Você está na página 1de 31

Moçambique

Cabo Delgado,
Nampula, Niassa,
Zambézia e Sofala
Pemba, Caixa Postal, 260
Maputo, 1 de Novembro de 2013 • ANO XX • No 1034 • Preço: 30,00 Mt • Moçambique E-mail: emclpemba@teledata.mz

É demais!
Raptos e tensão político-militar abalam o País

Ahmad Abudul Rachid (13 anos), raptado e morto por sequestradores na Beira. Kulssum Ismael, mãe do
menor, criticou com veemência a atitude da Polícia e apelou ao levantamento popular
TEMA DA SEMANA
2 Savana 01-11-2013

Ahmad Rachid, ou o símbolo da


desprotecção e insegurança públicas
Por Emídio Beúla*

A
hmad Abdul Rachid, Recentemente, o CC (Conse-
13 anos, era um meni- lho Constitucional), através do
no calmo e obediente. Acórdão n° 04/CC/2013, de 17
Tinha poucas saídas de de Setembro, declarou que a PIC
casa: apenas duas por dia, uma para (Polícia de Investigação Criminal)
a escola e outra para a mesquita. e o MP (Ministério Público) são
Os dois sítios distam a aproxima- incompetentes para ordenarem
damente três quilómetros da casa prisão preventiva fora dos casos de
onde morava com os pais, na Ponta flagrante delito. O principal argu-
Gêa, um bairro da elite na Beira, a mento vertido no acórdão é a salva-
segunda cidade do país. Na tarde guarda da regra de exclusividade da
de 22 de Outubro, ele foi visto a competência da autoridade judicial
sair da mesquita. Mas não chegou e do princípio da separação dos po-
à escola Associação Muçulmana da deres consagrados na Constituição.
Beira, onde frequentava a 8 classe. Por essa razão, a PIC só pode efec-
E, para o desespero dos pais, nun- tuar detenções nos casos em que
ca mais voltou para casa. Ahmad está munido do respectivo manda-
Rachid tinha sido raptado por pes- do emitido por um juiz.
soas desconhecidas e seis dias de- Kulssum Ismael lamenta ainda que
pois roubavam-lhe a vida de forma à medida que ia dando pistas à Po-
Ahmad Abdul Rachid Kulssum Ismael
brutal. O crime, cujas imagens do- lícia, os raptores ligavam e infor-
cumentam requintes de crueldade, Durante as negociações, os seques- tretanto não divulgado pela família. O pai tem uma loja de venda de mavam que eles estavam a par de
comoveu a sociedade. tradores avisaram à família a não Informações não confirmadas in- perfumes e mais 10 motos de taxi, todos os contactos entre a família e
aceitar negociar os valores de res- dicam que foram 100 mil meticais. vulgo tchopela. A mãe explora um as autoridades policiais.
Um tio do menor contou ao SA- gate com pessoas que usassem ou- Depois de entregar o valor, os pais restaurante no primeiro piso do A mãe do menor assassinado pelos
VANA que ele acredita que Ahmad tros números que não fosse aquele. do Ahmad Rachid recebem cha- prédio onde viviam com o menor. raptores na segunda-feira, 28 de
Rachid foi convidado por pessoas Provavelmente, tinha havido um madas do número que permaneceu Os raptores reviram em baixa o Outubro, e cujo corpo foi encontra-
conhecidas a segui-las, tendo pos- desentendimento qualquer entre os incontactável depois das primeiras valor, primeiro para 10 milhões de do na zona entre Inhamízua (Beira)
teriormente sido entregue a malfei- raptores do menor ou a informação chamadas. Aqui os raptores in- meticais, depois para cinco milhões e vila de Dondo, pede às autorida-
tores. “Não usaram armas de fogo, tinha chegado a outras quadrilhas. formaram que as negociações e o de meticais e finalmente para um des que encontrem os malfeitores e
não usaram força e não traziam A família é de novo contactada respectivo pagamento tinham sido milhão de meticais. sejam responsabilizados pelos seus
carro”, disse. através de dois números diferentes feito com pessoas erradas. actos hediondos.
Um dia depois do rapto, a família do primeiro, e desta vez as nego- Entra-se num novo ciclo de nego- Mãe do menor pede justiça “O Governo deve ter leis próprias
começa a receber chamadas dos se- ciações são feitas através de men- ciações e, à partida, a família mos- Kulssum Ismael, mãe de Ahmad para os assassinos. E não deve acei-
questradores que usavam um con- sagens escritas, vulgo sms. Feitas tra indisponibilidade em conseguir Rachid, acusa a PRM na Beira de tar pagamento de caução, porque
tacto de telemóvel que depois ficou as negociações, chegou-se a um um milhão de dólares norte-ame- “não ter feito nada” para salvar a os criminosos têm muito dinheiro
desligado. acordo sobre o valor de resgate, en- ricanos, o primeiro valor exigido. vida do menor. Logo que se aper- para pagar caução, e sempre vão
cebeu de que o seu filho tinha sido cometer os mesmos actos”, disse
raptado, ela participou o caso à es- Kulssum.
Em declarações à imprensa, a

“Cidadãos não sentem protecção


quadra da Polícia mais próxima da
sua residência. “Comuniquei à PIC PRM  em Sofala disse que a cor-
(Polícia de Investigação Criminal), poração está a trabalhar para cap-
mas esta disse que nada podia fa- turar os autores do macabro crime.

do Estado”, Graça Machel


zer antes da assinatura pelo juiz de Ainda assim, até esta quarta-feira
instrução do mandado de busca e a Polícia continuava sem pista dos
captura”, lamentou. malfeitores.


Eu sou a mãe da criança, disse. chid, Graça Machel conde-

Juiz iliba dois co-arguidos e


mas não deito nenhuma A presidente da FDC exigiu ao nou o acto e disse que o que
lágrima e apelo a todas Governo uma postura de comu- sucedeu pode acontecer com
as mães de Moçambique nicação e diálogo com as comuni- qualquer criança que ainda
para que façam greve contra o
Estado, contra o Governo”, disse
dades. “O silêncio faz com que as
pessoas sintam-se abandonadas e
não voltou para casa. “Nós
não queremos ficar reféns dos procuradora teme pela sua vida
Kulssum Ismael, num discurso desprotegidas. Temos que mobi- sequestradores. Já estamos en-

N
bastante comovente. E as mães lizar a sociedade civil a trabalhar tregue ao medo e à incerteza, o mesmo dia em que Os irmãos Arsénio e Luís Chit-
e toda a sociedade de Moçambi- com o Governo, mas este tem de mas os criminosos é que de-
uma quadrilha execu- sotso (o pai, já falecido, também
que já estão a reagir com indig- explicar como fazer isso”. Para ela, vem ter medo de nós”.
tava a sangue frio um foi membro da PRM) e o seu ami-
nação ao rapto e assassinato de as famílias vítimas dos raptos não A viúva do primeiro Presiden-
menor de 13 anos rap- go Albino Primeiro são membros
Ahmad Rachid, cujas imagens podem sentir-se desprotegidas pelo te de Moçambique indepen-
continuam a correr o mundo Estado e abandonadas pela socie- dente deixou claro que o silên- tado na Beira, em Maputo era da Polícia moçambicana. Arsénio,
inteiro. dade civil. “Temos de alargar a base cio do Governo não significa conhecida a primeira sentença o mais velho, estava afecto à Casa
A partir da cidade sul-africana de solidariedade”, apelou. que este não está a trabalhar. de dois processos relacionados Militar, unidade responsável pela
de Cabo (Cape Town), Gra- Sobre o assassinato de Ahmad Ra- “Estão a trabalhar, mas não sa- com os sequestros. Lida pelo juiz segurança do Chefe do Estado.
ça Machel, presidente da FDC bemos o que estão a fazer. Na Adérito Malhope, que preside a Na sentença, foram absolvidos os
(Fundação para o Desenvolvi- tradição do nosso Governo, 10ª Secção Criminal do TJCM
mento da Comunidade) falou quando há um problema desta (Tribunal Judicial da Cidade de
à imprensa moçambicana para natureza, o Governo sai e fala Maputo), a sentença condenou a
lamentar o ambiente de “terror, com os cidadãos, mobiliza as 16 anos de prisão os réus Bende-
medo e insegurança” que se vive pessoas a se protegerem me- ne Chissano (mais conhecido por
nos principais centros urbanos lhor”, recordou. Angolano), Joaquim Chitsotso,
de Moçambique devido aos rap- Graça Machel evitou respon- Arsénio Chitsotso, Luís Chitsot-
tos. “Os cidadãos não se sentem der às perguntas de jornalistas so, Albino Primeiro e Luís Carlos
seguros, pois não sentem a pro- sobre a tensão político-militar da Silva, por ter sido provado o
tecção do Estado. São pais que que se vive na região centro do seu envolvimento no rapto, se-
não sabem se voltam para casa país, envolvendo o exército re- guido de cárcere privado, de seis
depois do trabalho ou não sabem gular e a guerrilha da Renamo,
pessoas nas cidades de Maputo e Procuradora Ana Marrengula diz que
se os filhos regressam da escola”, maior partido na oposição.
da Matola. vai recorrer da decisão do juiz
TEMA
TEMADA
DASEMANA
SEMANA
Savana 01-11-2013 3

Malditos raptos
C
ontinua longe do falam de pagamento de um resga- do comércio até que o governo dê ligados aos ramos de comércio e ças, filhos de moçambicanos
fim a onda de raptos te USD750 mil. resposta definitiva à insegurança hotelaria, juntamente com o seu negros abastados.
em Moçambique. que se ia agravando nas cidades de sobrinho, conhecido por Abdul
Quando em Dezem- Janeiro de 2012- Em plena luz do Maputo e Matola. Cadir, são raptados. -Na avenida da Marginal, o fi-
bro de 2011 foi raptado, na dia, dois moçambicanos de ori- lho do director de Projectos da
capital moçambicana, um dos gem asiática, identificados pelos Agosto de 2012- Armando Gue- 08 de Fevereiro de 2013- Gulba- Petromoc, Tito Tezinde, é rap-
nomes de Abdul Cadir e Gulzar buza reúne-se com dirigentes noo Rawjee, ismaelita de 75 anos, tado quando se dirigia à escola,
proprietários das ferragens
Satar são raptados no cemitério da do `Movimento Islâmico` e dá é raptada numa das principais na companhia do irmão e do
Somofer, a sociedade moçam- Lhanguene, cidade de Maputo. garantias que iria pessoalmente avenidas da capital moçambicana. motorista.
bicana estava muito longe de envolver-se para que se resolvesse Rawjee está ligada por laços fami-
pensar que a situação dos rap- Junho de 2012- É raptado um a questão dos raptos que estavam liares a proprietários das podero- -No mesmo mês um sequestro
tos pudesse atingir contornos funcionário da Africa Câmbios a assumir proporções alarmantes sas empresas moçambicanas Delta deu-se no bairro do Fomento,
alarmantes e virar um negócio – `Áfricambios´, conhecido por em Maputo. Trading, Africom e Sasseka, que cidade da Matola, tendo como
chorudo. Hoje os raptos já Sha, na Av. 25 de Setembro, con- integram a influente comunidade alvo Príncipe Chone, filho de
vão para cerca de quatro de- cretamente em frente à Pastelaria -O encontro com Armando ismaelita, liderada por Aga Khan. Justino Chone, ex-director-
zenas e uma criança na Beira Continental, por o terem confun- Guebuza surgiu depois das Co- -Membros da comunidade mu- -geral da Ernest & Young. A
foi assassinada com requintes dido com Amin Razak ou Abdul munidades muçulmana, hindu e çulmana manifestam a sua preo- criança seguia numa viatura de
Razak, respectivamente, dono e ismaelita ameaçarem lançar uma cupação ao Governo e a 12 de Fe- transporte escolar, a caminho
de malvadez. A sociedade está do Instituto Nília, na cidade de
filho da empresa. campanha de desobediência civil vereiro 2013, o Procurador-geral
indignada, perante uma apa- à escala nacional. As comunidades da República emite um comuni- Maputo.
rente inércia das autoridades 26 de Junho de 2012- O Procura- iriam levar a cabo manifestações, cado a garantir que está atento à 22 de Outubro de 2013- Uma
governamentais. dor-geral da República, Augusto uma greve geral do comércio e onda de raptos, que havia atingido jovem de 26 anos de idade (N.
Paulino, diz que os raptos e se- indústrias e serviços sob controlo 13 pessoas. Morgado) é sequestrada nas
Veja a cronologia de alguns questros que abalam as cidades de de membros dessas comunidades, imediações da Escola Portu-
raptos que abalaram a socie- Maputo e Matola são perpetrados uma marcha em direcção ao Mi- 3 de Julho de 2013- O jovem guesa de Maputo. O rapto foi
dade moçambicana. por redes estrangeiras. Paulino nistério do Interior e uma campa- Ashu Abdul Aziz, de 22 anos de levado a cabo por dois indiví-
falava na abertura das Primeiras nha de desobediência fiscal. idade, filho do empresário Abdul duos munidos de uma arma
Dezembro de 2011- Yacub Sa- Jornadas Jurídicas do Ministério Aziz, é raptado, na zona do Mer- do tipo AKM, que se faziam
tar, co-proprietário da Socieda- Público. 20 de Setembro de 2012-A polí- cado do Peixe, próximo à Escola transportar numa viatura de
de Moçambicana de Ferragens cia detém o empresário, Mohamed Portuguesa, em Maputo. Abdala é marca Mazda sem chapa de
(SOMOFER), é raptado em 26 Julho de 2012- É raptado, em Bakir Ayoob, acusado de ser o cé- dono da loja SOCOAL localizada matrícula.
pleno Circuito de Manuten- Maputo, Bilal Wassim, um jovem rebro da onda de raptos. Semanas perto do Ponto Final.
ção Física António Repinga, empresário de origem indiana, depois, o Tribunal solta Bakir por 16 Julho de 2013-José Paulo Ta-
na baixa da cidade de Maputo, de perto de trinta anos, filho do falta de provas, mas este abandona vares, de nacionalmente portu- Quando a sociedade moçam-
quando fazia exercícios físicos proprietário da Casa das Louças, mais tarde o país, depois de tomar guesa, é raptado no seu escritório bicana já estava familiarizada
matinais. Dias depois de ser li- conhecido apenas por Sulemane, e conhecimento que foi emitido um da baixa da cidade de Maputo por com raptos, a 28 de Outubro
bertado, a Polícia da República genro do proprietário da Universal novo mandado de captura contra seis homens armados. O empresá- corrente uma criança de 13
de Moçambique (PRM) pres- Comercial. ele. rio português do ramo alimentar anos foi assassinada pelos seus
siona o empresário para dar as -Horas depois começa a circular foi libertado a 15 de Agosto do raptores na Beira, em retaliação
pistas dos bandidos que o se- entre a comunidade muçulmana 28 de Janeiro de 2013- Gulzar mesmo ano. ao facto de a família ter infor-
questraram, mas sem sucessos. um sms apelando para a mobili- Sattar, um conhecido empresá- Outubro de 2013- A gang dos mado a polícia do local onde ia
Informações não confirmadas zação geral para paralisação total rio com vários empreendimentos raptores vira os canos para crian- pagar o resgate.

co-réus Hélder Naiene e Domi- ção e os réus rebateram todas as deve ser, tenho a certeza que vol-
nique Mendes por falta de provas alegações que apontavam para o tarão a este tribunal e ai, podem
bastantes sobre o seu envolvimen- seu envolvimento nos sequestros, ter a certeza, não escaparão”, ad-
to nos crimes de que eram acusa- explicou o juiz. “Na nossa senten- vertiu-os o juiz Malhope.
dos. O juiz Malhope argumentou ça não dissemos que os senhores Comentado sobre a sentença,
que a acusação do MP (Minis- não cometerem o crime. O que Ana Sheila Marrengula, a repre-
tério Público) e a pronúncia dos dissemos foi que não encontra- sentante do MP nos processos
dois co-arguidos sustentavam-se mos qualquer prova no proces- disse que estava “parcialmente
unicamente nas suas confissões, so de terem cometido os crimes satisfeita” com a decisão do tri-
pois nos autos não havia matéria de que foram pronunciados. São bunal. Justificou o seu posiciona-
bastante que consubstanciasse duas realidades bem diferentes. mento afirmando que o tribunal
o seu envolvimento nos raptos. Esperamos nós que esta absolvi- aplicou penas exemplares aos
Durante a audiência e discussão ção seja correspondida pelo vosso condenados, mas decidiu absol-
do julgamento, não foi produzida comportamento daqui em diante. ver dois réus por alegada falta de
nenhuma prova a favor da acusa- Se não se comportarem como provas. Posição com a qual Ana Hélder Naiene e Dominique Mendes, os dois arguidos ilibados

Marrengula discorda: “Existem dem sentirem-se acima da lei.


provas, tanto mais que foi o réu “Eu, particularmente, temo pela
Bendene Chissano, condenado, minha segurança, enquanto ma-
que disse ter participado nos se- gistrada que está à frente dos
questros com Dominique Men- processos de raptos e tráfico de
des e Hélder Naiene. Para além pessoas na capital do país. Temo
disso, os próprios réus absolvi- pela minha própria vida, tendo
dos descreveram com pormenor em conta que estes indivíduos ili-
como é que participaram em cada bados têm antecedentes criminais
um dos raptos. Por isso, esta deci- e um deles já foi condenado pela
são do tribunal é surpreendente e prática do crime de homicídio”,
contra todas as expectativas”. disse a procuradora. Na verdade,
A absolvição dos dois co-réus é, Dominique Mendes está em li-
nas palavras da procuradora Mar- berdade condicional desde 2008,
rengula, um verdadeiro prémio depois de cumprir a metade da
à acção dos criminosos, situação pena de 20 anos de prisão maior
que pode agravar a insegurança na BO da Machava. Ele foi jul-
que se vive nos principais centros gado e condenado pela prática
urbanos do país. Ela mesma diz de homicídio pela mesma secção
temer pela sua segurança, pois do TJCM que no caso dos raptos
os co-réus ora absolvidos têm decidiu pela sua absolvição.
Reus condenados, primeira Àla, da esquerda para direita: Luís Chitsotso, Bendene Chissano (Angolano), Albino Primeiro e Luís antecedentes criminais e com a
Carlos da Silva; segunda Àla, da direita para esquerda: Arsénio Chitsotso, (Dominique Mendes absolvido) e Joaquim Chitsotso decisão judicial a seu favor po- *Com Constatino André, na Beira
TEMA DA SEMANA
4 Savana 01-11-2013

“Moçambique vive uma situação de guerra não declarada”


-Entrevista ao académico moçambicano Lourenço do Rosário, um dos mediadores que tentou, durante meses, fazer a ponte entre a
Renamo e o Governo da Frelimo.
Por Ana Dias Cordeiro*

