Você está na página 1de 2

JC e-mail 3182, de 12 de Janeiro de 2007.

Projeto do Museu Antropológico sobre


Patrimônio Imaterial da Universidade Federal
de Goiás é aprovado pelo Iphan

Custo total é de R$ 136,9 mil, dos quais R$ 100 mil


serão repassados pelo Iphan e o restante será
contrapartida da UFG

O Museu Antropológico da Universidade Federal de


Goiás (MA/UFG) concorreu com instituições de todo o
país e teve projeto aprovado em primeiro lugar no
edital Mapeamento e Documentação do Patrimônio
Cultural Imaterial.

O edital, lançado em 2006 pelo Instituto do


Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN),
constitui-se em uma das ações do Programa Nacional
do Patrimônio Imaterial (PNPI), instituído em 2000
pelo governo federal.

O Projeto do Museu, denominado Sistematização da


Documentação Referente ao Patrimônio Cultural
Imaterial do Estado de Goiás será desenvolvido
durante todo o ano de 2007, como prevê o convênio
entre o IPHAN e a Fundação de Apoio a Pesquisa na
UFG (FUNAPE/UFG), proponente/gestora dos
recursos.

O custo total é de R$ 136,9 mil, dos quais cem mil


serão repassados pelo IPHAN e o restante será
contrapartida da UFG.

Sob coordenação da doutora em antropologia Telma


Camargo da Silva, o Projeto Sistematização da
Documentação Referente ao Patrimônio Cultural
Imaterial do Estado de Goiás tem, como alguns de
seus objetivos, realizar pesquisa documental sobre o
patrimônio cultural imaterial do Estado de Goiás e
diagnosticar as condições de conservação e
acondicionamento desses acervos e do
funcionamento das instituições que os abrigam.

Informações que, reunidas, subsidiarão a principal


meta do Projeto, que é a constituição de um banco
de dados referente à documentação sobre o
Patrimônio Imaterial do Estado de Goiás, o qual será
posteriormente disponibilizado para consultas.

A equipe do Projeto é multidisciplinar, composta por


oito pesquisadores de áreas como a antropologia, a
história, as artes visuais e a música, e nove alunos
bolsistas dos cursos de graduação em história, artes
plásticas, música, ciências sociais e pedagogia.

As ações serão desenvolvidas fundamentalmente a


partir de pesquisa documental em arquivos de
instituições públicas e privadas de Goiânia, que
abriguem acervos referentes à cultura imaterial do
Estado de Goiás, delimitados previamente em três
áreas básicas: bibliotecas; museus e centros
culturais; arquivos.

As categorias do patrimônio imaterial que orientarão


a classificação da documentação pesquisada
envolvem as temáticas relacionadas a sete campos
definidos pela equipe do Projeto: festas e
celebrações; mitos, lendas, parlendas, aforismos e
outros; sons e imagens de cidades; brincadeiras
infantis; culinária; corpo, saúde e doença; histórias
de fundação de lugares.

A fim de propiciar a ampliação dos conhecimentos


nas áreas específicas de pesquisa etnográfica em
arquivos documentais, análise e diagnóstico de
conservação, o Projeto prevê treinamentos e
minicursos tanto para os integrantes da equipe de
pesquisa quanto para membros da equipe do Museu
Antropológico e de outros museus de
Goiás/instituições afins.

Este é, inclusive, um dos aspectos considerados


relevantes como resultados que se espera com as
ações do Projeto: a possibilidade de formar uma
equipe que possa ser referência no âmbito dos
registros da cultura imaterial no Estado e no país,
visto ser esta uma área recente e ainda carente de
especialistas.

Um outro aspecto, de igual importância, é a


oportunidade de disponibilizar os resultados obtidos
com esse mapeamento a toda a população
interessada, através do banco de dados que será
constituído.

Propicia-se, assim, a socialização do conhecimento,


bem como o fornecimento de subsídios às
instituições públicas e privadas responsáveis pela
elaboração e implementação de políticas
patrimoniais.
(Marisa Damas Vieira, do Museu Antropológico da
UFG)