Você está na página 1de 11

N° 001-2017

COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017


Revisão 0
Folha 1 de 11

1. OBJETIVO

Divulgar todas as alterações na Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e


Emprego, NR-13 que foi alterada pela portaria n° 1.084 de 28 de setembro do 2017,
publicada no Diário Oficial da União n° 188 páginas 94 à 99 em 29 de setembro de 2017.
http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=29/09/2017&jornal=1&pa
gina=94&totalArquivos=216

Todas as alterações passam a vigorar em 29 de dezembro do 2017, 90 dias após a


publicação do D.O.U n° 188.

2. PRINCIPAIS ALTERAÇÕES

 As pressões em kpa (quilo pascal) são admitidas em módulos matemáticos que


considera o resultado obtido até sua origem, ou seja, não considera resultados
negativos.

 As atividades de inspeção e manutenção tem agora a atenção de um PH (Profissional


Habilitado) aos equipamentos que são dispensados dos requisitos da NR-13.

 Equipamentos que operem apenas na condição de vácuo à < 5kpa (0,05kgf/cm²) são
dispensados, caso haja variação na pressão operacional ≥ 5kpa, a dispensa é
cancelada.

 Dispensados os recipientes de GLP com capacidade menor que 500 litros do volume
interno, que para ser calculado devem-se verificar as espessuras por END-ME em
pontos específicos, principalmente onde houve conformação do material no caso de
vasos usados, nos novos os desenhos de projeto já detalham este item.

 É mantido o texto onde os RGI´s são definidos como qualquer item da norma que
possa causar acidentes ou doença relacionada ao trabalho com lesão grave a
integridade física do trabalhador, e descreve detalhadamente os dispositivos de
segurança que são exigidos. No caso de vasos além das PSV´s os manômetros,
DCBI´s e meios de proteção para os mesmos, para vasos que operam a vácuo (nestes
é prevista a variações de pressão acima de 0,05kgf/cm²) além da PSV a válvula
N° 001-2017
COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017
Revisão 0
Folha 2 de 11
quebra-vácuo também é exigida, em caldeiras, a ausência das PSV´s, manômetros,
sistema controlador de nível com intertravamento e sistema independente de
alimentação também são considerados RGI´s.

 Proibição da fabricação, importação, comercialização, leilão, locação, cessão a


qualquer título, exposição e utilização de caldeiras e vasos de pressão sem a
declaração do respectivo código de projeto em seu prontuário e sua indicação na placa
de identificação.

 Só há 2 Categorias para caldeiras na nova revisão da NR-13 2017, A ( alta e média) e


B(média e baixa).

 O documento “projeto de instalação” não é mais exigido para vasos de pressão.

 Vasos de pressão que foram construídos sem norma de projeto e operam, devem ter
sua PMTA estabelecida com o dados operacionais pelo PH, inspeções periódicas
externas a cada ano e interna a cada 3 até a sua adequação definitiva, além destas
ações deve-se elaborar um plano de ação para que um inspeção extraordinária
especial seja executada num prazo máximo de 60 meses a partir da primeira inspeção
periódica

 As técnicas INI (inspeções não intrusivas) podem ser usadas em vasos categorias 3, 4
e 5 e caldeiras em todas as categorias, sem a necessidade do atendimento dos
requisitos do item 13.5.4.7 da NR-13, que determina INI em vasos categorias 1 e 2
onde houver SPIE (serviço próprio de inspeções de equipamentos) certificado.

 Obrigatoriedade do registro fotográfico das inspeções conforme abaixo:


Caldeiras – Registro do exame interno;
Vasos – Registros das anomalias detectadas no exame interno;
Tubulações – Registro das anomalias detectadas no exame externo.

