Você está na página 1de 225

.

MANUAL DOS PLANOS


]EFF GRUBB, BRUCE R. CORDELL, DAVID NOONAN

CREDITOS DA EDIÇÃO ORIGINAL CRÉDITOS DA EDIÇÃO BRASILEIRA "


DESIGN ADICIONAI. COPYRCC:HTI:> \'C'l7••A.ROS OFTl·l E COAST
Audy ColJ.Uu, ~~on te Cook, Srevc ~tiUer, Ricb Rcdman. Sem l(. Reyno!ds. TÍ'íULO ORlClNA.L
Je111ufer Chrlce Wilkes, Skip Wiliiam$, Ja 1n~ Wy.au }.i3n u~I oi thc Planes tM
EDITORES COOIU)ENAÇÀO EDITORIAL
~vid Noon.an, Jennlft-r Clarlce WUkcs ~vir Livraria
1)1 RETOR DE CRIAÇÃO 'ntADUÇÀQ,
Ed Sml: Jo;io }.;f.a rcelo 1\. Bo ni
GE!U!NTE DE PROJETO REVISÃO'
JUSLÍJ'l ZlnJ' Douglas Ricardo C\lim:irães e Oeborab Fink
GERENTED$PROOUÇÃO El>1TOMÇÃO llE'ntÓ~'lCA'
e h.as Ocloag Ttno Chagas e Ca.sfio .Es1eves
G.l!!UlNTE DE NEGÓCIO
Anthony V:i:ltem 0.EV\'(tTCtl850
l>I RErOR OE AJlTE lS.SN: 8S·7Sl2·tS5·2
Oawn ?-.turln PUBUCADO .EM 00/lOOS
llUSTRAÇt\O OA CAPA: Arnle 5"-ekel
ILUS11\AÇÔES JN'rERNAS
~iate C-:wofl:t, ~101ue ~~oorc, Waync Reynolds, DaneU R.icbe, David
Roach. Arnie Swektl
oESIGNERS GRfAFICOS
Sherry Floyd. Oawn Murin
CARl'ÓGRAFO
...··::=: ,_._
....,...... _ ..._ .._, ..
...:......

Todd C:unble
COMPOSIÇÃO
&i.n Dorries
JOGADORES O.e\ FA:)f ():S TESTE:~ Cu\ M1(~l(IC;mr.MdyCblli.n~ ~bn1t
Cool. Btuo:t Corddl, C..iutl'.Q.tl C11crit.jr»<' Oc<.kn, t>Md Scb!~"T. Cory J. ~n. Cwtu~
l'M ~'""~ Tuby bl!,., W"JI Mc.°'"ftllo11. PJdi Wm•r.. 11:.cmw 3.1. ltdd, 5'(~ Sd wbtn. o,,,,
Thoma'°n. jf'n1'4Ítr Ç!ulu WID:u. ~1 W!IU~ Skip '«'11:.i1m.t.
R;ECVRSOS:a.o.n!U:I • PJ..rm °"".n.il. tfl*»<!° u!:nu.hco. dot Jcff C.Ubh. com .uu
môu~ ~ lloc:(.1 Mocc~ e Ed C'lff,11w.»a. ao "1bt.11t.t mbilbo de 0.YiJ Coo*. Colln M~mb.
>.H dwk Cuter eMCMt Coolt 1;11) l'lll!eso:J~ os pi.mos d:l'll âdo '1111.1 COJ'moloc~ em CO:.l".*111e
ewiJ~ Ô'illtot «'>."1.1!10$ p.i;lll etk tubtll» fncfoern o DOYO QQirlo de Campa11b.:I f0qtt1c11
(IQll· 1 -
~. -
"''"'~---------'-"-'' '•t...

. . · - ·..
-··-.............
.. - -....-···-·-
............. - · -. . . ., • •

~(r) de Ed ~·ood. :iklp Wúli.iiw. Seio K ~nolJ, e Jtcl:t Hdl'.IOOI o utlJG "O R.cl e ~ li.li~
._ tmi-1ki", na~ Orteofl(r) M.l,priM mimero m. f'OI' $.k!p Wi!lamf;O::ddt to~ 1'1hueal ACRADiCl ~t.E.l\'"l'OS:
~ dC l.INOC R.. t;ordoll, f'flli'nôcl H.t.n.lloo.>t de l!:l\Kc a, C«ddJ; Til!l-en(t, d~ Bruce R. Co d.til:
Un!us,Wj ~Tum°' por ~ li,, CorJcll e s.\ipWi.tltu!ll D - M antigo ·p«wérbio d:i '3bedoria espen a!
IJAS1"A00 ,'lll\S S;,V(:lt.A.$ ORlClN:\.LS OE. L».t-'t;l.O::-t5 $: OAACQ~S- CRJAUAS P0Jt Jl-. & Ol.S - Só fol12 C::Psionics!
C/.}l.Y t':\'(:A.~ 1 OA\"li All..\1.lil'Q~. li O ~0\'0 JOCO OV~Cl.O);S ,(,: ORA(X)X!) CIUJ.1)0
Póll. JONf'l'MiM''fWIJJl', ).10)1."Tf: ÇOQK, l\KlP \V"lWAMS. IUCUA~ 8AJ.."l;R E Plin:k ªALTL.'-:0 .l.Sl" - Per6bs: A Russia o único ~ior-pais" do mundo!
AOJi.lNSôS'.
All'ÃO l 6(; - Doces ou T~~·C$$uns? M::tldita horda
U.S., CANAl)A,
ASIA, PAClFlC,
& LATIN AM.ElUCA
\Viz.ards of lh~ Co:is1, Inc..
P.O. Box 707
® ~
~~
.EUROPEAN
HEADQUAl\TERS
Wizards of che Coas<.
Belgiu o)
P.B. 203t
e su:is bombct.s de fedor!

T • os direilOJ: ttsuwdos e protegidos pcb lei 9610ck t'J/02/ 1998.


É proibida ' reproduçlo to1:1I o u puc b l, por ([Utisqucr mdot
cxiit~:n:~ ou ~uc "'Cnht(l) 1 $tf <ri.dos no furum
Ren1on \'(/A 98057•0707 _ ç · 2600 Sercbcm sem ;iutorw.~o pt'tYi11, por C$Crito,d:l editora.
Bclgíum
+ 32~70-2~32·77

liflc Joeo dJ, W!;(ltds: oíchot ~ nlo rhn Cof'.1t'6d1> ~" C.=w. ~enb.uma p;ine. iksre rn~lbo
pode :ICf ttp:od\Uld.1. toÕ qn.Lpu (o;;-..., ~ ptrmltdo por cK!Uo. r .ra ~bo r.ui• .obre • Lkt:r>ç.
0pe.. Qim~ e-• U.:c•JÇll do S!ftclM d20, visite • -.•rif,nh«>mfd:O.
ÓJif" DEVIR LIVRARIA
BRASrt PORTUGAL
Oungwiu & On.gon~ e • I* d• W?unlf o( 11K <:ou1 '*'
ml?U$ «'$')~ p~r~ibJ~ & Rm Tcodutew So..ito, 62·1 P61o lndusuill 8rtjos de CarretcilW
Wii:trd. <11Í tb~ e....-.
111c:. O Jogo de dzo f!lle"' ~ n~~ wm~iti.al rtPJ1ttd.t. p~e da
Wlnllis oi'lhe Conr, lnc..1'ock.J OJ put0n1tf::>e.110m~ e tau«r:Ndcu m 11Wr,:"' oom".rri"I' tef'
C-Amb-Jci Ann~ 4, E$â'itório 2
CEP' 015>9·000 Olhe» dcÃgu.:s
hl:mfn dl WiWlla -o(~he Colou, ln(. &!e l!Ulcdd cnl pcoe<sldo pe1.1, kU lle «Of'Yrf&b:1ôot i:.:.dos
.,.,.ldOfdi A."lltr=ca. !! 1erml.NMtIDe.n1e tfl:IOl'blda 1 tt~"Od~9" uiil~ l!olo ~1orludadof $11t- Slo P.ulo • SP 29SO-SS4 • Mmela
rillfQQ 1l11s~6a "f" conric!M sem a ~rmlHJo c,qire:~u e porcsm•• d.t Wiullh oft~ Con~ ln(. Fone: (11) 3347·5700 F'o:\C: 2l2-139-+40
U. p~:o~ 11-"n•ol"" dcíic~~lq~tt1e1Mll:wiçt(Ol!l luvi:u.11rpniu~·o11 ~~~ ftx; (ll) 3347~510$ Fu: 212-1 3~4'19
eo.c. lnc. T'!Ki°' °' du4'!toor _...,.~ /1. d~MJ
i l!Mfl <oladdirnc:1& O 2000,100 1, W~r~h o( 11.t E -m.til: duvidas@dc:vir.<om.br E-1n1.il: devi~dcvir.p1
~ dtt11 d,p foi p11WitW ell• lllJ:l!$ por WiuldJ o( dlt eo., hK. d. Scu1tt <O"' o 1ít11!o
'-ll.n1,.loí lhtl'luie.i • Site nosi;:o site: 'V\V\v,dc"ir.cor:n.br
lnnodurAo
J\ f:inu1'1 âot Plnnos
•• Di•bo
l!l.crgon
165
170 nos Pl.1nos Tran,ir6riQf
\'it1açiot Morfologia Annl
..
Prrro1...gtru ""' t..iovlmC'nlQ( Q.ull 11 Sennçío

•7
Capitulo 1: AN•furcu dot f111u1oa __.s

..
Elêm.cro 167
o
°'
Aptt:rotn1mdo Planos
O Qw t •11111 PLno> •
• e. ...
C•1'pnh
.172
174
V•ri~Joc Srm Pbno Aunl
\'ar~Jo CIAMS no Pla.Mtnl

C11.luuli l7S Ôlffxt A'lnl l


Cat:i~rnr.c., l'tJftlttS
Capitulo a; Conc..:tando Ofl Pl11nos _ _ <S lt1cv11~vd VirbçJiot t.téreo P'rofun:do s
ln1er.içlo flbnJr IS ~h:oc.1no ___ "'
180 V11ri~Çlo: 1'11nos Ettreos t..hlhtpb t
A C~tnoloa-1 de D&D
"
Con~TNindo SW Pr6pn11 Cos:molo:a:11 _ _16
Muda.do .i........... ......,,
11".tnicltmcn~I
\'l.\ÇOlort'
~birios
•8•
18'
1. .
NO\'O ht'll\' i'apcçsri:i Etérn
Um.a Cosn\ok>gi11 Ahern:ui\•.t l'thl °'PI.anos
T''*M:l6riof ...,•
Capítulo 1: ~lll()nA~
Criarurns como Ra{:11$
e M•ll•
--"" n
Apftul1C'e Plano. e Co•m•logi u
\'•rianties 'º'
"""'*" o;,,. - dli S...bm
VJr~ SombnsdcO uoofl'bnos _ _ _o
VI
Rt"Jo d05 Sonhos 101 Vani1ue Oa~nt\iúSdlsSOmbns e o PbnoW C::•
C~s d~ P'tti1l3!0
?oilagia nos Pbl\O« "
--'' o l'b no de e~pelh<~
Sombrn.'J
~n.1(-lo; Stin 111riM lntcriorc•
••
67 ~
N'ovu~bgl# )2 >.lundo dos.Espirhos s
Cavsndo uma ~ida ? 22
Cap ítulo 4: O PI.no Ma.tuhl •• Jlt.oo EkmcnuJ do rno
,.,
10<
o
Ccxu:riftlie"M do~ ~l(TD)
rbnos ~lattNlf Afttnt:llh'OS
Capítulos: O. Planu.9Tn.n 1ilt6rlo8__4S
41
o
Pbno Elemc-nul da ~bcktn
"""° ds Enngi# T<mponl
Pl.ino de: herie
lOt
10
~,.. CowfN• PlaDcw Elt111fnt1rs> _ _..
Yl~kO P.lntrioQ:urConKl'Oí \Jftido _U
Ya.nl(l0; Sem rllf)OS fJCl(MOl'U
A Çuer1ri doStnguc:
....
~10\'lmtnl lÇIO Sr1tre Pbnot Tr.iruilórios _ 46 R.tino Oist11n1c
"
Jlb:no A)-111!1
PimoEtt-reo
•7
}
Cout'lologl1 das Mldldci dt: P'l:uios _
OM:molop do> $6Jus .
_ li!

,..
VtrilÇiO'
Ysc,ainl Como Um J.<fwldo J.i11ctri111 .-91
OQ.o< S. l'od. , _
l'lmodliSooo l>m
C•pitulo 6: O. Plano• lnt«:rlon•_ _<s
__ ,;
C..mologi> do .........
Co<........ ds E''1nJ.TufnO A
Anom;,Jw l'bf111tcf l20 "'
Com o UinboConn:oWo>
Vin~ Umbo. o l.urutt da l.nl&J.ck -'S
Cancteris1ic1f dOt

..".. .,
Pbno:s ln1tn0ttc Lordn SlaJdi
Conexões dOI Pl1no:s lnrcrl<>tts l ,Jl"ht d C" ~f.apa• e Dl•pa_m111s Tem11ti11&dc$ e.m hnden,6nlo
Concc.1~ndoos Pl:in1» lntcnotes l.)111gr~nu lif.quc'ni&tiCtJ d.1 100

..,
As N11us do Caos
Cosmologia de O& 1)
HablWllH dOI Pla.ooslo1cno~
Plmo fJe.mc.Nal doJu
A Co<molo$» ok 0..1> A Cm1<k Rod> __t ' C&madn Abi111:p11 Alr3:1.óri1• 101

Plmo ~l'lul dJ:"GTD " J".omu.10 clol PbDO$ li


O ltc1on10 dt Olcus
Svrpttm • f°fllOC'
Piar.o .Ekmr nrtl do foSQ 7' ~.Yç<lots PLinittS 17
Cln:tat '°'
109
Pl.:ino Elemcn11I d1 Água 1• UmJ Cosnwlogi.a: S1mpks; O Omn1V('r$0
l'•u~gcns CroÔ\i1ic111 A.'Jlnlt
-'º•8 Podtldio Cin1.cnn

Plono do lll\•H$•11 Nqg_:oei~·~
Pb:no da !!nt11l1 l'ofulv:i
••
82 Conln:is Effrl'!a$ _S1
.A Cld~lc l\. ,. ~jan•C'
NC'YOI Ác•d1 "'
Capítulo 7: Ot Pl•noto Ext~rlorc• _ _Ss O P!J.no du Somiin~ (! "'
c..ar:..:tthsrk:at cio. Planos Extmott"J _ _ss
COfMOiog;as Ahtmatn-..,
~lodebTnd1ment.IOftld dcs
'2 Os Ouo ltlV"brotos
O Srnl.or4o PmKinx 8d "'
117
Conc:cõet dot "*nos Extcrlófts 8' '7 O S.nilof do S<Juodo:
V'uj.1.ndo aClli PbrtOf Exrctiom
Hab11an1et dOi Planos Extcriorl'$
Oomini(Jl l lcról()o$ de \'sprd
••
..••
Pbnos lntcriom
O. Pl.inos &1C'riotts
YtJ?rd
.,
t7 O Arquldt1q1JC Oispa1cr
1'i1nur, ó Drng.1o Cron1~rico
117

05(nhordo1ê 'rttlt'o:OVl'l( etr1de Mmunonl1 9


...
Umbo •s Os ~nhoin do(lwrto: A Ol11a 1·1cm1 e o

.....
Caos Etenumtntc }.h,.1ti\'CI do Umbo_9 2 Panckmbnio
~kliol
Pto(undn ,s-.. <k~ _ , 7
ea..ln hlfinici, do Abts.mo
Abu...
C.K<n
102
107
OSmhor dDQw~ Prin«pr ~td-lll "'
Profuade131T41ur.u de <:arem O Scnhof do Stxr« A Concktt.:i Bnm _l?I
H~dff 110
~tl~ Chv.ttllOl't de H"dd 108 O&nhMdoS ct11no;O Anp.ild1tqtlt' ~:llubul
Cc.:na 112 122

-
Erctnldtidc ~11d.t da CttJ\I
N~ J.nft-rt'IN de 8.altor
'"
115
()\; No~T Infernos 120 OScnhor doôll:ao.-o: t..1~nn6'C"l(!f _ _ _m
Ctmpodt Baullu.lAfC'O»ldo~roft1t _1u
A~ron1c
,,.
115
OS...... doNono
AI.~-. Rd dos.~ l•fanos _ _IU
Ntrwca Tr<~ ck ~ftt,inia,
Reinos: Pxtlkos d1 AK.ld1:1
121

"""""' ,,..
1)1 ACunn dot: Otts e Cobl:lM
Enu-e OI C;ul;o. _ __
""
St1t P:lr1iSOf 011C1'°n;1d01S de Ctll,11 ~ _ _m
CdibttJ
B!1opi:I 1,, Rc~1.sondo à Pn:~TVllÇ~O C"m 1\1ld~n in_ _ ,,,
"'
.. Sobrt\ll~nd oa utn:i 'Ji:n'lptS1adt de
Panlsos C~tnl"'>'I de 8itopia 1), r:U~io
AbcnÇbadM Ompos do .Elisio l)S Terras Stlvagcm

10 Um1n.u em Ocãn1us 126
,
~adatTnn•Seh-..u
Cbttlm~.t. Arbcm
Dom.in1QConcordui1t-d.ISTerm b:1enom147
...
.. 1 A1boru
TmuEXtmo rts
R.tJ:a.lo dof Sonho.
llO
}
Os lt.Mt cb lcnipea:ade
&ah:unu1. o Dng.io ck Pbnn1
VJrupoc AptNtCnom ot tm. 814opt11 _ _I»
Ili
!)}

Cllpítulo 8: S~ntlplanot Cotmologi:idn ~hnMk:td< Plano:s ___llS EhSonn.t, Ô'l.,.ind:ide dos Bor<tU(!I - - - ' "
"'
Cancttris1k.a1dos ScmipÜnQJ
CondÕcl dOf St:1"tplanos I S)
Ccndor dC' Snwupl.tnos: Afbt6nol _ _ _tS•
"'
m
tl ..1111 ele Caixas JrTt!wto
Combt1c t:m Trh OimC"ntõts
O lcmpoaol.bn godaCnn4c R.oi:b. ___ 10

Vliri:içaoc M:d.) Oivind.,dci em Arv:indor _ 146
v..n•Ç<So: l tttl:S Ex1cnortt Rad.c11lmt'mc
Nt-t.1IPS
v··i.agn.ONna
,..
lOl
~ttlt.o Pbno Vnv
O~rnfOríO
ConsenJO
157
LS8
Planoctm~
AlHnndo Com.o. no D«orn>r~ Jop 11
B;a.stuloru Rcvebnd.., tua Cosmo~ _ _19
li
l.tlCMk:r Oninca
ColM En•nr no Pbno de E:.'P"lhos _ _20s
10)

Capitulo?: ~fOntJtros
...
••• Ch~v" dt Portal.s 1 Car,,crerb1ic.is t..his Scvcns cm F.ierie - - " 1
fJtric M ~IJ Ac:eSSÍ\·el
'"s
Entour11p.do AJlrt.I
lb:n:u.u
CdeAUI ..
S•
,..,
Novo Item: St.l(tlnlc CNn\c r~ionJl _ ___22
t)e\llnwl Pbnut'S Ãl(!1t6rl0f
Con1unç:io 0n-;n.a ~
~ Mit«WS AfanUlTOf ..
""
}.fudi!k.ando ~u~ <li! Actsto l1ltt0 _ 21
Vllriant("
M«rwlh'°' Eltftwatal ~b11 Fone _218
O Plano Material (Capi1ulo ~ ): Esae c•pírulo inida a
grande excursão pelos planos discu1indo o plano onde
Introduç ão provavehnenie os PJs residem. O Plano Ma1cri2I quase
sempre é o núcleo de uma c:ampanha e o inicio de todas
as histónas.
Esse livro tnia de outros lugores.
Ele C.la sobre o Par:iíso e o Inferno. Sobre os peças(,.,. Os Planos Tr.insitórios (Capitulo s): Es1cs são os
d:1men1:1is do universo e os p01lácios d2s divind:1<les. Sobre pbnos que o conduzem p.1ra oucros lugare~. planos de
portais luminosos e trtlh3s atnvés de névo;a.s e sombr.1~. tnnsporte e mov-imenro. São 3 "col:a" que m:1ntêrn os
Sobre o universo e :1 cosmologia que o abrigít. .F01l:1 sobre demais pl:1nos unidos, mas c:ad:t um ten' seus próprios
os planos de existência. perigos.
A idéin de ·ou1ros lugares"' - reinos e do1n(nios mais Os Planos Interiores (Capilulo 6): Esre capí1ulo
poderosos e estranhos que o nosso ~ se1npre foi parte de explora as energias e os ele1ncn(OS ln·utos que compõein
nossa 1nitologht Orfeu de-.s<:eu à rerra dos n1or1os e ns sua cos1no logia. São os planos 1n:iis hostis, habirodos por
divindades vivem no Monte Olimpo. Seres bcloi e elemenrais poderosos. São energir1 pura e inco"11·olada.
1naldilos são invocados de reinos dis1"1n1es ptlr.'I a1ender às Os Planos Exteriores (Cnpí1ulo 7): As próprias d ivin·
ordens do conjurador. Terr.i i.ocógnira. Lugnres desco-- dades residem nesses pl::inos, :assitn como outros exrra-
nheridos. Aqui existem monsrros. plan:i.res que inrel'Íerein co1n os mor1:ais e o Plano
O Mo11uol dOl Pfu11os é roais do que uma simples l1S1a d•s M•terial. São os lares de ponrcões e deidades.
mor:ad:1.s dos di:1bos, demônios) celesriais e eJementus. Semiplanos (Capírulo 8): ES!cs sõo os planos menores,
Fornece as fernmenta.s que '"OCê pode u1iJiz.ar para c:iar porções de realidade moldadas por seus criadores. Nos
seus próprios wúversos e cosmologias. Você pode pciw- semiplanos, o Mestre pode <lespreur as regras e criar qua~
nalwar a d1sposiç20 de seus planos, usim como fa7. cor• •s quer coisa imagin:ivel.
n11ç~:! e cidades de suas avenrur.as- e os pl.1nos cêm poten- Ao longo desses capiaulos, s3o fornecidos exemplos para
c 1al 1nfinilo de expansão. • "Cnnde Rod.-. a cosmologia de O& O. Ela é uma reprc-
O Ma111rnl do1 Pia110l exige o u.so do Lwro do Jogador, do semação da disposiç:io plonar de5Crita nos livros b3sicos de
livro ilo ~'li!sltt e do Livro dos l\i(on.stros. Com ele, você pode D&D, com a qual a m3iori2 dos jog:.dores está f:amiliariza..
construir seus próprios universos e aLTen1essnc seus jog~­ da. Mas esses exemplos s.io prcp.ir•dos apenas como pon·
dorcs en\ outros planos de e.xisténch1. tos de partida, sugestões tireis para os Mes1res <1ue quere1n
éxplort·os! algo para uso imediaro. Os Mes1 re.s sao encorajados a criar
G\111& pl'Ópri:is cosnlo logi:u:-, qua 1•oílhiuu ~s n<!'ce,.:,.:id:adcs de
MANUAL DOS PLANOS. suas campanhas. A Crande Roda ~ •dequada paro um a
campanha típica de fantnsin, 1nas ralvez n5o seja a n1elhor
Esce livro apl'esenra informações par.! o ~iC$1rt e para os escolha para uma campanha relacion:ad:a es1reitaruente :1
jOg.1dores, conduz.indo-os por uma grande excursào ~os cultur.3-s específicas, co1no a C~g;i ou :t Nórchca.
planos. O ~fanaual dos Pi'anos destina ...sc principahncn1e ~fonslTOS (Cap í ttalo 9): Aqui voc.ê enconcrar.í os moos·
2os >..Ccs1rcs:, embora os jog-adorcs tambtm possam cms e criaturas que ha.bit:am os plai1os. S:io fornecidas
aprovcua-lo. Caso seu ~icstre esteja criando uma <os- descrições compleras e modelos qut pcrmilem ao Mestre
mologâ2 exclusiva, você não esmpr:i nenhuma surp1esa conferir um aspcc10 alienígena às cria1uras do PI.no
lendo cSle lavro. M:11eri.3l
A Na1urcu d os Planos (Capítulo 1): Este Capi1ulo Apê.ndice : Finalmente, oferecemos exemplos de difo·
responde il5 pergunras básicas: o qur é um plano1 e o que rentes ripos de pl3nos e disposições pl:anares que não inte-
f:u:emos com eles? h'PÜca as caracrerisdcas pl;1n:irc5' as grama Gr:mde Roda. Essas demonm:ações de "coisas legais
peços íund•men1ais de sua cosmologia. É um guio do lipo que você pO<le fazer" enfariz.am que, apesar do Manuar dos
"f~ça você mesmo" para a constnlçâo de dimensões e urd~ P1,111os apresenr~r a cosnlologia de D&O, é possível criar o
versos exclusivos. que quiser e1n suas próprins nvcn1ur:1s. Neste apêndice,
Con cct:ando os Planos (Capítulo 2): Após construir você irá e>..-plorar lugares r5o inccrc."SS:.uues quanro o Plano
seus mundos, esse capiculo explica conlO reuni·los. Co1no Elemenial da Madeira, o Plano de Espelhos e o Pbno
é passivei dcsloca!'"se de um plano a outro e quais são os Exterior de f ;ler-ie.
pon1os de acesso? Agora, coro as ferro1nentns fornecida~ por es1e livro,
Personagens e Magia (Capítulo 3): Ess• s~õo •pre· você pode construir seu próprio universo nti1ico e liberar
stn~ novas opções para personagens, incluindo classe.' de sua imaginação com as "'ar;ivHhas de vã rios universos.
prestigio (emissário divin~ arrombador de porl:ais, Que ele possa lev>·lo • 0111ros lugares fascinan1es.
campeio plana.r e \.--i3jante planar) e novas m:tgiu ccmo
m1aóo dt il<r, lurinlla<io da m:rlrdak e n'<lnNC1111t11lo iornlmo.
)Jnda cachoeira. Estes ponajs permitem que os Mestres

.
levem suas campanhas liretalmente a novas dimensões,
criando novos mundo~ para ~W» exp!oxados pe,!os perso-
.
nagens.
Os plllnôs também .,i>odem ser o lar de entidades
pode«>Sas) tanto más quanto boa:s. que desafiarão os perso-
,txfmno a qualquer _tolo q11< abrisse o fartai. A nagens. Bm sua tem natal, elas JáPodem ter enoontrado
porta em si era feito dt ferro e guenle·"°'~'"·· ' é;daruras de oums.dimeltsões, como demônios e elemen-
FOYfOttlÚ> um enonne alàabra presa à e!rultura dt uma'gárguln, tais. Mas nos planos estes m.onsnos têm a vantagtll) de
Tarde~ !"'"°" tt porta. Lidàa sentiu a prnsâ<> em seus tímpanos "jogar em casa~ e o reforço 11e :Jllados aind~ mais
quiindo o grattde pórtiw S< abriu. poderosos, com os quais ninguém sonharia no Plano ·
Aitm dele via·se urn unive:r.so r~kt.o de.cmonntS distõ~giratórios. Material
Até ondt a vista aUollf"VO, estas enonne;s engi:~~ rõilopíavam Os planos, e as conexões entre eles., são únicos em
em tonjiottll, aula uma apa{andtrse nas Clenw.is. 'A primeira vista, ser
ca<la campanha. Podem Ião organizados f!.uanto UIWI
algo pareda e.star"'"""® moo discos, m~s os hrní(s log<! p<rube- buro.cracia celestialJ ou~ tão aóticos que os portais
ram q_ue .as eKc.resdncim eram ciàaáes. povoa.dás por~ estmnhos. podem sé abrir e fechar --ª1eatoriamenfe. A disposição
. Enquanfo obStn1avam, o ar st agitou e um efrut aparneu do nada. dos planos pode ser tonbeciclà PÇ!os personagens ou
voando em dír<fão a um ®'povoado< U!ll_pllstê,rip a ser resolYfciõ.._
.Enltnáam isso, rapaus - disse l idda. - Agi>m as· <oisas Nestellvro,foroecemos como qemplo a dispooição
mudam totalmrnlt dt~figum. p~ conhecida coino a G<ru>de R.oda do iogo de
Os plan.os são novos mtmdos;,realldades a.lteroati.vas e outtas D&D. :Snti:etanto, outros cenários de <ll>mpanha
dimensões que podem existir ao lado dos lugares que os per- podem ter sua pr<ipria disposição planar, diferente
son;igens já conhecem. Mas são locais onde as refP!l 'l1!0 todo das ap!"eSl'ntadas aqui
ave,ntureiro oop.hece não 1),l:ti.s~se aplicam e a segurança 'de As pt.i.nclpáls disposiçõés planares são citadas co-
..seus lares está.realmente distante. ino ex.emplo, e vo<ê de'Ye esco).her quais panes man·
ter e quais recriar. O centro da Grande Roda é Oerth, o
Quttos plànos podem existir deltás daquele espelho mági-
co, do outto lãdo de um ponal amedrontador, ou além.de uma . .
inundo príncipàl do jogo de D&D. Ao seu redor estão

f'N11.f t-·i:tl.\ co.... ~-"º $..t ~ ..... ,.,...,


...- f - -
os Planos lnrcriorcs do fogo e d:1 í,gu" da terra e do ar, t d:1s llbc.rd3dê de Ir e \lir.: Evenrualmenrc. entreunro. os
e:ne.rgi.,s positiva e negativa. Mais ;:ilém se shuam os planc.s do jogadores adquirem hcn.s mágicos (como um ct4bo do portal)
bem e do m:il, da ordem e do caos. Todo:. siio conecc:.idos pelas ou magias que permhcm viagens planares (f"UStro tfirto e
névoas esbr:inquiçadas do Pl3no Asrrnl. viagen1 pl«n(lr no So nível e projtfâO astml no 9o). Nesre
Você pode u11lizar as ferrntnC:nlaS desrc livro para criar sua pont~ eles têm libc:rdnde de se deslocar entte os pl:u1os e a
própri:1 cos1nologia. Se o fLZ.Cr, deve iníonnar seus jogadores experiência necessária 1~ra enfrentar o 1en·eno adverso e os
que esta não l. uma costnologia padrJo. Depois, pcnnil'a que h1bitan1es possiveln1en1c hostis. Jogá·los num Plano Exttrior
dcscubnm lod.1S as nuançes dos planos so1Jnhos. lsso ajud3 a conrn sua vontade jJ nio funcionaJ pois eles só precisam usar
3umtnr.ar a emoção, o mistério t a senAÇio de assombro. e algumas magias p.lra retornar. Os personagens precisam de
permite que se lembrem de que nem todas as resposr~ motivos par.1 vUja.r aos planos, e avenruras que desptnem seu
podem ser encontradas nos livros de rcgns. interesse e os man1cnham ali. Os person:1g~ns começ.im a
dc.lmir seus próprios desígnios planares: riquc1.;ls. gl6rí2, ou
:1pen:.s a emoção dri explor.ição.
APRESENTANDO finalmente, os person2gens podem c.lteg:tr a u1n ponro
onde desejem es1a~Jeeer-se eni outro plano, 1ah~:i: un1 sen1i·
OS PLANOS plano consrruido por eles lneSn\OS ou u1n reino conquistado
nos Planos Exteriores existen1cs. Os planos ~ suficiente-
Este livro con1im uma ampla gama de possibilidades par> mcn1e grmdes e selvajlens par> se adequar a qualquer ..,;Jo
um~ campanha em andamento.. Rtcomend.amos que \i·oc;:~ nio de aveo.tu.ra. Neles. scmptt hi lugar para mau.
,
jogue toda esta i_nfotmação de uma só vei em $ua camp<lnh:t.
À n1edid:t que seus penonólgcns grnduahnente adqturem
poder, eles dcvcn1 tor.nar..sc graduahnen1e conscientes da
O QUE E UM PLANO
força cios planos e do desafio que represcn1am. Os planos de exis1êncio s3o realidades diíerc111es en1re·
Aptesentndo os Planos: A melhor forma de aprestntar 1ne.ados por conexões. Excc10 por raros pon1os de ligação.
os planos a personagens inician1cs é usar as criaruras invo- C.1da plano cferiV:Jmcn1e é um universo próprio com suas
cadas por m.agjas como invocar tnalum.s J~ Assim os perroru· próprias leis narurais. Os pla.nos s:io o br de YJrianlcs mais
gens podem conhtttr criarum como a águlll celestial ou o poderosas de cri.:nur.as fanulsam e de monsuos 1inw:::OSt a.dai>'
l3to atroi :1bi.ssal .Enfaüze como esras cria1uns parecem mm c:idos a seu estr.1nho ambiente.
nobres (no caso das celestiais) ou rn;iis :1n1edronrndora$ (no Os planos pode1n ser classificados gtncricamenre como
caso das abiss-.11.$) do que aquelas encontl\1das no mundo n:in1-. Plauos Mareriab;, Planos 'fr.insitórios, f'l:1nos 1nteriores,
ral. Neste tx>nto. 1udoo que é necessário é sua,c:rirque exisre1n Plal\os Exterior('S' " <::Pn1i11l:lnm. f:_c;ta~ c:1:1rgori:l.s 1\ãO são
mundos :1lé1n dos conhecidos pelos personagens. exclusivas (por exe1nplo1 é possível encor1rrar divindades nos
EncontTnndo Majs Monstros: Co1úorme os pcrsonn' Planos Transirórios), mas a maioria pode se enquadrar faciJ·
gens progridem cm nívcL começam 1 encontr.lr mais c1iaru- mcn1c cm uma delas.
rasque habitam outros planos. Podem lu1~r contra salaman- Planos :\i3reriais: ESftj sio os planos m.iis familiares aos
dr.>S do Pbno Elemenral do Fogo ou demônios do Abismo personagens e geralmente o çcn3rio de um:. anlpanha nor·
conforme ~nírcnr:am e derrotam essas c-n2tur:as, aprendem mal de O&D. Os planos m:ucriais tendem a ser m.:us seme-
que nem tO<los os 111ons1ros de ou1r.is realidades ~o versões lhantes ~Tem e ope:rnr sob o mesmo conjunto de lcis nan1-
arerrorizon1es de criaturas comuns. Muitas rêm h:.lbilíC:tdes rnis. N; rcg~S ele O& O são fort\lulad:is pensando nos Pl'1nos
e.xclusivas que dc;vç1n mancer os pcrsona,gcn~ intrigados. Materiais. A maioria dos c.en:irios só possui u1n Pia.no
Primeiras Viagens: As primeiras: expedições dos perso- Matecia1, que serve de "base" para a campanha.
nagens a ou1ros planos podem se reali1.ar com ajuda de fot'Ç!S Planos Transitórios: Este conjunto variado dt plaJ>os é
externas ou mesmo involunrariamcnte (uma armadilha
agrupado pelo seu uso co1num.: ir de um lugar a ou.1:ro.. O
acionada, um• pona m2vessada). Os J<>g•dores podem ercon-
Pbno Aslral é uribzado para a1ingirourJOS planos, enquan100
tl3r um pon.1l que conduz a outro pl.1no ou serem envt:tdos
Plano E1éreo e o Plano das Sombr:is são urilizndos pg_ra mns--
em um<'I n1issio por uro mago. Podem tropeçar na entrada de
um scmiplólno mínü.sculo. porre :U(:lvés do Plano Materi:1l, :tQ qu3l s:lo conecrados. .Esces
pl>inO$ têm incer:ições nH•is regulares com o Plól110 ~fateria.L e
Niio imporm o 1nétodo tisado, os personagens pode1n se
frcqíicnte1nen1e silo acessados pelo uso de diversas Ulagias.
encontrar en1 outra dimensão e descobrir que as rêgras 1 radi~
1':unbém possue111 h:abi1an1cs nativos.
cionais (como :t gr.avidade) não 1nais st :ipliaim auromarica·
men.te. Alguns dos planos não são apenas hostis, mas tan:.bém Planos Interiores: 'limbém chamados pl:.noi de poder,
mona is ~ra os incautos. C.eniflque·st que seus Jogadoru são õlas rea.lidad~ são e.namações dos elementos dt construç.io
apo?CS de enfren1..- o desafio das cri.11ur.as plan•rcs < do b.istcos do uniVttSO. Sjo compos1os de uma linic.a energia ou
próprio ierrcno. N• ca.mologia da Crond< Rod• de D&D, os elcme.nro que sobrepuja todos os demais. Os nallYQS dos
Planos Exteriores (os lares das div1nd:adc:s) rendem a ser mais planos interiores rambém s.io compostos desses mcs1nos ele-
hospitaleiros que os Pl:rnos Interiores (onde os elc m~nr os 1neutos.
existe1n e1n form:t hrura, indo1nada). Os Planos Tn1crlorc:s podem ser dividi.dos cru dois grupos:
Durante es1e período inrern1edi:itio, o J\.1es1re pode cont~ planos clementais, que silubofil..an1 as propriedades físicas do
lar o nivel de accS!iQ dos jogadott.s aos planos atn:\•és d2 quan• univc.rso (tê.ma, ar, íogo e água), e planos de encrg.ia, que re-
tidade de pon.ais disponíveis, da narurtu das .annadilius ou prcsc.ntam as forças crialiYas e destrurivas do universo (ener·
dos caprichos do P"r<Onagem do M..1tt (PdM) mago cpe os giu nega1iva e posiliva~ Os plana. de poder Solo hosus a vi.>-
enviou ao Plano do Limbo. pntes pbnares, que devem tomar cui.dado ao atnvess.á-los.
Planos fa.'teriores: Lares de seres de gnnde poder, es1es Em geral, o Plano Maierúl de um• c:ampanha é considera·
pl•nos iam~m sio cham><los pi.nos divinos ou planos espi· do por definição como o plano dos personagens. Todas as
rituais. As próprias divindades residem nel~ assim como comporaçõcs referem-~ ao Plono Ma1erial, de follll2 que
cru.curas ctlt$1iais, de.rnõnios e di2bos. Os Planos .Exteriores todos os demais $00 simil:ares a ele, a menos que .sua dcscriçâ-o
cos1urnam possuir tendénci1s. re:íledndo uma visão moral ou especifique o contrário.
écica cn1 p.1r1icular1 e seus h:Jbi1an1e.s tendem a compomr-se As Caractcristic<lS Planares sao dividida.s cm algumas ãreas
de acordo. Os Planos Exteriores 1:imbén1 são o lugar de des- gerais. Todos os planos têm :is seguintes CQratterísticas:
cnuso fiJ1al de espíritos vindos do Plnuo ?l. fnterial, seja en1
1
Características Físicas: .Es1as C:ll'3Cteds1let1s esrabe.le-
calJna l1nrospecção ou danaç.ão eterna. ce1n :as leis da narureza, incluindo gravidade e tempo.
Sctniplanos: Esta categoria engloba rod.os os espaços Características de .Elementos e de .Energias: .Es1as
ex1ra-diu1ensionais que funcionam como planos, mas pos-- camc.terislic:as deten:n.in"lm a prcdoininânda de uma encr·
suem tamanho mensurável e acesso limitado. Os outros tipos gia ou força elcwenr:al t.m pJrticular.
de pltnos são 1eoóaroente infinitos, mas Ulll semiplano pode
cer ape.n.as algumas centenas de mecros de comprimento. O Carac1erísricas de Tendência: Assim como persona-
acesso aos semiplanos pode str li.mindo a locais particulares gens podem se.r l.eais e NeUUO$ ou Ca6ticos e Bons, um
(como um porttl llxo) ou siruaçõ<• upecíAc:as (como uma pbno pode su associodo • um• visio moral ou ética especí-
época do ano ou uma condição clim~ria.). Alguns semiplanos flca.
s3o crl:1dos por magi.i1 outros se desenvolve1n n.acuralmence, e Caracterís ticas de Magia: A m:agi:t funciona de forma
outros ainda aparecem de acordo com a vonrode das divin· diferente em cada plano, e esrus c:1r.ictc.ríslitas definem os
d odes. Urnites para o que el_a pode 011 nílo fazer.
r:inalinente, os planos podem ser conecta.dos de formas .E.sl'as carac1erislicas geralmente se apllc:im ao plano como um
diferences: nem codo plano liga-se: dire1a1nen1c a ourro. Um rodo, 1nas um plano e um lugar imenso. Podc.m existir lugares
tte1nplo de como os planos se encaix;1m é mostrado abaixo. A espccificos em um plano onde as regns Jlo dife.rentes., calvez.
pigina seguinle tem um destnho mais dttalhado, mostrando devido a efeitos naturais, in1crferéncia divina ou. ambienre5
1s conttões enrre os pla.nos da cosmologia de D&.O.. m3gicos.
,
CARACTE RJSTJ CAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS
As duas leis natunJis roais imponanres e;s1abelec1d:1s pelas
PLANARES c~r:acteristicas
físicas são o funcionnmcn ro da gravidade e o
rmnscorrcr do tempo. Outras c3rac1er(s1lc:is Osicas incluem
Cada plano de existência tem suas propriedades indlvidunis, os 1ilnhcs do plano (se houver) e ól na1urc:z:t desses li1nü es.
as leis nat-umis de seu universo. Modl.flca1\do as caraccerisri- Finilrnenre, uma carac.terís1ic:i fisica estabelece a natureza da
cas de um plano para outro, o Mestre pode alcer:t( o formato e 1n~1éria em si. variando de csuí1ica e hnurável a aleatóri.i e
a sen~aç.io dos locais visitados pelos personagens. ins1:i:ve.I.

Possiwl
Pbnodas itano Miueri.:il
Planos Exteriores Sombras Ahcmativo

Plano
Etéreo

s
s
s
Planos I nteriores
) s
... s Cosmologia de D&D:
Diagrama Esquemático
Visão Superior.
demonstra as relações
enrre os planos principais

Legenda:
Plano Material
1) Pbno M01crial
Planos Trans itórios
2) Plano ,Etéreo•
3) Pbno das Sombt"Js•
4) Plnno AStrnl

Planos Interiores
5) Plono da Energia Positiva
6) Plono Elemenral do Fogo
7.) PI.no Elemental d• Terra
8) Plono d• Energia Negativa
Cosmolog ia
9) Plano Elememal da Água
LO) Plano Elemental do iU de D&D:
Planos Exteriores
l l) Celésria
l 2) Bitopia
A--.Grande Roda
t3) Elísio
14) Asl'errns SelvageJ>S
15) Arbórea -
16) Ysgard
17) Limbo
18) Pandemônio
19) O Abismo
20) Con:en •
21 ) Desenos Ci1mmros
> ? Visão Later.~l
-
22) Geena r; demonstra a conexão entre as
23) Os Nove Infernos.. ,.. 'i!
24) Aqueronte • .> Terras Exteriores (27) e os
25) Mednus .
z;.i
?' '•• .:""., demais planos exteriores
26) Arcádia t ~ )

,.
<
27) As Terras Exterioréi, ..
0
O Plano .Eréreo e o Plano.das Sombras coexisrem com o Plnno ~l:uerial
'i
Gravid ade Você pode dilninuir ainda 1nais a gr.1vid:ide, dobrand o ou
rriplaãndo o efeito PJ;nl um pia.no espc!cl.fico.
Uma das wnj\.~is que- o ~festtt pode alter.ar t" a gravidade,
Gravid ad e Lnexiste nte: Os indivíduos em um pL1no
vnriando-.i de rn:1is forre • n1ai.s (r.1c1t e :ué mes1no ine.xis1en1e.
sc1n gravid:td~ :ipt"oas flun1:.Hn no C!íp:1ço, .:i menos que outros
Alé1n d.isso, u direção da :itraç3o gmvitacional pode ser dife·
ntc.anis n,1os (como mag.ia ou força de von11de) estejam
rente e 2rt variar no mesmo plano.
tlSpOniveis 1>3ra Íomtt:er um.a dittÇ1oà acr.»çio gnvit1cion21L
C.ravid adc Norma l: A maioria dos planos tem gravidade Um exemplo de plano ~m gravid;'.ldc e o Plano AStr.d, onde
semel11an1e à do Plano M:nerü1I. lsso significa que se algo pesa tOOos se desloca m si1nplc-s mcn1e i1nog.ln:J.ndo que estão se
10 kg no Pl:ino 1'.fateria l, também pcsarâ 10 kg neste plnno. movtnd o em derennin,da direção.
Ap~am-sc u .-cgru normais de valores de habilidade ç
Cravid odt Oirecio n•I Objeti va: /\ ÍO<Ç2 d• gravidade é
c•pacidade de cuga.
idêntica :l do Plano i\11:uerial, mas su~ d1reç:io n3o corres)>On·
C-r avidnd c Forte: A gravidade deste plano é n1uito 1n::iis de ao rr:1dicional "par:.1 baixo" em direção ao chao. Eln pode ser
in1c:nsa qu~ a do Plano Material Conto rcsuhad~ os 1esres de dirccionad.a a qualquer objero sólido. em ângulo corn o
Equ1librio, Esalar, Salnr, C.valgu . Naioção t Acrobacia, próprio plano. ou mesmo ~n c·ima, criando um mundo
'1.S)im como rodas as j~das de ataq\le, sofrem ·2 de ~n:tli· invertido onde todos ficam pcndur:rdos de ponca ai beça par.i
dadc de circunstânci~. O peso de todos os i1ens é dobrado, o 1130 sere1n orirados no vácuo.
que pode afecar o dcsloam enro de um personage1n. O l\Jcm disso, a gravidade direcional objetiva pode mudar de
alcance das armas é ~uiuio à mef3dc.
nm lug:l( pont outro. t\ direção "'p3n bai~o" pode \'ariar, de
A Força e Destreza dos person01gel'\S oão são afetadas, mas fonna que os fndivíduos subiran1t-n1e "caiam pam cima" (de
CSIC.$ valores de babilidndc não l)Cl'lniteiu ao pcrsona
gc1n
a vi<'· fonna semelbanle à magi:1 u1vtrfer íl gmv1d11dc) ou canlinhe1n
rtalizar as mesmas pronas. .EsC'3 lilniraçã o se aplica tanto
pelas porede$.
jainres de ou1ros planos quanro 1os próprios h:abitan1u Os vi.tjanrc-s ttn planos de gravídade direcion:1l objenv;'I
nnlivos, en"lbor;i estes conheçam esse inconveniente e o inclu· cosu.1n1:.un ser cautelosos.. Ningué1n quef' descobrir da form:1
• am crn suas considt. rações.
Você pode dobar ou 1riplka r o efeito dt gr.1.;dade pesada
,,ais difícil que o corredor de 30 m ndi:i:nte na vt"rd:ade é um
?OÇOde30m.
i»n derem,inados planos, embora isso faça com que eles Cravid ad e Direcio nal Subj erivo: /\ forç• d• gr.1vid•dc e
deixe1n de 1ornat-se destinos de vü1gcrn popul:1rcs _p3ra avcn· o 1ntsm:1, 1nas cada indivíduo escolhe a dir~ilo da atraçdo.
tureiros. Esit plano niio 1cn1 ,gr.1\lidade par.:i objtcos livrts (ou seja, que
Num plano de gr.iviclide forre, os personagtns que c.atm nio t!i"riio sendo carregados) e cri21ura$ que não 5eJam cons
.sofrem td 10 pontos de dano par.1 cida 3 m de qued:a1 até um :ienres. Isso pode ser basranfe dcsoricnlador parn os recém·
1n~ximo de lod LO l)Ol\(OS de dano. :h•g:.dos, 1n~ç f>. rnn1111n f'ln plúnos ·se1n peso" corno o Plano
Cravid ad e Fraca: A g:~vidadc dcs1c plano~ 1ncnos inten· fol\r.
.. do que no PI.no Marcna l Como resultado, as cmrur u Os pe.rson21ens podem k movtr nonnalmentt' em super-
descobrem que podem erguer mais peso, mns setu movimen~ f'icies sólidas hnag.in:tndo que "para baixo" ser:i a direção dos
ros 1cndc1n a ser dcs:Jjeir:1dos. Os personagens e nl planos c.o1n seus pés. En1 bolsões de nlaléri:i no Plano Elcmcnral do Ar,
a característica gravidade leve sofre1n 2 de penalidade de clr· t:\líl e a forma inais comum de gtrair 21 própria gravid3
de. Se
cunstin c:ii em JOgadas de ataque e cestn de .Equilíbrio, estiver suspen ~ no 3r, um pcrsoru gtm pode "'voar- simple5 "
Cav:tlgar, N:uação e Acrobac ia. Todos os itens pes:1n1 a mernde. mente escolhendo unl:t dirc:ç.iio qt1e ser.í "para b:ii.xo" e ou1rn
O :tlcance das anuas dohra, e os personagens recebe1n +2 d<'! "p3r:1 cima".
bônus de circunsrinci.3 tm testes de Escalar e Sahar. Nesce procedhncnro. un11ndividuo-Ca.i'' 4S m na primeira
A força e a Oesrre7..) n.ao ~ modill am em ttsuhad o d:. rodada e 90 m :a c<J<la rodada .subsequente. O movirnen(O só
gravidade fraca, ntas ela aft?1a o que é possível (nice- com esh:S pode ~er 1·ealiz..1do e m linha rcr.i. "Pnl'tll'" exige que a vcloçi·
''11orcs. Esi-as vnnragens apüca1n·se 1:nuo a vishallres de dade seja redu1ida, alrenr~do a direç3o dcsign:id:i como 'J>ar;i
oucros planos quanco a hib11anres naciYQS. baixo" (oovam en1c, movendo-se 45 m na primeira rodada e
Num plano de gt'3:v1d11de fuet, personagens que caem 90 ma ada rodada subs~\lcnte).
soírcni Ld4 poncos de <la110 a cid:t 3 1n de queda, a1é o nt:í.xl· É necessóno um 1este de S•bedorin (CD 16) pora esrabelt•
1no de 2od4 pon1os de d•no. ccr uma nov:t direção da gr.:ivid:ide, corno uma :içiio livre; t:Sl t

COMBATE EM TRÊS DIMENSÕES alvo assim podctia sct atacado por oito oponen tes adja-
Nos planos com a aracteristic.a g,1Yidade il"lf'Xlstente ou ccntts (um em c.ada. ladode1.1mquadr~ode 1,5 me um em
qualquer uma das cariJCtcrrsticas de gtavidade d1rec:ional, o cada canto). Num combate: tridimensional, at~ vinte e seis
combate pode tornar-se mais complexo, pois os atacant es oponc(1tes Pequenos ou Médios poderiam atacar um alvo
podem surgir acima 01.1 abaixo além d~s direçõe s laterais. do mesmo tamanho. Oito estariam adjacen tes no mesmo
A tttatishc.a Face agon opera numa terceira dimensJo, e nívtl vertial. n0tt podena m ataur de posiç<Scs acima, e
quase sempre esse número ser~ aptox.imadamente igual à mais 11ove abaíxo. Para mais 1nformaçoe-s sobte íace e tama·
altura da criatura . Para um alvo Pequeno ov Médio. isso si&· nho dt! criaturas, consulte Criaturas Grandes e Pequenas em
nifica uma face de 1,5 m por 1.S m por 1.S m em um com· Combate no Capítulo 8 do L;vro do }ogodor, e Movimentação
~te- 1ridirnens1onal. Em uma superlkie bidimtn.sional,
um e Posicionamento no C'apítulo 3 do LJvto do Mes.1re.
1cs-1e pode ser realizado uma vez a cada rodada. Q.u11lqucr per- Tempo no Plano Tempo no Plano
sonagem que fracasse no 1cs1c rectbc +6 de bônus de par:t 1d% Material de Tempo Emitico
repe1i-lo a cada rodada su~en1c até obter sucesso. 01-10 1 dta 1 rodada
11-40 1 dia 1 hol'3
Tempo 41-60 1 dia 1 dja
61-90 1 hora 1 dia
A vdocidade da passagem do rempo V2ria enrre dtfermtes
91-100 1 rodada 1 dia
pl:anos, embof'2 penu3neç:2 COn$taate no interior de cad: um.
Esta nrlaçâo roma-se imponante quando algutm se de.doca Vocé deve esrabclecer com que fre<]uônci• (pelo P"d<i<> do
de um plano a outro. mas ainda assim 1rnnscorre com a Plano Macerial) um pbno com a aracterística de cempo
ll\CSmlt Vt(ocidade 3JY.lrente JXU11 O mjantC, crritico se ahera. exigindo uma nova Jogada. P"<lra os habi..
En~ Olat ras pal:avras, o tempo é sempte subjelivo p;ira o 1a.n.te:s deste pfan~ o tempo flui natunln1cnte e a mudança
espe:crndor. Se alguém Se.ar congelado 1n:igic::amcntç no n3o é pen;eprive1.
n\cs1no lugar durante u1u ano, ao final desre período ele Atemporal: Nesce plano. o 1en1po ainda passa, iuas seus
nch::irá que apenas :1lgu ns segundos se 1>:1ssnnun. M11s ix•rn efeitos slio nlenores. Esses efeitos devcn1 ser definidos espcci~
lodos os 4e n~~is, um ano terá transcorrido. fica111ente p:ar.i. cad:a u111. Condições co1no fome, sede e enve·
A n1es1na subje1ividade aplica-se aos diversos planos. Os lbecimenro não cosnun~m ser aíe1adas numa dilnensão acem-
vi:1j:101es podem descobrir que ganhitr.lm ou pcrderarn ccmpo poral. Pelo mesmo raciocínio,~ cuna na1ural pode ser neutra·
enquanto se n1oviam entre os planos, mas: de seu ponro de li:uda, significaodo que os fcri mtn1os não se rec-uperam,
visl11, o 1empo sempre transcorre naruralmenre. exceto <itravés de 1nag.ia. St unt plano for 211emporal ein
Tempo Normal: Este ê o pldclo normal de 1tmpo1 com
ttlaç.âo à magia, qualqutr magia com duração difc.rcnre de
· r.ns1ancinea" toma-'Sc permantnre 211i: ser di$)ipada.
parado ao Plano }..fareriaL Uma hora num pl.tno com 1ttnpo
normol tquh-ale a uma bon no Plano Marerial. O maior perigo dos planos atemportas é~ que uma ve~ que
Tempo Fluido: Em olguns lugares, o rtmpo pode,,_.,.. se abandona o plano para ingressar cm ourro, ondt" o tempo
R mais rãpido ou mais devagar. Pode-se vujar a ou110 pl.allOt
flui normal.menre, condiÇÕts como íome e en"·elhecimento
Ocar ali por um ano, e reromar pano Plano M31crial e d<SCO- voham a ocorrer - às vezes rtltWOva~ncc. Um pe~
bnr que :apt:na:S scfs segundos se pgssar.i:m. Tudo no ~bno n:1gem que não comeu durante dei anos tm um plano atem...
n01r.1l csr:í apenas alguns segundos mais velho. ~la.s par.i: o via- poral pode escar faminto (rn:as não mocco), e aJguém que ficou
j3nce e os itens, nt:agias e efeitos fun<:lonando sobre ele, (1 ;ino -ixirado" com a idade de vinrc anos por cmqüenra anos atin·
rmnscorrido foi totalmente re:tl. gíria seten1a em um ins1nn1e. Contos íolclóric0$ r-radic:ion:1.is
mencionam lugares onde os heróis vivem centenas de anos,
Ao de1ennín.ar coroo o fempo funciona e1n planos com
apenas para serem reduz.idos :l pó ao dcixà·los.
rc1npo íluido, coloque pri.Jneiro o fluxo do tempo no Plano
~1a1 criAI , t:egt1id o pc.lo ílu >.:ô <lo o u tro plono. }'.?o c1<4:'1n1>lo
Forma e Tamanho
:icilna, seria 1 roditda ;:- 1 ano. Parn c.1da ano no ourro p.tanai
uma rodada de 6 segundos transcorre no Plano ~·tareria l. Os planos podem rer umo grnndo v•rledode de fonnas e
tamanhos. A ntaioria dos pl:anos é infin ita, ou peJo rnenos tão
Os inab in1cligentes e inescrupulosos pode1n abusar de
grande que não íaz diferença.
planos com rempo fluido. A habilidade de enrr>r num fluxo
de iempo mais lento para cur..t e rccuperaçio de magias é uma lnÍioit o: Esles planos cstcndc1n·se ctcn1amenre, embora
anna efic:icntc. Você esrari2 de vo!ri, comple1amtn1e rttupcr· possam concer componentes fini tos, corno mundos esféricos.
ado, antes mesmo que seus inimigos percebessem sua partida. OU podem consis1ir de t:x1ens6es bidirtcionais., como mapas
Arremessar os oponenles num pi.ano com fluxo 1empon:I
que se p-rolooga:m inAnh>mente.
mais riptdo pode mantê-los fora de ação dur:rnte muitos tnos Finito: frooteir.as e bordas rucas Um1tam estes plano.. As
e 1omar stu retomo wn problema para as gtraçõts futur.!S. bordas podem ser Cronreins com outros planos ou barreiras
Tempo Errático: Alguns planos rêm um íluxo remponl .sólid;is e finiras, como a borda do mundo ou uma grande
que se :actlena e desacelera, de modo que um indivíduo pode muralha. Os semjplanos cosrumam ser Onitos.
g~n har ou perder 1enlpo ao n1over·se de um plnno a outro.. Auro~Contido: Aqul os Hmitcs se sobrepõem, deposita~
fot'1 c~da plano com re1np0 e.rtâtic.o que criar, você deve do o viajante no outro lado do mapa. Um plnno ~sférico é um
prcparnr unHt t:ibcla aleatÓ(i:i pa.r.l determjnar ~ t;ixa do íluxo exemplo de plano Snilo au1·o·con1ld~ n1as eles podenl ser
temporal. Veja um exemplo abaixo: cubos, toróides, e pkinos :•chntndos co1u litnires 1n:igicos que
1eler-rnnsporcan1 o viaj01nre ao limi1e opos10 no scrc1n c ru7R1·
dos. AJguns setniplanos s.1o auro~contldos.

Características Morfológicas
Est:a carac:terisrica indica conl que Íitcilid:ade a natureza bási~
O TEMPO O LONGO DA GRANDE RODA do plano pode ser alrenda. Alguns planos mpondem ao pen·
Na cosmok>g•ai de O&o. o tempo flui à taxa normil. e ~mcnro conscienre, enqmn10 outros só podem ser manipu~
lodos os planos possuem a caraccerfsrica de 1cmpo nor· lados por c.riaturas tXtttmamtnte podcl'OS3s. Outros ainda
mal. Os planos com as características de tempo Ruido ou respondem à magia ou a esf~ flSicos.
etr~ttcoalter•m o JOgo muito drasticamente para o gos10 ~forfologia Alterável: Estes planos são os mais comuns.
da maioria dos 1ogadores. Os objeros pt:rmaneum onde tst.io (t o qut sio)-aré serem
A única e•ccçlo ~ o Plano Astral, que ' atemporal para afetados por forças fis1cas ou magta. Pode·se construir um
envelhecimento, fome, sede e cura natural. c~stel~ animar urna c~rát ua ou cu1tiv2r pbnrações e m um
plano alterável. nlod.iílcando seu on1b1entc imediato através
de esforços rangíveis.
Formato dos Planos

Finito

finice, auto-con tido

Estárico: Es1es pbnos do 1.mutáve::is.. Ô5 v&Sitantes n2o Morfologf a Mágica: Mogi•• tspecill= podem alter.ir o
podem :ifer.iros h:abironres vivos do plan0t ncn' os objetos que material bisico destes planos. O Plano das Sornbr.is, que pode
eles possuflm. ~i.alquet nl:lgia que afe1;1ria as criaturas ncs1e ser acess3do de oulros lugares e urilizado para dupliC<lr ourns
plano u:to tem cfcir~ a uu;:nu~ \1ue a caracrcrío1l t ii e~1á1iea"seja 1nagioe, é om bom exe.n1plci d(' 11111 rl:!inn t"n1n morfologJa
removida ou supri1nid:a de alguma fonna. lsso é se1nelhan1e à mágica.
magia pamro k'npo, mas é ainda mau diflci.I afctarcriar uns ou Morfologi a Divina: Serts especillcos e únicos (divin·
objetos.. Enn-tt:anto, as mag.i" conjuradas ances de se virru no cbdes ou omros poderes s.mdlunte s) têm • habilid•d• de
plano com C$t:a aracteristic a. permanecem ariv;1s. :alterar os objcros, as criarur:ls e as pai$:1g~ns dcstC$ planos. Os
Em um plano estitk:o, :ué mes1no mover un1 objeto livre personagens comuns considcr;un esres planos sen1elbantcs
requer um 1c.stc de Força (CD 16). Os objeros extreinanlcn1c aos planos aheráveis, uma VC1. que podem ser afetados por
pesados podem ser impossiveis de deslocar (consuhc 1nagia e esforço f'isico. M:is as divindades podc1n f:aier con1
CaJ>3Cidade de Carga no Capuulo 9 dou.,,., do }ogodor~ queCSl3S áreas modi6qucm~sc instancint.3 e dt'2nt.aticamcnre,
Mu tável; No extremo oposto do especrro estão os pJanos criando gnndcs reinos J»r.a s1 mesmas. Os pbnos com mor~
muráveis, que mud~un tio íreqi1cn1emente que torna·se <lif'í· fologia divin.i. s.So comuns nos Planos Exterior~ o que é um
cil ma111er e.snlvcl uma :irca dctt!nninadti. Alguns planos dos morívos pelos quais :tS divindades residen1 nesta região do
podem reagir <lran)atica1nen1e a ceft3S 1nagias, pensamen10 Ull.iverso.
conscien1c ou a força de von1ade. Ounos se modiflcaJn sem Consci<:..n tc: Estes s3o os planos que respondem a um
qualquer mot1\'0. Na cos-molog.11 ~ D&-0. o PI.ano Ex1erior do único penumen to- o do próprio plano. Os viaJ:antcs d~
limbo ê muuível. brem que a pa1.sag~ muda conforme o que o local pen53

PLANOS EM CAMADAS que pode ser tanto a camada supe<ior quanto a inferior,
O infinito pode ser subdivido em infinuos menores, e os dependend o de cada plano. A maio<ia dos pontos focos de
planos em planos menores. inter·relac1onados. Essas acesso (como portais e vórtices natun1is) akança esta
camadas são efetivamente planos de exis1~nc1a separados, camada, o que a transform;a no ponto de entrada para as
e cada um;) delas tem suas pt6prias c.aracterfsticas demais camadas do piano. A magia viogem pfot1or também
planares. Mas as camadas de um plano ll:m aflnidade er1trc deposita o conjurador na primeira camada do plano.
si; a viagem ent~ elas pode ser mais f:lcil ou comum. As Todas as amadas dt um plano são conectadas ao Plano
camadas se conectam por uma gfande vaoedade de portais Astral. de forma q1.1e 0$ viajantts podem alcançar camadas
planares, vórtices naturaís, trilhas e fronteiras móveis. específicas d1retamenl t atravfs de magias tomo ~
O acesso a urn plano em camadas a partir de outro local astral. Geralmente, a primeira camada é a mais hospitaleira
geralmente conduz a uma camada especifica: a primeira, aos viajantes dos planos.
sobre os vi;Jan1es, tomando-se rnais ou menos hos1il dtptn· _ ~edomínio da Água: .Es1es planos são principalmente
dendo de sua reação. líquidos, e provavelmen1c afogam aqutlcs inc.apaus de rêSJ>Í•
nr na água ou de atingir bols6cs de ar (consuhe AfogamVJto
C.AAACTERÍSTICAS OE ELEMENTOS F no Capítulo 3 do l.JllT1) do Mrs!JT). Os planos com predomínio
1NERGIAS da ãgu.a possuem a car.11c1eris-1ia de crav1d.adc 1ncxisren1e ou
dirttiona1 (objcnv;a ou sub1cnV2). As cnatuns do sub1ipo
Os Pia nos ~tatc.-riais são composros de entr-gi;u e tltmtnlos (fogo) scntem·se exirenumenrc dcsconfortave:is nesrc lipo de
fundament2i.s. Qwis sio «r.is cncrgi:1s e elcmen1cx podtv:.ra~ pbno. Os seres composros dc fogo (como clcmcnllis do fogo)
ar de uma cosmologj.-<t p;ar.a ourra, m;1s rodos os universos pos- sofNm tdto po.ntos de danon c:ad:i rod;td:t.
suem estnuuras b<isicas. Na cosn\ologi;i de 0&01 cxis1em
qu:uro elen1en1os básicos e dois tipos de energia <1uc juntos PtedomíJ1Jo Positivo·: Estes pl:inos sfío cirac1eriT.3dos
constitucn1 nldo. Os elen1ent06 são 1errn 1 :1r, fogo e águ1. As por t.1ma abund5nci'1 de vida. Os dois ripos de predo1nínio
energias são posi1iva e neg~uiva . positivo s<lo pequeno predomínio 1>0sitivo e grande pre-
dontinio positivo.
O Pla110 M:uerial reflere um equilíbno des1es elemen1os e
encl'glas:: 10<los pode1n ser enconu:ados :ili. Ourros Planos1 par·
Um plano com pequeno predotnínio positivo é u1nl
e.xpJosão c.nóticn de vida em 1od:ts :lS suas fonuas. As cores s.io
ticulannenc~ os Planos lnreriores1 podem ser do1nin:i.dos por
u1n elcmcn10 ou por um ripo de energia. Ou1ros podc1n n1ais brilhanres, os fogos 1n3is quentes, os barulhos mais altos
e as sensações 1nais inc en~s. I sto ~ rt~ultado da ene.rgia posi·
demonstrar di"crsos aspecr06 desfas caracrerís1ic:as cle1nen1ais.
tiva que permeia o plano. Todos os indivíduos cn1 um plano
Prcdomínjo do Ar: .Em su;i maior ~nc, éS-res plano, 'ão dt predomínio positivo adquirem cur.1 aceler.ad;a 2 como
espaços 2-ben06 e tê:n) apenas alguns ped:aços ílu1uan1ts de habilidade C)."tt"aOrdinária enquanto ptrmanecercm no local
rochas ou ou1ros elemen1os. Geralmente possucn1 uma
aunosfcr::a ttSptrá\.~I, embora pos$3 ha\'Cr nuvens de ps :ic1do Os planos com grande predomin.o posHavo sio ainda rn:ais
extremos. As e:riaruras que esrivercm tm planos deste tipo
ou r6xico. A o.ratterisria de gnvicbdc para um plano com
deve.m olxer sucesso em um teste de ltStS{ê:ncia de fonirude
pr<dommw do ar gcralmcmc é diR<:iorul objetiva, direc1>rul
sub;cliv;a ou incx:i51entc...'\.s criaturas do subtipo (1cm) .wn~ (CD 15) pon evitar q<IC s<pm ofusaclos P<lo brilho de seus
tem-se desconfortá..,·cis: em planos com predom1n10 do ar llrredores. Simplesmente estar no pl;ino concede cura. :acele-
rada 5 como um3 h:1biJid3dt ex-tr:tordinjri;a_, Além disso, aqt.1e-
pois 115 pouca ou ncnhu.-na tem narunl com a qual se ccnec~
rar. Enrrc1ant" não sofrem qu:alquer d:ano real. les que possuú:cm o m:íx-imo de seus pQnros de vi.da recebem
S PV cer.oporários adicion:1is por rodad;i . .Estes ponros desa·
Prccfo1ninio da Terra: Esces planos são qu<lse co1nple1.1• parece1n 1d20 rodadas após ~.s criruur:as deixarem o plano.
n\C:nle sóUdos. 1-\0 chegar, os vi:ij:intes corrc1n o risco de gsfl· .Er1trc13nto, ~las devc1n rcaliiar um 1es1c de rcsistêncfa de
xia se n5o :i1ingiren1 urna cavern<l ou ourro bols!o en1 1neio ii
Eonitude (CD 20):) cad:t rod:icla e1n <1ue seus pontos de vida
1errt• (consllhe Asfixia no Capírulo 3 do l.ivro ''º
;;\.ft;fr.:).
tcn)porário$ ex.:;cda1n -'CU ro r.il n or1noll \.lç pon1os de vidd.
Alndn pior, os indiví<luos se1n a c.apacidndc de c~c:iva1· fkam Caso fracasse no 1es1e de resis1êncin, ~ cd;nura. explode nu.in
cn1ermdos e dcve111abrirca1ninho para sair( l .S m por n11no~ turbilhão de energia, 1norrendo i1nedia1:unen1c.
Os planos coin predomínio da rert3 nonnahnen1e possuc1n
A m:1gia profcpio t.onhn etttJgia JIOS1tlva Impede que o ah'o
gr:av1d:ade dirccior1al objeriv2 ou subjerlva. As cri:uura; do
subri.po (ar} sen1cm·se desconfortáveis em pl:a1los co1n prt'-
receba a habilidade extraordinária cuna :1cele~da. fique cego
dominlo da tem, pois consideram-nos aper1ados t ous- ou adquin os pontos de vid:i 1emporirios e!lqu.anto estiver
num plano de predomínio positivo.
1roíóbicos. Conn.ado. não sofrt.m maiores incon\•tnitnres
scnlo a dúlculdadc em mO\imemar-se. Predomínio Negativo: Es1ts planos são ex-tensões
enormes e \>ali.as que su__pm a vida dos v1apntcs que os aaa-
Pr-cdonúnio do Fogo: Estcs planos s>o compos10< dc
chamas qut ardem conrinuamen1e sem consumir sua fon1t vessam. Eles tendem ;a ser lugares solü.Jnos- e assombrados.
de combu$tível. 0$ planos com predomínio do fogo ~:io exauridos de cor e ocupados :ipen:as pe1os vc.ntos quie mttem
os gemidos daqueles que morrer.un no leal Ass-lm <:orno os
exrremamente h06tis a criaruras do plano ~laterial, e 2quel2s
que não posst1crn rc.sisri:ncia ou imunjdJcle ao fogo slo lmO- planos com predomínio positivo. os pia.nos com predomínio
negativo 1anlbén\ se dividem em gr.ande ou pequeno. frn
lad:is rapid~111cn1e. Materiais inflamáveis desprotegidos,
como m:ideua, papel ou 1ecido, se incendei:in1 quase iir.c.-di· plauos dé pequeno predo1nínio negJtivo, :1-5 cri:irur:is vivas
sofre1n ld6 ponloi de d;Jno por rodada. Ao a1ingir Opontos de
ara1ncn1e, e as criaruras usando roupas inílan16veís desp101e-
vid:J: ou menos, elas se desfazem e1n clni.15,
gld:as en1ratiio e1n co1nbus1:'io (consulte Queinunttlo 110
Capítulo 3 do Llvro do Mt-s-frt). Alé1n disso, os indíviduos Os planos con1 grande prcclo1nínlo negativo são ainda nlais
sofre1n 3dl0 ponros de d;Jno por fogo a cada rodada crn que hosdi. A cada nxlada, rodas ns crla1ua·ns no plano deven~ obter
pcrn1anecere1n 11um plano com predomínio do fogo. E1u sucesso e1n um 1es1e de l't"Si$tência de Fol'li1udc (CD 25) ou
ger.il, os 1>lanos corn esra c:arac:rerlsricn 1ém condiçõt:s nor· sofrem um nível negativo. Unta criarurn cujos níveis ucga·
1nab de gravidade. As criaturas do s-ubripo (águ3) senu·m·se civos igualem seu nível 2ru3J ou seus dndos de vida morreri,
cx1rrm~mcn1e desco1úor1á\reis em pi.anos com predomínio rornando·sc uma :tplriç3o.
do foeo. <h seres composros de água (como tltn\tnt.11i da A m:igi:i pro-terão tonfm torrgra ntgQhlltl poorege um via·
igu1) sofr•m o dobro do clono• ado rodada. J3n(e do d.ano e do e.feiro de dttnar encrg1.a dos planos com
Embor> estas cond1~ sepm 1íp1C1s do Plano Eltmmral predominio hCgJfi\'"O.
do Foao. <><1Sl<ro loaís como bolsõcs dc bv;i, rios dc n>OJm•
e cr.1tcr.1s vukânicas onde as circuns1ãnci3S do a1ncb pKttts. CARACTERÍSTJCAS Of Tl::N ')ENCIA
Na cosmologi• dc D&D, pones de •lguns PI.nos Exr<rbrtt Alguns plan0$, cm p.irt1cul:ar os d1v1nos. pcnsuem renden·
lnfern:.it l:tmhém possuem predomínio do fogo e leens eia, exata.men(e como os personagtn.5. A maior parte dos
ex1re:m01mente mortíferos. ha.büanrc"S desrcs pl-nno$ r;unbern 1rrn a mesma rendênc-i:a
disc::rimin:id:i, mesmo as cri:uuras poderosas como 3S divin· As pcn:ilid11des parn os component es monl e ético dJ
dades. Além disso, as críaturas de tendênci:1contrária â do 1t1)dência são cumulativas. Urn indivíd\10 Ncu1ro e Mau e1n
plano têru grandes problenl:t$ :to lidar com seus habitantes e um plano su:tve:me1)fC Bom, for1cn1enfe Caórico~o(reda -2 de
outras situ01çôes. pen31idade nos restes de Oirisma por ser ~\.iau cn\ um plano
A forma como um plano d~nvoh·e uma canc1eris:1ia de Bom e ourn penalidade de - 2 nos restes de lnttligenciAi
cendênci3 e um:1 situaç.lo que lembr.a 3 hi$tÓria do ovo e da Sabedoria e C:iristna por ser Neutro cm um pbno fonemenre
galinh3. Cercos pl2nos s!o predtspos1os a detcrminad01s Caócico. êsre personagem rofrtri.1 -4 de pen:thdade de cir·
tcndi:ncins, pon anto as crfotul'as daquela tendência cos1u - c.1nstãocla nos 1cs1es basc;idos en1 C:trism;i e - 2 de penalidade
1X>S testes baseados em lnrelitência e Sabedoria.
mam se estabelecer no Jocal. lsso torna o plano :'linda n1ais dis·
posto àquela 1endência e assim por diante. Na cosmologia de Tendê n c:i:a Neutra: Um pl;1nO suaven1en1e Ncurro não
D&D, todos os Planos E~"tcnores, com uma unic:a e~ uopõe pcn2licbdes de circunst.inc.ia. Um plano assim pode se
possuem pred1Sp0Siçõe$ a cena.s tendências. Isso não precisa romar um ponrode encontro para os pe®n3gen s de di...·ems
oecessannnlentc ser igual para os "lares de divindades'" que tendências ou um prêmio dispurndo pel::is forç:is e'Xtrn·
você criar. planares.
A ca1-ac1crfstica de ccndtncia de um pl:ano afc1a as in1er2- Um pl:ino fortt mente Ncucro opôe·Se no bem, ao 1nal, ao
ções soci:ns. OS' personagens que seguem tendências diferen-- aos e à orde~ Um plano :assam pode es1':lr mais preocupado
tH da maaoria dos babirantcs podem encontnr grancl6 difi ~ com oequilibriodas lendênci2s do que em acomod:1re :1uitar
culdades. diferen1es ponros de vista. Os pl1no; de 1endl:ncJ2 fonementc
As c:ar:1c1eusticas de tendêl\cía têm divenos componentes. Neurra impõem -2 de pen:ilidade de circuns15ncia :i rodas as
Em pri1neiro lugar vên1 os con1J>0nenres 1no1·ais (Bo·1n ou crianJraSque não scjanl Neutr.ts. A penalidade nplica·sc duas
Mau) e éticos (Le>I ou Caótico); um pl:ino pode ter wn com- \'Ctes (a prhncirn para orde1n/caos e :1 segunda par:a
ponente monl, um componente ~lico ou um de cada. Em bem/m2l), de fornu que os indivíduos Neutro> e Bons,
segundo lugar, a aracteris11ca dt$C:reve SC' cada componente tleucros e ~taus_ Leais e Nt'utros ou C2órw::os e Neutros
moral ou érico é aplicado suave ou fortemen1e. s.>Írem - 2 Je pen:a.lid:ade, mJ) os indivíduos Leais e Bons,
lc:iis e ~1::ius, Caóricos e Bons e Caóticos e ~1 ;ius i;ofreJn-4 de
Tendêncin Boa/fcnd éncia Má: Esces pl:inos escolhe·
ran'I unt dos l.3clos na Jura do be1n contra o 1nnl. U1n universo l'<>nalidadc.
ern que anjos confronta1n dcn1ônios con1 regularid;i:de Os Phnos M:uc.riais nonnahncnre são de 1cndênci:i suave-
prov.iwlmente terá planos com tendências boas e más. nenre neurra. embora possam conter altas concenuaçõcs de
mal ou bem, caos ou ordem em alguns lu~res. 1$$0 frequen·
Tend ê n cia Lea.l/fend ên cia Caótica: Ordem versus
l!menre tom.i o Plano ~laterial um campo dt b:u;alha par.1 os
caos é o princip;il confronto parn esres planos. Uma cosmolo-
iiversos pl:inos de tendência e seus habitantes. que podem
gia que coloc:t exércitos de di::lbos contra hordas de <lemõoios
h.>in•:1;r 1n cxltnc:u• ~ própri!l cnrnc1f'.-i-i:1ir:i ' ' " H•nd~nci a cio
tem planos corn tendências lea1.s ç cao11cas.
J1Jano Marerla1.
É pt'O\..J.ve) que 2 aractcnslic:a de rendénci:a de alguns
planos tenha dois compont'n ttt um monl e um t:tico. }\)r
exemplo. existem planos leais e Bons e pl~nos Olótic:os e
A caracterist ia de magia informj como um plano lída com as
~laus. M:is n:lo e;\istem pl~nos co.m a$ ct1rncterísticas de
tendência Bo1n e Mat1 simultaneame nte (cornponen tes 111agias e h:tbilidadés sobrenj1ur:1is. Assim con10 otur:.s c:irac-
tc.ris1icas, CSl>l descreve COn\O a 1oagia fonciona coinparada :'!O
lnorais oposros), nem planos con1 as car.1cu:ris1ic::as leal e
Caótico {componentes êriCO$ opostos). rlano }\.~;i1eri1I. Lugares especíllcos éln um pl1no(como 3que-
lcs sob o controle direto de divindades) podeni ser bolsões
Cada parte da ca.ncteris11ca de rcndin<la: recebe um onde se :1plte2 uma c.aracrerisuca de magia difercn1e.
dcscriror, su~vemenrc ou fortcmentt:, Jl3rD demonsm r o
quanto o impulso da tendência é poderoso naquele plano. Un1 Magi3 Nor_m al: Esta carnc1erutica de m~gi.:1 significa que
rodas as n1:tgins e h::ibilid:ides sob1'f:narurnis funclont1111 COJno
plano pode ser <lc tendência surive..menre bo:i e fo rte.men1c
descritas.
Cjóüca, por exemplo.
Tendência Suave: Ascriatur.ascom 1endênctaopoSta àde Magia Mor1a: Estes planos não possuem qualquer npo
um pJ:ino de tendência suave sofrern -2 de penalidade de cir- de magi3. Um pbno com 1 araaeristlC J de nugia mona
funciona sob todos os asp«to> como a magia ca~npo antima·
cunsrãnci.a em tO<ios os cestes bastados em Dnsm:i. Os per~
sonagens ~laus cm um plano suavemen te 8o1n, por ~xemplo, gra. As magi:ls de adivinhação nao conseguem detectar um
nhro localiz.:idc> enl um pluno de n1agia n1ol't'1 e um conju*
rê1n dificuldade e1n relacionar-se com os n:u lvos. Pa1.<t esre
pl.a.oo, não importa se o individuo é Ltal, Neurro ou Yófico, rador n3o p0<le lançar feJetnuuporte ou ou1ra ruag.ia p11r.i
apenas se~ 'Bom.. .Neucro ou Mau. entrar ou sair do local. A única exceção 3 f't'gra de magia
ax>rt3 são 0$ porra.is planarts pcrrnanenres, que :nnda fun·
Tendê ncfa Forte: Estes plonos aplicam - 2 de pcnalid><I•
<ionam normalmenre. Os con,ur:idort:s sentem-se 1mediat:i·
de circunsr:ância a todas as crlatur.is de tendCncja diferente. nienre desconfortáveis em plnnos de magia 1nor1;i e sofrem
Em ourras pal:ivras, os personagens Neutros ran1bé1u sofrem ligeiras dores da c:1bcça.
a pen:1lldode. Um plano de lendência fo n cmrnH' Boa) fonc-
Magia Confus a: As moi;ias e habilidades similares ;
men[e Caórica :tpücaria o :tjus1c a qu.a.isquer crlat'Ura$ com um
magia funcionam de formas cornplctamenrc diferentes (e ils
aspecro de tcndéncia ~eurro (a$$lm como 2 criaturas Más ou
YettS perigosas) nos pbnos com a caraaerist ia de magia con·
leais).
fusa ou m:1gj3 se_l\f'01ge~ Qualquer magia ou h;ibtlid:1dc simi·
J:\ pen:ilidadc de circunstãne:l2 nos pl3nos de 1endênci:1
lar ur.i.Jll.1d::i c1n urn plano de 1nagj:1 confusa 1cn1 a chance de
forte 1a1n bên1abrange m3iS slluas-ôes. Ela afeta todos os restes ser discorcid:t. O c::onjur:idor dcvt• rcaliz.;ir u1n 1este de conju ..
baseados eJn l 111eligência, Sabedoria e Caris1na. É como se o rndor (CD IS+ iúvcl da magia) para que ela funcio ne nom1al..
próprio plano esrivesse :!rrapalha.ndo. -nentc. Para as h2bilid2des <>imi)JttS a magia, use o nível de
conjundor d;i habilid3de p;an deterr:njnar 2 CD e o nível ~u 05
OV d.:. cri:nun JXlr.1 realizar o teste.
TABELA 1- 1: EFEITOS DE MACIA C O NFU SA
Um ínc:asso nesse reste significa quie acon1ece algo e$1D-
lei% Er.;to
nho.. Ao cri.ar \lm plano com a caaaeóscica de ~gia coniUsa,
01 ..19 A m•gia rt'tCK'na ao COlifUtJdot com tfttto normal. Se a
você t:ambrm precisa de uma tabela para detemunar corro u
magia nJo pode af"nar o totll"tldot, ela $imples.mente
magus e h~bilid::1des símil2res são dis1orc1das pela nau.nu
do plano. Uma 1-a:bel.t ápica é mosrnda à wg:uar. falli>.
2()..23 Um poço circ:vlar de •.S m se abre sob os pk do tonJV·
Além disso. os: planos de magia se.Jvage1n podem lt:r n::odi.. rador. Sua PfOÍuncJ1dadc ~de 10 P'I pot nfvef do oonju·
(lc;içl>es especiais no reste de conju~dor1 de acordo com a
rador.
escol:i ou o descritor da magja (adic;ionando +'4 :t CD de 24-27 A magia faJha, mas o alvo ou os alvos da magia são
mngias de Necrom:tncia ou -2 à CD de 1nagias do 8e1n1 por
.atingidos po1 um:a çhuv.11 de pequenos objetos (desde
exemplo). flores a írutas podres). que desaparecem ao toque.
Mngia Rcst:r,-ita: Cerras magi:is ou habil idades similares :a A <huva continua po1 1 tod;ad~. Ourante este tempo os
1nng:in são nll'lis difíceis de conjurar nesres planos.. g.e1'l'llrnenre alvos são cegados e pre<:i$1lrtt fazer testes de Concen-
µ<>t<(U<.: ti nnrurcza <lo plano jnrerfere con1 R n\:tgin. /\ magia tração (CD IS+ nível da magia) para conju(a1 magias.
bol<1 d< fogo pode ser conjurada no Pbno flcrocncal do Água, 28-31 A magia ar~a um alvo ou urna 'rea aleat6ria. O mestre
rnM aJ nature·1.as opostas d.1 tn.1gia e do plano 11 rorn2m mais deve escolhet aleator1amtnte um alvo diíertnte entre os
dit.cil. que estiW!fem ao ak.ance da m;:iaía, ou cen11ab1ar o
NJ criJr um plano com 2 oaracteristiai de mag.l:t rtslril'3, eft.!to em um ponto a'e:ttóuo ao a~nce da "'agia Par<J
foço uma Lm de CjU2ÍS são as magias :úet.1da1. Os pi>"°' dt ~ra1 dn-tÇõts a~atoo<1mtntt. ;c>cut ld& t conte os pon-
nugi:t rt'Snira podem ncutt:Üizar efeitos baw:ados cm escolas, tos cardeaK t tdatmrs a pattir do notte. PMa genr
sub·t.scom. descrilores ou níveis. As magi.u ind1\11duais rar1~ aka~ a!.eatório. rocue Jd6. Mu t pliql.le' o rittl.lltado por
mcncc slo rtSlrinsem rodooplano,tnaspodcm ser luniucbs 1.S m pata m<1gias de atunct curto. 6 m para abnct
~m u1n se.míplano ou no reino de uma divindade. m6f.o t 24 m pata alcance toneo.
Para l:ançar uma magia rcsrrita, o conjurador deve Íatcr um 32-JS A m.agi.a funciona norma1mtnte, mas seu-s çomponcn·
ICSIC de Jdcn1ificar 1'fagi>s (CD 15 + ni~I da magia). Se Ín· tH materiais nlo sJo tonsum1dos. A magia nlo i g.as:ta
casRr no teste, a m:igia não funciona, mas :1ind:t assim 6 g.as1a. na mente do con1utaidot (o nfvtl da magia ou a magia
St obli\'er sucesso, a magia funcion<1 nonu;hncnrc. preparada podl'm sei utdizados novamente). Um item
Mag ia Ativada: Cerras 1nagias ou habüidadcs se1nclhan· não perde a carga e o t:fodo nlo coni1 no limite dt uso
resa 1nngia são ruais fáceis de us.-.r ou têrn efcho 1n:ii!J cílcitnlc de um item ou habilidade ~lm1l ar a m1gia.
nes1es plunos do que no Plano Mntctial. 36-39 A magia não fvnclona. Em seu lugar, todos a a1ê 9 m do
Ao cri3r u1n plano con1 a catacteósrica de 1nagio :Ui"'3d1t1 <onjurador (alladot ov inimigos) recebem o efeito de
fuça uma lis1a de quais são as magias afetadas. Assirn co1no na urna n1agia de cum.
caso de n1t1gin restrita, essas listas geralmente basciant·St n:i 4043 A magia nlo rum:ion:i. Em seu lugar, um efeito dt
escola. sub-escola, dcsc:citores ou nivel e.seurid6o profor1da t dt siJltKio cobre um raio de 9 m ao
Os n:nivos de um plano com m.agh1 ativada conhecem q..i:ais redor do <onjurador por 2d4 l'Odad.as.
magm e habilidodes similares são :úccados, mas 0$ vlajanics •4-47 A l"l"agia nJo Íun<iona. Em stu fugar, urn efeito de itwtt·
:ti o~ cobre um raio dt 9 m ao redor do COOJU·
dos pbnos teclo que descobrir isso sozinhos.
rador por 1 rodada
Se um:a mag.U ê 3ti...-ada, ct.rt0$ talentos de mt1~rm.gia 48-Sl A magia funcionl. mas cores ttftl"lefuzentn setpen
podcnt ~r aplicados a ela sem a necessidade de iht"nr seu
teiam ao redor do con1ur~dor pot ld4 rodadas.
nívcl ou ttmpo de execução. Considere que qualquer conju-
rador nesre plano possui o talento e sempre o aplicar! àq.iela Cons;dert isto como um efeito de o~ "°"'°
com un\a CD de teste: de 1es1s1~nc•a de 10 ... o nivel da
magia. Os conjundores n~rivos do plano devem desenvolver
magia que produt1u este tt1ufttdo.
o 11lcn10 nonn•lmente se quiserem usí·lo cm outros planos.
S2-S9 Nadi acontece. A magia simplt:smen1e nSo íunoona.
Por exemplo, as magias com o descritor Fogo são m2xi· Qva1squtr componentes materlatS são consumidos. A
1niiadas e aumenradas no Plano Elenten1al do Fogo. Os mugos magia preparada ou seu otvtl 1101as10$. assim como as
pode1n prepar:ir versões maximh·.1das e :au1nen1~dos de na;is cargas ou usos de itens.
1nagi:ts do fogo, _1n cs1no se1n os calenros M:1xhnii111· Magia e 60-71 Nada acootece. A magi1t sln1pltsrntn1c não funciona.
Aumcn1ar Magia, e utili7.am o 1nesrno nlvcl que us:irlom para Quaisque-r<omponcntcs m:iitcriais nll'o slo consumidos.
conjurar a magia normahnente {se1n estar rnaxhniiadn ou Amagia não'- gasta na nH~ote do conjurador (o n{vel da
aurnent::id:t) no Plano M3teriaJ. Os fc.i1icciros podem conju~r magia ou a magia p'cpatada podem ser utilizados nova·
1naglas do fogo m:1ximj7,.adas e auroenradas sem usar niveis mente). Um item nJo perde a carga, e o efeito nJo conta
suptriores e sem precisar de tempo de execução :adicional no limrte dt uso de um item ou habilidade similar a
?\.la,gía t inUtads.: Es-rcs pbnos permitem que RJam con magia.
iuridas •!"'nas m.1gi>s e babilidad .. •imilorcs de demmi· n-93 A rnagia fu~ona noumltT'liCtlCt
nadas esc:ol.u, sub-escolas. descritores ou n1vc1s. O~r1s 99-100 A magJa fu~ com m11s força Os tttlH ~ rHis-
magias e lubilidades similares simplcsme:ncc não funcionam; tlncia contr.I a ma11a soírtm ..2 de pen.ahdade. A magia
para ebs. esttt loca.is funcionam como planos de m1gu tem o mhuno efeito posslvt:t. corno se fosse a~a
mom. pelo talento ~taJOmizar Mag•a Se a magia ji ttlfiot>r ma·
:ámitada. niO hi outro eft to.
'

6,.(.•• ea'~·"'·a"'ª f.,.


