreciar os sitiados.

92
16.1. A GUERRA NA ÉPOCA DE SUN TZU 93

O príncipe de Sung enviou o seu ministro, Hua-Yuan, à eram elementos da aristocracia hereditária, refletindo a
muralha para o interceptar, tendo entre os dois ocorrido graduação na hierarquia militar a posição na sociedade
a seguinte troca de impressões: feudal. Maspero ilustrou essa questão num interessante
Tzu-fan: “Como vão as coisas por aí?" estudo, onde demonstrou ter o comando dos exércitos do
Centro de Chin sido, durante um século, a partir de 573
Hua-Yuan: “Estamos exaustos. Trocamos as crianças e a.C., monopólio de algumas poucas famílias.
comemo-las; partimo-lhes os ossos e os chupamos”.
Os exércitos da China antiga eram particulares, tal como
Tzu-fan: “Céus! Estão mesmo apertados! No entanto, as levas feudais europeias o foram. A pedido do sobe-
tinham me dito que nas cidades cercadas era costume rano, esperava-se que os elementos da nobreza concor-
amordaçar os cavalos, quando lhes davam de comer, e ressem com determinado número de carros, cavalos, car-
enviar somente os ainda gordos ao encontro do inimigo. roças, bois, peões, cozinheiros e carregadores. O tama-
Como poderá o senhor ser tão franco?". nho e o gênero desses contingentes variavam de confor-
Hua-Yuan: “Consta-me que um homem superior sente midade com a importância dos feudos, que, oscilando en-
compaixão quando vê outro sofrer e que o homem infe- tre poucas vintenas e muitos milhares de famílias, faziam
rior se regozija com o sofrimento de outrem. Por isso fui com que os grupos, ao apresentar-se nos pontos de reu-
franco”. nião fossem, por certo, extremamente variados.

Tzu-fan: “Assim é. O nosso exército tem rações para Como um aldeão valia muito menos do que um boi ou um
apenas sete dias”. cavalo, o seu bem-estar não era motivo de grande preocu-
pação. Os servos, analfabetos e dóceis, tinham lugar de
Tzu-fan informou o rei Chuang da conversa, e este pouca importância nas batalhas do tempo, onde o papel
perguntou-lhe: “Como estão eles?" principal pertencia aos carros, quadrigas, equipadas com
Tzu-fan: “Exaustos. Trocam as crianças, comem-nas e cocheiro, um lanceiro e um arqueiro nobre. Os dispen-
partem-lhes os ossos para os chuparem”. sáveis aldeões, geralmente protegidos por jaquetas esto-
fadas, agrupavam-se em torno dos carros. Um pequeno
Rei Chuang:“Céus! Estão mesmo apertados! Resta-nos
grupo de alguns selecionados entre eles dispunha de es-
vencê-los e regressarmos”.
cudos de bambu entrançado ou, às vezes, de altamente
Tzu-fan: "É impossível. Já lhes disse que o nosso exército incómodo e rudemente curtido couro de boi ou de rino-
só tem rações para apenas sete dias”. ceronte. O seu armamento consistia em adagas ou espa-
Rei Chuang, zangado: “Mandei-te observá-los. Por que das curtas, lanças de ponta de bronze e ganchos e lâminas
lhes disseste isso?". cortantes atados com tiras de couro a varas de madeira.
O arco era arma só para nobres.
Tzu-fan: “Se um Estado tão pequeno como Sung ainda
dispõe de um súdito incapaz de mentir, como poderá Ch'u O terreno apropriado aos carros ditava e restringia o de-
não ter um também? Foi por isso que lhe falei a verdade” correr da luta, limitando simultaneamente os elementos
. táticos. A estrutura feudal não admitia a existência de
oficiais não originários da nobreza.
Rei Chuang:“Mesmo assim vamos vencê-los e regressar”
. As batalhas na China de antanho eram primitivas refre-
gas, que a nada conduziam na maior parte dos casos. Usu-
Tzu-fan: “Fique Vossa Majestade aqui. Eu, se mo per- almente, os opositores assentavam arraiais frente a frente,
mitirdes, voltarei para casa”. assim se conservando durante vários dias, enquanto os
Rei Chuang: “Se fores para casa, deixando-me, com adivinhos examinavam augúrios e os respectivos coman-
quem ficarei? Eu regressarei, como desejas”. dantes executavam sacrifícios propiciatórios.
E assim fez, acompanhando-o o Exército. Quando o auspicioso momento escolhido pelos vaticina-
dores chegava, toda a hoste, com gritaria que deveria fa-
Os homens superiores apreciam fazer as pazes. Hua- zer estremecer os céus, se lançava desordenadamente so-
Yuan contara a verdade a Tzu-fan, conseguindo que o bre o inimigo. Uma vez no local logo se chegava a uma
cerco fosse levantado, mantendo-se intacta a integridade decisão: ou o atacante era repelido e a sua retirada permi-
dos dois Estados. tida, ou conseguia romper as formações contrárias, ma-
Os filósofos e os reis faziam distinção entre guerras corre-tava aqueles ainda com disposição para oferecerem opo-
tas e guerras incorretas. Era moralmente correto a qual- sição ativa, perseguia os fugitivos ao longo de umas cen-
quer príncipe esclarecido atacar “uma nação rústica e tenas de metros, pilhava o que de valor houvesse e re-
obscura”, civilizar os bárbaros, punir aqueles que volun- gressava ao acampamento ou à sua capital. Raramente
tariamente desejavam manter-se na cegueira, ou suma- se explorava qualquer vitória. Quando muito, apenas al-
riamente arrumar um Estado em degradação. Tais cas- gumas ações limitadas e com objetivos limitados eram
tigos, em perfeito acordo com a vontade do Céu, eram levadas a efeito.
executados pelo próprio governante ou por um ministro Pouco antes de 500 a.C, os conceitos moderando o guer-
por ele delegado. Os comandantes das diferentes colunas rear principiaram a alterar-se. A guerra tornava-se mais
94 CAPÍTULO 16. A ARTE DA GUERRA

feroz. Uma batalha travada em 518 a.C. entre exércitos operações perfeitamente orientadas. Nem os avançavam
de Wu e Ch'u retrata-nos macabramente tais mudanças. desapoiados, nem os covardes debandavam.
Foi aqui que o visconde de Wu ordenou que três mil ho- Elementos dos novos exércitos, capazes de movimentos
mens condenados se alinhassem frente às suas formações, coordenados e de acordo com planos preestabelecidos,
onde, à vista das hostes inimigas, todos se suicidaram cor- funcionavam segundo sinais sistemáticos.
tando a garganta. Os exércitos de Ch'u e dos seus aliados,
aterrados, debandaram. A ciência (ou arte) da tática havia nascido. O inimigo
atacado por uma unidade cheng (ortodoxa) era vencido
Quando Sun Tzu surgiu, a estrutura feudal, ou, melhor, os pelas unidades ch'i (não ortodoxa, única, rara, maravi-
seus últimos resquícios de degradação, já ia sendo substi- lhosa), sendo o costumeiro cheng agarrar-se ou fixar-se
tuída por um tipo completamente diferente de sociedade, ao terreno, enquanto as unidades ch'i atacavam os flancos
onde o indivíduo de talento usufruía de muito mais possi- e a retaguarda. Os movimentos de diversão passaram a
bilidades. A evolução era gradual, mas verificava-se em assumir grande importância e o sistema de comunicações
todos os campos, incluindo o militar. A originalidade e do adversário, a ser um dos principais objetivos.
o empreendimento traziam recompensas…
Muito embora não saibamos responder a muitas questões
Uma vez que as levas transitórias de antes, de pouca con- relativas a pormenores táticos, sabemos, pelo menos, que
fiança e ineficientes, já não eram consideradas como ade- os fatores tempo e espaço eram calculados com perfeição.
quadas, os grandes Estados passaram a dispor de exérci- A convergência de várias colunas sobre um objetivo pre-
tos permanentes, comandados por oficiais profissionais. estabelecido fazia parte de uma técnica que os chineses
O sistema de mobilização foi introduzido junto dos cam- do tempo de Sun Tzu dominavam admiravelmente.
poneses. Os novos exércitos passaram a ser constituídos
por tropas disciplinadas e bem preparadas, às quais se O conceito de "Estado-maior" teve a sua origem na era
acresciam recrutas com idades variando entre os 16 e os dos Estados Guerreiros. Estes Estados-maiores incluíam
60 anos. À frente desses exércitos havia tropas de escol, inúmeros especialistas, previsores meteorológicos, car-
ou de choque, especialmente escolhidas pela sua valen- tógrafos, oficiais comissários e engenheiros de túneis e
tia, habilidade, disciplina e lealdade. A primeira das for- minas. Havia ainda peritos na travessia de rios, de ope-
mações desse género apareceu cerca do ano de 500 a.C., rações anfíbias, de inundações, de ataques com fogo e da
chamando sobre si atenção suficiente para que Mo Tzu utilização de fumo.
comentasse que o rei Ho-lü havia treinado as suas tropas Já que o âmago do exército era composto por profissionais
durante sete anos, podendo os seus grupos de escol mar- bem treinados, representando um pesado investimento,
char 300 li (mais ou menos 180 km) sem descansar! Os grande atenção era dada ao moral e à correta alimentação
“guardas”de Ch'u envergavam armadura e elmos, usa- das tropas, aos prémios e aos castigos, esses últimos cla-
vam bestas com quinze virotes emplumados, pontas de ramente codificados e com equidade concedidos ou ad-
virote extra, espadas e um suprimento de arroz seco bas- ministrados. O espírito do exército era, pois, acarinhado
tante para três dias. Na mesma ocasião surgiram unida- a ponto de, às ordens dos seus comandantes, os homens
des mais ligeiras também. Com exércitos permanentes, se sentirem dispostos a atirar-se sobre o ferro e o fogo.
dessa forma constituídos, as operações deixaram de ser Os soldados que se distinguiam eram galardoados e pro-
sazonais, podendo passar a ser levadas a cabo muito mais movidos. Tudo isso, lenta mas inexoravelmente, seguia
rapidamente e a representar ameaças bem mais constan- minando a oposição da hierarquia hereditária na tropa.
tes para os adversários em potência.
A doutrina de uma responsabilidade coletiva durante as
O tempo dos bravos e dos guerreiros, cuja farra provi- batalhas deve ter nascido a essa altura. Os comandantes
nha de proezas individuais, acabara. Combates singula- que renunciassem sem autorização eram executados. Se
res, característica própria de todas as sociedades feudais, uma seção batesse em retirada e o seu chefe prosseguisse
poderiam ainda ocorrer aqui e além. Simplesmente, os lutando, aqueles que o haviam abandonado eram suma-
generais recusavam-se a fazê-lo agora eles próprios. riamente decapitados. Se um comandante de coluna ou
Quando Wu Ch'i lutou contra Ch'in, houve um oficial brigada recuasse sem ordens para tal, ficava sem a cabeça.
que, antes de a batalha se iniciar, não pôde refrear Mesmo assim, a promulgação de códigos militares, por
o seu ímpeto. Adiantou-se, cortou algumas cabeças muito severos que fossem, correspondia a um passo em
e regressou às suas linhas. Wu Ch'i mandou que o frente, e, se é certo que alguns generais os faziam cumprir
decapitassem. implacavelmente, outros havia que reconheciam que um
arbitrarismo aterrorizante não era o melhor modo de criar
O comissário do Exército admoestou-o: “Trata-se de a vontade de combater. A profissionalização dos exérci-
um oficial de talento. Não o deveríeis decapitar”. tos abria as portas a gente talentosa e, ao mesmo tempo,
Wu Ch'i contestou: “Acredito que seja talentoso, mas ia inibindo generais e oficiais quanto à prática de castigos
é desobediente”. incrivelmente cruéis e exigências exageradamente desne-
cessárias.
Ordenou depois execução do castigo.
As batalhas tinham-se mudado, transformando-se em É claro que nem todos os generais do século IV a.C. atin-
16.1. A GUERRA NA ÉPOCA DE SUN TZU 95

giram as suas altas posições em virtude da sua habili- tes repletos de bordados flutuando ao vento. Esses, deco-
dade. Era no entanto possível a um homem de valor as- rados com tigres, aves, dragões, serpentes, fênix e tarta-
cender a postos de comando, independentemente da sua rugas, apontavam a localização do comandante-chefe um
origem, aristocrática ou não, e receber, em investidura pouco atrás do centro e da dos generais comandantes das
cerimonial, a acha-de-armas simbolizando a sua posição alas. Movimentações contínuas perturbavam o inimigo e
de comandante-chefe, com autoridade suprema quando colhiam oportunidades para atuações ch'i contra os seus
fora da capital. A administração do exército e a sua utili- flancos e retaguarda.
zação operacional caber-lhe-iam desse momento em di- A organização descrita por Sun Tzu dava grande mobi-
ante. Quando um general passava para além das frontei-
lidade às forças em marcha, ao mesmo tempo que a sua
ras, havia mesmo algumas ordens do seu soberano que grande articulação tornava possível um rápido desdobra-
poderia esquecer. Perante os seus oficiais, porém, estava
mento das unidades a entrar na luta. A quina, ou seção de
sujeito à lei militar. cinco homens, tanto podia avançar a par como em fileira.
Melhorias técnicas também influíram na revolução havida E como se distribuía o armamento? Estariam os arquei-
na forma de guerrear na China. A introdução de bestas e ros e os besteiros em contingentes separados ou enqua-
de armas cortantes de ferro de qualidade suficientemente drados em pequenas-seções de um “par”e um “trio"?
alta para poder receber e conservar um bom fio tiveram Esses termos levar-nos-iam a crer que sim, mas, pelas
especial importância. Bem antes de a besta ter aparecido, escassas informações de que dispomos, parece que por
já o arco de reflexão heterogénea era de emprego vulgar. ocasião da batalha de Ma Ling (341 a.C.) agrupavam-se
A besta, invenção chinesa do século IV a.C., disparava separadamente.
pesados virotes, suficientemente fortes para transformar Qual o alcance efetivo dos arcos e das bestas? Mais uma
em passadores quaisquer escudos gregos ou macedônios. vez nos faltam dados, já que os números registrados não
Crê-se terem sido besteiros de grande pontaria quem tor- nos merecem confiança. Dizem-nos, por exemplo, que a
nou o emprego de carros de combate impraticável. besta atingia até 600 passos. Trata-se de um exagero, se
o critério estivesse baseado no alcance mortal. A força
Os exércitos que Sun Tzu conheceu compunham-se de
espadeiros, arqueiros, lanceiros (ou alabardeiros), bestei- da arma era medida pelo número de escudos que podia
atravessar quando disparada de várias centenas de passos.
ros e carros. A cavalaria só surgiria mais tarde, mas cava-
leiros montando sem selas ou estribos já eram emprega- O tipo de escudos não é, porém, descrito, o que torna as
informações sem qualquer valor. Fosse como fosse, eram
dos como batedores e mensageiros. A infantaria servia-se
de dois tipos de lanças, uma com cerca de cinco metros armas poderosas.
e outra com metade desse tamanho. Essas lanças pos- Que os processos de cerco já tinham atingido um está-
suíam um ferro misto, ou seja, uma ponta perfurante, e gio altamente refinado é confirmado pelos diversos frag-
uma segunda lâmina cortante e enganchante. As lanças mentos das obras de Mo Tzu, onde vários maquinismos
nunca serviam como arma de arremesso, visto os chine- e aparelhos destinados ao assalto de cidades muradas são
ses já disporem na besta de uma arma de combate a curta mencionados. Escadas já eram empregadas muitos sé-
distância, de trajetória horizontal, de imensa exatidão e culos antes do seu tempo, e no Livro dos Cânticos há
tremenda força de impacto. menções a torres móveis, de vários andares, que se po-
As operações no terreno eram normalmente feitas a par- diam encostar às muralhas, tal como a “tartarugas”,
tir de campos fortificados, traçados segundo a arquitetura móveis também, para a proteção de mineiros. Quanto a
das cidades chinesas: um quadrado encaixado em barran- cercos, encontram-se mais pormenores no Lvro do Mes-
cos inclinados de terra rodeado por um fosso. Ruas ou tre Shang. Numa cidade cercada, toda a população era
paradas, cruzando-se nos sentidos norte/sul e leste/oeste, mobilizada, e três exércitos criados, sendo um de homens
permitiam linhas de fogo interligadas. No centro, a válidos, que, com provisões abundantes e armas aceradas,
bandeira do comandante-chefe drapeja-va sobre o seu enfrentavam o inimigo, outro de mulheres robustas, que
quartel-general, rodeado pelas tendas engalanadas dos erguiam montes de terra, cavavam tocas-de-lobo e fossos,
e, finalmente, um outro de crianças e velhos, que davam
seus conselheiros e espadeiros de escol, sua guarda pes-
soal. de comer e de beber, e guardavam o gado.

Antes de um exército sair do seu acampamento, formava Em Sun Tzu encontram-se recomendações referentes ao
para escutar as exortações do general, que, trovejando, os reconhecimento tático, à observação, ao patrulhamento
arengaria da justiça da sua causa e denegriria o selvagem dos flancos, todas medidas que tendem a garantir marchas
adversário. Os oficiais manifestariam grande satisfação e e acampamentos seguros. Sondar o inimigo antes da luta
fariam juras e promessas sobre ensanguentados tambores era essencial.
de guerra. Enquanto a tropa bebia vinho, o seu ânimo era Desse modo, no século IV, ou algumas décadas mais
levantado pelos rodopios de dançarinos de espadas. cedo, a guerra na China já havia atingido a maioridade,
Um exército chinês dos Estados Guerreiros em formação estado que manteria, apenas com a oportuna adição da
de combate devia ser um espetáculo impressionante, com cavalaria, por muitas centenas de anos, sem alteração sig-
as suas cerradas fileiras e vintenas e vintenas de estandar- nificativa.
96 CAPÍTULO 16. A ARTE DA GUERRA

Por esses tempos, os, chineses.dispunham de armas, do- operações militares, A Arte da Guerra coloca cinco as-
minavam táticas e técnicas ofensivas e defensivas que pectos que devem ser determinados antes de empreender
lhes permitiriam poder causar muito mais problemas ao qualquer ação: Caminho, o clima, o terreno, a liderança
grande Alexandre do que os gregos, os persas e indianos militar e a disciplina.
lhe causaram. Nesse contexto, o Caminho (Tao) se refere à liderança
civil, ou, antes, ao relacionamento entre a liderança polí-
tica e a população. Tanto na linguagem taoísta como na
16.2 Capítulos confucionista, um governo justo é descrito como “im-
buído pelo Tao”, e Sun Tzu também fala do Caminho
A obra é composta por 13 capítulos: como aquele que “induz o povo a ter o mesmo objetivo
que os líderes”.
1. Planejamento Inicial (始計, pinyin: Shǐjì) O exame do clima, o problema da estação mais propícia
para a ação, também tem relação com o interesse pelo
2. Guerreando (作戰, pinyin: Zuòzhàn)
povo, significando tanto a população em geral quanto os
3. Estratégia ofensiva (謀攻, pinyin: Móugōng) militares. O ponto essencial, aqui, é evitar a interrupção
das atividades produtivas do povo, as quais dependem das
4. Disposições (軍行, pinyin: Jūnxíng) estações, e evadir extremos climáticos que poderiam criar
obstáculo ou prejudicar as tropas no campo de batalha.
5. Energia (兵勢, pinyin: Bīngshì)
O terreno deve ser avaliado em termos de distância, grau
6. Fraquezas e forças (虛實, pinyin: Xūshí) de dificuldade para a locomoção, dimensões e segurança.
7. Manobras (軍爭, pinyin: Jūnzhēng) A utilização de batedores e de guias nativos é importante
nesse ponto porque, como diz o I Ching, “Ir à caça
8. As nove variáveis (九變, pinyin: Jiǔbiàn) sem um guia é perder o dia”. Os critérios oferecidos
por A Arte da Guerra para avaliar os líderes militares
9. Movimentações (行軍, pinyin: Xíngjūn) são as virtudes tradicionais, as mesmas que são recomen-
10. Terreno (地形, pinyin: Dìxíng) dadas pelo Confucionismo e pelo Taoísmo medieval: a
inteligência, a confiabilidade, a humanidade, a coragem
11. As nove variáveis de terreno (九地, pinyin: Jiǔdì) e a austeridade. De acordo com o grande budista Chan,
Fushan: “Humanidade sem inteligência é como ter um
12. Ataques com o emprego de fogo (火 攻, pinyin: campo, mas não ará-lo. Inteligência sem coragem é como
Huǒgōng) ter uma vegetação florescente, mas não limpá-la das er-
13. Utilização de agentes secretos (用間, pinyin: Yòng- vas daninhas. Coragem sem humanidade é saber colher,
jiàn) mas não saber semear.” As outras duas virtudes, a con-
fiabilidade e a austeridade, são as que possibilitam ao lí-
der obter, respectivamente, a lealdade e a obediência das
tropas.
16.3 Entendendo A Arte da Guerra
O quinto elemento a ser avaliado, a disciplina, refere-se à
coerência e à eficiência organizacional. A disciplina está
A Arte da Guerra, obra permeada pelo pensamento
muito ligada à confiabilidade e à austeridade, ambas de-
político e filosofico do Tao Te King, também se iguala ao
sejáveis nos líderes militares, visto que ela utiliza os me-
grande clássico taoísta na estrutura formal, composta por
canismos correspondentes da recompensa e da punição.
uma coleção de aforismos em geral atribuídos a um autor
Muita ênfase é posta na tarefa de estabelecer um sistema
obscuro e quase lendário. Alguns taoístas acreditam que
claro e objetivo de prémios e castigos que seja aceite pe-
o Tao-Te King seja a transmissão de um conhecimento
los guerreiros como justo e imparcial. Este foi um dos
antigo, compilado e elaborado pelo seu “autor”, e não
aspectos mais importantes do Legalismo, uma escola de
que seja uma obra totalmente original. O mesmo pode-se
pensamento que surgiu durante o período dos Estados Be-
dizer de A Arte da Guerra. Seja lá como for, ambos os
licosos e que acentua mais o valor da organização racional
clássicos têm em comum a estrutura geral formada por
do estatuto da lei do que o de um governo feudal perso-
nas centrais que reaparecem ao longo do texto em con-
nalista.
textos diferentes.
Continuando a discussão dessas cinco avaliações, A Arte
1. Planejamento Inicial da Guerra passa a analisar a importância fundamental da
simulação: “Uma operação militar envolve simulação.
Mesmo sendo competente, mostra-te incompetente. Em-
O primeiro capítulo de A Arte da Guerra é dedicado à im-
bora eficiente, aparenta ser ineficiente.Ӄ como o Tao-Te
portância da estratégia. Como o clássico I Ching afirma:
King recomenda: “Quem tem grande habilidade mostra-
“O líder planeja no início, antes de começar a agir”, e
se inapto.” O elemento surpresa, tão necessário para a
“o líder avalia os problemas e os previne.”Em termos de
16.3. ENTENDENDO A ARTE DA GUERRA 97

vitória com o máximo de eficiência, depende de conhe- a possibilidade de vitória, de conformidade com o tema
cer os outros sem ser por eles conhecido, de modo que o de que guerreiros hábeis lutam só quando têm certeza da
segredo e a informação distorcida são considerados artes vitória. De acordo com Sun, os vitoriosos são aqueles
essenciais. que sabem quando lutar e quando não lutar; os que sabem
Falando de maneira geral, a luta corpo a corpo é o úl- quando usar muitas ou poucas tropas; aqueles cujos ofi-
timo recurso do guerreiro habilidoso. Deste, Sun Tzu diz ciais e soldados formam uma unidade compacta; os que
que deve estar preparado e, no entanto, tem de evitar o enfrentam os incautos com preparação; e os que são co-
confronto direto com um adversário destemido. Mestre mandados por generais capazes que não são pressionados
pelo governo.
Sun recomenda que, em vez de dominar o inimigo dire-
tamente, deve-se cansá-lo pela fuga, fomentar a intriga Este último ponto é muito delicado, visto que põe uma
entre seus escalões, manipular seus sentimentos e usar responsabilidade moral e intelectual ainda maior sobre os
sua ira e seu orgulho contra si próprio. Assim, em sín- líderes militares. Enquanto a guerra nunca deve ser de-
tese, a proposição inicial de A Arte da Guerra introduz flagrada pelos militares, como mais adiante se explicará,
os três aspectos principais da arte do guerreiro: o social, mas pelo comando do governo civil, Sun Tzu afirma que
o psicológico e o físico. uma liderança civil ausente que interfere de modo igno-
2. Guerreando rante no comando de campo “afasta a vitória embara-
çando os militares”.
O segundo capítulo de A Arte da Guerra, sobre a batalha,
ressalta as consequências domésticas da guerra, mesmo Novamente, a questão parece ser a do conhecimento; a
da guerra externa. A ênfase é posta sobre a velocidade e premissa de que a liderança militar no campo não deve
a eficiência, com advertências incisivas para não prolon- estar sujeita à interferência do governo civil baseia-se na
gar as operações, especialmente campo adentro. A im- ideia de que a chave para a vitória é o conhecimento pro-
fundo da situação real. Delineando esses cinco modos
portância de se conservar a energia e os recursos materi-
ais recebe atenção particular. Para minimizar o desgaste para determinar qual dos lados tem possibilidade de pre-
valecer sobre o outro, Sun Tzu afirma que quando conhe-
que a guerra causa na economia e na população, Sun Tzu
recomenda a prática de alimentar o inimigo e de usar as cemos a nós mesmos e aos outros nunca estamos em pe-
rigo; quando conhecemos a nós mesmos, mas não aos ou-
forças cativas por meio de um bom tratamento.
tros, temos cinquenta por cento de possibilidade de ven-
3. Estratégia ofensiva cer, e quando não conhecemos a nós próprios nem aos
O terceiro capítulo, planejamento do assédio, também outros, estamos em perigo em qualquer batalha.
acentua a conservação —o objetivo geral é chegar à vi- 4. Disposições
tória mantendo intacto o maior número possível de bens,
sociais e materiais, e não destruindo todas as pessoas e O quarto capítulo de A Arte da Guerra trata da forma-
coisas que estejam no caminho. Neste sentido, Mestre ção, uma das questões mais importantes da estratégia e
Sun afirma que é melhor vencer sem lutar. do combate. Numa postura caracteristicamente taoísta,
Sun Tzu declara que o segredo para a vitória são a adap-
Várias recomendações táticas reforçam este princípio de tabilidade e a inescrutabilidade. Como o comentador Du
conservação geral. Primeiro, por ser desejável vencer Mu explica: “A condição interior do informe é inescru-
sem lutar, Sun Tzu diz que é melhor vencer os adversá- tável, enquanto que a daqueles que adotaram uma forma
rios logo no início das operações, frustrando assim seus específica é claramente manifesta. O inescrutável vence,
planos. Se isso não for possível, Sun Tzu recomenda iso- o manifesto perde.” Neste contexto, a inescrutabilidade
lar o inimigo e torná-lo indefeso. Aqui também poderia não é meramente passiva, não significa apenas afastar-se
parecer que o tempo é essencial, mas, na verdade, velo- ou esconder-se dos outros; significa, sim, a percepção do
cidade não significa pressa, e uma preparação completa que é invisível aos olhos dos outros e a reação a possi-
se faz necessária. Sun Tzu conclui enfatizando que, ob- bilidades ainda não percebidas por aqueles que só obser-
tida a vitória, esta deve ser completa e total, para evitar vam o manifesto. Discernindo oportunidades antes que
os custos de manutenção de uma força de ocupação. sejam visíveis aos outros e agindo com rapidez, o miste-
O capítulo prossegue delineando as estratégias para a rioso guerreiro pode tomar conta da situação antes que as
ação de acordo com o número relativo de protagonistas e coisas se escoem por entre os dedos.
de antagonistas, novamente observando que é mais pru- Seguindo esta linha de raciocínio, Sun Tzu volta a pôr ên-
dente evitar pôr-se em circunstâncias desfavoráveis, se fase na busca da vitória certa pelo conhecimento do mo-
possível. O I Ching diz: "É má fortuna teimar diante mento de agir e de não agir. Torna-te invencível, diz ele,
de circunstâncias insuperáveis.” Além disso, enquanto e enfrenta o adversário no momento em que ele é vul-
a formulação da estratégia depende de uma inteligência nerável: “Os bons guerreiros tomam posição onde não
prévia, é também imperativo adaptar-se às situações re- podem perder e não descuidam das condições que tornam
ais da batalha. Como afirma o I Ching:“Chegando a um o inimigo propenso à derrota.”Revendo essas condições,
impasse, muda; depois de mudar, podes prosseguir.” Em Sun reelabora alguns dos pontos principais para a avali-
seguida, Mestre Sun relaciona cinco modos de averiguar ação das organizações, tais como a disciplina e a ética
98 CAPÍTULO 16. A ARTE DA GUERRA

versus ambição e corrupção. bilidade de alcançar a vitória mudando e adaptando-se