O
académico moçambica- longo destes 20 anos, as coisas fo- soa possa ver as coisas objectiva-
no Lourenço do Rosário ram-se agravando porque nunca se mente. E eu procurei ser o mais ob-
é reitor da Universidade encontraram mecanismos para que jectivo possível. Dentro da Frelimo
Politécnica em Maputo e estes homens fossem integrados no há uma pluralidade de visões. Te-
um dos dois mediadores das nego- Estado moçambicano, na polícia nho contactado o chefe de Estado,
ciações para aproximar as posições moçambicana do Estado. A Rena- que foi quem me indicou para me
mo foi utilizando estes elementos manter como ponte entre as partes,
entre o Governo da Frelimo e a
como um instrumento de chanta- mas também mereço a confiança
Renamo nos últimos dois anos. O gem política nos momentos em que do líder da Renamo. Ele telefona-
outro é o bispo anglicano moçam- achava que estava em perda. As ou- -me, fala comigo, embora ele saiba,
bicano D. Dinis Sengulane. tras duas questões que eles coloca- e eu digo-lhe, ‘não se esqueça que
vam em cima da mesa eram a par- eu sou membro da Frelimo’.
Nenhum é mediador oficial por- tidarização do aparelho do Estado Falou com Dhlakama depois de
que “nunca houve nomeação oficial e a uma equidade na distribuição ele se retirar do acampamento de
de mediadores”, explica Louren- da riqueza. Estas são questões de Satunjira?
ço do Rosário numa entrevista ao debate nacional, não eram apenas Ele tentou falar comigo, segundo
PÚBLICO em Lisboa, à margem questões da própria Renamo. disseram os colegas com quem ele
da II Conferência sobre o Futuro Achávamos que estávamos muito está em contacto.
da Língua Portuguesa no Sistema próximos de uma solução. Sabe quais são, ao certo, as inten-
O que correu mal? ções dele?
Mundial, onde foi um dos partici-
Não sei dizer. Há dados que me Ele diz que quer dialogar. E não
pantes do primeiro dia. “A Renamo escapam. Interrogo-me quando me pode. Neste momento é refugiado
queria forçar essa tecla, mas o Go- lembro [da cronologia dos aconte- militar, está a fugir de uma ope-
verno achou que não estavam esgo- cimentos]. No dia 17 de Outubro, ração militar. Não é uma questão
tadas as condições para um diálogo o líder da Renamo dizia que não de polícia, é uma questão militar.
sem mediador”. havia necessidade de haver colunas Sendo uma questão militar, é uma
A Renamo voltou, nos últimos dias, para protecção no troço da Estrada situação de guerra, embora não
a exigir uma mediação externa e in- Lourenço do Rosário Nacional n.º1 porque ele tinha de- seja declarada. Quem ocupou o seu
dependente para um diálogo. Mas sactivado todas as ordens de atacar acampamento não foi a polícia, fo-
esse diálogo só é possível depois de Às vezes desfasada no tempo, mas tidária da Comissão Nacional de essa estrada. No dia 18, começam ram os militares.
“ambas as partes criarem as condi- sim. Eleições. A segunda diz respeito à a surgir escaramuças, com mortos, Defende uma retirada do Exército
ções para Dhlakama poder reapa- Vê boas perspectivas para o diálo- Defesa e Segurança. Os Acordos de prisioneiros. E no dia 21 é ocupado para poder haver diálogo?
recer”, diz Lourenço do Rosário. go? Roma [de Paz, assinados em 1992] o seu acampamento. Em três dias, Só pode haver uma retirada do
O que se passou, enfatiza, foi uma É preciso criar as condições para permitiam a manutenção de uma alguma coisa mudou. Exército se houver, por outro lado,
ocupação militar. “Moçambique que Dhlakama possa reaparecer de bolsa residual de homens armados É membro da Frelimo e foi es- a cessação dos focos de violência. E
modo a conduzir o processo de diá- da Renamo para protecção do seu colhido pelo Presidente Guebu- isso, infelizmente, não está a acon-
vive uma situação de guerra não
logo. Toda a sociedade moçambica- líder… za para mediar, o que suscitou tecer. Continua a haver uma espiral
declarada”. E permitia quantos homens?
na acha que este problema só se re- dúvidas sobre a sua capacida- desses ataques quer a alvos civis,
Em Moçambique, a situação, em solve com o encontro entre o chefe Não sei dizer, mas aproximada- de de manter a imparcialidade. quer a alvos militares.
vez de melhorar, está a piorar? de Estado, Armando Guebuza, e o mente 150 ou 200 homens. Ao A cidadania faz com que uma pes- * Público.pt
É natural que aconteça algum líder da Renamo, Afonso Dhlaka-
endurecimento depois da ocupa- ma. Isto é fundamental. Não inte-
ção [do local onde estava Afonso ressa a tese de que, desaparecendo
Dhlakama]. Satunjira não é pro- ele, ficam resolvidos todos os pro- “Presidência Aberta” em Sofala e Manica
priamente uma base militar, é um blemas. Há um discurso mais radi-

População exige diálogo Guebuza-Dhlakama


acampamento onde o líder da Re- cal que defende que a solução final
namo se encontrava a residir. Mas seja essa, o que permitiria ou não
foi, de facto, ocupada militarmente, o processo da ilegalização da Rena-
e isso significou o início de uma mo como partido político armado. Por André Catueira

P
escalada de violência. O presidente Não é constitucional, num país que
é um Estado de Direito, ter um erante a tensão político-militar que se vive fala, onde o comício sugeria uma “encenação”, com
da Renamo está em parte incerta.
partido armado. E a Renamo está no país, com maior intensidade no centro todos os grupos culturais a “venerar e a louvar” os
Não tem condições de poder coor-
denar aquilo que ambas as partes armada. Esta posição — desarmar de Moçambique, a população não se fez de feitos de Armando Guebuza, a população, não mui-
garantem ser a sua intenção: privi- a Renamo — é legítima. Mas é rogada e exigiu ao Presidente da República, to descontraída, pediu igualmente a pacificação de
preciso saber como desarmá-la. Se Armando Guebuza, na sua passagem em “Presidên- Moçambique mediante o diálogo.
legiar o diálogo. Por outro lado, ele
através do diálogo, se militarmente. cia Aberta” nas províncias de Sofala e Manica, para “Não queremos mais bandidos armados nas matas.
não se compromete com as acções
Quem pode criar as condições que busque solução pacífica do conflito, dialogando Queremos cantar e viver a paz”, disse Octávio Elias,
que têm acontecido um pouco por para Dhlakama reaparecer?
toda a província de Sofala. Signifi- com o líder da Renamo, Afonso Dhlakama. durante o comício popular em Catulene, uma loca-
Ambos os lados. É preciso parar “Se bem entendi, o senhor Presidente foi o negocia- lidade que recebeu pela primeira vez um Presidente
ca que ele se desresponsabiliza, mas esta espiral de violência. O Estado,
o Governo não pode ficar atado a dor do AGP. Agora como Presidente da República da República.
legitimamente, não pode permitir
essa desresponsabilização. que no país haja focos de violência volte a sentar para o diálogo (com a Renamo). Há “Pedimos a paz senhor Presidente. Já não queremos
É verdade que o Exército não sabe e não reagir. De reacção em reacção, pessoas inocentes que estão a morrer, então peço a guerra”, sublinhou Adelino Jone, residente em
onde está o líder da Renamo? estamos a criar um crescendo de que haja diálogo para evitar essas mortes e se busque Catulene, região em franco crescimento e principal
A Renamo diz que ele está em par- violência. Estão a morrer cidadãos caminhos possíveis para se encontrar a pacificação”, produtora de gado caprino na província de Sofala.
te incerta mas nós, enquanto ponte civis, estão a destruir-se proprieda- disse Piter Muchaire, régulo da localidade de Serra Guebuza reconhece
entre ambos os lados, sabemos que des, está a paralisar-se a economia. Chóa, distrito de Báruè, província de Manica, du- Entretanto, discursando nos comícios, Armando
A situação é grave? rante um comício popular. Guebuza reconheceu que para o desenvolvimento
ele contacta os seus homens e dá-
A situação preocupa-me bastante. Para Piter Muchaire, o desenvolvimento, que o país do país “precisa-se de diálogo”, defendendo a neces-
-lhes algumas orientações. Ele está [Nas negociações que decorrem há
comunicável. Se os serviços de in- tanto almeja, “é inútil” sem a paz, pois mergulha- sidade de “acarinhar a paz em Moçambique, que é
dois anos, com algumas interrup- dos em conflito armado, os ganhos até então con- forte, mas é preciso continuar a fortificá-la”.
formação sabem onde ele está, isso ções] nós estávamos muito próxi-
eu já não estou em condições de seguidos serão deitados abaixo com a destruição da “O governo está preocupado em continuar o diá-
mos da solução pacífica do dife-
dizer. rendo. Essa solução levaria natural- guerra. logo. As diferenças resolvem-se falando porque so-
Dhlakama está em contacto com mente à acomodação de alguns dos “Um coelho não se salva numa mata depois de mos todos moçambicanos. O diálogo deve continu-
os representantes do partido em aspectos de reivindicação da Rena- queimada três vezes”, disse em parábola durante o ar, não só entre os dirigentes, mas desde a família”,
Maputo? E no resto do país? mo, no que diz respeito ao xadrez comício, José Zindua, assegurando que uma even- notou Armando Guebuza, ao se dirigir à população.
Ele está em contacto, pelo menos, político, e também da necessidade tual “terceira guerra” em Moçambique seria “deso- “O diálogo nunca vai acabar, enquanto vivermos vai
com os seus homens de Maputo. de integração dos homens armados ladora”, implorando ao PR ao diálogo com o líder sempre continuar uns com os outros, mas para falar-
Se está ou não em contacto com da Renamo dentro das estruturas da oposição, como forma de buscar solução que se mos coisas construtivas”, afirmou Guebuza.
as bolsas militares que existem na do Estado. Isto está na agenda. Al- adeque aos políticos e a população. Armando Guebuza encerrou as “Presidências Aber-
província, não sei. Mas continua a guma coisa resvalou. Não sei o que “Não queremos a guerra, só a paz”, resumiu Magg tas”, nas províncias de Manica e Sofala, numa altura
afirmar que não é responsável por aconteceu. Stiven, fortemente aplaudida, durante o comício que estão em crescendo ataques de supostos guer-
esses ataques. Quais eram as concessões? popular na Serra Chóa. rilheiros da Renamo, em ofensivas contra escoltas
A posição do porta-voz em Ma- A Renamo colocava quatro ques-
puto é exactamente a posição Em Catulene, distrito de Chemba, a norte de So- militares de viaturas no troço Save-Muxúnguè.
tões. A primeira relativa à Lei Elei-
transmitida por Dhlakama? toral, que define a composição par-
TEMA DA SEMANA
Savana 01-11-2013 5

Ataques chegam ao Norte


Aunício Silva, em Nampula

A
tensão político-militar noca está” ao que nos respondeu: do partido, onde igualmente nin- Na Assembleia Provincial de ro do chefe da bancada da Rena-
que se vive na região “Pinoca encontra-se neste mun- guém quer falar do paradeiro do Nampula, onde Pinoca Luxo é mo. A par de Afonso Dhlakama,
centro de país está a do?”, tendo de seguida sugerido delegado interino da perdiz em chefe de uma das bancadas, nin- Pinoca Luxo também se encontra
evoluir para outras re- que nos dirigíssemos à secretaria Nampula. guém aceita falar sobre o paradei- “em parte incerta”.
giões do país. Nesta terça-feira,
um clima de tensão tomou conta
dos residentes de Navevene, uma
pacata comunidade do distrito de
Rapale, província de Nampula,
norte de Moçambique.

As Forças Armadas de Defe-


sa e Segurança de Moçambique
(FADM) e uma unidade de elite
das Forças de Intervenção Rápi-
da (FIR) atacaram um suposto
esconderijo de homens armados
da Renamo naquele ponto de
Nampula, mas não houve registo
de mortos dos dois lados, feridos
e nem detenções.
O porta-voz da PRM em Nam-
pula, Miguel Bartolomeu, con-
firmou o sucedido e afirmou
tratar-se dos homens da seguran-
ça pessoal do líder da Renamo,
Afonso Dhlakama, que logo a se-
guir ao ataque à Satunjira aban-
donaram a residência deste que
guarneciam na rua das Flores na
cidade de Nampula.
De Navevene, informações que
nos chegam indicam que a po-
pulação apenas foi surpreendida
por forças governamentais a dis-
pararem e nenhum deles tinha
sido avisado do ataque, embora
o porta-voz da PRM afirme que
teria havido um trabalho prévio
para acautelar a comunidade.
Bartolomeu também disse à im-
prensa que uma escola primária
em Navevene encerrou as portas
e dispensou os alunos desde que
os homens armados da Renamo
escalaram a região.

PIC intima delegado interi-


no da Renamo
Entretanto, a Polícia de Investi-
gação Criminal (PIC) intimou
nesta terça-feira o delegado polí-
tico interino da Renamo, Pinoca
Luxo, para a sua delegação em
Nampula.
Segundo Miguel Bartolomeu, “a
solicitação do senhor Pinoca pela
polícia era para ele ajudar as FDS
a localizar os homens armados da
Renamo e, neste momento, sabe-
mos que ele sabe onde eles estão”.
Miguel Bartolomeu refutou em
entrevista ao SAVANA que a po-
lícia deteve o delegado político
interino da Renamo e chefe da
bancada daquele partido na As-
sembleia Provincial de Nampula.

Delegação da Renamo
agitada
Na manhã desta quarta-feira vi-
sitámos a delegação política pro-
vincial da Renamo em Nampula e
o ambiente era agitado.
No local não se fala do delegado
interino Pinoca Luxo. Logo que a
nossa reportagem escalou o local,
perguntámos a um ex-guerrilhei-
ro da Renamo se “o senhor Pi-
SOCIEDADE
6 Savana 01-11-2013

FMI diz que não há motivos de alarme em


relação à dívida
-É sustentável e Governo precisa de empréstimos – Doris Ross, chefe da missão do FMI
Por Ricardo Mudaukana

C
ontrariamente aos apelos guir equilibrar-se até finais de 2013,
alarmistas do The Eco- graças a uma subida nas receitas de
nomist Intelligent Unit ganhos de capital de mais de quatro
(EIU) e do Grupo Mo- por cento, mas prevê-se um regresso
çambicano da Dívida (GMD) so- a um cenário deficitário em 2014.
bre a actual tendência da dívida de “No que diz respeito aos objectivos
do Programa de Apoio a Políticos
Moçambique, o Fundo Monetário
celebrado este ano entre o Governo
Internacional (FMI), organismo
moçambicano e o FMI, o desempe-
muito influente na arquitectura
nho até ao final de Junho continuava
macroeconómica do Estado mo-
largamente satisfatório. Muitas me-
çambicano, está tranquilo em rela-
tas quantitativas para finais de Junho
ção à primeira geração da dívida de
foram alcançadas e todas as metas
Moçambique pós-HIPC.
indicativas para o final de Setembro
estão bem posicionadas”, refere a
Num relatório que publicou recen-
avaliação da missão do FMI.
temente sobre os compromissos
A chefe da missão observou que o
financeiros que Moçambique tem
governo continuou na senda de re-
estado a contratar nos últimos anos,
formas estruturais, mas ocorreram

Urgel Matula
o EIU refere que os encargos exter-
nos de Moçambique são arriscados e alguns atrasos, que, contudo, não
de cumprimento incerto, tendo em irão perigar o lugar de destaque de
Doris Ross, Chefe da missão do FMI de avaliação da situação económica de Moçambique Moçambique como um dos países
conta a volatilidade das valias das
fontes de reembolso, principalmente de mais rápido crescimento econó-
cámos que está perto do nível de Para Doris Ross, a economia mo- definida pelo Banco Central mo- mico no mundo.
o carvão e o gás natural.“A capacida-
limite de 40 por cento do Produto çambicana continua alegre e recupe- çambicano, e o défice da conta cor- “Dentro deste contexto, será mui-
de de pagamento da dívida pública
Interno Brito. É consistente com o rou rapidamente das cheias severas rente externa vai atingir 43 por cento to importante continuar o foco em
de Moçambique está sustentada pe-
nosso conselho anterior ao governo do início de 2013 e o crescimento do PIB políticas que atraiam o investimento
las perspectivas de receitas do carvão
de ligar os planos de investimentos está projectado para atingir sete “Na sequência de uma aceleração noutros sectores da economia, in-
e gás natural. Mas um rápido incre-
mento dos empréstimos do Governo com a monitoria da dívida externa. por cento e para acelerar para 8,3 da inflação no primeiro semestre do cluindo em particular na agricultura,
acarreta riscos, especialmente tendo Não estamos numa situação de crise por cento em 2014, suportado por ano, a pressão inflacionista diminuiu onde 80 por cento da população mo-
em conta o rápido crescimento da de dívida ou algo parecida”, frisou a um elevado nível da actividade das devido à recuperação da produção çambicana ganha a vida”, defende o
proporção de empréstimos em ter- chefe da missão de avaliação da si- indústrias extractivas, serviços fi- da agricultura familiar, depois das FMI.
mos não concessionais e conside- tuação económica de Moçambique, nanceiros, bem como transportes e cheias e a apreciação do metical face Essa aposta, segundo a organização,
rando que o país demorará tempo a Doris Ross, nesta quarta-feira em comunicações”, enfatizou a chefe da ao rand”, acrescentou a chefe da vai promover uma maior diversifica-
arrecadar as receitas provenientes da Maputo. missão do FMI. missão daquele organismo de Bret- ção da economia e permitir o alar-
riqueza dos recursos naturais”, indi- Reiterando que a dívida de Mo- A inflação, assinalou Doris Ross, ton Woods. gamento do acesso às oportunidades
ca a análise. çambique, que estimou em 35 por terminará o ano entre cinco a seis Segundo Doris Ross, as operações económicas a outras franjas da po-
O The EIU lembra que um endi- cento do PIB, é sustentável, Doris por ceno, abaixo da fasquia média domésticas primárias vão conse- pulação moçambicana.
vidamento descontrolado deitaria Ross classificou como “justificável” o
por terra o esforço de contenção da recurso ao endividamento por parte
dívida que Moçambique conseguiu, do Estado para enfrentar os “tre-
após ver cancelada a maioria das suas mendos desafios” na construção de
obrigações financeiras com o estran- infra-estruturas. Segundo relatório deste ano

Moçambique sobe três posições no


geiro, como resultado da iniciativa “A dívida é uma área em que o Go-
de perdão da dívida a favor dos Pa- verno deve prestar atenção, o nível
íses Pobres Altamente Endividados da dívida é a volta de 35 por cen-

Doing Business
(HIPC), impulsionada pelos princi- to do PIB, que não é muito baixo,
pais credores internacionais. mas não é altamente alarmante, e,
“Moçambique reconstruiu rapida- claramente, temos uma situação em
mente o seu stock de recursos pú- que há necessidades tremendas de - Reformas nas áreas de comércio internacional e obtenção de licenças de constru-
blicos, desde o alívio da dívida que investimentos em infra-estruturas”, ção contribuíram para a melhoria da classiÀcação

