Você está na página 1de 5

1 PROGRESSÃO ARITMÉTICA

Uma progressão aritmética (P.A.) é uma se- Já o 6 e o 14 estão distantes do 10 por duas
quência numérica em que cada termo, a par- posições, entretanto 6 + 14 ainda é igual a 20.
tir do segundo, é igual à soma do termo ante-
rior com uma constante r. Essa constante é A verdade é que se tomarmos qualquer
chamada de razão da P.A. termo desta sequência chegaremos a mesma
conclusão.
Exemplos:
"Numa P.A. a soma de dois termos
(1, 4, 7, 10, 13, ...) é uma P.A. com razão (difer- equidistantes a um terceiro termo (qualquer
ença entre números consecutivos) igual a 3. É termo) é uma constante"
também uma P.A. crescente, pois r > 0.
1.4 Fórmula do Termo Geral de Uma
(-2, -4, -6, -8, -10, ...) é uma P.A. com r = −2.
P.A.
É também uma P.A. decrescente, pois r < 0.

(6, 6, 6, 6, 6, ...) é uma P.A. com r = 0. Esse O enésimo termo de uma P.A., representado
tipo de P.A. é chamada de constante, pois r = 1. por an , pode ser obtido por meio da formula:

1.1 Média Aritmética e P.A. an = a1 + (n − 1)r

Numa progressão aritmética, a partir do se-


gundo termo, qualquer termo (an ) da sequência Exemplo 1: Numa P.A. de 7 termos, o
é a média aritmética entre o termo antecessor primeiro deles é 6, o segundo é 10. Escreva to-
(an−1 ) e sucessor (an+1 ) a ele, matematicamente. dos os termos dessa P.A..

an−1 + an+1 Solução:


an = para n > 1
2
Na sequência (1, 4, 7, 10, 13,...), por exemplo, Como a2 = 10 e a1 = 6 então:
4 é a média de 1 e 7. Sete é a média de 4 e 10.
Dez a média de 7 e 13 e assim por diante. an = a1 + (n − 1)r

⇒ a2 = a1 + (2 − 1)r
1.2 Termo Central
⇒ 10 = 6 + r
Numa P.A. finita com número ímpar de ter- ⇒r=4
mos o termo central (aquele que ocupa a
posição de centro) da sequência é igual a média
aritmética dos termos a1 e an . Logo a sequência deve ser: (6, 10, 14, 18, 22,
26, 30).
Exemplos:

(4, 7, 10, 13, 16, 19, 22) ⇒ (22 + 4)/2 = 13 Exemplo 2: Numa P.A. de 5 termos, o último
deles é 201 e o penúltimo é 187. Escreva todos
1.3 Termos Equidistantes os termos dessa P.A..

Resp: (145, 159, 173, 187, 201).


Numa progressão aritmética a soma de dois
termos equidistantes de um terceiro termo
(qualquer termo) têm o mesmo valor. Por exem- Exemplo 3: Numa P.A. de 8 termos, o 3◦ termo
plo, tome sequência (2, 4, 6, 8, 10, 12, 14) e o é 26 e a razão é -3. Escreva todos os termos
termo a5 = 10. dessa P.A..
Tanto 8 como o 12 estão distantes de 10 uma
posição e 8 + 12 = 20. Resp: (32, 29, 26, 23, 20, 17, 14, 11).

1
Exemplo 4: Determinar o 21◦ termo da P.A. (9, mas como x deve ser negativo então a solução
13, 17, 21,...). que desejamos é x = −1.

Resp: 89 Neste caso a sequência pode ser escrita


como:

Exemplo 5: Determinar o número de termos (−x2 − 6, x, 9, ...) = (−7, −1, 9, ...)


da P.A. (4,7,10,...,136). De onde retiramos a razão q = 9 − (−1) = 10.
Com esses dados finalmente podemos en-
Solução: contrar a5 .

Para encontrar a razão da P.A. basta sub- a5 = a1 + (n − 1)r


trair de um elemento (qualquer um) da sequên- a5 = −7 + (5 − 1)10
cia o seu antecessor, por exemplo, a2 − a1 = 3. a5 = −7 + 40
Assim, r = 3. a5 = 33

Como an = 136, a1 = 4 e r = 3 então:


Resp. Letra C.
an = a1 + (n − 1)r
136 = 4 + (n − 1)3 1.5 Formula da Soma dos n Primeiros
Termos de Uma P.A.
136 − 4 = 3(n − 1)
132 = 3n − 3
Sendo Sn a soma dos n primeiros termos da
132 + 3
n= P.A. (a1 , a2 , a3 , ..., an , ...) de razão r, então:
3
n = 45 (a1 + an )n
Sn =
2
Onde:
Exemplo 6: (UFES-TÉCNICO EM CONTABILI-
DADE-UFES-2015) O primeiro, segundo e ter- a1 é o primeiro termo da sequência.
ceiro termos de uma progressão aritmética são an é o último termo da sequência.
−x2 − 6, x e 9, respectivamente, sendo x um n o número de termos.
número negativo. O quinto termo da progressão
aritmética é igual a:
(A) 20 (B) 27 (C) 33 (D) 41 (E) 42 Exemplo 7: Calcular a soma dos 30
primeiros termos da P.A. (4,9,14,19,...).
Solução:
Solução:
Se subtrairmos de qualquer termo da se-
quência seu antecessor obteremos a razão da Primeiro descobrimos a razão.
P.A., portanto:
r =9−4
x − (−x2 − 6) = r r=5

e também Agora, qual o trigésimo termo.

9−x=r an = a1 + (n − 1)r
a30 = 4 + (30 − 1)5
sendo assim: a30 = 149
x − (−x2 − 6) = 9 − x E finalmente a soma.
2
⇒x+x +6=9−x (a1 + an )n
Sn =
⇒ x2 + 2x − 3 = 0 2
⇒ (x − 3)(x + 1) = 0 (4 + 149)30
S30 =
2
Note que a equação acima possui duas
soluções uma para x = 3 e outra para x = −1, S30 = 2.295

2
1.6 P.A. de Segunda Ordem pn = p1 + Sn−1

Assim, para n = 1 teremos


Observe a sequência (2, 7, 14, 23, 34,...) e
tente encontrar a sua razão. p101 = p1 + S101−1
⇒ p101 = p1 + S100
Se você procurou pela razão da sequência
acima deve ter descoberto que ela não era uma Como S100 = 5050 então
P.A., entretanto dessa sequência podemos con-
struir P.A. de razão 2 subtraindo de cada termo p101 = p1 + 5050
o seu anterior veja:
e como o primeiro termo da sequência (p1 ) é
(7-2, 14-7, 23-14, 34-23,...) = (5, 7, 9, 11,...) 1
Sempre que de uma sequência pudermos p101 = 1 + 5050
determinar uma P.A. subtraindo de cada termo ⇒ p101 = 5051
(a partir do segundo) o termo anterior en-
tão podemos chamar essa sequência de pro- Ou seja, o centésimo primeiro termo da se-
gressão aritmética de 2◦ ordem. quência é 5051.

Para determinar o enésimo termo (pn ) de


uma P.A. de 2◦ ordem temos que encontrar
primeiro a P.A. de 1◦ ordem a ela associada e
nos valer da seguinte igualdade:

pn = p1 + Sn−1
Onde:
pn é o enésimo termo da progressão.
p1 é o 1◦ termo da progressão.
Sn−1 é a soma dos n − 1 termos da P.A. de 1◦
ordem.

Exemplo 8: Qual o centésimo primeiro termo


da sequência (1, 2, 4, 7, 11, 16,...).

Solução:

Subtraindo cada termo da sequência pelo


seu antecessor determinamos a seguinte P.A.

(2-1, 4-2, 7-4, 11-7, 16-11,...)


= (1, 2, 3, 4, 15,...)

O centésimo termo dessa P.A. é 100.

an = a1 + (n − 1)r
a100 = 1 + (100 − 1)1
a100 = 100

Logo a soma dos 100 primeiros termos


dessa P.A. é 5050.
(1 + 100)100
S100 =
2
S100 = 5.050

Usando a fórmula o centésimo primeiro


termo da sequência é expresso por:

3
2 PROGRESSÃO GEOMÉTRICA q 9 = 328−10

9
q = 318

Denominamos de progressão geométrica,


ou simplesmente P.G., a toda sequência de
Exemplo 2: (MGS- NÍVEL MÉDIO-IBFC-2015)
números não nulos em que cada um deles, mul-
As razões entre a progressão aritmética (3,7,...)
tiplicado por um número fixo, resulta no pró-
e a progressão geométrica cujo primeiro termo
ximo número da sequência. Esse número fixo é
é 5 são iguais. Desse modo, o quinto termo da
chamado de razão da progressão e os números
progressão geométrica é igual a:
da sequência recebem o nome de termos da
progressão. (A) 320 (B) 80 (C) 1280 (D) 2560

Exemplos: Solução:
(8, 16, 32, 64, 128, 256, 512, 1024) é uma A razão da P.A. é r = 7 − 3 = 4 e também é a
P.G. de 8 termos, com razão q = 168 = 2. É razão da P.G.. Como an = a1 × q n−1 então:
também uma P.G. crescente, pois cada termo é
maior que o anterior. a5 = a1 × q 5−1
a5 = 5 × 44
(-72, 24, -8, ...) é uma P.G. infinita, com razão a5 = 1.280
q = 24/(−72) = −1/3. É também uma P.G. alter-
nada, pois cada termo têm sinal contrário ao an- Resp. Letra C.
terior.

