Você está na página 1de 17

O ASSISTENTE

João Gouveia de Caires


FDUL
Investigador do CIDPCC

Aula teórica de Direito Processual Penal -


1
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Artigo 69.º CPP
Posição processual e atribuições dos assistentes
1 - Os assistentes têm a posição de colaboradores do Ministério Público,
a cuja actividade subordinam a sua intervenção no processo, salvas as
excepções da lei.
2 - Compete em especial aos assistentes:
a) Intervir no inquérito e na instrução, oferecendo provas e requerendo
as diligências que se afigurarem necessárias e conhecer os despachos
que sobre tais iniciativas recaírem;
b) Deduzir acusação independente da do Ministério Público e, no caso
de procedimento dependente de acusação particular, ainda que aquele a
não deduza;
c) Interpor recurso das decisões que os afectem, mesmo que o
Ministério Público o não tenha feito, dispondo, para o efeito, de acesso
aos elementos processuais imprescindíveis, sem prejuízo do regime
aplicável ao segredo de justiça.
Aula teórica de Direito Processual Penal -
2
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Estatuto do Assistente

Sujeito processual/autónomo: pode alterar a


dinâmica/tramitação processual

Em especial:
A) Crimes públicos e semi-públicos:
i) Acusação subordinada/independente – 284.º
ii) RAI – 287.º/1/b)
iii) Intervenção Hierárquica – 278.º

B) Crimes particulares:
i) Acusação particular – 285.º

Aula teórica de Direito Processual Penal -


3
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Requisitos do Requerimento
4 Requisitos do Requerimento de Constituição como Assistente:
1. Legitimidade (art. 68.º/1 – remissão)
2. Prazo:
A) Crimes públicos: 68.º/3: aceitando o processo tal como estiver
Natureza deste prazo:
Acordão STJ de Fixação de Jurisprudência n.º12/2016:
“Após a publicação da sentença proferida em 1.ª instância, que
absolveu o arguido da prática de um crime semipúblico, o ofendido
não pode constituir-se assistente, para efeitos de interpor recurso
dessa decisão, tendo em vista o disposto no art. 68.º, n.º 3, do CPP,
na redacção vigente antes da entrada em vigor da Lei 130/2015, de
04-09”.

Aula teórica de Direito Processual Penal -


4
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Requisitos do Requerimento
4 Requisitos do Requerimento de Constituição como Assistente:
1. Legitimidade (art. 68.º/1 – remissão): Aquele a quem a lei atribuir o direito de se
constituir como assistente 68.º/1/a): o ofendido, mas não apenas a este
2. Prazo:
B) Crimes particulares: 68.º/2: 10 dias após a advertência 246.º/4
(queixa)
Prazo peremptório?
Acordão STJ de Fixação de Jurisprudência n.º1/2011:
“Em procedimento dependente de acusação particular, o direito á
constituição como assistente fica precludido se não for apresentado
requerimento para esse efeito no prazo fixado no n.º 2 do artigo 68.º
do Código de Processo Penal”.

Aula teórica de Direito Processual Penal -


5
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Requisitos do Requerimento
4 Requisitos do Requerimento de Constituição como Assistente:
3. Representação judiciária por Advogado (70.º): Mandatário
forense ou patrono (LAJ)
E a auto-representação (auto-patrocínio) é admissível?

Acordão STJ de Fixação de Jurisprudência n.º15/2016:


“Nos termos do artigo 70.º, n.º 1, do Código de Processo Penal, o ofendido
que seja advogado e pretenda constituir -se assistente, em processo penal,
tem de estar representado nos autos por outro advogado”

Aula teórica de Direito Processual Penal -


6
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Requisitos do Requerimento
4 Requisitos do Requerimento de Constituição como Assistente:
3. Representação judiciária por Advogado (70.º): Mandatário
forense ou patrono (LAJ)
E a auto-representação (auto-patrocínio) é admissível?
Acórdão do TC n.º 338/2006: ”não julgar inconstitucionais as normas
constantes (…) do artigo 70.º, n.º 1, do Código de Processo Penal, no
segmento em que determina que os assistentes são sempre
representados por advogado e na interpretação segundo a qual esta
representação tem de ser assegurada mediante emissão de
procuração a favor de advogado que não o advogado ofendido com
direito a ser constituído assistente nos termos dos artigos 68.º, n.º
1, alínea a), e 69.º do mesmo código”