M
conseguiu no âmbito do HIPC e do salientou.
alívio multilateral da dívida”, indica oçambique  registou uma subida de estão a ser dados pela maioria dos países da região
o relatório. três posições no relatório anual “Doing sub-sahariana na implementação de reformas insti-
A tensão militar e o PIB Business”, um estudo dedicado à aná- tucionais para simplificar os regulamentos onerosos
Em sintonia com o tom apreensivo
Sobre o tema da missão a Moçambi- lise de regulamentações aplicáveis às e na construção de instituições jurídicas mais fortes.
do relatório do EIU, o Grupo Mo-
que, Doris Ross avisou que “uma es- empresas durante o seu ciclo de vida. O Director de Indicadores e Análises Globais
çambicano da (Dívida), uma ONG
calada” da tensão militar poderá ser Segundo o relatório divulgado nesta terça-feira, na (Global Indicators and Analysis) do Grupo Banco
de referência no tema, acusou o Exe-
um “factor de risco” para a economia, Mundial, Augusto Lopes Carlos, disse, através de
cutivo moçambicano de gestão pou- capital norte-americana, Washington, Moçambi-
contudo, repisou o optimismo do um comunicado de imprensa a que tivemos aces-
co criteriosa da dívida, criticando que está agora posicionado na posição 139 de um
FMI sobre um crescimento de sete so, que “apesar desses avanços muito ainda pode
ainda o facto de o executivo finan- total de 189 países classificados, depois de ter esta-
por cento este ano. ser feito para melhorar a qualidade das regras que
ciar obras improdutivas com o di- do no lugar 142 no índice referente ao ano passado.
“A situação política é um factor de sustentam as actividades do sector privado, visan-
nheiro angariado junto dos credores. O recente relatório realça o facto de Moçambique
risco, como as cheias o são. Temos do garantir a convergência contínua em direcção
ter implementado, este ano, duas reformas nas áreas
de reconhecer que se o clima de a melhores práticas existentes em outras partes do
de comércio internacional e obtenção de licenças
“Não há crise de dívida” insegurança aumentar de escalada, Mundo”.
de construção, que contribuíram para a melhoria da
Mas o Fundo Monetário Interna- pode ter um efeito tremendo sobre A classificação geral é liderada pela Singapura se-
classificação.
cional mostra-se pouco preocupado o crescimento económico. A linha- guido de Hong Kong, China, Nova Zelândia, Es-
com o actual padrão de endivida- -férrea de Sena (por onde passam as
Para a facilitação do comércio internacional, o estu- tados Unidos da América, Dinamarca, Malásia,
mento do Estado moçambicano, exportações de carvão), localiza-se do aponta como factor preponderante, a implemen- República da Coreia, Geórgia, Noruega e o Reino
qualificando mesmo de “sustentável” na área onde está concentrada a ten- tação do sistema de janela única electrónica. Unido.
o actual volume da dívida. são”, afirmou Doris Ross. Por outro lado, o relatório sublinha a melhoria dos Destaques no estudo deste ano vão para a Ucrânia,
“Fizemos uma actualização da situ- Nessa perspectiva, a fonte fez uma processos internos do departamento de construção Ruanda, a Federação Russa, Filipinas, Kosovo, Dji-
ação da dívida pública de Moçam- exortação para que o país resolva ra- e urbanização do município de Maputo, como fac- bouti, Costa de Marfim, Burundi, a Macedónia e a
bique a propósito da emissão dos pidamente o clima de instabilidade tores que contribuíram para acelerar a obtenção de Guatemala, que são as economias que mais melho-
eurobonds (títulos obrigacionistas que está a viver, por forma a que a licenças para construção. raram nos indicadores em relação ao ano anterior.
lançados pelo Governo moçambi- atmosfera económica não sofra os Neste ano, o Doing Business sublinha os passos que (Redacção)
cano na União Europeia) e verifi- efeitos da crise política e militar.
PUBLICIDADE
Savana 01-11-2013 7
SOCIEDADE
8 Savana 01-11-2013

O estado da Nação
Fotos de Naíta Ussene
PUBLICIDADE
Savana 01-11-2013 9
SOCIEDADE
10 Savana 01-11-2013
PUBLICIDADE
Savana 01-11-2013 11
INTERNACIONAL
12 Savana 01-11-2013

Bento Kangamba apontado como líder


de esquema de prostituição
- Brasil emite mandado de captura contra o general por envolvimento em rede de prostituição

A
imprensa brasileira rev- que tem como alvo o presidente José Foram publicadas notícias de que o
ela que a polícia federal Eduardo dos Santos. General Kangamba teria também
emitiu um mandado de O general Kangamba é da família recentemente adquirido uma luxuo-
captura contra o General presidencial por via do seu casamen- sa vivenda nos arredores de Madrid.
Bento dos Santos “Kangamba” por to com Avelina Escórcio dos Santos, Em Abril de 2012, o presidente José
alegado envolvimento numa rede filha de Avelino dos Santos, o irmão Eduardo dos Santos, na qualidade
internacional de prostituição e trá- mais velho de José Eduardo dos de Comandante-em-Chefe das
fico de mulheres. Santos. Forças Armadas Angolanas (FAA),
Avelina dos Santos  ocupou du- promoveu Bento Kangamba ao grau
O conceituado jornal brasileiro Es- rante algum tempo o cargo de militar de general de três estrelas.
tado de São Paulo diz que o minis- directora-adjunta do gabine- Isto apesar de que a 27 de Outubro
tério da justiça deu acordo ao man- te do Presidente da República. de 2000, o Tribunal Supremo Mili-
dado de captura e Kangamba será A 7 de Maio de 2012, um tribu- tar havia condenado o então briga-
preso caso desembarque no Brasil. nal de Sintra, Portugal, ordenou a deiro na reserva, a uma pena única
O nome de Kangamba foi, seg- penhora de bens detidos por Bento de dois anos e oito meses de prisão
undo ainda aquele jornal, tam- Kangamba, nesse país europeu, para maior, por cúmulo jurídico, como
bém incluído numa lista da In- a execução de uma dívida de mais autor de crime de conduta indec-
terpol de pessoas a prender. de um milhão de euros ao cidadão orosa, burla por defraudação e dois
Um outro mandado de captura português Manuel Lapas. crimes de falsificação de documen-
foi também emitido contra Wel- Entre os bens penhorados con- tos. O empresário foi ainda conde-
lington Eduardo Santos de Sousa Bento dos Santos “Kangamba” stavam um apartamento de Bento nado a pagar uma indemnização no
ex-membro de uma banda musical Kangamba na freguesia de Oeiras, valor de USD427,531 à empresa
brasileira, “Desejos”. Sousa é iden- A polícia brasileira  efectuou rus- dinheiro de Portugal para França. duas viaturas de luxo Mercedes- portuguesa Filapor – Comércio In-
tificado como sendo de origem lati- gas  em quatro cidades, incluindo O general encontrava-se hospe- Benz e seis contas bancárias no Mil- ternacional Lda, com sede em Por-
no-americano. São Paulo e apreendeu 11 carros de dado num luxuoso hotel Metró- lenium e Banco Espírito Santo, com tugal, que foi vítima de burla.
O desmantelamento da rede de trá- luxo, 23 passaportes, nove cópias de politaine  que fica a cerca de 50 um valor irrisório e total de €15.035. A 19 de Junho de 2002, Bengo
fico de mulheres para prostituição passaportes, 14 pedidos de visto para metros do casino Monte Carlo. No entanto, recentemente, o general Kangamba foi de novo condenado
em Angola surge na sequência da Angola, moeda estrangeira e ainda Os cinco indivíduos  foram deti- adquiriu um apartamento de Luxo pela justiça angolana. O Tribunal
“Operação Garina” que se arrastou drogas. Cinco pessoas envolvidas no dos por branqueamento de capitais, para o seu sogro, na zona da Expo, Supremo condenou Bento Kan-
durante quase um ano. A rede estava processo foram presas, entre elas três crime organizado e associação de em Lisboa e adquiriu uma vivenda gamba a uma pena de quatro anos
também envolvida no envio de mul- aliciadores da rede. malfeitores. de luxo no principado de Mónaco, de prisão maior, por crime de burla
heres para Portugal, África do Sul e “Há fortes indícios de que parte O general Kangamba negou pos- avaliada em vários milhões de euros. por defraudação, bem como ao pa-
Áustria. No total, a polícia conhece das vítimas foi privada temporari- teriormente em Luanda qualquer Era para o Mónaco precisamente gamento de uma indemnização de
o caso de 90 mulheres. amente da sua liberdade no exterior envolvimento no caso e disse tratar- onde ia o dinheiro confiscado pelas USD75 mil às empresas Nutritiva e
Sabe-se que em alguns casos as e obrigada a manter relações sexuais se de uma campanha de difamação autoridades francesas. Lokali. (Voa)
mulheres não foram pagas aquilo sem preservativos com clientes es-
que lhes havia sido prometido. O trangeiros”, diz por outro lado um
delegado da polícia Luiz Tempest- comunicado da Polícia brasileira.

BouteÁika de novo candidato à


ino afirmou que pela lei brasileira as Estima-se que a organização crimi-
mulheres são tratadas como vítimas nosa movimentou aproximada-
e não responderão criminalmente, mente USD 45 milhões com o
ainda que algumas tenham sido le- tráfico internacional de mulheres

presidência da Argélia em 2014


vadas ao exterior pela mesma quad- desde 2007.
rilha quatro ou cinco vezes.
Kangamba desmente
Medicamentos anti-sida No entanto, Bento ‘Kangam-
A rede alegadamente aliciava mul- ba’ negou a acusação das au- -A lei que Àxa limites aos mandatos dos chefes de Estado só será aplicada a
heres numa zona ao sul de São Paulo partir das eleições do ano que vem.

A
toridades brasileiras de envolvi-
mediante promessa de pagamento mento em tráfico de mulheres. final, Abdelaziz governamental todo-poderoso acu- o presidente da FLN, Amar
de USD10 mil para se prostituírem O empresário acrescenta não ter re- Bouteflika vai candi- sado de administrar o país no lugar Saidani. O objectivo, explicou,
pelo período de uma semana para cebido qualquer notificação policial datar-se a um quarto dos líderes políticos, foi vista como é abrir caminho ao nascimento
clientes de grande poder económico sobre os alegados casos de tráfico e mandato, anunciou a uma medida destinada a aumen- de uma “sociedade civil” — o
e político. que nunca “manteve quaisquer con- Frente de Libertação Nacional, o tar o poder do próprio Bouteflika e próprio Bouteflika está deter-
As mulheres eram aliciadas em casas tactos nesse sentido com cidadãos seu partido, numa declaração cit- da Frente de Libertação Nacional. minado a fazê-lo, disse Saidani.
de diversão nocturna de São Paulo e dos países mencionados”. ada pela televisão pan-árabe Al- O Departamento de Serviços Se- Uma revisão da Constituição
da região sul do Brasil pelos mem- No desmentido, feito por fonte ofi- Arabiyah. Bouteflika, de 76 anos, cretos e Segurança “vai continuar iniciada este ano fixa limites aos
bros da rede, que ofereciam a partir cial não identificada, a Angop es- é chefe de Estado há 14 anos: em a desempenhar o seu papel, mas mandatos dos chefes de Estado,
de USD10 mil para que elas se pros- creve que a acusação ao empresário Abril de 2012 declarou termina- não vai estar envolvido na política, mas estes só começarão a ser
tituíssem durante uma semana. foi feita para “atingir e caluniar out- do o tempo da sua geração, dos partidos, media e justiça”, disse a aplicados ao candidato vence-
“Modelos de capas de revistas mas- ras personalidades” angolanas. líderes da era da independência semana passada à agência Reuters dor em 2014.
culinas e que participavam de pro- que governam a Argélia desde os
gramas de TV receberam até USD UM LONGO HISTORIAL DE anos 1960.
100 mil para se relacionar sexual- ESCÂNDALOS Muitas vezes afastado por mo-
mente com o general,” acrescentou O General Kangamba tem uma tivos de saúde nos últimos anos,
o jornal. história pessoal marcada por con- um internamento em Maio, na
A polícia brasileira disse  ainda ha- frontos com a lei quer em Portugal, sequência de um acidente vas-
ver “fortes indícios” que algumas França e na própria Angola. cular cerebral, também fez crer
das mulheres foram privadas da Em Julho deste ano, Kangamba, que as hipóteses de Bouteflika se
também conhecido em Moçam- candidatar à sua própria sucessão
sua liberdade e obrigadas a manter
bique por promover espectáculos estavam cada vez mais afastadas.
relações sexuais sem preservativos
Mas a verdade é que, desde en-
com os seus clientes. As vítimas re- musicais para a juventude, escapou à
tão, o veterano político pôs em
cebiam, nesses casos, um falso trata- detenção no principado de Mónaco,
marcha uma série de reformas
mento de medicamentos anti-sida. por ser portador de um passaporte
que deram sinais contrários.
Segundo o delegado, duas remes- diplomático.
A reforma do Departamento
sas de mulheres eram mandadas por A polícia pretendia deter o general
de Serviços Secretos e Segu-
mês ao exterior, cada uma delas com depois de ter confiscado  quase três rança, por exemplo, um órgão Abdelaziz BouteÁika tem 76 anos e está há 14 no poder
4 ou 5 mulheres. As idades delas milhões de euros e prendido cinco
variavam entre 21 e 25 anos. indivíduos  que transportavam o
SOCIEDADE
Savana 01-11-2013 13

BREVES
“Que se calem as armas que torna a democracia fecunda e mos a nossa proximidade ao povo desempenhou um papel muito político-parlamentar. Com o
e volte o espírito de garante o pluralismo”. moçambicano que, nestas horas, importante como mediador no apoio da Itália, a mediação lev-
Roma” “Consideramos importante a reto- está ansioso pelo futuro”, concluiu diálogo de paz entre Renamo e ou ao acordo de paz assinado em
A Itália pede a cessação ime- mada do diálogo, que foi manifes- o comunicado. Frelimo, conseguindo transferir o Roma em 1992.
diata de toda a actividade mili- tada pelas duas partes, e expressa- A Comunidade de Sant’Egidio conflito do plano militar ao plano (AGI)
tar em Moçambique e uma
retomada do diálogo segundo
o espírito dos acordos de paz
assinados em Roma, em 1992.
O subsecretário de Relações
Exteriores da Itália, Mario
Giro, manifestou “grande
preocupação com a recente
escalada militar entre o exé-
rcito moçambicano e a Ren-
amo”. “O governo italiano”,
continua na declaração, “pede
a suspensão imediata de toda
a acção armada e convida as
partes a retomarem o diálogo,
evitando qualquer uso de vi-
olência e provocações”. “Nestes
momentos de tensão”, sublin-
hou Giro, “corre-se o risco de
realizar escolhas irracionais,
contrárias aos interesses dos
cidadãos e da paz”. Giro lan-
çou “um apelo para que nin-
guém ceda à chantagem da
violência: é fácil começar uma
guerra, mas muito difícil é ter-
miná-la”. “É preciso perseguir
todo o diálogo político possív-
el, buscando uma solução que
satisfaça a todos, sem voltar
a hostilidades prolongadas”,
insistiu. “A Itália”, continuou
Giro, “pede às partes moçam-
bicanas que não abandonem
o precioso legado de paz, que
promoveu o fortalecimento da
democracia e o progresso do
País. Deve-se voltar ao Acordo
de Paz de 1992, resgatando o
seu espírito”. “Moçambique,
hoje, encontra-se num longo e
duradouro caminho de cresci-
mento, não podendo enfrentar
instabilidade e conflitos”, avi-
sou Giro, declarando-se “cer-
to de que os governantes de
Moçambique e todas as forças
políticas vão querer preservar o
seu povo da violência”. 

Comunidade de
Sant’Egidio, “paz, o me-
lhor investimento”
A Comunidade de Sant’Egidio
expressou preocupação com a
instabilidade e a violência dos
últimos dias em Moçambique,
e lançou um apelo para que
se volte ao diálogo. “Estamos
convencidos de que aquilo que
ocorreu nestes dias pode colo-
car em risco o futuro do país.
Por isso, deve reforçar-se, a to-
dos os níveis, o diálogo”, refere
um comunicado da associação.
“A paz é o melhor investimen-
to”, continua o comunicado,
lembrando como o Acordo
Geral de Paz, assinado em
Roma a 4 de Outubro de 1992,
com a mediação da própria
Comunidade de Sant’Egidio,
foi “o fruto da sabedoria, da
passagem de um conflito ar-
mado para o debate político,
NO CENTRO DO FURACÃO
14 Savana 01 -11-2013 Savana 01 -11-2013 15