5. Energia de acordo com o inimigo é chamada de genialidade.”
7. Manobras
O tema do capítulo quinto de A Arte da Guerra é a força,
ou o ímpeto, a estrutura dinâmica de um grupo em ação. O sétimo capítulo de A Arte da Guerra, sobre a luta ar-
Aqui, Mestre Sun ressalta as habilidades organizacionais, mada, trata da organização efetiva no campo e das mano-
a coordenação e o uso tanto de métodos de guerra or- bras de combate, e também reintroduz vários dos princi-
todoxos como de guerrilha. Ele enfatiza a mudança e pais temas de Sun Tzu. Começando com a necessidade
a surpresa, empregando variações intermináveis de táti- de informações e preparação, Sun afirma: “Entra em
cas e usando as condições psicológicas do adversário para ação somente depois de fazer a devida avaliação. Aquele
manobrá-lo a posições vulneráveis. que por primeiro avaliar a distância do perto e do longe
A essência do ensinamento de Sun Tzu sobre a força é a vencerá —está é a lei da luta armada.” O I Ching diz:
unidade e a coerência na organização, utilizando a força “Prepara-te, e terás boa fortuna.” Novamente expondo
do ímpeto antes de contar com as qualidades e habilida- sua filosofia tática minimalista/essencialista, caracterís-
des individuais: “Bons guerreiros buscam a eficácia da tica que lhe é muito própria. Sun Tzu continua: “Suga
batalha na força do ímpeto, não em cada pessoa.”É esse a energia do exército adversário, arranca o coração dos
reconhecimento do poder do grupo para equilibrar dispa- seus generais.”Retomando seus ensinamentos sobre a va-
ridades internas e para funcionar como um único corpo cuidade e a plenitude, também afirma: “Evita a energia
de força que distingue A Arte da Guerra do individua- intensa, ataca a moderada e a fugidia.” Para aproveitar
lismo idiossincrático dos espadachins samurais do Japão ao máximo os benefícios dos princípios da vacuidade e da
feudal posterior, cujas artes marciais estilizadas são tão plenitude, Sun ensina quatro tipos de habilidades essenci-
conhecidas no Ocidente. Esta ênfase é uma das caracte- ais ao guerreiro insondável: domínio da energia, domínio
do coração, domínio da força e domínio da adaptação.
rísticas essenciais que tornou a antiga obra de Sun Tzu
tão útil para os guerreiros organizados em corporação da Os princípios da vacuidade e da plenitude também põem
Ásia moderna, entre os quais A Arte da Guerra é ampla- à mostra o mecanismo fundamental dos clássicos princí-
mente lida e ainda hoje considerada o clássico inigualávelpios yin-yang, sobre os quais os primeiros se baseiam, o
de estratégia no conflito. mecanismo da reversão de um para o outro nos extremos.
6. Fraquezas e forças Mestre Sun diz:“Não interrompas a marcha de um exér-
cito em seu retorno para casa. Um exército cercado deve
O capítulo sexto aborda, a questão da “vacuidade e da ter uma saída. Não pressiones um inimigo desesperado.”
plenitude”, já mencionadas como conceitos taoístas fun- O / Ching diz:“O soberano usa três caçadores, deixando
damentais geralmente adaptados às artes marciais. A a caça à frente escapar”, e “se fores muito inflexível, a
ideia é encher-se de energia ao mesmo tempo que se es- ação será mal sucedida, mesmo que estejas certo.”
vazia o oponente. Como Mestre Sun diz, isto é feito para
nos tornarmos invencíveis e para enfrentar os adversá- 8. As nove variáveis
rios somente quando estes são vulneráveis. Uma das mais O capítulo oitavo é dedicado à adaptação, já vista como
simples dessas táticas é muito conhecida não apenas no uma das pedras angulares da arte bélica. Mestre Sun as-
contexto da guerra, mas também na manipulação social severa:“Se os generais não souberem adaptar-se de modo
e dos negócios: “Bons guerreiros atraem o inimigo a si; vantajoso, mesmo que conheçam a disposição do terreno,
não são eles que atacam o inimigo.”Outra função da ines- não conseguirão tirar proveito dela.”O I Ching diz:“Per-
crutabilidade tão intensamente valorizada pelo guerreiro siste intensamente no que está além de tua profundidade, e
taoísta é a que recomenda conservar a própria energia ao tua fidelidade a essa direção trará a desgraça, não o pro-
mesmo tempo que se induz os outros a desperdiçar a sua: veito.”A adaptabilidade depende naturalmente da pronti-
“O objetivo de formar um exército é chegar à não-forma” dão, outro tema que se repete de A Arte da Guerra. Mes-
, diz Mestre Sun; assim, ninguém poderá elaborar uma tre Sun afirma: “O preceito das operações militares é não
estratégia contra ti. Ao mesmo tempo, diz ele, induz o supor que o inimigo não avance, mas dispor de meios para
adversário a organizar suas próprias formações, leva-o a lidar com ele; não confiar que o adversário não ataque,
esparramar-se; testa o oponente para sondar seus recursos mas esperar em ter o que não pode ser atacado.” O I
e reações, mas permanece desconhecido. Ching diz: “Se te sobrecarregares sem ter uma base só-
Neste caso, o informe e o fluido não são apenas meios lida, serás por fim exaurido, o que te trará dificuldades e
de defesa e surpresa, mas meios de preservar o potencial má fortuna.”Em A Arte da Guerra, a prontidão não sig-
dinâmico, a energia que pode ser facilmente perdida por nifica apenas preparação material; sem um estado mental
manter-se numa posição ou formação específica. Mes- apropriado, a mera força física não é suficiente para ga-
tre Sun compara uma força bem-sucedida à água, que rantir a vitória. Mestre Sun define indiretamente as con-
não tem forma constante, mas que, como observa o Tao- dições psicológicas do líder vitorioso, enumerando cinco
Te-King, prevalece sobre tudo a despeito de sua fraqueza perigos —ter muita disposição para morrer, ter muita an-
aparente. Sun afirma: “Uma força militar não tem for- siedade de viver, encolerizar-se com muita rapidez, ser
mação constante, a água não tem forma constante. A ha- puritano ou sentimental demais. Mestre Sun afirma que
16.3. ENTENDENDO A ARTE DA GUERRA 99

qualquer um desses excessos cria pontos vulneráveis que disso, ampliando a metáfora, Mestre Sun também adverte
podem ser facilmente explorados por adversários astutos. contra ser abertamente indulgente, o que traria como con-
O I Ching diz: “Ao aguardar à beira de uma situação, sequência tropas semelhantes a crianças mimadas. Este
antes que o tempo adequado para entrar em ação che- capítulo ressalta também a inteligência, no sentido de co-
gue, mantém-te alerta e evita ceder ao impulso —assim nhecimento preparatório. Sua definição inclui de modo
fazendo, não errarás.” particular a percepção clara das capacidades das próprias
9. Movimentações forças, da vulnerabilidade do adversário e da disposição
do terreno: “Quando conheces a ti mesmo e aos outros,
O capítulo nono trata de exércitos em manobras estraté- a vitória não está ameaçada; quando conheces o céu e a
gicas. Mais uma vez Mestre Sun fala sobre os três aspec- terra, a vitória é inesgotável.” O I Ching diz: “Sê cui-
tos da arte do guerreiro —o físico, o social e o psicoló- dadoso no começo, e não terás dificuldades no fim.”
gico. Em termos físicos concretos, ele recomenda certos
tipos óbvios de terreno que favorecem as probabilidades 11. As nove variáveis de terreno
de vitória: elevações, rio acima, o lado ensolarado dos O décimo primeiro capítulo, intitulado “Nove Regiões”
morros, regiões abundantes de recursos. Com base nas , apresenta um tratamento mais detalhado do relevo, es-
três dimensões, descreve ainda os modos de interpretar pecialmente em termos do relacionamento de um grupo
os movimentos do inimigo. com o terreno. Pode-se compreender que essas “nove
Embora Mestre Sun nunca deixe de levar em conta o peso regiões”se aplicam não só ao mero território físico, mas
dos números ou do poder material, aqui como em outras também ao “território”em seus sentidos social e mais
partes há uma forte sugestão de que fatores sociais e psi- abstraio.
cológicos têm condições de superar o tipo de poder que As nove regiões relacionadas por Mestre Sun são assim
pode ser quantificado fisicamente: “Nas questões mili- denominadas: região de dissolução, região leve, região de
tares, não é necessariamente benéfico ter mais: benéfico contenda, região de tráfego, região de intersecção, região
é evitar agir agressivamente; é suficiente consolidar o teu pesada, região ruim, região sitiada e região de morte (ou
poder, avaliar os adversários e conquistar o povo; isto é mortal).
tudo.”O I Ching afirma:“Quando tens os meios, mas não Uma região de dissolução é um estágio de guerra destru-
estás chegando a lugar nenhum, procura parceiros apro- tiva para ambos os lados ou guerra civil. A região leve se
priados, e terás boa fortuna.” Do mesmo modo, enfa- refere a incursões marginais ao território inimigo. Uma
tizando o esforço do grupo dirigido, A Arte da Guerra região de contenda é a que pode ser vantajosa para ambos
diz: “O individualista sem estratégia que considera os os lados de um conflito. Uma região de tráfego é aquela
adversários com leviandade irá inevitavelmente tornar-se em que se verifica passagem livre. Região de intersec-
um cativo.” A solidariedade requer especialmente com- ção é um território que controla artérias de comunicação
preensão mútua e relação estreita entre os líderes e os importantes. Região pesada, em comparação com a leve,
liderados, adquirida tanto através da educação como do refere-se a incursões profundas no território adversário.
treinamento. O sábio confuciano Meneio disse: “Os Região ruim é terreno difícil ou imprestável. Região siti-
que enviam pessoas a operações militares sem educá-las ada é a que tem acesso restrito, própria para emboscada.
as destroem.” Mestre Sun diz: “Dirige-os pelas artes Região de morte é uma situação em que é necessário lutar
da cultura, unifica-os pelas artes marciais; isto é vitória imediatamente ou ser destruído.
certa.” O IChing diz: "É boa fortuna quando os dirigen-
tes dão suporte aos seus dirigidos, ficando atentos a eles eAo descrever a tática apropriada a cada tipo de região,
deles extraindo suas potencialidades.” Mestre Sun inclui uma reflexão sobre os elementos social
e psicológico do conflito, na medida em que esses estão
10. Terreno
inextricavelmente ligados à reação ao ambiente:“Devem-
O capítulo décimo, que analisa a questão do terreno, dá se examinar os seguintes aspectos: adaptação às diferentes
continuidade às ideias de manobras técnicas e à adaptabi- regiões, vantagens da contração e da expansão, padrões
lidade, delineando tipos de terreno e maneiras adequadas de sentimentos humanos e condições.”
de se acomodar a eles. Requer-se reflexão para transfe- 12. Ataques com o emprego de fogo
rir os padrões desses tipos de terreno a outros contextos,
mas o ponto fundamental está em considerar a relação do O décimo segundo capítulo de A Arte da Guerra, sobre o
protagonista com as configurações do ambiente material, ataque com fogo, inicia com uma breve descrição dos vá-
social e psicológico. rios tipos de ataque incendiário e inclui observações téc-
nicas e estratégias para o acompanhamento.
Mestre Sun adota esse ponto de vista com observações
sobre as deficiências organizacionais fatais pelas quais o Talvez porque, num sentido material comum, o fogo seja
líder é responsável. Aqui, novamente, a ênfase está posta a forma mais perversa de arte marcial (os explosivos exis-
no moral da unidade: “Considera teus soldados como tiam no tempo de Sun Tzu, mas não eram usados mili-
filhos bem-amados, e eles de boa vontade morrerão con- tarmente), é neste capítulo que encontramos o mais ar-
tigo.”O I Ching diz:“Os que estão acima asseguram seus dente apelo pela humanidade, fazendo eco à ideia taoísta
lares pela bondade para com os que estão abaixo.”Apesar de que as “armas são instrumentos de desgraça que de-
100 CAPÍTULO 16. A ARTE DA GUERRA

vem ser usadas somente quando for inevitável”. Con- se estas fossem corretamente aplicadas, a guerra seria le-
cluindo abruptamente sua breve reflexão sobre o ataque vada a cabo com sucesso, nunca devendo ser efetuada
com fogo, Mestre Sun diz: “Um governo não deve mobi- impensada ou desabridamente, mas sempre precedida de
lizar um exército motivado pela raiva, os líderes militares medidas que a tornassem fácil de vencer.
não devem provocar a guerra movidos pela cólera. Antes, Ó grande vencedor frustrava os planos do seu inimigo e
deves agir se for benéfico; caso contrário, deves desistir. rompia as suas alianças. Abria clivagens entre o soberano
A raiva pode-se transformar em alegria, a cólera pode- e os seus ministros, entre comandantes e comandados,
se tornar prazer, mas uma nação destruída não pode ser entre superiores e inferiores. Os seus espiões e agentes
restaurada para a existência, e os mortos não podem ser
estariam ativos em todo o lado, recolhendo informes, se-
devolvidos à vida.” meando a discórdia e alimentando a subversão. O inimigo
13. Utilização de agentes secretos devia ser isolado e desmoralizado, a sua força de resistên-
O décimo terceiro e último capítulo trata da espionagem, cia quebrada. Só assim, e sem qualquer batalha, os seus
fechando assim o círculo com o capítulo inicial sobre a exércitos seriam vencidos, as suas cidades tomadas e o
estratégia, para a qual a inteligência é essencial. Nova- seu Estado derrubado. Apenas e somente quando o ad-
mente guiando-se pelo minimalismo orientado para a efi- versário não pudesse ser dominado por aqueles meios se
ciência e pelo conservadorismo, para os quais se voltam recorreria à força armada, a ser utilizada com a vitória
as habilidades que ensina, Mestre Sun começa falando da como objetivo único:
importância dos agentes de inteligência nos termos mais a) No menor espaço de tempo possível;
enfáticos: “Uma operação militar de importância é um b) Com o mínimo de perda decidas e esforços possí-
escoadouro grave da nação, e pode ser mantida por anos veis;
de luta pela vitória de um dia. Por isso, desconhecer as
condições do inimigo por não querer recompensar a inte- c) Com o mínimo possível de baixas causadas ao ini-
ligência é algo extremamente desumano.” migo.
A seguir, Sun define cinco tipos de espiões, ou agentes A unidade nacional era para Sun Tzu uma condição es-
secretos. O espião local é contratado dentre a população sencial para a guerra. Isso só podia ser conseguido gra-
de uma região em que as operações são planejadas. Um ças a um governo devotado ao bem-estar do povo, e não
espião infiltrado é contratado entre os oficiais de um re- à sua opressão. Sun Hsing-yen estava correto quando ob-
gime contrário. Um espião reverso é um agente duplo, servava que as teorias de Sun Tzu se apoiavam na “be-
contratado dentre espiões inimigos. Um espião morto é nevolência e retidão”.
o que recebe a missão de levar informações falsas. Um Ligando a guerra ao seu mais próximo contexto político,
espião vivo é o que vem e vai com informações. às alianças ou a sua inexistência, à unidade e estabilidade
Neste ponto, também existe um forte elemento social e internas e ao moral dos exércitos próprios, em contraste
psicológico na compreensão que Sun Tzu tem da com- com a desunião dos adversários, Sun Tzu procurava es-
plexidade prática da espionagem do ponto de vista da li- tabelecer uma base realística para o cálculo racional das
derança. A Arte da Guerra inicia com a questão da lide- forças em confronto. A sua percepção quanto à interven-
rança, e também termina com a observação de que o uso ção na guerra de componentes mentais, morais, físicos
eficaz de espiões depende do líder. Mestre Sun diz:“Não e circunstanciais revela enorme acuidade. Muito embora
se pode utilizar espiões sem sagacidade e conhecimento, Sun Tzu não tivesse sido a primeira pessoa a compreender
não se pode usar espiões sem humanidade e justiça, não que a força armada é o último dos árbitros nos conflitos
se pode sem sutileza conseguir a verdade de espiões”, e entre Estados, foi de fato o primeiro a dar uma perspec-
conclui:“Só um governante hábil ou um general brilhante tiva real ao entrechoque físico.
que pode utilizar os mais inteligentes para a espionagem Sun Tzu sabia das implicações econômicas da guerra. As
tem garantia de sucesso.” suas referências a preços inflacionados, valores desperdi-
çados, limitações de abastecimentos e as inevitáveis so-
brecargas impostas ao povo demonstram o seu conheci-
16.4 Análise de A Arte da Guerra mento quanto à importância desses fatores, que até bem
recentemente foram negligenciados.
O verso inicial do clássico de Sun Tzu constitui uma chave Sun Tzu distinguia perfeitamente entre o que hoje defini-
para toda a sua filosofia. “A guerra é uma questão vital ríamos como“estratégia nacional”e“estratégia militar”
para o Estado. Torna-se de suma importância estudá-la . Tal é evidenciado na sua dissertação sobre o cálculo das
com muito cuidado em todos os seus detalhes.”Aqui, ele forças a enfrentar-se, no capítulo 1, onde menciona cinco
reconhece, sendo o primeiro a fazê-lo, que a luta armada “assuntos”a ser ponderados nos conselhos: os humanos
não é uma aberração transitória, mas sim um ato consci- (o moral e o comando), os físicos (o terreno e o clima) e
ente e periódico, suscetível de análise racional. os doutrinários. Só com a certeza de superioridade nesses
Sun Tzu acreditava que a força moral e as faculdades inte- pontos encarregava-se o conselho da aferição de efetivos
lectuais do homem eram decisivas na guerra e ainda que, (que Sun Tzu não considerava como decisiva), qualidade
16.4. ANÁLISE DE A ARTE DA GUERRA 101

das tropas, disciplina, equidade na administração, recom- O comandante competente só desfere o seu golpe quando
pensas e castigos, e preparação. seguro da vitória. A criação de situações permitindo-o é
Por fim, o vetusto escritor afirma não lhe parecer dever o último e real propósito dos generais. Antes de travar
ser o objetivo de ações militares o aniquilamento do exér- a batalha, o grande general obriga o inimigo a dispersar-
cito inimigo, a destruição das suas cidades e o devasta- se. Uma vez disperso e tentando defender-se em todos
mento do seu território. “As armas são sempre motivo os lados, em todos os pontos fraqueja, sendo num desses
de maus pressentimentos, a utilizar somente quando ou- pontos devidamente decidido que muitos baterão poucos.
tra alternativa não houver.'" A vulnerabilidade, contudo, não se mede apenas fisica-
Tzu-lu, um discípulo de Confúcio ocasião discutiua mente. Um comandante adversário pode ser vacilante,
guerra com o Mestre. impetuoso, impulsivo, arrogante, teimoso ou facilmente
ludibriável. Possivelmente, terá divisões mal treinadas,
“Supondo que o comando das Três Hostes vos fosse desinteressadas, acovardadas ou mal comandadas. Po-
entregue, quem levaríeis convosco para vos auxi- derá ter escolhido posições inconvenientes ou dilatado
liar?", perguntou Tzu-lu. demasiadamente as suas linhas, dispor de mantimentos
O Mestre respondeu-lhe: “O homem pronto a enfren- insuficientes ou encontrarem-se exaustos os seus solda-
tar um tigre ou um rio em fúria, sem se importar se dos. Todas essas condições representam pontos fracos,
iria morrer ou viver, seria o que eu não levaria. Le- dando assim oportunidade a um general com imaginação
varia, sim, alguém que olhasse os problemas com a para conceber um plano de ação vantajoso.
cautela devida e que preferisse o sucesso por meio de São exatamente esses mesmos fatores que delineiam o
estratégia”. “molde”dos exércitos adversos, sendo de acordo com
Todo o guerreiro se baseia no ludíbrio. Um general com- esse mesmo molde do seu oponente que o comandante
petente deve também ser um mestre nas artes comple- prudente estabelece os seus planos. “Amoldem-no”,
mentares da, simulação e da dissimulação. Enquanto vai recomenda Sun Tzu. Sempre preocupado com a obser-
criando imagens para confundir e iludir o adversário, es- vação e sondagem do inimigo, o general inteligente vai
conde as suas verdadeiras intenções e a sua real dispo- ao mesmo tempo tudo fazendo para não ser ele próprio
sição. Quando capaz, simula incapacidade; quando pró- “amoldado”.
ximo, finge estar longe; quando afastado, que está pró- As ações dos instrumentos táticos do general, a força
ximo. Movendo-se de um modo tão intangível como um cheng, normal e direta, e a desusada e indireta força ch'i,
fantasma à luz das estrelas, será invisível, inaudível. O são recíprocas. Os efeitos de arribas são fecundos. Pode-
seu objetivo primeiro será sempre a mente do coman- mos definir o elemento cheng como de fixação e o ch'i
dante seu adversário, a situação vitoriosa, um resultado como de flanqueamento ou de envolvimento, ou ainda
da sua imaginação criadora. Sun Tzu compreendeu que como a(s) força(s) de distração e de decisão. Há correla-
um preâmbulo indispensável em qualquer batalha era o ção nos golpes por elas produzidos. O cheng e o ch'i são
ataque à mente do inimigo. como dois aros interligados. “Quem sabe onde começa
O perito achega-se ao seu objetivo indiretamente. Esco- um e acaba o outro?" A suas comutações possíveis são
lhendo uma rota imprópria e distante, poderá avançar 500 infinitas. Um esforço cheng pode passar a ch'i, e um ch'i,
km sem oposição e colher o inimigo de surpresa. Tal tipo a cheng. Desse modo, pode-se redefinir um ataque ch'i
de comandante preza acima de tudo a liberdade de ação. como aquele que se executa quando uma decisão é rapi-
Odeia situações estáticas, e por isso só assedia cidades damente materializável, numa área das defesas inimigas
quando outra hipótese não há. Os cercos, dispendiosos caracterizada por vazios e fissuras.
em vidas e tempo, levam à abdicação do espírito de ini- Uma operação ch'i é sempre inesperada, fora do comum,
ciativa. e não ortodoxa; uma cheng será mais patente, mais ób-
O general sábio nunca é manipulado. Pode acontecer-lhe via. Quando Sun Tzu recomendava para se iniciar com
ter de recuar, mas, quando o faz, fá-lo com tanta rapidez o cheng, mas vencer com o ch'i, insinuava serem neces-
que não é possível apanhá-lo. As suas retiradas destinar- sárias as movimentações ludibriosas como garantia de os
se-ão a atrair o opositor, a desequilibrá-lo, a criar situ- golpes decisivos virem a ser dados onde o inimigo menos
ações apropriadas a contra-ataques, tornando-as pois, e preparado estiver e onde menos o esperar. É fato, porém,
paradoxalmente, ofensivas. Faz a guerra de movimento. que procurar limitar as conotações entre os dois termos,
Avança com rapidez alada, fere como os raios das“nove identificando-os somente com forças em luta, se tomará
camadas celestes”Impõe situações que conduzam a de- desencaminhador, já que as operações ch'i e cheng tam-
cisões rápidas. Para ele, o fim da guerra é a vitória, e bém podem ser levadas a efeito no campo da estratégia.
não unia série de operações a conduzir brilhantemente. Para Sun Tzu, a função de um general consiste, parci-
É do seu conhecimento que as campanhas prolongadas almente, em criar alterações e manipulá-las, depois, em
esgotam o Tesouro, arrasam os soldados, fazem subir os proveito próprio. O verdadeiro general pondera a situa-
preços e espalham a fome pelo povo. “Nenhuma nação ção antes de se movimentar. Não cai, sem objetivos, em
jamais se beneficiou com uma guerra demorada.” engodos armadilhados. É prudente, mas não hesitante.
102 CAPÍTULO 16. A ARTE DA GUERRA

Compreende haver “alguns caminhos que não devem sionário jesuíta em Pequim, Padre Amiot, publicado em
ser seguidos, alguns exércitos a não serem atacados, al- Paris.
gumas cidades a não serem cercadas, algumas posições Sua reedição de 1782 pode, perfeitamente, ter sido lida
a não serem disputadas e algumas ordens do soberano a por Napoleão, então jovem oficial, reconhecido por sua
não serem acatadas”. Assume riscos ponderados, mas extraordinária curiosidade intelectual, que o fazia leitor
nunca os toma por tomar. Não “enfrenta um tigre nem ávido de todas as novas ideias publicadas.
um rio em fúria sem se importar se vai viver ou morrer”
, mas, quando a oportunidade lhe surge, age rápida e de- Creio, mesmo, que a preferência do grande corso pelas
cisivamente. manobras de ala e sua engenhosa capacidade de fazer o
inimigo dispersar-se, enquanto ele concentrava suas for-
A teoria de Sun Tzu, da adaptabilidade às situações, cons- ças, tem algo a ver com as ideias de manobra indireta e
titui uma importante faceta do seu pensar. Tal como de concentração para a batalha do Mestre chinês.
a água se adapta à conformação do terreno, também
em guerra terá de ser adaptável, empregando-se com E mais: não tivesse a viúva de Clausewitz feito publicar o
frequência táticas de conformidade com as posições dos 'Da Guerra', na década de 1830, tão pobremente interpre-
adversários. Isso não é, de modo algum, um conceito tado em seu conceito do 'forte contra o forte do inimigo'
passivo, dado que, se se der trela suficiente ao inimigo, e tão distorcidamente exaltado com base nas campanhas
ele próprio, muitas vezes, se esganará nela. Em determi- vitoriosas de Napoleão, e a manobra política e estratégica
nados casos, deixar-se-ão perder cidades, sacrificar-se-ão indireta proposta por Sun teria preponderado no século
porções das próprias forças ou ceder-se-á terreno com o XIX e se projetado no século XX, com grande probabi-
intuito de se ganhar qualquer outro objetivo mais valioso. lidade de haver impedido as desgraças de 1870, 1914 e
Este tipo de cedências, disfarçando propósitos maiores, 1939.
não é mais do que ainda outra das características da fle- O Ocidente somente se deu conta desse desnorteamento
xibilidade mental típica do guerreiro especialista. de rumo, quando as potências terrestres da Eurásia
Sun Tzu mostra-se conhecedor das contingências e van- lhe mostraram, após a II Guerra Mundial, que liam
tagens do clima, preocupando-se de igual modo com o Clausewitz de maneira inversa e que adotavam os prin-
terreno. O general conhecedor do terreno leva o inimigo cípios de Sun Tzu como dogmas. A política era a conti-
para o campo perigoso que ele próprio evitará. Escolhe o nuação da guerra e a estratégia para sua execução deveria
lugar onde vai pelejar, atrai o inimigo para lá e lá o com- ser indireta. Stalin, Kruschev e Mao foram mestres de
bate. Para Sun Tzu, um general incapaz de se servir do péssimos alunos ocidentais.
terreno era ineficaz como comandante. No Oeste, as únicas vozes de peso que se levantaram, ad-
O capítulo de Sun Tzu a propósito de operações secretas e vertindo para o erro, foram, inicialmente, Liddell Hart,
hoje tão pertinente como quando o compôs, devendo no na Estratégia Operacional, e, mais tarde, André Beaufre,
entanto recordar-se o fato de ele estar já perfeitamente na Estratégia Nacional, Total ou Grande Estratégia.
ciente da precisão de compartimentação (celulização) e Ambos retiram do 'artifício do desvio' do autor chinês
atuação em todos os planos. Tampouco o valor que atri- as bases para as suas 'aproximação indireta' (L. Hart) e
bui aos agentes duplos pode, de modo algum, escapar à 'estratégia indireta”(Beaufre). Porém, é o inglês quem
nossa atenção. Igualmente as quintas colunas, bem co- mais deixa evidente a origem Suntzuniana de sua teoria
nhecidas pelos chineses e gregos do passado, foram de- da 'essência concentrada da estratégia operacional e da
vidamente consideradas por Sun Tzu. O Ocidente pôde tática', com a sequência 'nossa dispersão —dipersão do
recentemente apreciar os seus efeitos, bem como os es- inimigo—nossa concentração' e com a esmagadora pre-
forços para as combater, nem sempre com total sucesso. ponderância de quinze citações de pensamentos de Sun
Parece que a análise de Tu Mu quanto às personalidades contra apenas cinco de outros clássicos, na abertura de
mais suscetíveis de aliciamento para subversão ainda é seu livro-mor.
bastante merecedora de estudo.
Verifica-se, modernamente, o crescimento da atenção de-
Foi com este ensaio, que horrorizou tantos confucionistas dicada ao estudo dos Treze Capítulos nas Forças Arma-
ortodoxos, que Sun Tzu terminou a sua obra A Arte da das dos principais países. Inglaterra, França, Japão, Es-
Guerra tados Unidos, União Soviética e a própria China capita-
neiam essa atividade.
Quanto a nós, no Brasil, é preciso tirá-los de algu-
16.5 Análise de militares sobre A mas poucas prateleiras onde aguardam nossa atenção e
transformá-los em Treze Momentos da guerra e da vida.”
Arte da Guerra - Os 13 Momentos do general Alberto Mendes Car-
doso.
General Alberto Mendes Cardoso:
General Samuel B. Griffith:
“Apenas em 1772 o ocidente tomou conhecimento do
tratado de Sun Tzu, por intermédio da versão de um mis- “Ssu-ma Ch'ien, cujo monumental Shih Chi (Arquivos
16.5. ANÁLISE DE MILITARES SOBRE A ARTE DA GUERRA 103

