Você está na página 1de 8

Fluxo de água nos solos

O

estudo de fluxo

de água

nos

solos

é

de

vital importância para o

engenheiro, pois a água ao se mover no interior de um maciço de solo exerce em

suas partículas sólidas forças que influenciam o estado de tensão do maciço.

Os valores de pressão neutra e como isso os valores de tensão efetiva em cada ponto do maciço são alterados em decorrência de alterações de regime de fluxo. De uma forma geral, os conceitos de fluxo de água nos solos são aplicados nos seguintes problemas:

Fluxo de água nos solos O estudo de fluxo de água nos solos é de vital
 

O

estudo dos fenômenos de fluxo

de

água em

solos

se apóia

em três

pilares:

 

Conservação da energia (Bernoulli);

 

Permeabilidade dos solos (Lei de Darcy);

Conservação da massa.

Alguns conceitos sobre os dois primeiros pontos são aqui abordados:

Conservação da energia (Bernoulli)

A água ocupa a maior parte ou a totalidade dos vazios do solo e quando submetidas a diferenças de potenciais, ela se desloca no seu interior. A água pode atuar sobre elementos de contenção, obras de terra, estruturas hidráulicas e pavimentos, gerando condições desfavoráveis à segurança e à performance destes elementos.

O

conceito de energia total de um fluido, formulado por Bernoulli, é

apresentado nas disciplinas de Fenômenos dos Transportes e Mecânica dos Fluidos. A equação 1.1 apresenta a proposta de Bernoulli para representar a energia total ou carga total em um ponto do fluido, expressa em termos de energia/peso.

O conceito de energia total de um fluido, formulado por Bernoulli, é apresentado nas disciplinas de

Para a maioria dos problemas envolvendo fluxo de água nos solos, a parcela referente à energia cinética pode ser desprezada. Logo a equação toma a seguinte forma:

O conceito de energia total de um fluido, formulado por Bernoulli, é apresentado nas disciplinas de

A pressão neutra no ponto é a carga piezométrica, expressa em altura de

coluna d’água.

Para que haja fluxo de água entre dois pontos é necessário que a energia total em cada ponto seja diferente. A água fluirá sempre de um ponto de maior energia para o ponto de menor energia total.

Chama-se de velocidade de percolação (vp), a velocidade com que a água escoa nos vazios do

Chama-se de velocidade de percolação (vp), a velocidade com que a água escoa nos vazios do solo. Considera-se a área efetiva de escoamento ou área de vazios (Av).

vP = kP . i Obs: A existência do gradiente hidráulico fará com que haja percolação.

Validade da Lei de Darcy

A lei de Darcy é válida para um escoamento “laminar”, tal como é possível e

deve ser considerado o escoamento na maioria dos solos naturais.

Um escoamento se define como laminar quando as trajetórias das partículas d’água não se cortam; em caso contrário, denomina-se turbulento.

Coeficiente de permeabilidade

O valor de k é comumente expresso como um produto de um número por uma potência negativa de 10. Exemplo: k = 1,3 x 10-8 cm/seg, valor este, aliás, característico de solos considerados como impermeáveis para todos os problemas práticos.

Na Figura 1.4 apresentamos, segundo A. Casagrande e R. E. Fadum, os

intervalos de variação de k para os diferentes tipos segundo Casagrande. de solos e na Tabela
intervalos de variação de k para os diferentes tipos
segundo Casagrande.
de
solos e
na Tabela 1.1,

É interessante notar que os solos finos, embora possuam índices de vazios geralmente superiores àqueles alcançados pelos solos grossos, apresentam valores de coeficientes de permeabilidade bastante inferiores a estes.

Fatores que influem na permeabilidade

A permeabilidade é uma das propriedades do solo com maior faixa de variação de valores e é função de diversos fatores, dentre os quais podemos citar o índice de vazios, temperatura, estrutura do solo, grau de saturação e estratificação do terreno.

Índice de vazios:

A equação de Taylor correlaciona o coeficiente de permeabilidade com o índice de vazios do solo. Quanto mais fofo o solo, mais permeável ele é. Conhecido o k para um certo tipo de solo, pode-se calcular o k para o outro solo pela proporcionalidade da equação apresentada (mais utilizada para areias).

Fatores que influem na permeabilidade A permeabilidade é uma das propriedades do solo com maior faixa

Temperatura:

Quanto maior for a temperatura, menor a viscosidade da água e, portanto, mais facilmente ela escoa pelos vazios do solo com correspondente aumento do coeficiente de permeabilidade. Logo, k é inversamente proporcional à viscosidade da água. Por isso, os valores de k são referidos à temperatura de 200 C, o que se faz pela seguinte relação:

 Estrutura do solo: A combinação de forças de atração e repulsão entre as partículas resulta

Estrutura do solo:

A combinação de forças de atração e repulsão entre as partículas resulta a estruturas dos solos, que se refere à disposição das partículas na massa de solo e as forças entre elas. A amostra com estrutura dispersa terá uma permeabilidade menor que a floculada.

Grau de saturação:

O coeficiente de permeabilidade de um solo não saturado é menor do que o que ele apresentaria se estivesse totalmente saturado. Essa diferença não pode, entretanto ser atribuída exclusivamente ao menor índice de vazios disponível, pois as bolhas de ar existentes, contidas pela tensão superficial da água, são um obstáculo para o fluxo. Entretanto, essa diferença não é muito grande.

Estratificação do terreno:

Em virtude da estratificação do solo, os valores de k são diferentes nas direções horizontal e vertical, como mostra a Figura 1.6. Chamando-se de

k1, k2, k3, e1, e2, e3,

os coeficientes de permeabilidade das diferentes camadas e de respectivamente as suas espessuras, deduzamos as fórmulas

...

... dos valores médios de k nas direções paralela e perpendicular aos planos de

estratificação. A permeabilidade média do maciço depende da direção do fluxo em relação à orientação das camadas.

estratificação. A permeabilidade média do maciço depende da direção do fluxo em relação à orientação das