Você está na página 1de 9

Exercícios Resolvidos de Cálculo Vetorial

1. Como pode ser descrito o conjunto R2 ?


Solução: R2 é o conjunto de todos os pares ordenados de números reais e pode ser descrito como {(x,y) 
x R e y  R}.
2. Qual a condição para que dois pares ordenados sejam iguais ?
Solução: Dizemos que os pares ordenados (a,b) e (c,d) são iguais se, e somente se, a = c e b = d.
3. Determine x de modo que os pontos A=(2, 4) seja igual ao ponto B=(x, 2x).
Solução: Para que A e B sejam iguais, as coordenadas (x,y) de ambos os pontos deverão ser iguais, ou
seja, 2 = x e 4 = 2x. Assim, o valor de x=2 irá satisfazer às duas condições.
4. Determine os valores de x e de y de modo que (2x, y + 3) = (10, 10).
Solução: Deveremos ter 2x = 10  x = 5 e y + 3 = 10  y = 7.
5. Determine os valores de x e de y de modo que (x + y, x – y) = (4, 2).
x  y  4
Solução: Deveremos ter   x  3 e y  1.
x  y  2
6. Em quantos quadrantes podemos dividir o plano cartesiano ?
Solução: O plano cartesiano é dividido em 4 quadrantes conforme mostrado no diagrama.

7. Quais são as características dos pontos que pertencem ao primeiro quadrante de R 2 ?


Solução: Os pontos que pertencem ao primeiro quadrantes de R 2 deverão ter x > 0 e y > 0.

8. Quais são as características dos pontos que pertencem ao segundo quadrante de R2 ?


Solução: Os pontos que pertencem ao segundo quadrantes de R2 deverão ter x < 0 e y > 0.

9. Quais são as características dos pontos que pertencem ao terceiro quadrante de R2 ?


Solução: Os pontos que pertencem ao terceiro quadrantes de R 2 deverão ter x < 0 e y < 0.

10. Quais são as características dos pontos que pertencem ao quarto quadrante de R2 ?
Solução: Os pontos que pertencem ao quarto quadrantes de R 2 deverão ter x > 0 e y < 0.

11. Quais são as características dos pontos que pertencem ao eixo das abscissas de R2 ?
Solução: Os pontos que pertencem ao eixo das abscissas de R 2 , ou seja, ao eixo x, deverão ter x  0 e
y = 0.

12. Quais são as características dos pontos que pertencem ao eixo das ordenadas de R 2 ?
Solução: Os pontos que pertencem ao eixo das ordenadas de R2 , ou seja, ao eixo y, deverão ter x = 0 e
y  0.

13. Dados os pontos A=(a,b) e B=(c,d), determine A + B.


Solução: A + B = (a,b) + (c,d) = (a+c, b+d).

14. Dados os pontos A=(a,b) e B=(c,d), determine A - B.


Solução: A - B = (a,b) - (c,d) = (a-c, b-d).

Prof. André Assumpção


15. Dados os pontos A=(a,b) e B=(c,d), determine 2A + 3B.
Solução: 2A +3B =2.(a,b) + 3.(c,d) = (2a ,2b ) + (3c,3d) = (2a+3c,2b+3d).

16. Dados os pontos A=(a,b) e B=(c,d), determine 2A - 3B.


Solução: 2A -3B =2.(a,b) - 3.(c,d) = (2a ,2b ) - (3c,3d) = (2a -3 c,2b-3d).

17. Dados os pontos A=(a,b), B=(c,d) e C=(e,f), demonstre que (A+B) + C = A + (B+C).
Solução: (A + B) + C = [(a,b) + (c,d)] + (e,,f) = (a+c,b+d) + (e,,f) = (a+c+e,b+d+f) = [a+(c+e),
b+(d+f)] = (a,b) + (c+e,d+f) = (a,b) + [(c+e,d+f)] = A + (B+C).

18. Dados os pontos A=(a,b) e B=(c,d), demonstre que A+B = B+A.


Solução: A + B = (a,b) + (c,d) = (a+c,b+d) = (c+a,d+b) = (c,d) + (a,b) = B + A.

19. Demonstre que o elemento neutro da adição de pares ordenados em R2, é o par O=(0,0).
Solução: Sendo A = (a,b), e A + O = A, então (a,b) + O= (a,b) O = (a,b) – (a,b)  O = (a-a,b-b) 
O = (0,0).