His-óricos ou Arquivos do Historiador) foi concluído ais e transitórias. Seu objetivo consistiu em desenvolver
pouco depois fio ano 100 a. C., conta-nos que Sun Wu um tratado sistemático destinado a orientar governantes
era natural do estado de Chi, e apresentou sua A arte da e generais na condução inteligente de uma guerra bem-
guerra, no final do século VI a. C., a Ho-lü, rei do semi- sucedida. Em sua concepção, o estrategista vabilidoso
bárbaro povo Wu. Por centenas de anos, contudo, estu- deve ter a capacidade de subjugar o exército inimigo sem
diosos chineses têm questionado a veracidade dessa bio- lutar contra ele, invadir cidades sem sitiá-las, derrubar
grafia. A maioria deles concorda em afirmar que o livro governos sem o uso de espadas sangrentas.
não poderia ter sido escrito na época citada por Ssu-ma Sun Tzu tinha plena consciência de que um combate en-
Ch'ien. Meu estudo sobre o texto sustenta-se nessa opi-
volve muito mais que o confronto entre homens armados.
nião e aponta para o século IV a. C. como a época em ‘Os números, isoladamente’, afirma,‘não representam
que o livro foi escrito.
qualquer vantagem.’Ele atribuiu maior importância aos
A série de ensaios de Sun Tzu não merece nossa atenção aspectos morais, intelectuais e circunstanciais envolvidos
e interesse meramente como uma curiosidade do mundo na guerra do que propriamente aos físicos, e advertiu reis
antigo. A arte da guerra é bem mais que isso. Trata-se e comandantes para que não depositassem sua confiança
de uma obra abrangente e bem-elaborada, que se destaca única e exclusivamente no poderio militar. Não conce-
pelo caráter perceptivo e imaginativo que durante séculos bia a guerra como massacre e destruição; conquistar dei-
lhe garantiu posição de destaque no cânone da literatura xando tudo intacto, ou tão intacto quanto possível, era o
militar chinesa. maior objetivo da estratégia empregada.
Esta primeira obra entre os ‘clássicos marciais’rece- Sun Tzu estava convencido de que o planejamento cui-
beu a atenção devotada de centenas de soldados e estudi- dadoso, baseado em informações confiáveis sobre o ini-
osos chineses e japoneses. Entre os mais famosos, temos migo, contribuiria para uma decisão militar rápida. Pon-
Ts'ao Ts'ao (155-220 d. C.), o grande general do período derou o efeito da guerra sobre a economia e, sem som-
dos Três Reinos e fundador da dinastia Wei. Durante o bra de duvida, foi o primeiro a observar que a inflação
século XI, suas análises sobre o texto, juntamente com dos preços era uma consequência inevitável das opera-
as observações de dez dos mais respeitados comentado- ções militares. ‘Nenhum país’, escreveu, ‘jamais
res, foram compiladas em uma edição ‘oficial’. No de beneficiou de uma guerra prolongada.’Ele observa a
último quarto do século XVIII, essa edição foi revisada e influência decisiva dos suprimentos durante as operaçães
comentada por Sun Hsing-yen, versátil estudioso e reno- militares e, entre outros fatores, discute a relação entre o
mado crítico literário. Desde então, a sua versão, na qual soberano e seu comandante; as qualidades morais, emo-
baseei a tradução, tem sido considerada na China como cionais e intelectuais do bom general; organização, ma-
padrão. nobras, controle, terreno e condições climáticas.
O mundo ocidental tomou contato com a obra de Sun Tzu Na visão de Sun Tzu, o exército era o instrumento que
pela primeira vez por meio de um missionário jesuíta em desfechava o coup degrâce em um inimigo já tornado vul-
Pequim, o padre J. J. M. Amiot, cuja interpretação A A nerável. Antes do início das hostilidades, agentes secre-
arte da guerra foi publicada em Paris em 1772, período tos cuidavam de romper as alianças do inimigo e realiza-
em que a imaginação dos artistas, artesãos e intelectu- vam diversas atividades subversivas. Suas missões com-
ais franceses vinha sofrendo forte influência do recém- preendiam espalhar falsos rumores e informações enga-
descoberto mundo das artes e das letras chinesas. Pu- nosas, corromper e subverter oficiais, criar e aumentar a
blicações da época trouxeram resenhas favoráveis sobre discórdia interna e sustentar quintas-colunas. Enquanto
o livro e o trabalho de Amiot teve ampla aceitação. Foi isso, os espiões, atuando em todos os níveis, informavam
novamente publicado em uma antologia em 1782. É pos- sobre a situação do inimigo. Os planos ‘de vitória’são
sível que tenha sido lido por Napoleão, conforme afirmou baseados em seus relatórios. O marechal Shaposhnikov
recentemente um editor chinês. Quando jovem oficial, o não foi o primeiro a compreender que o pré-requisito para
futuro imperador era um leitor ávido; é pouco provável a vitória é ‘efetuar os devidos preparativos no campo
que este singular ensaio tenha escapado à sua atenção. do inimigo para que o resultado seja definido antecipada-
Além da versão de Amiot, haveria ainda quatro traduções mente’. Assim prossegue o ex-comandante do Exército
Vermelho, em uma notável paráfrase de Sun Tzu: ‘o
para o russo e pelo menos uma para o alemão. Nenhuma
das cinco traduções para o inglês é satisfatória; mesmo a exército vitorioso ataca urn inimigo desmoralizado e der-
rotado’.
de Lionel Gilles (1910) deixa muito a desejar.
Sun Tzu percebeu que a guerra, ‘uma questão de vital A arte da guerra tem exercido profunda influência ao
importância para o Estado’, exigia estudo e análise; é longo de toda a história da China e no pensamento mili-
sua a primeira tentativa de formular uma base racional tar japonês; é a fonte das teorias estratégicas de Mao Tse-
de planejamento e execução de operações militares. Di- tung e da doutrina tática dos exércitos chineses. Por meio
ferentemente da maioria dos escritores gregos e romanos, dos mongóis-tártaros, as ideias de Sun Tzu foram trans-
Sun Tzu não estava particularmente interessado na elabo- mitidas à Rússia e tornaram-se parte substancial da he-
ração de estratagemas complexos ou técnicas superfici- rança oriental daquele país. Assim, A arte da guerra cons-
104 CAPÍTULO 16. A ARTE DA GUERRA

titui leitura obrigatória aos que pretendem obter um en- ordem foi marcado pela destabilização das relações entre
tendimento mais aprofundado da notável estratégia des- os Estados e pelo estado de guerra interminável entre os
ses dois países nos dias de hoje.”- General Samuel B. aspirantes à hegemonia em meio aos padrões de aliança e
Griffith no prefácio de sua tradução de A Arte da oposição sempre em mudança.
Guerra O prefácio a Estratégias dos Estados Belicosos (Zhanguo
ce / Chan kuo ts'e), uma colecção clássica de histórias
sobre as questões políticas e militares dos Estados feu-
16.6 Trechos do livro dais desse tempo, nos oferece uma descrição gráfica do
período dos Estados Belicosos:
•“A invencibilidade está na defesa; a possibilidade de Usurpadores se proclamam senhores e reis, Estados go-
vitória, no ataque. Quem se defende mostra que sua vernados por pretendentes e conspiradores reforçam seus
força é inadequada; quem ataca, mostra que ela é exércitos para se tornarem superpotências. Imitavam-se
abundante.” cada vez mais nisso, e sua descendência seguiu-lhes o
•“Existem cinco fatores que permitem que se preveja exemplo. No fim, enfrentaram-se e destruíram-se uns aos
qual dos oponentes sairá vencedor: outros, conspirando com territórios maiores e anexando
territórios menores, passando anos em operações milita-
• aquele que sabe quando deve ou não lutar; res violentas, enchendo os campos com morticínio. Pais e
• aquele que sabe como adotar a arte militar filhos não estavam próximos uns dos outros, irmãos não
apropriada de acordo com a superioridade ou estavam seguros uns com os outros, maridos e mulheres
inferioridade de suas forças frente ao inimigo; se separavam —ninguém podia responder por sua vida.
A virtude desapareceu. Nos anos posteriores, isto se tor-
• aquele que sabe como manter seus superiores e nou cada vez mais extremado, com sete grandes Estados e
subordinados unidos de acordo com suas pro- cinco pequenos Estados lutando uns contra os outros pelo
postas; poder. Em geral, isso acontecia porque os Estados Belico-
• aquele que está bem preparado e enfrenta um sos eram vergonhosamente gananciosos, lutando insacia-
inimigo desprevenido; velmente para desenvolver-se.
• aquele que é um general sábio e capaz, em cu- O grande educador e filósofo humanista Confúcio, que vi-
jas decisões o soberano não interfere.” veu exatamente na véspera da era dos Estados Belicosos,
passou a vida trabalhando contra a deterioração dos va-
•“A água não tem forma constante. Na guerra tam- lores humanos que determinou o mergulho de sua socie-
bém não existem condições constantes. Por isso pode- dade em séculos de conflito. No clássico Os Analectos, de
se dizer que é divino aquele que obtém uma vitória Confúcio, o surgimento iminente dos Estados Belicosos é
alterando as suas táticas em conformidade com a si- previsto numa vinheta simbólica do encontro de Confúcio
tuação do inimigo.” com um governante a quem tentou advertir: “O duque
•“Dos cinco elementos, nenhum é predominante; das Ling, do Estado de Wei, perguntou a Confúcio sobre for-
quatro estações nenhuma dura para sempre; os dias, mações militares. Confúcio respondeu: 'Aprendi sobre a
uns são longos, outros curtos; a Lua enche e míngua.” disposição de vasos rituais, mas nunca estudei questões
militares', e partiu no dia seguinte.”Como que represen-
•“Aquele que conhece o inimigo e a si mesmo lutará tando o desaparecimento do espírito humanitário (“Con-
cem batalhas sem perigo de derrota;para aquele que fúcio partiu no dia seguinte”) do pensamento e das con-
não conhece o inimigo, mas conhece a si mesmo, siderações dos governantes nos séculos de guerra por vir,
as chances para a vitória ou para a derrota serão esta história é retomada pelo filósofo taoísta Chuang-tzu,
iguais;aquele que não conhece nem o inimigo e nem que viveu no quarto e terceiro séculos a.C., exatamente
a si próprio, será derrotado em todas as batalhas” em meio ao período dos Estados Belicosos. De acordo
com o desdobramento que Chuang-tzu faz do tema, Yen
•“Evitar guerras é muito mais gratificante do que ven- Hui, o mais brilhante discípulo de Confúcio, dirigiu-se ao
cer mil batalhas - Sun tzu (孫子)" mestre e perguntou-lhe sobre a possibilidade de ir ao Es-
tado de Wei. Confúcio perguntou-lhe: “O que irás fazer
lá?" Yen Hui respondeu:“Ouvi dizer que o governante de
16.7 Panorama histórico Wei, no vigor da mocidade, tem um comportamento arbi-
trário —explora seu país por capricho e não percebe seus
A Arte da Guerra foi escrito durante o assim chamado próprios erros. Explora seu povo frivolamente, mesmo
período dos Estados Belicosos da antiga China, que durou até a morte. Massas incontáveis morreram naquele Es-
do quinto ao terceiro século a.C. Constituiu uma época de tado, e o povo não tem para onde voltar-se. Ouvi meu
prolongada desintegração da dinastia Chou (Zhou), que mestre dizer: 'Deixa um Estado ordenado e vai a um Es-
fora fundada havia mais de quinhentos anos pelos sábios tado em desordem —junto à porta do médico, muitos são
políticos que escreveram o I Ching. O colapso da antiga os doentes.' Eu gostaria de usar o que aprendi para ava-
16.8. REFERÊNCIAS 105

liar a orientação que oferece, de modo que o Estado de Deste ponto de vista, é natural que se pense sobre a linha
Wei possa ser curado.” taoísta de A Arte da Guerra não como um elemento cul-
Confúcio disse: “Estás inclinado a ir, mas apenas rece- tural casual, mas como uma chave para a compreensão
berás punição.” do texto em todos os seus níveis. Pela natureza de sua te-
mática manifesta, A Arte da Guerra exigia a atenção das
Muito poucas pessoas da época deram ouvidos ao huma- pessoas que tinham menos possibilidades de compreen-
nismo pacifista de Confúcio e de Mêncio. Alguns dizem der os ensinamentos pacifistas dos humanistas clássicos.
que isso ocorreu porque não podiam implementar as po-
líticas propostas pelos confucianos originais; outros di- Como o I Ching preservou certas ideias filosóficas ao
zem que não podiam implementar as políticas porque não longo de toda espécie de mudança política e social pela
prestavam atenção, porque não queriam ser humanitários sua popularidade como oráculo e como livro de conse-
e justos de fato. lhos, assim A Arte da Guerra conservou o âmago da filo-
sofia prática taoísta da destruição pela sua antítese.
Por outro lado, os que ouviam o humanismo pacifista de
Lao-tzu e Chuang-tzu em geral se escondiam e traba- Muitas vezes se pensa que o paradoxo é um instrumento
lhavam sobre o problema por ângulos diversos. Lao-tzu padrão da psicologia taoísta, utilizado para transpor bar-
e Chuang-tzu mostram que o homem agressivo parece reiras imperceptíveis de consciência. Talvez o paradoxo
cruel, mas na verdade é um tipo emocional; então, eles de A Arte da Guerra esteja na sua oposição à guerra. E
assassinam o emocional com real crueldade antes de re- como A Arte da Guerra guerreia contra a guerra, assim o
velar a natureza espontânea da humanidade livre. faz por seus próprios princípios; ela se infiltra nas linhas
inimigas, revela os segredos do inimigo e muda o coração
Os antigos mestres taoístas mostram como a crueldade das tropas adversárias.
real, a frieza da objetividade plena, sempre inclui a pes-
soa em sua avaliação incisiva da situação. O Buda his-
tórico, um contemporâneo de Confúcio, ele próprio des- 16.8 Referências
cendente de um clã de guerreiros num tempo em que esta
casta estava consolidando seu domínio político, disse que
[1] Clássico chinês é base para estimular potencial criativo,
o conflito cessaria se fôssemos conscientes de nossa pró-
por Ósca Curros Comprendreetappliquersuntzu.com.
pria morte.
Esta é a impiedade de Lao-tzu quando ele diz que o uni-
verso é desumano e que o sábio vê o povo como cães de 16.9 Ver também
palha usados para sacrifícios rituais. Chuang-tzu tam-
bém apresenta diversos exemplos dramáticos de impie-
• A Arte da Guerra - os Documentos Perdidos
dade com relação a si mesmo como um exercício em pers-
pectiva destinado a levar à cessação do conflito interno e • A Arte da Guerra (obra escrita no século XVI por
externo. Nicolau Maquiavel)
Essa“desumanidade”não é utilizada pelos filósofos ori- • Sun Tzu II
ginais como uma justificativa para uma agressão posses-
siva quase cruel, mas como uma meditação sobre a falta • O Livro dos Cinco Anéis (escrito no século XVII
de sentido último da cobiça e da possessividade que sub- por Miyamoto Musashi)
jazem à agressão.
Na índia, os aspirantes budistas visitavam locais de cre-
mação e contemplavam os cadáveres em decomposição 16.10 Ligações externas
daqueles cujas famílias não dispunham de recursos para
uma cerimónia de cremação. Faziam isso para eliminar • The Art of War, por Sun Tzu . A Arte da Guerra,
a cobiça e a possessividade de dentro de si mesmos. De- uma tradução ao inglês. Sítio acessado em 1 de no-
pois, voltavam o pensamento para pessoas e sociedades vembro de 2005.
ideais.
• Evento para compreender e aplicar Sun Tzu
Da mesma maneira, Mestre Sun sugere que os leitores
contemplem a devastação provocada pela guerra, desde • Sun Zi, A arte da guerra - Tradução chinesa e inglesa
as fases iniciais de traição e alienação até as formas ex-
• The Taoism Information Page . 'A Página de Infor-
tremas de ataque incendiário e assédio, vista como uma
mações sobre o Taoísmo'. Sítio em inglês e chinês.
espécie de canibalismo em massa dos recursos humanos
Acessado em 1 de novembro de 2005.
e naturais. Com este mecanismo, ele fornece ao leitor um
sentimento mais ampliado para o significado das virtudes • Compreender e aplicar Sun Tzu. O pensamento es-
individuais e sociais esposadas pelos pacifistas humani- tratégico chinês: uma sabedoria em ação . Pierre
tários. Fayard, Bookman, Porto Alegre, 2006. Um livro
básico para entender e aplicar Sun Tzu.
106 CAPÍTULO 16. A ARTE DA GUERRA

• Sun Tzu e A Arte da Guerra, por Alexandre Ga-


meiro, blogue em que o autor registra comentários
sobre Sun Tzu, A Arte de Guerra, pesquisas sobre o
assunto e o livro que está escrevendo a respeito do
general chinês.

• eBook “A Arte da Guerra”Pdf ePub


Capítulo 17

Artes marciais

Artes marciais são disciplinas físicas e mentais codifica- marcial (kombato, krav magá, etc.) têm como objetivo
das em diferentes graus, que tem como objetivo um alto a defesa pessoal em situações de risco, durante combate
desenvolvimento de seus praticantes para que possam corpo a corpo sem regras, muitas vezes com enfoque na
defender-se ou submeter o adversário mediante diversas formação do caráter do ser humano.
técnicas. São sistemas para treinamento de combate, ge- No Japão, estas artes são chamadas de Bu-Dô ou “Um
ralmente sem o uso de armas de fogo ou de outros dis-
caminho educacional através das lutas”.
positivos modernos.* [1] Actualmente, as artes marciais,
para além de praticadas enquanto treinamento militar,
policial e de defesa pessoal, são também praticadas como
Desporto de combate. Existem diversos estilos, sistemas 17.2 A História das artes marciais
e escolas de artes marciais. O que diferencia as artes mar-
ciais da mera violência física (briga de rua) é a organiza- Sua origem confunde-se com o desenvolvimento da
ção de suas técnicas num sistema coerente de combate e civilização, quando, logo após o desenvolvimento da onda
desenvolvimento físico, mental e espiritual assim como a tecnológica agrícola, alguns começam a acumular riqueza
prática de exercícios físicos.* [1]* [2] e poder e com isso o surgimento de cobiça, inveja e seu
corolário, a agressão.
A necessidade abriu espaço para a profissionalização da
17.1 A origem do termo “artes proteção pessoal. Embora a versão mais conhecida da
arte marcial, principalmente a história oriental, tenha
marciais” como foco principal Bodhidharma - monge Indiano que,
em viagem à China, orientou os monges chineses na prá-
O termo "artes marciais" refere-se à arte da guerra, tendo tica do yoga e rudimentos da arte marcial indiana, o que
origem ocidental e latina.* [3]* [4] Este termo é vinculado caracterizou posteriormente na criação de um estilo pró-
ao deus da guerra romano Marte que, na mitologia grega, prio pelos monges de shaolin -, é sabido, historicamente,
era chamado Ares.* [5] Assim, as artes marciais, segundo através da tradição oral e escavações arqueológicas, que
a mitologia romana, são as artes militares ensinadas aos o kung fu já existia na China há mais de 5 000 anos.
homens. Hoje em dia, o termo artes marciais é usado Da China, estes conhecimentos se expandiram por quase
para todos os sistemas de combate de origem oriental e toda a Ásia.
ocidental, com ou sem o uso das tradicionais armas de Japão e Coreia também têm tradição milenar em artes
artes marciais. marciais. No Japão, destaca-se o judô, o caratê e seus
No oriente, existem outros termos mais adequados para estilos, tais como shotokan, bushi ryu, shito-ryu, shorin-
a definição destas artes, como wu shu (“arte de guerra” ryu, o jiu-jítsu, o quendô, o aiquidô etc.
), na China e bu-shi-do (“caminho do guerreiro”), no Recentes descobertas arqueológicas também mostram
Japão. guardas pessoais na Mesopotâmia praticando técnicas de
Muitas destas artes de guerra do Oriente e Ocidente de- defesa e de imobilização de agressores. Paralelamente,
ram origem a artes que são praticadas atualmente em todo o mundo ocidental desenvolveu outros sistemas, como o
o mundo, como: o Wushu (popularmente conhecido no savate francês.
ocidente como Kung Fu), o taekwondo, a esgrima, o ar- Actualmente, pessoas de todo o mundo estudam artes
queirismo (tiro com arco), o hipismo, o boxe, o savate, o
marciais por diferentes motivos: como condicionamento
judô, o karatê, a luta olímpica (a luta greco-romana e a
físico, defesa pessoal, coordenação física, lazer, desen-
luta livre olímpica), o ninjutsu etc. Nas modalidades de
volvimento de disciplina, participação em um grupo so-
cunho mais esportivo, (esporte de combate) o objetivo cial e estruturação de uma personalidade sadia, visto
principal são as competições. que a prática possibilita o extravasamento da tensão
Por outro lado, as modalidades que têm uma origem mais que harmoniza o indivíduo, focalizando-o positivamente.

107
108 CAPÍTULO 17. ARTES MARCIAIS

No Systema, o enfoque na respiração proporciona be- combate corpo a corpo. É composto por um
nefícios físicos e psicológicos, como diminuição do conjunto de técnicas do milenares, definido
cansaço, potencialização dos movimentos, aumento da como as dezoito disciplinas de combate, in-
autoconsciência e tranquilização. cluindo equitação e natação. Foi estabele-
As artes marciais apresentam uma enorme variedade de cido após o período Kamakura japonês (1192-
golpes. O combate no solo emprega principalmente téc- 1333), após a chegada da classe samurai ao
nicas de quedas, chaves, torções, estrangulamentos e poder, sendo sua prática limitada a membros
imobilizações. da elite guerreira, cabendo o domínio total das
técnicas somente a uma pessoa, o fundador do
Socos, chutes, joelhadas, cotoveladas e até golpes com a estilo. Ex. Budo Taijutsu, Kenjutsu, Iaijutsu,
cabeça são, em geral, aplicados nas técnicas de combate Ninjutsu.
em pé. O termo da língua inglesa ground and pound (que
pode ser traduzido como "socar / triturar / encurralar no
Budō = O budô é a evolução do bujutsu, jun-
chão") designa os golpes traumáticos desferidos contra o
tamente com o bugei. Contudo, o budô foi
oponente que estiver dominado no solo.* [6]
dividido em duas linhas de evolução: a linha
Alguns golpes usados por diversos estilos de artes marci- esportiva competitiva e a linha de estudo da
ais: técnica marcial, sem o propósito de guerra,
evolução característica da arte marcial e ou-
tras que se mantiveram desde a antiguidade.
17.3 Imagens Ex: caratê, quempô, judô, aiquidô, quendô,
quiudô, Yoseikan etc.

17.4 Sistemas de classificação dos


17.4.2 No Ocidente
estilos de luta
Existem diversos sistemas distintos de classificação dos
estilos de arte marcial, adotados por diferentes culturas
em momentos históricos específicos.

17.4.1 Artes marciais orientais


Na China

Shu = artes chinesas, onde se encontram os es-


tilos mais recentes e modernos, muito destes
adaptados à competição.

Shi = artes chinesas, onde se encontram estilos


diversificados, normalmente junção de várias
artes marciais. ex: Kung shi

No Japão

As artes da luta também se dividem em três grupos:

Bugei = o sistema é simplório, referindo-se a


técnicas de guerrear com o aprendizado vol-
tado à manipulação e domínio de equipamen-
tos bélicos tradicionais, como o arco e flecha,
os diferentes tipos de espada, lança, alabardas,
foices, bastões, machados, correntes, dentre Artes marciais mistas.
vários outros, característicos da época e região.
No período moderno, diversas práticas marciais ficaram
Bujutsu = Arte marcial relacionada a todas vinculadas unicamente à luta e à defesa pessoal, situação
as modalidades técnicas necessárias para o muito distinta da do Oriente, que as integra a um sistema
17.7. REFERÊNCIAS 109

filosófico que prepara o praticante também física e espiri- • Golpe


tualmente, criando uma consciência da futilidade de viver
competindo e de utilizar sua arte para defender quem não • Keikogi (quimono para prática de artes marciais)
tem o mesmo preparo. Mas a Europa também mantinha • Kyusho-jitsu (a arte dos pontos vitais)
uma tradição filosófica de unir a arte marcial às ciências,
desde o período greco-romano, passando pelos nobres eu- • Lista de armas de artes marciais
ropeus na idade média e cientistas no renascimento, todos
aplicavam o método científico em suas práticas. • Ninja

Entre os estilos ocidentais de luta, podemos citar: • O Livro dos Cinco Anéis
• Pontos de pressão
• Full contact
• Qinna (“arte suave”chinesa)
• Jeet kune do
• Samurai
• Jiu-jitsu brasileiro
• Vale-tudo
• Jogo do pau
• Keysi
17.7 Referências
• Luta greco-romana
• Sambo [1] O que são Artes Marciais. Visitado em 26 de agosto de
2012.
O pancrácio (pankration) greco-romano originou vários [2] O que São Artes Marciais?. Visitado em 26 de agosto de
sistemas de combates com mãos nuas na Europa: 2012.

[3] (em português) Trabalhonota10 - site acessado em 4 de


• Abrazzare* [7] Outubro de 2010.
• Boxe [4] (em português) Ars Gladiatoria acessado em 18 de Março
de 2011.
• Catch-as-catch-can
[5] (em português) EFDeportes - acessado em 4 de Outubro
• Kampfringen* [7] de 2010.
• Glíma [6] (em português) MMA Brasil - acessado em 17 de Janeiro
de 2011.
• Gouren
[7] (em português) Ars Gladiatoria. Visitado em 18 de Março
• Savate de 2011.

Após ter aprendido o combate com mãos nuas, o comba-


tente aprendia a manusear desde armas pequenas como
facas, passando por vários tamanhos de espadas (es-
grima), lanças e machados.

17.5 Vídeos

17.6 Ver também


• A Arte da Guerra
• Bruce Lee
• Combate corpo a corpo
• Dan (artes marciais)
• Dim mak (toque da morte)
• Faixas de graduação em artes marciais (obi)
Capítulo 18

Cronologia das artes marciais

Esta cronologia das artes marciais é desenvolvida para volta de 600 AC. Essa expansão do comércio para o Japão
ajudar a descrever a história das artes marciais de uma e Okinawa posteriormente, provavelmente resultou no in-
forma linear. Muitos dos artigos sobre estilos particula- tercâmbio da técnica e da filosofia entre um subgrupo de
res têm discussões sobre sua história. Este artigo é desen- praticantes de artes marciais há mais de dois mil anos.
*
volvido para ajudar a visualizar o desenvolvimento destas [1]
artes, para ajudar a compreender melhor a evolução dos
estilos separados e ilustrar onde eles se inter-relacionam. • Século VIII AC - Aproximadamente o início da
Competição Olímpica Grega (Jogos Olímpicos da
A história das artes marciais é um desafio para documen-
Antiguidade). Através da popularidade das Olim-
tar com precisão, devido à falta de registros históricos, a
píadas, as artes marciais como o boxe, o wrestling e
natureza secreta da relação professor-aluno e das circuns-
o pancrácio floresceram.
tâncias políticas durante grande parte da sua história. É
provável que muitas técnicas foram aprendidas, esqueci- • Século VIII AC - A Ilíada de Homero descreve mui-
das, e reaprendidas ao longo da história humana. tas cenas de combate corpo-a-corpo em detalhes.

• Século VI AC - Sun Tzu escreveu A Arte da Guerra,


18.1 Idade do Cobre (4000 AC) uma das obras seminais de estratégia e táticas mili-
tares, durante o Período dos Reinos Combatentes da
• Século XL a.C. - Foi criado na China pelo lendá- história chinesa.
rio Jakus-Shu, um estilo de arte marcial chamado
Chiao-Ti, hoje denominado Shuai Chiao ou Shuai • 300 AC - Fundação do Taoísmo, que mais tarde in-
Jiao, existem indícios que provem que é a primeira fluenciou os estilos de artes marciais internas chine-
arte marcial do mundo. O Shuai Chiao é muito sas, como o Hsing-I Chuan e o Tai Chi Chuan, que
conhecido por ser um dos mais eficazes estilos de envolvem o cultivo do chi e o estudo dos movimen-
Wushu (Kung Fu). tos da natureza e dos animais.

• 264 AC - Primeiros combates de Gladiadores en-


cenados em Roma, registrados por Décimo Júnio
18.2 Idade do Bronze (2000 a 1000 Bruto Albino.
AC)
• 50 AC - Os mais antigos registros de artes marciais
• Século XX a.C. - Pinturas murais no túmulo 15 em coreanas chamado Taekkyeon encontrado em pintu-
Beni Hasan, descrevendo técnicas de wrestling. ras nas Muyong-chong, um túmulo real da dinastia
Koguryo. * [2]
• Século XVIII a.C. - O poema épico babilônico
Epopeia de Gilgamesh, inclui as principais armas de • 72 DC - O Coliseu é inaugurado em Roma, propor-
mão (a espada, o machado, o arco e a lança) utiliza- cionando ao público o maior local de apresentação
das antes da era da pólvora. de artes marciais do mundo nos próximos 300 anos.

• Século II - P.Oxy. III 466, um papiro grego


manuscrito sobre wrestling, é escrito. É o mais an-
18.3 Idade do Ferro e Antiguidade tigo manual de artes marciais europeu conhecido.

Muitas das artes marciais praticadas hoje têm suas raízes • 477 DC - O primeiro monge Shaolin foi Batuo, um
na Índia e na China, onde acredita-se que o início do am- mestre dhyana indiano que foi à China em 464 d.C.
plo intercâmbio comercial e cultural tenha ocorrido por para difundir os ensinamentos budistas.

110
18.5. INÍCIO DA IDADE MODERNA (1500 A 1800) 111

18.4 Idade Média (500 a 1500) Ambas as proibições aparentemente levaram para a
clandestinidade o desenvolvimento das artes marci-
• 500 - O principal Templo Shaolin foi construído na ais, e podem ter incentivado as técnicas de combate
base oeste da cadeia de montanhas chinesas Song desarmado desenvolvidas para uso contra soldados
Shan, sob as ordens do Imperador Hsiao-wen. Su- armados, tais como o jujutsu.
cessivos imperadores chineses autorizaram monges
lutadores à treinar no templo. Posteriormente, ou-
tros templos Shaolin são construídos na China. 18.5 Início da Idade Moderna
(1500 a 1800)
• 550 - O monge indiano Bodhidharma (chamado no
Japão de Dharuma) funda o zen-budismo e contribui
• 1549 - Hayashizaki Minamoto nasce e mais tarde
com o maipayat para as artes marciais dos templos
funda a arte do iaijutsu ou iaido, a arte do desenho e
Shaolin. Sua filosofia inclui meditação estática e téc-
corte com a espada em um único movimento. Mes-
nicas de respiração relacionadas, e inclui as virtudes
tres sucessores de sua escola podem ser rastreados
marciais da disciplina, humildade, moderação e res-
até os dias atuais.
peito à vida.
• 1600 - Uma espada samurai de estilo mais recente,
• 630 - Na Índia, arte em templo hindu mostra técni- chamada de katana ou daito, é amplamente utili-
cas de combate desarmado. zada.

• 728 - Data da “estela de combate”no Mosteiro • 1600 - Escravos afro-brasileiros começar a desen-
Shaolin. volver a arte da Capoeira.

• 782 - O período Heian japonês começa. Espadas • 1634 - Yuan Sheng, monge guerreiro do século
curvas chamadas de Tachi (espada grande) apare- XVll. Entrou para o exército enfrentou lutas entre
cem. Apesar dos samurais não aparecem tecnica- facções e rebeliões, a maior parte do centro norte e
mente até o século 12, na aparência estas são os noroeste.
primeiros espadas curvas vulgarmente reconhecidas • 1643 - O lendário espadachim japonês Miyamoto
como “espadas de samurai”. * [3] Musashi é creditado como autor de O Livro dos
Cinco Anéis, um trabalho seminal sobre a arte e a
• 1156-1185 - A classe japonesa dos samurais surge filosofia dos samurais e da esgrima. * [4]
durante o período de guerra entre as famílias Taira e
Minamoto. O código de guerreiros do Bushido tam- • 1660 - Chen Hong Tai e Yuan Sheng, participaram
bém emerge durante este tempo. da expulsão dos holandeses que ocupavam a ilha de
Taiwan.
• Século XIII - Malla Purana (Guzerate, Índia)
• 1674 - O exército do imperador chinês Kangxi
queima o Templo Shaolin Song Shan, talvez de-
• Por volta de 1300 - MS I.33, é escrito o mais antigo vido a preocupações sobre a capacidade de sua força
manual de artes marciais existentes que detalha luta de combate. O templo é reconstruído, mas este
armada. evento perturba 1100 anos de treinamento concen-
trado nessa infra-estrutura. Acredita-se que muitos
• 1338 - Início do período Ashikaga japonês, durante dos monges sobreviventes se mudaram para outros
o qual a casta samurai expande sua influência. Mui- templos, espalhando ainda mais o estilo de luta de
tas escolas de esgrima florescem. O período termina Shaolin. * [1]
em 1500.
• 1700 - Desenvolvimento do wing chun kung fu.
• 1400 - A China envia delegações para Okinawa, que
então começa a negociar com a China e o Japão. A • 1700 - Afrescos de templos chineses retratam mon-
arte de combate desarmado de Okinawa chamado ges do Templo Shaolin praticando combate desar-
de “te”é provavelmente influenciada pelas artes mado. Os estilos te de Okinawa, e o Shaolin da
marciais chinesas e japonesas ao longo dos próximos China misturam-se, como parte do comércio entre
três séculos, formando a base para a arte moderna do os países.
karatê.
• 1743 - Jack Broughton, um lutador inglês de boxe
• 1477 - O rei de Okinawa Sho Shin, influenciado pe- com as mãos nuas, escreve as primeiras regras do
los japoneses, * [1] proíbe o porte de armas. Proibi- boxe, que em 1838 se tornaram as Regras de London
ções semelhantes ocorreram no Japão em 1586. * [1] Prize.
112 CAPÍTULO 18. CRONOLOGIA DAS ARTES MARCIAIS

• 1750 - As técnicas do Tai Chi Chuan são escritas. também participa de várias desafios de combate.
Em 1925, Carlos Gracie, um aluno de Mitsuyo Ma-
• 1790 - O Muyedobotongji foi encomendado pelo rei eda, abre a sua escola, a primeira de jiu-jitsu bra-
Jeongjo da Coreia e escrito por Yi Deok-mu, Pak sileiro. (Ver: artes marciais brasileiras) Posterior-
Je-ga, e Baek Dong-su. Vinte e quatro técnicas mente, esta arte é aperfeiçoada pela família Gracie,
são descritas e ilustradas, das quais uma lida com particularmente pelo irmão de Carlos, Hélio Gracie.
*
o combate desarmado, vinte e uma lidam com a [6]
luta armada, e seis incluem habilidades eqüestres.
Desenho de coreanos, chineses, japoneses e fontes, • 1928 - Registros do Templo Shaolin são queimados,
é um dos mais completos manuais militares pré- destruindo muitos documentos e registros dos pri-
modernos da Ásia Oriental. * [5] mórdios das artes marciais.