Aula teórica de Direito Processual Penal -


7
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Requisitos do Requerimento
4 Requisitos do Requerimento de Constituição como Assistente:
3. Representação judiciária por Advogado (70.º): Mandatário forense ou
patrono (LAJ)
E a auto-representação (auto-patrocínio) é admissível?
Dúvidas:
i) Comparação com a situação do arguido (em que não se admite o auto-
patrocínio) não é plena;
• ii) Instrumentos internacionais: v.g., art. 14.º/3/d) do Pacto Internacional
dos Direitos Civis e Políticos/Pacto de Nova Iorque (em vigor em Portugal
desde 15-09-1978, mediante aprovação para ratificação pela Lei n.º 29/78,
de 12/06, DR, I S-A, n.º 133/78): “Qualquer pessoa acusada de uma
infracção penal terá direito, em plena igualdade, pelo menos às
seguintes garantias: (…) d) A estar presente no processo e a defender-se
a si própria ou a ter a assistência de um defensor da sua escolha”
Aula teórica de Direito Processual Penal -
8
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Requisitos do Requerimento
4 Requisitos do Requerimento de Constituição como Assistente:
3. Representação judiciária por Advogado (70.º): Mandatário forense ou patrono
(LAJ)
E a auto-representação (auto-patrocínio) é admissível?
Dúvidas:
Cfr. Acórdão do STJ de 18/04/2012, proc. n.º 172/11.9TRPRT-A.S1:
“(…) Em termos de lei penal adjectiva, contrariamente ao que vigora para a
obrigatoriedade de assistência do arguido por defensor (art. 64.º do CPP), não existe
norma excludente da auto representação do assistente, sendo advogado, pois que
apenas existe a obrigação de o assistente estar representado por advogado.
Efectivamente, se a assistência de defensor ao arguido no processo radica nas
garantias do processo penal, decorrentes do disposto no art. 32.º da CRP, resultando
óbvias limitações à actuação do defensor caso se permitisse a auto representação do
arguido, tais limitações já não ocorrem se o sujeito processual for assistente (…)”
4. Pagamento da Taxa de Justiça (519º CPP+RCP) ou LAJ

Aula teórica de Direito Processual Penal -


9
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
O Ofendido
Quem é OFENDIDO?
68.º/1/a): “os titulares dos interesses que a lei especialmente
quis proteger com a incriminação, desde que maiores de 16
anos”
Exemplo evidente: quem é ofendido no crime de homicídio (na forma
tentada)?
Casos mais difíceis: proteção de vários interesses: 1 público e 1
particular, v.g., no crime de falsificação de documento (art. 256.º
CP):
Há ofendido?

Aula teórica de Direito Processual Penal -


10
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
O Ofendido
3 Conceitos:
1- Restritivo: especialmente: “exclusivamente” ou “quase
exclusivamente”

2 – Amplo: especialmente não é exclusivamente


Argumentos: Vitimologia; a al. e) do art. 68.º/1; o acesso e
participação na administração/aplicação da Justiça,etc.
Cfr. art. 67.º-A CPP e Lei n.º 130/2015, de 04/09 (Estatuto da
Vítima)

3- Restritivo “alargado” - conceito jurisprudencial

Aula teórica de Direito Processual Penal -


11
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Acórdão do TC n.º 579/2001
Crime de violação de segredo de justiça – art. 371.º CP
“(…) é lícito ao legislador consagrar (respeitados que sejam os
parâmetros já assinalados) a existência de ilícitos que visem imediata
e directamente ou em primeira linha outros interesses que não os
acima indicados, mesmo que estes últimos se vejam, de modo
mediato ou reflexo, «tocados», também lhe é lícito modelar a
incriminação por forma a não atender aos segundos como aqueles
que ditaram a finalidade da mencionada incriminação (isto é, não se
lhe impõe que, aquando da consagração desses ilícitos, tenha,
necessariamente, de considerar os interesses «de ordem pessoal»
postados no mesmo plano, em paralelismo ou paridade com dos de
«ordem não pessoal») (…)”
Com a alteração do CPP em 2007, haverá diferenças?
Cfr. art. 86.º/2 e 3 do CPP: interesses da investigação ou…
Aula teórica de Direito Processual Penal -
12
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
AC. (fixação de jurisprudência) do STJ
n.º 1/2003
Crime de falsificação de documento – art. 256.º/1/a) CP
“No procedimento criminal pelo crime de falsificação de
documento, previsto e punido pela alínea a) do nº1 do artº
256º do Código Penal, a pessoa cujo prejuízo seja visado pelo
agente tem legitimidade para se constituir assistente”.