, ..,,• .,. ~...,f., ""'ª ·-
~ v,..~.,,,.0 Lf'ª'°~
.......
· ....EY.., ,.....ftJ-.1~
I

- /
~

/.

eSroo qut um pia.no seja inSni1-amentc txteoso, -Planos Separados: Dois pl01nos separados não se
não.scci o único que existe. ~tiriades dt planos s>brepõcm nem se conecmn dn'tramente. É como se pos-
coeJdsrem scpan.dos uns dos ou1ros, rnas s.ú~m órbaru,diferenres. Um Plano Exterior, porcxemp~
m.esmo dois uruveC$0S diferenrts podem ser pode nilo 1erqualq~nex:lodlreu com o Plano M••erial.
conectados através de fronteir.ls nebulosôls, anti· Os <lob planos slo separa.dos, e n únic:::e forma de pas5>3r dt
gos ponnis de te mplos ou inagias podcroStlS. um para Olllto é através de um terceiro plano, como por
Co1no os planos se co ne<it~nn entre si é jn1porr{lnh•, <JUCr você exemplo o Pl:JJ\o /lsir;il.
""•i• utilizando • Cronde J\oda. (a cosmológia d~ O&D) ou J>lonbs d é Limites_Coincid cJJtcs: Os_pJâo~qu4' ~·
«>nstruindo uma cosmologta·c~tlusi\•a para S\la c.amp.inh:i. oo'nectam t'n1 ponros especificos po.~sucm lhnires coinc~,.
A conexão entTl! os planos: acontece duas \'eus: :a primeira ~entes. Ptnst oeles como planos que se 1~. Onde isso
1uando o Mestre defuic a cosmologia e d.Ode quais planos çnttce, CXiSte uma ç0ne.xâo. e os V&aj.anres podem ab.lll-
mao próximos, e novamente quando os pe.rson;igtn.s viajam éon~r uma realidade pan: mgmsar 'm ou~ O Pb.nq
de um plano JXlr.! outro. V3mos :abordar essas sicuaçóts uma de Astnl u:.m limites coincidentes com a maioria dos
cada vet.. cu1ros; existe a:o lado deles e pode ser acessado a parcir
<os dcmllis.
1NTERA ÃO PLANAR Planos Coexistentes: Quando uu1a conexão e ntre
t ols pl•nO> pode S<< criad• a parrlr de gu•lqucr pon10,
Por dcflnição, os planos <ão extensões infinita~ ou quase i1:nbos sio coiucideores. E~-its planos sobrep,õem·st'
nfi.nitas. sejam mundos achatados. C3tacumbas com múlti· comple1:11nellte. Um pJaoo c0t'xis1cn1~ pode ser
rbs camadas ou esfen"\ flu1ua.ndo no espaço. C.omo. então. alcançado • ponir de qualquer lugar no planosobr.,..
pod•m in1engirr posto. QuJinJo se ingressa num pl.ino coexiste.nte,
,eralmcn1e e possível enxergar e interagir com o
Como mecáfora, imagine os diversos planos íluluando
pia.no correlacionado. O Plano J!tétto é coe.'<iswre,
próximos uns dos ouu:os crn uma constelação ou :'lglomerodo
com o 'Plano Ma1erial Os habitantes do Plano Etél'.eo
ttidhnensional. Não estão uece.ssariamente •aciiua" ou
"lbnixo'" dos demais, mgs cxist(" un\a cendênciol socinl d<• desig·
pôdeJn cnxetg:ir o Plano Material. Co1n a 111agia cot'-
Jeta. os hnbitantes do Plano M:ucrial 1ambém con·
nar os planos de rel'ldênci:a boa como "superiores" e o:i. de
~guem cnxerg~.r e interagir co1n o Plano E1é.reo (por
lCndência má como ..inferiores:". O imponante p:i.ra a. cos--
exemplo, Js m.aglas vtr o invi.sii•tJ e 1níuctJ 1nágzcos afe-
mologia é definir se doi> planos são se1>3rado~. COC''.\'Í!.t~ntes
tam o Plano Etéreo).
ou de limites coioddente).
U1n plano pode ser ao n1es1uo reiupo coexistenre e de li1ni-
1es coincidentes. O Plano das Sombras, por exen1pl~ écoin·
cidenle, pois se sobrepõe <'IO Plano 1vfaterial, e pode ser :ices·
Sombras e o PLmo Etéreo, são coexistentes co1n o Plano
Astral, que Cn\•Olve roda a cosmologia con10 un1<"1 nuvenl.
Os seis Planos lnteriores circ11ndan1 o Plano Material
l
sado desse local com :t n1ag:ia ou ::i habiJídade corre(;). Mas ele São separados do Plano Marerial e entre si (não possuc1n
taIJ>bém ten1 limites coincidentes: ê possível entrar no 'Plano conexões con1 os demais). Natutaln1ente, cada urn deJes é
das Sombras en1 certos pontos <: vi<ljat a reiuos eStrlluhos coexistente com o Plano Astra.I. Cada unl dos Pianos
muiro além da região desre plano coexiste com o Plano Inreriorcs tCJn a caracceristica de elen1euto ou eneJ."gia
J...iatetial {consuhe o _m:.ipn na página segointe). apropriada.
Os Planos Exteriores são disposros em u1n:'I grande roda ao
A COSMOLOGIA DE D&D redor do PL1no lvfaterial. Cada Plano Exterior possui linlitcs
coincidenrcs com os planos de :nnbos os seus lados, mas ê
1\0 longo desce livro, apresentaren1os como exe1nplo a scpatado dos <lcn1ais. A cl<c.et?o é o Oomínlo Concordante
Crande Roda, a cosJnologia de D&D. A Grande Roda <lemons.- das·rerras Exreriores, que possui lin1ires coinciden1es com
tra como os planos se encaixam e fornece uma rede de i)lanos todos os outros J?Janos Extcrio(eS e por isso é o ponto cen·
que pode1n ser u1il.i'z:u.los sem a ncCé$$idade de for1nul.tr s-ua u-a.l para. conferências entre excra·planares.
própria cos1nologia desde o início. Os Pl:tnos Exteriores são coexisten1esco.i:n o Plano .f\st:raL São
J\ Grande Rodn consiste de vinte e sete planos. a saber. separados do Plano Ecéreo e do Plano <las Sombras, por isso
Plano 1'.{aterial: O Plano Material engloba o 1nun.:lo de existem limites para acessar determinadas nlagias nos Planos
Oerth e o mundo apresentado nos livros OOsicos de D&D. Exceriores. Eles siio consriruídos de camadas reL1cionadas, e o
Também podem exiscir Planos Materiais ahernarivos, conlo acesso mais co.mum e au:avés da camada superior de cada
faerün. plano. Os p1mos de reudência boa. também cha1nados planos
Os T..rês Pl::inos T.ransító.r:ios: A Grande Roda inclui o celestiais, silo unidos pelo leito do rio Oct5nus, ao p:.isso que
Plano Asrral, o Plano Etéreo e o Plano <las Sombras. Esres os planos inalignos, ou infernais, s.i.o unidos pelo leito do rio
pl:tnos funcion:'lru coiúorrue descrilo nos livros básicos de Estige (consulte Trilhas Planares, adiante).
D&D. Existe Uln número in1enso de se1niplanos fu1icos que se
Os Seis Planos Interiores: Quatro planos de elemenros e conec.tam ::l diversos lugares. Conduites individuais, portais
dois planos de ene,gia são .,...,. da Crnnde Roda. Os planos pennanenres e vôrtices ran\bém são comuns.
de ele.1uernos s5o os eleiuen1os clássicos de D&D: fogo, ar,
1erra e água. Os planos de energia peISoni.6.caro as energias
positiva e negativa.
CONSTRUINDO SUA
Os Dezessete Pla nos .Ext eJ."iores: Es1cs pL1nos de tendén- PROPRJA COSMOLOGIA
ci:J s~o o lar de <liven.-.is divindades e extra-plarHlrcs e geral-
men1e possucnl caro3das. Os Pl.1nos Exteriores são: Os planos téru sutis prõprias caractedsricas e conexões. que o
lvtestre pode defjnir coJÚorrne desejar. Urili2<"111do as
cone..xões e C:'li::lcterisrieas plan:tfl.?S esrabelocidns neste livro,
Oomínios l-Tcr6icos de Ysgard
você pode consrruir seus próprios planos e desenvolver sua
Caos Erernanlente ~lu ráve l do l i1nbo cosmologia.
Profundezas Ecoanrts de Pandc1nônio UJna nova cos1n0Jogia deve atender ãs ncce.ssidades de sua
Can1adas Infinitas do Abismo ca1npanha. Seguc..S<: u111a lista de coisas que uJ.n.a campanha
Profundezas 1·ãrraras de C-arceri de D&D ripica neccssir4l cm qualquer cosnlologia:
Do:;ettos Cinr.entos de Hades
..Erernidade Gélida da Ceena Un1 lugar p;n::t :.is d ivindades.
Nove Infernos de Bmor Ün\ lugar de origem para criaruras abissais (iJÚcrnais e
Canlpo de Baralha 11,fernal do Aqueronce den1oníacas).
Nirvana Tecnológico de Mecânus Um lugar de orig<;n\ para cria1urns celestiais.
H.einos Pacíficos d3 Arcádia Um lugar de origem para criaturas ele1nentais.
Sere Pmísos Escolon•dos de Celésiia Un1a fo nna de viajar entre os plallos.
Paraísos Cêmeos de Jliropia Uma form~ de assegurar que as magias que Uíil iza.m o Plano
1\bençoados C:unpos do Elísio Aslral, o Plano Etéreo ou o Plano das So1nbras funcione1n.
Floresta das Terras Selvagens Nenhum desses irens é um pré·requisiro indispensável par.;i
Clttreir:is Olln1picss de Arbórea sua campanha. Você pode elaborar un1:J campanha sen1 quais~
Don1ú1io Concordante das '!erras Exreriores quer divindades, coa1 deidades i n:n l.ngiveís ou <1ue n5o pos·
suant reinos extra planares. .É possível de1errnlnarque as cria"'
4

Semi planos: Fioahoenre, a cosmologia bãsica con1êm a turas demoníacas e celcsth1is vêm do mesmo plano, ou que
opção de rantos se1niplanos quanros você desejar. rodos os elemcorais se originam de urn n~esmo turbilhão. Ou
MONTANDO A COSMOLOGIA DE D&D a6.n uar que u..i.o existe nenhum dos Planos Transitórios em
sua carnpanha.
Acos1nologia de O&D pressupõe as scgui_ntes disposições: Sua cosmologia pode reílerir suas pi:óprias idéias para a

"J
O Plano Marcrial fica no centro. campanha. Se você deseja en.farizar a lura entre o bem e o mal,
O Plano das Sombras e o Pl::ino Eréreosào coexis1enrc~ con1 estabelecer plnnos de tendência forte p:.ini estes conceitos é

"'"' ···="" "'·- '~" ~~ ... ""


o Plano M:uerial. T0<los os planos, incluindo o Plano das
Relações Planares

Planos Coexislen1cs
(pl.1n0$ cm sobrtpo.iç3o dh'tll1 t
conrnro ponto.,1 ~p0n 10)

Plano A

Plano A

)
Plano B Pla no~Oe l..unitcs Coi.ncidcn1e
(pl:ino ...1r.n c:on1:1ro di""to,
Planos Separados
ur.
r-----~if;õ , n .J(> pontoa·a·pcnuo.
,,<,
(planos um
(' ~n1 ~reposi ç!?
conrarodir~o)

conflito entre org:aniza?o e libtrdade, os planos de <tndência Erérco ou do Plano Ws Somhr.lJ. Remover qualquer um
forcc mente lea.I e ç:iórica são recomendáveis. Você pode criar, desres p1:inos ;iftra o que esrar5 disponível em sua campanha.
:adicionar e subrrair planos conforme ach ar ndequado. Se O Cnphulo S deraJb;1 o que acontece quando tun ou m:iis
descj:ar um qllin10 plano elc1nc 1nal ( lalvez clc1111;un1l ,.lv· fd(P, p l.1no1 r r~n~1tór1o' não cxis1e 1n e 1n \101à con1p :111h3.
t lementaJ dõl madeirJ ou ruesmo clemental cio vácuo}, pode Por outro lado, você pode adicionar mais um 1>l:ano
criá-lo em sua cosn\ologi.i. tr:an.sir61io iqudcs disponíveis, como o Pbno dos EspeU\os
(dw.U.oclo no Apêndice~ t.10 pode abru •• pon:ts P'" mais
DECIDA OS PLANOS DESEJADOS avcnrur:ts e novas aUruras: e magias.
O ~1estre rem m.uir:t libtrd<1de 1>3ra construir su:i própria CO&- Pla nos lnt criores: .Es1as ~o ns peças fundamenr.iís da sua
mologia. Ele pode adicion;ir novos plan0$1 ahcr.tr ourros e cosn1ologja. flemcn10$ e encrgi;i.s s3o subscincia$ puras,
elirnh\:ar aqueles que n~o gos1-a. Enrre os cinco 1ipos básicos letais e Insensíveis aos morrais que as en.contra.m. Os Pl:.nos
de plrulos, estas s~o as opções: lnrcrio1cs 1>0de1t1ser os locais 1nuis bosris do universo.
'Plano Material: Este é un' boin alicerce e u1n 61ilno ponro 1\ ptS11f de sua n:tturc:í'.:l fund:i1nen1al, eles .não são pré·
de p:tttida. A Jnt:nos que você csreja criando un12 cosn1ologi3 requislros c1n sua cos1nolog.ia. A fah1: de u 1n Plano .Elemen1:il
extremamente disante da normal (o que pode ~r muito do Ar nio reinove o ar de st:u Plano Maccrial; os personagens
<s11mulan1e). o Pbno M•mi•I <o br dos persoiugens de seus ainda podtrn respiar.. Assim corno remover o Plano dai
JOpdore:s.. Os jog,3dores têm certas concepçõts básicas sol>R .Energi:i Ntopciva não eli.min:a 2 habilidack drenar energia ou
conlO as coisas funcionJm e u.m2 base no Plano Materi:al per· os monos·vivos.
mhe que e.les utilizem este conhecimento. Na cos-1uologia básjca, os Pl:inos Interiores con.sisrem de
Existem Pl1nos M:uerinís ex1re1nam e n 1e diferentes ou qu:ttrO pL1nos de ele..tuenr.o~ e dojs planos de tnergia. O
alienígenas e desenvolver un1 exemplo ser.i unl desafio Capil ulo 6 discure o que :1con1ccc se você re1uover ;ilgt.•ns ou
interessante para os ~ies1 rcs cxpt.rien tes. Afinal, diversas rodos de su:i cos1_nologj2. Alén1 di~o, você pode acresce1uar
características plJnarcs correlacionam os aspec.1os de um
novos Planos Jntcriores conforme julgar ad<":quado. O
plano e como esce aspecro funciona no Plano Material
A~nd1ce deKrcvc como seria o Pbno .Elcment:1l da }\ladeira.
l'on•nto, modifianclo o Pl•no Maierial, você •her> • lnse
de coei.a a cosmologiai. Se as coisas foremi radialmcntc dífe-- Planos Exteriores: Estes plinos gcralm.e.nte são os late$
rentes no Plano M;nerial que você cri3r, as personagens das divindades e o dC$tino Arul dos espíritos qwndo seu
provavel.tnence conhecer:lo QS propriedades c.ie seu plano corpo físico morre. Nenhun1a dessas funções é absolur.,...,.
n:ual. Por exeoJplo, se quakluer um pode c:heg-;it ao Abismo mente necessária pant su:i COiSrnologia. As divindades poclcn1
<:2minhando duranre 1rês dias na direção Oeste, logo :1.pós est:1r n111iro longe do i>lano M:uerla1 ou habitar uma parte dis-
um:l noife de luti cheia, os nativos desre pobre Plano rnnre ou de dificU acesso do 1111.11,do (como o topo de un1a
Material provavelmcnre saberão d_isso. monlllnha). As divi.odad~ podc1n nem sequer existir. Seus
Planos Transitórios:: ~tu1w magias, iten$ e monscros nos clérigos podem cultuar ideais de rcndêncist princípios
livros básicos de O&O d<pendem do Plano Amol, cio Plano abslr.uos ou os próprios domínios.
Os Planos Exteriores canlbém :lbrigttm os animais celestiais Um Plano Material. EsTe é o br dos personagens.
e abissais e extra-planares con10 arcontes, diabos e demônios. Um Plano As1ral. um Plano Etéreo e um Plano das
Eli1ninar os Planos Exreriores de sua cos1nologi!\ pode elim.i~ So1nbras. QuereJnos usar os irens e n1agias reL'lcionadas a
nar. est.1s crian.1r-Js ou pelo 1neuos cransfed-las para o.ttTIIS estes pla1'\os.
regiões. Um único Plano Elemental, con1pos10 pelos quatro tipos
Nos Planos Exrt:riores, o Mcsrre derennina os limites que de elementos (Terra, t\r, Fogo e Água).
mais lhe agradau1. Ele pode adotar poucos ou muitos plar1os, Paraíso Superior. Este Plano Exterior abriga a maioria das
confonne desejar. É possivel que os Planos Exteriores sutjam divindades boas, assim co1Do os cxtra·planates, como os
após o início da can1p.ttnha, rra1.cndo consigo novas cri:liUJ..':lS arcontts.
e divindades. Ou talvez :tlguns Planos Exteriores sempre Trevas Jnferiorcs. Este Plano Exterior abriga a .maioria das
tenham exisrido, so1uente à espera desu.n descobcrra, inas não divindades Jualignas, assim como diabos, den1ônios e
aparecem e1n nenhum dos n)apas pJ!.lnares dos sábios. ot1tros ex'tra-p1an:ircs malignos.
Sem.ipJa.nos: Esres são os planos 1neuos importantes para
a maioria das campanhas. Se você deseja algo especffico pa(3 Entretanto, mesmo escolhas tão básicas geram dl1vid3s. Para
sua cos1nologia, pode construir um plano completo desde o onde vão os extra·pla_n:ires leais e Neutros, como os formians,
principio. Os se1niplanos geralmente s.-lo llinitados em tama· e Caóticos e Neutros, como os slaadi? Você pode simples-
nho e acesso, por isso s..io o local ideal para aven;uras men1e deixá·los de lado por enquaoto, ou coloc.:1r os fonnians
fechadas. Ê possível escolher as características plauarts de enl un1a região de 1-endêncit1 Leal do Paraíso Superior e os
acordo co1n as necessidades d.a aventui:a. Slaadi a uma área pat:ricularmen1e Caórica das 1·l'evas
Os se1lliplanos proporcionam u1ua área <1ue o Mes1re pode Jnferiores.
expandir, si1u11r suas t1venn1ras e abrigar os aspecros que n:io .Esta cosmologia cambéJn não abriga planos de enei:gia, por-
se encajxam e.n l outros lugares. O armário de um mago que é taoto as criaturas desres planos provavelmente não sui:giclo
m01ior por dentro do que por fora, a prisão de um príncjpe na caulpanha. t-\s cri21uns que utiliz.-un energia positi~ ou
de1uônio perdido (e furioso) ou unl J><!<lueno bnpério de mor- negativa, como os nlol'tos-vivos, não são afetadas.
tos..vivos selado há gerações são alguns bons exemplos de Um único Plano Elemenral es-tõ!belece u1n conflüo conli·
semiplanos. ooo entre os c,: lementos eJn seu plano natal. U1u viajante no
Plano Elen1ental teria que se: preparar para mudanças
EXEMPLO OE COSMOLOGIA: alearórias enrrc os vários elementos.
O OMNIVERSO \Tocê pode dt.terminar características planares de acordo
A cosmologia de D&O Cbaslance extensa. porque é de$ignadn conl suas necessidades. Digainos que parte-S do Plano
paro un1a grande variedade de opções e esrilos de jogo. Con10 Elemeoral do Omniverso s.cjam de predomínio do fogo, da
!gua, do ar e da terra. VanlOS dcfír1ir que o Pcrui.!;o Superior
exe1nplo. segue-se uma cosmolog:ia mais si1nples para uma
c.aulpanha. possui tel..ldência suavemente boa. e as Trevas Inferiores seja
suave1nente .roá. Como QS rendéncias dos planos são apenas
Os planos que consrin1em esta cosmologia simples, o
suaves1 os habitantes nativos .não sofrent qualquer penalidade.
Omniverso, s3o os seguinces:

ALTERANOO COSMOLOGiAS Retrocontinuidade Discreta: As coisas simp!esrnerlle mudam


NO DECORRER 00 JOGO no meio da noite. No início dé uma nova sessão de jogo,
t:xplique aos jogadores como as coisas es1âo diíeret1tes. Esta
tática funciona melhor se as mudanças foram pequenas e não
Caso sua campanha atual seja ambientada na cosrnotogia de afetarem diretamente os personagens.
o&O, é possível modific:ar um pouc:o o cenário para obter un1a Crise nos Pl:anos: Essa abordagem é adequada para persona·
disposição planar própria. gens de t1ível elevado. Elabore uma busca por urn artefato
Mas como isso afetará os jogadores? Se os personagens c:apat de alterar a c.:osmologia ou a invasão de um pante;io de
estiverem profundamente envolvidos com os planos. as semideuses. Ou talvez uma divindade maligna queira refazer o
mudanças que os afetam devem ser minimizadas ou impl~mcn­ cosmos à sua própria i1nagem. Os personagens podem salvar
tadas somente após serem díscutidas com os jogadores. Um o universo, mas alteram a cosmologia da campanha no proc~S ·
jogador que possui uma fortaleza nas Terras Exteriores ÍIQria so. Esta técnica funciona bem se houverem mudanças radicais
extremamente insatisfeito se este plano deixasse de existir - ou entre 3 nova cosmologia e a antiga.
se o (o rte subitamente mergulhasse no Abismo, arruinando o Trabalhando oom os Jogadores: Este método funciona rnuito
valor do imóvel. Um ~rsonagcm que cultua o pante3o de divin- bem com jogadores experientes. Proponha as alterações que
dades Nórdius ficaria confuso ou revoltado se essas divindades deseja e deixe que os jogadores brinquem com elas. Permita
fossem repentinamente substituid;i,s pel;as divindades Cregas: o qut eles cot1tribuarn c:om a disposição planar, e faça da criação
culto~ Zeus é muito diferente do culto a O<lin. de mundos al~m do Pla110 Material uma el(periência comparti·
Antes de modificar a disposição planar, determine quais as lhada. Os jogadores podem tet boas idéias e contribuir, e c:er·
altetações que mais afetam seus jogadores e considere estes tarne11te se se1ltirão mais inclinados a aceitar uma cosmologia
aspectos com cuidado. Seguem·se algum3s fo rmas de ahtrat o que ajudaram a construir. Você tem~ palavra fina1 sobre o que
cenário: acontece em seu mundo. mas participar do processo dt cons-
trução dos planos ajudará os jogadores a entendetem como
eles fu ncionam.
O Pl•no Maccrial, os Planos Exierior<s, o Plano fterco e o Neste cxemp~ suponhamos que os demais planos têm seus
Plano das Sombr.as possuem icmpo norm>I, cnqu>nioo Plano próprios Pl•nos .Erêreos, ~J>'r:>dos do .E1ért0 do Plano
Mtrd e o Plano Elemenra:l possuem a carac1erístia arempo- Ma.1erial. O Plano das Sombns conec-ra*SC potcnci:ll~nrc a
Dl no que se rt.fcre a respir.tção, fom-t e sono. O Plano Asrral llOdos os dtm.aís. embora se.P ncctss5rio atravessar os pengos
nlo possuJ gr.avidade, e o Plano Elemental cem gr.ividadedire- do Abismo Sombrio para cncon1rar usa:S conexões.
cional objeti~. Por um.1 qucstiio de sirnpUcidade, digamos Asshn, ~s conexões do Omniver$O :1sse1nelham-se ao dí:i~
que os Planos Tr:u1sitôrios do On1níverso $ào, cm todos os gram:i da página seguinte.
dcrn;1is aspec1os1 exaramente idênticos às suas con1rapanes na No 0 1nniverso1 você rem un1:i disposiç3o básica dos planos,
cos1nología de D&D, e os outros pla1,os do 01nnlverso não suílclence parn utiliz3r 1odos os recursos dos livros básicos de
renham quaisquer caracterisricas planares cspcciuis. D&D. A cosmologia reflete u1n:1 divisão 1nui10 forre enrre
bt1n/1n:il e praticamente ignora oconílito entre ordem e a1os..
Montando o Omniverso O Pbno Elcme.nral é uma 1em em coníliro eterno de forças
Agora que voe~ tem as peças, como encalXi·bs? \'a.mos discu- inumanas. Os viajantes planares podem visitar o P.1ra.íso
tiras conexões planares. Superior ou as TttVaS lnfe:rioRS com mais Íttqüincia que o
O melhor, mas não o único, pl:1no para correlacionar os Pl:ano .Elcmen~ mas calvct :1lguns m2ios podel'050S tcnh:1m
demais é o Plano Astral, que existe princ1p..lmente para faci· •eu.s próprios acordos com os diversos senhores ele.mentais.
litar o desloc:amcnro enrre os pi.anos. Você pode elabor:ir cos· Este é \UD exemplo símples de como conscrutr sua pcópri;a
1nologi:1s sen\ o Plano Asml, pois o Pl:ino E1éreo e o Plano das tosrnologio. Outras cosmologi3S potencio is podem ser encon-
Sombras t:unbém podem ser u1i1izados co1n esta fln:tlid:1de1 1r;idas no Apêndice.
nlaSeles funciona1n de for1na diference.
No caso do 01nnlvtrso, coloenrtmos todos os nossos MUDANDO DE
plinos no interior do Plmo Astral Es1c é o grande mar aber-
10 que concc.t3 o universo. O P~:ano },.-ta1cra:al ~12 no ce.nr~ AMBIENTE PLANAR
com o Plano E1éreo e o Plano das So1nbras sobrepondo-se a
dt.Ac•m• do PlanoMa1eri>ljuo P.u•l!OSuperiore><Trevas Os pbnos podem sa conec13dos entre s-1de centenas de fo...,
Inferiores csi:io sob ele (embo.. fosse 1gualmeme p«ciso llW d1fcrtn1cs, algum>S exclus1v.is de dttcrmonados loc:ais. As
colocá·los >O lodo do Plano Ma1<rfal). O PJ.no Eltmenml concx6c.s en1rc os planos se dividem em rtts c:ucgorias: fron-
envolve o Plano :..Jaterial e seus vizinhe>) coexistenteSi como
1eiras, magi;is e portais mlgicos.
os anéis de Saturno.
Agortl que o ónH)iverso cs1d disposto, vamos unir os FRONTEIRAS
plonos. .É possível vi:ij:1r de cadn un1 dos planos õ'IO PIAno
ASI ral, que é coexistente a todos os dc1nais. Provaveln1ente A~ frontcirus permitCJl\ movhne ntaç1io e ntre os plauos de
cxis1enl porrais do P3raiso Superior e das Trev:1s 1.J..l.fetiorcs fonna suave, qu:1sc itnperce plivcl. Os viaj:1n1es podem nio
para o Plano ~\iaterial e vice-versa, mas não do Para.íso norar um:a frontein e at-ravess:i-la para adentrar uma nova
Superior du:cmmtntt 113n TrtV2S Jn!criores ou vice~verS3.
dimens>o. Es•as fromcir:os podem .., óms tscu"s, bancos de
Isto toma o Plano ~taterial um local de reunião para as cri.a--
run1s cx1ra-planares. ntvOa ou ttmpes12dcs. Às vezes, um plano cede lugar a owro
O Plano Maccrial se cone<:<> •o Plano .Eiérco e >0 Plono das do gr.adualmentc que ~ impossivc:l dix.eT onde a fronrt:ira
Sombras? .E quanto ao Par.úso Superior e a Trevas Inferiores? começa ou termina.

13nstidorns: Revelando Su~ Cosmologia Dettrmint o que os nativos de sua (3mpanha sabem.
N;.turalmentc. isso inclui os personagens. Podem existir dois
Uma das vantagens d~ cdar sua p(ópfi:a cos1nologia é a capaci- níveis de (onhecimento: conhecimento comum e conhccimen·
dade de gerar um unive(SO sob medida para as necessidades de IO arano. Por exemplo. o conhecimento comum pode ser que
sua campanha. Oestil fo1ma, voe~ pode revelar aos jogador6 o sol ~ uma c~rtuigem conduzida pela divindade solar atrav~
muitos ou poucos detalhes sobre csie un1vt:rso, conforme do c~u. Mas os magos e outros com Conhtc:imtr'lto (planos)
neccsúrio. S1bem que o sol na realidade é v.m vórt.ce p,ara o Plano da
Amaioua dos jogadores experient~ de o&D rs:t' fam.iliariz:ada Enetg1a Positiva, e u:m pante5o de d1v1ndades menores o
C0"1os conceitos de Planos lntenores e Planos Exteriores, pia.nos mptde de engolir o Plano Mater~I. t 1usto ÍOfnecer info..-·
dispostos em foana de roda, e outros '"pidtões". Con.$truindo su.a
mações aos jogadores de acOfdo com o conhtc-imtnto de seus
ptópria cosmotog1a, voe~ não precisa manter as peças que não personagens sobte o universo. Tamb~m seria _.deque1do que
gosta e tem a vantagem de petmítir que os personagens graduaf· esta 1níotrnação fosse parcialmente incorreta, desde que a cor·
mentc descubram o que há lá fota. reta possg ser descoberta ou aprendida.
Tenha dois detalhes em mente quando cfaborar seus próprios
planos: Numa campanha com viagens plan:ues (e indivfduos de <líveis
Oehce os jogadores saberem o que eles nlo sabem. Se você est4 tlevados ap.a,z.es de e:xec.ut.i-las), haver4i s4ibios e mestres do
adaptando sua cosmologia. deixe que eles saibam que houve conhectmento com informações suOci.entes sobre os planos para
mudanças. Isso provavelmente despenarJ novas ~rgunras e 1raçar a cosma'ogi.a "corrm·. ou pelo menos para serem capnes
cunos1dade. o que ~ algo bom. TamWm impede que os joga· 6e ab«dar a maioria das pergunta-s gertidls pela viagem pbn,.-.
dotes s.ncam-~ frustrados quando su.as pressuposições sobtt Em uma campanha e:m que e:sta-s Yiageni S.SO Jncotnuns. os pet·
o func10tlamento do u:niver$0 não se confirmartm. sonag~ns podem ter qut descobrir sozinhos como os pi.anos se
tncabcam.
Urna Cosmologia Simples: O Omniverso

Legenda:
Pl.ino Matll'.'r'i.al
l ) Ph1no ?\-1att-nal
Planos Tnn.s111VO)
2 Ft2no Ettl't'O
3 Pl.ino J.a, Sombr.a
,t"')tendcnd0$. se a ourros planos atiaW:s Planos blcnores
Jr ""1mbr.t' pmÍunJ.l~J ' )Trev.as lnferiotts, l:ar chs cn11ur.1~
inÍemais e :1bissais
HPl>noA>rnl 6a) Plano Et~reocbs1·re~'5 lnÍeno~
PllnM lnttriotts 7) Pat3iso Superior. lar d'5
S) PUno Eltmencal (concénl todos osquacros elementos) cri:u ura~ celcsri3is
Sa) Pl;ino l:terll'.'o t lcmental 7a) Plano Etêroo Parii.so Superior
A visão 2.l1'2\~és da fronleira pode ser limirada pela sua MAGIAS
prôprb narure"' (como no C2$0 do binco de névoa) ou pelas
O mt1odo mais comum de viagem en1~ os pia.nos de existên·
anc:tens11e:as do pi.a~ mas nio sio lnerenttmt.nre limi-
ci:2 envolve m;gias e irens mâgicos. ~tu.iras magias uri.linm
radas.
tnergí:ts plan:i:rcs e a própria n:1tureu dos planos (consulte
As íronreiras fixas possuem unl marco deli mirado entre um um::i lis1:a na seç3o sobre ~13gi:as no Capítulo 3").
plano e ou1-ro, como um penh:1sco em um plano sobre um
N• cosinologi• de D&D, o Plono E1éreo pode ser acessado
abisino no ou1ro, ou rerras c ultivnd:'IS que subitamente lor-
: través d:1s n1ag.ias fonntt etJrra e passeio cltl'tO, que 1ransportom
n:Jm·sc: flot'tstas. A n')ogia J')ào armvessn ns fronrelras íix-as;
1\11dadc un1 ladodafronreirn podescrntingidoporu ma magi'1
ílslc"n\c1ne o corpo de seus nlvos n es1e plano. A n1agi.1 pro-
Jrrlio í.Ulml é o ingresso p.ira o Plnno As1ral 1 separando u1na
conjur:id:i do ourro Lado, a menos que esra n1ag.la afere especi~
íonna asn-a.I do corp0 do conjurador. A n1agia andar nas soor·
ficarner11e os alvos em outros planos.
fms penni1c movimentar--se amvés do Pbno das Sornbr.is
As frontcir.1.$ indtfinidas tém cancterís1ias pouco ex:ar3s para cobnr grmdes distãncfas r.o Pbno Matenal
e geralmente txisrem onde as panes semelhantes de cada
Cada magia de<ecm.ina como os YUJ:11n1cs retomam 20 seu
pbno se concct:am. Isso ger.i um.2 :itta inrerrnediária ou
pbno de origem. A m2gi:a forma tfirta permite que o conJU·
•qu:ase·plano'" que penenee li :ambos os lcxau, mas possui
r.ador recorne livremen1c. ~trdo Ojlml fa:i o mesmo. e <tr~
uma idc:nddade e carae-rerisrius pl,n:tres discinras.. A magia
mt~mo devolve o conjllr:l:dor a seu corpo natural aso sua
pode :1tr:avess:1r a ãrea intt"rn1ed1dri~ para tad:1 um dos
íornut :istnal enfrente um3 c:at::lstrofe inesperada em ourro
plnnos. As fron teiras indefinidas norn\alinen1e só exislem
pl;tnO. As 1nagias v1agern planar e rJOrtnl, porou1ro l:ido, apcn3S
onde haja rerreno semc.lhanre e1n :i1nbos os lados, de forma
desloc:un o conjui:ador en1r~ os planos e outra 1nagia deve ser
<1uc u1n plano de escuri<lão contínua só teria fron reiras conjurada para a viagen\ de voha,
indefinidas com :is regiões doou1ro plano que 1ambéin esre·
j1un cobc1'Las por LCevas. PORTAIS MÁGICOS
As fron rciras móveis são as mais perigo~s para os viajanres,
pois se de!locam de um belo para outro. Semelhantes às ireas ªPonal" é um termo genérico pan uma conexão intcrplanar
:at1gá\-e1s da cosra, muitas vezes a regíio di fronte.ira penence c-s1xk>1tária. Os portais. que incluem ilens relac:ion.ados,
a um dos pbnos, mas sofre aherações anconsranres. A m1gi2 e-orno \'Óntcts, abtt.m·~ e.m um loal do plano de origem e
u com porra de ÍOCDla semclh3nle ã de uma fronteira fixa, mas •m ourra doplano(ou planos) dedesrino.
exis1r um risco de que a frontc:ir:t se desloque, prendendo o Os ponais são criados a p.amr de dtvcrsas fontes. Alguns
viaj'1nle do lado errado d:'I fronteira e nun1 plano perigoso. ião slmp1esmcn1c grandes itens m3,g1cos1 coneclando os dois
planos (ou dois locais do mesmo plano. ctn cer1:1s cosmolo--
TRILHAS PLANARES gins). Ou1 ros exisrez.n naturaln1en1e. E ~1S próprias divindades
1.-d.11.1111 ,1lguns porr.üs.
As 1rilhos planares, c.xc lusivas de cad:i cosn1ologin, a1ravesS'..Jn1
diversas fro nreinis, conecr11ndo míahiplos pl:anos. A mudança A tn2lorin dos portais1 não hnporta sua nalure-i.'l e origcn1,
e nt re um plmo e ourro nem stmprc é ób\'ia (semelhante a r0Jnpar1ilba de1erminadas propriedades. Eles fornecem
uma fronteir.a indefinida). Para realizar a viagem, é ncces:sirio rr.anspor1c instantineo de um lugar par1 outro. Se pass:arem
apenas d<Slocar-se ao longo da rrilha, sem a n<eessidade de :uraves do Plano Asta:I, ÍOrm2m conduues, tubos impe-
magias ou itens. nctriVbf que a[ravessam esse pl2no abeno.
N• cosmologia de D&D, dois grandes nos servem como tri- Afarên<ia dos Panais
1.h::is planares enttt os Planos Exreriores. O R.lo Occinus arnt-
vess.i os planos celesri.;us e o sombrio e :11e.rrador Rio Esrige Um portal pode ser rr.insp:arente-, tr;tnslucido ou opaco. Um
cruza os planos inferiores. portal 1ntn$paren1c assemelha--se :i uma porra ou janela com

Chaves de Portais Ale:uói:-lo: Um portal aleatório íunciona por um período incer·


to de lcrnpo, e entJo se fech;a por um período igualmente c.asu-
As chaves de portais são situaç~s. magias. itens ou outras cir·
d . Norma1mente, um portal assim permite que ld6+6 viaj;antes
cunstJncias espttiais necess~rias ~ra ·abnr... um pottaJ e faz~.
o atravessem. e em seguida fecha·se durJnte ld6 dias.
lo funct0nar. Vm.t1 chave de portal pode 1er pr~leumente qual·
Palavra de Comando: O portal só funaona se uma paf~.a de
quer p<forequtsi10, mas seg:uem se alguns txtmplos tradi-
0

comando especifa for p<onunclicb. de fo~ semelhante à


c1ona1s.:
tl1Yiçlo de um ftem m~gico (consulte Ac1vando Itens no
C•pllulo 8 do Livro do MtSlre).
Tc1nporal: O portal só funciona em períodos de tempo dete1- Iaem d e Comando: O pottal funciona se um via1ante estiver
minados: por exemplo, duran1e uma lu~ cheia no Plano !tgvrando um o bjeto tm particular. Este hern funciona efetiva·
Mnterial, ou a c.adtt dez dias, ou quando as estrelas encontrJrn· mc1lCC corno ;:a çhave de umi porta. O objeto de cornando pode
se c1n delern1inada posição. Um portal acfo1tado pelo tempo só t er um itern comum ou uma chave exclusiva criada par.a o pOr·
funciona com duração limitada. Um portal desses pode fica r tal. O últilno çaso é encontrado mais cornun1entc em portais
a~rto por tr~s dias apôs a lua thei1, por urna hora ou 1d4+1 m~gicos criados por magos que desejam restringir severa-
rodadas. mentt" o acesso aos mecanismos. Na cosmoJogia de o&O, a
Siru acion.al: O portal só funoona se uma determinada (.Idade de Sig.il nas Terras Exlenortt. f c°"hec1da como a
cond1ç.So ÍOf satisfeita. Um port.al aMrto por u~ situação só Cidade das Portas e conl~m uma quanttdade impressionante
seria ativado em uma noite clara, quando chove ou quando o dtttes portais
ven10 sopra do leste.
vistas para outro plano. Os portais mnslucidos slo ene..oados Portais Comple xos
e cmb:tçad°" mas :aind:i 3.S'Si.m ~tmiu~m que o vi:ijantt tnxer- Os p<>Tl2is ge.ralmence func-1onam em ambas as direções.
gue • cun2 disr.ino2 no pi.no de des<ino. Um pon•I opxc> ..Ccr:alm.e.nte• ea palavn cha"-e. Se um viaj~nte utiliza um por·
não revela nada sobre o lado oposto, embora pOS~ ser u--n curo 1al por.1 S< d.,;locar do pi.no A pon o plano 8, pode ainv~
bolhio de cores, um 1om sóUdo, uma suped'w:.. tspelh<d• ou lo novamente e t.ta.DSpOtUMe de \'OhJ do plano B ao plano A.
mesmo um quadro cm uma µa.rede aparcn1emcnce sóhda.. ~ús existem poruis de via unica, qut forçam os viajant~ :a
Um bom exemplo de ponil opaco são as pas-s:1.gens encontnr ourro aminho ~ri retomar ao ponto de partida.
cron,ãlias enconcradas no Plano Astnl Na cos:1nologia de Os pon:ais variáveis podern envh1r os viajanrcs a uma st.ric
O&:D. estes pomis para diver'SOs oultOS pia.nos cê.m cores de lcxais diferentes, sejam no incsmo plano ou enl planos
e~pecíflcas para diferenci:i~los e a tonalidade da pass:tgem difere.ores. Um ponal v:ariavcl pode mandar pessoas a de1er-
indic.1 o des1ino do ponaL min.1dos lugares eJn horas espccrnca.-. ou envi:u· aleatoria-
mente \1ro grupo de viajantes :a unl local e o próxhno para
Interagi ndo com um Portal um lugar di ferentr.. Os portais v:1rl6veis gcralincntc utiliz.am
Os ponais mágicos gertilmen1e exige1u consclênci: J>llt::I chaves (consul te Ch:aves. de Poruais) para atingir locais
serem •11iliiados; os perigos nnturais de u1n plano nao :1uiives~ específicos.
s111n os portais. A temperatura, :i. armosfc:ra (seja ou n5o róxi Os porr:liS seletivos pcrntitem <1uc sornen1e cerros objeros
ca), as substincías perigosas e as emíssõts de energi.1 per~ ou pessoas os atravessem. .E.sscs portais slo ca])31.tS de limüar
manecem em seu local original em wn porca.I abcno. Uin pôl°'" :a passagem com base na idenudade, nome ou tendência. m.as
~l entre o PI.ano Eleme.0-tal do Fogo e o ~faterial, por exem· alt:m desses criléri05, só podc.m utHilõlr aspecros cl:tntme.nre
pio, nio representa perigo parn u criatu.ras no mundo. pois o visíveis. Um ponal que só pcrm11e que demônios amvessem
calor n.io é C2J>3Z de am.vessá·lo. ln mesma forrm. podt-St" se.ri engan3do poc uma m:1gi1 de ilusão aproprilda, e a pericia
•brir um pon:il pora o Plano Elemen..J d.. Águ• sem q11< um• Usar lnstrUuiênto ~iágx:o pemutc que um YÍ2jantie esperto
1nuncbção annja o ou1ro plano. Os obJC10$ vestidos. S!gura· imite a te.ndêoc1a de o•nn pessoa e ludibrie o ponal As divin-
dos ou carregados atravessam os portais normalmtncc. cla~ geralmente ulilit.azn por1ais sclcnvos par:a limitar o
Uma exceção ã exigência de consciência é um poml que 21Ce5SO a seus próprios emissinos.
surge na1ur.1lmente entre locais seroclhan1cs, 1nas cm planos Alguns p0rtais podem ser sclc:uvos e v:ari:iveis simultanea-
diferentes. Esse poml ~ eh.amado de vórtice e gcral-ncnte me1ue> enviando uni grupo para um local e ou1ro p3ra um
conccta·se a um plano elemcnt<il ou de energig. Ncs1cs c:a.sos, lugar diferente. Alguns magos inttligen1es criam por1:1is sele-
itrcondiçõcs são semelhantes em :11.nbos os desunos do ponil. rivos variáveis para 11c111ralliar advers~rios eJn potenc.i:Ü,
U1n vór1icc para o Plano Ele1nennil Jo Fogo pode ser tncon· enviando··OS a um lugar e suas annas noutro.
trtido à beir;a de um vulcão, enquanto outro par.i o Plano ÀJ; V$:?:CS, um por12l reJn lbnlf'l'lfl\l'o< ""J'M"rílir:t" 1).'lr:l to:u:i nri·
Elc1nental da Agun estaria adjacente à costn. Os n1giOttS peri· vaç..i.o. Essas limitações norin::ilmcnte silo deno1ni1\adas
gos desses vórtices são <1ue a vida nativa clcmcn1:aJ consegt1e chaves. Pode existir qualquer qu:intldadc de chaves pa1'3. um
atr:avessá·lo Íácilmenre, e um viajante pode subilo,..cn1e portal1 e St':US criadores ger:alntcn1c c:s-1:.1beleccm·ni1S ao criar o
encon1rar·sc em outro plano, sem qualquer in1ençio de ponal. Estes ponais são ch:arn:idos porrais codificados.
re:ilizar um:a viagem planar.
Ao ronrr:írio de uro2 poru c.omum, g.e11lmcn1e é impou\..
vel p:irar na mer.tde da tiaVC$$ia ou estender um braço :11ém NOVO ITEM: SEXTANTE DIMENSIONAL
de um pon'2L As criaturas estario de um lado ou do ouaro. Se
voc:C ttn1ar atravessar um ponal com os braços CSlcrdidos. Um sextante dimen$ionil ' uma esfet.a de 20 c.m (c.onsrtufdo
nada acontece at·~ que mais da metade de seu corpo tenha ele q~alquef material ap<opnado) com R«:has projetando->e
arra~ssado- e então ...-ocê jj escará doourro bdo. Passir tpe- em tod~ as direçÕC"S. E'e d1rect0na seu port1dor ao poru.1 pb·
n1s a cabeça não ajuda a dcrenninar o que está do OUltO lado na.r mais próximo. O so:'fantt dutttns.:1on11I deve sei empu·
de u1n pomJ opaco, rois :tS magias de adivinhl)Çào como ana· nhado com as dt1<1s mi<>s t a ne-cha cin1ilan1e iillpontar~ a
hsar rortal cos1um:'lm ser muito úteis. dir~o correta. Para ope~ ~lo, ~ neGess~rio um teste bem·
As magias não atravessam os porttus. As adivinhaçõ:s não sucedido de Conhec.ímento (os planos.).
rtveltun ncida sobre o outro l:tdo do portal, a mt1\0S que seja
cspeciflendo o conniírio n:.i dt.scrição <la n1agia. /\s 11divinli:a· Oircçto Desejada CO
ç6es C\ljO :11vo seja o conjurndor, como v.:r o h1v1sív11I> nto fu n· Para o portal mais prdxi1T10 1S
clon:un .-i1TI1vés de urn porra!. Pêirti o portal a um plano especlfito mati pt6x1mo O
Os port:tis ge.rnlmente rêm uma limi1aç.io de tnn,ítl\h~i uma Para determinar para onde leva um portal 17
crian1ra grande demais não passará pcl0$ limitc> fisicos do por-
tal. U1n porrnl de determin3dO tamgnho gcnt1menie permire
que cri:11uns c.om (no máximo) uma c:ucgor1J de uin:anho No ca.so de portais temporj11os, como aqueles criados pela
superior o arravesscm, e.mbora seja um.a. vawgem enrcila magia porlal, o sextante revelJ a natureza tempot~ria di
magia. Ele nSo reage a ~ras extens6ts dunensionafs como
uma mochila eh C41JP ou uma magii lntqut ela temia. ou a
atrusõts de outras dimens6H como magjas de sombru.
Nivel do Conjurador. 1So: prt·rtq1Ji11~&S: Crlar Itens
Mat;lvithosos. discernir loc.ahzaçlo: prtfO de mucodo; 21.60:>
PO: Peso: 1 kg.
SEXTANTl DOS P LANOS
[em op•tt~lo]

~Jie.l.,. ~••t
(1o. --.t.()

,.,......,_

.z /

 ..t.t..1 ~
~·tfl-·-

0 s pia.nos são terras de- oporrunid:tde par.a os aven-


rureiros conjoSOS e aqutles que viajam por essas
regiões são alteados par.ti sempre pele experiên·
e.ia. Os jogadores que desejam uliliiar persona·
gens extra·planares enconn~nio nesre caplrulo as
lns1ruçõcs p:lm as raças ba_9aur, &i1hyanki 1 gith:ier:ai e ourras
AJUSTE DE NÍVEL
Algumas "ÇIS difcremcs d.s nç.>s padrio que podem ser
uulwcbs como pezsonagens dos jog>dor.. recebem um
ajus1c de nivcl ou similar a nível Es1e c.onceiro t t.xplicado
no C:'lpí1ulo 2 do livro do Mestre. De ecn2 forma, um ajuste
de nível pode ser compreendido <:omo :a ·classe de rnons·
crlan1ras. Qu:i:u:o n9wis classes d'l pre}tígio s~o ~presentadas c-ro• de u1na raç:i.
p;ira os peregrinos dos caminhos Cle outros n1undos, os pers· Ocsta formn, um pcrsonagen1 de u1ni. dcs1as raç:1s que
cruc:tdores do véu da reaHdadc e os: servos dos grandes ad<1ulre seu primeiro nível nun1a classe padrão está, de
poderes que se en5ot1tram no além. As noi.r.is n1agi~s auxiliam certa forn1a, torn~ndo--se muJliclassc. Contudo, as tegr:as
os tJirij1ntes dos phtnos a se deslocar entre os mundos e a e rt.strições de multlc.bsse não se aplicam (exceto pela
sobreviver ao que encoorr:u:em ali. exceção descrita adiante). e éSlt.S personagens 2dquirem
.iipc~s as h1bilidades especiais arribuidas oorurilmenre

CRIATURAS COMO RAÇAS 2 sua •çlasse de monscro•: armadura nitural, armas naru..
ri1s, a1aqucs especiais e quaisquer h.ab11id1des C~'1T2-
ordlnáNs, simil3res a magia ou sobrtn:erunis.
Algumas das raÇ3S d~ras nes1e hvro são adequadas para
/\o crlat 1un persenagcm utili1.ando uma niça difc-
serem usad.:rs por personagens dos jogadores• .Bn1rttanto, elas
rtn1c do padrão, adicione o ajuste de n1vel &a raç.1 à
são signifíe.1rivamenre mais poderosas que as rnç.:as do Livro <lo
classe (ou classes) de personagc1n para determinar o
Jogarfor. Se decjdir utiliza!' es1t1s roças e nl seu jogo, são Nível llfc1ivo de Personagem (NJlP). Por exemplo,
., .. J.i~ssd[,ibs.ajustes ~r:l l'll3nter o <..'(}ullíbrio de poder e ntre os tun defling co1n ::ijustí: de nível igual 3 1que r<lmbém
.. pqc$01ÍllieM que udlizam as raç~s con1uns e as que U$ar,n as seja um fciticeirode1° oível terá um NEP igual a 2.
• '" ntfH--m'ais exóticas. As t1ças adequadas p~ra os ptr~n11gens do
~iesmo assim. é necessária a apro~3o do Mestre pan que Monuol do; Pf411os (e do Lnm>do; Mon>I..., no aso de
urN raça seja considerada adequada par.a um personagem. 1ieOln,g e aasimar} estio resumid.as abt1~ <:om seus
ttSpecttvos: ajustes de nível
TAIELA 3-1: AJUSTES OE NÍVEL Essencialment~, o pré-requisito tm XP p;ir:1 um pe~
Aj.-de AjuNde nagem incomum alcanÇtt o próximo nível é difertnte. M
N .... Raça N .... in"'és de acumubr o nivd do pcrson.age:m x 1.000 XP para

..
Roça
........... +1 GíthMQi •2 alcançar o próximo nivel. um persoNgcm incomum preci.sa-
Biria...- +1 ~ r.i de K..EPx 1.000 X2 Es1e ajuste está resumido na Tabt-b: 3-2:
e.- +5 T<tlling •1 Pré-Requisitos de Experiênaa p1n NEP.
G~hy>nl<i +1 u..i.... •5

Criando Pet:Sonagens ·usando o NEP: Só pcnnira que um


CLASSES DE PRESTÍGIO
jo~dor crie u1n personagem de uma raça diferen1c do pndrio Co1n a magla ou o portal correios, qualquer pcrsonageJn pode
quando csiiver dispost'o a pecmitir que es1e jog;ldor crie um f.1ur carrtira viajando de tan\ plano a outro. Mas os perSona-
person11gcm de nívc.1 rnais e.levado e co1n poder equivalC'n1c. gens que desejam tuna c:oncx:lo Jnais pró>:ima con1 as <limen•
J\ssln\, urn riefling feitice.iro de Lº nível com NEP ig\rnl Q 2 não sões :.lém do Plano 11a1edol pode111 1en1:1:r adquirir ôlS classes
poderia panicip:ir de u1na campanha, :a n1cnos que o Mestre de prestígio arrosnbador d~ por111is, c:unpedo planar, e1nis·
pcrn1ir2 personagens corouns de 2º nível. sârio djviJlo e viajante plan;ar.
Progressão de Personagens com N.EP: Con10 un\a
n1c:did:a do poder de um personagem, o N.EP é equlva1ente ao ARROMBADOR DE PORTAIS
nível do personagem. Nonn;iilme.nre, o nível do perso~gem Os: an:ombadores de porta.is se considcnrn agtn1es cósmicos
é :t som:t de rodas :as suas d.asses. As.sim, um hunu1no inulri· independenres, forças livres que podem in.ílucnciar os
c.l:asse feiriceiro de 3º níve.l t: ladino de 40 nível 1ena um nível nativos dos pb.n0$ t até mesmo as próprils encrgilS dinâmi-
de personagem igual a 7. Ao adquirir mais um nivcl. eLe tcri as da magia. São tnpacelros do mulri'-'Cf'SOi, geralmente
nível dt porsonagem igual • 8. Isso exige 7.000 ponlOS de dosaf.ando os conjosos, sabot~ndo os •mbU:ioso< e bumi·
cxperiCnda adicionais. conforme demonstndo ru ttbeb }-2 l.hando os cgoistu. Sua compreensão insunriva da natUttU
do Lnnv do Jog.idbr. do universo lhes pennuc cxccut-ar IÇ6cs qut estão alE.m da
Um personagem com NEP devido a urna raça diferente do capacidade do< demais.
p1drio precisa de mais XP para progredir. Por exemplo, um
Os arrombadorts de pomis considenm seu oficio um tipo
tieflin.g feiticeiro de 3º nível e ladino de 4º nível terá UtT. NEP de arrc1 não uma ciência. A habilldadc de csco1her o momen·
8(+t nível por ser rieíling.+7pelo nívt.I de personigemj. Para
to ccno para aracar. 3 p;tlavra correra a pronunciar, a pedt:!
111dquirir tnn nível. o tie.lliog utilJia seu NEP na coluna Nível e>rat~ '1 moverl deve·se mais a hltuiç.ão do que <'10 pensamento
do Personagem do rabeia 3- 2 do livro do Jogador. O 1ieíling consciente. Os arrotnlr.idores de porrais 1>0de1n surgir de
pr«isa de 8.000 XP adicionais par.i ~v:ançnr 1>.1rn o próxinlo <J11:1lquP.r c:la:-;.se, embora n1ul1os aµt'cnd:1 1n ;l J)(>Stura rravessa
nfvtl (subindo de NE.f 8 para Ntl:' 9). de um arrombador de portais corno ladinos ou b3rdos.
Os arrombadores de portais µodenl ser encontrados em
TABlLA 3-2:
P•t· REQUISITO S DE EXPEAl t NCIA PARA NEP co1npanhi:a de outros viajantes dlnlcnsion:1is, geralmente
N EP=
puxando o fio da rrama do universo p:tr.1 descobrir :as conse-
NM!l +l NEP • qüências.
NEP • ~. Nivd+2NIP •NEP • O.dos de Vida: d6.
NÍVEL -.. NW +S
(GilhyaNi. Nr.d+ó
~)(~( (Urid<l.vt Pré-Requisi1os
·-~
XP Toellôngj
o 1• P.ua ~ roma.r um arromb.ador de ponais. o perwmgcm ~·e
1 000 ?' 1º
1• prttnchcr rodos os scgui.n1cs cn1érios:
).000 J" 2"
6.000 ••s• l' 2" Bônus Base de Ataque.; •-4.
10.000 ••5• J"
••5•
1•
?' 1'
Tendência.: Qu.alqucr uma, excc10 leal.
Pericias: 4 gnduações cm Conhccimtnto (planos), S gra·
15.000
21.000 .,.

.,.
6' )º l' duações ero Usar lnstntmento b~'g.i co.
28.000 8"
g• .,.6' ••
s•
l'

Especial: Para qualificar-se p.lrn a classe arron1bador de
36,000 9" porrais, o pcrsonage1n deve ccr visit:ldo dois planos de

<S,000
55,000
10"
11°
9"
10"
g•
9" .,.6º 6'
existê ncia alénl do seu pfono n:1tal.
66.000
73,000
12"
llº
11•
12"
10"
11•
8"
9" ,.
;o
Pericias de Classe
91.000 14' 13• 1?' 10" 9" As porici>s de çlassc de wn onombador de p0r1ois (e a habili-
IOS.000 15° 14' n• 11• 1)' dode chave para <:lida poricia) sõoe Abrir Fechaduras (Des),
IZO.OOO 16' 15° 1•º I?' 11• Acrobacia (.D<s), Alquimia (1111), Aroe da Fuga (Des). Aru>ç:io
136.000 17" 16' 15º 1J" 11' (Car), AY>!iaçio (ln1), Blefar (Car), Conhccímenro (escolhidos
lSl.000
171000
190.000
1r
19"
2f1'
17"
1r
19"
16°
17"
1r
1..
ISº
16"
...
11º

li'
'"'pmdameme} (Jnt), Dccifnr Escrit.t (lnt), Diplomada (Car).
Disfan:es (Car), .Equilibrio (Oes}, !OOtlar (For}, Esconder-se
(Oes), Falar Idiotna$(Nenhuma), FalsiAC2Çio{lnt}, Funiwtade
210000 2f1' 19" 17" 16º (Des), lntimidar(C.r}, l.citun ubôal(lno), MensagcntSectttaS
2)1.000 2f1' 1r 17" (S.b). Observar (S.b), Obter Informação (Car}, o&ío< (Int),
25).000 19" 1r
Openr Mecanismo (lnt), Ouvir (Sab), Procunr (ln1), Profissão
276.000 2f1' 19"
(Sab), Punga (Dcs}, Sah>r (For), Senso de Oireçio (Sab), Sentir
l00.000 '111'
Mo1ivação (Sab), UsatCotdas(Oes), Usar Lnsni.1men10Mãgico
(Car). Consuhc o C•pirulo 4: Perícias, no Livro do Jogador, par> Jcs :. abrir sem a magia, chave ou ins1n1mento correto. O
obter ., dcscnções das pericias. a1rombador realiza um teste de Abrir Fech:ilduns usando .seu
A>nfoi d• !'trili• Mad4 niwl: 8 + modiJkador de l nreligcncla. n:odiAador de ln1.Ugência no lugor do modificador de
Ocstttza. As CD de pomis normolmenre são as ~gumtcs:
CARACTERÍSTICAS DE CLASSE
Usar Armas e A.rm:tduras: Os arrombadores de p0rtai.s
~bem l153r iodas as umas símpltsc armaduras leves(mas nJo .....,, ._ cn... tlpóca
escudos). ..,_l S<lildo pel• mogfa sclo< poM/
_ . 2 0 • nr..l do conjurado<
Potul ui.;ido por uma dMndadt - -- - -- - - - --""
Analiw Portal (SM): Um mombador de ponais adquire o
habilidade de 4111nli~r portal como uma Abrir um portal exige uma rod;id;i completa de tr.ibalho e u1n
hobilidode similor omagia. Ele pode ctscc bc1n·sucedido. O portal pcrn1:lnece aberto dumnu~
•Uivar a habilidade uma vei por ld4tl rodadas.
düt a cada nivel de nrro1nlr.idor Arnortccimento de Magia de Tn vocaç.;"io (Sob): Os
de pomis. esrn hnbilldodc fun· •rron1badoi:es de portais freqiiencemenre irrit:un den1ôn.ios
eiona co•no a nutgia conjumda e diabos, injbindo sua habilidade de convo--
por urn Íeiriceiro do rnesmo car reforços. '!'rês ve7.C$ por dia, un1 arrom·
nivel do person:tgen1. "º
bador de portais de nlvcl ou superior
Idiom3 Adicion al : U1n pode criar um c.ampo amorre--
arrombador de portais adquire um idioma adi- cedor que se es:1endc por 30 m
cional unhudo comu1nen1c em em iodas as ditt"çôes. As
ourros: pbnos. Es1es idiomas magias e habilidadC$ similarcs
inclucm Abiss.JI, Aquan, iovocaçio e convocação s.ão
Auran, Celesrial, Jgnt3, suprimidas nesta arta, embora as
lnferrul eTerr:an. O ~tesice cri:11ura$ invoc:ad:as fora do
pode ex~ndír esca Usra campo amor1ecedor possa_oo
p>ro adequá lo ocosmolo- ingrc5"r normalmente na
gio da comp.1nlu. Os árc.:i. O campo ;imort<..'Ccdor
idiomas ndiclonals são permanece :ativo durante
adquiridos no 4°, "!°e lOO to rod!ldns. As cri:.uurns
níveis. convoc.adas ou 1nvocada.s
Con1prccnsão: Ao atingir an1es c:lo nrro1l'.'lbador de
o 24.l nivel, u1n arron1b:tdordc por1aid crinr o c11tnpo
porc;iis entende os conillcos :unor1ecedor não são :iÍc·
básicos de íorças e energi;is e tadas.
pode u1ilit;ir esta compreensão Persuns3o (Sob):
insciJuiva para :tuxiUar de1erminadas pericias. Um arrombador de
O arroml»dor adquire +2 de bónus de inru- por1jis de Sº nível ou
içio nos rcsrcs de O.Oírar EscrilO e Usor superior pode lidar
Jns1rumento ~tág.ico. O arrombador cam· corn urna grande
~ r.abc • 2 dc bônus de inruiçio pwr v:mcdodc de cru·
procurar ou dCRnnar aonadilh:as mãp.. rum e personagens,
a~ rec:ebcndo • 2 de bô-
Abrir Ponal (Sob): No 3º nus de inru1ç.30 nos
nivel, a compreensão das resres de Slefor, Oiplom..
forças planares do orrom· eia, Obter lnforma·
bador de por1ab cstc11de· ç:lo, ln1imid11r e
se ao funcionamenro de Seucir Motivação.
portais 1nâgicos, de forn1a Sobrevi vê ncia
que ele consegue forçá· Plo nnr (llxt): No 6º

TABELA 3- 3 : 0 ARRO MBADOR DE PORTAIS


Bónus
Sue d<

,.
Nlvcl Ataque fort Ref
+2
Von
+2
Eopecial
Anohsor ponol. .dioma ad<:iona t
r '°+l+2 .,.,'°'° •l
.
+J Comprttns.io

..
l"

s•
+l
•l oi
+l
....
....
+J

....
Abri• po<UI
- d e mapa de llWOC>ÇJo. idÕO<N adooorul
,,..,........,
.,.li' ••+5 +2
+2
•S
.s
.s
+S ~-
ldooma adõôon•l reduçlO de dano 5/+l
r +6 +2 +6 +6 Confundir portal
9' +6 tl +6 +6 Viagem plonor
10' +7 •3 •7 +7 Idioma adicional, amottec1men10 pfõlnar
nivtl, um arrom~dor de potra.is adquire sin1onia com a A habilidade amorttt1n1tnJo planar de unl arron1bador de por·
Nh1fttl dos planos que VÍ$Íta e toma~~ ~uoaJmcnlcimune tais afeta 2S .s-eg1nn1 ~ m:igi~ e ltabthdades sunilares a magia:
aos st:us c:ÍeltOS narurais. Qualq~r efciro que serU nc1Arali1,.1· ama Sta?:ta de Ltomurtd, biin1mt11to, tírrwlo dt tdtln:r.rt..<porú,
do pt:b rnagi.a prtvaur tfttlM planam tambEm e negado pela comunkâo, contato txtmplanar, dõl'11ntc1mn1&o. t:ll'pulsão, forma
lubilidodc :IObo:vivência pl3n3r. dimt, labrnnfo, manr/tstar, mtu11ftil11r tm mllS50. monséio mognífi.
O :uwmb3clor- de portais ronu·se imune aos fogC$ •nor· co dl ~1.onimle:a1nttt. mmsagnn 1nftrplonar, po.utio ttireo, rscar,
m:us· do Plano Elemental do Fogo, m:i.s :is formas de n:;iques fVr1a &;,,..,.,.,,,.,J, portal, l'"'J<r•lo •~mi, ffltlrumpwlt, ttletmns-
baseadas em fogo e ireas excepc:ion:almcntc ch:rmt;arucs pwlt aato, tncqu< da rom•, hcrbolhõo da molufodt, ""'&t'" planar.
alnd.:1 o afe1an1. Como esrn habilidade exrrnor<hn:iri~ é o rt:sul Além disso, magias de invoc:aç!o e: convoc:açào só podem
t;'ldo d:a sin1onia com um plano em parricul~r. o ::irrombador ntingir cri3tucs do mesmo plano, eu 1n:ig.i:tS da subestob da
de por1ais pcnuanece vulnerável ao mcsrno tipo de d\lno Sombr.J só funcion:im no Plano das Sonlbras. Os efeitos
ern ou1ros planos onde esta forma de :'Iraque n~o $ej::i de b3nimenro de blasfruu(11 (lilírdo, paf1111m sagmda e
p:tl'te J;i ordc1n natural. O fogo de outros pla1loS, p11lavm do caos são neu 11·oli~1dos, e1nbora as 1nagias
incluindo o t>Jano ?\.faterial, ainda o aftrn nonn:al· fu ncionem nonnal1ncnte.
mente.
Redução d e D:11no: Unl CAMPEÃO PLANAR
orrombador de ponais de 7" Cuerttiro de ce1uenu de mundos. Capitão
nível ou s-u~rior adquire mercenário das Cuems Sangrentas. Espada
Redução de Dano S/ +1. Ist.o .sig· da .;npnça ulescial O campeio planar
ni.Oc:a que o personagem ignora dcsloa·'"' en1re O< panos, f<!mptt guiado
(regenerando insran~neamenre) peb bmlba. Ele pode Stt condutido
os primelfOS S pontos de dano de pel• buSCI cb iusooça ou peb ..de de
quaJque:r actqUe. a menos que: seja sangue, nust cemidoem rodos os uni·
1nfiigido por uma arma com , """'"":onhec1dos porsu• lubiJJdade.
bónus de melhoria +1 ou superi- Todos os c:.mpeôes pl::anares já
or, mag.1.as ou um:a forma de ener- ernm fomosos por sua habilidade
gi• (fogo, frio, erc.). Esra habm- n1arciil anccs de adotarem a classe
d:1de n~o se acumula com oulras de pres-cigio. por lssous classes peri·
hobili<la<les de Redução de Dano. tas em :trrn:i.s avaoçam pa.ra esta
Cot1fu t1fü Portal (SM): No 8º classe. Eles especia1iza 1n ~se em
nh1el. uni nrro111b:1dor de porrais <:01nb:uer os uarivos de determina·
.-idquire a h;1bilidndc de confundir dos pl:'lnOS, 111>rtndendo ludo o que
u111 ponal (çoino a magia confundir 1>0dent sobre seus iJ1iinigos para
portar conjurada por u1n feirice.iro dcrrot~·los.
de nivel igual ao do arrombador). Os ciam~õts planares do
.Em habilidade pode ser usada Mcsrrc cs1lo lutando, recupera1.l·
rrà YC7.cs por dia. do~st do combate ou prepa_ran~
Viag•m Planar (SM }: No 9" do... paro o próxuno confromo.
ruve~ um arrombador de po,. Ccnlmenre viaJ.1m de pbno e:m
rals pode deslocar~ de um pl.1no t'm missões que auxili.110
pbno a ou1:ro uma vez por dia, em suas cruudas.
como uma habilidade similor Dados de v;da: dto.
a magia. idCnlico aos efeitos
d:a magia v1ogtm planar con· Pré-Requisitos
jur11d:i por um feí1iceiro de
ISº n1veL P:ar.i se 1orn3r u.1n ca1npeão pia·
nar, o personage.rn deve precn·
A1norret1rt1i:nro Pltinar
cher todos os seguin1es o:icêdos:
(SM): Um orrombador de
U6nus U:asc de A_caque: +6.
1>0t·cals pode entilir um carnpo
c.1 uc ncutr:.11iz3 1n<1g.i:.1s e b:Jbil.idides 1àlentos: Especi.11izaç5o en1 Arnu1.
similares que acessem outros planos Pcric1as: 4 graduações cm Conhe-
nun1 raio de 9 m. As magjas e habili<l:adcs shnib1rc); exis c:inlento (os planos).
1 ~n1es não s:Jo aferadas; u1n arron1bador de porl-;11$ não pode Especial: O c;.nmpe:io planar deve rer vishado pelo menos
e.liminar a proJt(âo astm! de um inimigo simp16men1~ aproxi dois planos além de seu pl:tno nal'JI onte.s de adotar esta classe
mando-se dele. !\ias as magias conjurndas após a t:1ni.ssio de de prestígio. O campeão não prec:i.u lér sido o responsj,·e.1
um campo de amonccimenro planar são aferadas: um OP<>- pcbs viager.s..
nente num raio de 9m não poderia escapardoanombador de
Pericias de Classe
portais com a magia parla àrmt,u:ional ou conscgtur rtfor~os
com a magJa rnr.war matumSt por exemplo. As pericw de classe de um umpe.lo pb.~r (• a babilidade-
O arrombador de portais pode ariV:tr o amorfttottt r1k planar ch'1ve pan cad• perici>) sõo: Adwr.ir Anlma!s (Car), C.v.tlgar
1résvezes por dia. Cada utilização permanece :1tiv:1dunntt: 10 (Des), Conhecimenio (os pbnos) ( ln1), Esulor (for),
rod•<l:ts. E.oonder-.e (Des), F•!.r ldiom•s (Ntnhuma). funívidade
(Des), Inrímidar (Car), Nmçõo (For), ob..,rvar (Sab), OGcios
(lnr), Ouvir(S.b), Procunr (lnt), ProfiS<io (Sab), S.lru (For), habilidade pcrmile que ele vep (mas njo que afete) cri:nur><
Senso de Direção (Sab), Sobmovência (Sab), u..,. Conlas eiere.s.
(Dcs). Consu!re o Capírulo 4: Pericias, no Lwro do Jogodor, poro Ataque .Etéreo (Sob): Um can1peólo planar de 3º nível ou
obter as desGrições das ~ricias. SJpcrior pode 1ransformar sua :>rnu• num e.feiro de forç:i
!>ou tos de Pi!'ricia o {(1dt1nivtl:4 ... 1nodificador de l 1t1cllg(:neia. 1na1erlal1 pcnnilindo que t1raque :JS c1·iotur:1s do Plano Etéreo.
O c:11npcâo planar inicia e conclui es1a habilidade co1no um:'I
Características d e Clns'e a~o livre, 1nas de\•e utilizâ·l:t numa 1rn1a pánl a quml poss-ui
Usar Armas e A.xnuadu.ras: Os campeões p1an:u-es s.abenl E.specializ.açào em Amu. Se o campeao planar penar uma
usar todas as armas simplts t co1nlln5t uxlos os npos de arm.a· orm• mágica, em b•bilid>de r>mbém •limina a chance d. rr.
duns e escudo.. asso de SO'!\ ao :1ucar um inimigo incorpõreo.
Plano Predileto: O campeão planar e5tudou profunda- Sobrevivência Planar {Ext): No 4° n.ivcf, um c;ampc.ío
mente os nativos de 111n plnno. Ele recebe +1 de bônus em Fl:inar adquire sinroni.:'I com a na1urc1.::i dos pl:anos que vish2 e
testes de Blefar, Ouvir, Sentir Motivação, Observar e rorn:t•Sc pcssoalmeore in111ne aoll seus efei1os nnturais.
Sobrevivênei:i ao utilizor eiirn.s perícias contra os na1lvos desse Quak1u('r efeito que seria ne,nrali1..1do pela Jnagia prevenir
pl:ino. Da 1nesma forma, o c:;unpeiio planar recebe o rnesmo e.feitos plru1e1res 1ambém. é neg~do pc;l:t habillda.de sobrevivén·
bónus em jogadas de dano com armas GonlT;t ~s cri:aturas J'lati· cio'.! pl~n:ar.
''"do plano predilero. O amplo plan>rsó rocebe o bônus de O e.arnpdo planar tom.a·$C imune aos fogos *norm~is• do
dano com armas dt- 2raque à distincia se o alvo õei\"e:T a 11ano Elcmcncal do Fogo, mas as formas de araques bosoadas
menos de 9 m. O bônus de dano não se apliu. Oi criaruras em fogo e áreas excepcionalmente chamejantes :1ind:a o :aíe-
Imunes a sucessos decisi\IOS. tlm. Como esta habilidade exrrnord1nan:t é o resuh:ado da s1n--
O campeão escolhe um li nico plano predilero, m:i.s as cria· t;.Jftia cor" um plano ein p:inicuk1r, o campciio pl:1n::1r per--
ruras idénticas e originá rins de outros pl:inos não s!o afel'tld3$. m:lnecc vulnerável ao mes1no tipo de dano e1n outros pl:1nos
Por exemplo, se u1n can,pc:io planar escolhe os NO\IC lnfcrnos enele cscn forrnà de araque ''~ºseja parte da orde.m narurnl. O
co1uo seu plano predilc10. ele receberá o bônus contra os dia· ÍlgO de o u1ros pl3nOS, incluindo o Plano Ma1.erinJ, :tinda o
bos nalivos deste plano, mas não conrra os diabos do plano :ltla norrnalrneore.
ad13C'enle. Aqueronte. Posltio Eli,..o(SM): Um campeio planar de 6º nível ou supe-
Os estudos do ampdo planar também o aux1ham em situ- rior pode adcntnr o Plano Ertreo rtts VCU"S por dia. tsso fun·
:iç~s alheias •o comlxne O ampeão planar r«<be +I de don:a como a magia pasSitO rfirto con1unda por um feiucriro
bónus nos testes de Oiplon1acla e Ob1er lnform:.ç:io para Cc l3º nível.
interagir com os nativos do seu plano prcdilero. Os testes de RAtgar Porral (SM): U m3 vct por di:a, u1n c:.lmpeâo plan::1r de
Senso de Direção rcccbc1n +1 de bônus se ÍOl'Cn' execut~dos 70 nível ou superior pode rasgl.lr u1n portal através do rlano
no plano predileto. As-rral par:t outro plano de CX I ST~l\Cla . Cavando um bunu..v nv
O campeão plan:ir adquire u1n segundo plano predileto ao rceido do plano e m que está 1 o campeio plan~r pode abrir u1n
211ng.ir o 5e> niveJ e un1 1ercc::iro ao a.ringiro 10C>. Quando esco- ponal p:tr.10 Plano Astral ou q11:ilqutrdos planos tocados pelo
Ü\C um ncwo plano predile10. os bônus d()) pl.:u'°5 anteriores rla1io As1r:1l que o campeio já ttnha visit2do. Assim como a
aume.nram em •1. Por t-.c.mplo, um campeão pl2nar de 5° magia 111agt'" planar, o c:ampeJo planar não tem controlf'
n1\•el pode escolher Aqueronte como seu nO\'O pl2no precLJe- sobre o desuno exato em qualquer pbno par.i o qual abtt um
to. rt."Cebendo +1 de bônus conrra os n:arivos deste pl2no, e seu porr:il. O portal surge como um buraco irrcgul::1r no tspaço
bônus contr3 os nativos dos Nove Jnfernos au1nen1;1rla J'<lr3 :;djaGc:nte ao campeão planar e continua ativo du~nre ld4...1
t 2. O can1peão pl::inar não pode escolber seu pl:ino nativo 1od:ldns antes de se fechàr.
conto plano predile10. Oesornurr A>rtal (SM}. Un1:t vez por dia, um auupcão pl::innr
Os bónus dest3 habilid2dc sfio cumulativos com a h2bili· de 8° níve.I ou superior rem a habilidade de selar uma po1·1a ou
dade inimigo predilero do ranger. Um ranger/campio planu portal dirncnsional comndo su3 conexão com seu destino.
com inimigo pttdilero (diabos) e plano pr<dil<ro (Nove Ele conqu1ri fué.lo se obtiver sucesso num tCSte de COnJU-
Infernos) :adiciona os bônus ao comb3t tt os di~bos nativos r.ador (CD S + nível do conJurador da pona ou ponoli A
dos Noves Infernos. m:1g1a pon:al é destruida: como st fosst d1.$S1pada, enqu:1n1oos
Ver o Jnvisívtl (S~i): Ao 21l ngir o 2° nível, um campe3o pla.- port3i.S n:iturnis ~o neurralb;;ulos durante 1d6 dias.
n:ir le1n a b;abilidade de ver o invisível st1n limite di5rio, RedufilO de Dano (Sob): 1\ 0 oríngir o 9° nível, um
(OlnO a 1nagia GOnjuradil por llll'l Íeiricciro de s~ nívc:I. Esta campe!o plannr ;1dquire Reduç:io de O;ino 20/+l. Is10 signiíl·

TABELA 3-4: 0 CAMPE.ÃO PLANAR


B6nus
Base de
N.... ~ R<f V.. Etf><ÓOl
1• +1 '°"
+2 +2 +() Pbno p«díleto
2" +2 +l •l +() Ver o invisível
3• +3 +l •l +1 Al.ique etéreo
••s• •• ••

•• +1 Sobrevivência planar

6•
+S
+6
+
•S "'.s +1
+2
Plano predlleto
PoUtio e:úeo
Jo +7 +S +S +2 ~spr por1al

r .a +6 •6 +2 Desarrl"!at portal
R~dedano20/•1
9" +9 +6
·~
+7
•l
Pl.ioo pt«1;1o<o
10' .10 •7 •l
ca que o personagem ignora (regenerando in.s1:an1:tne:amen1é) Observar (Sab), Obrtr Iníormaçio (Car), 06cios (ln1),
os primeiros 20 pontos de dano de qualquer 111que, t '11.r.nos Procurar (1111), Profiss>o (Sab). Stnrir Moiivação ( Sob), Uso'
qut stJa i..nllig.idoporum.aarmacom bônus de melhori1+1 ou lnsmuncnro Mágico (Car). Consulre o Ypnulo 4 : Pericias.
wp<nor, magias ou por uma form• de •n•'l'• <foeo, fno. no Uvro do Jogador, ~ra ob1er as descnções das pericias.
c1c.~ Es•• h•bilidodc nio se acumub com ourr.u h•b.~dadcs l\Jntosdt Ptricia• cado niwl;'4 + mod1ftcadorde Inteligência.
dt R.duç>o dt O.no.
Cd1 ac(eristicas dt Clt ,.,
EMISSÁRIO DIVINO Usar Armas e Armaduras: Ô5 eml.ss~rios divinos SJbem
A Poderosa ~tão Direita de Deus.. A Voz d:a Oeus.1. O Strviç:al usar rodas as arm3S simples e todos os upo.s de :.rmaduras.
dos Podetes Divinos. O emissário divino é u1n o~r.i t i Vo ~!pc.. Além disso. um e miss:irio divino aprende a usar a arma
cialn,cntc selecionado por sua divindade e age :i seu fu\'Or. Os preferida de su3: divindtide, se ainda não souber.
c:rnissjrios divinos não s.âo coibidos pot <log.1n:t! ou hien1r· Concessão de Don1ín io: Um crni>sál'io d ivino adquire
qulat a nifo ser s11a subordinação a seus superiores i1nedlatos{e acesso a um domínio ndicion:il e ao poder concedido perri·
à divlnd ... dc). ne1ne, escolhido enrre os do1nínios de sua divindade. Os
()$ clérigos e pal:tdino$ torn::un se excclcn1es emlisários e1niss:irios dh•iuos que j:i fo ra1n clérigos essencialmente
divinos, rnas a classe de presdgjo não é li1ni1;ida a c!es.. As adquire.ln um 1e1-cciro doml1\ io e podcru preparar suas 1nagias
divindades necessi1a1n de várias habilidades e pon10l de de domínio de e:ada nível us.ando 1 lis1a de magias do novo
vista. Um emissário divino ger;almen1e é enviado 11ra\'é$ domínio.
dos planos p<>r sua d1";ndade pan resolver assunros cr J • Kão impom sua antiga ebise, os emissários divinos
eia!.$ ou delicados. Nestas ocasjôes, g.cralmcn1c e pcrmi· ob1ém o poder conc<dido pelo
udo que leve também seus oompanbeuos. domínio que e:scolhercrn. Nos (3:S()S
Um emissário divino de b:Jixo nível geril· em que a habilidade conced1d.a
menu~ enconcra-se em seu plano nat;d ou no depende de ní\.>eis de cle.rigo ou per·
pbno de sua divindade. Confocme :1~nçam tm mi1e expulsar ou de5rruir, utilize a
n1vel. lornam·se mais comuns cm ourros soma dos nlveis de clérigo e e~rio
pL1nos1 onde executam missões por ordem de divino do pe:rson:agcm p.11'2 dtrerminar o
sua divindade. efeiro da habilidadt.
D:odos de Vi.d a: ds. Contato (Sob): Unl emi.s$3rlo divino de 2° oive.J
ou superior pO<le ser conrot;1do n1entaln1enre por sua
Pré-Requisitos divindade ou seus e1niss.írjos, gel'ahne1ne para a
rransmiss5o de conhcc:lincntos espccificos ou
l'\1 r~ 1C to i;naT \lm e 1nÍS$ádo divi n0t O ordens. .Este con1:tto só tuncfonci unila1ctt1h11cnte,
pt.r'$0nagcrJ) deve preencher rocl0$ e o en1issário divino niio pode iniciar o con1:uo,
os seguintes cnu:rios: questionar :is ordens ou pedir explicações. A
.Bônus Base de Ataque: +4 narureza docon1a10 depende da div1ud<1dc: Sonhos,
Perlci:is: 7 graduações visões Í"Jn ras1n1góricas e iluminações sio algumas
cm Conhccirncnt·o possibilidodes. O conmo da divmdade r>ramen1e
( rdlglao~ interrompe as açõts normais do tmisdno divino.
Magias: Ser capaz de con· Conjuraçjo: Um tmissãrio dh1ino nunca aba&
JUrar magias divinas de 2° dom seu 1ttinamtn10 mJgtee, desen,·olvcnc:Jo..o
nível junrocom as habi)jdadesde sw d1v1n<bdc. Pon3nto,
Espcci:al: O em®rio quando o penonagcm at1ngc o 2°, 4°, &0
divino deve cer feito con- e So nivtiSt ele adquire m;;us magias
tato pacifico com sua divin- 1~~~:..~ di:irias (t magias conhecid:as.
dade ou com seus agenrc.s 1 qt1ando aplicávtl), como se
Jircros (às ve-.res out(()S estivesse ;ivançando um
emi.ssdrios divinos agin· nível na sua classe de con·
do e nl nome da dei· jurador :antet•ior. Entre·
dadc). Aléru disso, um 1:1nto, ele não recebe qual·
e1ni.ssário divino e1n potenciai deve ter complc1ado unla 1:ire- quer oucro beneficio d .-qucla cl.-is~e (Ex.pulsar/Fascinar mor·
fu t:spcciGcá designada por sua divind:ide ~r.i 1ornaf"Sf cfeti· 1os·vivos1 talentos met:unágicos ou dt crl!1ç~o de irens) e tc.).
v;1me1uc um t missário. U1na vez que a carefu sej:i cu1np·lda, o Essencialmen1e, isso significa que o nivel de emissário divino
personagem pode 1ornar-se um eJnissário divino a qualquer t somado ao nivel de oun·:a cl:isse c.;ipat de conjurar nu1gias do
momento. personagem e, depoi$ di$SO, sua quan1id:tde de magias diárias,
Após um personagem embarcar ntsra rr1lha (como tm1.$> suas magias conhecidas e seu nive:I de conjurador são deter·
sano divtno de t 0 nivcl), um emissãrio divino não pode colo- minados.
car-se a sc.rvi~o de outr.J divind.adt. St: um pezsonagt.m pos:suia mais de uma claSR de cooju-
r:ador ante$ de k 1ornar um tn1i$dno d1v1no. ele deve esc;o.-
Pericia~ de Classe lher qu:tl cl3SSC ~r.í afe1ada pan dt1emunar suas magias poc
As períc:ias de classe de um emissário divino (e a h.t.bJidad.e dia quando adquirir um novo nivtl ru classe d~ presríg.io.
chave para cada perícia) são: Conccntnçlo 1Con), Au.ra Ameaçador:-a (Ext): No 3° nível, um emissário divi-
Conbodmonro ( relig ião) {lnt), Cun ( S>b), Oi pio moei• (Cor), no adquire a babilidadt de genr um:a aura invisivel e
Oisían:es (Cor), Idcnrifkar Magia (lnr), lnrimidaçõo (Car), intangível de ame;lÇ3 que enfraquece criaturas hostis num
raio de 6 m. Qualquer oponente que atacar o emtssário divino um c1Crlgo de nh·cl equ.lvalen1c 20 IU\'CI de personagem do
deve obter SUCéSSO cm um resrc de rt'su1Cncia de \'on[ade em1ssãno.
(CD nlvel do personagem do cm1.ssârlo dlv1no). St' frac:1ssar, Audilnc1i11 (S~i)'; Um emissário divino de 8° ni\.'Cl ou supe-
soírer.i - 2 de penaüd2de de moml "" iog;idas de ar:>que, rior pode rtqui.sirar um3 :tudiênci:t corn sua divindade at~
1cstcs e tt.Jtes de resisrênci.a dur:ante um dia inteiro ou até d.1;is ve1.es por ano, o que funciona como a magtt comu11#1âo
conseguirem inlligi.r dano ao c1niss:.írio divino que g.erou a con\ o dobro da duração e permitindo um nllme:ro de per·
tturn. Urna c,riarura que ob1eve sucesso no teste de resistência g.anra:. c<1uivaltnte ao dobro do nivel de personagem do emi.s-
inicial ou que infligiu dano ao e1niss:lrio divino flcat:i imune sario.
à ólttra daquele etnissário durante 24 hon1s. Mudança d.cTcndénci.a: Se um etnlss:irlo divino não pos·
Presente Divino: No 3ci, 6° e ?O níveis., a divindade COJ)· stti :t 1ncsma tendência que su;:i <livindnde, sua cendência
cede um presente ao emissário divino. O pteSente de t '3da altera-se p:.ara a tendência do deus assim que o personagem
divind1d• varit, mas gerahnente é • hobilidade de utilíur a1iogc o 8° nível
uma magla de um dos domínios do cn\issario como habili-- Un ião ~iística: No 9° nível um emiss.ario divino coma-se
d2dc simtbr a magia. A divindade ofertee uma magia do ni\.'e.I wna cnarura 1nãgica. Ela: pusa a ser consider:tdo um cxta·
do penonagem ou inferior. Etn ourris pal.ivru, um cmiss:írio pbn2r do mesmo plano que a divindade, e não mais um
di\-ino de Jº nível transformari:a um:1 de suas magias de humonóide. fie deixa de ser ofer.ido por t"{r1hrar p<S50% por
dominio de lº, 2º ou "3º nlvel nun1:1 hab11id:1de simi.lat 1 e<Cnlplo. Aléro disso, o emissário divino adq\1ite Redução de
m:agi:i. O emissário divino pode usar esr:a h;ibilidade uma \'eZ Oano 20/tl. Essa Redução de l):ino n:lo se acumula com
por dia. A habilidade similar funcion:;i con10 a magi'1 conjura• oucr:.-.s forn1:asde RO.
da por urri cJérigo de nivel equi~lcn te ao n(vel de perso- Apesar de sua condição de ex1 ra ~pl:lnar, urn e1u issârio d ivi·
nagcrn do c1nissário. no aind3 pode ser revivido ou ressuscitado.
,\pa.rêocia Alterada (F..xt): No 4º nível, um cmiss..írio di\1i· Portal (5~1.): Um emissário divino de 100 n1veJ pode ativar
no começa a exibir modificações f'ísicas proeminenres de e:na habilidade sitnilat à magia. (idenuc:. l magia ho1nõnima1
acordo com os desejos da divindod•. Poro d•idades de rcndên- emboni so1nente alcance o plano 1u1al da sua divindade
cia boa, isso geralmente inclui a forma da pele, cabelos ou pnrono) um• vez por dia. Esr.a hobiltdodt srmilor â map fun-
olhos dourodos. Os emissários divinos de deuses malignos c.oru como a ma.gj3 çonjurada por um cléngo de nível equi~
podem desenvolver eh~ g;ilhadas ou uma cauda ponti.agu,. VJ!en1e ao niW:I de personagem do tmis~rio.
da. As deidades neutras podtm infundir um tom acobce.ido
ou prateado à pele, e as divindades da n:uureza podem C<lusar EMISSÁRIOS DIVINOS CAÍ DOS
uma palidez esverdeada e conceder ctibcl0$ semelhantês à
m;ideira. Os poderes eleznentais ~hcr:un n aparência de seus Nem 1odos os <1ue scg:uen1 u1n:i. dtvindade alcanç:un os obj~
e1nl.ss:1rlos dttn<lo a suas pclc:s 0111:1 h:A1u1.1 bcn1elh ..u·n e ao clc- 1ioo.. tlt• ~<'11
p.1tmno. É p0ssívcl ser exvulso (oo renunc;lar) :io
men10 envolvido. Todas es1:1s t1l1er.açõci. são permanentes, serviço de uma divindade. Os efeitos de cornar-se um emis-
e1nbon poss.am ser ocuh.adas por d1s-farccs ou n1agias. sário divino oiído silo os seguin1es:
CornMnhôo (S~f): Um e missjrio divino de 5º nível ou supe--
O personagem perde rodos ss hobilldodes de comrmhâo, por-
nor pode alivar esta habilidade similtr a magia {idêntica i tar e audKntut
magia de mesmo nc>me) uma vn por .st:mana. Ela funciona O antigo emissário divino cons.erva sws propriedades de
como a mapa conjuracb por um c.l~rigo de nível equiv~lcnte unLlo mistica. aparência alterada e qu~11.squcr presences
ao nível do personagem do emiss~rio. d1vin0$.
Viagtrn Planar ao Plano da Oivind:adc (SM}. Urn emissário Dependendo d-as cin:unsr:inci:ts do dcsligamen(O, o emis-
divino de Sº nível ou superior pode viajar ao plano nnrol de slirio divino pode ou não &er caç:~do por emjss:irios da
sua divindade uma vez por dia, e deste parn seu próprio plano divlndnde etn quesrão.
1\:Ual. .Estn habilidade similar a n\agia funcion:t como a 1nagia A clnsse entlssátio divi,n o ílcn indisponível ao personngcm.
conjur.lda por uu1 clérigo de nível C<tuivnlentc no nível de pC(• Ncohu1na ourra di vindade apoiará un1 ex·e1n issário divino.
son:t.ge1n do e1nissário. O emiss.5rio divino pode ser t'ee1npossndo pela divindade
Vioge-m PJonora Qualquer Plano (S1'i): Ao '1tingir o 7o nivel1 somen1e após completar alguino grande znissão determina·
um emiss2rio divino pode viaJar a qualquer plano de existên· dt pelo ~1csr re. Ceralmente, a divindade 1on1a todo o
eia, unndo a magi2 homônima uma ve7: por dia. Esta habili· pro«sso amda roais dificiL apen" P'" tesm a devoçiodo
d.tdc similar à magi.t funciona como a magia conjurada por emissário divino c;aído.