• Por volta da década de 1930 - O governo tailandês


apresenta um código de regras e regulamentos para
18.6 Século XIX competições de muay thai (boxe tailandês). As luvas
são obrigatórias, substituindo as cordas de cânhamo
• 1867 - John Graham Chambers publica um con- usadas antes da década de 1930. Classes de peso
junto revisto de normas para o boxe. São endos- também são introduzidas e padronizadas.
sada publicamente por John Douglas, 9° Marquês
de Queensberry, levando as regras para se tornar • 1935 - Karate torna-se o nome oficial das artes mar-
conhecido como as Regras do Marquês de Queens- ciais de Okinawa, com base na tradicional arte do te
berry. (mão) e o termo kara (vazio ou desarmado).

• 1882 - Jigoro Kano modifica o tradicional jujutsu ja- • 1936 - Gichin Funakoshi publica a primeira edi-
ponês para desenvolver a arte do judô. Ele abre sua ção de seu livro Karate-Do Kyohan, que documenta
escola, Kodokan. Um dos seus métodos de treina- muito da filosofia e os katas (formas) tradicionais do
mento, chamado randori, removeu as mais perigosas caratê moderno. Uma segunda edição foi publicada
técnicas de luta tendo ênfase no grappling e submis- em 1973, muitos anos após sua morte em 1957. * [7]
são entre os alunos praticados com força total. Seus
alunos ensinaram o judo usando o randori em todo • 1938 - O sambo é apresentado por Anatoly Khar-
o mundo durante o início do século XX. lampiev. Nguyễn Loc apresenta o Vovinam ao
grande público.
• 1892 - O primeiro campeonato mundial de boxe
peso-pesado é realizado sob as Regras do Marquês • 1942 - Morihei Ueshiba começa a usar o termo
de Queensberry de 1867, que são semelhantes às aikido para descrever sua arte, que está relacionado
usadas hoje. No combate final, Jim Corbett derro- com aiki-jujutsu. Ele é creditado como o pai do ai-
tou John L. Sullivan. quidô.

• 1893-1901 - Edward William Barton-Wright estuda • 1943 - O judô, o karatê e o kung fu (wushu) são
jujutsu no Japão e cria o bartitsu ao retornar para oficialmente introduzido na Coreia, provavelmente
a Inglaterra, um dos primeiros a introduzir as ar- começando a se misturar com as artes marciais co-
tes marciais japonesas no Ocidente e criador da pri- reanas.
meira arte marcial conhecida que combina estilos de
luta asiáticos e europeus. • 1945 - A primeira academia coreana, ou a escola
de artes marciais, abre em Seul. Muitas outras es-
colas surgem. Militares coreanos recebem treina-
mento em artes marciais.
18.7 Século XX
• 1945 - Choi, Yong Sool viaja de volta à Coreia de-
• 1900 - Os soldados britânicos e americanos no Japão pois de morar no Japão com Sokaku Takeda. Ele
começam a aprender as técnicas de artes marciais do começa a ensinar dai dong yusool (daito ryu aikiju-
Exército japonês. jutsu), que viria a ser conhecido como hapkido.

• 1908 - O boxe amador torna-se um esporte olím- • 1945 - A Segunda Guerra Mundial termina, com
pico. muitos soldados americanos e britânicos posiciona-
dos na Ásia e expostos às artes marciais. Isso in-
• 1920-1925 - Mitsuyo Maeda, um estudante de clui o norte-americano Robert A. Trias, que come-
Jigoro Kano, viaja para o Brasil (entre outros lu- çou a ensinar artes marciais asiáticas em Phoenix,
gares) para difundir os ensinamentos do judô. Ele no Arizona.
18.8. SÉCULO XXI 113

• 1955 - Em 11 de abril, o General Choi solicita um • 1988 - O estilo da WTF de taekwondo torna-se um
encontro entre mestres coreanos para unificar as ar- esporte de demonstração olímpico. Em 2000 se
tes marciais coreanas. torna um esporte de medalhas completo.

• 1956 - Shimabuku realiza uma reunião com seus • 1993 - O primeiro Ultimate Fighting Championship
alunos e proclama o seu novo sistema como (UFC) é mantido. O lutador de jiu-jitsu brasileiro
isshinryu. Royce Gracie ganha o evento.

• 1957 - Taekwondo torna-se o nome oficial das artes


marciais coreanas. 18.8 Século XXI
• 1959 - Bruce Lee chega aos Estados Unidos e co-
• 2001 - O Marine Corps Martial Arts Program (MC-
meça a ensinar kung-fu (wushu) para seu primeiro
MAP) é formalizado nos Estados Unidos.
aluno, o afro-americano Jesse Glover, a primeira
instância documentado de um ocidental que está
sendo ensinado em artes marciais chinesas. • 2007 - A Zuffa, LLC, a empresa que possui o
Ultimate Fighting Championship (um evento de
• 1959 - A Korea Taekwondo Association (KTA) é artes marciais mistas) comprou o evento PRIDE da
formada. Dream Stage Entertainment.

• 1964 - O kyokushin kaikan um estilo de caratê full- • 2009 - O arnis moderno foi declarado como esporte
contact, é fundado por Masutatsu Oyama. nacional das Filipinas.

• 1966 - A International Taekwondo Federation (ITF)


é formada. 18.9 Referências
• 1972 - O judô torna-se um esporte olímpico oficial. [1] Reid, Howard; Croucher, Michael. The Way of the War-
rior: The Paradox of the Martial Arts.. Nova Iorque, NY:
• 1973 - O filme de Bruce Lee, Enter the Dragon, traz Overlook Press, 1983.
artes marciais asiáticas para o público interno dos [2] Park, Yeon Hee. Tae Kwon Do. Nova Iorque, NY: Check-
Estados Unidos. Ele morre no mesmo ano. mark Books, 1999. p. 1.

• 1973 - A World Taekwondo Federation (WTF) é [3] Shimbabukuro, Masayuki; Pellman, Leonard. Flashing
formada. Steel: Mastering Eishin-Ryu Swordsmanship. Berkeley,
CA: Frog Ltd., 1995.
• 1975 - O livro de Bruce Lee O Tao do Jeet Kune Do [4] Musashi, Miyamoto. The Book of Five Rings. Nova Ior-
é publicado após sua morte. Ele credita a influência que, NY: Shambhala, 2000. (Traduzido por Thomas Cle-
do boxe e da esgrima ocidental no desenvolvimento ary)
de sua arte, entre outros.* [8]
[5] Yi Deok-mu; Pak Je-ga; Baek Dong-su. Muyedobotongji.
Coreia: [s.n.], 1790. (Prefácio escrito pelo rei Jeongjo)
• 1978 - O tukong moosul, desenvolvido por Jang Su-
ok, é aprovado pelo Comando de Guerra Especial [6] Gracie, Renzo; Gracie, Royler. Brazilian Jiu-Jitsu. Mont-
sul-coreano.* [9]* [10] pelier, VT: Invisible Cities Press, 2001.

[7] Funakoshi, Gichin. Karate-Do Kyohan: The Master Text.


• 1980 - O Lun Tien Thuen, é um estilo de kung fu 2° ed. Tóquio: Kodansha International, 1973.
(wushu) baseado nas técnicas do sul e norte da china,
fundado por Chen Hwa Tong, difundido no brasil [8] Lee, Bruce; Lee, Linda. The Tao of Jeet Kun Do. Bur-
pelo seu discípulo, Henrique de Souza Gonçalves bank, CA: O'Hara Publications, 1975.
(Grão Mestre Gonçalves). [9] History of Tukong Moosul, (Korean).
• 1980 - O ashihara kaikan, um estilo de caratê de [10] . ( ). , 2005.
contato total, fundado por Ashihara Hideyuki. Mui-
tas vezes é referido como “fighting karate”pelos
seus praticantes.

• 1983 - O nhat nam, uma arte marcial vietnamita,


foi oficialmente apresentado pelo mestre das artes
marciais Ngo Xuan Binh.
Capítulo 19

Artes marciais chinesas

As artes marciais chinesas (中國武術) refere-se à vari- 19.2 Estilos de artes marciais chi-
edade de estilos de artes marciais provenientes da China.
nesas
Centenas de diferentes estilos de artes marciais chinesas
foram desenvolvidas nos últimos dois mil anos. Diversos
estilos distintos traziam seus próprios conjuntos de téc-
nicas e ideias. Há também diversos temas comuns entre
19.1 História das artes marciais estilos, o que levou a serem caracterizados como perten-
chinesas centes a “famílias”(家, jiā) de artes marciais. Há es-
tilos que imitam movimentos de animais. Há estilos que
reúnem inspiração de diversas filosofias chinesas. Alguns
Alega-se que a maioria das artes marciais chinesas estilos se concentram totalmente na crença de controlar a
e algumas artes marciais japonesas são originárias de energia Qi, Chi ou Ki, enquanto outros focam totalmente
Bodhidharma, um monge indiano que viveu alguns anos competições e exibições. Muitos estilos, também, fazem
no Templo Shaolin (um mosteiro budista) durante sua vi- uso de um vasto arsenal de armas chinesas.
sita à China no século VI A.C. Estudiosos consideram
As artes marciais chinesas podem ser divididas em duas
essa alegação com considerável ceticismo, já que notas
grandes categorias: externas e internas. A diferença está
históricas e a arqueologia moderna relatam origens mais
em que tipo de treinamento seu foco principal compre-
antigas de algumas técnicas e escolas chinesas. Sabe se
ende, mesmo que a maioria dos estilos necessitasse con-
hoje, que o histórico de guerras na China conta seu início
ter ambos elementos internos e externos, na prática isto
há aproximadamente cinco mil anos.
não se revela, cada um tende a se concentrar em um dos
De qualquer forma, o Templo Shaolin, localizado na pro- polos, devido à dificuldade em se entender o que sejam
víncia de Henan, próximo à cidade de Dengfeng, conta elementos internos.
com séculos de tradição fomentando as artes marciais, já
Os estilos externos podem ainda ser divididos entre do
que o templo proporcionou abrigo para artistas marciais
norte e do sul, se referindo a de que parte da China os
das mais variadas técnicas, provenientes de toda a China.
estilos vieram (utilizando o rio Yangtze, ou Chang Jiang,
No mundo todo, as artes marciais são muito praticadas e
como referência).
embora ainda tenham o seu caráter marcial, com o pas-
sar do tempo, o seu desenvolvimento foi se voltando ao
esporte de competição, o que tem ajudado no crescimento
da prática e na sua regulamentação. 19.2.1 Estilos externos (外家 wài jiā)
Existe uma forte influência dos estilos internos de
Wudang, montanha onde existem os templos dos mestres Estes estilos são os mais comuns de serem associados
taoístas. Pouco conhecido no ocidente, ainda um pouco com as artes marciais chinesas. Os estilos são geralmente
fechado até mesmo na China, mas de uma cultura e ri- rápidos e explosivos, com foco na força física e agilidade.
queza ímpar. Atualmente são feitos esforços para tornar Estilos externos podem ser tanto os estilos tradicionais,
o wudang tão popular quanto o shaolin. Os estilos de que focam na aplicação e na luta, como também os esti-
Tai Chi Chuan, xing yi quan e baguazhang entre outros los modernos, adaptados para competições e exercícios.
nasceram praticamente em Wudang, o centro do kung Exemplos de estilos externos são Wing Chun, que enfa-
fu interno onde o qi gong e a meditação são o forte em tiza socos e bloqueios curtos, Shaolin Quan, com seus ata-
seu treinamento. O shaolin é mais conhecido e popular. ques explosivos e chutes altos que se parecem com o Tae
Por outro lado, o centro dos monges e guerreiros Wu- Kwon Do coreano, e também muitos estilos inspirados
dang também têm sua importância, pois influenciaram as por movimentos de animais. Não podemos esquecer das
linhas internas do kung fu chinês. técnicas de Shuaijiao de projeções e quedas, e do chin-na,

114
19.3. VER TAMBÉM 115

técnicas de torções e imobilizações. Estilos externos são vida e com o meio.


iniciados com um treinamento de força muscular, veloci-
dade e aplicação, e geralmente integram conhecimentos
de qigong nos treinamentos avançados, depois que o nível 19.3 Ver também
físico desejado já tenha sido alcançado.
• WING CHUN NO BRASIL// Grão Mestre James
Makáo - Fundador da International School of Wing
19.2.2 Estilos internos (內家 nèi jiā)
Chun and Kak Kan Chun
Estilos internos focalizam primariamente na prática • KAK KAN CHUN // Estilo codificado pelo Grão
do que consideram como elementos internos, como Mestre Makáo entre os Estilos (Wing Chun e Kak
consciência do espírito, da mente e do Nei Gong (poten- Kan)
cial interno). Alguns praticantes de estilo interno dizem
que a diferença entre interno e externo é principalmente • INTERNATIONAL SCHOOL OF WING
a distinção do interior e exterior do corpo. A razão para CHUN AND KAK KAN CHUN-// Fundado pelo
o nome “interno”, de acordo com as escolas, é que há Grão Mestre Makáo em Curitiba no Estado do
um foco nos aspectos internos, desenvolvimento do Chi Paraná e reconhecido Mundialmente.
ou energia vital, já no início do treinamento. Uma vez
• Dim mak (toque da morte)
apreendidas as relações internas, elas são aplicadas ex-
ternamente pelo estilo em questão.
Devido ao longo período que os iniciantes são postos a
trabalhar nos princípios básicos das escolas internas e,
talvez, devido à predominância recentemente de diver-
sas escolas "New Age" ocidentais (que são criticadas pe-
los “conservadores”por enfatizar a filosofia, deixando
de lado o treinamento intenso), várias pessoas passaram a
pensar que tais estilos não oferecem o treinamento físico
necessário.
Nas escolas conservadoras, entretanto, muito tempo é re-
servado ao trabalho físico básico, como por exemplo a
“postura da árvore”(Zhan Zhuang), fortalecimento do
corpo, além possibilidade do uso de armas em nível avan-
çado, que podem conter exigências de coordenação extre-
mamente sofisticadas. Além disso, vários estilos internos
utilizam treinamentos em duplas, como por exemplo, o
Tui Shou.
Os movimentos da maioria dos estilos internos são exe-
cutados lentamente, embora alguns também incluam mo-
vimentos repentinamente explosivos, como aqueles do I-
Chuan, Hsing-I Chuan, Tai chi chuan estilo Chen, Tai chi
chuan estilo Thssen e Pa Kua Chang. É bem verdade que
em toda história, bem poucas pessoas dominaram verda-
deiramente esta classe de estilos. Na atualidade é muito
raro encontrar um mestre de profundo conhecimento no
Neijia. Quanto mais variedades de técnicas e estilos se
treina, pior a qualidade de quem busca aperfeiçoamento
nos estilos internos, mas sua base pode se relacionar tran-
quilamente com os estilos de sua família, desde que ensi-
nados corretamente.
O Neijia é uma forma de Arte Marcial ampla que integra
muitos sistemas e que tem um caráter simbólico. Cada
técnica, movimento e treinamento representa algo mais
profundo da natureza do homem e do universo. Filoso-
ficamente mantém seus valores atemporais (justiça, ética
sabedoria,…) unidos ao aspecto marcial, deixando de ser
apenas um conjunto de técnicas de combate. Quem trilha
um caminho de valor, naturalmente se harmoniza com a
Capítulo 20

Shaolin

20.2 História

O templo Shaolin foi construído em 495 pelo imperador


Xiaowen da dinastia Wei do Norte (386-557) para abri-
gar o mestre indiano Batuo (Buddhabhadra), que veio a
ser o primeiro abade do mosteiro. Nesta época, muitas
pessoas se converteram ao budismo, não muito pela reli-
gião, mas mais para fugir das obrigações com o impera-
dor, pois as leis da época permitiam aos convertidos se-
guir apenas a Buda e à espiritualidade. Já existiam traços
de marcialidade entre os monges budistas. Esses traços
se tornaram fato em 520 com a chegada do monge indi-
ano Bodhidharma, também conhecido como Ta Mo, em
Portão principal do templo Shaolin chinês, e Daruma Taishi, em japonês. Bodidarma pas-
sou nove anos meditando na caverna do pico Wuru, atrás
do mosteiro. Visando a fortalecer os monges, que esta-
vam debilitados devido às longas horas meditando, Bo-
didarma lhes ensinou exercícios que se tornariam a arte
marcial do kung fu shaolin. Bodidarma também lhes en-
sinou técnicas de meditação que viriam a constituir a es-
cola chan de budismo.* [3]* [4]
Foram criados cinco templos, sendo um em Honan e um
em Fukien. Quanto aos outros três, ainda existem dúvidas
sobre suas reais localizações, entre Wotang, Oweishan,
Kwantung, Ngor Mee, Wu Tang e Kwang. No tempo
Shaolin, foram criados os estilos de kung fu do tigre, do
grou, do leopardo, da serpente e do dragão.
Monges do mosteiro Shaolin Os treinamentos no templo eram bem severos, com várias
horas de meditação e treinamentos de luta, o que tornava
O Templo Shaolin é um famoso mosteiro budista loca- os monges uma arma, com total domínio da mente e do
lizado na montanha Shaoshi, na porção oeste das mon- corpo. Tudo começava com crianças entre sete e doze
tanhas Songshan, em Dengfeng City, na província de anos esperando por dias na frente do portão do templo.
Henan, na República Popular da China.* [1] Nele, viveu, As que ficavam então, depois de entrar, passavam por
no século VI, o 28º patriarca budista, Bodhidharma. No vários testes de comportamento, paciência e humildade.
templo, Bodhidharma criou o estilo chan (zen) do bu- Após longos anos e testes, o monge deveria lutar e ven-
dismo, bem como o estilo shaolin de kung fu* [2]. cer os cinco lutadores dos estilos de Shaolin. Após isso, ia
ao corredor da morte, onde a perícia marcial, concentra-
ção e percepção eram postos a prova. Ao chegar ao final,
para abrir a porta, tinha que erguer uma urna com bra-
20.1 Etimologia sas dentro e animais desenhados na sua lateral, os quais
marcariam sua pele pelo resto de sua vida.
Shaolin, traduzido do chinês, significa “floresta da mon- A época de ouro do mosteiro foi durante a dinastia Tang
tanha Shaoshi”.* [3] (618-907). No início do século 7, um grupo formado

116
20.6. LIGAÇÕES EXTERNAS 117

por treze monges do mosteiro salvou o futuro imperador [3] Shaolin Temple. Disponível em http://www.shaolin.org.
da dinastia Tang, Li Shimin. Em recompensa, quando cn/templates/EN_T_new_3list/index.aspx?nodeid=314.
este alcançou o poder, efetuou generosas doações ao mos- Acesso em 10 de novembro de 2013.
teiro.* [4] [4] Shaolin Temple. Disponível em http://www.shaolin.org.
Em 1733, os Manchus, que já haviam invadido a China e cn/templates/EN_T_new_3list/index.aspx?nodeid=315.
tentado invadir o templo anteriormente, conseguiram su- Acesso em 10 de novembro de 2013.
bornar um monge e este traidor envenenou a água e incen-
diou o templo, dando a oportunidade para os Manchus de
destruírem o templo. Deste episódio, apenas sobrevive- 20.6 Ligações externas
ram cinco mestres e quinze discípulos, que se espalharam
e começaram a treinar secretamente pessoas escolhidas • Turismo do templo de Shaolin (Inglês)
na multidão.
• Academia Shaolin kung fu | aprender kung fu no
Ao longo da história, o mosteiro passou por sucessivas
templo de Shaolin China (Inglês)
destruições e reconstruções. Ele funciona até hoje. Hoje,
a China é repleta de fatos históricos que mostram a in-
fluência dos monges Shaolin desde as artes marciais e o flightbrazil.blogspot.com/ Shaolin Brasil (em português)
uso de ferramentas de trabalho como armas brancas até Shaolin Temple (em inglês). Acessado em 10 de novem-
terapias, movimentos religiosos e políticos. bro de 2013.
Neste momento so ha 3 mestres shaolin vivos: Fábio Al-
meida, Sérgio Vieira e Jorge Vieira.

20.3 As Dez Normas Budistas


O monge Kwok Yuen criou um código filosófico com as
seguintes normas:
1 - treinar ininterruptamente
2 - usar as técnicas somente para defesa
3 - respeitar os superiores
4 - ser honesto e sempre demonstrar cordialidade
5 - evitar demonstrações de lutas
6 - nunca ser agressivo ou demonstrar maneiras rudes
7 - jamais comer carne ou provar bebidas alcoólicas
8 - conter seus impulsos sexuais
9 - jamais ensinar técnicas às pessoas que não são budistas
10 - evitar a cobiça e a agressividade

20.4 Bibliografia
TORRES, José Augusto Maciel, Kung Fu: a milenar
arte macial chinesa: águia, bêbado, louva-a-deus, tai chi
chuan, tigre, wing chun. São Paulo, On Line, 2011.

20.5 Referências

[1] Shaolin Temple. Disponível em http://www.shaolin.org.


cn/templates/EN_T_new_3list/index.aspx?nodeid=578.
Acesso em 10 de novembro de 2-013.

[2] VELTE, H. Dicionário ilustrado de budô. Tradução de S.


Pereira Magalhães. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1981. pp.
25-27
Capítulo 21

Meditação budista

21.2 Tradições
A partir das primeiras divisões que ocorreram entre as
escolas iniciais do budismo e à medida que o budismo se
espalhou por diferentes países diferentes tradições foram
surgindo, junto com essas tradições diferentes maneiras
de ensinar meditação apareceram. Algumas 'técnicas' de-
sapareceram em alguns lugares, outras foram adaptadas
e outras foram adicionadas vindas de outras tradições ou
criadas.

21.2.1 Theravada
Monge meditando ao lado de Sirikit Dam tam Tailandia. Na escola Theravada (escola dos anciãos) a meditação
toma como base os ensinamentos do buda contidos no
cânon em Páli.* [2]* [3]. No cânon o Buda prescreve di-
Meditação Budista, meditação usada na prática budista, versos métodos de desenvolvimento mental para erradi-
“inclui qualquer método de meditação que tenha como car apego e aversão, ou desenvolver algum fator que con-
meta última a Iluminação (Bodhi)" (Kamalashila 1996). tribua para a erradicação desses.
A palavra mais próxima de meditação nas linguagens
Atualmente é popularizada uma visão que toma a me-
clássicas do Budismo é bhavana ou “desenvolvimento
ditação por dois ângulos: tranquilidade e concentração
mental” (Epstein 1995).
(samatha) e sabedoria e visão (vipassana). Há escolas
que colocam a meditação Samatha como de menor im-
portância dando maior ênfase em Vipassana, enquanto
outras, como na Tradição Tailandesa das Florestas, veem
Samatha e Vipassana como dois aspectos de um mesmo
21.1 Diferentes visões e equívocos caminho e inseparáveis entre si.* [4]
Algumas meditações populares:
Sendo a meditação o conceito de 'desenvolvimento de
certas qualidades mentais', é importante notar que há di- • Anapana-Sati - Plena atenção na respiração. Traz
versos 'métodos' ensinados por diferentes escolas e pro- calma à mente e desenvolve os sete fatores da ilumi-
fessores que compreendem uma vasta gama de ensina- nação* [5]* [6]
mentos, enfocando mais em uma ou em outra qualidade
a ser desenvolvida, de uma ou de outra maneira. Sendo • Satipatthana - Quatro fundamentos da plena aten-
assim não se deve condensar o conceito de meditação bu- ção. - princípio usado como base para a maioria das
dista em apenas uma escola ou pratica. práticas de vipassana.* [7]
A identificação somente da meditação formal sentada • Metta Bhavana - desenvolvimento de Metta, ou
com a prática é outra visão equivocada, comumente di- 'amor universal'.* [8]* [9]
fundida no ocidente, havendo, por exemplo, a pratica co-
mum da 'meditação andando'* [1]. O conceito da pratica • kayagatha - contemplação da natureza do corpo. In-
meditativa (desenvolvimento mental), ao ser levado mais clui contemplações sobre a natureza do corpo em
a fundo, pode ser expandido para incluir todas as ativida- suas partes, formado pelos quatro elementos e sobre
des do dia a dia. sua decadência e morte.

118
21.5. LEITURAS ADICIONAIS 119

21.2.2 Vajrayana • Kamalashila (1996). Meditation: The Buddhist Art


of Tranquility and Insight. Birmingham: Windhorse
Na escola Vajrayana são adicionados métodos tântricos Publications. ISBN 1899579052.
que tem por objetivo acelerar o processo de iluminação.
• Friedrichs, Kurt, Ingrid Fischer-Schreiber, Franz-
O objetivo dos ensinamentos de Mahamudra e Dzogchen, Karl Ehrard, Michel S. Diener, Dictionnaire de la
ensinados respectivamente pelas escolas Kagyu e sagesse orientale, trad. Monique Thiollet, Ed. Ro-
Nyingma, é se familiarizar com a natureza última da bert Laffont, 1989. ISBN 2-221-05611-6
mente que delineia toda existencia, passando assim por
estágios que levam à iluminação. * [10]
As práticas preliminares das escolas Kagyu e Nyingma 21.5 Leituras adicionais
são chamadas Ngondro, e envolvem visualizações, reci-
tação de mantras e prostrações. • Matthew Flickstein and Bhante Henepola Gunara-
tana. (1998) Journey to the Center: A Medita-
tion Workbook. Wisdom Publications. ISBN 0-86-
21.2.3 Zen 171141-6.
A meditação no Zen é o Zazen. No Zazen é mantida
a atenção plena sentada, com base na respiração, obser-
vando os pensamentos e sensações à medida que surgem 21.6 Ligações externas
e passam. A prática de atenção plena à medida que é de-
senvolvida leva a maior entendimento, aceitação e insight • Dharmanet - Meditação
da realidade. * [11]Também é comum o uso de Koans.
• Falun Dafa

21.2.4 Terra pura [1] http://www.acessoaoinsight.net/arquivo_textos_


theravada/andando.php
A meditação no Budismo Terra pura é basicamente a re- [2] http://www.acessoaoinsight.net/theravada.php
citação do nome do Buda Amitaba, ou visualização do
mesmo. O objetivo do budismo Terra Pura é o renasci- [3] http://casadedharmaorg.org/quem-somos/
mento na Terra Pura de Amitaba* [12], onde o fiel pode o-que-e-o-budismo-theravada/
receber os ensinamentos diretamente deste Buda. [4] Tiyavanich K. Forest Recollections: Wandering Monks in
Twentieth-Century Thailand. University of Hawaii Press,
1997.
21.3 Ver também [5] http://www.acessoaoinsight.net/sutta/MN118.php sutta
onde o Buda detalha o método
• Kammatthana
[6] http://acessoaoinsight.net/arquivo_textos_theravada/
• Vipassana instrucoes_basicas_meditacao_respiracao.php Instru-
ções Básicas para Meditação da Respiração
• Samatha
[7] http://www.acessoaoinsight.net/sati.php
• sati
[8] http://www.acessoaoinsight.net/arquivo_textos_
• Sete fatores da iluminação theravada/metta_bhanteg.php

[9] http://www.sociedadebudistadobrasil.
• satipatthana
org/sala-de-estudos/textos/
• shikantaza refresque-sua-pratica-com-a-meditacao-de-amor-bondade/

[10] http://www.berzinarchives.com/web/pt/archives/
• zazen
advanced/dzogchen/basic_points/introduction_
dzogchen.html
• Quatro qualidades incomensuráveis
[11] http://daissen.org.br/hp/index.php?id=&s=ct&menu_
id=2
21.4 Referências [12] http://www.terrapura.org.br/v2/index.php?option=com_
content&view=article&id=44&Itemid=54
• Epstein, Mark (1995). Thoughts Without a Thinker:
Psychotherapy from a Buddhist Perspective. Basic-
Books. ISBN 0465039316.
Capítulo 22

Bodhidharma

Bodhidharma ou Bodidarma* [2] foi um monge budista Exatamente o quê a prática de “olhar-parede”de
que viveu durante os século V ou VI DC.* [3] Tradicio- Bodhidharma compreendia continua incerto. Quase to-
nalmente a ele é dado o crédito, como o transmissor da dos os relatos tratam esta prática como sendo ou uma
seita Chán* [4] para a China, sendo considerado o seu pri- variação indefinida de meditação, como Daoxuan e Du-
meiro patriarca.* [5] Segundo uma lenda chinesa, ele ini- moulin, ou como uma variação da meditação sentada pa-
ciou o treinamento físico dos monges shaolin, que levaria recida com o zazen (坐禪; Chinês: zuòchán), que, pos-
à posterior criação do Shaolin quan. teriormente, tornou-se uma característica definidora do
Tem-se muito pouca informação contemporânea so- chán; a última interpretação é particularmente comum
bre a vida de Bodhidharma, e narrações posteriores entre os que trabalham do ponto de vista do chán.* [7]
misturaram-se com lendas, mas a maior parte dos relatos Houve, também, interpretações deste “olhar-parede”
concordam que ele foi um monge no sul da Índia que via- como um fenómeno não meditativo.* [8]
jou para o sul da China e, posteriormente, mudou-se para
o norte. Há divergências quanto à data de sua chegada:
um relato antigo diz que ele chegou durante a dinastia Liu
22.1.2 Bodhidharma e as Artes Marciais
Song (420–479), ao passo que relatos posteriores dizem
Diz a lenda que, ao chegar no templo Shaolin,
que chegou durante a dinastia Liáng (502–557). Atual-
Bodhidharma deparou-se com a precária condição de
mente, aceita-se o início do século V.* [6]
saúde dos monges, fruto de sua inatividade. Foi então
que ele teria iniciado os monges na prática de uma série
de exercícios físicos, ao mesmo tempo em que transmitia-
22.1 Ensinamentos lhes os fundamentos da filosofia zen, com o objetivo de
reabilitá-los tanto física quanto espiritualmente.