20. Demonstre que para todo A=(a,b)  R2, existe –A tal que A + (-A) = 0.
Solução: Sendo A=(a,b)  R2 e A + B = 0, então (a,b) + B = (0,0)  B = (0,0) – (a,b)  B = (0-a,0-b)
 B = (-a, -b). Como –a e –b  R, então B = (-a,-b) = -A  R2.

21. Sendo A e B  R2 e k  R, demonstre que k(A + B) = kA + kB.


Solução: Supondo que A = (a,b) e B = (c,d), k(A + B) = k(a+c, b+d) = (k(a+c), k(b+d)) = (ka+kc,
kb+kd) = (ka, kb) + (kc,kd) = k(a,b) + k(c,d) = kA + kB.

22. Sendo k e h  R e A  R2, demonstre que A(k + h) = kA + mA.


Solução: Supondo que A = (a,b), A(k + h) = (a,b).(k+h) = (a.(k+h), b.(k+h)) = (ak+ah, bk+bh) =
(ak,bk) + (ah,bh) = kA + hA .

23. Sendo k e h  R e A  R2, demonstre que k(hA) = (k.h)A.


Solução: Supondo que A = (a,b), k(hA) =k(h(a,b)) = k(ha,hb)= (kha, khb) = (kh).(a,b)= (kh).A .

24. Determine k  R de modo que k.A = A, para A  R2.


Solução: Se k.A = A, então, k(a,b) = (a,b)  ka = a e kb = b  k = 1 R.

25. Determine o ponto simétrico do ponto (2,4) em relação ao eixo das abscissas.
Solução: O ponto simétrico ao ponto (2,4) em relação ao eixo das abscissas é um ponto com a mesma
abscissa e ordenada simétrica, ou seja, o ponto (2,-4).

26. Determine o ponto simétrico do ponto (2,4) em relação ao eixo das ordenadas.
Solução: O ponto simétrico ao ponto (2,4) em relação ao eixo das ordenadas é um ponto com a mesma
ordenada e abscissa simétrica, ou seja, o ponto (-2,4).

27. Determine o ponto simétrico do ponto (2,4) em relação a origem do plano cartesiano.
Solução: O ponto simétrico ao ponto (2,4) em relação a origem do plano cartesiano é um ponto com
ordenada e abscissa simétricas, ou seja, o ponto (-2,-4).

28. Determine a distância entre os pontos A=(1,3) e B=(4, 7).


Solução: A distância entre dois pontos em R2 é determinada por d A , B  ( x 2  x1 )  ( y 2  y 1 )
2 2
.

Assim, d A , B  ( 4  1)  ( 7  3 )  (3)  ( 4 )  9  16  25  5 .
2 2 2 2

Prof. André Assumpção


29. Determine a distância entre os pontos A=(-2,5) e B=(4, -3).
Solução: A distância entre dois pontos em R2 é determinada por d  ( x 2  x1 )  ( y 2  y 1 )
2 2
.
A,B

 ( 4  (  2 ))  (  3  5 )  (6)  ( 8)  36  64  100  10 .
2 2 2 2
Assim, d
A,B

30. Determine o perímetro do retângulo ABCD, onde A=(1,2), B=(1,5), C=(4,5) e D=(4,2).
Solução: Para calcular o perímetro do retângulo ABCD, deveremos determinar as medidas de seus
lados. Porém, é importante perceber que a medida do lado AB é igual a medida do lado CD, e que o
mesmo ocorre com os lados BC e DA. Assim, o perímetro do retângulo será dado por :
2 p  2 d A , B  2 d B , C  2 . (1  1)  ( 5  2 )  2 . ( 4  1)  ( 5  5 )  2 . 3  2 . 3  2 . 3  2 . 3  12 .
2 2 2 2 2 2

