Você está na página 1de 136

RITA APARECIDA OLIVEIRA MARTINS

A DEPRESSÃO MATERNA DO PÓS-PARTO: ALGUMAS


COMPREENSÕES E OUTROS NEVOEIROS

Dissertação apresentada à Banca Examinadora


da Pontifícia Universidade Católica de São
Paulo, como exigência parcial para obtenção
do título de MESTRE em Psicologia Clínica,
sob a orientação do Prof. Dr. Gilberto Safra.

SÃO PAULO
2006
RITA APARECIDA OLIVEIRA MARTINS

A DEPRESSÃO MATERNA DO PÓS-PARTO: ALGUMAS COMPREENSÕES


E OUTROS NEVOEIROS

Banca Examinadora do Programa de Mestrado em Psicologia Clínica


da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Dissertação para obtenção do Grau de Mestre

_______________________________________________
Prof. Dr. Gilberto Safra
Presidente e Orientador

__________________________________________________
Profa. Dra. Maria Valéria Pelosi Hossepian Salles Lima
Examinadora

__________________________________________________
Profa. Dra. Tânia Maria Aiello Vaisberg
Examinadora

São Paulo, / / 2006.


À minha mãe Maria;
madrinha Olinda;
ama-de-leite Amélia;
e à Lara...
AGRADECIMENTOS

Ao longo dos quatro anos de mestrado, construímos uma história com a


participação de muitos personagens, que de várias maneiras contribuíram comigo: trocas de
conhecimento, confiança nas possibilidades, apoio, amizade e muito mais. Nesse sentido, sou
grata ao meu irmão Ivan, aos alunos e estagiários que acompanharam de perto o processo, e
aos meus amigos: Arnaldo, Verônica, Marcos, Nelson, Irene, Irma, Magali, Heloisa, Ciça,
Renata, Tales e Fabíola.

Agradeço à Vilma Helena Ferreira Milani e à Maria José de Faria Tsuchiya pela
revisão sensível e cuidadosa que realizaram do texto.

Também sou grata à banca examinadora, Profas. Dras. Maria Valéria Pelosi
Hossepian Salles Lima e Tânia Maria Aiello Vaisberg, por toda contribuição oferecida a este
trabalho, principalmente por me darem a oportunidade de compreender, profunda e
essencialmente, o valor da desconstrução para a criação.

Quanto ao meu orientador Prof. Dr. Gilberto Safra acho que não tenho recursos
suficientes para expressar a minha gratidão: ao procurar um mestrado, me surpreendi, também,
com o encontro de um Mestre: sou-lhe eternamente grata.
RESUMO

MARTINS, Rita Aparecida Oliveira. A depressão materna do pós-parto: algumas


compreensões e outros nevoeiros. 2006. 136 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) –
Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

As clínicas psicológica e médica têm constatado que uma parte significativa das mulheres
passa por alguma forma de depressão decorrente da maternidade. Pesquisas mostram que a
depressão puerperal afeta 10% a 15% das mulheres em geral; para 60% dessas mulheres
constitui-se como o primeiro episódio de depressão. O presente estudo pretende compreender
o psicodinamismo na depressão puerperal, sua etiologia e significação na história da mãe.
Buscamos realizar tal objetivo, através do estudo de um caso. O material clínico aqui
apresentado é oriundo de um processo de avaliação psicológica que teve continuidade com
um trabalho clínico psicanalítico. A articulação teórica se realizou com o levantamento
bibliográfico geral e com autores da psicanálise. Abordamos o diagnóstico da depressão
puerperal e sua etiologia. Discutimos sobre a participação do ambiente e das sociedades
(historicamente) nas intercorrências da maternidade, entre elas, a depressão. Também,
reconhecemos que a maneira como se constitui a história de vida de cada puérpera
influenciará sobremaneira nos desdobramentos do parto e puerpério. A maternidade reativa as
vivências da infância e, principalmente, dos primórdios da vida psíquica. A depressão
puerperal pode surgir como decorrência de falhas no desenvolvimento emocional primitivo da
puérpera, principalmente com aquelas relacionadas à vivência da posição depressiva, aos
desdobramentos do narcisismo primário e da constituição do superego, e, especialmente, à
experiência que teve no seu próprio nascimento. As pesquisas voltadas para o estudo da
depressão puerperal e da maternidade são importantes, porque podem contribuir com a prática
clínica, com os demais profissionais envolvidos com saúde mental e com as organizações que
buscam uma intervenção sobre a população em geral.

Palavras-chave: depressão materna; depressão puerperal; depressão pós-parto; saúde da


mulher; psicanálise.
ABSTRACT

MARTINS, Rita Aparecida Oliveira. The postpartum maternal depression: some


comprehensions and others fogs. 2006. 136 f. Dissertation (Masters in Clinical Psychology) –
Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

The psychological and medical clinics have evidenced that a significant part of the women go
through some form of depression after childbirth. Researches show that Puerperal depression
occurs in 10-15% of women in the general population; in 60% of these women it represents
the first severe form of depression. This case study intends to understand the
psychodynamism in the puerperal depression, its etiology and its significance in the mother’s
history. The clinical material presented is from a psychological evaluation process that had
continuity with a psychoanalytical clinical work. The theoretical work was based on general
bibliographical research and psychoanalysis authors. We researched about the diagnosis of the
puerperal depression and its etiology. We discussed about the environment and the societies
(historically) interference in the intercurrences of the maternity, such as depression. We also
recognized that the way each postpartum women history life constitutes would excessively
influence in the childbirth and in the puerperal. The maternity reactivates the infancy
experiences and, mainly, the primary of the psychic life. The puerperal depression can appear
as result of imperfections in the primitive emotional development of the postpartum women,
mainly with those related to the experience of the depressive position, to the primary
narcissism and the constitution of superego, and, especially, to the experience had in her birth.
The puerperal depression and maternity study are very important because it contributes with
the clinical practice, with all professionals involved with mental health, and with the
organizations that searches for general population intervention.

Key words: maternal depression; puerperal depression; postpartum depression; women’s


health; psychoanalyze.
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ..................................................................................................................... 9

1 METODOLOGIA............................................................................................................. 21

2 O PRIMEIRO ENCONTRO COM LARA .................................................................... 30

3 DIAGNÓSTICO E ETIOLOGIA DA DEPRESSÃO PUERPERAL .......................... 34

4 RUPTURA DAS FORÇAS PROTETORAS E ASSEGURADORAS DO


AMBIENTE....................................................................................................................... 45

5 SEPARAÇÕES E PERDAS ORIUNDAS E/OU CONTÍGUAS AO


PUERPÉRIO..................................................................................................................... 60

6 MATERNIDADE: IDEAL E REALIDADE ATRAVÉS DOS TEMPOS................... 74

7 INTERJOGO DO EGO COM O IDEAL DO EGO E A AUTO-ESTIMA................. 94

8 AS TAREFAS E AS FALHAS DA MÃE........................................................................ 107

CONSIDERAÇÕES FINAIS................................................................................................ 121

REFERÊNCIAS .................................................................................................................... 125

APÊNDICE ............................................................................................................................ 131

ANEXOS ................................................................................................................................ 134


9

INTRODUÇÃO

A depressão é um tema que vem me instigando desde longa data. Moro em

uma cidade – Franca-SP – que além de ser nacionalmente conhecida como “a capital do

calçado”, também o é por seus altos índices de suicídio.

Muitos se referem à depressão, ou às depressões, como querem alguns, como a

doença do século que acabou de findar-se – século XX. Outros rebatem tal assertiva, dizendo

que se trata apenas de uma questão estatística: proporcionalmente ao número total de

habitantes no planeta, não é possível falar em aumento da depressão, em relação a outras

épocas (séculos). No trabalho clínico que desenvolvo, tanto em uma clínica-escola, como em

consultório particular, queixas e sintomas relacionados com a depressão são cada vez mais

freqüentes e cotidianos. Birman (1999), também constata que o volume de trabalhos escritos e

publicados nas últimas décadas, que tratam deste tema, é bastante expressivo.

Várias podem ser as maneiras de olhar e compreender tais dados. Porém,

parece que o tema da depressão tem instigado e questionado tanto a psicanálise, quanto a

psiquiatria, talvez até se colocando como “o mais rico ponto de encontro e desencontro entre

esses dois campos de saber” (Peres, 1996, p. 12).

O termo depressão tem sido usado para se referir a diferentes manifestações do

psiquismo. Depressão e melancolia têm sido usados como sinônimos, mas podem também ser

abordados de maneira diferenciada. O termo melancolia tem sido, preferencialmente,

vinculado às manifestações psicóticas – de maior gravidade, portanto. Enquanto que a

depressão tem se associado às afecções de natureza neurótica. Encontramos também

referências à depressão psicótica e à depressão neurótica. Outras vezes, é referido como


10

psicose maníaco-depressiva: enquanto uma manifestação bipolar que se distingue da posição

monopolar. É, portanto, significativo o fato de que na própria terminologia observa-se

dificuldades a serem questionadas. Assim, é que

as diferentes maneiras de nominar, de definir limites, as tentativas de


compreensão dos mecanismos, dos fatores etiológicos e programas de
tratamento e cura nos dizem da dificuldade de poder responder às
fortes questões com as quais a melancolia nos interroga (Peres, 1996,
p. 13).

A manutenção deste estado de incerteza, sobreposição, abrangência e lugar

onde tudo cabe (“buraco negro”?) quanto à delimitação do conceito de depressão traz

repercussões significativas para o manejo da clínica psicanalítica.

Uma primeira questão refere-se à diferença que deve ser estabelecida entre

queixa e sintoma. Minha experiência clínica tem mostrado que muitos casos abordados como

fenômeno depressivo, referem-se a queixas de teor depressivo e não a sintomas (no sentido

psicanalítico) de depressão: é comum o paciente chegar para uma primeira entrevista dizendo

“estou com depressão...” Concordo com Coser Filho quando escreve que “A fala ‘tenho uma

depressão’ (e falas correlatas) deve ser tomada como um apelo, uma demanda, demanda que

como todas as outras deve ser suportada pelo analista e remetida ao seu justo endereçamento”

(1994, p. 50).

A primeira teorização de Freud sobre a melancolia encontra-se na

correspondência a Fliess, em 1892. Porém, foi Luto e melancolia (1917[1915]) que se tornou

um clássico sobre o tema. Neste trabalho, Freud relaciona a melancolia com o luto e a noção

de perda: o melancólico seria um “enlutado com a vida”. Tratou a melancolia como uma

neurose narcísica, na qual ocorre um conflito intrapsíquico entre as instâncias do ego e do

superego, enredando o psiquismo nas auto-recriminações e perda da auto-estima.

Mas, no campo psicanalítico, também se observa uma certa confusão na

delimitação dos conceitos de depressão e melancolia. Em Luto e melancolia (1917 [1915]),


11

Freud começa fazendo uma confissão com o intuito de advertir quanto aos cuidados

necessários no sentido de não superestimar o valor das conclusões a que chega neste trabalho:

[...] A melancolia, cuja definição varia inclusive na psiquiatria


descritiva, assume várias formas clínicas, cujo agrupamento numa
única unidade não parece ter sido estabelecido com certeza, sendo que
algumas dessas formas sugerem afecções antes somáticas do que
psicogênicas. Nosso material, independentemente de tais impressões
acessíveis a todo observador, limita-se a um pequeno número de casos
de natureza psicogênica indiscutível. (p. 275).

Moreira (2001) também observa que Freud, ao longo de sua obra, utiliza

melancolia, depressão, depressão melancólica, na maioria das vezes, como sinônimos. Esta

autora ressalta que, por dominar o alemão corrente, Freud tinha acesso aos dois vocábulos e

fazia uso de ambos em seus escritos. Depressão chega através do francês (a partir do latim) e

melancolia através dos textos gregos. Apesar do uso, muitas vezes indiscriminado dos termos,

Freud preferia o termo melancolia em suas teorizações metapsicológicas fundamentais sobre

o tema: “não se pode deixar de pensar que a ele interessava demarcar um campo propriamente

psicanalítico na psicopatologia” (p. 95).

Jackson (1985 apud Moreira, 2001) realizou um extenso estudo a respeito do

assunto e constatou que parece haver uma intencionalidade em se abandonar o termo

melancolia e utilizar depressão, que pode ter sido favorecido por Adolf Meyer.

Moreira (2001) continua, trazendo um questionamento de fundamental

importância, colocado aqui em suas próprias palavras

Talvez seja preciso perguntar-se que interesse realmente clínico pode


ter esta análise pelos meandros da história das idéias psicopatológicas.
Ora, se a melancolia é velha conhecida da humanidade, os
desenvolvimentos psiquiátricos e psicanalíticos posteriores a Freud,
debruçando-se sobre o problema, tenderam a substituir o termo
melancolia por depressão, no que resultou em se criar o que se pode
chamar de invisibilidade da melancolia. [...] Essa invisibilidade tem
resultado em fazer desaparecer traços distintivos da própria dinâmica
psíquica dessa patologia. Nesse sentido, como observa Fédida (1996),
a destrutividade e os sentimentos de culpa, que são tão evidentes na
clínica orientada pelo método psicanalítico, acabam por desempenhar
um papel menor no diagnóstico e, portanto, na elaboração das
estratégias terapêuticas (p. 96).
12

Ao percorrer as trilhas abertas pelos estudiosos da psicanálise, fui me

deparando com diversos estados mentais, dentre eles, indefinição e confusão que me mobiliza

a continuar o trajeto de busca do conhecimento. Coser Filho (1994)assim se expressa:

[...] Abordada como tema de investigação em diversos momentos de


sua obra, a melancolia é, no entanto, encarada com humildade por
Freud que perto do fim de sua vida dizia conhecer ‘quase nada’ de sua
causa e de seu mecanismo. Essa afirmação deve servir para nos alertar
da complexidade que ela representa... (p. 152).

Ao que parece, as reflexões sobre a melancolia têm se colocado como um

enígma que tem atravessado o mundo ocidental há dois mil e quinhentos anos: desde

Hipócrates, na medicina, e Aristóteles, na filosofia. E, se “o tema da depressão nos solicita

hoje, prevalece ainda, além da sensibilidade narcísica dos psicanalistas e de sua sobrevivência

em meio ao sucesso da psiquiatria e das drogas psicofarmacêuticas, a necessidade de

esclarecer a relevância da depressão para a psicanálise e sua prática” (Delouya, 2000, p. 22).

Também para mim o tema da depressão tem se colocado como um enígma a

ser decifrado.

Em um primeiro momento meus questionamentos se voltaram para a relação

existente entre depressão e pós-modernidade, haja vista que muitos autores têm se referido à

depressão como emblema psicopatológico da subjetividade contemporânea.

Birman tem trazido contribuições importantes sobre o tema. Entende que

[...] as depressões indicam o outro lado negro da cultura do


narcisismo. Elas revelam também as impossibilidades dos indivíduos
de realizarem o culto arrogante do eu. Pela depressão, a
individualidade narcísica lastima e se recrimina de não poder se alçar
ao esteticismo do eu, pois aqui a escultura do eu se rompe em
pedaços, pelas mágoas que se impõem permanentemente para as
individualidades na cultura do narcisismo (1997, p. 231).

Birman (1999) ressalta que, nesta cultura da exaltação exacerbada do eu, não

existe mais lugar para os deprimidos, com sua interiorização excessiva, marcada pelas

“cavilações suspirosas”: o estilo sofredor de ser, as infinitas lamentações pelas perdas vividas
13

e a angústia e sofrimentos, oriundos da experiência do luto, não estão mais na moda, como

ocorria com as gerações existencialistas e beat dos anos 40, 50 e 60 do século passado.

Paradoxalmente, muitos autores como Hobsbawn (2001), Agamben (2002), Bauman (1997) e

outros, mostram que vivemos um período marcado por catástrofes econômicas, sociais e

políticas, geradoras de perdas profundas e intensas em todos os âmbitos da vida humana,

confinando o homem a uma existência mais segregada e isolada: a vivência do desamparo

ganha dimensões insuportáveis.

O ser humano de hoje se debate na luta para conseguir sua própria realização, q

tendo como modelo compartilhado socialmente a fama e o sucesso – estreitamente vinculados

à capacidade de consumo. Surge, pois, o conflito pela impotência e a culpa pelo não-sucesso,

que desembocam em um processo de auto-recriminações: ponto central de um estado

depressivo. A sociedade atual coloca a liberdade de escolha e iniciativa individual como

sendo seu mais elevado valor. Porém cobra seu tributo: o peso da responsabilidade de cada

um por si próprio, incluindo seus fracassos. As oportunidades de realização não são,

obviamente, estendidas a todos os seres humanos, sendo possíveis apenas para uma minoria...

Existe, pois, uma distância entre o que é oferecido e o que é possível, entre “o que surge como

ideal e o que se corporifica como atingível” (Peres, 1999, p. 11).

Embora possamos generalizar e falar do homem contemporâneo, sabemos que

a nossa clínica é, sobretudo, uma clínica do particular. Ainda que o contexto histórico-social

participe intensamente na construção de um modo de subjetivação hegemônico, nossa atenção

se dirige para a singularidade de cada ser humano. Porém, não podemos considerar como

secundária, ou mesmo desnecessária, a compreensão aprofundada do percurso realizado pela

humanidade, principalmente no momento atual em que não somente cada singularidade se

insere, mas também, sua família e a nós mesmos, psicanalistas, envolvidos com uma clínica

que precisa a todo momento re-pensar o homem, o nosso lugar e a nossa prática.

Assim, é que, em um primeiro momento, minha atenção e indagações se


14

voltaram para a depressão na sua relação com a pós-modernidade. Porém, na medida em que

este caminho foi sendo percorrido, fui me dando conta do quão amplo e complexo o tema se

coloca para uma dissertação de mestrado: um recorte se fez necessário.

Há algum tempo tenho me interessado pelo estudo da maternidade, tanto do

ponto de vista da mãe, quanto do bebê: pela relação mãe-bebê, enfim. Tenho observado, em

minha prática clínica, que a maneira como tal relação ocorre traz repercussões fundamentais

para a constituição psíquica do ser humano. Alguns teóricos da psicanálise têm se dedicado ao

tema e reforçado a necessidade de se realizar pesquisas sobre o assunto.

O nascimento de um filho tem sido considerado, histórica e ideologicamente

falando, como um momento de realização e alegria para as mulheres. “Uma visão geral da

pintura e escultura, ao longo da história, nos mostra que a gravidez e o puerpério sempre

foram tratados com exaltação e júbilo, mesmo em diferentes culturas e épocas” (Cury, 1997b,

p. 206). Mas, com o advento da psicanálise foi possível, a diversos autores, realizar uma

compreensão profunda do assunto que permitiu abordá-lo de maneira menos estereotipada e

mais realista. As clínicas psicológica e médica (incluindo a psiquiátrica) têm constatado que

uma parte significativa das mulheres passa por alguma forma de depressão decorrente da

maternidade. Wender (2002) afirma que a depressão puerperal afeta de 10% a 15% das

mulheres em geral (havendo prevalências relatadas entre 3,5% e 33%). Para 60% destas

mulheres, constitui-se como o primeiro episódio de depressão. A prevalência para mães

adolescentes chega a 26%.

Silva et al. (1998) realizaram revisão da literatura e encontraram fortes

evidências que indicam uma vulnerabilidade da mulher a transtornos do humor no período

pós-parto: “O período puerperal aumenta o risco de ocorrência da depressão e esta condição é

preditiva de novos episódios. O conhecimento desses aspectos reveste-se de grande

importância no contexto dos fatores relacionados à saúde da mulher” (p. 107). As pesquisas

realizadas por Rocha (1991) desembocam em uma conclusão mais contundente: “o período
15

após o parto representa a etapa de maior vulnerabilidade a distúrbios psiquiátricos em toda a

vida da mulher” (p. 2).

Portanto, o tema da depressão puerperal, ou depressão pós-parto (como é

popularmente conhecida) é relevante como tema de pesquisa. Parte das mulheres afetadas pela

depressão puerperal não conseguem dar continuidade ao seu percurso profissional e

existencial: não conseguem retornar às atividades profissionais, tendem a se isolar,

aumentando o risco de separação do casal, e, sobre o recém-nascido, as repercussões tendem a

ser muito danosas para o seu desenvolvimento global. “Diversos trabalhos mostram

inadequado desenvolvimento físico e emocional dos filhos de mães com problemas

psicológicos. Do ponto de vista pessoal, a puérpera deprimida corre o risco de apresentar

somatizações e continuar deprimida anos após a instalação do quadro” (Cury, 1997b, p. 207).

É possível, então, integrar dois assuntos que muito têm me instigado e trazido

inquietações: depressão e maternidade. No mesmo movimento estabeleço meu objeto de

estudo: a depressão puerperal.

Buscando conhecer como este tema fora tratado e compreendido através da

história, encontramos relatos de distúrbios mentais relacionados com a maternidade, desde o

século IV a.C. (Hamilton, 1962 apud Minerbo, 1983). Em seu livro Epidemias III, Hipócrates

faz uma descrição minuciosa de um desses casos, estabelecendo uma relação direta entre o

parto e a doença: o leite produzido pelas mamas durante o período de lactação subseqüente ao

parto invade o cérebro e produz tal distúrbio (Gordon; Clayton, 1959 apud Minerbo, 1983).

“Hipócrates especulou que a supressão dos lóquios poderia ser dirigida à cabeça resultando

em agitação, delírio e ataques de mania, no que parece constituir a primeira alusão ao

problema da depressão puerperal” (Cury, 1997b, p. 206 ).

Em 1600, Sennert considerava que tais distúrbios deviam-se aos vapores que

atingiam o cérebro vindos do útero (Silva et al., 1998, p. 108). Boerhave, no século XVII,

continua com a hipótese etiológica da amamentação e busca estabelecer as formas diversas


16

pelas quais tal distúrbio se manifesta (Gordon; Clayton, 1959 apud Minerbo, 1983).

“No início do século XIX, Prichard defendia que os distúrbios mentais do

puerpério eram causados por um refluxo para o cérebro da circulação sanguínea do útero para

os seios nos primeiros dias pós-parto” (Silva et al., 1998, p. 108). Esquirol (apud Minerbo,

1983) rejeitou as hipóteses etiológicas relacionadas com a amamentação ao observar que 19

parturientes de sua amostra que desenvolveram psicose puerperal, não haviam amamentado

seus filhos. Foi o primeiro estudioso a sistematizar as características destas psicoses,

entendendo-as como entidades diversas. Em 1845, introduz em seu Tratado sobre a loucura

um capítulo sobre a doença mental no puerpério.

Em 1859, o psiquiatra francês Marcé produziu uma monografia minuciosa

onde “pela primeira vez a psicose puerperal é descrita em detalhes”. Estabelece que os

sintomas que ocorrem em tais distúrbios não diferem, significativamente, das psicoses não

relacionadas ao puerpério, porém as síndromes que se manifestam em tais circunstâncias

possuem diferenças importantes, constituindo-se como entidades distintas das já descritas.

“Afirmava que no puerpério tais síndromes eram típicas, apresentavam um curso peculiar e

suas variações estavam relacionadas a mudanças nos órgãos reprodutores” (apud Silva et al.,

1998, p. 109).

No final do século XIX, as idéias de Kraepelin passaram a influenciar a

maneira de pensar e diagnosticar a psicose puerperal. “Autores que até então agrupavam esses

quadros em síndromes específicas, passaram a enquadrá-los como doenças psiquiátricas, do

tipo esquizofrenia ou de psicose maníaco-depressiva”. No decorrer desse século, o

diagnóstico oscilou entre quadros afetivos e quadros esquizofrênicos. Até hoje, o diagnóstico

dos quadros afetivos predominam entre os distúrbios psiquiátricos do pós-parto (Silva et al.,

1998, p. 109).

É possível, então, observar que tanto Esquirol, quanto Marcé, estabeleceram o

quadro conceitual no âmbito das psicoses, entendendo que “as psicoses que ocorrem por
17

ocasião do parto apresentam a mesma sintomatologia e manifestações clínicas verificadas nas

doenças mentais não relacionadas ao parto, porém a observação de Marcé, de que as

síndromes se organizam distintamente, perdeu-se com o tempo” (Minerbo, 1983, p. 2).

Paulatinamente, fortaleceu-se a proposição de uma inespecificidade dos

transtornos mentais do puerpério no campo psiquiátrico. Protheroe (1969) e Foundeur et al.

(1957) realizaram estudos de seguimento a longo prazo no âmbito da psicose maníaco-

depressiva e da esquizofrenia, concluindo que as doenças puerperais não diferem daquelas de

outros períodos. Bratfos e Haug (1966) compartilham deste ponto de vista, destacando que os

episódios de depressão puerperal se diferenciam das crises maníaco-depressivas comuns

apenas pelo fator desencadeante: o puerpério. Da mesma forma, Paykel et al. (1980) e Tod

(1964) consideram que as depressões clínicas moderadas (não psicóticas), que ocorrem no

puerpério, parecem ser de natureza similar àquelas que afetam as mulheres em outras

circunstâncias da sua vida. Os Manuais de Classificação dos Transtornos Mentais da

Organização Mundial da Saúde, a cada nova edição, trata o tema de maneira cada vez mais

inespecífica, chegando a afirmar explicitamente, no DSM III (1987), não haver evidências de

que a psicose puerperal constitua uma entidade psiquiátrica distinta. Nos manuais, a menção

de depressão puerperal se faz apenas em nota de rodapé (apud Silva et al., 1998).

Cury (1997b) descreve que, apesar da longínqua data da primeira referência ao

tema, somente no século XX, mais precisamente nas últimas décadas, é que a depressão

puerperal é tratada com relevância. Silva et al. (1998, p. 110) entende que:

A história dos estudos sobre a depressão pós-parto tem uma trajetória


mais linear que a dos distúrbios psicóticos puerperais exposta acima.
A presença na literatura de estudos incluindo quadros moderados de
depressão com número significativo de puérperas começa apenas na
década de 50 e continua em alguns poucos estudos na década de 60
(Tod, 1964). O estudo considerado pioneiro sobre depressão pós-parto
foi realizado por Brice Pitt em 1968.

Neste estudo, Pitt considerou a depressão pós-parto integrante de uma

classificação mais ampla dos distúrbios depressivos, denominando-a como “depressão atípica
18

do puerpério”, considerando-a uma variante branda da depressão fisiológica e “atípica” pela

proeminência de sintomas neuróticos: ansiedade, irritabilidade e fobias encobrindo a

depressão (apud Silva et al., 1998).

Atualmente, os distúrbios mentais do puerpério têm sido estudados em muitos

países e, em termos acadêmicos, têm recebido “crescente atenção por parte dos pesquisadores

e profissionais envolvidos com saúde mental. Uma demonstração disto foi a criação, em 1982,

da Marcé Society, uma entidade internacional que tem como objetivo estimular a pesquisa e a

comunicação no campo dos distúrbios mentais do puerpério” (Silva et al., 1998, p. 108).

Várias organizações se formaram buscando uma intervenção sobre a população em geral:

editam folhetos com esclarecimentos a respeito do assunto, oferecem serviços telefônicos e

grupos de ajuda mútua voltados para puérperas afetadas por distúrbios psicológicos.

No Brasil, existe uma organização semelhante, de incentivo à amamentação –

Amigas do Peito –, como também existe acompanhamento de gestantes e puérperas em vários

Centros de Saúde e Maternidades. Apesar da revisão de literatura sobre a depressão em

puérperas brasileiras ter sido realizada por Silva et al., no ano de 1998, parece continuar

válida sua observação de que:

[...] ainda não dispomos de estudos conclusivos sobre prevalência e


incidência de distúrbios mentais em mulheres brasileiras. As
publicações em português são escassas ou se restringem a pequenos
capítulos no interior de livros sobre a gravidez ou preparação para a
maternidade. Dessa forma, os transtornos depressivos em puérperas
são raramente reconhecidos, muitas vezes considerados pelo
profissional de saúde estados de ânimo ‘normais’, haja vista a tensão e
as alteracões hormonais próprias do período puerperal (p. 108).

É importante ressaltar que as perturbações psíquicas associadas ao nascimento

de um filho se colocam em graus bastante distintos e amplos quanto à severidade, porém, nem

todos podem ser considerados como depressão pós-parto. Nesse sentido, Holmes (1997, p.

169) esclarece que

Em realidade, algum grau de depressão, ansiedade, irritabilidade,


perda de apetite, distúrbio de sono, tendência ao choro e instabilidade
emocional é normal e esperado após dar à luz. Estas respostas
19

ocorrem pelo desconforto físico e o estresse associados ao trabalho de


parto e ao parto, as mudanças hormonais que ocorrem com o
nascimento da criança, o início da lactação, os efeitos colaterais de
medicamentos e o ambiente hospitalar.

Além disto, existem aspectos objetivos na relação maternofilial inicial

marcados pelo novo e pelo desconhecido. Inicialmente, mãe e filho se conhecem muito

pouco, o que dificulta a comunicação entre ambos. A sintonia emocional precisa ser

aprimorada gradualmente, para que a mãe possa decifrar as diversas manifestações do bebê. É

uma relação bem pouco estruturada, ou seja, baseada numa comunicação não-verbal e,

portanto, intensamente emocional. Este fator dá margem a amplas possibilidades de

interpretações projetivas por parte da mãe, mobilizando um repertório imenso de sensações,

sentimentos, fantasias e expectativas em relação ao filho e a si própria. “Em suma, o bebê ao

nascer se constitui num enigma: representa esperança de auto-realização para os pais e, ao

mesmo tempo, ameaça de expor as dificuldades ou deficiências dos pais; implica, portanto,

numa promessa de aumentar a auto-estima dos pais e, ao mesmo tempo, de denunciá-los

como pais maus” (Maldonado, 1974, p. 59-60).

Através do levantamento bibliográfico, pudemos verificar que a literatura sobre

este tema é escassa, no campo da Psicologia e na Psicanálise, quase inexistente. A maior parte

do material teórico encontrado é oriunda da Medicina: no capítulo 3 será abordado. Alguns

passos já foram dados na investigação deste tema. Muitas interrogações permanecem em

aberto e clamam pela busca: O que vivencia a pessoa com depressão puerperal? Quais os

processos psíquicos envolvidos? Qual(s) a(s) relação(s) possível(s) de estabelecer com a

vivência que o sujeito teve com sua mãe, nos primeiros meses de vida? Como entender o

desenvolvimento emocional e a história de vida desse sujeito? Enfim, por que o nascimento

de um filho desencadeia um estado de depressão na mãe, e o que a depressão puerperal tem de

específico que a diferencia de outros momentos depressivos na vida da mulher? Assim, de

forma resumida, podemos dizer que o objetivo desta dissertação é compreender o


20

psicodinamismo da depressão puerperal, sua etiologia e significação na história da mãe.


21

1 METODOLOGIA

Tão logo definimos o objeto de estudo e construímos o projeto de pesquisa,

fiquei ávida pelo contato com pessoas que viveram ou estavam passando pela depressão pós-

parto. Já havia feito algumas leituras a respeito do tema da depressão e ansiava pela prática,

antes mesmo de me preparar com as teorias específicas (levantamento bibliográfico): queria

estar pouco imbuída de preconcepções sobre o tema e deixar-me penetrar pela singularidade

de cada caso.

O procedimento metodológico estava, então, estabelecido: pesquisa qualitativa

na forma de estudo de caso. Na pesquisa qualitativa, o foco é, muito mais, colocado no

processo, que no produto, uma vez que o sujeito tem um papel essencial nesse tipo de

investigação. Interessa o estudo do tema a partir do significado e da maneira como o sujeito o

vivencia (Lüdke; André, 1986). “O estudo de caso é caracterizado pelo estudo profundo e

exaustivo de um ou de poucos objetos, de maneira que permita o seu amplo e detalhado

conhecimento [...]” (Gil, 1991, p. 58). Compreende-se, dessa forma, que o estudo de caso,

parte do singular para tentar alcançar os aspectos possíveis de generalização.