22.1.1 Meditação Os exercícios ensinados por Bodhidharma eram basea-


dos em métodos de respiração profunda e ioga, e seus
movimentos se assemelhavam a técnicas de combate. A
Tanlin, no prefácio ao“Duas Entradas e Quatro Atos”, e
prática desses exercícios logo tornou-se uma tradição no
Daoxuan, no“Outras Biografias de Monges Eminentes”
templo, vindo mais tarde a atingir um estado de evolução
, mencionam uma prática do Bodhidharma denominada
tal que pôde ser considerada como um verdadeiro e com-
“olhar-parede”(壁觀 bìguān). Tanto Tanlin quanto Da-
pleto sistema de autodefesa: o kung fu shaolin, que, no
oxuan associam esta prática de “olhar-parede”com a
Japão, é conhecido como shorinji kenpo.
“aquietação da mente”(安心 ān xīn). Em outro lugar,
Daoxuan também diz:“Os méritos do método Mahāyāna Esta arte marcial em ascensão logo mostrou sua efici-
de olhar-parede são os mais altos”. Estas são as primei- ência: primeiro, com relação à restabelecida saúde dos
ras menções no relato histórico do que pode ser um tipo monges; segundo, como método de defesa pessoal pro-
de meditação budista relacionada com Bodhidharma. No priamente dito posto em prática contra bandoleiros que,
“Duas Entradas e Quatro Atos”, tradicionalmente atri- por vez ou outra, saqueavam o templo, de quem os mon-
buído a Bodhidharma, o termo“olhar-parede”também ges, em outros tempos, eram considerados presas fáceis.
aparece: Numa lenda, Bodhidharma recusou-se a continuar a en-
sinar seu futuro estudante, Hui-k'o, que manteve vigília
“Aqueles que se afastam da Ilusão de volta por várias semanas na neve fora do monastério e que cor-
à Realidade, que 'meditam nas paredes', a au- tou seu próprio braço direito para demonstrar sua since-
sência de si-mesmo e do outro, a unidade entre ridade.
mortal e sábio e que mantêm-se impassíveis até O Yi Jin Jing dá crédito a Bodhidharma pelo kung fu
mesmo pelas escrituras estão de acordo com- shaolin ensinado aos monges do templo Shaolin, o que
pleto e silencioso com a razão”. o tornaria uma influência importante nas artes marciais

120
22.4. LIGAÇÕES EXTERNAS 121

em geral. O kung fu shaolin se difundiu amplamente


pelo país, principalmente durante a Dinastia Ming (1368-
1644), vindo mais tarde a conquistar outros países da Ásia
e a dar origem a outros estilos de artes marciais, como o
caratê de Okinawa.

22.2 Referências
[1] DESHIMARU, T. A tigela e o bastão: 120 contos zen.
Tradução de Octavio Mendes Cajado. São Paulo. Edi-
tora Pensamento. p. 9.

[2] LEONARD, J. N. Biblioteca de história universal Life: Ja-


pão antigo. Tradução de Thomaz Scott Newlands Neto.
Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. p.
83.

[3] CHUNG, T. C. Zen em quadrinhos. Tradução de Clara


Fernandes. 2ª edição. Rio de Janeiro. Ediouro. 1997. p.
19.

[4] sânscrito: Dhyāna, pali: Jhana, coreano: Seon, japonês:


Zen

[5] LEONARD, J. N. Biblioteca de história universal Life: Ja-


pão antigo. Tradução de Thomaz Scott Newlands Neto.
Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. p.
83.

[6] Macmillan Encyclopedia of Buddhism (Volume One), pa-


ges 57, 130

[7] e.g., Keizan, Denkoroku;


Child, Simon, "In the Spirit of Chan".

[8] viz. Broughton (1999):67–68, onde é dada uma interpre-


tação do Budismo Tibetano do“olhar-parede”como algo
similar ao Dzogchen.

22.3 Ver também


• Zen
• Zazen

• Shikantaza
• Budismo

• Soto

22.4 Ligações externas


• Essence of Mahayana Practice por Bodhidharma.
(em inglês)
Capítulo 23

Budismo

Budismo (páli/sânscrito: बौद्ध धर्म Buddha Dharma)


é uma religião* [1] e filosofia* [1]* [2] não teísta* [1] que
abrange uma variedade de tradições, crenças e práticas
baseadas nos ensinamentos atribuídos a Sidarta Gautama,
mais conhecido como Buda (páli/sânscrito: "O Ilumi-
nado"). De acordo com a tradição budista, Buda viveu
e ensinou na parte leste do subcontinente indiano em al-
gum momento entre os séculos VI e IV AEC.* [3].
Ele é reconhecido pelos adeptos como um mestre
iluminado que compartilhou seu conhecimento para aju-
dar os seres sencientes a alcançar o fim do sofrimento (ou
Dukkha), alcançando o Nirvana (páli: Nibbana) e esca-
pando do que é visto como um ciclo de sofrimento do
renascimento.* [4]
Dois principais ramos do budismo são identificados: o
Mahayana e Teravada. O Teravada (Escola dos Anciãos),
mais tradicional e próximo ao budismo inicial, se es-
palhou mais pelo sudeste da Ásia, em países como Sri
Lanka, Tailândia, Laos e Camboja, enquanto o budismo
Mahayana (Grande Veículo), que se aproximou mais das
tradições dos países por onde se espalhou, e engloba es-
colas como o Zen, Terra Pura e o budismo tibetano, se
espalhou mais pelo Tibete, China e Japão. Várias fontes
colocam o número de budistas no mundo entre 230 mi-
lhões e 500 milhões, tornando-o a quinta maior religião
do mundo.* [5]* [6]
As escolas budistas variam sobre a natureza exata do A grande estátua do Buda Amitaba em Kamakura, no Japão.
caminho da libertação, a importância e canonicidade
de vários ensinamentos e, especialmente, suas práti-
cas* [7]* [8]. Entretanto, as bases das tradições e práticas 23.1 A vida de Buda
são as Três Joias: O Buda (como seu mestre), o Dharma
(ensinamentos baseados nas leis do universo) e a Sangha De acordo com a narrativa convencional, o Buda nasceu
(a comunidade budista)* [9]. Encontrar refúgio espiritual em Lumbini (hoje, patrimônio mundial da Organização
nas Três Joias ou Três Tesouros é, em geral, o que dis- das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e
tingue um budista de um não budista.* [10] Outras práti- a Cultura) por volta do ano 566 a. C. e cres-
cas podem incluir a renúncia convencional de vida secu- ceu em Capilvasto* [11]: ambos, atuais localidades
lar para se tornar um monge (sânscrito; páli: bhikkhu) ou nepalesas* [12]* [13]. Logo após o nascimento de Si-
monja (sânscrito; páli: bhikkhuni). darta, um astrólogo visitou o pai do jovem príncipe,
Suddhodana, e profetizou que Sidarta iria se tornar um
grande rei e que renunciaria ao mundo material para se
tornar um homem santo, se ele, por ventura, visse a vida
fora das paredes do palácio.
O rei Suddhodana estava determinado a ver o seu filho
se tornar um rei, impedindo, assim, que ele saísse do pa-

122
23.2. CONCEITOS BUDISTAS 123

lácio. Mas, aos 29 anos, apesar dos esforços de seu pai, naja. Mara teria oferecido todos os tipos de prazeres e
Sidarta se aventurou por além do palácio diversas vezes. tentações a Sidarta, que implacavelmente repeliu Mara.
Em uma série de encontros (em locais conhecidos pela Vencido Mara, Sidarta acordou para a Verdade, a Ver-
cultura budista como “quatro pontos”* [14]), ele soube dade da origem, da cessação e do caminho que levava ao
do sofrimento das pessoas comuns, encontrando um ho- fim do sofrimento, e se iluminou. Assim, por volta dos
mem velho, um outro doente, um cadáver e, finalmente, quarenta anos, Sidarta se transformou no Buda, o Ilumi-
um asceta sadhu, representando a busca espiritual. Essas nado.
experiências levaram Gautama, eventualmente, a aban- Logo atraiu um grupo de seguidores e instituiu uma
donar a vida material e ir em busca de uma vida espiri-
ordem monástica. A partir de então, passou seus dias en-
tual. sinando o darma, viajando por toda a parte nordeste do
Sidarta Gautama estudou sob diferentes mestres e subcontinente indiano. Ele sempre enfatizou que não era
desencantou-se com o resultado alcançado pelo que en- um deus e que a capacidade de se tornar um buda perten-
sinavam. Chegou a praticar ascese rígida, como jejum cia ao ser humano. Faleceu aos oitenta anos de idade, em
prolongado, restrição da respiração, e outras formas de 483 a. C., em Kushinagar, na Índia.
exposição a dor, muito comum naquele tempo na Índia, Os estudiosos se contradizem em relação às afirmações
e quase morreu ao longo do processo. Mas, houve um sobre a história e os fatos da vida de Buda. A maioria
episodio que uma jovem lhe ofereceu comida e ele acei- aceita que ele viveu, ensinou e fundou uma ordem monás-
tou, isso marcou sua renuncia a tais praticas. Concluiu tica, mas não aceita de forma consistente os detalhes de
que as práticas ascéticas extremas não traziam os resul- sua biografia. Segundo o escritor Michael Carrithers, em
tados que buscava. Deduziu, então, que as práticas eram seu livro O Buda, o esboço de uma vida tem que ser ver-
prejudiciais aos praticantes.* [15] Ele abandonou o asce- dadeiro: o nascimento, a maturidade, a renúncia, a busca,
tismo, concentrando-se na meditação anapanasati, atra- o despertar e a libertação, o ensino e a morte.* [22]
vés da qual descobriu o que hoje os budistas chamam
de “caminho do meio": um caminho que não passa pela Ao escrever uma biografia sobre Buda, Karen Armstrong
luxúria e pelos prazeres sensuais, mas que também não disse: "É obviamente difícil, portanto, escrever uma bio-
passa pelas práticas de mortificação do corpo* [16]. Em grafia de Buda, atendendo aos critérios modernos, porque
outras palavras, o caminho do meio não seria o caminho temos muito pouca informação que pode ser considerada
do apego a qualquer coisa, nem também o caminho da 'histórica'... mas podemos estar razoavelmente confian-
negação ou aversão a qualquer coisa e sim uma terceira tes, pois Siddhartta Gautama realmente existiu e os seus
via. discípulos preservam a sua memória, sua vida e seus en-
sinamentos”* [23].

23.2 Conceitos budistas

23.2.1 A vida e o mundo

Carma: lei de causa e efeito

No budismo, o Carma (do sânscrito कर्म, transl. kar-


mam, e em pali, kamma, “ação”) é a força de samsara
Gautama com seus cinco companheiros, que, mais tarde, compu- sobre alguém. Boas ações (páli: kusala), e/ou ações ruins
seram a primeira Sangha (comunidade monástica budista). Pin- (páli: akisala) geram "sementes" na mente* [24], que vi-
tura da parede de um templo no Laos. rão a aflorar nesta vida ou em um renascimento subse-
quente* [25]. Com o objetivo de cultivar as ações posi-
Quando tinha 35 anos de idade, Sidarta sentou- tivas, o sila é um conceito importante do budismo, ge-
se embaixo de uma figueira-dos-pagodes (Ficus re- ralmente, traduzido como “virtude”, “boa conduta”,
ligiosa)* [17]* [18] hoje conhecida como árvore de “moral”e “preceito”.
Bodhi,* [16] localizada em Bodh Gaya, na Índia e pro- O carma, na filosofia budista, refere-se especificamente
meteu não sair dali até conseguir atingir a iluminação es- a essas ações (do corpo, da fala e da mente) que brotam
piritual* [19]* [20]* [21]. da intenção mental (páli: cetana)* [26] e que geram con-
A lenda diz que Sidarta conheceu a dúvida sobre o sequências (frutos) e/ou resultados (vipaka). Cada vez
sucesso de seus objetivos ao ser confrontado por um que uma pessoa age, há alguma qualidade de intenção em
demônio chamado Mara, que simboliza o mundo das apa- sua mente e essa intenção muitas vezes não é demonstrada
rências, a tentação, comparado ao papel da Satanás no pelo seu exterior, mas está em seu interior e determinará
cristianismo, muitas vezes representado por uma cobra os efeitos dela decorrentes.
124 CAPÍTULO 23. BUDISMO

Cada renascimento ocorre dentro de um dos seis reinos,


de acordo com os nossos reinos de desejos, podendo va-
riar de acordo com as escolas* [28]* [29]* [30]:

1. seres dos infernos: aqueles que vivem em um dos


muitos infernos;
2. preta: o reino de seres que padecem de neces-
sidades sem alívio, sofrimento, remorsos, fome,
sede, nudez, miséria, sintomas de doenças, entre ou-
tros;* [30]
3. animais: um espaço de divisão com os humanos,
mas considerado como outra vida;
4. seres humanos: um dos reinos de renascimento, em
que é possível atingir o nirvana.
5. semideuses: variavelmente traduzido como “divin-
dades humildes”, titãs e antideuses; não é reconhe-
cido pelas escolas Teravada e Maaiana, que os con-
sideram como devas de nível mais baixo;
6. deva: comparado ao paraíso;* [30]

O renascimento em alguns dos céus mais altos, conhecido


como o mundo de Śuddhāvāsa (moradas puras), pode
Tradicional thangka do budismo tibetano alusivo à “Roda da ser alcançado apenas por pessoas com enorme realiza-
Vida”, com seus seis reinos. ção espiritual, conhecidos como não regressistas (sâns-
crito: anāgāmis). Já o renascimento no reino sem forma
No budismo Teravada, não pode haver salvação divina ou (sânscrito: arupa-dhatu) pode ser alcançando apenas por
perdão de um carma, uma vez que é um processo pura- aqueles que podem meditar sobre o arupajhanas, o maior
mente impessoal que faz parte do Universo. Outras es- objeto de meditação.
colas, como a Maaiana, porém, têm opiniões diferentes. De acordo com o budismo praticado no leste asiático e o
Por exemplo, os textos dos sutras (como o Sutra do Lótus, budismo tibetano, há um estado intermediário (o bardo)
Sutra de Angulimala e Sutra do Nirvana) afirmam que, re- entre uma vida e a próxima. A posição Teravada orto-
citando ou simplesmente ouvindo seus textos, as pessoas doxa rejeita esse conceito, no entanto existem passagens
podem expurgar grandes carmas negativos. Da mesma no Samyutta Nikaya do Cânone Páli (coleção de textos
forma, outras escolas, Vajrayana por exemplo, incenti- em que a tradição Teravada é baseada) que parecem dar
vam a prática dos mantras como meio de cortar um carma apoio à ideia de que o Buda ensinou que existe um estado
negativo* [27]. intermediário entre esta vida e a próxima.

Renascimento O ciclo de samsara

Renascimento se refere a um processo pelo qual os seres Samsara é o ciclo das existências nas quais reinam o sofri-
passam por uma sucessão de vidas como uma das muitas mento e a frustração engendrados pela ignorância e pelos
formas possíveis de senciência. Entretanto, o budismo, conflitos emocionais que dela resultam* [31]. O samsara
natural da Índia, rejeita conceitos de "autoestima" per- compreende os três mundos superiores (deva, espiritual e
manente ou“mente imutável”, eterna, como é chamada seres humanos) e os três inferiores (seres ignorantes, in-
no cristianismo e até mesmo no hinduísmo, pois, no bu- feriores e animais), julgados não por um valor, mas em
dismo, existe a doutrina do anatta, sobre a inexistência função da intensidade de sofrimento* [32].
de um “eu”permanente e imutável. Os budistas acreditam, em sua maioria, no samsara. Este,
De acordo com o budismo, o renascimento em existências por sua vez, é regido pelas leis do carma: a boa conduta
subsequentes deve antes ser entendido como uma conti- produzirá bom carma e a má alma produzirá carma ma-
nuação dinâmica, um constante processo de mudança - léfico. Assim como os hindus, os budistas interpretam o
"originação dependente" (sânscrito: pratītya-samutpāda) samsara não esclarecido como um estado de sofrimento.
- determinado pelas leis de causa e efeito (carma), em vez Só nos libertaremos do samsara se atingirmos o estado to-
da noção de um ser encarnado ou transmigrado de uma tal de aceitação, visto que nós sofremos por desejar coisas
existência para outra. passageiras, e alcançarmos o nirvana ou a salvação* [33].
23.2. CONCEITOS BUDISTAS 125

23.2.2 Sofrimento: causas e soluções A compreensão tradicional do Teravada sobre As Qua-


tro Nobres Verdades é que estas são um ensino avançado
As Quatro Nobres Verdades para aqueles que estão“prontos”* [38]. A posição Maai-
ana é que eles são ensinamentos prejudiciais para as pes-
De acordo com o Cânone Páli, As Quatro Nobres Ver- soas que ainda não estão prontas para ensinar.* [26] No
dades foram os primeiros ensinamentos deixados pelo Extremo Oriente, os ensinamentos são pouco conheci-
Buda depois de atingir o nirvana* [34]. Algumas vezes, dos.* [39]
são consideradas como a essência dos ensinamentos do
Buda e são apresentadas na forma de um diagnóstico mé-
dico* [35]: O Nobre Caminho Óctuplo

1. a vida como a conhecemos é finalmente levada ao


sofrimento e/ou mal-estar (dukkha), de uma forma
ou outra;

2. o sofrimento é causado pelo desejo (trishna). Isso


é, muitas vezes, expressado como um engano agar-
rado a um certo sentimento de existência, a indivi-
dualidade, ou para coisas ou fenômenos que consi-
deramos causadores da felicidade e infelicidade. O
desejo também tem seu aspecto negativo;

3. o sofrimento acaba quando termina o desejo. Isso é


conseguido através da eliminação da ilusão (maya)
, assim alcançamos um estado de libertação do ilu-
minado (bodhi);

4. esse estado é conquistado através dos caminhos en-


sinados pelo Buda.

Esse método é descrito por alguns acadêmicos ociden- O Dharmachakra representando o Nobre Caminho Óctuplo.
tais e ensinado como uma introdução ao budismo por al-
guns professores contemporâneos do Maaiana, como por O Nobre Caminho Óctuplo - A Quarta Nobre Verdade do
exemplo o 14º Dalai Lama* [36], Tenzin Gyatso. Buda - é o caminho para a o fim do sofrimento (dukkha).
Tem oito seções, cada uma começando com a palavra
De acordo com outras interpretações de mestres budistas samyak (que em sânscrito significa“corretamente”e“de-
e eruditos, e recentemente reconhecidas por alguns estu- vidamente”), e são apresentadas em três grupos:
diosos ocidentais não-budistas, as “verdades”não re-
presentam meras declarações e/ou indicações, entretanto
• prajna: é a sabedoria que purifica a mente,
estas podem ser agrupadas em dois grupos:* [37]
permitindo-lhe atingir uma visão espiritual da na-
tureza de todas as coisas. Engloba:
1. o sofrimento e as causas do sofrimento;
1. dṛṣṭi (ditthi): ver a realidade como ela é, não apenas
2. a cessação do sofrimento e os caminhos para a li-
como parece ser;
bertação.
2. saṃkalpa (sankappa): a intenção de renúncia, de li-
Assim, a Enciclopédia Macmillan de Budismo simplifica berdade e inocuidade.
As Quatro Nobres Verdades, deixando-as da seguinte
maneira: • sila: é a ética ou moral, a abstenção de atos nocivos.
Engloba:
1.“A Verdade Nobre Que Está Sofrendo";
1. vāc vāc (vāca): falando de uma maneira verdadeira
2.“A Verdade Nobre Que É O Surgimento do Sofri- e não ofensiva;
mento";
2. karman (kammanta): agir de uma maneira não pre-
3.“A Verdade Nobre Que É O Fim do Sofrimento"; judicial;
4.“A Verdade Nobre Que Produz o Caminho para o 3. ājīvana (ājīva): o meio de vida deve seguir os pre-
Fim do Sofrimento”. ceitos citados anteriormente* [40].
126 CAPÍTULO 23. BUDISMO

• samadhi: é a disciplina mental necessária para de-


senvolver o domínio sobre a própria mente. Isso é
feito através de práticas. Engloba:

1. vyāyāma vyāyāma (vāyāma): fazer um esforço para


melhorar;

2. smṛti (sati): ver as coisas como elas estão com a


consciência clara da realidade presente dentro de si
mesmo, sem desejo ou aversão;

3. samādhi (samādhi): meditar ou concentrar-se de


maneira correta.

A prática do Caminho Óctuplo é compreendida de duas


maneiras: desenvolvimento simultâneo dos oito itens pa-
ralelamente, ou como uma série progressiva pela qual o
praticante se move, ao conquistar um estágio. Contudo,
os quatro nikāyas principais e o Caminho Óctuplo, geral-
mente, não são ensinados para leigos e são pouco conhe-
cidos no Extremo Oriente* [39].
Os oito itens do caminho normalmente são apresentados
em três divisões (ou treinamentos elevados), como mos-
trado abaixo:
Debate entre monges do Mosteiro de Sera, no Tibete

Caminho do Meio
correta compreensão de como a mente lida com o es-
Um importante princípio orientador da prática budista é tresse. Ao termos conhecimento sobre o apego, um senti-
o Caminho do Meio, que se diz ter sido descoberto pelo mento de desapego é gerado e se é liberado do sofrimento
Buda, antes de sua iluminação. O Caminho do Meio tem (dukkha) e do ciclo de renascimento (samsara). Para esse
várias definições: efeito, o Buda recomendou ver as coisas através das três
marcas da existência.
1. a prática de não extremismo: um caminho de mode-
ração e distância entre a autoindulgência e a morte;
Impermanência, sofrimento e não eu
2. o meio-termo entre determinadas visões
metafísicas; Anicca é uma das três marcas da existência. O termo
exprime o conceito budista de que todas as coisas são
3. uma explicação do nirvana (perfeita iluminação), compostas ou fenômenos condicionados, sendo estes, in-
um estado no qual fica claro que todas as dualida- constantes, instáveis e impermanentes. Tudo o que pode-
des aparentes no mundo são ilusórias; mos experimentar através dos nossos sentidos é composto
de peças e sua existência depende de condições externas.
4. outros termos para o sunyata, a última natureza de Tudo está em fluxo constante e, assim, as condições e coi-
todos os fenômenos (na escola Maaiana). sas em si estão mudando constantemente. As coisas es-
tão vindo constantemente a ser e deixar de ser. Como
nada dura, não há nenhuma natureza inerente ou fixada
23.2.3 A forma como as coisas são
em qualquer objeto ou experiência.
Estudiosos budistas têm produzido uma quantidade notá- Segundo a doutrina da impermanência, a vida humana
vel de teorias intelectuais, filosóficas e conceitos de visão incorpora esse fluxo no processo de envelhecimento, no
do mundo (por exemplo: filosofia budista, abhidharma e ciclo de renascimento e em qualquer existência de perda.
a realidade no budismo). Algumas escolas do budismo A doutrina afirma ainda que, pelo fato de as coisas serem
desencorajam estudos doutrinários, algumas os conside- impermanentes, o apego a elas é inútil e leva ao sofri-
ram como essenciais, pelo menos para algumas pessoas mento (dukkha).
em algumas fases do budismo. Dukkha ou sofrimento (pāli दुक्ख; sanskrit दुःख duḥkha)
Nos primeiros ensinamentos budistas, de certa forma, é um dos conceitos centrais do budismo. A palavra pode
compartilhado por todas as escolas existentes, o conceito ser traduzida de diversas maneiras, incluindo sofrimento,
de libertação (nirvana) está intimamente ligado com a dor, insatisfação, tristeza, angústia, ansiedade, descon-
23.2. CONCEITOS BUDISTAS 127

forto, estresse, infelicidade e frustração, por exemplo. 11. Jāti: nascimento (entendido como ponto de par-
Apesar disso, dukkha é traduzido, muitas vezes, como tida)* [26]* [45] ;
“sofrimento”, o seu significado filosófico é mais seme-
lhante a“inquietação”, como na condição de ser pertur- 12. Jarāmaraṇa: velhice e morte, também tra-
bado* [41]. Devido a isso, algumas literaturas preferem duzida, através do śokaparidevaduḥkhadaurma-
não traduzir o verbete, como é o caso do inglês, com o nasyopāyāsa, como tristeza, lamentação, dor e mi-
objetivo de englobar em uma palavra todos os significa- séria.* [45].
dos* [42]* [43]* [44].
Anatta, ou anatman, refere-se à noção da inexistência de
Sunyata
um “eu”. Após uma análise cuidadosa, verifica-se que
nenhum fenômeno é realmente “eu”ou “meu”, estes
O budismo Maaiana foi fundado baseado nas teorias
conceitos são, na realidade, construídos pela mente. O
de Nagarjuna, provavelmente o estudioso mais influente
nikayas, no anatta, não é entendido como uma afirmação
dentro das tradições da escola budista. A principal con-
metafísica, mas como uma aproximação para ganhar so-
tribuição do filósofo budista foi a exposição sistemática
frimento. O Buda rejeitou ambos os conceitos, afirmando
do conceito de sunyata, ou “vazio”, comprovada am-
que eles nos ligam ao sofrimento.
plamente nos sutras, como Prajnaparamita, importantís-
simos na época.
Originação dependente O conceito de “vazio”reúne as outras principais dou-
trinas budistas, particularmente a anatta e a pratītyasa-
A doutrina do pratītyasamutpāda é uma parte impor- mutpāda (orientação dependente), para refutar a meta-
tante da metafísica budista. Ela afirma que os fenômenos física da Sarvastivada e Sautrāntika (não extintas da es-
surgem juntos em uma teia interdependente de causa e cola Maaiana). Para Nagarjuna, não são apenas os se-
efeito. É variavelmente traduzida como “orientação de- res sencientes que estão vazios de atman; todos os fenô-
pendente”, “gênese condicionada”, “codependente menos (dharmas) são, sem qualquer svabhava (literal-
decorrentes”ou “emergência”. mente “própria natureza”ou “autonatureza”) e, por-
O conceito mais conhecido e aplicado do pratītyasa- tanto, sem qualquer essência fundamental, pois eles são
mutpāda é o regime dos Doze Nidānas (do páli: nidāna, vazios de ser independentes, assim, as teorias heterodo-
que significa “provocar”, “fundação”, “fonte”e xas de Svabhava, circuladas na época, foram desmentidas
“origem”), que explicam a continuação do ciclo de sofri- com base nas demais doutrinas budistas.
mento e renascimento em detalhe. Os Doze Nidānas des- Os pensamentos de Nagarjuna são conhecidos como
crevem uma relação entre as características subsequentes, Madhyamaka. Alguns dos escritos atribuídos a Nagar-
cada uma dando origem ao nível seguinte: juna fazem referências explícitas aos textos de Maaiana,
mas sua filosofia foi argumentada dentro dos “parênte-
1. Avidyā: ignorância (especificamente espiri- ses”estabelecidos pela ágama. Ele pode ter chegado à sua
tual)* [26]* [45] posição a partir de um desejo de alcançar uma exegese co-
erente da doutrina do Buda, tal como o Canon. Aos olhos
2. Saṃskāras: formações* [45] ; de Nagarjuna, o Buda não era apenas um precursor, mas
3. Vijñāna: consciência* [26]* [45] ; o próprio fundador do sistema Madhyamaka* [46].
Os ensinamentos sarvastivada, que foram criticados
4. Nāmarūpa: nome e forma (refere-se à mente e ao
* * por Nagarjuna, foram reescritos por estudiosos como
corpo) [26] [45] ;
Vasubandhu e Asanga e foram, posteriormente, adapta-
5. Ṣaḍāyatana: suas bases dos sentidos (olhos, nariz, dos para a prática do Yoga (sânscrito: Yogacara). En-
ouvidos, língua, corpo e mente)* [45] ; quanto a escola Madhyamaka declarou que afirmar a exis-
tência ou a inexistência de qualquer coisa, em última aná-
6. Sparśa: contato (traduzido, também, como “im- lise, era inadequado, contudo, alguns expoentes da Yoga-
pressão”ou “estimulo”por um objeto)* [45] ; cara afirmaram que a mente, e só a mente, é real (dou-
trina conhecida como consciência). Entretanto, nem to-
7. Vedanā: sensação, traduzida como algo “desagra-
* dos dentro do Yogacara consideram essa afirmação; Va-
dável”, “agradável”ou neutro [45] ;
subandhu e Asanga, em particular, são um exemplo* [47].
8. Tṛṣṇā: sede, mas, no budismo, refere-se ao de- Além do vazio, a escola Maaiana, muitas vezes, dá
sejo* [45] ; ênfase nas noções de discernimento espiritual pleno
9. Upādāna: apego ou apreensão* [45] ; (prajnaparamita) e na natureza búdica (tathagatagarbha,
que significa “embrião budista”). De acordo com o
10. Bhava: ser (existência) ou se tornar (no Teravada sutras de tathagatagarbha, o Buda revelou a realidade da
possui dois significados: o carma, que produz uma imortal natureza budista, que se diz ser inerente a todos os
nova existência, e a existência em si)* [26]* [45] ; seres vivos e permite que todos eles, eventualmente, atin-
128 CAPÍTULO 23. BUDISMO

jam a iluminação completa, ou seja, tornando-se Budas. 3. É não necessitar mais reencarnar.

4. É o que todo budista procura por toda vida, a paz


Especulações contra a existência direta na epistemo- absoluta.
logia budista
5. É o que faz do homem comum um Buda.
A distinção entre o budismo e outras escolas filosóficas
6. É a iluminação.
indianas é uma questão da justificação da epistemologia.
Apesar de todas as escolas de lógica indiana reconhe- 7. É a extrema paz.
cerem vários conjuntos das justificativas válidas para o
conhecimento (pramana), o budismo, por sua vez, reco-
nhece um conjunto menor do que os outros. Todos acei-
tam a percepção e a inferência, por exemplo, mas, algu- 23.5 Origens
mas escolas budistas não.
De acordo com as escrituras, durante a sua vida, o Buda
permaneceu em silêncio quando questionado sobre várias
questões metafísicas, conhecidas como "Questões avyā-
kata". São perguntas como: se o universo é eterno ou
não (ou se é finito ou infinito), se há unidade ou separa-
ção do corpo e do atman, a inexistência completa de uma
pessoa depois do nirvana, entre outros. Uma explicação
para esse silêncio é que tais questões atrapalham a ativi-
dade prática para o bodhi* [nota 1] e trazem o perigo de
substituir a experiência de libertação através da compre-
ensão conceitual da doutrina ou pela fé religiosa.