População queixa-se de roubo de animais

Esposas e Àlhos de guerrilheiros abandonam Satunjira


Por André Catueira, em Gorongosa

U
ma semana depois do ata- vila da Gorongosa, uma poeirenta Ataques de cobras suas as convicções”, sem no entan- base de Sitatonga foi repelida pe-
que e ocupação à sede da picada de 30 quilómetros, vêem- Segundo apurou o SAVANA, pelo to as mencionar. los guerrilheiros da Renamo, mas
Renamo em Satunjira, pe- se camionetas carregando pessoas menos cinco militares do exército sem causar baixas. Sitatonga, uma
las forças mistas de defesa e apinhadas com seus pertences – foram vítimas de picadas de ser- histórica base da Renamo, localiza-
segurança, uma acção justificada pelo esteiras, farinha, sacos e malas de pentes nas matas da antiga base da Dois ataques, uma morte e se entre os distritos de Mossurize e
governo como “defesa de soberania”, Renamo em Satunjira, depois da 15 feridos Sussundenga, província de Manica,
roupas, incluindo galinhas e cabri-
o número de pessoas que abandona a expulsão do líder da Renamo, a 21 A região de Muxúnguè voltou a centro de Moçambique.
tos, para lugares seguros, incluindo
zona cresce a cada dia, incluindo fi- de Outubro. ser fustigada esta semana por dois
noutros distritos vizinhos.
ataques, que cortaram a escolta
lhos e mulheres de guerrilheiros, que “Meu marido fugiu e tenho filhos Os militares foram picados nos Torturas a inocentes?
seguiram o “chefe da família”, contra seus passeios, nas casas próximas militar de viaturas, entre a região
que preciso sustentar, então tenho Ser confundido com guerrilheiro
todos os apelos governamentais de da base, a maioria abandonada mas do rio Ripembe e Zove, de que re- da Renamo pode ser motivo de
que ir ao encontro dele, porque
retorno à vida normal. sempre criamos juntos os meus fil- ainda com vários bens, incluindo sultaram uma morte e 15 feridos, torturas pelo exército no distrito
hos com o trabalho que faz”, disse roupa e animais domésticos. entre os quais cinco graves, que de Chibabava, particularmente em
A base de Satunjira lembra cenário ao SAVANA, Erita, esposa de um Não houve vítimas mortais das inclui o comandante da escolta (da Muxúnguè, o “berço da guerra” na
de guerra - árvores queimadas de guerrilheiro da Renamo, que deixa picadas de serpentes, e os feridos FIR). província de Sofala, onde teste-
rajadas de balas, palhotas destruí- para trás uma machamba sachada, foram tratados de forma ambu- No sábado, 26 de Outubro, um munhas confirmam ter passado
das em combate, roupa deixada e se emociona do resultado da col- latória pelo serviço prestado por autocarro de passageiros, Toyota pesadelos na região. Piter Tomas,
para trás – o que forçou a fuga do heita anterior. uma ambulância do exército, des- Coaster, 30 lugares, que fazia o tra- um jovem camponês de 25 anos
líder da Renamo, Afonso Dhlaka- “O clima já não é sustentável. A dobrado para o efeito. jecto Machanga-Beira, foi atacado de idade e residente em Matongua,
ma, e seus fiéis seguidores, que viv- presença de militares (do governo) por homens armados e posterior- arredores do posto administrativo
iam na região há pouco mais de um assusta a todos e há cada vez mais mente incendiado, tendo morrido
Traumas de guerra de Muxúnguè, contou ao SA-
ano. Afonso Dhlakama instalou-se homens a entrar. Isso lembra-nos o motorista da viatura e outros 10 VANA as alegadas peripécias vivi-
Muitas crianças sentiram o reflexo
em Satunjira, sua antiga base cen- guerra. Tivemos o susto com os passageiros, três dos quais em es- das nas mãos de agentes da FIR.
tiros que nos levaram para o mato sombrio da “guerra” nos dias de in-
tral, a 15 de Outubro de 2012, uma tado grave, ficaram feridos. “Os homens (FIR) encontraram-
durante estas semanas, antes que o tensos confrontos entre a Renamo
forma encontrada pelo líder da Uma mulher idosa e com um pé me na estrada nacional 1, na região
pior aconteça vou retirar a minha e o exército, ao passar vários dias
Renamo para forçar o governo da engessado foi retirada da viatura, do rio Ngombogose (Chibabava),
família e meus bens para fugir para nas matas sem condições alimenta-
Frelimo a negociar uma nova or- pelos homens armados, antes de por volta das 7:00horas quando
a vila”, explicou Carlito Mainato. res e de alojamento, quando fugiam
dem no país. incendiarem-na e “mandarem reca- queria fazer parar uma viatura para
As famílias, incluindo as mul- das rajadas de armas.
“Zona de guerra” heres e filhos dos guerrilheiros da “Fui com papa no mato. Não estou dos” para o Presidente da Repúbli- ir a Muxúnguè, ver se cobrava as
Outro cenário desolador, que de- a ir a escola, agora vamos a vila. ca, Armando Guebuza, para buscar minhas dívidas de surra, e comprar
Renamo, estão a abandonar ma-
clara Satunjira “zona de guerra”, Ouvi tiros e fios vermelhos no dia solução pacífica da tensão militar. alguns raios de bicicletas e coisas
chambas sachadas, nas vésperas de
são camionetas que transportam de guerra. Minha mãe carregou-me Os feridos graves, incluindo uma para a família”.
sementeira, a única garantia para
os “sobreviventes” e seus pertences, nua, só me vestiu no dia seguinte”, criança, foram evacuados para o “Quando me apanharam disseram
a segurança alimentar de mais de
que dos esconderijos, nas matas da 70 por cento da população rural, o conta Rosemaria Mainato, em chi- hospital provincial da Beira, com que eu era um homem da Renamo,
região, estão a fugir para a vila de que sugere uma situação de fome duma, um dialecto local. projécteis de balas, cravados na ca- bateram-me e levaram no carro da
Gorongosa, a procura de “sossego na região. A região de Gorongosa, “A escola foi fechada e o professor beça e membros inferiores. polícia até ao posto de Save, onde
e calma”. tal como a maioria dos distritos de já não vem mais. Meu amigo sof- Já na terça-feira, 29 de Outubro, os fui torturado brutalmente. Estou
“Eu nasci aqui (Vunduzi) e ref- Sofala, é maioritariamente hab- reu e está doente, foi atingido com guerrilheiros voltaram à ofensiva com dores na cabeça, vista inchada
ugiámos aquando da guerra colo- itada por ex-guerrilheiros da Ren- bala e outro fugiu e o pai dele está contra a primeira escolta militar com braço fracturado. Depois que
nial, mas regressámos logo após a amo e simpatizantes do partido de a procurá-lo, mas não está a encon- de viaturas naquele troço, tendo eu esclareci ao comando lá da FIR,
independência e já tenho bisnetos. Afonso Dhlakama. trá-lo. Vou para Gorongosa com atingido a viatura da polícia, e foi quando me levaram de regresso
Mas a situação actual não confere Há cada vez mais militares na papá, vamos andar a pé, porque ferido o comandante da escolta, a Muxúnguè, e depois obrigaram-
segurança, há muita tropa do exé- região, que além das patrulhas ele disse que não tem dinheiro de cravado de bala numa das pernas, me a dizer no quartel deles que
rcito com armamento a entrar e rotineiras, refrescam-se em ban- Mulheres saem de Satunjira além da imobilização de um au- fui batido porque estava a fugir do
chapa”, Florindo Jade, 13 anos,
isso cria medo e semeia pânico nas hos conjuntos nos rios da zona, A região centro de Moçambique namo”, disse Adamo Matinero. do exército, numa conversa quase se a vender cinco cabritos, a preço disposto a arranjar mais, caso fosse com semblante nublado. tocarro de passageiros da empresa exército de manhã. Então pessoas
pessoas”, disse Sarena Jossias, resi- particularmente o Vunduzi, cujas tem sido palco de confrontos entre “Os roubos estão realmente as nos em surdina com o jornal, propôs- de 700 meticais cada, e que estaria necessário. ETRAGO, alvo de ataques desde o inocentes estão a ser torturadas de
dente em Satunjira, a caminho de margens na nascente supõe-se que o movimento e as Forças de Def- preocupar, isso quase não acontecia início das ofensivas daquele grupo. qualquer maneira, basta estar com
Governo intensiÀca apelos
Chimoio. estejam a “acomodar” o líder da esa e Segurança, em “demonstração antes (do assalto à base pelo exé- Na madrugada desta quarta-feira, características de homens da Ren-
Contudo, o Presidente da Repúbli-
Na estrada que liga Satunjira à Renamo, na Serra da Gorongosa. de musculatura” da guarda da Re- rcito governamental) mas agora uma tentativa de ocupação pelas amo, como se fossem pessoas iden-
ca, Armando Guebuza, em oito
namo, que domina a guerrilha e o ocorre com abundância”, secundou forças governamentais da temida tificáveis”.
comícios populares realizados nos
exército, que mobilizou armamen- Lúcia Mines, residente na “deserta” distritos de Sofala e Manica, que
to pesado para a zona. aldeia de Satunjira, a uns escassos marcaram o fim das etapas de
metros da antiga base da Renamo.
Roubos “Presidência Aberta”, 2013, reduz-
Há galinhas, cabritos e porcos a iu o seu discurso aos apelos de paz,
Além do clima militar tenso, a
serem vendidos a “preços de pro- retorno das famílias nas regiões at-
população também está a deixar
moção” no mercado informal ingidas, admitindo que o governo
a região de Satunjira, na sequên-
da praça, o principal da vila da vai privilegiar o “dialogo”.
cia de excessivo roubo de animais
domésticos, o que está a retrair a Gorongosa, supostamente com- “A mensagem que eu deixo é de
convivência entre o exército e os prados a preços bonificados no in- firmeza, as nossas convicções e a
residentes, que vendem a “preço terior, avançam os vendedores, que vida devem continuar, o povo está
de banana” os seus animais para preferem omitir os “entregadores em todo o lado, mas o líder da Re-
conseguirem valores de transporte da mercadoria”. namo não está em todo o lado”,
para fuga. “Ah, não são donos. Estamos a precisou Armando Guebuza, as-
“Algumas pessoas estão a carregar comprar a galinha a 50 ou 60 met- segurando que o governo vai “bus-
os pertences e a esconder-se no icais e cabritos até a 400 meticais. car diálogo” apesar da actual crise
mato enquanto procuram mei- São oportunidades de negócio, político-militar.
os para se refugiarem na vila de basta conseguires oportunidades “O governo está preocupado com
Gorongosa. Não sabemos quem de te trazerem ou ir buscar a este o diálogo, as diferenças resolvem-
nos está a roubar, mas cresceu o preço”, disse Jorge ferro, um vende- se falando. O diálogo nunca acaba,
nível de saque de galinhas, cabritos dor do principal mercado de aves e a vida é alimentada pelo diálogo”,
e porcos desde que os militares se mamíferos de Gorongosa. referiu Armando Guebuza, que
Na base de Satunjira, um militar Crianças permanecem longos dias nas matas sem se alimentar insiste que “ninguém vai mudar as Carlito Mainato
Serena Jossias também saindo de Satunjira instalaram na (antiga) base da Re-
PUBLICIDADE
16 Savana 01-11-2013

MUNICÍPIO DE QUELIMANE
CONSELHO MUNICIPAL

Mensagem do Presidente do Conselho Municipal de Quelimane apresentada nas exéquias


fúnebres do Dom Bernardo Filipe Governo, Bispo Emérito da Diocese de Quelimane

Adeus ao Pastor
Reverendíssima Excelência Dom Francisco Chimoio, Arcebispo de 13. Tempo de amar e tempo de odiar.
Maputo; 14. Há tempo de lutar e tempo de viver em paz. Eclesiastes três.
Reverendíssima Excelência Dom Cláudio, Arcebispo da Beira; Hoje, no momento em que nos despedimos do Pastor, suplicamos e
Reverendíssima Excelência Dom Tomé, Arcebispo de Nampula; dizemos de Viva Voz! Muito Obrigado, Ó Redentor!
Reverendíssima Excelência Dom Hilário Massinga, Bispo de
Quelimane; Dom Bernardo Filipe Governo nasceu a 21 de Janeiro de 1939 no
Distrito de Namacurra, Posto Administrativo de Macuse, Localidade
Excelências Senhores membros do governo a vários níveis; de Mucelua. Fez parte de uma família humilde devotada aos princípios
Irmãs e irmãos em Cristo! e valores religiosos. Inspirado nos princípios religiosos, da ética e da
moral, Bernardo Filipe Governo abandonou os seus pais para se juntar
Caríssimos cristãos, que professais a Igreja católica apostólica Romana, aos Padres Capuchinhos. Inserido naquela prestigiosa comunidade
Caríssimos religiosos religiosa, Dom Bernardo Filipe Governo obteve uma sólida formação
Meus irmãos e irmãs em cristo. espiritual que faz com que assumisse lugares cimeiros na estrutura da
É com profunda mágoa e consternação que o Conselho Municipal da Igreja Católica e desempenhasse um papel importante nos diferentes
Cidade de Quelimane recebeu a triste mensagem do desaparecimento momentos políticos, económicos e sociais do País. Bernardo Filipe
físico de Dom Bernardo Filipe Governo, Bispo Emérito da Diocese de Governo foi consagrado Sacerdote na Ordem dos Padres Capuchinhos.
Quelimane, ocorrido no dia 20 de Outubro do corrente ano, vítima Os Evangelhos que nos quis ensinar, as suas homilias e as mensagens
de uma prolongada doença que já o Áagelava nos últimos anos da que nos transmitiu nas Missões Pastorais, Àzeram de Dom Bernardo
sua vida. Ao recebermos aquele fatídico anúncio, os nossos corações Filipe Governo um verdadeiro mensageiro da Paz e da Salvação das
Àcaram abalados, desconfortados e vimo-nos num estado de desânimo nossas Almas. Seja ou não uma consciência, a ordenação sacerdotal, de
intenso, que nos deixou entristecidos e carregados de lágrimas nos Dom Bernardo Filipe Governo aconteceu na data em que Moçambique
olhos. também celebra o dia da Paz, 04 de Outubro de 1969. Na altura em
Meus Irmãos e Irmãs em Cristo. Embora não encontramos palavras que assumia esta responsabilidade divina, Dom Bernardo Filipe
extraídas da dimensão profunda das nossas almas, permitam-me, em Governo era muito jovem e tinha 30 anos de idade. Por causa das suas
nome dos Munícipes da Cidade de Quelimane, em nome do Conselho competências abnegadas, da sua dedicação e compromisso com os
Municipal da Cidade de Quelimane, e em meu nome pessoal, valores da ética e da moral, Dom Bernardo Filipe Governo foi indicado
manifestar os nossos sentidos pêsames e condolências à família Bispo da Diocese de Quelimane, isto, no dia 30 de Maio de 1976,
enlutada, aos Padres e Irmãos Franciscanos e Capuchinhos, aos Padres quando na altura completava 37 anos. Quando ainda muito jovem,
Diocesanos, as conceituadas congregações de Padres, Freis e Freiras Sua ordenação viria a acontecer no dia 10 de Outubro do mesmo
que, em diferentes cantos deste País, professam a Igreja e a Religião ano, na Igreja, Nossa Senhora do Livramento, ou seja, Sé Catedral de
Católica Apostólica Romana! Não nos é tão fácil consentir esta grande Quelimane, substituindo assim o então, Dom Francisco Nunes Teixeira,
perda! Por isso, não encontramos nos diversos dicionários, palavras que dirigiu os destinos desta Diocese durante o período colonial. Dom
e vocabulários apropriados para transmitirmos, o quanto estamos Bernardo Filipe Governo foi o primeiro Bispo Negro e Moçambicano
profundamente sentidos desde o momento que o nosso Pastor, o nosso da Diocese de Quelimane, logo após a Independência Nacional.
Salvador, a nossa luz, a nossa esperança se desvaneceu. Entretanto,
deixem-nos dizer que, com esta notícia triste, esvaziou-se a fonte da No momento em que assumiu a responsabilidade dos destinos da
nossa consolação, do nosso amparo, da nossa luz, da nossa esperança Diocese de Quelimane, o contexto político nacional era marcado e
e da nossa inspiração divina. manchado por um conjunto de adversidades que o regime e o sistema
Lendo o Eclesiastes 3. Nós, as Tuas Ovelhas consolamo-nos por saber político Lhe impôs severos obstáculos limitando, ou diÀcultando-o
que a luz dos mandamentos de Deus, para tudo, o que acontece, há que exercesse as suas Missões Pastorais e propagasse a Palavra de
uma ocasião certa. Dom Bernardo Filipe Governo sempre nos ensinou Deus aos miseráveis. De entre as várias histórias e experiências de
que havia um tempo certo para cada propósito debaixo do céu; vida que teve de superar, contava-nos, em privado, Dom Bernardo
Filipe Governo, que foi obrigado pelo regime a pedir, as autoridades
1. Há tempo de nascer e tempo de morrer. políticas ao nível dos bairros, Guias de Marcha para se deslocar às
2. Há tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou. Dioceses e Paróquias onde fosse apascentar o Seu Rebanho. Apesar
das atrocidades, Dom Bernardo Filipe Governo foi sempre implacável,
3. Há tempo de matar e tempo de curar.
perseverante e não se deixou vergar pelas injustiças dos ímpios e
4. Há tempo de derrubar e tempo de construir, perseguições dos inÀéis dos regimes políticos que o atormentavam.
5. Há tempo de chorar e tempo de rir. Enquanto religioso, dedicado aos valores éticos e morais, a verdade
6. Tempo de prantear e tempo de dançar. e honestidade, Dom Bernardo Filipe Governo recusou-se em aceitar
7. Tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las. vários convites políticos para se juntar ao movimento de libertação
nacional. Preferindo de forma mais corajosa dedicar-se à vida das
8. Tempo de abraçar e tempo de se conter. comunidades onde trabalhava disseminando a boa nova e a esperança
9. Tempo de procurar e tempo de desistir. da libertação e da salvação do Seu Rebanho.
10. Tempo de guardar e tempo de jogar fora.
Com Ele, através das suas homilias, da inÁuência que transmitia nas
11. Tempo de rasgar e tempo de costurar.
Cartas Pastorais, aprendemos os princípios da Justiça Social, da Boa
12. Tempo de calar e tempo de falar. Governança e de uma verdadeira Democracia inclusiva, participativa
PUBLICIDADE
Savana 01-11-2013 17

e a necessidade da redistribuição equitativa dos recursos. Durante as da Fraternidade, do Amor e cega da Luz da Salvação! Para que se
homilias sagradas, Dom Bernardo Filipe Governo foi sempre e sempre evite que este País degenere numa situação política calamitosa, as
intolerável com a corrupção e implacável com as injustiças dos ímpios, lideranças políticas do Estado precisam inspirar-se e encontrarem
saqueadores e oportunistas. Não suportavas facilidades. Lutava contra nos ensinamentos de Dom Bernardo Filipe Governo, os caminhos da
todo o modelo de iniquidades, maldades, pecados e impiedades. Verdade, da Tolerância, do Amor e do Perdão. A liderança política
Não concordou com o silêncio assistido num manto de barbaridades. do Estado precisa de inspirar-se na Oração de São Francisco, para
Condenou publicamente o aborto. Condenou publicamente o assédio
transformar-se num verdadeiro instrumento da Paz, ajustado ao estilo
sexual e a venda de notas nas escolas. Condenou a incapacidade
e modelo que Dom Bernardo Filipe Governo quis que fosse seguido
do Estado conter o preço dos produtos da primeira necessidade.
Condenou a guerra, a morte e as doenças. A sua incansável busca da pelo seu Rebanho.
Verdade, da Justiça, da Fraternidade entre os homens, levou a que Meus irmãos e irmãs em Cristo. As espingardas, as tácticas militares,
fosse, nalgum momento, conotado pelo actual regime, como apoiante as palavras deselegantes, não são o instrumento da Paz, mas sim, o
da oposição. Mesmo com todo o tipo de conotações negativas que o vector da guerra, da discórdia, da maldade e da destruição da vida
quiseram imputar, Dom Bernardo Filipe Governo foi perseverante na humana. Por isso, neste momento também suplicamos ao Dom
sua luta em prol do bem, até quando a 10 de Maio de 2007, aos 68 anos Bernardo Filipe Governo para que, por interseção de Jesus Cristo
e um mês de idade, por motivos adversos, teve de resignar a Missão ilumine a mente da nossa liderança política e a cada um de nós, para
Pastoral que tinha dedicado toda a sua vida em prol da salvação
que persigamos o princípio da misericórdia. Dom Bernardo Filipe
da alma humana de cada uma das Ovelhas do seu Rebanho. Dom
Governo, ensine a todos nós a praticarmos o princípio Franciscano de
Bernardo Filipe Governo formatou a mentalidade da juventude que
muito cedo acreditou que Quelimane poderia ser um espaço especial que, Onde houver ódio, a nossa liderança política e cada um de nós leve para
e onde reinasse a justiça e paz e o amor entre os irmãos em Cristo. lá o amor. Onde houver ofensa, a nossa liderança política e cada um de nós leve
Ele é o nosso líder espiritual, religioso e inspirador dos nossos ideais para lá o perdão; Onde houver discórdia, a nossa liderança política e cada um
políticos. Dom Bernardo Filipe Governo foi para nós, um Verdadeiro de nós leve para lá a união; Onde houver dúvida, a nossa liderança política e
Pai Político e espiritual. cada um de nós leve para lá a fé; Onde houver erro, a nossa liderança política
e cada um de nós levarmos para lá a verdade; Onde houver desespero, a nossa
Dom Bernardo Filipe Governo soube contornar, reverter e vencer o
liderança política e cada um de nós levarmos para lá a esperança; Onde houver
egoísmo exacerbado dos homens ímpios, injustos e inÀéis ligados ao
regime político vigente na altura. Ele foi persistente nos seus princípios tristeza, a nossa liderança política e cada um de nós leve para lá a alegria; Onde
e valores, não se cansava de lutar para evitar que a Igreja fosse profanada houver trevas, a nossa liderança política e cada um de nós leve para lá a luz.
pelos incrédulos ateus e injustos ligados ao regime político. Por isso, Queridos irmãos em Cristo! Ao terminarmos esta intervenção,
quando num passado recente, viu homens armados entrarem na Sé recordamos a reconciliação o perdão e a fraternidade que nos últimos
Catedral de Quelimane, em pleno momento de culto religioso, suplicou
anos da sua vida, os Àlhos privilegiados desta casa, tanto o nosso Pastor
aos homens do Estado e pediu que fossem retiradas as espingardas
que os ímpios introduziram na casa do Senhor. Tal como Dom Jaime e Redentor, Dom Bernardo Filipe Governo, como o valente e bravo
Pedro Gonçalves, actualmente Arcebispo Emérito da Beira, que sempre militar, Bonifâcio Gruveta Massamba, tinham mutuamente alcançado,
lutaram pela justiça social, pelo equilíbrio e pelo amor entre os homens, concedendo-se o perdão, a clemência e a reconciliação. Aquela
Dom Bernardo Filipe Governo foi sempre frontal nas suas homilias reconciliação que os conceituados Filhos desta terra conseguiram
transmitidas nas diferentes Missões Pastorais, nas Missas do Natal e alcançar derivava constante busca da Paz, da Reconciliação, do
da Páscoa. Nunca deixou de estar atento à situação político-social e Perdão, da Concórdia e o caminho da Salvação que Dom Bernardo
económica do País. Nos momentos difíceis da vida do País, quando Filipe Governo, sempre nos ensinou. Por causa deste espírito fraterno,
a esperança de viver esvanecia, quando a vida humana era posta em o Conselho Municipal da Cidade de Quelimane vai aproximar-se
perigo, entrou em contacto com o Vaticano e com instituições religiosas
da Diocese de Quelimane, e estabelecerá contacto com o mundo
na Itália e em diferentes cantos do Mundo. Por causa da conÀança
que granjeava no meio dos Seus pares, recebeu donativos e apoiou acadêmico, religioso e cultural para imortalizar a memória, os ideais e
vítimas da guerra e das calamidades que afectaram o seu Rebanho. as obras deixadas pelo Bispo, Dom Bernardo Filipe Governo. Pela sua
Apoiou Centros Infantis, centros de Apoio à velhice, os Orfanatos bondade, pela sua fraternidade, pela expressão de reconciliação que
dando-os suplementos alimentares, roupas e muito mais. Permitiu sempre nos transmitiu, pela sua santidade, pelos seus ensinamentos,
que as escolas carenciadas tivessem o mínimo de material para as o Município da Cidade de Quelimane vai imortalizar Dom Bernardo
crianças aprenderem o A, B, C. Viabilizou que as Unidades Sanitárias Filipe Governo incluindo-o na toponímia desta Cidade através da qual,
desprovidas de medicamentos e instrumentos e instrumentos de vamos atribuir uma das avenidas o nome de Dom Bernardo Filipe
trabalho funcionassem e servissem com dignidade o Seu Rebanho. Governo.
Numa sociedade marcada pelas adversidades e por um conjunto de
Dom Bernardo Filipe Governo! Ó, nosso Pastor e nosso Redentor!
injustiças políticas, militares e sociais, o Bispo Dom Bernardo Filipe
Governo nos ensinava o sentido mais alto do respeito, do amor ao Não nos sentimos capazes de ti ver partir sem ti dizermos mais
próximo, da fraternidade, do bom senso e da sabedoria. Foi por uma vez o quanto te amamos e preservaremos o legado religioso,
causa desta incansável luta pela justiça social e incessante busca cultura, intelectual e a espiritualidade que sempre nos transmite. Não
do equilíbrio e do amor entre os irmãos em Cristo, que Bispo Dom nos sentimos capazes de ti ver partir, sem transmitirmos o esforço
Bernardo Filipe Governo foi sempre frontal nas suas análises e se opôs inconsolável que fazemos quando nos informaram que já não estas
à situação político-social de um País onde, a morte das ovelhas do seu entre nós! Levaste contigo a estrada que davas ao Teu rebanho para
Rebanho se tinha institucionalizado na Constituição. Dom Bernardo caminhar com mais certeza em direcção da salvação divina. Entretanto,
Filipe Governo foi um missionário com profunda visão do mundo
mostraste-nos os trilhos marcantes que temos a responsabilidade de
e da vida. Ele sabia encontrar um momento para perdoar aqueles
seguirmos para nos tornarmos Verdadeiras Ovelhas Brancas que
irmãos, que sem o consentimento divino, entraram no seu Rebanho,
e mataram publicamente as suas Ovelhas, ultrajando a ética, a estética sempre quizeste apascentar porque encontravas nelas o sentido intenso
e os princípios sagrados da vida. Aquando da morte de Bonifácio da Verdade, da Justiça e da Sabedoria e do bem-estar do teu Rebanho.
Gruveta Massamba, Dom Bernardo Filipe Governo tinha já encontrado Seremos sempre e sempre as Tuas Ovelhas Brancas e manteremos a
o caminho do Perdão, de Tolerância, de Clemência e da Reconciliação lealdade aos ensinamentos da ética, da moral, da honestidade, que
Fraterna! Consolamo-nos pelo simples facto de sabermos que os dois sempre ensinaste ao Teu Rebanho.
irmãos, Filhos desta casa partiram, depois de terem-se perdoado e Pedimos a todos que oramos a Deus, que Dom Bernardo Filipe Governo,
reconciliado. o Nosso Pastor, o nosso Redentor, com Missão Cumprida, descanse na
O contexto político em que o País vive é marcado por um conjunto de
Paz de Cristo!
injustiças, incertezas, insegurança e pela deterioração das liberdades
e igualdades políticas. Aquele espírito de perdão, de tolerância, de
clemência, que Dom Bernardo nos ensinou a transmitir, precisa ser Atama aliwe Nabuya Yezu Cristo!
recuperado e interiorizado na nossa liderança política, que cada vez Dinoutamaalelani!
mais vive sedenta do amor ao próximo, carente do espírito do perdão
profundo e verdadeiro, privados da Paz, da Concórdia, faminta Manuel de Araujo
OPINIÃO
18 Savana 01-11-2013