No campo da Psicologia Clínica, a coleta de dados pode ser realizada através

de um processo de avaliação psicológica. Nessa perspectiva, a nossa busca principal estava,

muito mais, no estudo do psicodinamismo que na classificação diagnóstica do sujeito

abordado. Aliás, “a palavra diagnóstico origina-se do grego diagnõstikos e significa

discernimento, faculdade de conhecer, de ver através de” (Ancona-Lopes, 1984, p. l).

O processo diagnóstico compõe-se de uma seqüência de fases e passos

estruturados e orientados em função de determinado embasamento teórico e prático.


22

Adotamos a proposta do processo diagnóstico de tipo compreensivo, que, como sugere a

própria designação, pretende abarcar

multiplicidade de fatores em jogo na realização de estudos de casos,


tal como a encontramos hoje em nosso meio. O termo deriva de
compraehendere que, em latim, significa abraçar, tomar e apreender o
conjunto. Designa, presentemente, no diagnóstico psicológico, uma
série de situações que inclui, entre outros aspectos, o de encontrar um
sentido para o conjunto das informações disponíveis, tomar aquilo que
é relevante e significativo na personalidade, entrar empaticamente em
contato emocional e, também, conhecer os motivos profundos da vida
emocional de alguém (Trinca, 1984a, p. 15).

O processo compreensivo considera que as perturbações individuais são

resultantes das forças e conjuntos de forças em interação entre as dinâmicas intrapsíquicas,

intrafamiliares e sócio-culturais. Tem seus fatores estruturantes, que lhe atribuem

características e identidade próprias. Trinca (1984a), explicita-os:

1) objetivo de elucidar o significado das perturbações;

2) ênfase na dinâmica emocional inconsciente;

3) considerações de conjunto para o material clínico;

4) busca de compreensão psicológica globalizada do paciente;

5) seleção de aspectos centrais e nodais;

6) predomínio do julgamento clínico;

7) subordinação do processo diagnóstico ao pensamento clínico; e

8) prevalência do uso de métodos e técnicas de exames fundamentados na

associação livre.

Cabe destacar aqui um aspecto bastante importante (presente durante todo o

tempo) na realização da investigação psicológica aqui proposta: a instrumentação da relação

psicólogo-cliente.

Como já foi dito, o diagnóstico compreensivo busca uma compreensão

globalizante do ser humano. O entrevistado, então, não deve ser visto como um simples

“fornecedor de informações”, na medida em que o trabalho é realizado através do encontro


23

entre entrevistado e entrevistador. Nesse sentido, Tsu (1984, p. 40) afirma que “as questões

concernentes à relação entre o psicólogo e o cliente, vistos como sujeitos que possuem

interioridade psíquica e que se movem numa rede de inter-relações, têm um caráter central em

toda a práxis psicológica”. Assim, o aspecto relacional no campo da pesquisa e prática

psicológica pode ser instrumentado, ou seja, constitui-se como um meio através do qual se

pode conhecer, diagnosticar ou atuar terapeuticamente, uma vez que, “no caso do psicólogo

clínico, a ferramenta principal é a observação apurada de tudo quanto acontece, ou emerge, no

campo relacional” (Tsu, 1984, p. 4l).

Os conhecimentos assim obtidos serão epistemologicamente confiáveis quando

forem tomados os cuidados necessários, tanto em termos da técnica, quanto da ética. Porém, o

ponto mais fundamental refere-se ao preparo e ao aperfeiçoamento pessoal do psicólogo: ao

percurso que realizou na sua análise pessoal. “Isto posto, deparamo-nos com o fato de que

esse profissional precisa dispor, além de um marco referencial e de recursos intelectuais, de

suas próprias emoções. Com estes elementos o psicólogo pode observar, identificar e analisar

os fenômenos que ocorrem em si mesmo, no paciente e entre ambos” (Santiago, 1984, p. 69).

Isso, porque “cada vez mais o saber revela sua relatividade, sua natureza de projeção da mente

humana. Cada vez mais o estudioso aprende a considerar o que se passa no mundo e que se

passa com suas representações desse processo” (Silva, 1993, p. 15).

Assim, delimitamos o procedimento metodológico, em termos gerais,

submetemos o projeto de pesquisa à avaliação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da PUC/SP,

tendo sido aprovado com o Protocolo nº 058/2005 (Anexo B) e fomos a campo.

Trabalho como supervisora de estágios em uma clínica-escola de psicologia de

uma universidade do interior de São Paulo. Nessa clínica recebemos o nosso sujeito – aqui

denominado de Lara – que foi pedir ajuda psicológica. Inscreveu-se para o serviço de

avaliação psicológica, uma vez que era a porta de entrada possível, naquele momento em que

procurou atendimento. Combinamos que faríamos um trabalho de avaliação psicológica com


24

duração de 6 a 8 encontros, tendo assinado o termo de consentimento (Anexo A).

Realizamos em um primeiro momento a entrevista livre e, posteriormente,

semidirigida (Apêndice A). No final do processo, ocorreu a entrevista devolutiva.

A entrevista livre é geralmente utilizada, em um primeiro momento, para que o

entrevistado tenha oportunidade de falar livremente sobre o tema em questão. Esta técnica

pode favorecer a livre associação e, ao mesmo tempo, criar um melhor rapport entre a dupla,

na medida em que permite que o entrevistado aborde os conteúdos que queira ou possa

abordar, no momento. Ao mesmo tempo, vai oferecendo ao entrevistador conteúdos sobre o

tema e, enquanto fala, “fornece indícios e pistas no seu tom de voz, na sua modalidade de

construir as frases, nas suas pausas, na utilização de imagens, capazes de conduzir a

importantes atitudes, sentimentos e fantasias – de que diretamente não pode falar e a respeito

dos quais pode na verdade não ter consciência” (Nemiah, 1981, p. 45).

Na medida em que Lara foi esgotando a possibilidade de falar totalmente livre,

foi se introduzindo a entrevista semidirigida. Uma entrevista é semidirigida quando o

entrevistado tem liberdade para expor as questões bastante amplas, colocadas pelo

entrevistador, começando por onde preferir e incluindo o que desejar. Permite, assim, que o

campo psicológico configurado pelo entrevistador e o entrevistado se estruture em função de

vetores assinalados pelo último. Mas, difere da técnica de entrevista totalmente livre, porque

[...] o entrevistador intervêm a fim de:


a) assinalar alguns vetores quando o entrevistado não sabe como
começar ou continuar. Estas perguntas são feitas, é claro, da maneira
mais ampla possível; b) assinalar situações de bloqueio ou paralisação
por incremento da angústia para assegurar o cumprimento dos
objetivos da entrevista; c) indagar acerca de aspectos da conduta do
entrevistado, aos quais este não se referiu espontaneamente, acerca de
‘lacunas’ na informação que são consideradas de especial
importância, ou acerca de contradições, ambigüidades e verbalizações
‘obscuras’ (Ocampo; Arzeno; Piccolo, 1990, p. 23).

Tanto na entrevista totalmente livre, quanto na entrevista semidirigida, buscou-

se observar o “fluxo de pensamento” da entrevistada. O fluxo de pensamento é importante


25

porque permite a associação de idéias: considera-se que os pensamentos não aparecem na

consciência por acaso, pois sua aparição, seu conteúdo e sua seqüência são determinados por

conexões a um tema subjacente, a um motivo, a um sentimento ou impulso que podem, no

momento da fala, não estarem acessíveis. “Se, por conseguinte, se permite a uma pessoa que

associe livremente, isto é, que observe e comunique todas as idéias que fluem através da sua

consciência, pode-se eventualmente chegar a uma compreensão do fator central que determina

as idéias” (Ocampo; Arzeno; Piccolo, 1990, p. 46). Quando, porém, o entrevistador

interrompe o entrevistado com muita freqüência ou acrescenta suas próprias idéias, pode-se

contaminar e deformar o curso das associações e impossibilitar que os conteúdos subjacentes

se revelem. Os referidos autores chamam a atenção para a complexidade e dificuldade que

envolve o manejo deste instrumento: “devido à relutância normal que ocorre com todos os

nossos pensamentos e fantasias, a verdadeira associação livre é um ideal raramente atingido”

(p. 47). Entretanto, mesmo as associações que não se aproximam desse ideal de perfeição,

possibilitam ao entrevistador habilitado compreender mais profundamente o psiquismo do

entrevistado.

Assim sendo, foram realizadas oito entrevistas, para, então, se fazer uma

entrevista devolutiva. A maior parte do material utilizado nesta dissertação provém destes

encontros.

A entrevista devolutiva “é aquela na qual se transmite ao paciente [...] a

compreensão obtida durante o processo de psicodiagnóstico” (Santiago, 1984, p. 75).

Usualmente, é realizada no final do processo, o que não impede que um profissional

experiente e competente faça algumas devoluções no decorrer das demais entrevistas, na

medida em que pode ir oferecendo ao cliente algumas compreensões significativas. “As

informações diagnósticas transmitidas pelo psicólogo devem ser aquelas que podem ser

recebidas no momento pelo paciente” o que coloca a necessidade de se estimar os recursos

egóicos deste e respeitar os limites estabelecidos pelo seu sistema defensivo (Santiago, 1984,
26

p. 79).

Entretanto, no momento de se pensar o conteúdo da devolutiva, foi tornando-se

claro que não seria possível interromper o trabalho com essa mulher... Sujeito da minha

pesquisa... Colocou-se a necessidade de continuidade no tempo, com alguém que parecia ter a

subjetividade bastante marcada por rupturas significativas. Por isso, o enquadre metodológico

da pesquisa foi alterado: conversei com Lara sobre a possibilidade de prosseguirmos com um

atendimento psicológico que lhe propiciasse continuar o caminho, já que se sentia tão

“atolada” [sic]. Ela disse que queria isso mesmo, e, desde então, temos realizado um trabalho

psicanalítico.

Silva (1993) tece em seu estudo Pensar em psicanálise, considerações

esclarecedoras a respeito da pesquisa em psicanálise. Ao iniciar a investigação, o pesquisador

precisa renunciar aos conhecimentos prévios acerca do paciente ou da teoria, colocando-se

“numa posição de receptiva curiosidade” (p. 22). E, continua:

Para se contrapor ao medo de que nada de novo surja, ou à


necessidade imperiosa de mostrar eficiência, há que acreditar no
eterno movimento da vida, na natureza sempre pulsando em direção à
representação, e ficar tranqüilo de que um sentido sempre acabará por
ser fazer, porque é da ordem do humano que assim aconteça (p. 22).

Quando o sentido emerge da relação observador-observado, é necessário criar

uma representação que possa se referir àquilo que foi identificado, e, também, permita sua

comparação com eventos ainda não ocorridos. Então, faz-se a articulação com a teoria

psicanalítica. “A dupla articulação – com eventos e com teorias – corresponderia a um teste

de hipótese, conferindo um estatuto de cientificidade ao conhecimento assim adquirido, o que

não significa atribuir-lhe o qualificativo de verdade” (Silva, 1993, p. 23).

Assim, a pesquisa em psicanálise nasce da insatisfação com o já-sabido, que

pode ser dolorosa: a saída pode estar na atividade investigativa. Mezan (1993) entende que,

para que isso ocorra, é necessário que o psicanalista realize um investimento importante no

processo de pensamento, além de exigir “um grau razoável de tolerância à frustração, aqui
27

representada pela capacidade de reconhecer o fracasso e de suportar a incerteza até mesmo

quanto à existência de uma solução para o problema que o estimulou” (p. 88).

Diante do problema, o primeiro passo consiste em traçar um balanço dos meios

existentes para solucioná-lo. Com tal mapeamento, é possível ter alguma idéia daquilo que se

busca descobrir: poder-se-ia denominar de “hipóteses pré-teóricas”. Tem-se, então, o que

Kohut denominou de experimentação pelo pensamento: “é o momento em que o pesquisador

vê-se imerso em perplexidades, em impasses, até que alguma via apresente-se como capaz de

ordenar os problemas e as hipóteses em seqüências potencialmente férteis” (apud Mezan,

1993, p. 88). Dessa maneira, algo se esclarece e pode ser oferecido como contribuição, ainda

que modesta, à psicanálise. Ao mesmo tempo, pode se articular de maneira a ser aproveitável

por outros. Para Mezan (1993), esse é o modelo do que deveria ser um trabalho de dissertação

ou de tese em psicanálise.

Safra (1993) nos lembra que Freud construiu sua obra através de um

aprendizado contínuo de sua prática e das dificuldades encontradas ao longo do percurso. Isso

levou a manter seus constructos teóricos em permanente transformação e expansão. Assim ele

se expressa:

Temos na origem e na história do desenvolvimento psicanalítico o


modelo de pesquisa em psicanálise: o diálogo permanente entre a
teoria e a clínica. A articulação teórica sem referência à clínica corre o
risco de aproximar-se das manifestações do pensamento delirante. A
clínica sem a conceitualização teórica pode perder-se na indisciplina
de uma prática onipotente e sem rigor metodológico (p. 120).

É preciso lembrar, todavia, que o uso do material clínico, na pesquisa

psicanalítica, encontra algumas dificuldades que Safra (1993) busca elucidar.

Um primeiro ponto refere-se ao relato do material. Seria o relato uma

reprodução exata do que ocorreu na sessão? Se a resposta for negativa, teríamos aí um

impedimento na utilização do material para fins de pesquisa?

O relato não consegue alcançar, exatamente, o que ocorreu na sessão, dado que
28

há “uma dimensão infinita no encontro, que mesmo com o uso de aparelhos sofisticados, do

ponto de vista tecnológico, não conseguiríamos abranger [...]. Pretender que fosse exato seria

acreditarmos onipotentemente que captamos o absoluto” (p. 124). Somente através do

reconhecimento desse limite é que podemos manter nossa objetividade na investigação. Freud

inaugura uma nova disciplina e uma nova maneira de fazer pesquisa.

Silva (1993) considera que “o método da psicanálise caracteriza-se por

abertura, construção e participação” (p. 20). Isso porque:

A metodologia sofre uma mudança radical abandonando o modelo S-


O da ciência positivista, no qual um sujeito pensava um mundo
objetivo, externo, inerte, cujas leis de funcionamento distinguiam-se
substancialmente das leis do pensar que o examinava, e vai considerar
um relacionamento íntimo em que praticamente S e O criam-se
mutuamente (p. 16).

Safra (1993) destaca um outro aspecto bastante importante na utilização do

material clínico: o sigilo. Quando definimos pelo estudo de um caso, ficamos bastante

preocupados e cuidadosos com a não apresentação de elementos que pudessem favorecer a

identificação da paciente.

Assim sendo, atribuímos-lhe (e às demais pessoas nomeadas) um nome fictício

– Lara –, e procuramos trazer somente os conteúdos necessários para a compreensão da

problemática levantada neste trabalho. Como afirma Safra (1993), “mesmo que esse

procedimento traga algum prejuízo na compreensão de sutilezas do fenômeno clínico, ele é

pequeno quando o comparamos com a importância de preservar o sigilo profissional e a

privacidade do paciente” (p. 125).

Isso significa que o material clínico aqui apresentado, passou por um recorte

delimitado, tanto pelos cuidados com o sigilo, quanto pelos aspectos que estamos interessados

em pesquisar, e pelas concepções teóricas, aqui, utilizadas. Safra (1993) considera que “a

experiência clínica apresenta uma infinidade de variáveis e fenômenos impossíveis de serem

abarcados por um único vértice ou concepção teórica” (p. 129). Por isso, se faz necessário um
29

recorte da pesquisa.

Começaremos, então, pelo primeiro encontro com Lara.


30

2 O PRIMEIRO ENCONTRO COM LARA

Em nosso primeiro encontro, Lara estava com 33 anos de idade e tinha uma

aparência que sugeria ansiedade, cansaço e a necessidade de falar. Trajava roupas simples e

limpas, os cabelos soltos, os olhos avermelhados e com olheiras. Estava sentada na sala de

espera e quando me dirigi a ela me apresentando, não alterou praticamente em nada sua

expressão facial, exceto abrindo um pouco mais os olhos. O seu corpo e sua maneira de andar

e sentar-se me sugeriram muita tensão. Após as formalidades iniciais e esclarecimentos

referentes ao trabalho que realizaríamos, coloquei-me na condição de escuta para que ela se

manifestasse livremente.

Ela inicia dizendo que está com depressão. Sente-se triste, sem vontade de

fazer nada. Não consegue fazer o serviço de casa e a filha mais velha, com 11 anos, é quem a

ajuda... Faz tratamento com um psiquiatra, que foi quem disse que precisaria de tratamento

psicológico. Toma um remédio, porém, usa somente um comprimido por causa do estado que

ficava quando usava a dosagem prescrita (dois comprimidos ao dia): sentia muito sono,

quando saía de casa andava de maneira muito sonolenta e achava que as pessoas ficavam

olhando para ela.

Já fez tratamento com um psicólogo que trabalhava como voluntário em uma

instituição espírita, mas acabou desistindo porque ele viajava muito e quase não havia

atendimentos: ele faltava muito. Quando ele retornou e chamou para continuar o trabalho,

Lara disse que não continuaria o trabalho, mas que gostaria que sua irmã pudesse ocupar sua

vaga, já que, também estava com depressão. Assim, sua irmã continuou no seu lugar. Após

algum tempo, conseguiu vaga no Ambulatório de Saúde Mental de sua cidade para realizar
31

um tratamento psicológico em grupo. Fez isso por um tempo, mas parou porque não gostou:

por ser em grupo e porque a psicóloga do grupo falou que, para resolver seus problemas, a

solução seria separar-se de seu marido: Lara diz não ter gostado nada disso!

[Pausa]

Seu marido é uma pessoa boa, que procura ajudá-la: chama-a para passear em

bailes, festas, bares e churrascos com os colegas dele. Porém, Lara não vai porque não gosta

que o marido beba cerveja e fique embriagado: já tiveram muitas brigas por esse motivo. Seu

único defeito é gostar de tomar cerveja.

Sua irmã, “também tem depressão e está muito mal, e isso me prejudica,

porque ela fica falando coisas que me derrubam. As pessoas, também, ficam falando coisas

que me derrubam: quando estou levantando, vem um e puxa meu tapete...” [sic]. Tem tido

problemas para dormir: à noite costuma ficar muito agitada, muito ansiosa e sente muito frio.

Para sair e fazer coisas fora de casa (p. ex., levar a filha na escola), também tem “esses

excessos de ansiedade e, então, me sinto muito cansada. Às vezes, já acordo cansada e sem

vontade de fazer nada. Na rua, às vezes, fico tonta, perdida e fico achando que as pessoas

estão me olhando: fico olhando para ver se estão me olhando...”.

[Pausa]

Acha que é muito rígida com os filhos [repetiu isso algumas vezes, ao longo da

entrevista]: “tudo que vão fazer, têm que me pedir: até para comer alguma coisa, em casa...

Não consigo deixar eles irem para nenhum lugar que eu não esteja: tenho medo que aconteça

alguma coisa... Estou muito dura do coração, porque sou muito tensa e meus filhos têm muito

medo de mim... Não quero isso!” [Chora]


32

Tem medo que os filhos fiquem como ela. Quando fica nervosa, fala “coisas

absurdas para eles: minha filha mais velha até pede para eu não falar assim... Tenho muitos

problemas de saúde por causa do meu emocional: já tive ulceração nos olhos (parece que

está voltando...), problemas de pulmão, crises de alergia, desmaios, tonteiras...”. Lara se

questiona se os problemas de saúde que seus filhos têm, constantemente, não seriam

emocionais, também: “fico apavorada só de pensar nisso!”. Pede a Deus, todos os dias, para

que não morra agora, que espere seus filhos crescerem... [Chora]

[Pausa]

Gosta muito dos seus filhos e conversa muito com eles, explica tudo o que eles

querem (dentro daquilo que ela sabe). Diz que sua mãe não lhe ensinou nada: teve que

aprender tudo sozinha... Sua mãe também tem depressão e mesmo assim consegue cuidar dos

seus dois irmãos...Não sabe como sua “mãe consegue isso: deve ser muito forte!”. Lara quer

voltar a estudar para poder ajudar os filhos com as tarefas da escola e acompanhar o marido,

em termos de conhecimento (marido completou o 3º. Colegial, no ano anterior): “as pessoas

ficam falando que ele [marido] está indo e eu ficando para trás... e, que ele gosta de

velhas...” [sic]. O marido trabalha em um estabelecimento comercial bastante freqüentado por

mulheres e Lara “ficava louca de ciúmes: ele chegava tarde da escola e, às vezes, tomava

cerveja...”. Agora, está tentando “parar com estes ciúmes, porque preciso me concentrar em

melhorar a mim mesma”.

O tempo da entrevista estava terminando. Durante a entrevista, Lara falou de

maneira lenta e arrastada. Seus olhos estavam constantemente umedecidos pelas lágrimas. As

pausas pareciam trazer-lhe muita angústia: insuportável. Nesses momentos, tentei oferecer-lhe

acolhimento, reconhecimento dos seus sentimentos e suporte para que continuasse... Este

encontro ficou marcado por muita angústia e dor: quase desespero. Mas, também, pelo pedido
33

de ajuda e pela esperança de melhorar a si mesma (como ela mesma disse).


34

3 DIAGNÓSTICO E ETIOLOGIA DA DEPRESSÃO PUERPERAL

Lara estava imersa em um estado depressivo: sua aparência e sua fala

revelavam isso. Parecia estar extremamente decepcionada consigo mesma pela dureza e

agressividade que tratava seus filhos: uma mãe má. Ao mesmo tempo, sentia que sua mãe não

lhe ensinou nada porque também é doente. E, como foi se revelando nos demais encontros,

Lara localiza o início de sua depressão em um momento de vivência da maternidade: quando

nasceu sua segunda filha – Mariana ( com 7 anos no momento da investigação).

Tinha acabado de se mudar para a casa e o bairro em que mora atualmente, e

parado de trabalhar em uma indústria do setor calçadista. Gostava muito de trabalhar em tal

indústria, mas precisou se demitir devido à mudança de bairro: ficaria muito difícil conciliar a

distância entre trabalho e residência, mais o fato de ter de cuidar de uma filha com 4 anos

(Maria Luisa) e um bebê que logo iria nascer. Porém, sua nova casa ainda estava por terminar

e suas vizinhas ficavam dizendo que ela precisava trabalhar para contribuir com o término da

construção: “fui ficando muito nervosa com toda esta falação!” Depois do parto da Mariana,

tudo começou a piorar: o bebê teve problemas intestinais, com adaptação ao leite e outras

dificuldades que faziam com que tivesse que ir ao médico com muita freqüência. Começou a

sentir muito desânimo, cansaço, tristeza, chorar muito, ter tonteiras, queria ficar somente no

quarto e não ver ninguém, tudo a deixava nervosa e a assustava. E, após seis meses, ainda

precisou se submeter a uma cirurgia de hemorróidas. Mas, “sempre cuidei direitinho das

minhas filhas: do bebê e da mais velha”.

Aos poucos, foi recuperando-se desta primeira depressão, mas, “em 2000,

quando o José Victor nasceu, tive depressão pela segunda vez”. Então, muitas coisas
35

ocorreram: Mariana, que estava com quatro anos, “teve uma convulsão (o médico que a

atendeu falou que era para chamar atenção), ficou uma semana sem comer, teve pneumonia

duas vezes, alergia, vermes, febre muito alta, e não descobriram o porquê...”. Lara conta que

era “sozinha para tudo e a Maria Luisa é quem ajudava, porque a minha família não tinha

condições de ajudar: a minha mãe sempre foi muito doente e, também, tem depressão. Além

disso, tenho dois irmãos com deficiência mental e minha mãe tem que ficar por conta deles”.

Diz que uma irmã sua tentou ajudá-la nos momentos mais difíceis, mas ela, também, tinha

depressão e ficava falando coisas que acabavam fazendo com que Lara ficasse pior ainda. As

pessoas, em geral, também, “ficavam falando coisas que acabavam me derrubando e me

deixando fraca: ficavam falando do meu marido e que eu tinha que trabalhar, ajudar em casa

e ficar mais animada...”.

Também, desta “segunda depressão”, foi se recuperando. Mas, em julho de

2002, teve sua “terceira depressão”: quando participou de um encontro de casais realizado

pela paróquia do seu bairro. Ficaram reclusos por dois dias: “durante este tempo eu passei

mal, foi horrível e ninguém se deu conta disso. Isso porque foi tudo demais para mim: foi

muita emoção e eu não agüentei. O padre ia falando as coisas, a gente já era recebida com

música, já colocavam a gente sentada e traziam as melhores coisas para comer, já faziam

tudo por nós: era uma coisa muito além daquilo que é a minha realidade... e as coisas que

eram faladas... diziam que somos pessoas de luz, que a gente seria semente e teria que levar

tudo para as outras pessoas, espalhar esta semente para todos os lugares... Eu só fui

passando mal... e lá fechada... foi demais para mim! E, me deu de novo esta depressão: fiquei

ruim, mesmo!” [sic]. Antes desse encontro, Lara estava se sentindo “meio desorientada, mas

não estava deprimida”. Então, seu marido achou que participar de um evento deste tipo

poderia lhe fazer bem: “foi a pior coisa e eles não imaginam o quanto foi ruim e fez mal para

mim!”.

Nenhum dos dois episódios de depressão pós-parto foi diagnosticado,


36

devidamente, quando ocorreram. Lara não se lembra, exatamente, quando foi diagnosticada

sua depressão, por um psiquiatra: acredita que tenha sido depois de um certo tempo do

nascimento de seu filho – José Vitor. A partir daí, começou a tomar antidepressivos e

ansiolíticos. Não se adaptou bem aos antidepressivos e os abandonou, daí três ou quatro

meses, após o início do nosso trabalho. Quanto aos ansiolíticos, tem realizado experiências

significativas, no intuito de separar-se deles.

Estamos atribuindo o diagnóstico de depressão pós-parto, partindo do relato

que Lara faz do fenômeno, mesmo que distante no tempo. Parece ter sido o início (ou o

desvelamento) de uma trajetória marcada pela depressão.

De acordo com o levantamento bibliográfico realizado, as alterações psíquicas

mais comuns vivenciadas pelas mulheres no puerpério são categorizadas levando-se em

consideração, principalmente, o grau de severidade da perturbação. Na literatura científica

encontramos três categorias: a Síndrome de Tristeza Pós-Parto, a Depressão Puerperal e a

Psicose Puerperal.

Muitas mulheres (26% a 85%) experimentam a Síndrome de Tristeza Pós-

Parto, também conhecida por vários outros nomes, dentre eles, o Blues Puerperal (“Baby

Blues”). Trata-se de um estado transitório de depressão do humor circunscrito às duas

primeiras semanas após o parto, em que ocorrem crises de choro e tristeza (sem razão

aparente); aumento da ansiedade, irritabilidade, sensibilidade e instabilidade emocional;

fadiga e dificuldades em relação ao sono. Remete a um estado da alma de grande nostalgia (e,

por que não, de beleza?), o que justifica a não tradução do termo blues:

Quem já se permitiu observar atentamente as puérperas... há de ter


percebido um clima de grandes oscilações. Há de ter escutado alguém
que lamenta uma perda e pede... que se rejubila por um ganho e
oferece... Há de ter ouvido uma sonoridade que pesa, às vezes rude,
mas que tem brandura, arredondamento, calor e humanidade... Ouviu
então as manifestações mais primitivas e profundas de uma emoção.
As mesmas emoções primitivas presentes nos cantos dos povos que
cantam pesarosamente a perda da terra natal... e louva acolhido na
nova terra [...]. Este é o blue: música folclórica da alma dos negros
37

norte-americanos. Música de raízes (Ferrari, 1992 apud Álvares,


2000).

Os estudos a respeito desta perturbação psíquica são raros e superficiais,

possivelmente em decorrência da sua brevidade e relativa benignidade; apesar de,

indubitavelmente, acarretar sofrimento e dificuldades no desempenho da maternidade e das

relações interpessoais. “Evidências sugerem que mulheres que têm tal experiência têm risco

aumentado para desenvolver depressão pós-parto posteriormente, especialmente se os

sintomas do ‘baby blues’ são graves” (Wender, 2002, p. 440-441).

No outro extremo de severidade, temos a Psicose Puerperal que ocorre em

0,2% da mulheres puérperas e aparece, geralmente, de maneira abrupta “após um período de

dois a três dias assintomáticos, freqüentemente nas três primeiras semanas após o parto”

(Oates,1986 apud Rocha, 1991, p. 14). Está incluída no grupo de perturbações psíquicas

severas por apresentar dificuldades, às vezes bem acentuadas, no contato com a realidade e

riscos de ferir-se e/ou ferir o bebê, levando, eventualmente, à morte. Soifer (1992, p. 83) faz

um resumo da sintomatologia do quadro:

Em sua expressão mais extrema, como dissemos, a mulher torna-se


ensimesmada, afastada, triste, rejeita o filho, em geral declara que não
pode vê-lo, sofre insônia, inapetência, descuida-se da própria
aparência, não se veste, não se banha nem se penteia. Muitas vezes faz
referência a alucinações, geralmente auditivas, ou exprime idéias
delirantes.[...] a ansiedade é de esvaziamento ou de castração. As
idéias delirantes são do tipo paranóide: alguém vem roubar a paciente,
matá-la, envenená-la.

Soifer (1992) inclui neste quadro algumas características melancólicas

envolvendo sentimentos de autodepreciação e autocensura em que a mãe se vê inútil,

imprestável e insegura sobre sua capacidade de criar o(s) filho(s). Os delírios e alucinações,

freqüentemente, podem envolver o bebê. “A mãe pode ter pensamentos que o bebê está

‘possuído pelo demônio’ ou que ele pode morrer. Também pode ter alucinações auditivas, em

que lhe dizem para matar o filho” (Wender, 2002, p. 441). Por isso, a psicose pós-parto é
38

considerada uma emergência médica, sendo a maioria das pacientes internadas em hospital

para serem tratadas com medicamentos e protegidas dos riscos descritos.

Na revisão da literatura realizada por Rocha (1991, p. l4), encontramos um

dado relevante sobre a incidência da psicose pós-parto que vem corroborar o que já foi

enfatizado, anteriormente, a respeito da vulnerabilidade que a mulher vivencia no puerpério:

“a incidência de psicose no puerpério, particularmente nos três primeiros meses após o parto,

é 10 a 20 vezes superior em relação a outros períodos de vida da mulher” (Paffenbarger, 1964

apud Rocha, 1991; Kendell et al., 1981 apud Rocha, 1991; Kendell, 1985 apud Rocha, 1991).

É um quadro grave e que merece estudos aprofundados. Tanto o blues puerperal, quanto a

psicose no puerpério, não são propriamente nosso objeto de estudo, porém faz-se necessário

discriminar tais quadros da depressão pós-parto, o que justifica estas breves considerações.

Então, chegamos na Depressão Puerperal, cuja prevalência já foi abordada

anteriormente. Instala-se nos primeiros meses após o parto e apresenta intensidade variável,

sendo que nos casos mais graves, difere da psicose puerperal pela ausência de delírios ou

alucinações. Caracteriza-se

[...] por uma experiência relativamente contínua de tristeza ou


diminuição na capacidade para experimentar prazer, estado este que
se acompanha freqüentemente de ansiedade e, por vezes, de sintomas
somáticos como alteração do apetite, do sono e fadiga. A puérpera
sente dificuldades no desempenho das tarefas domésticas, e em geral
percebe a alteração no humor, mas quase sempre reluta em relatá-las a
outros (Silva et al., 1998, p. 110).