TABELA 3- 5: 0 E MI SSÁRIO DIVINO


86nus
Base de
NM:I A~que Fort Ref Von Espec:i-at Magias por Dia
1' +O +O ..o +2 Coocesslo de domlnio
..o + 1 nl'vcl de classe ~ntcrtot
..o
....
2' +1 +3 Contito
l'
..s• +2 +1
.1
+1
+1
+3 Aura amtaçadora, presente divino
Ai» rencia .~! crJdl .. 1 ntvcl de das~ anterioi

..
•l
,. +l +1
+2
+1
+2 +S
ComunhlJQ. v 1agt1n plana,. ao plano da divindade
Pr«<nie6'ino • 1 ntvd de- d.isw <1rrtMOJ

..,.
7o .s
+6
+6
+2
+l
+l
.2
,3
•)
+S
4
+6
Y.agmt ploMr 1 q11>1qut< pl•no
~.muda~ do "'1dlnoa
Unilo mls:ia,. ptfltftte dMno
+1 nfottl de das~ antMOJ

10' +7 +l ·l +7 Portal +l nlvd de classe interior


VIAJANTE PLANAR feiticeiro com seu nlvcl Jc ptrson:tgem) uma vez. por di:t.
No So nivel, o viaJ-antc pode utili:ur t)l:l habilidade sem
O vi:ljanre pl.:uur ê um eSludioso d:a magia espta;i.ha.lo em limire diãrio.
Vi.1;gem pl:1nar. atr.1.vês de pesquisas arcanas, tlc d~n\"Olw 1 Conjunção: Um vaa,ancc pbmr nunca ab=tn-dona st:u
hobilidade de sen1it portais planares e ..m~m • apaddadt 1reinamen10 r:n4g1~ d~nvol\'endo-o JUn10 com S\P$ h.ahili·
dt criar $CU próprio semiplano (perman«:t".r vh-o tempo sufl· d.ades planares. Porun10. quando o personagern ~nnge o 2°,
ciente para urili1.á·lo é uma outn: historia). 4º, 6º e S:t ruvcis. elt adqutrc mats maglas diárias (e m.agias
Os magos e feirice:iros. alicerçados cm Stu conhecimento conhecidas, quando :aplicável), co1no st esri\•cssc avinç:tr.do
arcanos, 1orn:1m ·se os melhores v1ajanrc.s pl:1n:1rts, e i- uru nive1 na sua cJas.çe de con1undor a111erior. Enrre1anto, ele
necess.irio cerro g111u de h3bilidade de conjuração arar111 J):lr.1 não recêbe qualquer ou1ro beneílc10 daquela classe
uni Me ~s sua~ filejns. Eles conslitueni organ'7...ições íltxivcis (Expulsar/fascinar morcos·vivos. 1alc1nos n1e1arn:igicos ou de
con1 rifulos como O .Livro Eterno ou Grupo de .Es-1udos <lc criaç5o de ite~ etc.). J:isscncl.ilm<:r'llc, isso sig;nific.-. que o
Entidades Pia alares. .Estas organh.áções asse1nelha1n · nível de viajante pl:Jnar é so1n:ido ao nivt"J dê outra
se 1nais n frnrernidades do que a guildas ou g1 u• classe capai de conjurar 1nagi1;1s do personagern
poS de poder, e aparecem (e dcsap..11·cccn'I) e, depois disso, sua qu'1n1id:.1de de magi3s
con1 gr:andc freqüência. dijt'Ías, su:is inagJ:is conhecidas e S<":u
04' vi:ij:1ntes pl3nares do ~1estte iúvel de conjur.idor s.io detennina,.
tar.:imcntc fic:1m por muito dos.
1tmpo no mesmo local. Estão Se un1 personagem possuia
St"mpre :ttr.4 de algum novo mttJ de um:i classe de conjurador
Ítnômtno ou J>3ÍS3gem pla- anccs de se torn2r um vhtjan1c
nar Às vnu, contnram pla112r, elt de~ eKolher qual
awnrutt'iros como guarda· cla$$C será aíetach p:1na detttm.i~
cosras, assisctntes ou pan mi5- nar suas mag.aas por db quando
SÕtS <SpCCtflea<. adquinr um nO\'O nível na e~
Dados de Vida: d4. de ptt:s11g10.
An•lisor Porl•l (SM); No 2°
Pr<' RPq11i<í1os uivei, um viajante planar adquire
Pum se 1ornar um viajanre pla- a h:ibilidndc de an11lisar porial
nar, o pc1·:;;onage1n deve con\o u1na habilidade símilar à
preencher codos os 1nagla. Ele: pode íazer isso
Ultl;t YCI. JN I Jh1 ôl \.;IJ<i llÍV-C}
seguin1cs crhêrios:
......-... de vitjanrc ph1n:ir. Esta
Talentos: Criar
h:ibilidade fu1)cion:J como
llem ~toravilhoso.
a m:igirt conjurad;> por um feiti~
Pericias: 10 graduações em ce1ro de nível equiV:llenre :io
Concen1-raç:1~ 4 gradu:tções cm m~ior nível de conjurador do
Conhec1mcn10 (planos). 10 gr.i· personagem.
du...ções tm ldenriftc:rr Magia.
Sobrevivência Planar (Ext):
E.sp«íal: Deve rer Vl$11ado um No l'° niwl e superiores_ um
Pbno Interior ou Exrerioc 2ntcs de viaJantt plaruir adquire sinronia
adquirir dr.t classe de prestígio. com a naturcu dos planos que
v1sila t 1onla·sc pessoalmente
p, 1c1rt~ de Casse imune aos StUS tfe1tos naturais.
AJ J)fricias de clas:se de um viajante pla- Qualquer efcilo que seria neutraliza..
nnr (e a habilidade-chave para c:ida pt:rí do pcl:i magia prcvtrur tfrttos planarts raro·
eia) siio: i\lquiluia (ln1), Atuação (Car), bém é negado pela habilidade sobrevivência planar.
Cavalg.;ir (Des), Concentr3çio {Con), O viajante planar 101·1Ha~sc itnune :ios fogos °)ior·
Conhccin1en10 {escolhidos sep:irndan1cn1e} mais· do Ph1no Ele1ncn1al do fogo, n1as as íorn1:is de ataques
(ln1), Oiplornnci.o (Ca.r), Espion<lr (l1H}, falar baseadas em fogo e 6reas exccpclonnl1nentt ch:imejantts
ldlonla5 (Nenhurna), Idenlificar Magias ainda o afet;im. Como cs1a bal>ilidndc cx1raordin:iria é o rtsul~
(1111), lnrimid:tr (C.ar), Natação (For), Obter t;><lo da sinroni:i com um plano c1n p:triicultr, o viajante pla..
Informação (Car}, Oficios On1}, Procurar (lni), nar pern\anece ,,.ulnctável ao mesmo tipo de d:lno em outros
Proflssào (Sab}, S•nso de Direção (Sob}. Consuhé o C•pi1ulo pbnos onde es~ forma de :n:aque n5o sej~ parte d.a ordem
• : Ptricias, no (Jvro det Jogad0t~ para obter as dcscr1çõts das natur>l O fogo de ounw pbnos, incluindo o Plano Maicrial,
pcrici.as. ainda o afet;ii nonnalmcrne.
AJonfOj d~ PrrilMI a tcuia niwl; 4 - modificador de lnceliJtncia. .Esiabilidadc Morfol6gica (EX1): No 4° nivd. um viajm••
planar adquire a habilidade de impor .sua vonlade nos
Cai dçte1 istic ..s de Classe arredores de forma luni1ad.a. Em pbnos com a cancterisrica
Usar Armas e Arm:1duras:: Os viapn1tt pl.anaM não mu1i,•cl (como o úmbo na cosmOIO$i• dt D&D) ou morfolo-
sabem uur qualquer ri_po de anna ou annadun adic1on.al. gia mágica (como o Plano das Sombras). o cem.no se estabiliza
Vragtm Plonor{SM): Um viajance planar 1e1n a habilidade em ton10 do viajante planarAEle afcra aucomacicamenre o Iet·
de us.:ir viagem planar (conlo :i magia COl'IJUn.da por um reno em um r:aio de 9 m por ntvcl de viajante. Esta área se
mO\'e junto com o personagem e ttntnliza-se nele. As escru- NJ complcur o t-rabalho, a scmenre se converte num
runs pennanent~ no plano não são afc11das e o 1crrtnoainda m,nu.sculo H:miplano esférico. com )()cm de n10. .Ele~
pode s.r modificado por arivid:tdes nomms. r.tptdamcntc, adquirindo 30 cm de raio por dia :tlé o máximo
Conceder Sobrevivência Planar (Sob): Um viajante pla- de 3 m x o maior nível de conjurador do viajante. Apõs
nar de Sº nivcl ou superior pode comp.Jnilhar sua babilid:ide akanç~r t.stc tan1anho, o semiplano contlnu.a CfeSCendo m3(5
de sobtcvlvênci.1. pLwar :itreves do 1oq\1C coLu wna quanci- lenr;imcntc, adquirindo 60 cm de r.lÍO por ano. C;iso seu cria-
d:1de de crian1ras equivalenle ao nível n:i cl:is1c de prestígio. dor f.1leça, o senlipJano deixa de crescer.
Un1í1 vci concedida, 11 habilidade permanece ativa durante 24- O sc1nlpl:ino do viajante planar rcn' as scgllin1cs c:ar.icterís·
horas. Caso seus companheiros vi~jcm p:1rn un1 plano dife- ric:is: 1e1npo normal, nlterável e 1113,gin norinal. No thotncnro
rente do plano atual do pctson:ige1n, a proteç.ão desaparece da cri;1çào1 o viaj3n1e planar pode detcl'1ni11:1r qualquer carac.-
in1cdi:ita1nen1c. ttrisrica de gravidade, elemento ou cendê11cia que deseje, e
Controlar Fluxo Plaoa_r (Sob): No 6º n1vel 1 un1 viajan1e pode escolher se o plano ê finito ou auto·conrido. .Embora o
planar adquitt uma compreensão insrinova de co1no as cria· plano nio ffja muc-ive.l o via1an1e 1en1 con1rolc to1al $0btt a
furas 1n1er:agcm com o plano onde cs:rlQ. e pode ex.piorar paisagem "ºmomen10 da criação. por1anro pode deodi.r se
pequenas mudanç.2S nas ~rreins cn1rc pl2nos. O nível de elt stri uma tem dcsen:a, montanhosa e amedrontadora, ou
conjurador do viajante planar é con.sJdcni:do quatr0 vttes um:i: floresta bucólica. O rerrcno dctcrmln:.do no momento
su~rior P"!ra conjur.ir as magi:i.s âncora tlnt1t11s•o11aJ e expulsão. d:i criação es1ende·.se conforme o semiplano cresc;e. Embora
Tclcp:otia (Sob): Um viajame plonar de 7o nível ou superi- não scj3 possível colocar c;umcs agudos nun1:t esfera de 30 cm,
or é cap;iz de se corouoicnr por 1elep.1ria co1n qualquer criatu· penh:1sco.s e picos aparecem conforme o sc1Hiplano cresce.
ra nu1n raio de 30 n1erros que possua tun idio1na. O scn1ipl;ino <1ue e-resc.c a p:11:tir do sc1nen1e é vaz.io. de
Traiear ÁrtCI rle111ar (SM}: No 90 nível, UDl viajante pl:tnar forma <1ue o viajan1e planar deve pl'ovidencinr :as <:ons1ruções
adquire :1 habilidade de mover scçõt:s da paisage.1n de um nccess4rlas. Ele tem um único por1al 001no cnlr:tda, e o via·
plano &nt:I outro. Uma área esférica com r:aio de até 30 Jn por jan1c pode conll'Olar o acesso à J)"1.Ss:tge1n. Os semiplanos são
nível de viajante plan2r~centnliz.ada no personagem. pode ser ÍTtqucnte1ncntc lltilizados como ttÍúgios. labor.nórios de
desloc2da desra forma. Qu.ais.quer indivíduos nessa área pesquisa e pn.sôt's J)'lr:i d~cnnin.ada$ bcsras.
podem rnhur um teste de resistência de Vonr.de (CD 20)
~fl anular completamente o dcsloamento.
Assim como :a magia viagtm planar, é impossível ter contn> MAGIA NOS PLANOS
le completo do local de desri.oo.
Quando o írngmenco é cransporrado p:im o plano de desti~ Umn grande variedade de magi:a) :ifct'a ou u1ili1..a diversos
no, as cacac1c.ósticas do novo plano pcrLu:tneceln atiyas pl.tnos além do Plano Marerial. A seguir, há u1n rcsu1no das
Jn~g.lnr çon' itt.pecroG plana r~c. Se voe~ dc~e;~ 1nodific:tr ou
durante td• rodadas. Por exemplo, u1n:l. p3rte do l>lano
Elemen111) do Fogo trazida ao Plano }\1a1erial queimará. breve- cliininnr de1er1ninados planos, você c:11nbé1n eleve rnodificar
mente (!d4 rodadas) e entoo se dissiparó. ou ttn1ovcr essas 1nagias do jogo.
Por str uma croc:a1 uma área igual do plano de deslino surge As m:i.gias com um asterisco (Ct) $SO novas magias de.scricas
no plano de origem. O plano de origem aplica suas car:acterir ncs1c capitulo.
ricas à"°"" área em td4 rodadas. As magias mareadas com (E) sio m•gíos que utilizam
M ártas troc:adas \"Olbm 30S seus planos origim:is em uma e:frilos de ene.rgja, ponanto afe11m o Plano ftéceo alêm do
qu:1ntid:tde de dias equivalente 3 10 + ntvcl do viaj:tnre planar. Pfano ~i.ueri:al Se você nio d~eja uriliz:er o Plano ..Eu~reo em
su=- campgnha, elas ainda são úteis.
Seo1e.a11e do Semiplano: A semente cio scmipl01no é um
pequeno bolsão dimensio11al que cresce quando o viajante Você pode utilizar m.:igias que criam elementos sem os
plannr alc:anç.a o 100 nível Esse bolsão gemlrncn1(: é utilizado planos clcn1cnrnis pertinentes na sim cosn,ologi:1. Da mesma
corno base de oper:ações. Um viajante plrular s6 pode p0ssuir fo;1nn, pode1u exis1ir magi3s que 111ili1.;1Jn energia positiva ou
um St!:Jniplano de cada vez, e não pode cons1ruir u1n novo a nega1iva scrn :t exis1énc.ia de planos de energia, e magias que
menos que codos os poi:tais pano anrigo sejam destruídos. O nít1t1n\ 1cndências se.ID os planos CSJ>Ccificos pal'a estas
viajance planar deve possuir uma jóia perfeita com valor de 1endências.
pelo menos 1.000 l'O e trabalhar no semiplano Jurante 100
di.aJ consecutivos, 8 horas por di•~

TABELA 3- 6: 0 VIAJANTE PLANAR


Bbnus
s..ede
Nlvcl Ataque Fort Reí Von E1podal Conju raç~o
1• +O +2 +O +O Vingt,,, planar 1/dia
+1 nrvel de classt antcrit>r

....
2" +1 +J +O +O Molij(Jr portal
3• +1 +l +1 +1 SobrtViv~ncla planar

•• +2 +1 +1 tstabilodadc moóológiu +l nl\<cl de das.se anteriOf


s• +2 +1 +1 Conceder sobreviv~ncia pia n.ar
+2 Controlar ffuxo planar l nfvre4 de das.se anteriot

....
6' •l +S •2 t

7o +) +5 +2 +2 T~
r +6 •2 +2 V"'J<m ,._, iômitada • 1 nfvd ~ classe ~ntcnor
9' +6 •l +l T""°'k..Plo"°'
10' +S +1 +) +l Semente do semipL'lno -+ 1 nfvtl ck classe .anteriot
MAGIAS 00 PLANO ASTRAL MAGIAS DO PLANO ELEMENTAL
Áncom d1,nc11sionnl Corpo efeme11tal•
Cirrnlo de lrlrlmnsporlc Grupo de: clerncntai.s
DtwanccuncoJo '"""''" Crialums (1- CX)
Magias de 1nVOf~r cnahous ( 1 tX) Pmlcm1r efcittH pfanares•
J.frnsagen1 1ntmplan41,t> Stgum"f"•
lbrte1 d1mtns1onal
Pn>jq"iio Ollml
MAGIAS QUE AFETAM
Tclmunsportt CRIATURAS EXTRA-PLANARES
AlaoJo exlni· planar
lntfmnsportt <xalo
AlaoJo exlni·planar apnmomdo
Zona dt triguo•
Ala.a,, ex!m·planar mtnor
MAGIAS 00 PLANO ETÉREO Âncom planar
Âfl(<mt dttHtHJIOltof ÂJuom planar aprilnomda
Arra Sttrtta dt Ltomund Âncmu planar mrnor
Arntn tspmlual (E) Aprisionar a altna
Annadum arra11a (E) .Banin1mto
C'in1am• Blasfê1nia
CMOO dt ' "''&"' (E) Círculo 1nágico contra o caos/o rnal/o &etn/ a ordtrn
~SVOllU'llll~HfO Oaiado
º'"'ºfi111tm11lr d< Tcnstr (~) ExpulsãoMagias de mvocar <rialttml (1- IX)
Eu:11do arr11110 (E) l'!llavm do caos
Esf<r• rtsiltenle de Oitlukc (E) Palavm sagrada
E>fcm 1elcc111ilic• 1lt Oitlnkc (E) J!roibifiiO
~spmlit 1lc Morde11k11i11"' (E) Proleção tonfrn o caos/o rnnl/o btn1/ a ordt111
ror11u1 rlh•w1
.Labiru1lo (E) MAGIAS DE CONEXÕES PLANARES
>.ofan1ftstar rni 1nnut1• ComuttJ1iio
Mmuftslar" Contalo extmplanar
Mis.:is mrigt<os (ll) Portal
Mumllaa de ruergia (E) lurbilhão do n:alídaJe•
R1s.st10 tlfrro Viagnn planar
ll'J'""º refúgio de V.mu11d (E)
Pi~ar
MAGIAS OE
Purxar ntvu1b1hdadt ESPAÇO EXTRADIME NSlONAL
Ramas explaswos (E) I.abirin!o
S.lo Jo ltl'ptnlt sipa• (E}
Manoio magnifico dt Monltnlrmnm
Ver o 1t1vasít..d Truque da conla
Víoio da wnlodt
Zo>1a da rrvtlO(ào•
NOVAS MAGIAS
Zona k lrfg114• A ~uir, encontram-se algumas magias ú1eis aos vl:ajanlt'J
pl.an=are:s.. As magias :rpttsentadas a seguir obedecem :a todas
MAGIAS 00 PLANO DAS SOM SRAS regns apr<S<Dud.. noCapirulo 10: Mágica e no Capilulo 11·
Ártcom J1n1ttu1onal M<gias do Livn> da Jopior.
Andar nas Somlmu
Alarme Aprimorado
Con1umriio de Scnnbms
Abjuração
Con1umf.lo de Sornbms Apr1n1omdcu
Nível: Brd 3, Fer/ Mag ~
..EtJWafílO dr Sornbrns Componentes: V, G, F
[tlO(afdO d~ Sontbms Aprunorr.ufas Tempo de Execução: 1 ação
Jnvoear Cr1t1fums (l- IX) Alcance: Curro (7,S m + 1,S 1n/2 níveis)
Sombms Área: .Em:t,nação com 7,5 m de raio cenrraliz:ida. cm utn
Zona de lrfgua• ponto do espaço
Dur:açâo: 8 hor.>$/ nívd (D) Du.r:açio: 8 hons/ nivel (D)
Teste de Resistência: ~enhum Teste de Resistência: Nenhum
Rc.sisrê:ncia à Magia: Niio RcsistC.ncia à Magia: Não
Idêntico à magia alarme, mas r:imbém funciona conrra
cri:ituras viajando pela mesma :ircl :ur:ivés de planos coe- Idêntico it 1·n :i:g,i:t afarmt do portal, com a.s seguintes adições:
xistentes ou de ]imites coincidcnres, co1no o Plano Astral~
o Plano Eté reo e o Plano das Sornbras. O conjurador pode designar que o ~larme disparado
Rn'o; Urn sino feiro de crist:•I esculpido, com valor de pelo nlornrt do portal aprimomdo seja me ntal, sonoro ou
pelo menos 100 PO. :unbos.
<1arme do Portal
• Se escolller u1n alarme 1nen12I, o conjurador recebe
unl:t imagem mental de rodas as criar uns que acraves~
Abjuraçiio saram o portal e em qual direçio. A imagem mental
Nível: Bnl 2, Fel/M•g 2 fornece informações como se o c:onjur.ador estive a 3 m
Componentes: V, C, M do port•I.
Tempo de Execução: t ação • o conjur;ador pode permitir que outra criarura receba o
:1l:trmt n1cntal cm seu lugar. .Ele deve tocar a crian1ra,
Alcance: Curro (7,5 m + ·1,s m/2 níveis)
que pode realizar um reste de resistência de Vontade
Alvo: Urn porra! inrerplanar p.1ra nnular o efeito, quando aplicável.
Du raçao: 2 horas/oível (D)
Teste de llc.sistência: Nenh111n F-Oco: U1na bolsa pequena de couro con1cndo três sinos
Resisrênc.ia à Magia: Não de cobre.
Alamtc do portal faz soar um abnnc men1al ou sonoro a
An~li<ar Portal
cada vei que uma criatura de 13m3nho ~inido ou maior
arravcss.a o panal m:i-gico selecionado. O conjurador Adivinhação
decide no momento da conjuroção se o o!annt do portal Nívd: Brd 3, fet/Mag 3
ser~ mental ou sonoro.
Componentes: V, C, M
Al<1r1Ht Mentnr: Um alarme menral nlern1 oc-onjurador(e ·rcrnpo d e .Execução: 1 n1inuto
ílpcnas o COJ\jurador) enquanto ele pern',aneccr num tc1io
AJcnnce: 18 111
de 1.s k1n da área protegida e no nlCs1no plano. O conju-
rador sente tun n>emor men(:tl s-uficien1e para acordá-lo Aren: Uul quarto de círculo e1nanundo do conjurador are
coso esteja dormindo, mas que n:io perturba a concen· o l hnite de alcance
rroçfo (logo não interfere com a conjuração de magias). Ouraç.io: Concentraçõo, llé l rodada/nível (D)
Um:i n1agia de s1lbtc10 não afe~ um alarme menral. ·rescc de RcsiStência: Consuhe o rcxco
Alnm1t Somm>: l)m alannt do portal $0nOro produz o $0m Resis1ê11cia à Magia: Não
dt um sino de mão, uma campainha ou qualquer outro O conJundor pode dercrmin2r se um.a área contém um
som simil:ir e reperirivo que poss:i ser ouvido cl~r.amentt roml mágico. St tstu<br a irea duranre l rodada, saberá
num raio de lS m. O som atrovess• portas fecliadas e e 1am3nho e a localiz3ção de qu:ilqucr portal cxistenre.
esrendc·sc a ourros planos. Ele pode ser ouvido fraca- Ao descobrir um porra!, ê possível estudá-lo. Se desco-
nlentc nun~ r.iio de 54 me permanece durante 1 rodada. As brir snais de un1 port~l 1 sornenre podcr.í estudar um de
criaturas no inrerior da área da 1nngi:a s1lên(io não podern c:adn vez.
ouvi~lo, e se o próprio porral esdvcr na área afetada pela
A co<lo rodada em que esn1dar un\ portal, o conjurador
nl(n<to, o :ihu:111c não soará.
rode descobrir urna de suas propriedades, nesta ordem:
As criaturas etéreas e asrrais :acion:i1n o nfarn1c do portar
se arnvessarem o portal
• Qu~lquer cllavc ou comando necessário para ativar o
O conjurador pode: dererminar um:a senha no momento
poml
em que a magia e conjunda, t essa senha pode ser
Q.u~isqucr circ.uns1inci3S especiais que governem a uti·
des<:oberra com • 1mgia anal11Gr portal. Qu;dquer um que
diga o senha anres de P3SSar nlo ariv.ani o alarme. lriaçoo do portal (como hor.írios especílkos em que de
pode ser arivodo).
Cotnpontnft ~fattr1af: Unl sino pequeno.
Se o portal é de mão única ou dupla.
Aln111w do Portal Aprimorado Q unisqucL' das propriedades co1nuns descritas na seção
Porioís M:ígicos do Capírulo 2.
Abjuração
l"inn1Jnen1e, uma breve visão da área par:1 onde oport.-iJ
Nível: 8rd 4, fet/Mag 4
condu1. O conjurador pode observar C>ta área durante
Cotnponentes: V. C. F 1 rodada; o alcance da visão do conjuroador é o alC2llce
Tempo de E.~ecução: t açio d:a magia. Analisar portal não pennile que outras magias
Aleincc : Cuno (7.S m + 1,s m/ 2 nÍ\'elS) ou h:abilidades similares de adsvinhaçio sejam uri 4

Alvo: Um portal interplanor lizodos através do portal Por exemplo, não é possfrd
conjur:ar dttectar n1agia ou dtfttlar o tncaf p:ira u1udar 3
área de dcs1ino do pon•I enqum10 observa a área com efeito sobre os planos qut nio sejam coe...~istentes com o
e1nalisar porlal. Plano Erérco e não aÍtt2 as criaturas oo Plano Ma1erial.
Cornpontnl< Malma~ Um pedaço de vidro lr.1D$hicido.
Para c:ad:i propriedade, o pcrson:agem deve realb:sr u1n
Cápsula de Sombras
rescc de conjurndor(ld20 +nível doconjurndor) cozn CD 17.
Se frac.assar, poder.i tentar nov:unente na próximo roc..1da. Ilusão (Sombra)
AnaJisnr p:trtal possui urno habilidade limirada para reve· Nível: Brd 3, Fe1/Mng 3
lar propried!'.ldcs incornuns, como segue: Componentes: V, C
Temp0 de Execu ção: 1 ação
Portais Aleaiórios: A niagi• só revela que o ponal é Alcance: Toque
3learório t se pode st':r :ativado imediatamtnre. Não rcve-- Alvo: Um círculo de 30 cm
b quando o ponal começa ou deixa de funcionar. Duração: J minuro/ nivtl
Portais \'ari3~is: A magia só ttvela que o poml e variá· Teste de Resistê ncia: Não
vel Se o conjundor e5cudar o destino do portal, a m:1gi:a
revela apenas o dcs1ino programado no momenro. Resistência à M•gio: Não
Porrais Exclusivos par.3 Criaturns: A magia revela esta O conjurador pode armazenar itens pequenos rempor:iri:1~
propriedade. Se o conjurndor estudar o destino do por- 1ncnte ou utiliz.1.-los pernuu1entemente no Plano das
tal, a I11agia rcve1:1 paro onde o portal envia as cria1uras. So1nbras. .Esta n1agia abre urn pequeno portai pam o Plano
Para u 1n portal que envi:i as criaturas a um local e seu das Sombras. E1e é invisível no Plano Ma1e1·i..1I e surge
equipamento a ou1~ a 1nag.ia não revela p3ra onC.e vni o como um pequeno disco no Plono d•s Sombras.
equipamento. O conjurador pode alcançar o Plano das Sombras
Ponais com Dcfoico: A magia 5Õ m'eh que o ponal «<• atraYés do portal criado pela cápsula de sombms, mat
com defci10. m>S n3o que lipo de efeiro o defeiro P"""Oea. somen1e obje1os pt-qutnos e inorgânicos podem am~s..
sã--lo completamente.
Componentts Mattnau.: Uma lente de crist;tl e urn espe- O conjurador pode recuperar os objeros pequenos
lbo pequeno. armazenados no poml enqu~nto a magia permanecer a1lva
ou conjurando ourn'J cápsula de son1bms posterionnente. A
Câmara cápsula d~ son1bms permanece esracionâria no ponto onde
foi criada. Os ite ns colocados na trlpsula p0<le1n ser rcrlra ..
E.vocação [l:nerg13l dos pelos narivos do Pl:lno das Sombras, e são lc.nta1ncnrc
Nível: Fer/Mag 3 deslocados pela car•c1erisilca morfológie> desse pl•no.
Componentes: V, C, }.1. ExiS1e uma ch•nce de 10% por dia de que os objeros colo-
TeropO de Execução: 1 ação cados no Plano das Sombras arravês de «Íl"""' d• som~nll
Alcance: Cuno (7,5 m • 1,5 m/2 níveis) desop:ueçam (quer sejam apanhados 011 .lD<l"idos). Depois
Alvo: Uma cria1un el~rca de dexdUs, os objeros e;1arão perdidos.
Ourapo: 1 rodad,.fnivel A m.agi.i não pode str conjurada no próprio Plttno das
So·mbr.as, somente em planos coexistentes.
Teste de Resisrêncla: Vontade anula
Resistência à Magin: Sinl Confund ir Portal
O conjurador pode criar un1a prisão transhicido de purl'I Trans1nutaç.ão
energia cristalina c1n tol'nO de urn alvo no Plano E1érco. O
Nlvcl: Fet/Mag 4
conjurador deve ser capaz de ver ou foca1izar de l lgu1na
forma a c.ri:1tura que deseja aíc1ar. Comp0nentes: V, G, M
O alvo Úetado pcl• câmara nôo pode se deslocar, seja no Tempo de Execução: 1 ação
Plano Etéreo ou em seus planos de limites coincidente~ Alcance: Cuno (7,S m + l ,S rn/ 2 níveis)
enquanto 2 magia JN!rmanecer ativa. mas não é aíe1ado de Alvo: Um ponol inrcrplanar
qualquer oun·a forma. O alvo não pode vi.3jar pan outro Ounpo: 1 rodada/nível
pl3.no enquanto estiver no interior <b oimara, o qut inclui
Tes1e de Resis1êneia: Nenhum (para o portal); Von1ade
retornar ao PLi.no l>.1nterlal.
anula (para usuários)
O alvo no inrer1or du prisão crista Una não pode :tljC:'ICOll
ser atacado fisicamenre e não é afecado pela inaioria das Resistência à Magia: Não
magias ou habilidades sobrenaiurais. Os aroqucs visuais e O conjurador pode rornur o destino de um portal intcrpln·
magias sônicas poden"I tumvr-.ssar as paredes dn prisão nar aleatório enquanro cs1a nlagia permanecer ;uiva.
cristalina, mas o alvo dcs1es ataques recebe +2 de bónus Qualque.rcriarura que atravessar o portal, e1n qualquer sen~
nos 1esres de resis1rncia. lido, seri enviada pira um dtstino alearório.1 em vez dodcs-..
O alvo da «lmam pode quebrar a prisão crisrilin• corn 1ino norma~ a menos que ob1toha sucesso num teste de
um 1esie de Força (CD 10 + nível do conjurador). Uma resistência de \'onrade. Todos os que Ú2cas's:arem no teste
magia de dts.rnltgna(ÂO dcs1ruirá a câtniana. irão para o r:nesmo des11no, no mesmo plano.
.Esu magia só afc12 o Plano E1éreo. ponan10 rio 1cm Cornpontntt A.fatt"nal: Um espelho trincado.
Corpo Elemental hanescimento Sombrio
Tr:1Mmu1•ç:io [consulte o 1ex10J llusio (Sombra)
Nível: Ftl/Mag 7 Nível: Fei/ M2g S
Componentes: V. G, M Componc n1es: V, C
Tempo de El<ccução: l ação Tempo de Execução: t ação
Alcance: Pessoal Alc"nce: Pessoal e roque
Alvo: Você Alvo: O conjurador e ;né 1 crian1m tocadn/uívcl
Ouroçõo: l rodada/ nível Dur~1ç.iio: l n1inuro/ nivel

O conjurador pode mnsforrnar seu corpo em um tipo par- Teste de Resísrência: Vonrade anula
1i.cula.rde subs1ànc.ia element:il. Ele e suas posses assumem Resistência à Magia: Sim
as cancrerísncas deste cltmenro, cn1bora com o mesmo O coniurador abre um ponal para o Plano das Sombras,
12manho e forma geral de sua aparêncb normal pe:rm1111\do que ele e as criaruris 1ocadr.s entrem nCSS3
O coniur.>dor adquirt as seguin1es habilidades ao usar ttgião. Ao con1r.irio da magia andar nas so,nbms, isso não
corpo tltt11ental: lhe confert a habilidade de abrir outro ponol semelhante
:iuto1nncicamente1 por isso a magia é gcr:almente u1il.izad3
.Sle recebe os benefícios dn nl=igi:t lu1rn101uzar forma em con\o un, esconderijo temporário ou un1~ fonna de acesso
reJaç5o ao ele1nenro aproprindo. Se o conjt11'ado1· esco- no Plano das Sombras.
lher um corpo de água, por exemplo. poderá respirar O por1al continua aberto c11quanto a Jnagia pennanecer
norn1:"1lmen1e em planos con1 predon1ínio da água. :niva e ou1ras criatttr3S pode1n a1r:1vcss~..Jo em qualquer
Ele se tOnla imune a venenos, sono, p3ralisi.i e '1 rordoa· Gire~o se obtiverem sucesso nu1n teste de resistência de
nlento, e não pode ser flanqueado ou 2fcrado por suces- Vontade. O portal é invisivcl no J>l:ano Macerial e surge
$0$ decisivos. .Ele adquire visão no escuro com alance como uma fenda branca no Plano das Sombr:is.
dc 18 m. Assim como andar nas son1bnu, o COnJurador deve estar
Seu tipo de criarura pennanece in~herndo, t por isso o numa :irca; b.asrwte escura 1>3r:a conjur:artwntse1mmfo 5õm~
conjurador não ê aferado por m2gias <1ue visam somente hro. A magb só pode ser conjurnd• cm um plano coexis·
clemcnt':lis. tente com o Plano das Son1bras e não pode ser c:onjufàd.:i
Alérn disso, o conjurador adquire :as seguintes habilidades no próprio Plano das Sombras.
ext rt1ordinárias, de acordo conl o 1ipo de torpo dr.ttte11tal Forol do Portal
cscoU1iclo:
Ar. Vôo co1n seu deslOC:lmenro nonnal (capacidade de ·rransmu1ação
manobra perfeita), maesrtia do ar (criaiuras aladas sofrem Nivd: Clr 1, Fer/ Mag t
- 1 de penalidade nas jogadas de mque e dano con1ra o Componet11es: V. e
conjurador). Tempo de Execução: 1 •ç:io
Ttrra: Maesrtia da tem1 (o conjur.idor recebe +t de Alcance: Cuno (7,5 m + 1,5 m/2 niveis)
bónus n.as jog:adas de ar:aque e dano quando ele e seu ini· Alvo: Um pon.J in1erplan2r
migo e.sriio em contato com o solo), empurrar (o conju· Duração: 1 hora/ nível
rndor pode iniciar a manobra E.ncontl"JO sem prov~r u1n 1'cs1c de Resistência: Nenhurn
ata<1uc de opoctunidade). +3 de bónus de ar1nadura natura)
naCA. Rcsi.s rêncin à Magia: Não
' Fogo: ltnunidnde a fogo, cornbusr.lo (os alvos atingidos em O conjurador pode ::ilreral' u1n portal rn:igico para que eJe
comlxue corporal e que o arac:ireJn con1 annas narurais tnvie u1n sinal 1nental a até seis crl:nuras, incluindo o
devc1n ob1crsucesso em um tes1e de resistência de Reflexos 1n'6prio conjurador. Estes indivíduos devem ser conheci·
ou pegaoio fogo; a CD do tesre de rt<islência equiv.tle il CD c'.os pelo conjurador, mas n2o precisam estar presentes
de um clcmenial do fogo do mesmo tamanho). 912n<lo 2 mag1"1: é conjur.1d2. Um:a veique o conjuradorari·
\':Jr farol do p?rtal, essas c:rfanrr:is scmprt saberão a direção
Água: Natação com deslocamento norm:a~ m.aesrria da
~:a d1.srjncir. deste portal
água (o conjur:idor recebe + 1 de bónus nas jogadas de
a1a<1ue e dano se ele e seu oponen1e estiverem na a água). St um:a criatura se deslocar p3ro ourro pl:ano (excero os
dilúvio (o conjurador pode utüi1,;1r su:a íonna elcroenml dois conec1ados pelo portal), :.1 magia se encerra para ela,
parn apagar chama.s mundanas e dissip:ir quolquer chama nuts con1inua inracra para os dcnl;'liS. O conjurador pode
rn5gic~ que 1ocar, como dissipar 111r1gu' COJl1 seu nlvel de
rer qualquerqm•ntidade de farô1sdo portal si11ro11izados sem
prejudicar OulfllS ações ou habilidades.
con)urndor).
A magia t.orpo efepnentaf leJn o descrilor do cleroenro que Fulminar Sombras
o conjurador escolher. Por1an10. se o conjundor escolher
um corpo de fogo. corpo ekmtntol será urna magia do fogo. Evocação
Componente Material: Um pouco do elemenco em Nível: Clr 4, Dnl 4
q11<stâ0; mas de u.-n plano difertn1e do local onde a magia Componentes: V, C, M
é conjur.1d2. Tempo dt Ext-cução: 1 aç3o
Alcance: Longo (120 m + 12 ln/ nível) O conjur.tdor pode obrigar um• criarura de um plono
Alvo: Oisper:são com 6 rn de niio C:OC)(istente ou de limires coincidentes, junramente co1n
seu equipa1nento, a surgir subitarnente e1n seu plano de
Duraçi'io: lnscancânea
c><lstência. Por exe1nplo, :r magia 1ntn11fcstar permite que o
Teste de Resistência: Fortitude anula conjurador obrigue u1n alvo do Plano Eréreo a surgir
Resistência à Magia: Sim repcntinamcnre no Plano MareriaJ e vice·\·ersa. Estl magia
Es12 magi3 é 1>3niculannen1e efetiva: contn criaturas nati- n>o concede a hab1~dade de derecrar as cnatum pr~nres
v:1~ do Pbno das Sombr:as ou que: ucili-zom sombr.as em nos pi.anos de limiles coincidentes.
rn:agios ou h:1bi.Jid:ides sintil:ares a magia. Ela limp:i :i área Enquanto a n1agia perrnanecer atlv:i, o alvo conserva
da n\ngia de quaisquer portais ou pon1os fracos enrl'C o rodas as suas hnbilidadcs, ex.ceio pelos que lhe perm ircm
Plano dos Sornbr:as e outros planos, e impede o acesso o ingressar em outros planos. Por cxc1nplo 1 un.,, fantasmA
magia) baseadas e1n sombras. .Ela surge como um r.iio de l l'22ido do Plano Eréreo conse~ri:1 sua narureza i.n cor·
luz pcrcorttndo a área afc1ada. pórea, mas um m2go utilizando pos1t10 tlim> poderi• ser
Os narivos do Pbno d•s Sombras na :irea de fulminar aracado normalmente. Quando a dunçào da m3gia 1enni·
sornbnu serão atordoados dur<lnte 3d6 minucos se fracas· nar, o alvo rctornil ao plano em que ts12va antes de ser
:1tingido peb nt:agla, mesmo se tiver se desloado ;1lê1n do
sarem nun1 resre de resis1ê1\cia de Forrhude. Os n~rivos
alcance de n1(1n1ftsfnr.
das so1nbras que r::in1bé1n sejan1 rnorros·vJvos ou vul·
neriveis :\luz sofrem 2d10 pontos de dono adicion3is se Manifestar em M,1>sa
fncass11rem em um segundo cesre de rtsistênoa de
Fonirude. As eri•ruras que f....,.ssarem em qualquer dos Tr.tnsmuração
rcStes de resisténc:i2 nao podem utiliiar magias e habili· Nível: Clr 6, Fer/ Mog 8
d2dcs sirnílares ou sobrcn:uurais p3ro abrir portuis pat3 o Componentes: V, C, M
Plano <los So1nbr:is durance 3d6 .rninuros. Tempo de E"ecuçilo: 1 ação
J:)dnunar sombn1s sela 10<los os J>Ol'lais e abc1w1·as para o Alcance: Curro (7.S m + 1,5 m/2 níveis)
Pl>no dos Sombra<, e qu•isquer ponros fr:icos são fonaleci· Área: Emanaç>o com 7,5 ln de raio centralizada ern um
dos. As criatur•s do ourro lado de um ponal nJo são afcradas. ponto do espaço
Componente Malmal: Um punhodo de tem de Durnção: 1 rodada/ nível
cemiterio, que deve ser compnmido e arremtssado. Tcsre de Resiscê n cia: Nenhum
l-1a1 •noni1:Jr Forn1a Resistênci a à Magia: Sin1
1bdas as criann·as e objetos livres em planos coexisrentcs
Tr:insmutação ou de limites coincidentes na área de rnattr/estar e:n1 tnassa
Nível; Clr 3, Drd 3, Fer/ Mag 4 ~o tr.ttidos ins13n1anc.amcnre ao pli.no do conjurador.
Component es: V, G. M/ FO Enquanto a m3gia ~rmanecer a1iva, os alvos conserv.tm
Tempo de.Execufiio: 1 açlo todas as suas h~bilidades, exceto pelas que lhes pcrmirem
Alcance: Toque ingressar em outros planos. Qo:ando :i duração de HHHll{es·
Área: U1na ou mais crinu1ras vivas tocadns lar eo1 nu1SS(t tcrznin:'lr, as criaiuras e objetos rctorna1n a seu
Duração: 2 horas/nível (consulre o rexto) lOCá_Ide origem1 mesmo se j â deixaran1 n :irea da n1agia.
Teste de Resistência: Nenhum Compon<nl< Maltnol: Um punhado de poeira de cobre,
Resistência à Magi:i: Não lançado ao ar.

Esta na:igja perm.icc que o conjurador sintonize a criatura Mensagem lnterplanar


aíerada no plano onde estiver no 0101nento, neutralliando Evoc.1ção [Dependenre de ldiomo]
os efeitos naturais, prejudiciais e negarivos dcsre plano. 1\ s
criorurns afe1;1d>s adquirem as prorcções indioidas na Nível: Clr 3
magia prevenir tftifos 1•Janarrs. Component es: V, C
Compone-nk ~4attnnl Arcano: Um pouco de rerra oa uma Tempo de .Execução: 1 aç3o
pedrn de seu plano n•r.t Alcance: Consuhe o texro
Alvo: Uma crian1r:a
Ma1üfP\t<lr Dura ~ão: 1 rodado (cohsulre o rexto)

Trnnsn1utação 't'c ste de Resistência: \'ontade anula (benéfico}


Nívd: Clr 4, Fet/ Mag 6 Resistência à Magia: Sim (bcnefico)
Component es: V, C Esta m,agia pcnnire que o conjurador envie urna mens,..
Tempo de .Execução: 1 ação gem limi<ada (25 polavras ou menos) pora seu alvo, qu<
pode estar em oucro plano no momento em que a mens:a
Alcan ce: Curro (7,S n1 +1,s1n/2 níveis) gem é recebida. Essa magia geralinen1e é utilizada toino
Alvo: Uuu1 c.riarura prccal1ç.ilo de segurança para alertar u1n tuuigo de que o
Duração: 1 rodada/nivcl conjurador caiu ntuna armadilha ou plano do qual não
Teste de Resistência: \'on1ade anula consegue escopor sem ajuda. Tomlx!m pode ser uriliudo
pora outras finalidades, como sí nalizar que tudo csiá bem e
~istênciot à ~iagi:a: Sim
que os dem•is podem se juncar ao oonjurador em sua Mcv1m nto do Xom
viagtm planar.
Aheroçio
Coniuror a magia exige um3 :iç;Jo parcial, durante a qual
Nível: fec/ Mag 5
o conjurador toca a cri3tur.a com quem dcsCJ:t comuniar-
se. Esra criatur.i deve ser01pai de compreender seu idioma Cornponcntcs: v; ~ f
(c:i:so conrr.írio, quando a nl:tgio for ativodat 3 criarur.t Tempo de .Execução: 1 ação
saberá que o conjurador e nviou a 1ncnsngc1n, 1nas não ter:i Alcance: Toque
idéia do que s ignifica). A qualque r 111omcnco poscerior, o Alvo: Criocura cocada
conjurador pode enviur tun:l 1nens3gcJl1 Lncerplanar curei Ouroção: 1 rodada/nível ou veja adiancc
p:ira es1:i eriatuna. Teste de Resisrência: Voncade anulo (benéfico)
A tntnsagtrtt n1fel'plcn1ar en1r.1 na menrc do alvo, quer ele Resistência à Magia: Sim (benéfico)
esrtJa acordado ou dormindo, e o ah~ cs1ar.i ciente de que
• mensagem foi enrregue. Se a mel\S3gem chegar qll3Ddo O alvo desr.i magia pode se desloc>r acm·és de matéria
o alvo esnver dormindo, pode tomar a forrna de um sonho sólida natura~ COIDO terra t pcdr:t,COMO ÍU WD X.Ofnt esca·

vivido do qual o alvo se lembra perfe11amencc ao acordu; vJndo através da terra, mas sem deix::ar um túnel ou sinal
Essa 1nagia não obriga ou força :1 cri:ttura visad3 a agir:. O de p2ssogem. O alvo não pode acrovessor pedr.1s, cijolos ou
alvo não pode <esponder pora revelar seus planos ou mct:tis trabaJh;idos. Se a m:agi:t '"over Jerm for conjurada
inrcnções. A mensage m olcança o alvo acravés do Plano cn\ uma rire.i contendo u1n3 c riatum sob efeito de movi·
t11c11to do xoru. e la será arrerness.acln n 9 rn e llcar.i :ltOrdozidn
Amol, por isso não pode akanç•r planos SCP"rados do
Plnno Astral (que não sejaJn cocxis[cnces ou de llmitcs durnn1e 1 rodada {um teste de rcsis1ê ncin de fortitude
coincidenrescom ele}. anulo o ;uordoamenro).
A criatura designada para receber a tt1tnsagen1 inttl}'ln· O :ilvo de rnovin1tnto do xorn é cap.iz de respirar normal-
ttar irradia uma leve aun mágica. A m:agia pode ser conju~ mente enquanto estive.renterr.td.o na tem ou rocha natural
nda cm uma criatura que não M"l tJa disposta a recebe-la~ e A duração da magia 1nw1n1tnto do xon1 seci t
ne~ caso um sucesso num rcs1e de resistência de rodada/níve~ no mínimo. Se o •Ivo rüo emergir em um
Voncade anula 3 magia. volume signillcarivo de espaço abeno (g,.nde o suflcienre
para conrê-lo confortavelmente) enqu:uno :a m;;igi:a pe,...
Montaria Etérea m;inecer ativa, ela continu:ini atuando acé que o alvo atinj3
un1n :irea adequada. Dessa fo nna, pcrsonngens q\1e se
Conjuração (Criação}
encontrarem nas profundezas do Plano .Elemcntal da Terl'n
Nfvcl: llrd 4, Per/Mag 4 pode1n chegar a u1n local seguro.
Coui1>o n entes: Vi C foro: Un\a escama da pele de u m xorn.
Tco1po de Execução: 1O minuros
AlCAnce: Om p,... v~1111 Efeitos Planares
.Eíei10: Uma monraria q03se-tt.al, 1nais uma montaria il.h,uraçõo
•didonal/2 níveis Nível; Clr 2, Drd 2, Fer/ Mag 3
Duroção: l hof2/nível Componentes: V
Teste de Resistência: Nenhum lcnt po de Execução: 1 ação
Rcsistêt'ICia à Magia: Não Alcance: 6 1n
No Flano Ecéreo, o conjurodor pode c riar uma ou mais Árcn: Urna criarura/ níve) em tuna <:xplos!io com mio de 6
1non1nrlns semi-reais, feiras do pro1ornatêria do plano. rn cenrrali1.ada no conjurador
Esras montarias só acciram o conjurador tos alvos desig.. Duração: 1 minuro/nível
nados con\o cavaleiros. As n•onrarias podem surgir como Teste de Resistência: ~cnhum
c.av;JIOs ou qualquer outra n\onDria comum, mas 1êm urna Resistência à Magia: Sim (benéfica}
naturtza cnev0-1da, quase rranshícida, e suas cores percor-
rem rodo o espectro ao longo do rempo. O coniurador adquire alívio ccmporino dos efcicos n•cu-
Ess;u moncori•s cem CA IS (-1 ramonho, +4 anmdur.o n ís de um de1enninado plano. Estes cfcuos induem rem-
narnl'lll, +S Oésrreza), e 10 ponros de vida+ 1 PV por nível pcrarunis extrem.as, faha de :ir, gases venenosos,
do conjurador. .El3S não lur:inl e não possuem araques. Se e1nan:açôes de energia posiriva ou negativa, ou outros
for reduzida a O PV, uma tnontantr (f~rea se dissolve na aspecros do próprio plano.
névoa imorcriaJ de onde ve io. Pr.tvt111r tft1los planares neurrnliz:i 3d 10 ponros de dano
U1n a 111011raria erérea tc1n dcsloc;11ncn10 de 72 m no iníligidos por quolquer plano com a carac1eriscíca pre-
Plnno .Eté reo e pode transportar o peso de seu cavaleiro dontínio do fogo. Pmtenir tfeitos planal'l!s pel'lnire que um
inals S kg por nível. O conjurador só pode conjurar esra personagem respire na água cm u1n pbno com pre-
magia no Plano Erereo e a monraria ccérca jamais abando dontinio da águ,a, e roma·o imune: a :asr&Xi.a cm um plano
eSte local c)m predomínio da tem. Um person•gem afeiado por,,,.-
Se o Mescre utiliza o Eréreo Profundo tm sua cosmolo- "'"" t{r11os planam não seri ccgodo pela energia de um
gi:11 o tempo necessário para aJançar um desrjno e reduzi- }Xano com gmnde pr~ominio positivo e dcix:a de g:tnh3r
do pela metade quando se utiliz:1 um:a montQria etérea. os PVs te:mpor.írios automaticamente qu~ndo eles igualam
seu wral regufar de pontos de vida, Os planos compre- Primeiran\enre, deret1nine quan1as criatut'as seriam e:<pul·
domínjo negativo não inflige1n dano ou concedc1n " fvcis s:as. ·iodas :i:s criacuras potencialmente :ifetadas deve1n
negativos aos person2g cns afetados por pm.ten1r tfeilos realizar o reste ~pecial p.ira tvirar o efeito.
planam. .Esta magi:a oferece prot:~âo conm o efe110 ceganre do
Além disso, prevenir t{tllos pJanarrs tambe.m neutraliZ3 Plano da Energia Posiriva, e as ctian1r:.1S protegidas não
olgu11s efeitos especificos de ce11os pio nos. No cosmologia ndqu ire1n po ntos de vida te1nporários cnquanro per·
de D&O, prevenir efeitos ple111arcs anula o efeito ensurc!cce- n1:111eceren\ no local.
dor de Pimdemó nio e o dano de frio da camada Cânia dos
Rajada de Éter
Nove Infernos, O coniurad or pode odicionar proteções
exrrns nas cosoooJogias que o Mesrre criar. Pot exe1npk>1 se Abjuração
o conjutad or tiver u1n 1>lano Ele1nental do Frio, JH'tvenir Nlvcl: Clr4
rfeitos plonom proregcró os alvos oonrn o dano de frio Compon entes: V. G, M
sofrido ptol:t) cri:iruras que eutnrtm no plano.
Tempo de E.~ccução: t aç:io
Os efeiros de ca.rncterísticas de gravidade , rendência e
Alcance: 7,S 1n + 1,5 m/2 níveis
magia não são neurrn1iz.1dos por preveuir tfeilos planares,
nem a c:iracterisric3 especial de aprísiona men10 possuída
Ál'c:a: E1nanação esféàca 00111 7,5 m + 1,5 1n/2 níveis cen·
1r:ali1.ada no conjurad or
por alguns planos (Elísio e Hades na cosmolog ia de D&O).
Duração: 1 roei.da/n ível
A m:.gta oão prorege contra cri31uns, nativas ou não.
nero proregc conm n1:Jgi:as, habüidad es especiais ou for.. Teste de Resistêncja: Nenhum
inações ex1re1nas ou anrt-11a1urais no plano. .A 1nogla per~ l\cs istênciu !i Magia: Niio
mite que o conjurad or $0breviva 110 Plano Ele1nc11ul da Ao conjurar esra magia1 personagem de1ona unl pequeno
Terra, mas não o pro-regerá se o conjuf2dorenrrar nurr_ bot.. ciclone de éter no Plano fté"°' cennralizado nclc. As cria-
s;io de magmo neste plano. rnrns do Plono Moterial não sio aferodas pela rajada
(incluindo o próprio conjur~do r, se estiver lá). Enrre1an10,
Prote1:ão Contra Energia Positive
rodos os que es1ivcrenl d en11·0 da área afe1ada uo Plano
Abjuraçà o E1éreo são atingidos pelo ciclone. O ciclone 1em a mes1na
Nível: Clr3 dunção da mag1.a e qualquer alvo que ingressar nesta área
Compon entes: V, C do Plano Astro! seró afetado por seus ventos de energia e
Tcru.po de I!'1:<CCufâo: 1 oçilo
1>0ssivelmen1e arrastados.
Se o conjurador conjurnr 3 rajada de éltrcnquanto es1 ivcr
Alcance: Toque
no Plano E«'"°' ele tam~m scró afetado pe!. magia. Os
Alvo: Criotura cocada monos-vivos nio são afe13<los, ne.m os objetos etéreos
Duração: l rod•da/ni vel muito grandes. Os objetos livres com peso de 25 kg ou
Teste de Rcsistén cia: Vo ntade auula (benéfico) rnenos são arrcrncssados pelo Plano Etéreo.
Resistên cia à ~{agia: Shn Cornponfntc ~íattria(: O dente de uma criarura que usa o
A cri••uro protegida por cs1a magia adquire protcçóo par- Plono Etéreo, como um do telepona dor ou um 53queador
cial conrra o~ efeilos da energia positiva, incluindo rege- c1ér'°' ou 3: garr:a de um3 3r:anha intcrpl:tnar.
neração e cu.rn 1tt~gica. C:la pode ser conjurada sobre 1hot.. Reviver Extra- Planares
tos-vivos par;i oferecer proteção adicional conrra a h.1bil;-
dade de expulsão dos clérigos. Conjuraç ão (Cura)
A magi:a proltfâo tontm ~ncrgia posdnm ur.ili:i:t a energia Nível: Clr 6
negativa p:ir:i conrrabal:tnÇ2r os efeitos d:a energiíl positiva. Compon entes: V. C, M, FD
A cada vez que a criatura protegida fo r atingida por um 1CJn1>0 de Execução: t ini.nuro
efeilo de energia posi1iva 1 eh deve realizar um tesre espe- Alcance: Toque
cial (td20 + nível do coniurad or conrra CD 11 + l)V do Alvo: Extn-pla nor falecido tocado
gerador do efeiro). Por exemplo, se um clérigo de 8° nível Duração : lnsranrânea
csr-ivcsse 1enrando expulsar um fun1nsn\a com proteçlb con-
Teste de JtesiscêJ, ci a: Nenhu1tt (consuhc o tex10)
tra cn•11:iíl pos1hva, • CO paro o resre serio 19.
Resistên cia ií Magia: Sim (benéfica )
Se a cri~uura proregid:a obtiver sucesso, as energias posi-
tiva e neg;niva cancelam -se mutu3men1e coro un1a esfera O conjurador tts-aun a vid:i de um ~x1r.a-planar mono,
ele escuridão irritante e uma rrovoada. A roagia ou efeito idCnlico à magi:i reviver os morfO$. fie pode restaurar a vida
não funciona e se a fonte do efeito de energia posi1iva cs1j- de qualquer criai um do ripo exrra·plannr que tenha a
ver tocando • criarut• protegida , ela sofre 2d6 ponlOS de mcsina quan1id:1de de Dados de \Tida que seus níveis de
dano. Se a cnotura protcgid.. fracassar no teste, o efetto de personag em ou menos. A cria1ura pode r~r perecido h3
entrgi<'I positiva a afctari normaJm entc. quolquer periodo de rempo.
de cerra. água, ou
Con1poncnles }tlfr1tc1iczis.; U1n pouco
Esta nlagia pode ser conjurada sobre 1nortos-vivos,cJc1i·
van1ente concedei-.do-lhes uma chance 1nelbor de evitar outro material na1uraJ não processad cio p1al"lo natal do
o
os efeitos da habilidad e de ei.-pulsâo de um clérigo Bom. ~1ra~p lanar.e um dia.mante corn valor mínimo de SOO PO.
Segurança r.l•tiva segurança neste plano. Por exemplo, no Plano
Element<tl da Água, o conjundor é enviado a um bolsão de
Abjuração :r, e no Pia.no Elemcnr.tl do Fogo. :a un\ Local ~is frio.
Nível: Clrl
Con1poncntes: v; G Selar Portal
Tempo de Execução: 1 açlo Abjuraçôo
Alcauce: Pessoal ou coque Nfvel: Fet/ Mag 6
J\lvo: O conjurador 0~1 criarurn 1ocadn Con,pone11tes: V, G, ~·1
l)u rnç.lío: 10 minutos/ nível Tempo de Execução: 1 ação
Teste de Resistência: Nenhum ou Vontade anula (bené- Alcance: Curto (7.S m + l,S m/2 níveis)
f'ica) Alvo: Um ponal interplanar ou criado pela 1nagia portal
Resistência à Magia: Não ou Shn (benéfica} Dnnçio: Pennaneote
O alvo dcs1a magia JX>dee.nconrnroam inho m:1is cuno e Tes·r c de Resistência: Nenhum
direro aré um local seguro, definido como um local onde o l esis ré11cia à Magia: Nio
individuo não sofra qualquer dano imcdi;uo do meio ambi~
ente e nenhum dano direro seja iminenre. EJ. não fornece O conjumdor pode selar permanenrementc tun portal incer-
ao receptor os meios de locomover-se nessa direção. plnnar. Ao ser conjurada sobre um porr:1l, esta Jnagia impede
A 1nagin segumnça i ndic~ a dis15ncin 1uais curta pa1:3 b-;ii.r
cualquer íorn1a de ativ:iç.io, en1bora possa ser neutralizada
por tlissipar nragin. A n1:igia "rro1ubr1r n5o funciona em um
de un\:1 nuve1n venenosa, ou e1n que dlreç.âo o alvo deve
po11al selado. mas um carrilhiio rln nbr11um dissipa a magia
eav3r pani. atingir a superticie se es1iver enterrada. Ela não
s:Jnr JKfl1al lançada por tun conjul":)dor de 1Sº nível ou infe-
funcJona contra a mag.ia labinnto, pois essa magia não
rior. Além disso, a habuidode de abrir portais da classe de
causa dano flsico. Também não proporciona conhecimen·
prestigio arrombador de portais pode forç...r a abenun de
10 ou prorcção contra as criarul'3$ que bibilcm cstcs loais
um pon<tl selado, m>S se falhar na primetra tentati,.., o
seguros.
arromb>dor de portais não podení renrar novamente.
N• cosmologia de D&O, ugr•mnr• tem os seguintes
U1nn vez que o portal scj;;:t :aberr~ ular portal não ser.i ari-
efeitos em planos específicos:
\':lda novamente e deve ser conjur:ada de novo.
Vfa110 J41s Sorn&ras: A rot'a m:iis curta para sair das terras
Cou1ponti11le Maferial: Un1a b:.lrr3 de praia no valor de
escuras.
!O PO.
rlfano .Efenu:nlal tlo Ar. O abrigo à prov:i de vento ni:ais
próximo ou a rora mais cuna paro sair de um banco de Turbilhão da Realidade
fumaça.
Plano EJcnrt ntal da Ttrm: O bolsão de :ar ou caverna 3ber· .Evocoçâo
ra rnais próxima. Nívd: Fet/Mag 7
l'ta110 Efnnenlal do fogo: A rora mais curta par.> sair de bol- Componentes: V, C, .h.i
sões de magma ou outros locais excepcionalmente Tempo de ExecufãO: 1 ação
quences. Alcance: Médio (30 m + 3 m/nív<I)
Plt1110 da E11erg1a Negativa: A ;ire:a de calm:uia com a car.ic- Área: Eman;ição com 1,5 m de r:aio, cen1ralii.:icb em um
reris1ic:1 de pequeno predo111inio negativo mais próxima. ponto <lo espaço, e explosão con1 3 1n mfo/ l'1ivel central·
Plano ,fn Energia ~sitiva: A tircn lhnh rofe com a ca,rac- iz:.lda no 1.nesn10 ponto
rcrís1 ica de pequeno predo1nínio poshivo a1ais próxima. Duração: t rodada/ nível
Lin1bo: A área tstável mais próxtrna. 1Cste de Resistência: Vontade anul:.1, Reílcxos anula
Ai,1<~r111ô1110: O abrigo conrra tempestade inais próximo. Jt.esistência à Magia: Sim
c.arcrn: A rora mais curn para sair d!! uma tempestade de O conjurador rasga um buraco remporano na própria reaü-
areia em ~i.inetis. dadc, que absorve qua.isqutr m:ucri2is livres e cri.aruras
Cttna: O l ert2fo plano m:.is próximo ou o abrigo contra '"VOS. enviando-<is pon um plano aleatório (consulte a
neve ácida mais próximo em Mungoth. caixa de rexto}- Tudo o que <nbso<vido pelo mrbi.lhâo da
Now b1/m1o;: O •brigo mais pró>dmo cont:ra bolas de •e•lidadc cami no mesmo plano.
fogo em Avcrnus, desli:z.1menro de terr.1 em M21ebólgi3 ou O turb1lhao da rr"lidade rern un1a área de efeito primária
frio e m C:inia. e ourrn secundária. A :irea primária é o próprio buraco:
Aqucrontt; O abrigo mais pl'óxin\O conu·a as ternpesmdes urna esfera com 11 5 m de r.tio por nivcl do conjurador.
de la1nlo:1s em Oc.í.n111s. ~ nrro dcsra área, todos os objcros livres com SO kg ou
llin planos criados pelo MesrTe, srg1m111;a pode fornecer n1enos s:io absorvidos pelo rurbilhão, as.si1n co1no 1odos os
ourros informações. indivíduos que fracassarem nurn 1e:s1e de resistência de
Esr-a n.\:agia é urilizada princi~lmentc em arnbienres Vonrade.
hostis, como os Planos lnterio'6, pam localizar o bolsão de A abenura rambém cria um rurbilhiio de vemo em
espoço habitável mais próximo. di~ ao centro do efeito. Todos os ob,etos livres com 25
Se a magia 111agni1 pla11ar for conjur.ida logo após stg11- kg ou menos e.rn 3 m de raio por nível do conjurador-são
mt1(C1, :1 111agert1 planar cnvi:tri o conjurador a um local de :.rrasr:ados p:ar;a o cenrro do efeiro pnm:irio do turbifJuio da
1Talidadt. Os individuosdenrro da área de efei10 secundáru convoc.adas fora da tono dt lrégua podc ni str enviadas ao
devem realizar um tesrc de rcsis1ênclo de Reflexos. Se fr:i- seu inre.rior.
cassarem, serão sugados p3rn :i área cen1tal e devem As magi:ls portal e shnil.1res não podem ser conjuradas
realizar utn teste de resistência d e Von1adc para não serem 11n w tia de trégua, rn:as os portais exisrenrcs n5o $30 afcrados.
tragados pelo rurbill>ão. /\s cri31uras nos plnnos cocxis renres ou de lin\i1cs coinci·
Os indivíduos que obtivercnl sucesso em qualquer dos dentes deve1l'I recuar parn os limites da :ona tlr trégua e não
testes de resistência podem se deslocar e :1tacar normal· podem eut('3r na área correspondente no J>lano coexis-
mente, m~s precisam realizar testes: de rcsisténci.-: 2di.. tente ou de limires coincidentes.
ciooais a cacb rodada cm que pcrmaneccrcm dentr.> das Componntf~ A4attnnl: Um.1 pequena quan1id:1de de
áreas de efeiro primária e secundária. sangue de um gorgon.
Um 1urbilhõo da .rc•lidade é um porrol de mão únka,
por isso nada jamais e.merge da abectum criada pela mng ia.
Co1npoucute J\'1atcrial: Unla roda <lourada com pelo
menos 2,S c1n de diâmetro.
Cestinos Planares Aleatórios
Zona da Revelação Magias como mjeltlo ptiJm6tia1 e turbilhho do rtofülotk. e itens
Adivinhação como um omw.kro do1 plonos ou um Ulpdo do podtr podem
enviar um indivfduo a um pJano aleatório. A l1s1a c:k planos
Nível: Clr 3, fe1/ Mag 4 disponíveis varia de acordo com a cosmologia que o Mestre
Componentes: V. C, FD/M escolher. A seguir, apresentamos um exemplo de acordo com
Tempo d e J!xecufão: 1 ação a cosmologit1 de D&O.
Alcance: Curto (7,S m + 1,5 m/2 níveis) Os planos Transitórios, como o Plarlo Etérto, o Plano
Astral e o Plano das Sornbras. não devem ser considerados
Áxea: Enlon:açâo com 1,5 m de 1"3io/ nívcl como destinos alci1t6r1os.
Duração: 1 minmo/ nívd
Teste de Rcsistênru.: Nenhum TABELA 3- 7: DESTINO$ PLANARES ALEATÓRIOS
lei% Plano
Resisrênda à Magia: Sim
01-0.S Domínios Heróicos de Ysgard
Todas as criaturas e objetos na área do zona da rtvtlar<o mr- 06-10 C;aos Eternamente Mutável do limbo
nan1-sc visívcis.. lsso inclui as cri11rurns invisíveis e~ que 11-1 5 Profundeza$ Ec:oantes de Pt1ndemõnio
se e ncontranl e rn pia.nos COC-XIStCl'ltCs, çoino o 1>la11u 16- 20 Cl:lmadill't 111fl11ha:) do Abi s11\-0
Etéreo e o Plano das Sombras. Os notivos destes planos não 21-25 Profundezas T~rtaras de Carceri
perdem suas habilidades, mas silnpltsmente tom1m-se 26-30 °'<Sertos Cinzentos de Hades
31- 35 E1ernidade Gélida da Gttna
visíveis.
l~ Now lnfffnos de llaalor
A iona do rrvdafiio ncurra:liza1 mas não dissipa, 1nU1s1bth· 41-45 Campo de 8a1alha lnft.rnal do Aqueronte
dadeJforma ttirta e outras magias. Assim que um objeto ou 46-50 Nirvana Ttcnofógico de Mecanus
criatura que estava invisível deixar a ~rta afer3da, ela se 51- SS Reinos Paclílcos da Arcádia
lOt'na invisível novamenre. 56-60 Sete Paraísos Escalonados de Cel~stia
Co1npcn1tnlt Material Arcano: Um pun.hado de poeira d:is 61-65 Paraísos C~mcos de Bitopia
roupas de u1n morro-vivo. 66-70 Abençoados C;impos do Ellsio
71-75 F1orest.t das Terras Setvagens
Zona de Tregua 76-$0 Oareiras OIJmf>'caS de Arbó<ea
81-89 Oomlnt0 Concordante das Terras Exienores
Abjuração ~91 Plano Elemcntal
Nível: Clr 3, fct/Mag 4 92- 93 PI-ano Elemcntal
C·o mponcntcs: V, C, M 94-95 Plano Elemcnt.al
Tempo de Execução: 2 rodadas 96-97 Plano Elcrncntal
98 Plano da Energia Positiva
Alc.-u1ce: Médio (30 m + 3 m/nívcl) Plano da Energia Negativa
99
Área: 0,9 m3/nível 00 Semiplano à escolha do Mestre
Duração: 10 mmutos/ nível A umada e a b:ahzaçJo exata em cada plano ram a crit~rio
Teste de Resisrên cía: Nenhum do Mestre. O transporte a um plano aleatório nJo gar.1nte a
Resisrêncía à Magia: Não sobrevivência. e os indivíduos que se arrisc.am a enfrentar
estes efeitos devem estar cons<:ientes dos perigos.
O conjur:idor cria urna região leinporaríamen te à prova de
Se um indivíduo estiver em outro lugar diícrcntc do Plano
inrervenç5o extra-pJona.r. Isto inclui l'nagias e habil:d:ides Malcrial quando nludar de plano aleatoriamente, simples·
si,n lilares que ucilizam outros planos, inclu.indo portcr mente troque o pl;ino atual do personagem pelo Plano
dirntnsioual, ttlctmnsporlt, viagt'ttl planar, e viagens arravés Material na t~bel a. A-ssim, um cajado de poder que seja qut..
do Plano Astral, do Plano Etêrco e do Plano das Sombr>s. brado no Plar"O Elcmcnul do Fogo pode envi1r U:u portador
As magias dt invocação e convocaç:âo 1\ão funck>nam ao Plano Matrrial se o resuludo da jogada ÍOf 91.
dentro da tona J~ triguai. mas as c riaturas invoodas e
.<,.'. ,, / , ,,.•.1 ..:.?
J •
/
<e'
r •
·'

' . __...-....
~ _,....,..

f ·,..........~ _ 0
'

PLANO MATEJUAL • -.,'


..,..