(5, 5, 5, ..., 5, 5) é uma P.G. finita, com razão 2.2 Média Geométrica e P.G.
q = 1 (é também uma P.A. de razão r = 0). É tam-
bém uma P.G. contante, pois cada termo é igual
Numa P.G. o valor de cada termo, a partir do
ao anterior.
segundo, é a media geométrica do termo ante-
rior e do posterior, isto é:
(0, 0, 0, ...) é uma P.G. infinita de razão inde-
terminada (é também uma P.A. de razão r = 0). p
an = an−1 × an+1
(6, 0, 0, 0, ...) é uma P.G. infinita, com razão
q = 0 e constante a partir do segundo termo.
Exemplo 3: Determine a razão da P.G. (x − 2,
x + 2, x − 1).
2.1 Fórmula do Termo Geral de uma
Progressão Geométrica Solução:

O enésimo termo de uma P.G., representado por Como x + 2 é a média geométrica de x − 1 e


an , pode ser obtido por meio da formula: x − 2 então:

an = a1 × q n−1
p
x+2= (x − 2)(x − 1)
Onde q é a razão da sequência. 2
⇒ x2 − 3x + 2 ⇒ x = − .
7
 
16 12 9
Exemplo 1: Determinar a razão da P.G. tal Portanto, a sequência é − , ,− ea
1 1 7 7 7
que a1 = 28 e a10 = 10 . 12
3 3
3
razão é r = 7 = − .
Solução: 16 4

7
an = a1 × q n−1
a10 = a1 × q 10−1 2.3 Termo Central
1 1
= 28 × q 9
310 3 Numa P.G. finita com número impares de ter-
328 mos o termo central é a média geométrica do
= q9 primeiro com o último termo.
310

4
Exemplo: soma dos três primeiros termos da progressão
geométrica é igual a 7. O quinto termo da pro-
Na P.G. (8, 16, 32, 64, 128, 256, 512) pode- gressão geométrica é igual a
mos
√ obter o termo central (que é 64) fazendo
(A) 93 (B) -21 (C) -42 (D) -12 (E) 81
8 × 512

Solução:
2.4 Termos Equidistantes
a1 (q n − 1)
Sn =
q−1
Dada uma P.G. (a1 , a2 , ...) então
a1 (q 3 − 1)
⇒ S3 =
q−1
p
an = an−1 × an+1 com n > 1 1(q 3 − 1)
⇒7=
q−1
Em outras palavras, qualquer termo a partir ⇒ 7(q − 1) = q 3 − 1
do primeiro é a média geométrica do dois ter-
mos adjacentes. Esse resultado é similar ao que ⇒ q 3 − 7q + 6 = 0
ocorre com as P.A.
Obviamente uma das raízes é 1 o que quer
dizer que podemos fatorar essa equação por
2.5 Fórmula da Soma dos n Primeiros q − 1.
Termos da P.G. Finita q 3 − 7q + 6 = (q − 1)(q 2 + q − 6) = 0

Em toda P.G. finita de razão q, a soma dos n e como q 2 + q − 6 = (q + 3)(q − 2) então:


primeiros termos é dada por
q 3 − 7q + 6 = (q − 1)(q + 3)(q − 2) = 0
a1 (q n − 1)
Sn = para q 6= 1 O que implica em q = 1, q = 2 ou q = −3, mas
q−1
como q < 0 então o valor que procuramos é -3.
Sn = n × a1 para q = 1
Assim, usando an = a1 × q n−1 chegamos a
solução.
Exemplo 4: Calcular a soma dos 10
a5 = a1 × q 5−1
primeiros termos da P.G. (3, 6, 12,...).
⇒ a5 = 1 × −34
Solução: ⇒ a5 = 81
6
A razão da P.G. é = 2 então:
3 2.6 Fórmula da Soma dos n Primeiros
Termos da P.G. Infinita
3(210 − 1)
Sn =
2−1
Sn = 3.069 Dada uma P.G. infinita cuja razão q pertença
ao intervalo aberto (−1, 1) então a soma de to-
dos os seus termos é dado por
Exemplo 5: (UFES-ENGENHEIRO CIVIL-UFES-
2015) Uma progressão geométrica tem o a1
primeiro termo igual a 1 e razão negativa. A Sn =
1−q

Diego Oliveira | www.number.890m.com