31. Determine o perímetro do quadrilátero ABCD, onde A=(-1,2), B=(3,4), C=(4,0) e D=(2,-8).
Solução: 2 p  d  d B ,C  d C , D  d D , A  17  17  2 . 17  5  5  4 17 .
A,B
2
32. Dados os pontos A=(a,b) e B=(c,d) de R , determine o ponto médio de AB .
Solução: O ponto médio do segmento AB é um ponto M situado entre os pontos A e B, onde
A B (a , b )  (c, d ) ac bd
M    ( , ).
2 2 2 2
33. Dados os pontos A=(3,1) e B=(5,3) de R2, determine o ponto médio de AB .
34. Solução: O ponto médio do segmento AB é um ponto M situado entre os pontos A e B, onde
AB ( 3 ,1)  ( 5 , 3 ) 3 5 1 3
M    ( , )  ( 4 , 2 ).
2 2 2 2
35. Como pode ser descrito o conjunto R3 ?
Solução: R3 é o conjunto de todos os pares ordenados de números reais e pode ser descrito como {(x,y,z)
 x, y e z R}.
36. Qual a condição para que dois pares ordenados de R3 sejam iguais ?
Solução: Dizemos que os pares ordenados (a,b,c) e (d,e,f) são iguais se, e somente se, a = d, b = e e c=f.
37. Determine x e t de modo que os pontos A=(2, 4, t) seja igual ao ponto B=(x, 2x, 3x).
Solução: Para que A e B sejam iguais, as coordenadas (x,y,z) de ambos os pontos deverão ser iguais, ou
seja, 2 = x, 4 = 2x e t = 3x. Assim, os valores de x=2 e, por conseqüência, t=6 irão satisfazer às duas
condições.
38. Determine os valores de x e de y de modo que (5x, y + 5, z - 3) = (10, 10, 5).
Solução: Deveremos ter 5x = 10  x = 2, y + 5 = 10  y =5 e z – 3 = 5 z=8 .
39. Determine os valores de x, de y e de z, de modo que (x + y - z, 2x + 2y – z, x – y – 3z) = (0, 2, -2).
 x yz 0

Solução: Deveremos ter  2 x  2 y  z  2  x  3 , y   1 e z  2 .
 x  y  3 z  2

40. Dados os pontos A=(a,b,c) e B=(d,e,f), determine A + B.
Solução: A + B = (a,b,c) + (d,e,f) = (a+d, b+e, c+f).

41. Dados os pontos A=(a,b,c) e B=(d,e,f), determine A - B.


Solução: A - B = (a,b,c) - (d,e,f) = (a-d, b-e, c-f).

42. Dados os pontos A=(a,b,c) e B=(d,e,f), determine 2A + 3B.


Solução: 2A +3B =2.(a,b,c)+ 3.(d,e,f) = (2a ,2b, 2c ) + (3d, 3e, 3f) = (2a+3d,2b+3e,2c+ef).

43. Dados os pontos A=(a,b,c) e B=(d,e,f), determine 2A - 3B.


Solução: 2A -3B =2.(a,b,c) – 3.(d,e,f) = (2a ,2b, 2c ) - (3d,3e,3f) = (2a –3d,2b-3e,2c-3f).

Prof. André Assumpção


44. Dados os pontos A=(a,b,c), B=(d,e,f) e C=(g,h,i), demonstre que (A+B) + C = A + (B+C).
Solução: (A + B) + C = [(a, b, c) + (d, e, f)] + (g, h, i) = (a+d,b+e,c+f) + (g, h, i) = (a+d+g,b+e+h,
c+f+i) = [a+(d+g), b+(e+h), c+(f+i)] = (a, b, c) + (d+g, e+h, f+i) = (a, b, c)+[(d, e, f) + (g, h, i)] = A
+ (B+C).
45. Dados os pontos A=(a,b,c), B=(d,e,f), demonstre que A+B = B+A.
Solução: A + B = (a, b, c)+ (d, e, f)= (a+d,b+e, c+f) = (d+a,e+b,f+c) = (d, e, f) + (a, b, c)= B + A.

46. Demonstre que o elemento neutro da adição de pares ordenados em R3, é o par O=(0,0,0).
Solução: Sendo A = (a, b, c), e A + O = A, então (a, b, c) + O= (a, b, c)  O = (a, b, c) – (a, b, c)  O =
(a-a, b-b, c-c)  O = (0,0,0).

47. Demonstre que para todo A=(a,b,c)  R3, existe –A tal que A + (-A) = O.
Solução: Sendo A=(a, b, c)  R3 e A + B = O, então (a, b, c) + B = (0,0,0)  B = (0,0,0) – (a, b, c)  B
= (0-a,0-b, 0-c)  B = (-a, -b, -c). Como –a , –b e –c  R, então B = (-a,-b, -c) = -A  R3.