~lono Ma1cool é a base de sua camJ>"nho. É a Pl:.no Material geralmente po$$UI c:ir:tc1erlscicas p01nicu·
loc.a11taçJo "'normal" em sua cosmologia, hrcs por representar o coraçãô do se11Jnl,1hivcrso.
prov-avelmente onde os persona,gen$ Todos os demai.S plotnos te~dem a confluir para o Plano
começ2ram suas c.arrein:s como aventureiros. é Material .Ele é compos:ro das mesmas substancias bisias
o tspelho que tt.íle1e o restante da cosmologai e disponiveis nos Planos lnrcriorcs e onde os a.randcs
prov2vdmentc o c;:eruro do universo. s:cdcres dos Planos .Extefl0f'C$ conquistam sua íorç:11 t ~us
à-lor.tdotts. O Plano ~taten3l genlmente conecta~ ao
CARACTER,STTCAS l'i.no 11>1nl, 20 Plano .Etéreo e 'º Pbno d3S Sombns, e
seu< nacivos genlmence ~o exrrcmamente inttrewdos
• DO PLA~O MATERIP.l. em v1suas !l outros planos.
O Plano ?i.·ftiterial costuma ser Jjvcrsdlcado crn suas
-~Plano ~11ccri11I u1illza as regi:as dos liVTOS básicos de D&Di
r·- é 111n n\uRtlo de fiinmsi:a 1r:td1c.rooal onde as leis b<ísiais d:i fisl·
funcion:11n da íonn:i como os jogadores espcr:un. Um
culturas, chro:is e habit3.lltes - rnfuromaili do que quál
tr..ier outro plano. Pratica1nen1e qualquer cois;:e pod<· ser

j ano Mn1cri:al cípico 1enl as seguin1cs-c.1racterísricas:


Gravid ;ul~ : Normal.
6 ~~ y 'lé mpo: Nonnnl. Na ''crdadc, todos os de1nais planos aju&-
cr1co1n~>ada eo1 algum lugar do 1>lnno M111cri:11. l!lt!
e:<ibe un\a grande divcrsid:lde, pois es1:.l cone<.11.tdo a
vJrios ou1ros planos. e um3 grande wriedade de cri:itu·
r.s habila o IOC:ll
/ tam seu tempo pelo l'lano Ma1eriol.
~{::i!>,einbora seja normal. o lmr não precisa ser
( ' Tanul nho:Jnf'fnito.
1cdioso. S•guem-se algum•s formas de alrtm o Plano
Morfolo1,ôo: llhcr.i"el Malenal ~ra torná·lo mais pcrsonalliado.
Sem Caraetcrísticas de Elementos ou Energias.
Eonuas Alt ernativas: Um Plano 1'i2tcnal pode
Enrrtnn10. IOC.J.l$ e~fíC:O$ podem ter predommio de um
ltr uma gr.rnde variedade de fonnas e ramanhos.: um
elemento ou tnergi.a.
slobo flutuando no ospaço, umo longa faax2, uma
Tcnd~ncia: Neucro [.suave].
êl:tensio achatada ou um disco apoiado n-;as çostas dt
Magia: Norm.-1 uma t:art:a.ruga gigante. Ceralmen1t um Plano ~1arcr1al
O ~festrc podr :alterar as canic;teristic:as acim.l par:a se ad'"" slru:i·se em um pl3n<:ta esférico; este eo ~$J>CCIO mais
quarem .i su:J c~mologí.:i. mas este é o padrão. A1êm disso, o fanuliar p.Jra a n1aiori"' dos j<igadores.
Emborn gcr.ilmenre seja infinito ou pelo menos lncrivcl- ENCONTROS NO PLANO MATERIAL
mcn1c gr.inde e auto-contido, um Plano ~i;ueri.al pode ser As criatur3S e os desafios do Plano M:ucrial V:1riam brusca-
flnito. como um disco siruado em um Plano .Elcmencal. m•nte de local para local, t qualquer crfarur> do l.wro dos
Nat ivos: O Plano M;nerial é o b.r da m2ior ~ne das cria- Monstros pode ser tncon1r1d• em •lgum lugar deste plano.
tur>s conh«idas da cosmologia de D&O. incluindo dngõ<s. Consulte a seção En<:onuos t.m Áreas Selv.1gen$ no Livro do
animais, monos-vivos e narunlmente as nps dos persona- Mestn: p:na obter os métodos de criaçlo de tabelas de encon-
gens dos jopdott:S. Todos os llpo$ de Cria(UnS, CXCtlO os troS par> o Plmo Material.
cxll"t"J)lan:u-es e os elementais, consideram o PI.ano M111crial
como seu plano natal EXTRA-PLANARES E
Qta;ando os narivos do Plano Material se dcsloc:un rxira
ou1ro plano. 1nanté1n seu tipo natural, rnas s~o considerados
ELE.MENTAIS NO PLANO MATERIAL
Os extra-planares e elemcnr.iis só podem ingressar no Plano
cria1ur:is cx1ra·planates para os propósilos de efeito das M:u eri.al de ruaneir.ls específicas. Mc:sn10 os cxfra·planares e
nlagias. Isso significa que podem ser e nviados de volta ao ele1nentais <1ut possuen1 mngh1s e h:ibilldades similares a
l' l:ulo M:u crinl por t:<pulsâo O\l baniutirttfo, ou aíc u1dos por 1nn;gia para entrar n o Plano Ast ral, no Plano Ecéreo ou no
rnaglas co1no proteção ou circulo n1ágiio se íor:nn l;ançad:>S ou
PL'lno d;i:s So1nbrns não po<lc1n adcn1nar o Plano lvíatcrial
invocados ao plano. senão sob circunscânc.ias espcciOca.s. .Este é un1 dos motivos
Co nexões Co m Qu[ros Planos: O número de por1ns1 po~ pelo qual o Plano Material ainda não est:i superpovo01do por
cais, fron teiros e ou1ras inreraç:ôe$ entre o Plano M:ueri:il e demônios.
outros pl•nos depende da vom•de do Mestre. Algumos ?OSsi- Uma gra..ndt V3riedadc de rnagias, itens mágicos e b:ibili·
bOid•des induem: dadcs similares a magia invocam ou convoc:am exm-plarures
Stn1 taga.cõts: Não exisrem conexões com ou1ros p.anos.. t elf:me.ntais ao Plano ~tau~_rial. Est3S m:1g.bs norm.almen1e
Nio exme Plano Astr.t~ Plano Etéreo ou Plano das Sonibr.tS. forçam a ai2tura conjurada a tt:ali2:1r tarefas para o cooju--
.EstJ i a opção mais radical, pois remove do JOIO nuiras mdor. Os exrra-planatt:S e e:lemen1ais mais inteligenles. se
magias e ~rus potenciais de aventura. revollam contra essa servidão e frcqucnrcmtntc tentam coo·
Contx.&1 Sttrthis: As ligações existem, mas as mag,1as para 1cstar seus mestres quando não aprc<:i:lm SU:lS t'3rcfas. Além
\1tiliú·las ainda não foram descobertas. As magjas dc9Cf"icas disso, ess::as magias 1endem ~ m21ucr os exrra-planares e elC"'
no Capitulo 3 ainda não (ora1n criadas no Pl:ino Mattri:il e men1ais no Plano Material durante urn ~riodo lilni1-ado; eles
devem ser pesquisadas e desenvolvidas. retorQam automaticamcntc ao íl1lal da d uração da magia.
Co11rx&s Ctmdru por Magia: Mag.ias, habilidades sin1ibres e Os extr:!-Planares e ele1ncnt:iis pode1n ingres~r no Pla1)0
hens 1nógic:os que forjam elos entre pL'lnos ou pcrmhc1n que M:uerial através de por1ais pennanenres em seus planos.
:is crl::inaras desl0<1ue1n·se entre os planos funcio1u1m ncrnlnl- Con.tudo, d iv..,.rst.1..: g1 1:i rrl iM~ <ln Plitno M:tterittl vigiam os J)(>r·
1nen1c no Plano 1'.-lateriaJ. rais ou sin\plesnlente 1e1u 11tn seld~los para impedir essas
Vórftces .tlen1enrais: O Plano Materi:1l 1en1 pontos frncos .e1n incursões.
áre;is que possuem a6nidade corn algrnn tipo clen:cnrnr Alé1n disso, os elerne:ntais podem arrnvessar os vórtices
especlflco. Por t xemplo1 vórtices para o Plano Elemenual do naturais cm ce.rtas áreas do Pl:i:no Ma1eri:il, que são semclhan..
fogo podem ser enconmdos ern vulcões, e vónic\"S p:ara: o res 30S seus planos n:erais, en1boD genlmente não se af25rem
Plono Elemento! d• Água podem ser enconn•dos no fundo muito dos climas mais agr.odávcis (par> eles).
do oceano. O Plano Elemerual da Tem pode se conc«ar is Alguns e.<rra-planart$ têm • h•b11idade de possuir os cor-
profundezas do subternJ>eo e o Plano Elemem•I do Ar pode pos de cmruras do Plano M•te.UI e por> utilizá.los como bos-
SCt' t«Ssado dos picos mais ahos e ventOSOS. pecleiros, de fomu sunrbr à magi> rrropctnll •nono, com a
A:wtaH J\"rmantntcs: O Plano Material ê conectado A.s:.a- exução de que o extr.a·plam.r não pttei..sa de um rcccprácuk>.
mence com locais espec:i1lcos nos Planos ln1eriorcs e Esses ext1:2•planarcs Já de\'t1n w-ar no Pbno ~{:ueri:U pan
Excerior~. Consulce a.seção Por1ais }.-tag.cos n0Capí1ulo2 para utilizar esta habilidade.
ob1er un1a explicação soba: o funcionamento dtsst:s port41Í$.
i>lanos Tmnsiiórios: O Plano Material é cocxiscente com seu OERTH: O PLANO MATERIAL PRIMÁRIO
Plano E1érto, possui limites coincide1nes co1n o Plano Astral, DA COSMOLOGIA DE D&D
e dó acesso liinicado, baseado e m rnogi::a, ao Plan:> d::ts Oerth, o Plano 1'.1atel'ial prlrnário dn cos1nologia de D&D1
Sombras. consiste de corpos esféricos nu1o ·con1idos íluruando oo
esp1ço. Oerth rcm todas as caracrer(s1icas e conc.xõcs de um
SOBREVIVENDO NO PLANO MATERIAL Plano ~faterial Ela seco.occta ao Plnn0 As1ral1 ao PlanoEtérto
Embora diversos locais do Plano Marerial (vulcões, os proíun- e ao Plano das Sombrns, e os viajantes de Oeroh podem
de1.:as do oceano) sejam e..x1ren-ian1e.nte pcrigos:ts p.ira n vld:t :alc<1nç;:ir os Planos ln1eriores e Ex,criores através do Plano
n..111va, o ambiente gera! do Plano M.:uerial é hosphalciro. Os Asrral
naliVO$, extra-planares e ele.mentais não wfrcm dano causa- A cosmologi• de Oerth é represenl3d> nos di>gnmas
dos pelo plano. pbnores apresentados no C.pítulo 1. Um• e.foro contendo os
Muhos cxtn~planarcs dos Planos Extenores cosrumam se seis Pbnos lnteriotts circunda Otnh, que rambim se conec-
Struir desconfonáveis no Plano ~Utetial. potS este não possui ta ao Plano Astral, e atnvés dele 2 Cnnde Roei• dos dezessete
as c1rx1crútiais de tendência a que estão acos1urnados. Os Pl:anos Exrcriores. Cada um dos seis Pbnos Interiores não se
ex1ra-pl1n:tres e elemenrais dos Planos IJucriores cos1umam co1\CC.t2 aos demais, mas cada Pl1no .Exterior conecta-se aos
ncar igualmenrc desconfonâvcis, pois as carac1cris-1ias de seus vizinhos. Se você ~ber onde procurar, pode c nconrrar
prt'dominio de elementos e energia de seus lares 1a1nbén1 não o caminho para roda a Crandc Roda, indo dtsde Celéstia até o
estão disponíveis. Abismo e volrando.
Além disso, CX.lSlt.m incon1jveis semiplanos menores que Planos ~tateriais Sósias: Os planos sósias sio semclhan..
se concc1-.,1n i Oenh. 1'1uitos deles foram criados por divin 1C!, 1nas não exarame.nre iguais. ao Plano M:1:1eri1I original dos
dade-s ou m2gos poderosos como esconderijos par2 suas personagens. Talvez tudo no plano sósia sej:a idénlico. exceto
riquezas, loc:als dt retuo do ambience mundano ou prisõr:s qut as duplicaras dos pe.rsonigens possuam 1endCncias
1>3ra in1m1gos panícularmentt desagradáveis. op:>Stas ou t-al..-ez nem sequer erisl:1m. Os pbnos sósia.s: sio
mus simples de criar que outros: Pbnos M:1ttru1s. pois o
~nh nio possui conexões conhc<:idas com Planos
~1..:stre co~guirá usar os m:apas e o ma1tri:l I de reíerCncla de
~i2teriais :ahernarivos (como ttenin, vej.i adian1e). Es1es
SC'J Plano Or&.gln:!I, alterando apenas o que for ntces.sáno.
planos podem cxâ~ur 1ntermilentemente se o i\oles1re deseja
que os pcrson:igcn' de sua campanha os visitem. Pia.n os Materiais com Tem po Alterado: T:alve1 o grupo
ccnsidcre a aventura uma vi-:1ge:m no tempo, mis n.;i verdade
Embora Ocnh nlo tenha c.-iracteristicas de elementos ou os personagens se desfocam paro u1n Plano Matcriotl paralelo,
energias, íllgun.s locais especiais do planer:a aprcscnram boi· id~ntico "º passado de seu plano natal (011 a u1n futuro em
sões com carnc1crístic:is clemenr;iis. Estas áreas geralmente se pctencial). Nowntente~ é possível util.iz::ir os m:ucriais de
loc01li1,,11n nos arredores de portais ou vórtices parn os Planos refcréncia existentes para este Plano M<"HCrial :ilrcrn~uivo.
Elen\cnrats. Efila é un1a chance de li1nitar os personagens à 1ecnologia da
Ldadl'! da Pedra ou usar as armas futurisric:is descrit-;is no L 1Vl'O
PLANOS MATERIAIS do Mesln:, por exen1plo. }.{as tome cuid:ado se os personagens
dtcldirem trazer annas de fogo pa~ seu p1nno original.
ALTERNATIVOS PJ:inos ~iateriais Baseados no Terreno: É Bcil in1:1g1n:tr
um mundo dominado por um único tipo de 1e:rreno. Tal\'CZ
Se d~jar, o Mes1rc pode introdt.Wr Pianos }\fateriais alterna· uma Er:a do Cclo tenha cobeno om Plano ~ta1eri111 com nC\.-'t'
ri\'05 em sua ca_ rnpanha. Estes planos altemari"os 1eriam suas e ,&e1einis e os gig-anrcs do gelo atenorizem alauns mrnúscu·
próprbs cosmolog1u, po1S0gens e h1biw11cs exdusi\'0$, qu• lo! cncl>ves de hum>J><><, gnomos e dfos. Enquan10 isoo. os
podem ser semelhantes ou complewnente diversos do Plano arôes fonm expulsos par:i cad:1 vez mais fundo nos sub1c_rri..
~iatcnal orig.in:al. Não é necessário que e:xis1am PI.anos n<OS, a1raldos pelo calor geocérmiço dos rios de Lava e oceanos
?o.1::a1eri:ai$ :altcrn:ui1;05 cm su.a çosmologi.a e seu universo pode d~ m:i,gma. A maior parte dos ores e mt-io--orcs atua como
sobreviver muito bem .sem eles. lx.1edorcs para os giga.nres do gelo, enqu;1n10 os poucos
Um Pl:lno MQterk1l alternativo tende a comp;irtilhar· ns lulfling que existem são serviçais dornésticos de poderosos
mesn\as c.1rncterí.s1ic:is de tempo, gravidade, ran1:inho, forma senhores da guerra dos gigantes.
e morfo1ogi:i que o Plano Macerial original. Alé1n disso, as Talve~ u1n vasto oceano cubra t11n Plrino Ma1trl:1l :ilternari·
c:arncteris1ictis de clen1e1uos, energias e te ndência são semc- "º' e loc:a1hah, triiões e sahuag.iu seja1n as cuhums don1í·
ll111n ccs (b30 3C o Plol\o f\.<interial posçuir :i lguma ,1 ,..1:-1~) 11u1tc3. 03 h.u.ulanos e elfos s&o ~ pen::iii: ~ pt'Ol4.' m111:i1n 1• rln
Modificar esu1s ~rncteristiças básicas cransforma os Plnnos povo·dO·tnar e dos elfos marinhos, respec1ivan1en1e1 exilados
Materiais 2hern:t1ivos c1n silnples Plan os lnceriores ou n1s poucas Uhos que pontuam o oceano inundi:il. Anões e
Extcriorts.. h1lflings vive1n em u1n arquipélago e dcsfru1am de uma cul·
Um Pl~no M11erial alcerna1ivo tem seus própóos Pl:anos it.r.a n1crcan1i.lista, domin2da p0r príncipcs 1nercado1·es e ccr·
Trans116rios. Entretanto, ele pode compartilhar semiplanos 1·1veis pinuas. 'fod:a a raç.t dos gnomos vive em tuna enonne
ou o Pbno das Sombns com outroS Planos 1'iatcriais. cidadc.<firigivel que flulll2 1ciJna das águas.
Planos Materiais Baseados ""' Ourras Cultuns: Ocrth
TIPOS OE foi superfkWmen1e baswl• na sociedade e cuhun d• Europa
medieval. Mzs os Planos Materi3iS .ahcm:uivos podem uu·
PLANOS MATERIAIS ALTERNATIVOS hur outras culruns do mundo real como fonte dt 1nspirnçio.
Segu~m--se algumas fonnas de criar um Pl:ano ~i.a1erial :1her·
()s per$0n:11gc::ns podem visitar um Plano ~l1utrial 1lrern::itivo
nitivo que rea1men1t contras1e com o local conhecido e
onde nobres esgrimi-sras duelam por ques1ões dt honra
h:1bi1ado pela m:aioria dos pecson.agens.
(como Kar:a Tur de Avtnlum.$ Or1tntr11s) ou onde :as 1ribos de
Diferentes Níveis de Mng.ia: Uma v3J'.'iávcl que o Mesrre caçadoces~colctores usam armas de pedt:l parn C."tÇ~r anhuais
pode ahcr.ir livrcn1e1lte ~ o 11ível de magia dispor1ívcl no ferozes ao longo dê uma enor1ne s:iv:an:t. Par:a Planos
Plano Miuerial. Se conceder ao Plano Macerial a1rern:uivo a 1'.l;a1erlais ainda n1ais r3dica)s, é possível co1nbinar aspectos de
carnc.terí:.tic.i de 1na,g1n selvagen1, morta ou ativada, o n1undo cJh uras d ifercptes, adicionando clenlen10.s crlndos pelo
será complec.i1nentc 1mnsfor1nado. Um Plano MareriaJ alter- Mestre. ·ralvcz haja t.im Plano Material :1hct·na1ivo onde
n:uivo com 1nagia selva.gcm seria perigoso e seus con1u· nobres resolvam quesrões de honrn em caçadas rituais que uti-
radores podem ser considerados perigoi<>S par.'I si Jnesnlos e lizam armas mágicas de pedra.
p;ar;1 os demais. U1n Plano Material ahcrnalivo com magia Planos Materiais com Predomínio de }.,1o nstros: Não
n\Or1a impeduia qualquer magia e habilidade sinlilar, cnlbor:a há m.ão pela qu>I as raças do Capítulo 2 do Livro do Jogiidor
poss:1 h2vcr '"boi.soes" de magia normal onde elas posS3m ser prte:iscm dominar, ou mesmo cxisrir, em todos os Planos
conjuradas (conde provavclmen1c os PJs tentarão se cs1:abelc-- }.,iatcnal$. Um Plano ~ú1erial 3fternarivo pode abrigar umi
ccr). fatrün e um pbno com magia ligeiramente superior 20 gnnde naçio-csudo de minouuros em guerra com ccn1:au·
nonn•I e bolsões de m agi• sdvagem e mon>. Os Pbnos ros e lâmias bárbaros. Enquanto is.so, u1na ordem de fehi·
~fattriats ahcrnauvos mramerÍte possuem a cancreri.suca ctiros rakshasas connola tudo nos bastidores, e os anmlocks
mag:i:t limir.ada, embor.1 possam ser limi1ados conforme o slo escnvos dos minoc:auros e se rebclanm pel:a liberdade.
nível ou :i escolJ, se o ~lesrre desejar. lmagine um mundo As nças de PJ comuns estio exlin1as há muuo ttmpo. tor·
onde o únic.i forma de 1taagia é :1 necrom<!lncia ou onde não rando os visi1an1cs a este Pl~no M:ateri:aJ o (oco de grnnde
txíst:1m magl:i;i de evoaçiio. curiosidade.
Em outro Plano M.a1crial ahern:itivo. u1n~ txpe:rt:ncia Outras Campanhas Publicadas: Como iodo Plano
m2gia: fnicass.ada Jibettou uma grande quan1id3de de e11.crgiJ 1-tarerial tem suJ própri:a cos1nologia, adentrar UID Plano
ncp11v21 lransfonnando todos em monos·vi\'OS. LtdH~s e -hlarerial ahernativo é como ingrcsur em um novo mundo.
lordes-vampiros agora guC!rreiam art'3\'ês da paLSagem ttSSt'- Os personagens podem viajar para um mundo exclusivo cria--
quida, Liderando exércitos de esqucleros. zumbis, cam_içais e do ~lo Mesrre ou em um dos mundos exmenies publicados
inumanos, e empregando fantasmas e espc<.1ros como ~1e-­ para Oungtmt.S &- Or-tagons. O ~lc:scre pode enviar s.cus persona-
do1t) c espiões. Além disso, o Plano nio pcrmire que os via~ gens 3tt'3\'~ de um porr.tl JX1r:t o mundo de G~u.·I:. depois
Jan1e.s s:aiam facilmente. uansform.3ndo se num tipo de aprisioni~Ios durante seman;:is cm Rtu.'tnloft, jog.i-los no caos e
ptislo planar imc.ns:;i, como Ravenloft. na guerra de \°<'..trtmft, envij·los p:1rn uma jornada mágica em
Planos Materiais com Outros P:intcões: Os residentes de .forgoft.en Rmhns e f'inalmc ntt> inclu1-los em uma conclusão
um Plano 1vh1terial alrernativo não cuhuan1 necessariamente épica em Omgoulanct. Oe vol1a a Crtyltau1k1 depois de
:IS mcs1nns divindades que o resrante dJ cosmologi;. T;lvez enfrentarem o Tcn,plo do ~l;il Elemcnml, os personagens
divindades coroo Pclor e Hextor assum:un aspec1os dife~cntes l'etornam ao seu Plano tvta1eriol na1al, selando o por1al
e u1ilizc1n outros nomes ern PJrinos M:uerhlis aht 1·1uuivos1 ou
tal\'C1. h~j:1 UJ1: panteão complerorncn1e diferente de divln.. ALCANÇANDO
dades.. Un\ Pl:ino /\1arerial alternativo é urn bon1 lugar p.1r.1 PLANOS MATERIAIS ALTERNATIVOS
con1cçar se o .f\4esD'e esti\'er interess:tdo em in11oduzir nova_s E:\;s1e um grande número de ÍOl'lnas de aungir um .PJano
divindades c1n uma campanha exiscente. Talvez os deuses da cm sua cos-mologi01~
~laterial a.lremarivo, caso eles exist:u1.'I
rn11olog1:1 grtga se:n1em·se no alto do ~ion1c Olimpo cm UJn Plano d.as Sombr:is: Conforme dcscri10 na seção Pl<ino
Plano ~iatcnal altem.a:ti\-O. e personagens poderosos qut o das Sombras do Capirulo S, t possl\'el desloc:al'S< para as pro-
vasuarcm consigam lu12r conrr.1 Hé:rcules ou o auxiJO de fundezas do Plano das Sombr>s, •Íasundo-se do Plano
t\tcna com um enigma p;micubrmcnre complexo. ~121erial. Embora a viagem seja perigosa, seria po5Sivel atingir
Planos 1'tateriais com Geografia F:ant:istic.a: Estes um Plano Marerial ahemali\'O :unvessando o Plano das
Planos ~l:utriais alternarivos são ex.:n.:tmcntt como Oe:nh, Sombras. Se esres planos exis1cm ou s:io facilme.nce
com ex.cepo de p:aisag~ns radicalmente difcrtntcs. lm<iginc alcançáveis depende da forma como o Mcsrrt consrruiu sua
um Plano M:neri:rl onde enormes mont:anh:is ílutu:am sobre :a cosmologia.
remi, v;;1gando pelo céu como nuvens. Veios de "'pedr:a·do·ar" Portal das Sombr:tS: Simil:ir :1 qu;lqucr outro portal inter-
podenl sei: minerados nessas ilhas Ounutntcs e esse mirério é planar(em outr:is pal;ivr:as, p<>de se parecer com pnitiC."lmCntc
capaz de abascecer naves voodorns e cas1clos·Íorrale1...as nos qu:1lquer coisa), inas em vez de atravessar o Plano Astral, o
céus. A pcd1·a·do·ar é tão valiosa qoc as mon111nhas s4o rei... porrol percorre o Plar10 das Sombnts p;lrn 1cnninar ntun Plano
rhótios disp~u-ados por nações e seres poderosos. A rraioria Marerial alternativo. O pot·1al d:ls $01nbras costuma possuir
das pessoas vive na superfície sólida do plano, à so1nbr.:1 de qualquer das propriedodcs de uon porca! cegular.
stnhores supre1nos que governam :i par1irdc s111as mon11,nhos Semiplano: Um plano pequeno funcionaria como un1
110 Or1nó'ln\ento. "corredor e.nrre os n1undos•. Se dois Planos l\'1aLeria.is acessam
En1 outro Plano Material alre.roarivo, a sociedade nasc:eü ao o rocsmo semiplano de L1dos opos1os, o semiplano se to.ma
k>ngo dt> un\ Unico rio que flui em circulo enquan10 pcrcorrt. um caminho enrre ambos. O se1niplano reria seus próprios
o con11ne.n1e. Como o rio é abascecido por magia, é possh•cl guardiões ou armadilhas. e os poru1is que OCOJ'l«.tam nos dois
naveg.a.r nu nu bal.52 e vis:irar todas as cidades e culturas u:npor~ destinos podem ser intermhen1~ ou pouco co nftáveis.
cantes no Plano MaterUI alrernativo_ tt1omando ao po:uo de Acidente Interpl.anar: Um evcnro. gcntlmentc irreversí·
1»rnda depois ele vários meses de viagem. Algum:IS porçóes vel (por exemplo, algum acidente cataciuDU<o como qu<brn
do no são perigosas; oumas fervilham corn o comtrc10. E um cajado do poder), pode enfnqutc:cr suf'tcientementc os
quan<lo as cs1relas esc2o na posiç~o correta, o fluxo do no se muros entre as realidades p.1r.I impelir :alguém para um Plano
inverte, lc'o"3ndo todo o plano à guerr.1 e ii :1n:irquía. Ma1erl:tl ahernarivo. Como opç;101 un,:1: jogada igual 2 100 na
t~bel'l de Destinos Planares Aleatórios pode enviar os envolvi·
dos a um Plano Marel'ial :thcrnativo.

~~--------iiiiii----iiii ...iiioiíõiiii................iiiiii. .Entretanto,


iiii...oiiiiiiiiiiiiiiii....iiiii. . . . . . . . . . . . . .- .......
se um co11jurador divino que recebe suils magias
,
CONJURAÇÃO DIVIN A E
de uma divindade é attcmessado em oulro plano devido a um
PLANOS MATERIAIS Al.lERNA11VOS inc1dente intetplanar, a conexlo pode ser interrompida. Este
Mesmo se um Pl3no Material ahernativo 1ivet seu próprio pin· personagem teria que encon1rar uma nova divindade. et.1ja
telo de divindades. os conjutadorcs divinos ainda poden obter lendfncia e Cf'enças se adiplem às de sua .11n1iga dMndade,
suas magias.. desde que t~l'lha.m acesso ao seo plano natal t1ntes de rewperar suas magias. Algumas magias e domínjos
11ravfs de magias ou porUis. De fato. suas divindades :>Odem Ítar'iam indisponfveis .11t~ que se reahusse a troe.a. - e con.
se 1nternwr f>'OÍUnda.mente nesta nova tegilo cheia de devo- verter·se a uma nova fl tatwz. nSo sqi uma tarefa simples.
I OS em potencial Por ovtro lado. as divindades na111as do
Como alternativa. um clb igo cuia rlg~)O com sua divindade
ptano Mouer1al t1fternatJYO (se existirem) tJmWm se Í"lteres~
seja cortada simp&esmente poclena idorar os pnncíptos ~ela
sanam pe:a ameaça de uma nov3 rehgião espalhando-seno JtU reprttenta, conectando-se aos seus domfnios da ~ma forma
domínio. Estas lrilnsposiçõts podem ser respons~ve s pelo que fazem os clérigos que nJo slo aíihados a divindades.
sura1mento d~s mesmas divindades em mundos diferentes.
Os PLANOS TUNSITÓ:UOS

e ....
1)
).i..t
.,,

y
t

."

s PlanosTransitónos são a cola que une uma cos· sare manipular estes planos acnvC$ cb magia, portanro eles

Q iqo!QgU.. Arn~ des1es


podem Sé dt)locar de
planos, "" P"'*'ll.1gcns
um pl:ano a outro ou
• mover-se no propdo elano Material con1 velo<a-
dade maior e 1nais facU.meore. Os três Planos
Transitõrios dn cos1nologia de D&D são o Plano
As1ml~ o Plano .Ecéreo e o Plano das Sombras.. J..iuttlS outras
têm. um lugar 1mponanu• no rcpcttório de wn conjundor.
Os h;abi1~n1ts de um Plano Trnnsitorio geralmente sio
provenltn1c.s dos plan.os corrcL1é.ionados ou conectados,
rn~s u1n Pl:u'lo 1'mnsi1ório PQde rei' suas próprias forrnas de
vida n:uivas. Aindn 0tssh~ os ntuivos írcq,ücn1cmenre rêrn
-uma imcns\l: nfinid:ide com os plttnos vlnculndos ao seu lar.
cosmologias utilizam es:res rrê~ Planos Transitónos; eles s.ão o Ascriatuns enconrradas nu1n Plano Tra.nsitivo p0dem ser
aspecto semelhante e mais: comum enrre as diftttnlt.> cos· \'is:ir.an1cs, ou podem ter conquis1ado seus prõprios
mologias. A maiori>, scnio iodas, as cosmologias de O&O u1.. domínios n• vaslidão do local Os extr:,.planaus são
li.c:lm Planosüansitori~ e sua remoção alter.a bastan(e o.fun· C01nuns nt'$tCS planos, rnas igualmente existem criaturas
cion:unento de uma c:amp;i;nha. do PL1no t>.l:atena1, especi3.lmenrc besras m3gic.as e mor·
Os Pia nos Transitórios parecem ser n1aisdivctsos que se1ne- (OS•v1vos. As cri:uuros com acesso \1: magia ou babili·
lhnn1ei,. O an1plo espaço ahob:idado do Plano A,s1ra1, t' hnate- datlcs sin1ilatcs 1nmbé1n viojnn1 pelos Pl3nos
rialidade e intangibilidade do Plano ..Etéreo, e a escuridão ate- TtJnsirórios, e h\IJoanos, hu1nnnóidcs1 humanóides
n1ori1.ante do Plano .Eréreo tt'ln suas próprias oracteristicas monS1nJOSOS e dragões podem pern1nbulnr na vasridõo.
exclusiv3:s. As maglas e habilidades similarts slo JS chaves mais
No ent:anro os Planos Tnn~1órios compa.rlilham cenas comuns para cucrar nos Pbnos Transuonos. Pon:.is
semelhanças. Todos >lo ullhzados par.a viajar r.ipid:imenr~ ou .pamantnlf''S e vonices para ~ Pbnos Transitórios
com segurança. alcançando áre;iS que seriam bem m:us dif'i· são raros. Os portais encontrados OCjtas rcg:iõe:s ge.ral·
e~ de atingir de ourro modo. .Eles são v:azios em ~ua maior m!nre esr:io apenas atravess:indo·os 1t c.1minho de
p!frte; ~ 1:naioct.1 <l<-: seu espt1ço o utilizada p:ira accss:ir outtos OLrros destino~. Por exemplo, n1ulros portais niâSi·
p1.1noi,. Ai; estturun1s j>crn1nncn1cs nos Planos 1·t:inc:h6rios co.ç aLravesi;nn1 o P1:tno AsLral p.1rn :ilconçaros Planos
p3rcccm h.lanfM e altcr:ar·se. Os Planos Transitórios são Er.1e.riore~. mas :.'l lguns portais conec11tm•se direta--
fortc1uente ligados 3 $tuS p1anos cocxis1en1es e de llmires m~nte a ele.
co1ncideo1es. Finalmen1t, t mais 1mport3nte, podc·st lngre5--
proibido. Urn corpo 6sico movendo~se do Plano Asrr.11 pa_r:.a o
MOVIMENTAÇÃO ENTRE OS Plano .Etéreo torna~se imau:ri:al (como a magia passeio tfirro),
quer tenha alçançado o Plano .Etéreo devido a uma magia ou
PLANOS TRANSITÓRIOS a1nves de uma pa$$1,gcm cromitica. Uma forma astr:al pode
ingttSSar no Plano Etéreo. e adqu1rt as propriedades erereas
Os person2gens geralmente utilizam m2g12s ou hobílicbd« enquonto permanecer no loca.! (por exemplo, pode ser .Cer2da
ftmil:art.s ~n acessar um Pbno i·ransitótio. As m:agi:as }llfS~tct por ataques de energia ou 11-aques visuais). 1'fas o Plano Etéreo
tttn'O e forma tfirta os levam 30 Plano E[éreo, pn>JtfÃO as1ml 30 é o limite para sua fonna as1rali ela não pode se manifestar no
Plano Asmt e andar nas sornbms ao Plano das Sombras. .Essas Plano 1'fa1eria.l Se o pcrsonagt1n for obrigado :a vi3jar ao
magias só deveriam funcionar cm locais coex1stcntt."S ou de Plano .Material, sua foon:t :as1ral scni destruída e sua alma
limites coincidentes com o pia.no apropri.1do. Se o Plano das retornará a seu corpo orig.ln:al. Se ele passar fisicamente do
Sornbras se conec1ar a detel'minado Plano l!x1crior1 u1n con- Plano Astral para o Plano E1ért01 con1lnuari a jornada .1.uani·
jurndor pode lançar andar 1u1s wu1bms a parti•'. dcs1e 1>lnno. Mas fcs t'3ndo·se posterioo-nente no Plano tvf:iH•d:i.I.
se os dois planos não forem coexistcnces ou de limilcs coinci· Do Plano das Soo1bras para o Plano Astral: No \)lano
dentes, a 1nagin oiio funciono. das Sorobr.is, é possível ucilii:ir a tn:&gia projeçiío astral, nba11do--
O problem3 torna-se mais coroplClCO quando urna des.~as nando o COfPO do personagcn1 (o que nlio stria u111a boa idéia,
1nagias é conjurada de um Plano Transitório. Será que detcr- já que o Plano das Sombras é o mois perigoso dos Plonos
minad:i magia permite o deslocamento dt um plano Transitórios). O person:igetu também podt se 1nover ôsicn..
Trnnsitório p;tl'3 outro? Scgue.m·se as respostas p.1ra a COY mente do Plano dos Sombras porn o Plano AnraL pois ambos
mologi2 de O& D. são coextsrentes.
Oo Pl:mo Etér<O para o Plano Astral: O persongem Do Plano Astral pora o PLmo das Sombras: Não exis<em
pode inpssar no Pbno Astral P"'rieamente de qu•lque· lupr sombras de verdade no Plmo Astral (pois um bolho suove
cio Pbno Etttt<>, pois o Plano Asm.1 conec:1a..., a todos cs pon- pe.rm& todo o lu~r), mas ele possu1 locais suflcientemcnte
tos do Etéreo (a tteipr~ enrretan.to. não é vcrdadein; veja escuros para permiti{ o aciesso ao Plano das Sombras. É possí·
adi:1n1e). Se CStivu uti.li7..ando a magia projt'fio cashul, seu corpo vel movcr...se do Plano Astral pano Plano das Sombras 6.sica·
flsico pennanect no Plano Etéreo, e a forma as1r1l surge no men1e ou em forma astral Un'la passagem eromádca é a forma
PlGnO As-tra1. Se ele viajar fisica1ncntc p2ra o Pltno Asu:il, su:a mais comum de alcançar o PJa110 das Sombras. Ao uülizar
fonna perde a naturet.1 incorpôrea e rorn.a se sólida. uma p.-issagtm cro1nádc:a.1 o cordão de pr.u<1 da crinrura se
Do Via no Asrl'al pa.ra o Plano .Etéreo: ~ possivel n1ovel"' es1cnde do Plauo das Sombras :ao Plano Astral, e de 15 ao seu
se do Plano A.stral para o PL1n0Etéreo e1n regiões onde os dois corpo original.
plnno3 sejam cocx:icrenles ou de U1uhe.s coincid~1\t('f "" ô Do Plano das Sonlbras pura u Ph1nv E Lé1·~v o u Vice•
personagen\ esriver ero uma região onde nor1n:ilrncn1e scriil \Tersa: Na cosmologia de D&O, cs1cs dois planos são coex.is--
impossivel acessar o Plano Etêreo, esse desloc1unento será tentcs ao Plano M~tcrl;il. n1as n5o en1re si. As magias e efeitos

PERSONAGENS lM MOVIMENTO: . como se sws sentfdos estivessem <11barcando gnnde$ disclin·


Q.UAL A SENSAÇAO NOS PLANOS TRANSITORIOS ci.as num enorme espaço vazio.
O Plaoo das Sombfas escvre<e os scnhdos; o p<óprio imbi-
As descrições dos dittl'SOS Planos Transitônos detalham como ente patt<e J>C$ir sobre a alma. Ass.m como o Plano As:tral
(undooam os sen[idos dos personagens enquanto viajam ptk>
causa uma sensação de hbcrdadt, o Plano das Sombnis cria a
Plano Astral. o Plano Et~rto ou o Plano das Sombra\. Mas. impresslo de cativeiro. A escuridJo ttpreita pot todos os
.ildm dos efe-itos dt' jogo sobre O'S pe-rsonagens. cada Plano
ladO'S, opressiva e faminta pela luz e pelo ailor dos persona·
Transilófio tem uma "'sensaçào.. inconfundível para o riajante
gens. Os so-ns são distantes, os odores d~~is e os objetos
dos planos exper'iente. parecem ligeirarncnte oleosos ao toque. Embora não seja tã:o
O Plano Etéreo amortece sutilmentc os sentidos. A s:ensaçJo
abertamente hostil quanto alguns dos Planos Interiores. o
~ de que o personagem esU r'Odeado por uma neblina mofna.
Plano das Sombras é um lugar ameaçador e deprimente.
/\ visão e os son$ são ligeifamentc esvaecidos. Os objetos só
Não importa o plano de destino de um personagem. geral·
ex.alam odores fracos e quaisquer' sensações t4teis incomuns
mente algum3 mudança sensorial ser' pcu:cptivel imediata·
são amortecidas. mente. Além d~s mudanças óbvias cm pass;ir, digamos, do
Por ovtro lado, o Plano Astral parece aguçar os sentidos. Os
personagens não podem enxetgar mais longe ou 01.1vir melhor, PfarlO Elemental da Agua para o Plano Elemental do Fogo, exis-
tem milhares de pequena~ diferenç.as. Às vezes, a sensação
mas seus sentidos patecem mais vivos. Os movimentos pare--
cem vívidos e clitros. os sons são vib1-..nttt e proíundos. e os equivaJe a se movei de um toe.li escuro para outro bem mais
aromas são distintos e quase pungentes. At~ mesmo o t2to é ilumínado. Outros planos podem causar um l.evc formigamen·
afetado, aguçado ligeiramente de forma que 1 tt<tma de um to da pele ou um calor ou calafrio pelo corpo. Som~nte ~ a
tecido ou a prHença de uma camada de tinta sobre um papel passagem for multo g1adual (attavis de uma região de f<onteira
ou de um po<Ul n• fo<ma d• um longo c0tred0<, por <xemplo)
t perc•p<IY<t.
A narurua escancarada do Plano Astral provoca um (~migai· 0$ pttsonagens não pttceberlio automaoc.amente que ntão

mcnto do sistema f\ef'VQS.O. É a sensaç:io do ar fresco após uma em outro plano. Mesmo nesses c.asos, um pttSOnagem que
tempestade; a protomatéria astral renova·S-e continuamente, obtiver sucesso em um teste de Observar (CD 15) perceberá as
despertando os sentidos. Oe modo geral. os viajantes sentem sutis alterações sensofai~.
que u1tlizam o Plano d:u Sombras não funcionam no Plano moedas gir.ando. Exis1em pedaços oas1onais de matéri2 sóh
Erireo, e as magias e habilidades similares que u1ilium o da. m:as a maior pane do Plano Astral é um domínio abcno e
Plano Ecéreo não funcionam no Plano d3s Sombras. Os via- inf'rnito.
jantes não pO<lcm atra:vess:ir dirc1t1mc.nte de um plano a out.ro. Tttnro viajantes q uanto rtfugiados de outros planos vivem
Se o JvfeStre decidir qt1c cs1es dois planos s:io coexisce1nes no Pl:ino Astral. Seus habit:1n1es nlaís proeminentes são os
en1sua ca.inpanha~ :as 1nrigl11$ de qurilquc.r um deles funcio1'\:arào gichyanki, u1na raça exiladíl que saqueia os vi:-1jantes do plono.
no outro. I.sso significa que seus personagens podem 1er e1'lcon- O Plano Astral recebe O< residuos dos gr.rndcs even10< que
fl'OS ccereos no Plano das Sombras e enconcros sombrios no abalinim os alicerces d2 própria cosmologia. Nele podem ser
Pbno Eiêreo. Os individuos que vujam enire ess<S pbnos erconindos os corpos esnlh:içac!O< e fundidos de divindadts
pnhariam ou perderiam s.tus cocpo5 etéreos imateriais. m>n•s, esq\l«:id•s por seus ..to..dores e b=idas dos Pbnos
Divinos. Alguns dizem que elas nio estão realmente mor1"'
PLANO ASTRAL nus apenas dormind o.

é o espaço enrre iodas n.s coisas. CARACTERÍSTICAS ASTRAfS


Ê a cstrnda que vai a 1odos os lugares. t))s rrêsPlanosTransüórios,o Plano Astral é o ruais alienígena
É onde "·ocê está quando n.io está em nenhum ou1ro local para os n:uivos do Plano Materiil. Um viajan1e recém-saido do
Pbno Mactrial não enconU2rii quase nada de familiar.
O funo ,\sml <o espaço en1re os planos. Quando um
personagem amvess:t um por· O Plano Astn! possui
mi tntcrplanar ou proj(I~ seu as seguin1es cancccru
espírito em oun o plano de ficas:
exlstênçia, viaja arravés cio
PhulO Astral Até as • Gravidade: Ine:xis..
1na,gias que permirem tente. Aquele$ que
deslocamento insran· viajam no pl:ano
llneo através de um mO\re.m-se atravb
plano, como pma do pens>menlO (ve-
d1mtns1on<1f, 1ocam ja adianie). Os obje-
1os e cri:acur.is sem
brevemenre o Pl.:tno
Astral :~ . v.ilor de ltneligénci~
O Plnno Asrral é não podem se <les·
uma grande esfera locar no .Pl:ano As1ral.
inOuita de céus e1nbor.l poss;1m
claros e pme>dO<, ser empumdos.
1:11\CO para cima • Tempo: Atem·
quanto pan baixo. poral: F:nores
Cnndcs nuvens como envelheci·
cm forma tubular mcnto, fome,
se espiralam à di.s· sede, e1\venena·
rúncia, ~ lgun1as 1nenro e curo
p2reoendo carre- narural não fun·
gadas, e outras co- cionam no Plano
mo ronlados imó- As1nl, embora
veis de ventos voltem ao nor-
acinunt:ados. mal assim que O
Redemoínhos viajanre delxa o
erráticos de Plano Asrral,
cores Autuam • 1'nn1ílnho: lnfinito.
no espaço como •Morfologia: Alierável.

VARIAÇÃO: MORFOLOGIA ASTRAL PJ,-~ su.a cosmologia que afetem o Plano A$tral da mgma
ÍC•fma.
O Pl~no Astl'al pode apl'esentat uma ou mais catactcdsticas de Estas magt~s e habilid ades só íunctonanam em planos de
morfologia, tmbota atualmtntc ainda não existam magias limites coincidentes ;ao Plano Astral. Na cosmologia de o&O.
c~ ptltes d e moldá-lo desta forrr1a. Algumas magias (e habili· todos os planos possuem limites coincidentes tom o Plano
dades similares, ou outros poderes, como os psíquicos} pod~m Astl'al, por isso haveria pouc;1 dificuldade para utiliza'" estis
ser capates de alterar a n~oa astral, de forma semelhante hibilidades. Ma,s se esse: plano for se~tado de outros em sua
~quela pt:fa qual as maaias de sombra, como C.Olt)IJfOçJIO de som· cosmologia, essas h~biljdadts não íuncionarão.
b10s, alteram a substJnda sombria. Ê possível invent'Jr magias
Passagen s Cromáricas
Astrais Celésria
o • Sem Características de l!lcn,e nros o u .Energia. Algumas
pequenas regiões do pl41no podem ter uma ou roais dtst:.15
ar.Jcteristlcas. mas nio o pbno como uru iodo.
Tendência: Neurro (sua\'ti
~fagia: A1ivada.Todas as nu,gias e habilidades similares uri~
se
(~
liudas no Plano Ascnl podem ser crupreg2<las como
Biropia esuv~ sob o efeito do t:1ltnto Acelc~r ~:tagia. As
~# magias ou habilidades similares que ja esccj.am ace1erad:rs
Elíseo não s:io :Úetad:as, <lssim como a) m~gías originadas de irens

O Terras Selvagens
Arbóreo
mágicos.. As magias aceler;idas dc.st:t for1na são preparadas e
conjuradas cm seu nível normal. Assi1n con10 no caso do
lalento Acelerar ~lngü-1, npen::is um:. magia acelerada pode
ser conjur::ida a c;idtt rodndn.

CONEXÕES ASTRAIS
Ysgard
O Plano Asrrnl é onipresente e po1enci:iJmente contéin liga-
Limbo ção para todos os dernois planos de unta cosinologia. O Mestre
pode restringir as conex6es do Plano As-1ro:l com qualquer
Pandemônio outl"O plano (consulte a aiX2 de ttXIO Variaçâo; Sem o Plano
Amai), mas de form• ger.il o Plano ASl!'al conecia-se com
O Abismo 1odos os lug;iTt$.
~iuitos indivíduos atr:avessam o Pbno Astral sem perceber
Carceri quando conjuram determinadas m::i;g1as ou urilaam pomis
interplanares. Eles só descobrem que c.1ào no Plano Asaal
quando algo d:i err.id~ como uma mqja poria cinntruionaI m.-al
l~ :::::os Cinzentos . conjurada ou quando uma uroduln ,tt targ11 é colocada dentro
de urn bronco porldhl. Qu;indo alguma coisa precisa vi<1jar para
algum lug::ir, tn:'IS não possui outra dir~âo a seguir, geral~
Os Noves ínfernos 1ncnce term.ino no Pl:tno Astral.

( '~
Pode haver ponais permane ntes e ntre diversos pláuOS e o
( ] Aqueronre Plano 1-\srral Os extra~p bn:;u·cs que não pol>11uem habilidades
~~# ,, de deslocamento plannr uri lii.1n1 esses portais paf:l t1lc.1nçar o
Mec.inus ~~ Plano AsrraL
Diversas aberturas conhecidas c:o1no passagens croznãricas
º Arcidia conecram o Plano Astr.al aos dc1n1ls. As passagens cromãtiais
são discos irregular~ de uma cor espedflca, fluruando na
As Tel'T2$ E.xteriores • do
•-.sodio Plano Am:al A cor da posugem indica ao viajante
asn-il que é o destino do ouno lado da ~ssagem cromâ1ica.

O Plano Material
Plano Element:1I do~
Fog'\l;--d_j
Se'e enue cada dez pawgcru: crom.iticas são ponais de
mão única. conduzindo apenas to plano em questão. Os aês
restantes penniccm :acesso em tambos os senlldos. A magia
projtfM astmJ ai.nd:t: se conecu 21mvés da.s p:issagens cromáti·

O Plano
Terra
Elementaldo casem qualquer direçã°' por isso um indívíduo deslocando-se
pana ourro plano ô'li.nda conseguicl rc<uar pa.ra o Plano Astral

O
P)ono Elememol da atrnvés de um ponal de m5o única.
Agua
Os porrais que a1ravessn1n o Plano Astral co1n destino a
PlanoElemental cio outros planos form:11n conduires, que surgem como gra11des
A~lano de .Ene~gi•O
Pos1nva
rastros cill7~·escuros conrr:i o céu astr.11. Os viajanres podein
chegar a derermin:idos locnis ern ou1ros plJ1:nos ligando·se a
unt destes conduites e seguindo-o ate seu desrino, einbora
' Plano de Energia esta seja uma forma perigosa de vi~jar.
Negativa
Os conduí1es faum curY3S e se contorcem enquan10 se
Plano das Sombras deslocam pelo Plano Am:al; conseguir aponhar um dei.. <
como peg2I' um~ carona em um 1omado. Capturar um con·
@ Plano Etéreo dui1e exige um 1este de rttisiénci• de Voniade (CD 20), Um

Semiplanos~
fr.teasso signifia que o individuo e arremessado "iolenra-
men1e para longe do conduitc e JOÍre ldlO pontos de dano
· v:1r1:1)~ devido ã rurbulência astral. Um sucesso indica qt1e o viajtinte
c::ipturou o condui1e, deslocando°"e instantine:unente J>3r3
um dos dois planos conecc:1dos ao túnel. Os conduítes cosru·
man\ fluir cm uma dittção ou n:a ou1ra1 mas não alternam dt-~parccendo na névoa astral Em geral_. uma forrna ssn:al é
d1~6ts com freqürncia, por isso todos os individu0$ que nais pcngosa do que uma c:riatur:t f'l5:ic:a, pois é necessário um
pcg:am caromi cm ripid.i succss;lo 1cmunam no mesmo oiro ni~ de orpoçidade migico poro conjuro- a magia pn>i<fão
pi.ano. Uma forma astr.11 que se unir a um conduíte formari <11lml (em vez de simplesmente usor ""'gm1 planar}.
um novo corpo no local de destino.
1\ v:inrngem de se us:ir um conduhc é que o vi:ijanre
A Forma Astral
prowvelmentc teci uma forn\:1 de rc1orn:'lr do plano de desri.. UJna forrna ast~l p0ssui as nlesmas hubiUd~des do corpo
no. A desvantagciu é que é i.rup<>S$ível de1-e nninar por obser 4
original, incluindo a Classe de Annodurn, os L>on1os de Vida e
~çâo de onde ve1n ou para um vai um conduicc. Ceralmenre os valores de habilidade do PJano ~\.t111eri:il. Mas: urna fo nna
eles slo us:1dos por viajantes asrrais que não possucin ourro asrral «imbém possui algumas diferenças e1n relação à sua
meto de tr-IDspone e que neccssiram deixar o Plano As1·ral O:>nlNpane waterial.
com urgência. ~to n e: Uma forma as:1nl não pode ser mona. Se uma
ÍO<ma aStnl for a~<h ( rt<luzida • - 10 pontos de vida). a
T ABELA S- 1: PASSAGEN S CROM ÁTICAS ALEATÓRIAS PARA
~ma do vujante asml recoma a seu corpo origina~ que per-
A COSM OlOCIA OE 0&0
d%
01-05
Plano
Oomlruos Heróicos de Ysgard
'°'
Anil
nanece int-ac-ro.
\ 11aj an<lo para Ou r-ros Lugares.: Se umól form.n astr:.11 arn-

0~10 Caos Eternamente Mutável do Limbo Pteto·azevkhe \'eSs:ir tnna passagem Cfomátiai ou m:inifcslar-se em outro
11-lS Ptoívndezas Eco01ntes de Magenta ~l u no, formará tun novo corpo a p;)rtir dos subsrânci:is básic3s
P<JndernOnio do plano de descino. O corpo é idê1uir-0 ô su:i. forn1a nonnal,
16-20 Camadas Infinitas do Abismo Roxo·ametista cxce10 por ser hntu1e aos perigos n:1tur11i.s daquele plano. Por
21-25 Profundezas T!rtaras de C.a1ceri Vtrde·olrva ecen11>I~ um corpo ast ral que viaja ao Ph1no Elementa.l do
26-30 Desertos Cin?entos de HadH Vt<melho-fe«vgem fogo 1oma-se imune ao dano d:a c.aractcriscica predomínio do
ll- 3s Etetnidade Gélida da Cttna Marrom-dourado
Í<>go. Se a forma astral for desrruída, a ahna retorna ao corpo
36-40 NOYe Infernos de BaatOI Vttmelho-rubi
Chõtmas cngina~ não i.mpona onde csttJa.
41-CS Campo de Satafha fn~rnal
do Aquetonte leens: Os icens usados, ponados ou carrcgados ~la forma
46-50 N1tv;1na Tec.nológico ~e Me<,. nus Branco-diamante cngínal não sóo afct•dos C3SO su• ÍOrm• :rsrru seja danifiorda
Sl-5S Rt1nos P~lf'icos da Arc<id:a Amarelo.alaranJado cu destruída no Pbno Astral. Q_u;indo o vi01jan1e deixa o Plano
S6-60 Sete P3ralsos Escalonados de Ct-l~stia Oou~do Asn':ll, esses irens dissolvem·se, nlesrno que o viajante pre-
61- 65 Pa1alsos Gêmeos de Bitopia Amarelo-tmbar 1endcsse deixá-los para rrâs. Se alguém rcrnovcr tun ite1n da
66-70 Abt'nçoados Campos do EUsio Opala Í<>rn1a orig.inal e1\quanro seu dono vinitt pelo Pl:.'l nO Astral, a
71- 75 Flotesta das Teu~s Selv,igens Vel'dt:·tsmerakla cópia :as1ral do it~m tambên\ desaparece. Se a foono astral do
76-80 Clareiras Ollmpicas de Arbórea Az:l.ll·safira
vloj:inu: c rnprcg;ir irens co1n qu:antidnde limjtada de usos
81 -89 Oom(nio Concordante das Marrom·covro
{:orno poções, pergaminhos e varinhsç), os usos são gasros no
Terras Erteriores
PlanoMat~I
i·tm vcrd~ciro e na cópia astral
Pbno E&emental ou de En~a; Os ot,,cros apo.nhados por um P'""'""Stm asml podem ser
íaça uma squnda jogada de 1<1% tmidos de volta ao seu c:o<pooriginal, desde que a forma asml
01-20 ~no Eftt'ntntal do Fogo Esme.alda d< logo rtiornc a seu corpo normalmente. Se ::i forma ascral for elimi-
21·40 Plano Ele-mental da Teria nada, os objetos astrais apanhados ::io longo do c~uninho per-
verde-musgo manecem onde estão e não retornam junt:amcn1e com a alma.
41~ Plano [!ementai da Agua Azul~scuro
61 -80 Plano E!cmental do Ar Azul-celeste Cura: No Plano Astral, não ocorre curo natur.iL A cura
81-9() Plano da Energia Positiva Br:.nco brilhante rndgfea Íuncionti normalmenre nas íonnns ;1strais.
91- 100 Plano da Energia Negativa lbano
93 Plano das Sombras E sp1r~I negl'<I Cordilo de Pra ta
99 Plano Et~r«) Espnal branca Uma fonna asrral sempre pode rtcomar ao seu corpo como
100 Semiplano~ escolha do Mrslrt Qualquer outra cor
um oção padrão. Q02ndo uma form1 cm projeçio asml
HABITANTES ASTRAIS :.-ravess:a um:a pa$$3gem cromã1iC2 ou ou1ro ponal, o conlão
e.e pr.ua se une ao portal, perm.itindoqut o viajante recome ao
O Pl:ano Astnl tem pouc:as ÍOrtn3$ ck vida nallY1S.. ~las há seu corpo original, mesmo se a passagem ou pona.l tiver pro-
muitos vi:ajantes. e alguns nativos de outros planos fixam priedade) que impediriam esse desloc:ame1uo1 cco10 uma pas~
residência ncs1e local. Os nl'lis notáveis en1re os •quase Slgcm <le sentido li.nico.
nacivos" são os girhyan ki, u1na raçtt que há n1uito rcmpO fugiu
Cor1or o cordão de prata que vincuh1 n fo nna asrr:.'ll ao corpo
de seus tnestrcs dcvor.idores de 1ncntes e estabeleceu sua
é·rigin:Ll 1natará o corpo físico de u1n vi:"1jruuc as1rnl. O cordão
própria forma de tirania. quase t:lo snng.renca quanto a diradu·
ro dos $e_nhorcs ilicides. O encouraç::tdo as:iraJ pode ser un1a ,er:Un1c1Hc aparece na base do cr!inio do i n<livíduo e este nde-
fonna de vida nativa, mas as origens desta cri.acura são difíceis st: por l,S n1 ances de fundir·se ao Plano Astral Somenre algu·
de escudar. mas: circuns1áncias podem ron\per o cordio, como o vento
Os V1.apntes podem ser cncontndos na forma flSic.a e na psiqui~ o ~taque: de um encounç:ado 2srral ou o golpe de
umo poderoso espada githy.mkL Os monsrros, irens e circuns-
:astral Nesse ühimo caso. des 2~rcctm como i.magcns
pr:nt:ad:as fan1:asm.igõricas: de seus corpos. Um cordio de p:r:ua tincias regulares não podem romper urn cordão de: prara, a
conccc.i·se a cada um,tste.ndendo--se por :alguns menos e enrio mtnos que esra h:tbilíd::rde sej:i e$peciflcad.a na descrição.
Familiaridade Tempo de Voa~
Um viajmte astral fica auromaricamcnte conscien·e dt 2d6 horas
qualqucran1e:tç.a ;;ao seu cordão de pr.ua- m:as njo saberá que Mu to familiar
Cuidadosamente estudado 1d4x6 ho~s
seu corpo oríginal possa esttar em perigo, por isso 1nt1iros dei· Visto ocasionalmente 1d4x10 hora5
xoru gu::ardiões ou n1ng.ias 1"'1r:i proreger o COrJ>O J.l'H•tcrfal ou Vls10 uma vei: ld6x20 hora5
alcrtlr seu dono se houver u1na ameaça. A.pen as descrito ldlOxSO horas

MOVIMENTAÇÃO E COMBATE
·~luito famili:ar· sígnihc:a um lug;tr onde o viajante já esteve
A fuho de gravidade do Plono Asrral o 1r:insforma em um
muiras vezes e com o qual sente·se confort:avcl.
lug;it(Olllpli.c"do paro $C percorrer. Muiro~ de seus habittnres
"Cuidadosa1nen1e estudado" é um local bastil nte conhecido
1novenl·se siLn plesmcn1c iinaginando seu deslocamen10 enl
por visitas regulares. incluindo a 1naioria das passagens
qualquer direção. lsro é sernelhanre a u1n vôo com caJ»cidade
crom;ciC3S que o vl:ijan1c já 1en.ha utiliZ3do. •visto ocasion:il·
de 1nanobr:a perfeita e dcslocamcn10 snã.xlmo de 3 m por
mente• é um lugar conhecido de \1i.s-i1:as esporádicas, incluin·
pon10 de lmeligênci•. Quando se manobro no Plano Asrral,
do ~ssagcns crom~ticas de dctennin.acb cor, mas não um:a
-para cima· e 'par.a b:11xô $lo dercnninado s simplcsnenu•:
J»S$;lge.m crom,ãlica csptt:ifica (qualquer p.usagcm cromJrica
pela orientação do viajan1e (JX!ra baixo seri 1 região inferior
par.i 'fsgard, :io ínvés de uma p:ts.sagem cromática especifica
aos 1>és e para ciin:t s:er:i a patte superior :) cabeça). Ao con~
para Ysgard, p0r cxc1nplo). "'Visto un\a ve1: é uma área obser-
tr.írio de utn vôo nonnnl, ascensões e n1crgulhos no Plano
vada apenas umn vez ou apenas au·a;vés de m:tg:i:t. ..Ape1\aS
Astr31 nlio Jnocliflcam a wlocidade de um JM!rSOnagem e n5o
descri10" pode ser vc.rbalmen1e ou por cscri10, embora un\
h:i velocidade minitna.
mapo par.i o local seja inu1il num plano tão desprovido de
Um personagem astral pode dobnr seu deiloamcn10 , ~• pontos de referincia.
sua c:ap.icidade de manobra é redU2.icb ~r.1 media. Um per·
Os viojantes do Plono Astral n3o sofrem penaUdodes de
sonagceJn astr.11 ê c.-ip:ai de se deslocar a quatro vezes sua
deslocamento por arJnadtn:as ou peso. mas não podem cnr..
Yelocidade (efetiv.lnlentc 'correndo'), nl:is sua capacidade de
regar 1n ais que sua carga 1nâxima enquanto se movenl.
manobra se torna desajeitada.
O desloca1nenro :através do Plano Ascr:il é silencioso.
Os indivíduos com Inteligência O ou se1n valor de
ln1tligóncb (golens, por exemplo) podtm .., desloe>r -nuito Combate Astral
lem•mtn1e empurnndo ou1ros obje1os sólidos. Seu desloco·
menro 1náximo é 3 tn, e eles n!io pO<iem dobri·lo ou correr. Se, O Plano As{r.al nio possui gnvid,dc, por isso os a1x:antts
de olguma formo, fic.rcm submetidos • grovidade locsl e podem surgir de 1odos os lados (consuhe • caLxa de 1exro
p uclon.101 a11d :ar, eles- $e dcsloc'll111 l'IOl"m 3 ln l t"llf C, Contbare e1n Três Oin1ensões, no C:tpítulo 1).
As distâncias eng_ana1n no Plano Asrral 1 e os mapas são Sc:m a gravidade ou nada 1nais par3 aíc1á·la, un1~ ílcch:i
qwse to1alrnenre inú1eis na "astidio ent\"Oada. O te~po pode eferivJmen1e voar pata seJnpre. A penalidade pa1'3 cada
nc«sdrio para que os Y1.aJan1es akancem detcnninacb :área ancr~en{o de distincia após o primeiro é-1 em \'tZ de - 2.
do Pfano Astral dependr de su.i íamilbridode com ela. Não há alcance miXimo, execro o limite da v15io do :1ra<:anre.

VARIAÇÃO: CANAI S NO PLANO ASlRAL VARIAÇÃO: SEM PLANO ASTRAL


O Plano As t~I é um local vital para a maior parta das dis·
Na cosmologia de O&O, o Plano Astral conect11·se a to::Jos os posições planates. pois torna possfvel o desloca.m.cnto entre
demais. E: ntc,il im11g1n11r um plano a$ttal com e.anais que só sin· e-n0rrncs d~l1ncias. Entret.anio. o Mestte pode exduí·lo dt
ton1zam dctetrni~cbs passagens aom.áhcas quando o via· um.a cosmologi.a panicular. Isso prOYOC.a os seguitues efeitos:
janle chega.
Os vla,antes escolhem um plano de dcslíno espec:íico ao As scguír'lles magias não funóonnm em uma cosmologia sem
entrat em um Plano Astral co1n canais, soja fisicéimente o Plano Astral; projtçllo astrof, mensagtm i"urplor.or* e in110c;or
(através da magia viog~'n plo,,o;) ou etn forma astral (pelJ 'rioturos (1-IX)
magia projtfào osiraJ). Se um viajante nSo escolher um plano de As stguintcs magias possuem elementos que não funcionam
destino, a jomacb: atravtt, da névoa a:Stral nlo revela quJisquet t.m uma cosmologia sem 1.Jm Plano Astral: dnc.oro dimt:miottol e
p.lssagens cromáticas, por maís widadosa que StJI a bJsai. zona de cdguo*. Nos demais aspectos, estas magia.s funci0tt.am
Uma ve:z no Plano Astral, um vi~jante pode vet e utilizar normalmente.
somente as passagens cromáticas pata o destino que e!colheu As segointes magias ainda podem funciona r, mas vod ter<$ que
ou par~ $eu p1ano de origem. Se ett vier do Plano Matet ai bus· determinar como isso seria feito sem o Plano Astr•I: porta
cando um.J entrada para Celésti41, só enxerga~ as passagens dimtrfsío,,al, ieletro,,sporle, Gfrc:u/I) de tt.lttronsporte. teltiro,,s·
aomjticas adequada$. Uma pass.agem c.:romltic.a para os Nove ~ cxa:o e des...orrecimtnll>.
lnfefnos estan invislwl ~ra ele e n~ poder.f ser ~ctsS<da sob A passagem entre os Planos n~Trans116oos ainda ê possfvel,
qualquer circunstSnc:ia (o portal repefe o PJ). mas ~es devem ser coe:ustentes ou de flm1tes coincide-ntes. O
Embor.i invisíveis e inacessíveis, as demais passagens plano de destino deve se conc.-ctar ao plano de origem para
crom:iticas continuam ali, e outras criaturas podem atrivessá· que a viagem sc.-ja possrvef. Dessa forma, o acesso ,. outros
las. Assim como os ptrsonagens. estes intrusos só podem dis· planos estará limitado a locais éspectflcos no Plano Matefial.
t1nguir as passagens crom4ticas que condutem ao seu plano Não existe Plano Ascral para que se formem os condultes dos
de origem e de destiM. portais.
O Plano Astral possui a car.zcterísrica atemporal em relação jarues ou c1npurrando-os para ourros planos. A.$ tcmpesD:des
a ~tores como envelhecimento e doença, por isso um mago ps-quicas rimbem podem afc~rar a mente.
<n..,ncnado nesse plano não seno afer.tdo até se deslocar para As 1empes1..dcs normalmente surgem sem aviso. O Pl:1no
outro lu~r. Um viaj:.nte n.3: forma :11s1nl sunpltsrnenre nio M1r:al escur«c cm uma dir~ e 3: ~uridâo rnpidamente
serí> •Íentdo, pois os danos sofridos ~b forma astral não s3o ergolfa 1udo em seu caminho. Somente os que conseguem se
1rnnsfcridos para o corpo originnl en1 ou1ro plano. O Plano aftsrar dirc1amen1e de uma fempcs1;ide psiquica, com um
Astr:il c:unbén' é aceinporal e1n rel:içâo n cura n:nurnl~ por isso dcsloc:unen10 de 96 m ou superior, são cnp:w.cs de cvirá~J;t. Os
sonlcntc ;:is cur:is mágicas funcíon:11n no loc:al. deinois são apanhados:.
Os vi:ijan1e.s no Plano As1r:i1 não soíre1n penalidade de As rc1npesrades normalmenre s-urge1n ~c rn aviso. O Plano
desloca1ncnto por armaduras ou exc~sso de carga. Encre1an10, As1ral escurece em uma direção, e a cseuridào rapidan1e1ue
2s penalidades: por armadura e as ch:anc~ de falha de magia engolfa tudo em seu ~minho. Somenrc os que con.tt:gut.m s:.e
arcazla ainda s.c aplicam. afrsrir dirttamen1c dt. uma 1empes1ade psiquica, com um
deslocamen10 de 96 m ou superiort são capazes de evirã.la. Os
ASPECTOS DO PLANO ASTRAL denuis são aponhados.
Embora seia pratiameme vaüo, o Plano Asrral possui alguns Uma criatura qu~ mergulhar no vento psiquíco seri retira-
aspecto) de interesse pa13 os vü1j;in1es. d;i de seu curso e sofrerá efeiros menrai.s da turbulinCi3
Nílo cxis1e di:a ou noite no Plano Asrrol. Em vez disso, um psiqulc.1. Emborn sejam violentos, os ventos são consistentes.
brilho acinzentado iluiuinn complct11n\ence o plano1 viu.do de per isso se diversos viajanres forem alc:inç:ulos pela mesma
tod:is as direções. Embor'1 não exisra nada no horizonte, a tc1npestade, sel'ào arrenlessados na nH:Sma direção. Consulce
visão Blcança cerc<1 de 180 ro. Os denntis se.n1idos funcionam a 1abcla o seguir para dererrnin:ir os eJei1os rncnrais, realizan·
nonn::ilJncnle. de uma jog•da por grupo para os efe11os de locallzação, e uma
jog:id:i por individuo para os efeilos mcnc:iis.
Tempestades Psíquicas
Obj•tos Astrais
Existem venl05 no Plano Asrral, mas gtralmente eles não afe-
13m os vLajinces astrais.. .As roupas e os cabelos agiram-se Mu11os pedaços de marêria só~da u eneonmm espalhados
dur.1ncc o deslocamento asrra~ mu l'itl'2mcncc os venros nc Plano Astral. A maiorfa destes objetos foi •bsorvid• em
psáquicos sopram mais forte que unl~ simples brl$.1. p:issagens cromáticas ou abandon:id:i por vi<aJantes desc;uida~
Oeasion:ilmcnte. parte do Plano As1rnl irrompe e.m uma dcs (ou fulccídos).
1e1npcsrnde psiquica que cas1iga toe.la a área, :u r:1sando os via- é f.<\eil paf'õl os viajantes enxcrg;irenl esres objefos (de ac-0.r·
• de co •n o çilcftnce máximo non1lal 111• vi.Jin) 1• ""' rfP!dO('~rPm
TABELA 5- 2: T EMPESTADES PslQu1 c As e1n soa direção. Os nacivos do Pl;:i;no Astral, cspcci:ihl'.H:nre os
Efeitos de 1.ocaliiaçlo pata Vialantes em forma f(s~ gilhyanki, quase se.mpre navegam pelos ventos asrrais em
ld% Efeito btSCJ de destroços para utiliti-los nl'I cons1ruçâo de suas for·
01-'0 0es'llaclos. Adicione 1d6 ho1as ao tempo d.a viagem. 1alt:1.as ou pan seus tesouros.
.tl -60 Arremessados fo<a de C!Jtso. Adicione ld10 horas ao Ctorc:a de 10% dos destroços encontrados podem st-r
kmpodeN~.
v:iliosos (o cquivalcn1e a um tesouro de 100 nível; consuJte o
61..g() Pc1didos. Com«~ a viagem no"Jrnetll~.
81-100 Atirados atra~s de t.ima ~ssagtm crom'-ti<a. Faça uma c,pírulo 7 do uvro do MNlr.). Estes tesouros podem ser um
tog~da pela Tabela 5-1: Pissagens Crom.iltic-as Ale-atórias.
baú 1rancad°' um corpo ou uma 1n«J11J,t de carga que foi
Efeitos de Localização para Viajantes em Forma Ast,.;il :ir.emcssada ao Plano Astral no ser colocad:i e1n u1n bumco
1d% Efeito porldlll. Nor-malrnen1e1 os cesouros valiosos encontrados desra
01-40 ~sviados. Adicione l d6 horas .ao uil'npo da viagem. fonna pcr1e nce111 a sel'es poderosos que deseja1n rccu1x:rá·los.
41-60 ArremeS$.ados fora de curso. Adicione 3d10 horas ao
ce1npo de viagem. Divindade> Mortas
61-IO Petd1dc>s. Comece a viagem novamente.
ú.so ~ua cosmologia cenha deuses morro~ (poderes esqueci~
81- 95 Os eotd&ts de prata sofrem 2d10 pontos de dano. t e~o
os via.antes são desYiados (como desc11to ~m-1). da de urn possado anrigo, divindades cultuad.. por raça
96-100 Os c.on:f6H de prata sofrem 4dl0 pontos dt dano, eXlinDS. ou mesmo panteões completos que perderam uma
e cntSo os w11janteS slo arremessados fora de ci..uso díq>uta de poder), o Plano Asrral ..,ri o local onde as formos
(como de-scrito acim.a). fisicas des1a.s di....mcbdcs podem descansar - o cemirério dos
Efeitos Menu.is deuses.
1d% Efeito O que acontece quando uma divind:adc morre - con·
01-40 Atordoado {sem teste de resisl~nda) durante 1d6 minutos. sidcniudo que as divindades pode1n rnesmo perecer -
41- 50 Confu\o (Vontade CO 20 ant.1la), como a magia "'"fvs6o,
dtpende do Mestre. Conrudo, itn:igine o corpo gjga11tesco de
durante ld8 minutos.
51-60 Inconsciente (Fortitude CD 20 anula) dt.irante ldlO horas. uma divindade esquecida h3 muito IC1t\p01 à deriva no Plano
61-80 Medo (Von1.ade CD 20 .ant.ila). corno a magia, durante 2d10 Asrnal, cobcrra por detritos e musgo, a ponto de n_ão ser ime-
m1nvtos. dhtamen1e reconhecivel. .Estc5 blocos vagamente
81- 90 lnteleceo enfnquecido (Vontade: CD 20 ant,ila). come> a hum:ul6tdcs pode ter entre algumas ccrucnis de mc1.ros a
ma1i.a Mfroqv«« o inkkao, dutante 2d10 horas. v>rios quilómetros. As divindades mortas geram gnvidade
Dor (fortltudc CO 2S anula), como um J/mbok> tio dol, lo=ahud:a.. Os habilan1es astrais podem enconcrar •tcrttno e
4
91- 95
dufan1t 2dl0.l0 minutos. caminhar norm-3lmcnte, embora possam libenar·se da gravk
9!.-tOO Insanidade (Vontade CD 25 anc.i'a), como a macia. dadc novamente com apenas com urn pensamento.
Uma vu que os ilncnsos corpc>s das divindades são indes Comparadas com as comun1dades da maioria das raças, os
1ru1i\•e.is. pode-se construir tslru1uras 50brc t"les. Alg•m3S g.ichyanki são extrem1mcn1e nuliUri$1as. .Embora não viV1m
ra~ incluindo 0$ gifh~nki rn2is agnósticos, urilizirr·nos em quartéis, seus lares e nc&óc-tos são organizados de :acordo
e.orno base de opemçõcs. Um• d1vind>de mom não pocl: ser com o posto e a posiçio de cada Indivíduo ou grupo de treina..
movida, nem retir.a<l:a do Plano Astr:rL As tént:lliv:.'ls dt" ams1:1r menro. Os githy;inki n!o se agrupam em famíli:as. mas se
uma divindade morra a outro plano fazem com que el3 remrne identtfican'l pelo g.rupo de 1r<:in~menro a que pertencem. O
iJncdiatame.nre a seu lugar de repouso no Plano Ast rnl. tttin111nenro é u n'I dos v:l1orcs tnais imporrnntcs dos ghhyan·
J~ que cxis1em es1es enorn\C:S corpos, o que são áS divln·
ld e rara1n enre cessa. Cada gitbyanki hua para s uperiu· seus
dades monas? Depende cio Mcs11:c, rnas eis algumas idéi1s: coinpanh ein)S.
Os centros de treinamento, laboratórios mágicos e
psiquicos, btbliotecas e arnpos: de treino são as áreas mais fre-
.Eles realmcn1e ~o as formas mor1ais das divi.nd3dcs e pre-
qüentadas de qualquer rornunidade gitbyanki
cisam somenu~ ser ttun1das a seus espíritos vitais e su:es
Tu'narath: Tuiur:nh i a mllOr e mais imponan1e cidade
con.sciênC"..u pan readquirittm pie.no poder:
dos gitbyanki Foi conmuída sobrcororpodt uma divincbde
Os rorpos não são dtvindode> de fato, mas lãpides p:n os
que:: já csrava morra h~ milênios quando des chegaram ao
deuses - grnndes ídolos dos Pl:iinos Exrcriores :1.mtSr:ados
Plano .t\srrnl. .Existe gnvidade direcional stibjcriv::a num mio
para o local qu;"tndo t divindade que represtntav:1n\ desá,.
de 60 m cb forma rochosa, o que pcnni1e que os habitantes da
pareceu. cidade se desJo<1uem nonnnLnen1e.
São divindades de fiuo1 rnas não estão .mortas, so1ncn1e T'in:.ra1h abriga u1nn populaç.io de cerca de 10.000 gi1hyan-
adonnecidas, aguardando o rt1orno de seus seguidore.s e kt A cidade também é suf'icien1emen1e cosruopoüta p:1r.i :.tbri-
acumulando forças para acord~r t refazer o cosn1os. gar outras raças cm bain'Os próprios: bariaurs, humanos e
O processo de rest:aurar a vida das divindades tarr1bé:n1 algUlllas raças abissais. A líder de todos os gítbyanki, a rainha·
depende da rosmologia, mas a presença do corpo no-mol· ~ vi\'e aqui, nn1ncn1c deixando o san1uário inrerior de seu
mentt ~ um Ólimo ponto de p,ar1ida. Como resuh3<1o. via.. °' palácio gígantcsco. O palklo é esculpido no que foi a cabeça
Jantes que tropeçam cm uma divindade morr:a r-imbém da gigantesca divindade m«ta oode Tu'narath foi comcruida
cncon1nm adorndo...es, t lCrigos ou t3lvez até um conclngtncc De longe, e a maior e mals :1lc~ estrurura em roda a cidade.
fixo de seguidores. Alguns podem ser ex-devotos d• divin A Ramha·Litli: A atu>l lidcr d2 roça githyanki, Vloakirh •
d:i.de, tenr:i_n do pro1eger &ua forma física de viol;ldores. r:iính:a~lich1 rem govern:tdo ;ibsoluta por mais de mil anos. Sua
Outros podem ser adoradores de diviJ1dades posrerioreE, que longevidade se deve :10 processo de transfon1açção e.rn n1orto-
desejam m :uuer ett::t divind~dC l"l;J'W"CÍÍir:i in:ltiva p !'lr:'I SeU'I • vivo. Elti não tom hc:t1:xloiro" e diflclhne.ltt<' ~srAl hP~ 111n , J'lOi.;
pre. Nenhum tipo de seguidor aprecia inrrusos. não pretende deixar o poder e, logo, os herdeiros s~o
desnecessários.
Githyanki no Plano Astral Oc aparér.ci3 horrenda, a rainha~licb parece um cadive.r
Os gilhyanki vivem no PI.no /\stnl cm cidades, foruln>s e wlho e enegreddo, rom olhos atdenrcs de esmeralda. Ele
cid3delas. .>\s maiores cidades sio consmúdas sobre dh1in- gosr• de longos robes púrpuras, dcbru>dos cm dourado e bor-
dades morras esqut<-idis e sem nome, cuja essência divma jí dados coro pedras preciosas. Uma elaborada tiara de ouro e
se: rnnsformou em simples rocha. rubis e um cetro com eabeça de d!2gão incrustado com m:1i.s

CARRACA ASTRAL
Ataques Especiais: Aríctt 10dl0
Esta nau astral de 30 m de comprimento tem um dt."'tUC supc· Qualidades Especiais: Construto, dureza 10
rio1 aberto e deq1.1cs intermediiãrio e infe:riO( complet.amcnte As naus astrais slo objetos errados magican1ente e têm
fechados. Ela exige uma tripulaçSo mínima de vinte ma1inhe•· grande utilidade no Plano Astral. Certamente não são c1iaturas
ros, ma.s geralmente opera com quaren~. incltJindo um capitlo em si, mas se forem aprop1iadame-nte tnpuladas, slo 1ra1adas
de 11• nfvel um pnmeiro"ÕÍtCial de Sº nivd e cinco imediatos como cons·1ru1os se movendo pe.k> Plano Astral.
de 4• nível. As es1ads1ic.as de ataque e dano abaixo só se apfi· Combate: As naus as1ra1s são armadas com bales11as.
cam quando as baJe-stras forem ope"1das pelo contingente nor 4

Qu41ndo operadas por uma tnpulaçJo ..padrão'" de githyanlcJ,


ma1de githyanlti. Da mesma íorma, o ataque de aríete so-nente elas têm os valores de ataque 1nd1eados acima. Cad~ g11hyanlc1
ser~ possívet quando o capitão cservcr ao leme. pode disparar ataq1.1es à distAncia. poderes de psiquismo ou
magias corltra outr~s criaturas a parlir do deque da nave,
Carraca Bçileitras: As bale-stras 1ên1 1.1m increni ento de d i ~tã n cia de
Construto Colossal 90 m no Plano Astral.
Dados de Vida: 18d10 (99 hp) Ariete: Em qualquer fOdada em que nenhuma balestra for
Iniciativa: ld~nlica à do caplt.to -4 disparttda, um capitão pode comandar um a1aque de arie1e
~locamento: 1S m (apenas no Plano Astral) contra uma criatura Enorme ou maior. Se a proa da nau astnl
CA: 30 (-1 tamanho, - 1 Oestrez~. +22 natural} esttYtr a mais de JS m (cm linha reta) do alvo. ~ti ap1z de
Ataques: Corpo a eo<po: 10 batitras + 2l pe<corre< o dob10 de sw ôulocametato para aliar com o
Dano: Salcstras l d12 ariete, com +23 de bõnus dt auque. intli-gi:ndo 10d10 pontos de
Foce/Alcance: 30 m por 9 m/O m dano por pe<furaçJo.
nibis ÂO seus símbolos de 3utorid1de. O c:ctto foi um pre-- Os gichyanki culruam a ninha-lich como mie adotiva de
sen1e dado a Vbalâtb pelo consone "•nnclho de Twna1, 1odu sua nça e poucos se oporiom • da. Para eles. sua palavn
Ephdcmon. É possívd que o ce"o seja a ttprescmação llsica ~ • verdad<. Apesar disso, • ninha·licb defende sua posição
d:a rrégw ent-re os dragões vermelhos e os gichy.anki. ciumenramen1e. Ela devora a essênci2 vual de qualquer
girhy:tnki que c:hcgnr ao 16° nivcl de pe:rsonagem. Este 3f O
TABELA 5-3: ENCONTROS ASTRAIS
nutre seu espírito morto vivo e elimina fu turos rivais.
4

NE
111% Encontto NU mero NO Prcl N:n1s Astrais Cithyanki: Os githyankt possuem rale1nos
01 Entour;içado Astral 1 17 17 C5pcCi:\iSde criação de irens, que lhes pe1·n1ire1n f;ibt'icar su1s
02-10 Objeto A.sttal 1 (in1osas n3us asttais. Cada 11ove é dif1cil e construir, exigindo
n-n Fo.-ma Astral, M<1go de 1r nível1 17 17 :inos de crnbalho.Ascomunidndcs pcquen2s têznacessoa algu-
14- 17 forma As.trai, fciti<:etro de 11• nive-11 17 17 rn:as t'mb3rcações, n\as as grandts cid:tdes íonale.zas co1no
11-20 Forma As.tr1I. dérigode 1r nfvel 1 17 17 Tu'nJnuh 1ê.n1 frotas, muiras delas usad~s para o comt:rcio.
21-2• e~rdo de 14° nfvel 14 1•
10
As naus a$t-nis v:triam em tamanho. de$de de peq~nos
25 CdnttaJ. firre 10
n 13 l<quiíe- •« goleões, m•s 1odos se patteem com ban:aças •
26 c.c..1..1. gl>ado
27 Ct&t$hal. plaMr.irio 16 16 r<mo. A nworia é equipod• com orpõcs e bolestras, e algumas
23 Ct&t$tial. solar 19 19 possuem ca12pultas. As naus <1s1r.11s podetn 3b3lroar oums
29-32 Cl6Ngo de 11• nrvd e 11 12 n:aus e cri:ituras m3iorcs con1 tué duas c:uegon...s de 1am:inho
Gucr1ei10 de~ nível infcdores.
ll-3• Cou;ul 2 10 12
35,..4 Passagem crom~tita 1 ENCONTROS ASTRAIS
45 Divindade morta2 /\5 cri:uuras enconrradas no Pl:ino Astral, com algumas
46-47 Demónio. bebilith 9 9
g 9 rotí\•eis exceções, coscuman1 se originar cm uin dos vãrios:
41 Demónio, sócubo
49 Oemõnio, vrod:J 1 12 12 rbnos 1ocados pcb regiãoamal Algum .. criarur:1$ possuem a
SO-SI O..bo. namigon. ldl 10 12 hbalidadc natural de cíerwr vfagens pbn.Rs a cs« reino,
ca..tpndo um posaô<to "°"""" CUl1'2> cOnJuram magias que lhes ptrm1tcm faü-lo. e oua:ras
52
Sl
Oo•bo. gdugonl
Oi~bo. kyton
1
2d6
ll
6 ,,
n cheg;am 30 Plano Astral acravts de-pon~ls e acidentes mágicos.
A cabel:t a t:cguir é adequada par.tos vl~Jan tes lipicos, m:tS o
54 0cvof:tdor 1 11 11
~1cs trc també m pode urilizá-..bi como referência para as
55-56 Gênio, da o 2d• 7 1t
ubclns de encontro e.m :irens especificas, adiciona ndo nova$
57-58 G~n io, djmn 2d6 s 11
c:ri::11uras ou alterando as porc:enmgcns. Ela !-Oi concebida parn
~9-60 Gen!v, e(, « t •d• 3 f1
viaj:i n1cs :identrando fisi c~ ment e o plano :uravês de magias
61-62
61-6•
Genio, jõlnn
Gênio, marid
l d 1 ~5
ldl
•9 11
11 como v1agt111 pla11or1 eJnbora exis1'1m cri:uurns presenres que
65-66
67- 10
Esquidrlo Cithyanki 4
G'thyinki, Cuenáro ~ 6" nf\-e' 1d6•1 6
,,14 i"'clusive ameaçariam os viajanres cn1 forma astral
Num rcsuhado porcenru:JI de 9&-100, os pcrsona.gens
11-71 G1thyanki. Mago de s• nMI. 1 6 11 enconinmalgodaTub eb 5-3: Encon1rosAsmis. Realize uma
trk GUVTeuos de s• nível jogad• por bora.
74 G.thy.a.nb. Fettic:eiro de 9"' nlvel 1) 1) ,
montando um dt;agJo vttrrielho
jovem adulto PLANO ETEREO
75-76 SC!1ta GithzeraiS 1l
77-80 Rrak.l<ma Githzerai6 14 Ê um plano fora de fuse.
81 ln t.'Vit ~ vel. matut 15 IS É tnn plano de fantas1nas e inons1ros.
32-86 MissJo comercial dos mercano57 12 Esc.í bt1n ao seu lado. mas você ne1n 1nes100 o enxerga.
87
38-90
Dcvo1ador de mentes1
Pt-sadelo voador
•1 8
s
12
s O PIBno Ertreo é um.a dimens~o encvoadl\ coexistente com
91-95 Vento planar o Plano '-'1arcrial e freqüen temen1c conl outros planos. Os vi2'
96-97 L.ad.no de 13• nivef com um 1l 1l janru no VJJinO E1ireo deSCJ'CVC!m o local como um c:onjunro

93
99-100
'°"'
T1tJ dos "'""" 1
ldl
21 21
<e n<voas rodopa•n<es e neblin" colondu. O próprio Plano
!.la1erial c visível do Plano Euõreo, nus parece ali.fado e índis-
Yugolote, muzolote 7 9 nnco. com cores borradas e limhes 1ndcfin1dos. Os habitantes
1 Em ptoicçjo '"'"''- t téreos observan1 o Plano ?..i atcri:al como te fosse atr:avés de
2 10% do d~at'ICt dt eiiistir outrõS wr« pttttfttcs. \IM dtnto ~ n• ní~ e trts um vidro di.s1orcido e embaÇttdo.
IWffitl'°' de r niv.r (OJ ..SO) au joy.ue- novJ,menl~ n;i t1bela dt ~ntro$

(Sl• IClO).
l!nlborn seja possível enxergnr o Plano Material a partir do
l A c;n11ur• nlo possui a h1billd1de lna" de ltlg1e1t1r no Pl•r'IO Ast1al e foi i.wo- Jtl:i no Etéreo. o lHümo geraln1en1e (o invisível do priineiro.
o41/<0flVOC•d1 póf oalfO ser ou aul'YtS de um1 p1u1icm uom.itica. Nonnnhnen1e1 3Scria1ur3s no PL1no M:uerla1 s.~o inc.'lpaics de
• O e141u11dr.\o i cotiitituldo por qu1l'ltt Cuttt,.~ dt' )• ~I. do" gwrreiros de r
11W, ""' up11lo gw-rreiro óc,. 'INd, ~um dr1110 mmdho ~m.
lt ic~r os seres do Plano E1éreo e vice·vcr!l.:t. Urn viajanre no
ri.ano Eré1co é invi.sh•eJ, incorpóreo e completamente si1en·
s A MwU C4Nl1o41t' de quinze mQtlVS ou """'"''OS
6c )• """'- m11J doos ml>f!C"'$
cioso pari os individuos no Plano '-'iatcrial tno ioma o Pl3no
~ r ,.'wd ~ ~ tMtt* moitte • , . IWt'
E1êrt0 cxt«:numente útil plr:I missões de reconbeamento,
6 A lfllÜJIU COMdle 4equ-.lllO ~ • r ~ 4'lft "*'P de Ir- .nd. e"""'
-.llftl#O de Ir~ <spionagcm e oums 0C2Si-ões em que i necessário mo~.rer-se
7 A "°"st.ao (Ol'lllC'f'CUf com.ice óc ufl ~!"0$ t' .... pi~th~osu1 ~nlti, sem ser dctec1ado.
IY'""'°' ck s• """'-
O Plano EtiEreo. em sua maior pane, não apresenta urru o plano. Da mesma forma. os viajantes que abrimn um panal
runs e barrcins. Etutt.ranro, de rem seus próprios habiranres. para o Plano E1éreo e os 1nd1vídu0$ 3TTCmess:idos nclc por ao·
Alguns destes s~o vi.ija.nres eréreos, mas os fu ntasro3S e nt0n· deme 1omam·5<: etéreos (afeiados peb m•gia """"º
rlmo) ao
crados no local representam u1n perigo especial para os ca chegar. 1\ 1nenos que tenham a habill<lade de delx::ar o Plano
minh~ntes <ln névoa. .Etéreo ou que encon1rern un.1<1cortina que os 1r:1nspol'le para
forn do P!:ino E1êreo1 elts Gearão ;iprision:1dos.
CARACTERÍSTICAS ETÉREAS
O Pl:ino E1éreo assemelha·se 3 um -plano de vácuo.. pois HABITANTES ETÉREOS
está extrcmamenre próximo ao Plano ~i~rcrial .Ele poGe ser O plano E1êrco é muno mais povoado do que o Plano Asnal
concebtdo como uma quana dimen$lo Gsica ou como uma Existe uma gr.ande v:aned3dc de nativos, assim como vi:ajanres
vibnção ligc111amente for.a de sinroni:. com o resto do u niv~r~ freqüentes.
so, .Ele tem as seguinres caraccerístic;is: As bestas n1âgicas, como o saqueador erérco, a ar:inha inre~
plnn:1r e o saheador etéreo, u1iliz:un o Plano Etéreo. Elas não
Cravidncle: lJ\existentc. sio cx:mi:·planares lcgícin\os, tnas criaturas do J>lano Marerial
Tempo: Normal que se adapntmm par.1 usar o Plano Eréreo t caçar ~uas presas.
Tamanho: lnfinico ou Fmito. O tamanho do Plano .E1éreo Os viajantes ao Plano .E1éreo incluem ex1n planares com
depende do plano adjacen... xcsso a pomis mágicos ou cortinas. Confonne indicado
Morfologfa: Ahcrável. Entttunro, ha pouc:o a ser ah!rado acima, deslocar·se ~ra o Pbno Etéreo atnv~ da magi:a portal
no plano. ou viagem planar ton1~r.i o viajante etéreo. Outr.t magia se.ri
Sem Caracte,risticas de Elementos ou Energias. necessária para que os viajantes retornem ao loc:al dt orige m.
Mesmo se. o pl:'lnO coexistente dvcr tuna ou mais dessns Um grnnde perigo do Plono Astral são os funtasmas, que
carac1criscicas, o Plano Etéreo n5o us tCl'á. freqiienremcnce hablt:im o lugar. Essas cri:uur.is 1ê1n un\ 6dio
Tendência: Neutro [suave] profun.do e consrance dr todos os seres vivos, e nenhuma esti·
ma pelos viajantes que se in1romcrem em seus tcmtórios.
Magia: Normal. Isso signi.Gca que 2s tnag.ias funcit>nam
normalmente no Pl3nO E1êtt0, embora nio 3tra\ltSSe.m MOVIMENTAÇÃO E COMBATE
P<'" o Pbno Material É passivei usor uma magia bola k fogo
contra um inirnlgo no Plano .Erêreo st o conjura.dor estiver O deslocamento no PIJno Eté.reo ê simil:ar :ao movirntnto no
no 1octil, nH1s essa mesma bola dt fogo nlio afetaria nin~uém Plano Materi:aL En1rec-:into, devido 3 n11:ruttza ncbulo~ da
na região COrl'espon<len1e do Plano MalcriaL U1u especra· proromatêria do plano, um viajante pode se mover para cima
dor no 11Jnno Mnrcl'lal poderia can\jnh:ir através de um vu p<lr.t baixo con1 11 t1'I C$1tta fueilidad<: CO O\ que pcroor~
campo de b~u~lha etéreo sem senrir 1nois do que um :Jrre'Pio S\Jperficies sólidas. Con1udo, todos os movimen10.s utilizam
na nuca. metade dodcsloeamcnto regular, seja par.a vi:ajances ou para as
As únicas exc:eções são magias e hobaladadcs similam que criaturas nadv:as do pia.no.
u:1ilizam energia mágica (com o de.scriror cnttgia, como mis· Existe um •)ado de 1>wco• bem definido no Plano E1éreo,
sil mágua ou n111mlha dt tntrg1a) e abjurações que aferem seres que corresponde a grnvidadc do plano coexistente e •nC»O.
etéreos. Narurah11en1e, os conjuradores no Plano Mo:tcrial .Entreran10, nTio h~ risco de queda.
precisam de algllma forma de de1ec1ar seus inimigos no Plano Umn vez que o Plano Etéreo é coexisrentc :'IO Plano
Etéreo an1es de conjurar mag.i:1s bascndns eJn energia <onr~ Material, a maior pnrtc dos viajautcs c.·uninha norruahnente
t lts. Embora seja possível atingir ini1nis;os no Plano Etéreo sobre o solo do Pl:ino Material. As cria1ur:as do Plano Erêrco
com um rnÍ5ilf mci:g1ro conjurado do Plano Material, ' ' con~ pedem atravessar objeCO$ sólidos do Plano Ma1cria~ mas n5o
tririo não é poss-ivel Nenhum a1aquc: rnigico attavessa do podem amv..,.r objttos sólidos do Pbno E1érco. Ao con-
Plano Eterco par.a o Mate ria~ nem mesmo ataques de energia. 1ráriodo Pbno Astral, o PI.ano E1erco não oferece fomus rápi·
das de pem>rrcr grandes dasrõnci3s.
CONEXÕES ETÉREAS Urn viajante quase sempre se. desloca f15ic:tmen1c enrte o
O Plano Eréreo é l'irmeme.nre conecrado :ao seu plano c:>exis. Plano Material e o Pio no .Etéreo, no conrnírio dos viajantes do
1ente. Enqu:uuo um viajante desloc.1-sc por e1e, percebe o PI.ano As1ral1que síio cap3tCS <le projetar duplic:t1AS. A fonna
Plano Material ao seu lado a cada p:1sso. 1nais comum de !tllngir o Vlano Etéreo ellvolve 1nagias co1no
Os ponais advindos de ou1ros planos podem se ab::ir no pnsst1o tfirt.o ou irens rn:ígicos como uma ann:.dura com a
Plano Er~~ cm vez do ponto comspondenle no Plano habilldade especial fonna dir<a. Não h> pengo incrente ao
Material Esses pomis surgem como conanas de cores planas ingressar no Pbno Et~rco • pamr do Plano Moteri.tl, já que o
(diferentes d» pass:agens cromâncas do Plano Amai} Eles primeiro esrá essencã.:tlmente v.ttio. Mesmo se houver um
crlam conduhes otravés do Pl:ino Astral para alcaoç:u: seu des· objeto eléreo no c::iminho, o viajante é <lesvlado de forma
tino, asshn como qualquer outro portal, mas suas en1radas indolor ao esp:'IÇO Y;'IZio ndjaccnre.
ílcan1 no l'lano E1érco. Os viajan1es de ou1ros locais 10111an\· Volrar ao Phtno M11tcrlal pode ser 1un risco se houver um
se ccéreos ao lllc:ançar o Plano Etéreo através de uma CQrlinn* objero sólido ou cri111ur.1 no destino. Os viajantes que
e deve m :ur.ivcssar oucra cortin:1 serne1han1e- {ou pos:s-Jirein est iverem sobrepos1os a objeros ou criacuras do Plano
ourra forma de se manif~rar) para alcançar o Pl~no Material. MaterlaJ são desviados pan: o espaço :Jbe.rro m:us próximo.
É possi""I ttalwr vi~ns pl=res (como a magia) i"ra o softtndo 1d6 pontos de dano a cada t.S m pereomdos dessa
Pl:ano Eréreo.. Nesses casos, o corpo 1oma·SC clé.reo ao alcançar fonna.
Combate Etéreo Mc:on1ririo da maioó:i dos planos, o Pbno Erêreo permi1e
cp.1c K tnxergue o plano cocxiscente :uravés: de suas Cronteira.s
O combatt no Plzno Etéreo não é afcraclo pela rururu.a do pana_rts: o Plano ~i.:uerial Não impon-a onde se esrã no PI.ano
plano, com a exceção de que os ataques podem ser desferidos
.Etereo. ê possível ver a região co1Tcspondtn1e do Plano
a par1ir de qualquer direção. Confuhe il caixa de texto Materitl. Enrretanto, a vi.são é limirad:a :a 18 m, c:anro no J?l:ino
Combate ent Três Dimensões, no Capitulo 1. Etéreo quan10 no Plano Material. Além disso, o Plano
A vi.s3o l.iJnir~da no Pia.no.Etéreo 1a1nW:Jn :úera o conlbate; é ~t:ucri:il surge co.n10 se estivesse envoho tnl névo.1, de fom1a
<liflcü visuali1.aros oponentes a long:1 dist511citl. Alé1n disso, um que os observndores etéreos não conscguen\ discernir dela·
grupo sep.1rado pode ter difi<:ulda<lcs e1n se reagrup.1r1 à inedi· U..cs pl'ecisos, como a escrita norn1al. No cn1nni-o, é f.íc.il dis·
du que seus mernbros são arnist:ados parn co1nbates rue1\ores. tingulr rostos e p0ntos de referência. Nos demais :ispecros, a
Os nativos do Pbno Eréreo podem :11n1lr os :aventureiros para vi~o e a 1udiçâo não são afe1:ad.as, por i.5so as hi1bWd;ldcs sôni·
longe dos dem3i$ e então emboscá· los indav1dualmente. eis e os 111:1ques visu.ais disparados do Plano ~l:ucri.11 :1:fetam as
crb1tum ertttas.
ASPECTOS 00 PLANO ETÉREO O con1rário não é verdade. Um v&:1pn1e etêtt0 normal·
De forma genil1 não hã pe:rigo direto para 1 sobrtvivê:ncia no niente ~ invisível e inaudível aos indivíduos no Plano
Pl:tno .Ettrco. Ele re1n uma armOSÍct1 normal e seU$ habi· .hlaccrial. As m2g.ias e habilidades co1no wr o 111visiVtJ revd.am
11Jltes respiram regul.-innente. Os venenos inalados e magl!ls um objeco ou criarura erérea.
como ntvoa n1ortal funcionan1 no Plano Etéreo. As c ri3ru1·as no Plano Erérco não pode1n conversai' com os
Enrre1an10, não há comida ou água, c.xc:eroo que os viajantes s~res 110 Pio no Material, mesmo que desejc1n ser ouvidas. Os
1r.aze1n consigo. Alguém aprisionado no Plano Ecéreo sem cuviJ1tcs etéreos só escu1·a1n os sons do Plano Macerial qlte se
uma saida corre o risco de 1norrcr de fome ou desidrnraç.-io «lgin:11n nun1 rnio de 18 m 1 Lnas sua audiç!o não é afe1:.1da. O
(co1m1lce Perigos da Fome e da Sede 110 Livro cfu Mesh"r}. 0101 o olfato e o P3ladar não se es1endcnl encre os planos.