EDITORIAL Cartoon
Os traÀcantes
A racialização do passado estão a
assassinar a

e o plágio consentido Humanidade

Q
uando ainda jovens, alguns dos adultos de hoje, iniciando-se
na política através do forte trabalho ideológico e de mobili-
zação que a Frelimo implantara em todo o território nacio-
nal depois de concluídas as hostilidades com os portugueses,
aprendéramos que o projecto desta organização para o Moçambique
independente seria o de construção de uma sociedade anti-racial,
anti-tribalista e anti-regionalista.
E fazia questão de sublinhar, o primeiro Presidente da República,
Samora Machel, que Moçambique não era uma sociedade multira-
cial. Melhor do que isso, era uma sociedade anti-racial, onde qual-
quer manifestação de racismo deveria ser combatida com a mesma
tenacidade com que se havia combatido o colonialismo.
Lendo algumas obras escritas por destacados líderes do Movimento
Libertação, tornam-se perceptíveis as razões porque a Frelimo con-
siderava uma ameaça grave ao projecto de Moçambique tudo aquilo
que eram manifestações de racismo, de tribalismo e de regionalismo.
O racismo não era apenas uma questão de atitude individual; era
uma das mais poderosas armas do inimigo, contra a unidade do povo.
Se não fosse neutralizado, poderia enfraquecer a luta contra o verda-
deiro inimigo, o colonialismo português.
Percebe-se, a partir desses escritos, que a questão da raça dentro
da Frelimo nunca foi tão pacífica. Mas também torna-se claro que
Meu ser original Ivone Soares
ela foi exaustivamente debatida, tendo-se chegado a uma conclu-

Haja Paz!
são unânime de que eram moçambicanos todos aqueles que tendo
nascido nesta terra, ou que por quaisquer circunstâncias com ela se
viessem a identificar, a tomassem como a sua própria Pátria.
Por isso, desde os primórdios da luta de libertação nacional que a

A
Frelimo sempre teve de entre os seus membros e quadros de direcção
gente de todas as raças. companhei, nestes dias, na separação efectiva dos poderes, sição que tem as condições que os
Constitui, por essa razão, um grande retrocesso que indivíduos que a muitos debates sobre onde cada um faz o seu trabalho e filhos dos dirigentes da Frelimo os-
estiveram activamente envolvidos na fundação da Frelimo estejam os   acontecimentos dos úl- onde se privilegia o mérito e com- tentam?
hoje a ser alvos de uma vil campanha de descrédito, incluindo o ques- timos tempos e das últimas petência técnica do servidor público, Qual é o membro da oposição que
tionamento da sua moçambicanidade. horas. certamente estaríamos num patamar é o chefe máximo d’algum órgão de
O elemento comum nesta campanha de descrédito é a utilização da Quase que se podia adivinhar o que mais alto. Com pena, vê-se que há soberania?
mesma arma que a Frelimo sempre identificou como o seu principal seria dito nas várias estações  televi- quem faça um “esforço titânico” de Há um desnível real, visível a olho nu
inimigo: o racismo. sivas e mesmo nas radiofónicas an- atrair a atenção de quem governa, e que é ignorado por quem define o
Recorre-se ao racismo para explicar o fracasso de certas opções polí- tes mesmo do início desses debates. pois ficou claro que por essa via, facil- quê, vai para quem e aonde. Qual é
ticas do passado, extricando-as do sentido colectivo que sempre nos Os telespectadores, assim como os mente, chega-se a cargos de chefia. O o moçambicano, sem simpatias pela
foi dito que tinha presidido à sua tomada. ouvintes, têm feito a balança pen- canudo vem depois, primeiro há que Frelimo que prosperou na vida? Exis-
Por outras palavras, nota-se da parte de alguns dos actuais dirigen- der muitas vezes a favor da Renamo. se mostrar fidelidade partidária. Isso tem alguns, mas são poucos e esses
tes da Frelimo um esforço de se dissociarem do passado, atribuindo Dizem nada justificar que o Coman- é horrível! poucos tiveram que comer   “o pão
a responsabilidade sobre tudo o que correu mal a um punhado de dante em Chefe, Armando Guebuza, É notório que a reinserção (dos en- que o diabo amassou” como se fossem
indivíduos (não pretos) que se diz terem no passado concentrado ordene que o exército ataque o seu volvidos na luta pela democracia) enteados deste país.
o poder nas suas mãos, manipulando o Presidente Samora Machel opositor político Afonso Dhlakama. na sociedade não obedeceu a crité- As assimetrias não são apenas regio-
para alcançarem os seus objectivos inconfessos. São vários os organismos nacionais rios claros e transparentes. Por isso nais, tudo começa na filiação parti-
Esta simplicidade analítica põe em perigo o projecto da Unidade e estrangeiros que repudiaram o re- há quem julgue que somente saíram dária. Para o cúmulo, quando se ousa
curso à força quando estava em curso beneficiados os novos ricos que antes reivindicar oportunidades iguais, por
Nacional que foi sempre uma das principais armas ideológicas da
um diálogo. Poucas vezes a opinião (na era Samoriana) sentiam-se impe- via de manifestações, direito consa-
Frelimo. E instala no seio dos mais novos, um ambiente de confusão
dos participantes é a favor do Gover- didos de ter bens para além dos que grado na nossa Constituição, o povo
sobre o conceito e o alcance da moçambicanidade. Como é que se
no. Creio que para quem é daqui há eram disponibilizados pelo Partido- é apelidado vândalo, marginal e arru-
sentirão aqueles moçambicanos de terceira geração, descendentes de
muito entendeu que me refiro à ten- -Estado. Foi essa Frelimização do aceiro.
moçambicanos não pretos? A mesma questão se colocaria no sentido são política que fustiga o nosso país. Estado que minou todo o processo de Isso é vida? Quer me parecer que
inverso, sobre aqueles pretos nas mesmas circunstâncias, em países Se num passado recente jornais como desenvolvimento e enquadramento foi decretada uma sentença de mor-
onde os pretos não são a raça dominante. El Pais definiam que Moçambique de quadros a todos os níveis. No lugar te para o povo. Ou morre vítima de
O passado não deve estar isento de questionamento. Mas qualquer estava num momento pré-bélico, de se desenvolver uma Nação inteira, calamidades naturais, cujas ajudas
exercício nesse sentido deve ser feito no quadro de uma clareza ide- com os ataques que vão ocorrendo o desenvolvimento andou e tende a são desviadas. Ou morre vítima de
ológica que nos permite em conjunto tirar lições e traçarmos um agora onde a intervenção do exército manter-se apenas nos quintais das doença, já que a muitos falta dinhei-
futuro que traga benefícios para todos. é muito questionada, como podemos famílias ligadas à nomenclatura do ro para ter tratamento e medicação
O recurso a pseudónimos, a pessoalização e a racialização demonstra definir o actual momento? Partido que desde 1975 dirige o país. condignas. Ou morre vítima de se-
apenas falta de coragem e incapacidade de confrontar esse passado Eu tenho certeza absoluta de que se Eu questiono: qual é o general da vícias perpetradas pelos raptores, isso
com ideias específicas e claras, que nos ajudem a sustentar o nosso ar- o Acordo Geral de Paz tivesse sido oposição que vive como a sua contra- porque não tendo socorro do Estado
gumento e provar que estamos certos nas posições que defendemos. honrado, se todos os homens e mu- -parte ligada ao poder? na hora do grito, não tendo dinheiro
E pior ainda, o recurso a pseudónimos diferentes, para jornais di- lheres que trouxeram a democracia Qual é o engenheiro da oposição que para pagar aos sequestradores a mor-
ferentes, em artigos com o mesmo conteúdo, revela uma grosseira multipartidária tivessem tido opor- vive como a contra-parte do partido te é certa. Ou acaba morrendo vítima
falta de respeito pelos leitores, que são tratados como uns verdadeiros tunidades similares as que tiveram no poder? de outras guerras com vários tons de
idiotas, sem capacidade de entenderem que estão a consumir o mes- aqueles que militavam do lado da Qual é o empresário da oposição que silêncio.
mo produto literário com dois autores diferentes. Uma espécie de um Frelimo, a nossa Nação teria seguido tem o volume de negócios que os em- Quem trava tudo isso?
plágio em que o autor original aceita ser plagiado. um rumo diferente. presários ligados à Frelimo têm? Haja paz, grita o povo em uníssono.
Se tivéssemos, como país, apostado Qual é o filho de dirigente da opo- Haja paz!

KOK NAM Editor: Colaboradores Permanentes: Fax: +258 21302402 (Redacção)


Director Emérito Fernando Gonçalves Machado da Graça, Fernando Lima, 823051790 (Publicidade ȫDirecto)
* editorsav@mediacoop.co.mz António Cabrita, Carlos Serra, *
Delegação da Beira:
Conselho de Administração: Ivone Soares, Luís Guevane, João Prédio Aruâ ngua, nº32 – 1ºandar, A
Fernando B de Lima, (Presidente) Mosca, Paulo Mubalo (Desporto) e Telef: (+258) 825 847050821
Editor Executivo: *
e Naita Ussene Isadora Ataíde savana@mediacoop.com.mz
Francisco Carmona Maquetização: A. S .M
* francisco.carmona@mediacoop.co.mz (Redacção)
Direcção, Redacção, * Revisão: Gervásio Nhalicale admc@mediacoop.co.mz
Publicidade e Administração: Redacção: Fernando Manuel, Publicidade: Benvinda Tamele (Administração)
Av. Amílcar Cabral n°1049* CP 73 Emídio Beúla, Raúl Senda, (82 3282870) *
Registado sob número 007/RRA/DNI/93 Propriedade da Abdul Sulemane e Argunaldo benvinda.tamele@mediacoop.co.mz www.savana.co.mz
Telefones:
NUIT: 400109001 Nhampossa Distribuição: Miguel Bila www.facebook.com/pages/
(+258) 21301737, 823171100 (82 4576190 / 84 0135281) savana-online/92167057804
FotograÀa: Naita Ussene (Editor) miguel.bila@mediacoop.co.mz
Maputo-República de Moçambique 84 3171100 e Urgel Matula (incluindo via e–mail PDF) Impressão: S–graphics
OPINIÃO
Savana 01-11-2013 19

Os melhores de Moçambique não precisam


que os outros digam que são os melhores
Por Mia Couto*

P
ensei bastante se estaria ou de Maputo, pobres e ricos, homens gância. sim, de acções claras que eliminem sentido se ela for um marco na luta
não presente nesta cerimónia. e mulheres, velhos e crianças que O melhor de Moçambique são os o crime e a corrupção. Porque a par pela afirmação de valores morais
A razão para essa dúvida era são vítimas quotidianas de crimes e que anonimamente constroem a deste galardão que distingue o me- e princípios colectivos. Para que a
a seguinte: há três dias a mi- assaltos. nação moçambicana sem tirar van- lhor de Moçambique há um outro nossa vida seja nossa e não do medo,
nha família foi alvo de várias e insis- Eu falo disto, aqui e agora, porque tagem de serem de um partido, de galardão, invisível mas permanente, para que as nossas cidades sejam
tentes ameaças de morte. Essas ame- uma cerimónia destas nos poderia uma família, de uma farda. que premeia o pior de Moçambique. nossas e não dos ladrões, para que no
aças persistiram e trouxeram para desviar do que é vital na nossa nação. Os melhores de Moçambique não Todos os dias, o pior de Moçambi- nosso campo se cultive comida e não
toda a nossa família um clima de Não podemos esquecer que o nos- precisam sequer que os outros di- que é premiado pela impunidade, a guerra, para que a riqueza do país
medo e insegurança. A intenção foi- so destino colectivo se decide hoje gam que são os melhores. Basta-lhe pela cumplicidade e pelo silêncio. sirva o país inteiro.
-se revelando clara, depois de muitos sobretudo no centro do País, nessa serem moçambicanos, inteiros e ín- Disse, no início, que hesitei em es-
telefonemas anónimos: a extorsão de fronteira que separa o diálogo do tegros, basta-lhes não sujarem a sua tar presente nesta gala. Mas pensei * Versão editada da intervenção na
dinheiro. A mesma criminosa amea- belicismo. E todos nós queremos de- honra com a pressa de se tornarem que me competia, junto com todos gala da STV para a atribuição do ga-
ça, soubemos depois, já bateu à porta fender essa que é a conquista maior ricos e poderosos. vocês, a obrigação de construir um lardão do “Melhor de Moçambique”
de muitos cidadãos de Maputo. depois da independência nacional: a Os melhores de Moçambique não evento que fosse para além das lu- a 25.10.13. Título da responsabili-
Paz, a Paz em todo o país, a Paz no precisam de grandes discursos para zes e das mediáticas aparências. Nós dade do SAVANA
Poderíamos pensar que essas inti- lar de cada moçambicano. acreditarem numa pátria onde se queremos certamente que esta festa
midações se reproduzem a tal esca- Se invoquei a situação que se vive
possa viver sem medo, sem guerra, tenha uma intenção e produza uma https://www.facebook.com/pages/
la que acabam por se desacreditar. hoje em Maputo é porque outras
sem mentira e sem ódio. Precisam, diferença. E esta celebração só terá Mia-Couto/298257536887970
Mas não é possível desvalorizar este guerras, mais subtis e silenciosas,
fenómeno. Porque ele sucede num podem estar a agredir Moçambique
momento em que, na capital do país,
pessoas são raptadas a um ritmo que
não pára de crescer. Esses crimes re-
e a roubar-nos a estabilidade e que
tanto nos custou conquistar.
Estamos celebrando nesta Gala
Urge uma inteligence nos bancos
comerciais e nas operadoras de
forçam um sentimento de desampa- algo que, certamente, possui a in-
ro e desprotecção como nunca tive- tenção positiva de valorizar o nosso
mos nos últimos vinte anos da nossa país. Mas para usufruirmos o que
história. aqui está a ser exaltado, as melhores

telefonia móvel
Esses que são raptados não são os praias, os melhores destinos turísti-
outros, são moçambicanos como cos, precisamos de saber ver o que
qualquer outro cidadão. De cada vez nos cerca.
que um moçambicano é raptado, é Na realidade, e em rigor, o melhor
Moçambique inteiro que é raptado. de Moçambique não pode ser selec-
Por Hermínio Paulino Chissico

