Você está na página 1de 11

Exercício A d i c i o n a l 1 - D e m o n s t r a ç ã o dos Fluxos de Caixa

Com base nos dados constantes do Balanço Patrimonial e da Demonstração de Resultados


abaixo, elabore a Demonstração de Fluxo de Caixa para o ano de 2016.

BALANÇO PATRIMONIAL

Ativo 2015 2016 Passivo e Património Líquido 2015 2016


Ativo Circulante Passivo Circulante
7
Caixa 530 230 Contas a pagar a fornecedores 4.137 4 53
Contas a receber 3.974 5.474 Empréstimos a pagar 1.104 1.309
Estoques 7.611 8.511 Total 5.241 5.89Ë
Total 12.115 14.215 Passivo Não Cirulante
Ativo Não Circulante Empréstimos a pagar 5.576 8.099
Imobilizado líquido Patrimônio Líquido
Instalações e equipamentos 21.361 22.545 Capital social 15.369 15.369
Reservas de lucros 7.290 7.39Ë
Total 22.659 22.765
Total do Ativo 33.47 6 36.760 Total do Passivo e Patrimônio Líquido 33.476 36.760

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO

2016

R e c e i t a l í q u i d a de v e n d a s 35.330,00
Custo dos produtos vendidos -21.729,00
L u c r o bruto 13.601,00
D e s p e s a s operacionais -10.158,00
Depreciação -1.339,00
Lucro o p e r a c i o n a l (LAJIR) 2.104,00
D e s p e s a s financeiras -298,00
L u c r o a n t e s do imposto de r e n d a (LAIR) 1.806,00
Imposto de renda -1.400,00
L u c r o líquido 406,00
Dividendos 300,0
A d i ç ã o aos lucros retidos 106,0
2016
Atividades Operacionais
L u c r o Líquido
A j u s t e s que não r e p r e s e n t a m c a i x a :
Depreciação
M u d a n ç a s no c a p i t a l de giro
A Contas a receber
A Estoques
A C o n t a s a pagar a f o r n e c e d o r e s
Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais

Atividades de investimento de longo prazo


A Imobilizado
Caixa líquido gerado pelas atividades de investimento

Atividades de financiamento
A E m p r é s t i m o s curto prazo
A E m p r é s t i m o s longo prazo
A Capital S o c i a l
P a g a m e n t o de D i v i d e n d o s
Caixa líquido gerado pelas atividades de f i n a n c i a m e n t o

A Caixa
2016
Atividades Operacionais
Lucro Líquido 406,00
A j u s t e s que não representam c a i x a :
Depreciação 1.339,00
M u d a n ç a s no capital de giro
A Contas a receber -1.500,00
A Estoques -900,00
A Contas a pagar a fornecedores 450,00
C a i x a líquido g e r a d o p e l a s a t i v i d a d e s o p e r a c i o n a i s -205,00

Atividades de investimento de longo prazo


A Imobilizado -2.523,00
C a i x a líquido g e r a d o p e l a s a t i v i d a d e s de i n v e s t i m e n t o -2.523,00

Atividades de financiamento
A E m p r é s t i m o s curto prazo 205,00
A E m p r é s t i m o s longo prazo 2.523,00
A Capital Social 0,00
Pagamento de Dividendos -300,00
C a i x a líquido g e r a d o p e l a s a t i v i d a d e s de f i n a n c i a m e n t o 2.428,00

A Caixa -300,00

Comentários:

A empresa apresentou lucro líquido positivo no ano de 2016 e, com a adição da despesa de
depreciação (que é um item não caixa), o lucro "ajustado" (lucro líquido + depreciação)
totalizou R$ 1.745,00.

Apesar da empresa apresentar um lucro ajustado de R$ 1.745,00, parte da receita que


originou esse lucro não foi recebida. Portanto, o incremento nas contas a receber (de R$
1.500,00) é registrado com sinal negativo no Fluxo de Caixa. Em outras palavras, o lucro
ajustado é de R$ 1.745,00 mas R$ 1.500,00 não foi recebido e, portanto, não entrou no
caixa da empresa.

Além disso, a empresa utilizou caixa para adquirir estoques (houve um incremento nos
estoques de R$ 900,00). Essa transação (aquisição de estoques), embora não transite pela
Demonstração do Resultado afeta negativamente o caixa da empresa.

É possível observar que os fornecedores contribuíram para o financiamento dos estoques


pois houve um incremento no saldo das "Contas a pagar a fornecedores". Esse incremento é
registrado com sinal positivo no Fluxo de Caixa pois significa que parte dos estoques não
foram adquiridos à vista, e sim a prazo. Como o incremento nos Estoques (R$ 900,00) foi
considerado integralmente com sinal negativo no Fluxo de Caixa é preciso registrar a parcela
que foi adquirida a prazo. Esse registro é feito por meio da variação do saldo das Contas a
pagar a fornecedores.

