Você está na página 1de 2

FICHAMENTO CAP.

8 DE “PARA O
ATOR”
D O C E N T E : M E R A N V A R G E N S | D I SC E N T E : ( I S A D O R A ) D I M I TR I A H E R R E R A ( N U N E S )

“(...) o enredo nasce, desenvolve-se e termina. Toda peça, por muito complicada e intrincada
que seja, obedece a esse processo e é, portanto, divisível nessas três seções.” (pág 120, linhas
13-15)

“Em qualquer verdadeira peça de arte (em nosso caso, uma performance inspirada) o começo
e o fim são, ou devem ser, polares em princípio. Todas as principais qualidades da primeira
seção devem transformar-se em seus opostos na última seção.” (pág 120, linhas 24-29)

“Na arte como na vida, começamos a avaliar, compreender e vivenciar as coisas de um modo
diferente se as vemos à luz de verdadeiros contrastes.” (pág 121, linhas 11-13)

“O começo da performance ressurge como uma visão no espírito do espectador enquanto


assiste ao final, e é a lei da polaridade que gera essa visão.” (pág 122/123, linhas 33/1-3)

“Imaginemo-la como um processo contínuo de transformação; poderemos perceber cada


momento dela simultaneamente, à luz do começo e do final.” (pág 126, linhas 4-6)

“Esses “já” e “ainda não” tecem fios vivos, entrelaçando todos e cada um dos pontos do
passado (início) no presente e, simultaneamente, profetizando o padrão do futuro (final)” (pág
127, linhas 1-4)

“Numa peça bem escrita e bem desempenhada existe um clímax principal para cada uma das
três unidades.” (pág 127, linhas 32-33)

“Cada clímax expressa a essência dessa unidade que ele representa.” (pág 131, linhas 31-32)

“É impressão errônea que os ensaios de uma peça devam começar com a primeira cena e
continuar em sucessão linear, sem o menor desvio; isso é induzido pelo hábito e não inspirado
por necessidade criativa.” (pág 132, linhas 13-16)

“Os clímax principais e auxiliares não abrangem todos os momentos de conflito ou tensão
disseminados ao longo da peça.” (pág 136, 15-17)

“A vida, em suas manifestações, não segue sempre uma linha reta. Ela ondula, ela respira
ritmicamente. Assim, as ondas rítmicas assumem várias características com diferentes
fenômenos; florescem e murcham, aparecem e desaparecem, dilatam-se e contrem-se,
espalham-se e concentram-se ad infinitum.” (pág 146/147, linhas 35-36/1-4)

“As ondas rítmicas tornam a performance vibrantemente bela e expressiva, insuflam-lhe a vida
e matam a monotonia.” (pág 148, linhas 23-26)
“Fariam muito melhor se tirassem todo o proveito de todos e cada um dos clímax e fizessem
uso de cada oportunidade entre eles; se galgassem a crista de cada onda rítmica a fim de
investirem suas produções com o máximo de impacto, relevo e variedade.” (pág 149, linhas 4-
8)

“A esse respeito, a tarefa do diretor e dos atores é dupla: enfatiar as diferenças das
personagens e, ao mesmo tempo, cuidar para que elas se complementem o mais possível.”
(pág 149, linhas 13-16)

“A melhor maneira de cumprir essa tarefa é conjeturar qual dos três traços psicológicos
domina cada uma das personagens – vontade, sentimentos ou pensamentos – e a natureza de
cada traço.” (pág 149, linhas 14-20)

Interesses relacionados