No CID-10 da OMS (2000) consta uma categoria residual no código F53:

Transtornos mentais e de comportamento associados ao puerpério, não classificados em

outros locais, designando, em F53.0, a depressão pós-parto ou puerperal. Não caracteriza o

transtorno e não considera uma entidade psicopatológica distinta.

Rocha (1991, p. 10) aborda este assunto utilizando o termo Depressão

Neurótica Pós-Parto e descreve os principais sintomas:


39

[...] tristeza; choro fácil; desalento; abatimento; labilidade emocional;


anorexia; às vezes acompanhada de náuseas; distúrbios do
sono,principalmente insônia inicial e preocupações envolvendo o bebê
como, por exemplo, sentimento de não amá-lo o suficiente, medo de
prejudicá-lo, ansiedade com o sono e com a alimentação da criança,
sentimento de incapacidade para um cuidado adequado, podendo
haver também, nas multíparas, temor do ciúme dos filhos mais velhos
em relação ao bebê; fadiga, freqüentemente envolvendo os próprios
cuidados com a criança; hipocondria; irritabilidade; dificuldade de
concentração e memorização; perda do interesse sexual; idéias
suicidas e sentimentos negativos para com o marido.

O início dos sintomas é gradual (podendo se confundir com a Tristeza Pós-

Parto), não sendo “tão claramente delimitado no tempo como os quadros psicóticos, que

tendem a ocorrer muito precocemente” (Martins et al., 1989 apud Rocha, 1991). De acordo

com Pitt (1968), os sintomas iniciam-se quando a mulher retorna ao lar. Paykel et al. (1980)

consideram que “cerca de 88% começam após o parto, com pico na primeira semana, 8% têm

início duas semanas antes do parto e 4% fazem parte de um quadro crônico” (apud Rocha,

1991, p. 10).

E, qual(s) seria(m) a(s) causa(s) da depressão puerperal? A literatura científica

é enfática ao considerar que a etiologia é complexa e ainda não claramente compreendida,

uma vez que o período pós-parto “é acompanhado por profundas alterações neuroendócrinas e

psicossociais. A interação destes fatores é provavelmente responsável pela patogênese dos

distúrbios afetivos” (Wender et al., 2002, p. 439). Cury (1997b) compartilha com essa

perspectiva considerando que “as evidências sugerem que a DP seja, de fato, problema

multideterminado, concorrendo para seu surgimento, manutenção e gravidade, fatores

biológicos, psicológicos e socioculturais” (p. 209).

As teorias biológicas apontam as diferentes substâncias que apresentam

flutuações no ciclo gravídico-puerperal. Steiner (1979, apud Cury, 1997b) publicou revisão

sobre as principais alterações bioquímicas relacionadas com a depressão puerperal:

estrógenos, progesterona, prolactina, endorfinas, norepinefrina, cortisol e cálcio. Atualmente,

tem sido dada grande atenção à serotonina, ao hormônio de crescimento e tireoideano.


40

Portanto, “vários autores postulam uma etiologia preferencialmente biológica para as

depressões puerperais, embora reconhecendo que nenhuma base fisiológica específica tenha

sido demonstrada até o momento” (Rocha, 1991, p. 10). Entretanto, outros autores consideram

que outros fatores são mais fundamentais na etiologia destes quadros.

Jadresic et al. (1993, p. 71) foram os pioneiros na publicação de estudos sobre

a depressão puerperal no contexto da América Latina e afirmam: “Nossos resultados, se bem

que provêm de um estudo com a limitação de carecer de medições biológicas, respaldam a

idéia, hoje predominante, de que os fatores psicológicos e sociais constituem-se como

fundamentais na etiologia destes quadros [depressivos]”. Nesse sentido, atribuem grande

importância aos acontecimentos vitais, ou seja, ressaltam os fatos adicionais que as mulheres

podem experimentar na gestação e puerpério. A interação de eventos vitais com algumas

circunstâncias pode desestabilizar o equilíbrio psicológico materno. Tal efeito pode ocorrer na

gestação e no puerpério: o impacto se dará conforme for a natureza de tais acontecimentos, o

momento específico em que se dão e as características de personalidade da mulher puérpera.

Apesar de tais estudos não serem conclusivos, apontam alguns acontecimentos

que tendem a estar associado muito significativamente à depressão puerperal: separações de

pessoas significativas (marido, família ou de alguém próximo), dificuldades acentuadas na

relação com o marido e/ou com a mãe da puérpera e acontecimentos diretamente relacionados

ao parto (como, p. ex., dar à luz um filho de baixo peso) ou ao período pós-natal (como as

dificuldades na amamentação, p. ex.). Detectaram que a associação entre circunstâncias vitais

e depressão tem valor preditivo para a depressão pós-parto o que significa possibilidades de

intervenções preventivas que precisam ser criadas e implementadas na América Latina, como

já vêm fazendo outros países.

Wender et al. (2002) fazem um resumo bastante claro a respeito dos fatores

de risco da depressão puerperal, a partir da revisão atualizada que realizaram sobre o assunto:
41

História familiar ou pessoal de depressão, especialmente de depressão


pós-parto, aumenta significativamente o risco de episódio depressivo
no puerpério. Mulheres com episódios prévios da doença possuem
risco de 50% de recorrência nas próximas gestações, e cerca de 30%
das pacientes com depressão prévia à concepção desenvolverão o
distúrbio. Outros fatores de risco incluem a ansiedade e a depressão
durante a gravidez, suporte pós-natal deficiente, eventos estressores,
instabilidade conjugal e gravidez não desejada. Estudos demonstram
que a insatisfação com o casamento, o mau relacionamento com a
mãe, e a manutenção do papel social de forma não espontânea e, sim,
de aparências diante do cônjuge e das outras pessoas aumentam o
risco de depressão pós-parto. Grandes estudos não correlacionaram a
amamentação nem as variáveis obstétricas (tipo de parto, idade da
gestação, peso do recém-nascido) com mudanças no risco de
desenvolver a doença. Também não parece haver associação entre o
nível socioeconômico e o desenvolvimento da doença (p. 440).

Trad (1995) destaca um fator-chave que contribui para o início da depressão

pós-parto: as representações que a puérpera possui de suas experiências infantis com a própria

mãe. Quando tais representações são positivas, a mulher aparece psicologicamente equipada

“para transferir tais emoções para o filho e para assumir as tarefas maternas com entusiasmo.

Em contraste, mães cujas representações de suas experiências infantis são negativas são

apáticas na interação com o filho e hesitantes na aceitação do papel materno” (apud De Felice,

1999, p. 19).

Halberstadt-Freud (1993) também estabelece um vínculo entre depressão

puerperal e uma relação patológica entre a puérpera e sua própria mãe: denomina tal relação

de ilusão de simbiose. Neste caso, o que se coloca como fator central é a fantasia da mulher

puérpera de que irá “satisfazer todos os desejos que lhe foram negados na infância por sua

própria mãe. Para sustentar a ilusão de simbiose a mãe excinde seus sentimentos de frustração

e raiva projetando-os, freqüentemente, no pai (do seu filho), que se torna, então, objeto de

suas fantasias hostis”. Apprey (1987) estudou o caso de uma mulher de 34 anos e verificou

que a presença de uma mãe interna hostil foi um fator que solapou sua alegria pela

maternidade (apud De Felice, 1999, p. 19).

A depressão puerperal também pode estar associada à relação mesma da

puérpera com seu bebê. Barbosa et al. (2003) realizaram uma revisão de literatura e
42

encontraram relevância quanto a esse aspecto. Sinalizam as dificuldades no encontro da mãe

com seu filho desconhecido. No período inicial do pós-parto a labilidade emocional, fadiga e

fragilidade física e emocional se constituem como o padrão característico. Mas, devido às

características de personalidade da puérpera, tal processo pode ficar extremamente

dificultado, especialmente quando apresenta forte dependência em relação à sua própria mãe.

Kitzinger (1977) observa que “as mulheres podem facilmente gostar do filho enquanto ainda

está dentro delas e amar a imagem idealizada do bebê, mas não a realidade do recém-nascido

(bebê imaginário e bebê real)”. Isso equivale a dizer que, após o parto, surge o bebê real,

geralmente diferente do idealizado. Assim, torna-se necessário elaborar a perda do bebê

imaginário e da fantasia. Este autor (1977) acrescenta que o nascimento pode ser também

vivido como amputação nas situações em que, na gravidez, o filho é sentido como parte do

corpo da mãe (apud Barbosa et al., 2003, p. 74).

Maldonado (1989) considera que a depressão pós-parto “tende a ser mais

intensa quando há uma quebra muito grande na expectativa em relação ao bebê, a si própria

como mãe e ao tipo de vida que se estabelece com a presença do filho” (p. 66). Souza e

Rezende (2000) realizaram uma observação da relação mãe-bebê no âmbito familiar, durante

o período de um ano e oito meses após o parto. Consideram que no caso estudado a depressão

materna pode ser atribuída à impossibilidade da mãe “para lidar com o luto de um noivado e

casamento sonhados, um projeto profissional frustrado, e os restantes de sonhos e fantasias

que como sombras recaíam sobre o bebê” (p. 54).

Boukobza (2000) tem larga experiência de trabalho com mães e seus bebês.

Compreende que a depressão pós-parto está relacionada com uma renúncia muito forte que a

mãe precisa realizar com a vinda do bebê, que perturba intensamente a imagem narcísica viva

dela mesma. Com isso, sua imagem atual deixa de ser congruente com o que ela projeta num

Ideal de Eu, e a puérpera desmorona na depressão ou num estado maníaco reacional. A libido

se retira totalmente para o ego e o bebê não é falicamente investido, tornando-se “um
43

importuno, um perturbador que usurpa o espaço psíquico da mãe” (p. 17).

A influência dos fatores socioculturais mostra-se muito clara: Ster e Kruckman

(1983) se depararam com a pouca evidência de depressão puerperal em sociedades não

industrializadas. Atkinson e Rickel (1984) também constataram depressão puerperal em mães

adotivas e no pai, além de ressaltarem que as expectativas irreais do casal acerca do filho

contribuem muito para tal distúrbio, e Quadagno et al. (1986) mostraram que homens e

mulheres vivenciam, igualmente, a depressão puerperal (apud Cury, 1997b).

Harvey (2002) escreveu um guia dirigido ao público em geral, que trata da

depressão pós-parto. Entende que os fatores hormonais não bastam para explicar o aumento

crescente da depressão pós-parto na atualidade. Para a autora (2002) “o que mudou durante os

últimos 50 anos foi a situação social em que as mulheres estão se tornando mães” (p. 29).

Aponta alguns aspectos sociais que parecem exercer uma forte influência no desenvolvimento

da depressão puerperal:

- Falta de apoio: hoje em dia, as mulheres podem tornar-se muito isoladas o

que trará repercussões em termos de não ter com quem contar, após o nascimento do bebê.

“Acredita-se que esse isolamento seja um dos mais importantes fatores para a elevação da

taxa de incidência de depressão pós-parto” (p. 29).

- Falta de uma relação de confiança: refere-se à necessidade que a nova mãe

tem de ter alguém ao seu lado com quem compartilhar suas emoções, problemas,

expectativas, etc.; e a pessoa mais indicada seria o seu companheiro. “Não ter esse tipo de

confidente é outro fator de risco no desenvolvimento da depressão pós-parto – identificado em

mães solteiras e nos casais que enfrentam dificuldades no relacionamento” (p. 32).

- Dificuldades financeiras: as preocupações financeiras podem deprimir as

pessoas e “ter ainda um bebê para sustentar pode aumentar rapidamente as chances de

desenvolvimento da depressão pós-parto” (p. 34).

- Dificuldades de relacionamento: o companheiro da nova mãe tem um papel


44

fundamental para a realização das necessidades de apoio e confiança emocional desta. “É

evidente que fissuras existentes nesse relacionamento aumentarão a probabilidade da

depressão pós-parto. Elas também podem exacerbar sentimentos de baixa auto-estima, culpa e

raiva” (p. 35).

Na intersecção entre os aspectos sociais e os pessoais, Harvey (2002) cita um

fator de risco para a depressão pós-parto que diz respeito à mulher da sociedade

contemporânea: os problemas de adaptação que terá de enfrentar com a chegada do bebê. A

mulher da sociedade atual está tendendo a ser mãe em uma idade mais avançada, que era há

algumas décadas: entre 25 e 40 anos. Por volta dos 30 anos, a mulher costuma já estar com

sua vida profissional bem articulada e tendo controle geral sobre sua vida. Com a vinda do

bebê, fica difícil manter tal controle, podendo desequilibrar completamente o casal.

Os valores de cada cultura, certamente, influenciam significativamente quanto

à postura da puérpera diante das perturbações psíquicas por ela vivida:

Essas mães, por sua vez, embora angustiadas e oprimidas por sua
incapacidade materna e doméstica, raramente relatam seu humor
depressivo a seus clínicos gerais ou aos pediatras. A maioria tenta
continuar com suas tarefas domésticas e corresponder às exigências
do bebê, marido e sociedade, pois elas deveriam estar ‘culturalmente’
contentes e aptas (Rocha, 1991, p. 13).

Os fatores etiológicos e de risco para a depressão puerperal são, pois,

múltiplos. Urge, então, que passemos à singularidade que permeia o caso clínico aqui

abordado.
45

4 RUPTURA DAS FORÇAS PROTETORAS E ASSEGURADORAS DO AMBIENTE

Lara parece ter vivido dois episódios de depressão pós-parto. Em ambos

podemos observar um ambiente ao seu redor que não ofereceu um suporte suficientemente

bom para que pudesse realizar as condições necessárias e naturais para a maternidade. A

relação com seu marido era marcada pelo desencontro, pelo desentendimento e muitas brigas.

Ao se mudar para outra casa, em um bairro bastante depreciado socialmente, perde o suporte

egóico, proteção e segurança que teve, anteriormente (na ocasião do nascimento de sua

primeira filha), por parte de familiares (mãe e irmãs) e vizinhas. Após o nascimento da

segunda filha, ocorre uma ruptura das forças protetoras e asseguradoras do ambiente,

revelando e intensificando o estado de vulnerabilidade desta mãe.

Enquanto estava no hospital, Lara sentia-se relativamente protegida. Mas, ao

voltar para casa com um bebê nos braços, não encontrou pessoas que a acolhessem,

devidamente. Sentiu-se completamente sozinha para cuidar do bebê e da primeira filha, que

estava com quatro anos de idade. Também, tinha que realizar as tarefas da casa... Era demais

para ela!

Em relação à ida da parturiente para casa, Soifer (1992, p. 73) assim se

expressa:

De qualquer maneira e sem chegar aos limites alarmantes do estado


psicótico, acham-se presentes em todos os casos, em maior ou menor
grau, as idéias depressivas e persecutórias, o desejo de afastar-se, o
abandono. A sensação dominante é de haver perdido a própria
personalidade e ser uma mera escrava do bebê e do ambiente. Quando
a família e os amigos podem colaborar de modo eficiente, tais
sensações acabam por se transformar em carinho para com o filho, em
alegria pelo seu progresso e crescimento. Mas, como já dissemos, se
essa colaboração não é suficiente ou se mostra inadequada, o estado
depressivo, mesmo sem chegar à psicose, pode prolongar-se.
46

No capítulo anterior, fizemos um apanhado do material teórico, encontrado,

sobre a depressão puerperal. As pesquisas realizadas, sobre os fatores que exercem forte

influência no desenvolvimento da depressão puerperal, apontam a falta de apoio social e de

uma relação de confiança, como os principais deles. A nova mãe necessita de um ambiente,

em torno de si, que lhe ofereça suporte. Precisa de alguém ao seu lado com quem possa

compartilhar seus sentimentos, expectativas, dificuldades, etc. A pessoa mais indicada para

ser tal confidente seria o seu companheiro. Fissuras existentes nesse relacionamento

aumentam as possibilidades de surgimento da depressão puerperal.

Winnicott (1960) entende que a proteção estendida em torno da mãe,

geralmente organizada pelo marido, é de fundamental importância. Vincula os distúrbios

puerperais vividos por certas mulheres, à ruptura das forças protetoras naturais do ambiente

que as envolve. Em tais casos, ele constata:

Não só o desenvolvimento da preocupação materna primária é difícil


de alcançar para certas mulheres mas também o processo de recobrar
uma atitude normal em relação à vida e ao self pode produzir
enfermidades clínicas. Tais enfermidades podem ser ocasionadas, em
certa medida, por um colapso daquilo que permite à mãe estar voltada
para dentro e esquecer todos os perigos externos enquanto dure sua
preocupação materna” (p. 23).

E, por que a proteção estendida em torno da mãe é de fundamental

importância?

Falamos, inicialmente, em condições necessárias e naturais para a

maternidade. Winnicott (1960) considera que, algumas enfermidades clínicas puerperais,

podem ser ocasionadas por um colapso daquilo que permite à mãe estar voltada para dentro e

desenvolver sua preocupação materna primária.

Preocupação materna primária é uma expressão criada por Winnicott para

descrever um estado especial e natural de ser, que ele observou nas mães, nos momentos

imediatamente antes e depois do nascimento de seus bebês. Trata-se de uma “condição


47

organizada (que seria uma doença no caso de não existir uma gravidez)”, sobre a qual

Winnicott (1956) relata o seguinte:

Gradualmente, esse estado passa a ser o de uma sensibilidade


exacerbada durante e principalmente ao final da gravidez.
Sua duração é de algumas semanas após o nascimento do bebê.
Dificilmente as mães o recordam depois que o ultrapassam.
Eu daria um passo a mais e diria que a memória das mães a esse
respeito tende a ser reprimida (p. 401).

É muito importante que a mãe alcance esse estado de sensibilidade exacerbada,

essa “doença normal”, para que possa realizar uma adaptação sensível e delicada às

necessidades do bebê, já nos momentos iniciais.

A mãe torna-se devotada e preocupada, em função de sua intensa identificação

com o bebê. Afinal, ela já foi um bebê e tem, em si, os registros inconscientes de tal

experiência.

A mãe grávida já estabelece uma identificação com seu filho, ao associá-lo à

idéia de “objeto interno”. Apesar dos elementos persecutórios presentes na situação, a mãe

instala o objeto imaginado e o mantém dentro de si. Assim, “o bebê tem outros significados

na fantasia inconsciente da mãe, mas é possível que o traço predominante nesta seja uma

vontade e uma capacidade de desviar o interesse do seu self para o bebê” (Winnicott, 1960, p.

21). Isto possibilita à mãe uma capacidade especial de fazer a coisa certa, conhecer as

vontades do seu bebê e o que ele está sentindo, oferecendo-lhe suporte egóico, proteção e

segurança. Neste mesmo texto, Winnicott ressalta que, neste estado, a mãe se torna uma

pessoa muito vulnerável. Em outro texto (1956), esclarece que utiliza a palavra “doença”,

referindo-se a esse estado, “porque a mulher deve ter saúde suficiente tanto para desenvolver

esse estado quanto para recuperar-se dele à medida que o bebê a libera” (p. 401).

Quanto à Lara, podemos considerar que não foi possível que desenvolvesse

adequadamente a preocupação materna primária em relação aos dois filhos, cujos puerpérios

foram marcados pelos episódios de depressão puerperal. Até bem pouco tempo atrás, Lara
48

tinha uma preocupação patológica com eles e os mimava em excesso. Parecia querer

compensar o que foi perdido... Muito diferente da sua relação com a primeira filha.

Além da preocupação materna primária, pensamos ser relevante abordar, aqui,

outros aspectos inerentes ao psicodinamismo da mulher, no parto e puerpério, para que

possamos compreender a importância fundamental do suporte propiciado pelo ambiente, em

relação à mãe.

Com o nascimento do seu filho, uma outra situação se coloca para a mãe (e para

o bebê, logicamente), pois, ocorre aí, a experiência objetiva de separação de seus corpos, o que

determina questões específicas em seu psiquismo. Entretanto, alguns processos psíquicos ainda

são desdobramentos de como ela viveu a gestação. Por isso, faremos algumas breves

considerações a respeito da psicodinâmica da gravidez, já que, algumas condições para o que

ocorre no puerpério, estão relacionadas com o desfecho daquilo que foi vivido na gestação.

O contexto emocional na gravidez está relacionado à influência dos fatores

hormonais, socioculturais e psíquicos. Segundo Colman e Colman (1973) ocorrem três

alterações hormonais significativas na gestação: a progesterona é amplamente produzida na

gravidez, traz um efeito depressivo sobre o sistema nervoso central e influencia no

comportamento da mulher, no sentido da introspecção e da regressão. O metabolismo das

catecolaminas, também, se encontra alterado e “parecem ter um papel regulador nas emoções,

em particular na depressão e euforia. Por fim, os corticosteróides, cujo metabolismo é alterado

na gravidez, são responsabilizados pelas variações emocionais do tipo depressivo, da euforia,

acompanhada de paranóia e de problemas de cognição” (apud Cury, 1997a, p. 79).

Por outro lado, a história, a antropologia e outras áreas do conhecimento

mostram que a gravidez representa mais que os eventos biológicos. A gravidez se constitui

como evento social, na medida em que é um estado intermediário entre o status de mulher e o

de mãe. Por se tratar de uma situação de indefinição, “considera-se que esteja em uma situação

ambígua, socialmente anormal e vulnerável aos perigos externos”. Vários autores (Mead,
49

1988; Harris, 1981; Cominsk, 1994; e outros) estudaram o fator cultural sobre a gravidez e

demonstraram a grande influência do condicionamento que cada cultura exerce não somente

em relação ao significado pessoal como também à experiência física da gravidez e da

parturição (apud Cury, 1997a, p. 79).

Os estudos atuais da psicodinâmica da gravidez têm abordado bastante o

conceito de crises evolutivas desenvolvido por Erikson (1976) e Caplan (1980). Segundo esse

conceito, é esperado que, em cada período da vida das pessoas, ocorram fatos naturais ou

acidentais desencadeantes de transtornos emocionais e intelectuais, e que exigem respostas

adaptativas para o desenvolvimento da personalidade do indivíduo e surgimento de novo

período de equilíbrio (apud Cury, 1997a). Em relação à crise gravídico-puerperal, ocorre a

reativação dos conflitos da mulher com suas figuras parentais. Deutsch (1947) e Racamier

(1961) ressaltam que “é do conjunto e da constelação de sentimentos hostis e amorosos da

mulher para com seus pais, e, em particular, para com sua mãe, que se pode prever o curso

psicológico da gestação atual” (apud Cury, 1997a, p. 79).

Baseado principalmente nos achados em psicanálise de gestantes, Della Nina

(1997) destaca três modificações psíquicas que parecem dominar durante a gestação: a

regressão psicoafetiva, a ambivalência e a crise de identidade.

A crise de identidade é possível de ser reconhecida, por envolver conflitos de

ordem psicossocial facilmente detectáveis, como por exemplo, no caso de primigestas que

vivem os problemas da passagem da sua condição exclusiva de filha, para a de mãe. Também

as rápidas alterações do esquema corporal, decorrentes do processo biológico gestacional,

teriam importante influência nessa crise de identidade.

A ambivalência remete à existência de impulsos opostos de amor e ódio em

relação à gestação, ao feto e à situação da gravidez. Costuma ser inconsciente e é pouco aceita

socialmente, mesmo pelos profissionais envolvidos com a gestante.

Por fim, temos a regressão psicoafetiva que traz repercussões sobre as fantasias
50

conscientes e inconscientes da gestante, e nenhuma alteração na capacidade intelectual. “Todas

as gestantes estariam sujeitas a esse fenômeno, o qual considerado necessário e fisiológico,

tornar-se-ia patológico quando em nível muito acentuado” (Della Nina, 1997, p. 94). Através

de teste psicológico projetivo, Cury (1997b) constatou, a acentuação do narcisismo e da

capacidade de fantasiar, devido ao fenômeno da regressão. Também, consignou alterações da

sexualidade e da ansiedade relacionadas aos inúmeros conflitos de ordem psicossocial e da

crise de identidade decorrente da gravidez. Della Nina (1997) expõe seu pensamento de que,

como mecanismo de defesa, a regressão gestacional decorreria da


ansiedade emergente na gestação, por causa de seus inúmeros
conflitos, mas, principalmente, devido ao envolvimento das
transformações corporais. Assim, ao lado da cultura ou meio social
em que se insere a gestante, natural modulador de seus conflitos
psicossociais, sempre poderia haver um ‘quantum’ de ‘angústia-sinal’
promovido pelas alterações corporais evocativas das angústias
primitivas (de nascimento e de separação da criança pequena) e que
desencadeariam a regressão...”(p. 95, grifo do autor).

Tal estado de regressão narcísica é de fundamental importância para que a mãe

exerça seu papel, pois permite maior suporte emocional para os enfrentamentos que realizará

após o parto. Porém, se os conflitos decorrentes da situação gestacional forem muito intensos

ou se os demais mecanismos de defesa forem pouco evoluídos, a ansiedade e a regressão

poderão ser excessivas, podendo chegar a níveis extremamente desorganizadores, semelhantes

à síndrome do pânico e outras vezes a modificações acentuadas na fisiologia da gravidez.

De Felice (1999), em uma revisão de literatura sobre a psicologia da gravidez,

também destaca as três modificações psíquicas acima referidas. Cita autores (Kestenberg,

1982; Tsu, 1980; Verthelyi; Rios, 1985) que têm se dedicado ao estudo da regressão que

ocorre durante a gestação, através de materiais clínicos e/ou aplicação de testes psicológicos

projetivos. Também enfoca autores (Langer, 1981; Soifer, 1986) que abordam a ambivalência

que a mulher grávida costuma expressar através dos vômitos, náuseas e desejos; e a crise de

identidade (Maldonado, 1984).


51

Em relação às ansiedades, De Felice (1999) utiliza-se dos estudos realizados

por Langer (1981) e Soifer (1986), que consideram que durante a gravidez são reativadas

fantasias inconscientes da gestante em relação à sua própria mãe, provocando uma

exacerbação das “vivências persecutórias como produto de sentimentos de culpa infantis, pelos

ataques fantasiados à própria mãe e pelos desejos de ocupar o seu lugar. A vivência

persecutória consiste em que alguém possa arrebatar o filho sonhado, ou ainda que a gravidez

tão desejada implique a perda da própria mãe, por se concretizar a fantasia infantil invejosa: ter

o filho pela destruição da mãe” (p. 8). Tal fantasia implica o perigo de castigo e de destruição.

Em contrapartida, tais temores “entram em conflito com o desejo reparatório de devolver à

mãe o roubado através de um filho sadio, de recuperar a mãe destruída através de sua própria

gravidez e parto feliz e de dar fé de sua bondade e tolerância e da bondade e integridade do

próprio corpo” (p. 7). Langer (1986) considera que tais vivências psicológicas “persistem

durante a gravidez, mas mãe e feto chegam a uma melhor adaptação à medida que este

prossegue e vai se intensificando sua união” (p. 215).

De maneira geral, os autores entendem que entre as vivências na gravidez

normal e na patológica, existem diferenças muito mais quantitativas do que qualitativas. No

entanto, Langer (1986, p. 191) considera que “um exame psicológico mais profundo revela-nos

que estes transtornos [da gravidez] provêm de conflitos psicológicos e de identificações com

outras mulheres já transtornadas em sua feminilidade”. Mais à frente, a referida autora (1986)

afirma que as causas de transtornos de gravidez podem ser múltiplas. “Mas sempre a aparição

dos transtornos significa uma rejeição da criança, rejeição provocada amiúde por

circunstâncias econômicas adversas, sociais, por desamor ao marido, etc.” (p. 193).

A gravidez tem sido encarada como um período de maior vulnerabilidade da

mulher. O parto, também, pode ser considerado como um momento crítico, delimitando o

início de uma série de mudanças significativas.

Do ponto de vista biológico, o parto significa a separação de dois organismos


52

que até então viveram juntos, em total dependência e contato íntimo permanente, intenso e de

profunda tranqüilidade. A partir da expulsão, o bebê passa a ter vida própria, encarregando-se

de várias funções que eram antes cumpridas por sua mãe. O nascimento reverte,

catastroficamente, esse estado de equilíbrio, e, o recém-nascido, ao ser lançado no mundo

externo, é invadido por um turbilhão de estímulos.

Sem dúvida, o nascimento tem características de trauma e cria um


protótipo de angústia, pela perda súbita do estado intra-uterino.
A evolução do ser humano fez com que o cérebro passasse a ter a
maior parte do seu crescimento fora do ventre materno, apresentando-o
ao nascer somente 25% do seu tamanho futuro, enquanto no chipanzé
essa proporção é de 65%. Isso resulta na grande inoperância e
dependência do ser humano desde seu nascimento até vários anos
depois (Rzezinski; Mac Cord, 1997, p. 54).

Para que o recém-nascido sobreviva é preciso que exista alguém que lhe

recomponha, mesmo que parcialmente, a condição perdida: “a mãe assume o papel de placenta

ao cuidar da nutrição e do bem-estar de seu filho” (Maldonado, 1989, p. 85). Esta, que já vem

de um processo complexo de adaptação da gravidez, onde incorporou o feto ao seu esquema

corporal, acostumou-se a todas as modificações metabólicas, hormonais e fisiológicas,

precisará passar, com o parto, por um novo processo de adaptação com a chegada de seu filho.

Todo esse processo reativa profundas ansiedades na parturiente. Langer (1986,

p. 215) considera que esse “temor ao parto parece não ter sofrido nenhuma diminuição, apesar

de toda a evolução da obstetrícia moderna, que depois de ter reduzido a um mínimo o perigo

físico para a parturiente, está atualmente eliminando a dor, tão temida, do parto”. Acontece que

a angústia diante do parto possui raízes muito profundas e inconscientes e faz renascer temores

irracionais que acompanham a mulher, principalmente nas primeiras semanas de gravidez. A

partir de Helene Deutsch (1947), os autores psicanalíticos têm concordado que “o parto é a

revivescência mais exata que podemos ter de nosso próprio trauma do nascimento” (apud

Langer, 1986, p. 216), ou seja, a parturiente “revive inconscientemente a angústia sofrida

durante sua própria passagem pelo canal do parto” (Soifer, 1992, p. 51).
53

De acordo com Langer (1986), angústia do parto/nascimento tem um caráter

invasor e desintegrador que ao invadir o ego, fragmenta-o. A vivência que se tem, quando

tomado por essa angústia, é de aniquilamento, dispersão e morte. Por ser uma angústia com

qualidade envolvedora, tende a se propagar a todo o meio, em maior ou menor intensidade, o

que pode gerar comportamentos hostis, às vezes sádicos, por parte de familiares e, também, de

profissionais e auxiliares.

Soifer (1992) considera que, sobre a armação da reativação da angústia do

nascimento, algumas ansiedades básicas se estruturam ao longo do processo do parto. São elas:

de perda e esvaziamento (perda de partes importantes de si mesma), de castração (segundo a

qual lhe arrancam algo valioso), de castigo pela sexualidade e de defrontação com um

desconhecido: o filho. O interjogo de tais ansiedades “produz o estado de confusão, com as

sensações concomitantes de estranheza, despersonalização e perda de identidade. As confusões

giram em torno da equiparação fezes-bebê-pênis (partes do próprio corpo); defecação-parto;

ato sexual-parto; sujeito-objeto (quem dá à luz e quem nasce, ou seja, vítima-vitimado)” (p.

61).