VARIAÇÃO: O ETÉREO PROFUNDO d1 aleatória) pan conseg1,1i-lo. Ele 1ngtHU no Plano Material a
JdlO.l.S km de..., ponlo de partida. numa d1reçJo alc••óri._
Nonna.lmente, os viajantes utilizam o f>tano E1é-reo par.i atra· A cosmolog.aa de o&O não poss1,1i um Etlreo Profundo. mas
vess.ar o plano coexistcrnc. Como opçlo. o Plano Etéteo pode voe~ pode acu~scent'á·lo ~sua cosmologia como um nW:todo de
ter uma regiSo separada do Piano Material conclacionado. Essa alcançar ou1ros planos ou um local onde vivem criaturas par·
~1ea sena o Etéreo Proíundo. ticulatmcnte perigosas (como um~ n:.çSo de fanH1smas ou um
A rnelhor forma de descrever o Et~reo Profundo é a analogia reino dos sonhos).
l'ntrt' 1un Meano e a costa. As i1:guas rasns próJCimas à ct>sta V,11l"'r~o. S~1u Pl411Q Eté1co
representam o Plano Etéreo onde ele Cot'Xiste com o Plano
Material. Ao se deslocar para o mar abeno (afastando-se do o Plnno ( téreo é cof1ec1ado firmemente a seu plano coexisten-
Plano Material). as águas s~ aprofundam. at~ que se perde te. Entrttanto, o Mestre pode criar uma cosmologia stm um
compler.ameflte a vislo da costa. O octano profundo corres· Plano Etéreo. Isso afeta uma grande quanudade de magi.as.
ponde ao Etbeo Proíundo. itzns m'gícos e criaturas..
Os YLJJantes a camirtho do Etbto Profundo percd:iem o
Plano Matenal de modo ainda ma1:s. encvo.ado. A visão comum A; segu1nttt magias utilizam dire11men1e o PIAno Etéreo e não
de 1S m f feduz.ida. diminuindo l m por minuto até: que final- funcionam se este plano não pude1 ser acess.ado: Wmora*, ,,os.
mCf'lte o viajante enxergue somente num raio de 3 m. N~sc srio ttireo, forma etbeo. tojodo de éret* e o orca uc.reto de
ponto, ele iôi deixou o Plano Mattrial. Par um observador dei· L~onu.u1d. Al~m disso, os itens m'g•c:os que rtprodviam essas
xado para trás. o viajante torna·se cada vez mais indistinto, até 1-nagi3s, como um 61eo da fotmo etirea. não funciont1m na
desaparecer completamente. aJsêncin do plano.
Se1n pontos de referêt1Gia, a viagem no Et~reo Profundo fun· Ai sesuintes magias possuem elementos que nâo funcionam.
ciona como o deslocamento no Plano Astral. onde apenas o pois n!lo h~ um Plano Etéreo a afetar: dncoro dimensiona/, puf•
tempo importa, n~o a direção ou a di~t~ncia. Oe acordo com o gt'r irlllÍsibjJ;dode, mor1ifestof*, 1non(eswr tm rnossa•, ver o invi.sl·
destino. uma viagem no Etéreo Profundo exige minutos ou wl, Wslo da wtdode. cltsvoritc.lme.nro, 10110 de tdguo*. zono da
horas. nwlof6o• e a-s magias c.om o desc.ntor energia. cotno m&sil
t'l6pt> e nuJJolho de tnUfio. Os outros t~mentos dessas
Objetivos Tempo Ncasdrio magias func.t0nam normalmente.
Rttorna1 ao Fltano ~1aterial ldlO minutos A magia pismt ainda funciona. mas YOCf ter' que determinar
Enc:or11rar uma cortina cromtttca espcciflQ ld10110 hor.is O)ll'IO isso ac0<1te« sem um Plano Etfreo.
Enconuar um objeto tspcdfico no Plano Et~reo ldlCb:lOO horas Aç criaturas que utilizam intensivamente o Plano Etéreo, como
o c:ão telcportado,. o saqueador etéreo. o S:)lteador et~reo e a
Ao retornar ao Plano Mate1ial. o individuo rcnp<'lrec:e num local aranha interplanar, ficam chiramentc cm desvantagem sem
alcntório, rm vez de voh~r ao ponto inicial. O ponto de retorno a:4!sso ao Plano Etéreo. Por isso. elas evitam as áreas que não
estar-1 a ld IOxl .S km de distãnc:ia do local original para e.ada fotntcem acesso a esse plano. Os fantasmas não existem em
minuto dcsper'ldido na jornada de volta pelo viajante. jreas sem o Plano Etéreo.
Determine a loa1ii.ação do ponto de salda aleatoriamente. Na cosmologia de O&D. apenas o Pl1no Material tem um
Por ~mplo, um mago proa-ra uma passagem uomátia no Aano Etfreo cotxiste11te. Nenhum dos planos Interiores ou
E1~reo Profundo. gostonóo 30 horas p.ua fad-lo. Então. ien,. &1enores conecta•se ao Plat'lO Etéreo. de f'onn1 que .is regras
retornar ao pt:ano Matenal. despendendo) minutos (uma joga· a.:wna se apr.am a quaktue< dtssn planos.
~_,,.,--oóiiiiiiiiii....iiiiiiiiiiii--iiiiiiiiii--IOlliiiiiiiiiiii--iiiiiiiiii-----~
O Plano Etêl'eo en1ice sua própria luz difi.lS31 de forn:a que área com a car.ict.cr:isric:1 de znagia nlorta sem rerornar ao
observadores eréreos não precisan1 de tochas pata enxergar no Plano tvl:uerial. Na paisagem etérC:ã, 3S :íre3S de 1nagia lUOfl<I
Plano Material. mesmo que impere tm1a escuridão total oa surgem co1no grandes borrões .uegros.
área correlata. As fontes de luz não expandem o li mire de 18 n1 Sangue da GOJ;"gOn (Variação): .É possível criar novos
para o alcance visual no Plano Etéreo, assim con10 os rnitodos 1ipos de 1nareriais etéreos. Por exe.mplo, as lendas an1igas aflr-
alt-ernativos con10 a visão no escuro. A Percepção ~s Cegas, se Jnam que o saogue de um gorgon pode ser u1ilizado p.·u:a
utlliiada n.o Pl3nO Marerial, não revela as criaturas etéreas, mas impedir que as criaturas etér:eas a1ravesse1n l11na parede. EsS<I
u.ma criatui:a que tenha Petcepção às Cegas no Plano .Etéreo lenda pe.rsjsre, :ipesar do f.1to que o ae-a que normal de um gor-
detectaria outras criaturas eréi:eas com seu alcance norrrial. gon, ao contnírio do efc.ito de perrific.ação de un1a medusa ou
J!ara os obseiv.ido.es do Plano .Etél'eo, os objews do Plano cocar-rii. não afeta diretainente o Plano Etêi:eo. Uina parede
Marerial fica1n enevoados, indistintos e quase transllicidos. conl o sangue <le un1 gorgon misrurado na argamassa ou no
Esses objetos bloqueia1n a visão e fornecem camuflagetn) mas revesrimenro fu ncionaria como uma u1umlha de energia contra
não cobertura. Uin obserwidor: crérco não verá através de uma as criatu1·as erêreas, was scri.'I uma parede norrnal sob todos os
parede no Plano Material, a menos que a atravesse. den1ais aspeç1os. Meio litro de sangue da gorgon é suficiente
Um personagern etéreo com os olhos comple1a1nc1:re no para u1nt1 superfície de 30 rn por 30 1n e urn espéci1ne rípico
interior de um objero sólido do PLmo Material nãc con ~ fornl-ce S li1ros desse inareria1.
seguirá cox.erg::ir. Metais Pesados (Variação): Os meia.is também pode1n ser
S:.Ero geral, o Jnovimenro no Plano Eréreo é in:estrito. Os c.1pazes de perturbar o desloca1nen10 3srral. Uin reves1in1enlo
personagens podem viajar ao cenrro da rcn-a ou às ahur.ts dos de ouro ou chu.mbo -ao longo de un1a parede bloqueatia o
céus (en1bora lenran1ente e de acordo co.m os li mires de co1ni- deslocamento eréreo. Cusra SOO PO pani cobrit tuna área de 3
da e ágt1a). Existem, en1re1aoro, objet~ permancnti!S no m por 3 ln co1n ouro e 100 PO para cobri·la com chu1nbo.
Plano Eréreo que impedem o deslocamento de crfacuras Plantas (Va.riaç:ão): Para uma mudança n1ais dtamática, é
etéreas. Os mareriais etéreos são reslsre:otes ao tato e parecem possível afirmar que as crian1ras ettrcas não podem arravessar
rea.is, .mesmo que não cenha1u unl semelhante exato no Plano cri3turas vivas, i.nc.luindo plainas, no Plano M:.1terial. Por
M;iteriai Gel'.31.mente, esses materiais etéreos são o resultado exemplo, a choupan:.i cobcmi de trepadeiras de Ulll mago
de atividades no Plano Material coexisre.i:ue. Existem diversos pode ser:\ prova de inrrusos etéreos. A<1ueles que estabelecem
tipos de ma1eriais etéreos. seus covis no interior de ât"voces ficam procegidos <la mesma
Enctgia: Os efeitos de energia se estendem ao Plano forma, e os inv:)sores de.scobrem que a própria forç:a viral <las
..Etéreo e afetam a.s criat-u(CIS oesse local. Uma n1um!ha di: a1cr- plantas os n:ia111ê1n à dist5nc.ia. E:<it:l opç.1o conflira co1n a
gin, por exenlplo, impede que tlma cri::irura <,; térca a atravesse. df>srriçiio d:i n\aei ~ pcu~~io ctén:o.
Ern gera_l) u•n viajante e1éreo enxerg;i o que u1.n nativo do
Pl::ino M;ircrial veri.-i. Dependendo da nl<'.tgia, isso pô<le sig .. Cortinas
nificar absolt.1ramen1e nada.
Cortinas lren1eluze11tes co necr~un o Plano Etéreo a diversos
Objet.o s Etéreos: Esles objetos foram construídos no Planos Tnreriores e Jlxceriores. hssim como os portais, as
Plano Material e então rr:ansferidos (gernlrnenLe através de
corcinas e téreas gea1m conduires através do Plano Asrr2L
magia) para o Plano .Etéreo. Um baú de tesouros pode ser
Eo:ibor.i pOSS.írn ser detectadas a partir: do Plano tvfarerial
enviado para o Plano Eréreo conl a magia de.svaru:cúntnlo. por
{com a magia ver o invisível, p0r exemplo), só é possível ingres·
exemplo, ou uma criatura pOde ser rransfonnada em pedra
sar eru uma cortina erél'ea a partir do Plano Etéreo.
etérea pelo olhar de \Una rnedus.1.
As cortinas erére.as funcionam con10 .-is passagens crolnáâ-
·r3_mbCm exisre1n objetos maiores no Plano Etéreo. Por
cas do Plano l\SU:al, mas se..rnpre cornan1 o viaja.nte sólido ao
exero.plo, u.m n1ago pode desejar privacidade contra intrusos
alcançar o plano de desdno (no passo que é possível proje[ar
astrais e1n sua biblioteca . .Ele faria com que unla laje de roc;ha de
uma forma astral através de unla pass:.tgem ci:om:ítica, criando
6 Jn por 61n se tornasse etére.1, e e11tâo oonsrruiria sua bibliote~
cano Pl3no Material na área coexistenie (Orn a laje. Ou, graçis um novo corpo do O\llro lado). Os viajantes p resos no Pl:.ino
ao favor de u1na divin.d.ade 1 um barão poderoso poderia deslo- Etéreo podem utiJi1.ar uma cortina etérea para se de.slocarern
car u1ua montanha para o Plano Etéreo e consn'Uir sua fonalc- para outro local
z.a onde as rochas escavam. Os invasores eréreos encourra1iam As cortioas eréreas quase se1npre são estacionárias. São
uma l.-ije noprimcirocasoeunla montanha nosegund0tan)bos imunes aos ciclones do éter, excero os n13is violentos (veja
obscãculos intransponivcis para os prerensos espiões. adiance). As cortinas erércas conhecidas podem ser vigiad::is,
Um objeto etéreo, quando forçado a 1nanifesrar~se no PJ ano cultuadas ou exp1oradas pelos que i-ên1 interesse no plano
Material, não pode reaparecer no mesmo local de onde suiniu adj3cente.
se houver ou(.ro objeto ocupando este espaço. Nesse caso, ele As cor1inas tan1bé1n podem ( Onduzir a SCJniplanos.
é desloc:ado para a área mais próxiJna capaz de abrigá-lo. No En1bora um sen1iplano Scralmente conecte-se ao Plano
segundo exemplo acima, a monranha não reaparece no Joc3J Astral, alguns poden) cer entradas .n o Plano Erérco. lsso é
ocupado pela fonale7.a. Se a forrale7,3 tiver uma alrura superi· comum e1n se1niplanos ur.ili?.ados como prisões, pois mesmo
or a largura_, a montanha é desviada parn o lado (as:> seja se o prisioneiro escapar, ainda estará no Plano Etéi:eo, onde o
arremessada no Plano Material. Mas se a direção iuais próxi- deslocamenro é lenco, facilmente observável, e às vezes blo-
ma for a verrica~ o barão terá grandes problemas. queado por maceriais etéreos.
Á.r:eas de Magia Mona: u·mviajante que u1ilize magia .t\~sim OOJno qualquer portal, as cortinas etér:eas podem cer
p:.u:a alcançar o Plano .Eréreo não pode deslocar..se para wna suas próprias caracter:isticas. Em geral, são portais de mão
única, enlbora h1j:t exces:ôes (veja o item m:.igico lapt(ar;n
ttirta, a .seguir).
Assim como as passagens c.roroáricas do Plano ASrnl, u
conin:as erérca.s têm suas próprias cores. A cosmologia dt
O&O udliza a t•bd.1 aba1Xo, ln:IH'OCê pode criara sua própna
se dcSt':Jar. (Ã. ~ucrn.u de cotts: das coninas e1éreas e das
~.ss:agens cromi1iaJ nio prec:isan:i combinar.
8iropi3

TABELA 5-4: CORTINAS ETtREAS ALEATÓRIAS PARA A Elíseo .


COSMOLOGIA DE D&D
d% Plano Cor
0 1- 0S Domínios Hetóte0s de Ysgafd Roxo
()6...10 Caos C1c1namente Mutável do limbo Espiral negta
11- 15 Proíunde:i:al Ecoantes de Pandemót1io Esca1late
16-20 Cam1d11s lnf'lnitas do Abismo Espiral vefJ'l'1 elha Ysgard
21-25 l>roíundezas T:lrta.ras de C.aroeri Verde-acinzentado
26--30 Des.tr'tot Cinzentos de Hades Vermelho-escuto
31-lS Eternidade C~ltda da Gee:na Vermtlho b11lhante
36-40 Nove tnfrmos ck- 8aat0t VefJnelho e pieto • Pandemónio
•l-'S CamPo de Batalha Infernal
do Aqueronte Vermtlho mttilico
O Abismo
NIN'Jna TtcnOlóg-co Qc Mtdnus 8~nco
Rttnos Pxrficos d.1 Arddia Amardo..pS!ido
SttC' PJJ1lsos Escalonados ck Cdk1ia AtNrtlo btilhan~ • Can:eri
6t-6S Par1fsos CfmtoS de S.topia Amarelo t1Curo
64-10 A~çoados úmpos do Ells o Verde e-scuro Os De~nos Cinun1os
71-7S FIOfeStíl das Tenas Selvagens Vcrd~me-rakfa
7&-80 ClartiraJ OUmptcas de- Arbórea. Azul brilhantt C eena
81- 89 Oomrnlo Concotdantc das MatrQm
Terras EJ<teriores
90-95 Plano M:atc:rial Prateado
9&-97
98-99
Plano das Sombras
Plano flt mcrital ou d~ Eneriia;
Espiral negra
~ Aqueroore
faça uma segunda. jogad;i de 1d%

o
Mec3nus
01-20 Plano Clt men1al do Fogo Verde lremelu:c:ente
21-<0 Plano Elen1ental da Terra Cinza tremeluzente
• HiO PlanQ Elemental da Agua Azul tremefuiente Ai:cadio
61-W Plano Elemental do Ar Branco tfemeli.izente
As Terras Exteriores
Sl-90 Plano da Energja Positiva Branco brilhante
91-100 Pl.1no da Enf'fll.1 N~•twa Ntgro l1.1St1oso
99-100 S<mopl1no à escclha do Mewe Qualquer ou1r.1 C:Of Pbno M•rerial

Ciclones do Ét~r PbnoAstrol

Sem<lh•n1cs O. 1cm1""1:1des psíquicos do l'Ltno Asml, os


ciclones do éter Jlo centros de presdo de forças mág.íc;:i.s qt1t H ) Plano Elemental do Fogo
perrurb.1m o Pl:u10 E1érco. Eles surgen1 do nada e rcpre~n· Plano Elemenral da .,,,,.,.
tam unl perigo para todos os viajan1es eréreos na ãre;i,
Ctrahnenfe s5o t:io tc.n1porârios quanto as tempes1ades do
Plano M:1u•rlnl11nas à~ vezes desenvolvem-se ciclones perrna·
nenres, que pc1·dui::11n anos ou mesmo séculos.
D -
el'"'º .Elemen••' d, Água
Plano Ele mc ntal do Ar
P!lra que1n cs1á no Plano M:aterial1 o ciclone do éter niio
provoca 1nnis que u1n cal::afrio ou cornpor1amcn10 estmnho
dos :iním:.is próximos. .>.ias no P)~no Eléreo, o ciclone do é1er ·.1 Plano de Energia Posirivo
é um vento Incrivelmente fon e. Roupas, cabelos e objc1os U-.;.....ll Plano de Energia Ncgniva
livrts sio ag.irados, 1nas csporadicamenre •ué os via11ntcs
podem s.er erguidos e arttmessados pelo Plano Etétt<> par11
destinos desconhecidos. Jp".:?~r; Semiplanos Cortinas
Os ventos crescentes de um ciclone do êrer concedem • (varia}
1d lO rodadas de ()f'e(cdCnc:i:a ;antes que o ciclone 3tinja força Etéreas
total. Um uivo assust:1dor :aumenra de intensid:adc :11 c:td2
turno. e com bruraHdade súbi1a o ciclone: :itingc tudo cm seu
caminho.
Os viajantes pode1n escapar do ciclone do e.ter passando ao sofre seus efeitos. ~~as as cria tum p.rcsres a iogrcss3r no P!.ano
plano coe.~tcnrc ou procurando abrigo. As magias o:>m o Eiéreo têm a sensoçio de que algo csci errado no outro bdo
dcscntor energia, como o ptqutn0 rrfúgw de lto111u11t, r~ quando existe um ciclone do ê1er nas proximid:Jdes. l\'.>r con-
guardam o viajante dos cíciros de um ciclone do éccr, nas as seguinte, elas podem decidir nio mgrc$S3.• no Plano EtéttO.
magias do clima como conlrof(lr os ~'trttos e controlar o dor.a nJo
afetam o ciclone. Não é possível fugirdisr;inciando-se de um ENCONTROS ETÉREOS
ciclone do éter. O Plano Etéreo é um Plano TransüóriÔ) u1n plano <1ue existe
Um dos m:i:iorcs perigos de u1n ciclone do érer é qut con· co1no meio de passagcnl de u1n 1oea1 a outro. }.(uitas d{ls t ri:l·
segue d ispersar UJtl gru1>0 de ;ivc.nrureiroSi impedindo que se tt1ras enco1\mdas aqui est5o indo ou vindo por algu1n "'º'
ivo,
locallieln- ou enconrrcrn a s2ída do Plano Etéreo. À crir~rio etnbora algumas usenl o Plano Etéreo como esconderijo pan:i
do ~4esrre. realize uma jogada na tabela .:ibaixo par:i um irupo observar {e tr::tmar con11'21) os indivíduos no Plano M:uerial
de viajantes, desde que cs1cjam rc.btivamente pró).imosen1rc A t3bela a seguir t adequada pari os vUjan1es 1ípicos, mas o
si quando fo1tm atingulos ~lo c1clooc. Mcscre oambém pode u1ilizí-la como rcferin<U pa1'2 1Jb<las
T A8ELA 5-5: C ICLON ES 0 0 ~,. . de encontro para regióe$ especificas, adicionando novu cria·
cl% E~
curas ou alterando :is porcenlagcn$.
01-30 Soírc ldlO pontos de dano (Fortituck CD 20 anula). ~um •esuhado porctntual de 93-1001 os personagens
Jogue novamente após 1 minuto se ainda e$tiver na encontram algo da Tabela S-6: .Enconr:ros Etéreos. Re-aUze
~re.. do ciclone. unia jogad:.a por hora.
31-60 Oesloc.a·se ldlOx 1,5 km e1r1 1.n"J"1a direção ateató1ia. Você
n~o e-stf mais"ª ''"ea do cidon.e e pode volt~' nofmal·
mente.
PLANO DAS SOMBRAS
61-80 Como aama, mas dtsloc.11ndo-se 2d20xl,5 km ~m diieçlo
aleatória. É o plano nocivo d• escuridão e do poder.
11-90 Como ~cima. e sofre"® }<flO pontos de dano (Fon1tvde É o lugar ocuho que odeia a lut.
CD 20 anui.). É a fron,.ir.o de mundos desconhecidos.
9l-9S Sc(,e ldlO ponoos ele dano (Fo<boucle CD 20 anui>)• O Plano das Sombras ~ uma duncnsào escura, ao mcs-mo
retorna ao PIJno Matenal. Se reaparecer no intenor d:
tempo coexistente e de l1n1ues coincidentes com o Pl:ino
utn objeto sólido vocf H~ desV1ado, m:;1;s sofre~ 1d'
pontos de dano a e.ada 1,S m de deslocamento. Material. Ela sobre~·sc ao Plano Material como o Plano
96-100 Atremessado attav6s de uma cortina etérea em ouiro plano Etéreo, de forma que tnn viajanre dos planos é capai de uti·
ou semiplano. Determine o destino ale~tonamen tc n~ 1.izá-}a para cobrir grandes distâncias rapidamcnce. l1lmbé1n
1abel11 >~. possui litnitc:, ""oiu.:.idc1l ccs co1n oucros planos. Coni <1 n\atio
correta, pode ~se usar o Pl:t1\o das Sombras p:lra visirar outras
Os monos·vivos n5o são :ifetados por ciclones do éter, ineh1·
sive os fantasmas e as cri~uuras como os devoradores. Os fan· rea~dades.
~smas que não estejam p1esos a dcJcnninado local do Plano O Plano d•S Somb,.s é um mundo em branco•e-preoo. O
~i~ueri:tl podem cavilg..ar um ctdone do értr, deslizando nos próprio ambiente p.i.rece desbotado. Nos demais 1tsp«ros. é
ventos etéreos. Similar (mas não ~-;Jr21ncntc 1dCnlico) ao Plano }.f:11erUL
(õla!quer criarun que se rornc Clérea (indU$ive ptlo uso <b O céu. por exemp!~ é Kmpre uma :abóbada negra sem sol
magj:i: pi$C.ar) no intenorde um etclontdoérer imedi:n:rnenrc ou es1relas. Os p0n100 de referência no Plano Maretial podem

VARIAÇÃO: PLANOS ETÉREOS MÚLTIPLOS Elcmental do ~ogo. ou u 1Yi:1 caractetística de tendência suave-
mente maligna se estiver vinculado aos Oestrtos Cinzentos de
Na Cfande Roda da cosmologia de o&.D. somente o Plano Hades.
Material possui um Plano Et~feo coexistente. Mas é possível Planos Etéreos Múltiplos podem ser usados em conjun10
afirma' que ovtros, planos tenham aci!'sso a ele. com a opção Etéreo Profundo. Ne$Se caso. os vi.11jantei podem
Alguns, todos ou nenkum dt seus pi.anos podem sercocx•s· dt::slocar·se do Plano Matcnal para outro plano diretarnen1c
tentes com planos et~rcos própcios. O Mtslte pode restting1r att.11vés do Plano Etb-eo. Pr1~r.11mente. o viajante ingressa no
es.sõ •mini-.pl-nos et~reos'" a regiões de determinaco 1ipo. Plano Etêreo coaistentt ao Plano Material De lá. se des1oc.a ao
como Planos de Elementos ou P1.anos Exteriores. Isso significa Et~rto Profundo, e cntJo ao Plano Etéreo coexistente ao plano
que ~ haver um Plino Element.al do Fogo Et~reo ou um de destino.
Plano Etéreo do Elísio. Para realizaf esia viagem, use a escala de tempo indicada
Os habitanres destes loc.:us seriam c.apazes de acessar seu para o Etéreo Pfoíundo, attibuindo ~ tareía a mesma duraçito
pfópfio Plano Etéreo e us~r magias e habilidades similares qvc de ..retornar ao Plano Material". Os viajantes advindos do
afetam o PJano Etéteo, As criaturas qt..1e habitam o Plano Etéreo Etéreo Profundo aparecem numa localização aleatória no Plnno
prim~rio também poderiam sei ~ncontradas nos Planos Etéreo c~xistente ao destino.
Etéreos a.ssociados. Finalmente, é po$Sívtl eoncctar diversos plano$ atrav~s de
Um Plano Etêfeõ conectado a 011tro pode ter alguns, todos um mesmo Piano Et~reo. Por exemplo, todos os Planos
ou ner'lhum dos aspectos desse plano. Ainda teri as r.esmas Exteriores podem ser contctados ao mesmo Plano Et~reo,
carac1erfstla$ bjsicas do Plano Ettteo (gravidade incxinen1·c e enquanto outro Plano El,tto vincula os Planos lntenorcs ao
tempo n0«r1al). Mas ulwz apresente, poc ex~mplo, a carac· ptano Material.
terfstic.a predomínio do fogo se for relacionado ao Plano
ser reconhecidos no Pbno d....s Sombr:as. mas sjodistorcidos e

-
TABELAS~: ENCONTROS ETtREOS dcturJ>Q<loo - reflexos reduzidos d°' paisagens enconmdu
NE no mundo normal. Apesar da falta de íon1cs de luz, dive""•
lei% Encontro Númt10 NO planla.S, 1ni1nais e humanôides considcr.am o Plano das
01-().1 Oo teleport.ador 3d6 2 9 Sombns seu lar.
os <tlcst1al. ghatle 1 13 n O Plano dns Sombras é mucável, e parrcs dc1c Oue1n con-
06 Cdestial, pl an~.trio 16 16
07 Celestial, sol~r 19 19 ciruan1ence para outros planos. Con10 rcsulcado, os 1nap.1s
os Couatl 1 10 10 precisos sfio quase inúteis, a dc.s-peilo dn prcsenç.1 dos pontos
09 Demônio, ;umanita2 ldl 7 9 de reícrênci:l. Se um viajante enconcr:ir \una corei ilhe.ira com
10-11 Otm4nio, btbilith ldl 9 11 a nuagi:a antlot nas sombras. a cordilhcin'I poderá estar lá na
12 ~6.nio, súcubo 1 9 9 próxima oc::asiio. m:as algum:.$ mont-:'lnhas cspccific;1s podem
n 0.abo, cornugot1 10 10
1t1 se dtsloado. A prtcisâo é uma esperança vã no Plano das
14 O.abo, n.1nugon. cava!gando urn 10 10
.,....,.•• YOO<!O< Sombr>s.
15 0.-•dor 11 11 O 1cm:no do Plano da• Sombns geralmeme i semelhante
16-35 Encontro no terft'nO coexistente1 ã área do Plano .Ma1eri:tl uriliz;ad2 pe:lo viajante pira ingreSS2r.
36-40 Ciclone do l.ter Se um 1n:tgo 3dtnrra o Plano das Sombr.1.:. cm u1na ílol'CSta, a
41-12 Cl~ rigo de 11° nlvel, etéreo 11 11 pri1ncira coisa que veri é um:a florcs1~ de son1bras equiva-
4 )-44 Clfugo de l 1° nÍ\•el ~ Gue<r'elro 15 15
lente. Se cs1iver dentro d':í.goa, ap:trcccli c:1n um 1nar sombrio
de 8° n(vc-1. e1éreos
Co;tina etérea
<iue se compor1a ço1no u1n oceano do Plano M:11erial1 de
45- 54
SS- 56 Guerreiro de 9° n lvel. etéreo 9 9 fonn:,a que sua 1n:1.gia respirar tUJ ág1u1 airlda funcionará.
57-61 Salteador c-téreo 3 3 En1re1:an10. ao se afasr.ar do ponto de cntr11d.n 1 o rcrrcnQ no
62--U Saqutado.r etéreo ) 3 Pl:no d;as Sombras 31ten..se dram;atic::intcnre. en1bor.1 geral-
67-63 Fe1hce-iro <le 1s• ntw:I. etéreo 15 15 mtntc rn-2n1enh.a cerra semelhança ao terreno correspon-
69-70 Maeo de ISº nrvel. et&eo 1 IS 15 de1'1e no Plano ~i;uerial
71- 72 Fa.ntJpna, GUttJeiro ~ s• nívtf ld3 7 9
Ctr1as magias C):fl:'aem p:irtcs do Plano das Sombras, ~pe­
73-74 Fant.asma, Mago~ 6• l\fytf g g
75-76 rantasma, Ladino der ní'o'd 9 9 ciallnente ilusões com o dcsc.ritor Sombra. O Plano das
77- 78 Fantasma, minotauro 1d6 6 9 Soiubms é. un\ mundo mooocrom~lico. mas il substincia
79-80 Fantasma, troll ldl 7 9 so1nbrla ex1raída dele pode assun\ir qunlquer color.1:('..io. O
81-SS Mlsslo comercial dos rnercanosl 5 co:ijurador gcrahnente del'ennin~ a tonalídacle, fornuJ e tes-
~4•
90-9S
Pt>1:adPI" vnacft.H
A.tanh• interplanar
1
1d8 '
5
1
11
1urn da ~ul,,!1 1 51 11.. i;, Jr.IHI 1v1noí·h1 111.1b \..V11vi11<.C11h~. Uunr t:&/'Ú""
ca('llo d.: sornbrns que produz u1n3 bold de fogo, por exemplo,
96-100 X1ll ld6 6 11
scr.i p:irecida e:o1n qualquer ou1r1t bolt1 de fogo p;iro os que
f ~ 111rn:a Jopcb P"ª &!«nntna: 11lc11~~ll'lf"l(C ..,,. ....co,.ro tlO i~ <ot-- :iacdHJrtm na ilusão.
-i.W"* .. tSu PI"' do,... Eittco. •sso poc1or ...:1r.v w~, apatt-S dt «te<·
CARACTERÍSTICAS UMBRAIS
"(NiNQ\ . , ~ [~ .......... .a$ . . pos- ~
"" .. aift.CM
""-11.t<t..OCIO'flO~bnall-M:o..c~<.oni f'IMpi • hab 1 dl16t't """.li~
O ?1.anod:as Sombns em vários aspcc:tos e u1n~ dupliata som~
2 (•U <nat1111 nSO poswo lubl~ pt6pN dt Hll"''"' no Marto Ast:t.tl s.i~ pte-
bria do Plano Ma1eri2I. l\iuitas coisas s5o semelhanres, mas
wnçt podf 1nd1<..- <I"'~ foi fll\'iada an-Ms de ovttl '-'l~o (90K>. ou que pode
fl•~ 1,11M <0ttin1 Pira seu plano natal n1s prO'lt1mld1dtt (10%)
exjs:1tm dlfettnps signi.Sc:uivas.. O -Plano das Sombras: possui
J A""''''º comerdal <on"stc de doK rnt1unot t ~ SatHetros de s• tu~ as seguintes caracreristicas:

NOVO ITEM: TAPEÇARIA ETÉREA est verem no Plano Etéreo devem enconirar ouiro caminho
par.a tttorn;ir.
-
Uma UJpcforia erlrui é t.1ma: passagem port4t1I para o Plano !.-.quanto estiver ahvada, a tapqorio eUrco ttriitá visitant~
Etfreo. Asse"'1riha-se a um robusto batente de potta de carva·
qut pttttndt"m ingressar no ptano Maten1I atnvês do portal.
lho. H<ulpKlo com runa-s, do qual pende uma pesada rapeça.ria incu1ndo almas perdidas t M011stros pbnartt. Realize a ;oga.
de veludo bofdada com faos meUlicos. Uma vez montada. e
da dt encontros aleatórios no Ptano Etéreo e decida se as cria·
caso as palJYtiS de comandq se-jarn pronunciadas, a t:apeçarla tur~s encontridas conseguiram atravessar. Um ciclôl'le do étct
torna·Se uma faiu dt cores tremeluzentes que conduz direta·
nlo surte efeitos diretos sobre uma U>ptÇOri'1 ettreo, mas
mente ao Plano Etéreo. O port.al ptrnHtncce aberto até que impcdi11a que os viajantes a utilizassern adequadamente.
outra pt1lav1a de comando seja pronunc1ad:l.
O portal é aproximadamente do tarnanho de uma porta nor·
Enquanto a tcipeçaria e·st~ opct-ando, cria.5e um portal enue
mal (2.4 m de altuta e 1 m de largura). Ao ser desmont.ada, a
o Pf;ino Material e o Plano Etéreo. Qualquet criatura que atra·
ttJP'lfOria eitreo tem 3 m de comprimento. 30 cm de largura e
vessar a u.tpeçaria se- torna etéreo (como :a m.agia formo etlreo).
lS cm de espessura. A montagem ou dcsmonto.igem exige 10
Ela permane« etérea até que utilize uma magia para retornat
m1t1utos pa'a uma pessoa.
ao Pl;ino Material, <)travesse a k11KfOrio citrco na direção invet· Hfwl do Conjurodor.1°; pd-n.qui1it.M:. Ctiar Item Maravilhoso.
sa. ou usem outro pottal. A cortina t'ormad;i pela tapeçaria é
fomo cu1<0: P'<fO d< m<f<Odo: 47. S20 PO; P<so: o.s kg.
ól:Ma no ptano Et~eo. Se a COP"'f"JÍO fot deut~a. todos qot:
• Gravidade: Norm•L CONEXÕES UMBRAIS
• Tempo: Normal Os V12jaures r~dicionalmente acessam o Plano das Sombras
:• Tamanho: lnfinho. atra\"és de m.agias ou pona1s permanentes.
?\{orfologi.a: ~lágia. As m:tgias como co11j11.mpio dr stmbnu A forma mais comum de visir.ir o Plano das Sombns é uu
e cVOt'ação dt son1bm modi.flcam o marerial básico do Pl:tno lizar a magia andar tHlí son1bms para viaja.r rapidamente de urn
das Sombras. A ucilidrtdc e o podeL'dessas rnagi11s denrro do ponto do Plano M:iccrial :t outro. A magia permite que seus
Plano das Son1bras as 1orn:un parlicularmenre úteís pnrn os alvos se desloque1n 1OiS knl a c..1da l O minuros oo Plano das
explorndores e para os l'l\lli\los. SombráS1 não importa seu deslocanlen10 nor1nal. O n1ovi·
Sem Caracrcris1ica.s d e ..Elcinentos ou .Energias. 1nenro ocorre 1orolmen1e no Plano das Sonlbrns. por isro os
Entret3nto, alguinas pcqutn2s regiões do Pl2no das viajantes não dis1inguc1n grande pane do terreno 1n1er-
Sombras (eham~asTerns EscuraSj veja adiante) po$$Jem a mediirio no Plano }-i:Jttrial Quando a m3:gia termina, os via·
carac1erísric:a de pcqutno pr-cdoml.nio negari\'O. jantes re1omam ao Plano ~t;:1crial, se possível novamtntc
·rendênci2: ~eutro (su:i:vel num local escuro.
Ta.m~m exisrem vôrricts en1re o .Plano das Sombns e o
Magia: Ativada. /1$ m•gi» comodescritor [SombnJ.:io2fí·
Plano Materi:al, que funcron,;am aleatorian1ence e possuem
vadas no Plano das Sotnbms. .Essas magias são conjur.ada.s
destin0$ variáveis.. Esses portais intermitentes geraltnen1e s~o
co1nose estivessem sob o efeito do u1lenro ~1axirni1.ar Magi:a,
de tamanbo Médio e dumnl td6 dias anres de des:ip;irecer.
mas são preparad:as e conjurJdas e1n seu n.Í\'el normal
Sua freqüê ncia é desconhecida e muitos deles podem surgir,
Alén1 disso, certac: 1n:lgh1s se corn:un mais poderosas no Plat'IO continuarem :uivos duro nce alguns dias, e desaparecer sc1n
das Sombras. Conjum{~O de sou1bms t tvOlOfàO de sotnbm rêrn que ninguêrn perceb:1 1 ou muJro .tnenos utilize o port:tl. Conlo
30% da força real d;as conjurações e cvoações que simul:am qualquer vórríce, as maglos e obje1os livres (como llechos)
(ao invés de 20%). Coniumcão dt sombms aprimomdas e noc"(ã• podem arnves.-ur de um plano para outro. Esse efejro insinua
dt sombm aprimomda possuem 90% do poder original te não que o próprio Plano d., Sombras está fervendo e bolhas se
~- h~ calcular o efe110 destas magias, oonsidett o nle:nto erguem e estouram em suas fronteiras corno Plano M1nerial
~ía.ximfa:ar ~ilgia p:an obcer o máximo de pontos de v.da ou Esses vórtices illtatórios só a~ruern em áreas de sombn
o má.~imo de dano. e entiio aplique as porcenrag~ns :tc.i-n:a. ou escuridão no Pl:.no ~iaterial Se aparecerem no interior de
um objeto sólidÕ) não é po6Sível qualquer transferência cncre
os planos. M:.s os vórrices que alc3nçam espaços 01berros no
Magia: Restrita.. As 1nnglns que uriliza1n ou gcrnnl !ui ou
Plano rvta1crial são (iceis para os nativos do Plano das So1nbras,
íogo podem frue~s11u· <1uundo GÕO conjuri:idac no Plano <l a~
que desejam infesror o Plano Material.
Sotnbras. U1n conjurador que lanç:;1r u1na magia com os
De 1nuitas fonnas, a n1:igi~ anelar nas so111bras é uma crii1ç5o
descritores !Luz] ou ífogoJ deve obter sucesso e1n um ;este
desses vórtices na1ur:1is, um no inic:lo da jornada e ou1TO no
de Jdencificar Magias (CD 1S + nível da magia). As magias final Existem vónicts maiores, embora sejam raros. Um vór-
que produzem fui são menos e:flcicntts de forma ge:r: I, pois U« pa11icularmcntc grande poderia tngolir rodo um c.ascelo
coclas as fontes de luz tem seu alcance redu2ido pela ner:ide ou :ué um.a cidade, tr.tnsporundo-os permantnremente ~ra
no Pl>no das Sombns. o Plaoo das Sombns.
Apesar da natureza sombri:i do Plano das Sombras, :1s milgiis Os visit2ntes do Pl:ino das Sombras que olharem para rr:is
que produ,..cm, uriliz:un ou 1nanipulam a própria escJrid.io c1n um vónice (p:ira o Pl:tno .?Y1:ucrial) e nxergam o inundo
nõo siio afetadas pelo plnno. com o branco e o pre10 inver1idos1 como o neg:11ivo de unu1
fo1ografia. Apesar de se nbl'irCJn ern regiões escuras do Plano

UMA COSMOLOGl1\ Al TERNATIVA PARA OS Exteriores de tend~ncia Neutra (Mednus. a.s Terras ~triores
PLANOS TRANSJTORIOS e o Limbo, se vocf estrvt'f u11Jizando a Gr.inde Roda) conectam·
se a ambos os pfanOJ. assim como os Planos ln1eri0fes. O
Todos os planos de e.x1st~nc1a conhecidos na cosmologia de Pia.no Astral e o Plano das Sombras são separados um do
O&D são ~fmeados pelo Plano Astral. e o Pia.no das Sombras outro, e n~o existem ligações ef'ltrt eles.
conecta-se a quaisquer Planos Materiais alternativos q.ie por As criaturas de tendência boa ocvpam o PJano Astral.
ventura existam. Naturalmente, esta não é a óníea disposição enquanto as criaturas malignas dominam o Plano das Som·
para estes Planos Transitórios. Eis uma outra disposição que bras, Da mesma fo rma, o Plano Asttal possui a característica de
pode funcion<1r para uma COSl'T1olog1a que você mesmo esteja tendência Som (suave) e o Plano di.ls Sombras ltm a cara<:·
criando. terística Mal 1suave).
Nesta cosmologia, o Plano Astral e o Plano das Soni>rais se Nesta cosmologia, o Plano Material, os Planos Interiores e
contttarn a determinados Planos Exteriores. O Plano Astrail os Planos Exteriore-s Neutros tomam-se ca,mpos de batalha
pennite xesso aos Planos Exteriores C~estia is (os que pos· entre as fcxças celestiais; e inferna.1s/il>issa1s. Os diabos rani·
suem a caracteiisriu de tendblcia Bom). enquanto o Pb.no das mente seriam encontrados no Pl41no Astral e os ar'Conte-s quase
Sombras conecta·se aos Planos Exteriores infernais e abissais nunca veriam o Plano das Sombras.
(que possuem a car.ictetfstica de tendência MaQ. Os Planos
~fatcrial , os voruces são bastante óbvios no Plano das: A cada 10 nlinuros gastos desk>cando·st em qualquer
Sombros, poa a escuridão cbquele plano parece clara em com· dirtÇlo. o usuário de andar nas sombras ptrcortt 1OS km na
pariçõo com o negrume local mesma direção no Plano ~Jateri.al A velocidade de dcs.loca-
O Plano d2s Sombras não se conecr.t :10 Plano Erêreo. As mtn10 t. a mesma, n3o impom 3 velocid:ade da cnatur.1 que
m:1gi:i.s e h;abilid:ades similares que unli2;:1m ou :acessam o csttJll u1iliz3ndo tuular na:s so1nbms. Urn mago a cavalo, :t pé ou
Plano Etéreo não funcionam no Plt1no d:1s Sombras. O Pl3nO voando percorrerá a mesma dist.lncia, no mesmo interv.ilo de
<las Son1bras é coexistente com o Plano Asl ral1 por isso diver- tempo. P:ir.i 1nan1er a velocidade, o viaj:1n1c só precisa conti·
s~s n1agias e po1·cais torna1n possível o deslocarnen10 e ntre os ntur t'IV:>nç:t11do.
Planos. Uni1t vez que a cri.atura usando attdnr nns so1ubms ;'llC:tnçar o
Dependendo de sua cosmologia, o Plano das Sombras pode loc1I descjad~ a scgund:t 1>3ne d:i 1n:1gia é :uivada. lsliõ 3brc
conduiir :a Planos ~i.:i teriais alcemari\•os e ourros planos de um ponal de volra :ao Pbno 1'4aterial, noviuncu1c com uma
exis1rnda. &t.i é uma forma perigosa de viijar, pois o cami· estt.tda sombria conduzindo ao destino. A estrada é ilusória,
nho pa<2 outros plaoos mergulha ainv<s de regiões do Plano nus o pon-al no run dela é rt2l. O vUJ:ance emerge entre as
das Sombras que nio são coexistenrts com qualquer pl3nO sonbra, maas próximas do local dt dtsuno. ES<udando seus
c:onhecido e abrigam uma grande Vlriedade de monstros amdottS no Pia.no das Sombns antes de emergir, o viajante
terníveas. pode ter uma noção de onde apareccci.
Ao dcsloca~se pelo PI.ano das Sombn:i.5, os viajantes enxer-
HABITANTES UMBRAIS gam p;1ls.1gcns sombrias serue1h:to1es, mas não cx.1tan1ente
Embora o Pk1no das Sombras não seja 1nallg.no e1n si, é o lar idêntiens, tio cerre.no con·esponden1c no 1>l:1no M:u-e(laL Os
de tuna grnnde quantidade de criacurns asquerosas que rios J>Odem estar mudados ou ausentes. por cxc.iuplo, e os
odei:tm a lute os seres: vivos. O mais conhecido habitante do cascclos p:arecem arruinados: ou co1nplc1a1nente ahenidos.
plano é a sombra, uro morto~vivo que :ibsorve a essência virai Mos o 1ipo básico do terreno {pânt:'ln()S, cohnas, monranhas}
dos avcnturdros, seja no Plano ~iaterial ou no Pl3no das pc1manece o mesmo.
Sombras. Os v1:ajantes umbrais podem procurar um poml para um
O Plano das Sombras tem versões ruti\'2S de muifas plantas Pl:mo ~l:utri:1I ahe:maci\-'o ou um Plano Extenor. Se e:sriver
e ;1nimais tnconcrados no Plano ~i.-irerial, mas .:is versões som+ prccur.i:ndo um Plano M.ace:rial :1ht"m:1uvo, o vi:rjan1c se afas-
brias s3o wriantes distorcidas e e.scur.1s. ra d.1s ire;as que correspondem ao Pl:tno M.:11enal origin:il. O
rerreno se torna mais radic3l: .as :irvorcs s..io n1alores do que
Os nlonstros mais perigosos) co1no o m11sum de so1nbras e
qualquer estrutura no Plano Mar~ria l, :is 1nont:inha_s se tor·
o vulto non1rno, tainbêm habit;im o Plano das Son1bras. O
11:in1 barrclrns de penhascos e os rios são 1orrcutes furios:.1s..
ê11rh11ln ct ri"~" """v'" rloi:i.: novos h11hiran1es do 1>l:1no, o ecali~e
S:lo neccssanas 1d4 boois de v1ngcnl const1utc para <'l lcavçar
e a nguelm umbral, e uma lerceir.i cria1ura, ~besta crepuscu~
o local do Plano Materialahern:uivo correspondente ao ponro
lar, freqúcn tc1nt:nte e.nc:ontrad<'I nos :irttdotes dos \'Ónices
de s~ída no PJ.ano Material original. Ncs1t ponto, o viajanrc
P"" o Plano das Sombras.
pocle abrir um novo pomJ e ingressar no Plano }l.{:11edal :1lter-
Exi.sce1n di\'Crsas bisrórias de aStelos e cidades inteiras na1tvo. Caso sua cosmologia nio inclui Planos ~iatcri3is alter-
absorvidas pelo Plano das Sombr.is ao longo dos anos. Alguns nativos (os se eles :rind3 nio for:am descobenos), os VJ.aJantes
:ainda sobtf'vivem. mas foram distorcidos ~la natureza sãc incapazes de abór o port3l.
insidio~ e tóxica do Plano das Sombns. Esc:a toxidade, desai-
)t.ilesse 1erreno:rgres1e,0$ viajantes umbnis t:unbém encon-
ra na seção Aspectos do Plano dil5 Sombr.a.s. a seguir, somenre
tnun 1>0rt:11.s que condu?,cm :10 Plano Astnl e para outros
se maniícsr:t ttpós décadas de perm:an(:ncitt no Plano das
Planos lnteriores ou Exteriores. No~men 1 e1 siio necessários
Sombrns. .El:i concede habilidades estranhas e :atributos i;-lu~
td• horns de viagem conscanre p.1rn encontrar urn porcal
n111nos aos indjvíduos infectados pelo toque d3s so1u bras.
al e~ tócio dcsre 1ipo.
MOVIMENTAÇÃO E COMBATE ,\o abrir o portal de qu3lquer u1n dos )~dos com :i 1nag:ia
aular nas son1bms1 o viajante cri.:. u1n pon10 (~co en1rc o Plano
A movimentJçâo é normal no Plano das Soxnbras. mas os vi.:t- >.it rerial e o Plano das Sombras. Este ponto pennaneçc :ativo
jantes COn).Cgue1n percorrer grandes distincias no Plano du:2nte td6x10 minutos. Nesre ternpo. as cri;1Htras do Plano
Macerial corttSpondente deslocando-se en1tt as brumas. d:1; Sombqs pc>dem forçar ~u ingttsso no Plano M;ceri:.1-
Uma cmrura que conhecer o caminho poderi acessar outrOS ou \"ICt·\•ers;1. É necessário um reste de rts1.stênci:r: de Vonrade
planos• partir do Plano das Sombras. Os caçodom de ernopo (CJ 1S) pna forçar a po.s..gem, e essa t<ni>tiva só pode "'r
simplesmente v:igam pelo Plano das Sombni.s., procurando re.iliZ11da utna vez por ponto fraco.
:aventuras. Os indivíduos perdidosJ abandonados ou oprfslonados de
A rnalor pane das criacu ras do Plano M:irerial que estão no ou'l':t formo no Plano das So1nbr-Js devem procurar iun d<!sses
Plnno das Soinbras tuH.iza a m;igi:i andar t1R$ so1nbms. Co1n es1a po·uos fracos n:t tex1ura sombria do plano. descobtlr acidcn..
magia, o COnJurndor ingressa no Plano (las Sornbras, desloca· ml'flente u1n porra) ou vórtice natural, ou encontrar um via-
se cm uma direção específica durante algum tempo, e então janre disposto 2 traZ.C·los de voh.:i ao Plano M,atcria.l
retorna ao Plaoo Material. As di..ções cardeais (none, sul, Combate nas Sombras~ Exceto pelas l1m11açõesdc visão e
leste e oes1e) são as mesmas no Plano das Sombras e no Piar.o magia dtseri~s acima, o combate no Pl2no das Sombns pro-
~la1erial1 mas .a.s di.stincia.s são 1n1çotin.s. Os viajantes cede nonnalmen1e. Os comh:nenres nas sombras lucam em
somente se deslocam mais r.ípido no Plano CU. Sombris do um. univeno de noite erema. Enqu:anro o :ambiente do plano
que no Plano Material. continwmence se altera devido 2 nacurC?..;i morfológic:r do
Possivel
Cosmologia
Alte rn ativa
<""'

·'f'~~IP""""-la..!]O,das/
Sombras
Possível
Cosm~l<?gi•
Alterruttiv::i

O Plano das Sombras e


Cosmologias Alternativas

Pl.:ino das Sombras, essas mud:inças são lenlJS demais para Conmdo, ao longo de décadas, o Plano d•s Sombras é ró<í·
aíernr o terr:eno duranrc um3 batalha. co para os "i1nigninres~. As cria1un1s de outros planos que ggs-
ttun :t 2n aior pnrrc ele !;Uns vid.os no loc:il do~o nvo1 vem nov'~
babi.lldades e vulntrílbÜ.idades p:trn se :adequarem a seu lar
ASPECTOS 0 0 PLANO OAS SOMBRAS adotivo. Q1,.13is habi1idades se ahcr:lm parece ser irnpreVlsh•el
e varia conforme o loal e a criarun. O modW criarura das
O Plano das Sombr:as nio é m21s ou menos perigoso que o
sombras no C•pimlo , descreve algumas vulnernbilid•des e
Pl::ino ~latcrial Cert;is reg1Ms são perigosa>, e os nar.i\os são
h::ibilidades tipk:as que afetam os residentes mais antigos do
hos1is, 1n:is o plano não é incrcntem.en re prejudicial a:>s via- Plano das So1nbr.1s.
jtlnrcs. Ao con1-dirio do Plano Astral ou do Plano Eréreo1 h:i
co1nida suficiente (en1bom freqüenremenH: de cor escura e
A visão no Pl:ano das So1n bras ec1ulv:Uc a visão ern un1:a
noite sc.m Jua no Plano bf~tcrial. A ntaior parte do l<'n·cno ~
pingando sangue negro) e ôgua (ombora seja escura e espe..
tscuro, ímerro1npido ocasíonalmen1c ptlo farol pálido de um
sa). O ar no Plano das So1nbras é nonnal e um naL\'O do
Plano .Ma1erial pode sobreviver durante anos sem ser afera·
ponal ou das foguclr.tS dos 3C2mpamen1os dos vi•j•n•cs. A
visão no tscuro não é aÍctada pelo plano, mas cad.-. tocha.
do. assim que se <'.!costumar a esc-ur1d.ão onipccscnre c o leve
lanterna e m:igia e1nissora de luz (como charna corttínua e hei.
frio constnnre.

VARIAÇÃO: SEM PLANO DAS SOMBRAS Ess.is magias incluem drrCiOIO dimemionot, fulminar sombtos. e
Embo,a o Plano das Sombras ttnha um papel import~nte na """' "• ~º·
Os monstros nativos do PI.ano das Sombras t1ão existem (e põf•
Grande Roda, uma cosmologia pefsonalizada talvez não tenha tanto não podem set invo~d os com invocar criClturos) ou são
esse plono. Se o Plano das Sombr41s não c><istir, os seguintes nativos de outtos planos. Os Planos E><tcriores infernais e abis·
pontos devem ser conslde,ados: sais e o Plano da Energia Negativa seriam exce:lentes lares para
diversos nativos do Pfano das Sombras. Os monstros que uti·
As secuintes ilusões com o descritot ISombrJI nlo funcionam: litam habilidades sombrias aind.t podem o:istir, mas Msas
ond4r nas wnb111S, cdpwlo tk """bros. ~ tk somb111S, h.ibilidades nJo functon.aim ou sJo proYenientes de out1os
tortjuroção de sombro1 aprimoradas, tWJneJ:Gimento so1nlxio, t\IO~ planos ou energias.
çaçllo dt sombte?, evocoflJO de sombr<J aprimorada, <Jtojet.or
Na cosmologia de O&O, o Plano das Sombra~ se conecta ao
frnnaem, sornbras.
Plano Astral e ao Plano Matefial. As limitações acima se apll·
As magias que afetam o Plano das Sombras, mas possuem
cam quando o viajante estiver em um Plano lntefior ou ~terior.
outfos tfeitos, simplesmen1e perdem os efthos sombrios.
do doo) 1em ..,u r.lio de iluminaçio reduzido Jl"b me12do. Por rrar no Plano da$ Soznbras, romando as miragens aincb mais
extmpk>. • magia laa do dUa proporciona 1lum1naçio norm.al penurbador.1.s. Orãculos e profeus ias vtin v11jam ao Plano
num mio de 9 m. tnqu:a.nto uma bnrcma funa-fogo brilha das Sombr.1s em busa de iluminapõ na escurid3o,. tentando
num cone de 9 m de comprimento e 3 10 de largur.t 03 dt1CObnr se as miragens sombri•s s:\o premg1os do futuro.
txrremida<le maior.
.Luzes brilhantes costuman1 :1rr.:iir outros viajanres e
Terras Escuras
nolivos do Plano das Sombr•s, por isso ~ prob2bilidade de Nc Pl:tno d:ts Sombras~ existem rrechos alnd:i mais escuros
encontros é dobrad::i par.1 u1n grupo de vlajnnres portando que as próprlns sombrtas. Es1es lugal'CS sao hnbuídos de e.ncr·
tuna íontc de lu7.- gia neg;H{va. Ninguém sabe se elo es1~ i1\fihrnda no Planodn
0s viaj~ntes do Pl:ano Material :ich:un o plano das Sombras E~rg1:a Ncgaclva ou é 3penas um rcsiduo d:a grande conccn·
frc~ nlas não frio. O Plano das Sornbras abafa ligcir.unen1e tra;Jo de sombras e outros mOrtOS·vi\'05 que drenam a vida
o a.lor das chamas normais. O fogo inflige d:mo normal no al~eía.
plano. mas uma fogueira mundaiu parece ~irir menos calor \s rtgiôe:s das terras escuras p05suem a canc1c.rística de
do que no Plano ~~1t:uerial pequeno predomínio negaõvo. As crialun.s viv.11.s que ingres-
sarem n;s cetro escuras sofrem td6 pontos de <bno de e.ner-
Miragens Sombrias gin ncg:t1iv:a ;i c:ada rodada e se mnsformam em çuuassccht-
Um dos jL5pecros r.nais inquitt:inres do Plano das Sombras é gartm a Op0ncos de vida ou menos. As 1nagia.s e uens mági·
que ele é urn reflexo distorcido do Plano ."1aterial. Um vi:i· cos que 1>rotege1n contrn :a encrgi:t ucg-t1tivn funcionam nor-
jan1e q\1e ingressa no Plano d:is So1nbras a par1irde sua. cidade nu hnen1c nas lerrns escut::lS.
1nu:1I pode se encontrar numa versão ab:1ndonada e cscur.a da Os viaj;ntcs do Plano d3S So1nbrns podem idcnli.flcar est:.Js
nH~sma cidade. Os paralelos n5o s:io txa1os, por isso sua ca52 rt&iõcs fucilmence. Elas s;io mais desolad:as e gélidas que as
pode cst-ar cm ouua rua, conscruíd~ num estilo d.iferen1e ou ár<as ao seu redor (que já 5ào basr:m1e de10ladas ttcs1c plano).
(mais pt0Y2velmente} estar em ruinas. As plan1as cs:üo monas e ressequidas pelos cícicos de longo
Outras mua,gens $io igualmenre penurbadot:ts, como um pnr.o da encrgl> negativa.
tnotmc c:aslek> sombrio onde não exlsre o~a no Pbno Os vór1iccs natur.iis de out?OS planos nao se abrem n3S
~f:iterial. ou um antigo campo de b.:arolh:i no lugn de um:a regiõts das tcms escuras e as magias ou h:ab1hd:1des sun1Jares
rn::isn•Orra. Os mais perrurbadorcs rio os ecos sombrios de qu! gentm portatS no Plano l\-ta1eri:1l 1lcrt:am o viajanic (geral-
pesJoas que o viajanre conhece, crf:uurn.s obscur.is com os mente :urnves de um cilafrio n:a colun:1) de que existe um:t
1rnços distorcidos., mas ainda reconheciveis, de entes queri- região de terras escuras 3 frente. ESS'1S regiões quase sempre
t'ln~ J!'~q11~ ri11plir:1~~ !':on1hrins nlio pÔssuem h{lbiHdades espe- co~rcs1>0nde1u a c:11npos de b:u:tJha 3Ssoinbr3dos, cemitérios
ci:1 i ~ nlt'IS ainda assim o efeito é inquicn1nte. que não fo1-an\ consagrados, e lares de necrornan1cs po<lerosos
Os v1:.ijnnces u1nbtais em um lu~r pardc-ula:rmente fami- no Plano Mace.ria!, assim como qu:iJquer loe:.11 dominado por
Jiar ou significativo devem realizar um 1escc de rtSiSténcia de mor1os·vivos.
Von1>de (CO t S) pan ignor.ir essas miragens sombrias. Se fra.
cass:irem, serio assombrados e f'!Qlr.io agu.dos devido is
Por1ais Astrais
umelh•nps, sofrendo-l de penalidade de moral nas jog>das O Plano Astral possui limi1es colncidenies com o Plano das
de :er.1quc e 1estes de resistência enqu~nro permanecerem em Sombras, logo os pormis mágicos s5o ap;szes de ger2f con~
um local conhecido. Os YiajanlcS que obciverem sucesso no duires a1r:ivés do Plano ASml poro qu•lquer lugar correi..
ceste não são afetados pelas miragens sonlbn:is duranle roda a cion;ido. .Estes porcais são encon1r:tdos: nas: regiões mais
jornado pelo Plono d:os Sombm. :tg:estcs, dls1anrcs das âteas "normais" do Pl:tno d:as: Sombr:ls.
As 1nir:igens so1nbri~s ocorrcn\ por<lue o J?lano das U1n vhtJanre iJ1Cô'lpà2. de alc.ançar os Plcinos E>:tctiorcs dire ta•
So1nbr.1S cstii exrremamen1e próximo :io Pl:u10 Marerial. O 1urn1e podcri:i vh1j:.ir pal'.'3 o Plt1no dns Son1bras e e ncontrar
eco de um Plano b.íaterial ahcmarivo r-:a1nbé1n pode se i.nfi.1. utn ponal que uriliu o P1nno Astral p:trn alcançar seu destino.

VARIAÇÃO: SOMBRAS DE OUTROS PLANOS Conforme o Plano das Sombras se apt®ma de ou11os pi.a.nos,
terde a adqv1tit as mesmas ar.teteristas. Onde o Plaoo das
Na cosmologia de o&o. o Plano dai Sombras i c0ttistente So11bt~S aP'OXÍma·se de Mednus. pot e1etmplo, e~ .idquire a
com o Plano Material e pode sei u11liz:ado ~ra alcançar Planos c<1racieríslica de tendência suavemente leal, e os viajat1tes
Materiais altern"tivos. Os viajantes podern encontrar outros umbrais se movendo em direção ao PI'"º Elemcnt.al da Água
planos atrav6s do Plano Astn1I, qve se conecta aos demais percebem que o Plano das Sombras adquire a caracter{stica pre-
planos na Crande Roda que s3o separJdos do Plano das do11fnio da <igua no térm ino da vitigem. A menos que sejam
So1nbr:is. Mas se você estiver construindo sva própria cos· modificadas pela proximidade a outf'O plano, as características
mologla, 6 possfvel conectar o Plano d1s Sombras a tantos ou do Plano das Sombras permanecem in1Jher1das. Em ambos os
tJo poucos planos quanto dese1ar, sejam Planos Interiores, caioõs acima. as tonas de fronteira conservam as caracteríshcas
Exteriores ov pjanos Materiais alternativos. A magia 'uuiar mu de magia atrvada e magia rfftrita do rnto 6o Plano das
SOtttlrraJ torna·se uma forma mais versjtil dt desk>G.lr·se entre
Sonbm, poos nem Medoos n•m o Plano Elomen12l da Água
os planos. tiM aracterfsh~s de magia que possam ·suplan~·fas"'.
criarura.s ou :riltenndo as porcentagens. As cri.aruras tomam·
se mais perigosos (< os Ntveis de Desa Ao m2as •hos) à medida
O Pl:tno d3S Sombrns e um3 1>3i!:lgern mutável roas gent.. que o grupo se desloc:a p:ina :as terras escur:is m~ls af:1.sr:1.d.1s do
menrt se move lcnr:1men1e. Ao longo de uma semana tl pais~· Plano ,_,f;ncrial.
gen1 se aherari:a o suficiente para lornnr·sc irreco1thecivel.
Num resultado porcen1ua) de 96-100. os personagens
e1nbor:i algué1n observando o plnno cont1nuamenre n:'io
enconrrain algo da Ta~la S- 7: Enconrros Uinbr;iis. Rcallze
perceba o 1novirncn10. Mas o Plano das Son1bras tem StHI
tuna jogada por hora
prôpria vcrs5o de terremocos, que podern ser ler;iis para os via

-
jantes umbrais. TABELA 5-7: ENCONTROS UMBRAIS
Os umbnmotos tambem inrerrompr:m os efeiros d.a magia NE
andar nas sombms. O conjur:tdor deve realiur um reite de lei% Encontro NOmen> NO
Conccntr:1ç;io (CD 20) para m:tnter o controle sobre :r m;igi:i. 01-05 Portal Astral
Se fr.icassar, os alvos fica m presos no plano, como se 06-07 8odalc• ld6 8 11
esrivesse1n 1>crdidos ou ab:1ndonados. Aincl=i é. passivei 03-09 Mantor1 2d4 s 10
IG-16 Efêmero, btsta crepuscul;iir 2d4 ) 8
retornar :io Pl:ino Material conjurando ouu·a 1nagia coubr uns
17- 18 Efemero, ecalipse l 9 9
sou1bmsou localiuando un\ vórcice de son1br:as ou outro portal.
19-20 Effmero, r.cueira umbral 10 10
21-23 MissSo comt<Ctal dos tne<canos2 5 12
A Cidadela Luminosa Vuho notumo. rastejado< norurno 18 18
2'-25
Esr:a fortaleza lendária pode ou n3oexi.stll', mas é o assunrode 26-27 Vulto notun10. andarilho nctumo 16 16
conversas entre viaJantes em codos os planos. A lenda SU'i· 28-29 Vulto noturno. vulto alado 1 14 14
cenra que o Plnno das Sotnbras é :1r1iAci:1l1 criado por uma lG-32 Basilisco de sombrasl ldl 6 9
ll-l5 Urso negro de sonibrasl ld6 2 6
C:d:'l rur:'I csquecíd:i h:í muito re1npo, conl o ineSnlO poder de
l6-l8 Macaco atroz de SOl'nbr<1s3 ld8 l 8
uma divind:idc. 1nicialmen1e u1n nlero sen1iplano, o !'lano ld6·2
)9-41 Rato atroz de sombras.3 8
das Sombr.1s possui cm seu nUc.leo uma Cidadela lu1ninOS;1
de cores e luuit. Para susrenr.ir a cidadela, os memb~ de
42-'4
45-47
Lobo atroz de sombras3
Oib.ccrad<>r o ntento ~ sombrasl
2d4
l

9
9
9
uma ordem que venera: o criador do plano sugaram a .;da. a
luz e 3S com do rcsl2n1e da re:alidade-. As!>irn nasceu o Plano
43-SO
51-55
Gridc ôe sombns.3
t.1.astim dt sombr1s3
l d6
2d4•1
•s g
10
das Somht3S. Ninguém jamais cnconcrou 3 Ciciadcla 56-58 Urscxoru;a de sombrasl 2d6 5 11
Luminosa, rnas dizem que os txploradores que jamais 59-61 Fungo fantasma de sombrti$3 1
' 4
retomar:im de vh~itas às reg"iões n1:1is profundas do Plano dos 62- 63 Umbrtimoto
44-66 Trrbvlo br1,1tal do C0Mbr3sl 1 g g
son1br.ls :'I cncon1raram.
67- 76 Sombra (mo1·to·vfvo) 1 3d6 3 10
Feiticeiro dt 14• nrvct usando 14 14
ENCONTROS UMBRAIS 17- 46
ondt,;1 r..os sombras
As criaturas e:ncontraths no Plano da.s Sombm podem ser 37- 96 Mago de l J• nWtt usando 13 13
r.3tivas - cNçôes 1orpc:s da própri:a $ubst-ãnc.ia d.as sombrat. ortdç, nos SOft'IMrs:
num:a 1mi1'JÇ3o dcsproposirad::t de vida - ou seres do Pl:rno 97- 100 Apirições 1 2d• s 10
~!ateria ! que trocaram o mundo iluminado pela escuridão
êtérn:t. 1 Nlo slo 1'1,Jli'IOS. m1J dl~&.H'lm 10 Plano d<11 Sombras to •dol.aram COl'l'\O lar.

A rabeln a seguir é adequada p:i:m 0$ viajantes d picos, mas o 2 !\ m1ssao comcrcí.JI <OllilJ.lt de quilllto mttç:inos com '*"'" 11111dlt.1 de 3d•
l'l'l&stlns de som'bu1~.
~esrre também pode urilizá·la COll'IO referência pJ.ra ns 3 ~ q1o1t o l'r'IO<klo (hat11f1 d..,, sombt~s
rabeias de enconttO cm ~rt2s tspccíílc:as, adicionando novas

VARIAÇÃO: DANÇARINOS DAS SOM6RAS E O PLANO DAS SOMBRAS


A d.a:sse de prestigt0 dançarino das sombras do Capítuo 2 do ma11a p<>rU1 dimettfio110~. o da1'Çlrino das sombras fiara pr~
liYro do Mutri utiljza ilS sombtas. mas nlo ingrcss-a direta no Plano das Sombns e n.Jo no Plano Ast,.I.
mente no Plano das Sombras. Etltretanto, é possível conectar Ilusão de Sombras: Esta habilidadt adquire o descntor
as habilidades do dançilrino intimamente ao Plaro das (Sombra]. mesmo que a magia imogem silt.rr,1oso (copiada) não
Sombras. Ess;i alteração gera os seguintes efeitos: o tenha.
St fizer esta alteração, perceba que vincular estas habilidade-s
Invocar Sombras: As sombras invocadas ouginam-se no Plano ao Plano das Somb<as lirnita sua utilizaç~o nos planos onde o
das Sombras. P1ano das Sombras nlo pode ser acessado.
• Salto das Sombras: A hibilidade atni~essa o Pbno das Sombras
ttrt ~z do Plano Astral Se algo der err~do (assim cerno na
Os PLANOS lNTl!llIOB.RS
-

s Planos fnreriores sõo locais de poder bruro e rresmo que não haja ó rtSpectlvo plano elemenral, mas os
clcmen1os puros, de esrados primordiais e h1biran1es desses p1an0$ precisario de no\•os lares, a
condições e>.'tttmas. Sio as pedras fundamentais menos que o :i.i esrre os.elimine comple1amen1e.
do restante do univer'$0 e representam a m-atêria
e a energia em seus esr.idos malS primários. N'o
que se refere a desrinos, os Planos Interiores são
CARACTERÍST iCA.~ DOS
os locais rnais inóspi1os para as criaturas do Plano Material. PLANOS INTERIORES
Na melhor das bipótesl!li, os viajante< dcsp1·cporados ficam
à 1nc.rcê destes poderes; na pior, são s(1n ples1nente exri.n ros C'S Plnnos Jnreriores possuern u1ru1 gr.indc q uanddade
co1no vela:; diante de utn tornado. de carac1erts1icas exclusivas, especiflcadns en1 seus ver·
bercs individuais. Mesa10 com as sémeJhnttr :i:s gerais
Na cosrnologia de D&D, os Planos J11rcriores consisre1n enrre os Planos Interiores, o desloc•menro, a visibili-
de qumo Planos de Elementos (Terra, Ar, Fogo e Água) e
dade e o comb~ue podem variar radic:almcn1c de um
dois Planos de Energia (Positiva, o cs:píri10 que impulsiona p.ano • outro. As descrições planares cobrem essas
rodo a vida, e.Negati•-a,a força da dccadéncaa e da entropi>).
s•uaç~s.
C.da urn dos Planos Interiores e uma r<gião de anibi- Apesar dísso, os Planos Interiores comportilham
entes supetticialmente similares. O Pbno J:lemental da
a~ seguioltS can.ctcristicas:
Te(l"Qt por exemplo, e consrituido essenc1al.me.n1e de
maréria sóliüa, enquanto as chamas dominam o Plano • C rav,i dade: Normal, Pesada, ou Di.recion<il
Elemcnral do fogo. Em cada um desses planos há vestígios Subjetiva. Os Planos Interiores possuem difer-
dç ou1ros 1nateriais e substãnci:is, existindo co1no ilhas em enrcs carncterísticas de gc:Jvidnde. O Plano
n1cio no p~domínio qu3se complcro <lo respectivo ele.. ElcJncn1al do fogo possui a c:aracterística de
nl"t!nro pu energia. Os extra-plonnres e visirantes gtaviram gravidade normal, o Plano EJcrncnt:il da Terra
p~ra o conforco oferecido por estas ilhas. A Cidade de
possui a car.icrerística de gra\lidnde pes~da, e os
Latôo, no Pl:i.uo Elemental do Fogo, f o local desta narureza Planos J:lemenuis "vazios" do Ar e da Água pos·
mois ronhecido. suem a ca.racterisrica de gravidade direcional
subjetiva, assim como os Planos de Energia
Os planos ~riores podem ou nõo faur pane de sua Posi11va e Negativa.
cosmolog,.. t\ falta dos Planos lnr<nor« não anula a
• Tempo: Normal •
e.Xístência de elemenros e energia~ :apena.s de realidades
extro~plinares que possuem esses elementos e energias • T•m anho: Infinito.
ctno fu ndamenro. Podem existir criaturas elementais Morfologia: Alterável.
Coraetcrlsticas de Elementos e Energias: Cad• Plano mitir que seus Planos ln1eriorcs sejarn fu11didos uns aos
ln1erior possui urn3 desras arac.reríscic-as de acordo com ourros, de forma que um viajanre possa mover-se flsica-
sua naoureza individual. Por exemplo, o Plano Elcmcn1al men1e en1re os Planos Elemeniais do Fogo e da Terra. .Esses
do Ar possui predomínio do ar, cnquanco o Plano da "p>.raplanos" de elementos mistos possuem as caracieristi-
Energia Ncgati\'11 possui predomínio nega1iv). Os cas de ambos os planos><> longo das íron1ciras, e os narivos
Planos Interiores criados pelo Mestre devem 1cr novas dos dois planos podem residir nessu áreas. As criaruras
caracieristicas de elementos ou energias adequada;. Veja nativas aos paraplanos 1eri2m imunidades que •s proiege-
como exemplos o Plano Eleroen1•l do Frio e o Pl•no riam dos perigos básicos de ambos os planos, mas as criai·
Elcmen12l d• M•deir.1, no Apêndice. uras das regiões mais "'pur:as'" dos PL1nos .Elementais seriam
Tendência: Neutra [suove]. Na cosmologi• de O<':O, os afcradas normalmente.
Planos lnteriorcs não posst1em :afinid3de com rendên.. J)a mesma forma, os Planos Elemenrais podem fundir-
cias e;pecfficas, embora determinados locais possam se com os planos de Energia em áreas de fronteira. E.stes
apresentá-las. M'as, não obsranre n tendêncln, os 1ll'ltivos "quase-planos" reriam as carnc1crislicas do Plano
do plano costu1naJn ser hostis aos visirontes. Elemento! e do Plano de Energia. Estas regiões podem ser
M:igia: Ativada e Restrita. Dadn a narurez.:t bru1a dos especialmente violenras, perigosas e clr:unáticas, devido à
Pl:inos lnteriores, algun1as magias e h:tbilid:>des shni· natureza dos Planos de Energia. As regiões próximas ao
lares são arivadas. enquanto outras são restrita;. Ein Plano da Energia Posi1 iva seriam extrernamente din3rnicas
geral, as magias que utilizam o elemento ou 2 energia do e ativas, pois a infusão de energia posi1iv2 torna tudo roais
próprio plano são •tivadas, enquanto as que utilizam vibrante. As regiões de fron1elra próximas ao Plano da
co1nponen1es ou energias opostas 3 predomin:u.. c são Energia Nego1iv• scri•m ex1 •rp•dos de ioda a vida e cor.
rcs1ri1as. Os deialhes da característica de magia ativada Essas regiões de fronteira funcionam como se os limites
diferem en1re os planos (e entre as cosmologio$}. Em entre os Planos ln1criores fossenl indis1intos e graduais,
olguns planos, as magias e habilidades similar<$ s.>o com um elemenro cedendo lcn12men1c 20 seguinre.
maximiud:as ou porenci3Ji.zacbSi, mu cm ourros são .Existem ourras aborclagens que também funcionariam:
aumentadas ou estendidas.
Plano Energia/Elemento Opc>sto Fronteiras Fixas: Os planos 1êm limites estabelecidos.
As Terta
Terra Ar Um penhas-:o marca o fim do Plano Elemenral da Terra
Fogo Água e uma muralha de água 1nnrcn o lnício do Plano
Água Fogo Elemenrol da Aguo.
Nc:ga1iva Positiva Fronteiras Móveis: Os plonos 1em limites que os-:ilam
Positiva Negativa
de: uu1 l<idO vara oun·o, c 1·i,u\do rcgiõc., que coJnpartil-
bam os a~;pectos de nrnbos, 1nas apenas unl conjunto de
CONEXÕES DOS características aplica-se de CDda vez. bnagine uma pais-
agem devastada por explosões vulcànicas e fluxos de
PLANOS INTERIORES lava quando es13 no Plano Elemental do Fogo e terre-
motos constantes quando esi1 no Plano Elemental da
Na cosmologia de O&J), os Planos !menores são r!giôcs Terra.
únicas e separadas, Ouruando como ilhas no Plano .\stral. Bolsões Elcmentols: Algumas regiões de um plano
Eles podem ser acessados por meio de portal e magias inompem e.m outro. S<: um bolsão do Pt.no Ele.mental
semelhantes, mas não posstu~m limites coincidenrt! cnrrc
da Terra emerge no Plano Elemen1al do Fogo, a tem
si. Esse acesso limi12do mantêm os Planos Interiores basi· sofre loàos os efeitos norm:ais do 1l'3nspotre, mas exis-
camente puros, exceto pelas ilb:tS de outros tlemencos. tirá um vórrice para o Pbno Elemenial da Terra no
O Plano Astral conduz aos Planos Interiores, por isso núcleo dessa 3rea. Os vórtices destes bolsões e.lemencais
magias que utilizam o Plano Astral rombém podem levar •OS ge.ralmenre possuem um guardião do Plano Elemental
Plnnos úueriores. O portais mágjcos ttil'nbénl alcan~a1n os ou de Energia original.
Pl:inos lnceriores e normalmente se conccn11n o áreas
habitadas que apresentam algum nível de tolernncln para os Na cosmologia de D&O, certos planos são considerados
vi:ijnntes de ouitos lugares. Finalmenre, C-xisrc1n vórtices antago11isras narurais: Fogo e Água. 'lCr1·a e Ar, e Energia
entt'é loc:ais si1ni1ares enl outros planos. Esses pon1osfracos Positiva e Negn1iva. f.sso não precisa ser· igual em sua cos·
na1urais na rea]jdade permirem que as criaturas se deslo· mologia, e de f;uo podem existir conexões e fromeiras
quem facilmente de um Plano Inreriof para o Plano entre os planos que seriam considerados opostos. A fron·
Material. O coração de um vulcão norn\almenie contém um 1eira enrre Terra e Ar pode ser uma tempestade de areia
vónice entre o Plano Material e o Plano Elemenral do Fogo, eterna, enrre Fogo e Agua um 1urbilbão de ambos os ele-
e u1na relação semelhante cosruma exis1ir cnrrc o Plano da mentos, e entre Positiva e Negativa uma explosão continua
Energia Negativa e as terras escuras do Pl2no d•s Sombros. destas duas energias diamc1ralmen1e contrárias.

CONECTANDO OS HABITANTES
PLANOS INTERIORES DOS PLANOS INTERIORES
Conforme explicado no Capítulo 2. e possível crinr uma Os nativos dos Planos ln1eríores são criotuns elemeniais
cosmologia diferenre da Grande Roda. Uma variante é per- o u extra-planares. Os elemenrois são constituídos da pro-
~llt\'O

Model0s Trimensionais
dos Pfanos Interiores

{!ado oposto,

pricdade do plano: um magmin é complc1ame111e compos· cios ventos do Plano Elemen1al do J\r pode adquirir con-
10 de fogo, enquar1ro um belker é openas ar enfu1naçado. sciênc ia e tornar--se uma parte de seu plano n~ua l com pen~
Os clc1ncntais poden1 1nisrurar dois ele 1n e nros. Por sarne nto independente. Se for morro e 1n seu plano n atal, a
exemplo, o 1hoqqua, que possui os subtipos (fogo e •erra}, crk11ur:i rc101n3 sua natureza ele1ncncal primtiria 1 incons·
é co1nposto de ainbos. Ois.secar 11n1 rhoqqua não revelaria cien1e.
órgãos ou tecidos vivos (assim como aconcecetia com a Os ex1ra·planares são seres mais con1plexos e freqüenr~
maioria dos ex'tra·planares}, aJ>('nas mQ1S de sua essência mtnte possuem sociedades mais intrincadas. .Este aspecto
element•I bósica. os torna mais eomp-retnsiveis aos na1ivos do Plano
Al~m duso, as criaturas elementalS são geradas espon- M.u erúl Os extra-planares que residem em um PI.ano
t:tnearnence pela s-ubstãncia do próprio plano.'° invés de Inr<rior são 1muoes •os efeitos narums desse plano. São
"nascerem" em uma acepção mais 1ndicional. Um rede- resisrcn1es ou imunes a dano do tipo apropriado - pelo
moinho 'º.Pl.-ino Elemental da Água ou utn:a condensação mtnos até certo ponto.