Alexsandro Lima Dias


Especialista em Inspeções e C.Q.
CREA-AL 021432426-5
Esp. INMETRO OIA END 23801
SNQC IS 1736 / SNQC END 3701
N° 001-2017
COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017
Revisão 0
Folha 3 de 11

3. DETALHAMENTO
N° Item da NR-13 Portaria n° 594 de 2014 STATUS

13.2.1 Esta NR deve ser aplicada aos seguintes equipamentos:

a) todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1; Vigente até
29/12/17
b) vasos de pressão cujo produto P.V seja superior a 8 (oito), onde P é a pressão máxima de
operação em kPa e V o seu volume interno em m³;

e) tubulações ou sistemas de tubulação interligados a caldeiras ou vasos de pressão, que Texto Alterado
contenham fluidos de classe A ou B conforme item 13.5.1.2, alínea “a)” desta NR.

01 Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

13.2.1 Esta NR deve ser aplicada aos seguintes equipamentos:


Vigente a
a) todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1 e 13.4.1.2; partir de
29/12/17
b) vasos de pressão cujo produto P.V seja superior a 8 (oito), onde P é a pressão máxima de
operação em kPa, em módulo, e V o seu volume interno em m³;

e) tubulações ou sistemas de tubulação interligados a caldeiras ou vasos de pressão,


categorizados conforme itens 13.4.1.2 e 13.5.1.2, que contenham fluidos de classe A ou B Texto Inserido
conforme item 13.5.1.2, alínea “a” desta NR.

COMENTÁRIOS

 As pressões em kpa (quilo pascal) são admitidas em módulos matemáticos que considera o
resultado obtido até sua origem ou seja, não considera resultados negativos, exemplo:

O módulo de 10kpa é │10│= 10, e de -10kpa │-10│ também é 10.

Esta mudança influencia diretamente na categorização dos vasos de pressão que operam
sob vácuo atribuindo-lhe um grupo de risco. Ação que não era admitida no texto da NR-13
2014 item 13.5.1.2 d) pois já o categorizava direto em 1 para fluídos classe A ou B e
categoria 2 para outros fluídos, exemplo:

Vaso de Pressão que opera à vácuo com , -2,5kgf/cm²= -0,25Mpa . Módulo ou Valor
Absoluto │-0,25│ = 0,25, e possui um volume de 2m³ armazenando vapor vegetal tipo 2.

Produto de P.V, 0,25 X 2 = 0,5 lhe é atribuído o Grupo de Potencial de Risco 5 e Categoria
5

 As Tubulações ou Sistemas de Tubulações que estejam interligados em Caldeiras pela


nova Categorização, onde consideram 3 (A,B e C) no texto da NR-13 2014 item 13.4.1.2, e
nesta nova revisão só são admitidas 2 categorias (A e B) item 13.4.1.2. No caso de Vasos
de Pressão a principal alteração está para os que operam a vácuo.
N° 001-2017
COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017
Revisão 0
Folha 4 de 11

N° Item da NR-13 Portaria n° 594 de 2014 STATUS

13.2.2 Os equipamentos abaixo referenciados devem ser submetidos às inspeções previstas em


códigos e normas nacionais ou internacionais a eles relacionados, ficando dispensados do
cumprimento dos demais requisitos desta NR:
Vigente até
c) vasos de pressão que façam parte integrante de pacote de máquinas de fluido rotativas ou 29/12/17
alternativas;
d) dutos;
g) vasos de pressão com diâmetro interno inferior a 150 mm (cento e cinquenta milímetros) para
fluidos das classes B,C e D, conforme especificado no item 13.5.1.2, alínea “a)”; Texto Alterado
j)tubos de sistemas de instrumentação com diâmetro nominal ≤ 12,7 mm (doze milímetros e
sete décimos);
k) tubulações de redes públicas de tratamento e distribuição de água e gás e de coleta de
esgoto.
Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