Vemo-nos, pois, remetidos à influência que o fator sócio-cultural exerce sobre

as vivências da parturiente: em relação às proibições sexuais e às inculcações, que ocorrem

durante toda a infância, de que o parto é algo sumamente doloroso e cheio de perigos. Segundo

a teoria de Grantly Dick Read, tais inculcações criam “uma espécie de reflexo condicionado

entre a percepção do começo do trabalho de parto e a aparição da dor [...]. Sustenta, pois, que o

medo causa tensão muscular e que esta, dificultando o trabalho de expulsão do útero, causa

dor” (apud Langer, 1986, p. 219-220). Por isso, é importante que o profissional envolvido

explique à mulher o que acontece com seu corpo durante a gravidez e parto. Em termos

psicanalíticos, quer dizer que é necessário contrapor à realidade psíquica (marcada por

angústias irracionais e representações sexuais infantis sobre a concepção, gravidez e parto)

uma realidade externa racional e tranqüilizadora. As explicações racionais do médico agem


54

como a voz da mãe boa que tranqüiliza seu filho angustiado, ao mostrar que o compreende. E,

para a parturiente, “sentir-se compreendida significa novamente sentir-se perdoada” (Langer,

1986, p. 222). Assim sendo, por todo o exposto, chegamos, juntamente com esta autora

[...] às seguintes conclusões: a gravidez e parto são acompanhados de


mal-estar, angústia e dor por fatores psicogênicos. Se conseguirmos
educar filhas sadias que tenham um mínimo de angústia e sentimento
de culpa e que possam aceitar prazerosamente sua feminilidade,
podemos esperar que a gravidez e o parto sejam novamente o que são
ainda em algumas sociedades ou para algumas mulheres felizes de
nossa sociedade: a conquista máxima de suas faculdades biológicas
acompanhada pela plena consciência de intervir na maior experiência
possível: ter concebido e alimentado dentro de si um novo ser e ter-lhe
dado a vida (Langer, 1986, p. 222).

O puerpério refere-se ao período após o parto em que o organismo materno fará

uma reconstituição das condições pré-gravídicas. Kitzinger (1977) entende o puerpério como o

“quarto trimestre” da gravidez, caracterizando-o como um período de transição com duração

aproximada de três meses após o parto (apud Maldonado, 1989). Em termos psicodinâmicos,

remete a uma “situação de delimitação entre o perdido – a gravidez – e o adquirido – o filho.

Também de delimitação entre devaneio, fantasia inconsciente e realidade” (Soifer, 1992, p.

63). Após o parto, a mulher se encontra pela primeira vez com seu filho, depois de ter passado

longos meses cultivando fantasias e devaneios a respeito dele. Kitzinger (1977), através de

seus estudos, observou que, após o parto, “a mulher se dá conta de que o bebê é outra pessoa:

torna-se necessário elaborar a perda do bebê da fantasia para entrar em contado com o bebê

real” (apud Maldonado, 1989, p. 66).

Domash (1988) também entende que no período pós-parto ocorrem mudanças

intensas na mulher: aumento da sensitividade, diminuição das defesas e maior disponibilidade

para o processo de pensamento primário. Tais alterações convertem este período em um

continuum que vai de uma capacidade aumentada de criatividade, até uma tendência elevada

para a depressão. Existem alguns fatores facilitadores para uma experiência positiva e criativa

no pós-parto: “a extensão da identificação positiva da mulher com a própria mãe; a capacidade


55

da nova mãe para regredir a serviço do ego ou para entrar no ‘espaço transicional’; a

capacidade de ser uma ‘mãe simbiótica’ em contraposição à posterior ‘mãe individuação’; a

quantidade de suporte emocional que ela recebe; e, por último, os fatores biológicos” (apud De

Felice, 1999, p. 14). A capacidade de regredir de forma adaptativa possibilita que a mãe capte

melhor, as necessidades de seu bebê. Tal experiência ocorre na “área transicional” descrita por

Winnicott: área intermediária entre o real e o imaginado constituindo-se de momentos em que

o interno e o externo se confundem e outros em que o outro é visto como separado. Por isso, “a

regressão adaptativa inclui a capacidade de fundir-se momentaneamente e de separar-se

quando necessário” (apud De Felice, 1999, p. 16).

Maldonado (1989) descreve os primeiros dias após o parto como sendo

carregados de emoções intensas e variadas:

As primeiras vinte e quatro horas constituem um período de


recuperação da fadiga do parto. A puérpera sente-se em geral
debilitada e confusa, principalmente quando o parto é feito sob
narcose. A sensação de desconforto físico devido a náuseas, dores e ao
sangramento pós-parto é particularmente intensa, lado a lado com a
excitação pelo nascimento do filho. A labilidade emocional é o padrão
mais característico da primeira semana após o parto: a euforia e a
depressão alternam-se rapidamente, esta última podendo atingir grande
intensidade (p. 65).

Os dias subseqüentes ao parto não são nada fáceis. Soifer (1992, p. 64)

considera que “os primeiros seis meses após o parto definem, em boa medida, o futuro mental

da mulher, assim como determinam e selam a relação com o filho, a família e a sociedade”.

Ocorre que, ao longo deste período, a mãe irá se deparar com diversas situações que envolvem

expectativas, fantasias e necessidades em relação a si mesma e ao ambiente circundante, que,

uma vez frustradas, podem exacerbar as ansiedades persecutórias e depressivas, reforçando os

estados e angústias relacionados ao parto e gestação.

Soifer (1992) observa que a remissão do estado de confusão e

despersonalização subsistente nos dias posteriores ao parto deve-se a um fator decisivo: o

gradual reconhecimento da criança que a mãe vai realizando com a ajuda do ambiente.
56

É comum que o estado de confusão vivido no transcurso do parto se resolva

através dos mecanismos maníacos que buscam reverência e homenagens nas atitudes das

pessoas que a cercam. Além disso, “toda gestante primípara sonha com os belos dias em que

terá nos braços o bebê, e receberá visitas e presentes. A história dos três Reis Magos é um

claro exemplo das múltiplas versões dessa fantasia”. Em geral, o ambiente capta e satisfaz bem

essa necessidade, às vezes chegando ao exagero. Entretanto, “quando não se produz essa

situação de afago e festejo, a depressão é intensa”, pois frustra a fantasia referida e acentua as

ansiedades de esvaziamento e castração por colocar a mãe em uma situação de relativa solidão

com um bebê que somente chora e dorme a seu lado e se liga escassamente a ela. Além disso, a

própria situação de internamento, com todos os cuidados de assepsia, o estar em lugar

desconhecido e com pessoas estranhas, vão induzindo a um estado regressivo que se

acrescenta àquele determinado pelo parto (Soifer, 1992, p. 64).

Outras expectativas vão surgindo diante de cada situação nova que se coloca

para a dupla mãe-bebê: se terá ou não leite, se o bebê mama bem ou não, se é normal ou

anormal, sobre seu caráter, etc. No centro deste quadro estão as ansiedades da lactação. Langer

(1986) destaca a importância da amamentação natural e observa uma tendência da sociedade

atual a preferir a alimentação artificial. Além dos fatores sociais (o trabalho fora de casa da

mulher, falta de apoio dos estadistas para facilitar o exercício da maternidade, etc.), analisa os

fatores psicológicos que participam aí. Reconhece em nossa época uma tendência de

dessexualizar as funções procriativas e “convertê-las de um processo instintivo e espontâneo

em algo mecanizado e controlado. A defloração indolor pelo ginecologista, o parto induzido

que transcorre sob anestesia e a eliminação medicamentosa da produção do leite, substituída

pela alimentação artificial do lactente correspondem todos a esta tendência” (p. 224).

A amamentação é um processo fisiológico e psicológico por envolver um

padrão mais amplo de comunicação entre a mãe e o bebê, constituindo-se numa excelente

oportunidade de aprofundar o contato e amenizar o trauma da separação provocado pelo parto.


57

Helene Deutsch crê que a lactância ajuda a mãe superar o trauma que lhe causa a separação

brusca de seu filho, além de servir ao seu filho para aliviar os efeitos de seu trauma de

nascimento (apud Langer, 1986).

Na interação mãe-bebê podem ocorrer diversas situações que levam à frustração

das expectativas e necessidades de ambos, estabelecendo círculos viciosos de angústia materna

e ansiedade do bebê, podendo culminar com a agalactia total e o estado depressivo da mãe.

“Nesse estado depressivo podem predominar as fantasias de esvaziamento ou de castração,

acordes com a personalidade da puérpera, das quais as mais extremas são as ansiedades de

carência materna e de autodepreciação” (Soifer, 1992, p. 66). Tais vivências inconscientes

põem em movimento diversos mecanismos de defesa, de acordo com as características

pessoais de cada mulher. Podem ocorrer mecanismos maníacos, acessos de choro,

aborrecimento, impaciência, despotismo, etc.; somatizações; mecanismos substitutivos dos

maníacos: ensimesmamento, abulia, ruminação obsessiva, mecanismos obsessivos francos,

temores agorafóbicos que podem desencadear a ansiedade claustrofóbica. “Nas situações mais

intensas, a paciente pode chegar a quadros paranóides francos com pseudo-alucinações, ou

ainda a profundos estados esquizóides, marcando ambos o início da psicose puerperal, com a

impossibilidade de se aproximar do bebê e recusa a atendê-lo” (Soifer, 1992, p. 67).

Enfim, chega o momento em que a puérpera recebe alta do hospital, e volta

para casa com o filho nos braços e todas as experiências bastante intensas vividas no hospital

– seu estado de depressão e suas ansiedades confusas. Também leva consigo várias

preocupações que surgiram em sua mente antes de ir para casa: “Como encontrará a casa?

Poderá manejá-la como antes? Como se arranjará para incluir, dentro das tarefas habituais, a

criação do bebê?” (Soifer, 1992, p. 72). Tal estado mental da mulher se intensifica com a

perda da proteção que significava o hospital para ela. Com a ida para casa, também,

diminuem os afagos e comemorações, sobressaindo as obrigações e responsabilidades.

No decorrer do primeiro mês, em condições psicológicas normais, a puérpera


58

vai saindo gradualmente do seu estado depressivo. Já na segunda semana os estados de

confusão e despersonalização tendem a desaparecer, e, na terceira semana é comum o ego ter

se reintegrado, adaptando-se ao novo contexto, apesar das ansiedades continuarem presentes.

Entre as ansiedades mais freqüentes estão as referentes ao corpo, uma vez que

a recuperação da sua forma habitual é tardia. Ainda permanecem as ansiedades relacionadas à

busca de carinho e proteção, derivadas do “terror de ser atacada por haver dado à luz um filho,

ou da sensação de perda de uma parte do corpo [...] No fundo, essas vivências exprimem a

ansiedade decorrente da culpa e o temor ao castigo pelas relações sexuais frutíferas”, que são

intensificadas pelas sensações sexuais oriundas do ato de amamentar (Soifer, 1992, p. 75).

Maldonado (1989) entende que

Na raiz de muitos casos de ambivalência em relação à amamentação


encontra-se uma dissociação profunda entre maternidade e sexo: a
mulher que não amamenta por considerar os seios como símbolos
sexuais e a amamentação como algo ‘puro’, destituído de sensualidade;
e a mulher que amamenta, mas deixa de utilizar os seios como fonte de
prazer erótico, empobrecendo sua sexualidade” (p. 82).

Com o término da “quarentena” coloca-se em pauta o reatamento das relações

sexuais. Surgem as fantasias e temores de estar prejudicada e rompida por dentro, ou de haver

perdido os órgãos genitais internos. O homem tende a assumir a fantasia de que sua mulher se

acha prejudicada. Também surge o medo de uma nova gravidez e as ansiedades pela ausência

da menstruação. No início, o reatamento das relações sexuais é, geralmente, insatisfatório e

frustrante, pois, em parte, subsistem ainda a regressão e suas correspondentes ansiedades, tanto

da parte da mulher, quanto do homem. Mas, gradativamente, o processo vai se realizando. “Em

geral, os inconvenientes desaparecem em poucos dias, mas em muitos casos, em vez de serem

superados, determinam o esfriamento sexual do par; a ocasiões, tal desavença pode conduzir à

separação” [sic] (Soifer, 1992, p. 79).

O reatamento das relações sexuais contribui sobremaneira para a melhora do

estado regressivo da mulher. Porém, continuam vigentes, em menor intensidade, as vivências


59

depressivas. “Já a partir do segundo mês, em condições normais, a mulher começa a se sentir

mais livre, menos dependente, absorvida e escravizada”, pois o bebê já repousa por períodos

mais longos e a mãe já se adaptou melhor ao manejo do recém-nascido e à situação global do

lar (Soifer, 1992, p. 79).

No período que vai do segundo ao sexto mês pós-parto, a principal ansiedade

refere-se à preocupação em torno do progresso da criança: se está ou não se realizando dentro

da normalidade. No sexto mês, é recomendado que seja introduzido o alimento sólido:

“aparece na mãe um novo episódio de depressão, pois ela sente esse alimento como uma

proibição de lactar, isto é, como uma sanção contra esta sua atividade” (Soifer, 1992, p. 80).

Outra situação impactante é o aparecimento do primeiro dente. As ansiedades do bebê durante

a dentição reativam fortes ansiedades na mãe e também no pai, que revivem suas próprias

situações infantis decorrentes desse processo.

Mas, um fato merece ser destacado: a característica peculiar da relação entre a

puérpera e a sua mãe:

Quando o bebê pertence ao sexo feminino [...] a fantasia inconsciente é


haver matado a própria mãe e ocupado o seu lugar.
Essa fantasia culposa faz surgir intensas vivências depressivas de
orfandade e carência materna, que coexistem com o temor persecutório
de ser despojada e aniquilada retaliativamente.
Quando o bebê pertence ao sexo masculino, a fantasia inconsciente é
de haver roubado à mãe o marido (filho) e os temores de retaliação se
plasmam na sensação de que ela irá apoderar-se da criança. Tais
ansiedades determinam, por sua vez, o medo de ficar sem mãe.
Ambas as fantasias influem de maneira particular na relação com a
mãe real (Soifer, 1992, p. 81).

Assim como a gravidez, o período do puerpério exerce grande impacto no

marido e nos outros filhos, quando já existem. Vários sentimentos e comportamentos são

mobilizados pela chegada do novo componente familiar e pela atenção e cuidados dispensados

a ele. As reações podem ser as mais diversas e tanto podem ser facilitadoras, como prejudiciais

à puérpera, devido a toda essa complexidade e vulnerabilidade psíquica. Ser mãe é natural e

complexo, ao mesmo tempo. Por isso, solicita tanto, a participação suficientemente boa do

ambiente.
60

5 SEPARAÇÕES E PERDAS ORIUNDAS E/OU CONTÍGUAS AO PUERPÉRIO

No capítulo anterior, observamos que a literatura ressalta as ansiedades e

temores de separação e perdas, comumente vividas (inconscientemente) pela parturiente.

No parto, ocorre, concretamente, a separação dos dois corpos. Kitzinger (1977)

considera que, “na gravidez, o filho é muitas vezes sentido como parte do corpo da mãe e, por

essa razão, o nascimento pode ser vivido como uma amputação. São comuns, na gestação, os

sonhos em que há perdas de partes de si própria (membros, dentes, cabelo, etc.)” (apud

Maldonado, 1989, p. 66). É preciso elaborar a perda do bebê fantasiado e entrar em contato

com o bebê real.

Ocorre também que, por estar identificada com seu filho, a parturiente “vive

através dele todo o temor de separar-se de sua mãe. Identifica-se com seu desamparo e sente

não poder continuar protegendo-a contra a vida. Sente que ele perde a mãe e vive o parto

como perda dele. Este temor à separação é a ansiedade maior do parto e a que devemos tomar

mais em conta se queremos atingir partos fáceis” (Langer, 1986, p. 216).

Então, podemos considerar que, além de tais ansiedades e temores por perdas e

separações, Lara viveu como perda a falta do asseguramento promovido pelo ambiente, uma

vez que, no seu primeiro parto, ela contou com tais forças protetoras naturais.

Mas, Lara, também, teve outras perdas nas proximidades da vivência do parto:

um trabalho, que era importante para ela, e uma casa em um bairro valorizado socialmente,

onde tinha poucas, mas boas amigas. Com isso, perde as reverências e bajulações que os

familiares ofereciam, devido ao prestígio social que aquilo lhe trazia.

Como já foi dito por Harvey (2002, p. 40), “a depressão pós-parto pode ser um
61

lamento pelo que foi perdido”. São muitos lutos a serem elaborados por Lara: mesmo que sem

consciência disso...

Freud (1917 [1915]) considera a noção de perda como um ponto central e

comum entre o luto e a melancolia. Isso porque ambas as situações têm como causa

precipitante uma perda. Assim, a melancolia é considerada como um estado patológico da

vivência do luto, em que ocorre a perda do interesse pelo mundo externo e a pessoa torna-se

enlutada com a vida. Mas, uma perda, também ocorre em relação a si próprio: a perda em sua

auto-estima, um esvaziamento do ego.

Após o parto, quando já estava em casa com seu bebê, Lara começou a

apresentar um estado que se aproxima muito daquele que Freud (1917 [1915]) descreve:

Os traços distintivos da melancolia são um desânimo profundamente


penoso, a cessação de interesse pelo mundo externo, a perda da
capacidade de amar, inibição de toda e qualquer atividade, e uma
diminuição dos sentimentos de auto-estima a ponto de encontrar
expressão em auto-recriminação e auto-envilecimento, culminando
numa expectativa delirante de punição. Esse quadro torna-se um
pouco mais inteligível quando consideramos que, com uma única
exceção, os mesmos traços são encontrados no luto. A perturbação da
auto-estima está ausente no luto; afora isso, porém, as características
são as mesmas (p. 276).

No capítulo 3, trouxemos algumas definições e descrições da depressão

puerperal. Elas se aproximam muito dessa que Freud oferece em Luto e Melancolia (1917

[1915]). Porém, neste momento, não estamos buscando estabelecer o quadro psicopatológico

de Lara. Nosso intuito é compreender as relações possíveis entre separações/perdas e a

depressão. Por isso, começamos com Freud.

As perdas geram a necessidade de um desinvestimento pulsional do objeto, por

parte do ego, o que faz com que a pessoa fique mais afastada do mundo externo e voltada para

si mesma.

É importante, então, que se faça a elaboração do luto. Durante esse processo, a

pessoa pode apresentar todas as características acima, descritas por Freud (1917[1915]), com
62

exceção da perda da auto-estima, que não ocorre no luto. A elaboração do luto é um processo

psíquico complexo e bastante penoso, que vai acontecendo inconscientemente. Para que

ocorra, é necessário que a pessoa evoque e hipercatexize cada uma das lembranças e

expectativas vinculadas àquilo que foi perdido, e faça a retirada gradual da libido de todas

elas. No final, o ego fica livre e desinibido novamente, para se relacionar com o mundo

externo.

Com Lara não ocorreu esse “final feliz”: ela continuou voltada para si mesma.

Provavelmente, não conseguiu renunciar àquilo que perdeu. Diante disso, Freud (1917[1915])

considera que o ego promove uma identificação com o que se perdeu, e a libido se retira para

o ego, agora, alterado pela identificação.

A capacidade de realizar renúncias pressupõe um ego, suficientemente,

fortalecido. Pelo que vimos até agora, o processo de gestação – parto e puerpério – promove e

requer uma certa regressão egóica, o que deixa o ego mais vulnerável. Então, podemos supor

que, perdas significativas, nesse momento da vida, tendem a ser mais difícieis de elaborar.

Freud (1917 [1915]) reconhece que Otto Rank ofereceu contribuições

importantes para a compreensão desse processo de identificação realizado pelo ego, ao

associá-lo ao tema do narcisismo: “a escolha objetal é efetuada numa base narcisista, de modo

que a catexia objetal, ao se defrontar com obstáculos, pode retroceder para o narcisismo. A

identificação narcisista com o objeto se torna, então, um substituto da catexia erótica, e, em

conseqüência, apesar do conflito com a pessoa amada, não é preciso renunciar à relação

amorosa” (p. 282). Tal processo remete à fase oral ou canibalista do desenvolvimento

libidinal, em que o ego deseja incorporar a si o objeto devorando-o. Entretanto, enfatiza que

ainda não é possível concluir que a tendência ou parte da tendência para adoecer de

melancolia está na predominância do tipo narcisista da escolha objetal, haja vista que o

material empírico em que se fundamentou seu estudo é insuficiente para tal. Porém, é possível

incluir na caracterização da melancolia essa regressão da catexia objetal para a fase oral –
63

narcisista – da libido, que se encontra “ausente no luto normal ou que, se estiver presente,

transforma este em luto patológico” (p. 283).

Logo mais, na Conferência XXVI – A Teoria da Libido e o Narcisismo (1917

[1916 – 1917]), Freud ressalta: “A hipótese de que a libido objetal se possa transformar em

libido do ego, parece-nos, pois ser a única que pode resolver o enigma daquilo que se

denomina de neuroses narcísicas [...]” (p. 490). A retirada da libido objetal para o ego não é

diretamente patogênica: somente o será quando sua retirada para o ego é forçada por um

processo muito intenso vivido pela pessoa. Aqui, haverá uma interferência na mobilidade da

libido que se tornou narcísica e não consegue retornar aos objetos, tornando-se patogênica,

pois é provável que haja uma intolerância à acumulação de libido narcísica acima de

determinado nível. Para que tais questões fiquem mais profundamente compreendidas, pensa

ser necessário avançar mais nas elaborações teóricas sobre o ego. Durante o desenvolvimento

humano, tem-se um primeiro estádio narcísico, o passo adiante se refere à escolha objetal que

pode realizar-se de duas maneiras: “um, segundo o tipo narcísico no qual o próprio ego da

pessoa é substituído por um outro, que lhe é tão semelhante quanto possível; o outro, segundo

o tipo ligação, no qual as pessoas que se tornaram valiosas, porque satisfizeram as outras

necessidades vitais, são, também, escolhidas como objeto pela libido” (p. 497).

Em O Ego e o Id (1923), Freud reconhece que a natureza do processo em que

ocorre uma instalação do objeto abandonado dentro do ego ainda é desconhecida; porém

supõe que “através dessa introjeção, que constitui uma espécie de regressão ao mecanismo da

fase oral, o ego torne mais fácil ao objeto ser abandonado ou torne possível esse processo.

Pode ser que essa identificação seja a única condição em que o id pode abandonar os seus

objetos” (p. 43).

Outro aspecto bastante relevante observado no psicodinamismo de Lara, e que

se manifesta, com certa força, nas situações de separação/perdas ou, também, de

desconsideração, desprezo e desapontamento é a ambivalência de sentimentos. É um outro


64

aspecto considerado por Freud em Luto e melancolia (1917 [1915]). Diz ele que as perdas

amorosas, também, constituem terreno propício para que a ambivalência se manifeste. A

ambivalência se coloca como uma complicação que não se encontra no luto normal. Inúmeras

lutas são travadas em torno do objeto, marcadas pelo conflito entre o amor e o ódio: o

primeiro tenta manter, e o segundo separar a libido do objeto perdido.

A ambivalência se coloca como um ponto de encontro entre a neurose

obsessiva e a melancolia, porque se constitui como um aspecto bastante relevante no

psicodinamismo de ambos os quadros clínicos. Freud (1917 [1915]) entende que “onde existe

uma disposição para a neurose obsessiva, o conflito devido à ambivalência empresta um

cunho patológico ao luto” que se expressa como estados (obsessivos) de depressão, marcados

por auto-recriminações “no sentido de que a própria pessoa enlutada é culpada pela perda do

objeto amado, isto é, que ela a desejou” (p. 283). Na melancolia, também, ocorre o conflito

devido à ambivalência, não somente em decorrência de uma perda por morte, como também

por situações de desconsideração, desprezo ou desapontamento. Tais circunstâncias podem

promover a irrupção da oposição amor-ódio ou reforçar uma ambivalência já existente.

Porém, diferentemente do que ocorre na neurose obsessiva, na melancolia há uma retração

regressiva da libido.

Diante da perda do objeto, a catexia erótica do melancólico realiza dois

caminhos: uma parte regride à identificação e a outra, por influência da ambivalência, volta à

etapa de sadismo, aderindo àquilo que em O Ego e o Id (1923), Freud denominou de

superego. O ego é, então, dominado pelo objeto. Freud (1917 [1915]) compara o “complexo

de melancolia” com uma ferida aberta que atrai a si as energias catexiais de todas as direções,

esvaziando e empobrecendo o ego.

A compreensão de tais movimentos psíquicos nos ajuda entender as auto-

acusações e o suicídio, na melancolia. Ocorre que o superego irá dirigir sua hostilidade ao

objeto, refugiado no ego pela identificação narcísica: “o ódio entra em ação nesse objeto
65

substitutivo, dele abusando, degradando-o, fazendo-o sofrer e tirando satisfação sádica de seu

sofrimento” (Freud, 1917 [1915], p. 284), podendo chegar ao extremo de matar a si mesmo,

ao se tratar como um objeto: aquele perdido. Assim, também, a maioria das grandes auto-

acusações é, na realidade, queixas dirigidas ao outro: o que é dito de si está se referindo ao

objeto abandonado.

O trabalho de elaboração das perdas na melancolia é extremamente longo e

gradual. Na análise é possível observar que as lembranças vão sendo ativadas uma a uma,

constituindo-se como lamentos aparentemente repetitivos, maçantes e tediosos em sua

monotonia, mas que costumam proceder cada vez de uma fonte inconsciente diferente. Freud

(1917 [1915]) considera que “cada luta isolada da ambivalência distende a fixação da libido

ao objeto, depreciando-o, denegrindo-o e mesmo, por assim dizer, matando-o. É possível que

o processo no Ics. chegue ao fim, quer após a fúria ter-se dissipado, quer após o objeto ter

sido abandonado como destituído de valor” (p. 291).

Até aqui, podemos entender que dificuldades acentuadas para lidar com

separações/perdas podem impossibilitar a elaboração dos lutos, de maneira normal, tornando-

os patológicos: instala-se a depressão.

Em Luto e Melancolia (1917 [1915]), Freud diz que “onde existe uma

disposição para a neurose obsessiva [...]” (p. 283) o luto poderá ter um desdobramento

patológico (estados obsessivos de depressão). Também esclarece que algumas pessoas

produzem melancolia em vez de luto, e suspeita que “essas pessoas possuem uma disposição

patológica” (p. 275). Porém, não esclarece, de maneira direta, o que entende por disposição, e,

neste sentido, consideramos que Winnicott pode nos ajudar nesta caminhada.

Winnicott (1954-5) entende que a capacidade para sentir concernimento,

tristeza e elaborar bem as perdas remete ao estágio do desenvolvimento emocional

denominado de posição depressiva, que “ocorre gradualmente, sob certas condições definidas

de maternagem, durante o período entre os 5 e 12 meses de idade, e pode não se completar até
66

um momento muitíssimo posterior, sendo possível descobrir-se em análise que isto nunca

ocorreu” (p. 359-360). E, a maneira como as pessoas reagem às perdas, está profundamente

relacionada com as vivências da posição depressiva: “Quando a posição depressiva foi

alcançada e plenamente estabelecida num indivíduo, a reação à perda é a dor, ou tristeza. Se

ocorreu alguma falha na posição depressiva, a conseqüência da perda é a depressão” (p. 371).

Em outras palavras: quem não estabeleceu plenamente a posição depressiva

viverá, as perdas significativas, através da depressão (mesmo que não se manifeste claramente

devido à utilização de defesas). Nesses casos, o luto será patológico. Assim, a disposição a

qual Freud se refere seriam as falhas na vivência da posição depressiva.

O termo posição depressiva foi criado por Melanie Klein e refere-se a um

estágio do desenvolvimento emocional que ocorre, normalmente, com todos os seres

humanos. Entretanto, é importante enfatizar que não ocorre, inevitavelmente, na vida de cada

indivíduo humano, e sim, somente é possível considerar a “posição depressiva no

desenvolvimento normal enquanto uma conquista” (Winnicott, 1954-5, p. 353). Faz questão

de enfatizar que a expressão posição depressiva não indica que as crianças saudáveis

atravessem uma fase de depressão ou de uma doença de humor. Esclarece que:

No conceito da posição depressiva no desenvolvimento normal, não


há qualquer indicação de que a criança fica realmente deprimida. A
depressão, apesar de tão comum, é um sintoma de doença, indica um
humor e implica em conflitos inconscientes que poderiam tornar-se
conscientes. Os processos inconscientes têm a ver com sentimentos de
culpa, e os sentimentos de culpa pertencem ao elemento destrutivo
inerente ao amor. A depressão enquanto distúrbio da afetividade nem
é inanalisável nem é um fenômeno normal (p. 359).

Então, como é que Winnicott compreende a chamada posição depressiva?

Considera que a primeira forma de amor do ser humano é impiedosa. No início

da vida, o bebê estabelece um relacionamento objetal impiedoso e tem prazer na relação

impiedosa com a mãe. Ele “não dá ainda importância alguma às conseqüências de seu amor

instintivo. Esse amor é originalmente uma forma de impulso, gesto, contato, relacionamento,
67

que proporcionam ao bebê a satisfação de poder expressar-se e o alívio da tensão instintiva”

(Winnicott, 1954-5, p. 359).

Nesse primeiro estágio ocorre uma dissociação entre os estados instintivos de

tranqüilidade e os de excitação do bebê. Aí, Winnicott (1954-5) distingue “as funções da mãe,

conforme o bebê esteja calmo ou excitado. A mãe tem duas funções, que correspondem aos

estados de tranqüilidade e excitação do bebê” (p. 361). Se tudo vai bem e a mãe realiza uma

maternagem suficientemente boa, o bebê começa a entrar na posição depressiva: nesse

momento do desenvolvimento normal, as duas funções da mãe começam a se unir na mente

do bebê. É um momento delicado e complexo em que podem surgir enormes dificuldades. O

bebê se dá conta de que a mãe tão valorizada nas fases tranqüilas é a mesma pessoa que foi (e

será ainda) atacada impiedosamente nos estados de excitação por ele vividos: está ocorrendo a

percepção da identidade entre os dois objetos. Outra coisa está, também, ocorrendo: por ser

uma pessoa inteira, o bebê já é capaz de identificar-se com sua mãe, porém ainda não

consegue realizar uma distinção clara entre as suas intenções e o que ocorre de fato. “As

funções e sua elaboração imaginativa ainda não são muito claramente distinguidas em termos

de fato e fantasia”, porém já “é o início do reconhecimento de que existem idéias, fantasias,

elaboração imaginativa da função, idéias e fantasias relativas ao fato, mas que não devem ser

confundidas com o fato” (p. 361-362).

A experiência instintiva provoca no bebê dois tipos de ansiedade: uma em

relação à mãe e outra em relação ao interior próprio do bebê. Em relação à mãe, existe a

preocupação quanto aos efeitos do amor instintivo sobre a pessoa da mãe: culpa. Em relação a

si próprio, existe a “preocupação quanto às mudanças internas que decorrem das experiências

de excitação e das experiências matizadas pela raiva ou motivadas pelo ódio (ansiedade

hipocondríaca)” (Winnicott, 1990, p. 89).

Após a experiência da amamentação, vem um período de contemplação, onde

existe “uma suspensão do instinto e a necessidade de que haja um controle externo das
68

intrusões ambientais” (Winnicott, 1990, p. 97), por parte da mãe ou substituta. O bebê, “além

de sentir apreensivo quanto ao buraco por ele imaginado no corpo da mãe, vê-se também

intensamente às voltas com a contenda no interior do eu, e o que é sentido como mau, ou seja,

persecutório para o eu” (Winnicott, 1954-5, p. 364). Tanto a digestão física, quanto a sua

correspondente elaboração, tomam seu lugar na psique, por meio de um processo silencioso,

com velocidade própria em que ocorre uma espécie de classificação que não depende do

controle intelectual, e sim, realiza-se de acordo com padrões pessoais desenvolvidos

gradualmente: “[...] os elementos apoiadores e persecutórios mesclam-se uns aos outros, até

que é alcançado algum tipo de equilíbrio em decorrência do qual o bebê retém ou elimina

conforme a necessidade interna” (1954-5, p. 364).

Surge do âmago do mundo interno “uma espécie de padrão, uma ordem a partir

do caos” (Winnicott, 1990, p. 97). Durante o tempo necessário à elaboração, o bebê fica

entregue passivamente ao que se passa, aguardando os seus resultados.

