Você está na página 1de 4

Prova 2 SST

Marcell Godoi Sivelli

1 – (V)

Justificativa:

CP ‘Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar
direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.’

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm

Para Sebastião Geraldo Oliveira (2011, p. 77): “Onde houver dano ou prejuízo, a
responsabilidade civil é invocada para fundamentar apretensão de ressarcimento por parte
daquele que sofreu as conseqüências do infortúnio. É, por isso, instrumento de manutenção
da harmonia social, na medida em que socorre oque foi levado, utilizando-se do patrimônio do
causador do danopara restauração do equilíbrio rompido. Com isso, além de punir o desvio de
conduta e amparar a vítima, serve paradesestimular o violador potencial, o qual pode antever
e até mensurar o peso da reposiçãoque seu ato ou omissão poderá acarretar.

http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12888

Consoante a jurisprudência do TST, no que tange especificamente a obrigação de indenizar o


lesado individualmente pelo acidente do trabalho, prevalece a corrente da responsabilidade
subjetiva, exigindo assim maior análise acerca da comprovação de culpa ou dolo do
empregador nos termos do art. 7º, inciso XXVIII, da Constituição Federal.

https://tst.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/144959308/recurso-de-revista-rr-
925920135030148/inteiro-teor-144959326

2 – (F)

Justificativa:

O prazo de validade não é indeterminado:

‘’ De acordo com a legislação de segurança contra incêndio e pânico, a validade do Auto de


Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) é de 05 (cinco) anos, com exceção das edificações de
recepção de público, cujo AVCB possui validade de 03 (três) anos.’’

http://www.bombeiros.mg.gov.br/component/content/article/475-renovacao-de-auto-de-
vistoria-do-corpo-de-bombeiros-avcb.html

‘Alvará Sanitário liberado pela Secretaria de Estado da Saúde (Gerencias Regionais de Saúde)
possui validade de um ano a partir da liberação do Alvará Sanitário.’
http://www.saude.mg.gov.br/pipa/page/122-o-alvara-sanitario-do-meu-estabelecimento-
possui-validade-por-quanto-tempo?-sesmg

‘Licença Ambiental. A licença ambiental é o documento, com prazo de validade definido, em


que o órgão ambiental estabelece regras, condições, restrições e medidas de controle
ambiental a serem seguidas por sua empresa.’

http://www.mma.gov.br/estruturas/sqa_pnla/_arquivos/cart_sebrae.pdf

3 – (F)

Justificativa:

NR-33

‘’33.1.2 – qualquer área ou ambiente não projetado para ocupação humana contínua, que
possua meios limitados de entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente para
remover contaminantes ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio.’’

INBEP http://blog.inbep.com.br/tudo-trabalho-em-espacos-confinados-nr33/ .

‘’33.2.1 Cabe ao Empregador:

f) garantir que o acesso ao espaço confinado somente ocorra após a emissão, por escrito, da
Permissão de Entrada e Trabalho, conforme modelo constante no anexo II desta NR’’

4 – (V)

Justificativa:

INTRUDUÇÃO NBR 14725/2001


‘’ A ficha de informação de segurança de produto químico - FISPQ - fornece
informações sobre vários aspectos desses produtos químicos (substâncias ou preparados)
quanto à proteção, à segurança, à saúde e ao meio ambiente. A FISPQ fornece, para
esses aspectos, conhecimentos básicos sobre os produtos químicos, recomendações
sobre medidas de proteção e ações em situação de emergência. Em alguns países, essa
ficha é chamada de Material Safety Data Sheet - MSDS.’’

A FISPQ é um meio de transferir informações essenciais sobre os riscos (incluindo


informações sobre o transporte, manuseio, armazenamento e ações em emergências) do
fornecedor de um produto químico ao usuário deste. Pode também ser usada para
transferir essas informações para instituições, serviços e outras partes envolvidas com o
produto químico.

NR 26
‘’ 26.2.3.4O empregador deve assegurar o acesso dos trabalhadores às fichas com dados de
segurança dos produtos químicos que utilizam no local de trabalho.’’
5 – (F)

Justificativa:

A portaria 1.139/2013 do Ministério da saúde faz uma série de outras exigências para
realização de eventos em massa.

‘’ Art. 26 Previamente ao evento, a autoridade sanitária da área de assistência à saúde, em


articulação com a autoridade fiscalizadora competente, deve avaliar e acompanhar a execução
do projeto de provimento dos serviços de saúde elaborado pelo organizador de evento, de
acordo com o mapeamento de risco do evento, a fim de garantir a:

I - existência de posto médico avançado, fixo ou de campanha, com estrutura, insumos e


medicamentos para:

a) acolhimento com classificação de risco;

b) observação;

c) pequenas cirurgias;

d) estabilização; e

e) suporte básico e avançado de vida;

II - retaguarda de ambulâncias na proporção adequada de unidades suporte básico


(USB) e de unidades de suporte avançado (USA) por posto médico;
III - distribuição espacial obedecendo aos critérios de acesso e segurança.’’

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1139_10_06_2013.html

6 – (F)

Justificativa:

De acordo com a NR 10 – ANEXO 3 os primeiros socorros integram o treinamento basivo

‘’1.CURSO BÁSICO–SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE:

I- Para os trabalhadores autorizados: carga horária mínima-40h:Programação


Mínima:

14 - Primeiros socorros:
a)noções sobre lesões;
b)priorização do atendimento;
c)aplicação de respiração artificial;
d)massagem cardíaca;
e)técnicas para remoção e transporte de acidentados;
f)práticas.
http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR-10-atualizada-2016.pdf

7 – (F)

Justificativa:

De fato, se deve atender à NR-26 e outras normas nacionais tais como NRB ABNT 6493 e NRB
ABNT 7195. Quanto ás normas internacionais, logicamente deverão ser condicionadas no
mínimo aos princípios de segurança adotados nas normas oficiais vigentes.

8 – (F)

Justificativa:

Forma eventual exclui o pagamento de periculosidade.

NR - 10

3. O trabalho intermitente é equiparado à exposição permanente para fins de pagamento


integral do adicional de periculosidade nos meses em que houver exposição, excluída a
exposição eventual, assim considerado o caso fortuito ou que não faça parte da rotina.