CP: 256.º/1/a): “1 — Quem, com intenção de causar prejuízo a


outra pessoa ou ao Estado, ou de obter para si ou para outra
pessoa benefício ilegítimo:
a) Fabricar documento falso, falsificar ou alterar documento
ou abusar da assinatura de outra pessoa para elaborar
documento falso (…)”
Aula teórica de Direito Processual Penal -
13
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Acórdão do STJ de 12/07/2005, proc.
n.º 05P2535 -A.S1
Crime de falsidade de depoimento – art. 360.º CP
“ (…) O crime de falsidade de depoimento é um crime contra a realização da
justiça, de actividade, mas em que o prejuízo de terceiro condiciona a moldura
penal abstracta e a possibilidade de dispensa de pena, através da retratação. (…)
Assim, se num caso concreto, o agente com a falsidade de depoimento causar
prejuízo aos interesses particulares de determinada pessoa, esta poderá
constituir-se assistente”

CP: 360.º: “1 - Quem, como testemunha, perito, técnico, tradutor ou intérprete, perante tribunal
ou funcionário competente para receber como meio de prova, depoimento, relatório,
informação ou tradução, prestar depoimento, apresentar relatório, der informações ou fizer
traduções falsos, é punido com pena de prisão de 6 meses a 3 anos ou com pena de multa
não inferior a 60 dias (…)”. 361.º: Agravação: “(…) b) Do facto resultar demissão de lugar,
perda de posição profissional ou destruição das relações familiares ou sociais de outra
pessoa; ou c) Do facto resultar que, em vez do agente, outra pessoa seja condenada pelo
crime que aquele praticou. 2 - Se das condutas descritas nos artigos 359.º ou 360.º resultar
privação da liberdade de uma pessoa, o agente é punido com pena de prisão de 1 a 8 anos
(…)”.
Aula teórica de Direito Processual Penal -
14
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
AC. (fixação de jurisprudência) do STJ
n.º 8/2006
Crime de denúncia caluniosa – art. 365.º CP
“No crime de denúncia caluniosa, previsto e punido pelo artº
365º do Código Penal, o caluniado tem legitimidade para se
constituir assistente no procedimento criminal instaurado
contra o caluniador”.

CP: 365.º: “1 - Quem, por qualquer meio, perante autoridade ou


publicamente, com a consciência da falsidade da imputação,
denunciar ou lançar sobre determinada pessoa a suspeita da
prática de crime, com intenção de que contra ela se instaure
procedimento, é punido com pena de prisão até 3 anos ou
com pena de multa (…)”.
Aula teórica de Direito Processual Penal -
15
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
AC. (fixação de jurisprudência) do STJ
n.º 10/2010
Crime de desobediência – art. 348.º/2 CP (e 391.ºCPC)
“Em processo crime de desobediência qualificada decorrente
da violação de providência cautelar, previsto e punido pelos
artºs 391º do Código de Processo Civil e 348º, nº2, do Código
Penal, o requerente da providência tem legitimidade para se
constituir assistente”

CP: 348.º/2: “(…) 2 - A pena é de prisão até 2 anos ou de multa


até 240 dias nos casos em que uma disposição legal cominar a
punição da desobediência qualificada”.

Aula teórica de Direito Processual Penal -


16
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires
Alguns problemas finais
- Ofendido não maior de 16 anos: 68.º/1/a) e d): representação

- Em caso de morte do ofendido: 68.º/1/c): “sem ter renunciado à


queixa” - quid juris nos crimes públicos?

- Duas “classes” no 68.º/1/c):


- Relação dentro de cada “classe”/grupo: 113.º/3 CP?
- Significado de “ou, na falta deles”:
- Falta física ou de exercício?
- E podem todos os que integram a 2.ª “classe”/grupo?

Aula teórica de Direito Processual Penal -


17
FDUL -22-11-2017 - João Gouveia de Caires