Se considerarmos o lucro ajustado (lucro líquido + depreciação), o incremento nas contas a


receber e nos estoques (que impacta negativamente o fluxo de caixa) e o incremento das
contas a pagar a fornecedores (que impacta positivamente o fluxo de caixa), temos uma
geração de caixa negativa oriunda das atividades operacionais (R$ 205,00).
Considerando que a empresa investiu em ativos imobilizados (instalações, equipamentos
etc.) e também pagou dividendos em 2016, a pergunta que surge é: "como a empresa
obteve recursos para efetivar essas transações?"

Para financiar essas transações a empresa optou pelo aumento do endividamento tanto
de curto quanto de longo prazo e pela redução de seu saldo de caixa.

Para financiar as atividades operacionais (insuficiência de R$ 205,00), a empresa captou


recursos de curto prazo junto a bancos (empréstimos para capital de giro). J á para financiar
os investimentos de longo prazo a captou recursos de longo prazo junto a credores
(geralmente as empresas utilizam o FINAME-Financiamento de Máquinas e Equipamentos do
BNDES ou realizam emissão de títulos de dívida -> debêntures).

Para pagar os dividendos aos acionistas, a empresa teve que reduzir seu saldo de caixa que,
no início do período era de R$ 530,00 e, no final do período, era de R$ 230,00.

Conclusão:
Em condições normais, as atividades operacionais da empresa "deveriam" gerar um saldo de
caixa positivo. No caso da empresa analisada "parece" que houve um crescimento muito
intenso das contas a receber e dos estoques. Talvez os estoques não tenham apresentado o
giro esperado e a empresa esteja com problemas para receber suas vendas a prazo por
conta da inadimplência.

Adicionalmente, financiar a expansão (investimento no imobilizado) apenas com capital de


terceiros (endividamento) também preocupa, pois, aumenta o risco para os acionistas. A
empresa passa a ter uma despesa financeira (juros) maior e, portanto, a obrigação de
apresentar uma boa performance no futuro também aumenta. Ao contrário dos acionistas
que recebem uma participação no resultado, os credores exigem uma remuneração
"contratual" fixa sobre o capital que emprestam para a empresa.
Exercício A d i c i o n a l 2 - D e m o n s t r a ç ã o d o s Fluxos de Caixa

Com base nos dados constantes do Balanço Patrimonial e da Demonstração de Resultados


abaixo, elabore a Demonstração de Fluxo de Caixa para o ano de 2016.

BALANÇO PATRIMONIAL

Ativo 2015 2016 Passivo e Património Líquido 2015 2016

Ativo Circulante Passivo Circulante


7
Caixa 530 230 Contas a pagar a fornecedores 4.137 4 53
Contas a receber 3.974 5.474 Empréstimos a pagar 1.104 1.104
Estoques 7.611 8.511 Total 5.241 5.691
Total 12.115 14.215 Passivo Não Cirulante
Ativo Não Circulante Empréstimos a pagar 5.576 5.576
Imobilizado líquido Patrimônio Líquido
Instalações e equipamentos 21.361 22.545 Capital social 15.369 18 057
Reservas de lucros 7.290 7.39Ë
Total 22.659 25.493
Total do Ativo 33.476 36.760 Total do Passivo e Patrimônio Líquido 33.476 36.760

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO

2016

R e c e i t a l í q u i d a de v e n d a s 35.330,00
Custo dos produtos vendidos -21.729,00
L u c r o bruto 13.601,00
D e s p e s a s operacionais -10.158,00
Depreciação -1.339,00
Lucro o p e r a c i o n a l (LAJIR) 2.104,00
D e s p e s a s financeiras -298,00
L u c r o a n t e s do imposto de r e n d a (LAIR) 1.806,00
Imposto de renda -1.400,00
Lucro líquido 406,00
Dividendos 300,0
A d i ç ã o aos lucros retidos 106,0
2016
Atividades Operacionais
Lucro Líquido
A j u s t e s que não r e p r e s e n t a m c a i x a :
Depreciação
M u d a n ç a s no c a p i t a l de giro
i Contas a receber
A Estoques
A Contas a pagar a fornecedores
Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais

Atividades de investimento de longo prazo


A Imobilizado
C a i x a liquido g e r a d o p e l a s a t i v i d a d e s d e investimento

Atividades de financiamento
A E m p r é s t i m o s curto prazo
A E m p r é s t i m o s longo prazo
i Capital Social
P a g a m e n t o de D i v i d e n d o s
Caixa líquido gerado pelas atividades de f i n a n c i a m e n t o