Winnicott (1990) ressalta que o voltar-se para dentro dessa “fase hipocondríaca

acarreta uma certa vulnerabilidade, e isto significa que para que esta fase seja possível o bebê

deve ser cuidado de um modo suficientemente bom”, para que não ocorram intrusões

ambientais (p. 97).

Os resultados do trabalho interno possibilitam ao bebê saudável dar coisas boas

e coisas ruins que serão aceitas pela mãe: “Neste momento o bebê pela primeira vez dá algo, e

sem esse dar não haverá um verdadeiro receber” (Winnicott, 1954-5, p. 365).

Winnicott (1990) considera que “a resolução da dificuldade inerente ao estar

vivo nesta etapa provém da capacidade para fazer reparações desenvolvida pela criança”. O

bebê precisa ter tempo para “organizar as numerosas conseqüências imaginativas da

experiência instintiva e resgatar algo que seja sentido como ‘bom’, que apóia, que é aceitável,

que não machuca, e com isto reparar imaginativamente o dano causado à mãe” (p. 90).

Através da sobrevivência da mãe ao longo do tempo e de sua capacidade de


69

reconhecer o gesto de doação quando este ocorre, o bebê se sente em condições de fazer algo

a respeito daquele buraco no seio ou no corpo da mãe, “criado imaginariamente no momento

instintivo original. Aqui entram em cena as palavras reparação e restituição [...]. O gesto de

doação pode vir a alcançar o buraco, se a mãe faz a sua parte” (1954-5, p. 365). A tarefa que o

bebê tem, diante de si, “exige de forma absoluta tanto tempo quanto um ambiente pessoal

contínuo” (1990, p. 89).

Ao descrever tal processo, Winnicott (1990) nos remete a um tipo de dialética

que se constitui como espiral. Vejamos como ele diz:

Como resultado do êxito das idéias e atos reparadores, o bebê torna-se


mais audacioso ao permitir-se novas experiências instintivas; a
inibição diminui e isto leva a conseqüências ainda mais ricas da
experiência instintiva; surge, assim, uma tarefa ainda maior para a
próxima fase de digestão ou contemplação, mas quando o bebê conta,
felizmente, com a existência de um cuidado materno contínuo e
pessoal, ele cria uma capacidade de reparação também maior, e a isto
se segue um novo patamar de liberdade na experiência instintiva (p.
92).

Assim é que se estabelece aquilo que Winnicott denominou de círculo benigno

da posição depressiva, cujo fortalecimento, dia após dia traz conseqüências importantíssimas:

[...] o bebê torna-se capaz de tolerar o buraco (resultado do amor


instintivo). Aqui estará, então, a origem do sentimento de culpa. Esta
é a única culpa verdadeira, visto que a culpa implantada é falsa para o
eu. A culpa surge através da junção das duas mães, e do amor
tranqüilo ao amor excitado, e do amor ao ódio, e este sentimento vem
compor, à medida que cresce, uma fonte normal e saudável de
atividade nos relacionamentos. Esta é uma das fontes da potência e da
construtividade sociais e também do desempenho artístico (mas não
da arte em si mesma, cuja origem é mais profunda) (1954-5, p. 365).

Através da operação do círculo benigno, a compaixão pode ser tolerável pelo

reconhecimento de que, “havendo tempo, algo pode ser feito a respeito do buraco e das várias

conseqüências dos impulsos do id sobre o corpo da mãe” (Winnicott, 1954-5, p. 366). Com o

passar do tempo, será capaz de constituir memórias de experiências sentidas como boas, de tal

maneira que a sustentação oferecida pela mãe é assimilada dentro do ego: torna-se parte do eu

e o indivíduo adquire um ambiente interno. A criança tem agora a possibilidade de encontrar


70

novas experiências de sustentação da situação, podendo com o tempo realizar tal função para

uma outra pessoa, sem ressentimento. Ela “passa a acreditar no esforço construtivo e a

suportar a culpa, e assim tornar-se livre para o amor instintivo” (Winnicott, 1990, p. 90),

como pessoa total. Poderá, então, direcionar-se para as vivências edípicas.

Quando o círculo benigno é quebrado, o processo passa a desfazer-se, tendo

como conseqüência:

(1) o instinto (ou capacidade de amar) terá que ser inibido;

(2) reaparece a dissociação entre o bebê excitado e a mesma pessoa


quando tranqüila;

(3) o sentimento de tranqüilidade não fica mais ao alcance, e

(4) a capacidade para brincar (e trabalhar) construtivamente é perdida


(1990, p. 94).

Em A Posição Depressiva no Desenvolvimento Normal (1954-5), Winnicott

vincula, pela primeira vez, o termo depressão ao conceito de posição depressiva. Entende que

a depressão é um fenômeno relacionado com quebras no círculo benigno da posição

depressiva: “se os fenômenos internos criam problemas, a criança (ou o adulto) abafa todo o

seu mundo interno passando a funcionar num baixo nível de vitalidade. O estado de espírito é

o da depressão” (p. 366-367). Aqui, não se incluem as depressões encontradas clinicamente

na psiquiatria: os indivíduos mais esquizóides. “Por contraste, para todo o grupo de maníaco-

depressivos, que constitui a maioria das assim chamadas pessoas normais, a questão da

posição depressiva no desenvolvimento normal não pode ser deixada de lado” (p. 373).

Assim, finalmente, retornamos ao início deste capítulo: à maneira como os

indivíduos reagem às perdas.

Winnicott (1954-5) reconhece a importância dos trabalhos de Melanie Klein

que enriqueceram a compreensão que Freud nos ofereceu a respeito da reação à perda, e, trata

o assunto da sua maneira. Nas situações em que ocorreu alguma falha na posição depressiva,

o objeto perdido é magicamente introjetado na vivência do luto. Uma vez introjetado, está
71

sujeito ao ódio, tornando-se possível o contato com elementos persecutórios: o equilíbrio de

forças é perturbado de maneira que os elementos persecutórios aumentam, ao mesmo tempo

em que as forças benignas ou apoiadoras se enfraquecem. Esse processo se coloca como uma

situação de perigo: produz-se, então, um amortecimento generalizado, como mecanismo de

defesa, instalando, assim, um estado de depressão.

Neste ponto, Winnicott (1954-5) nos surpreende ao dizer que a depressão é um

mecanismo de cura. Vejamos como ele diz:

A depressão é um mecanismo de cura: o campo de batalha é como que


coberto por um nevoeiro, permitindo uma triagem num ritmo mais
lento, dando tempo para que todas as defesas possíveis possam
acontecer e possibilitando a elaboração, de modo que em algum
momento posterior ocorra o restabelecimento espontâneo.
Clinicamente, a depressão (desse tipo) tende a desaparecer, um
fenômeno bem conhecido pelos psiquiatras” (p. 371).

No indivíduo em que a posição depressiva foi solidamente estabelecida, ocorre

uma introjeção de memórias de boas experiências e de objetos amados, o que permite que,

diante de uma situação de perda, “o sujeito prossiga o seu caminho mesmo sem um apoio

ambiental. O amor à representação interna de objeto externo pode diminuir o ódio ao objeto

amado introjetado provocado pela perda. Desta e de outras maneiras, o luto pode ser vivido e

elaborado e a tristeza pode ser sentida enquanto tal” (Winnicott, 1954-5, p. 372).

Será que Lara conseguiu estabelecer a posição depressiva em seu

desenvolvimento emocional?

Na primeira sessão com ela, notamos o quanto a preocupação com a saúde dos

filhos é intensa, principalmente com a segunda e o terceiro filhos. A maior parte do seu tempo

era usada levando-os a médicos, fonoaudiólogos, dentistas, etc., ou pensando e conversando

sobre eles.

Através do trabalho que realizou em uma clínica num hospital pediátrico

ambulatorial, por trinta anos, Winnicott (1958) teve oportunidade de observar inúmeros casos
72

de depressão em mães e pais, que vinham à clínica trazendo seus filhos para serem atendidos.

Constatou nesses pais e mães uma constante oscilação entre a preocupação e o desespero com

seus filhos. Por trás desse desespero é comum encontrar dúvidas gerais que eles têm sobre a

vida e o seu sentido: “Muitas vezes a criança não está doente, mas é a mãe que, naquele dia,

está preocupada, noutro dia, talvez, ela não esteja preocupada quando deveria estar. Eu

aprendi cedo a imaginar minha clínica como uma seção de tratamento da hipocondria de mães

e pais” (p. 76).

Winnicott (1958) considera importante que eles possam levar os filhos ao

médico quando estão deprimidos, e é preciso que sejam bem acolhidos pelo profissional que

os atender, porque pode ser suficiente para afastar o desespero da vida desses indivíduos por

certo tempo: “A depressão que aflige uma mãe pode ser muitas vezes contornada pelo exame

e pelo tratamento da coisa que a está preocupando” (p. 78). Por outro lado, de nada adiantará

“dizer a esta mãe que ela está fazendo uma tempestade num copo de água, especialmente

quando ela de fato está!” (p. 79). Às vezes, uma ajuda de amigos também pode ser suficiente.

Entretanto, salienta que a família “é uma das estruturas que pode ser posta em risco pela

depressão da mãe ou do pai” (p. 77).

Por vezes, as pessoas conseguem ir contornando as dificuldades cotidianas.

Porém, em certas ocasiões, uma falha qualquer pode ser suficiente para ativar uma depressão

latente. Nestes casos, a ação profissional não pode se limitar ao apoio e acolhimento.

Winnicott (1958) entende que nas depressões mais severas – os casos de hospital psiquiátrico

– não há esperança; mas “existe esperança nos casos em que a depressão assume a forma de

uma preocupação com algo. Isso nos abre uma porta de entrada”: um processo psicanalítico

de vários anos. Quando isso não é possível, o que “podemos fazer é dar uma pequena ajuda,

ao longo de certo período de tempo e só em relação àquele ponto específico em que o

indivíduo parece ter fracassado; assim fazendo, comunicamos uma esperança” (p. 81).

Assim, em muitas situações, o que podemos fazer é lidar com a preocupação


73

ou confusão, que é manifestação de uma depressão materna. Tal método não elimina a

depressão, mas pode “quebrar um círculo vicioso em que a confusão ou uma negligência no

cuidado das crianças está realimentando e reforçando a depressão” (1958, p. 82). Neste

sentido, Winnicott (1958), pensa a nossa atuação profissional de maneira bastante mais

flexível e, portanto, criativa:

Afirmo que nosso trabalho torna-se inteligível e recompensador


quando conservamos em mente todo o peso da depressão que deve
resolver-se no interior da pessoa deprimida, enquanto tentamos ajudar
no tocante ao problema imediato apresentado, qualquer que seja ele.
Nosso trabalho é regulado por uma certa economia e nos saímos bem
quando conseguimos fazer a coisa certa na hora certa; quando
tentamos o impossível, porém, ficamos deprimidos nós mesmos e o
caso não se altera ao mínimo (p. 83).

Podemos considerar que a preocupação excessiva que Lara tem, com a saúde

dos filhos e com a possibilidade de estar lhes causando mal por seu nervosismo, expressa um

dos tipos de ansiedade da posição depressiva: preocupação com os efeitos que a agressividade

e destrutividade, contida em sua experiência instintiva, exerce sobre o objeto.

Além disso, Lara tem seu psiquismo bastante marcado pelo outro tipo de

ansiedade característica da posição depressiva, a que Winnicott se refere: a preocupação com

as contendas do seu mundo interno – ansiedade hipocondríaca. A sua ida a médicos, padres e

mesmo videntes era compulsória. Nas sessões comigo, as queixas sobre seu estado,

percepções e transtornos corporais eram cotidianas.

Assim, Lara parece, ainda, estar enredada nas contingências da posição

depressiva do desenvolvimento emocional.


74

6 MATERNIDADE: IDEAL E REALIDADE ATRAVÉS DOS TEMPOS

O parto traz consigo angústias de perda e esvaziamento. Ao mesmo tempo

coloca responsabilidades e expectativas bastante elevadas para esta parturiente que estava tão

sozinha.

A maternidade implica em mais responsabilidades e cria-se, em torno dela,

muitas expectativas elevadas, tanto sócio-culturais, quanto provenientes da própria mãe.

Alguns historiadores mostram que, a partir de determinado momento histórico, a maternidade

passa a ser vista e proclamada através de uma exaltação extremada da função materna.

Beauvoir compreende que

[...] a mistificação começa quando a religião da maternidade proclama


que toda mãe é exemplar. Porque o devotamento materno pode ser
vivido numa perfeita autenticidade; mas o caso é raro, na realidade.
De costume, maternidade é um estranho compromisso de narcisismo,
de altruísmo, de sonho, de sinceridade, de má-fé, dedicação e cinismo
(1980, p. 280).

Ao falarmos em maternidade, precisamos incluir as idéias de sexualidade e

fertilidade. A relação que cada sociedade estabelece com a maternidade não é exatamente a

mesma nos vários contextos históricos. A mudança dos padrões de comportamento feminino e

masculino dentro da relação de casal, de família e de comunidade, através dos tempos, pode

ser examinada com a ajuda da arqueologia, da mitologia, da sociologia, da história, da

antropologia e da psicanálise.

Através das produções do homem pré-histórico – objetos artísticos ou de culto

religioso, mitos, lendas, achados arqueológicos – podemos recompor nossos primórdios. Há

25 mil anos, já existia uma especificidade das funções feminina e masculina. À mulher
75

atribuía-se a função da coleta de frutos, castanhas, raízes e folhas comestíveis e o cuidado e

educação da prole. O homem pré-histórico incumbia-se da caça. Nesta época e por muito

tempo adiante não se conhecia o papel do homem na fecundação, sendo os filhos

considerados produtos exclusivos da mãe: ascendência feminina. “O caçador aparece em sua

grandiosidade, arriscando a vida diante da fera para proteger a comunidade ou dar-lhe

alimento. A mulher é enaltecida em seu papel procriador através de grande número de

estatuetas que a mostram no momento do parto, também se arriscando em prol da continuação

da vida” (Rzezinski; Mac Cord, 1997, p. 55).

Com o passar dos milênios, as cenas do herói caçador vão dando lugar ao

criador de animais, de menor prestígio mítico que o anterior, enquanto a figura da mulher

representada como Deusa-Mãe com enormes nádegas, quadris largos, seios volumosos à

mostra e sentada em um trono, ainda é encontrada por muito tempo: cinco mil anos antes de

nossa era. “A agricultura tinha começado a se desenvolver, e era, nesse princípio, atividade

feminina, enquanto o homem pastoreava. Nunca a valorização feminina parece ter sido tão

forte”. A fertilidade da terra e a fartura da colheita são associadas à fecundidade da mulher.

“Essa associação está ainda presente no imaginário dos homens de hoje e condensa todo o

fascínio e terror, ligados ao feminino. Nesse contexto, podemos afirmar que a gestante é a

portadora de um poder mítico, gerador de intensas fantasias e ansiedade nos que a rodeiam e

das quais nem ela mesma está isenta” (Rzezinski; Mac Cord, 1997, p. 56).

Há indícios de que esse quadro tenha se alterado há três mil anos antes de

nossa era: “O homem passa progressivamente a também participar do trabalho agrícola,

introduzindo técnicas que requerem maior força física. Já existe o conhecimento da

necessidade do sêmen do homem para a fecundação da mulher e a filiação matrilinear é

substituída pela filiação patrilinear”. Com o desenvolvimento da agricultura, instala-se a posse

da terra e a figura do guerreiro, que restaura a figura masculina do herói. Com o passar do

tempo, a filiação patrilinear dará origem a uma estrutura social baseada no poder do pai: o
76

patriarcado. Detentor do poder econômico, o homem passa a querer garantias sobre sua

paternidade, pois os filhos serão seus futuros herdeiros: “surge a necessidade de rígido

controle da sexualidade feminina, vista como um grande perigo” (Rzezinski; Mac Cord, 1997,

p. 56).

A lei de Atenas (séc. V a.C.), assim como a lei da maioria das comunidades

gregas, discriminavam bem os diferentes tipos de mulheres: livres e escravas, cidadãs e

metecas, da classe superior ou da inferior. Entretanto, havia algo em comum entre elas: “não

tinham direitos políticos de qualquer espécie. Eram controladas pelos homens em todas as

fases das suas vidas” (Massey, 1988, p. 17). A família, na Grécia Clássica, era controlada por

um homem – o kyrios, ou cabeça da família – que era geralmente o pai. Nos casos em que o

pai tivesse falecido, o kyrios poderia ser o tio. A ele era dado o poder de vida e de morte aos

seus descendentes: o kyrios decidiria sobre o abandono e morte do bebê que adoecia, tinha

algum defeito ou era ônus para a família.

Aos filhos homens cabiam trabalhar em ocupações rentáveis para a família;

enquanto as filhas aprendiam, com suas mães, as tarefas domésticas: cozinhar, tecer, fiar e

gerir o lar. Desta maneira, as filhas passavam o dia-a-dia com suas mães, se preparando para

tornarem-se noivas atraentes para seus futuros maridos. Por volta dos quinze anos, elas se

casavam com um noivo, freqüentemente, muito mais velho e escolhido pelo pai: não tinham

nenhum direito de escolha nesse sentido.

Na verdade, como constata Massey (1988, p. 20), no que se refere ao direito de

expressão, a mulher “não o tinha em nenhum assunto respeitante a si própria, em qualquer

período da sua vida. Era considerada propriedade do pai e depois do marido até morrer. Não

casar era difícil para as mulheres, porque as raparigas solteiras permaneciam sob o controle

dos pais, na sua casa, e considerava-se que tinham falhado, incorrendo assim em despesas

contínuas e desonra para a família”. Pinsky (1988, p. 111) reuniu um texto de Aristóteles onde

ele afirma que, se é verdade que a alma esteja presente em todos os seres, em cada um deles
77

ela aparece representada de maneira diferente: o escravo não possui a parte deliberativa da

alma; a mulher a possui, porém desprovida de autoridade; enquanto a criança a possui de

forma não desenvolvida. Dessa maneira, a virtude será proporcional à tarefa que é destinada a

cada um. Tratava-se, pois, de uma sociedade patriarcal: controlada pelos homens, onde as

mulheres não tinham quaisquer direitos políticos ou sociais.

Pelo casamento a filha se transformava em esposa, passando da tutela de um

homem para a de outro. As mulheres atenienses podiam se divorciar dos maridos, porém era

raro de acontecer. É nesse contexto, que se insere a maternidade: a principal tarefa de uma

esposa grega consistia em gerar filhos homens, para que, sobrevivendo ao pai, herdassem as

propriedades da família. Na sociedade grega clássica, somente os filhos herdavam as

propriedades do pai. Quando estes não existiam, as propriedades passavam para as mãos do

marido que o pai escolhia para a(s) filha(s), e, que geralmente era um parente bem próximo.

Por isso, era fundamental que o chefe da família tivesse certeza da sua paternidade: a

monogamia era exigida da mulher. Quando o marido suspeitava da infidelidade da esposa,

podia divorciar-se dela. Nesse caso, muitas sanções eram colocadas a ela: era excluída das

cerimônias públicas, proibida de usar jóias e considerada uma pária social, era condenada à

solidão e ao isolamento.

No mundo clássico, ser mãe era algo muito doloroso e extremamente perigoso.

De acordo com Massey (1988, p. 27) “as mães morriam freqüentemente ao dar à luz e muitos

bebês não sobreviviam. Não havia anestésicos para aliviar a dor ou medicamentos eficazes

para proteger a saúde da mãe e do bebê”. Por isso, as mulheres que sobreviviam a dez ou doze

partos ficavam tão desgastadas pela experiência da maternidade, que tinham uma vida média

de trinta e cinco anos; enquanto a dos homens era superior em dez anos ou mais. A

sobrevivência das crianças era limitada: em média, de dez crianças que nasciam, apenas

quatro sobreviviam.

Na Roma Antiga (I a.C. e I d.C), a situação da mulher na sociedade


78

permaneceu semelhante à Grécia Clássica.

Entretanto, a partir do início do século I d.C., foi justamente a maternidade que

possibilitou uma liberação gradual das mulheres (mães) em relação à proteção masculina e

aumentou seus direitos e responsabilidades. Começaram a tomar decisões importantes sem

precisar consultar seu guardião masculino: “o seu grau de liberdade dependia do número de

filhos que tinha. As leis do Imperador Augusto (Imperador de 27 a.C. a 14 d.C.) proclamavam

que uma mulher livre com três filhos não precisava ter um guardião: devem ter pensado que

uma mulher livre com três filhos devia ser levada a sério!” (Massey, 1988, p. 69). A partir

desse momento, a mulher romana passou a ter, na procriação, não somente as desvantagens

representadas pela dor e perigo que envolvia gerar filhos, mas alguma possibilidade de

interferência no meio familiar e social em que vivia, mesmo que restritas ao âmbito das

funções maternas.

Havia na sociedade romana um ideal da maternidade, simbolizado por

Cornélia, a mãe dos Gracos, sobre a qual contava-se uma história. Massey (1988, p. 61, grifo

nosso) relata tal história:

Uma mulher de classe elevada da Campânia estava em casa de


Cornélia, mãe dos irmãos Gracos. Vangloriava-se constantemente
das suas jóias, que dizia serem as mais belas que alguém podia
observar então. Cornélia deixou-a falar até os filhos regressarem das
lições. Então disse à mulher: ‘Estas são as minhas jóias’. Valério
Máximo (séc. I d.C.)

Tal história era repetida pelos romanos enquanto um instrumento ideológico

que mostrasse às mães romanas, como deveriam pensar e agir: sua vaidade deveria se

relacionar exclusivamente ao fato de serem mães. E era de acordo com esse ideal maternal

que as mulheres deveriam se modelar e comportar. Demonstração de ambições ou inteligência

da mulher poderia significar a desconfiança e difamação do seu caráter, por parte dos homens.

Por outro lado, os homens romanos estavam convictos de que as mães representavam uma

força poderosa na educação dos filhos.


79

Outrossim, Massey (1988, p. 72) ressalta que “o parto não era mais fácil para

as romanas do que fora para as gregas, e muitas mulheres sofriam terrivelmente ou morriam

durante os trabalhos”. Contrariando ao ideal materno dos romanos, os filhos das classes

médias e altas eram entregues às amas de leite que os alimentavam e se incumbiam dos

cuidados gerais da criança. Pode-se perceber, nesse momento, críticas a esse costume, por

parte do historiador romano Tácito, que acreditava ser importante que as próprias mães se

dedicassem aos cuidados de seus filhos. Porém, parece que, na realidade, muitas crianças

morriam durante os primeiros anos de vida, em decorrência de doenças, má nutrição e falta de

cuidados médicos.

O casamento se constituía no único meio legal de se ter herdeiros livres,

portanto eram exigidas a fidelidade e castidade das esposas, para que pudessem ter certeza da

paternidade. Massey (1988, p. 68) observa que “algumas vezes, esses casamentos resultavam

em amor, mas os escritores romanos descrevem mais freqüentemente o amor entre jovens ou

entre homens casados e outras mulheres que não as suas esposas do que o amor entre marido e

mulher”. Isso significa uma divisão nítida de funções e um padrão dual da moral: à esposa

cabia gerar os herdeiros para o seu marido; e, às amantes, prostitutas e concubinas cabia

entreter, dar prazer e amor ao homem. De qualquer maneira, a todas cabiam servir ao homem.

Porém, tal modelo não se aplicava à maioria das esposas, mães e filhas

imperiais que estavam sempre envolvidas em escândalos de todo tipo: infidelidade, atividades

sexuais abertas, luta pelo poder do filho, etc.

A Idade Média tem início, a partir do século IV d.C., quando o Cristianismo se

torna a religião oficial dos romanos.

Muraro (1991, p. 12-13) buscou compreender a situação da mulher nesse

período histórico. Para esta autora, a condição das mulheres oscilou dentro desse período. Do

terceiro ao décimo séculos, percebe-se um período de conflito de valores, em que a situação

da mulher era muito confusa, por se tratar de um período onde o Cristianismo se sedimentava
80

entre as tribos bárbaras da Europa. Por esse motivo, os homens se ausentavam muito e

morriam nos períodos de guerra, o que fazia com que as mulheres tendessem a ocupar lugar

de destaque no mundo das decisões. Como diz a autora: “as mulheres eram jogadas para o

domínio público quando havia escassez de homens e voltavam para o domínio privado

quando os homens reassumiam o seu lugar na cultura”. Sendo assim, o lugar ocupado pela

mulher, durante o período de sedimentação do cristianismo, oscilou de acordo com a presença

ou ausência do homem, no meio social em questão.

Na Alta Idade Média, as mulheres passaram a ocupar mais espaço e a se

expandir através do acesso às artes, às ciências, à literatura. Isso aconteceu durante as

cruzadas, período em que a Igreja detinha o maior poder temporal e em que foram gestadas as

grandes transformações que viriam com a Renascença.

Na relação com o homem, entretanto, não notamos mudanças significativas; ao

contrário do que ocorre em relação à imagem da mulher, durante o período medieval.

De acordo com Muraro (1991, p. 12), “a mulher é vista como a tentadora do

homem, aquela que perturba a sua relação com a transcendência e também aquela que

conflitua as relações entre os homens. Ela é ligada à natureza, à carne, ao sexo e ao prazer,

domínios que têm de ser rigorosamente normatizados”. A mulher era vista como a fonte de

todo o pecado e relacionada com o mau. Rzezinski e Mac Cord (1997) diz que o patriarcado,

no mundo ocidental, teve seu ápice na Idade Média,

[...] quando o clero recomendava que as mulheres fossem trancadas e


vigiadas para que não se dedicassem à promiscuidade desenfreada. A
crença na voracidade sexual da mulher ligava-se a de que um único
homem não poderia satisfazê-la, como se encontra explicitado em
muitos documentos. A mulher é representada como a fêmea
predadora, traiçoeira, aranha canibalista, bruxa. Sua única saída
honrosa seria realizar a maternidade identificada com a Virgem, isto
é, sem consciência de seus genitais (p. 57).

Ariès (1986a, p. 157) estudou os escritos de São Paulo, onde foi possível

perceber que a mulher era responsabilizada pelo sofrimento existente no mundo: “foi ela, em
81

primeiro lugar, que introduziu o pecado no mundo – e não o homem. Adam nom est seductus

mutier autem seducta... todavia, observa ele, a maternidade a salva: sotvabitur autem per

fitiorum generationen... A concepção tradicional da fecundação também é novamente levada

em conta, mas por expediente indireto, como a compensação da inferioridade original do

sexo”. Temos, pois, que a mulher reunia em si os atributos do mau e da inferioridade – a culpa

–, mas que poderia ser redimida pela maternidade. Porém, a maternidade somente poderia

ocorrer dentro do casamento.

Em relação ao modelo proposto pela Igreja, Duby (1989, p. 17-18) destaca

seus principais traços. A tradição da Igreja cristã a predispunha a condenar o casamento, por

ser um mal na medida em que se constituía em mácula, perturbação da alma e um obstáculo à

contemplação. Todavia, o adotou, enquanto um mal menor, “já que os seres humanos,

infelizmente, não se reproduzem como as abelhas e que para isso eles devem copular, e já

que, dentre as armadilhas postas pelo demônio não há nenhuma pior do que o uso imoderado

dos órgãos sexuais, a Igreja admite o casamento como um mal menor [...], mas com a

condição de que sirva para disciplinar a sexualidade, para lutar eficazmente contra a

fornicação”. Para esse fim, a Igreja propôs uma moral que eliminasse tanto o prazer carnal,

quanto a paixão no casamento.

Ariès (1986b, p. 257) mostra bem que, na Idade Média, não se tinha, em

relação à família, a concepção do privado: a vida fluía no âmbito do espaço público, do

coletivo, envolvendo num mesmo movimento as idades e as condições sociais, não havendo

lugar para o setor privado: “A família cumpria uma função – assegurava a transmissão da

vida, dos bens e dos nomes – mas não penetrava muito longe na sensibilidade”. A falta de

afeição familiar dos medievais – nos moldes que a concebemos hoje – manifestava-se na

atitude em relação à criança.

A criança permanecia em casa até a idade de sete ou nove anos, pouco tempo

depois do desmame: aproximadamente aos sete anos de idade. A partir daí, tanto os meninos,
82

quanto as meninas, eram colocados na casa de outras pessoas para realizarem “serviços

domésticos”. O termo é colocado entre aspas, por tratar-se de uma noção diferente daquela

que temos hoje. Na época, não havia diferenciação ou delimitação entre a profissão e a vida

particular: confundiam-se no movimento da vida coletiva. Assim, não havia limites entre

serviço doméstico e aprendizagem: “Era através do serviço doméstico que o mestre transmitia

a uma criança, não ao seu filho, mas ao filho de outro homem, a bagagem de conhecimentos,

a experiência prática e o valor humano que pudesse possuir” (Ariès, 1986b, p. 228). Assim se

fazia toda a educação, onde a transmissão de conhecimento de uma geração à outra acontecia

pela participação familiar das crianças na vida dos adultos. As cenas da vida quotidiana

mostravam crianças e adultos ocupados com seus ofícios.

Assim, a criança desde muito cedo se separava da família e nem sempre

voltava, depois de adulta. Ariès (1986b, p. 231) compreende que “a família não podia,

portanto, nessa época, alimentar um sentimento existencial profundo entre pais e filhos. Isso

não significava que os pais não amassem seus filhos: eles se ocupavam de suas crianças

menos por elas mesmas, pelo apego que lhes tinham, do que pela contribuição que essas

crianças podiam trazer à obra comum, ao estabelecimento da família”. A realidade da família

era moral e social, muito mais que sentimental. Moral no sentido de manter a honra do nome e

social, no sentido de dar manutenção à sua instalação material e propriedade do patrimônio.

A partir do século XV, ocorreram muitas transformações nas realidades e nos

sentimentos da família. Apesar de profunda e lenta, tal revolução não era possível de ser

percebida e reconhecida pelos contemporâneos e historiadores.

Ocorreu uma aproximação entre a família e a criança. Os laços entre a criança

e sua família se estreitaram, tal como o sentimento da família e o sentimento da infância. A

educação passou a ser fornecida, cada vez mais, pela escola, que não ficou mais restrita aos

clérigos e foi se construindo enquanto um espaço de iniciação social, de passagem da

condição de criança para a de adulto. De acordo com Ariès (1986b, p. 231),


83

essa evolução correspondeu a uma necessidade nova de rigor moral da


parte dos educadores, a uma preocupação de isolar a juventude do
mundo sujo dos adultos para mantê-la na inocência primitiva, a um
desejo de treiná-la para melhor resistir às tentações dos adultos. Mas
ela correspondeu também a uma preocupação dos pais de vigiar seus
filhos mais de perto, de ficar mais perto deles e de não abandoná-los
mais, mesmo temporariamente, aos cuidados de outra família.

O clima sentimental entre os membros da família, se aproximava daquilo que

se conhece hoje, “como se a família moderna tivesse nascido ao mesmo tempo que a escola,

ou, ao menos, que o hábito geral de educar as crianças na escola” (Ariès, 1986b, p. 232).