O
E de todas as vezes, há uma parte da cionado em concurso. O melhor de
nossa casa que deixa de ser nossa e Moçambique são os moçambicanos modus operandi dos se- financeiras dos respectivos clientes, de telefonia.
vai ficando nas mãos do crime. Neste de todas as etnias, todas as raças, to- questradores indicia algu- relatando-se casos de sequestros Perante esta situação torna-se ur-
confronto com forças sem rosto nem das as opções políticas e religiosas. ma infiltração nos bancos em que as vítimas afirmam que os gente um trabalho sério e profundo
nome, todos perdemos confiança em O melhor de Moçambique é a gente comerciais e nas operado- sequestradores são precisos no que
nós mesmos, e Moçambique perde a trabalhadora anónima que, todos os dos Serviços de Segurança do Es-
ras de telefonia móvel, pois estes tange à informação sobre saldos e tado; urge um ambicioso trabalho
credibilidade dos outros. dias, atravessa a cidade em viaturas
criminosos têm acesso de todo o mais informação sobre as suas con- de inteligência visando os bancos
Esses sequestros estão nos cercando transportada em condições que são
detalhe referente às contas bancá- tas bancárias. Por outro lado, pelo comerciais e as operadoras de tele-
por dentro como se houvesse uma uma ofensa à vida e à dignidade hu-
rias das vítimas e estabelecem liga- facto de, em Moçambique, ser obri-
outra guerra civil, uma guerra que manas. fonia móvel, no sentido de melhor
ções telefónicas com as mesmas e gatório o registo da identidade da
cria tanta instabilidade como uma O melhor de Moçambique são os compreender como é que os crimi-
qualquer outra acção militar, qual- camponeses que embalam à pressa familiares das mesmas, amiúde. pessoa que obtém um número de
nosos adquirem informação bancá-
quer outra acção terrorista. os seus haveres para fugirem das ba- telemóvel. Ora, com esta obriga-
toriedade, questiono como é que é ria dos clientes e como é que ainda
Este é um fenómeno que atinge las. O melhor de Moçambique são Esta minha convicção alicerça-se
possível aos sequestradores ligarem, existem pessoas que conseguem es-
uma camada socialmente diferen- os que, mesmo não tendo dinheiro, no facto de, por um lado, os ban-
à vontade, para as suas vítimas e tabelecer ligações telefónicas, sem
ciada do nosso país. Mas o mesmo pagam subornos para não serem in- cos serem os únicos e legítimos
sentimento de medo percorre hoje, comodados por agentes da ordem familiares sem que sejam identifi- que sejam identificadas.
detentores de toda a informação
sem excepção, todos os habitantes cuja única autoridade nasce da arro- relativa aos dinheiros ou operações cados pelas respectivas operadoras Tenho dito.

carlosserra_maputo@yahoo.com
http://www.oficinadesociologia.blogspot.com

348

A guerra é deles Noticiários

F O
s noticiários surgem em que é notícia, evento, come-
ui a cama com uma sen- neta. Quando, finalmente, a minha também a essa hora que ela como produto neutro, zinho ou fantástico, alegre ou
sação de fadiga terrível, mulher veio ao quarto apagou a me abanou violentamente e como fotografia real, triste, o noticiário cria a distân-
embora durante o dia luz, mas fingi que estava a dormir me perguntou. exacta, do que acontece cia, dá-nos, domesticado, como
não tivesse feito ne- profundamente. -Francisco sabes que a guerra no país e no mundo. que pronto-a-servir, o mundo
nhum esforço físico ou mental começou outra vez. em toda a sua dramaticidade e
acima do normal. Na verdade, Ela abanou-me ao de leve e eu Porém, se quisermos sair da se- complexidade, distrai-nos, apro-
Eu disse: sei e o que eu tenho
nem dormi. Limitei-me a es- fingi que não estava a perceber dução em que nos envolve o ar xima-nos afastando, transforma
a ver com isso? E ela pergun-
tar de costas na cama, a ouvir nada. O que eu queria, era que sério do (a) locutor (a), teremos o social em espectáculo, em so-
tou: que ter em conta dois fenóme- porífero.
o barrulho longínquo que vi- me deixassem em paz. Às 4h00
nha da sala. A minha mulher da manhã, veio o sono finalmente, - Como não tens nada a ver nos imbricados: 1) o noticiário O insólito e o corriqueiro, tão
estava a conversar com os fi- quando ouvi o almadin a anunciar com isso? Como é que hei- não existe em si, é produto de frequentes na nossa televisão,
lhos sobre as querelas entre as mais um dia de glória de Allah. Foi -de ir à Inhassoro ver a minha uma seleção socialmente deter- fazem parecer geral o particular,
comadres na eterna telenovela a essa hora que o sono veio, final- mãe? Eu disse: deixe-me dor- minada, de um prisma, de um corrente o singular. Sentimos
brasileira e do choro da minha mente. Sentia-me em paz, mas foi mir. O problema é deles. ângulo político e politizado de sem sentir, choramos sem cho-
visão; (2) no preciso momento rar, pensamos sem pensar.
OPINIÃO
20 Savana 01-11-2013

Obama na Casa dos Segredos


A TALHE DE FOICE Por João Carlos Barradas*
Por Machado da Graça

A
relação custo-benefício da espionagem tional Intelligence”.
política, económica e financeira entre alia- A mediocridade extrema dos procedimentos de
dos parece ter-se perdido em Washington segurança que já proporcionou fugas de informa-
por via da expansão de meios tecnológi- ção em larga escala por parte de pessoal subalterno,
cos, a grandiosidade da impunidade legal e política como Bradley/Chelsea Manning em 2010, e, pos-
e a arrogância do poder. teriormente, Snowden, o crescimento exponencial

E agora?
Um programa secreto de escuta das telecomunica- de meios de recolha electrónica sem contrapartida
ções de Chefes de Estado e governo estrangeiros, num acréscimo e sofisticação da capacidade ana-
iniciado pela administração Bush na sequência dos lítica e eventual capaz aproveitamento político da
atentados de 11 de Setembro de 2001, foi escon- informação escapam, de momento, ao escrutínio
dido por altos responsáveis da “Agência de Segu- público.

A
rança Nacional” (NSA) ao presidente dos Estados
tomada de Satunjira e, pou- ciso. Porque, por meios políticos, se Unidos até ao começo deste Verão. Espiar Àninho
cos dias depois, de Marínguè poderia conseguir obter os mesmos Assim, preto no branco, é o que há a concluir das Angela Merkel - menina e moça sob a sombra da
mostra, com total clareza, que resultados, sem passar pela morte de inverosímeis declarações de Barack Obama, do STASI - já era espiada desde 2002 como líder da
porta-voz presidencial e de fontes oficiais e oficio- oposição e antes de tomar posse como chanceler
o Governo optou pela via mi- moçambicanos, de nenhum dos lados, em Novembro de 2005, mas, adopta uma atitude
sas não-identificadas da Casa Branca que alegam
litar para resolver o problema da exis- já para não falar dos civis inocentes que terem sido, entretanto, iniciadas diligências para minimalista quanto à protecção de dados pessoais
tência dos homens armados da Rena- são as principais vítimas deste tipo de revisão de programas e procedimentos dos serviços nas conversações comerciais entre a UE e os EUA.
mo e, para além disso, tentar destruir, conflitos, como nos mostraram, à evi- de espionagem electrónica presumivelmente devi- Dilma Rousseff - guerrilheira urbana de extrema-
ou reduzir à insignificância, aquele dência, os massacres perpetrados pela do à fuga de informações que Edward Snowden -esquerda, torturada pela ditadura militar - ante as
trouxe a público em Junho de 2013. revelações de escutas norte-americanas, com forte
partido. E há muitas probabilidades de Renamo durante a guerra dos 16 anos. componente comercial por via da vigilância à “Pe-
A democrata Dianne Fenstein, presidente da co-
esses objectivos virem a ser atingidos. As reivindicações que a Renamo le- missão do Senado que supervisiona os serviços trobras”, reagiu com exigências que ultrapassam a
Embora os homens da Renamo pare- vou à mesa das negociações eram, de de informação, reconhece, por seu turno, que o polémica da espionagem para aventar uma legisla-
çam ter muito melhor preparação mi- uma forma geral, razoáveis e correctas: órgão legislativo não foi notificado da existência ção universal cobrindo as actividades digitais.
litar que as forças do Governo, o de- Ter orgãos eleitorais com composições de escutas a líderes de estados aliados, citando no- Um estatuto bilateral privilegiado aparenta ser, no
meadamente a França, o México, a Espanha e a entanto, o anseio da maior parte dos governos de
sequilíbrio de meios é muito grande, a equilibradas, despartidarizar o Estado, Alemanha, e declarou opor-se terminantemente a estados democráticos na sua relação com Washing-
favor das forças governamentais. E, tal- acesso mais equilibrado às riquezas tal prática. ton na recolha de informações.
vez mais importante que isso, desta vez do país são reivindicações não só da A senadora californiana encara como excepção O modelo é o pacto que desde 1946 une Londres e
a Renamo não terá apoio e santuário Renamo como de uma significativa para a legalidade de tais actos de espionagem ape- Washington, mais tarde alargado ao Canadá, Aus-
em nenhum dos países vizinhos. Pelo nas casos de envolvimento de um estado amigo em trália e Nova Zelândia, consagrando programas
porção da sociedade moçambicana. E
“hostilidades” ou “razão de emergência”. genéricos de espionagem, partilha pontual de in-
contrário, se estes se envolverem num incluiam, igualmente, a desmilitariza- Fenstein, que anteriormente aprovara programas formações envolvendo interesses comuns e a vigi-
conflito interno moçambicano, será ção daquele partido, com a integração da NSA de recolha de dados sobre comunicações lância de actividades de cidadãos dos cinco estados.
a favor do Governo, como já o deram dos seus homens armados nas Forças telefónicas de cidadãos norte-americanos e de da- O pacto do “Clube dos Cinco” tem aparentemente
a entender as autoridades do Zimba- de Defesa e Segurança. dos pessoais na posse de provedores de serviços servido os interesses dos envolvidos, ultrapassando
bwe e como, tudo leva a acreditar, farão na internet, admite, agora, que, afinal, não tinham conflitos graves como a crise do Suez em 1956 em
Isto é, se o Governo tivesse aceite as
fundamento as suas garantias de que o Senado que Washington deixou cair Londres e a recusa
igualmente as sul-africanas. A recente reivindicações políticas da Renamo possuía “informação exaustiva sobre as actividades da Nova Zelândia a partir de 1984 de permitir a
visita de Alberto Vaquina a Angola com medidas que seriam um reforço dos serviços de informações”. passagem de submarinos nucleares nas suas águas
aponta também na mesma direcção. do processo democrático nacional, te- territoriais.
O problema, quanto a mim, é o preço ria obtido, na mesa das negociações, Uns mentem, outros omitem A relação custo-benefício da espionagem política,
que o país vai pagar em vítimas hu- Quanto ao director da NSA e da unidade de guerra económica e financeira entre aliados, seja por via
aquilo que anda agora a tentar conse-
cibernética do Pentágono “U.S. Cyber Command”, electrónica ou pessoal, parece, contudo, ter-se per-
manas, em destruições, em retrocesso guir aos tiros no meio do mato. general James Alexander, foi anunciado em 16 de dido em Washington por via da expansão de meios
económico. Isto para além das despe- E estaria o país calmo e confiante no Outubro que abandonará no final deste ano ou iní- tecnológicos, a grandiosidade da impunidade legal
sas enormes que estão a ser feitas na futuro. E não estaria a correr sangue cio de 2014 a organização que lidera desde 2005. e política e a arrogância do poder.
aquisição de material de guerra, e que moçambicano em vários pontos do Do destino do general na reserva James Clapper, Não será caso único, mas, presentemente é o mais
“Director of National Intelligence”, supervisor e vistoso e resta assistir ao que acontecerá à medida
seria dinheiro muito melhor usado a país. E estaria Afonso Dhlakama em
coordenador desde 2010 das 16 agências de infor- que Obama se vir obrigado a deixar cair os seus
aumentar o bem-estar dos moçambi- sua casa, fosse ela onde fosse, em vez mações norte-americanas, nada se sabe, enquanto mestres espiões para aplacar aliados reais e putati-
canos. de estar no mato a fazer, e pensar, não o Senado prepara, segundo Fenstein, a imposição vos, sem deixar de tentar pôr em guarda adversários
Mas, perguntará o leitor, se desta forma se sabe bem o quê. de “vigilância reforçada e alargada” às actividades e inimigos que cada vez mais o têm por político
o Governo conseguir atingir os objecti- E, principalmente, não estaríamos to- de espionagem e contra-espionagem. fraco e pusilânime.
O presidente afirma definir apenas “orientações * Jornalista
vos acima descritos porque não haveria dos com medo que esta situação, já de
políticas” para os serviços de informação e prefe- barradas.joaocarlos@gmail.com
de o fazer? si muito má, possa piorar muito e a re apresentar-se como um leitor pouco ou nada http://maneatsemper.blogspot.pt/
Na minha opinião porque não era pre- muito curto prazo. curioso sobre as fontes do “Daily Brief ” que todas
as manhãs lhe é apresentado pelo “Director of Na-

SACO AZUL | Por Luís Guevane

Democracia em construção
U
ma Nota Pastoral do ano tran- bicanos, procura engrandecer e/ou alertar para da personalidade dos próprios dirigentes, não parece, quanto mais o dirigente máximo
sacto, dos Bispos Católicos, inti- a necessidade de se privilegiar o diálogo since- será garantida a paz em Moçambique. Ne- for idolatrado pelos seus, mais poder real
tulada Construir a Democracia ro, aberto e honesto. nhum partido nem mesmo os seus líderes têm ele julga ter. O culto da personalidade
para preservar a Paz, a propósito Até hoje não temos diálogo. Entretanto, tem atributos divinos. (…) A idolatria dos partidos encontra aí espaço fértil para se afirmar.
dos 20 anos de Paz, abordava, entre outros ocorrido um diálogo onde as vírgulas e os pon- e o culto da personalidade são graves impe- Quando começa a ocorrer o contrário
aspectos, os benefícios conseguidos com a tos são produzidos por tiros, deixando claro dimentos para o crescimento na liberdade e significa, obviamente, que o poder está
assinatura do Acordo Geral de Paz (AGP). qual o tipo de diálogo que um pequeno grupo a elaboração de críticas construtivas. Quando a esvair-se. Será isto verdade em pleno
Benefícios em termos de reconciliação, de defende, avantajado pela posição que ocupa isso acontece, aqueles que procuram apresen- século XXI?
visível vivacidade da economia e da socie- na pirâmide político-social. O diálogo de ti- tar críticas construtivas, se estas não são bem- Cá entre nós: a absolutização dos partidos
dade, de liberdade de expressão nos meios ros, diálogo racista e étnico (tribal), diálogo de -vindas, são vistos como persona non grata, políticos, sobretudo os mais representati-
de comunicação social, de melhoramento surdos, diálogo repartido de ódios, diálogo de como “não sendo dos nossos”, sofrendo, por vos, tornou-se numa realidade. Esta for-
das relações entre o Estado e as religiões, coisificação do outro, …todos eles contribuem isso mesmo, humilhações e represálias. Este talece-se na justa medida da fragilização
do livre associativismo, independente do fortemente para que se fragilize a nossa jovem constrangimento gera conformismo acrítico e da democracia alargando o campo para a
poder político ou dos partidos. democracia em construção. Fragilizando-a antidemocrático. ausência da Paz. É algo evitável por quem
adiamos a Paz (nas suas múltiplas vertentes), O “lambebotismo”, criticado por muitos, pode se percebe como estando na posição de
Recordei-me desta Nota Pastoral pelo fac- ainda que contra a nossa vontade. ter no culto da personalidade uma das suas for- promover a democracia para garantir ou
to de os acontecimentos actuais poderem A Nota Pastoral a que me venho referindo tes razões. Um culto que até pode gerar alguma preservar a Paz. Todos queremos crescer
produzir um efeito contrário aos objectivos chamava à atenção ou à reflexão para o seguin- percepção falsa de “lamebostismo” devido aos livres e em liberdade num ambiente de-
mais nobres do AGP. Uma Nota Pastoral te: Se continuar a prevalecer a tendência da constrangimentos gerados pelos conformis- mocrático que promova e preserve cres-
que, como os “escritos” de muitos moçam- absolutização dos partidos políticos e o culto mos que o caracterizam. Em África, ao que centemente a Paz.
PUBLICIDADE
Savana 01-11-2013 21
DESPORTO
22 Savana 01-11-2013

Infra-estruturas desportivas

Desportivo procura reerguer-se dos escombros


Por Paulo Mubalo (texto) e
Ilec Vilanculos (fotos)

N
oventa e dois anos depois imundície, o que torna o local
da sua fundação, concre- um autêntico atentado à saúde,
tamente, a 31 de Maio de alcançámos depois desse martírio
1921, o Grupo Desporti- aquilo que já foi um local mítico,
vo de Maputo (GDM), uma das de glória, onde jogadores como
mais antigas e quiçá históricas Cálton, Chababe, Aly Hassane,
colectividades desportivas do país Sitói, entre outras referências do
quer reerguer-se dos escombros, nosso futebol, não só evoluíram,
o que passa por um reaprovei-
como mostraram, num passado
tamento dos espaços existentes.
não muito distante, quão distin-
No horizonte está a instalação de
tas eram as suas potencialidades.
uma academia de futebol, o que
passará pela construção de três As bancadas só servem de mon-
campos. tra daí que estejam carcomidas
de velhice, os balneários pratica-
Paralelamente, segundo apurá- mente não existem, à noite, se-
mos de Adelino Xerinda, vice- gundo apurámos, indivíduos de
-presidente daquela agremiação, má conduta fazem do local o seu
continuam as demárches junto habitat, vandalizando e roubando
das autoridades administrativas o que ainda resta, como telhas e
da Matola e Marracuene por for- barrotes.
ma a que se consiga espaço para Os guardas, esses, queixam-se
construção do futuro estádio do da falta de iluminação e chegam
clube. mesmo a dizer que guarnecer
aquele local é estar entre a vida e
Parcerias
Eis a planta da futura academia do Desportivo a morte.
O Desportivo de Maputo vai, em
parceria com a Prosport, cons- Na verdade, o que resta são sau-
truir uma academia para crianças, números envolvidos na materiali- acompanhar tudo, talvez outras labirintos, contornando-se po- dades dos tempos. As imagens
concretamente para formação de zação do projecto. pessoas que não vivem os proble- ças de água estagnada à mistura do nosso colega Ilec Vilanculos
jogadores. Campo em Marracuene ou mas do clube possam estar zan- com quantidades industriais de falam por si.
A Prosport é uma empresa que Matola gadas, mas nós fizemos tudo com
se dedica à prestação de serviços Não restam dúvidas que alguns transparência”, afirmou.
de carácter desportivo e é detida adeptos do Desportivo estão tris- Soubemos ainda que o arranque
por Manuel Monteiro Júnior, an- tes com o facto de a colectividade das obras do campo principal
tigo secretário-geral da Federação não dispor de campo próprio. poderá acontecer ainda este ano,
Moçambicana de Futebol, no pri- Porém, Xerinda diz que os sócios sendo que tudo está dependente
meiro mandato de Feizal Sidat. do Desportivo, aqueles que efec- da cedência de espaço para o efei-
O projecto insere-se no programa tivamente acompanham o dia-a- to pelas autoridades administra-
de reaproveitamento dos espaços -dia da instituição, estão a par dos tivas de Marracuene ou Matola,
existentes. projectos uma vez não existir mais espaço
“Vamos construir três campos em carteira, incluindo a questão na cidade de Maputo.
destinados à formação de jogado- da construção do campo princi-
res, sendo um sintético e os res- pal. Saudades do antigo campo
tantes de relva natural”, observou Para ele, só podem andar zanga- do Desportivo
Adelino Xerinda, tendo deixado dos os sócios ou adeptos que fi- Entretanto, na tarde desta terça-
claro que algumas das infra-es- cam longe do clube, pois as deci- -feira, os repórteres do SAVA-
truturas em alusão estarão locali- sões que são tomadas podem não NA fizeram-se ao antigo campo
zadas nas barreiras. ser do seu conhecimento. do Desportivo na baixa da cida-
“O que nós queremos é rea- “Os verdadeiros sócios estão a de de Maputo. Entre autênticos
proveitar os espaços existentes,
dotando-os de condições para a
prática do futebol”, anotou.
Outrossim, segundo afirmou, o
centro social do clube também
vai beneficiar de obras de reabi-
litação.
Em relação ao projecto da acade-
mia, apurámos que caso tudo cor-
ra dentro das previsões, as obras
poderão terminar ainda este ano.
A nossa fonte explicou ainda que
a Prosport poderá trazer outros
parceiros para o Desportivo para
além de que será esta a entidade
que se vai encarregar da gestão da
academia.
Xerinda deixou claro que as
crianças que quiserem frequentar
a academia terão de pagar algum
valor, o qual vai ajudar no funcio-
namento da mesma instituição.
Mesmo ante à nossa insistência,
a fonte declinou avançar com os
DESPORTO
Savana 01-11-2013 23