48. Sendo A e B  R3 e k  R, demonstre que k.(A + B) = k.A + k.B.


Solução: Supondo que A = (a, b, c) e B = (d, e, f), k(A + B) = k(a+d, b+e, c+f) = (k(a+d), k(b+e),
k.(c+f)) = (k.a+k.d, k.b+k.e, k.c+k.f) = (k.a, k.b, k.c) + (k.d, k.e, k.f) = k.(a,b,c) + k.(d, e, f) = k.A + k.B.

49. Sendo k e h  R e A  R3, demonstre que A(k + h) = k.A + m.A.


Solução: Supondo que A = (a,b,c), A.(k + h) = (a,b,c).(k+h) = (a.(k+h), b.(k+h), c(k+h)) = (a.k+a.h,
b.k+b.h, c.k + c.h) = (a.k, b.k, c.k) + (a.h, b.h, c.h) = k.A + h.A .

50. Sendo k e h  R e A  R3, demonstre que k.(h.A) = (k.h).A.


Solução: Supondo que A = (a,b,c), k.(h.A) = k.(h.(a,b,c)) = k.(h.a, h.b, h.c)= (k.h.a, k.h.b, k.h.c) =
(k.h).(a,b,c)= (k.h).A .

51. Determine k  R de modo que k.A = A, para A  R3.


Solução: Se k.A = A, então, k.(a,b,c) = (a,b,c)  k.a = a, k.b = b e k.c = c k = 1 R.

52. Determine a distância entre os pontos A=(1,2,3) e B=(2, 4, 5).


Solução: A distância entre dois pontos em R3 é determinada por d  ( x 2  x1 )  ( y 2  y1 )  ( z 2  z1 )
2 2
.
A,B

Assim, d A,B  ( 2  1)  ( 4  2 )  ( 5  3 )
2 2 2
 (1)  ( 2 )  ( 2 )
2 2 2
 1 4  4  9  3.
53. Determine a distância entre os pontos A=(-1, 3,-2) e B=(1, -2, 3).
Solução: A distância entre dois pontos em R3 é determinada por d  ( x 2  x1 )  ( y 2  y1 )  ( z 2  z1 )
2 2
.
A,B

Assim, d A, B  (1  (  1))  (  2  3 )  ( 3  (  2 ))
2 2 2
 ( 2 )  (  5 )  (5 ) 
2 2 2
4  25  25  54  2 13 .

54. Dados os pontos A=(1,2) e B=(5,3), represente no plano cartesiano o segmento orientadoAB .

55. Calcule o módulo do segmento orientado AB, sendo A=(1,2) e B=(5,3).


Solução: O módulo do segmento orientado AB será calculado pela distância entre A e B. Assim, teremos
AB  ( 5  1)  ( 3  2 )  4 1 
2 2 2 2
17 .
56. Calcule o módulo do segmento orientado AB, sendo A=(1,3,2) e B=(-1,2,-3).
Solução: O módulo do segmento orientado AB será calculado pela distância entre A e B. Assim, teremos
AB  (  1  1)  ( 2  3 )  (  3  2 )  (  2 )  (  1)  (  5 ) 
2 2 2 2 2
30 .

57. Determine um vetor v que possua o mesmo módulo, a mesma direção e o mesmo sentido do
segmento orientado AB, onde A=(1,2) e B=(5,3).
Solução: Para que v tenha o mesmo módulo, a mesma direção e o mesmo sentido de AB, então v = B-A =
(5,3) – (1,2) = (4,1).

Prof. André Assumpção


58. Determine um vetor u que possua o mesmo módulo, a mesma direção e o mesmo sentido do
segmento orientado AB, onde A=(1,3,2) e B=(-1,2,-3).
Solução: Para que u tenha o mesmo módulo, a mesma direção e o mesmo sentido de AB, então u = B-A
= (-1, 2, -3) – (1, 3, 2) = (-2, -1,-5).
59. Determine um vetor t que possua o mesmo módulo, a mesma direção e o sentido contrário ao do
segmento orientado AB, onde A=(1,2) e B=(5,3).
Solução: Para que t tenha o mesmo módulo, a mesma direção e o sentido contrário ao de AB, então t =
A-B = (1,2) – (5,3) = (-4,-1).