Inicialmente, as escolas ficavam distantes das famílias. A criança, geralmente,

não era internada no colégio, mas ficava morando num pensionato ou na casa do mestre. As

visitas dos familiares foram ficando cada vez mais freqüentes. Com o decorrer do tempo, os

pais passaram a se empenhar cada vez mais para que as escolas se multiplicassem e ficassem,

portanto, mais próximas das famílias; satisfazendo assim ao desejo crescente dos pais de

manter seus filhos próximos, o maior tempo possível. O referido autor compreende que “esse

fenômeno comprova uma transformação considerável na família: esta se concentrou na

criança, e sua vida confundiu-se com as relações cada vez mais sentimentais dos pais e dos

filhos” (1986b, p. 233). É importante observar que tal fenômeno de escolarização não se fez

abruptamente: foi ocorrendo lentamente, através dos séculos, até chegar à amplitude dos

tempos atuais. Porém, em relação às meninas, foi muito mais lento que aos meninos. A

maioria das meninas permanecia sendo educada em casa ou na casa de outras pessoas – uma

parenta ou vizinha –, enquanto os meninos se dirigiam à escola. A escola substituiu as antigas

formas práticas de aprendizagem, pela necessidade de educação teórica. Dessa maneira,

enquanto os meninos eram educados por uma instrução mais teórica e especializada, as

meninas seriam educadas, durante muito tempo, pela prática e pelo costume e, muitas vezes,

em casas alheias.

O sentimento de família e seus problemas morais apareceram também na

transmissão da herança. Parece que, durante o século XIII, se difundiu o antigo costume que
84

permitia beneficiar apenas um dos filhos, em detrimento dos demais: geralmente o

primogênito. Esse costume permeou a sociedade familiar do fim da Idade Média até o século

XVII, mas não mais a partir do século XVIII. Iniciou-se um sentimento que resultaria na

igualdade de direitos de herança dos filhos: na igualdade do código civil. Assistimos ao início

do respeito pela igualdade dos filhos de uma família; e, à tendência de “atribuir à afeição dos

pais e dos filhos, sem dúvida tão antiga quanto o próprio mundo, um valor novo: passou-se a

basear na afeição toda a realidade familiar” (Ariès, 1986b, p. 235).

É, pois, importante destacar que a afeição entre pais e filhos sempre existiu,

porém, a valoração desse sentimento, enquanto a base fundamental de toda a realidade

familiar, é historicamente bastante recente. A emersão da família moderna, marcada por essa

nova sensibilidade pode ser compreendida através da maneira como se estabelecem as

relações humanas. Quando a vida dos homens estava voltada para a rua, as festas, as orações,

as comunidades de trabalho, o seu tempo e o seu espírito eram monopolizados pela

coletividade; e o lugar da família em sua sensibilidade era bem restrito. Porém, quando as

relações de trabalho, de vizinhança e de parentesco pesam menos, abre-se um lugar maior

para o sentimento familiar, que, então, passa a substituir os outros sentimentos de fidelidade,

de serviço, tornando-se preponderante; e, muitas vezes, exclusivo. Assim é que Ariès (1986b,

p. 238) entende que “os progressos do sentimento da família seguem os progressos da vida

privada, da intimidade doméstica. O sentimento da família não se desenvolve quando a casa

está muito aberta para o exterior: ele exige um mínimo de segredo. Por muito tempo, as

condições da vida quotidiana não permitiram esse entrincheiramento necessário da família,

longe do mundo exterior”. Um dos motivos estava relacionado com a saída das crianças para

outras casas e a vinda de crianças estranhas que as substituíam. Mas não é suficiente. Outros

motivos precisam ser arrolados.

Até o século XVII as relações sociais se fundamentavam nas relações de

dependência entre os estratos e grupos sociais. Isso se traduzia por uma vida quotidiana
85

marcada por inúmeras visitas, conversas, encontros e trocas. Não havia separação entre

atividades econômicas, sociais ou de divertimento. Tudo acontecia com e através das relações

sociais mantidas com o conjunto do grupo onde se havia nascido. Ter êxito na vida

significava ocupar uma posição honrosa em uma sociedade em que todos os seus membros se

relacionavam quotidianamente. Fazer sucesso envolvia a arte de se relacionar bem em

sociedade. O futuro de cada um dependia disso; daí a importância da conversação. Porém, os

assuntos domésticos, familiares ou muito pessoais deviam ser evitados, por serem

considerados inconvenientes.

Para se relacionar bem, portanto, dever-se-ia observar os tratados de civilidade.

Os tratados de civilidade foram descrições de boas maneiras, dirigidas tanto às crianças, como

aos adultos. Foram escritos a partir do renascimento, mas seguiam os modelos antigos da

Idade Média e explicavam como um homem, bem educado, deveria ser. Assim, temos que

“até o fim do século XVII, ninguém ficava sozinho. A densidade social proibia o isolamento e

aqueles que se conseguiam fechar num quarto por algum tempo eram vistos como figuras

excepcionais [...] Essa sociabilidade durante muito tempo se havia oposto à formação do

sentimento familiar, pois não havia intimidade” (Ariès, 1986b, p. 264).

A partir do século XVIII as famílias aristocráticas e burguesas começaram a se

distanciar da sociedade e a confinarem-se num espaço limitado. Surgiu uma nova

preocupação de defesa contra o mundo, concretizada na nova organização da casa. A casa

moderna passou a assegurar a independência dos cômodos. Os cômodos deixaram de

comunicar-se entre si e passaram a abrir para um corredor de acesso, evitando-se que as

pessoas fossem forçadas a atravessá-los para passar de um ao outro. Surgiu também, nesta

época, o conforto: nasceu justamente com a intimidade, a discrição, e o isolamento. As camas,

antes espalhadas por toda parte, passaram a ser reservadas ao quarto de dormir. De acordo

com Ariès (1986b, p. 265), “essa especialização dos cômodos da habitação, surgida

inicialmente entre a burguesia e a nobreza, foi certamente uma das maiores mudanças da vida
86

quotidiana. Correspondeu a uma necessidade nova de isolamento. Nesses interiores mais

fechados, os criados não saíam mais das áreas separadas que lhes eram determinadas”. Os

criados passaram a ser mantidos à distância, assim como os intrusos.

No fim do século XVIII, as pessoas não mais iam à casa de um amigo ou

sócio, sem antes avisar, através de cartões enviados pelos criados ou pelo correio: “outrora,

vivia-se em público e em representação, e tudo era feito oralmente, através da conversação.

Agora, separava-se melhor a vida mundana, a vida profissional e a vida privada: a cada uma

era determinado um local apropriado como o quarto, o gabinete ou o salão” (Ariès, 1986b, p.

266).

Com a reorganização da casa e dos costumes abriu-se um espaço maior para a

intimidade, que foi preenchida por uma família composta somente pelos pais e pelas crianças:

os criados, os clientes e amigos foram excluídos. A família rompeu com o silêncio e passou a

ocupar grande parte da correspondência, das conversas e das preocupações das pessoas. A

partir daí, a saúde e a educação passam a ser as principais preocupações dos pais; assim como

a preocupação com a igualdade entre os filhos: “a criança tornou-se um elemento

indispensável da vida quotidiana, e os adultos passaram a se preocupar com sua educação,

carreira e futuro [...]. A família moderna [...] separa-se do mundo e opõe à sociedade o grupo

solitário dos pais e filhos. Toda a energia do grupo é consumida na promoção das crianças,

cada uma em particular, e sem nenhuma ambição coletiva: as crianças, mais do que a família”

(Ariès, 1986b, p. 270-271). Daí em diante, as antigas relações entre senhores e criados,

grandes e pequenos, amigos ou clientes foram destruídas; reforçando-se mais o sentimento de

intimidade em detrimento das relações de vizinhança, de amizade ou de tradições.

O sentimento de família se estendeu, na medida em que a sociabilidade retraiu.

Junto com ele o significado e valorização de ser mãe também se transformaram. Os cuidados

da mãe, dispensados aos filhos, se estenderam intensificando-se os laços afetivos entre mãe e

filho. Muito mais que a sobrevivência e desenvolvimento físico dos primeiros sete anos de
87

vida iniciais da criança, a maternidade, agora, envolvia as responsabilidades pela saúde

mental e pela educação moral das crianças: pela preparação para a vida.

Rousseau, no século XVIII, faz uma exaltação extremada da função materna.

Defende que a maternidade e os cuidados da família deveriam ser as únicas atividades

exercidas pelas mães, para a felicidade de todos. Badinter ([198-], p. 207) sintetiza essa

mudança de noção e valorização dos cuidados maternos, que percorreu o caminho que parte

da indiferença e mesmo desvalorização, para a concepção de uma maternidade que, “tal como

concebida no século XIX, a partir de Rousseau, é entendida como um sacerdócio, uma

experiência feliz que implica também necessariamente dores e sofrimentos. Um real sacrifício

de si mesma. Se tanto se insiste nesse aspecto da maternidade, com uma certa benevolência, é

sempre para mostrar a adequação perfeita entre a natureza da mulher e a função de mãe”.

Prosseguindo nessa linha de raciocínio, a autora argumenta que essa mudança de mentalidade

em relação à maternidade permitiu que muitas mulheres pudessem exteriorizar um aspecto

essencial de sua personalidade com muito orgulho e alegria. Porém, os discursos exaltados e

autoritários sobre a condição materna, criaram um mal-estar inconsciente nas mulheres que

não desejavam realmente ser mães.

Por outro lado, a Revolução Francesa com seu lema de igualdade, pôs em

dúvida, pela primeira vez, que a subordinação da mulher ao homem fosse natural e

inalterável. Langer (1986) observa que não houve mudanças imediatas nas classes média e

alta, diferentemente do que ocorreu na classe baixa: “Tanto na família do trabalhador rural,

como do artesão, mulher e filhos tinham compartilhado o trabalho do homem e todos estavam

muito limitados em seus direitos. A mulher estava inserida no processo de produção caseira,

mas alternou sem limites definidos com este trabalho a atenção da família e a criação e

educação dos filhos” (p. 18-19).

Porém, com a Revolução Industrial e os descobrimentos técnicos, a

transformação do trabalho foi intensa, levando à concentração dos operários nas fábricas. A
88

mulher da classe baixa seguiu o homem de imediato, não por rivalidade a ele, mas por pura

necessidade. Agora, os filhos “transformavam-se em um peso para a mulher, que, voltando

cansada do trabalho, tinha que dedicar suas poucas horas livres à atenção das crianças e da

casa” (Langer, 1986, p. 19).

A mudança que ocorreu com a mulher da classe operária, no decorrer do

século XIX (nos países industrializados) não afetou a mulher das classes média e alta, até a

Primeira Guerra Mundial. Em 1914, a mulher da classe média aderiu com grande entusiasmo

ao apelo das autoridades para que abandonassem o lar e começassem a trabalhar, “não

somente por patriotismo, mas também por estar disponível psicológica e materialmente [...] a

mulher de começos do século [XX], tinha um número reduzido de filhos e sentia-se

desperdiçada em seu lar vazio” (Langer, 1986, p. 19). Os progressos da medicina

proporcionaram a diminuição da mortalidade infantil e puseram à disposição do casal

métodos anticoncepcionais eficazes, inclusive a realização de abortos sem maiores riscos

físicos e legais. “No século XIX e principalmente neste [século XX], vem aparecendo sinais

bem visíveis do enfraquecimento do patriarcado no mundo ocidental, provavelmente como

reflexos da Revolução Francesa, que matou o Rei Pai divino e instalou os princípios de

Liberdade, Fraternidade e Igualdade” (Rzezinski; Mac Cord, 1997, p. 57).

Surge, então, a questão: Quem é a mulher atual?

Riechelmann (1997) discute tal questão, através de pesquisa bibliográfica com

autores renomados nesse assunto: (Michelet, 1992; Muraro, 1983; Muraro, 1990; Muraro,

1991; Riechelmann, 1993; Vicent, 1992), realizando uma síntese esclarecedora a esse

respeito.

O primeiro aspecto da mulher atual refere-se à sua participação no sistema

econômico de produção. O referido autor (1997) considera que foi, realmente, a partir da

Segunda Guerra Mundial que a mudança do papel social da mulher ganhou vulto e

velocidade. A ida dos homens para os campos de combate obrigou o mercado de trabalho a
89

admitir as mulheres em funções que antes eram exclusivas dos homens. Além disto, o clima

de guerra favoreceu a queda do preconceito social que insidia sobre a mulher que trabalhava

fora de casa, que passou a ser valorizada por oferecer sua contribuição à sociedade em

momentos difíceis. As conseqüências logo surgiram: por um lado, o mercado de trabalho

descobriu que as mulheres produziam como os homens com salários bem menores, e as

mulheres descobriram as vantagens da independência financeira em relação aos seus maridos.

Por outro lado, as mulheres pagaram o preço da dupla jornada de trabalho feminino, já que a

relutância dos homens em abandonar suas posições de poder frente às mulheres obrigou-as a

somar a jornada de trabalho fora de casa ao trabalho doméstico.

Outro aspecto refere-se à reapropriação do próprio corpo, da sexualidade e

liberação da culpa sexual, que tomou vulto a partir das décadas de 50 e 60 do século passado,

principalmente através do Movimento da Contracultura que propunha o amor livre. Somando-

se a isso, a invenção da pílula anticoncepcional favoreceu uma mudança radical na maneira da

mulher lidar com sua sexualidade. “A gravidez, que representava um impedimento de

desligar-se do homem e um castigo pela relação sexual fora do casamento, ficou sob controle

da mulher. O sexo deixou de ser uma atividade que acarretava maternidade e passou a ser

possível como simples atividade de prazer” (Riechelmann, 1997, p. 45).

Por último, cabe destacar o acesso ao poder que a mulher conquistou na

medida em que foi se estabelecendo, em definitivo, no mercado de trabalho e na

Universidade. Gradualmente, passa a disputar as mais altas posições de liderança e gerência

nas empresas, oferecendo às empresas maior produtividade a menores custos, que passaram a

deslocar os homens de várias posições de comando empresarial e político. Enfim,

diversas forças sociais (movimentos feministas, agilização dos meios


de comunicação, ondas de democratização em antigas ditaduras,
avanços médico-tecnológicos da economia, etc...) resultaram no perfil
de uma nova mulher. A mulher atual vê diante de si o mundo,
contrastando com a mulher tradicional, que sempre teve diante de si
apenas o lar (Riechelmann, 1997, p. 45).
90

O antigo preconceito da inferioridade feminina servia de apoio à estabilidade

da sociedade ao delimitar o campo de ação de ambos os sexos. Apesar de ser prejudicial à

mulher, facilitava a cada sexo sentir-se seguro de seu papel estritamente definido. Mas,

através de suas conquistas concretas, a mulher derrubou esse preconceito e, então, “tanto o

homem como a mulher, começavam a sentirem-se inseguros, a duvidar de seus direitos e

deveres no status de nossa sociedade em mudança” (Langer, 1986, p. 20). Margareth Mead

realizou muitos estudos antropológicos em sociedades bastante diferentes (culturalmente) da

nossa, e considera que tal confusão, frente ao papel dos sexos, é oriunda do fato de que a vida

real entrou em discrepância com as normas que ainda regem os conceitos e ideais relativos ao

que deveria ser a maneira de viver dos dois sexos. Tentou compreender e discriminar os

traços de personalidade que são autenticamente masculinos e femininos e chegou “à

conclusão, desconcertante para ela mesma, de que nosso conceito a respeito é resultante de

nossa própria cultura”. Mas “vê a possibilidade de que iremos nos adaptando pouco a pouco

às novas condições que nos impõe o desenvolvimento cultural atual” (apud Langer, 1986, p.

27-28).

Porém, forças e sentimentos ambivalentes delineiam perspectivas de conflitos

entre o modelo de mulher atual e as vivências da gestação/maternidade: “A mulher atual tende

a viver a gravidez com sentimentos ambivalentes de intensidade mais extrema que a

mulher tradicional (Riechelmann, 1997, p. 49, grifo do autor). As mudanças do papel social

da mulher nas últimas décadas abriram as possibilidades de realização pessoal, profissional e

de independência financeira, como também a levou a “arcar com a dupla jornada de trabalho

e, ironicamente, com sérias limitações para o exercício do papel que historicamente a

sociedade lhe consagrou: o papel de mãe” (p. 47). Ficou sensivelmente mais amplo o leque de

fontes de angústia perante a gestação, já que esta pode acarretar perspectivas de limitação e/ou

impedimento de realização existencial e profissional. “ É claro que a realidade tende a ser

mais no sentido dos adiamentos do que propriamente de perdas definitivas, mas esta visão
91

realista em geral só é atingida muito tempo depois de terminada a gestação. É muito difícil

para a gestante ser realista em um período como a gravidez, caracterizado por fortes

sentimentos de insegurança, ansiedade e medo perante o desconhecido” (p. 48-49).

A mudança do papel da mulher no contexto social é fato consumado. Diante

desta realidade, Riechelmann (1997, p.51-52) faz um balanço bastante interessante dos

ganhos e perdas realizadas:

A mulher atual ganhou em dignidade, cidadania e possibilidades de


crescimento pessoal. Paga com aumento de estresse, conflitos com a
maternidade e igualdade de incidência de doenças antes tipicamente
masculinas. O homem ganhou a consciência da necessidade de crescer
emocionalmente, além do tradicional crescimento puramente
intelectual. Ganhou também permissão para ser mais amoroso, mais
dedicado ao lar e à família, enfim, compartilhar o que antes era
exclusivo da mulher. Paga com a perda de seu poder autoritário.
Ganham as crianças, que não precisarão mais aprender com a mãe a
serem submissos e aprender com o pai a terem medo de amar.Pagam
com a diminuição da duração da infância, obrigados que são ao
amadurecimento precoce pela menor disponibilidade dos pais. Ganha
muito o capitalismo, pela disponibilidade de exércitos de mulheres
que produzem muito bem por salários mais baixos que os dos homens.
Paga (pouco e quando paga!) com a responsabilidade de manter a
renda da mulher nos momentos que sua condição feminina obriga a
parar de produzir, por exemplo, durante o ciclo gravídico-puerperal ou
devido a uma forte tensão pré-menstrual, custo esse que não existia
quando os trabalhadores eram todos homens.

Langer (1986, p.18-19), também explicita sua tese básica acerca do assunto:

[...] antigamente a sociedade impunha à mulher severas restrições ao


campo sexual (tomando o termo em seu sentido mais restrito) e social,
mas favorecia o desenvolvimento de suas atividades e funções
maternais. As conseqüências destas restrições foram a grande
freqüência da histeria e outras manifestações psiconeuróticas na
mulher. Por outra parte, parece ter sofrido relativamente poucos
transtornos psicossomáticos em suas funções procriativas. Atualmente
o quadro mudou. Neste último século, a mulher de nossa civilização
adquiriu uma liberdade sexual e social totalmente desconhecida há
apenas três gerações. Mas, por outra parte, as circunstâncias sociais,
culturais e econômicas impõem graves restrições à maternidade. Em
conseqüência desta situação, diminuem os quadros neuróticos típicos
e já não se encontra mais a ‘grande hystérie’, mas aumentam de forma
alarmante os transtornos psicossomáticos mencionados.

Como é possível observar através dos tempos, a partir do século XVIII, o

significado e valorização sociais de ser mãe se transformaram: a maternidade passa a envolver

as responsabilidades pela saúde mental e pela educação moral das crianças. A partir de
92

Rousseau, a maternidade é entendida como um sacerdócio: uma experiência feliz, mesmo que

implique também dores e sofrimentos, um real sacrifício de si mesma. Instala-se, assim, o

Ideal da Maternidade. Porém, tal ideal se choca com as condições reais necessárias para sua

realização. A mulher atual tende a viver a maternidade com conflitos e sentimentos

ambivalentes de grande intensidade.

Com a mudança de casa e nascimento da segunda filha, Lara precisou deixar o

trabalho que tinha, mas suas vizinhas ficavam dizendo que ela deveria trabalhar para

contribuir com o término da construção e renda da sua casa. Através da psicoterapia, é

possível constatar o nível acentuado de ambivalência com que ela vive o conflito maternidade

(e trabalho doméstico) X trabalho fora de casa. Aos poucos, Lara foi retomando sua vida

profissional, mas a preocupação e culpa quanto a se ausentar do lar e dos cuidados com os

filhos eram intensos. Não queria reproduzir, com os filhos, o sentimento de abandono que ela

viveu em relação aos seus pais, principalmente no que se refere a colocar os filhos na creche.

Aos 5 anos de idade, mais ou menos, ela e um irmão passaram a ficar o dia todo em uma

creche: essa experiência a marcou de forma muito negativa.

Além disso, o relato de Lara mostrou (capítulo 3), que após o parto de sua

segunda filha (Mariana), muitos problemas de saúde ocorreram com esse bebê, exigindo

muito desta mãe, que diz que “a partir daí tudo começou a piorar”. No capítulo 3, também,

pudemos observar que estudiosos da depressão puerperal destacam, como fatores causais

importantes: a distância entre o bebê imaginário e da fantasia, com o bebê real que vai se

revelando após o parto; e, a incongruência entre a imagem atual da mãe (no puerpério) e o que

havia projetado num Ideal de Eu. Boukobza (2000, p. 20) considera que “o motivo da

depressão pós-parto a ser diferenciado do baby-blues, que seria mais uma referência à

separação e à perda do objeto interno parece ser uma renúncia muito forte exigida de uma

mulher com um narcisismo ao mesmo tempo exacerbado e frágil, não suficientemente

sustentado pelo entorno (a mãe, o cônjuge )”.


93

Nesse sentido, parece que Lara tinha, em si, exigências muito elevadas, ao

mesmo tempo em que se dava conta da sua falta de possibilidades reais para realizá-las.
94

7 INTERJOGO DO EGO COM O IDEAL DO EGO E A AUTO-ESTIMA

No capítulo 3, abordamos os episódios que Lara relata ter entrado em

depressão. No terceiro episódio, pudemos observar uma distância entre aquilo que o meio

externo lhe coloca como um ideal a ser realizado por ela e suas reais possibilidades de

conseguí-lo. Vejamos a fala de Lara: [...] foi tudo demais para mim: foi muita emoção e eu não

agüentei. O padre ia falando as coisas, a gente já era recebida com música, já colocavam a gente

sentada e traziam as melhores coisas para comer – já faziam tudo por nós: era uma coisa muito além

daquilo que é a minha realidade... diziam que somos pessoas de luz, que a gente seria semente e teria

que levar tudo para as outras pessoas, espalhar essa semente para todos os lugares... [sic].

Nesse relato, Lara traz este elemento em comum com os demais episódios: a

distância acentuada entre um ideal de ego e o ego real (bastante fragilizado). Associado a isso,

Lara está bastante enredada por auto-recriminações. Tais processos levam a um estado de

tensão excessiva entre o ego e o superego.

Ideal do ego é uma expressão usada por Freud na medida em que vai

elaborando a segunda teoria do aparelho psíquico, ao longo de sua obra. É difícil estabelecer

um único sentido para esse termo porque está estreitamente ligado à construção progressiva

da noção de superego. Laplanche e Pontalis (1992) definem o ideal de ego ou ideal de eu

como uma “instância da personalidade resultante da convergência do narcisismo (idealização

do ego) e das identificações com os pais, com os seus substitutos e com os ideais coletivos.

Enquanto instância diferenciada, o ideal de ego constitui um modelo a que o sujeito procura

conformar-se” (p. 222).

Em Sobre o narcisismo: uma introdução, aparece a expressão ideal do ego


95

pela primeira vez, como uma formação intrapsíquica relativamente autônoma “pelo qual [o

homem] mede seu ego real” (Freud, 1914, p. 111), as suas realizações efetivas. Sua origem é,

principalmente, narcísica. Surge a partir de um deslocamento do narcisismo desfrutado na

infância pelo ego real. Nos primórdios da vida psíquica, o “ego real” seria mais um ego ideal,

na medida em que se instala através de um movimento psíquico parental: cabe aos pais

afetuosos atribuir um projeto ideal para seu bebê, inaugurando seu ego pela instalação do

narcisismo primário. Isso ocorre porque na relação com o filho – bebê – os pais revivem seu

próprio narcisismo, abandonado há muito tempo. Assim,

eles se acham sob a compulsão de atribuir todas as perfeições ao filho


– o que uma observação sóbria não permitiria – e de ocultar e
esquecer todas as deficiências dele. Além disso, sentem-se inclinados
a suspender, em favor da criança, o funcionamento de todas as
aquisições culturais que seu próprio narcisismo foi forçado a respeitar,
e a renovar em nome dela as reivindicações aos privilégios de há
muito por eles próprios abandonados [...] ela [a criança] será mais
uma vez realmente o centro e o âmago da criação – ‘Sua Majestade o
Bebê’, como outrora nós mesmos nos imaginávamos. A criança
concretizará os sonhos dourados que os pais jamais realizaram [...] O
amor dos pais, tão comovedor e no fundo tão infantil, nada mais é
senão o narcisismo dos pais renascido, o que, transformado em amor
objetal, inequivocamente revela sua natureza anterior”(p. 107-108).

Por isso, o ideal do ego, tal “como o ego infantil, se acha possuído de toda

perfeição de valor” (1914, p. 111). Tal estado de narcisismo – que Freud compara a um delírio

de grandeza – não é renunciado com facilidade. Freud (1914) entende que o indivíduo,

[...] quando, ao crescer, se vê perturbado pelas admoestações de


terceiros e pelo despertar de seu próprio julgamento crítico, de modo a
não mais poder reter aquela perfeição, procura recuperá-la sob a
forma de um ego ideal. O que ele projeta diante de si mesmo como
sendo seu ideal é o substituto do seu narcisismo perdido de sua
infância na qual ele era o seu próprio ideal (p. 111).

Assim, o narcisismo infantil é abandonado (ou deslocado) em razão das

críticas que, principalmente os pais e demais educadores, fazem à criança. Tais críticas são

interiorizadas na forma de uma instância psíquica especial: instância de censura e de auto-

observação, que irá observar “constantemente o ego real, medindo-o por aquele ideal” (Freud,
96

1914, p. 112). Note-se que, nesse texto, o ideal do ego é apresentado como um conceito

distinto da instância de censura e de auto-observação.

Em Psicologia de grupo e a análise do ego(1921), Freud relata que o censor

do ego é denominado de ideal do ego: trata-se de uma mesma instância psíquica com as

funções de auto-observação, consciência moral e censura. O ideal do ego “é o herdeiro do

narcisismo original em que o ego infantil desfrutava de auto-suficiência; gradualmente reúne,

das influências do meio ambiente, as exigências que este impõe ao ego, das quais este não

pode estar à altura; de maneira que um homem, quando não pode estar satisfeito com seu

próprio ego, tem, no entanto, possibilidade de encontrar satisfação no ideal do ego que se

diferenciou do ego” (p. 138).

No que se refere a Lara, criou-se uma distância bastante grande entre o ego

atual (real), bastante fragilizado, e as expectativas elevadas colocadas pelo ambiente e por si

mesma (ideal do ego). Freud (1921) considera que a distância entre essas duas instâncias pode

variar muito de um indivíduo para o outro. E, como desencadearia a doença?

O ideal do ego se origina através de um processo de “gradação diferenciadora

do ego”; porém, “cada uma das diferenciações mentais com que nos familiarizamos,

representa um novo agravamento das dificuldades de funcionamento mental, aumenta a sua

instabilidade, podendo tornar-se o ponto de partida para a sua desintegração, isto é, para o

desencadeamento de uma doença” (1921, p. 164). Ao longo desse processo, vai se colocando,

cada vez mais, a necessidade de reprimir conteúdos para deixá-los fora do sistema consciente

– no inconsciente. O material inconsciente fica guardado pela resistência, porém, a

estabilidade dessas novas aquisições, fica exposta a abalos, tal como ocorre nos sonhos e

neuroses, onde aquilo que está excluído tenta emergir.

Por isso, a “separação do ideal do ego do próprio ego não pode ser mantida por

muito tempo, tendo de ser temporariamente desfeita. Em todas as renúncias e limitações

impostas ao ego, uma infração periódica da proibição é a regra” (1921, p. 165). Vários são os
97

exemplos através da história: a instituição dos festivais, as saturnais dos romanos, o nosso

moderno carnaval, etc. Em tais ocasiões, “há sempre uma sensação de triunfo quando algo no

ego coincide com o ideal do ego” (Freud, 1921, p. 166)

Neste sentido, tanto o sentimento de culpa, quanto o de inferioridade, são

expressões da tensão entre o ego e o ideal do ego. Por isso, parece provável que, parte do

sofrimento desencadeador e mantenedor dos episódios depressivos de Lara, seja a expressão

de um agudo conflito entre o ego e o ideal do ego, “conflito em que o ideal, em excesso de

sensitividade, incansavelmente exibe sua condenação do ego com delírios de inferioridade e

com autodepreciação” (1921, p. 167).

Em O Ego e o Id (1923), Freud observa que pode ser precisamente a atitude do

ideal do ego que determine a gravidade de uma doença neurótica. Nesse texto, usa pela

primeira vez a expressão superego, e o faz como sinônimo de ideal do ego. Trata-se, pois, de

uma mesma instância formada a partir de identificações com os pais, por ocasião da vivência

edípica. Na dissolução do complexo de Édipo produzir-se-á uma identificação paterna e uma

identificação materna que se unirão, de alguma maneira, formando um precipitado no ego e

conseqüente modificação desse. Esta modificação do ego “se confronta com outros conteúdos

do ego como um ideal do ego ou superego” (p. 49). O superego reúne as funções de ideal –

aquilo que deveria ser – e, ao mesmo tempo, de interdição – aquilo que não deve ser. Além

disso, “preenche a mesma função de proteger e salvar que, em épocas anteriores, foi

preenchida pelo pai” (p. 75).

O superego compreende tanto os resíduos das primitivas escolhas objetais do

id, como também uma formação reativa enérgica contra essas escolhas: a proibição. O

superego comporta pois esse aspecto duplo: aquilo que deveria ser e, ao mesmo tempo, aquilo

que não pode ser. Freud (1923) considera que “o superego retém o caráter do pai, enquanto

que quanto mais poderoso o complexo de Édipo e mais rapidamente sucumbir à repressão

(sob a influência da autoridade, do ensino religioso, da educação escolar e da leitura), mais


98

severa será posteriormente a dominação do superego sobre o ego, sob a forma de consciência

(conscience) ou, talvez, de um sentimento inconsciente de culpa” (p. 49). A tensão entre as

exigências do ideal do ego e os desempenhos reais do ego, é também vivenciada como

sentimento de culpa; e pode ser precisamente a atitude do ideal do ego, que determine a

gravidade de uma doença neurótica (p. 66).

Tanto na neurose obsessiva, quanto na melancolia, o sentimento de culpa

atinge uma força extraordinária, tornando-se “superintensamente consciente; nelas, o ideal do

ego demonstra uma severidade particular e com freqüência dirige sua ira contra o ego de

maneira cruel” (Freud, 1923, p. 67). Na neurose obsessiva o sentimento de culpa também é

superconsciente, porém não se justifica para o ego, que se rebela e procura o apoio do

terapeuta para repudiar tais sentimentos. Pelo contrário, na melancolia, o ego não faz objeções

e admite sua culpa, submetendo-se ao castigo. Tal diferença se estabelece porque na neurose

obsessiva “eram os impulsos censuráveis que permaneciam fora do ego, enquanto que na

melancolia o objeto a que a ira do superego se aplica foi incluído no ego mediante

identificação” (p. 67-68).

Para Freud (1923), o ponto fundamental que pode explicar como é que o

superego se manifesta essencialmente como sentimento de culpa (ou como crítica) e

desenvolve tamanha rigidez e severidade para com o ego, é o instinto de morte. Na

melancolia, a crueldade e a violência impiedosa com que o superego trata o ego, pode ser

entendida seguindo o ponto de vista sobre o sadismo: “o componente destrutivo entrincheirou-

se no superego e voltou-se contra o ego. O que está influenciando agora o superego é, por

assim dizer, uma cultura pura do instinto de morte e, de fato, ela, com bastante freqüência

obtém êxito em impulsionar o ego à morte, se aquele não afasta o seu tirano a tempo, através

da mudança para a mania” (p. 69-70). Ao contrário, o neurótico obsessivo nunca dá o passo

para a autodestruição, porque devido à regressão à organização pré-genital, os impulsos

amorosos são transformados em impulsos de agressividade contra o objeto, liberando o


99

instinto de destruição.