23.3 Escolas
A sangha original, após a realização de um concílio no
século IV a.C., dividiu-se em duas escolas de pensa-
mento: Mahasanghika e Sthaviravada. Desses dois tron-
cos, a única escola remanescente é a Theravada.* [48]
Os três veículos principais são: Escolas Antigas, Esco-
las Mahayana e Escolas Vajrayana.* [49]

• Escolas Antigas: Ch'eng-shih, Chu-she, Jôjitsu,


Kusha, Lü-tsung, Mahasanghika, Pudgalavada, A estátua do Tian Tan Buda, no monastério Po Lin, na ilha de
Ritsu, Sarvastivada, Sautrantika, Sthaviravada, Lantau, em Hong Kong.
Theravada e Vaibhashika;* [49]
O budismo formou-se no nordeste da Índia, entre o sé-
• Escolas Mahayana: Ch'an, Ching-t'u, Chittamatra, culo V e IV a.C.. Este período corresponde a uma fase
Fa-hsiang, Hossô, Hua-yen, Ji-shû, Jnanavada, de alterações sociais, políticas e econômicas nessa região
Jôdo, Jôdo Shin, Kegon, Madhyamaka, do mundo. A antiga religiosidade bramânica, centrada
Madhyamika, Nichiren, Nieh-p'an, San-lun, no sacrifício de animais, era questionada por vários gru-
Sanron, Tathagatagarbha, Ti-lun, Won, Yogachara, pos religiosos, que geralmente orbitavam em torno de um
Yün-chi e Zen;* [49] mestre.
• Escolas Vajrayana: Nyingma, Gelug, Sakya, Jonang, Um desses mestres religiosos, como visto acima com
Kadam, Kagyü, Mi-tsung, Shingon, Tendai e T'ien- mais detalhes, foi Sidarta Gautama, o Buda, cuja vida a
t'ai.* [49] maioria dos acadêmicos ocidentais e indianos situa en-
tre 563-483 a.C., embora os acadêmicos japoneses con-
siderem mais provável as datas 448 a 368 a.C. Sidarta
nasceu na povoação de Kapilavastu, que se julga ser a al-
23.4 Nirvana deia indiana de Piprahwa, situada perto da fronteira indo-
nepalesa. Pertencia à casta guerreira (ksatriya).
1. É a meta do budismo.
Várias lendas posteriores afirmam que Sidarta viveu no
2. É o apagar do fogo das paixões e a extinção do ego. luxo, tendo o seu pai se esforçado por evitar que o seu
23.7. ESCRITURAS 129

filho entrasse em contato com os aspectos desagradáveis tempo difícil. A vida enquanto humano é vista como
da vida. Por volta dos 29 anos, o jovem Sidarta deci- uma via intermédia nessa cosmologia, sendo caracteri-
diu abandonar a sua vida, renunciando a todos os bens zada pela alternância das alegrias e dos sofrimentos, o
materiais e adotando a vida de um renunciante. Prati- que, de acordo com a perspectiva budista, favorece a to-
cou o ioga (numa forma que não é a mesma que é hoje mada de consciência sobre a condição samsárica.
seguida nos países ocidentais) e seguiu práticas ascéticasO último reino é o dos deuses (deva) e é composto por vá-
extremas, mas acabou por abandoná-las, vendo que não rios níveis ou residências. Nos níveis mais próximos do
conseguia obter nada delas. Segundo a tradição, ao fim reino humano, vivem seres que, devido à prática de boas
de uma meditação sentado debaixo de uma figueira, des-
acções, levam uma vida harmoniosa. Os níveis situados
cobriu a solução para a libertação do ciclo das existências
entre o vigésimo terceiro e o vigésimo sétimo são deno-
e das mortes que o atormentava.
minados como “Residências Puras”, sendo habitadas
Pouco depois, decidiu retomar a sua vida errante. Chegou por seres que se encontram perto de atingir a iluminação
a um bosque perto de Benares, onde pronunciou um dis- e não voltarão a renascer como humanos.
curso religioso diante de cinco jovens, que convencidos
pelos seus ensinamentos, se tornaram os seus primeiros
discípulos e com quem formou a primeira comunidade 23.7 Escrituras
monástica (sangha). O Buda dedicou, então, o resto da
sua vida (talvez trinta ou cinquenta anos) a pregar a sua
doutrina através de um método oral, não tendo deixado
quaisquer escritos.

23.6 Cosmologia
A cosmologia budista considera que o Universo é com-
posto por vários sistemas mundiais, sendo que cada um
desses possui um ciclo de nascimento, desenvolvimento e
declínio que dura bilhões de anos. Num sistema mundial
existem seis reinos, que por sua vez incluem vários níveis,
num total de trinta e um.
O reino dos infernos situa-se na parte inferior. A concep-
ção do inferno budista é diferente da concepção cristã, na
medida em que o inferno não é um lugar de permanên-
cia eterna nem o renascimento nesse local é o resultado
de um castigo divino; os seres que habitam no inferno
libertam-se dele assim que o mau karma que os conduziu
ali se esgota. Por outro lado, o budismo considera que
existem não apenas infernos quentes, mas também infer-
nos frios.
Acima do reino dos infernos pelo lado esquerdo,
encontra-se o reino animal, o único dos vários reinos per- Edição do Cânone Páli
ceptível aos humanos e onde vivem as várias espécies.
Acima do reino dos infernos pelo lado direito, encontra-se
Buda não deixou nada escrito. De acordo com a tradi-
o mundo dos espíritos ávidos ou fantasmas (preta). Os se-
ção budista, ainda no próprio ano em que o Buda faleceu,
res que nele vivem sentem constantemente sede ou fome, teria sido realizado um concílio na cidade de Rajaghra,
sem nunca terem essas necessidades saciadas. A arte bu-onde discípulos do Buda recitaram os ensinamentos pe-
dista representa os habitantes desse reino como tendo um
rante uma assembleia de monges que os transmitiram de
estômago do tamanho de uma montanha e uma boca mi- forma oral aos seus discípulos. Porém, a historicidade
núscula. desse concílio é alvo de debate: para alguns, esse relato
O reino seguinte é o dos Asura (termo traduzido como não passa de uma forma de legitimação posterior da au-
“Titãs”ou dos antideuses). Os seus habitantes ali nas- tenticidade das escrituras.
ceram em resultado de acções positivas realizadas com Por volta do século I, os ensinamentos do Buda come-
um sentimento de inveja e competição e vivem em guerra çaram a ser escritos. Um dos primeiros lugares onde se
constante com os deuses. escreveram esses ensinamentos foi no Sri Lanka, onde
O quinto reino é o dos seres humanos. É considerado se constituiu o denominado Cânone Páli. O Cânone Pali
como um reino de nascimento desejável, mas ao mesmo é considerado pela tradição Theravada como contendo
130 CAPÍTULO 23. BUDISMO

os textos que se aproximam mais dos ensinamentos do budistas. O imperador ordenou a construção de hospe-
Buda. Não existem, contudo, no budismo um livro sa- darias para os viajantes e que fosse proporcionado trata-
grado como a Bíblia ou o Alcorão, que seja igual para to-mento médico não só aos humanos, mas também aos ani-
dos os crentes; para além do Cânone Pali, existem outros mais. O rei aboliu também a tortura e provavelmente a
cânones budistas, como o chinês e o tibetano. pena de morte. A caça, desporto tradicional dos reis, foi
O cânone budista divide-se em três grupos de textos, de- substituída pela peregrinação a locais budistas. Apesar
nominado “Triplo Cesto de Flores”(tipitaka em pali e de ter favorecido o budismo, Asoka revelou-se também
tripitaka em sânscrito): tolerante para com o hinduísmo e o jainismo.
Asoka pretendeu também divulgar o budismo pelo
mundo, como revelam os seus éditos. Segundo estes,
1. Sutra Pitaka: agrupa os discursos do Buda tais como
foram enviados emissários com destino à Síria, Egito
teriam sido recitados por Ananda no primeiro con-
e Macedónia (embora não se saiba se chegaram aos
cílio. Divide-se por sua vez em vários subgrupos;
seus destinos) e para o oriente, para um terra de nome
Suvarnabhumi (Terra do Ouro) que não se conseguiu
2. Vinaya Pitaka: reúne o conjunto de regras que os
identificar com segurança.
monges budistas devem seguir e cuja transgressão é
alvo de uma penitência. Contém textos que mos- O Império Máuria chegou ao fim em finais do século II
tram como surgiu determinada regra monástica e a.C.. A Índia foi então dominada pelas dinastia locais dos
fórmulas rituais usadas, por exemplo, na ordenação. Sunga (185–173 a.C.) e dos Kanva (c.73–25 a.C.), que
Estas regras teriam sido relatadas no primeiro con- perseguiram o budismo, embora este conseguisse preva-
cílio por Upali; lecer. Perto do início da era actual, o noroeste da Índia foi
invadido pelos citas, que formariam o Império Kushana.
3. Abhidharma Pitaka: trata do aspecto filosófico e Um dos mais importantes reis desta dinastia, Kanishka
psicológico contido nos ensinamentos do Buda, in- (c. 127-147), foi um grande proselitista do budismo.
cluindo listas de termos técnicos.
Durante a era da dinastia Gupta (320-540), os monarcas
favorecem o budismo, mas também o hinduísmo. Em
Quando se verificou a ascensão do budismo Mahayana, meados do século VI, os Hunos Brancos, oriundos da
essa tradição alegou que o Buda ensinou outras doutri- Ásia Central, invadem o noroeste da Índia, provocando
nas que permaneceram ocultas até que o mundo estivesse a destruição de inúmeros mosteiros budistas. A partir de
pronto para recebê-las; dessa forma a tradição Mahayana 750, a dinastia Pala governou no nordeste da Índia até ao
inclui outros textos que não se encontram no Theravada. século XII, apoiando os grandes centros monásticos bu-
distas, entre os quais o de Nalanda. Contudo, a partir
do século XII, o budismo entra num declínio definitivo
devido a vários factores. Entre estes, encontravam-se o
23.8 Difusão do budismo revivalismo hindu, que se manifestou com figuras como
Adi Shankara e pelas invasões dos muçulmanos dos sé-
23.8.1 Índia culos XII e XIII.
Embora o budismo tenha passado por uma verdadeira re-
novação a partir de 1959, ano em que o Dalai Lama esco-
lhe o exílio, ele parece quase ausente da Índia, a ponto de
termos, muitas vezes, de seguir turistas estrangeiros para
localizar os lugares santos de antigamente. Nesse per-
curso, ao longo dos séculos, o budismo suscitou desvios,
heresias, seitas.* [50]

23.8.2 Sri Lanka e Sudeste da Ásia


Porcentagens de budistas por país. A tradição cingalesa atribui a introdução do budismo no
Sri Lanka ao monge Mahinda, filho de Asoka, que te-
A partir do seu local de nascimento no nordeste indiano, o ria chegado à ilha em meados do século III a.C., acom-
budismo espalhou-se para outras partes do norte e para o panhado por outros missionários. Esse grupo teria con-
centro da Índia. Durante o reinado do imperador máuria vertido ao budismo o rei Devanampiya Tissa e grande
Asoka, que se converteu ao budismo e que governou uma parte da nobreza local. O rei ordenou a construção do
área semelhante à da Índia contemporânea (com excep- Mahavihara (“Grande Mosteiro”em pali) na então ca-
ção do sul), essa religião consolidou-se. Após ter con- pital do Sri Lanka, Anuradhapura. O Mahavihara foi o
quistado a região de Calinga pela força, Asoka decidiu grande centro do budismo Theravada na ilha nos séculos
que a partir de então governaria com base nos preceitos seguintes.
23.8. DIFUSÃO DO BUDISMO 131

Wat Mahathat, em Sukhothai, na Tailândia.

Foi no Sri Lanka que, por volta do ano 80 a.C., se redigiu


o Cânone Pali, a colectânea mais antiga de textos que re-
flectem os ensinamentos do Buda. No século V, chegou
à ilha o monge Buddhaghosa que foi responsável por co-
ligir e editar os primeiros comentários feitos ao Cânone,
traduzindo-os para o pali.
Na Tailândia, o budismo lançou raízes no século VII nos Pintura nas grutas de Bezeklik, no oeste da China, retratando
monges budistas.
reinos de Dvaravati (no sul, na região de Banguecoque)
e de Haripunjaya (no norte, na região de Lamphun), am-
bos reinos da etnia Mon. No século XII, o povo Tai, que
dista da China, o monastério Baima, na atual cidade de
chegou ao território vindo do sudoeste da China, adoptou
Luoyang, na província de Henan. Os monges levaram,
o budismo Theravada como a sua religião.
para a China, 42 sutras, contendo 600 000 palavras em
A presença do budismo na península Malaia está ates- sânscrito.
tada desde o século IV, assim como nas ilhas de Java e
Independentemente da tradição, o budismo só se espa-
Sumatra. Nessas regiões, verificou-se um sincretismo en-
lhou na China nos séculos V e VI com o apoio das dinas-
tre o budismo Mahayana e o xivaísmo, que está ainda hoje
tias Wei e Tang. Durante este período, estabeleceram-se,
presente em locais como a ilha de Bali. Entre o século VII
na China, escolas budistas de origem indiana ao mesmo
e o IX, a dinastia budista dos Xailendra governou partes
tempo em que se desenvolveram escolas próprias chine-
da Indonésia e a península Malaia, tendo sido responsá-
sas.
vel pela construção de Borobudur, uma enorme estupa
que é o maior monumento existente no hemisfério sul. O
islamismo chegou à Indonésia no século XIV, trazido pe-
los mercadores, acabando por substituir o budismo como 23.8.4 Coreia e Japão
religião dominante. Atualmente o budismo é principal-
mente praticado pela comunidade chinesa da região. O budismo entrou na Coreia no século IV. Nesta altura,
a Coreia não era um território unificado, encontrando-
se dividida em três reinos rivais: o reino de Koguryo no
norte, o reino de Paekche no sudoeste e o reino de Silla
23.8.3 China no sudeste. Estes três reinos reconheceriam o budismo
como uma religião oficial, tendo sido o primeiro a fazê-
A tradição atribui a introdução do budismo na China ao lo Paekche (384), seguindo-se o Koguryo (392) e Silla
imperador Ming de Han (25-220 d.C.), o segundo impe- (528). Em 668, o reino de Silla unificou a Coreia sob o
rador da dinastia Han do leste. Este imperador teve um seu poder e o budismo conheceu uma era de desenvol-
sonho no qual viu um ser voador dourado, interpretado vimento. Foi nesse período que viveu o monge Wonhyo
por seus conselheiros como uma visão do Buda. O impe- Daisa (617-686), que tentou promover um budismo do
rador enviou emissários a outros países, a oeste da China, qual fizessem parte elementos de todas as seitas. No sé-
para obter informações sobre a doutrina de Buda. culo VIII, foi difundido na Coreia o budismo da escola
Escrituras budistas teriam sido trazidas à China, nas chinesa Chan , denominado son (ou seon)em coreano e
costas de cavalos brancos, por Dharmarakṣa e Kaśyapa que se tornou a escola dominante. O budismo continuou
Mātaṅga, dois grandes monges indianos. Então o im- a florescer durante a era Koryo (935-1392), até que a di-
perador ordenou a construção do primeiro templo bu- nastia Li (1392-1910) favoreceu o confucionismo.
132 CAPÍTULO 23. BUDISMO

da escola Gelugpa. Em 1641, com ajuda dos mongóis, o


quinto Dalai Lama derrotou o último príncipe tibetano e
tornou-se o líder temporal do Tibete. Os seguintes da-
lai lamas foram na prática os governantes do Tibete até
à invasão chinesa. O quinto dalai lama criou o cargo de
Panchen-lama, que reside no mosteiro de T-shi-lhum-po
e que foi visto como uma encarnação do Amitabha.

23.9 Notas
[1] Majjhima Nikaya (Thanissaro, 1997). Para uma leitura
mais profunda sobre o contexto, veja Thanissaro (2004).
Em inglês.

Kanji japonês para “Zen”. 23.10 Referências


[1] Perguntas e Respostas sobre o Buddhismo (em Português)
A partir da Coreia e da China, o budismo foi introdu- Perguntas e Respostas sobre o Buddhismo Dharmanet. Vi-
zido no Japão em meados do século VI. Em 593, o prín- sitado em 07 de Dezembro de 2010.
cipe Shotoku declarou-o como religião do Estado, mas o
[2] O que é Budismo? Grande Mestre Hsing Yün. Visitado
budismo foi até à Idade Média um movimento ligado à
em 7 de Fevereiro de 2010.
corte e à aristocracia sem larga adesão popular (os mis-
sionários coreanos tinham apresentado à corte japonesa [3]“Budismo”(“Buddhism”, versão original). (2009). Na
o budismo como elemento de protecção nacional). Du- Encyclopĉdia Britannica. Consultado no dia 26 de No-
rante a era Nara (710-794)-Héian (794-1185), várias sei- vembro de 2009, na Encyclopĉdia Britannica Online Li-
tas de expressão chinesa começaram a implantar-se no brary Edition.
Japão. São deste último período a escola Shingon e Ten- [4] O retiro de Siddhārtha Gautama; os ataques de Māra; a
dai (Tien Tai). Durante a era Kamakura (1185-1333), iluminação do Buddha e o primeiro voto de refúgio.. Vi-
o budismo populariza-se finalmente com as escolas Terra sitado em 17 de Junho de 2010.
Pura, Nichiren e Zen (Chan) nas suas principais vertentes
chinesas das escolas Rinzai (Linji) e Soto (Caodong). [5] Major Religions Ranked by Size Garfinkel Perry, do De-
partamento Internacional de Liberdade Religiosa do Go-
verno Estadunidense (Originalmente em 20 de Setembro
de 2008). Visitado em 7 de Fevereiro de 2010.
23.8.5 Tibete
[6] As Cinco Maiores Religiões - Brasil Escola Gabriela Ca-
No Tibete, o budismo propagou-se em dois momentos di- bral, para o BrasilEscola.com. Visitado em 7 de Fevereiro
ferentes. O rei Srong-brtsan-sgam-po (Songtsen Gampo, de 2010.
c.627-c.650), influenciado pelas suas duas esposas bu-
[7] Robinson et al., Religião Budista (Buddhist Religions),
distas, decidiu mandar chamar ao Tibete monges indi-
pág. xx; Filosofia Oriental e Ocidental, vol. 54, ps 269f;
anos para ali difundirem a religião. Durante o reinado Williams, Budismo Maaiana, Routledge, 1st ed., 1989,
de Khri-srong-lde-btsan (Trisong Deutsen), construiu-se pp. 275f (2nd ed., 2008, p. 266)
o primeiro mosteiro budista tibetano e em 747 chegou ao
território o notável iogue indiano Padmasambhava, que [8] Budismo e escolas budistas uniaobudistaporto.org. Visi-
organizou o budismo tibetano e fundou a escola hoje co- tado em 7 de Fevereiro de 2010.
nhecida como Nyingma (ou “escola da tradição antiga” [9] As Três Joias do Budismo Grupo de Estudos Budista Shu-
, em relação às posteriores escolas estabelecidas por ou- rendo. Visitado em 7 de Fevereiro de 2010.
tros professores). Contudo, uma reação hostil da religião
nativa, o Bön, levaria ao declínio do budismo nos dois [10] Perguntas e Respostas sobre os Buddhistas (em Portu-
séculos seguintes. guês) Perguntas e Respostas sobre os Buddhistas Dharma-
net. Visitado em 12 de Dezembro de 2010.
O budismo seria reintroduzido no Tibete a partir do sé-
culo XI, com a ajuda do monge indiano Atisa, que che- [11] Darmapada: a doutrina budista em versos. Tradução do
gou ao território em 1042. Com o passar do tempo, páli, introdução e notas de Fernando Cacciatore de Gar-
cia. Porto Alegre, RS: L&PM Editores, 2010. p. 16.
formaram-se quatro escolas: Sakyapa, Kagyupa, Nying-
mapa e Gelugpa. Em 1578, membros desta última escola [12] Lumbini, the Birthplace of the Lord Buddha - UNESCO
converteram o mongol Altan Khan à sua doutrina. Alta World Heritage Centre Gethin, para o Fundations, pág.
Khan criou o título de Dalai Lama, que concedeu ao líder 19.. Visitado em 8 de Fevereiro de 2010.
23.10. REFERÊNCIAS 133

[13] TEZUKA, Osamu. Buda - Vol. 1 - No Reino de Kapila- [33] HowStuffWorks - Reencarnação no Budismo Sarah Dow-
vastu. Conrad Editora. ISBN 85-7616-079-X. dey. Visitado em 11 de Fevereiro de 2010.

[14] |titulo=Buddhism |trabalho=Barbara O'Brien |data= |aces- [34] Dhammacakkappavattana Sutta: Setting in Motion the
sodata=8 de Fevereiro de 2010}} Wheel of Truth (SN 56.11) Do The Book of Protection,
traduzido por Piyadassi Thera (1999). Visitado em 11 de
[15] Shakyamuni mantra : Wildmind Buddhist Meditation.
Fevereiro de 2010.
Visitado em 8 de Fevereiro de 2010.

[16] As Religiões. Visitado em 8 de Fevereiro de 2010. [35] Desenredo - site cultural. Visitado em 11 de Fevereiro de
2010.
[17] FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portu-
guesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, [36] As Quatro Nobre Verdades e o Nobre Caminho Óctuplo
1986. p.776 do Budismo: uma visão mais apropriada : Curta Vida (1
de Janeiro de 2009). Visitado em 11 de Fevereiro de 2010.
[18]
[37] GETHIN, Rupert. The Foundations of Buddhism (OPUS).
[19] Árvore, mito e corpo no Yoga João Tadeu de Andrade (8 Oxford University Press, 1998. ISBN 0-19-289223-1.
de Janeiro de 2009). Visitado em 8 de Fevereiro de 2010.
[38] Hinnels, John R.. The New Penguin Handbook of Living
[20] Buddha, Bihar, Lord Buddha, Mahabodhitree, árvore
Religions. Londres: Penguin Books. ISBN 0-14-051480-
do mahabodhi no bodhgaya, gaya do bodh, www.
5.
buddhabihar.com AUPS MULTIMEDIA. Mumbai, New
Delhi, Patna. Visitado em 8 de Fevereiro de 2010.
[39] ELIOT. Japanese Buddhism (Kegan Paul Japan Library).
[21] A magia das árvores Carlos Cardoso Aveline, jornalista, Routledge, 2005. ISBN 0-7103-0967-8.
escritor e articulista da revista Planeta (06 de Março de
2009). Visitado em 8 de Fevereiro de 2010. [40] Textos: O Que É o Budismo (Colegiado Buddhista Brasi-
leiro) - Parte 1 23 de Julho de 2007 (1 de Janeiro de 2009).
[22] CARRITHERS, Michael. The Buda. Estados Unidos: Visitado em 11 de Fevereiro de 2010.
Oxford University Press, 1984, pág. 10. ISBN 0-19-
287589-2. [41] O que é dukkha? : Nalanda Curitiba Rewata Dhamma
Sayadaw (4 de Janeiro de 2007). Visitado em 14 de Fe-
[23] ARMSTRONG, Karen (28 de Setembro de 2004). vereiro de 2010.
Buddha. Penguin Press. p. XII. ISBN 0-14-303436-7.
[42] Rahula, Walpola. What the Buddha Taught. [S.l.]: Grove
[24] O Pico da Montanha (é onde estão os meus pés): Ações
Press, 1959. ISBN 0-8021-3031-3
e frutos, karma e vipaka Monge Genshô (28 de Maio de
2009). Visitado em 9 de Fevereiro de 2010.
[43] Prebish, Charles. Historical Dictionary of Buddhism.
[25] Zen as a Social Ethics of Responsiveness T. P. Kasulis (28 [S.l.]: The Scarecrow Press, 1993. ISBN 0-8108-2698-
de Maio de 2009). Visitado em 9 de Fevereiro de 2010 4
ISSN 1076-9005.
[44] Keown, Damien. Dictionary of Buddhism. [S.l.]: Oxford
[26] HARVEY, Peter. An Introduction to Buddhism: Tea- University Press, 2003. ISBN 0-19-860560-9
chings, History and Practices (Introduction to Religion).
Cambridge University Press, 1990. ISBN 0-521-31333- [45] The Origin of Buddha: “Impermanence, suffering and
3. / .2: Página 56; .3: Página 57; .4: Página 58; .5: Página non-self” (17 de maio de 2009). Visitado em 17 de fe-
59; .6: Página 60; vereiro de 2010.

[27] PAYNE, Richard. Tantric Buddhism in East Asia. Wis- [46] LINDTNER, ChristiaN. Master of Wisdom: Writings of
dom Publications, 2005. ISBN 0-86171-487-3. the Buddhist Master Nagarjuna (Tibetan Translation Se-
ries). Dharma Publishing, 1987. ISBN 0-89800-139-0.
[28] A Roda da Vida. Visitado em 10 de Fevereiro de 2010.

[29] OS SEIS REINOS DE EXISTÊNCIA - Parte 01 - Win- [47] What is and isn't Yogacara Dan Lusthaus. Visitado em 18
dows Live Daisy Camargo (07 de Junho). Visitado em 10 de Fevereiro de 2010.
de Fevereiro de 2010.
[48] As primeiras escolas (em Português) Sangha Dharmanet.
[30] Budismo: Renascimento e os Seis Reinos da Existência Visitado em 12 de Dezembro de 2010.
Ari Santos Dias (6 de Agosto de 2009). Visitado em 10
de Fevereiro de 2010. [49] Escolas e países buddhistas (em Português) Sangha Dhar-
manet. Visitado em 12 de Dezembro de 2010.
[31] Budismo - História do Budismo - História do Mundo. Vi-
sitado em 11 de Fevereiro de 2010. [50] Índia: O livro - Budismo

[32] Glossário De Budismo Tibetano. Visitado em 11 de Fe-


vereiro de 2010. c2
134 CAPÍTULO 23. BUDISMO

23.11 Ver também 23.13 Ligações externas


• História do budismo • Acesso ao Insight

• Índia • Centro de Estudos Budistas Nalanda (Sala de Estu-


dos com textos e livros inteiros gratuitos)
• Budismo da Ásia Oriental
• Sociedade Budista do Brasil
• Quatro Nobres Verdades • Casa de Dharma
• Anatta • Sociedade Vipassana de Meditação

• Anicca (Impermanência) • Textos páli e traduções para o inglês

• Quatro qualidades incomensuráveis • Suttapitaka.org

• Budismo no Brasil

• Originação dependente

• Paramitas

• Budismo tibetano

• Renascimento

• Lista de budistas

• Theravada

• Mahayana

• Zen Budismo

• Religiões do Oriente

• Bandeira Budista

• Abhisamayalamkara

• Estudos budistas

• Síntese das religiões orientais

23.12 Bibliografia
• BARBEIRO, Heródoto.C2 moro Buda: o mito e a
realidade. São Paulo : Madras, 2005. ISBN 85-
370-0025-6.

• BAREAU, André - O Buda: Vida e Ensinamentos.


Lisboa: Editorial Presença, 1997. ISBN 972-23-
2205-2.

• KEOWN, Damien - O Budismo. Lisboa: Temas e


Debates, 2002. ISBN 972-759-426-3

• SMITH, Huston; NOVAK, Philip. Budismo: uma


introdução concisa. trad. Cláudio Blanck. São
Paulo : Cultrix. ISBN 85-316-0845-7.
Capítulo 24

Wushu

Do pinyin: Wushu (chinês tradicional: 武術, chinês sim- 24.1 História


plificado: 武术) É um termo chinês que literalmente sig-
nifica“arte da guerra”ou“arte marcial”na China este
termo caracteriza qualquer estilo de arte marcial, ou ta-
refa feita com perfeição, não apenas artes marciais.* [1]
Temos também outro termo bastante usado na China,
Kuoshu (pinyin: Guoshu), que significa “arte nacional”
, este termo foi imposto pelo governo chinês para desig-
nar a arte marcial (Wushu) de uma forma mais naciona-
lista.* [2]
Existem catalogados na China mais de 300 estilos dife-
rentes dcrte Kung Fu/Wushu/Kuoshu, e estes podem
ser classificados em duas escolas: Waijia ou escola ex-
terna, e Neijia ou escola interna.
Na primeira se incluem a maior parte dos estilos de Kung
Fu, alguns, originários do Templo Shaolin, outros, de
outros templos, como por exemplo: Emeishan, Fukien, Demonstração de Kung Fu no Mosteiro de Daxiangguo.
Huanshan. Tal escola visa prioritariamente a prática para
o desenvolvimento externo, ou seja, para o desenvol- Os primeiros registros infiéis de Kung Fu foram encon-
vimento propriamente físico ou marcial, são estilos de trados em ossos e cascos de jabutis da Dinastia Shang
Kung Fu classificados como Duros. A maioria dos esti- (1766 - 1122 a.C.), embora acredita-se que o Kung Fu se
los externos se encaixam no estilo principal: tongbeiquan, desenvolveu muito antes disso. Machados de pedra, facas
um estilo baseado no movimento de animais tais como o e flechas foram desenterrados do período da China em re-
tigre, o louva a deus, o macaco, a serpente e a garça. Ou- centes escavações. Na verdade, Huang-Ti, o terceiro dos
tro exemplo de estilo de Kung Fu externo é o Sanshou, ou Três Imperadores de Verão (embora alguns o considerem
Sanda ou boxe chinês e o Shuai Chiao, direcionado para o primeiro imperador da China) usava espadas de cobre
combates. Voltando a escola interna, podemos dizer que para o combate.
ela visa mais a prática para o desenvolvimento interno, ou Ch'uan fa, ou estilo do punho, como era chamado o Kung
do Chi, a energia interna, são estilos classificados como Fu no começo, tornou-se muito popular, quando os guer-
Suaves. reiros de Chou da China Ocidental derrotaram o monarca
A escola interna ficou mais conhecida, a partir do tem- da dinastia Shang em 1122 a.C. Durante o período Chou,
plo Wudang, centro que enfatizava estilos tradicionais, o Shuai Jiao chamado na época de Jiao Di foi listado
alguns muito famosos no Ocidente, como o Baguazhang, como um esporte militar juntamente com arco e flecha
Xingyiquan e o Taijiquan. Outras modalidades da escola e corrida de carruagens. Existem indícios que o Shuai
interna, como o I-Chuan, o Hsing-I e o Pakua, não tive- Jiao foi o primeiro estilo de wushu que se tem registros
ram origem em templos. na China. O período de 770-481 a.C. foi chamado de
Era da Primavera e do Outono. Durante esta época, o
Uma reformulação moderna com um intuito esportivo de
Kung Fu foi chamado de ch'uan yung, e a arte começou
alto desempenho é o Kung Fu Moderno, que frequen-
a florescer.
temente exige atletas muito bem preparados. Paralela-
mente, temos o Kung Fu Tradicional, tendo inclusive O período dos Estados Guerreiros (480-221 a.C.) produ-
muito mais praticantes do que o Kung Fu Moderno. O ziu muitos estrategistas que enfatizavam a importância do
foco do Kung Fu Tradicional é oferecer uma prática es- Kung Fu na construção de um forte exército. Conforme
portiva e marcial para todas as idades. mencionado por Sun-tzu (A Arte da Guerra),“Exercícios
de Shuai Jiao e ataque fortalecem o físico do guerreiro”