02 13.2.2 Os equipamentos abaixo referenciados devem ser inspecionados sob a responsabilidade


técnica de PH, considerando recomendações do fabricante, códigos e normas nacionais ou
internacionais a eles relacionados, bem como submetidos a manutenção, ficando dispensados
do cumprimento dos demais requisitos desta NR:
Vigente a
b) recipientes transportáveis de gás liquefeito de petróleo – GLP – com volume interno menor do partir de
que 500 L (quinhentos litros) e certificados pelo INMETRO; 29/12/17
d) vasos de pressão que façam parte de sistemas auxiliares de pacote de máquinas;
e) vasos de pressão sujeitos apenas à condição de vácuo inferior a 5 (cinco) kPa, independente
da classe do fluido contido;
f) dutos e seus componentes;
i) vasos de pressão com diâmetro interno inferior a 150 mm (cento e cinquenta milímetros) para
fluidos das classes B, C e D, conforme especificado no item 13.5.1.2, alínea “a” e cujo produto Texto Novo
P.V seja superior a 8 (oito), onde P é a pressão máxima de operação em kPa, em módulo, e V o
seu volume interno em m³;
l) tubos de sistemas de instrumentação com diâmetro nominal ≤ 12,7 mm (doze milímetros e Texto Inserido
sete décimos) e com fluidos das classes A e B, conforme especificado no item 13.5.1.2, alínea
“a”;
m) tubulações de redes públicas de distribuição de gás.
COMENTÁRIOS

 As atividades de inspeção e manutenção tem agora a atenção de um PH (Profissional


Habilitado) aos equipamentos que são dispensados dos requisitos da NR-13.

 Dispensados os recipientes de GLP com capacidade menor que 500 litros do volume
interno, que para ser calculado deve-se verificar as espessuras por END-ME em pontos
específicos, principalmente onde houve conformação do material no caso de vasos usados,
nos novos os desenhos de projeto já detalham este item.

 Equipamentos que operem apenas na condição de vácuo à < 5kpa (0,05kgf/cm²) são
dispensados, caso haja variação na pressão operacional ≥ 5kpa, a dispensa é cancelada.

 Melhoria no texto atual onde os vasos de pressão que façam parte de sistemas auxiliares
(lubrificação, selagem ou arrefecimento) de pacote de máquinas independente de serem
rotativas ou alternativas como, por exemplo: turbinas, bombas compressores etc.

 Agora não só os dutos são dispensados, os seus componentes também, como no caso dos
lançadores e recebedores de PIG.
N° 001-2017
COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017
Revisão 0
Folha 5 de 11

N° Item da NR-13 Portaria n° 594 de 2014 STATUS

13.3.1 Constitui condição de risco grave e iminente - RGI o não cumprimento de qualquer
item previsto nesta NR que possa causar acidente ou doença relacionada ao trabalho, com
lesão grave à integridade física do trabalhador, especialmente:
Vigente até
a) operação de equipamentos abrangidos por esta NR sem dispositivos de segurança ajustados
com pressão de abertura igual ou inferior a pressão máxima de trabalho admissível - PMTA, 29/12/17
instalado diretamente no vaso ou no sistema que o inclui, considerados os requisitos do código
de projeto relativos a aberturas escalonadas e tolerâncias de calibração;

Texto Alterado
c) bloqueio inadvertido de dispositivos de segurança de caldeiras e vasos de pressão, ou seu
bloqueio intencional sem a devida justificativa técnica baseada em códigos, normas ou
procedimentos formais de operação do equipamento;

03
Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

13.3.1 Constitui condição de risco grave e iminente - RGI o não cumprimento de qualquer
item previsto nesta NR que possa causar acidente ou doença relacionada ao trabalho, com Vigente a
lesão grave à integridade física do trabalhador, especialmente:
partir de
a) operação de equipamentos abrangidos por esta NR sem os dispositivos de segurança 29/12/17
previstos conforme itens 13.4.1.3.a, 13.5.1.3.a e 13.6.1.2;

c) bloqueio de dispositivos de segurança de caldeiras, vasos de pressão e tubulações, sem a


devida justificativa técnica baseada em códigos, normas ou procedimentos formais de operação
do equipamento; Texto Novo

COMENTÁRIOS

a) É mantido o texto onde os RGI´s são definidos como qualquer item que possa
causar acidentes ou doença relacionada ao trabalho com lesão grave a integridade
física do trabalhador, exemplo:

Iluminação de Emergência conforme item 13.4.2.3 da NR-13 em acessos (escadas e


plataformas) numa altura entre 1,5m a 2m nas caldeiras que operem a noite, tendo em vista
o risco de queda e grave lesão.

b) Nesta revisão, além da PSV outros itens importantes foram considerados como
RGI´s especiais, exemplo:

Caldeiras

c) PSV com pressão de abertura ≤ à PMTA;

d) Manômetro ou outro dispositivo que indique a pressão do vapor acumulado;

e) Alimentação de água independente da principal, ou seja a origem pode ser a mesma


porém o conduto e bombeamento devem ser independentes;

f) Sistema automático de controle de nível com intertravamento a fim de evitar o


superaquecimento, como por exemplo o uso de eletrodos, bóia ou sistema
termostático, exemplo abaixo:
N° 001-2017
COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017
Revisão 0
Folha 6 de 11

Vasos de pressão

a) PSV com pressão de abertura ≤ à PMTA, instalados diretamente no vaso ou no


sistema;

b) Caso o vaso opere a vácuo deve possuir dispositivo quebra-vácuo e se também


operar em pressão positiva, deve atender o item acima com a instalação da PSV;

c) Dispositivo físico ou lacre que evite o bloqueio do dispositivo de segurança;

d) Manômetro ou outro dispositivo que indique a pressão de operação, instalado


diretamente no vaso ou no sistema.

Tubulações ou Sistema de Tubulações

e) As condições consideradas como RGI serão definidas como dispositivos de


segurança critérios do código de projeto utilizado, ou em atendimento às
recomendações de estudo de análises de cenários de falhas que não estiverem
instalados na ocasião da inspeção.
N° 001-2017
COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017
Revisão 0
Folha 7 de 11

N° Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

Vigente a
13.3.7 É proibida a fabricação, importação, comercialização, leilão, locação, cessão a qualquer partir de
04 título, exposição e utilização de caldeiras e vasos de pressão sem a declaração do respectivo 29/12/17
código de projeto em seu prontuário e sua indicação na placa de identificação.

Texto Inserido

COMENTÁRIOS
Sem Comentários

N° Item da NR-13 Portaria n° 594 de 2014 STATUS

13.4.1.2 Para os propósitos desta NR, as caldeiras são classificadas em 3 (três) categorias,
conforme segue:
Vigente até
a) caldeiras da categoria A são aquelas cuja pressão de operação é igual ou superior a 1960 29/12/17
kPa (19,98 kgf/cm2);

b) caldeiras da categoria C são aquelas cuja pressão de operação é igual ou inferior a 588 kPa
(5,99 kgf/cm2) e o volume interno é igual ou inferior a 100 l (cem litros); Texto Alterado

c) caldeiras da categoria B são todas as caldeiras que não se enquadram nas categorias
anteriores.

05 Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

13.4.1.2 Para os propósitos desta NR, as caldeiras são classificadas em 2 (duas) categorias,
conforme segue:
Vigente a
a) caldeiras da categoria A são aquelas cuja pressão de operação é igual ou superior a 1960 partir de
kPa (19,98 kgf/cm2), com volume superior a 50 L (cinquenta litros);
29/12/17
b) caldeiras da categoria B são aquelas cuja a pressão de operação seja superior a 60 kPa
(0,61 kgf/cm2) e inferior a 1960 kPa (19,98 kgf/cm2), volume interno superior a 50 L (cinquenta
litros) e o produto entre a pressão de operação em kPa e o volume interno em m³ seja superior
a 6 (seis).
Texto Inserido

COMENTÁRIOS

Só há 2 Categorias na nova revisão da NR-13 2017, A ( alta e média) e B (média e baixa)

Na indústria é determinada uma faixa representativa de utilização das caldeiras em relação


á pressão de trabalho. Considerando pressão baixa ≥10 Kgf/cm², pressão média ≥11 e ≤
40 Kgf/cm² e pressão alta >40 Kgf/cm².
N° 001-2017
COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017
Revisão 0
Folha 8 de 11

N° Item da NR-13 Portaria n° 594 de 2014 STATUS

13.5.1.2 Para efeito desta NR, os vasos de pressão são classificados em categorias segundo a
classe de fluido e o potencial de risco. Vigente até
29/12/17
d) Vasos de pressão que operem sob a condição de vácuo devem se enquadrar nas seguintes
06 categorias:

categoria I: para fluidos inflamáveis ou combustíveis; Texto Removido

categoria V: para outros fluidos.