60. Determine um vetor z que possua o mesmo módulo, a mesma direção e o sentido contrário ao do
segmento orientado AB, onde A=(1,3,2) e B=(-1,2,-3).
Solução: Para que z tenha o mesmo módulo, a mesma direção e o sentido contrário ao de AB, então z =
B-A = (1, 3,2) – (-1,2,-3) = (2, 1,5).

61. Dados o ponto P=(2,1) e o vetor v=(5,3), determine o ponto Q de modo que P+v = Q.
Solução: Se P + v = Q, então, (2,1) + (5,3) = Q  Q=(7,4).

62. Dados os pontos P=(2,4) e Q=(-3,5), determine o vetor v de modo que Q + v = P.


Solução:Se Q + v = P, então, v = P-Q  v = (2,4)-(-3,5)  v = (2+3, 4-5)  v=(5,-1).

63. Dados os pontos A=(1, -2, 3), B=(1, -3, 2) e C=(-1, 3, 1), determinar as coordenadas do ponto D tal
que AB  CD  0 .
Solução: Se D=(x, y, z) e
AB  CD  0 , então , B  A  D  C  0 . Ou seja , ( 0 ,  1,  1)  ( x  1, y  3, z  1)  ( 0 , 0 , 0 ).
Assim, x + 1 + 0 = 0  x = -1.
y – 3 - 1 = 0  y = 1.
z – 1 – 1 = 0  z = 2.
64. Prove que as diagonais de um paralelogramo têm o mesmo ponto médio.
Solução: Considere o paralelogramo ABCD, de diagonais AC e DB. Seja M o ponto médio de AC. Como
BM = BC + CM = AD + MA = MD, pode-se afirmar que M também é ponto médio de BD.

65. Represente no plano cartesiano o vetor v=(4,1).

66. Represente no plano cartesiano o vetor t=(-4, -1).

67. Determine o módulo do vetor v=(a,b).


Solução: O vetor v=(a,b) terá origem no ponto (0,0) e extremidade no ponto (a,b), assim
v  ( a  0 )  (b  0 )  a b
2 2 2 2

68. Determine o módulo do vetor u=(a,b,c).


Solução: O vetor u=(a,b,c) terá origem no ponto (0,0,0) e extremidade no ponto (a,b,c), assim
v  ( a  0 )  (b  0 )  ( c  0 )  a b c .
2 2 2 2 2 2

69. Determine o módulo do vetor v=(4,1).


Solução: v  a b
2 2
 4 1
2 2
 16  1  17 .
70. Determine o módulo do vetor t = (-4, -1).
Solução: t  (  4 )  (  1)
2 2
 16  1  17 .

Prof. André Assumpção


71. Determine o módulo do vetor u=(-2, -1, -5).
Solução: u  a b c  (  2 )  (  1)  (  5 )  4  1  25 
2 2 2 2 2 2
30 .
72. Determine o módulo do vetor z=(2, 1, 5).
Solução: z  2 1  5  4  1  25 
2 2 2
30 .

73. Dados os vetores v=(a,b) e u=(c,d), determine v + u.


Solução: v + u = (a,b) + (c,d) = (a+c, b+d). Geometricamente, determinamos o vetor v+u da seguinte
maneira:

74. Dados os vetores v=(a,b) e u=(c,d), determine v - u.


Solução: v - u = (a,b) - (c,d) = (a-c, b-d).

75. Dados os vetores v=(a,b) e u=(c,d), determine u – v.


Solução: u -v = (c,d) - (a,b) = (c-a, d-b).

76. Dados os vetores v=(a,b) e u=(c,d), determine 2v + 3u.


Solução: 2v +3u =2.(a,b) + 3.(c,d) = (2a ,2b ) + (3c,3d) = (2a+3c,2b+3d).

77. Dados os vetores v=(a,b) e u=(c,d), determine 2v – 3u.


Solução: 2v –3u =2.(a,b) - 3.(c,d) = (2a ,2b ) - (3c,3d) = (2a -3 c,2b-3d).

78. Dados os vetores v=(a,b) e u=(c,d) e t=(e,f), demonstre que (v+u) + t = v + (u+t).
Solução: (v + u) + t = [(a,b) + (c,d)] + (e,,f) = (a+c,b+d) + (e,,f) = (a+c+e,b+d+f) = [a+(c+e),
b+(d+f)] = (a,b) + (c+e,d+f) = (a,b) + [(c+e,d+f)] = v + (u+t).

