Você está na página 1de 3

Efeito Aharonov-Bohm e Fase de Berry

Aluno: Henrique Borrin de Souza - Matr´ıcula: 00260910 IF-UFRGS

26 de dezembro de 2017

Efeito Aharonov-Bohm

Considere um sistema onde existem potencial el´etrico ϕ e potencial vetor A. Ent˜ao o Hamiltoniano do sistema ´e escrito como

H =

1

2m [ih¯+ qA] 2 +

Generalizando para um sistema que tenha um potencial geral (podendo ou n˜ao conter o potencial el´etrico) e aplicando na equa¸c˜ao de Schr¨odinger, temos

2m (ih¯+ qA) 2 + V Ψ = ih¯ Ψ

1

∂t

Sup˜oe agora que B = 0 na regi˜ao, ou seja, ∇ × A = 0, donde tiramos que a integral de linha de A n˜ao depende do caminho. Logo, podemos definir a fun¸c˜ao

g(r) :=

q

h¯

r

O

A(r ) · dr

Ent˜ao faz sentido supor Ψ = e ig Ψ . Logo

(ih¯+ qA) Ψ = ih¯ ie ig Ψ g + e ig Ψ + qAe ig Ψ

Usando a regra de integral de Leibniz, temos que g = press˜ao acima se reduz a

q ¯h A.

(ih¯+ qA) Ψ = ihe¯ ig Ψ

Ent˜ao a ex-

Aplica na equa¸c˜ao de Schr¨odinger, e teremos que

2

2m 2 Ψ + V Ψ = ih¯ Ψ

h¯

∂t

1

que ´e a equa¸c˜ao de Schr¨odinger sem a dependˆencia de A. Aharonov e Bohm propuseram um experimento no qual um feixe de el´etrons se separam e pas- sam ao lado dum solen´oide longo e depois se reencontram. Calculando o potencial vetor do solen´oide, temos

A

=

πa 2 B

2πr

ϕˆ

onde a ´e o raio do solen´oide e B a magnitude do campo magn´etico dentro do solen´oide, desde que tomemos o calibre ∇ · A = 0. Calculando g, temos

g =

q πa 2 B

h¯

2πr

φ · (r φdφ) = ± qπa 2 B

ˆ

ˆ

h

A dualidade do sinal ´e devido a integral poder ser feita de 0 π ou π 0. Ent˜ao espera-se a diferen¸ca de fase

Θ = qπa 2 B h¯

.

Fase de Berry no efeito Aharonov-Bohm

O objetivo ´e determinar a diferen¸ca de fase a partir da fase de Berry. Con- sidera uma part´ıcula confinada numa caixa centrada em R com potencial V (r R). Substituindo O → R, Ψ = e ig Ψ ψ n = e ig ψ n , V V (r R) e considerando o sistema estacion´ario (fazendo o lado esquerdo da eq. de Schr¨odinger se reduzir a E n ψ n ), e reproduzindo os c´alculos feitos na se¸c˜ao acima, temos que ψ n satisfaz

h¯

2

2m 2 ψ

n + V (r R)ψ n = E n ψ

n

se

A 0

onde ψ n = ψ n (r R). Como a fase de Berry ´e dada por

γ(T) = i ψ n |∇ R ψ n · dR

devemos calcular o integrando, que resulta

ψ n |∇ R ψ n = e ig [ψ n (rR)] e ig i h¯ A(R)ψ n (r R) + R ψ n (r R) d 3 r

q

= i h¯ A(R) [ψ n (r R)] ψ n (r R)d 3 r

q

2

Note que a ultima´

Calculando o comutador de canˆonica, temos que

integral ´e (i/h¯) vezes o valor esperado do momentum.

= (ˆp 2 /2m + V ) e xˆ e usando a comuta¸c˜ao

ˆ

H

[ H, xˆ] = ih¯ pˆ

ˆ

m

Conclue-se que

[ψ n (r R)] ψ n (r R)d 3 r =

i

h¯ < pˆ >=

i m

h¯

ih¯

ˆ

< [ H, xˆ] >

= m

h¯ 2

Logo

ψ n |[ H, xˆ]|ψ n = m ψ

ˆ

h¯ 2

n |

ˆ

ˆ

Hxˆ xˆ H|ψ

n = mE n

h¯ 2

q

ψ n |∇ R ψ n = i h¯ A(R)

Finalmente, a fase de Berry ´e

( ψ n |xˆ xˆ|ψ n ) = 0

γ(T) = i ψ n |∇ R ψ n · dR =

q

h¯ A(R) · dR

=

q

h¯ (∇ × A) · da = qπa 2 B

h¯

Qualitativamente, o experimento mostrou que efeitos eletromagn´eticos ocor- rem mesmo onde os campos s˜ao nulos.

3