VARIAÇÃO: SEM PLANOS INTERIORES


-
c.retizar se o conjurador fo rnecer uma quantidade s uficie nte do
e!e-nen10 em quest#o para que os elementais se fofmtm.
Sva cosmologia não predsa dos PJanos lntcuore-s para fun·
O etemcntal invoc.ado exigiriil um volume igual à fac;e e à
cion1r. nc.-m u tilizar todos os planos da cosmologta de D&D.
Ainda existir~ ar em um P~no Material, mesmo se nio houver altofa da c;riatu~ (para todos os c.-lemen1a1s) e ao peso (para os
ete-'Mtlta1s da ttrra e da á:gua). Por extmplo, ~ ra invoar um
o Pbno E&cmenuiJ do Ar. e as aia1un1s que uhtizam a ent:rgia
de·i·~tUal da ltfra Enorme* em uma cosmo&og.a stm o Plano
nega11v1, COfnO apariç~ e inumanos, ainda possuirão suas
habthdades ~ drenar energia. ~mo sem vm Plano da Element.al da Terri.. 1.1m conjurador pte<.rsana de uma quanti·
Energ•a Neaa1iva.
d.ade homogfnea de rocha nat:ural. sok> ou ~dr01 com ~rea de
Ao contr~rio dos Ptanos Transi1ótios, existe um conju.nto <fe 9.6 m por 3 m por 1,S m e pe$ando cera de 24.000 kg.
magias que s:lo mais c.-ficientes nos Planos Interiores. mas pou· O material precisa ser relativamcrHe puro e nGo pode ser
cas que utili1am a própria natureza destes planos. ahtrado magic;:imente em q1.1 alquec aspecto. Quando <l magia
As seguintes m;tgias 0 1.1 habilidades similares ii m;:igia tê1n ternlinar, q1.1alquC't matt rial utilizado para Invocai um t lemen·
sua er.c~cia reduzidêi sem os PlarlOS lrncriores apropriados: tal re1ornt1 ao estado inerte.
prrvtnir r/c1tos pla1rares, grupo de eftmtnta1s, corpo efen1tt1faf, Se el1mlnar alguns ou todos os Planos lnterlol't's, o Mestre
stgumnra e as magias de invocação que .afetam as criaturas ele· precisa decidir o que acontece com as cnatur.ts do tipo
mc.-n1ais e nahvos dos PJanos Interiores. EJemcntal e subtipos (terra, ar. fogo e jgua). Elas nio ex:isti~o
O que acontece com as magl'a s ac.im.a? A mudança mais s.im· ou rutdlfto em outro Socai (.ProvawCmente o Plano Material ou
pies e dta!Ntra l decidir que elas s1mpi.esmente nlo fu,.... os Pfanos Exteriores).
c.onam. Ent1et<1nto. como opç~. elas ainda pode1iam se COtt·
PLANO ELEMENTAL DO AR Plono Moterial. Os paraelement•is do gelo e do fum•ça
residem nas áreas mais extremas do plano, em vastas
nuvens de cinzos e entre tcmpcstodes de gelo e granizo.
É. amplo como o céu infinito.
Consulte o óipírnlo 9 para obter os modelos dos paraelc-
É. rôo sólido como o fôlego de uma criança.
menrais e dos meio*elementai.s.. Estes seres consideram o
Est:í caindo eternamente.
Plano Elemental do Ar como sua propriedode e não besi-
O Plano Elemenr•l do Ar é um plano vruo, que consiste t2lD em assediar (na melhor das hipóteses) ou destruir (na
de um finnamen10 acima e abaixo. Nuvens amontoam-se pior) os \•iajantes de outros lugares.
em ciunodas sobre camadas, gerando grandes tcmpc!lades
Um pequeno número de extra·pl•n21cs reside no Puno
e dissipando-se em filamentos como algodào·doce. O
venro pressiona e empurra os vinjantcs, e arcos-íris cinril· .Elememal do Ar; os mais conhecidos são os djinn.
Também podem ser encontrados gaviões-sera cal'niceiros e
:un :1 dis15ncia.
os oniprese1.n es mepbit da pociro, do ar e do gelo.
O Plnno .Elemcnral do Ar é o mais confori:ivcl e l1ospi·
As cri•turas do Plano Material podem ser encontradas
r:aleit'O dos Plnnos luteri.ores; um lar para rodos as criaturas
nesta vastidão, especialn'lenH? se possulren1 asas. !vias a
nladns. De foto, as criacuras voadoras têm gnmdc prhrnzin
falta de solo firme c.i ractedsrica do plano costuma desori·
nesre plano. En1bora os viajantes sem esta capacidade pos~
entá las e confu.ndi·las, tornando-as presas fáceis p<tra os
sanl sobreviver faciLnenre. estão em dcsv;in1agcm.
4

nativos mais poderosos do Plano Elemenrnl do Ar. As criat-


Os vórtices nornrais que conoctam o Pla110 Ele mental do uras do Plano Material encontmdas no Plano Elemem aldo
Ar e o Pbno M•terial geralme.nte estão nos picos dos mon· Ar incluem hipogri.fos, pégosos, beholder, esfinges e
1:anhas m:ais ah3S ou ern meio a condições extrClt\1S do sprites. Os pâss2ros comuns e seres alados irracionais não
clim• (como o olho de um furacão). sobrevivem muilo cempo neste pl:ano.
CARACTERÍSTICAS 00 O idioma nativo do Plano Elemento! do Ar é o Auran,
uma língua ronal e lema que soo como uma cxabção pro-
PLANO ELEMENTAL 00 AR longada. Quando outros idiomas m necessários, a língua
O Pl2no Elemencal do Ar possui as seguintes cancteris~icas: Comum do Plano Materiol e utili1.ada, assim como o
Celestial
Gravidade: Direcional Subjetiva. Os habitanttS do
pio no podem escolher a direção da atração do gravidade. MOVIMENTAÇÃO E COMBATE
Os objetos alheios à vontade das criallll'Os nlo se A movimentação no Plano Elcmcnrnl do Ar é desc1ita na
1novcl'n. seção sobre gravidade direcional subjcriva no Capítulo 1.
l 'Cntpo: Normal. As criaruras que possucrn u1n deslocanienro de võo rem

lànlanho: Infinito. sua capacidade al11nenrndn ern u1n grau no Plano
Morfologia: Alteravel. Elemenral do Ar, ou seja, de desajeimdo p:ira ruim. de ruim
• Predomínio do Ar. para médio, de médio p•ra bom e de bom para perfeito.
Magi•: Ativada. As magias e h•bilidadu similares a Além disso, qu•lquer criotura al•da pode mergulhar, deslo-
magia que utilizam, manipulam ou e.riam ar (incluindo cando-se da mesma forma que as outr:as cri:1rur:1s sem :JS:ts.
os efeitos do Domínio do Ar) são potencializadas e
oumcntadas (como se fossem olteradas pdos talentos Combate Aéreo
Po1cnc.i:alizar Magia e Aumentar >.iagia, ma; são No Plano Elemcntal do Ar, um grande número de ata-
preparados e conjuradas em seu nível normah. Por canres pode golpear um único ai''<>. sendo capazes de
exemplo, a magia névoa morlal teria seu alcance dobrado aracar de cima ou de baix~ conforme dC$Crito na caixa de
t seu dano (infligido aos que não morrerem imedi:ua· texro Combate em Trés Dimensões no Capítulo t.
mente) aumentado em 50%. As magi•s e hobilidades Os personagens podcn1 1nergulhar e1n direção aos seus
si111ilares potencializadas ou aurncttt2das de outra form:J oponentes como uma form3 de lnvesrida. Nesse caso. con~
nilo s5o aferados por este beneficio. sidere o deslocamcn10 co1no umn h'\ves.-ida normal (ape-
Magia: Restrita. As magias e habilidades similnm que nas deslocamenlO e1n linha 1·ecn, +2 ele bônus de ataque e
utilizam ou c1iam remi (incluindo a invocação de ele· -2 de penalidade n• CL1sse de Arrnnduro durante J roda-
mentais da rerra ou extra-plonares com o subtipo [1el1:0]) da). Como ahernativa, os person:lgcns sin1plesme11te
são t'CStritas. Isso inclui as magins do Dornínio da.Terra. podem cair em direção a um alvo indefeso ou estacionário.
Essas magias e habilidades similares ainda podem sor uti· Nesse caso, urilize a ~o Objetos em Queda no Capítulo
liz.1das, m:is é necessário obcer sucesso cm um cesce de ;; do livro da Mestre, para determinar o dano de objeros em
ldentificor Magias (CD \5 + nível da magia) para foiê-lo. queda. Aplique este dano ao •tocante e ao alvo. .Este p~
cedimeoto pode infligir no mil<imo 2od6 pontos de dano.
HABITANTES 00 AR
A maior porte da vida no Pbno Elemento! do Ar depende ASPECTOS 00
do vôo. t tslC é um reino onde sobrevivem os mais ágeis e PLANO ELEMENTAL 00 AR
com maior capocidade de manobra. l'.tra os viajantes que chegam •O Pl•no Elemen12l do Ar
Seus habirantes mais comuns são os elcmentais que pela primeira vez.. a maior ameaça é o pânico de se encon·
emergem dos ventos e do clima do próprio plano. Esses mr em pleno ar, sem sequer enxergar o chão. Alguns via·
seres, normalmente de livre·arbírrioj incluem c1cJnenrais jances morreram e1n queda, sem jamais entender onde
do ar e análogos meio·elementais de rnuiras cri:uuras do estavam e que u1n siJnples pensan1cnro poderia impedir o
deslocamento. Determinar uma dir:eçâo i_n apropriacla do grandes tu ural b.as môvcis, mas quase sempre per-
como ~ara baixo• pode ser fata l nesses casos, se houver um manecem relarivame1\te esraciooárias. Enor1nes qu:inti-
objeto sólido ao longo do trajeto (e se você cair por teJnpo dades de fogo também geram bancos de fumaça que
suficiente, sempre haverá). pairam ao redor da fonte das chamas.
Mas além deste risco, o Plano Elemental do Ar não ofer· Os personagens que entrarem em áreas de multa fumaça
ccc qualquer perigo iininente. Exi scern regiões de são aferados conforme descriro na seção Fumaça no
condições cli.1nâticas extren1as, 1nas essas são tão perigosas Capítulo 3 do Livro do l\frstre.
para os nativos quanto para os visitantes. As magias que
proporcionam proteção nos planos, corno prt11enir tfcilos Castelos Voadores
planares, não são eficazes conrra essas resnpescades. A natureza de ausência de peso, vastidâo e hospitalidade
Numa perspectiva mais ampla, obter água e comida será do Plano .Elemencal do A;: o totn•m ideal para indivíduos
urn problema. As chuvas podein fornecer águ;'I, mas os ali~ poderosos em busca de privacidade. Esses indivíduos
1nentos são sempre escassos. As criaturas eJeroentais, cotn~ inc.lue1n fflagos e feiticeiros que querem dedicat seu
posias da própl'ia subsrânc.ia do plano, tenden1 a dissipar-se tempo ininterrupramenre a estudos de longo prazo, cléri~
quando são mortas, e é diflc.il enconn·ar con1ida de ver· go; de tO<las os tendêucios fugindo das ameaças de pLmos
dade. Os djlnn são aliados inestimáveis para n1uitos via· mais petigosos, e aré mesrno 1nonasrérios e bibliorccas
janies de outros lugares, pois conseguem criar comida, cu.ios usuários procuram soüd:io e ineditação. Qualquer
água e vinho. pe~aço de terra ou mineral grande o suficiente para supor-
Excluindo nuvens, bancos de névoa, chuvas e outros rat OS alicerces de um edifício abriga alguma estrutuni (ou
empecilhos 3 visão, 3 visibilidade não é afecada pelo l'lono ab;igou no passado).
Ele1nental do Ar, assim como a visão no escuro. Todo o Dada a natureza da gravidade subjetiva, os salões dessas
plano é iluminado por uma radiação pcrolnda sem fonte estnuuras podem csrar na mesma perspectiva ou serem
definida, como se a substância básica do plano tivesse uma colcha de recalhes de aposencos com diferentes
luminosidade própria. direções g·ravitacionais. Freqüen1emenre 1 isso depende das
ne:::essidades dos usuários. Os q1.1ê esperam visitantes
Ventos e Clima foroecem un\a d.iJ:eção comum pata a atração gravira-
O Plano Elemental do Ar esrá constan1e1nente e 1n inovi- cic·na1, por conveniência.
mento, variando de brisas su:1ves <jue agitam os mantos dos Os coloniz.1dores do Plano Elemenrol do Ar devem
viajantes a poderosos tornados que casliga1n o firmarnen~ in1planra1· seus próprios ar1érodos par.l obter comjda e
to. A maior parre dos ventos é leve ou moderada, e apenas água, por isso diversas fortalezas situan1·se próximas a vôl'-"
en:i s itu"çõcs especifica~ 350 fortes o .suficienre pa.til co·n- rices e porta~ que pel'Dlitem fácil acC-$$0 a outros planos.
SI ranger ou machucar os viaja.nres. 1\lêm disso, os m
_ agos, cJérigos e monges que habitam essas
A seção Perigos do Clima no Capírulo 3 do Livro do foualezas fluru•nces devem fazer •s pazes com a população
Mestre fornece as regras para os efeitos de ve1llos de força l0<al de e le 1nenrais e extra-planares, seja por acordos ou
variável. Ein quase todas as situações, as criaturas no Plano pe:a força. Nem codos os invasores consegue1n essa proe1...11
ElernenLlll do Ar ficam suspensas no ar (pot isso seu e <os viajantes pode1n encontn'lr torres e cidadelas vazias,
ta.m anha é considerado uma categoria inferior para deter- outrora de magos cuja carne foi arrancada dos ossos por
1ninar os efeitos do vento). As cri:lruras que cnconrrartm assaltantes invisíveis furiosos, ou fomlezas congeladas por
algo grar~de o suficienre para se abrigar evitari:u)) esca desafiarem um paraelemenral do gelo irascivel.
penalidade, 1nas se forem levadas pelo vento sofrein o
dano a cada rodada até que o venro se dissipe. f ortalezas Djin ni
As próprias nuvens, aspectos comuns do plar10, têm o Osdjinn estão enrre os mais amistosos dos extra-planares
mesmo efeil'O de névoas, obscurecendo a visão, incluindo qul? residem no Plano .ElenJ.CJ1r:il do Ar. Teudem a colo-
a visão no escuro, alénl de t ,S 1n. As crian1ras n tHl\ raio de niuir os maiores blocos de matéria fís ica no plano, pedaços
-1,s m possuem meia can1uflagem, portanro os auiques con- de re.rr.i e roch:is que podem ter desde centenas de metros
tra elas sofrem 20% de chance de falha. Os gaviõeNetas e a alguns quilôn1erros de co1nprin\en10. Cada urna destas
outros carniceiros freqüentemente esconde1n-se nas ilhas tem sua própria gt"'Jvidade, e os convidados dos djinn
nuvens para emboscar suas presas. podem deslocor-se como no Plano Marcrial.
As condições climáticas exc.remas rarnbém são comuns Urna comunidade djinn típico no Pla.no Elerueotal do
no Plar10 Elemenral do Ar, incluindo neve, cbuva, granizo, Ar consiste de 3dlO dessas criaturas (sem dúvida, alguns
geada, ten1pestades de poeira, tempestades de vento, com níveis de cJ:isses de personagen1)1 -tdt.O jaru1 e idtO
nevascas e furacões. Apesar da auséncia de gravidade obje- criituras e lementais de baixa i11teligéncia que atuam como
tiva do p lano, exis1.e c huva, que se precipira durante se1vos11nascores ou guardiões. O djinni n1ais poderoso da
quilômetros até ser d issipada e condensar-se em novas fortalé:2.a é conhecido coino xeique. O xeique pode ou não
nuvens. seru1n nobre djinni.
Essas fortalezas freqüentemente são apenas n1ansões
Bancos de fumaça opulentas, m3S os djinn também c1iam at1bnais (geral-
Ceralinente re.s ulrado de baralhas esquecidas há Jnuiro ooenre cavalos p:lt:l corridas) e mruuêm jardins e fontes.
tempo, há n uvens de fumaça s ufocante que pairam nas As fortalezas, por sua vez, reúne1n~se em grandes con·
regiões 1n ais calm;is do plano, longe das m;iiores con·enres federações aliadas. Em caso de ataque, uma fomleza envia
de ar. Ocasionalmenre e las são levadas pelo venro, for1nan- urr. de seus 1ncrnbtos à forraleza ;Üü1d3 m;.iis próxima. que
Os califas poderosos governr.m as confederações djinni,
TABELA 6-1: ENCONTROS NO PLANO ElEMENTAL DO AR cada um com dominio nominal sobre tod•s as fortalezas a
NE
lei% Enc.ontro Número
2d8
NO
1
.....
10
até dois dias de vi•gcm. Eles, por su• vez., juram lealdade a
um grio-aUfa. O mais ilustre e poderoso entre os gr.io-cal·
01--02 Lub...,_ldoar'
034 Esful~ .i.m.nta1 doª" ld6 6 10 ifas reside ru Cidadela de Gelo e Aço. aGonsclhado por
h.erx~~' diversos xeiques, emires, heis e imãs. A cidadela é cons·
ClS-06 Ng~so dementai do ar1 ldS l g truida de aço mágico e de gelo frio ao toque, mas tem um•
07-08 Verme do ~lo eltmtntal do at1 1 12 12
ldlO 5 10 resisrência superior a rochas.
09-10 lt:So marinho elemental do arl
11 Elemental do ar. P«lvtno 2d6+l 1 8 A Cidadela de Gelo e Aço consiS1e de diversos andares
12- n Elemcntal do ar. Médio 2d4 l g de jardins, pátios e hbi rintos. É um palkiosem escadadas,
14 15 Elemental do ar, Crande ld4 5 8 e os visitantes incapazes de voar con1ra1a1n guias locais
16-17 Elcmental do ar, Et1orme 1 1 1 para acompanhá·los pela cidade. Cidadelas menores cir-
18-19 Elcmcntal do ar, Maior 1 9 9
11 li cundam a CidadcL1 de Gelo e Aço, cada uma abrigando um
20-21 Etcmentíill do ar, Ancião
n Harpia mcio-clemental dt> .,.,2 1d4+1 6 9 conselheiro confiáve l o u um poderoso califa me nor.
23 Esringe meio·elemental do ar, 1 9 9 Oii:.em que n o coração dn c.ídndela há uma cela paro o
tfÍ~$f'lnge? maior inimigo do g rõo-califu. O crime e a identidade desta
24 Pantera deslocador'a 1d6 6 10 Cl:'iarura são desconhecidos, e a cela <:sc-ura é pro1egida con·
meio-element.a.1do arl tra invasões de ourros planos e s•botagcns mágicas.
25 Otvorador de ara-nhas ldl 1 9
mt~ul doar2
26 UnlC.6mio me1o-de:menuiJdo arl 2d4 5 10 E.ncontros Aéreos

-..
27- )l CavtJo.sec;J. adulto 2d4 s 10 O Plano Elemental do Ar estí continu:uneme voando. A
12- lS ldJ g 10
.16-)7 GaY»>..... • -
GJ'li.Jo.seta. adoRsc~te: 2d6 l g maior pane dos seres encon1rados ern seu interior seore·se
lS 1 1l 1l confortável com este es1>do. sejam nativos do plano ou
J9-42 B<llccr 2d6 6 11 e:rian1ras voadoras. Mesmo :as criatur.as que necessitam de
4) Castelo dos gtitantes das nuvtns' 18 aç:3o contínua par.a m:lnlel'SC vo:ando1 tomo os pássaros,
44 Oraa10 ~dt. adulto ldl 10 12 aprender a dormír pair:rndo no Plono Elcmcnral do Ar.
45 OragJo de prata, adulto 1 14 14
46·Sl Ojinni 2d6' 1 s 11 A tabela aboixo é adequado para os vinj:uucs típicos, mas
54 Grifo 2d4 4 9 o Mesrre também pode utilizd· la como diretriz para as
ss Hipogrifo 2d8 2 9 rabeias de encontros de áreas especificas, adicionando
S6 Pê!r~clemental do gdo, Pequ.eno 2d6+J 1 8 novas ctiarurns ou alterando QS po rcenragcns.
)/ Pafaclernenial dt> gelt>, Mêdro 2d4 3 8
Paraclement;1I do Jtelo, Grande ld• 5 8 Numa jogada porccn1uai de 96- lOO, os personagens
S8
S9 Pa~elemental dt> gelo. Enoff'l"le 1 7 7 enconrrarão algo da T.1bela 6- l: Encontros no PJano
60 Paracttment.-.1 do gelo, Maior l 9 9 Elen:ienral do Ar. Realize uma jogada por boro.
61 Par.-.etemental do gelo~ Ancião 1 11 11
62-64
6~9
Cacadot 1nv1slvt-1
Janni
ldJ
ld4+1 4
1 9
7 PLANO ELEMENTAL DA TERRA
70-72 Meph:il do .lr ldS l 9
7}-75 Mtphot da poe;,. ldS l 9 É um lugar de riquezas ocuh•s.
Ida l
76-78
79-82
g}-14
Mtphotdo~
M~sJo com«Óal dos mete>nos' 1 '
12
É uma muralha contn rodos os inimigos.
É um túmulo para os cobiçosos.
Banco de- FurNÇi
gs P.raelemental d• fumaço. l'Oquono 2d6+J l g O Plano Elemen1al da Tem é um local sólido, constiruí-
86 Paraeletne11bl da fumaça. Médio 2d4 l g do de pedras, solo e rochas. Os vi•Jantcs incautos e
87 P4r~lttniental da fumaça. Grande ld4 s g despreparados acab.ir:lo soterrados nessa vastidão de sub-
8' Ptlraelemental da fumaça. Enonne 1 1 7 siância, morrendo csm:agodos e dcOrando apenas vestígios
89 P.lraclement.al da fumaça, Mator l 9 9
li pulverizados para alertar qualquer u1n tolo o suficience
90 P.1raelemental da fumaça, Ancião li
91 CondlçJo clim~tica . nevasca 01..1 furacllo - pata seguir o mes1no c:im inho.
92 Condlç:lo dim4tka. Apesar de sua narureza sólido e inflexivel, o Plano
tempestade de poéita ou e!éttica Elcrncnral da Terra v:trin cn1 sun consistência1 desde solo
93 Condição clim~tica. granizo relarivainenrc macio a veios de incrais pesados e valiosos.
94-97 Ct>ndlç.Do climítica, chuva
98 Ct>ndtçlo climática, chuva com f'ICYC Riscas de granito, rochns vulcânicas e márrnore alternam·
99-100 Ct>n<hção c:lim~tica. neve se com crisrais frágeis e ~lc:írios e arenilos 1nacios e que·
bradiços. Vcios estreitos de enormes jóias brutas podem
Apl.q'X' o moddo de cnatura e~tal do ,Jor ser encona:ados no interior do plano, o que freqüente-
2 ~o modtlo de cn1tura '""ºde 1ot1 Uil mente leva os cobiçosos a procurarem o plano na esper-
l Ot.t).ldo doil S>pftld dtt llU'flt'!!IS ~bng:~ sttt ~ dl.~ f4'1Wf'i.. umP&""'e ança de ex-1raí·las com o mínimo de esforço. Esses
~ """""' "'"'°"'° • 'So ..,. "..-uo .,..tOl
4 A """'JJO <~ ~ ckdois ~ ~rfos.. a<om~"'h.ados por
garimpeiros muitas ve-as tnconcr:arn sua destruição pcla.s
m2os dos nati\OQS do Plano Element>I da Terra, que são
wtitdi,lnn extremamente vinculados (os V<'LeS li1eralmente) às partes
de seu lar.
por sw vez envia mais dois mens.ageiros :a seus 3Ji:1dcs. .Em
pouco tempo, uma borda de djinn esiará reunida e pronta O Plano Elernenral d• Terrn é um lugar inôspito para a
para o combate. Por isso, os araques bem~sucedidos contra v ida do Plano Material, mos ao contrário do Plano
as fortalezas djinni devem ser muito r:lpidos. Elemental do Fogo, essa hostilidade nõo é ativa. É uma
insensibilidade, um desprezo pelas panículu de vida que da1em1 comoos XOl:'n, não se import-am com aprescnç.aou
se movem a1ravés e 20 redor do plano. Ele é oomposto de ausência de espaços abenos em seus ccrritórios.
rocha sólida, paciente oomo a ptópria tem. .E tem todo o O Plano Elemenial da Temi 12mbêm abriga criaturas
tempo do universo. cem afinidade n•iural p•ra <em e rocha, habit.1ntes que se
sen1en1 confortáveis nos túneis que eles "'csmos escavam.
CARACTERÍSTICAS 00 O; •nões e alguns dragões residem no local, assim como
PLANO ELEMENTAL OA TERRA cria1urns 1naiores como gigantes de pcdm e alg-urnas gár·
O Pbno Elcmcnro.l do Temi possui as seguintes gulas (c1nbora elas rarainente poss:11n abric su:ts asas e voar
ca1·:1c1~l'is r icas: 1nuho longe neste plano). Essas criaturas precisam de
Cravidade: Pesada. As penalidades do gtavidade pesada csp:iços abertos para sobreviver, por isso freqiicntemenre
aplica1n"'5e a todas as criaturas nativas e visitantes do se alianl co1n as raças nativas m3is podcroSJs.
plano. O idioma naiivo do Plano Element.11 da Terra é o Terran,
Tempo: Normal UD\a língua gutur:ail e rerumbanre que vibra através do
T."lmo.n bo: lnÍinito. ouvinte como uhl tremor. Os n2rívos q\1e costumam rnt2r
Mo..Cologia: Alrer.ivel cem visir:antes podem falar idiom3.S :1dicionais, embon a
Predomínio da Terra. n1:1iori:a não vej3 qualquer- necessid:ade.
• Magia: A1ivada. As magias e habilid•des similares que MOVIMENTAÇÃO E COMBATE
u1illzan11 manipulam ou cri_a1n cen·a ou pedra (incluindo
o Dominio da Terra) são porcncinlizados e estendidas .E.xisrcm dois tipos de desloc:'ln1cnro possíveis no Plano
(corno se fossem alreradas pelos 1alenros Potencializar B~1nentt1l da Tt1Ta: escav~r e C:'ln~inh:ir a1 ravés dos túneis
Mogia e Estende.r Magia, mas são c..onjuradas utili1.ando e cavernas. Escavar é um3 atividade cans:11iva 1 execurada à
o nível nomi:tl da magia). Por exemplo, a magia Jnovi- lll\!J de 1,S ma cada 10 minutos (n1:as consuhc a caix.a de
mtnlo do xom reria sw duração dobrada. As magias e 1e<10 C»'ando uma Saída). Caminhar a1ravés de 1ú.neís
babtlidades similares que jó sejam po1encializadas ou ecuivale a movimcnt.1çio normal e aprcsen12 1odos os peri~
esrendid35 não são afct.1dos por es•e benclk10. g« de explo.. r cavernas no Plano !<bicriai.
• Magia: Restrita. As mogías e bobilidades similares que Os Indivíduos com a babtlidadc de dcslocar·st através
udlitam ou criam ar (ioduindo :a invocação de ele.men- de objetos sólidos, como um xorn1 ni'io se totnam
tais do ar ou exrra-planares oom o subtipo [Ar]) são intangíveis ao se movimentar dcslo forma. fm vez disso.
res1ritas. Jsso inclui as magias do Oonlínio do Ar. Essas movern se coino peL.xes na água, perrnhindo que a terra se
mngi:is e habilidades similares ainda podem ser •l•i- fe:h:l ntrâs deles. Essas criaturas nonnalmcnte não deixam
liz~das, rnns é nccessãrio obter sucesso em um teste de rúncis ern seu rastro, que poderia1n ser lUilizados por out·
tden1likar Magias (CD IS+ nivel do magia) para fazê·lo. rai crin1uras1 a roe.nos que e13s cave1n co1n a velocidade
indicada acima.
HABITANTES OA TERRA Um vi•J>nle em projeção os1r.il ct1ja forma se manifes1e
Muilo da vida no Plano .Element.11 da Tem é desconhecida n<Stc plano adquire a habilidade de se deslocar pela rocha
dos viajantes do Plano Marerial, devido tm pane à ptópria sólJda da mesma focma que um elcmen1al da terra. Essa
n:uurcu desre Plano Inrerior. 1\ maior parte dos visiranres h:bilidadc só es1ari disponível no P~no Ele mental do Terra.
p:i.ss2 seu tcrnpo somente ntis cavem~s e túneis que ser-
pen1eiom pela substância sólida do plano, por ísso as criat- Combate Terrestre
uras que vivem em suas profunde1~s s3o desconhecidas e
inusitadas. Cotn exceção das caracterísricas de cle1ncnros, o combate
no 1>lnno .Ele1nenral da Te1Ta é nornlal. Unl viajante uti-
Os ele1nen1'0is s:'io parres conscientes do pr6p1io plano.
lii:ando n n\:tgi:l ~novüttento do xorn 011 tunn habilidade sim·
Movtrn-se sen\ esforço pela 1nis1ur:i de rochas e solo que ikr pode ser aracado normalmenre e enfrentar os golpes
cons-ritui o Pl;ino Elemental da Tern:i. Algtunas criaruras
dt> triacuras que se deslocam de formo se1nelhante {con-
são análogas às do Plano "iau~rial 1 enqu2n10 O•HT3S
refleiem o poder bruto de sua formo element.1l sulte Comba1e em Três Dimensões no Capíiulo t).
Os eleme.ntais da 1em. sentem·st dcsconíorc2veis em ASPECTOS 00
espaços abenos. Em seu plano na12I, eles sempre <cotam
implodir 0$ túneis, fendas e c.:avtm:ts que percorrem seus PLANO ELEMENTAL OA TERRA
reinos, 1 nlcnos que sejam in1pedidos ou expulsos. l'J" o viajanie, o maior perigo do Plano Elemenuil da Tem
Os t:xtrn·pltinares que residem no plano n3o aprovarn é ;cr aciden10lmenre apanhado e osnxJado pelo terr• sóli-
estn destruição causada pelos elc1ncntais1 pois ren1an\ cb. Os viajantes que se 1nanifesra1n cn\ cavernas e outras
interagir com oucros planos e descjruu que seus lares no ":irens lin•pas" cio plano est:io seguros concra essa aineaça (a
Plnno J3leincntal dn Terra pen nt1neçan1 habicáveis. Os 1nenos que ocorra um desab:11nen10), n1as u111 viajnnte que
enrrcpostos dao, porexen1pJo, man1ê1n vigilância conrí.oua se 1n:1nlfeste alearoriamente no plano corre o risco de
con1ra os perigos narurais e conscientes de seu plano, pl'.'0- asfixia e de ua1 funeral imediato.
1<gendo os espaços suflcien1emen1e •berios para permitir Mts1no as criaturas que não precisan1 respirar ainda
que lidem COO'\ ou1ros gênios e viajan1cs. Os mephit tam- podem ser aprisionados pelas rochas e pelo solo, ficando
bém procuram esses espaços livres e s5o tão comuns qu.an· inapacic;adas de se: liberar. Ne.sscs casos, é necessário
10 vermes nos povoodos do Plano Elemento! da Terra. As cspt.r:ar por :auxílio de alguma foncc externa ou aré que
cri.3tt1ns que possuem a h:abilidade de se deslocar a1ravés sej;un vencidas pela fome e desidr:uaç:lo.
A crilério do Mestre. uma criatun enttmd:t em uma jogue 1ds para de1erminar quanras bor.is se passamo antes
área de solo relativamente macio no Plano Ele1ncn1al da dela oc.orreL
Terr.1 seria capai de <1brir urna câmara (sio necessários
cerca de 1Ominu1os para libenr um cubo de 1,S m~ A par- ldlO Des<obtfta
1ir cbí, deve escolher uma direção e comcçor • COVO<, até l-4 8olslo Elemonul
$-S Jaiidi Md~lia
encontn.r uma caverna. 9 J.u1da ~ j<Mas
Um conjur.ador aprisionado em 1err.a sólido s6 pode usar 10 róss•I
magias que não exijam componentes gestuais, e os \Ínicos
focos e componences materiais são os que estiverem 11 seu Bolsão ElementnJ: A maior(:. das avenr-uras no Plano
alcance. Os componences verbais não são afetados. Elememal da Terra ocorre nos espaços abenos do plano,
Os individuos que ficam aprisionados por longos perio- que não são composros pcopri:amenre de terra, mas das
dos sofrem a ameaça da fome e da desidrarnçiio. As formas intrusóes de outros planos"° Plano Elemental da Temi. As
de vida elemenrnis são partes do próplio plano, e por isso mais comuns são C.'\vern3S criadas por desgaste peL1 água
não são co1ncsriveis. Os habitantes exrra~planores do Plano externa e t(meis esc.1v<1dos por seres vivos. O próprio plano
Elcmcntal da Terra que precisam se alimentar nonnal· move-se lenramen1e, corno un\i'I n1ns-sa de bolo pesada, e
menrc contam COnl os recursos de su~s próprias comu~ eventualmente preenche esses esp:iços.
nidades. Exceto nessas ãreas, o arri10 consranrc do solo Uma espécie mais durável de espaço abeno é um bolsão
impede que qualquer planta consiga se enraizar e íloresc.tr ele mental de outro plano, um local onde um plano se funde
mesmo que disponha de luz suficiente. ao Plano Elemenral da Tem. Essu "'&iões são perigosas se
Os viajantes aprisionados cntte as rochas do plano esrâo ínvadid~ pois podem inundar ale:uoriamenre as áreas viz-
cferivamenre cegos 2té 2lcançarem espaços grandes e su6· inhas, imergindo-as c.omplctomcnte neste demen10. Um
ciente par.a conjur.ar uma magia ou acender u= roch2. bolsão dementai de ógua inunda um• áreo, enquanto um
Mesmo assim, o Plano EJemental da Tem por natureza é bolsão dementai de fogo submtte os cri•ruras em seu inte-
tão escuro quanto as cavernas mais profundas - não rior aos perigos do Plano Elemcnrnl do Fogo.
exisre qualquer céu ou sol no local. A vis3o no escuro fun-- Os bolsões norm=-lmenre se es1cndem por 6 m a partir
ciona normalmente nos rúneis sinuosos do Plano do ponto de in6lir.tção. Em alguns locais, percebe-se que a
Element:tl da Terra, mas as criaiuras desprovidas dessa área em torno de um bolsão clcmenrnl foi cuidodosamentc
característica precisam providenciar ot.11ras fonces de luz. mit>eirada, e ainda pode ser habirada por naLivos do plano
As jóias e os cristais luminescentes encontrndos no plano ei:netgenre.
podcrn fotncccl:' luz (geralmente co1n a i nrcnsidacle de u1nn Jazidas Metálicas: Este tipo de depósito gcr.thnente re·
vela, mas depósitos maiores podem ser equivalentes a presenta u.m mera) precioso no Plano M:ue1inl1 como ouro,
tochas). Descobrir esses materiais quase sempre indica ocu· prata ou platina. Uma jazido típica produz 1.000 PO por hora
pação recente ou atual da área por ourros habitantes. de escavação e dura 1d10 borasantes de ser exaurida.
Jaz.idas d e Jóias: .Essas descobe1·1as menores, porén'I
Descobertas Especiais mais valiosas, produicm gemas brutos, não·lapidadas. Um
Para ado oito horas (no máltimo) que um personagem ou depósito pode fornecer 2dt0 gemos. Com o uso da perícia
Oficias (lapidação) pode·se obter jóias de grande ,.,JoL
u1n grupo gas~r cavando arravés do plano, exi51c uma
chance de 10% de enconrrar algo interessanre. Se o ~ul· Detcnnine o valor do produto aaNdo utilizando a Tabela
tado porcenrual indic<1r uma descoberta em a.gum 7-S: Gemas no Capírulo 7 do L111n> do Mtsln.
momento d•s próximas 8 horas, jogue 1d10 para dct~rmi· Fóssil :Este é um rermo genérico para objetos e criat-
nora norureia da descobena (consulte a tobela abaixo) e uras (vivas ou morras} aprision;idas nas pedras até serem
descobems por garimpeiros ou exploradores. Quando
- • .,.,.,.,.,.
-~~........,;-iiiililiilii
. ._.. ...
· iiio.;;iiiiiiiiiiiii._lliiiiíi._iill
.....iiio. .iiiõm-iiiiiiiiíim ~

CAVANDO UMA SAÍDA 1d10/ CD Progresso a


ld20 Tipo de Terra Forço cada 1OMinutos
Como regra op<::ional, o Mestre pode aumentar Ot.1 dir·nint.tir a l-3 Solo IS 3m
quantidade de terra que um personagem consegue escavar. 4-6 Rocha muito macia 17 1,5 m
Pi:ira o~ viajantes que surgem no Plano Elemental da Terra ines· 7-3 Rocha maicia 19 l,2m
perad3mente, jogue l d lO para determinar o tipo rlc solo ou 9 Rocha dura 21 0.6m
rocha cm que chegam (consulte a tabela abaixo). Em seguida 10 Rocha muito dura 23 O,lm
11- 17 Como o an?erior Como1d m1 Como acima
cada pc1sonagem deve realizar um teste de Força para con- Oe51oc:;amento norma.!
l S-20 Espa ço aberto
seguir se l1berur o sufic:.iente e começar a cavar. AJ~m disso, os
diversos tipos d~ terreno afetam o movimento do ind1vidJO em
uma rodada. SoSo é equivalente ao solo do Plano Material - do tipo que se
Pani adi 10 minutos de escavação, realize uma nov1 JOli· encontraria em campos cultivados. Rocha mu•to macia ~ caJ..
da para determinar o tipo de terra, mas agon u1tli1ando 1d20. cát~ ou giz. Rocha mac.1.a inclui arenitos e ~pósitos de~-...
As iogadas subseqüentes represent41m 15 mudanças do t pode mentos. Rocha dura é granito, e rocha muito dura é mármore
rocha escavada e oíerecem uma chance para o viajante alitanç;r ou basalto.
um e1paço aberto- uma caverna, um túnel, um covil ou outra
''ea l111rc.
TABELA 6-2: gênios s2o encontrados e.m um gnnde nlímero de corou·
ENCONTROS NO PLANO ELEMENTAl. DA TERRA ni~Jdes, Írtqiientemente cm guerra corn a vidi elemencal
NE mliva, pois os desejam interagir com as nças extr3·
1"" Encontro NOmen> NO Pr<t
01agJo azvl, aduho 1 13 1l
planares. A maior comunidade dao e a Crandc ea,~dade
01
02 OriRJo de <obr'e. íOvem adulto 1 10 10 LLgubrc, l~tnbém conhecida co1no o Grande .Labirinto.
03-11 1d6 7 10 Nela reside o maior líder dessa raça.
12-13 º'º
Lobo devoritdor 2d6 s 10 1\ ct"tvidndc cru si é: um labi.rir110 enlouquecido de túneis,
atroz efoment.-.1da 1erral cor1hccidos in1i.1namente pelos dno, 1n:1s cx1rcnH11ne.nte
1•-15 C.á1guta elemental da terri' 2d4 s 10
confusos par~1 os viajanres. Os dao e suas rriças escravas
16-17 Venne põrputa e!emenuil da terr.i' 1 14 14
18-19 Remorhaz elemental da teil'a 1 ld) 8 10 vivem e1n um esplendor sombrio, minerando avidamente
20-21 R1noce1onft tlemental da tC"nal ldl 6 8 jÓ':tS p:1ra serem comerciali.ud.:1s. Os cscr11vos, ger:alrnence
22 Elementat da terra. Peqtoeno 2d6•l 1 8 os perdedores em apost11S e negócios com os dao, con-
23-2• E!«Mtflul da tttra. MidtO 2d4 ) 8 stroem e reconstroem nineis, luram contra os 2uques dos
2S-26 f]emMut da terra. Grande 1d4 5 8
27-21 Ettmenul da tt'fta. Enorme 1 7 7 elunent2is, e são lentamente exaundos 2té a monc pelos
n.-30 EJtmenul da ttrra, Mawx 1 9 9 S(U.15 mtst rcs insensh.,.eis.
)1-)2 Elemen12l da tern. Ancião 1 11 11 Vários cristais luminosos rcves-cern 2 Cr.lnde Cavidade
ll Odnonychvs ldS 5 101 Lugubre, e grandes abóbadas são dccor>das com P"drões
meio-ekmental da terrat
34 h.4edusa meio-elemental d3 terrl!1: 9 9
dt estrelas d iferen tes de qualquer região no Pl3110
35 Minot:auro meio-efemental da terr.11 1d6 6 9 M;nerial. Os alinlenros tan)bém são culclvados aqui, prin·
36 Ul'SO·OOrvja meio-elemental d a terrat ld6.,1 6 10 cipal111enrc fungos luminescentes que prolifera1n nas
37 Troll mefo..etemental da terra2 ldl 7 9 .ire:i.s 1nais cscurtls. Essa co1nida u1:il·eheirosa e de sabor
33 Terremoto dcsagradôvel é urUizada para allmcnior os escr:ivos. Os dao
39-'• Bolsfo ettmental
Fósseis1
comem e bebem apen•s pelas sensações, e podem sobre-
•S-lO
51-56 Jóias' vh·er facilmencc de rochas ou qualquer oucr:a coisa. Alguns
57 Gilanue dt pedra ldl 8 10 1bi gostos tio esrr.anhos que consomem volunt2riamenrc
51-41 Jan"' 1d4+1
•1 7 gemas nr:1s.. considerando--as iguarias.
62
63
64
Parat4emenul &o magna, ~IX'nO 2d6.3
P;araelemttital do magma, Mldio
P-ar•e!tmenr.il do magmai;, Griindt
2d•
1d•
)
s
's
8
A Cnnde Cavidode Lúgubre abrange diversos C3Ve=
n~n1 r:a is in1ensas, cecconicamente ins1áveis. Os rerremocos
61 l~r1e!~ental do magma, Enormt 1 7 7 ocorrem conl freqüência, .manrendo os escrnvos ocupados
66 Parae!e1nental do m,aRma. Mit01 l 9 9 no in1c1ior da cavidade continental.
67 1>.1raelement:1I do m.agma, Ancião l 11 11 • As conexões e p:assagens da Cr:indc Cnvid:ul~ L1'1gub.tl'
63- 70 Mephit da terra td4 9
71- 73 Mephit do sal ld4 9 u11e1n·se a unl conjunto desnorrean1e de por1.iis para out·
74-76 MissJo cometc.ial dos merc41nos ~ 12 ros Pl3nos Interiores, p.ara as regiões subcerrâneas de
7742 Ja11d4l metAlical alguns Planos Exteriores, e para as masmorras mais pro-
u Par1eltmental do limo. Ptqut-no 2d6'3 1 8 (undoas do Plano Elemenl2L Os rumores sustenrnm que em
84 PJraelemental do limo, MfdiO 2d• 3 8
Pau1~ntal do limo, Grande 1d4 5
algum lug>r da Cr.mde Cavid2de Lúgubre exisre um portal
85 8
84 Par~erttal do li.mo. Er:ormc 1 7 7 ptnnanentc para quase lodos os locais secrc1os da cos--
17 P1t"Jete1Mntal do timo. Maior 1 9 9 mologia de D&O.
aa ParJe'ementaJ do limo, Ane:1So 1 11 11 Os d:io encora1am esses rumol'CS e disponibilizam seus
89 90 Thoqqua 1d8 2 6 1lmeis !X'r.:t os vjajanres dos planos que desejam manter
91-93 Xorn, menor 1dS l 7
94-98 Xo1n, padrà'o 1d8 6 10 su3s jorn:idas em sigilo. A (1nica coisa que ilnpede que a
99-100 Xorn, ancião ldl 8 10 Ct:tnde Cnvicl:lde Lúgubre rorne·se u 1n destino 1n:ais pop-
l Apll~~ o MO<ltlo dt çriatu~ demcnt•I d• lt11•, ular é a própria natureza arrificiosa dos dao. Eles pre·
z Aplfftu• Omodrio de ut•tvra MtiO-~(ntal sun1em que rodo mundo é pouco confldvel (como eles) e
l Li'tc ama <l'lal'IC~ dC' 50% de en«>"~n, 0!.1'10 l'UP6 .1(1111 .,.,., 4'$4Uaddo de mantê1n longas lisras de ressen11mentos conrr:t qualquer
•flki cb fl"Ollt~nN (Ol-40}, liltft ~do de d~;1r (••-10) ou um balw:lo dt u.111, scj;a mortal ou divincUde, que d~sconfie da espécie.
"°""p.idl.10 c11-100, Por isso, muhos dos seres mais poderosos da cosmologia
• A llflo:Hlo <Ol'l'M'\te dr 2 ~tom 1 l""'ff .1IOl'lll pidflio.-
dt D&D evitam a Grande Cavidade Lúgubre.
alguém escavar o plano e alcançar um fóssil, realize uma
jog•d• de encontro aleatóáo cm uma tabela de nível de Terremotos
deS>ílo apropriado no Livro do M<!llT. Se a criarur.i não O Plano Elemental da Terra está en1 cons1:in1e movimento,
puder sobrtvivec- por um longo peliodo enremda no Cerahnente, este é UD) processo lc1uo de 1riturnç.30 que
Plano .Elemenral da Tcrr:i, os personagens enconrram ape-- p1eenchc as caverna.se os túneis criados pelos habitances
na:; seu cadâvcr (e qualquer ccsouro c1ue possua). Se for ar.tcriores, Mas ocasionalmeutc os 1novintenros são 111ais
uma crinn1ra que p0ssa sobreviver a u1n período pcoJooga· súbiros e perigosos.
do, co1no um consrruto ou u.rn nlorto ..vivo corpóreo, seus As cdanar3S apanhadas na irea ele unl terremoto (geral·
descobridores têm um novo probletn:a em mãos. menre um raio de ~5 m) sofrem os eleitos d• magia lem:-
Grande Cavidade Lúgubre
'"'to. Além disso, os personagens que tsriverem em civer·
n:.s ou túneis devem rca.líur re.sces de re.sisrência de
/\ r1Ç2mais civilizada no Plano Elemon1>l da Temi são os R•Oe<os (CD 17) para não acabar na áre• de so1ernmento
d•o (como eles ~erramente fario quesi3o de dizer). E~ d~ um desabamento (eonsuhc Desmoronamentos e
Pesabamencos no Livro doMc$tre). Os personagens soterra· mentais da água o u extra-planares com o subtipo
dos por solo e pedras devem cavai· uma saída ou esperar [Água)) são resrriras. Isso inclui as magias do Domínio
que seus aliados os socorram. da Água. Essas magias e habilidades similares ai.nd3
podem ser utüiu:idas nl:lS é necessário obrcr sucesso em
1

Encontros Terrestres mn resce de Identificar .Magias (CD 15 +nível da magia)


O Plano Elememal da Teri:a é um lugar de gr:;mde massa e para fuzê.Jo.
solidez. As criaturas incapazes de escavar e que não pos-
suen1 a habilidade dos xotn de atravessar a cerra sei:ão
HABITANTES 00 FOGO
encontradas apenas em tlul.eís, cavernas ou outros bolsões Embora seja unl dos Planos Ince1iores mais hosris, o Plano
espalhados no local. Ele1nenral do fogo é u1n dos mais vibrantes e povoados.
A tabeL1 abai.xo é adequada para os viajantes típico;, n1as Diversos elemenrais, extra-planares com o subtipo (fogo) e
o 1'.1estre também pode utilizá-la como diretriz para r.ibelas criaturas que utilizam o fogo poden1 ser enconrrados no
de encontro para áreas es·pecíficas, adicionando novas local.
criaturas ou aherando as porcentagens. Os elen,enrais são pedaços conscientes do pcópdo
Numa jogada porcenrual de 96-100, os personagens plano, movendo-se com algo si.milar a vontade e propósiro.
e nconrr:lr5o algo da Tabela 6-2: Enconrros no Pl:u10 Incluem análogos eleme1u ais de criawras do "Plano
Elememal da Terra. Reali7.e uma jogada por hora. M"acerial, assiJn como os elemenrais do fogo conhecidos
pelos conjuradores através das diversas tnagias de inVOtar
PLANO ELEMENTAL DO FOGO crialuras. Esses elen1entais normaln1ente não aprecian'l
criaturas carnais e friasJ e podem atacá~las apenas para
É um plano continuamente ardente. quei1ná~las e a]iJnenlar as chàmas.
Cheira a carne queirnada e cinzas de sonbos. Os exrra·planares como efreer, azers e salamandras pos·
suen1 sociedades rnais organi1..adas. Ce~Lmcnt·e têm
É a encarnação das cha1nas.
grandes povoados, sendo que o mais conhecido é a Cidade
Tudo queima no Plano Elemenral do Fogo. O chão nada de farão dos efreer. Os exrra·planares costumam ser (ao
1nais é que enormes lân1inas instáveis de chamas com~ menos um pouco) 1nais bosplraJeiros coro os visitanrcs e
pri1nidas. O ar ondula co1n o calor das tetnpesrades dt fogo dive.rsas comunidades esforçam-se para ajudar os viajanres.
eternas, e o líquido mais co1num é o n1ag1na, não a água. Os
As criaru.cas que urilizarn o fogo rambém residern tlO
oceanos são feitos de chainas liquefeiras e as montanhas
Plano .Elernental do Fogo, geralmente pcóximo a bolsões
exalam lava de(retida. É t11n cre1natório para os viajantes
eleJnentais e v6r•ices que conduzern a seus planos natais.
despreve11idos e um lugar desconfortável mesmo J>Jra os
As eri<\tur<\S imunes ao fogo, coxoo os di"bos (mas nfio
avenrureiros profissionais.
demónios ou celestiais), também podem ser encontradas
Neste local, o fogo sobrevi.ve mesmo SCJn combustível nesses locais. E~si-e wn 1r.ifico regular de in.Íormaçõcs.
ou ox.igêoio1 mas os 1naceriais in.flan:uíveis traiid~s ao merodorias e prisioneiros ent-re a Cidade de Latão e os
plano são pronra1nenre consumidos. Os fogos elem\!nt:liS Nove Infer11os.
parecem alimeJ1ra.r~e uns dos ou1ros para produzir uma
O idioma natívo da maioria dos habitantes do Plano
paisagen'l eternamente em cha1nas.
.Elemenral do Fogo é o Ígneo, uma língua aguda, sibilante
CARACTERÍSTICAS DO e cheia de cslalos. Os nativos que inrexagero c.onl outros
planos podem conhecer idiomas adicionois. O lnfernal e o
PLANO ELEMENTAL 00 FOGO idioma Comum cio Pfano Macerial são os mais conhecidos.
O Plano Elemenral do Fogo possui as seguintes
caracce(ísri.cas: MOVIMENTAÇÃO E COMBATE
O Plano Elemental do Fogo tein uma superfície relativa·
Gravidade: Normal. O "cbão" é composto de chamas mente firme, o que torna qualquer deslocan'lenro terrestre
mais pesada~ cinzas e det1itos 1nas providencia apoio
1 seroelhanre a camioha( sobre carvões en' brasa. As brasas
se.melbame ao chão do Plano Material. são apenas pedaços levemente mais frios do próprio fogo
Tempo: Norn1al. ele1nental, e é comum que um viajante afunde até os
Tama.nbo: Infinito torno7,elos na lanla flarnejante do plano.
Morfologia: Alcer:ível A atmosfera sobre essa superfície é tênue, mas pode ser
Predomínio do Fogo. utilizada por crian1ras voadoras. Qualquer lun, exceto os
Mag;a: AI ivacla. As magias e habilidades similares com narivos do plano, têm seu desJocamenco reduzido à
o descritor [Fogo] são maxbnizadas e au1nenradas (como metade e sua capacidade de 1nanobra reduzida em um g rau
se fossen-~ alrcradas pelos ralcnros MaxiJuizar Magia e quando estão voando no Plano Elemenral do fogo.
Aun.lentar Magia, rnas são conjuradas usando o nível As criaruras com a habilidade de inover·se at(avés de
normal da magia). Por exemplo, a magia boln de fogo infli· objeros sólidos (como os xorn) mnbém. rém seu desloca·
giria dano ináxiino (embora n1uitos dos nativos do ?la no menro reduzido à metade para atravessar a crosta mutável
sejam imunes ao fogo). As magias e habilidades simi· do Plano .Elemental do Fogo.
lares que já sejaJn inaxünizadas ou au1nentadas nâo são A superficic do plano se move Jentarnente, fluindo
afetadas po r esre benefício. coino un1 rio de Jnagtna. por isso as estrurul'as pc1ma·
Mag;a: Restrita. As magi.as e habilidades similares que neore-s são poucas e di.srao1es. Seria sábio para um viaj~n1e
urilizam ou criam água (incluindo a i.nvocação de ele· contrnlar um guia nativo (seja tun extra·planar ou um ele-
inen1al) para navegar n:i paisagen1 cambi:in1c do Plano na cidade quanro no Plano Marcrl:.'1 1, são stis pax.âs de
Element31 do Fogo. gnnde poder.
o\ cidadt propriamente dir:a abrig;!-SC em um hemisfério
Comb ate Ígneo de lotão com 60 km de diâmetro, fl uruando sobre uma
superíicie de obsidiana r:ichada no coração do Plano
Além dos ptrigos do próprio plano, o Plano Elemenral do
Fogo não causa efeiros adicionais 30$ corobatts.. Eltmental do Fogo. Escadarias de b.salto ardente e colu-
nas de ch3.D'lllS erguem·se <lo superficie até os porrões bem
ASPECT'OS DO ptOtegidos da cidade. As muralhas podem ser alcançadas
por cri:aruras voadoras, m::is os efrct1 não vêc1n com bons
PLANO ELEMENTAL 00 FOGO olhos os inrn1sos que se recusam a se ap~n12r aos
O m3lor peri&o no Plano Elemenr•I do fogo~ sua earac· porróes d• cidode.
teris1ica de predomínio do fogo. O C11!or do pbno, •s 1\ Cidade de Lm3o é o local m•is conhecido do Plano
ch:unas onipresentes e os fumos quentes e tóxicos do :.lr Elemenral do Fogo e t•mbém o mais provável de ser visi
são represen1ados pelos cfeiros dessa 01rx.1erisrica nos t3do por viaj•nres do Pl1no Maaenal. Nos limites da
objetos e criau.1ras vivas. As criarur u no Pl3nO ElemenrJI cidode,a visibilidade é normal, e o notureza hoStll do plano
do Fogo sofrem 3d LO pontos de dano e podem pegar fogo é suprimida ptla vonrade do grande sultão. Ning uém sabe
a cada rodado em que perrn:inecerenl nesse plano. Unt vi:t· se isso ocorre devido a uma habilidade natural do grande
janre munido das magias ou irens mãgjcos apropri ados suh;io, um acordo com oaura força poderosa ou um anefa-
plr!l proteger-se conrr.t esse dano sobreviveri:t no plano to mágico. Oe acordo co1n os caprichos do grande sulrão,
duronte um curro prazo. es.;a proteção pode ser r~vogada, expo1ldo a cid:lde à carac·
A comida e • bebida podem ser um problema a longo aerisrlca natur.il do plano.
pnzo. Os demen tais (incluin do versões elemeniai$ de A Cidade de Latão também 1em a caracrtrís-tica de
cri:ituras do Pl:tno ~lateri:a l) são co1npos-ros dn subsrânciíl re,dência suavcroenre n1:tligna. As criaturas 8o:1s no inre·
do próprio pluno. Eles não corncrn e reverrcin à sua rior do cidade sofrem -2 de penalidade em todos os tesrcs
n•nureza elemcnral básica se fortJn morros. Os extr:a de C:arisina. Em pant, isso se deve à naturez.a dos efree1
pbnare s do Pbno Elemento! do Fogo podem sobreviver :i qLt residem na cid::ideb, mas o local r::ambém possui um
b:Jsc de chamas, além de alintenros -i1orm;1is'\ por isso difl· grande 1uin1ero de portais parn os Nove lnfeL·nos de
cihnenre terlio dcspcn SlS be.Jn estocadas para os visitan1es. Bt310r. Os diabos são cornuns no inrerior das 1nuralhas d:t
Qualquer cornida é sempre scrvid3 carbonizada, queim1d:a Cidade de .LatJo, seja em missões para seus mesrres iJÚe.-
ou pelo menos bcm·pass.1da, e a bcbid•, seja iigua, vinho ou nrís ou rrazendo triburo s e presentes p:ar.1: :i cone do
cerveja, esrá sen1pre escnld:1n1e. gmnde sulrão.
O Plano Elemenral do ~ogo e b•nh•d o em luz continiia. No centro da cidade fie.aro suas torres mais altas e ::as
O chio. o ar, as tstnuu m e a1é mesmo alguns dos na1ivos fontes de ch•m>s =is imponenres. Aqui fica o Palkio
irr:td1arn c.h:unas consrantemenre. Entretanto, a resrrição i Ardenre do Crnnde Sulrão de Todos os cfreet, de onde ele
vis~o não advéin do brilho, n1as dos efeitos do calor e d:t govenu1 do Trono de Carvão. Djze1n ((UC no inlerior do
aunosfcra sernpre enftunaçada. O ar tremul3 devido ao grande palácio exisrem Jnara\lilhas inacred i13veis e
calor, por isso bá miragens d•nçan rC$ no limite da visão do resouros ínconr:iveis. )..<l.is ala também se enconrra a mone
observador, e o verd•deiro aspeao d• paisagem ~ obsaaro, prna quolque t hóspede indesejado que rentar •rmnC11t 3té
exce10 pela vizinhança i1nedia1a.
mcs1110 un'a (1nica moed:t ou quinquilharia dos salões do
A :1unosfcra enevoada liJnira. a visão normal a um alcance rts0uro do grande sulrão.
de 36 m. A Yisáo mágica concedicla por magi•s ou itens
pode ampliar esse alcance. As criorurns nativos do Plano Nu,en s de Vapo r
.Elemental do fogo com os tipos e subripos (clemenral
(fogo]) ou (exrn·p lanar [fogo)) podem enxergar a aaé 72 m. Aar mosfel'a sobre a superÍicie do Pl;ino .Elemcnrnl do Fogo
A vis;io no escuro não funcion• no Pbno Elemcntal do é compos1a d~ gãs aquecid o e fum3Ça. Nuvens de vapor
Fogo, exceto nos raros locais o nde se pode encontrar supenquecido flutuam sobre a p•isagem ardente. ~l.s são
escurid5o narurnl - talvez no palácio do suhão dos efreet dificcis de discernir enrre '1 fumaça e os ftunos rrcmu·
n2 Cidade de Larõo. lantes da atmosfera ígnea, por isso uin viajan1c pode ser
Os demais sentido s não são afetados ptlo Pbno ap:.nhado numa dessas nu\•ens sem perceber. A maioria
EJeJncnraJ do Fogo, embor:a nti maioria dos lug:tres o esta.. das concen trações de vapor esrâ suficiea temente acima da
lar continu o das chamas inílija -2 de penalidade nos tesrcs superficie para rcpresenr-ar ameaça son1en1e às cri<1tur:1s
de Ouvir. voadoJ'as. Os narivos, como os efreet, podem perceber as
rcudanças clim31ic.a:s qut origina m as nuvens de vapor, e
A Cidade de Latão dtss;i forn1a evirli~l:is se desejarem.
A Cidade de Lanio é povoada por poderosos efreer e é co1» Urna nuvem de vapor iníligc tdl O pontos de dano por
sideracla por muitos seu lar e sua capiraL ElC$ podem ser fogo por minu10 às cri.31ura5 em seu in1erior, altm de qual·
encontrados em ourras panes do PlanoElemen,.l do fogo. quer oauro dano causado J>C'lO ambiente. O vapor se con·
mas 1nes1no os povoados 1nais distan1es Junun lealdade e dens:1 sobl'e as superfícies como goras escaldanres. Umn
fidelidade ao grnnde sultão que governa •Cidad e de latão n uve111 de vapor 1ipiC3 rcm u1n raio de 30 m, c1nbora elas
de seu palácio ardente. Diz.cm que o grande sultão é um p>Ssam atingir um tamanho dez vezes maior. U1na ouvem
efrce1i de poder e pericia excepc.ion:1is, e que é :1conselh:1~ viga com deslocomemo de 36 m por mmuto, dassipando-
do por vários i1niis, beis e Cl'nires. Seus servos dirc1os. tanto st n:uurolruence ent 1d10 horas.,
TABELA 6-3: As criantras apanhadas por uma chuva de cinias sofre1n
ENCONTROS NO PLANO ELEMENTAL DO Foco
1d10 pontos de dano por fogo a cada rodada, além do dano
NE
ld% Encontro NU m ero NO Pret n\'ltural do Plano Ele.n1ental do Fogo. As criaturas iinunes
01-03 Esquadrão izerl 1 ao fogo não são afetadas. As chuvas de cinzas são esporádi·
04 Or3g3o de latão. adulto 1 11 11 cas e dura1n 2d10 minucos anres de se dissiparem ou
05 Or'agão de ouro, adolescente ld3 9 11 dei.xarem a área.
06 Oragão vermelho, jovem a:dulto 1 12 12
01-13 Efreet ld3 8 10 Rios de Magma e Cachoeiras de Fogo
14-15 Ar'l~heg clemen1al do fogo2 ld8 l 8
16-11 Gofila e lemeotal do fogo2 ld6 2 1 A maior parre do Plano Elemen1al do Fogo consiste de
18- 19 L~ão atroz elemental do fogol l d4 6 9 chama:s sólidt1s que se moven1 Jentamence 1nas c~.iscern
1
20- 21 Dr;Jgone Elemenu1I do fogol ld3 8 10 regiões 3i.nda lnais quenrcs, corn tnovimenro mais rápido.
22-B Krenshar efemental do fogo2 2d6+J 1 9
24
Esses rios de c hanias e rnagn1a percorrem veloz.mente a
Elemental do fogo, Peq1.1eno 2d6+3 1 8
25-26 Eleme11tal do fogo. Médio 2d4 3 8 paisagem maleável do Plano Elemental do Fogo. Os rios de
21-28 Elemental do fogo, Cr.ande l d4 5 8 magma são ÜlC(ivelmeme quentes, infligindo 2odto pon-
29-30 Element.al do fogo. Enorme 1 1 7 ros de dano por fogo às criaturas que toi:nbare1n e1n sua
31-12 Elemental do fogo. Maior 9 9 co1i·en reza. As c1·iaruras imt1nes a fogo não são afetadas
33- 34 Elemental do fogo, Ancião 1 11 11 pela torrente, mas é possível que se afogue1n oo rio (assim
35 Crifo meio-elemental do fogol l d6 6 10
co1no un1a criatura do Plano Material se afogaria na água).
36 Gigante das colin;is 1 9 9
meio·elemental do fogo' freqüen re1nenr:e. esses rios de n1ag1na defl-am;iw·se
31 Uivante meio·element.al do fogol 2dA s 10 sob(e despenhadeiros, formando grandes cachoeiras de
38 Mantfcora melo-elem~ntal do ío-go' ldl 7 9 fogo com um visual espetacular. Ems quedas de chamas
39 S~ti ro mclo c!tmcntal do fogo ld4 6 9 liquidas n1uiras vezes irron1pe1n a película entre os planos.
(com flauta)l
~l Gigante do íogo
fotnl.ando vórtices natur.iis que conduze1n a área semel·
1 10 10
42-46 Clo inf~mal 2d8+3 l 10 hanres do Plano Jv{arerial (como o centro de uma cratera
41-49 janni ld4 4 7 vulcânica). Os viajantes desesperados pa(a escapar do
50 Par3elementa1 det magma, pequeno 2d6+l 1 8 Pfa11e Elemental do Fogo e que obswr.trem as precauções
51 Paratltmcntal do magma, Médio 2d4 3 8 adequadas podem encontrar esses portais.
52 Paraelemental do magma, Grande ld4 s 8
5l Pi!réle!emerual do rnagma, Enotmt 1 1 7 Encontros Ígneos
54 Paraelemental do magma, Maior 9 9
55 P.arae!emental do magma, Anc1á<> 1 11 l,l Apesar de sua nan1reza bosrU, o Plano Elernenfal do Fogo
5<>-58 Magm!n 2d6 l 9 abriga diversas cri:l:ruras e fenómenos. É o lar de criaruras
59-61 Mephit do fogo 2d• l 9 compostas da própria subsrância planar, exrra-planares que
62-64 f..1ephit do magma 2d4 3 9
65-61 Mephit do v<1por
proliferam em suas terras superaquecidas e aré mesrno
2d4 l 9
68- 70 Missão comercial dos mercanos • 12
criantras do Plano Material iJnunes ao fogo.
71-72 Piro·hidra {de oito c~beça.s) ldJ 9 11 A 1abcla abatxo é adequada para os viajantes úpicos, 1nas
n Pko·hidr> (de dez cab<ças) 1 11 11 o Mestre rambém pode urilizá·la como diretriz para tabelas
74- 16 Chuva de cinzas de encontro para áreas espe:cíficas, adicionando novas
11- 18 Rast ld4 5 9 criaturas ou alcerando as porcentage.ns.
79-81 Salamandit1, p<ldf'ão ld6 5 10
84- 86 Salamandra, irmã das chamas 2d 6+2 2 8 Numa jogada porcenrual de 96- 100, os personagens
81-88 Salam.and~, nobre ld3 9 11 enconrrarão algo da Tabela 6-3: Encontros no Plaoo
89 P3r3elemen1al da fumaça. Pequeno 2d6+3 1 8 Elemental do Fogo. Realize uma jogada por boro.
90 Parat?femental da fumaça, Médio 2d4 3 8 ,
Paraelemental da fumêlça. Gtande s
91
92 Par3elemet1tat da Íl1maç<l. Et'lorme
ld4
1 7
8
7 PLANO ELEMENTAL DA AGUA
93 Paraelemcntal da fumaça, Maior 9 9
94 Paraelement.al da fumaça. Ancião 11 11 É lun oceano sen1 superfície.
9S-98 Nuvem de vapo1 É um domínio de corret11es e ondas.
99-100 Thoqqua ld6 2 6 .É uma profundeza se1n filn.
O esqv;idt&o c:Ot1sistt' dt 1S azers h'lt.1$ um saracnto g••errciro de lo n~ m;i o~ O Plano Elemental da Água é um mar sem fundo ou
vm l~r mago de 6o ni'-ttl (01 ..SO) ou $UCtrtiro de 6o nível (Sl- 100). superfície, um ambiente completamen te fluido ilurninado
2 ApflqiJt o modffo de crfalu~ clcmcnUI do fogo. por um brilho difuso. É um dos Planos Interiores mais
3 Apl~uc o moddodc crialur;i mcio·.clMiCfll<IL
hospitaleiros depois que o viajante supera o problema de
• A l'llissao eome1c:1al éon$i$1c de um met<.ano (Om 1.1m otid der~ ~M'.t'l'I
~;6mo111do (foeoJ e 9 3uarcl.11s sal-...m41n(f1;i,s eomvns.
respirar no n1eio aquático.
Os oceanos eternos deste pJano va1iam entre o frio géli-
Chuvas de Cinzas do e o ca lor escaldante, en1re água salgada e doce. Elas
As chuvas de cinz.1s que11res represenram um perigo silui.. estão e1u 1novimento perpétuo, Unpulsionados por cor-
lar às nuvens de vapor para os indivíduos no solo. .":ssas reores e marés. Os vilarejos permanentes do plano se for·
chuvas geralmen te surge1n co1no u1n escurecimenro no 1narn ao redor de destroços suspensos nesse líquido infin.i-·
horironcc que se aproxima con10 u1na rerupesrade eléc-rica 10. Mesmo esses povoados vagam ao sabor das marés do
de verão. elauo Elemental da Água.
CARACTERÍSTICAS DO raros se conectam a grandes massas de 3gua em ourros
planos. Ambos os grandes rios dos Pl21>0S Exteriores. o
PLANO ELEMENTAL DA AGUA .Es:ige e o Oceânus, contêm vórtices para o Plano
O Plano Elemenral da Agua possui as seguintes .El<men1>l da Agua. Os 1ri1~s e morid utilizam esses vór-
c:ar:acteristicas: rices con1 freqliência e os povoados dess3s Cli:11 ums síio
Crnvidade: Direciorrnl Subjetiva. A gravidade nqui fun- enconrrndos adjacenres aos portais O.X.os.
ciona de forma similar ao Plano Elemenral do l\t. Os nativos do Plano EJen1enral d;i Água falam 1-\qu:in1
Contudo, afundar ou íluiuar no Plano Elemenral da um idioma fiuido e su1il replet0 de duplos senridos e
Agua é mais lcnro (e menos perigoso) que no PI.mo pitdas ocuhas. Os que inrer.1gem com outros planos f3bm
Elcmcn1al do Ar. outrOS idiomas para facilirar suas transações; Comum,
Tempo: Normal lniem2l, Ab1$$ol e Celesci21 siio escolhas freqüences.
Tamanho: Infinito.
Morfologia: Alrerável. MOVIMENTAÇÃO E COMBATE
Predomínio da Agua. O Plano Jllcmcnral da Agua não 1cm direções pté-cs1obcle-
Magia: Arívada. As magias e habilidades similores que cicas. por isso os viajanres consegucn\ se deslocar de fo rn1a
uriliwn ou cri:un ãgua (incluindo as magias do Oominio sernelbarue ao Plano Elemenrnl do Ar. No entanlo, em vez
do Ar) são estendidas e 2umcntadas (como se fossem decoir, o viajanre deve escolher enrre Ournare afundor.
alteradas pelos 1>len1os Estender Magia e Aumentar Embor:a urn vi2j2n1e possa escolher qual direçjo é -p.11
Magia, mas são conjuradas wmdo o nível normal da cima", se ele Outuaci ou afund•r:i depende do que acon1e-
magia). Por exemplo, :i magia tnpimr na água dur.1ri:t 4 CC:ii! numa silu:aç~o normal. Os viajantes carreg:ando
horas por nível1 em vez de 2 horas por nível. 1\s magias e menos que 2,S kg de equipamento ílurnom de cabeça pom
habilidades similares que já sejam po1cncializadas ou cbna, 1nas os dernais afundarn. An1bos o fazen'l ã n'lesmo
:iumcntadas não siio afc1adas por este beneficio. veioci<hidc: 4,S rn na priJneira rod:i:d:a e 9 1n a cada rod:ld:i
M:igia: Resrrita. As Jnag.ios e habil.idades simiJares co1n su·)seqüen1e. A resistência da !gua irnpede as grandes
o descriror (Terra] são res1 riras. Isso inclui as magias do velocidades que podem ser aringidas no Plano Elemenral
Domínio do Fogo. Essas magias e habilidodes similares do Ar e cm ourros lugares, por i.so um personagem que
1incla podem ser uriliudas, mas é necess2rio obccr esrej• afundando ou flumando niio sofre d.no se colidir
sucesso em um tcs1e de Identificar M•gias (CD IS + com um objeto.
nível da magia) para fazê-lo. Além de se deslocar Ou1u-:ando ou afundando, os vi;i
jan1es podem nndar normaln1en1e. Se houver \ltn3 superfi·
HABITANTES DA ÁGUA r-i'" ~ólidn rli~1,oníve l. conseguimo carninhnr. Se tivcrcn'l
O Plano .Elemenral da Agua é r:cla1iv•menre benigno pora desloc:anH~nlo de vôo, pode1n voar corn 1netade da vel.oc.i
urn Plano l n1e.rior e abriga um grande núJnero de nativos d:ade nom1ol, mas sua capacidade de 1nanobra será reduzi-
ele.mentais, e.x'tr.l:·planart!s que respiram na água e cri:nuras da em um grau.
de outros planos que podem sobre•iver em seus mares. Pr.ariamtruc não e.xisrem locais fisicos e estáticos no
Os elemenrais são manifes13ções independentes e PJmo Elcme.ntal da Ãgua. pois 1nesmo as maiores comu·
descontinuas do próprio plano, que adquirir.im consciên· nidades vogun •o s•bor das correnres do plano. Isso inclui
eia e mobilidade através ele magia ou forças naturais. Isso pcrrais p.ir:a outros lugares e :as cornunidades esrabelecid:is
inclui os elernentais da ógua invocados por conjurndorese pedem aco1npanhar o deslocamento desses vórrices. Viaj:ir
versões elemenrais de críncuras do Plano Ma1cl'inl. Essas en1te duas comunidades cio Plano .Elemental ela Aguo
criaturas costuma1n ser (no 111inimo) semi-liquefeitas e quase sempre exige o uso de magins de adivinhação. Como
imira.r mons1ros e bes13s :1quáticas do Plano }\~a1crial ahem:ui\!'21 os vi:ijantes podem con1r:uar um guia loal que
Mu11os exm-plan2res que respiram sob a águ2 residem conheç:.a as correntes e marés do plano para decenninar
no Pla110 .Elemenral da Água. Isso inclui bestas instívcis
orde estaria cem comunidade ou ponal Os nirôes e
como a rojanida e o mephit, além de grupos mais estabele- mirid slo gu1as adequados e coscum:am 1rarar os viajanu~s
earn3iS do Plano Material de fonn:a mais cortês que os ele-
cidos como os trirôes e os gênios marid. .Em gerlll, os extra·
m!ntais e demais ex:tra·planares.
planares aquáricos enconmdos no Plano Elemcnml da
Água le.ndc.in a ser bri1'lcalhõcs e cruéisi e não hcsiltltl\ e1:n Combate Aquático
a1or1ncnra.r (e afogar) visiraores in1e.rplanares que con6:am
e1n n1agias ou itens para sobreviver nesse plano. A água resrrlnge o combare no Plano Elemcnral da Agua,
Finalmente, criatuns aquáticas de oucros planos ram· 2ssim como um oceano no Plano Ma1erial Qwndo :as
Wm podem ser encon111das no Plano Ele111en1al da Agua. cnaturas: se envolvem em combatt, aplique as seguinta
Peixes, crustáceosi ceíalópodc$ e a maior pane da vida m:1r· repas:
inha coexiste neste plano. mas não as criaturas que respi· • As cri:aturns sem deslocamenro de natação (ou a magia
r2m ar, corno golfiohos e baleias. O Pbno Elemcnral da n1ovnncutafriO hvw ou efeito similar} sofrem -2 de pen:a~
Aguo é hospiraleiro para ns esp.\clcs de água doce e salga- !idade nos jogadas de ataque e dano subaquáricos.
do, embora cada ripo habire somenre determinadas Alén'l disso, qualquer arrnQ de corre. concussão ou
regJõcs. Tarobém é possível cncon1rar criaruras aquáticas mque com 8"rras ou cauda 101nbém inflige apenos
monstruosas, como o kraken e o abolere. metade do dano (subrraia 2 e depois divida o resulrado
Os ponais parecem ser comuns entre o Plano Eleme.nral por 2, >rredondwdo para baixo), com dano mínimo de 1
da Agua e os oceanos do Pbno Macerial, e os pon2is mais ponto. A rnagia n10tlimn1f4{do l1vri: anula essa penalidade.
ASPECTOS DO As áreas quentes e bolsões de gelo geralnlClllC térn
mais de 90 m de diâmetro e alguns co1n 1nais de 1,5 km j:i
PLANO EL.EMENTAL DA ÁGUA
O P.lano Elcmcnrnl da Agua apresenro somenre um grnnde foram identlficados. O deslocamen10 nõo é o(e1>do nes-
perigo in1edinto, que é sua própria narureia fluida. A
sas regiões.
menos que um vi:.jancc consiga respirar na água ou não .Essas áreas são difíceis de idenrillcar visualmen1e, mas
precise respirnr, qualc1uer visita oo Plono Elemenrol da as mudanças de rcmperatura ao longo de su:i$ Íronteiras
Água deve ser breve. Os indivíduos incop.1zts de r<spirar são graduais. As criaruras percebem a aprox_im:ação de urna
prccinm prender o fõlcgo cnqu:tnro estiverem no plano, área quenre ou bolsão de gelo 1d10 minutos antes que
corando o risco de afogamenro conforme derolho:lo em comecem a infligir o dano. Sob c.ircuns1Qnci:1.s norm:ais,
Afogamento no Copirulo 3 do Livro do Mtsttr. isso é tempo suficien1e pat3 nad:ar 3tê :igws mais répid:as.
As crioruras compostos de fogo (como elemen12is do Correntes, Redemoinhos e Vagalhõe~
fogo) sofrem 1d10 pontos de cbno •cada rodada no Plano
Elemenral da Águ>. devido i sua carocteristica de pre- A maior pane do Plano Elemenral do Água gira num
domínio da :igua. As crianrras com o subripo (fogo) sen- emaronbado arotdoanre de correntes, amStando lenia
rem·se cxtrtmame.nte desconfortáveis nesse plano. men.t e os diversos locais Axos. As regiões povoadas con·
Uma grande diferença enrre o Pl•no Elernenral da Água becem o curso e a direção de outros povoodos, embora os
e outn>S dorniruos aqu3ricos é a ausência de prcssã~. Nos
dis1âncij;s possam se romar intransponíveis e as comu·
oceanos do Plano Material (e •lguns ou1ros), a pr<llSâo da nidades se perderem das outns no interior do m:ar c1emo.
água aumen1a co1n a profundidade. No Plano Material, Algumas correntes sõo rnois forres que ourras. As cor-
even1ualmcntc corna·sc forre o suficiente para c.miag:ar as rentes forres podem arrastar os viajantes e1n decerminada
criaturas "ivas e entor1:ir metais. Mas a pressjo no Plano direcâo com desJocanlento de 36 m durante minu1os
Ele mentol d• Água não superior que• de alguns me1ros de Oo~e 2d6x3 para dererrninar a força da corrente em mer·
ros por minuto). Os viajantes devem ser capa1..es de se
profundidade nurn oceano do Plano M31eri•I, porran10
não exis1em conseqüências rnais 1erriveis. deslocar mais rapidamente que as corrcn1es para progredir
na direção oposra.
A sobrevivência :o longo 1crmo no Pb no Elernenr•I da
Água é rclao ivamenoe fácil. Obter ógun obviamente não é Algumas correnoes teprese11rnm perigo fistco. Os rede-
pr:obleiua, e1nborn sun pur<:zn e salinidade possanl repre- moinhos são áreas loca.liuldas, fonuadas por correrues c1n
sentár diílculdade ern detern,inadas áreas. A obur•dâncil'I fluxo contr.irio que suga1n tudo nunl raio de JdlOx9 1n,
de vida 1n:1ri11ho no plnno é s uficie nte para satisfaze: qual-
numa espifal consrringen1e. Os personagens aponh:odos
quer ví.1Jántc que go3tc de Íl'\llOS <lo rn,lr. por um redemoinho devem obrer sucesso em um 1cs1c ele
Natação (CD 15) ou sofrerao 1d6 pontos de dano ao serem
Urna lu1nino8iclndc v-.aga e 1énue e1n:anando de to~os os ::irremess:.1dos pela corrente1..a. Realize o teste a çado roda·
lados ilumino os mores do Pl•no Elcmcn1•I d• Agua. Esse da. Os personagens no in1e1ior de urn rcdc1noinbo são
biilho empreson um• tonalid:odc azul·csverdeada o 1<1do, capazes de escapar ob1endo sucesso em ou1ro 1cs1c de
mas litni1a o clareza de visão. A visibilidade normal, Noração (CO 15) ou amomaticamente após 2d6 rodadas.
incluindo o vís.Jo no escuro, é liminada a 18 1n. As nuvens
CerC3 de 30% dos redemoinhos possuea1 vórtices c1n
de sedimentos, algas ou outros de1ri1os pode1n li1n irar
seu centro e as criaruras que afundarenl serão cjetad:1s no
ainda 1nais a visibilidade.
Plano Material ou em outro plano que renh:a uma 3rca com
Areas Quentes e Bolsões de Gelo a C3racreristiC3 de predomínio d3 águ:i. As criatunas :apri·
sionadas no redemoinho devem obter sucesso ent um
A maior pane do Pl•no Elemen1al do Água fica numo faixa resre de resistência de Reílexos (CO 19)a cada rodado opós
de 1cmpentura conforr~vcl, como a remperarura oceânica a sexta para n3o serem sugadas pelo vónicc. O Mesrre
em regiões costeiras quentes ou 1emperodas do Plano determina o destino do portal
Mareriol. Não há qu•lquor perigo incrente devido • rcm- As correntes mais perigosas sio os vagalhões, grandes
per:uun p"1r:a os viaj:an1cs ness:as :ire:as. avabncbes líquidas que atravessam o plano, espalhando a
En1recan10. em alguns lugares a rempentun muê.a dra- destruição em seu rastro. Qu•lquer criatura apanhacb por
maticamen1e. ru âttas quentes elevam o calor da á,gua ao um vogalhõo deve obrer sucesso em um resoe de Natação
ponto de ebuhçlio, míl1gmdo tdlO pontos de daoo por (CD 20)ou sofrerj 2d10 pontos de dano. Em qualquer caso,
fogo aos que cs1ivcttm muito próximos. As oircas mais as criaturas atingidas por um vagalhão são arr.asr:td.:a.s por
quenrcs podem conrer vómces para o Plano Elemenrol do quilômertos pela força das águas.
Fogo, e nessas regiões :as chamas 1r~1ncluzem rapidamente
antes de serem inundadas pelas ~guas inf'iniras. Marés Rubras
Da 1nc.s1na fonna, is regiões frias vagam pelas corrcnles, Uma forma perigosa de contágio infectai as águas onde
algum•s gel•d•s o bomnre paro oniquilor a vida das criat- ocorre a maré rubra. Essas nlarés varia1n ent«: tS m de
uras apanhadas em seu 1n1ertor. A n\cnos que esrejam pro- diâmerro e áreas grandes o suficiente parn abranger 1n:ares
tegidas de algum modo, os crio1uras sofrem td6 pon1os de inreiros de pestilência. As criaruras que inalare1n as águas
dano por con1usão devido ao frio 3 cada 1ninu10 nessas morrais ou cujos olhos desprotegidos sejan1 expostos
áreos. No âmago dessas regiões pode-se encontrar gelo podem ser vitimas do tnjõo uganle, confo1'1nc dcscri1o na
sólido e nesses blocos perambulam as criaourns que :ipreci· seção Doenças do Livro do Mtstro. Ao contdrio d• m•iol'in
an\ o frio, col'no os paroclcn1cn1:iis do gelo. das doenças, o 1esre de resisrência il"licial de Forrirude para
evitar a infecção deve ser realiz..1do a e:ad;i zninuto em que se movem em relação aos outros). a Cidade dt Vidro con·
urn pel'$on::ige1n permanecer e1n 1neio à mnré cubra. sísre de umn grande esfera de vidro inquebráve l, cheia de
água aré a 1necade. Os visitnnres ingress:11n no cidade
Algas e Cora is através de uma imensa quancidade de abercuras ao longo
da mecade com ágll.3, ou a1ravés de ponais mágicos na
Aglomendos de algas marinhas e corais ílul\lam através
pa:te superior, com ar. ~·tuiros tdificios cruum a frontein
do Plano Elcmental da Agu•, crescendo igualmente em
enrre a :igua e o ar; exisrem construções cheia~ de água n:J
todas as direções e ::tssemelhnndo·se a planer11s vivos. Com
pa~te aérea e edificações nbas1ecidas corn ar sob a superfí-
freqüênch'1. esses leitos esf~ricos abrig::in1 ex1ro-pJanares
cie. Por acordo 1nú1uo en1re os rcside.n1es da cidade, "para
na1ivos do plano, ~1JeCiahT1ente os tritóes. As águas ao
ba.xo' indica• merade da esfera com água.
redor das esfer.Js de algiis e corais são excelentes áreas de
.~ Cidade de Vidro é um coniumo cosmopoli12 de mer-
pesca, por isso os m.arid erguem postos 2V2nçados nas
proximidodes. cadores, viajantes e exp>rriodos de outros planos. Seus
babilanres pertencem primari:11ocn1e às r:iças aquáricas do
Comunid ades dos Marid Plano Ma1eri11l1 incluindo o povo·do·mar, os elios nqu;hi·
COJ, os kuo-roa, o povo·lagal'tO, os locathah e sahungin. Ela
Os marid são uma raça notori:unen1e independe:nte, por é AOYemada por um conselho de residentes ve-1eranos;
isso o "império marid" no Pl•no E.lemenr.JI da Agua na ver- entre eles, somente há um rcprcsencanre de c2da rnp.
dade é um grande agrupomento de fonaleus semi-inde- A Cidade de Vidro é um porto livre p•rn mercadores e
pendentes, embora todas jurem lealdade em vários giaus encoraja o co1nércio a1ivan1enrc. É possível encontrar mer-
ao padix:i dos LUaricl. Gernl1ncn1e, esse grnu de lealdade é
ca:ios ern suas fro nteiras. ::issiin corno 1n::irid, dao e comer·
determinado pela prol(imidadc da Cidadclo dos Dez Mil ci:n1es hunu1nos. Diversos de seus portais co1'lduze1n ao
Pérolas ou pel• presença de agentes do padix.i. Todos os Plano Maceri•I e dizem que em locais secntos da cidade
m•rid alegam alguma forma de nobreza, e o plano é repie- também exist<m portais pon outros planos.
' ºde ris, atobcgues e muftis.
Os hisrori~dores afirm:am que o vidro •inqucbr.lvel,. d:i
Un1a rlpica forralez.a n1arid estd vinculado a alglun tipo cidade já foi quebrado. .Enrrernnco, sem gravidade definida,
de destroço, gerahnente u1n 1noterial sólido ou mesmo o ar permaneceu Lttais ou 1ncnos 01\de es-rav:i. Os gover~
un.1 leiro de algas. Cerahnenrc, 2d10 marid s3o encontra- nantes da cid~de imediata1ncn1e repararam a fenda e con~
dos em uma comunidade, junco co1n v.írios servos cle- denaram 3 rnone os visiran1es cujas magios descon1roladas
me.nrais e j2nn, assim como monais que perderam apos· fo:am respons:iveis pelo prejuízo.
ias, buscar:am favores, foram escolhidos co1no favoritos ou
escravizados de alguma forlllo pelos (relotivam ente) O Vingador
benignos ll\tlri<I. Eles têm p OUCCI& tni(idadet: J>llL'rt O;S; erl.-ir•
uras malignas, n1esmo as qu~ respiram água, e íreqüenre- A verdadeira n:11ureza do Vingador, u1na figura única no
1nente esrão e1n gucm com os habitantes malignos do Plmo Elemcntal da Águo, é desconhecida. Consid~rado
Plono Elemental da Água. p« muiros um mito, o Ving:1dor surge como uma grande
A Cid•dela das Dez Mil Pérolas é a moior comunidade arraia negr.i. com cerca de 27 m do nariz 3 base da auda e
dos marid e abriga o Trono de Coral. .Em sua corte, jaz o 54 rn da ponta de uma barbatana à ourra. Sua cauda, que se
sábio governo do Crandc Padixá dos Marid, O esrende por 1nnis 27 m, e1nile 1·clá1npagos (co1no u1n feili·
Manrenedor do Império, a Pérola do Mar, o Pai das Ondas, ceiro de 180 nível), aparen1emenLe de acordo co1n sua von·
o Marajá dos Ocnnos, Emir de Todas as Correntes (e tadc. O Vui~dor parece ser um consrruro ou veiculo em
ossim por diante). ESS3 cidade)>, encr.1Vado no topo de um va de um;i besta viva, pois se in1pulsiona ounvés da água
recife flutu:ante de corais, é decorada com iodas as var 4 grnças a uma lxl1eria de hélices aquáticas.
iedadts de corres e salões esculpidos e1n mndrcpéco h• e Exisrem divers•s teorias sobre o Vingador. Ele pode ser
odornados com brilhantes pérolas luminosos. Cerca de um cons1 ruto poderoso, ainda sob o con1 role de seu
duzemos marid residem na cidadela, rodos nobres. Cada 1nes1('C, selvagem e ensandecido, ou com livre :arbírrio -
mmd tem um séqüito de serviçais pesso•is, logo a popu· as histórias incviravelmenre variam nesse 3SSUnto.
loção de º"""' espécies do cidadela rooúizo cerc• de mil QurrQS sus1enr2m que o Vingador é um veicuJo, ralvn
indivíduos. construido em um Plano Material 1\lterna1ivo. que foi
A cone do g rande padixá é repleta de inorigos e espi· p;:rar no Plano Elcmenral da Águn. A 11:11.ui:e:.o...1 e o destino
onagern, pois cada marid acrcdi1a sinceramenle que ele ou de sua tripulação 1an1bém vnl"íam de narrador para nar-
ela mereci.a se.ntar Sê no Trono de Coral Os :assassinaros
4 radoL Os locachab dizem que sua tripulação é composto de
são comuns, assim como as revoluções palacianas e e.úlios. piraras de su2 nça, enqu.anro os marid têm urn bom argu~
lndividu:ilmence, os marid sio os gênios m:1is poderosos, mcnto envolvend o jann rebeldes. Oiversos contos
mas.sua força de vonmde e su:l presunção i1.npede111 que se humanos mencionam um:. tripula5ão de especrros.
reúnam sob un1 Jnesmo líder.
ENCONTROS AQUÁTICOS
Cidade de Vidro O Plano .Element>I da Água é um lugar fluido e murável A
Para os vi:aj:ances com menos inceresse em in1rigas pal:a- maioria d:Js cri2ruras rem seu próprio suprimento de ar, a
cionas, a Cidade de Vidro é um ponto de encontro ideal no hobilidade de respirar na iigun ou simplesmeme não respi·
Plano Elemencal da Água (cspeciatmeme pora os queres· r;un.
pir:tm ar). Loctilizada próxilno a um conjun10 de porr:iis A rabeia obaíxo é adequado paro os viajantes tlpicos, mas
estáveis para oun-os planos (estáveis no senrido de que não o Mestre também pode utiliú·la como direrriz poro tobelas
TABELA 6-4:
ENCONTROS NO PLANO ELE M ENTAL OA ÁCUA PLANO DA
NE
ld% Encontro
01-02 Abolete
Número N O P<et
2 7 9
ENERGIA NEGATIVA
03-0S tsfeta de coral É a noite mais negra.
06 Oragao. ncgto, adulto ldl 10 12
07 Dragão de b-ronze, jovem adulto 11 11 É o coração da escuridão.
08-09 Área quente É a fo1ne que devora as almas.
10 Paf3elemental do gelo. pequeno 2d6>J 1 8 O Plano da Energia Negativa é u111 lugar vazio e estéril,
11 Paraclemtntal do gelo. Médio 2d4 3 8 um vácuo sem f"im, um lugar de noite eterna e desolada.
12 Paraefemental do gelo, Grande 1d4 5 8 Pior que isso. é u1n plano carente. sôfrego. sugando a vida
13 Paraelementaf do gclo. Enorme 1 7 7 de rudo o que ê vulnerável. O calor, o fogo e a própria vida
14 Pafaelemental do gclo, Maior 1 9 9
15 Paraeleme11tal do gelo, Ar1cião 11 11
são couduzidos ao esrômago desse plano, e e le ainda escá
16-17 Bolsão de gelo faminto.
1&-21 janni ld4 4 7 Para un1 observador, há pouco o que se ver no Plano da
22-30 Mafid ldJ 9 11 Energia Negativa. É un1 lugar escuro e vazio, um poço erer 4