Mas, como é que, na melancolia, o superego se tornou uma trincheira para os

instintos de morte? Uma resposta possível remete ao tema da moral na sua relação com a

agressividade e com o controle instintual. Nesta perspectiva, pode-se considerar que o id é

totalmente amoral, o ego se esforça por ser moral e o superego pode ser “supermoral e tornar-

se então tão cruel quanto somente o id pode ser. É notável que quanto mais um homem

controla a sua agressividade para com o exterior, mais severo – isto é, agressivo – ele se torna

em seu ideal do ego [...], mais intensa se torna a inclinação de seu ideal à agressividade contra

seu ego. É como um deslocamento, uma volta contra seu próprio ego” (Freud, 1923, p. 71).

Neste ponto, Freud (1923) introduz uma nova hipótese visando ampliar a

compreensão acerca desta relação estabelecida entre o superego e a agressividade. Entende

que tal relação é possível devido a uma defusão instintual que se efetua na constituição

mesma do superego: o superego surge de uma identificação com o pai, identificação esta que

tem a natureza de uma dessexualização ou mesmo uma sublimação. É possível que em

transformações deste tipo ocorra uma defusão instintual: o componente erótico não consegue

mais unir a totalidade da agressividade que fica, então, “liberada sob a forma de uma

inclinação à agressão e à destruição. Essa defusão seria a fonte do caráter geral de severidade

e crueldade apresentado pelo ideal – o seu ditatorial 'farás'” (p. 71).

Nesta perspectiva de Freud, como compreender a formação do superego em

Lara, partindo do pai e da mãe que tem e/ou teve em sua infância?

No princípio do trabalho com Lara fui observando que quase não se referia à

sua família de origem e, quando indagada sobre isso, era evasiva ou dizia não querer falar

sobre... Aos poucos, começou a falar sobre isso de maneira espontânea.

Seu pai foi um homem bastante rígido e distante afetivamente. Batia muito em

sua mãe, nela e nos irmãos. Controlou muito aquilo que cada um comeria: no passado, nunca

permitiu que saciassem a fome e, atualmente, quando Lara e os irmãos vão almoçar na casa
100

dos pais, o pai fica contabilizando a comida que cada um levou com aquela que poderá comer.

Na adolescência, não permitia que ela saísse de casa para passear com amigos. Quando

descobria que isso ocorrera, castigava-a com violência. Sempre lhe colocou apelidos que

geravam muita dor: “pezão”, “olhos vermelhos”, “goiaba branca” e outros que nem se lembra

mais. Também era comum ele denegrir a imagem da mãe de Lara: somente há pouco tempo é

que foi descobrindo que tinha uma maneira muito distorcida (negativamente) de ver sua mãe.

A relação com seu pai foi, assim, marcada por situações de constrangimento,

desqualificações e humilhações. E era, também assim, que Lara sentia o mundo externo:

como ameaça constante de desqualificações e humilhações. Contou várias situações vividas

com a família de seu marido em que se sentiu assim... Aos poucos, com o andamento do

nosso trabalho, Lara foi se dando conta que, em algumas dessas situações, não tinha ocorrido

realmente isto, mas ela assim as interpretou.

No fundo, o que está colocado nesse tipo de relação com o mundo é o medo de

uma outra perda: da auto-estima. Ela se refere a tais vivências dizendo que as pessoas a

derrubaram, a fizeram cair...

Com freqüência, trouxe situações em que a família do marido fez com que ela

“caísse”: quando questionavam o destino que Cláudio dava ao seu salário, uma vez que

ganhava muito bem e Lara e os filhos estavam sempre mal vestidos e calçados. E, na casa

deles, faltavam muitas coisas: alguns móveis indispensáveis e, inclusive, a porta dos fundos.

Contou várias situações em que se sentiu humilhada e que seus filhos foram tratados como

pessoas de segunda categoria. Com o transcorrer dos encontros, começou a entender que a

família do marido e, principalmente sua sogra a tratavam como uma coitada, tentando poupá-

la de tudo: “ficam me dizendo como eu devo agir e viver, mas é exatamente isto que não é

bom para mim, porque o que eu quero e preciso é andar com as minhas próprias pernas: é

isto que fará com que eu fique forte, novamente.” [sic]. Conta outra situação que a angustiou:

os sogros foram visitá-los e pegaram o número da carteira de identidade de Maria Luisa, por
101

conta própria: não lhe pediram e nem lhe falaram nada a respeito... Depois, veio a saber, que a

sogra havia falado com o marido, sobre a necessidade de ter o documento da filha, porque

esta iria viajar com eles. Lara entende que as intenções dela [sogra] são as melhores, mas não

gosta disto, porque não é disto que precisa: “ela me deixa de fora das coisas e me trata como

se eu fosse uma incapaz, uma inútil... Eu não me sinto bem na casa deles: me sinto mal, com

falta de ar, sufocada, já tive crise de bronquite quando dormia lá... Eles reparam em tudo!”

[sic] Então, me pergunta: “Será que ela [sogra] pensa que porque minha mãe já esteve

internada e tenho uma irmã com problema mental, eu também vou ser doente mental? Será

que não sabe que eu não quero ser tratada assim, que eu não quero ser poupada...? Será que

têm medo que eu fique como a minha mãe? Agora que eu estou conseguindo colar as coisas...

Como é que eu não percebi isto antes?” [sic]

A problemática da auto-estima evoca, em Freud (1914), o tema do narcisismo,

porque a auto-estima depende da libido narcisista; dito de outra maneira: está relacionada com

o elemento narcisista do amor.

Sua origem, no desenvolvimento emocional normal do ser humano, se

confunde com o surgimento do narcisismo primário: instala-se através do amor dos pais, com

todos os projetos, expectativas e sonhos que são atribuídos ao recém-nascido – Sua Majestade

o Bebê. Na verdade, Freud (1914) entende esse movimento amoroso dos pais como, nada

mais do que o narcisismo dos pais que renasce com a chegada de seu filho, porém

transformado em amor objetal. O narcisismo primário, então, caracteriza-se pelo amor por si

mesmo: o bebê toma a si mesmo como objeto de amor. Nesse mesmo movimento é que se

constitui o ego infantil: a partir dos ideais (amorosos) dos pais (seria, então, um ego ideal),

como já abordamos no início deste capítulo.

Freud (1914) considera que a “auto-estima expressa o tamanho do ego”, e sua

dinâmica, em termos quantitativos, tem uma íntima relação com a libido objetal. Quando o

investimento libidinal nos objetos é elevado, a auto-estima terá uma diminuição proporcional.
102

Em um segundo momento, a auto-estima pode voltar a se fortalecer através do retorno que

tais objetos dão ao ego, em termos de amor ou realizações. Freud (1914) dá o exemplo do

estar apaixonado: “Um indivíduo que ama priva-se, por assim dizer, de uma parte de seu

narcisismo, que só pode ser substituída pelo amor da outra pessoa por ele” (p. 116). Ser

amado aumenta os sentimentos de auto-estima.

Mas, a regulação da auto-estima, também, estabelece uma relação muito íntima

com o interjogo do ego com o ideal do ego. O desenvolvimento do ego implica num

afastamento do narcisismo primário, mesmo que, ao mesmo tempo, mantenha um movimento

de tentativa de retorno a esse estado. Para promover tal afastamento, o ego desloca a libido

em direção a um ideal do ego, imposto de fora. Ao mesmo tempo, o ego emite as catexias

objetais libidinais – se empobrecendo –, na tentativa de alcançar o ideal do ego. Quando

consegue realizar o seu ideal, o ego se satisfaz e aumenta os sentimentos de auto-estima. Por

isso, “tudo o que uma pessoa possui ou realiza, todo remanescente do sentimento primitivo de

onipotência que sua experiência tenha confirmado, ajuda-a a aumentar sua auto-estima”

(Freud, 1914, p. 115).

No caso de Lara, as coisas foram sucedendo-se no sentido contrário do exposto

acima. As situações, aqui relatadas, apontam para uma impossibilidade desse interjogo entre

tais instâncias, desembocando em sentimentos de culpa e em um “delírio de inferioridade”:

O paciente representa seu ego para nós como sendo desprovido de valor,
incapaz de qualquer realização e moralmente desprezível; ele se repreende
e se envilece, esperando ser expulso e punido. Degrada-se perante todos, e
sente comiseração por seus próprios parentes por estarem ligados a uma
pessoa tão desprezível. Não acha que uma mudança se tenha processado
nele, mas estende sua autocrítica até o passado, declarando que nunca foi
melhor (Freud, 1917 [1915], p. 278).

Fenichel (1981) desenvolveu algumas compreensões sobre a relação entre

auto-estima e depressão, que parecem contribuir com nossas reflexões.

A depressão, assim como as adições e as neuroses impulsivas, possuem uma


103

mesma predisposição: o indivíduo se fixou “no estado em que a auto-estima lhe é regulada

por provisões externas”, ou o indivíduo regrediu a esse estado, devido aos sentimentos de

culpa. Tais indivíduos “vivem em situação de perpétua avidez. A não se lhes satisfazerem as

necessidades narcísicas, diminui-lhes a auto-estima a ponto de risco” (Fenichel, 1981, p. 361).

Devido à fixação pré-genital, tais indivíduos tendem a reagir com violência,

diante da frustração. Por outro lado, “a dependência oral respectiva leva-os a tentar obter

aquilo de que precisam pela propiciação e pela submissão” (p. 361). São dependentes e suas

escolhas objetais são do tipo narcísico.

Freud (1914) entende que, no tipo de escolha objetal narcisista, a pessoa busca

a si mesmo como objeto amoroso: “(a) o que ela própria é (isto é, ela mesma), (b) o que ela

própria foi, (c) o que ela própria gostaria de ser, (d) alguém que foi uma vez parte dela

mesma” (p. 107).

Fenichel (1981) busca compreender este tipo arcaico de regulação da auto-

estima retomando “os estádios desenvolvimentais do sentimento de culpa” (p. 362).

Inicialmente, na vida do bebê, os estádios de fome se alternam com a

saciedade. Quando está faminto, o bebê “se lembra de que já foi satisfeito” e tenta retomar

onipotentemente, esse estado, gritando e gesticulando. Depois, o bebê vai perdendo a crença

na sua onipotência, e projetando-a nos pais.Tenta recuperá-la pela participação na onipotência

deles: o sentimento de ser amado. “A esta altura, a sucessão de fome e saciedade é substituída

pela sucessão de estados em que a criança se sente sozinha e, daí, experimenta uma espécie de

autodepreciação – chamamo-la aniquilamento – e estados nos quais se sente amada e se lhe

restabelece a auto-estima” (Fenichel, 1981, p. 362).

Mais tarde, o superego se desenvolve e assume a regulação da auto-estima.

Então, a manutenção da auto-estima não será dada somente pelo sentimento de ser amado,

mas, também, pelo sentimento de haver feito o dever, o que é direito. Nesse momento, já é

possível à consciência realizar a sua função de advertência: cria estados de aniquilamento


104

menores ou pequenas diminuições da auto-estima, para advertir dos perigos que representam

uma perda definitiva das provisões narcísicas: agora oriundas do superego.

Segundo Fenichel (1981), “uma depressão severa representa o estado a que o

indivíduo oralmente dependente chega quando faltam as provisões vitais; as depressões

ligeiras são antecipações deste estado para fins de advertência” (p. 362). Dito de outra

maneira: “as experiências que precipitam depressões representam ou uma perda da auto-

estima, ou uma perda de provisões que, na expectativa do paciente, lhe garantiriam a auto-

estima” (p. 364).

Lara diz conviver com “problemas de auto-estima” desde tempos remotos da

sua vida. Evidenciaram-se com mais força a partir da adolescência: sentia-se um “poço de

defeitos” o que prejudicava muito na relação com os rapazes.

Lara nos remete ao tema do reconhecimento de si mesma pelo outro. Foram

raras as sessões em que não aparecia a pergunta: “isto é normal?”. É uma pergunta que

deságua em outra mais profunda: quem sou eu? Traz consigo um pedido: me espelhe...? A

necessidade de reconhecimento da sua singularidade e seu sofrimento é algo bastante presente

na transferência comigo, o que nos remete ao tema da função especular do analista e da mãe.

Em sua obra, Winnicott atribui grande ênfase ao papel desempenhado pelo

ambiente – e a mãe, num primeiro período –, para que o desenvolvimento do bebê se realize

de modo apropriado. Quando o ambiente desempenha bem sua função, o processo de

integração, o inter-relacionamento psicossomático e a relação de objeto vão se realizando. Até

o momento em que o bebê olha à sua volta e encontra o rosto da mãe: o que ele vê?

Winnicott (1971) considera que, normalmente, o bebê vê a ele mesmo: o rosto

da mãe reflete para o bebê, a própria imagem dele, pois seu olhar exprime aquilo que ela vê.

Temos, aqui, mais uma função materna vital: a função especular da mãe. Essa função é vital

para o bebê, pois ele depende das manifestações faciais e do olhar da mãe para que possa

constituir seu próprio sentimento de self. A mãe, pelo seu olhar, possibilita a emergência do
105

self do bebê. Isso significa que ser é, antes de tudo, ser visto, e o rosto da mãe é o primeiro

espelho do bebê: um espelho vivo!

Tal função pode não se realizar de maneira satisfatória, quando o rosto da mãe

não funciona como um espelho, e o bebê é obrigado a perceber algo que não é ele, mas sim os

estados de humor da própria mãe, ou pior ainda, a rigidez de suas próprias defesas.

Isso tem conseqüências para muitos bebês: “sua própria capacidade criativa

começa a atrofiar-se e, de uma ou de outra maneira, procuram outros meios de obter algo de si

mesmos de volta, a partir do ambiente”. Nas situações cujo rosto da mãe é fixo, o bebê pode

lançar mão de outras estratégias para obter reações por parte dela: “A maioria das mães pode

reagir quando o bebê está em dificuldades ou quando é agressivo, e, especialmente, quando

doente. Depois, o bebê se acostuma à idéia de que, quando olha, o que é visto é o rosto da

mãe. O rosto da mãe, portanto, não é um espelho” (Winnicott, 1971, p. 155). Nesse caso, a

percepção se instala prematuramente acarretando um desenvolvimento egóico prematuro no

bebê: a percepção torna-se uma defesa, e a existência... puramente reativa, em detrimento de

seu sentimento de self.

Abram (2000) esclarece que Winnicott emprega o termo “Apercepção”

referindo-se à experiência subjetiva de fusão do bebê com a mãe, o que envolve a relação com

os objetos subjetivos. Já o termo “percepção” refere-se à capacidade de ver o conjunto dos

objetos, que está associada à capacidade de estabelecer a diferenciação entre eu e não-eu, daí

que ela surge a partir da apercepção. Porém, “se a percepção surgir prematuramente por meio

da incapacidade da mãe de oferecer uma resposta ao rosto do bebê, ele encontrará maneiras

para que tal aconteça, mas em detrimento de seu sentimento de self. Esse tipo de falha

materna acarreta no bebê um desenolvimento egóico prematuro” (p. 159).

Portanto, a condição básica do sentir-se existindo consiste em ser percebido

primeiramente, sem que tenha que perceber de maneira ativa. O reflexo de si mesmo no olhar

da mãe é, pois, a primeira forma de identidade. Reconhece a sua existência como


106

possibilidade de autonomia e gesto espontâneo.

Ao contrário, falhas na realização da função especular materna geram

conseqüências danosas ao desenvolvimento humano, em graus diversos de severidade, no que

se refere à descoberta e desenvolvimento do self, ao sentimento de existir, de sentir-se real e à

auto-estima. Em Winnicott (1971) encontramos, pois, um elo de ligação entre a auto-estima e

a realização da função especular materna.


107

8 AS TAREFAS E AS FALHAS DA MÃE

A mãe de Lara parece ter sido uma pessoa ausente, desde o início.

Lara nasceu no final do outono de 1969 de parto normal. Não tem muitas

informações sobre este período da sua história – as que possui foram dadas por sua irmã mais

velha – mas acredita que seus pais não planejaram e nem evitaram ter filhos: “então, os filhos

nasciam, assim, sem querer... eu não sei o que aconteceu em relação a mim, mas sei que

minha mãe teve depressão pós-parto em quase todos os partos que teve. Ela ficava muito

internada porque teve eclampsia no parto da irmã mais velha que eu e quase morreu... Sei,

também, que quando eu tinha, mais ou menos, dois meses de idade fui internada em um

hospital e fiquei durante um mês sozinha em um quarto escuro, porque tive coqueluche.

Depois disto, nunca mais fiquei internada.” [sic]. O seu nome, como o de seus irmãos – nove

– foram dados por sua avó, já que sua mãe ficava muito internada... “por isso, não participou

da nossa educação: a minha irmã mais velha é quem cuidava de todos nós. Somente da minha

irmã deficiente que minha mãe cuidou...” [sic].

Entende que sua mãe sempre teve muitos problemas: já ficou internada muitas

vezes em hospital psiquiátrico. Também teve que cuidar de um irmão de Lara que, aos 17

anos, começou a ter “problemas de cabeça: era como o Pelotão [pessoa muito conhecida na

cidade], que as pessoas mexiam e ele saia correndo atrás, jogando pedras” [sic]. Depois,

uma sua irmã, “aos oito anos ficou com problema mental: os médicos disseram que era

aquela doença chamada de ‘esquizofrenia’. Nesta época, minha mãe estava até muito mal:

ficava só no quarto, na cama, e quando viu a minha irmã daquele jeito, levantou, arregaçou

as mangas e foi cuidar dela. Depois disso, a minha mãe ficou melhor de cabeça que todos
108

nós” [sic]. Mas, então, Lara já era adulta...

Winnicott nos fala do quanto a mãe é necessária como pessoa viva, presente

com seu calor e alento: “Sem a presença viva da mãe, a mais erudita técnica materna nada

vale” (1964, p. 99). Então, “se ninguém está ali para ser mãe, a tarefa desenvolvimental do

bebê torna-se infinitamente complicada” (1971, p. 153). Quando ocorrem falhas significativas

da função materna nos primórdios da nossa vida, as repercussões em relação ao processo

maturacional do ego são diversas. Os problemas de sua mãe podem ter ocasionado fraturas no

holding, apresentação de objeto, manuseio e outras, na vida de Lara.

Winnicott buscou compreender as influências mútuas da relação mãe-bebê, nos

seus momentos iniciais. Enquanto pediatra contatou com um número muito grande de mães,

ouvindo, analisando e acompanhando-as na relação que estabeleciam com seus bebês. Talvez

por isso, Winnicott tenha se aproximado tanto de um ponto de vista feminino sobre a

maternidade, trazendo contribuições inovadoras e criativas para a compreensão do

extraordinário mundo da criança e dos pais. Os seus escritos versam sobre o amplo caminho

do desenvolvimento humano, que vai desde o vínculo natural entre mãe e bebê – chamado por

ele de amor, e que se constitui na chave para a formação da personalidade – passa pela relação

pai-filho, e chega nas múltiplas questões que permeiam a relação do ser humano com o

mundo externo – sociedade. Portanto, a mãe é essencial para a teoria do desenvolvimento

emocional de Winnicott por ser o primeiro ambiente para o bebê.

Acredita que não é necessário que se explique às mães, antecipadamente, o que

se sente ao ser mãe. Uma de suas principais idéias é que “os melhores instintos maternos

promanam de uma confiança natural dos recursos próprios e convém distinguir as coisas que

ocorrem naturalmente e as que têm de ser aprendidas; por isso, tento distinguir entre ambas,

de maneira que tudo quanto sucede naturalmente não se estrague” (Winnicott, 1964, p. 9-10).

Na verdade, para que uma mulher seja uma boa mãe, não são necessários, estudo ou

inteligência. O que é necessário é que a mãe use sua intuição para lidar com as situações
109

referentes ao manejo de seu filho. A natureza materna se realiza através do vínculo

estabelecido entre a mãe e o bebê.

Aqui, gostaríamos de ressaltar uma afirmação de Winnicott (1964): o vínculo

entre ambos é a essência e a própria natureza do cuidado materno. “Para que os bebês se

convertam, finalmente, em adultos saudáveis, em indivíduos independentes, mas socialmente

preocupados, dependem totalmente de que lhes seja dado um bom princípio, o qual está

assegurado, na natureza, pela existência de um vínculo entre a mãe e o seu bebê: amor é o

nome do vínculo” (p. 17).

Winnicott esclarece, outrossim, que tal amor não se refere a sentimentalismos.

Esse amor de mãe diz respeito a uma força primitiva: “nele se conjugam o instinto de posse, o

apetite e até certo elemento de contrariedade, em momentos de exasperado humor; e há nele

generosidade, energia e humildade, também”. As mães precisam confiar na sua intuição e

amor. Os profissionais que lidam com elas precisam protegê-las no sentido de que nada se

interponha nesse vínculo e estrague sua tarefa, ao tentar fazer o que lhe dizem que deve ser

feito: seja aquilo que sua própria mãe fez ou o que os livros afirmam que deva ser feito.

Assim é que o autor não visa dizer às mães o que fazer, mas sim compreender o que acontece

na relação entre a mãe e seu filho (1964, p. 17).

Winnicott, em seus estudos psicanalíticos, busca compreender e aprofundar

sobre o papel desempenhado pela mãe no processo através do qual o bebê humano chega à

capacidade de objetivar. Em tal processo, a característica fundamental da situação do bebê

está na dependência, e de início, na dependência absoluta em relação ao meio ambiente.

Decorre, daí, que a maneira como o meio ambiente se apresenta tem importância

fundamental, por se constituir numa parte do bebê. Winnicott, Shepherd e Davis (1994, p.

197) esclarecem que “o estágio de dependência absoluta ou quase absoluta tem a ver com o

estado, no começo, do bebê que ainda não separou um NÃO-EU do que é EU, do bebê que

ainda não se acha aparelhado, para desempenhar essa tarefa”. Nesse estágio, o bebê percebe o
110

objeto de maneira subjetiva, enquanto algo que faz parte dele mesmo; e, não enquanto algo

que é objetivo e tem existência própria, fora dele.

O bebê passa ao estágio seguinte por causa das experiências que vivencia com

a mãe (ou substituto materno). As tendências herdadas do bebê são importantes, mas não são

suficientes para os desdobramentos das operações ou processos que levam à integração da

personalidade. É no comportamento adaptativo da mãe que se “torna possível ao bebê

encontrar fora do self aquilo que é necessário e esperado. Através da experiência da

maternagem suficientemente boa, o bebê passa para a percepção objetiva, havendo herdado a

tendência a fazer isso e tendo-lhe sido dado, a aparelhagem perceptual e a oportunidade”

(Winnicott; Shepherd; Davis, 1994, p. 197). O fundamental é que entre a mãe e seu bebê se

estabeleça uma relação de mutualidade, através da comunicação entre ambos e das

identificações cruzadas.

Ao ingerir o alimento, não existe uma comunicação entre o bebê e a mãe, a não

ser que se desenvolva uma situação de alimentação mútua: o bebê dá de comer e tem a idéia

de que a mãe sabe o que é ser alimentada. A mãe e o bebê alcançam o ponto da mutualidade

de maneiras diferentes. A mãe tem uma experiência de vida, onde já foi bebê e foi cuidada; já

brincou e viveu situações relacionadas com o cuidar de um outro ser humano que se encontra

em condições de extrema dependência. Porém, o bebê não tem história de vida, seu caminho

se inicia agora e não pode saber o que é ser um bebê e muito menos o que é ser mãe. De

acordo com Winnicott, Shepherd e Davis (1994, p. 199), “o bebê traz para a situação apenas

uma capacidade em desenvolvimento de chegar a identificações cruzadas na experiência de

mutualidade que é tornada um fato. Esta mutualidade pertence à capacidade que a mãe tem de

adaptar-se às necessidades do bebê”.

No primeiro estágio do bebê, a mãe é necessária de várias maneiras.

Primeiramente, é necessária como pessoa viva, como um corpo que oferece ao bebê calor e

alento. Em segundo lugar, é extremamente importante o processo de adaptação que realiza a


111

mãe suficientemente boa no momento inicial de onipotência e estabelecimento da ilusão pelo

bebê, pois ela é quem irá apresentar o mundo ao bebê: a isto, Winnicott denomina

apresentação de objeto. Winnicott (1964, p. 101) relata, com muita beleza, tal processo:

Imaginemos um bebê que nunca tivesse sido amamentado. A fome


surge, e o bebê está pronto para imaginar algo; a partir da
necessidade, o bebê está pronto para criar uma fonte de satisfação,
mas não existe uma experiência prévia para mostrar ao bebê o que ele
tem de esperar. Se, nesse momento, a mãe coloca o seio onde o bebê
está pronto para esperar algo e se for concedido tempo bastante para
que o bebê se sacie à vontade, com a boca e as mãos, e, talvez, com
um sentido de olfato, o bebê ‘cria’ justamente o que existe para
encontrar. O bebê, finalmente, forma a ilusão de que esse seio real é
exatamente a coisa que foi criada pela necessidade, pela voracidade e
pelos primeiros impulsos de amor primitivo. A visão, o olfato e o
paladar registram-se algures e, passado algum tempo, o bebê poderá
estar criando algo semelhante ao próprio seio que a mãe tem para
oferecer. Um milhar de vezes, antes de desmamar, pode ser
justamente propiciada ao bebê essa apresentação peculiar da realidade
externa por uma única mulher, a mãe. Um milhar de vezes houve a
sensação de que o que era querido era criado e constatado que existia.
Daí se desenvolve uma convicção de que o mundo pode conter o que
é querido e preciso, resultando na esperança do bebê em que existe
uma relação viva entre a realidade interior e a realidade exterior, entre
a capacidade criadora, inata e primária, e o mundo em geral, que é
compartilhado por todos.

Winnicott está se referindo a um exemplo de fusão que se dá entre a mãe e seu

bebê em um momento em que o bebê ainda não elaborou a diferenciação entre o eu e não-eu –

denominado estado de não-integração. A tranqüilidade com que a mãe realiza tal função é

fundamental ao bebê, que também “necessita sentir-se amorosamente envolvido, isto é, de um

modo repleto de vida, mas sem pressa: sem impaciência e sem tensão” (1964, p. 51).

Uma terceira maneira pela qual a mãe é necessária refere-se à tarefa materna

de desilusionamento, que constitui um aspecto mais vasto do desmame. Depois de ter

oferecido ao bebê a ilusão de que o mundo pode ser criado a partir da necessidade e da

imaginação dele, e tendo ela estabelecido nele a crença nas coisas e pessoas do mundo, é

necessário que ela promova um processo de desilusão em pequenas doses: “Gradativamente, a

mãe habilita a criança a aceitar que, embora o mundo possa fornecer algo parecido com o que

é preciso e procurado e que pôde, portanto ser criado, não o fará automaticamente, nem no
112

momento exato em que a disposição surge ou o desejo é sentido” (Winnicott, 1985, p. 102).

Porém, ressalta que tal processo somente poderá se fazer, caso a mãe tenha, primeiro,

significado tudo para a criança.

Também relacionada com a capacidade da mãe ter empatia com seu bebê,

temos uma outra função da mãe suficientemente boa, denominada holding. A apresentação do

objeto pela mãe depende da sua estabilidade e confiança. A repetição da confiança, engendra

o ambiente de holding.

Nos estágios iniciais do cuidado do bebê, em que as pulsões instintuais não se

acham especificamente envolvidas (a fisiologia e a psicologia ainda não se diferenciaram),

ocorre a experiência partilhada de embalo, em que o fundamental é a comunicação entre mãe

e bebê em termos de anatomia e fisiologia dos corpos envolvidos. Tal situação conduz a

interações ainda mais primitivas cuja natureza das comunicações são silenciosas. Winnicott

emprega o conceito de holding (sustentação) para descrever tudo que uma mãe faz no cuidado

físico de seu filho: refere-se à experiência de mutualidade vivida pela mãe, que se encontra

tão identificada com o bebê, que sabe, sem pensar, do que ele precisa; ao mesmo tempo em

que faz isso sem perder a sua própria identidade. A experiência de sustentação faz nascer no

bebê o sentimento de confiabilidade: alicerce para seu desenvolvimento no sentido da

autonomia. O holding é descrito por Winnicott como um processo em que a mãe ou

substituta:

Protege de agressões fisiológicas.


Leva em conta a sensibilidade da pele do bebê: o toque, a
temperatura, a sensibilidade visual, a sensibilidade do cair (uma ação
da gravidade) e a falta de conhecimento por parte do bebê da
existência de alguma outra coisa que não o self. Isso inclui toda a
rotina do cuidado que se estende pelo dia e pela noite. Não ocorre o
mesmo com dois bebês diferentes, pois isso faz parte do próprio bebê.
Um bebê não é igual ao outro.
Sucede, também, um momento do dia-a-dia que opera uma mudança e
que faz parte do crescimento e do desenvolvimento do bebê, tanto
físico como psicológico (apud Abram, 2000, p. 138).

Em O Bebê como Organização em Marcha (1949b), Winnicott esclarece que


113

um aspecto essencial do holding para o bebê diz respeito ao prazer que a mãe pode extrair do

complicado negócio de cuidar de uma criança. Por isto, faz votos que a mãe se divirta:

Divirta-se por a julgarem importante. Divirta-se deixando que as


outras pessoas cuidem do mundo, enquanto você está produzindo um
dos seus novos membros. Divirta-se com a sua concentração interior,
quase enamorada de si própria – o bebê é uma parcela tão próxima de
si. Divirta-se com a maneira como o seu homem sente-se responsável
pelo bem-estar tanto seu como do bebê. Divirta-se descobrindo coisas
novas a seu próprio respeito. Divirta-se tendo mais direito do que
jamais conseguirá ter, antes de fazer justamente aquilo que acha bom.
Divirta-se quando fica contrariada porque os gritos e prantos do bebê
o impedem de aceitar o leite que você anseia por dar com
generosidade. Divirta-se com toda espécie de sentimentos femininos
que você não pode nem sequer começar a explicar a um homem (p.
27-28).

Portanto, grande ênfase (poética, poderíamos dizer) é atribuída ao papel

desempenhado pelo ambiente, e a mãe num primeiro período, para que o desenvolvimento do

bebê se realize de modo apropriado.

Vimos, portanto, as principais funções maternas. Para Winnicott, qualquer

mulher pode exercê-las adequadamente, desde que seja sadia e natural, e isto depende dela

própria ter recebido uma maternagem suficientemente boa.

Entretanto, as “mães incapazes de proporcionar o ambiente que o bebê

necessita para um desenvolvimento sadio podem ser divididas (de forma artificial) em três

diferentes categorias: a mãe psicótica; a mãe que não pode se entregar à preocupação materna

primária; a mãe atormentadora”. No caso da mãe psicótica, temos que ela até consegue

suportar as demandas iniciais do bebê, porém é incapaz de separar-se dele para que cresça

afastado do seu olhar. Na segunda categoria, é freqüente que esteja muito deprimida ou

preocupada com algo, o que a incapacita de vivenciar a preocupação materna primária. E, “a

mãe atormentadora tem, segundo Winnicott, o pior dos efeitos sobre a saúde mental do bebê,

já que a natureza errante do ambiente viola o coração do sentimento do self” (Abram, 2000, p.

161).

Temos, pois, as mais importantes funções desempenhadas pela mãe


114

suficientemente boa. A partir disso,

cabe a cada indivíduo empreender a longa jornada que leva do estado


de indistinção com a mãe ao estado de ser um indivíduo separado,
relacionado à mãe, e ao pai e à mãe enquanto conjunto. Daí o caminho
segue pelo território conhecido como família, que tem no pai e na mãe
suas principais características estruturais [...] A família protege a
criança do mundo; este, porém, aos poucos vai se introduzindo: as tias
e tios, os vizinhos, os primeiros grupinhos de crianças, e por fim a
escola. Essa introdução gradual do ambiente externo é a melhor
maneira de levar uma criança a entrar em bons termos com o mundo
mais vasto, e segue de modo exato o padrão pelo qual a mãe
apresenta à criança a realidade externa [...]” (Winnicott, 1957, p.
60, grifo nosso).