A Caixa
2016
Atividades Operacionais
Lucro Líquido 406,00
A j u s t e s que não representam c a i x a :
Depreciação 1.339,00
M u d a n ç a s no capital de giro
A Contas a receber -1.500,00
A Estoques -900,00
A Contas a pagar a fornecedores 450,00
C a i x a líquido g e r a d o p e l a s a t i v i d a d e s o p e r a c i o n a i s -205,00

Atividades de investimento de longo prazo


A Imobilizado -2.523,00
C a i x a líquido g e r a d o p e l a s a t i v i d a d e s d e i n v e s t i m e n t o -2.523,00

Atividades de financiamento
A E m p r é s t i m o s curto prazo 0,00
A E m p r é s t i m o s longo prazo 0,00
A Capital Social 2.728,00
Pagamento de Dividendos -300,00
C a i x a líquido g e r a d o p e l a s a t i v i d a d e s d e f i n a n c i a m e n t o 2.428,00

A Caixa -300,00

Comentários:

A empresa apresentou lucro líquido positivo no ano de 2016 e, com a adição da despesa de
depreciação (que é um item não caixa), o lucro ajustado (lucro líquido + depreciação)
totalizou R$ 1.745,00.

Apesar da empresa apresentar um lucro ajustado de R$ 1.745,00, parte da receita que


originou esse lucro não foi recebida. Portanto, o incremento nas contas a receber (de R$
1.500,00) é registrado com sinal negativo no Fluxo de Caixa. Em outras palavras, o lucro
ajustado é de R$ 1.745,00 mas R$ 1.500,00 não foi recebido e, portanto, não entrou no
caixa da empresa.

Além disso, a empresa utilizou caixa para adquirir estoques (houve um incremento nos
estoques de R$ 900,00). Essa transação (aquisição de estoques), embora não transite pela
Demonstração do Resultado afeta negativamente o caixa da empresa.

É possível observar que os fornecedores contribuíram para o financiamento dos estoques


pois houve um incremento no saldo das "Contas a pagar a fornecedores". Esse incremento é
registrado com sinal positivo no Fluxo de Caixa pois significa que parte dos estoques não
foram adquiridos à vista, e sim a prazo. Como o incremento nos Estoques (R$ 900,00) foi
considerado integralmente com sinal negativo no Fluxo de Caixa é preciso registrar a parcela
que foi adquirida a prazo.

Se considerarmos o lucro ajustado (lucro líquido + depreciação), o incremento nas contas a


receber e nos estoques (que impacta negativamente o fluxo de caixa) e o incremento das
contas a pagar a fornecedores (que impacta positivamente o fluxo de caixa), temos uma
geração de caixa negativa oriunda das atividades operacionais (R$ 205,00).
Considerando que a empresa investiu em ativos imobilizados (instalações, equipamentos
etc.) e também pagou dividendos em 2016, a pergunta que surge é: "como a empresa
obteve recursos para efetivar essas transações? "

Para financiar as atividades operacionais (insuficiência de R$ 205,00) e os investimentos de


longo prazo a empresa optou por um aumento de capital. Para pagar os dividendos aos
acionistas, a empresa teve que reduzir seu saldo de caixa que, no início do período era de
R$ 530,00 e, no final do período, era de R$ 230,00.

Conclusão:
Em condições normais, as atividades operacionais da empresa deveriam gerar um saldo de
caixa positivo. No caso da empresa analisada "parece" que houve um crescimento muito
intenso das contas a receber e dos estoques. Talvez os estoques não tenham apresentado o
giro esperado e a empresa esteja com problemas para receber suas vendas a prazo por
conta da inadimplência.

Ao contrário do primeiro exercício, no qual a empresa decide aumentar o endividamento e,


portanto, o seu risco, nesse caso, a opção foi realizar um aumento de capital por meio da
emissão de novas quotas ou novas ações (operação chamada de "capitalização da
empresa"). Essa opção reduz o risco pois os acionistas recebem uma participação no
resultado (dividendos) e não uma remuneração "contratual" fixa sobre o capital que
aportam.

ATENÇÃO!
Se, por um lado, o risco diminui, o retorno esperado também diminui.
Exercício A d i c i o n a l 3 - D e m o n s t r a ç ã o d o s Fluxos d e Caixa

Com base nos dados constantes do Balanço Patrimonial e da Demonstração de Resultados


abaixo, elabore a Demonstração de Fluxo de Caixa para o ano de 2016.