31- 33 Mcphit do limo 2d4 J 9 no onde u1n viajanre pode cair até que o próprio plano
34-36 Mephit da água 2d4 J 9 roube coàa a sua luz e sua vida.
37-39 Missâo romercia1rnercal'la2 12
40 1 O Plano da Energia Negativa é o mais hostil dos Planos
Par'aclemental do limo, pt'(lueno 2d6+l 8
41 Paraelemental do limo, Médio 2d4 J 8 Interiores, e o mais insensível e incoleranre à vida. Apenas
42 Pataele1nental do lirno, Grande 1d4 s 8 as criacnras invulneráveis às energi.as que drenam a vida
4) P:uaelemenl'al do limo, Enorme 1 7 7 podem sob.evive1· no local e mesmo esres lêm problemas
44 Par3efemental do limo, Maior 1 9 9 e11quanto a energia J1cgaliva exerce sua pressão incessante.
45 Pataclemental do limo. Arn:ião 1 11 11
46 Maré vermelha CARACTERÍSTICAS DO
47 Bru:xa do Mar (convenção)3 12
48- 51 Bola de algasl PLANO DA ENERGIA NEGATIVA
52-54 Corrente forte O Pla no da Energia Negativa possui as seguit1tes
55 vagalhão c.aracte1;sricas:
S&-58 To;anida, jovem ld6 3 7
59-63 Toj3nid3, 3dulto 2d4 s 11 Gravidade: Direcional Subjetiva. Similar ao Plano
64- 65 Tojanida, ancião ldl 9 11 Elernental do Ar, nesre p lano cada ctianara decide onde
6~70 Trit3o l d4 4 10 é "p:;ira baixv".
71-72 Ankheg elemental da água• 2d4 3 8 Tempo: NormaL
73- 74 Coc.a.trit e!emental da água• 2d6 J 8 Tamanho: Infinito.
75-76 Tub3r~o ;nroz elemen\al da água• 1 11 11
77- 78 Tigre ek-mental da <1gua" ld6 4 8 Morfologia: Alrerável.
79-80 Unic:órnio element.al d{! água• 2d4 J 8 Predomínio Negativo (gra11de). Algumas âteas no
81 Elemen1al d3 águ3, P«jutno 2d6+J 1 8 incerior do plano cêm somenre a caracteristica de
82-83 Elemental da água. Médio 2d4 3 8 pequeno predomínio negativo, e essas ilhas cosrum:un
84-85 Elemental da água. Grande ld4 3 8
86-87 Elen1ental da água, Enorme 1 7 7 ser habitadas. Coroo opção para as cosmologias o nde o
88-89 Elemental da água, Maior 1 9 9 Plano da Energia Negativa é mais habitado1 o pequeno
90-91 Elemental da água, Ancião 1 11 11 predomínio será o padrão, com bolsões de grande pte·
92 C rick meio-dementai da iiguaS 2M 5 10 domínio negarivo.
93 Hidra meio-elemental da 3gua 9 9 • Magia: Ativada. As magias e habilidades similares que
(de oito cab~as}' urilizan1 a energia negariva são maximizadas (corno se
94 Orca meio-e!ement<al da águas ld3 7 9 fosse nl alceradas pelo talento Maximizar Magia, mas são
95 Otyugh meio·elemental d3 4guas ld4 6 9
96 Urso polar meio elemental da iiguas ld6 6 10 conjuradas usando o nível normal da magia). As magias
97- 99 R~t-moinho e habilid•des similares que já sejam maximizadas não
100 fogo f~tuo ld4 6 9 são afetadas pon:sie beneficio. As habilidades ele classe
que utilizam a energia negativa, corno fasci nar ou con·
Existe uma ch11ncc de $0% de Cn<Ofllr.ar 01:110 grupo de cn~1u1as: um~<omp.>- trolar n1orros vivos, receben1 +10 de bônus na jogada
4

nhio 4c m,uid (01-$0} O\l Vm csqvadrào de trt1ôes (Sl - 100) para determinar a quaoridade de Dados de Vida afetada.
2 A missS" comtrdal cot1sls1c df' l 111ercar'lo com um. pedm tt$nie.o fasiftxmll iri·
Magia: Restrita. As magias e habilidades similares que
dtsctttlt e ul'I» g_ua1da de hon1a de 11 tritl)ts.
utilizam a en ergia positiva, incluindo as nlagias de curnr
3 A(()(lvt>l'IÇllO consis1e dt } bruus do m;u. 6 ~1row e 1siEllllttdas temp:sttde:. 1

r'n•ligno.
são resrriras. Essas 111agias e habilidades si1nilares ainda
podem ser utilizadas: r:nas é necessário obrer sucesso em
•5 Aphq~c: o modelo de aiatu1a t:lt mc:ntal da 4tiu ~ .
Apll(l uc: o l'l'IC>dt!o de: oiaturll meio-d emc:ntat um teste de IdemiÍicar Magias (CD 15 +nível da magia).
Os persooageos sofrem -10 de penalidade nos cesres de
de encoorro pa1·3 áreas específicas, adjcionando oovas resistência de Fortitude para recuperar níveis negativos
cri:nu tas ou alterttndo as porcentagens. infligidos por drenar e nergia e nquanto permanecerem
Numa jogada porcentual de 96- JOO, os persomgens nesse plano, embora possam deixar o Plano da Energia
en contrarão algo da Tabela 6-t: Encontros no Plano Negat iva e realizar seus resres de resisrência de
Elemental da Agua. Realize uma jogada por hora. forcirude normaln1ente enl oucro lugar.
openu luz. Ele absorve avidamcn1e a energia de tudo. As
HABITANTES NEGATIVOS 1o:has e lantem2S dunm a me,.dc do tempo normal A
du11çâo de magias não é afeuda, pois a natureza da prõpria
Como ~u gêmeo da energú posinvo, o Plano da .Energia
m1gia anub o poder emropico d2 energfa negativa.
Negluva é relativamente vazio. Ele n~o contém form3S
e len•entais verdadeiras ou versões de crfruuras do Plano fin<1Jmente, o maior perigo do plano: cmbor2 existam
M:ucri:zl, e seus extra pl:an:tres $30 r:1ros. ~las, ao conrrário
4
:ln~as de grande e pequeno predo1nínio negativo, as fron 4

do Plono da Energia Positiva, os 1nor1os~vivos abundam 1etrns Si.lo Oexíveis) e mesmo u1n viajante imóveJ pode
neste lugar sombrio. encon1n1r-se repentina1nente lutnndo para 1n an1er sua
es;:êncla vital contn'I uma :irca de grande preclo1núüo neg 4

Os extra-planares mais conhedclos do Plano da Energia


ari\'O. As 1nagias como proltÇâo t.ontm t 11erg1a ntg'11'iva afas-
Negnciva sjo os xcg·yi. fssas criatur:ts csu'3nhas e alieníge-
tain tr.rnporariamenre esse risco.
nas parecern ser conscientes, en1bora sua natureza e
propósito pennaneçam um mistério. Os extra-planares O Plano da Energia Negativa ~ complcra e rot'almenre
nalillOS do Plano da Energia Neg>rivo (incluindo os xeg-yi) es..""Uro. Mesmo se os viajantes rrouxcrc1n sua própria fonte
são imunes aos eleilOS noci\."OS do plano. dt iluminação. o poder i.nerente ao pló11nO drena todas as
corts, deixando apenas tons de cinza, iluminados por uma
O Plono da Energú Kega1ivo é um lar hospiraleiro par.1
lut rremeJuzenre.
os mortos-vivos, especialmente os que drenam a energia
vh:il de seus oponentes. As apariç:ôcsi espectros e inu- A vislbilidode normal (induindoo visao no escuro) limi·
manos são co111uns, e alguns van1piros e liches poderosos ra·se a t,S m. As fontes de luz :llém dessa área surgem
rarnbé1n residcn1 no local. A (1nica coisa que liinira essas coin o brilhos indistintos, CioljJando debihnente contra a
cl'iarnros ê a disponibilidade de presas, porianto os mortos· es: uridao mais profuoda. É. in1possivcl dere ro\inar disrân*
vlvos cos1u1n:tm estar a caminho de our1'0s locais quando ci1s nesse :11nbienre opressivo.
sdo ~ncon1r.1dos neste plano.
Pedras Nulificadoras
MOVIMENTAÇÃO E COMBATE EDl olguns lugares do Plano da Energí• Nega1iva, a imen-
A movimentação no Piano da Energia Neganva é idêntica sidade do deadéncfa é ramonho que a energia negariva se
ao desloc:amenro no Plano Elemenr:al do Ar e ourros com ccndensa, cs1abwiando-se em blocos sóUdos de ma1éri.a
grovidode subjetiva. Conrudo, as capacidades de vôo que ccmplel•mente negra. Esses blocos de pedra nulificadora
dependam de asas ou d:a prtsenç;i; de ar não funcionam. si:> a m3céri:i·prirna para irens corno n t$ftm da aniquilação.
emborn as formas mágicas de vôo (c:o1no a magia vóo) não Do! íoro, qu:alquer coisa em conr:uo com urna pedr~ nuliíi·
sofre1n :lhemçõc-s. CoJ'uo exen1plo, as asos de uJn p:issaro c:tdol':'I é destruída iJnediatamente. Ao con1târio de uma
n:io 'C111 cun1 rav41ue ~t: :>u:...h::111-:u no pl.ll"IO, n1a$ a h<cbili· t·~Jtrv1 1ln nni1111ilt1fíin, u m per.'>ôn:ier.nl q ue 1oc:ir uma pedra
dade de levitação de um beholder funciona normalmenie. dcsrns pode reoUzar um 1es1e de resls1ência de Fortitude
(CD 25) 3 cada rodada em que permanecer cro co11rnto c:om
~.fcsrno p:u-a um viajan1e que poss<'I se deslocar oesre
a subscância. 1'·1esmo os natlvos do 1>lano da Energia
plano desolado e v:Wo, a escuridõo 10101 e a falta de pomos
Nega1iva são vulner:iveís ãs pedr.is nulífiadoras.
de referéncia o transformam num lugar pengoso. Os mor-
tos·vivos p.irecem ser tão afetados quanro os ou1ros visi- Diferences de uma tefm1 da an1qu11a(ao, os blocos de
1ontes do Plano Ma1erial Se um coniur.ador poderoso pedra nuhficadora não podem ser com rolados por energia
descobrir como lidar com os xeg·yí, esses energons podem mental Elas têm diversos tomonhos, desde alguns cen-
aruar como guias. 1únetros de diâmetro• de-~nos de metros.

COM"BATE NEGATIVO Calmarias


Como os Planos de Energia rên1 :1 ct1rac1eristica de gravi· Ctn~s regiões do Plano da Encrgiu Ncg::itiva são 1nenos
dade inexis1en1e, 1nuiros agressores podetu atacar um 1norrais, l'Cduzindo a ca.racrerística ele predo1nínio negari·
único alvo (consulte a caixa de texco Combate em Três vo de grande para pequeno ou 1ncs1no removendo-a
Dimcns6cs no C.pitulo ! ). Além desce foto, o combate não in1eira1ne.nte. Essas áreas, cb~1nadas de calmarias, são reJa..
é ofe,.do pelo Plano da Energia N•ga1íva. ti•amentc estáticas no plano, por isso as torres, cidades e
outras e-s1ru1ul'3s podem ser consmaídas nC$$C$ lugares.
ASPECTOS DO O perigo desses locais envolve dois aspectos. O mais
PLANO DA ENERGIA NEGATIVA óbvio é a vida (e a nõo-vida) hosril que esi.rá presente. O
O maior perigo imediato no Plano d:a Energia Negariva é o segundo é que as fronreirns de uma ~rca de calmaria
próprio plano - sua malevolêncitt melancólica e sua poden'I se romper. permirindo que u1na n'laré de energia
naturc1.a consurnidora de alnlas são un1n amc:iça a rodos ncgociva invada novamente a região. Os necro1nanres cos-
que lngrcss:un no local tun'la1n esrabeleccr seus covis ncsr:is caln1:'.lrias.
Assiln co1no seu gêmeo positivo, nüo existe ~r no Plano
dn Energia Negativa. Embora o ambien1e não seja um ver- Coração da Morte
dodciro vácuo, existe um grande perigo de asfuda, e a falta O Cor.açõo da Morte é lugar rn•is famoso de uma das
de ar rcspinivel tende a manrer as criaturas vivas afast;idas. maiores almariasj ele é uma cidade coru1ruida no interior
Da mes1na fonna, a comida e a bebid1 não existem .....aru~ dt uma esfer.a metálica oca com l .S km de diâmetro, que
r:1lmen1c no Plano da Energia Negoríva, por isso mn via- chegou ao pbno vin~ de •lgum Plano M>1eri.al abernati·
j01ntc t:imbém precisa 1rner seus próprios suprimentos. vo morto há muito tempo. Embon o cx1crior da esfer.1
O Pio no da Energia Nega1iv• •liment•-~ de mais do que rcnh:a a carncterísrica de pequeno predomínio negati"-o,
seu interior é iJnunc à energia nociva do plano. Mesmo Numa jogada porcenrual de 100, os personagens encon·
essa proteção niio foi suficiente p.1rnsalvar os habiHtntes da trariio algo da Tabela 6-5: Encon1ros no Plano d:t Energfa
cidade. Negativa. Realize uma jogada por bom.
t\ cidade foi fundada como umo co1mmidode utópico
e<pedmen1al. Originolmen1e chamado Comção do Vãcuo,
foi cri;ida por seus misteriosos senhores como un: lugar
PLANO DA ENERGlA POSJTlVA
intocado por outros seres e cscol:is de pensamento. Na ver- .É o poder encarn•do.
dade, rapidamcntt foi dominada pelos mortos-vivos, que .É 3 luminosidade incomparável.
se b:inque1eoram com a c•rne e os olmas dos es1ud3llles em É 3 vid3 concrerizada em seu potencial máximo.
seu interior. Agor:i suas tortts e pr:1ç::1s estão vniu. excero
pelos inv:asores monos-vivos. Pode -se cncontnr qu:ilquer .É mais fácil compreender o Plano da Energia Posiliva
quando ele é comparado ao coração de uma es1rel2 - uma
espécie no local, incluindo :as cri.arur.as que absorvera ene~
forrulh2 etern• de criação, um domínio de radiância além
gia, como aporições, inumonos e espectros, mos 1ombém
da capacid2de de comprCt'nsào de olhos mortois. Sua
seres mais mundanos, como esqueletos, zurnbís e tnúrnias.
própria essência ondula e tremula enquanco novas
Oi'-ersos liches e vampiros podenosos residem ru1 esfen_
tn3:térias e energias são criadas e crescem ao nível máximo,
Os rumores espolhados pelos mercanos afirmam que as como uma fnna explodindo de madura. t um plano
diversas facções malignas no mierior do Coração do V:icuo vibranre, tão vivo por si mesmo que os próprios viajantes
dedicavam-se a guems perpé1uas emre si. Mas um .ndiví· adquirem poder ao visitá-lo.
duo pa_rticul:a:nncnre perigoso, um mino1auro Y.L-npiro,
O Plano d2 Energia Positiva não possui uma superficie
negociou :a pai entre as Cacções e tein encorajado 1r.aiores
e é semelhante ao Plano Elemental do A; em sua natureza
pesquisas sobre• natureia da cidade e do próprio pLmo. Os
amph e aberra. Entretanto, cada pane desse plano brilha
merc:anos acrcdiram que o objcrivo do niinotauro vampiro
intensamenie com poder inato. Esse poder é perigoso
é condutir a cidade ~l"Q ourro plano e u1 ili1.ar seus asseclas
para as formas morrais, que não foram criadas para lidar
1nortos-vivos par.1 ger.1r caos e destruição.
com ele.
Castelos Perigosos Apesar dos efeitos benéficos do pbno, ele é um dos
Planos Interiores mais hostis. Um personagem despro1egi·
Devido ao grande nún, cro de mortos·vivos que reside1n no do nesse plano se enche de poder à medida que a energia
Plano da Energio Negn1iv:i, nflo cxis1e u1na rr.idição de uti- positiva o invade. ..E1n seguida, coroo suo fonnn 1nortal é
liz..í-lo co1110 depósiro de prisioneiros rnnlignos e irens incapaz de conter tanta energia, ele al·dc COJnO u1n
perigosos. Entrcttinro, os prisioneiros Bons e os itens pequeno planem alcançado pela explosão de uma supemo-
be nevo le nte" co1n frcqliê ncín aôo lacrados neste lugar, va. As visitas ao l'lano da l:nergu1 ros1uva sâo breves e
ge ralnlenle ern ton·es de meml corl'o ido con1 porrôes tran- rnes.tn o assim os viajantes precisam de inuitn proteção.
cados. Esses prisioneiros flc"m ccrc.1dos por armad~has e
quase scinpre são be1n vigi:'ldos. CARACTERÍSTICAS DO
Alguns conrên"I celesrlais ou artefaros de rendência boa
que não podem ser destruídos com facilidade, enquamo
PLANO DA ENERGIA POSITIVA
O Plano da Energ.ia Positiva possui as seguinres
outros contên1 paladinos em csu1se ou itens e indivíduos
características:
nocivos aos mortOS·'Yivos. A presença desses c~stelos
perigosos muh"as vezes é o morivo que ai-r.ii os viajanres do
Plano Material (especialmente os Bons) pora o plano. Gravidade: Direcional Subjetiva.
Tempo: Normal.
Encontros Negativos Tamanho: Infinito.
O Pt.no d2 Energia Negativa geralmente é um luga1 vazio Morfologia: Alrer.ívei
e exrremamtnre hostil Poucas coisas podem ser tncon- Pred omínio Positivo (grande). Algumas áreas do
n..das no IOC1I e a chance de descobri·las por acaso é mín- plano 1êm somente a canaeristica de pequeno pre-
ima. Considere que o Plano da Energia Nega1iva é um domínio positivo e essas ilhas COSIUDlom ser habiradas.
pouco mais lct•I que o Plano da Energia Posiriva, devido à Como opção, é possível 1ornar o pequeno pttdominio a
presença dos mortos•ví\IOS. caraoeristica padrio para o plano se desejar um Pia.no da
A rabeia 2baixo é adequ•da pora os viajan1cs ripicos, mas Energia Positiva mais h2bi1'ivei
o Mcsrre 1ambém pode utiliz:i-b como direiriz para 1abebs M2gia: Ativada. As magias e habilidades similares que
de eoconcro pon ó=s específicas, adicionando novas urilizam a energia positiva são maximizadas (como se
criaturas ou alterando as porcen1agens. fossem ahendas pelo ralen10 Maximiiat Magia, mas são
TABELA 6-5: conjuradas usando o nível nortnal da magia). As magias
ENCONTROS N O PLAN O DA EN ERG IA NEC"TIVA e habilidades similares que já sejam maximizadas não
NE são aforadas por este beneficio. Embora as magias de
ld" Enc;ontro Número NO p, .. cumr sejam maximizadas, nem todas as magh1s de cura
01- )0 Calmanas são afetadas. Por exemplo, o Plano da Energia Posit iva
31-<S Ene1gon, Xt"R·YI 2d• s 10
não ofera "'mover d0<1tf"S, pois as energias benéficas do
46-SS f;spect10 ld4•2 7 11
S6-6S
66-80
Cria v;implrica
Ped~ nula
2d4
• 10 plano auxiliam a doença e a vítima. Por isso,• mogia não
é melhor nem pior do que seria no Plano Material
81- 90 Inumano 2d6 3 9 As habilidades de classe que utiliz.1m a energia posit iva,
91 - 100 Apariçtlo 2d6•1 s 12
como expulsar ou desrruir mor10$--vivos, recebem +10 Não existe ar no Plano da Energia Posiri~. .Embora o
de bónus na jogada para determirur a quantidade "de ai•hientc n3o seja um venbdciro vkuo (a energia posith'2
O.dos de Vida afetada. Entre10nto, é quase impossivel pr.>porciOD3 O equi~ente a prttSÕO atmosférica normal),
encontrar monos-vivos neste pl:ino. exisre um grande perigo de asfl.xia. Mesmo a cura acelera·
Magia: Restrita. As magias e h•bilidades simila.res que do adquirida por todos os habiranies do pi> no não iropede
tuilium a energia ncg3riw 1 incluindo as magias de infl1- n :isf'ixia. Os viajantes nesse plano devcrn 1ra1.cr Sll:l própria
g1r1 são rcslritas. .Essas magias e habilidades sirnilares arn1osfern ou dispensar a respiraçllo enquanto per-
aiJ"1d:t podern ser urilizndas, rn:lS é necessário obter m:ineccrc1n no plano.
sucesso em um reste de !demtílcar Mogías (CD 15 + D:t n1es1na forJna, a comjda e a bebida não exis1ein naru·
nível da nrngia} par> fazê·lo.
r3lmen1c no P1ano da Energia Posinv.a, e o dano por con-
HABITANTES POSITIVOS tudo causodo por fome e sede também não é curado auto-
matiamen1c.
Os Planos de Energia são chamados de "planos vazios', já
Assim como o Plano da .Energi> Nrgariv:i é dividido em
que abngam poucas formas de v;da na11vas. .Eles não pos-
:iras de grande e pequeno predomíni~ o mesmo ocorre
suem :a~ tradicionais formas elemen1;iis dos ourros planos
e, se est•lS existirem, são muito diíercn1cs da vida do Plano nCl Plano da Energia PosiciV3. Um vi3jante pode se encon·
/\.il:uerial, a poruo de serern irreconhecívels. rnr subit~mente em urna área onde seu) ouvidos zumbem,
SCJS rnúsculos trepidam e até 1ncsmo seus ossos latejam
1\lguns extra-planares reside1n no Plnno da .Energia
Pos:i1ivn.. Os ruais conhecidos s:io os r::ivid, que habira1n as dt."Vido :10 súbito inOuxode energia. Mas não b5 nenht.una
:íreas in:.iis c3.lmas do plano. e os energons conhecidos indic:.lçào írnediam do moviruen10 da (rontcil":l 1 e não flá
co1no xag~yas, que vivem 1nesino nas profundezas do COQ!no Stlber de que lado estã o 1crrer10 corn pequeno pre-
pio no. dcmínio positivo. As magias como Stgumn(a auxiliam o
Os ex1n-planares nativos do Plano da Energia Positiva vi1jan1e, mas esses fluxos de energia são sempre um
(como os rav1d) são irounes aos efelros nocivos do plano, gnndc nsco.
embon :unda $e beneficiem de stu1 nirureu têgtnerariva. O Plano da Energia Positiva ó um lugar de branco radi·
Os seres c1ue não podem ser curados de forma normal ou ame, onde o poder inerente ao plano descolore o espectro
não se bcncfici.:101 da energU positiw, como os construtos, e n~o deix;i nada :além de branco e sombr:as con1rasrantes.
tombém podem sobreviver nesse local. A visibilidade normal (incluindo a visão no escuro} limi·
MOVIM ENTAÇÃO E COMBATE rase :1 t,S 1n. Os objetos e criaturas alén1 dess:l distânci9
surJ,!e1n como n1anchas escuras i11dis1in~s contra a bran-
A 1novirnenr3ção no Plano da Bncrg1a J:'Osiova func1Ôna cura d:i paisagem. É impossível dc1etrninar distâncias
co1no e1n qualquer ourro plano com gl'nvidade direcional nesse :1n1bicncc radianre.
~ubjctiva - os viajan1es escolhern un1a direção como
sendo "para h•ixo· e •gem de acordo. O• deslocamentos Explosões de Energia
que requerem esforçoconrra algo r-ing.ivrL como voar com
asas ou ~dar com barbatanas con1r.a 1 água, 1\ão fun- ~mo entre a radiância brilh3nt< e mor12l do Plano da
cion:am, pois nio há contr:a o que agir. O vôo mágico, sej-i Energia l"osiriva, algumas regiões são mais intensas e
por magia ou hobilidade similar, fundon• normalmente. perigos•s. Essas regiões explodem como sóis em mini.tu·
O 1n:1ior perigo no Plano d:t Energi:1 Posiliv:a é que n3o r:a, conferindo subitamente a 1o<los no raio da e.i<plosão
hó para onde ir e pouquíssimo.< pontos de referência para (gerolmenre 9 m, mas ocasionalmente chegando • 36 m}
guiar o viajante. Os n1vid e cria1urns scrnclhan1es parece1n 3d tO ponto~ de vida 1e.rnponirios. Os perigos de exceder o
ter seus próprios métodos p:lra de1e1·n1inar a localização e dcbt·o do rotai normal de seus pontos de vida (conC011ne
podern ser convencjdos a aruar con10 guias. descrito na característica de predorniniu posilivo) ainda se
aplicarn.
COMBATE POSITIVO Al~m disso, as criaruras que estiverern no raio de uma
A ancreristica de gravidade incxis1tn1e dos PJanos de explosão de energia devem obrer sucesso num tesre de
Energ.l:a significa que um número rnaior de agressores resistência de Fonitude (CD 24) ou flcario cegas durante
pode enírcn1ar um único 3Jvo (consulte a atxa de tex-.:o 1d1o rodad».
Comh•te em Três Dimensões no Capitulo 1). Os ataques
em grandes quanridades s3o necessários, devido ii narureza Ca n pos de Animação
cegencrativ'1 do plano, que mesn10 nO!í lugares mais cal·
1nos é suOcicn1e parn susrenrar a 1naíoria dos co1nbacentes Os campos de animaç.1o s3o regiões invisíveis do Plano da
durante 1nuito te1npo. Com exceção dns regras descritas Energia Posiliva que concenrrn1n partict1lat'1nente as ener-
~uueriorrnente, o corobare é norJnal no Pl:ino da .Energia gl:is <1ue :1nimaru os objecos. U1na área con10 essa geral~
Positiva. 1nen1e 6 u1no esfera co1n raio de 45 1n a 4SO 1n. No interior
dessa esfera, exisre 50% de chance a cada rod•da de que um
ASPECTOS 00 objeto de posse de cada personag•m tome·sc animado e
PLANO OA ENERGIA POSITIVA mque. Utiliza as descriçô<:s par> objttos animados no
O m•ior perigo imediato no Plano d• Energia Positivo é o Lino cios ~fo115'ros como referência. A :tnllDaçâo dura
próprio plano. Su.;a radiáoci3 conStirui unia ameaça aos via- erquanto o personagem permanecer no campo de ani-
janrcs que ingressam no local. mJção. m:ti) 2<l6 rodadas :adicionais.
Areas lim itrofes m2lignos, os pacientes Jnenos confiáveis são 1nanridos em
eiúerrnarias ll'3ncadas.
As 5reas Hmírrofes são um3 referência pan 3S áreas calmas
no plano, como ilhas o u margens na inOJbadon fcrvcn1e Celas de Aprisionamento
de energia. Essas regiões possuem • ar:icrerisric:a de
pequeno predomínio positi\'O e são ponrilludas com blo- Os indivíduos panicul>rmcnrc poderosos são eficienre-
cos de resíduos de ourros pbnos, incluindo cidadclis Ou- menre aprisionados quando suas formas físicas ou suas
ruanrcs, pedaços csgarç:idos de névoa asrr:il e íragmenros almos capruradas são 2rir:idos em uma ceb protegida con-
de ourros lugores. Os pedaços mais sólidos dos ôre•s rra a energia e enviadas ao Plano da .Energia Positiva.
limírrofes são urilizados como posros av•nçados pelas Embora não seja um• soluçáo de longo prazo (essas prisões
criaruras poderosas o suficienre par3 s uponar a n31ureu são invariavelmente aberras por algum viajan1e curioso ou
rra nsformadora do plano. Essas fortalezas devem ser bem absorvidas para ourros planos por um vórtice), essas celas
protegidas, pois as .l)'larés de e ne rgia positiva rnais incensa de aprisionamento conserva m itens e indivíduos longe do
nssolan1 u1na área li1nírrofe e1n 1no1nenros ln1previsivcis. restanre dos planos durnnrc décados ou gerações.

O As ilo Encontros Positivos


O Asilo é uma locali1,.ação dererminada no inrc1iorde un1a O Plano da Energia Positlva, como seu irJnâo, é um l ugar
dns áreas li1nírrofes - uma cidadela Ouruonre com ltm vazio e ex'tren1amente hosril. Não há rnuiro a ser enconrr.t~
grande aíloramen10 de rochas erguendo~sc como u1t. escu· do no local e a chaucc de dcscobri·las por acaso é mínima.
do con1r.1 as energias mais lerais do plano. O Asilo e:. 3re~ A tabela abaixo é adequad:1 J»ra os \•iajanres lipicos, mas
de 90 m ao seu redor possuem a caractcriStic2 de pequeno o Mestre também pode urilizá·la comodirerriz para rabeias
predon1ínio posiri~ embor.a a estrurura tenh:1 que modi- de enconrro para áreas ospecillas, adicion>ndo º°"-as
flcor sua localiuação para manter esse fenômeno. criaruras ou alterando as porcenr.agens.
O Asilo é o lar de uma pequena comunid.de de curan· Numa jogada porcenru•I de t 00, os personagens encon·
deiros e cawlciros s•grndos dedicodos às arres d• cura. A rrarão algo da Tabela 61: Enconrros no Plano da Energia
ordem é lcndári3 por admitir indivíduos gravemen&e feri· Posiriva. Realize uma jog•d• por hora.
dos e resraurar sua saúde, e seus membros conhecem
magias e procediroenros que permircm a reversão de
enfermidades que seriam incucivcis de oum formo. Sua TABELA~:
ENCONTROS NO PLANO DA EN ERCIA POSITIVA
habilidndc p:irn rrarardocnços ucsrc plano é limirad:a pela
n:uurcw do próprio plano, mas ainda :assim a comu·
nidadc conhece tratamentos eficaz.es que 11ao envolven.1a
~%
01 - JO
Encontto
Campos de animaçlo
N1~m.,,m NO ....
NE

e nc1·gia positiva. 31-60 Arca limítrofe


O Asilo é proregido por di\'ersos golens, além de sua 61-75 Energon, xag·ya 2d4 4 9
equipe hum•nóide, composra de indi\'lduos Bons de 76-35 ExplosJo de e-nergia
de:renas de planos. .Embora eles nio recusem indivíduos 89-100 Ravid 264 ; 10

0.UEM GOVERNA OS PLANOS ELEMENTAIS? íorça divinos. Eles se diferenciam das divindades por Rio terem
o mesmo relacionamento deus/segvklor com os mortais.
Ai divindades tef'ldem a gtavitar em direçlio aos plan:>s qve
Ape-sar disso, são reverenciados por alguns morta1s enquanto
podem mocf1f'icar íacilmente. 0$ mortais costumam disputar outros imploram seu íavor, e podem decíd1t prestar auxílio con-
os planos onde podem viver confortavelmeflte. Mas nos Planos
forme lhes pareça adequado.
Interiores, qutm são os governantes supremos? Isso depende
de como o Mestre deseja que os elementos íuncionem cm sua
Planos de .Elementos Desgovernados: Os Planos
Interiores são logares mutáveis e aleatórios. t necessA.tía toda
cosmologia. Seguem·se algumas opções:
D e uses .Elen1entais: Nem todas as divindade$ escolhem
a força de vontade e o poder de qualquer ser apenas para man·
viver nos Planos Exteriores, com sua morfologia divina. As ter uma área de terra, ar, fogo ou ~gua estável durante um mín·
divindades c.om aspectos ou domínios elementais podem esta· imo de tempo. Os próprios planos sft'o c11tropia bruta, es1na-
bclccer sua residência nos Planos Interiores. As divindades ele- gaodo, queimando, inundando ou arrebatando tvdo o que não
mentais lapidam suilS moradas dos elementos e energias vitais seja do mesmo tipo de elemento ou energia. Na cos,no!ogia de
dos planos. usando seu poder divino para mitigar alg\.l'\s dos D&O, o Plano da Energia Positiva e o Plano da Energia Negativa
eícitos colaterais mais mortíferos em seus reinos cm b~neffcio são desolados e desgovernados em resultado de sua própria
dos visit.intes. Os deuses e!ement.ais que escolhem resa:l1r nos hostilidade.. mas isso não precisa str verdade em todas ascos·
Planos Interiores tfm muitos seguidotes que utilizam aquela mologias.
energia ou elemento. ou seus próprios domlnios incfutm um Planos de Elementos Con scientes: Comes~ vJ.rian1e.
tipo de elemento. Eles têm o mesmo relaoonamento com ff'US lodos os e"mentais não sJo mais que mensbes: M um ser ~
seguidores que as divindades dos Planos Exttuores. mental superior. cujo c0tpo ~o ptano do Elemento. Com poder
Dependendo de como o Mtttre esteja tratando a ex1u~ncia superior às dMndades, esses planos conscientes consideram
póstuma em sva cosmologia (constilte o Capllulo 7), os Planos os conju.r-dores que invocam svas partes como simples pata-
lntettorts podem aptesentar seus próprios supllc.ante'S com as sitas. Entretanto. todo o conhttimtrno aprendido pot elemert·
Imunidades ar.ropri.adas. tais individuais é panilhado em todo o plano. por isso um
lordes E eme·n tais: Superando os poderes dos anc.iões plano consciente interessf!do em seus personagens pode
elemcntais, os lordes elementaís são seres flsicos de i;oder e tort1ar·se extreml!mente inflventc e perigoso.
Os P LANOS E xTl!JUO&l!.S

Elc,.i.

e os Pbnos Interiores s3o a energia. e a ~céria.;


prima que COlUtiruem o muhive~ os Planos CARACTERÍSTICAS DOS':
Exteriores são a direção, o prosamenro e o propósito
PLANOS EXTFR'ORES
,
JJ dessa co~ Da mesma íonna, diversos S<ihios
referem-<• •os Planos Elí1Cri0tt• como planos di\'i-
nos, planos espirituais ou pio.nos dos deuses, J>l?Ís-sua ..E!isas c:ir:.c1erisricas planares aplic:un-se aos Planos
caracceris1ic<1 Jnais conbccida•t' sercrn os lares dns divindades. E>.teriores em gemi. As divindades que hobit:im os pl:n.1os
Deuses pode.in vivet em ourros1oeais11n;-u; sào m:iis ab1u\danres pcdcun 1nodificá·las, pois os Planos Exrcriorcs são loc:lis
nos Planos Exteriores. OutG?S cri!H11ros ri11nbé1n habitam os de 1norfologi:1 divina. Além disso, d.1dn n :1nipla \t;irie<lade
9l~nÔs Cxterloi:es, alguns serviJi.do 3S dtv1nclrul~s e outros que disponiveJ nos Planos .Exceriores, pl:t.l\OS espec.í6.cos
protcge1n .sua independência co01 ferocidade. pedem v:ariar1 Mas tts inclinaçôe$ ger:'lh dos PL1n01S
P;an o viaj:ante ine.x-periente, os Planos Sxctriores p:ttteem E>.1cciores sio definidas abaixo:
m;us hospitlleiros e familiares a natiV<Kdo Plano ~13terial que Cr:avidode: Normal Alguns Pl•00> ••m gr:rvid2de
os Pbnos fnteriores ou os-PlanosTran~1tórios. dir~nil objetiva ou suhjt.ri\'a,confonnc ~ptci{U:a­
Esta noç~ tum engano. Em boro a pot~gem possa se parJ>' do •m suas descrições.
cel'.' com a do p)3n0 ~{aterial. pode mudar d~ <tcordo--com os Te1npo: NonnaL
caprichos das divindades que força• pod~...»..s que vivem ali Tam :1n ho: ln.finito.
Qs dcseios das (orças divinas que habilom cS>es planos podem Morfolngin: Divina. As divmdodc:s podem afo13r o
..rcfrn·ê·lo~
,,f ·r1t...-l conlpJé:t-;ut.l~nt<!,
.,,._
efe1iv:a1ncn1c np:igando e recons· aSJ>CCIO elos L'lanos ..Ell.'teriorcs, tisslrn eon10 suns
trulnoo (1 pr6pri:i t.'XlStênt il.l para 1nelhor :atender a suas de1n"is catttcterísricJS, dentro dos: JitoHes dcscrhos
prôprL.1s necessidades. adiiullCr
Os Plano$ J:xteriores também po<len1 ser a grnnde recom· Sem Caràcte.risticas de ..6Jcmcn1os ou
pe.D"Jo:t parn os espíritos dos mortos em ~uJ ce>5mologia. As .Energias. Embóra. não ·êXis1am aratrcri~tic:Js de
d1\'Jnd:1des podem ou não governar t"'»es espíritos. elemcn1os ou energias abrangt.n1t.s, pl:Jnos especi-
Oependtndo da narurez.> de sua cosmologi•. os divindades flcos podem possuir uma ou mais c;imc:tensticas de
podem agar CQJno ju.Í2CSt guardiões. gO\·ernantts ou mesmo predomínio de ele.mcn1~ ou energia~
:igcntcs ;i\f.andtgãtios corurolando o fluxo dos monos paa o Urn a o u 'Mais Característjcu de Tendên cia.
gr~ndc além. Um pio no especifico pode possuir 1cndéncia (orie
ou su:ive, e pode rer 1endênci2 boa/m:11igna 1 le3l/caótica, ou
ambos. A (amc1eristica de rendênc,ia de um Pl:tno E~crior
VIAJANDO AOS
determina seu lugar n<t cosmologia. l.fas cm gtml, :li! car.tc·
ttrisucas dt tendência de um plano 1endc.m a se con~ar
PLANOS EXTERIORES
com :1. 1endência das divindades que o h.abu'am.
A maior pane dos vi1Jan1es nos Planos Exrenores U$3m a
Magia: Nonnal. Alguns Pbnos Extenoru podem ix:ssuir a magia projtpio ashul ou um poml para se deslocar de um lugar
carac1eris1ica de m3gia rCShita, a1ivada ou limilad1, Jepen· a outro (e de um plano"' ourro}. ~tas exi$tem OUll'3S opções:
dendo da naiureza do pbno. O Rio Oceânus: A .água do Occ5nus é doce e aromãticaJ
CONEXÕES DOS PLANOS EXTERIORES como apropriado asua nal;Ccncc nos Abcnço:idos Campos do
Elísio. Esta canal proporciona uma 1rilba cnl'rc reinos,
Os Planos E>Cl'Criore-s são separados do Plano M:ucrial, por camadas e Planos Ex:tcriores vi:dnhos.
isso os viajantes llorm:tlmcnce chegam até eles ;11r~01és do O Rio Oceânus ílui :uravés de cada urna das c:nnadas do
Plano Asrral con1 magias e de por1ais in1cl'pl11n:1res. Planos Elisio, atravessa a can1ada $upcrior <la F.'lorcsr:.1 d:.is Terrt1s
6xtenorCS CSpC.CÍÍiC::OS pode.nl ser separados UllS dos OUll'OS, Selv:ige.osJ percorre a c:.1n1;1:d:i superior das Clareiras
ou de limites coincidentes, pcnnilindo o deslocanlcnro cnrre Olimpicas de Arbórea e An-:1Jmente des.í,gua nn segunda cama·
dois planos. da de Arbórea.
No cosmologi• de 0&-0, cada um dos Pl>nos Ext<riores O Qceãnus é un1a trilha us.1d::i cosrumeir.imcnte e.nrre
limi11-se com outros dois, formando a Crande Rod:t que cir- plaoos e amad.as de planos. Barcos comerciais na.vegam de
cula o Plano Material. É po$$ivd mover·sc entre os Planos um lado ao ourro de su:. ex1t'n~o, e cidades ~uenas perfi·
E.xienoros da Crande Roda otnvés do Astro! ou de ooloe> Iam·~ em suas margens. Os VUJJnl6 sempre podem :rchar
mcnto fuico. i medida que cada plano dá lugar• outro proxí· um barco de aluguel em algum pon10 das margens do rio.
mo às :ireis de fronte.if2S coincidentes.. ~ lamilt'S ~
O Rio :Estigc: Este rio fervilha com o óloo, os destroços
Indefinidos e est2o sempre em es1ado de fluxo. por isso as
horrendos e os cad.ávcref apodrecidos das batalhas ao longo
criaturas às VC7..CS mo\'Cm..se ôe um plano a outro st:m a de suas margens. Criaturas que prov:i~m ou tocarem suas
1n1cnção de f27.ê-lo. águas de\'e:Jn obter sucesso cn1 uin reste de resisrência de
J\Jém das conexões com o Plano A$tr.al e con1 os pl'3nos vl· Fonirude (CD 17) ou soírtrâo de 1mnési11101.1l. Trstc a vitima
1inhos, c:ida Plano &1erior rem porr:ris que eo1\ect-:111\ dife- como se est ivesse corn o 1111e1ec10 enfraquecido (como a
rentes locais no 1ncsn10 plano. Isso cria a hnprcss!io de n1agia e11/raq11ear o inrdtdo). Mes1no nqueles que obtiverem
c:unadas, planos empilhados sobre ou1-ros pla11os, cada tuna sucesso no teste de re$is1e11cia perde1n rodas as Jembranças
co"du~ln<lo a llln portal parti o. pr6xhnn. dos cvenros das úlânlaS 8 hOnl$. lvtagia.s preparad:JS per·
manece.m oa r:nen1ôrla. c1nbora a vhhna possa não se recordar
de que elas estão disponíveis.
AS CAMADAS DOS O .Esrige corre pelas camadas superiores do Campo de
Batalh2 Infernal do Aqucronce, os Nove Infernos de Baator. a
PLANOS EXTERIORES Ecernidade Célido d. Ceell.'I, os 0.S<:nos Cinzentos de Hades,
as Profundezas Tártaros de Car<:eri, as Camod.u lnf'íniras do
Os Planos Exteriores 1êm uma grande quanucbde de ;ior1.iis Abismo e as Profundei.a$ Ecoan1es de Pandemõnio.
in1erpl.1rurcs que não levam a OUrt0$ planos, mas a locàs dife- Tribut:irios do Estigc serpenteiam pelas camadas inferio<es
rentes no mesmo pJ3110. Esses portais freqüc.nccmcntc conec- des<es pbnos. Por exemplo, u1n braço do E<tige alcança a
tam uma r~e de subplanos com habilan1e:s e canc1cris1icas quinta caniada do AbJSmo, e nx.hos anconráveis esco-rrem por
planares semelh•ntes. É fádl imaginá-los como uma pilha de diversas ourras camadas do grande fosso.
}»r1ts intcr-relacion3das do mesmo plan<>t po1 isso i>s via·
Barqueiros siniscros, hábeis e.rn :arraves:saros redemoinhos e
Jan1es referen1-se 2 eles como camadas.
corren1es imprevisíveis do Escigc, 1'\avega1n suas ãguas. PoruJ.n
/\ eos1nologia de O&O mdicion;ilmen1e ulili1.a camudns preç,o, es-tiio disposros a leva.ros vlaj:an1es de u1n plano a ourro.
p:im descrever os rnúhiplos ambientes de phu'llOS cOnlo os Alguns barqueiros (e barqucirns) s5o abissais, enquanto outr°:5
Nove Tnfcrnos, os Sc1e Paraísos, e as Ca1nadas lníln11as do são espíritos de 1uortos do Plano M:uerl:al (ch:unados supÜ·
Abisrno. Cada coleção de c:amad.as é trnrad:1 COUlO u1n li nico c.:'lnres). R.1rameote, um lmrquclro é um 1norcal vtvo, cmpre·
plano. e nativos de uma ca1nada são reconhecidos co1no gando de fooua incorntun sua preciosa habilidade ndutic:a.
n:uivosdas demais. Caminhando pelas 'fronteiros: t\ primeira camada de
A m:1iori:i dos portais vindos de outros loc:1is: 11tinge a cada Pia.no Exterior faz. &ontc1r.a com outro Plano Exterior de
";primclr.t cam:1d:1 de um plano em canuad:ts. Esta can1ad:a, cada lado. Desta forma, rodos os Pl~nos .Exteriores se conec.:-
dtseril:t l'1nto como a ªsu~rior.. quanro a •infcnor•, d.epen-
ta..m. Viajan1es que conheçam ts crilh.:a$ correras podem
dendo do pbno, é o ponto de chegacb da maiori> dos visitan- encontrar lugarH onde as íronttiras são suficicntcrnc.nre
ttt. A primeira amada funciona como o -pomo da cid:td.e..
tênues pan que uma simples am1nhada seja suficiente P3~
par.> seu pbno. Os viajantes podem alcançar oun'IS a madas
ua.nsferir o viajante de um plano a outro.
ditt1"11mcn1c com :1s magias apropriadas, pois o Plano Astral
A passagem nio é uma mudança súbi1:a. mas antes uma
coexiste com rodas as camadas do plano a menos que espcci..
abençâo gradual À medida que o viaiante se aproxima da
fiado o conrririo. (ronteil'<!, a área se toma n\ais e mais semelhante ao Plano
Ex1erior seguinte, coquanto os 3spcc1os do plano atual ror~
Ysgard
~

--
Terras Selvagens

21 ~fn•1>elhch11
" >1fd~s~ll]!i
Eliseo 2J:.~~n1l e,nn>s
·2· C.(1Cí10
'1s ttfcgccontc
26Aginlon
21 Pbn!clc dos l'onll.s Infinhol
28ôr1~

Bitopb 111-c l -:.C . 1 ' -n •JP-'J-1 -;-:; I;' l,.~ l;:-j~rjn-:,r , 29U1ris
)O~hnetlS
JtColocd
Carceri )2 FbrÍlld
l)Ap.1i$

1 'úinii' 34 Oi.nos
2 ).fcrcUri:i 3S N1RheiM
) V(nio 36 Plu1io
4 Solinla )7 Khalat
S '.\fertion 38Cha1n11da
lóJtwar 39 Mungo1h
{Ar{á'dia <40Kt11nga1h
1 Ct'ônlas
8 Dothion • 1 Avern us
~ Shutnxk
42 Oi$
IOAMÕrb
4lMin11uros
eronfa. +4 F1cgeto$
..... tt
t2 Belie'dn 4S .Estígil.
' ' ~lalcbólgi.s
'" ] l}Thlisb
l .. Krltila 47 ~b.bd<>min1
Aqueronte IS BrulC 48Cânb
l' K2nsurn •9N~u'
SOA'"~ln
Os Planos Exteriores 17 Arva.nàot
tlAquaUot SI 'ru1dJ1un
S2Tunibuhu
19 Midurdir
Nove 20Ysgard SJOcin1us
Infernos S4Abflio
~$ flll.1(('1111\
n:am·sc menos percepttveis. EventuaJmenre, o vi:tjanre Quase-Divin dad es/Divindades Jreróícas: Quast·divin·
cnconrr.a s.e roralmenre no outro plano. embora seja quase d.ades e d ivind<tdcs heróicas s3o apcn:a:t Ugeiramen1e '"divi·
impos.sivel dererminar o mome.nl'o en:to da passagem. nos... mas ainda possuem pane do poder de uma deidade ou
A Escadoria Inflni"': A ESC2daria JnGnot> ~um mis1c!no. atraem seguidores.
Leva a rodos os lugares. embora o ttuque seja cncon1rar um Scnüdivindad cs: ESta é a caregoria mais frna de divin·
pawnar de enrrada e 01112 saída. Um• ligação com a Escadaria dades de Cato. Na verdade, alguns semideuses jl foram mor-
Jnflnita genlmente se pare« c:om um an:o ou urna pona t3i$ lendários que íor.am rtt0mptnsados com (ou que con-
ordinária em algum ponio de cada Pbno Exterior. AMm dele quisranm)o maododa divmdode. Sõoasd1vmdadcsde aspec-
j:rz um pequeno patamar com uma escadaria igu1lmen1c ro mais semelhaJnt: 20 dos morcals.
ordiniiria. Ceralnlen1e1 a ESC3daria lnfL.ni1a esconde-se 31T:iS Divindades Menores: As divind;ides nessa ca1egori.., p0s-
de urno porll! velha oo podo, à; qual oi.ngué1n presta :u~nção, suen1 diversos domínios que concedem a seus clérigos e u.ma
ou a1mvés de um arco na pane de trás de uma e~~ ~b.1ndona· área de responsabilidade charnad• por1fólio pela qual zelam.
da. Apenas mui10 raramente as en1radas da Jlscadriri:l lnfiniro Divindades menores tendel'n n se encarregnr de :lSS\mtos rela·
s.'o de conheci1neoto co.1Dum. riva1nenre "'sen1 imporcânci.1"1 e ger:tlnlen1e trnbalh:am con1 e
Viajando pela Escadaria Infinita, os obsorvndorcs fooe m para divindades m;ils podetosus.
no1~1r que seu aspecto varia: de sitnples degraus de rnnddr:'tl ou Divin.d ades lnterinediárias: Essns divi11dt1des são mais
pedra p:u:a un1 amon1o:ado de escadas suspensas nurn esp;iço pode('OS.a$ que as divindades 1uenorcs e co1nand:1.m portfóUos
lunlinoso. onde nenhum degrau comp:irtilha a mesma orien- ma.is importantes.
t>ç3o gravi1acional que o seguinte. Diz-se que é possível Divindades Maiores: .Estes s:lo cer1:1rnen1e os 5'!res mais
encontr.1r seu maior desejo em algum lugar da Esad:ari.t
imponantes que os avcntutt.iros podem encontrar. Possuem
lnf'lnira, se cada p:11amar for examirt3do por tempo suficiente. os ponfólios mais impomntcs e geraln1en1e outns divin-
A ongem e o propóoi10 da .Escadaria lnfinha permanecem dades subordinadas a si Alguns lideram 1000 um grupo de
um mistério. f:. ignorado se a escadaria é realmenre inf'1ri1a ou divindades (denominado panteio).
apenas inconcebivelroen1e grande.
Divindades Supremas: Algumas cosmologias possuem
O Domínio Concordante das Terras .Exteriores: Devido uma divindade que tem pode.r de m:igni1udc superior ao das
a sua localização única no centro da Crandc Rod:1, as Terras divindades maiores. .Esu divindade suprema pode ser culrua·
Exteriores se conec.tam à primeia! ca1n3da de rodos os dern:iis da pelas divindades nonnais, ou pode ser tuna enl'idade de
Pla1'0S Exteriores. gi::mdc poder adorado tanro pelas divindades coooo pelos
mortais.
HABITANTES DOS ·lbiç divindades i;up1•c1nac, te axic1i-·a1n CJn &ua co&molog,io,

PLANOS EXTERIORES estão além da comprecns3o dos 1nor1:1is e das forças do


próprio universo. Aparenrcinentc não se in1porram com
seguidores. Divind:1des supremos não concedem magias,
Os Plonos Exteriores são o lar da maioria dos extra·pl:inares,
3le.ndem orações ou respondem :i súpliC:I..$. Apenas um pun~
indo desde versões celestiais ou abissais de animal$ do 'Plano
Mareri:al aos di:abos, demônios e celestiais de gr.indes poderes. bado de esrudiosos do Plano Mo1enal tem conbecimen10 de
Moiras das cmruras rrazidas ao Pbno M.a1crial a1n,és da uma divindade suprema - se alguém tiver este conhecimen--
10. Por exemplo. a divindade menor Vecna cuhuo as forços eh
magi.a '""°"'' mahlm-s são naâvos dos Plmos Ex1eriores.
mag;a, personi.fkarnl<>.as como um• enudade que ele deno-
fxtra-pbnares tendem a reunir-se em planos que correspon-
d:am 2 suas tendências, pois planos de tendência hosnl tor· mina a Serpente. Talvez a Scrpcnle SCJª unu divindade sup~
nam as inu~rações mais difíceis. ma de p<><ler inimaginável
Os Planos Exteriores também são o lar de divindades
Divindades e Planos de Morfologia Divina
poderosas. faias divindades p<><lem existir em outros planos,
1nas os P)al)os Exleriores são ideais para e)as. Eles ~suem Divindades preferein os Planos Ex1crlore$ porque a carac-
morfologia divina, por isso as divindades 1xxlcnl :1herar :t 1eristica de morfologia d ivina penni1e que um deus l:'eÍaç.a o
própria paisagem em u ma área li.nú1ada. .E, assim como os terreno com un1 aceno de 11130. U1n ser suficienremenre
ex1rn·pla" nres, as divindades se bencficia1n pot' viver em poderoso p<><le manipular a reolidode básico de par1e do plano
planos de acordo co1n sua tendência. pata refletir suas prc(ea:éncias. As divindades fazem isso ao
O terceiro maior grupo que habita os Planos Exteriores s:io criar seus próprios reinos, geralnlente ern tutt local onde os
os espfrhos dos morios. Criaruras do Plano Maieri•I folc<:idas fiéis possam se reunir e onde ela possua iníluêncla e poder.
podem ir p3r:a os Pl3nos Exteriores para seu ju1g:untnto f'in:1I O que se segue não é un13 de.finjç5o cornplcra do poc:ler de
e/ou rccornpensa. Se os espíritos vão para os Planos uma divindade, mas antes \lM conjunto de direcrizes par.1 au-
Exteriores depende de como você vê sua cosmologia e do que xili:i-lo 3 dererminar o que a dc1d:ade pode conseguir em seu
é ncctssário p;tr.1 que seu jogo funcione. próprio pbno. Você pode expondir ou l1m1111r as alterações
por morfologit divina de acordo com as necessidades de sua
CATEGORIAS DE DIVINDADE própria cosmologia.
Existem divindades, t divindades ainda mais p<><lerosas. A Quase-Divindade/Divindade Heróica: Qµase-<livin-
forma pela qual as divindades coml"""m seu p<><lcr va:la de dodes e divindodes heróicas nôo possuem a habilidade de
cosrnologit para cosmologia, mas as divindades p<><lem ser manipular a área ao seu redor. Co1no rcsuhttdo. lend<:m a pe-
agrupadas cn1 u1n certo núinero de categorias amplas. .Essas rambular ou ocupar pequenos reinos nos Pl:1nos .E>..'teriores
ca1egorias básicas são: coosrruídos com trabalho bruto, e não poder divino.
St_1nidívindadt": SC!'midivindadts: 1~mbém não possuem o rar seu controle sobre o reino. Nio se ab~ mão de um lugar
poder de manipular as áreas com morfologia d1vina ao seu assim com facthd:l<le.
redor. EJts t:tmbém peregrinam. constroe:rn seus lzrtt da N• cosmologia de D&D, u divind•dtt não podem afem as
forma convencion.al, ou confiam em divindades mais C1nc1eru11cude alinbaroen10 de seu pl2no n.ical, modificar o
pode~.s p:arn que manipulem a JXtÍs2gem plan3r p0r eles. t:tm2nho do pJ.ino, ou a.berar suti motfologiQ divina, .Elas ram-
Div1 ndade ~fenor: Divindades rnenorcs podem con1eçar béA n3o poden1removet os efeitos d!! car:1cter1s1tca de magia
a ahcrnro Plttno Ex1erior em que vive1n, inodificaudo a forma Unlir:idn en1 seu plano. M.:is se esriver crinndo SLHI ptópri:a cos·
pelo qunl os viajantes chega1n a seus reinos. Ocn1 ro de u.m taio 1nologia1voe<- pode concede1·es1es poderes n suas divindades..
de l ,S knt1 urna divindade menor pode dc1crruinar a nature1...1
de qualquer conexão planar. Pode duidtr, por cxernplo, se A NATUREZA DOS MORTOS
ess.1'= ~tt-as podem ser acessadas no Plano As1ral A1é1n diss0t Cenas cos1nolog.ias podem utilitat os Pl:1nos Exteriores como
uma divindade menot pode de1erminAr que ponais planares a •rtcomptnsa final'" ou a j>Uniç3oe1ema· paracria1urasmor-
só apareça.m em locais específicos. e que cri21ums não podem 1aisdo Piano ~1a1erial. A na cu reza dessa recompensa/punição
ser in\'OCldas nt'Sfa área
derende de cada ~Jestre; é uma das quõcões mais básicas que
Divindade lnte.nnedjá.tia: Divindades intermediárias voei ter2 que tt-.sponder ao criar SU3 pfôpria cosmologia.
podem causar efeüos mais dram::iticos e abmngentC$. Podem No jogo D& O, os personagens pode ser rcssusctrados. Seus
afe111r 1udo num raio de 15 quilórne1ros d:1 n1esma forma que espíthos ou ;Úmas vão par.i outro lug:ar por algum rcrnp<>, mas
as divindades n1enores fazem, e alén1 disso podem aplicar a
poGem (CtOtnar ao COrpO se a m:1gi:1 correia for conjurada.
carnc1erislic.1 de n1agia arivadti ou 1·csrrita para atê quatro gru-
Onde ílcg CSIC "ot1tro lugar., depende de sun cos1nologia.
pos de n1ogias (escolhidos por escoto, do1nh1io ou desci:ítor).
Nn cosrnolog.i:t de D&D, quando os personagens u1orre1n,
.t>.~ui1as divind:tdes ap!icatn a caroc1erís1ica de magia ativada
su:1J :1lm:1s gr:ivirain em direç.io ao Plano E'tlcrior mais <lde-
a suas 1nagias de domú\io, 1or11ando~s 1n::n<il'nizadas {como o
qu:do a sua na1ureu. Almas que e1n vid:a fora1n Leais e boas
t:1lcn10 M:udn1i1.3r ~iagia) nos litni1cs de seu reino. A carac-
1cns:t1ca de rnagia restrita não afer~ as rnag1as e habiJjcbdes rtndem J C'l1cgar a Celés:tia, enqu:an10 as que°" compraz.iam
$imil2rtt a 11\:lgia de uma divindade in1enncdiária. mas ela
no m•l e no caos acabam oo Abismo. Um• vet I•, elas desfru-
pode aproveitar a car.rcreriSfia de m3sia auvada t.m se.u reino. rarr d1.s recompen~s ou sofrem 1s puniçõe:s de suas t~ndê.n­
cia., twnu1alme.n1e esquecendo su2s vidas pass:adas (por isso
Alê1n du.so. uma di\.;ndade incermcduirfa pode erigir as
ê q.1c magias que res~ur.am a vida podc1n fracassar :apôs
edificações que desejar e altemr o rerreno num r.tio de lS km
parn 1mnsform~-lo em qualquer terreno enconrrndo no Plano muilo rempo ter se pas~do). Em termos de jogo, considera-se
~l:ueriol.
que personagens mortos tenham p.1r1ido p.irn .suas recom·
pcrS:IS ílnais, fl menos que haja unHI fornl:l de resrau1·;i-los II
Divindade Superior: O poder de 1r:1nsforn\a1· p:trte de uln
vid~. Se os sobreviVentes visiu1ren1 u1u Vlano Ex1erior e
Plano taxtcrlor cxpande..se aJndo n111ts; urna dJvJndade supe-
encon1rnre1u o cspirico de um ooJnpanheil'Ofalecido, seu anti·
riorafcra o ambiente oomo um:1 divindad<' in1crmcdiáda, 1nas
go •lindo pode 011 não lembrar•se dele;;,
nun1 r:aiodt lSOkm. Nes1aãrea, a deidade litmbém pode fazer
o stguln1e: Scguem·se algu1nas ourras opções pano que: acon1cce com
o tspíri10 dos monos:
.Modi.flcar ou aplicar uma arac1erist1CJ de elemento à área.
Julgan,cnto: Personagens monos p2s.s.am aos Planos
~1odútar ou aplicar uma aracteris1ia de tempo à ârea.
Üirnott<, onde sõo julgados por suu davmd:l<lcs. Aq...,le.
~1odiflarou aplicar uma carac1eri.scic1 de gravidade à área.
que Írncassam ~o retidos nos Planos Ex1cnores (ne!'S~ caso
j\pliar :.1 caructeristlc::3 de magia limitada conlra uma esc:c>- s5och:am:ados suplicances) ou re1om:1m p;ira o Plano Marcrial
la, do1nuuo ou descritor de magia n:t área. 1-'3 m:igias e e rfenc:arn:tm. Os que s.:io julgados dignos unem·se à essênci.1
h:ibilid:ides simiJ:ires ~ magia d:t própria divindade não do 'róprio pl:.1no, lotnam-se servos de sua divindade. ou ptis·
íic:.inl li1ni1adas por estas resrrições. s:11l\ p;irn l11\1 novo nível de rcalid:adc, de~conh ecido alé
Utilizar seu poder para alterar un'I plano de fori-03 rão dramáti- meuno pelos deuses. Em todos os casos, personagens tnortos
ca é de1nomdo e envolve u1nn gr11nde quruuidade de poder que nao íore1n ressuscirndos, independe1'\1c: de seu destiJlo
divino. Como resultado. uma divindade superior getalmcnte fln:il, corn:am•itc personagens do Mes1rc (PdM).
utili:r.a mudanças significativas de caDc1eris1jcas para :tssegu- União: Os es:píri1os dos morros unrm·sc com suas di'iin--
d:l<les, poit todos são fr.1gmen1os de su• gnndeza. Espíriros
1ra1idos dt voha à vida SCJX1!2m·se subuam,ntc da d.ivincbde
VARIAÇÃO: O PANTEÃO QUE. CONTRÓI UNIDO t n1orn:1m sem memórias do tempo rrnnscorrido cnrre :a
mo'.'IC e a tt$$urrclç.ão.
Divindades às vezes reúnem·se em organizações chamadas
Tusrlo: Os espíritos dos morros unem·sc aos próprios
p<1ntt6ci. Os membros menos poderosos de um panteão
Plonos EKreriorcs. tocnaodo·se parte d~1 p:aisagem de morfolc>
ganham um iibrigo seguro sob a protcçlo de seus irmãos ghtdivin:a,
mais poderosos, enquanto suas energias auxiliam em
mud3nças dtarnfticas à paisagem de mo,fologia divina. Desconl1ecido: Ningué1n sabe o que acon1ccc co1n os
Um panteão de divindades pode se reunir para criar um espiriro.s do!t 1nortos1 nem sequer as divindades (ou 1nlvez :i.s
único loc.al de reunião para todos os seus membros, apesar div~nd:ades ~1b;un1 mas não c:on1:im :1 nin1ué1n). A Jnorre pef"'
da diferença de suas tendências.. Nest1 jre1, a característica 1n:1ncce um gr.ande mistério.
de lc-nd&ci.a do ~ano f suprimida para que divindades dC' escolha 1 opção que pre.fenr, ou 1nve:n1c uma solução
tendfncias oposl.as po-s$am $e revn1r l1teralmt-rne "'em tt:r· pl'Ó!Jri• que se1a adtqu!>da ao S<Ou eslilo de jogo.~ espiriros de
reno neutro". guerreiros monos lutando b.ualh.1$ c1cmu funcionar P3ª
sua campanha, uriliie isso. Se mesmo riv:1is mort0$ vivem em
paz, bebendo e compartilhando est órias. isso é igua:mente topo do continente. Mais preocupantes são as colisões oca·
boro. Sua escolha depende inteimu1ente de su<l cosmclogia e siOn3iS e ntre os rios, que produzem rerremoros impressio·
seu jogo. nantes e às veus gernm novas coi:dilheir.is de roootanh:i.s.
Não in\porrando qual sua escolha, alguns espíriros se per- Ysgard é o lar de heróis falecidos que dispuram barall13S
dem pelo can\inbo, ourros sofrem Inorres violenras, e algumas ete rnas em can1pos de glória. Quando esses suplic.1ntes caem,
virimas u1on·en1 nas mão dos 1nonos~vivos. Essas aln1as ror- lcvanta.O)·Se nOv3tncn1e na manhii seguinte para continuar a
nan\·Se 1nonscros morros-vivos con10 fanras1nas, aparições ou guerra incessante.
vampiros. Duas d ivindades habimm Ysga.-d: Koro, o deus da forp; e
Olidamn1ara, p.a1rono dos ladrões.
DOMÍNIOS HERÓICOS O plano possui du:is camadas, Muspe1heim e Nidavellir,
sob a exrensão principal de Ysgard.
DE YSGARO CARACTERÍSTICAS DE YSGARD
É um lugar de heróis e de glõria. Ysgard p0ssui as scgujntes características:
É onde a guerra é defl.agt'ada e a_corJgem é restada. Gravidade: Normal.
É o campo de bawlha da eternidade. Tempo: Normal.
Ysgard é um plano de escala épic.t, coin montanh1s alca- Taman110: Infmito. Ysg~rd estende-se indefinidamente,
neiras, fiordes profundos, e cavem:is escuras que :tbiii:in1 ::is n1as seus reinos conhecidos possuem fronteiras definidas.
foi:jas secretas dos anões. U1n vento co('rante sempre sopra Morfologia: Divina. Determinados seres poderosos ( toJUO
pel.1s costas dos heróis. Dos cana.is de águ:i congelante :ios as divindades Kord e Q )idammara) podem alierar Ysgard
bosques sagrados dos elfos Aflbeim, o 1cn-eno de Ysgard é corn urn simples pensamento. Criaruras normais encon·
V<isro e 1errível É um lugar de estações contrastantes; e inver- rrarâo as mesmas dificuldades que no Plano Maretlal - o
no é uma época de escuridão e frio morral, e u.ro dia de vccio plano pode ser afetado nortnahnenre por ma:gias e esforço
é límpido e de um calor exotbitanle. fisico. Mas as d ivindades pode1u alterar áreas enonnes,
Ainda mais esperacuL1nuente que tudo isso, a paisagem flu- criando grande reinos para si mesmas.
tua sobre imensos rios de terra fluindo eteroarne nte scb céus Sem Ca racterísticas de Elementos. Nenhuru eleinento
infinitos. Os rios de terra 1nais largos têm o tamanho de con- predomina ein 'fsgard; todos estão em equilíbrio, con10 no
tinentes, enquanto porções menores, denonlÜl<ldas ooonra~ Plano ~{aterial. Entretanto, parres da segunda c:11nada1
nhas flu tuantes, tên1 o tamanho de ilhas. Fogo arde scb cada Mu.spelbeim, são cr.uadas como se possuíssem a carac.terís·
urn dos rios. mas apen3s un1 brilho avermelhado alcança o rica de predomínio do fogo.

VARIAÇÃO: SEM OS PLANOS EXTERIORES radores divinos ainda preparem magias e possam contatar
suas diviodades se necessário.
Pode haver tantos ou tão pouc;:os Planos Exterior~s quanto voct!
desejar em sua cosmologia. Ou vocl! pode dispensar <omple· Poucas magias e habilidad<'s similares a magia são afetadas
tamente os Planos Exteriores. Se você decidir íaz;er isso, e pela eliminação dos Planos Exteriores. Se você dispensar as
necessário realocar uma populaç~o considc1ável de extra· criaturas extra-planares, elas não poderão ser invocadas pelas
planares, determinar onde vivem suas divindades, e detidir o váirias magias de invocar (riaturas. Magias como contato extra·
que acontece aos espíritos de ~rsonagcns mortos. planar alcanç::im outros locais quando são usadas para contatar
Extra-planares podem ser tratados como nativos dos Planos as divindades.
Interiores, de sen1ipfanos. ou mesmo dos Planos Transitórios.
Esta mudança totr\a os planos bem maís povoados de câatu• A GUERRA DO SANGUE
ras. por isso encontros nesses pla11os tornam-se mJis fre- A patavra ..guerra" é demasiadamenté simplés para descrever
ql]entes. um conflito que perdul(I h~ milênios. destruindo os planos
Da mesma forma. as divindades ainda existem sem os entre o Abismo e os Nove Infernos. A brutal luta pela
Planos Eirteriores. Eis algum locais onde elas podem residir: aniquilação é uma guerra de abissais contra abissais. Divididos
Etas habitam outros planos, como os Planos lnteriOl"es. os
por ideologia, demônios combatem diabos, e gtaças As traições
Planos Transitvrios. ou mesmo Planos Materiais Ah·ernativos.
em ambos os lados. demônios às vezes também lutam contra
Talvez eles possam habitar locais distantes no Plano Waterial.
demônios e diabos contra diabos. Mas a Guerra do Sangue
Entretanto, 1130 podem niodificar seus feinos <::on10 fa:ze1n nos
Planos Exteriores. Uma divindade que vive no Plano ti.1aterial eventvalmente toca todas as criaturas nos Planos Exteriores, de
deve usar a força bruta para construir um palácio dour~do (ou uma forma ou de outra.
infernal). Embora impressionantes, tais feitos podem ser igua· As origens da guerra petdem·-se no tempo. Agor'a, trata-se
lados por conjuradores mortais. apenas de genocídio. Enquanto existirem abissais, eles se
Elas podem estar completamente fota do quad,o. Nâo podem e<1frernatão numa disp1.a a na qual c;:lemência é concedida ou
ser alc.éir1çadas nem contat.éidas. N;a re3lid11de, elas possuem solicitada. Nos planos e camadas afetadas mais diretamente,
reinos e planos, mas meros mortais jamais podem in!rcssar grandes instrumentos de cerco percofrem os campos de bata·
ali. Estão além do próprio Plano Astral, e 3penas atrivés de lha c;omo montanhas móveis, auxiliadas por um mar ondvlante
seus poderes é que sua presenÇ41. pode ser sentida no Plano de abissais e merceoários. Quando dois exé(Citos colidem sob
Mat<'rial. A vantagem desra opção~ que as divindades interfe. sóis infernais, a própria pa i~agem ~ de-stroçada pela$ energias
rem menos com a vida diária do Plano Material. embora conju· liberadas.
J>rcdo mín io Posit ivo [peque no]: Ysgard exibe urn:a suern cura acele1·nda 21 as l ul~S 1e.nde1n a den1ornr n1ais, e a
explosão caólia de vida tm todas IS suas formas. Todos os cada du os inimigos caídos podem se lcV2nrar 1>3ra tt1ornar à
indivíduos cm um pl:tnocom predominioposiuvoganh.1m banlha.
cura acelerada 2 e podetn até m esn10 regenerar membros
perdidos co1n o 1empo. Alé1n disso, :iquclcs que 1no1·rern ASPECTOS DE YSGARD
nos incessan1cs confli1c» dos campos de biua.lha lcwnt~m &ceio pt:L~ aracrer istias planares de!Criw acinl.a. Ysg:trd
se- a c;1da manhã como se rec.eU.s.sem a m:tgia rnfumf( âO conpoMa--se como o Plano Material, e os aven1t1rciros não
1tt:nfadcim, co1nplecan1en1e curados e capazes de relornar perceberão muitas diferenças no ft1ncionamen10 de su:ts
imediataroen1c ao co1nbacc. Mesmo supUcantes, que con10 mail:as t habiJidades. A visão cm Ysg.ard é exatamen1c igual ao
cxtra·pl anatts não )X)dcm se.r TCSSusc11ados, acordam com· Plaw M:arcriaL
pletamcntc cundos . Apeo::is os que 50frcm ferimen tos nor-
mnis nos can1pos de b:nnlh,.. de Ysg:nrd obtém esse benefi· Ysg;ird é um lugar :unpl~ cheio de vida. Cada c:in1ada dt
Ys~:ard é descril:t abaixa.
cio; personoa.e.ns morros unidos 1 Ysgard n5o revive1n
esponcaneamcn re.
Ysgard
Ten dência: Caótico (su.ive]. Crlartaras leais em \'sgard
sofrc1n - 2 de penalidade c1n 1odos os 1estes de Carisu1a . A et1mada superior de Ys,g:ird, que te1n o 1nesmo 1'\0n1c, é de
Mogia: Nonn•L loi~c o mais conhecido ei percorrido das rrês c:unadas. A
ma.or part~ d0$ habic:ances: vive em acampamen1os e assenta·
CONEXÕES DE YSGARD mentos em condições agres1e.s e selv:tgens. Esca camad01 é
pontilhada de dezenas de grandes salões, can1pos de b~ralha
l>orr:ais permanentes existc1n entre Vsgard e diversos planos. enfumaçados, e 1crreno montanhoso descendo :ué 1nares
Um dos mais no1ivcis é uma área paniculannencc agreste da geltdo:s. l\)ucos auenl2.mcntos existem próximos das bordas
Escadaria lnflnha , que se cone<t:. a inúmtr os pl<i:nos
das ilhas fluruantes, exceco os que se 1ntettSS2m pelo comêr-
~lúhiplos p.-iron1ares oferecc1n a oporcunidade de ascender
ciocorn comunid11dcs ern outras ilb.as.
ou deS(:cndcr a escadarhl a partir de cada u1110 das 1rês
camadas de Ysgml. O Reino d e Kord: /\ divindade dos for1es e corajosos,
l«Yd, o Luiador, vwe -•• pbno, no Salio dos Valenlesc Seu
HABITANTES DE YSGARD gnnde s:tlão é cons1ruído de vigas resistentes de madeir.1
extralcln de u1n tinir.o fteixo inlenso. E1n seu i1lfcrior, Kord
Suplicantes - os heróis f::ilecidos de incon1áveis en'ls - pre- praidc a u1n banquete inccss:an1e onde convidados de honn
dominam cm Ysprd. Enttttanto, humanóidcs de 1odos os vêm e vl°' mas 1 celebração nunca aaba. As mf'Sls de ban·
ripos vivem na cam<1:da suptno r do plano (que l'3mbem é qut1c circundam um tsp.iço aberto onde herói~ valentes
chamada Ysg:ird). A íla1nejante camada in1ennediárii, lutun por esporte . As vezes. o própdo r<o1'<1 dci.xn de lodo su:t
de11on\inada Mus-pel ht1m, t habuadn pnnc1palnH:nte por espada larga in1eligente assaS$ina de drngt>CS e seu~ ~cessõrios
gigan1cs do fogo. e a c.avrn\O:Sa camada i1Úerior1 chamada de ptle de dng.Jo. e cnrra pessoal mrn1c no ringue para o
Nidavcllir, ~o lar dos anõe'- O pbno também é habirado por grande deleice de rodos os comensais.
esp.irsos ce.lestin is elad.rin gh:iele e firre e nlguns dcv:1s.
Jllnnfc.íc de Ida: Es1e grande catnpo loc:1liia•sc prôx:hno ao
Suplic antes de Ysgard Salio dos V.Iemes e da grnnde cidade livre de Hiinlnborg, o
maior centro popul.Kional dffla a:rtl3da. A Planlcie de Ida
Os suplican tes de Ysgard s3o em sua m;iioria ex·soldados abriga festivais di5rios onde os guerreiros Podem demonsrr:tr
cujos espíritos agressivos e corajosos fonuu atraídos no plano sua corllgem. J\ <1ul, a bravura e a habilidade em co111lx1ce siio
da co1npelição ererna. Possuem as seguiiucs qualidades espe· valori1;ados acima de rudo.
dais como supliances:
Alíl1cim : Supban<es ilti<:os pô\'OaM esta região brilha.nrc
lmunid ades Adicion ais: fogo, âcido. e cnsol:1rnda, asstin como um con1inge1uc de elfos monais.
Rcsisrêndas: Glc1-rici<l3de 20, sônica 20. Ailhchn ê coberro de lui e nlcgria, e os visitaut es não con·
Ou iras Qualid ades Especia is: Nenhuma. Como 1odos os seguem evitar sert1n conag.iados pela felicidade no ar. As ter--
demais no plan~ os supliancc:s ~ beneflciam da arac:reristi- rassio ..:!vagens• btlas, in1ocadas peh <•vtlwçio. /\vida se~
ca de pequeno predorofuio positivo en1 Ysgard. vagtnt é generos:i, e aspectos naturais corno riachos, florestas
e coliilas cnsolar11dns são igualJncnte abundantes.
MOVIMEN TAÇÃO E COMBATE
Dosloar-se por Ysgml ~ mui10 semelhan1e a viaj;or pelo
Pl:ino MaceriaL Entretan to. a movimcn1:1ç:io entre tt5 monta·
uhas nu1uantes na canladn superior do plano po<lc ser bas- VARIAÇÃO:
12n1e complicada. Aqueles que caem enu~ as fendas ílame- YSGARO COMO UM MUNOO MATERIAL
jan1es mcrgullum na segunda camada, .MU$pelhcim, onde as N:a cosmok>gia de O&O. Ysg1td f. apre-na$ t.1m plólllO entre os
ilh::es ílutuantes cambêrn predominam. Em Muspelheirn, cada di1ftr$OS Pfanos Exteriores da Grande Roda. Mas voe~ pode
unla <l:1s 1nass:is de 1erra está consmn1c1nentc e1n chamtis. fazet da Ysgard o mundo matcritJI e <i base de sva campanha
configunindo um ambiente inóspiro para viajar. A camad11 dto&o.
mais profunda, N1d>vellir, é de f.icil acesso •cravk de fendas A n1tur~a curahva do ambttnte exótico de Ysgatd tncora.
e rúncis, en\bora os rtíneis às vezes de)-:ibem, un1 ncontcci- ja o htro(smo e a bravura individuais. Mais ainda, a geografia
roento pedgoso 1:tn10 para vlajances qt1:11110 para os 11a1ivos. estr'anha do plano, su<is subcarnadas, os habit;in1es divinos e
o S.allo dos Valef'ltCS contrib1.1em para um estilo de jogo "mito
Comb ate em Ysqard tem.ado realidad e·.
As lxualh-:is em Ysgard funcionam de forma nluito sernel-
hanrc ao Plano Mareri:ll. Co1uo rodos os 00Jub11tcn1es pos-
fumaça, o que é a tai:ão da alcunha ªTerna do Fogo". .Esta é u1n:i
camada hostil onde até mesmo o chão é con1pos10 de rochas
vulcânicas afiadas. A maior pane de ~1uspelheirn possui a c01r-

Ysgard l!Cteristíca pcedominio do fogo.


O cerreno de Muspelheim ergue-se eni direção a u1na
cadeia de montanhas .O:unej:u:ues. f$1'3 cordilheira, cb01m:ad:a a
Espinha da Serpente, é o Lu de centenas de clãs de gigonl<S do
Covil d<
Olid;amm3ra fogo. Torres de obsen;i5ôo e cidadelas defend<m •• poss•g<ns
monranhosas contra clãs ínimigos e vasirnntes indesejáveis.
O Pin.iculo é uma cidadd• d< roch• n<g.., eltvad• e flna
como uma agulho, no meio dos mon1>.nhas da Espinha da
Serpence. Diz-se que devotas donzelas g1gonras do fogo
tubitam a torre, servindo como clCrigos de uma mls1erios2
divin<bde intennediári> dos gigan1es.