“Temos equipas que


jogam nos campeonatos
internacionais”
-aÀrma directora provincial da Juventude e Desportos
de Nampula

A
directora provincial da Ju- gistamos um crescimento muito
ventude e Desportos da ci- elevado no futebol, em todas as
dade de Nampula, Ângela modalidades. Por exemplo, a moda-
Reane, diz que nos últimos lidade de voleibol tem participado
anos na província de Nampula, nas grandes competições interna-
nota-se um grande crescimento no cionais”, diz Ângela Reane directo-
desporto em todas as modalidades, ra da Juventude e Desportos.
com destaque para o voleibol, que Ajuntando: “neste momento, a
tem a participação nos campeona- grande aposta é formar mais atletas
tos internacionais. das diversas modalidades desporti-
De acordo com Reane, a nível da vas em todos os escalões para com-
direcção da Juventude e Desportos petir ao mais alto nível”.
nota-se um grande esforço para a Entretanto, apesar do nível de cres-
massificação das modalidades com cimento desportivo, existem alguns
destaque para a camada de forma- problemas de violência nos campos
ção dos atletas. de jogo devido à venda de bebidas
“Nos últimos anos, a nível da pro- alcoólicas nos recintos desportivos.
víncia da cidade de Nampula re- Z.M

Liga Muçulamana,
pois claro!
D
ecorre neste fim- contra o Matchedje e por
-de-semana a 24a fim o Desportivo de Nacala
jornada do Moçam- medirá forças com o Costa
bola com a disputa do Sol.
de seis jogos. Trata-se de
uma competição em que a Tabela classificativa
incerteza apenas reside em Em termos da classificação,
dois aspectos: as equipas que a Liga Muçulmana está no
lutam pela manutenção e as topo com 48 pontos, ao
que o fazem no sentido de que seguem as formações
ocuparem os lugares cimei- do HCB do Songo com 40
ros, pois a questão do título pontos, Maxaquene 38 pon-
praticamente está resolvida. tos, o Ferroviário da Beira
Para este fim-de-semana, e Costa do Sol somam 35
o Ferroviário de Maputo, pontos cada, o Desporti-
que vai alternando o bom vo de Nacala e Ferroviário
e o mau vai defrontar o seu de Maputo, todos somam
homónimo de Nampula e o 33 pontos cada. Seguem
Maxaquene recebe o Ferro- o Clube do Chibuto, com
viário da Beira. 32 pontos, o Ferroviário de
Enquanto isso, o Chingale Nampula, com 28, Estrela
de Tete vai defrontar o Têxtil Vermelha com 27 pontos.
de Púnguè e o Vilankulo vai Chingale de Tete, com 24
medir forças com o Chibuto, pontos, Vilankulo com
para o Estrela Vermelha ter 23 pontos, Têxtil do Pún-
como adversário o HCB do guè, 23 pontos; e por fim o
Songo. Matchedje com 13 pontos.
A Liga Muçulmana, virtual Z.M
campeã nacional, vai jogar
CULTURA
24 Savana 01-11-2013

Fany Mpfumo e outros ícones UMOJA: na sua


décima edição
Por Abdul Sulemane

S
amuel Matusse lança nes-
ta sexta-feira no Auditório

A
da Rádio Moçambique, às
17h00, o livro intitulado Praça da Independên- A dança, a música, as artes
Fany Mpfumo e Outros Ícones. cia na Cidade de Ma- plásticas através do Instituto
“O livro surge como fruto da con- puto será entre os dias Superior de Artes e Cultura,
jugação de esforços entre pessoas 1, 2 e 3 de Novembro, as artes cénicas à mistura com
da terceira idade, colegas da Rádio palco do décimo mega concerto a gastronomia promovida por
Moçambique e académicos. Estes cultural “UMOJA”, no qual vão populares, fazem parte deste
esforços das três vertentes produzi- desfilar mais de 35 artistas de mega evento que arrasta mi-
ram este livro inserido na directriz Moçambique e de outros qua- lhares de participantes amantes
da promoção da nossa arte e auto- drantes de África e da Europa. deste género de espectáculo.
-estima. Como sabem, a juventu- Nomes sonantes como Gabrie-
de muitas vezes tem seguido com UMOJA, festival cultural que la que aparece pela primeira
muita atenção as histórias dos mú- se realiza numa periodicidade vez (oxalá consiga convencer o
sicos estrangeiros como se nós não anual e de forma rotativa entre público tendo em conta que ela
os países candidatos envolvidos sente-se melhor em play back),
tivéssemos história. Então este livro
no projecto, acontece pela quar- Mafikzolo, entre outros, têm
surge de forma a contrariar essa
ta vez consecutiva em Maputo a grande missão de animar a
corrente. Para que os jovens saibam
por ser a cidade que ofereceu festa e oxalá os promotores do
que também temos a nossa história.
melhores condições para a rea- evento tenham já “negociado
Doravante, vão passar a ler as histó-
lização evento. com Deus” para que não caia
rias dos músicos nacionais”, explica Samuel Matusse falando da sua obra Falando em conferência de chuva com vista a estragar a
Samuel Matusse.
imprensa, Roberto Dove, re- celebração.
O título sugere uma biografia, no montar um posto de censura na que fazia o trabalho ideológico do
entanto o autor considera que o fronteira que destruía discos de mú- colono que passou a pente fino as
mesmo retrata os feitos gloriosos sicos nacionais que tivessem conte- obras destes ícones e baniu muitos
dos músicos na luta contra a ocupa-
údo subversivo, quer dizer, patrióti- deles que com o canto diziam não
ção colonial. “O título sugere uma
co”, frisa. à dominação estrangeira. Eles opu-
biografia. No entanto, não se trata
O livro pretende mostrar a outra nham-se à dominação estrangeira
de uma biografia. Trata-se dos feitos
vertente artística que teve um papel com o canto”, destaca.
gloriosos destes músicos da antigui-
preponderante na luta contra a do- Os músicos nacionais pelo seu ta-
dade. Fany Mpfumo ocupa grande
minação estrangeira em Moçambi- lento e conteúdos musicais tiveram
parte do livro, mas também falo dos
que. “Estou a referir-me à acção que conquistas na África do Sul e no
outros ícones. Fany Mpfumo não
eles tiveram na luta contra a domi- país. “São vários os ícones incluídos.
elevou a música moçambicana so-
zinho. Não foi o primeiro músico a nação estrangeira. Como sabe Ma- Assim de cabeça são sete. O Muta-
langatana e Craveirinha acabaram no Gomes Feliciano é o primeiro presentante do Ministro da Como tem sido hábito, o espec-
gravar na África do Sul. Foi o Mu-
nas masmorras da PIDE. Os pincéis moçambicano a gravar na África Cultura, confirmou o apoio táculo tem sido sempre grátis e
tano Gomes. Este teve a honra de
e a caneta também diziam não à do- do Sul. Como o seu disco teve um desta instituição. “Apoiamos o desta vez não é excepção.
aparecer na capa do livro. O título
minação estrangeira. Estes músicos evento simplesmente porque Dany Ripanga de Moçambique,
deve-se ao facto de Fany Mpfumo alto índice de vendas neste país e
de que eu falo hoje também disse- o intercâmbio cultural é par- Carola da Tanzânia e Lilian do
ser o maior. Se nós moçambicanos em Moçambique, principalmente
ram, com o canto, não à dominação te integrante da nossa política Uganda, são vozes responsáveis
fôssemos um pouco politeístas, com nas comunidades de Gazanculo que
colonial. É uma forma de alertar interna. A cultura faz parte das em anunciar oficialmente a aber-
vários deuses, havíamos de dizer que são também da etnia changana, as nossas vidas e participar deste tura do mega evento nos dois pri-
Fany Mpfumo é o deus da música. para quem de direito atribuir o títu- editoras sul-africanas começaram evento constitui uma grande meiros dias a partir das 20 horas
Mas como não somos dizemos que lo de heróis nacionais a estes músi- a procurar músicos moçambicanos. honra pois, estimula o inter- e no terceiro dia à responsabili-
é um abençoado de Deus. É a razão cos porque em plena época colonial Fany Mpfumo nunca tinha ido a câmbio cultural entre os povos dade do apresentador televisivo
dessa hierarquia no título que cha- fizeram estragos no bom sentido uma editora pedir para gravar. Ele e nós como hospitaleiros, me- Didinho Caetano no Parque dos
ma alguma atenção. Primeiro Fany da palavra. Não há nenhum destes tocava nas banzas e uma das maio- recemos esta boa nova que em continuadores, especialmente
Mpfumo depois os outros. Mas músicos que retrato aqui que não res editoras sul-africanas o encon- cada edição apresenta inúme- dedicado à criançada de todas as
também os outros não fizeram pou- tenha sido banido na Rádio Clube trou nestes lugares. Depois também ras novidades”, disse Roberdo idades e com entrada igualmente
co. Eusébio Tamele foi solicitado de Moçambique. Portanto, a Rádio foi chamado para acompanhar ou- Dove. gratuita. A.S
por todas as editoras sul-africanas. do colono. Como sabe, a estação tros músicos nacionais e internacio-
Eram aliciados por outras editoras que transmitia em língua changana nais. Também acompanhou Miriam
pela grande procura das suas mú- e ronga para as populações nativas
Makeba. Uma das canções famosas
sicas. O governo colonial teve que era tutelada pela PISCO, empresa
que acompanhou foi “Week Song”,
recorda.

Xilunguine alcança o FIKE


O
filme Xilunguine, a Terra Trinta e oito filmes oriundos de D. Quixote pelo Júri da Associa-
prometida, foi selecciona- 19 países vão estar em competição ção Internacional de Cineclubes.
do para a competição no na 11ª edição do Festival Interna- Como habitualmente, será atribuí-
FIKE – Festival Inter- cional de Curtas Metragens, que do ainda o Prémio do Público, com
nacional de Curtas Metragens de vai ter lugar de 17 a 26 deste mês, base nos votos dos espectadores.
Évora, que teve lugar de 22 a 26 em Beja e Évora. O filme moçambicano seleciona-
de Outubro de 2013, em Portugal. Os 38 filmes, que disputarão a do, Xilunguine, A Terra Prome-
competição internacional nas ca- tida, aborda a partir de uma pes-
Depois da sua participação no tegorias de Ficção, Documentário quisa etnográfica, o processo de
ECAS 2013 - Conferência Eu- e Animação, foram seleccionados migração da etnia ou povo “Tson-
ropeia de Estudos Africanos em a partir de mais de mil inscrições, ga” para a cidade colonial de Lou-
Lisboa, Portugal e Silicon Valley provenientes de países como Es- renço Marques nos anos 1930 até
African Film Festival 2013 na Ca- panha, Suíça, Irão, Brasil e Mo- aos dias de hoje, a sua interacção
lifórnia, Estados Unidos onde fez çambique, além de Portugal. com outros grupos étnicos, condi-
a sua estreia Americana, o filme O Júri FIKE integrará este ano ção laboral, transformação etno-
Xilunguine, A Terra Prometida, a actriz Isabel Ruth, a jornalista -linguística e a periferização da
do realizador Moçambicano Ina- Luísa Sequeira e programador e actual cidade de Maputo. De citar
delso Cossa, foi seleccionado para cineasta indiano Premendra Ma- que o filme participará também do
a competição no festival Interna- zumder. O prémio para o melhor V Festival do filme etnográfico do
cional de Curtas Metragens de documentário será outorgado pelo Recife de 28 a 31 de Outubro de
Évora – FIKE 2013 em Portugal Júri Estação Imagem, e o Prémio 2013, no Brasil. A.S
Dobra por aqui
SUPLEMENTO HUMORÍSTICO DO SAVANA Nº 1034 ‡1 DE NOVEMBRO DE 2013
2 Savana 01-11-2013 Savana 01-11-2013 3
SUPLEMENTO
OPINIÃO
Savana 01-11-2013 27

Fernando Manuel (texto)


Urgel Matula (Fotos)
e Naita Ussene (fotos)

Para macaco, macaco


e meio
H
á uma verdade muito simples e tão simples que ninguém se aper-
cebe da sua profundidade. Uma delas é que o tempo passa depressa e
a gente nem se apercebe. Porque na verdade, tempo não passa, nem
existe. Ele flui. Nós os homens é que inventamos instrumentos para
medi-lo. Desde a Clepsidra até ao relógio, os cronómetros e os calendários
e coisas que tais. Alguém diz assim: lembras-te daqueles tempos? E eu per-
gunto, quais tempos? Na verdade há tempos. Quando me lembro que em 1994
fundámos o jornal SAVANA e um dos repórteres fotográficos era o João Leão
Matlombe, eu não acredito. De lá a esta parte morreu muita gente. Gente da
classe jornalística, claro. Nem vou citar nomes, porque não interessa muito. O
que interessa é que Matlombe está vivo e bem vivo. É ele que abre esta série,
junto com José Machicane, jornalista da Lusa e Fernando Mbanze, editor do
mediafax.

Tudo isto está a parecer uma tempestade num copo de água, embora o tal copo
tenha o tamanho de uma nação com cerca de 23 milhões de habitantes. Não se
pode brincar assim. Principalmente, quando atrás dessa brincadeira aparecem
nomes, fortunas, armas e uma nação com guerras que duram mais de 50 anos
e os nomes são esses que nós vemos e ouvimos todos os dias nas televisões,
rádios, revistas, jornais a dizerem as mesmas baboseiras: “nós amamos o nosso
povo. Nós trabalhamos para o nosso povo” e no fundo o povo são as contas
bancárias que crescem e engordam a cada dia que passa. E os donos dessas
contas não dão cavaco a ninguém. Limitam-se a sorrir e andar de coletes à
prova de bala. Diz o ditado que quem não deve, não teme. Então porque co-
letes à prova de bala?

Mas há gente que sai desse esquema. E essa gente normalmente não dá costas
à imprensa e até tem prazer em visitar órgãos como o SAVANA. O exem-
plo é este: o jovem Venâncio Mondlane, candidato do MDM à presidência
do município de Maputo, veio a nossa Redacção e conversou longamente e
animadamente com jornalistas cá da casa. Nestas imagens, Venâncio conversa
com Fernando Manuel e Emídio Beúla, recebe explicações do funcionamento
do jornal dadas por Francisco Carmona, editor executivo e troca impressões
com o editor Fernando Gonçalves. Há nomes sobre os quais já não há pratica-
mente nada a dizer, de tanto que já se disse. Lembro-me que quando o Paulo
Machava era chefe de Redacção do SAVANA, colocou um título a rasgar a
capa “A Joaninha foi chatajada”. A Joaninha era dona de uma barraca ao pé do
jornal SAVANA. Depois suicidou-se, mas a questão não é essa. É que a palavra
chatajada não existe e eu disse isso ao Paulo Machava, porque se o termo é
chantagem, então devia ser chantageada. Ele não gostou, mas o leite já estava
derramado e a vida continua. O Paulo Machava está vivo e aqui está ao lado
de Raul Domingos, outro que também parece que foi chantageado. Paciência.
Para macaco, macaco e meio.
À HORA DO FECHO
www.savana.co.mz 1 de Novembro de 2013 • ANO XX • No 1034

se
IMAGEM DA SEMANA

i z-
Foto Naíta Ussene

...D
se
i z-
D
• O velho/novo ventríloquo presidencial descobriu uma nova mis-
são para as gloriosas: cruzados da Constituição da República. Só
não vemos o mesmo cometimento constitucional no facto dis-
criminatório que para se ser director no Estado é preciso ter o
vermelhinho, para ter acesso à concessão do terminal do carvão
na Beira tem de se ser família do cachimbo, para não falar da
dama que não foi eleita e faz comícios dando orientações sobre
políticas governamentais. Afinal quem é que faz da Constituição
letra morta?

• E por falar da dama, a tal que acharam primeira, como podia ser,
usando a metáfora de Mia Couto, a dama da Beira que quebrou
o silêncio sobre as cumplicidades várias na onda dos raptos, ou os
milhões de damas que se curvam diariamente sobre a terra para
de enxada de cabo curto darem de comer às suas famílias, mas a
dama das televisões prepara-se para atravessar a baía da capital
para ir à Catembe, e como já não é atraente para o novo repórter
oficioso da espectaculosa falar das noites dormidas em palhota,
eis que mãos prestáveis ergueram em tempo record uma casa de
duas divisões para acolher o repouso da líder inconstitucional.
Alguém está a dizer que é inveja …

• Como a mola é que fala, as pressões do nosso kamba Zédu já


começaram a ter efeito na tuga. Para além do séquito de babacas

Milhares de pessoas gritaram abaixo “Governo mudo” entre escribas, académicos e governantes que lhe prestaram vas-
salagem, a instituição homónima do juiz Paulimo na tuga acaba
de arquivar o primeiro processo. Pelo andar da carruagem, está-se
Por Ricardo Mudaukana mesmo a ver que o mesmo pode acontecer também ao vice Vi-

M
cente, o antigo todo poderoso da Sonangol, a companhia visitada
ilhares de pessoas saíram veículo ligeiro, na dianteira da mani- tência da polícia moçambicana em por
esta semana pelo nosso PM, em “troca de experiências” com os
quinta-feira à rua em festação. cobro a essa forma de criminalidade.
Maputo para protestar A “Marcha pela paz e contra os rap- Seis pessoas, incluindo três polícias,
maninhos do Atlântico. Resta saber se é sobre repressão policial
contra a vaga de seques- tos” foi organizada pela LDH, em foram condenadas a 16 anos de pri- e na liberdade de imprensa …
tros que está abalar algumas cidades conjunto com outras organizações da são em conexão com os raptos, sendo
moçambicanas e a ameaça de retorno sociedade civil e confissões religiosas, o primeiro processo com sentença re- • E como há certamente uma conspiração internacional contra o
à guerra no país, seguindo uma mar- numa reacção à onda de raptos e ao lacionado com este tipo de criminali- nosso kamba Zédu, eis que agora rebenta escândalo na pátria dos
cha promovida pela Liga dos Direitos clima de instabilidade político-militar dade. brazucas com exportação de carne para sexo directamente para
Humanos (LDH), que serviu também que Moçambique atravessa. Devido à falta de lei que pune o rap- Luanda. Quem é acusado de envolvimento? Um brada do entre-
para acusar o Governo de estar mudo Em declarações aos jornalistas, a pre- to para resgate em Moçambique, tenimento bem conhecido cá da nossa praça: Bento Kangamba,
e a polícia de corrupção face à crimi- sidente da LDH, Alice Mabota, prin- os autores dos sequestros só podem o sobrinho do mais, mais. O homem vai negando tudo. Mais um
nalidade. cipal mentora do evento, disse que ser punidos por cárcere privado, cuja caso de … inveja.
Ao longo de um percurso de cerca está a realizar um trabalho visando pena vai até dois anos. A sanção é
de 1,5 quilómetro, entre a estátua de denunciar os mandantes da onda de agravada com a cominação de crimes Em voz baixa
Eduardo Mondlane, na avenida com raptos que está a assolar o país. como o roubo, porte ilegal de arma e • Hábitos velhos demoram a cair, se é que alguma vez caem. E lá
o mesmo nome, e a Praça da Inde- associação para delinquir, condutas temos o bom do sheik a cair na armadilha dos frelos que domi-
pendência, os marchantes iam gritan- Saudades do Marechal normais ou mesmo necessárias para a nam a comissão das eleições, alocando a 100% dos anúncios da
do palavras de ordem como “abaixo a A Tim estava a fazer reportagem consumação do rapto. Até ao fecho da instituição ao jornal do banco emissor. Será que o nosso Greens-
polícia corrupta”, “abaixo o Governo com directos, mas outros canais não presente edição o comportamento da pan está assim tão preciso de mola?
mudo”, “abaixo o racismo” e “stop rap- interromperam as suas programações polícia era pacífico. Em Quelimane e
tos”. normais. Pela primeira vez, a Rádio Beira também houve manifestações.
Para cumprir com o objetivo de cha- SAVANA FM fez a transmissão em
mar a atenção sobre as várias formas
de criminalidade que semeiam inse-
directo. O SAVANA apurou que a
Universidade Politécnica encerrou as Rio Tinto aconselha familiares de colaboradores
gurança no país, os protestantes tam-
bém traziam estampados nas camise-
portas para permitir aos estudantes
aderirem à manifestação. Estiveram estrangeiros a deixar Moçambique