COMENTÁRIOS

O texto foi removido e está em concordância com o item 13.2.2 , e). onde vasos que
operam apenas no vácuo são dispensados dos requisitos da NR-13.

N° Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

13.5.1.3 Os vasos de pressão devem ser dotados dos seguintes itens: Vigente a
partir de
b) vasos de pressão submetidos a vácuo devem ser dotados de dispositivos de segurança
07 quebra-vácuo ou outros meios previstos no projeto; se também submetidos à pressão positiva
29/12/17
devem atender à alínea “a” deste item;

Texto Inserido

COMENTÁRIOS

A ausência deste item e dos outros sub itens são considerados RGI, conforme item 13.3.1
da NR-13 2017.

N° Item da NR-13 Portaria n° 594 de 2014 STATUS


Vigente até
13.5.1.6 Todo vaso de pressão deve possuir, no estabelecimento onde estiver instalado, a
seguinte documentação devidamente atualizada: 29/12/17
08
c) Projeto de Instalação em conformidade com os itens 13.5.2.4 e 13.5.2.5;
Texto Removido

COMENTÁRIOS

A obrigatoriedade do documento, projeto de instalação para compor a documentação de


vasos, foi retirada, pois haviam vários outros documentos que já cumpriam a função com o
plano de fuga em caso de sinistros e/ou mapa de riscos, elaborados pelo SSMA.

Em casos especiais, que o vaso esteja enclausurado e seu acesso seja dificultado o PH
poderá elaborar um Projeto de Instalação.
N° 001-2017
COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017
Revisão 0
Folha 9 de 11

N° Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

13.5.1.7.1 Vasos de pressão construídos sem códigos de projeto, instalados antes da


publicação desta Norma, para os quais não seja possível a reconstituição da memória de
cálculo por códigos reconhecidos, devem ter PMTA atribuída por PH a partir dos dados
operacionais e serem submetidos a inspeções periódicas, até sua adequação definitiva, Vigente a
conforme os prazos abaixo:
partir de
09 a) 01 ano, para inspeção de segurança periódica externa; 29/12/17

b) 03 anos, para inspeção de segurança periódica interna.


Texto Inserido
13.5.1.7.2 A empresa deverá elaborar um Plano de Ação para realização de inspeção
extraordinária especial de todos os vasos relacionados no item 13.5.1.7.1, considerando um
prazo máximo de 60 (sessenta) meses.
COMENTÁRIOS

O prazo máximo para realização da Inspeção Extraordinária destes vasos será 60 meses
após a 1ª inspeção periódica interna e externa.

N° Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

13.5.1.8 O Registro de Segurança deve ser constituído por livro de páginas numeradas, pastas
ou sistema informatizado do estabelecimento com segurança da informação onde serão Vigente a
registradas: partir de
10 a) todas as ocorrências importantes capazes de influir nas condições de segurança dos vasos
29/12/17
de pressão;

b) as ocorrências de inspeções de segurança inicial, periódica e extraordinária, devendo constar Texto Inserido
a condição operacional do vaso, o nome legível e assinatura de PH.

COMENTÁRIOS

No texto anterior não havia a obrigatoriedade de que as ocorrências das inspeções fossem
lançadas por PH, nesta nova NR-13 é obrigatório.

N° Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

Vigente a
13.5.1.8.1 O empregador deve fornecer cópias impressas ou em mídia eletrônica de registros de partir de
segurança selecionadas pela representação sindical da categoria profissional predominante no
11 estabelecimento, quando formalmente solicitadas. 29/12/17

Texto Inserido

COMENTÁRIOS

No texto anterior não havia a obrigatoriedade de que as ocorrências das inspeções fossem
lançadas por PH, nesta nova NR-13 é obrigatório.
N° 001-2017
COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017
Revisão 0
Folha 10 de 11

N° Item da NR-13 Portaria n° 594 de 2014 STATUS

13.5.2.4 A autoria do projeto de instalação de vasos de pressão enquadrados nas categorias I, II


e III, conforme item 13.5.1.2, no que concerne ao atendimento desta NR, é de responsabilidade Vigente até
de PH e deve obedecer aos aspectos de segurança, saúde e meio ambiente previstos nas 29/12/17
Normas Regulamentadoras, convenções e disposições legais aplicáveis.

13.5.2.5 O projeto de instalação deve conter pelo menos a planta baixa do estabelecimento,
com o posicionamento e a categoria de cada vaso e das instalações de segurança. Texto Removido

12 Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

Vigente a
partir de
13.5.2.4 A instalação de vasos de pressão deve obedecer aos aspectos de segurança, saúde e
meio ambiente previstos nas Normas Regulamentadoras, convenções e disposições legais
29/12/17
aplicáveis.

Texto Inserido

COMENTÁRIOS

A obrigatoriedade do documento, projeto de instalação foi retirada.

N° Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

13.5.4.7 As empresas que possuam SPIE certificado conforme Anexo II desta Norma podem Vigente a
executar, em vasos de pressão de categorias I e II, uma inspeção não intrusiva – INI, de acordo
com a metodologia especificada na norma ABNT NBR 16455, desde que esta seja partir de
13 obrigatoriamente sucedida por um exame visual interno em um prazo máximo correspondente a 29/12/17
50 % do intervalo determinado no item 13.5.4.5(b) desta Norma.

13.5.4.7.1 O intervalo correspondente ao prazo máximo do item 13.5.4.7 deve ser contado a
partir da data de realização da INI.. Texto Inserido

COMENTÁRIOS

As técnicas INI podem ser usadas em vasos categorias 3, 4 e 5 e caldeiras em todas as


categorias, sem a necessidade do atendimento ods requisitos do item 13.5.4.7 da NR-13.

As ações supracitadas possuem embasamento normativo no item 13.3.3.2 porém não é


recomendada a dispensa da metodologia da norma ABNT NBR 16455.
N° 001-2017
COMUNICAÇÃO INTERNA Data 03-10-2017
Revisão 0
Folha 11 de 11

N° Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS


13.4.4.14 O relatório de inspeção de segurança, mencionado no item 13.4.1.6, alínea “e”, deve
ser elaborado em páginas numeradas contendo no mínimo:

g) registros fotográficos do exame interno da caldeira;

h) resultado das inspeções e providências;

13.5.4.14 O relatório de inspeção de segurança, mencionado no item 13.5.1.6, alínea “d”, deve
ser elaborado em páginas numeradas, contendo no mínimo: Vigente a
h) registro fotográfico das anomalias do exame interno do vaso de pressão;
partir de
14 29/12/17
i) resultado das inspeções e intervenções executadas;

13.6.3.9 O relatório de inspeção de segurança, mencionado no item 13.6.1.4 alínea “d”, deve ser Texto Inserido
elaborado em páginas numeradas, contendo no mínimo:

f) registro fotográfico da localização das anomalias significativas detectadas no exame externo


da tubulação;

g) resultado das inspeções e intervenções executadas;

COMENTÁRIOS

Sem comentários

N° Texto novo NR-13 Portaria n° 1.084 de 2017 STATUS

Vigente a
13.6.3.9 O relatório de inspeção de segurança, mencionado no item 13.6.1.4 alínea “d”, deve ser partir de
elaborado em páginas numeradas, contendo no mínimo:
15 29/12/17
k) nome legível, assinatura e número do registro no conselho profissional do PH e nome legível
e assinatura de técnicos que participaram da inspeção.
Texto Inserido

COMENTÁRIOS

Sem comentários