Você está na página 1de 7

O Ateneu: Resumo Por Capítulo

Paráfrase da obra O Ateneude Raul Pompéia, por Bruno Alves

Todos os direitos reservados. © 2012-2017 ResumoPorCapítulo.com.br

, por Bruno Alves Todos os direitos reservados. © 2012-2017 ResumoPorCapítulo.com.br contato@resumoporcapitulo.com.br

PARA ENTENDER A OBRA

ÍNDICE

2

Capítulo 1

2

Capítulo 2

3

Capítulo 3

4

Capítulo 4

4

Capítulo 5

Erro! Indicador não definido.

Capítulo 6

Erro! Indicador não definido.

Capítulo 7

Erro! Indicador não definido.

Capítulo 8

Erro! Indicador não definido.

Capítulo 9

Erro! Indicador não definido.

Capítulo 10

Erro! Indicador não definido.

Capítulo 11

Erro! Indicador não definido.

Capítulo 12

Erro! Indicador não definido.

QUESTÕES DE VESTIBULAR

Erro! Indicador não definido.

O ATENEU: RESUMO POR CAPÍTULO

PARA ENTENDER A OBRA

Publicado na forma de folhetim, em 1888, O Ateneu é um dos mais importantes exemplares do Realismo brasileiro e a principal obra de Raul Pompéia. De cunho autobiográfico, o texto remete à formação do narrador em um colégio interno, expondo as incoerências morais da sociedade brasileira do final do século XIX sob o olhar da criança que sai do aconchego doméstico e é entregue ao “mundo”, que é representado pelo próprio Ateneu.

Este resumo destina-se a contar o livro em uma linguagem mais acessível e concisa, sem deixar de lado os episódios que sustentam a obra como um todo e explicando alguns pontos que podem não ficar claros apenas com a leitura do texto original. Em alguns casos, para explanações mais completas sobre fatos históricos e expressões da época, há links que podem ser acessados diretamente no texto.

Caso restem dúvidas quanto à obra ou ao próprio resumo, entre em contato pelo site

para

contato@resumoporcapitulo.com.br. Teremos prazer em ajudar! Boa leitura!

ou

envie

um

e-mail

Capítulo 1

O narrador relata momento de sua vida em que entra no internato “Ateneu”, um dos mais famosos da época, comandado pelo famoso pedagogo Dr. Aristarco Argolo de Ramos, autor de inúmeros livros didáticos que eram distribuídos pelos colégios públicos de todo o império.

Essa passagem marcaria o fim das ilusões infantis, alimentadas pelo ambiente doméstico cercado de amor, e o encontro com “o mundo”. Aos onze anos, Sérgio experimentara alguns meses uma escola familiar, da qual se lembra somente do lanche servido ao meio-dia e das características de alguns colegas, e também tivera aulas em domicílio. A vida no internato era encarada como uma evolução, sua transformação em “homem”.

Antes de ser matriculado no Ateneu, Sérgio visitara a instituição algumas vezes. Numa

delas, uma festa de encerramento de trabalhos, houve a presença do ministro do império

e um inflamado discurso do professor Venâncio, que exaltava Aristarco como uma

criatura inferior somente a Deus. Outra ocasião fora a festa de educação física, na qual houve grandes demonstrações da força física e da desenvolvida habilidade motora dos internos.

A ocasião da matrícula de Sérgio se deu na própria casa de Aristarco, cuja figura mais

humana causou uma impressão conflitante com a imagem de superioridade que havia sido alimentada até então. O pedagogo censurou os cachinhos de cabelo do futuro estudante, informando que seria necessário cortá-los. Sua esposa, Dona Ema, agradou

ao garoto, comentando que poderia entregar os cabelos à sua mãe. Aristarco estendia

O ATENEU: RESUMO POR CAPÍTULO

com autoridade sua narrativa que unia seu passado ilustre, responsável pela formação de jovens que se tornaram influentes no Estado, e sua visão de futuro que contava com reformulações educacionais que transformariam a sociedade.

Capítulo 2

No dia 15 de fevereiro Sérgio apresentou-se para o início das aulas. Aristarco, que se dividia entre as posturas de administrador e educador, adotou esta última para recebê-lo, junto de seu pai, apresentar as instalações e regras do local, sempre enfatizando o árduo trabalho que realizava no combate das imoralidades.

Com natural timidez, Sérgio foi apresentado por João Numa, inspetor de alunos, a alguns colegas. Em seguida dirigiu-se à sala do Professor Mânlio, com quem teria as aulas de primeiras letras, e que o recomendou ao seu discípulo mais sério, Rebelo, muito compenetrado nos estudos. Há uma breve descrição de outros colegas de sala, que serão citados conforme surgirem no enredo.

Na primeira vez em que Sérgio é chamado à frente da sala, a ansiedade da situação domina seu corpo e ele desmaia, acordando somente na rouparia, onde fora acompanhado por Rebelo. Num momento de solidão o calouro apanhou um folheto que havia sobre uma mesa e se surpreendeu com ilustrações indecentes de frades despidos tocando-se. O roupeiro, ao perceber o que ocorria, arrancou o livrinho de sua mão dizendo que aquilo não era para crianças.