O
tes brancas ou vermelhas, distribuídas presentes cerca de 25 mil pessoas e a
para a marcha, dizeres como “abaixo o marcha foi caracterizada por um gran- grupo anglo-australiano Rio política e militar desde a assinatura de maneira apropriada. As operações
racismo” ou “abaixo as violações”, além de civismo. Tinto, que explora carvão na do Acordo Geral de Paz em 1992, há da empresa continuam como plane-
do “abaixo o rapto”, o principal objec- Como forma de mostrar a falta que mina de Benga, no distri- 21 anos, devido a confrontos entre as adas, incluindo a exportação de car-
tivo da iniciativa. faz o modo implacável como Samo- to de Moatize, província de forças governamentais e homens ar- vão”, indicou a fonte na manhã desta
“Pela primeira vez, estamos a marchar ra Machel combatia o crime, muitos Tete, aconselhou, nesta quarta-feira, mados da Renamo. quinta-feira quando abordado pelo
contra o nosso Governo. Temos um marchantes aglomeraram-se à volta familiares dos seus colaboradores “A Rio Tinto confirma que pediu SAVANA.
líder-chefe que deve cuidar de cada da Estátua do primeiro Presidente estrangeiros a regressarem “tempora- as famílias dos seus colaboradores Ao que o jornal apurou várias embai-
um de nós. Não deve existir nenhu- moçambicano.   riamente” aos seus países de origem estrangeiros para regressarem tem- xadas em Maputo preparam-se para
ma diferença no tratamento de cada Dezenas de pessoas foram sequestra- dada a tensão político-militar que porariamente para os seus países de emitir comunicados a aconselharem
moçambicano que nós possamos ser”, das nos últimos dois anos, muitas das se vive em Moçambique, indicou ao origem. A segurança dos colabora- os seus cidadãos a evitarem Moçam-
gritou, para as milhares de pessoas quais acabaram libertadas mediante SAVANA fonte autorizada daquela dores e das suas famílias é prioridade bique dada a escalada de violência
presentes, Mohamed Asif, da organi- o pagamento de elevadas quantias de mineradora. número um e a empresa vai continuar que reina no país.
zação do protesto, no interior de um dinheiro de resgate, perante a impo- Moçambique vive a sua pior crise a acompanhar a situação e responder (Redacção)
EVENTOS
Savana 01-11-2013
EVENTOS

EVENTOS todas as sextas-feiras às 20h:30min com


Fernando Lima e Leonardo Chaúque

Maputo, 1 de Novembro de 2013 • ANO XX • No 1034

Promovidas pelo Millennium bim

São Gabriel vence


olimpíadas bancárias

Por Edson Bernardo

O
Millennium bim mais uma realização de concursos de literacia A grande final foi uma disputada mento para Todos”, local adequado ração de cidadãos instruídos e in-
vez junta-se ao povo mo- financeira e cultura geral. renhida, onde os concorrentes de- ao estudo e investigação, onde os formados sobre temas e conceitos
çambicano com o seu pro- Neste ano, as Olimpíadas Bancá- monstraram a sua capacidade de computadores e os livros oferecidos financeiros que sejam úteis, a estes
jecto de Responsabilidade rias do Millennium bim apuraram aprendizagem, tendo assimilado serão um contributo para o desen- jovens, na gestão do seu dinheiro e
Social “Mais Moçambique pra cerca de 20 concorrentes, dos 400 os conceitos bancários, estudados volvimento intelectual dos alunos. orçamento familiar e que contri-
Mim”. Neste âmbito, promoveu no alunos inscritos na prova, sendo através do manual fornecido para Para além dos prémios oferecidos buam para a sua qualidade e esta-
último dia 26 de Outubro a gran- que estes obtiveram os melhores o efeito, e o seu papel de represen- às Escolas, os alunos premiados re- bilidade de vida”, refere Fernando
de final das Olimpíadas Bancárias resultados, em representação das 10 tante da Escola foi assumido com ceberam também diversos prémios, Camara, do Millennium bim.
Millennium bim 2013, que teve lu- escolas participantes. responsabilidade. entre os quais aberturas de conta no Com esta iniciativa, o Millennium
gar no Auditório do Conselho Mu- São elas a Escola Secundária da A prestação dos alunos da Escola Millennium bim. bim diz estar a reforçar o estatuto
nicipal da Matola – Cinema 700. Liberdade, Escola Secundária de Secundária São Gabriel (Matola) “Este projecto faz parte daquilo de um banco moçambicano e um
Magoanine, Escola Secundária São destacou-se acabando por ser esta que são também as responsabilida- banco socialmente responsável, as-
O projecto que teve início em Gabriel, Escola Secundária Ana a escola vencedora do concurso, des do Millennium bim para com sumindo o compromisso para com
2010 tem como objectivo introdu- Mogas, Escola Secundária São Joa- seguindo-se a Escola Secundária a sociedade moçambicana. Atra- o desenvolvimento da educação do
zir, no quotidiano, os mais novos quim, Escola Secundária Noroeste São Joaquim (Maputo) e a Esco- vés da realização das Olimpíadas país através do investimento em
conceitos bancários e de gestão 2, Escola Secundária Lhanguene la Secundária Lhanguene Piloto Bancárias, o Millennium bim quer iniciativas que dotam os jovens
de finanças pessoais, contribuindo Piloto, Escola Secundária do Am- (Maputo), que ocuparam, respecti- contribuir para uma melhoria dos moçambicanos de informação so-
para a formação de uma nova ge- paro, Escola Secundária Aboobacar vamente, o 2º e 3º lugar na prova. conhecimentos dos jovens estudan- bre a realidade que os rodeia, espe-
ração consciente da importância e Escola Secundária Nelson Man- As grandes premiadas vão benefi- tes na área económica e financeira, cificamente neste caso sobre con-
e do valor do dinheiro, através da dela. ciar de um espaço “Mais Conheci- e consequentemente para uma ge- ceitos bancários.
2
EVENTOS
Savana 01-11-2013
EVENTOS

Samsung é uma das melhores Multichoice-Moçambique


do mundo homenageia vencedores do

O Prémio Jornalismo Africano


13º relatório anual de
Melhores Marcas Globais
da Interbrand anunciou

A
recentemente que a mul-
tinacional Samsung Electronics distribuidora de te- gidas pelo jornalismo e fazer
passou a ocupar a oitava posição levisão por satélite, reportagens de qualidade”.
no índice global de marcas, com DSTV-Moçambi- Foi igualmente laureado para
um valor total de 39.600 milhões que, homenageou, 24 a imprensa escrita, o jornalis-
de dólares norte-americanos. A de Outubro, dois vencedores ta do jornal “O País”, Lázaro
Interbrand é a maior consultora de do Prémio Jornalismo Afri- Mabunda, com a reportagem
marcas do mundo que anualmen- cano da CNN 2013, nome- “Negócio de Luxo”, onde o
te publica o relatório de Melhores adamente Selma Inocência e jornalista aprofunda uma
Marcas Globais com as 100 mar- Lázaro Mabunda. investigação sobre espécies
cas mais valiosas do mundo. Ela de animais ameaçados por
analisa as várias maneiras pelas Com uma reportagem que caçadores furtivos no Parque
quais uma marca atinge e beneficia descreve o conflito homem- Kruguer. Lázaro Mabunda
uma organização, desde a influên- -animal, a apresentadora da disse acreditar que o jorna-
cia sobre os resultados finais até com 20,4% fundamentalmente consistente em todas as nossas ca- televisão Miramar foi lau- lismo e a educação são dois
a satisfação das expectativas dos devido à nossa capacidade de rein- tegorias de produtos digitais”. reada na categoria Notícias factores que impulsionam o
clientes. E para a Samsung, este ventar constantemente as nossas Conforme sublinhou, a Samsung Gerais em Língua Portu- desenvolvimento dum país
notável crescimento nos melho- ofertas de produtos, bem como à continua a focar-se na conectivi- guesa. Segundo a vencedora, ou dum continente. “Ė im-
res rankings de marcas mundiais nossa capacidade de inovar e adap- dade em todo o seu vasto portfólio, o júri considerou o facto de portante que o nosso jorna-
deve-se a sua forte presença não só tar a evolução das necessidades do desde eletrodomésticos, câmaras a repórter ter trazido um re- lismo tenha carácter credível
no continente africano como a ní- mercado global e africano”. digitais e televisores, numa ten- gisto de vítimas e heróis so- e profundo”, disse Mabunda.
vel global, acrescido aos produtos “O mais importante deste cresci- tativa de diferenciar a sua marca, breviventes da morte. Selma Durante a homenagem, Pe-
e soluções inovadores, que contri- mento foi o facto de a Samsung numa época em que os consumi- chamou a atenção aos colegas dro Langa, agente de Rela-
buem para a mudança na indústria ter ocupado o primeiro lugar em dores exigem partilha e acessibili- no sentido de ficarem atentos ções Públicas da Dstv, frisou
electrónica. termos de quota de mercado na dade. aos acontecimentos no nosso que o país faz jornalismo de
venda de smartphones, no mun- “Vamos continuar a trazer o mun- país, bem como no continente qualidade e apelou ainda à
Foi a partir de 2002 que a Sam- do, resultado da oferta de produ- do inteligente da Samsung para africano, “aplicar técnicas exi- participação de mais jor-
sung Electronics começou a subir tos globais e locais, para além das o continente africano, através de
na classificação da melhor marca actividades de marketing com base iniciativas, parcerias e tecnologias nalistas
global da Interbrand, altura em numa visão sobre as necessidades inovadoras especialmente molda- moçam-
que saltou oito lugares, para em do consumidor”, indicou Cliff Do das e preparadas de acordo com bicanos
2011, subir 17 lugares, e 9 lugares Carmo, ajuntando: “reforçamos as características do continente com tra-
Ilec Vilanculo

em 2012. igualmente a nossa posição de li- africano, que não beneficiem ape- balhos de
O representante da Samsung em derança na categoria de televiso- nas a indivíduos, mas também aos qualida-
Moçambique, Cliff Do Carmo, re- res, introduzindo continuamente governos e empresas, criando um de.
feriu, a propósito, “registamos uma produtos inovadores e estrategi- eco-sistema mais inteligente para Israel
das maiores taxas de crescimento camente posicionados de forma todos”, finalizou Cliff Do Carmo. Zefanias

Taibo Bacar nos Tops da MBFW Africa


M
oçambique vai parti- cia de Gauteng, África do Sul.
cipar de 30 de Outu-     A Directora Executiva da AFI,
bro a 02 de Novembro Dra. Precious Moloi-Motsepe,
da Mercedes-Benz disse: “A MBFW Africa é o auge
Fashion Week Africa (MBFW da moda africana: o evento é a pla-
Africa), com a participação inédita taforma através da qual os estilistas
do estilista moçambicano e inter- africanos e a comunidade mundial
nacionalmente conhecido, Taibo encontram-se, na promoção da
Bacar. Taibo que foi vencedor do nossa indústria local. Os estilistas
prémio Estilista do Ano de 2012 africanos já demonstraram a sua
pela Africa Fashion Awards, AFI, excelência em termos de criativi-
de Moçambique, vai mais uma vez dade e estética, O MBFW Africa
representar a bandeira moçam- empenha-se em aumentar a acessi-
bicana num dos mais respeitados bilidade a novos mercados através
projectos de moda africana. Para da exposição regional e interna-
além deste estarão também alguns cional, criando um gosto mundial
nomes conhecidos da moda afri- pela moda concebida em África”,
cana como Mille Collines de Ru-  No decorrer do Fashion Week, a
anda; Mina Evans e Duaba Serwa AFI Também apresentará um ele-
do Gana; Sheria Ngowi e Musta- mento retalhista: A África Fashion
fa Hassanali da Tanzânia; David Trade Expo (AFTE). A AFTE
Tlale, Marianne Fassler e Thula cria uma oportunidade para os es-
Sindi da África do Sul. tilistas fazerem contactos do tipo
Nesta semana de moda da Merce- business-to-business com os média
dez-Benz a African Fashion Inter- e com os compradores, bem como
national (AFI) será anfitriã deste de fazer vendas directas ao público.
evento que irá apresentar colecções O evento final do AFI Fastrack™
de mais de 30 estilistas de 15 países 2013 – a iniciativa de desenvolvi-
africanos em 20 desfiles, na cidade mento da AFI, terá lugar no dia 26
de Tshwane – a Capital Africana de Outubro de 2013, em Joanes-
da Excelência, situada na provín- burgo. Edson Bernardo
Taibo Bacar
EVENTOS
Savana 01-11-2013
EVENTOS
3

Temporada de música clássica Jeito fabricado com


em Maputo melhor tecnologia
Por Nélia Jamaldine Por Redacção

A A
Associação para o de- marca de preser- servativos Jeito em Mo-
senvolvimento Cultural, vativo moçambi- çambique.
Kulungwana, através do cano, Jeito, acaba O processo de produção do
projecto Xiquitsi, está a de anunciar que Jeito integra as melhores
promover desde o dia 29 do mês dispõe da uma mais recen- máquinas e equipamentos
em curso até 3 de Novembro a 3ª te tecnologia industrial na do mundo, investindo na
série de 2013 da Temporada de produção de preservativos.
Música Clássica de Maputo. tecnologia mais avançada,
Trata-se dum projecto que teve na investigação e pesquisa
A marca de preservativos
o seu início em Maio e Agosto contínua
nº 1 no mercado moçam-

Ilec Vilanculo
nas suas primeira e segunda série e no pessoal qualificado,
bicano, com 75% da quota
respectivamente. Nesta terceira com o objectivo de produzir
de mercado, passou a pro-
série, o evento vai contar com preservativos com o mais
duzir os seus preservativos
18 concertos de música nas suas elevado padrão de qualida-
na fábrica onde são feitos os
mais variadas formas e expres- de.
sões entre as quais recitais a solo reunir músicos internacionais e sica Clássica, a decorrer na cidade melhores preservativos do
nacionais de forma a promover das acácias, vai reunir conceitua- mundo, incluindo a conhe- Independentemente da for-
de música da Câmara, Flamenco
um intercâmbio cultural que ao dos nomes nacionais e estran- cida marca Durex. ma, textura, tamanho, cor
cantado e dançado, música mo-
çambicana e Ópera, em que a seu entender é importante assim geiros nomeadamente Kika Ma- Estes são fabricados por ou sabor, a inovação tec-
grande novidade para esta serie é como também criar oportuni- terula, Luís Santana, Xuan Du, especialistas da Tailândia e nológica é agora o grande
o destaque para os instrumentos dade para o público jovem em Annamélia Reis, Ricardo Januá- Índia, com o mais elevado diferencial da marca Jeito,
de corda e poder ouvir os for- particular, conhecer de perto um rio e Carlos Apillaniz. rigor. graças ao novo equipamen-
mandos do Xiquitsi. género musical e instrumentos A terceira temporada irá decor- Conta a estatística que só to utilizado na produção e
Segundo a Directora Artística do menos divulgados em Moçam- rer nos palcos do Teatro Avenida, em 2013 foram vendidos na verificação de qualidade
Projecto Xiquitsi, Eldevina Ma- bique. Centro Cultural Ntsindya e no cerca de 20 milhões de pre- dos preservativos.
terula (Kika), este projecto visa Referir que a temporada de Mú- Hotel Indy Villa.
4
EVENTOS
Savana 01-11-2013
EVENTOS

Rui Veloso pela quinta vez em “Mamanas Show”


Moçambique em Xipamanine
E O
le prometeu e deu o show parque de Estacio- outros.
que os fãs tantos espera- namento do Mer- Neste projecto a respon-
vam. Rui veloso foi atrac- cado Xipamanine, sabilidade social é está em
ção principal no entreteni- no bairro do mesmo destaque, daí conhecendo as
mento da capital moçambicana nome vai acolher, neste sá- necessidades reais dos mer-
na semana passada com dois con- bado, o projecto Mamanas cados e das Mamanas de
certos inéditos, onde o seu públi- Show 2013, um evento cen- iremos
co fã se fez presente em massa. O tralizado nos mercados tra- Outro destaque do projec-
rock n’ roll português foi o prato dicionais de Maputo dando to que tem como principais
escolhido por Rui Veloso e sua a conhecer as vidas, as his- parceiros a Vodacom M-
banda para oferecer duas noites tórias e as personalidades -pesa, DKT - Intimo, Benny,
distintas aos seus fãs. mais carismáticas das mães o Conselho Municipal de
residentes na cidade de Ma- Maputo, a Autoridade Tri-
O músico interpretou vários te- puto. butária de Moçambique,
mas, dentre novos e antigos, in- o Ministério do Trabalho
cluindo os de maior êxito da sua A iniciativa pretende esco- e outros, é a promoção de
carreira com total de 14 álbuns lher a mãe do ano da cidade iniciativas de  angariação
editados, encantando o públi- de Maputo, com base nos de fundos, valores que serão
Rui Veloso revertidos em projectos de
co com um show caracterizado seus talentos artísticos e de
pela fusão de diversos ritmos os espectadores fizeram ques- uma marca constante desta gran- venda, simpatia, e persona- melhoria nas infra-estrutu-
europeus e africanos e arran- tão de cantar em coro afinado.  de empresa de telefonia móvel”.  .    lidade. ras dos mercados.
cando fortes aplausos da plateia. Zófimo Muiuane, representante Os espectadores que se fizeram As vencedoras irão benefi- Para este sábado, o even-
Um dos momentos mais al- da mCel, referiu que os espec- presentes aos concertos aplaudiram ciar de prémios que vão des- to conta a participação dos
tos do concerto, cujas honras da táculos de Rui Veloso “consti- o regresso da estrela portuguesa a de talhões para a construção músicos Neyma, Mr. Bow;
casa ficaram a cargo do jovem tuem mais uma realização da Moçambique pela quinta vez e não de residências, crédito M- Castelo Tofo Tofo, Helena
músico moçambicano Sérgio mCel, no que concerne ao di- só, aplaudiram igualmente o seu -pesa, formação profissional, Nhantumbo e vários outros
Muiambo, foi a actuação da mú- versificado programa do Verão talento que ainda faz parte da sua material de construção, entre que irão animar o dia.
sica “O prometido é devido”, que Amarelo, que já é considerado maior paixão como pessoa.