135
136 CAPÍTULO 24. WUSHU

. Dos notáveis mestres de Kung Fu em luta de espadas No Brasil, o kung-fu é mantido graças ao trabalho de
naquele tempo, muitos eram mulheres. Uma delas, Yu- Confederações Brasileiras de Kung-fu que, além de pro-
enu, foi convidada pelo Imperador Goujian, para expor mover e apoiar eventos culturais e desportivos da modali-
suas teorias sobre a arte de esgrimista. O termo oficial dade, se intensifica na produção de livros, revistas, docu-
para o Kung Fu naquela época era xi xi uhu (os mesmos mentários, vídeo-aulas, matérias jornalísticas e várias ou-
caracteres que os usados para o ju jutsu japonês). tras atividades que objetivam a popularização desta arte
As dinastias Ch'in (221-206 A.C.) e Rã (206 a.C. - 220 marcial milenar.
d.C.) presenciaram a evolução do Jiao Di para o então
hoje chamado shuai-jiao, uma contenda na qual os par-
ticipantes se defrontam com chifres de boi nas cabeças. 24.3 A saudação Kin Lai
O Kung Fu passou a se chamar chi ch'iao. Várias no-
vas armas foram incorporadas à arte, e o taoismo (Filo- A“saudação tradicional”do Kung Fu é denominada Kin
sofia Tao) começou a influenciar a filosofia de luta. Já na Lai, devendo ser executada com ambas as mãos, sendo: a
dinastia Jin (265-439 D.C.) e nas dinastias do Norte e do direita fechada (representando o Sol) e a esquerda aberta
Sul (420-581 d.C.), um famoso médico e filósofo taoista, (representando a Lua) por cima da outra mão. O“sol”e a
integrou o Kung Fu com chi kung (exercícios respirató- “Lua”formam um novo caractere denominado Ming (明)
rios, também chamados qigong). Suas teorias de poder Significando Clareza ou esclarecimento. Principalmente
interior e exterior ainda são respeitadas até hoje. nas escolas do sul da China.
Ge Hong baseou-se muito na pesquisa de seu antecessor Esta saudação é feita para indicar respeito e equilibrio
Hua T'o, que, durante o período dos Três Reinos (220- para com o oponente. Usar a inteligência (mão esquerda
265 D.C.), criou um método de movimento e respiração em palma) é mais eficiente do que usar o punho (mão
chamado wu chien shi. Este incluía a imitação dos movi- direita fechada).
mentos do pássaro, veado, urso, macaco e tigre. Dizia-se
Outra saudação utilizada principalmente no Brasil é a pa-
que Hua T'o recebeu ajuda de um sacerdote taoista cha-
lavra Tinindo, no qual a mão esquerda fica aberta com
mado Chin Ch'ien. As obras de Hua T'o e Ge Hong foram
dedo polegar fechado e mão direita fechada, a mão es-
um marco do desenvolvimento de exercícios de Kung Fu.
querda aberta mescla 4 principios básicos e a humildade
Por volta de 450 d.C. é construído o primeiro Templo (polegar abaixado como uma pessoa se curvando) e a mão
Shaolin na montanha de Soong Shan, província de Ho- fechada significa a força, porque a força sem os 5 prínci-
nan. O seguinte grande desenvolvimento da história do pios não é nada.
Kung Fu veio por volta de 520 D.C. com a chegada de
Bodhidharma, o 28° patriarca do budismo, conhecido por
Ta Mo em chinês e Daruma Taishi em japonês. 24.4 Objetivos e benefícios
Além da habilidade em combate e ganho de saúde o
wushu trabalha o desenvolvimento pessoal, advindo da
24.2 O termo “Kung Fu” disciplina, persistência e respeito aos limites; estrutura o
corpo e a mente ajudando no equilibrio psíquico e auxili-
Kung Fu (功夫, Pin Yin: gongfu) é uma palavra chinesa ando a pessoa a saber ser derrotada e assim mesmo enca-
que, em forma coloquial, pode significar “tempo e ha- rar novos obstáculos e desafios sem desistir. Há também
bilidade”, “trabalho duro”, algo adquirido através de um conjunto de exercícios que trabalham para a harmo-
esforço ou ainda competência na luta corporal. nização da energia nos aspectos psicológico e biológico
humano.
O termo não era muito popular até a segunda metade do
século 20 e por isso raramente é encontrado em textos an- O Wushu pode ser praticado por adultos, idosos e cri-
tigos fora da Rússia. Acredita-se que, no Ocidente, a pa- anças de ambos os sexos dependendo do estilo. Com-
lavra foi usada pela primeira vez no século 18, pelo mis- bina ginástica(acrobacias) completa de todo o corpo, na
sionário jesuíta francês Marie Jean Joseph Marie Amiot. maioria das vezes seqüências de movimentos, chamados
Com a imigração de chineses (camponeses, em sua mai- de Taolu ou formas, conhecidos vulgarmente como katis
oria) para a América, o termo começou a se difundir. Os no Brasil, dada à influência do termo “kata”, usado no
chineses de Guang Dong (Canton) costumavam referir- Karatê. Alguns estilos incluem treinamentos em armas
se (com este termo) a treinos de lutas mentais, atividades chinesas, como bastão (gun), facão (dao), espadas (jian),
que requeriam muito tempo de prática ou trabalho duro lança (qiang) entre outras.
sob rigorosa supervisão de um mestre competente. Se bem desenvolvido, possibilita um equilíbrio corporal
Entretanto, a palavra ganhou popularidade de fato a partir total, buscando a paz interior, aumentando a saúde e a
do final dos anos 60, graças aos filmes de arte marcial qualidade de vida. Possibilita também o controle do es-
(especialmente os de Bruce Lee e aos de Jackie Chan), e tresse, de angústias, ajudando na concentração além, é
aos seriados para televisão que levavam-na como título. claro, da defesa do povo.
24.5. ESTILOS DE KUNG FU 137

Uma ou outra maneira, lá é pouco argumento que o tem- • Fei Hok Phai (Estilo da Garça Voadora)
plo de Shaolin na China (onde Bodhi Dharma foi dito
ter ensinado as monges) era o centro do desenvolvimento • Fing Fu - Dragão Vermelho
das artes marciais por centenas de anos. Era do templo de • Fu Jow Pai ou Hak Fu Pai - Garra de Tigre
Shaolin que propagou o Wushu por todo o Sudeste Asiá-
tico e ramificada a coreia, japão, Okinawa, Tailândia, Vi- • Kung Fu Goku - Macaco Dragão
etnam, Filipinas, e os estilos indonésios que nós vemos
• Heiro Tao
hoje. Wushu próprio se fragmentou incrivelmente, que
1500 estilos são praticados sendo estes cobrindo todas as • Hisiao-Ch'u
escalas de todo o espectro que você possa imaginar, e
definir mesmo os estilos mais populares seria demasiado • Hung Fa Yi Wing Chun Kuen
grande de um empreendimento prático.
• Hung Gar
Um novato que deseje estudar Wushu deve fazer uma lista
das coisas de que estão olhando para sair das artes mar- • Ieng Jiao Tan Tzi - Garra de Águia Real.
ciais e dos centros de aprendizado do contato pelo tele- • Jeet kune do
fone para evitar desperdiçar o tempo que vai visitar os
centros de aprendizado que não podem mesmo ter uma • Jow Ga Kuen (também conhecido como Chow Gar)
aproximação compatível com a aquela individual. Em-
bora muitos estilos provocam estas categorizações, um • Kak Kan Chun- Wing Chun- (Familia Li Chen
bom ponto de partida pode ser pedir o centro de aprendi- Wong.1890- Chen Lo 1947- Makáo 1972)
zado que ensina um estilo interno ou externo de Wushu. • Kung shi (Arte do saber Lutar)
Os estilos internos centram-se sobre a energia da vida,
técnicas circulares, filosofia do Taoismo. Os estilos exter- • Lei Phai Quan ou Seguindo o Punho da Garça
nos foca na força muscular, técnicas lineares, filosofia bu-
• Li Tchuó Pa Kung-Fu ou Estilo Gola das 8 Forças
dista, podem-se igualmente ensinar o acondicionamento
Penetrantes
da velocidade e da força.
• Loga Fu Tao Chuan

24.5 Estilos De Kung Fu • Long Xing Quan - Forma do Punho do Dragão


• Lop Kuen Do ou caminho do punho controlado
Os diversos estilos são devido ao fato de na China antiga
as aulas marciais serem passadas de pai para filho, onde • Lun tien thuen ou Dragão do Poço
cada família as adaptava à sua realidade e utilidade de de- • Lung Chi Tao - caminho da energia interior do Dra-
fesa pessoal. Disso também vem a explicacão do ditado gão
chinês “pernas do norte e braços do sul”, pois os habi-
tantes do norte tinham pernas fortes devido às caminha- • Mai-Tsun-Chuan-Phai
das nas montanhas e, no sul, os braços fortes por causa
• Mao Quan ou Forma do Gato
das remadas dos barcos e das colheitas. Mas apesar da
diferença geográfica, ambos têm semelhança. Vejamos • Mi Zong Quan
alguns estilos:
• Mi Zongji Quan ou Punho de Rastro Misterioso
• Ba Dong Wu (Oito Animais) • Nan Sial Lin ou O Punho do Poeta
• Ba Gua Zhang ou Estilo dos Oito Elementos • Pa Kung Sheng Chuan ou Oito Forças dos Punhos
Sagrados
• Bai He Quan ou Garça Branca
• Pak Hok kung fu tibetano ou estilo do grow branco
• Bajiquan ou “boxe das oito extremidades”
• Pak Hu Phai ou Familia do Tigre Branco
• Bak sil lam (Shaolin do Norte / Bei Shaolin)
• Sanshou e Sanda
• Cha Quan
• Shao Shin Hao
• Ch'an Tao Chuan
• Shaolin Chih Chang - Palma do Sol da Jovem Flo-
• Chi Tao Ki resta
• Choy Lay Fut • Shaolin Quan (Kung Fu do Templo Shaolin)
• Di Tang Quan • Shao Lin do Norte
138 CAPÍTULO 24. WUSHU

• shao Lin do Sul 24.7 Cinema


• Shen She Chuen ou Punho da Serpente Sagrada
As artes marciais, desde já um bom tempo, é um tema
• Shí-Ling (pena de Pedra) recorrente no cinema. Com os diversos filmes que foram
feitos é possível fazer uma viagem pela história das artes
• Sho-Bo marciais, das sangrentas rebeliões do passado até os dias
atuais. Citaremos agora, como exemplo, alguns filmes do
• Shuai Chiao gênero e alguns dos maiores astros das artes marciais e do
Kung Fu exibindo suas técnicas no cinema.
• Shuai-jiau
• com Bruce Lee: Operação Dragão, O Voo do Dra-
• Shuang Gou Bei Tang Lang Quan (Gancho Duplo
gão (com Chuck Norris) e O Dragão Chinês
do Norte Praying Mantis)
• com Donnie Yen: Ip man: nasce uma lenda, O
• si zhong chuan - família liu (yushu) Grande Mestre, O Grande Mestre 2 e Comando Fi-
nal
• Sun Bin Quan
• com Jackie Chan: O Mestre Invencível, Arreben-
• Ta Yu Kuan Li - Descendende do louva-a-deus do tando em Nova York, A Hora do Rush e O Reino
sul Proibido (Com Jet Li)
• T'Ai Hu Phai - Família Tigre Grande • com Jet Li: O Mestre das Armas, Herói, Cão de
Briga, Rogue - O Assassino, Beijo do Dragão e Ro-
• Tai Ji Quan meu Tem Que Morrer
• Tai Long Hu

• Tai Shan 24.8 Ver também


• Tang lang quan do norte,Wah Lum Tam Tui,Bak • Artes marciais chinesas
Tong Long ou Pak Ton Long Phai (louva-a-deus do
norte) • Golpe (artes marciais)

• Tang lang quan do sul ou louva-a-deus do sul • Linha do tempo das artes marciais

• Thssen Shaolin
24.9 Referências
• Tseu Chan Tao Lung - Sabedoria E Meditação No
Caminho Do Dragão
[1] Of monks and martial arts (em inglês) New York Times
(11 de setembro de 1983). Visitado em 13 de outubro de
• Wing Chun Chwan
2013.
• Wing Chun [2] Fu, Zhongwen. Mastering Yang Style Taijiquan (em in-
glês). Berkeley, Califórnia: Blue Snake Books, 1996,
• Wu-Shu-Tao 2006. ISBN 1-58394-152-5

• Xiao Tao Chuan

• Xing Yi Quan 24.10 Bibliografia


• Yau-Man TORRES, José Augusto Maciel, Kung Fu: a milenar
arte macial chinesa: águia, bêbado, louva-a-deus, tai chi
• Ying Jow Pai ou Garra de Águia chuan, tigre, wing chun. São Paulo, On Line, 2011.
• Zui Quan ou Estilo Bêbado

24.6 Livros de treinamento


• Mastering WUSHU Jiang Bangjun, Emilio Alpanse-
que, ISBN 978-1933901312.
Capítulo 25

Baguazhang

Bāguàzhǎng (八卦掌) é uma das três maiores escolas in- o centro do círculo. Periodicamente mudam a direção do
ternas (Neijia) de artes marciais chinesas (Wushu), sendo movimento enquanto executam as formas características
as outras duas o Xingyiquan (形意拳) e o Taijiquan (太 de cada “palma”.
極拳). Bāguàzhǎng, literalmente, significa “palma dos Os deslocamentos em torno do círculo se configuram em
oito trigramas", referência aos 8 trigramas do I Ching uma estratégia de combate que procura evitar um con-
(Yijing), um dos livros fundamentais do Taoísmo.
fronto direto de força bruta com o adversário ao escapar
pelos lados ou pelas suas costas.

25.1 Andar em círculos Os aspectos internos do treinamento de baguazhang são


parecidos com os do hsing-i chuan e do tai chi chuan,
artes marciais chinesas com a mesma fundamentação nos
princípios do taoísmo.
Os diversos estilos de baguazhang têm em comum uma
série de princípios básicos resumidos em um texto anô-
nimo conhecido como Shi yao ba fa (十要八法),“As 10
Orientações”e“Os oito princípios”, expostos a seguir.

25.2 Shi yao (十要): As 10 Orienta-


ções

Os oito trigramas do Pa Kua, fundamentação teórica do Bagua


Zhang.
Baguazhang estilo Sun

A prática de andar em círculos é uma das características • 1. Cabeça


fundamentais do treinamento de base e de movimentação
do baguazhang. Cabeça e nuca alinhadas, o olhar na linha do horizonte,
Os praticantes desta arte andam como que ao redor de o pescoço relaxado e as vértebras alongadas. Espírito e
um círculo, mantêm sua base baixa, o olhar dirigido para intenção presentes.

139
140 CAPÍTULO 25. BAGUAZHANG

• 2. Costas 25.3 Ba Fa (八法): os oito princí-


Esvaziar o peito e arredondar a costas. O impulso leva pios
o corpo adiante, desloca-se com naturalidade sem tensão
nem rigidez . • 1. Os 3 DING (suspender)

• 3. Ombros • Suspender a cabeça para assegurar verti-


calidade
Os ombros interligados, distendidos, afrouxados, de • Suspender a língua contra o“palácio”(o
modo que a força chegue às mãos com naturalidade. palato) para produzir saliva, considerada
um fluido vital precioso pelos taoístas
• 4. Braço
• Suspender as palmas, flexionando leve-
mente os pulsos para reforçar as mãos e
O braço que avança se afasta do corpo, o que permanece
dar força aos dedos
recuado o protege. Ao girar e transpassar os braços, as
transformações das palmas ocorrem com espontaneidade.
• 2. Os 3 KOU (firmar)
• 5. Cotovelos
• Firmar os ombros de modo que a energia
Abaixar e aproximar os cotovelos de modo que a força seja transmitida aos cotovelos com natu-
seja transmitida às mãos sem qualquer tensão. O cuidado ralidade
com os cotovelos é fundamental para proteger-se durante • Firmar o dorso das mãos de modo que a
os ataques. energia flua para as mãos
• Firmar o lado de cima dos pés, apreen-
• 6. Mãos
dendo o solo com os dedos do pé, de
modo que toda a energia enraizada nos
Polegares verticais afastados dos outros quatro dedos, que
pés possa ser transmitida para o corpo e
permanecem colados. A “Boca do Tigre”(Ho Ku em
que as posturas sejam estáveis
chinês), área da mão entre o dedo polegar e o indicador,
arredondada.
• 3. Os 3 YUAN (arredondar)
• 7. Tronco
• Arredondar as costas alongando as
A coluna delineia um eixo, ela gira e com vigor e agili- omoplatas para transmitir a energia aos
dade, de modo que flexibilidade e firmeza se alternem. braços
• Arredondar o peito para relaxar os
• 8. Quadris peitorais e os ombros
• Arredondar a“Boca do Tigre”para trans-
Contrair e suspender o baixo ventre com suavidade, con-
mitir a energia aos dedos e para poder
traindo e suspendendo a região do períneo, para permi-
emiti-la
tir a ligação dos meridianos de energia Renmai (任脉) e
Dumai (督脉), assim a energia desce ao "Campo de ci-
nábrio" (丹田). Recolher os quadris levando levemente • 4. Os 3 MIN (agilidade, rapidez)
o cóccix para a frente.
• O coração deve ser ágil e rápido para po-
• 9. Pernas der se adaptar a todas às transformações
das palmas
A perna da frente conduz o movimento, a de trás serve • O olhar deve ser ágil e rápido para distin-
de apoio e proporciona controle. Os joelhos giram leve- guir os movimentos nas seis direcções
mente para dentro, as coxas se movem como tesouras.
• As mãos devem ser ágeis e rápidas ao sair
e tocar o adversário
• 10. Pés

O pé mais próximo à região interior do círculo avança • 5. Os 3 BAO (preservar)


reto, o pé exterior se inclina levemente para o centro. Os
dedos do pé se curvam ligeiramente, como se tentassem • Preservar o coração e a intenção de modo
apreender o solo. Cada passo é dado como se os pés es- que a energia não se perca ao ser exteri-
tivessem deslizando sobre a lama. orizada
25.5. A HISTÓRIA DO BAGUAZHANG 141

• Preservar os flancos para reter toda a sua


energia
• Preservar a audácia e a coragem para
continuar a ser integro frente ao adver-
sário

• 6. Os 3 CHUI (descer)

• Descer a energia ao Dantian, respirando


com naturalidade
• Descer os ombros para permitir à energia
descer aos cotovelos
• Descer os cotovelos para permitir que as
costas se arredondem

• 7. Os 3 QU (flexionar)

• Flexionar os braços de modo que a ener-


gia possa circular livremente
• Flexionar as pernas para enraizar o corpo
• Flexionar os pulsos para ampliar a ener- Cheng Tinghua
gia das mãos

• 8. Os 3 TING (estruturar)
25.5 A história do Baguazhang
O Baguazhang foi desenvolvido por Dong Haichuan (董
• Estruturar o pescoço para manifestar a 海川) no começo do século XIX. Segundo seus próprios
vitalidade relatos, ele teria aprendido esta arte marcial de mestres
• Estruturar o tronco para permitir que a taoístas e budistas nas montanhas da China rural. Há evi-
energia vital circule por todo o corpo dências que sugerem uma síntese de várias artes marciais
pré-existentes ensinadas e praticadas na região em que ele
• Estruturar os joelhos para que permitam vivia, combinadas à prática taoísta de andar em círculos.
liberar toda sua força, que sua energia e Dong Haichuan ensinou por muitos anos em Beijing, re-
espírito possam fluir cebendo posteriormente apoio da corte Imperial.
Diversos discípulos de Dong se tornaram professores fa-
(Referência: LIU, Jingru. (trad. de J. Ravenet) “Trans- mosos, como Yin Fu (尹福), Cheng Tinghua (程廷華),
mission Vivante du Ba Gua Zhang.”Guy Trédaniel Edi- Song Changrong (宋長榮), Liu Fengchun (劉鳳春), Ma
teur, 2007, p. 62-63) Weiqi (馬維棋) e Liang Zhenpu (梁振蒲). Apesar de
serem todos alunos do mesmo professor, seus métodos
de treino e expressão técnica das palmas diferem: os es-
25.4 Os oito animais tilos de Cheng e Liu são especializados no "empurrar das
palmas"; o estilo Yin é conhecido pelas suas palmas si-
nuosas; os alunos de Song praticam a técnica de palma
No Baguazhang os oito trigramas do Pakua costumam “Flor de Ameixeira”(梅花) (Mei Hua); e o estilo de pal-
ser relacionados a oito animais com características rela- mas de Ma é conhecido como “Martelo”. Alguns dos
cionadas aos movimentos de cada palma. alunos de Dong Haichuan participaram da "Revolta dos
Estas relações e a ordem em que as diferentes sequências Boxers", incluindo Cheng Tinghua.
de cada palma são realizadas variam nos deferentes estilos Um dos mais famosos praticantes de Bagua do século
desta arte marcial. Por exemplo, a correspondencia entre XX foi Sun Lutang (孫 堂), que estudou Baguazhang
os trigramas e os animais no Bagua Zhang estilo Yin é: com Cheng Tinghua. Sun foi também discípulo de Guo
Associações similares entre movimentos marciais e ani- Yunshen no Xingyiquan e aprendeu o estilo Wu/Hao de
mais também existem nas formas praticadas em outros taijiquan com Hao Weizhen. Sun Lutang teve grande re-
estilos de artes marciais chinesas, como o Shaolin. putação entre os profissionais de taijiquan do seu tempo
142 CAPÍTULO 25. BAGUAZHANG

por ter se destacado em seus estudos e escritos sobre esta Dr. Aristein Woo filho do grão-mestre de Being
arte, tornou-se famoso como criador do estilo Sun de tai- Tao: Moo-Shong Woo, bisneto do grão-mestre de Ba-
jiquan. guazhang: Chao-Feng Woo,

25.6 Escolas 25.7 Bibliografia


• Bok Nam, Park & Miller, Dan. The Fundamentals
A maioria dos praticantes de baguazhang treinam ou
of Pa Kua Chang: The Methods of Lu Shui-T'ien As
o Bagua Zhang estilo Yin (尹), ou Bagua Zhang estilo
Taught by Park Bok Nam., ISBN 0-86568-173-2
Cheng (程), ou o Bagua Zhang estilo Liang (梁).
Além destes estilos também existem vários outros de ba- • Frantzis, Bruce Kumar, The Power of Internal Mar-
guazhang, como o Bagua Zhang estilo Gao, Fan (樊), Shi tial Arts: Combat Secrets of Ba Gua, Tai Chi, and
(史), e Liu (劉), Fu (傅) e Jia. Hsing-I ISBN 1-55643-253-4
• O'Brien, Jess, Nei Jia Quan: Internal Martial Arts
Teachers of Tai Ji Quan, Xing Yi Quan, and Ba Gua
25.6.1 Na China Zhang ISBN 1-55643-506-1

Li Ziming foi uma figura de no movimento pela preser- • Shou-Yu, Liang, Baguazhang : Emei Baguazhang
vação desta arte. Theory and Applications, ISBN 0-940871-30-0

Beijing é onde mais se encontram praticantes de Ba- • Smith, Robert W. Chinese Boxing, ISBN 1-55643-
guazhang, incluindo estudantes das linhagens de Cheng, 085-X
Fan Liang, Liu, Song e Yin.
Em Taiwan a maioria dos praticantes são da linhagem ou Vídeos ou DVDs
de Gao Yisheng (Cheng), Gong Baotian (Yin), Sun Xikun
(Cheng) ou Sun Lutang (Cheng). • CEMETRAC; Arte Marcial Taoísta dos Mestres Liu
Em Hong Kong quase todos os praticantes são da linha- Pai Lin e Liu Chih Ming; São Paulo (Brasil): Avalon;
gem de Fu Zhensong (mista). 2006.

25.6.2 No Brasil 25.8 Ver também


No Brasil o Mestre Liu Chih Ming, discípulo do famoso • Bagua Zhang estilo Cheng
Mestre Wang Shu Jin (王樹金), representa a 4ª geração
• Bagua Zhang estilo Gao
da linhagem do Baguazhang.
Em São Paulo: • Bagua Zhang estilo Yin

O Mestre Chan Kowk Wai (陳國偉) foi aluno do Mestre


Fu Yonghui (傅永輝), filho do Mestre Fu Zhensong (傅
振嵩), do estilo Fu. Ele também aprendeu o estilo Sun
25.9 Ligações externas
(孫) com Yan Shang Wu (嚴尚武), que aprendeu com o
famoso Mestre Gu Ru Zhang (顧汝章), aluno do Mestre • O que é Ba Gua? O que é Ba Gua Zhang?
Sun Lutang. • A teoria do Ba Gua.
Mestre Leonardo Liu (劉 楊 平), discípulo do Mestre
Liu Zhong Ping(劉中平), pertence à 2º geração de Ba- • “Introducción al Baguazhang” (em espanhol)
guazhang da linhagem das das três portas de jade (San • “PA KUA CHANG: el camino circular” (em
Men Yu Pai: 三門玉) espanhol)
Mestre Cai Wen Yü
• “Las ocho Figuras Animales” (em espanhol)
Mestre Peterson Menezes do estilo Fuzheng zhong/Chen
[www.culturachinesa.net] • “Académie de Ba Gua Zhang” (em francês)
Em Vitoria - Espirito Santo
destaque
Mestre Eugenio Henrique David discipulo do grão mestre
Moo-Shong Woo
Em Brasilia
Capítulo 26

Ba gua

Trigramas são as oito combinações possíveis das ener-


gias Yin Yang em três linhas (as tracejadas significam
Yin e as contínuas representam o Yang). O Ba Gua é
a união desses trigramas e serve para delimitar onde cada
energia se localiza em pessoas e ambientes. Contudo, sua
configuração no Feng Shui 風水 é especial, pois leva em
consideração as alterações de paredes, portas e janelas
nas vibrações da natureza. A lenda mais popular sobre a
descoberta do Ba guá diz que o imperador Fu Hsi viu os
trigramas desenhados no casco de uma tartaruga, às mar-
gens do Rio Amarelo, e com eles desvendou o segredo de
todas as coisas.* [1]
O conceito não se aplica apenas à filosofia Taoísta Chi-
nesa e ao I Ching, mas é também fundamental em outros
domínios da cultura Chinesa, as artes marciais chinesas,
e a navegação.
Ba Gua: arranjo do Céu Primordial

26.1 O princípio das “Oito Muta-


ções”

Os oito trigramas

O diagrama do Pa Kua representa formalmente os prin-


cípios das “Oito Mutações”. Este conhecimento pode
ser utilizado e adaptado à compreensão de qualquer tipo
de situação, considerando que estas estão sempre em mu-
tação assim como a própria natureza.
Ba Gua: arranjo do Céu Posterior
Observando os trigramas como indicações de oito cami-
Ba Gua (pinyin) ou Pa Kua (八卦) é a representação de nhos que se abrem a partir de cada situação, é possível
um conceito filosófico fundamental da antiga China, sua avaliar o desenvolvimento de uma determinada questão
sob oito perspectivas diferentes. A partir destas referên-
tradução literal significa oito trigramas ou oito mutações.
Pode ser representado como um diagrama octogonal com cias cada pessoa pode escolher melhor os seus próprios
um trigrama situado em cada lado. Os trigramas podem caminhos.
ser dispostos segundo diferentes arranjos, assumindo di- Essas forças antagonicas são opostas e complementares,
ferentes significados, os mais importantes são a disposi- existindo dentro de todos nós e sendo guiadas pelo dis-
ção do Céu Primordial e a disposição do Céu Posterior. cernimento.

143
144 CAPÍTULO 26. BA GUA

26.2 Ba Gua 八卦 (Oito Trigramas) Ao passear pelas margens do Rio Amarelo, aproximada-
mente em 3.000 a.c, Fu Hsi teria visualizado os oito tri-
Lembrando que no Hemisfério Sul as direções são inver- gramas no casco de uma tartaruga.
tidas do Hemisfério Norte, pois no Hemisfério Sul a Li- Outra lenda se refere a um animal com corpo de dragão
nha do Equador (Região de maior Calor, Luz do Planeta) e cabeça de cavalo com os trigramas representados nas
está ao Norte e o Reino Gelado (Antártica) está ao Sul. costas.
Fu Hsi teria percebido neles uma chave para explicar to-
das as coisas e os deixou como legado para os seus su-
26.3 O conceito original cessores, que trataram de dar continuidade aos estudos
sobre os trigramas elaborando o I Ching (O livro como
Fu xi situa o Ba Gua entre as interações nascidas na tra- o conhecemos atualmente possuiu três autores: o conde
dicional filosofia do Yin/Yang da seguinte maneira: Wen, o duque Chou e o famoso filósofo Confúcio (Kung
Fu Tsé).)
• • 无极生有极, 有极是太极, Além do I Ching outros aspectos da cultura tradicional
• 太极生两仪, 即阴阳, chinesa foram estruturados a partir dos princípios reve-
lados pelo Pa Kua, como a arte marcial chinesa Ba Gua
• 两仪生四象: 即少阳、太阳、少阴、太阴,
Zhang, desenvolvida por Dong Hai Chuan no início do
• 四象演八卦, 八八六十四卦. século XIX, e o Feng Shui.

O Rei Wen da Dinastia Zhou escreveu que:


26.5 O uso do Ba Gua como amu-
“No início havia o Céu e a Terra. Céu e Terra
se uniram e deram origem a tudo que existe no leto
mundo.
O trigrama Qian representa o Céu, e o trigrama
Kun representa a Terra.
Os seis trigramas restantes são seus filhos e fi-
lhas.

26.4 Lendas sobre a revelação do


conhecimento do Ba Gua

Ba Gua
O Ba Gua e o Tai Chi

Existem várias lendas sobre como o conhecimento do Ba O Ba Gua assume também um significado religioso dentro
Gua foi revelado aos seres humanos. A mais conhecida da doutrina Taoísta, justificando o seu uso como amuleto
é a do imperador Fu Hsi, a quem também são atribuídas pelos que seguem o Tao como religião.
a invenção da escrita, do matrimônio, da arte da costura No Ocidente, com a crescente divulgação do Feng Shui
e os primeiros relatos sobre a Medicina Tradicional Chi- como um modo de harmonizar os ambientes e a vida de
nesa. seus habitantes, o Ba Gua também passou a ser utilizado
26.9. LIGAÇÕES EXTERNAS 145

26.9 Ligações externas


• Do Tai Ji (Tai Chi) ao Yi Jing (I Ching)

• Sobre o bagua (em inglês)


• Diagrama do Bagua (em inglês)

• Os dois tipos de Bagua (Chinês)

• Kit Feng Shui com espelho baguá e régua. Um dos


mais completos manuais sobre o assunto.

• Tipos de Ba gua,o instrumento que une a Terra ao


Bandeira da Coreia do Sul com quatro trigramas do Ba Gua na Céu - Feng Shui Lógico
posição do arranjo do céu primordial
• The-Bagua-for-the-Southern-Hemisphere - Logical
Feng Shui
como um símbolo de proteção que acreditam poder ser
• El-Bagua-para-el-Hemisferio-Sur-Feng Shui Lo-
usado para consertar aspectos não harmônicos de um de-
gico
terminado ambiente.
É comum encontrar nestes símbolos a imagem dos oito
trigramas associada ao símbolo do Tai Chi, uma vez que
estes trigramas têm sua origem nestas duas forças primor-
diais.