Entretanto, é importante ressaltar que, assim como é necessário considerar o

contexto familiar em que a mãe realiza suas funções, precisamos também ter em mente que a

oferta dos pais à família que constróem “depende em grande medida de seu relacionamento

com o círculo mais amplo que os envolve, ou seja, seu contexto social imediato”, e assim

sucessivamente, com relação aos grupos sociais mais vastos. “Mas não se pode considerar os

pais simplesmente segundo suas relações com a sociedade. Há forças muito poderosas de

criação e conservação da família que resultam da própria relação entre os pais [...] Essas

forças estão ligadas à complexa fantasia sexual” (Winnicott, 1957, p. 61).

Dando continuidade à teoria freudiana, Winnicott (1957) afirma e enfatiza a

importância dos pais terem satisfações sexuais entre si, pelo fato de representarem “um dos

pontos culminantes da saúde mental” e “serem uma conquista do crescimento emocional da

pessoa [...] Pelo outro lado, os distúrbios sexuais estão associados com todo tipo de neurose,

problemas psicossomáticos e desperdício das potencialidades do indivíduo” (p. 61). Nesse

sentido, as fantasias sexuais, tanto as conscientes, quanto as inconscientes são bastante

variadas e de importância vital. Porém, um aspecto precisa ser considerado com especial

atenção, ao tentarmos compreender a influência da fantasia sexual para o exercício da

maternidade e paternidade: “o sentido de preocupação ou culpa que advém dos elementos

destrutivos (muitos deles inconscientes) que acompanham a expressão física do impulso

amoroso” (p. 62). Tanto a mulher como o homem possuem esses temores relacionados à sua
115

destrutividade que são inconscientes na sua maior parte e que geralmente emergem com

grande força por ocasião da gravidez e do parto, e também antes disso, constituindo-se como

motivação inconsciente para se ter filho(s):

Pode-se admitir de pronto que esse sentido de preocupação e culpa


contribui em grande medida para a necessidade que cada um dos pais
tem, e que ambos têm juntos, de constituir uma família. O
crescimento da família, melhor do que tudo o mais, neutraliza as
idéias assustadoras de danos causados, de corpos destruídos, de
monstros gerados. As ansiedades muito reais que acometem o pai
quando a mãe encontra-se em trabalho de parto refletem, tão bem
quanto possível, as ansiedades que relevam da fantasia sexual e não
de uma mera preocupação pelo estado físico da parturiente”
(Winnicott, p. 62-63, grifo do autor).

Tal ansiedade costuma ser abrandada pelo nascimento do filho, que nascendo

humano, completo e contendo em si um princípio de vida, dá aos pais “uma grande sensação

de alívio, livrando-os de idéias que procedem de seu sentimento de culpa e inutilidade”. E,

isso terá grande influência na atitude que cada um dos pais terá em relação a cada filho, pois

cada criança terá um significado diferente “em termos da fantasia consciente e inconsciente

dos pais em torno do ato que produziu a concepção”; o que explica, até certo ponto, a

diferença que existe entre os filhos: aqui, está em jogo a elaboração imaginativa da função

sexual e o modo específico pelo qual cada criança irá se encaixar, “ou não, num certo

contexto imaginativo e emocional, contexto esse que nunca é duas vezes o mesmo, por mais

que todo o ambiente físico restante não sofra mudanças” (Winnicott, 1957, p. 63).

Existe outro fator, já bastante conhecido, que pode também afetar o

relacionamento dos pais com a criança: o sexo do filho pode não ser o esperado pela mãe e/ou

pelo pai.

Contudo, a contribuição da criança para a integração familiar vai além do

alívio que proporciona às ansiedades e fantasias associadas ao intercurso sexual. Winnicott

(1957) ,também, destaca o “fato de que a integração da família deriva da tendência integrativa

de cada criança individual” que é inata ao ser humano, mas que o bebê humano será capaz de
116

manifestar em condições favoráveis oferecidas pela mãe (ligadas à íntima identificação que

realiza com seu filho), e posteriormente pelo interesse combinado de ambos os pais. Essa

integração da criança, “um processo ativo que movimenta muita energia, afeta por sua vez o

ambiente externo”, contribuindo para a situação familiar ( p.68).

Portanto, o bebê necessita de “uma certa confiabilidade e disponibilidade” dos

pais, que tendem a responder adequadamente, devido à capacidade que possuem de

identificarem-se com os filhos. “Essa capacidade, por sua vez, depende de termos

desenvolvido nossa própria personalidade de modo satisfatório quando tínhamos a mesma

idade que ora têm os filhos” (1957, p. 69-70).

Lara traz sua mãe como uma mulher doente, que vivia no quarto: deitada,

quando não ficava internada em hospitais. Nunca relatou nada que sugerisse algo do campo

psicótico. O que, no momento, nos parece, é que a mãe de Lara vivia às voltas com uma

depressão grave. Isso, provavelmente, a incapacitou de vivenciar a preocupação materna

primária. Já abordamos esse conceito de Winnicott, no capítulo 4. Aqui, gostaríamos de

salientar que Winnicott (1956) considera que, alcançar tal estado, é condição fundamental

para que a mãe ofereça um setting apropriado ao estabelecimento do sentimento de self e de

continuidade do ser do bebê.

A mãe precisa oferecer o contexto apropriado para que “a constituição da

criança comece a se manifestar, para que o bebê comece a experimentar movimentos

espontâneos e se torne dono das sensações correspondentes a essa etapa inicial da vida”.

Quando a mãe proporciona uma adaptação suficientemente boa, a linha de vida do bebê pode

seguir seu curso natural, com poucas perturbações por reações a intrusões. Porém, “a falha

materna provoca fases de reação à intrusão e as reações interrompem o ‘continuar a ser’ do

bebê”. É através de um suficiente “continuar a ser” que se constitui a base para o

estabelecimento do ego: “a constituição inicial do ego é, portanto, silenciosa [...]. O que a mãe

faz bem não será jamais aprendido pelo bebê nesse estágio [...]. Suas falhas não são sentidas
117

como falhas da mãe, e sim como ameaças à existência pessoal do eu” (Winnicott, 1956, p.

403).

O percurso de Lara se fez com muitas rupturas, algumas até bem profundas...

Além das já abordadas aqui, também, ocorreram outras. O desmame no seio é trazido como

tal. Também a ida para uma creche, aos cinco anos de idade, onde permanecia por período

integral. Durante o primeiro mês chorou muito, mas depois foi se acostumando: “lá as

crianças passavam a maior parte do tempo no quarto – dormindo – e, às vezes, assistiam

TV... eu não suportava isto... por isso, comecei a ajudar com os serviços da cozinha, pois,

assim, eu fazia alguma coisa diferente de dormir e, ao mesmo tempo, aprendia alguma coisa

de útil para minha vida. Até hoje tenho trauma de cachorro, porque na entrada da creche

tinha dois cachorros em estátua e essa imagem eu não esqueço...” [sic].

A mudança de bairro já citada, os episódios depressivos, as experiências com

ajuda psicológica (um psicólogo que faltava muito porque viajava sempre e um grupo

terapêutico que coloca a necessidade dela separar-se do marido para poder curar-se...):

representam, também, rupturas no seu percurso.

O seu nascimento pode ter sido vivido como ruptura de si mesma.

Winnicott (1949a) considera que a experiência do nascimento pode se realizar

de maneira que o “continuar a ser” pessoal do bebê é interrompido por reações a intrusões

excessivas, e, ao reagir, o bebê é “empurrado para fora do estado de ‘ser’ [...] Ao reagir, o

bebê não está ‘sendo’” (p. 267). Aqui, é importante esclarecer que Winnicott acredita que já

exista um início de desenvolvimento emocional durante a vida intra-uterina, incluindo,

também, a capacidade para uma aceleração falsa ou não saudável desse desenvolvimento.

Assim ele se expressa:

Na saúde, as perturbações ambientais até um certo grau constituem


um estímulo valioso, mas para além desse grau tais perturbações são
contraproducentes na medida em que dão margem a reações. Nesse
estágio tão inicial do desenvolvimento ainda não há uma força
suficiente do ego para que ocorra uma reação sem perda de
identidade” (p. 263).
118

Nesse tipo de situação, a experiência do nascimento torna-se traumática, em

termos psicológicos, uma vez que as interferências do ambiente são tão intensas ou tão

prolongadas “a ponto de cortar o fio do seu processo pessoal e contínuo”. Então, cada aspecto

da intrusão e da reação fica registrado na memória do indivíduo. “A intrusão vinda do exterior

faz com que o bebê tenha de adaptar-se a ela, e o fato é que à época do nascimento o bebê

necessita é de uma adaptação ativa do ambiente” (Winnicott, 1949a, p. 265).

Antes do parto, o bebê já está preparado para uma certa intrusão ambiental. Na

experiência normal (não-traumática) de nascimento, a reação à intrusão própria do

nascimento, “não excede o nível de reação para o qual o feto já se encontra preparado”

(1949a, p. 274). Após o nascimento, ocorre “um retorno natural da reação a um estado em que

não é preciso reagir, sendo este último o único estado em que o eu pode começar a ser”

(1949a, p. 264).

Por isso, o trauma representado pela necessidade de reagir é o mais importante,

pois ocorre em um estágio do desenvolvimento humano em que a reação significa uma perda

temporária de identidade, provocando um sentimento extremo de insegurança. Isso “situa-se

na base da expectativa de novos exemplos de perda da continuidade do ser, e mesmo de uma

desesperança congênita (embora não herdada) quanto à possibilidade de alcançar uma vida

pessoal” (1949a, p.265).

Essas colocações de Winnicott foram constatadas na relação de Lara comigo,

em que pude perceber claramente que ela se sentia perdida... Durante algum tempo do nosso

trabalho ela nunca sabia o caminho a tomar na saída da sala de atendimento da clínica-escola.

Sempre me pedia orientações sobre como manejar a sua vida. Daí a necessidade de darmos

continuidade no tempo, para ela retomar a si mesma.

Através dessa continuidade, Lara foi novamente se envolvendo e investindo em

atividades diversas que, na época em que nos conhecemos, não conseguia realizar. A

princípio, vivia quase que a maior parte do tempo em seu quarto. Não conseguia fazer boa
119

parte das atividades rotineiras da casa, como lavar e passar roupa, limpar a casa, etc. Sua filha

é quem a ajudava. Pouco a pouco, foi retomando algumas dessas atividades e começou a

querer voltar a estudar e trabalhar: fez duas tentativas em relação aos estudos, mas desistiu.

Começou, também, a assumir outras atividades em relação aos filhos (levá-

los): natação, cursos paralelos, etc. Em uma dessas situações, conheceu a mãe de uma amiga

de sua filha que se dispôs a treiná-la em uma atividade profissional. Lara realizava as

atividades domésticas e ia à casa da dita pessoa, várias vezes por semana, levando consigo seu

filho. Por não ter dinheiro suficiente para ir de ônibus, percorria longos trajetos a pé ou de

bicicleta. Todos estes desafios lhe geravam muita apreensão e ansiedade: como se uma

catástrofe inusitada fosse ocorrer e derrubá-la, impedindo que continuasse caminhando. E,

literalmente, ocorreu em um dia próximo a um feriadão (ficaríamos um tempo sem sessão):

quando se dirigia ao referido lugar, sentiu que suas pernas não a seguravam, ela foi caindo e

quase perdeu os sentidos. Não foi mais lá, no treinamento. Certa vez associou tais sentimentos

com a maneira como sua mãe reagia diante das iniciativas que os filhos tinham de crescer:

“minha mãe sempre gorava e dizia que a gente nunca ia conseguir nada, nunca ia conseguir

ser feliz... Será que praga de mãe pega?” [sic].

Lara nos traz sua mãe como alguém que tenta impedir o crescimento (e, por

que não nascimento?) dos filhos. Associa isso às fobias que se evidenciaram a partir do

surgimento da depressão, mas que, de maneira pouco perceptível, já existiam há muito mais

tempo. Com o andamento da psicoterapia, foi reconhecendo, em si, muito medo da vida. Às

vezes, costuma dizer: “eu tenho medo é da vida, de viver!”

Tais vivências parecem estar relacionadas com o medo que sente de um objeto

interno bastante destrutivo e invejoso, que a ameaça toda vez que busca caminhar no sentido

de sua autonomia. Na relação comigo, tal drama se colocava toda vez que iniciava uma nova

experiência de trabalho e/ou de aprendizagem: ficava com muito medo que eu não quisesse

mais atendê-la. Aos poucos, foi reconhecendo a inveja de sua mãe, como também, a inveja
120

que sentia em relação à sua filha mais velha (Maria Luisa).

Em seu percurso, não encontrou um chão suficientemente firme em que pisar,

para poder crescer. A construção da sua subjetividade foi excessivamente marcada pela

solidão.

Apesar e com tudo isso, Lara foi seguindo seu caminho... Até que se abriu uma

primeira fenda: depois que a segunda filha nasceu, entrou em depressão pós-parto.
121

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Depois de quase quatro anos de estudo, fica a convicção de que buscamos

realizar um mergulho profundo na compreensão do caso estudado e do tema recortado. O que

mais haveria para dizer, aqui? Talvez retomar, de maneira pessoal, aquilo que se revelou

como mais significativo neste estudo.

A maternidade foi abordada como essencialmente de natureza psíquica.

Quando focada através do olhar dos diversos autores que dialogaram conosco, pode parecer, à

primeira vista, como uma vivência complexa, mas uniforme. Certa vez, uma bibliotecária que

traduziu um texto psicanalítico sobre este assunto me disse que, depois do contato com o

material, começou a repensar sobre ter ou não filhos: o texto a desmotivou em relação à

maternidade. Considerou que eram problemas e angústias demais para qualquer mulher.

Sob uma aparente uniformidade se revela a diversidade: cada mãe é única em

si, em razão de sua história pessoal e do contexto social em que a vivência da maternidade se

realiza. Algumas situações são esperadas na gestação, no parto e no puerpério: nelas, cada

mãe irá imprimir o seu estilo.

Após a mãe dar à luz, é esperado que ela viva alterações emocionais em graus

bastante distintos e amplos quanto à severidade. Pode ocorrer algum grau de depressão,

ansiedade, irritabilidade, perda de apetite, distúrbio do sono, tendência ao choro e

instabilidade emocional. Isso ocorre devido ao processo próprio do parto, que desgasta e

provoca várias mudanças fisiológicas e hormonais, aos efeitos colaterais de medicamentos e

ao ambiente hospitalar. Também, decorre dos aspectos psicológicos que envolvem a relação

materno-filial inicial, profundamente marcada pelo novo e desconhecido, com suas


122

expectativas, fantasias e ideais estabelecidos a priori, de maneira consciente ou não.

Mas, o que mais se destaca é que, desde a gestação, a mulher vivencia um

processo regressivo, de intensidade variável que será fundamental para que possa realizar suas

tarefas de mãe. É uma regressão a níveis psicossomáticos muito primitivos, que estabelece

contato com a memória corporal e o registro dos cuidados que a puérpera recebeu de sua

própria mãe, o que lhe permitirá reconhecer e satisfazer as necessidades demandadas pelo seu

bebê.

Tal regressão psicoafetiva traz repercussões sobre as fantasias conscientes e

inconscientes da gestante, acentuando o narcisismo e a capacidade de fantasiar. Durante a

gravidez, são reativadas fantasias inconscientes da gestante em relação à sua própria mãe,

provocando uma exacerbação das vivências persecutórias.

O processo de dar à luz um filho reativa profundas ansiedades na parturiente e

faz renascer temores irracionais. O momento do parto evoca a experiência que a mãe teve no

seu próprio nascimento, e isso influencia intensamente a vivência do parto de seu filho. A

angústia reativada no parto pode ter um caráter bastante invasor e desintegrador que, ao

invadir o ego, pode fragmentá-lo, talvez propiciando o surgimento de perturbações psíquicas.

Assim sendo, o processo de gestação, parto e puerpério coloca a mulher num

estado de relativa vulnerabilidade psíquica, que poderá variar num continuum que vai de uma

capacidade aumentada de criatividade até uma tendência elevada para a depressão ou psicose

puerperal.

As pesquisas quantitativas revelam percentuais elevados da depressão

puerperal: 10% a 15% das mulheres em geral. Para 60% dessas mulheres, constitui-se como o

primeiro episódio de depressão em suas vidas. Isso indica que o estado da maternidade se

coloca como um terreno, relativamente, propício para a depressão puerperal.

A maneira como se constitui a história de vida de cada mulher influenciará

sobremaneira nos desdobramentos da sua maternidade. Como visto acima, a maternidade


123

reativa as vivências da infância e, principalmente, dos primórdios da vida psíquica. O presente

estudo de caso indica que a depressão puerperal pode surgir como decorrência de falhas no

desenvolvimento emocional primitivo da puérpera, principalmente daquelas relacionadas à

vivência da posição depressiva, aos desdobramentos do narcisismo primário e da constituição

do superego, e, especialmente, à experiência que teve no seu próprio nascimento.

Porém, algo que se destaca como fundamental, diz respeito à falta de suporte

oferecido pelo ambiente circundante a Lara e às perdas vividas por ela nas proximidades do

parto e puerpério. A maneira como cada mulher vai vivenciar a maternidade não diz respeito

somente a ela: convoca, necessariamente e inevitavelmente, o ambiente circundante e a

sociedade da qual participa.

A maternidade é responsabilidade da puérpera, do seu companheiro, das

pessoas próximas e profissionais envolvidos e da sociedade como um todo. Afinal, é a

sobrevivência e o percurso da humanidade que está em pauta. Por isso, buscamos, ao longo

desta dissertação, refletir sobre a maneira como a mulher está vivendo a maternidade na

sociedade atual.

Grosso modo, podemos considerar assim: quando o ambiente e a sociedade

não oferecem a sustentação necessária, as dificuldades primordiais relacionadas com o ser

mãe tendem a ocupar a cena já no campo patológico.

Podemos dizer que as possibilidades do ambiente (familiares, amigos e

vizinhos) em oferecer uma sustentação suficientemente boa às mães têm diminuído muito no

decorrer do último século, e mais intensamente ainda, nas últimas décadas: todos trabalham

muito ou estão concentrados na busca do trabalho e da sobrevivência. Todos estão ocupados

com a própria vida.

Quanto à sociedade em que vivemos, seria uma ampliação do que dissemos

acima? A responsabilidade e o interesse pela maternidade parecem estar muito ofuscados

pelos interesses financeiros, de conquista de status e de sobrevivência dentro dessa


124

engrenagem.

Assim, chegamos, inevitavelmente, no profissional psi e naquele que lida com

a saúde da mulher, e mais especificamente, das mães. As pesquisas voltadas para o estudo da

depressão puerperal e da maternidade são importantes, porque podem contribuir com a prática

clínica, com os demais profissionais envolvidos com saúde mental, e com as organizações que

buscam uma intervenção sobre a população em geral.

É hora de finalizar. Mas, permanece o desejo de apresentar mais material

clínico a respeito de Lara, para que este trabalho fique mais completo. Não temos tempo

suficiente para isso. Então, temos, aqui, um caso que precisa se encontrar com outros casos,

para que possamos avançar nas compreensões e formulações sobre este tema.
125

REFERÊNCIAS

ABRAM, Jan. A linguagem de Winnicott: dicionário das palavras utilizadas por Donald W.
Winnicott. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora
UFMG, 2002.

ALVAREZ, Solange Ramos Saez. Estudo sobre os conflitos psicológicos subjacentes à


depressão pós-parto. 2000. 31 f. Monografia (Especialização em Psicologia e Saúde –
Psicologia Hospitalar) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, COGEAE, São Paulo.

ANCONA-LOPES, Marília. Contexto geral do diagnóstico psicológico. In: TRINCA, Walter.


(Org.). Diagnóstico psicológico: a prática clínica. São Paulo: E.P.U., 1984. cap. 1, p. 1-13.

ARIÈS, Philippe, O amor no casamento. In: ARIÈS, Philippe et al. (Org.). Sexualidades
ocidentais. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986a. p. 153-162.

______. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986b.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. São Paulo: Círculo
do Livro, [198-].

BARBOSA, Fabiane Silva et al. Episódio depressivo maior com início no pós-parto: fatores de
risco. Femina, n. 1, v. 31, p. 73-77, jan./fev. 2003.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor,


1997.

BIRMAN, Joel. Estilo e modernidade em psicanálise. São Paulo: Editora 34, 1997.

______. A psicopatologia na pós-modernidade: as alquimias no mal-estar da atualidade.


126

Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental, v. 2, n. 1, p. 35-49, mar. 1999.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BOUKOBZA, Claude. Como um náufrago sobre um rochedo: a depressão materna no pós-


parto. Psicanálise e clínica de bebê, ano 4, n. 4, p. 16-27, dez. 2000.

COSER FILHO, Orlando Alberto. Crepúsculo das ilusões: uma crítica psicanalítica da razão
depressiva. 1994. 248 f. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica) – Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo, São Paulo.

CURY, Alexandre Faisal. Psicodinâmica da gravidez. In: ZUGAIB, Marcelo et al. Obstetrícia
psicossomática. São Paulo: Atheneu, 1997a. cap. 8, p. 77-84.

______. Depressão puerperal. In: ZUGAIB, Marcelo et al. Obstetrícia psicossomática. São
Paulo: Atheneu, 1997b. cap. 20, p. 206-215.

DE FELICE, Eliana Marcello. Estudo psicodinâmico do puerpério em mulheres primíparas.


1999. 111 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia da Universidade
de São Paulo, São Paulo.

DELLA NINA, Milton. Estresse e ansiedade na gestação. In: ZUGAIB, Marcelo et al.
Obstetrícia psicossomática. São Paulo: Atheneu, 1997.

DELOUYA, Daniel. Depressão. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

DUBY, Georges. Idade Média, Idade dos homens: do amor e outros ensaios. São Paulo:
Companhia das Letras, 1989.

FENICHEL, Otto. Teoria psicanalítica das neuroses. Rio de Janeiro/São Paulo: Atheneu,
1981.

FREUD, Sigmund. (1914). Sobre o narcisismo: uma introdução. ESB. Rio de Janeiro: Imago,
1990. v. 14.

______. (1917 [1915]). Luto e melancolia. ESB. Rio de Janeiro: Imago, 1990. v. 14.

______. (1917 [1916-1917]). Conferências introdutórias sobre psicanálise (parte III). ESB.
127

Rio de Janeiro: Imago, 1990. v. 15.

______. (1921). Psicologia de grupo e a análise do ego. ESB. Rio de Janeiro: Imago, 1990. v.
18.

______. (1923). O ego e o id. ESB. Rio de Janeiro: Imago, 1990. v. 19.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

HARVEY, Érika. Depressão pós-parto: esclarecendo suas dúvidas. São Paulo: Ágora, 2002.

HOBSBAWN, Eric. Era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. 2. ed. São Paulo:
Companhia das Letras, 2001.

HOLMES, David S. Psicologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

JADRESIC M. Enrique et al. Depresión en el embarazo y el puerperio: estúdio de fatores de


riesgo. Acta psiquiátrica psicol. Am. Lat., v. 39, n. 1, p. 63-74, mar. 1993.

LANGER, Marie. Maternidade e sexo: estudo psicanalítico e psicossomático. 2. ed. Porto


Alegre: Artes Médicas, 1986.

LAPLANCHE e PONTALIS. Vocabulário de psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São


Paulo: EPU, 1986.

MALDONADO, Maria Tereza P. Aspectos do ciclo grávido-puerperal: a importância do


trabalho interprofissional de psicólogos e obstetras. 1974. 150 f. Tese (Doutorado em
Psicologia). Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

______. Psicologia da gravidez: parto e puerpério. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 1989.

MASSEY, Michael. As mulheres na Grécia e Roma antigas. Portugal: Publicações Europa-


América, 1988.

MEZAN, Renato. Que significa “pesquisa” em psicanálise? In: SILVA, Maria Emília Lino da.
128

(Org.). Investigação e psicanálise. Campinas: Papirus, 1993. p. 49-89.

MINERBO, Viviane. Estudo dos fatores associados à psicose puerperal. 1983. 71 f. Tese
(Doutorado em Psicologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo.

MOREIRA, Ana Cleide Guedes. A melancolia na obra de Freud: um Narciso sem [des]culpa.
Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo: Escuta, v. 4, p. 92-102.
dez. 2001.

MURARO, Rose Marie. Breve introdução histórica. In: KRAMER, H., SPRENGER, J. O
martelo das feiticeiras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1991.

NEMIAH, J. C. Fundamentos da psicopatologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

OCAMPO, M. L. S. de; ARZENO, M. E. G.; PICCOLO, E. G. de (Col.). O processo


psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. CID-10. 8. ed. São Paulo: Editora da


Universidade de São Paulo, 2000.

PERES, Urânia Tourinho. Dúvida melancólica, dívida melancólica, vida melancólica. In:
Melancolia. Urânia Tourinho Peres (org.) São Paulo: Escuta, 1996.

______. O desamparo do homem contemporâneo. Conferência proferida na reunião


preparatória ao V Fórum Brasileiro de Psicanálise, Psicanálise e Desamparo. Recife, 1999.
(Texto digitado).

PINSKY, Jaime. 100 textos de história antiga. 4. ed. São Paulo: Contexto, 1988.

RIECHELMANN, José Carlos. A mulher atual: perspectivas frente à gestação. In: ZUGAIB,
Marcelo. Obstetrícia psicossomática. São Paulo: Atheneu, 1997. cap. 4, p. 54-61.

ROCHA, Fábio Lopes. Distúrbios psiquiátricos na gravidez e puerpério: atualização. In:


Documed (n. 2). Rio de Janeiro: Científica Nacional, 1991.

RZEZINSKI, Paulo da Costa; MAC CORD, Eliane Mirilli. Gestação como evento familiar e
comunitário. In: ZUGAIB, Marcelo et al. Obstetrícia psicossomática. São Paulo: Atheneu,
1997. cap. 5, p. 54-61.
129

SAFRA, Gilberto. O uso de material clínico na pesquisa psicanalítica. In: SILVA, Maria
Emília Lino da. (Org.). Investigação e psicanálise. Campinas: Papirus, 1993. 119-132.

SANTIAGO, Mary Dolores Ewerton. Entrevistas clínicas. In: TRINCA, Walter. (Org.).
Diagnóstico psicológico: a prática clínica. São Paulo: E.P.U., 1984. cap. 6, p. 67-81.

SILVA, Edna Maria da. Depressão no pós-parto: aspectos clínicos e epidemiológicos.


Neurobiologia, v. 6l, n. 4, p. 107-114, out./dez. 1998.

SILVA, Maria Emília Lino da. Pensar em psicanálise. In: ______. (Org.). Investigação e
psicanálise. Campinas: Papirus, 1993. p. 11-25.

SOIFER, Raquel. Psicologia da gravidez, parto e puerpério. 6. ed. Porto Alegre: Artes
Médicas, 1992.

SOUZA, Carla Beatriz de; REZENDE, Sonia Novaes de. Depresión materna, pacto de destete
y angústia de separación. In: POLANCO, Noemí Reyes de. (Coord.). Observación de bebês.
México: Plaza Y Valdés, 2000. p. 43-57.

TRINCA, Walter. Processo diagnóstico de tipo compreensivo. In: ______. (Org.). Diagnóstico
psicológico: a prática clínica. São Paulo: E.P.U., 1984. cap. 2, p. 14-24.

______. Referenciais teóricos do processo diagnóstico de tipo compreensivo. In: ______.


(Org.). Diagnóstico psicológico: a prática clínica. São Paulo: E.P.U., 1984. cap. 3, p. 25-33.

TSU, Tânia Maria José Aiello. A relação psicólogo-cliente no psicodiagnóstico infantil. In:
______. (Org.). Diagnóstico psicológico: a prática clínica. São Paulo: E.P.U., 1984. cap. 4, p.
34-50.

WENDER, Maria Celeste Osório. Depressão puerperal: atualização. Femina, v. 30, n. 7, p.


439-444, ago. 2002.

WINNICOTT, C.; SHEPHERD, R.; DAVIS, M. (Orgs.). Explorações psicanalíticas. D. W.


Winnicott. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1994.

WINNICOTT, D. W. (1949a). Memórias do nascimento, trauma do nascimento e ansiedade.


In: ______. Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000. cap. 14,
p. 254-276.
130

______. (1949b). O bebê como organização em marcha. In: ______. A criança e seu mundo.
Rio de Janeiro: Zahar, 1985. cap. 3, p. 26-30.

______. (1954-5). A posição depressiva no desenvolvimento emocional normal. In: ______.


Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000. cap. 21, p. 355-373.

______. (1956). A preocupação materna primária. In: ______. Da pediatria à psicanálise:


obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000. cap. 24, p. 399-405.

______. (1957). Fatores de integração e desintegração na vida familiar. In: ______. A família e
o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes, 1997. cap. 6, p. 59-72.

______. (1958). A família afetada pela patologia depressiva de um ou ambos os pais. In:
______. A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes, 1997. cap. 7, p.
73-88.

______. (1960). O relacionamento inicial entre uma mãe e seu bebê. In: A Família e o
desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes, 1997. cap. 7, p. 73-88.

______. (1964). A criança e seu mundo. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

______. (1971). O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil. In:


______. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975. cap. 9, p. 153-162.

______. A natureza humana. Rio de Janeiro: Imago, 1990.


131

APÊNDICE
132

APÊNDICE A –– Roteiro de Entrevista: empregado no período da realização da


avaliação psicológica

ROTEIRO DE ENTREVISTA

Nome:

Idade: Data de Nascimento:

Escolaridade: Profissão:

Estado civil:

Procedência:

Endereço:

Telefone:

1. HISTÓRIA DA MOLÉSTIA ATUAL (QUEIXA)


- Como se sente?
- Desde quando ocorre?
- Qual a primeira vez (detalhes) ?
- O que desencadeou?
- Na 1a. vez o que foi feito, procurou ajuda? E nas outras vezes?
- Da 1a. vez para cá como tem sido?
- Como era antes de ter a dificuldade? Houve modificações?
- Como os familiares e pessoas do convívio reagiram e reagem diante da
dificuldade?
- Houve pioras ou melhoras em algumas situações, o que estava acontecendo?
- Mais alguma coisa a acrescentar?

2. HISTÓRIA PESSOAL

. Falar livremente sobre os seguintes temas:

. Infância
- Gestação
- Parto
- Pós-parto
- Amamentação e desmame
- Hábitos higiênicos
- Desenvolvimento físico
- Jogos e brincadeiras
- Escolaridade
- Desenvolvimento Geral
- Sexualidade
- Relacionamento familiar
- Algo a acrescentar
133

. Adolescência
- Começo da puberdade
- Amizades e relacionamento social
- Sexualidade
- Hábitos
- Escolaridade
- Relacionamento familiar
- Algo a acrescentar

. Idade adulta
- Preocupações mais importantes
- Metas e ambições
- Hábitos e atividades
- Sexualidade
- Características predominantes da personalidade
- Algo a acrescentar

3. HISTÓRIA FAMILIAR

- Mãe
- Pai
- Irmãos
- Esposo
- Filhos
- Algo a acrescentar

4. SAÚDE E ENFERMIDADES FÍSICAS E EMOCIONAIS

- Presente
- Passado
- Algo a acrescentar

5. ADAPTAÇÃO ATUAL
134

ANEXOS
135

ANEXO A –– Termo de Consentimento Livre e Esclarecido: modelo assinado pelo sujeito


da pesquisa
136

ANEXO B –– Parecer do Comitê de Ética em Pesquisa - PUCSP