79. Dados os vetores v=(a,b) e u=(c,d), demonstre que v+u = u+v.


Solução: v + u = (a,b) + (c,d) = (a+c,b+d) = (c+a,d+b) = (c,d) + (a,b) = u + v.

80. Demonstre que o elemento neutro da adição de vetores em R2, é o vetor o=(0,0).
Solução: Sendo v = (a,b), e v + o = v, então (a,b) + o= (a,b)  o = (a,b) – (a,b)  o = (a-a,b-b)  o =
(0,0).

81. Demonstre que para todo vetor v=(a,b)  R2, existe –v tal que v + (-v) = o.
Solução: Sendo v=(a,b)  R2 e v + v’ = o, então (a,b) + v’ = (0,0)  v’ = (0,0) – (a,b)  v’= (0-a,0-b)
 v’ = (-a, -b). Como –a e –b  R, então v’ = (-a,-b) = -v  R2.

82. Sendo v e u vetores de R2 e k  R, demonstre que k(v + u) = kv + ku.


Solução: Supondo que v = (a,b) e u = (c,d), k(v + u) = k(a+c, b+d) = (k(a+c), k(b+d)) = (ka+kc,
kb+kd) = (ka, kb) + (kc,kd) = k(a,b) + k(c,d) = kv + ku.

83. Sendo k e h  R e v um vetor de R2, demonstre que v(k + h) = kv + mv.


Solução: Supondo que v = (a,b), v(k + h) = (a,b).(k+h) = (a.(k+h), b.(k+h)) = (ak+ah, bk+bh) = (ak,bk)
+ (ah,bh) = kv + hv .

84. Sendo k e h  R e v um vetor de R2, demonstre que k(hv) = (k.h)v.


Solução: Supondo que v= (a,b), k(hv) =k(h(a,b)) = k(ha,hb)= (kha, khb) = (kh).(a,b)= (kh).v.

Prof. André Assumpção


85. Determine k  R de modo que k.v = v, para todo vetor de R2.
Solução: Se k.v = v, então, k(a,b) = (a,b)  ka = a e kb = b  k = 1 R.

86. Os vetores u=(3,4), v=(2, 3b) e t=(5a,1) satisfazem à equação 2u – 3v + t = o, onde o é o vetor nulo.
Assim, determine os valores de a e b.
Solução: 2.(3,4) – 3.(2, 3b) + (5a,1)=(0,0)  (6, 8) – (6, 9b) + (5a, 1) = (0,0)  (6-6+5a,8-9b+1) =
(0,0)  5a = 0 e 9 – 9b = 0  a = 0 e b = 1.

87. Dados os vetores u=(4,3), v=(-5,1) e w=(3,0), determine u - v+w.


Solução: (4,3) – (-5,1) + (3,0) = (4 + 5 + 3, 3 – 1 + 0) = (12, 2).

88. Os vetores u=(1,2), v=(5, 7) e w=(x,2) do R2, satisfazem à equação 4u + 3w = 2v. Determine o valor
de x.
Solução: 4.(1,2) + 3.(x,2) = 2.(5,7)  (4,8) + (3x, 6) = (10,14)  (4+3x, 14) = (10,14)  4 + 3x = 10
 3x = 6  x = 2.

89. Determine o produto interno entre os vetores u=(a,b) e v=(c,d).


Solução: Simbolizamos o produto interno, que também é denominado de produto escalar, por<a;v> ou
u.v, que é determinado da seguinte maneira: <u;v> = (a,b).(c,d) = a.c+b.d.

90. Determine o produto interno entre os vetores u=(2,3) e v=(4,2).


Solução: <u;v> = (2,3).(4,2) = 2.4 + 3.2 = 8+6 = 14.

91. Determine o produto interno entre os vetores u=(-2,1) e v=(5,-3).


Solução: <u;v> = (-2,1).(5,-3) = (-2).5 + 1.(-3) = -10+(-3) = -10 – 3= -13.

92. Determine o produto interno entre os vetores u=(3,6) e v=(2,-1).


Solução: <u;v> = (3,6).(2,-1) =3.2 + 6.(-1) = 6 – 6 = 0.

93. Determine o produto interno entre os vetores u=(-2,4,1) e v=(2,5,-3).


Solução: <u;v> = (-2,4,1).(2,5,-3)= (-2).2+4.5+1.(-3) = -4+20 –3=13.