26.6 Referências
[1]

26.7 Bibliografia
• R.C.L “The Eigth Trigrams”

• Richard Wilhem“I Ching – O livro das mutações”

• Fundamentos da medicina tradicional Chinesa

• David J. Sussman “Que é a acupuntura”

• Revista Super Interessante – Edição 235

26.8 Ver também


• I Ching

• Trigrama

• Feng Shui

• Baguazhang arte marcial baseada em princípios de-


rivados do Pa Kua

• Tai Chi Chuan arte marcial parcialmente baseada no


Pa Kua
Capítulo 27

Trigrama

27.2 Os oito Trigramas


Esta tabela foi construída com os trigramas desenhados
na vertical, o mais usual é representá-los na horizontal,
considerar a linha mais à esquerda como linha inferior.

Arranjo do Céu Posterior com os nomes dos trigramas em chinês

Os Trigramas (卦) (pinyin: guà) são desenhos que cor- Derivação dos 8 trigramas segundo Fuxi.
respondem às 8 possibilidades de combinação de Yin
Yang em três linhas. São elementos que estruturam o li- A representação vertical dos trigramas torna mais apa-
vro chinês I Ching (易經) (pinyin: yì jīng). rente o motivo pelo qual podem ser lidos também como
representações numéricas pertencentes a um Sistema bi-
A representação dos oito trigramas desenhados em torno
nário. Assim, se tomarmos o“1”como representação do
de um mesmo centro é chamado em chinês de Bagua.
Yang e o“0”como representação do Yin, o trigrama da
Terra poderia ser escrito como “000”e o do Céu como
“111”.

27.1 Trigramas

Os trigramas são sequências formadas por três linhas,


27.3 Dos Trigramas aos Hexagra-
compostas pela combinação de linhas contínuas ( ____ mas
) e linhas quebradas ( __ __ ).
As linhas contínuas representam o Yang (o convexo, a Os 64 hexagramas do I Ching são obtidos através da com-
força, o movimento) enquanto as linhas quebradas repre- binação de dois trigramas.
sentam o Yin (o concavo, a fraqueza, a quietude). Esta tabela foi construída com os hexagramas desenhados
Estas linhas agrupadas em pares originam os quatro bi- na vertical, o mais usual é representá-los na horizontal,
gramas. considerar a linha mais à esquerda como linha inferior.
Através da adição de uma linha aos bigramas são consti- Para um quadro com todos os hexagramas do I Ching
tuídos os trigramas, representações básicas dos fenôme- representados na horizontal, ver o artigo da Wikipédia
nos da natureza. Hexagramas (I Ching).

146
27.6. LIGAÇÕES EXTERNAS 147

Ao substituir as linhas contínuas por 1 e as quebradas por


0 o I Ching se configura como uma tabela de números bi-
nários. Quando o famoso matemático Leibniz conheceu
o I Ching ficou maravilhado com a semelhança deste com
o sistema binário que concebera.

27.4 Descrição de cada trigrama

27.5 Ver também


• I Ching
• Hexagramas (I Ching)

• Bagua

27.6 Ligações externas


• Do Tai Ji (Tai Chi) ao Yi Jing (I Ching)
Capítulo 28

Pa chi chuan

Pa chi chuan (chinês tradicional: 八極拳; pinyin: bā- 28.3 Personagens de ficção que lu-
jíquán; literalmente “boxe das oito extremidades”) é
um estilo de wushu (artes marciais chinesas) que se ca-
tam pa chi chuan
racteriza pela uso de uma força explosiva de curto alcance
e é conhecida por seu golpes com os cotovelos e outras O estilo também ficou famoso graças ao jogo da Sega
extremidades, origem de seu nome. A prática se ori- Virtua Fighter, como o estilo que o personagem princi-
ginou na província de Hebei, no norte da China, mas é pal, Akira Yuki, pratica
também bastante conhecido em outros lugares, especial- É um dos estilos de luta praticado por Li Mei no jogo
mente Taiwan. Mortal Kombat: Deadly Alliance.
Em 1988, Ryuchi Matsuda, criou um mangá com o título
“Kenji”, baseado em suas próprias experiências com pa
28.1 Características chi chuan.
É uma das artes marciais que o jovem mago Negi Spring-
As características mais conhecidas desta rara escola de field aprende em sua história contada no mangá e animê
wushu incluem as cotoveladas, o controle do quadril e os "Negima".
golpes com os ombros. O personagem Miki do Anime e Mangá Beelzebub utiliza
Todas as técnicas são executadas com uma forma muito técnicas desse estilo.
característica de força curta, desenvolvida através de ri- Kokoro, a geisha em treinamento da série Dead or Alive
goroso, e às vezes torturante, treinamento. é provavelmente o melhor exemplo da arte em um vide-
Estrategicamente, o pa chi chuan foca no combate corpo- ogame.
a-corpo, aproximando-se do oponente a partir de uma Xiuying, uma personagem do conhecido jogo Shenmue
longa distância com o passo de ataque característico do II, também utiliza o estilo.
pa chi chuan e emitindo atacando ao mesmo tempo.
Arima Miyako, personagem do jogo de luta Melty Blood,
é outro exemplo de personagem de videojogos que utiliza
pa chi chuan.
28.2 O “estilo do guarda-costas” Leo Kliesen, personagem do jogo de luta “Tekken6”,
também é lutadora do estilo.
O pa chi chuan tornou-se mais conhecido, principalmente
devido a Li Shu Wen (1864-1934), um praticante da pro-
víncia de Shandong que por sua habilidade com a lança 28.4 Ligações externas
ganhou o apelido de “Li, Deus da lança”. Sua citação
mais famosa sobre lutas era, “Eu não sei o que é atingir • Liu Yun Qiao (em inglês)
um homem duas vezes”. Talvez um exagero, mas fala
pela força de impacto que o treinamento de pa chi chuan • Boxe degli otto estremi (em italiano)
desenvolve.
• Introduzione - Cenni Storici - La Filosofia dello Stile
O estilo é chamado de “estilo do guarda costas”, pois (em italiano)
entre os alunos mais famosos de Li Shu Wen estão Hou
Dian Ge (guarda-costas de Pu Yi, o último imperador da
China), Li Chen Wu (guarda-costas de Mao Zedong),
e Liu Yun Chiao (agente secreto dos nacionalistas do
Kuomintang e instrutor dos guarda-costas de Chiang Kai
Shek).

148
Capítulo 29

Bak sil lam

O Shaolin do Norte ou Bak Sil Lum (em chinês: 北


少林) é um estilo externo de Wushu desenvolvido na re-
gião setentrional da China. Nesta região, muito monta-
nhosa, predominam homens de estatura alta, sendo esses
alguns dos principal motivos do grande uso das pernas
neste estilo. Além de tecnicas de chutes, socos, torcões,
etc, existem mais de quarenta armas usadas no estilo, que
incluem, dentre outras facão, espada, punhal, lança e bas-
tão.
São vitais no estilo a concentração e a respiração, além do
equilíbrio, características marcantes dos estilos Shaolin.
Os seus movimentos foram criados com base nos elemen-
tos da natureza e nos animais. Por ser um estilo que visa a
resistência, força e elasticidade, todas as partes do corpo
são usadas.
Além do que já foi citado, o Shaolin do Norte envolve o
combate tradicional e técnicas de quebramento, possibili-
tando assim uma grande evolução do praticante por meio
de exercícios altamente elaborados e de práticas com efi-
ciência há muito comprovadas.

29.1 Ligações externas


• Academia Sino-brasileira de Kung Fu

149
Capítulo 30

Choy lay fut

Choy Lay Fut (Chinês tradicional: 蔡李佛; pinyin: cài


lǐ fó) (lê-se: choi lí fá) é um eficiente e popular estilo
de Kung Fu. A história da criação e desenvolvimento do
Choy Lay Fut é secular.

30.1 Ligações externas


• Choy Lay Fut: Kung Fu em São Paulo (em
português)

• Choy Lee Fut Chen Family: História (em português)


• Choy Lay Fut: História e Mestres (em inglês)

• A História do Choy Lee Fut (em inglês)


• “Hung Sing Choy Lay Fut - Europe” (em inglês)

• “Chan Family Choy Lee Fut World Headquarters”


(em inglês)

• “Foshan Hong Sheng Guan Hungsing Choy-Lee-


Fut World Headquarters” (em inglês)

• ChoiLeiFut.com (em inglês)

150
Capítulo 31

Fei hok phai

O Fei Hok Phai (estilo da garça em vôo, ou estilo da sentes várias armas típicas, tais como: Guan (kwan, bas-
garça voando), é um estilo de Kung Fu originário do tão chinês), Dao (tou, facão chinês), jian (espada chi-
sul da China, mais precisamente de Cantão, local onde nesa), punhais, San Jie Gun (bastão de três seções),
Chiu Ping Lok (mestre Lope) aprendeu diversos estilos quiang (Tcheang, lança de wushu com uma ponta), lança
de Kung Fu, entre eles Hung Tao Choi Mei Gar, Hun de 2 pontas, lança de pá e lua, Gwan Dao (Kwan Tou,
Gar e Mo Gar, e os otimizou criando seu próprio estilo. tipo de alabarda chinesa) , corrente entre outros.
O Fei Hok Phai, Estilo da Garça Voando, é caracteri- Segue a lista completa dos taolus do estilo:
zado, dentro da linha Shaolin do Sul, sendo os movimen-
tos ágeis, harmoniosos e perigosos. O estilo recebeu este
nome pelo fato de o Grão-Mestre simpatizar com os mo- 31.3 Hierarquia e Tratamento
vimentos elegantes da garça e por ter vindo da China, o
que simboliza a viagem (o vôo) que ele deu para ser um
dos pioneiros do Kung Fu no Brasil na década de 60, mas 31.4 Nomenclaturas
há de se lembrar que o estilo não dá ênfase exclusiva-
mente nas técnicas da garça sendo o tigre, por exemplo,
um dos animais mais utilizados em suas formas. 31.5 Ver também
Dentro desse estilo, também são realizados movimentos
• Linha do tempo das artes marciais
do Dragão, Serpente, Tigre, Leopardo e Cavalo

31.1 Graduação oficial do estilo Fei 31.6 Referências


Hok Phai [1] Graduação

De acordo com a Associação Central de Fei Hok


Phai.* [1] 31.7 Ligações externas
Após a 1a graduação em faixa preta os katis para apren-
dizado podem variar de Mestre para Mestre sendo alguns • Sítio oficial (em português)
ainda opcionais.

31.2 Técnicas
Um dos taolu (seqüencia de movimentos, também deno-
minada "kati" ou“forma”) mais significativos dos mais
de 34 encontrados no Fei Hok Phai é o Pao Hok Chuan,
Movimento da Garça e Leopardo, que tem origem no
Hung Tao Choi Mei Gar. Este kati é composto por técni-
cas de leopardo, caracterizadas pelo desenvolvimento de
velocidade pela grande destreza dos movimentos e por
técnicas da Garça, que são caracterizadas por movimen-
tos realizados com leveza, agilidade e harmonia.
Nas técnicas encontradas neste estilo, também estão pre-

151
Capítulo 32

Hung gar

O Hung Ga Kuen (洪家拳), Hung Ga (洪家) ou Hung tanto, logo após isto, o governo Qing destruiu o templo,
Kuen (洪拳) é um sistema de kung fu desenvolvido no porque estava dando abrigo a muitos rebeldes que gosta-
século XVII, que está associado ao herói popular chinês riam de restaurar a última dinastia verdadeiramente chi-
Wong Fei Hung, que foi mestre de Hung Ga. Conside- nesa, a dinastia Ming.
rado um sistema Nan Quan, este é um dos 5 principais Com a queda do Templo Shao Lin do Sul, de acordo com
sistemas do sul da China (Hung Ga, Mok Ga, Choy Ga,
algumas fontes, Hei Kung e Gee Sin uniram-se a gru-
Lau Ga e Li Ga). Sua tradução é“boxe da família Hung” pos de atores de Ópera Chinesa que se transportavam em
, e se baseia no boxe do tigre e da garça.
barcos vermelhos (“Hung Sheun”), para se esconde-
De acordo com a lenda, foi criado em homenagem a Hung rem, e atravessaram toda a China com eles. Nestes gru-
Hei Kung, que fora aluno do abade Gee Sin, um monge pos, os rebeldes treinavam o Kung Fu Shao Lin sob o
Chan (Zen) budista no Templo Shaolin do Sul. Gee Sim disfarce circense - já que o governo proibira qualquer re-
foi também o mestre de quatro outros estudantes: Choy ferência a Shao Lin. Numa destas viagens, Hei Kung co-
Gau Lee, Mok Da Si, Lau Sam-Ngan e Li Yao San - que nheceu Fong Wing Chun, sobrinha do lendário Fong Sai
junto de Hung Hei Kung, são os patriarcas das 5 famílias Yuk(filha dele de acordo com outras fontes) e expert no
principais de kung fu sulista. estilo da Garça Shao Lin. Fong ensinou à sobrinha as
Trata-se de um estilo de luta baseado nos cinco animais técnicas da Garça de Shao Lin num sistema que usa ata-
básicos Shao Lin: Tigre, Garça, Serpente, Dragão e o ques rápidos de bicar e também enfatiza o equilíbrio e
Leopardo. Além dos cinco elementos (madeira, metal, técnicas de chutes rápidos. À época, Gee Sin havia sido
água, fogo e terra). assassinado, assim como Fong Sai Yuk, e acreditava-se
que tinha sido o mesmo homem o assassino (Bak Mei
em algumas fontes). Hung Hei Kung aprende o estilo
da Garça com Fong Wing Chum, com quem se casa, e
32.1 História vinga-se da morte de seu mestre e do tio (ou pai) de sua
esposa.* [1]* [2]* [3]
Hung Hei Kung originalmente tinha o sobrenome Jyu Hung Hei Gung, então, abriu secretamente uma escola de
(Jyu Hei Kung) e era um mercador de chá. Após um Kung Fu no Templo do Grande Buda, em Cantão, para
desentendimento com membros duma classe nobre de treinar revolucionários. De acordo com as lendas, ele teve
Manchus, durante a dinastia Qing (quandos os Manchus que adaptar suas técnicas porque os chutes rápidos e altos
governavam a China), Ele se refugiou no Templo Shao típicos do Norte era inapropriado para os habitantes do
Lin do Sul, que acredita-se ter sido em Fujian - um ponto Sul, que eram fisicamente mais baixos que os do Norte -
de resistência contra a dominação Manchu e à dinas- o povo cantonês era mais baixo e mais atarracado e pre-
tia Qing, principalmente após a destruição do principal feriam usar métodos de mão. As lendas dizem que o
Templo Shao Lin, em Henan. Após algum tempo, o tem- povo sulista remava mais, assim desenvolvendo mais os
plo sulista também foi destruído. braços para técnicas de mãos e que as bases no treina-
Ao se refugiar no templo, Hei Kung foi aceito como aluno mento eram bem baixas e largas para a prática em barcos
pelo abade Gee Sin, que em pouco tempo percebeu sua e lugares alagados ou escorregadios. Ele chamou sua arte
habilidade e dedicação ao Kung Fu de Shao Lin. Gee Sin de Hung Ga Kuen, ou Punho da Família Hung, prin-
estava impressionado por estas qualidades e logo come- cipalmente para esconder suas relações com Shao Lin -
çou a ensinar-lhe o Hei Hu Quan (黑虎拳 -“Punho do quem fosse pego praticando as artes de Shao Lin era exe-
Tigre Negro”- o estilo externo de maior força física, tra- cutado.* [1]* [2]* [3] Com a proibição da prática do Kung
balho duro e agressividade criado em Shao Lin), no qual Fu removida, Hung Hei Gung começou a ensinar aberta-
era especializado. Logo após 6 anos, Hei Kung se tornou mente sua arte, e abriu uma escola em na cidade de Fa,
o número 1 dos rebeldes que estavam no templo apenas província de Kwungtung (Cantão).* [3]
para aprender a lutar, e não à religião budista.* [1] Entre-

152
32.3. REFERÊNCIAS 153

Depois de estabilizado e famoso como professor e artista Combinado da Forma do Tigre e da Garça”);
marcial, Hung Hei Gung recebeu como discípulo um ir-
mão marcial seu, Lok Ah Choy, perito na técnica Shao 3. Tid Sin Kuen (鐵線拳,“Punho da Linha de Ferro”
Lin dos Cinco Animais. Os dois juntos realizaram gran- )
des façanhas que foram contadas de geração após gera- 4. Sap Ying Kuen (十形拳,“Punho dos Dez Padrões”
ção até nossos dias.* [2] Após um tempo alunos e mestres ), também chamada de Ng Ying Ng Hong Kuen
se separaram, e Lok Ah Choy abriu sua própria escola, (五形五行拳, “Punho dos 5 Animais e dos 5 Ele-
onde teve muitos discípulos. Os dois melhores estudan- mentos”).
tes foram Wong Tai e depois o filho deste, Wong Kay Yin.
Mais tarde, estes se uniram aos “Dez tigres de Cantão”
, um importante grupo de mestres, os melhores lutado-
res de Cantão, que lutavam para defender os cidadãos da
32.3 Referências
tirania dos Manchus. A fama de Wong Kay Yin só foi
ultrapassada pelo seu próprio filho, Wong Fei Hung. A [1] http://www.hunggaratlanta.com/pages/familylineage.
php em Inglês
fama de Wong Fei Hung foi relatada em inúmeros filmes
e até hoje, ele é um importante herói patriota do povo [2] http://www.fujow.oi.com.br/hung.htm
chinês.
[3] http://www.hungkuen.net/masters-hungheigoon.htm em
Graças à rotina de seu pai, Wong Fei Hung desde cedo Inglês
teve que viajar por toda a China. Graças a isso, pôde co-
nhecer inúmeros mestres. Numa dessas viagens, tornou- [4] http://www.hungkuen.net/masters-wongfeihung.htm em
se discípulo do mestre Lam Fuk Sing, que fora discípulo Inglês
de Tid Kiu Sam. O mestre Lam Fuk Sing passou a Wong
Fei Hung todo o conhecimento que possuía, incluindo
a rotina Tid Sin Kuen, criada por Tid Kiu Sam.* [4] O
mestre Wong teve um importante aluno, Lam Sai Wing,
que nasceu em 1860 e morreu em 1943. Em muitas ve-
zes, Lam o substituiu em lutas, o que rendeu-lhe notável
fama.* [2] Depois da morte de Wong Fei Hung, em 1924,
Lam Sai Wing continuou com a divulgação do Hung Ga
abrindo sua própria escola.
Lam Sai Wing teve diversos alunos, entre eles os mais
famosos são os grande-mestres Lam Jo e Chiu Kao, pa-
triarcas das famílias mais numerosas de Hung Ga hoje em
dia.

32.2 Sistema
O Hung Ga é baseado em posições baixas e fortes, des-
locamentos estáveis e penetrações diretas; com ênfase na
força dos membros superiores da resistência ao esforço,
e em fortes técnicas de mão, sendo notáveis a mão de
ponte e a versátil garra de tigre. Incide sobre o desenvol-
vimento de braços e pernas fortes, alicerçado na posição
no cavalo (Sei Ping Ma), e no condicionamento dos an-
tebraços (Da Sam Sing -“Explosão das Três Estrelas”).
Sua habilidade é adquirida através do desenvolvimento
de 3 partes: uma ginástica corporal completa, o combate
livre e as formas (taolu), que são um conjunto de técnicas
coreografadas, servindo de “livro”para os praticantes.
Quatro são consideradas os pilares do Hung Ga, são elas:

1. Gung Gee Fuk Fu Kuen (工 字 伏 虎 拳, “Do-


mando o Punho do Tigre na Forma da Letra Kung -
Trabalho”);

2. Fu Hok Seung Ying Kuen (虎鶴雙形拳 -“Punho


Capítulo 33

Kung shi

Wushu (武術 ou 武术; pinyin: wǔshù) é um termo chinês Os treinos incluem armas chinesas, como bastão (gun),
que literalmente significa arte da guerra moderna. Este é punhal (dao), espadas (jian), lança (qiang) Bandeira
o termo correto para o que no ocidente se passou a chamar (kitu).
erroneamente de kung shi, ou mais conhecido como Kung Se bem desenvolvido, possibilita um equilíbrio corpo-
fu. ral total, buscando a paz interior, aumentando a saúde e
Kung Shi é um sistema de luta desenvolvido na China. a qualidade de vida. Possibilita também o controle do
Seus estilos surgiram das observações dos animais tal stresse, de angústias, ajudando na concentração além, é
como o Kung fu. claro, da defesa pessoal.
A história do Kung shi é uma vertente do Kung fu de tal A força para quem pratica “Kung shi”está dentro do
modo é cheia de muitas lendas e ciladas que tornam qual- corpo, basta um simples pensamento, “se não consegue
quer tentativa séria de transmitir uma história compreen- o primeira consegue a segunda”
siva e puramente factual quase impossível. A principal Existem muitos mitos de que uma das primeiras tatuagens
razão para isto é que a história de uma pessoa é a lenda foi feita para saber quem praticava Kung shi, arte perigosa
de outra. Há muito poucas provas documentadas para onde se pode matar, todos os mestres tem um tatuagem a
sustentar qualquer história de Kung Fu, já que a maio- indicar o seu nível de graduação.
ria delas passa de pai para filho, oralmente, sem qualquer
documentação escrita para comprovar. Sendo assim, ten- M= Mestre 111 222 333 444 555 666 777 888 999
tarei cortar muito dos mitos e apresentar um relato claro. Lembre-se pratique “Artes Marciais”para o seu Bem-
Se um relato for puramente lenda, será registrado como estar, não pratique para matar.
tal aqui.
Os mestres tinham a mania de ser sempre muito rígidos,
e tratar seus“discipulos”com muita crueldade, mas isso 33.1 A saudação írini
foi a base para se fazer um bom guerreiro. A Hierarquia
e a disciplina muito bem organizados refletem a socie- Significa PAZ em Grego antigo
dade chinesa, adversa do modo individualista ocidental.
Este estilo kung Shi esta desenvolvido em muitos poucos A“saudação tradicional”do Kung Fu é denominada Kin
países, entre os quais se destacam China, Brasil, Iraque e Lai, a do Kung Shi é "Írini”devendo ser executada com
Portugal. ambas as mãos, sendo: a direita fechada (representando o
Sol) e a esquerda aberta (representando a Lua) por cima
Tendo como nomes de grandes mestres os seguintes. da outra mão. Tal como no Kung Fu; O“sol”e a“Lua”
Goujian choup ti,representante da China. Grao mes- formam um novo caractere denominado Ming (明) Sig-
tre Arnério Carneio, carlos Prazeres; Brasil Almahiin nificando Clareza ou esclarecimento. Principalmente nas
mariiin representante do Iraque. escolas do sul da China, isso denominava que os artistas
De Portugal destaca-se Manuel Morais Lopez, sensei marciais eram contra a opressão imperialista da época.
Morais e o jovem Ricardo Miguel Pereira Sensei kapa, Esta saudação é feita para indicar respeito e equilibrio
com um importante papel na institucionalização do Kung para com o oponente.
Shi em Portugal;
Usar a inteligência (mão esquerda em palma) é mais efi-
O “KS”pode ser práticado por adultos, idosos e crian- ciente do que usar o punho (mão direita fechada).
ças de ambos os sexos dependendo do estilo. Combina
ginástica completa de todo o corpo, na maioria das vezes
seqüências de movimentos, chamados de Taolu ou for-
mas, conhecidos vulgarmente como kati no Brasil, dada
à influência do termo “kata”, usado no Karatê.

154
Capítulo 34

Pak Hok

34.1 Sistema
O white crane faz uso dos movimentos de animais
(Garça, Tigre e outros) e quase não possui movimentos
acrobáticos, sendo um estilo voltado ao combate com uso
de socos, golpes de mão aberta, chutes e defesas ageis in-
cluindo o uso de diversas armas e tecnicas de defesa pes-
soal, agarramento (dominação), torções de articulações,
projeções, etc.
Este estilo é resultado da combinação de técnicas dos an- Criação simbólica do estilo. Fonte: Bubishi.
tigos estilos. Muitos manuscritos descrevem esse pro-
cesso de criação do estilo, um deles é o Bubishi de Oki-
nawa, Bíblia do karatê - este estilo de Guan Fa ¹(kung-fu)
34.4 Referências
deu origem ao karatê de Okinawa Goju-ryu e Shorin-ryu,
que não é o karatê japonês. • Manuscrito antigo - Bubishi

Segundo o que está escrito nos manuscritos, ocorreu um


duelo entre Fang Jinyang (mulher que era mestre no es-
tilo) e Zheng Chisu (famoso mestre do estilo Tigre). Nin-
34.5 Ligações externas
guém derrotava Fang devido as suas evasivas, esquivas
e golpes precisos em pontos vitais, porém ela não tinha • Site central Brasil do Pak Hok
força suficiente para vencer Zheng, que era forte. Por
outro lado, Zheng usava socos diretos e técnicas fortes,
mas não podia dar qualquer golpe eficiente. Como re-
sultado do embate, os dois se apaixonaram e criaram o
estilo White Crane (Grou Branco), que se beneficia dos
bons princípios dos dois estilos, suavidade do Grou (su-
ave, jin) e rigidez do Tigre (duro, jang), resulta na criação
de um perfeito método de luta (princípio Yin-yang). Esta
história mostra que um estilo em uma única natureza de
técnicas não pode ser perfeito.

34.2 Legenda
¹ Quan Fa é um termo geral para os vários estilos de Kung
Fu e tradições. Wu Shu é um termo usado para nomear
os modernos estilos desenvolvidos após o advento da re-
volução comunista da China.

34.3 Ver também


• Artes marciais chinesas

155
Capítulo 35

Sanshou

Sanshou (散手; literalmente“mãos livres”), ou Sanda que um vale tudo ao molde dos primeiros Ultimate Figh-
(散打; literalmente “luta livre”), é uma forma chinesa ting Championships.
moderna de combate corpo-a-corpo, um sistema de auto- Como treinamento marcial o sanshou ao longo da história
defesa, e um esporte de combate. na china recebeu vários nomes como xiangbo, shoubo,
chaishou, qiangshou, jiji, e daleitai.
Em 1979, o Comitê Chinês de Esportes Nacionais (CCEN)
35.1 Características decidiu que o sanshou estaria ligado ao wushu como es-
porte de competição. Devido ao espaço de tempo entre
Muito parecido com o Muay Thai, mas valendo proje- seu surgimento e a oficialização pelo governo o sanshou
ção ( arremesso ao chão ) e considerado mais violento. não tinha metodologia de treino, padronização de técni-
Não é considerado uma arte marcial independente nem cas e principalmente regras. Até meados dos anos 80 o
unificado, pois tem suas origens fundamentadas em cima sanshou como esporte continuou a se desenvolver den-
do Shuai Jiao, mas é um dos componentes dos diversos tro de colégios e universidades ligadas à educação física,
estilos de Kung Fu, normalmente ensinado integrado às além de experimentação em campeonatos. Em 1982, o
diversas formas de wushu. O termo sanda é mais um CCEN finalmente chegou a uma metodologia de treino e
dos antigos e de uso mais comum, designado do kung - regras para competições que vêm sendo aos poucos modi-
fu ( uma das primeiras artes marciais inventada através ficadas. O primeiro ringue era redondo com nove metros
dos chineses procurando defesa ),quando o governo chi- de diametro.
nês formalizou e padronizou as artes marciais usou ofici-
almente o termo sanshou para designar este aspecto, pos-
teriormente voltando a usar o termo sanda.
35.2.1 O sanshou como esporte de combate
35.2 História A prática contemporânea do sanshou como esporte de
combate teve seu ponto de partida como esporte contem-
Após a guerra da Coréia onde enfrentou diretamente as porâneo em 1990, ano em que o comite organizador dos
tropas americanas o governo chinês percebeu a necessi- XI Jogos Asiáticos incluiu o wushu como esporte oficial
dade de investir em pesquisa e desenvolvimento visando de competição. Nesse mesmo ano, se fundou a Federação
o melhor treinamento de seu exercito e incumbiu ao gene- Internacional de Wushu como organismo oficial encarre-
ral Peng Dehuai o comando da pesquisa onde além de es- gado de dirigir o crescimento e a difusão do esporte, de-
pecialistas em artes marciais de toda China participaram terminando as diferentes disciplinas de competição e sua
médicos, educadores físicos, e demais pessoas relaciona- respectiva regulamentação.
das a atividades físicas e saúde. O novo sistema deveria
O sanshou está crescendo rapidamente em popularidade.
observar três critérios:
Na atualidade, as competições são levadas em mais de 95
países no mundo inteiro.
• Simplicidade;
Recentemente tem se convertido também em um esporte
• Combate direto; profissional no Brasil onde o campeão invicto é o atleta
André Dias Yamato, se encontrando hepta campeão.
• Efetivo contra oponentes mais fortes. O sanshou se refere a luta livre a onde as regras estão
prontas para simular com total precisão o combate atual e
Quase que paralelamente ao sanshou militar se desenvol- real. Existem hoje duas modalidades de competição para
veu o sanshou civil e competições clandestinas que aca- sanshou, a amadora e a profissional (conhecida também
bavam com sérios danos aos competidores e eram quase como sanda).

156
35.4. LIGAÇÕES EXTERNAS 157

35.3 Sanshou amador • Golpes nas genitais e nuca são inválidos, e podem
levar com três irregularidades de luta a desclassifi-
O uso obrigatório de capacete (com grade para os inici- cação.
antes), coquilha para os homens (proteção para a genital),
luvas (]08 oz para até 70 kg e 10 oz para categorias acima • Para os golpes valerem pontos, ele deve fazer o ad-
de 70 kg) , protetor bucal e protetor torácico (um tipo de versário se mexer, não adianta apenas dar toques
“armadura”do mesmo material da luva, permitindo que sem força.
o lutador não se machuque gravemente). Na categoria
Juvenil e iniciante usam-se protetores para canela e peito • Vale chutar, socar derrubar o adversário e joga-lo
do pé. fora do ringue.

• Pontuação é feita da seguinte forma, 1 ponto soco,


35.3.1 Categorias
2 pontos chutes(na cabeça, e tronco, se for na coxa
é 2 ponto) e 2 ( Se continuar em pé 2 pontos. se cair
As categorias são divididas por peso e idade.
junto é 1 ponto ).Ao tirar o adversário pra fora do
ringue, ele terá uma irregularidade por estar fora da
• Por idade: luta,após 2 irregularidades ele é desclassificado.
• Juvenil (15 a 17 anos)
• O ringue oficial é um quadrilátero tablado enborra-
• Adulto (18 a 35 anos) chado 8 x 8 metros e elevado. As imediações exter-
nas do ringue são cobertas por folhetos de tatame de
• Masculino: borracha.

• Categoria 48 kg ( ≤ 48 kg)
• Algumas competições permitem o uso de joelhadas,
• Categoria 52 kg ( > 48 kg - ≤ 52 kg) mas não é válido o uso dos cotovelos