BALANÇO PATRIMONIAL

Ativo 2015 2016 Passivo e Património Líquido 2015 2016

Ativo Circulante Passivo Circulante


Caixa 450 511 Contas a pagar a fornecedores 1.836 2.304
Contas a receber 955 1.117 Empréstimos a pagar 1.018 700
Estoques 3.645 4.113 Salários a pagar 500 620
Total 5.050 5.741 Total \ 3.354 3.624
Ativo Não Circulante Passivo Não Cirulante
Imobilizado líquido Empréstimos a pagar 717 600
Instalações e equipamentos 5.091 5.401 Patrimônio Líquido
Capital social 5.4-02 5.402
Reservas de lucros 668 1.516
Total \ 6.070 6.918
Total d o Ativo 10.141 11.142 Total do Passivo e Patrimônio Liquido 10.141 11.142

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO

2016

Receita líquida de vendas 12.505,00


Custo dos produtos vendidos -7.106,00
L u c r o bruto 5.399,00
D e s p e s a s operacionais -2.551,00
Depreciação -800,00
Lucro o p e r a c i o n a l (LAJIR) 2.048,00
D e s p e s a s financeiras -380,00
L u c r o a n t e s do imposto d e r e n d a jLAIR) 1.668,00
Imposto de renda -550,00
Lucro líquido 1.118,00
Dividendos 270,0
A d i ç ã o aos lucros retidos 848,0
2016
Atividades Operacionais
L u c r o Líquido
A j u s t e s que não r e p r e s e n t a m c a i x a :
Depreciação
M u d a n ç a s no c a p i t a l de giro
A Contas a receber
A Estoques
A Contas a pagar a fornecedores
A Salários a pagar
Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais

Atividades de investimento de longo prazo


A Imobilizado
Caixa líquido gerado pelas atividades de investimento

Atividades de financiamento
A E m p r é s t i m o s curto p r a z o
A E m p r é s t i m o s longo p r a z o
A Capital Social
P a g a m e n t o de D i v i d e n d o s
Caixa líquido gerado pelas atividades de financiamento

A Caixa
2016
Atividades Operacionais
Lucro Líquido 1.118,00
A j u s t e s que não representam c a i x a :
Depreciação 800,00
M u d a n ç a s no capital de giro
A Contas a receber -162,00
A Estoques 468,00
A Contas a pagar a fornecedores 468,00
A Salários a pagar 120,00
C a i x a líquido g e r a d o p e l a s a t i v i d a d e s o p e r a c i o n a i s 1.878,00

Atividades de investimento de longo prazo


A Imobilizado -1.110,00
C a i x a líquido g e r a d o p e l a s a t i v i d a d e s d e i n v e s t i m e n t o -1.110,00

Atividades de financiamento
A E m p r é s t i m o s curto prazo -318,00
A E m p r é s t i m o s longo prazo -117,00
A Capital Social 0,00
Pagamento de Dividendos -270,00
C a i x a líquido g e r a d o p e l a s a t i v i d a d e s d e f i n a n c i a m e n t o -705,00

A Caixa 61,00

Comentários:

A empresa apresentou lucro ajustado (lucro líquido + depreciação) de R$ 1.918,00 em


2016. Nesse período, os itens que integram o capital de giro (contas a receber, estoques e
contas a pagar a fornecedores) não contribuíram para consumir o caixa da empresa. O
incremento nas contas a receber foi relativamente pequeno (o que mostra que grande parte
da receita que originou o lucro foi efetivamente recebida) e o incremento nos estoques foi
totalmente compensado pelo incremento nas contas a pagar a fornecedores. Em outras
palavras, os fornecedores financiaram a totalidade dos estoques adquiridos e, portanto, não
foram necessários incrementos nos empréstimos de curto prazo).

Se considerarmos o lucro ajustado (lucro líquido + depreciação), o incremento nas contas a


receber, nos estoques, nas contas a pagar a fornecedores e nos salários a pagar, observa-se
uma geração de caixa positiva oriunda das atividades operacionais (R$ 1.876,00). Com os
recursos oriundos das atividades operacionais, a empresa:

a) investiu em sua expansão (aquisição de ativos imobilizados no valor de R$ 1.110,00);

b) reduziu seu endividamento de curto e longo prazos (no valor de R$ 435,00);

c) pagou dividendos aos acionistas (no valor de R$ 270,00) e ;

d) aumentou seu saldo de caixa no Balanço (incremento de R$ 61,00).

Conclusão:
O período analisado mostrou um excelente desempenho da empresa em termos de geração
de fluxo de caixa pois o caixa oriundo da própria operação permitiu uma expansão da
empresa sem a necessidade de aumento do nível de endividamento (ao contrário, houve
redução no endividamento de curto e longo prazo) e sem aportes adicionais dos sócios.