Nida,,ellir
A iei:ceira camado de Ysgard chama-se Nidavellir. um mno t
subterrâneo arravessado por túneis aquecidos por fontes CCI'
m3is e gêist(ts. As l'tgiões selvagens são replcras de florestas
subr-errâneas de árvores que não necessitam de Juz, mas apt·
nas calor. Imensas cavernas esi:ende1n se acravés de veios de
quartzo cransparente, com salões profundos incrus-rados de
mica e pi.rira. J..<tinerais preciosos e sen\ipreciosos espalh:nn~se
pelo e.hão de alguns túneis ou mes1no de avernas inteiras.
Reinos de anões e g.1101nos 001npar1Uhnm a maior p:lrre de
Nidavellir. A maior parte dos habitantes desta c:an1:1d:t é n1or-
tal, mas suplicantes tan1bé111 são coml1ns.. .É urn Jugnr de for·
nalhas ardentes, bigornas ressoan1es, e procura COn SH'lnlC pela
Os nati\IOS élf'icos sJo n1nigdveis, 1nns njo se i1nport:11n COtll perfeição nas arres da forjaria, das runas e da magia. Seus s.alõcs
rnuito alé1n de jogos e a con1é'1nplriçã"o 1nedimcív:i dt seus rc3:soam .::01n .u vÔzc3 $Onor;is dos tu1ôe3 e .,., Co\J'l~.6c$ .1lcgr'C1
arredores. El'nbora niui1os clfos viva.1n eJn hnnnonia coro n dos gnomos. Embora as duas rnças sejarn riv:tis frcc1íicn1e..
nanlfcz.:t eu1rc as árvores e os c:1mpos da superficie, ::lguns mente dados à gue1Ta, eles se 1..1nc1n quando ê neccss.:1tlo con·
elfos h:.lbil:un e1n cavernas cin1il:uucs sob ô1 super6cie de front.ar seus inimigos subterrâneos: os e.lfos 1\egros.
Allheim.
Svarta.liheim: Os dro'v pos.sue1t1 seu próprio reino em
Alíl1cirn possui es1oções. Os verões são longos e gen1is, e os Nidavellir. Embora os gnomos e anões odeien1 os clíos
invernos são escuros e árduos. Out;tnte o invern0i os elfos se negtos, as inclina~ões destes dn)\.v e 111 p;articular n!io são r:Jo
abriga ln n3.). c1vcrn:as cinti.lances, cuj:as entndas fic:am szl3das malignas quanco muitos viajantes imaginariam. Como outros
e enternd;as durante a escnção d:as neves. ness;i aimada, eles a~!'IS desej:am ser dcix.:idos cm p.rl e não
O Covil de Olidam maro: O deus dos ladinos, apteciam inrrusos ou visitantes 1ncspc.rndos.
Olid.ammara, o L1díno Sorridente, é um.a divindade inter-
mediária que se ocupa cb mtisia, celcbr.içlo, vinho. humor e Encontros em Ysgard
ide:ais semelh.anres. ?\<fadcit'3, pcdr.i e subst.incias mais estra-
Utilize a Tabela 7-'F. Encon1tos lle•<i.Gcos por> tnconnos
nhas criam um2 es1ru1ur.a gnndios:a, mas alearória, co--no se
alea1órios cm Ysg;mi
divems man$Õc:$ de varias cuhuns cive~m sido misnrad.as.
No se:u inrerior, labirinros, porias lr.lnad~s, corrtclortS
sem $.tida e ars.enalS Sttreros 12<1ciam um gnnde sal2oonde
CAOS ETERNAMENTE
músk.a t dança do obn.prórios. Cer.almtnte, os convidados
deste salão Inrcnor inclutm ladinos, bardos, ar1ic-1as e
MUTAVEL DO LIMBO
humoristas de todos os tipos e locais. Vinho. romance e É onde iudo. e nada, t possi•cl.
canções gcwcmam o lugar, enquanio Ohdammu• se estira
la.nguidamcnte c1n urp gnndc divJ - :a menos que es1cj3 dis·
E onde o aos primáno fervilha.
farçado como um dos convidados gr>ças • su• máscara som· É aonde os e.leinenros vêm J>2D morrer.
dt1uc. Corno Olidamman strnpre se :afasra de seu covil para O limbo é uro lugar de puro caos. Aru.s abandon•das
pregar suas cerrívcis peça<, as dcrnais d1Vtnd3dcs sempre o aparecem como uma mescla agitada dos quatro ele1nenros
tratam co1n merecido cuid;ido onde quer que es1ejarn. básicos e iodas as suas coinbin•ções. Solas de fogo, bolsões de
ar, blocos de ttrra e ondas de ôgu• bat•lham pelo predominio
Muspelheim até serem derrotados por mais um3 explosão de caos.
A carnada in1er1nediárin de Ysgard 1 J..·fuspelheinl, é constituí· Eo1re1an10, pais:igens semcJb:in1cs ~s enconrmdns no Pl01no
da de faixas de cerrn ílutuan1e, algu 1n:1:s do 1am:1nho de .:onti· Material vagueia1n pelo miasma: pedaços de fiorcsra, prndos,
nen1es ou oi.uda 111aJorcs. Aqui, cn1rc1a1~ro, o chão arde e faz castelos arruioados e peque.nas iU1as.
O Limbo t habitado por seres vivos. Os mais imponan1es CONTROLANDO O LIM80
são os guhieni e os sla:adi No Umbo, a maioria dos supli-
Existem trb lipos de re:rrcno no Limbo: .áreas virgens desgo-
canres roma a fornu de esferas irr.Kionai.s e fanmrn:agóricas
vtmadaSi írt:as CóntroLMbs. e âre2s es1.ávei.s. 1\reas '~ens
de caos rodopiamo.
compõc:n' a 1naior parrc do plan<>t ao 1>3SSO que as 41.reas c.on--
O Lunbo njo possui camadas. Ou St as possui, essas troladas (12mbém chamadas áreas supervisionadas) e as áreas
caroad11s conrinua1nente se fu ndern e se qucbr.inl, cada uma es1:\veis s:to 1>equenas ilhas em comparaçiio.
t5o c~óclc~1 quanto a próxima1 e rnesmo os rnaiores sábios
Ll mbo \'irgen1: Áreas dcsgovcrnad11s do Limbo são
leriam dLflcul<lade cm distingui1· umas das outras.
perlgos:1s., n111s :1 maior parre das c:ria1uN15 conscientes pode1n
CARACTERÍSTICAS 00 LIMBO cxtrcer u1n2 iníluênc.ia calmante localiz:tdo (consulte Limbo
ControlQdo, :adi:in1e). Mas às: vezes não há conrrole, como
O Limbo possui as seguintes '3racreriscicas: qu1ndo um visi1:ante ingrcs53 no pl:ano pe1l primeira vez ou
Cravid:idc.: Direcional Subje1iva. A for,;,i da gmvidade é qwndo um viajantes~ inconsciente. Qu:tndo ninguém e.sei
a mtsm1 que no Plano Material, m.u cad:t indivíduo esco- 1en1-mdo controlar uma parte do Umbo, ela exibe as qua.lid.a-
lhe qual a direçãodaacnção. O úmbo nJo possui gravidade det dtscritas na nbcla abllxo. Para os propósitos desta rabeia,
para objeros desassistidos, mas objeros vcstidos1 pomdos uma área abnnge rudo numa csícn de 7,S m, embora as ãreas
ou carregados comparrilha.m a gni.v1dade subjetiva de seu poss.1m ~gire se mover :ile:aroriaJnente. P.1"3 u1na ãrea deter·
proprietdrio. isso pode ser bas-1;inte desorientador para os minada, faça u1n:ijogada na rabe..lj abaixon c:ad1110 nlinutos.
recém-chegados.
"fcmpo: Nom10I. TABELA 7- 1: LIMBO DESGOVERNADO
1d% Efeito
T:inu1nho: lnfiniro. O lilnboestendc·segoinflnito, embo-
0 1-lO Predomínio do ai
r.1 poss-u;i col'nponentes fmitos (incluindo gr11ndes bloc;os l l -20 Predomínio da tertJ
de rem es1:ível e cidades e monas·térios githur::ii). 21-lO Predomínio do f'oao
Morfologia: Mu(ãvel O Limbo es:1á cons1antcmcnte se l 1...0 P<edomlmo da lgua
modiflcand~ e é difícil manter es1aw1 uma :itt:t em pani- -' 1-50 Prtdom'nio mtslo: AI t ltn'~
cular. Uma dert:rminad.a irea, a menos que de alguma S1-60 Predominio mis.to:. fogo e tem
forma stja esrabilizada magicamente, pode re:agir a cenas 61-70 PfedominlO misto: Água t tma
1nagias. pens.Jmento consciente, 01.1 força de vontade. Se 71...SO Predomínio misto: Água t ar
deixada soz.inha, se JUodiflca cons1anremcn1e. Consulte 81 90 Predomínio m1s10: Ar e íogo
91- 100 Equilibrio (tralt' <omo p<cdomfnio do ar)
Co1ueolcindo o limbo, adiau1e.
l1 i:cd ô nl•ni.(> Esporàdico d e .Blcn\Cl\tOIJ. l'lcn.hur:n cfc·
1nenco do1nina coos1antemen1e o linlbo. C:ida um deles 1,>rcdonl inio de Elemento: O tipO de c1e1nenro indicado
rrcrrn, Agua, 1\r ou Fogo) predominQ de rempos e m tem· inunda 1t área. O elemen10 previa1ucn1e clomin:tnte é elimi·
pos. o que f:1z com que qualquer :itta seja um rurbilhio nado na primeir.1 rod:'lda, e os efeitos do novo elemento pre-
Ca61ico e perigoso. O predomínio rlemen1:al pode se alte(" dom1n.3nfe se aplicam imcdi:a121~nte. P.tn os efeitos de cada
ar sem qualquer aviso. caracterisnci de prcdominio de elemenro, consulte
Qnc1crislicas de Elcmenros e Energias no C;,ipirulo l. A ca-
Sem Car.tcteristic:as de Energia.
ra<teris1ica de gnvidade subjetiva se sobrepõe :a quaisquer
Tendê ncia: Caóriro [forte]. Personagens: não Yóric:os
a11c1crisricas elemenrais de gravidade conílhante$.
softt1n -2 de penalidade em todos os restes de Carisma,
L>rcdominio Misto: Dois cJemcntos se ini$turJn1, criando
S:ibcdori;i e Inre1igência. En1reranro1 a c.iracrerisrica de
0111 cfci10 híbrido. Todos os efei1os dos dois prtdominios afe-
H:ndênr"ia fortemente caórica dcs;iparcc.e no incerior das
tam ti :l:1'Ca sinlultanean1ente:. Alénl dos efeitos: dns caracrerís·
rnonas1érios gi1h ztrni (1nas não das cidades).
1ic1s, a reg.liio desenvolve uma n1escln cn61ic:i dt :11nbos os c:Jc--
?vfagia: Cooíusa . .tv1agias e babUidadcs sen1elhantes a
1ne11tos. Por t-xe1nplo, onde terra~ íogo se inis1umm1 o resul·
m:igi:a foncion:tm de forma con1plc1amen1e diferente no
tac.o é uma bob. ferven te de m:1gma
Limbo. ~tis- funcionam norm:aln1cn1e cm es1rutum per-
m2nen1es ou trechos permanentemtnre est:iveis do plano. Equilíbrio: As forças eltment•US chcpm a um es1ado de
cqu_ihbrio exa10. e o resuh::Jdo é cnnquilo(por tdto minuros).
En1re:11n10 uma magia ou habilidade stmclhante à magia uri· Tnte um• áru equibbada como prtdomimo do ar, poises<>
lixada numa :irea 2h2ndon.ada do Uml'.>ot ou em uma área tem- arxteristica Mo possui efeitos drarnârlcos.
ponriamen1c sob controle, 1em chance de fracassar. O conju• Limbo Controlado: Con1roL1r um:a área do limbo é um
rador de\•e faur um tes:1c de.nível (1d20 + nível do conju· extrclcio menral. Um 1esre de Sabedor!• (CO 16) esr.belece o
rador) contra uma CD de 1$ +'nível dn magia pre1endid:i. Se controle sobre parte de u nl:) :írca vlrgt1n do Liinbo, e o tesre
o conjurador falhar, Í'<l.ça orna jogada pel:i 'l":tbell'I t-1: Efeitos pode ser repe1ido uroa vei p0r l'Oli ada como açilo livre. Um
de Moglo Confusa. viajante q ue fulhe dois resre:s num:t rodad;i ganho tun bónus
de circuns1ância de +6 nos 1es1cs subscqlientes. Um perso-
LIGAÇÕES 00 LIMBO n.36em que ingressar em uma áréa desgovcrnad:t do Limbo a
Existem portais permanences entre di\'C't'SOS planos e o Limbo. pa:tir de uma ~rea controbda ou estável pode F.rter um teste
Eniretanto, uma enorme bola de fogo. um> pilha de rochas.ou de conrrole antes de pisar n:a ái-ea Vl~.
um ciclone 1cnivel podem e.n,-ol~r a S3id:1 do portal nes1c Se ohti\'tr sucesso no tC$te de s.ibtdon21 a criarur.t esta~
pl•no. ll:>r isso, ingt<$S>r r.o Limbo pode ser banante perigoso le<c controle sobre pa"e d.a ãrc21 e pode mokfi.la como de.se_.
para vasitante$ desprcparados para este plano de caos. jar, pcnnitindo que determinado demento ou 1nis1ur.11 de ele-
mentos torne-se predorninance. Um favori to entre viajanres r-anro1 ela pode ser erodida e Cinalmente dissipada. Mesmo
do Plano ~{:11-erjal é un.l bloco de te.r,l,"'3 i·o<leado por lnna assitn, crian1ras indusn'iosas podem unir blocos de rerra esta·
pequena atmosfera de ar. bilizados e utilizá-los co1no alicerce para esrrun1ras penna·
Consulte a c3bela abaixo para dcrenninar o r:unanhoda ârea nen1es1 especiahnenre se assistidas por guardiões.
que pode set controlada por un1 personagem.
HABfTANTES 00 LIMBO
TABELA 7-2: LIMBO CONTROLADO Slaadi e Cir.hzcrai são con1t11nenre assoc_iados COJll o J..i.rnbo.
Valor de Arca de Área Dos dois, apenas os slaadi são nativos desde o início dos tem-
Sabedoria Controle Estável
pos. Os girhzei:ai chegarnnl 1n ui1o<lepois, vendo o plano codo
l-3 Nenhuma
como u111 desafio a seus espiritos indontáveis. O Limbo ta1n•
4-7 Raio de 30 cm
bém é u1n árduo campo de provas pata seu eros parric-ular:
3-ll Raio de 1,5 m
12-15 Raio de 3 m
"Dor é a fraqueza deixando seu corpo".
16-19 R<tio de 4,S m Etnbora sejal'n. o:ui.vos, os sl.aadi conrroJarn o .lüubo da
20-23 Raio de 6 m Raio de 1.S m 1nesma forma que os visitantes. .EntretautoJ u1n slaad não
Mais de 24 +1.5 m a cada 4 po1nos de Sab +1,S ma cada 4 perde o controle me.srno se estiver b1conscie1ue, e a área de
pontos de S>b conn·ole estende-se a poucos cenrímerros dele. Para os obser-
vadores, é con10 se o slaad atravessasse incólume uma tem·
Valor de Sabedoria: Se obtiver sucesso no reste de pestade de fogo.
Sabedoria, udJize o valor de Sabedoria da criat\1ra p:.1n dt tt t- Os poucos girbzerai que seguein tuna vocação monástica
minar o ta1nanho d:.1 área controlad<l. rambérn seguen1 os ditan1es da ordc1n, e são parriculannenre
Área d e Contl'ole: .:Nenhu1na" indica que a criatura é in ca- desafiados pela narureza caótica do lin1bo. .Enrretanro a ca·
paz.de controlar o ambienre. Os raios crescentes indicam \una racteristica de tendê.ncja forrente.nre caótica do liJnbo é !\CU·
área de co1:urole em corno da cri.aruni, de for1ua que tlguém rr.tlizada peL1s paredes dos 1nonas1érios gitbzerai. 1\ maioria
com uma área de controle de 30 cm só pode criar tnna área dos githzer<li não segue a voc.-ição 1nonósrica e congrega-se
conu:olnda: de 30 cro eotre si mes1..n:t e o tneio a1nbicnr.e. em grandes cidades.
Área .Estável: Areas estáveis se fot m•nn no cen11·0 i:xaco. e Os suplicantes do Lin1bo são aqueles que reverenciam o
sobrepõem-se, às áreas de controle. Quando uma área de con- caos acirna de ludo. 1\lgwts se incorpor;un ao plano. enquan~
crole desaparece, a área estável per1nanece. ro ourros permanecern como espíritos insanos co1nposros da
U1ua vez que o controle é adquirido, dura enquanto o con- rnatél'ia C<tntbiante do Lintbo.
crolador per1nanecer na área controlada, ou a1é que ourra cria- Suplicanws do Li1nbo
rura ob1enha sucesso eni to1nar o conn·ole. 1\reas conrroladas
<lcslocarn-sc td4x3 rnctros pot rodada en\ uiua C:ireção Suplicantes que alcançam o Limbo adquirem as seguinu~s
alearória. Se 1nais de u1na criatura conseguirem controlar a qualidades especiais:
1nesm::i árc-a ao mesn10 tempo, o controle vai parn a de maior Imunidades Adicionais: Fogo, frio.
lnteligéncia. Se duas áreas do Lin1bo se sobrepusete1n_ao Resóstências: J;leiricidade 20, ácido 20.
deslocar-se, a área sobreposra per rnaoece sob o p0dcr <lo con- Outras Qualidades Especiais: Os supJic..11..1tes do Limbo
n·ola<lor de maior lnreligêncía. Em caso de en1pate en qual- que não :ibsorvidos pelo plano geraJn,c.1J.re aparecem co.1no
quer dos casos, compare os valores de Carisma. torbilhões d:1 p ró pria subsrânc;:ia do plano, balbuciando e
Limbo Esrável: Uma parce do lilnbo torna-se estável s:e uma rindo sem se Unportat corn seus artedores.. Como slaadi,
criarura com valor de Sabedoria suficienre criá-Ja no b rcrior suplicances do limbo controlam o caos aurom31 iCtinien1-e ao
de u1na :irea de controle. 1\ área estável no centro da área de redor de si mesn1os mesmo se inconscientes ou surpreendi·
conn'Ole reté1n suas caracrerísticas. Ela vaga ao sabor das cor- dosJ o que s torna inlunes ao ambienre tc1npcstuoso.
1.'Cnres C3ótiC3s do plano, e se não foi: ptotegidai eventualmenre
é erodida por 1'.'Cpttidas i mCr$ÕCS nas tempestades elementais. MOVIMENTAÇÃO E COMBATE
Por exemplo, uma bola de fogo com 1,Sm de diâmetro poderia Como rudo niais no Lin1bo1 a 1noviniencação depende das
tornar·se estável se criada por tuna crianin con1 Sabedoria 20 condições locais. Onde bá predomínio do .ar. urn viajante
ou superior. Ao longo de diversos mergulhos oa água, en1re- pode aproveit<'lr a caraccerls1ica de gravidade subjetiva para
cair numa direção desejada1 cont deslocaroenco máxin10 de 90
m. Viajantes em áreas con1 predomínio do fogo rambén1
O QUE SE PODE FAZER podem utiliuir:i gravidade subjetiva, desde que po.sam sobre-
COM O LI MBO CONTROLADO? viver à viagem. 'Nadar arrnvés da água e escavar pela terra ca1n·
A maioda dos conttoladores é incapaz de executar tratalhos bém são possibilidades.
complexos nas áreas que controlam. O me1hor que a O"l3ioria Normalmente os viaja1)tes renr:un assumir o con1!'o le de
pod e fazer é mescl3r dois ou mais elementos - e sem muira uma área especifica, ror11audo-a de predomínio do ar ou de
sutileza. Raras mentes. chamadas anarquistas, podtm con~· uma n1istura de rerra e ar. Dos li mires de C."'lda área controlada,
ttuir objetos de complexidade impressionante, incl ..1indo eles assumein o controle de uma áre-.1 adjacente e <lcs locam~se
estruturas e até mesmo vegetação simples. A habilidadeanar· aré lá, repetindo o processo enquaJ\tO cruz.ain o plano. Urn
quist3 é extremamente rara, mesmo entre os habitantes do método de viagem reconfortante é permitir que a gravidade
Limbo. Ê ainda menos provAvel que visitantes possuam essa atnia seus pés para um bloco de tem (sob uma camada de ar)
habilidade. e cantinbac sobre ele normalnte1t1e.
~·lap:is slo inúteis na vasridio a6uc:a. Com o rempoj
mtsmo cstru1ur.1s sólidas e pe.rmanentcs dt$lium pelas cor~
rentes do aos do Umbc. O tempo nocessírio para que um
inchviduo ou grupo alcance uma irca de1erminada depende
de sua familiaridade com ela:
O Limbo
Farni1iarid~d-e Tempo de ViAgcm
Multo familiar 2d6horn
Cu!dttdosamente estudéldo 1d4x6 horas
Visto ocasion.almente ld4i10hom
Visto uma vez 1d6•20horu
Apenas dticrito 1d10'60 horu

Combale no Limbo
.Em um combite onde todos os part1G1pantes urilium a
n1esmJ d,rcção de gravidade subjeuva e se apóiam em uma
sup<rflclc sólida, nada difere de um combale padrão.
.En1rc1anr0i 3queles que s.1bem COl'no tirar v;inl.lgem da gr.1vi-
dadc subjetiva podem urili.7.á-Ja para (a1.er S3ltos inacre-
dir.lvels, para esc3par rápidarnenre quQndo n1neaçndos, e para
correr uanto pelo teto quanto pelo solo.
Um :uac:inte que atira ou :arremessa um projédl com uroa
arma de :uaque ~ distância transmite gr.ivicbde subjetiva à
munição.

ASPECTOS 00 LIMBO
O Uinbo t repleto de manvilhas incontí"eis, algumas das
quais 11presen1adas resumidamente :i~ixo. Explosões
alc:uórlns de fogo elemental iJwuinam o plano. Algumas são
f\ ci<l:.dc é u1n local aus,ero com ilne1~sos portões de ferro
dis1an1es e visíveis apenas corno um brilho baço espalha.n40~
<1ue ncrnvcss:un se1e anéis concên1rlcos de p:u:t>dts altas e
~e ;1tt:.1vé:. tle u1;ut:~ Outu;'u1tcs, e11...]ll.ll\tO ou1ros .são sói:I bri-
gtoSsas de gni:nito. Os alojamentos nn cidade cosi u1n:un ser
lhan((?$1 próximos demais. A sub~1ância borbulhante do
pe1uc.nos1 rn:1s o 1ncrcado livre é amplo e repleto de nlimen·
Limbo às vezes bloqueia coroplctame.n1e :t vis3o {no interior
1os pl:11u:ados em rena estável. 3SSim c.01no itens mundanos e
de um:1 área com predomin.io da 1cm, por exemplo), mas
mantvilh050$.
outru veus el~ pode se es1ende.r por quilômetros arn'f.-és de
O Monast êrio de Ze.rth'Ad'lun: Um cn1re muitos
irea.s de predomínio do ar contíguas.
mooastérios, b.nh'Adlun segue os tnsi1umenros do Sensei
Nio há dia ou noite no pbno do Umbc.
Bd1homi:as, um monge de 1'° nive1. Behhomias ensina uma
arte 1n;1rci:a1 cspcdaliZ3da (assim como divt'rsos nlonastérios).
Cidade~ e Monastérios Githzerai
e os csn1d~nres que abraç.11m co1nple1:unen1e sua filosofi.:i: são
Cíthierni que habüa1n o Limbo congrcgnm·se em cidades e ohomados cenobir>s Zenh. Os praue11nres de Zenl1i ("ensina·
n1on:is1érlos. 1n(ntos de Zcr1il", na língua gith1.erni) dize1n que podc1n olhar
Os gilh7.Crai que vivem e1n cidades nno scgue1n a Lradição \Ul> lnsr:tlllC no fu turo para auxili.1r suá aip~lcidade 1n~u.·cial.
monlistlc:i pela qual a raça é mais conhecida. Em seu lugar1 Do cxrcrior, o rnonascério qua.sc p;irecc um pequeno
cultu:im diret"3n)tnte a habilidade marcial e iodas as :.'l rtes bosque de rorres e pináculos de pedr2 dispostos em torno de
momis de guerreiros e conjuradores. En1re12n1~ roes.mo uma esfera com cera de 7SO m de diâmetro. Aproveitando ao
gilhzerai urbanos admin.m seus irmãos com a força de espíri- miximo 2 gnvid:ade subjeliva do Limbo, o inrerior do
to para trocar a cidade por tteirumt:nto em urn monastério monaSt~rio pouui esadas em esptra.l que conccwn ·pisos· a
ílurua1ue à deriva. cm me;o ao caos. *paredes• ou ..,e1os•. ~a ,.erdade1 todas as super6ciessio pisos
Shra'kt'lor. Esta é a maior cidade guhzcr.oi. Um general par.11 :iqueles que não se incomodam cm 2JUSf1r sua própria
gucn:ciro/Jn01go denominado o Grande Cithzerai a gove:ma e or cnl'a çlo subje1.iva.
é re\fcr<·nci:ido como um rei-divindade.

VARIAÇÃO: LIMBO, O LIMITE OA REAUDAOE Nesta disposição, o Limbo que envolve os demais pl;1nos
representa O íluXO naturaf da realidade desfnzcndO·SC, OU flOvaS
Na cosmologia de o&o. o Limbo i apenas um plano entre re;_lid.ades se formando. Talvez novos planos possam surgir na
dive<sos Planos Exterio<es na Grande Roda Mas você pode.ria cosmologia por ger;11ção e-spontãnea no fluxo do Limbo. ou
"'ª
cnar uma cosmologia qwl o tu·nbo f a front~ra ftnal da rea- 1a~1ttz lnd1vkfuos com força de von1~e partku,armente grande
lic:bôe, envolvendo todos os ou1<os planos, no próprio limite do possam criar as sementes de noYOS planos.
Plano Astral. Se estiver d1sposto a mudanças aind.i mais radi-
cais, YQCf pode subsritvir o Plano Astral pelo Limbo.
\rastos salões proporcionttn1 esp:tç.o pat::i trein:tmento de acasaJaJn.-se em turnos, fertiliz::tndo as bols:is inu;:roas de ovos
arres nlarciais enl grupo, enquanro centenas de mintlsculas uns dos ourros.
celas iluminadas por velas mortiças propor<::ionam a p1ivaci· Quando a próxima i:aça sJaad no ciclo toma a posse da Pedra
dade necess~iria p:tr:t a medi1-:1ção individual. 1\ programação da Procriação do grupo anterior, os slaadi levam consigo os
diária de u1n monge de Zerth'Ad'lun\ é rígida e dura, 1nas as ovos fe rtilizados para serem in1planmdos posterionnente em
recompensas para o espírito são consi· corpos hospedeiros. 1\s vezes, entre-
dei:ad~s comptns:tç.ão sufíc:ienle. tanro, jovens s1aadi são produz.idos
O r11011asrério i·ccebe na própria pedr:i, pois os rio frt1)e•
bem os visitantes e pode si do acasalanlenro os slaadi
abrigá-los por até uma i1nplanran1 uns aos outros. Assim.
se.nla.na em aloja· cadâveres de slaadi adultos
menros próprios rotineira.Jncnre flutuam e1n
para hóspedes. rorno d:'I pedra até sere1n
Indivíduos que não desrruídos pelo caos do lin1bo.
penençam ã raça gühzerai que Embom vague de un1 lugar a
pretenda1n esn1dar no outro, corre1ites de subsrân-
monasrério podem f.1zê·lo, cmOO. c1:'1: C::'lótica scn1prt fluem da
o súplice dev:i esr:u: disposro a
i::i; pedra. Os slaadi podem
passar alguns meses no n\o- reconhecer estas cor·
nastério .aprendendo os funda· rentes e segui·lns. As
n1enros e cvmprlndo as ati vi· correntes cresce1n,
dadcs de um cenobita. rransforn1ando-se cni
tsuna1nis e da1\do ori-
Slaadi no Limbo gem • 1empemdes de
Os slaadi percorren1 li- C:30S quando a pedra
vremenre a vasridão do n·oca de Jnãos entre os
caos, intoc.1dos 3 não slaadi. Um slaad d a
ser pel:Js piores rem· morre guarda a Pedra da
pesradcs. ~ralroeJlre) Pnxrü1ção o tempo rodo
agrupam-se em gan- contra intrusos de oun·as
gues nômades de raças. Esta sentinela.
dois a cinco ou n1ari- ç_hanJ~tJ;i V Gu~ ~ Ji~() Ja

lhas 1naiores de seis a Pedra, é um shad d o


dei sfaodi. Eles caçam morre co1n 45 DV e diver--
comida pelas cor· sos níveis de feiticeiro e
rentes caó1icas1 e e.sr:io mago. Os slaadi acredjr.am
sempre pron1os a lucar que ron:ia1: o con1ro la da Pedr.1
com outros predadores da Procriação do Guardião per·
(muhos dos qu:ils roite ao vitorioso renascer como
nômades slaadi rivais). urn slaad da 1noi:re corn os
Feras do caos fan1intas sã.o poderes de u1n anarquisra. O
timeaç:is mais perigosas; nivcJ de controle possuído pelo
quando são encontradas no a.nal'quis1a pode criar edifícios,
plano do Limbo, feras do caos vegetação e a11inla1s - todo un1 ecoss1s-
são sen1pre Grandes rema, se desejado.
(pelo menos 13 DV).
Encontros no limbo·
Pcd.i:a da Procriação: O la~· pri1nor<lial dos slaadi, a Pedra da
Procriação locaü1.a-sc no reino onde seu domínio é n1aior. U cili:t.c a ·rabeia 7- 6: Enconrros ou a Tabela 7- 3:Enconcros
Cada raça de slaadi converge na Pedra do Procr1:tç5o dt1i:3nte Beatíficos (alrerne enrra a1ubas) para enconrros aleatórios no
o pcdodo de acasalarnen10. Os slaadi são hermafroditas e plano do Limbo.

LOROES SLAADI
Alguns dizem que dois podctosos Lordes Slaadi chamados Ardentes runas brancas em torno da Pedra da Procriação são
Sset1dam e Ygorf representam os verdadeiros sla:adi. Oe :.tcordo indícios dessas limitações, embora nenhum slaad além dos
com a estória, os slaadi são seres de e.aos supremo, e suas for- lordes conheça sua verdadeira final idade. Entretanto, devido à
mas não seguem padrões estabelecidos. Mas qvando S!endam forma inerenlemente caótica pela qual se reproduzem, às vezes
e Ygotl alcançaram o podet, há muito tempo atr~s. ees não nascem slaadi com mutações sutis (e ocasionalmente mais
desejavam ter que enfrentar, no futuro. um slaad ger;do por extremas}. Os slaadi com mutações extremas não se parecem
mutação aleatória que fosse maior que eles. Assim, alte1aram a em absoluto com a forma básica da raça.
Pedta da Procriação para limitar as futuras gerações dt slaadi
ao punhado de "taças" que existem atualmente.
PROFUNDEZAS ECOANTES DE LIGAÇÕES DE PANDEMÔNIO
Exi;tcm portais pennane.1ues en1re diversos: planos e
PANDEMÔNIO P.indemônio. Dive.r:sos túneis sopram do ou para o Plano
Elemcnr•I do Ar. Além disso, as cabttei1'2S do .Estige fluem da
É um lug..-ir de vcnros uivanres e ruidosos. onr:ada i.upcrior de P<lndemõnio,
É um reino sublerrãneo de escurid:lo etiigia.
É. onde a s:tnidadc: ê cercada de loucura lnruurn.
HABITANTES DE PANDEMÔNIO
Pande1uônio é uma grande 1nassa de inatéri:a trespassada P:inde1nô1liO é provavelmente o n1cnos povo.ido de todos os
por inu1nt"r.1veis nineis esc.avados pelos ven1os uivanres do Pla11os Ex1erioJ"éS. É possivel que :;eja o rncnos hospitaleiro,
plano. é. vcn1oso, barulbcnro e escuro, 5e1n fontes: naturais de embor:i haja planos mais quentes, mais frios. e planos com
luz. O vento n'tingue rapidamente fogos non.nais, e Jw:cs que habiranrcs mais cruéis. 14ais nenhum plano é maJs CX3U5rivo
brilham por mais cempo amem a 2tençio de inum2nos mcnulmente. O chiado constante dos eventos tvcntua.lmeotc
enlouquecidos pelos ruídos consranrcs do ~nto. abob ranto o mais sublime celes:rW quanto o ma.is vil :abissal.
e.d• palavr.o, br>do ou góro é •p>nh•do ptlo v<nro • Além de ninhos ocasionais de abissais. os úniCO$ nativos
:arremessado por todas as camad::as do pl:ano. Só é pos.sivcl con- dig-nos de nol:a sOO pequenos gn.ipos dispersos de hum.a.nos,
versar grilando, e mesmo assim as pafovr:as sJo arrelxtrnd3$ goblin6idc.s, g.ig:unes, a.oões, drow e outras espécies mortais,
pelo VCl"llO :tJ>ÓS 3 m. dcno1nlnodos conjuntamente os Banidos. Um<1 c:riarur.i.,
Os ve1uos 1nalcheirosos de &nclcmôniu são gélidos, e
s ugnm o calor de vi:ijanres <lcsproregidos contra a ventania
que açoir~ const:tnttme.nte cada habirontt, sopnndo poeira e
:ireia t1n seus olhos. apagando roch1s e carregando irens TEMPESTADES EM PANDEMÔNIO
dCRssistidos. ..Em alguns lugares, o venco pode soprar tão fe- Os vt'ntos constantes de Pandemônio podem 50pfat com
roz.mtntt que cigue a$ e:riarur:as e as arrasta pot quilômeaos u1\0S tJo enlouqueadcx-cs e ~ade IJo grande que S4! tor·
:1n1ts de cnturi~las e:on1r.1 2Jgum penhasco escuro. naTt pcngosos.
Em algun$ poucos lugares ttlaüvamcnre abngados,o ven10 ~rsonagens que forem apanhados sem ab<igo por uma
diminui par:t um:t simples brisa c:1rreg:ando ecos inquieta.ores dat tempestades de vento de P~ndcm6nio estio com proble-
de algumn JXlrle do plano, ernbot:1 scj:un 150 distorcidos que mas: tanto o corpo quanto a mente estão cm perigos. Uma
soorn como grilos de torrocoto. tempestade t~m chance de 10% ao dia de soprar por deter·
l!ry1hnul, o Senhor do 1.fassacre, poi.sui seu tcrrivel reine minada ;1rca. Ceralmetlte, on'la tempestade de vento atraves·
311 un111 ~~ti cm 1 rod ad a.
em P:indt 1nónio.
O ,, lano possui quatro ca 1n:id:ts: ~11desn1os , Cociro. TABILA 7- 3:
Fltge1ontc e Agation. TEMPESTADES DE V ENTO EM PANDEMÔNIO
Teste de
CARACTERÍSTICAS DE PANDEMÔNIO lei% Efoôto R<SistlocU
J>JndcmóniO possui as seguin1es canc1cris11cas: 01-10 P<dregulhos c.on<g>dos pelo ,...to R<llt.os CD 1S
infl1cem 1d4 pontos de dano. redoap<b-
Cravidade: Direcional Objetiv;i. Nos nineis cavernosos de 11-10 Ptdrai atiradas ptfo vento inAigtm f!oftoos co 1s ,..,.,,
P:andem6nio1 a grnvidade orien13-.se ent direção à parede 2d6 pocitos de dano. peta metade
1nais próxima do individuo. Assi1n. niio existe o conceito 21-JO Vt-nlos uivant~ causam c411fil$llo Vontade CD IS anula
norrnal de piso, p3redes e reto - qu:tlqucr superficie ê um pot 1d4+1 iodadas.
piso se voei: cstlver s uficlenterne1\1c per10. São raros os 31-40 Aoch:1s carregadas pelo "e1110 Rcll..os CO 20 redvt
túneis estrei1os que canccla1n ext1mmen1e n força da gravi- 1nAigern 2d8 pontos de dano. pela metade
d:ide, pfl'lnitindo que o viajanre se bncc :1 velocidades ina- 4HO Ventos c:.acoíõnicO'S causam Vontade CO 18 anula
credi1ivcis. A umada FJegelOnte é uma excieç.io. possuindo "°"fash• por 2d4+1 rod>das.
Sl..fO O vento Urreg.J os viaj.antf!$, R~ CD 22 reduz
gnvidadc nonn•I.
arttrnC"Ssando-os contra um.i p<brno!adc:
Tempo: Nornul
pa«de de - • "'ffigindo
T:am:anho: lnfi.nito. Pa.ndemônio estende-se e1ernamen1e, 2d10-de~.
embor:a seus reinos conhecidos possuam íronteiras 61-lO Vtt1tos grttantts causam confil1ik> V-C020anvb
deflnld•$. pot 20..1 rodacf>s.
~torfologh1: Divina. De1erminados seres poderosos1 como 11-!0 O ve-nto carrep os via~nits, Atflm:is CO 24 reduz
arrtml!ssando-os contra uma pela metade
t'I divindt'ldc Erythnul, podcn1 ~ lt r.r'1r l'andcrnônio.
parede de rocha e infligindo
Crl:uuras con1uns acham o plano indis1ingu(vel do Plano 4d10 pontos de dano.
M:11crial (em o u1r:is palnvrns, de 1norfolog.ia ahcrãveJ). 81- SO O vento anega os viajantes, Reflexos CO 24 reduz
M:igi:as e rsforço Üsjco afetam P:indc1nônlo norrnalmenie. arremtssand().()S contra uma peola metade. e então
Stnl C.1rac1crlstícas de .E.len1en1os ou .Energias. pi rede de tocha e inffigíndo Reflexos CD 20 anula
Tendência: Caórico[suaveJ. Pcrsonagtn.s ú:a1s no plano de 4d10 pontos de' dano. t dtpois
P:lndemônio sofrem-2 de pen.11lid:adc cm 1odosos 1csacsdc 0$ atira tium ~rio do rio Estigt
91 100 Vtnlos <Urnot0$0S augm VontadeCD22anub
Carisma.
Mogla: Norm:al. '"""id~ir.
divindade ou conjurador, h.á muito t$<Juccido, sent(nCiou
seus ancesrr.iis dis1::1ntes a es1e plano, e os descendentes
jamais conseguiram descobrir uma forma de esc;apar. Os
S.n1dos de diversas espécies são responsáveis pelos vibttjos
1rist('-) que conseguem sobreviver ndfe rtino tcrrivel.

Suplic 1ntes de Pandemônio


N:1ruralmen1e, Pandemônio possui muhos suplian1es. A
maioria deles é engolida pelos ventos gri1an1cs ímedlata'nentc
ao chegar~ Mas alguns permanecem., eon1 um aspecro tnui10
semell1:inte ao que linh.am etn vida, e1nboni emagrecidi>. e de
algurna íorn1a não são tão afe1ados pelos venros. Alé1n disso, a
n1niori:i deles é compleramênte insana. Os suplicanres de
L>andc1nônio poss11e1n :'IS seguintes caracterísricas cspecinis:
lt1\ttnidndes Adicionais : Eletricidade, sônica.
Resistências: Frio 201 ácido 20.
Ou tras Q ualidades Especi ais : Nenhuma.

MOVIMENTAÇÃO E COMBATE
Locomover-se em Pandemônio parccc·se com as d:rtas do
Pbno ~i:ueri::tl onde txis(em rúneis longos e ventos fones.
Mas quando os ventos se agitam, a movimentação p<lde ser
mui10 dilleil (eonsulce • eaix2 de texto TemP61>dH de Vcn10
em Pandemónio).

Combati' em Pandemô nio


O co1nbare funciona nonnalmentc em Pa11de1nô11io, mas na
1naioria dos c:isos ::tconrece em meio a forres \fCntos. "lCd:as :is
annas de ataque à distância soítern - 2 de pcn;iliclude e1n Pandesmos
01flques1 devido aos ventos, e cri3tums M1udas ou 1ne.nores A priJneira c.a1nada de Pnncten1ônio possui as n1:iiore-s caver·
11ecesslra1n fuzer um resre de resistência de Fol'titudc (CD 1O) nas, a)guinas grandes o suílcicn1e paro con1er nílções inreiras.
Q cada rodada ou sedio de.l:'rubadas.
Sejam grandes ou pequen:.s, a 1nníoría d1s c3vernas é desola·
As v~ies os venros de Pandemônio são :ainda mais da e abandonada aos ven1os.
poderosos.. Polru os eíeiros desses ventos em comb:ues, con· Oi versas das cavernas e nineis de ~nde$mos possuem uma
suice •T•bel• 3-17: Efeitos do Ven10 noC•pículo 3 do lnm>do característica em comum além dos ventos onipresentes.
Mt>lrr. lillchos de água gel.da fluem de covcrn• p>r.a covema, alguns
ASPECTOS OE PANDEMÔNIO flutuando pelo mcio de túneis eu1• gnvicl.de objetiva exen:i·
cl3 por coda pattde canceb as dem11s. Muilos desses riachos.
O nome P:mdemõnio signilia ºtumul10 e b.lburdi>•. Como Ol3'S nem todos, são tribu1irios do rio Es•ige.
sua definição sugere. os 3.specros de Pandemônio são nume-
Sanatório: Um grupo de cxm·plJnarcs conhecidos como
rosas e confusas.
a Cabala Sombria manlétn uma cid:adela t1n Pandesmos que
Exis1cm quatro C41madas em Pande111ónio, e :is rcnívcis serve como ponto de paradn de viajantes. O Sanatório é uma
tc1npcstades podem soprar atrnvés de qualquer uma d!lns. A
coostruç2o espalhada de ediflcio~ org;iniz:>dos ao :icaso d ivi·
visibilidade e1n Pandemônio é como a de qun1qucr lugar crn
<lidos por muralhas circulares de pedra. A cidadela é tão
subterróneos profundos do Plano Ma1crial onde não haja
grande que preenc.hc 1odn tuno cavcrn:l, cob1·ir1do cada super·
fonu-:s de luz n:uurais.
íície. O lugar é replcr·o de viajantes, suplicanres e nativos. Os
Audição e m Pa ndemônio serviços dlsponiveis inclue..n acornod:içôes e a maioria das
deinais comodidades de um:a cid:Jdt normal. Entretanto, uma
Os gritos eonsranres do vento roroam impossível tscurar porcentagem considerável da popul.ção de S•n•tório e
qualquer coisa além de 3 m. Da mesma forma, magias et feitos
insana} surda ou ambos.
que dependem da energia sônica têm $CU ;a lance lizniudo a 3
m. 0$ viílJantes ficam remporariamen1c ensurdecidos após Salão do Inverno: Es12 reg,ião de Pandemônio é cobena
tdlO rod:id1s de exposição aos ventos, e pernunenremcn1c por neve e nevascas. A visibilidade, mesmo qu•ndo há luz, é
surdos •pós 24 horas de exposição. Pe110nagens 1emponria· de apenas alguns metros.. A neve jam:ais descansai os ventos :a
menie ensurdecidos rceupenin a •udíção após 1 hon ao •hri· agitam tanto que ela reves1e os túnetS e au~ mesmo as cri:.tu~
godo vento. as com um• com•d• unifomie de gelo. Cigan1es do gelo e
Tampões de orelha ou dispositivos stmclh•n<eS anafam o lobos das es1epes ,,.gam pelo deser<o gelado. Essas eriaruns
cfciro de enrurdecimenro. Naruralmen1e, a utiliução correta servem uma en1idade p3rrtcularmenre cruel chamada por
de tampões de orelha gera efeitos scmelhan1cs ao ensurdeci· muiros non1es, mas f1·equen1emenre venerada como (>
rnen10 1emponírio. Trapaceiro.
Coci10 c1~ntr.tr ouuos peregrinos, contr:1t11r nicn:cnários, obter
in·Onnações ou procurar 1rab.tlho.
Os cunc.is de Cocito rendem a ur menores que os de
P:andcsmos, o que significa que an:111i1;am CM venros com m2is Cidadda do Massaae: Cham:tdo •o O.vtrso•, a divindade
(orça. Os gemidos resultantes valernm :10 Cocito o apelido de intenntdiiria Erythnul e um senhor cb 1.nwja, d3 m:ald:ade.
"camada das lamentações·. Es1rnnhamen1e, os túneis desra do pânico, da fciúr;r e do m:i.ss:acre. Ele é um deu$ cruel que
ca1n:ada exibem vestígios de terem sido esculpidos à mão, mas 1enl seu lar no que parecem seras ruin:is dcsalxi<las de :alguma
esse e1n1>recndimcnto deve rer ocorrido n 1anto tempo atrás vaun cidadela. De fa10~ su:1s passugcns 1onuos:is canalizam
que •lâo podcda ser nledido e1n nnos. ventos llOS quais pode-se sempre ouvir os sons de batalhas ter·
ríveis. Suplicances en.louquecidos de 10<las as raça.s húcst:.t1n
Penhosco dos Uivadores: Uma esioca Irregular de pedra
as passagens, e não que desejem n:ada aléin de caçar e marar
;~z no cc.ntro de C«ito. O Penhasco é u1n2 pilha to1JÍus:ol de
uns aos outros a sangue frio.
rochas e pedras nacur.ais e cinzeladu. como se o palácio de. u1n
g1p1\tc rivcsse desmoronado sobrt si mesmo. O topo do ~o centro dos demoços esti o próprio ErythnuJ, geral·
Penlusco é uma plataforma acharada com e<ra d• 2.s m d• mtncc ocupando-se em massacr.ar uma muhidio ilim1t3d2 de
diimerro, rodeada por um:1 murctJ bain. A pbufonna e todos su?licantcs, assim como cven1ua1.s pris1onc1ros monais.
os que c~uverem sobre ela brilh:1m com uma efêmer.t lumi- Ourante o combate, os traços d3 d1v1ncbdt se alternam t-ntre
ncscCncia :azufod:t. As 3re3S inferiores do Penhasco s.1.o pontl- humano. gnolL bugbe'1r, og;ro e rtoU. S• seu omgue for d.,...
lhada.s de Hineis estreitos. Alguns s.10 be~ $t1n saída. mas n1:ido1 ele se 1ransforma cm um.tt criarur.a aliada da mesma
ourros se conec·13.m. As p:tredes de c:ida rúrlel s.io cober~s por l'2\3 que Erythnul estiver adorando.
:1lfabc1os perdidos que suposrainentc dcs<:rcvern esrranhos Ninguérn jamais en1ra na Cidodclo do Massacre de livre:
S~tlnlOS, liltll'glaS ç seqüências de n1í1ncro~ OU ÍórtnuJas. vonr:.lde, o meoos que sirva a Eryrhnul ou deseje u11ir·se ao
Os n:uivos de P<lndemónio êltarnlam que qualquer coisa que rnr.ssacrc e1cn10 do deus..
se grhe do :alto do Penhasco chcg.:a ~os ouvidos do receptor Aqa'.ion
p~rendido, 1\âo irnporra 01-.de ele 6tcja na Crande Roda. As
1»lavras da men.s.agem são le,?das pcw um vtnlo gdado. Nt quarta ca1nada. os 1Uneis cada vei nuiis es1rci1os fuuJ.
Demónios de diversos tipos descobrinm que hã um flu.w mtnre tt fecham, deixando um número 1l1m1t;ado de CSJ>ôl'ÇOS
consGtnte de vuu21ues ao Penhasco. Cenlmente são arqueó-- fech>dos pttenchidos com or p:undo 0<1 vkuo • rod...tos por
logos, ad1vinh0$, t ~sso.1s que desejam cnvu1r mensagens 2 "'"' infmid•d• de rocha sólida. Os pon.is que conecmn
inhnigos ou amigos perdidos.. A tnaiori:t deles rorri.a·se preS3 Ag:uion ao rest.lnte de Pandemônio abrem~se nessas bolhas
d:is e1nboscad:is dos abissais. in:lcanç~vcis, rnas passar pelo portnl 1cn1prc dC$enaidei3
t lar1:nõnica: As lendas conran\ sobl'e u1n lugar em Cocito un1a 1cmpescade de vento.
dc1,Qn\ln,i(lo ll.innônic.1. Nc:nc Joc.al, º" vcnto:i :iopr.un !\ '"""'º.: q1u.• voci: s<1il~ ond" í'<ilf~ o l'll)l"lêl, ô~ P.Spaços
n1rnv"s <lc u1n:1cavcn1a co111 bur:icos e 1ubos esculpidos ent fechados de Ag.arion são quase in1pos~'vcis de encontrar. Por
i1nensns colunas de rocha, criando um barulho ainda pior que isSt>, áreas esquccid::as siio usadas pelar divindades (e oturas
o de qualquer outra pane do plano. .Ern algum lugn deste cn·id:.de:s pode:ros:.s anrt:rio~s ~s deid:tdcs :uuais) como
reino labirirutco de tonura cacofónica jai o \-e.rdadciro segre- cofrts onde itens ficam escondidos. EStcs itens podem incluir
do da cammluda planar. a ane d• viajar ptlos planos sem a anrfacos val1050:t sou,ien1rcs Pt'CClOSOS. idiomas perdidos.
necessidade de qualquer espécie de por1~~ magia ou insuu. CO$mologias embrionárias. e mons1ros de poder rio at:acl.fs..
mcnro. Provavelmente, esse stg.ttdo é uma ltnd.a ~m qual· m~o qut não poderiam ser morros ou ncutr.11i7..ados de qual·
quer bôJse na realidade. mas isso n3o impede peregrinos ~ qutr ourn form;i.
sion:1i;i de procurar, e morrer, entre 3!> colunas de Harmônica.
Encontro~ em Pandernônio
flN.jl'lOll li' U1Hizr a ·rabeia 7-6: .Eoco1,ti:os Abissciis para cncontTos
O ruído inccs..~onte do gotejar dt 3gua 1ne.sc.la·sc com os vco· :1lc:i16rios cn' Pandeinônio.
1os uiv.1nlC5 dos túneis esrreiros e sinuosos de Flegetonte. A
própria rocha absorve luz e calor.10das :is fon1c.s de luz. naru· CAMADAS INFINITAS DO
r.iis e m ágica~ brilham apenas :né a metade da dis1:incia nor~
m.al M conrrârio das outt'3S camadas, ot lúnelS de Fkgc-:tontc ABISMO
possuem gr..vid>d• norrn.I, dando origem a formações incri-
cndas de t:s1alac1i1tt e wabgmirc~ con)t:tn1cmente erodida$ É uma in.Gnjcf.ade de horror aprisionante
pelos \.'Cnros brutais. to lar de d•mõnios.
Ven to triste: Vcntotriste é urna cidade de Banidos e m uma ~onde a n1oralldade sucumbe e a é1ica perece.
cov~rn:i co1n Wrios quilõmettos de l:1rgurn e comprimento, e O Abbn10 é tudo o que é feio, ruclo o <JUC é rn:il e tudo o que
e nonnes colunas naturais que susrent;'lm o reto, Cenlenas de ~ ct16cico reíletido e1n variedade inUnirn t1n c:unadas inco11~
globos da chama ererna fornecem lui à cidade. ilurnio:1.ndo ráveis. Suas c:unadas virrualmente in.Anirtts f'orm11n1 u1ua espi·
um :unontooido desordenado de c;is:is en1 1orno de uma forti· mi descendente e1n íorn1as cada vez 1nais ~crozes. A sabedoria
Gcação conhecida localmenre como• Cidodela dos Lordes. con\'cnclon:tl diz que o .'\bismo possui 666 carnadas, enlbora
Vcn101nsrc é car.tcr-erizada por uma aura d, suspeita. Os possa ha\•cr mu110 mais. Afinal de conta~, o mais fundgmeotal
hablran1es diftcilmente conllam em tstl'llnhos, e muitos dos so1're o Abismo é que de é muito mais terrível do que oco-
c1d2cbos s.ao ment:almente insr.íVC"is. Entrc1~n10. uma cst'2- nhK1men10 comum jamais poderia compreehdt:r.
lagem cm Ven1ouis1e aceira esrr.inhos. Chanwb O Cão Cada camada do Abismo 1em seu próprio a.mbienre exdu·
E~ilm~ é Utn locnf onde um VÍ.1J:tOIC d0$ plaoos pode sivo e horttndo. Nenhum tem:a uniflc:i :i.s v;an2<fa5 ca11'l::1:das
além de sua narurc,-..a dura e hosri.L L.1gos de ácido cáustico, CO NEXÕES ABISSAIS
nuvens de fu1n3ça. asfi.xiante, cavernas conl protuber:incias
Os dois pon1os de acesso mais conhecidos ao Abismo são um
a6ud:1s con10 lâminas e paisagens de magn1a são aJgum1s das poml nas Terras Ex'tCriores na cidade de Plague·lvlort, e o Rio
possibilidades. Assirn co1no rerrenos não tão imediammente Esrige. Ambas as conexões dão acesso 3 camada superior do
mortais1 como deserlos áridos de sal, sutis ventos venenosos e Abisn10, a Planície dos Portais Inflnitos.
pla1úcies replet"s de insetos hematóf"agos.
O 1\bismo é o lar dos demônios, criaturas devot:lda.s ã HABITANTES ABISSAIS
mone e à dest1'.uição. Um de1nônio do Abismo encara vis.itan· Ta1n bém chai.uado Dernonhohne por alguns. o Abismo abriga
1es como cornida ou fon te de diversão. t\lguns vêe1n recé1n 8

de1nônios e provavelmen re é de onde eles se origina1n.


chegados poderosos co1uo recrutas em p0tcncial (po1 livre Demônios governam a maioria das camadas conhecidas do
vontade ou não) na guerra iutcr:n1in:lvel dos deLnônios contra Abisnlo. Outras crintur3S malignas ta1ubé1n residein entre as
os diabos.: a Cuerni do s~1n,gµe. camadas, como bebilitbs, bodaks, eapdO<CS, rodos os típos de
Lordes demônios e divi1'ldades habitanl o Abismo, in:luin~ mortos-vivos, diabos renegados, 1nortais degenerados, e
do Dcmogorgon, Graizr, Pazuzu, Blibdoolpoop (divindade outros ainda piores.
dos kuo·to:t), J)iirinka (dívindade dos derro), a Gmnd• Mãe Uiua classe de deniônios chamados ranar*ri são os senhores
(divindade dos beholders), Gruumsh (divludade dos ores), inconresrados do Abismo, en1bora a variedade quase Uúinira
1.Yrug.gek (divindade dos bugbears} e 111uiros ourros, i n:luin· do plano implica que exis1a1n áreas além do seu alcance.
do a famosa divíndade Lolth (d ivindade dos drow e rainha
dos fossos de teia demoníaca). Outros prlncipes den1ônios Suplicantes Abissais
incluem Yee11oghu, Alirius, Blfomé1 Eldanoth, Fraz Urblu, As almas do Pl:tno Material que , não são simplesmente
Juiblex, Kosrchtcl1ie, Lissa'aera, Lupércio, Lynkhab, Noire absorvidas na estrutura do AbiSJJlO 10.rna1n·se suplicantes
Páli<la, \ferin e \fucarik. chamados nrnnts. As manes possuem pele bran ca pálida, gar·
Como descrüo a1'1teriormenre, o Abisxuo possui c.1madas ras cruéis, denre-s afiados, pooco C3belo e olhos brancos.
incontáveis., e1nbora a prüneira delas seja a Jna.is conhecida: a Geralmente, é possi,,el enxergar vermes contorcendo-se por
PL'lnície dos Portais Infiniros. entre sua carne inchada. ~!anes que sobrevivem por 1nui1os
anos são às vezes "pro1novidos" a tipos inferiores de demô-
CARACTERÍSTICAS ABISSAIS nios, embora não retenham qualquer 1nClllÓria de sua vida
O 1\bisn10 possui as seguintes caracterísücas: anterior. Manes possue1n as seguin res qualidades especiais de
s:uplic,;:inre:
Gra vid ade: Normal. 1\ camada supenor do Abismo, a
P1anície dos Portais Infinicos, e muiras ourrns camadas· pos- lmuJJ_idades ,\dicionais: Eletricidade, veneno.
suen'l a car::icterística gravidade normal, mas outras p.xle1n Resistências: Fogo 201 ácido 20.
conrer características de g,ta\ridade con1pletamente dife- Outras Qualidades :Esp eciais: V3p0r ácido, sem obri·
rentes, abrangendo rodo o espectro de possibilidades. gação planar.
Tempo: Nor1nal. O tempo flui no Abismo da mesma forma Vapor Áticlo (Sob): Quando um ma11e é morro, ele se desfoz
que no Plano Material. Entrecanco, persistem rumo:cs de numa nuvem de vapor róxico. Qualquer um a 3 m de um
tuna C:tn1:tda na qual o teinpo corre ao contrário qutnro a mane morto que falhar etn um teste de resisrê.ncia de
envelhecünenro. Poré1n este fluxo é alei'i1ôri.o, e visi1anres Reíl°'os (CD 20) sofre 1d6 p0ntos de dano pOr ácido.
podein reverrer à infância ou alé mes1no à inexistência. Sen1 Ol>rigafâo .Planar (Ext): Ao conrrârio da 1naioria dos
'fa1u anho: In6nito. O 1\bismo esccnde-se etertl3meJlte na de1nais suplicances, nlanes podem deixar seu plano natal
forma de um nt'unet0 infinito de camadas. ctubon seus
reinos conhecidos possuam fror1 reirns definidas.
MOVIMENTAÇÃO E COMBATE
Morfol ogin: Divino. Enridades con1 o poder de divindades Em geral, o Abjsroo funciona como o Plano Material em
menores ou 1nais pode1n alrerar o Abismo. Cria1uras me.nos ceJação a tnovilnenração e co1nb:.ue. E1n C:tmadas oas quais o
poderosas consider<un o Abisn10 indisrioguivel do Plano a1ubiente é rad.i.calroenre esrranho, aplicam-se regras difertn·
.l\1areOal nornlal (caracteristic~ de morfologia a1ce;ável),
pois pode ser n1odt6cado p0r rnagias e esforço físico.
Características de E le1nentos e Energias Mistas. Esta AS NAUS DO CAOS
característica vari:l muiro de ca1nada em e.amada. No
Demônios às vezes deslocam·se de plano cm plano em
Abismo como u1n todo, nenhum elemento ou energ:a pre·
navios ent(ópicos formados de ossos pulveti2:ados. espfritos
donlina consrontemente1 embora certas can1adas po$suam esmagados e suplicantes. Criadas para serem utilizadas con-
um elemento ou energia predo1ninanteJ ou uma miSt!ita de tra os diabos ntt Cucm do Sangue. essas naus do caos pos·
dois ou roais deles. suem poderes caóticos cdados especialmente para anular os
Tendência: Caôlico [suave) e ~Jau (Su:lve]. Personagens efeitos da ordem. Os tanar'ri só çonstruíram algumas naus do
te.ais no Abis1no sofiem - 2 de pcnaHdade em codos os caos, mas as poucas naves de tripulaçã'o demoníaca que
testes de Carisma, e personagens Bons sofren1 a mesma navegam entre os planos são uma visão aterrorilante. Para
penalidade. Os ~rsonagens leais e Bons sofrem -4 de viajantes corajosos ou estúpidos. os tanar'ri vendem pas·
penaJidade em todos os testes de Carisma. sagens nas naus do caos, pelo preço cor1eto.
Magia: Normal.
t<S. Por .xemplo, camadas individu:.tis do Abismo podem pos- qae lev:im a planos desconhecidos do Abi.smo seja in53naw
suir a car>cteristica predomínio do fogo, ou gravid>de dire- me:nle perigoso. A maioria dos fossos s:3o portais de mão
cional subietiva A menos que ffja espcc:ilicado de oum única, mas alguns nio, deixando os YiaJanles ptt$0S na nô'l.'3
forma, essas caDcreristicas funcionam da mesma forma no amada.
Abisn10 que em qualquer ourro lugar. J\s fon<'llcz..1s de ferro aqui abrigam dcn\Õnios poderosos e
suis cor1ts. Es1:1s Íorralez.as gcralmen1c scrvc1n co1no ponto
ASPECTOS DO ABISMO dr conccnrração para exércitos dernonlncos a cami1\ho de
O Abisn10 tem 1nais camadas do <1uo qualquer n1ortal ou unl r·sc õ intennináveJ Guerra do Sangue. Algu1:nas das
divindade conhece. Algu1nas das rn:tis conhecidas es1ão ITl.'1iores lx1r.ilh::1s dessa guerra acon1ece1n nes1a camada, nas
dcscril2s abaixo cunad:is inferio~, e em Plnnos Exteriores vii.inhos.
A visibilidade no Abismo é normal cxce10 cm camadas O Rio Estig~ flui através desta amada num leiro sinuoso.
onde as condiçôts do ambiente a prejudicam.. A menos que Aguns canais d~guam nos {05505, enquanto ourros acumu-
desc:rito de oum foana, sóis infernais, brilhos ttntasmagóri· lam ígtii magn.ada que trans:bordi formando cribu1ários do
cos ou nodiaçõcs igualmeme desagnodh"<lf tluminam iodas u giandt rio.
camadas do Abismo. Um perso1ugem que ingresse cm uma camada nova e
A inenos que detemlin:Jda camada inibt o som da algum dttconhtcida do Abismo arravês de un1 fosso (ou qualquer
n\odO, a oudição rarnbém é nonnal no Abismo. outro nl~ l odo) pode cair en1 pra1icamc111c qualquer tipo de
rcrrtno. Desenvolv<l você mesmo esta c.1n1ada, ou urilize a
Plnnicie dos Portais Infinitos cai_x:t de 1cx10 C3nHtdas Abiss.iis Aleatórlns co1no guia.
J>assagcm Jnterrorupitla: f\.tor1:tlh:i Vermelha, ut)1a
.Es1:t é :t camada superior do Abisrno. é u1n lugar estéril e súcubo feí riceira 1 governa a cid:ide de Passagem
p«1rcn10. sem vida ou vegeração, aSJ;ando sob \lnt sol verme· lrtcrrompid:t. que serve como lug:1r de reunião p:ar:r mer·
lho infernal AS pia.nicles são interrompidas por três tipos de cm5rios d:t Cutrn do Sangue, ponto de panub p;mr.:t viaj3ntC$
aspeccos: enormes fossos n.a re.m, ~ndc, íon:alnas dt. ferro s-uflc1enremente loucos pan C-"'-pk>nr o Abismo, e local de
e o RJo Esrige. ccmérc.o. A ci<bde é conjunto dt IOrf'ti: :tnuinad.ts rodeadas
O. fossos desta primeira camada slo pon•i• para camadas por trinch.cirts,. muralh.as t harric.acW.
inferiores. Atirar-se cm um fosso r.apidamtnrt deposita o via· Várias das dependências mais 1mpomn1es são subrer·
jan1e na cam:tda ~ssociada1 embora sahar cm fossos ~lea1órios r.1n~s. Por exemplo, o pottal par.t Pl~gue·1'iort1 uma cidade
d;s Tcl'r:tS Ext eriotes, fic3 sob o salão p1·incip.1L Os depósitos
de alhnentos) o arsenal, as câ1naras de i111errog:nç!io e as crip·
i.1s nuubérn s;lo subcerrâneos, concct;idos por l l1octs esrrettos.
CAMADAS AIJISSAIS ALEATORIAS
Q; aposentos p:ir:a me.rct:n3rios e n\crc(ldorcs estr.lngeiros
O que aconte-c;e se seus personagens forem enviados ao ncôJm sobre tl superfície>próximo :ao salão prinCipll. Os habi...
Abismo como resuh-.ido de uma aventur~ que deu errado? Ou t<11tts sio um:i mescla de escravos supliciantes, <len1õnios de
se eltt ttsotvcm fugir~ ôcmõttios podeto~ r\a Plar\ície dos todos os tipos. e mercenários do Plano ~~::ucri:al e além.
Po.rt'1s Infinitos saltando no íos.so mais prÔXlmo? Ferrug; Uma fomleza de ftno abandonada fica situada
Utilize a t41bela abailco para determinar a!earoriamen.te o
p<ÕXlmo aos Lagos de feno Fundido. uma sóri• de d•pttS<Õc<
hpo geral de tcntrt0 dt' uma camad1 desconhecida. Se dese·
rn:runis repJeras de metal derretido. O antigo SC!nhor demoní.a·
jar, faça. du15 jog<ldas (ou mais) e combineº' re$uh-ados.
co de ttrrug foj assassinado enquanto jaz.ia inconsciente
dllnntc un1a viageJn astral ao Pla110 ~i:uerial 1).1r.t corromper
1d% Tipo de Camada corações rnonais. Desde enrão, fctTug tem abrigado incon·
01-0S Predom(nio do 3r
Campo d~ batalha da Guetl'1 do Sangue
1áveis exércitos de demônios in1cl'css:1dos ctu extrair feno
06-10
(dem6nios conu;11 diabos) nuleável par.ln con.struçào<lc outrt1s for1ale7.aS. Como os demô-
11 - lS Paisagem infernal em chamas ni:>S valort;,.;.in\ muüo o ferro, brig:idas de diabos frcqüen1e..
16-20 Cadadt dtm0níaca m:ntc 01:1cam 06 Lagos de Feno Fundido, por isso Ferrug aru.J-
21-25 Oesmo de ;1rtia.. gdo, $.a1 ou cin:zas m!nte serve como ctntro dt comando ~r:i um pelotão de
U-lO Pffôom.'.mo da ~ danônios incumbidos de proicger oo lagos por Otmogorgon.
11-)S Pndom'nio do foso
"'-dan• (repleu d. ~) Ana91.11
*"°
41-'S Pledomlolo de ele"""'°' .....i.dos (como "° Limbo) A:ug.r.u é o r~ino de Crat'J:1 1 um lorde Abissal Az:zagnt se
46-SO Monu1nhoso
Pte!domJnio negativo (grande ou pequeno)
es:ende por rrk camadas, a 45•, 46', 47'. Co1no iodas as rrês
SI SS
56-60 Normal (como o P1;11no Material) catnadas s.:io governadas pelo n1esmo Senhor Abissal, elas pos-
61 65 Oceano de água suem 1nuitas c.aracredstic:is c 1n co11Hun e são conec1:;ld::ts por
66-70 Remo de uma entidade Abissal podcro~ dl·1ersos portais.
71- 75 Mar de kido U1n:1 das conexões enrre as três camó\d:1s é o Rio de Sal, un1a
76-80 Mardein~os rn 1.ssa crisr~li.11;1 brilhan1e de sal liquefeito. é desnecessário
Sl-8S Mar de magrra diur que uma imersão no rio é Í-atal
16-90 Subtetrilneo Ounos :aspeaos incluem ponais e.nrtt :is rrê.s camadas que
91-95 Reloode_..._
surgem como alamedas de nepodeím e fornalhas de fogo
9S-100 Pftdotrlnlodaágua
v....i.. Mas graças ao senso de humor cruel de Cr.u'n, algu·
1nas dessas foma lhas contêm apc.nas fogo, e nio portais.
Os ambientes desses três reinos niio são terríve l.menu~ movei, m:'ls a m:aior par(e dos visininres necessita de guias
perigosos; cada um deles se p:tICCC com uma versão discorc.ida porn se deslocar de um lugar• outro n.1 cid•de.
do Pbno ~tar erial Por exemplo, a 4Sª camada :a~scmclh:ii~se a O Palácio de Pr.110 é visivel dc qu•lquer luga.r de Ulotar,
uma estepe constantemente nublada e chuvosa. A 46"' camada não impom em qual camacb esreja o obscrv.idor. É o lar de
~ iluminacb a parrir do chio, de fom» quc •• sombns sõo Cru'zr, comp05ra de se.is rom.os de m3rflm e um3 cenren.a de
6 tn:nhas e crgucm·se para os céus como colun1s de salões espelhados e fnos. O f"'lácio é um local esréril e
cscuridõo. /1 ~7" camacb, que só pode ser alcar>Ç2da a porrir tcO:lnt~. onde os qut: procurarn o salão de 2udiCnci3s de
das outras duas, nunca da Planície dos Ponais 111ílnhos,é ilu· Craz•zr de\•em prosseguir a1ravés de un\ labirinto de espelhos
minada por um sol azul. .l~qui as clla1na$ são :arroxeadas e não e port'3is onde rondam bod~k famintos.
vermelhas, e iníligen\ dano por frio. Por isso, crlaruras que
norn1almen1e são imunes ao fogo podem cc;,r tuna surprtsa ao T5natos
se a1>roximar das cha1na.s. Tiinaros é a t 13' camada do Abismo. Um lug•• gelodo de
Zclatar: A 111aior cidade do ceino de Craz!.z.t, Zelnr:ir, tx-ls1e atmosfera tênue e céu 1ncl:incóllc:o à luz <ln lua. Esra camada
c1n 1od:is ns três c•unadas. Uma porta pode dar JXissogcrn ele pcr:'tc11cc mnto ;1os morros vivos quan10 aos 1an:'lr1ri - dc fa ro,
'11n edificio para a rua, mas a rua co c<lifi(iO pode1n exlsrir e1n possui a caracreósrica de pequeno prcdornínio negativo.
c:a1nad11s diferentes do Abismo. Os habitantes de Zel:1tar b.<lwgos e fungos abisS<1.is crc:sce1n nas bordas da crosta de run·
(demônios, m eio-obissais, rieílings e ourros adorodor:s de df'3. lápides de 1odos os tipo concebíveis e inconcebíveis
Crnz'zr) logo aprendem os caminhos através dos p>mis esJl"lham-se pela paisagem congcl•rh. às vc-r.es sozinh•s c >s
vezes em grupos desordenados.. como ptquenos cemitérios.
Hi mortos·viVO$ p0r toei.a a ~rte~
Naratyr: Nanryr, chamacb a Cidade dos Mortos, é
um rtinogcbdo esculpido na superficie de um oceano
O Abismo gelado. A arquirerura gélida dc Nar.uyr é uma frigido
neeropol• de •lros M•usoléus, imensos obeliscos
funerários, parapeitos de cnp13s, e rape1cs 1ecidos com
os cabelos dos 1nilhares de mortos·vivos que residem
em Naratyr. 1\s legiões para1nilirares da cidade
incluem caçadores, gigan1es v:11npiros, e 1odos os
tipos de liches. A innioria \la população é de ztunbis,
carn.i.çaia, i.nun11lnOG ê outroo coclciverer. dec::ompor.1os
que peran1bulam com inrenções sinistras.
Qucrn governa Naratyr é uma excelenre pergunra.
Desde eras imemoriais, u1n poderoso lorde demônio
chamado Orcus domlnava coda a camada.
En1re1anto. recentemen1e ele foi declarado morto.
Uma divindade drow da vinpnç:a e dos morros~
vivos exigiu os espólios e assumiu o controle da
cam2<1.a e de sua ma10T J61a1 NJ1"3tyt. Mas agora exis-
tem forces indícios de que Orcus não es1i ião morto
quanto mui1os llllag1navam. A divindade dro\v desa-
pareceu, e ninguém sabe se ~la fug.iu ou Íoi assassina-
da. Se.ti que Orcus novamen1c governa a gélida
Tân:ttos, agacnndo suo tcrrivcl V3rinh3 cm sua mão
descarnada?

Outras Ca1m1d~s Abissais


l\'enhum ro1no poderia ter csperttnça de catalogar as
inumer.íveis can1ados abissais. Enrrer.into, algun1as
camadas in1eress..inccs são descri11s abaixo. Ourros
reinos controlados pelos diversos prú1cipes demô-
88' Camada: nios rambém Cld.)tem no Abismo. .Explot'3dore:s
Demogorgon 1l3ª Camada:
Tânaros in1répidos que não se iropon~m muito com suas
vidas podem dcscobn·los.
Reino de Um Milhio de 01.hos: li 6' camida
'222' Camada: do /lhismo é o lar da Cr>nde M iie cuhuoda pelos
Juiblcx beholders. O reino é uma rede de incontáveis túneis
sinuosos. e olhos vavos rcvesrem as JX'rcdes: como jóias
incrusradas. Na verdade, cada um deles é um olho da
Grande Mãe. Beholdcrs e cri•ruras aparentodas parricu-
larmence devotas percorl'en1 os ltineis, agredindo uns aos
oulr'O$ 2.ssim como quaisquer demónios ou ou1ros visican1es Amebóidc. Vast:is áreas de Limo cáustico geram esrranhas for-
que poss;1m alr ac:idenralmcntc da Pbnicie dos Ponais mas de vida, às VC2C'.S pela \'Onradc dos dtmônios que ttSidcm
Infinitos. :a.li, ou1ns \'eUS esponraneatneTltt.
Vas1idõcs Glaciais: A 23' camada do AbiS'lno ê um plano Fonol= d• Indiferença: A ~8' camoda é uma pt.nicie
cx:trcmnmentc frio com camadas de gelo de quilõmerros de solitá1lt e dev:1s:r3da de rochas soltas, pináculos irrcgulattS e
profundid<ldc e desprovido da 1nílioria d3S formas de vida. desOladeiros si.nistros, desprovidos de vid:1 n:iruraL Nuve.ns
U1n sol di:tr;inre ihunina este plnno, 130 brilhnn1e quanto a lua esc:u·liues rnstejanl pelo céuJ e ve1nos congelan1cs açoi1:uu os
do Plano NJntcrfr1L 1\ s \rastidôes Glaciais são o lar de gigantes ol~os e n pele dos viajantes. Aqui fic::i n for1aleza da
do gelo que servem a Kostchrchje, seu princlpe demônio. Indiferença, urn:i ünica rorre de 60 tu de nhura de rnall1a de
~1:1gos gig;in1es do gelo vivem com SéU príncipe na Cidadela ÍélTO. Elum:inôides de todos os tipos s~o 1ecldos no própóo
da Celtin, uma fortaleza escavida no gtlo que desliza entre mt1:a1. u.sados como uma argam=issa horripil:lnte. A maioria
duas monranh:as i.mponwtes. A .Prim:1vcn nun1C2 chega às de'.es esri mona, l1l3.S algu.ns são morros~vlvos que golptiam o
Vas11d6H Clacbis, e a maioria de seus: hab113n1es vive em ar t gemem cons1antementc.
forces $Ulxerrineos ou cavernas. .~ íonilv.> abriga demónios, mrio..bissai5 e tiellings exilo·
Fossos de Teia Demoníaca:: A 66" e.amada do Abismo é o do.;. Embora esras criaruns sejam co1nplc~n1entt malignas.
lar de Lolth, • R>inha Annha. O plano se dobn sobre si elas dt"~Mar:1m da Guem do S<lngue. Um demónio nalfesh-
n1es1no. de forrna seinelhante a uma cnonne 1el:i. Uma quan· uc: ch:un:ido 'fapheon goven"la 3 for1ale1.:1. O corpo d<"
lidnde atordoante de nineis de te i:is se in1crconecran\ com Tuphc:ou é r.oberro de cica1ri_ies horrendas, e ele sempre uti-
conlplcxid:ide fracraL De cada cabo pendc1n pol'rtiis que liza u1n exoesqueleto de ferro eufcrtujado que 1nan1érn seu
lev:un aos planos onde lokb ê veocrnda. Oiz-se que o palácio corpo defonnado ereto graças :a longos g:1nchos.
de Lohh é tuna for1'3lcu de ferro móvel no form:uo de uma O brinquedo í:avorito de Tapbeon é um bas1ão ro:ígjc:o
aranha, r:as1ej3ndo eternamente cm sua 1ei;i planar. eh.amado Explorador da Canie, consrhuído de línguas C())°tU"
Smarg..-d: A 7 4' c:muda é o lar de Mcmhaulk, a divin- nd:1s. Com ele, o nalfeshnee pode ahcrar a forma de qualquer
tbde dos yuan·1i. É um reino de COttS mul:i\·eis. sdws úmi· crinun par.i qu3lquu outra que sua 1mag.Jnaç3o possa conce-
das. chuw icida e venenos fermentados. Pode não haver be:. Na1unlrnente, a imaginação df urn demônio é algo
nenhum 1crttnosólido.a.pen.ascamada após amada de copas gro1csco1 e o bas:1ão dá vida às 1nais apavorantes criaturas.
de árvorts. oda vez mais eseuns e den~s. Vale Ruidoso: A 4S9' camada do Ab1•mo ji Íoi gc"'ernada
Prcc,i pício: A 88' camada do Abis1no. cha1nada Planície de por u1n b:ilor poderoso chaniado T:11:nhe1n, ::11u:a1mente desa·
S:tl, ~o l:1r de De1nogorgon, u.m dos mais poderosos príncipes parecido. A annosfera desta ca1uada é composta de gás ácido,
clc1nônios. É um reiJ10 de águas salgadas e pronlOntórios rnnc:1an1f'1nf'nlf' rf'generado p0r ve.n1os vulc:\nicos. que corrói
l'ochosos urilizados como viveiros por dernônios alados. urni- pais-agen1 co1npleta1nenre devasc:ida. U1na ravina atr.i·
Abo1e1hs, krakens e :amias deJnonl;ac:as co1úroo1;im·se n.ts vcss;i o Vale Ruidoso, mas eh1 não é pl'ecnc:hida por água ou
profundezas, mas rodos Sé curvam perante o poder do ácido congelado. Ao invés disso, corre por el;i um íluxo de
prmclpc. Aqui, Demogorgon possul seu 1errivel palácio,
vemcs esconegadios e relor(.:idos qut wri:1m entre 2.S cm e
cbarnado Prtcipício. 3 m. Ess.esvermes i.na.lam o vapor sulfuroso endCmicoàcama-
A pir1e de Precipk:io que Gca sob~ as ig\laS ran o 3$J>KIO d:a e exalam ar res:pirivel. isso afe1a as duas m:trgcns do rio a
de duas totrfi sinuosas, cada um:a corOQda por minaretes: em uma disrinci2 de tS m eUl cada lado. eftlivamcn1e mantendo
forma de crânios. É daqui que Dernogorgon exerce seu pode- o cr livre de g.is sulfítrico.
rio arano, 1encando forçar o própcio Abismo -a ,·omitar seus
f\ n\:1ns3o de ·rarnhem é cons-1n1ída à beira da ravina.
seg.redos. A nl:tior parte do pa]ácio se es1r.nde nas profunde1.<1s
Crnças aos venncs, poss-ui aunosícrn rcs:plr.ível, embora o sus.
aqu:ilieisJ e1n cavernas {ri.as e escur:1s que jnmais vil:a1n a luz.
O l?t(nctpe den1ônio :içunn1la suas forçns, evitando e nvolver- surro c:onsmntes dos vcnnes contorcendo·se sej:i enlouque--
sc dirc1:1men1e na Cuerrn do Sangt1e. Seus pl:ino.s são muito ccdor. Os criados demoníacos de ·rarnhe1n aindt1 1nantêm :i
nuns.~o :apcs:ir da ausência de seu se..nhor(que :lcre<lit:tm esrar
mais insidiosos.
aprisionado em outro plano). Apes;.1r do des;:ipareclmento de
fossos de Limo: A 22:23 caniada é o lar de Juiblex1 Senhor
Tamhf:m. os demônios que guardam 2 m2ns.'to ainda encaram
do Umo.• Zuggrmoy,Senhoradosfungos. Essocanudal' um
caldo bocbulhanre de lodo Íétido go1epn1c ch>mado o Mar com ~laus olhos: visitantes inespc:r.ldos.

O RETORNO DE ORCUS graças a seu poder iniciou uma m;agia de ttSJ:tl"tiçao conjul'ada
por um do seu5 derradeiros servos fi'is, o 1neio·ogro Quah·
Nlo es1A dato con10, ou porque, mas 3 verdade não pode ser Namog. Heróis do Plano Material aparentemente inlettomper·
neg:td3. Otcus está de volta. E quer vingança. ;:Hn essa cerimônia no último inst.:1nte, fnas Orcus retornou
Sero1 que o lotdt- demônio rcalmcnle esteve motto?
airda as~lm.
Ptov;ivefmen te, o que justifica sua longa ausência, e explica sua "pes:ar do fato de que o podt-r da Pah1vra Final tenha se dis·
recente encarnação como um scnhot dos mortos·vivos chama· s1p::ado, Orcus ' um lotde demônio ctuel, insens(vel e
do Tenebtous. Sob esse- nome, Orcus era capaz de- assassinar poderoso. Natatyr, e a camada abissóll de T.1n.a,tos ond~ te-sidt,
at' nwsmo dN1ndades, utilizando um poder antigo conhecido pe1.encem·lhe oficialmente, t: e'e as teri de voha não importa
como a PalaV't'I Final. E~ inbm1dou alguns. e matOf.I outtos que o que st:;a ptec.iso. Que seus inimigos se desesperem.
fiaram em seu Qminho. Orcus rC'V1Ulizou sua oarinha. e
Tamanh o: Lnfu:iito. Carceri pode esrender·se infinira·
mente, mas possui compon~ntes finitos n:.i forma dos pl2·
Utilize a Tabela 7-4: Enconc:ros AbisQis ~r.t erc:onrros
ne1óides.
alea16rios no Abismo.
1'.forfol,ogia: .Divina. Ncrull e qualquer outn entidade com
o poder de uma divindade men<>f ou m.:ais podêm alterar
PROFUNDEZAS TÁRTARAS Can:eri A maior pane <bs crbrur.as ach.a Carceri indislin·
DE CARCERI guívcl do Pbno Ma< ena~ o plano rcspond• nomulm•n« a
magias e esforço fisico.
É um plano de ex!lio. Sem Cancteri.sticas de .Ele.nu~ntos ou Energias.
É o plono-prisão do multiverso. Tendência: Mau lsu:J:ve]. Personagens Bons em Carceri
É onde os ost racizados planej;un seu retorno. sofrem-2 de pcnalid:tde cm rodos os rcsres de Carisma.
Carccri parece o menos perigoso dos planos inferio-- • Mogio: Nonnol.
rcs, rnas essa i.mpressão i.nici_al des:a·
parece mpidameJne. Mares âci· CONEXÕES OE CARCERI
dos e :11mosferas sulfurosas
podcn1 ser r:u-os nes-1e Porrnis cm diversos planos permicem
plnno, e niio ex:isrem o ingrcs.so a Carceri. Mas qu.ase
regiões de frio extremo ou nenhum deles pennire acesso n3
infernos de calor vioJeoto. direção conrr:iria. Um3 exceção é
O perigo de Carccri é de o Rio Estige, (1ue corre a1nvés da
narureu mais sutil primeira c:tmada de Carccri.
Este plono é um lugar de mtscbnd0>-se :tos pinl3nOS e
tsCUridiocdesespcro.de canals que cn1t:am os orbes desta
paixões e venenos. e de camada e dirigindo··.se aos
rraiçõcs cap"7.es de obal..- ~nos Cinzemos de Hades.
um re:ino. Em C:trceri, o
ódio flui como um rio pro- HABITANTES
fundo e lento. E não há OE CARCERI
como prever o que seri Pr:11ic:unen1c ninguém vive
consumido a seguir pela/ volunrari:inlcnre en1 Car-
trolçõo. Oi..se que wn ecrl. Os exilados, os indese--
prisioneiro em
Carceri só consegue
fug.ir quando se rorna
r(j jóveis e os derro1ados são
enviados par:a lã, assim
como 1rnidores, de.larorcs e
mais forre que o que as :alm3S com ambições
quer que o tenha sec:ret:lS. É um plano·
oprislonado. Est> é prisão, pu r.i e simples--
uma t:are.fa dificil em mcn1e.
um plono cuja própcú
Por isso os residentes
narur=i gen deus-
de Carccri são um grupo
pefOt traição e aut~
variado, ranto ncial
comiseração.
quanto cuhuralmcntc. A
/\o connírio da maio- m3ioria constantemente
ria dos habimnrcs de
eonspir:a e 1rama para
D rceri, 3 divindade
' dcix3r Carccri e voltar a
Ncrull habito esic plono
' seus nn1igos lares e
voluntnriamcnce1 n3o deviw
]>OSÍ~S. Além de pri-
do u exílio.
sioneiros e suplican1e.s,
Cttrcerí consiste em seis Carccri 3briga abissais
camadas. Cada uma lem uma que par1ieipan1 da in1er·
série de orbes como pequenos planetas minável Guerra do Sangue.
cnttleirodos. Um abismo de ar sepru11 cada orbe do srguincc. Demônios, di•bos e yugolotes vagom pelo plono, •ssim como
Em cada aim.:ida1 b.á pouco que diferencie um orbe de ourro, pesaddos voadores gaJopan<lo cns:1n<lcc:icbmentc e our.ros
e o ntlmero de planecóides é possivelmenre Wlniro. extro-plan..-cs malignos.
CARACTERÍSTICAS OE CARCERI Suplicantes de Carceri
Carccri possuiu se.guin1es caractcristic.as: Mesmo se desejassem, os supl1an<es de C.rccri nio pod•ri-
Cnvidade: Normal Nas orbes, a gnvidadc é exatamente am sair de lá, e p0r &SSO nurre.m gnnde ressentimenro contn
como no Plano Ma<erial Enttc elas, não há grovldodc, o que os viajante$ que estej:am apenas dt passagem. A m:1iori:t dos
facilila as viagens para aqueles que podem voar :.lém da suplicames de C.rccri são olmos que abusarom do confiança e
arração da gravidade de cada uma. traíram a família ou os a1nigos. Como qualquer supllcanre.
Tempo: Nonnal. eles não possuem mcmórbs de suas vidas passadas, mas coo·
1inUJm traiçoeiros. Eltt men1cm, con.stanremen1e. compuJsi.. r.ipd.amen1c 2 mont3nh.as imgubrcs onde habjt:am 1ills
v;11ncn1c, e com grande ptnpicicia. eruaivedd~
Suplicanfes de Carccn residem em uma de c1nco·camadas, Enx::nnes de mosquitos sobrevo:tm os p:in1:1oos, penur~n·
de acordo c:on1 sua modnlid:1de própri:i de rraição. Ortris detém do os viajantes. Os suplicantes de fitla nlacia que povoam este
11·11klorcs políticos e d:1: nnç.~01 no passo que Cani~ aprisiona reino sonibrio $iio ainda mais incôn1odos.
aqueles que ceder:1:1n :1: paixcks animais quando :a lógica e a Uas tii\o dn Derradeix:1 Espe1·1u1ça: U1na fortaleza de
razão 1eriam sido mais "dequadas. PaC2 Minciis v5o 05 avarcn· rocha jgne~ negra assenta·se sobre urn11 cordilheira de On-ris.
105 que n:io ajudaram ou1ros com sua riquez:! quando poderiam A l.1t :imbien1e avermelhada do plano empresra um i r velado
rê-lo feuo, e Coloris conllna os mentirosos cuja &lsidadt p<eJU· de a.meJ~ ao &s1i.io d.a Dt:mdeir:a .Espcninça. Exisr~ apcna.s
d1cou :1 outros. Finalmente. Porf:nis :1brig_a os v3os e tgois-12$ U.lT':l enrrada, e os que pa~m por tla não conseguem evuir

q\le recusaram a :ajudar outros quando riveram oporn1nicbdc. perceber que cl.;1 se asserndh:i à mandíbula de uma giganresa
Os suplicanres de ~recri possuem as seguintes quahd:tdcs rã demonfoc1.
cspcch1is: Ninguém governa o Bas1iâo. Ao invés di~so, ele serve co1no
X.1nu11i<ladcs Ad icion:•ls: Frio, :ícido. urr:i espécie de posto avançado para ::inarquistas. .t\ qui u1n vi:i·
jar«e pode ob1er qualquer 1ipo de docu1ucn10 falsificado.
Resisrências: Elerricid•de 20, fogo 20. :ihtr:açõcs cinírgjcas pant auxili:ar disfarces permanentes, ~
Outras Qualidades Especiais: Suplicantes de Carceri di\ICrsos ouuos 1ipos de bens e serviços nefastos. É um bom
mtn1em bem e com ft