Recuperado, Sérgio caminhou pelo pátio com Rebelo, que o alertou sobre os perigos que guardava a vida no internato: garotos perversos, mentirosos, traidores, hipócritas Era necessário ser forte, independente, fazer-se homem. No caminho um garoto gorducho puxou a blusa de Sérgio, rindo sarcasticamente, ao que ele revidou atirando- lhe um pedaço de telha. Rebelo, após elogiar a rápida vingança do amigo, identificou o garoto zombeteiro, Barbalho, como um futuro marginal.

De volta à sala de aula Sérgio foi recebido com carinho pelos colegas, exceto Barbalho, e pelo professor.

No intervalo, sem a companhia de Rebelo, o novato procurou chamar o mínimo de atenção possível e tentou conversar com Franco, um garoto que estava sempre de castigo. Perguntado sobre qual teria sido sua falta, o menino disse que nem sabia o motivo. Franco, que sempre apresentava um mal desempenho nos estudos, era desprezado e vitimado pelos professores diariamente.

Por várias vezes barbalho caçoou de Sérgio, que acabou partindo para uma briga, numa oportunidade em que não eram vistos por nenhum adulto, da qual saiu com onariz sangrando.

O ATENEU: RESUMO POR CAPÍTULO

À noite Sérgio refletia, deitado no dormitório, sobre as várias divergências encontradas

entre suas expectativas e a realidade do internato, a solidão e a falta da segurança familiar. Seu sono foi rondado por pesadelos em que era atormentado por Barbalho, pelas figuras dos frades indecentes e pela deprimente realidade de Franco, à qual ele experimentava como sua.

Capítulo 3

No primeiro dia na “natação”, como era chamado o banheiro no qual havia um tanque em que os garotos lavavam-se juntos, Sérgio foi puxado pelos tornozelos e quase se afogou, sendo “salvo” por Sanches, um rapaz cuja fisionomia a princípio o havia repugnado, mas que desde então se tornou seu companheiro constante. Mais tarde haveria motivos para acreditar que havia sido o mesmo Sanches que lhe derrubara.

Sanches era um dos garotos escolhidos, por ordem aristocrática, como “vigilante”, responsável por averiguar a conduta de seus companheiros, auxiliando na manutenção

da ordem do internato. Sua companhia, portanto, trazia benefícios a Sérgio, que também

teve seu apoio na introdução às diversas matérias escolares. Por conta disso e de um incômodo mau hálito, Rebelo fora deixado de lado pelo calouro.

Após meses de contato direto com Sanches, reavivou-se em Sérgio a impressão inicial que tinha em relação ao colega: o hábito de Sanches manter um contato físico intenso quando estavam juntos já era desagradável, mas revelou-se constrangedor quando o menino fez uma proposta de maior intimidade a Sérgio, que riu e abismou-se da ideia.

A relação entre os amigos perdurou por algum tempo, com Sanches apresentando a

Sérgio um novo mundo de conceitos e palavras que desafiavam conceitos religiosos mais tradicionais. Certa vez, porém, o veterano voltou a se colocar como pretendente de uma relação mais íntima, causando extrema repulsa em Sérgio, que se afastou

definitivamente do preceptor.

Para compensar o vazio deixado pelo fim da primeira amizade, Sérgio apegou-se às aulas de astronomia, ministradas pelo próprio Aristarco.

Capítulo 4

Com o afastamento de Sanches, Sérgio entrou num período de descrédito escolar que logo resultou em más notas e repreensões de Aristarco. Por outro lado ele encontrava na religiosidade um apoio para este período em que recusou a companhia de qualquer colega. Invejava somente o aluno Ribas, menino que possuía uma voz celestial, admirada pelo próprio diretor.

Franco continuava sendo alvo das maiores punições do colégio, motivadas por consideráveis acusações: certa vez fora pego prestes a urinar no poço cuja água se usava

O ATENEU: RESUMO POR CAPÍTULO

para lavar os pratos. Atraído pelas desventuras do colega, Sérgio aproximou-se do malfeitor, sentindo certa identificação com ele.

Como vingança pelos recentes castigos, Franco decidiu ir escondido à “natação” e jogar cacos de vidro na água. Perturbado por ser cúmplice de tamanha maldade, Sérgio passou a noite na capela, rezando por uma solução que não ferisse seus colegas, nem incriminasse Franco. Despertado na manhã seguinte, tido como sonâmbulo, Sérgio alegrou-se ao saber que o banho do dia tinha sido realizado em outro local, com a água da chuva, e alertou o inspetor sobre uma garrafa que teria deixado cair na “natação”. Era a providência divina!

Acompanhando Franco em suas punições, certa vez, Sérgio surpreendeu-se ao perceber que o amigo alisava sua mão. Assim como havia feito com Sanches, o menino fugiu imediatamente do contato com mais um pervertido.

Incomodado por não conseguir se identificar com nenhum dos exemplos de comportamento que encontrava em seus companheiros de escola, Sérgio concluiu que o que lhe restava era ser completamente independente.

Acesse o resumo online completo em:

Adquira o PDF completo em: