Você está na página 1de 4

Nutrição nas Doenças Crônicas Não-transmissíveis

RESENHA / REVIEW

Nutrição nas Doenças Crônicas Não-transmissíveis


Nutrition in Non-communicable Diseases

Nutrição nas doenças crônicas E m seu novo lançamento, o segundo livro organizado
não-transmissíveis. Lílian Cuppari pela nutricionista Lilian Cuppari (professora afiliada da
(Coord.). 1ª ed., Barueri,SP: Disciplina de Nefrologia da Universidade Federal de São
Editora Manole, 2009. 534p. Paulo (UNIFESP) aborda uma temática relevante na área
ISBN:8520426530
da saúde no Brasil e no mundo: doenças crônicas não-trans-
Carla Maria Avesani missíveis (DCNT). A importância desse tema se dá pelo au-
Nutricionista. Doutora em Ciências pela mento significativo na prevalência e na incidência das
Universidade Federal de São Paulo.
Professora Visitante do Departamento de doenças que compõem esse quadro: obesidade, diabetes
Nutrição Aplicada, Instituto de Nutrição, melito, hipertensão arterial, doença renal crônica, doença
Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
E-mail: carla.avesani@carrenho.com.br hepática crônica, cânceres e doença cardiovascular, sendo
esta última o desfecho de muitas das patologias citadas.

Estimativas da Organização Mundial da cardiovasculares, por serem a causa de um


Saúde (OMS) apontam que as DCNT são res- terço dos óbitos no Brasil e por compreen-
ponsáveis por 58,5% das mortes ocorridas derem a principal causa de morte em nosso
no mundo e responsáveis por 45,9% da car- país (MALTA et al., 2006).
ga global de doenças (WHO, 2002). No Bra-
Logo, material literário que dê suporte
sil, em 2004, as DCNT responderam por
ao tratamento desse conjunto de doenças e
62,8% das causas de morte conhecidas (BRA-
SIL, 2006). Mais alarmante ainda é o cresci- aos fatores de risco para seu desenvolvimen-
mento de três vezes no número de mortes to tem papel importante para a saúde pú-
causadas pelas DCNT no Brasil entre as dé- blica. Creio ser este o primeiro livro em
cadas de 1930 a 1990 (MALTA et al., 2006). nosso meio dentro da área da Nutrição que
Dentre as DCNT, destacam-se as doenças trata especificamente desse tema.

C ERES ; 2009; 4(3); 141-143 141


CERES : NUTRIÇÃO & SAÚDE

O livro contém 515 páginas, sendo com- dos epidemiológicos, seguido pela etio-
posto por 10 capítulos redigidos por 21 au- logia, fisiopatologia e quadro clínico da
tores de renome no Brasil, com vasta expe- enfermidade; principais aspectos nutri-
riência acadêmica e prática nas diversas cionais; particularidades na avaliação
DCNT. O livro apresenta tamanho e peso nutricional e a terapia nutricional pro-
que permitem que o mesmo seja portátil. priamente dita. Ao final de cada capítu-
lo, há um caso clínico discutido e dois
Todos os capítulos tratam dos aspec-
capítulos contêm ainda uma seção dedi-
tos nutricionais em indivíduos adultos.
cada a mitos/ controvérsias sobre o tema.
Os dois primeiros capítulos dão suporte
Em todos os capítulos, há uma formata-
aos demais: o primeiro dá maior ênfase
ção com tabelas e quadros que auxiliam o
aos aspectos epidemiológicos das DCNT,
leitor a seguir condutas e diretrizes.
e o segundo aborda, de forma detalhada
e bastante instrutiva, a avaliação nutricio- Com essa organização, o leitor conse-
nal na prática clínica. Os demais capítu- gue se aprofundar em aspectos relaciona-
los discorrem sobre a terapia nutricional dos à fisiopatologia da enfermidade, sem,
específica de cada uma das DCNT: obesi- no entanto, perder o foco da aplicação à
dade e síndrome metabólica, diabetes prática clínica do nutricionista que traba-
melito, dislipidemias, doença cardiovas- lha em hospitais, ambulatórios e consul-
cular, doença renal crônica, hepatopatia tórios. E embora o livro tenha maior dire-
crônica e câncer. ção e interesse aos nutricionistas, outros
profissionais da saúde, como médicos e
No que diz respeito a aspectos inédi-
enfermeiros, podem também se beneficiar
tos, o último capítulo se destaca por levar
com sua leitura.
aos leitores um tema de grande atualida-
de: a abordagem específica da aplicação da Outro detalhe importante do livro é o
biologia celular na área da nutrição, ou fato de os autores contextualizarem sua
como émais conhecida, a nutrigenômica. prática clínica à realidade brasileira, consi-
Neste capítulo os autores dão conceitos derando dados epidemiológicos brasilei-
básicos sobre o tema que circunda o geno- ros e mostrando, nos casos clínicos e em
ma humano, a biologia molecular, poli- tabelas de alimentos, a composição de ali-
morfismos genéticos e, por último, a apli- mentos e preparações do hábito alimentar
cação da nutrigenômica na doença cardio- brasileiro. Este confere um diferencial em
vascular e no câncer. relação aos livros traduzidos, que abordam
temas afins.
Vale mencionar que todos os capítulos
seguem uma padronização, segundo a Contudo, o leitor deve estar atento ao
qual há uma introdução contendo con- fato de que livros-textos podem algumas
ceito da enfermidade e os principais da- vezes não estar totalmente atualizados, em

142 C ERES ; 2009; 4(3); 141-143


Nutrição nas Doenças Crônicas Não-transmissíveis

razão do hiato que existe entre a data de Em resumo, o livro traz dados importan-
fechamento do livro e sua publicação, que tes acerca da epidemiologia, fisiopatologia,
algumas vezes pode ser próximo de um avaliação nutricional e dietoterapia das DCNT.
ano. Ao avaliar a bibliografia dos capítu- Sua formatação e tamanho permitem que o
los, nota-se que a grande maioria das refe- leitor o utilize tanto para o conhecimento da
rências é atual, mas que se encerram no fisiopatogenia quanto como orientação de
ano de 2007/2008. conduta nutricional no tema das DCNT.

Referências
WORLD HEALTH ORGANIZATION. World da situação de saúde no Brasil. Brasília: Ministério da
Health Report 2002. Reducing risks, promoting healthy Saúde, 2006. 620p.
life. Geneva: WHO, 2002.
MALTA, D. C. et al. Construção da vigilância e
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria da prevenção das doenças crônicas não transmissíveis
Vigilância em Saúde. Departamento de Análise no contexto do sistema único de saúde. Epidemiologia
de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2006: uma análise e serviços públicos de saúde, n. 15, p. 47-64, 2006.

C ERES ; 2009; 4(3); 141-143 143