94. Determine o produto interno entre os vetores u=(2,-2,3) e v=(-1,5,4).


Solução: <u;v> = (2,-2,3).(-1,5,4)= 2.(-1)+(-2).5+3.4 = -2+(-10)+ 12= -2 -10+12= 0.

95. Demonstre que, para u  0, u.u > 0.


Solução: Sendo u=(a,b), onde a e b R*, u.u = (a,b) . (a,b) = a.a + b.b = a2 + b2. Como,  a e b R*, a2
>0 e b2 > 0, então a2 + b2>0.

96. Demonstre que u.v = v.u, para u e v  R2.


Solução: Sendo u=(a,b) e v=(c,d), u.v = (a,b) . (c,d) = a.c + b.d = c.a + d.b = (c,d).(a,b) = v.u.

97. Demonstre que u.(v+w) = u.v + u.w, para u, v e w  R2.


Solução: Sendo u=(a,b), v=(c,d) e w=(e, f), u.(v+w) = (a,b).[(c,d) + (e, f)] = (a,b). (c+e, d+ f) =
a.(c+e) + b.(d+f) = ac + ae + bd + bf = ac + bd + ae + bf = (a,b) . (c,d) + (a,b).(e, f) = u.v + u.w.

98. Demonstre que u.(k.v) = k.(u.v), para u e v  R2 e k  R.


Solução: Sendo u=(a,b) e v=(c,d), u.(k.v) = (a,b).(k.(c,d)) = (a,b).(kc,kd) = kab + kcd = k.(ab + cd) =
k.(a,b).(c,d) = k.(u.v).

Prof. André Assumpção


99. Demonstre que o módulo de um vetor u  R2 também pode ser calculado por u  u .u .
Solução: Sabemos que, para u = (a,b), u  a b
2 2
. Como a2 + b2 = (a,b).(a,b) = u.u, então,
u  u .u .
100. Determine o valor de x para que o vetor v=(x,2) seja unitário.
Solução: Um vetor é unitário quando seu módulo é igual a 1. Assim,
2
1 1  1 
x   ( 1  1    1 
2 2 2 2 2
x ) x x
4 4  4 

1 1 3 3
 1 x 1  x   x  
2 2 2
x .
4 4 4 2
v
101. Demonstre que o vetor v' , para v  R2 e não nulo, é necessariamente unitário.
v

Solução: Sendo v=(a,b), onde a e b  R*,


2 2
(a, b) a b  a   b 
v'   ( , ). Assim , v '       
   
 b  b  b  b  b
2 2 2 2 2 2 2 2 2 2
a a a  a   a 

 a
2
  b
2
 a
2
 b
2

 2   2    1.
 a  b2   a  b2  2
 b
2
    a
102. Determine o versor do vetor v=(2,4).
Solução: O versor de um vetor v qualquer, não nulo, é um vetor unitário que possui a mesma direção e o
v
mesmo sentido de v. O versor de v, simbolizado por v’, é determinado por v '  . Assim, para v = (2,4)
v
teremos: v '  ( 2,4 ) ( 2,4 ) ( 2,4 ) 1 2
  ( , ).
2 4
2 2
20 2 5 5 5
103. Sendo u=(-2,3) e v=(5, -2), determine u’+ v’.
Solução: Sendo u’ e v’ os versores de u e v respectivamente,
então: (  2 ,3 ) ( 3,  2 ) (  2 ,3 ) ( 3,  2 )  2  3 3  (2) 1 1
   ( , )( , ).
(  2 )  (3 ) (3)  (  2 )
2 2 2 2
13 13 13 13 13 13

104. Determine u’.u’, sendo u um vetor de R2.


Solução:Sabemos que o módulo de um vetor u pode ser calculado por u  u .u . Assim,

u'  u '.u '  1  u '.u '  (1)  ( u '.u ' )  u '.u '  1 .
2 2

105. Prove que u .v  u . v , sendo u e v vetores de R2. (Desigualdade de Cauchy-Schwarz).


Solução:

a b
106. Prove que, se o vetor u=(a,b) é paralelo ao vetor v=(c,d), ambos de R2 onde c.d  0, então  .
c d
Solução: Se u e v são paralelos, então u = kv. Logo, (a,b) = k(c,d)  (a,b) = (kc,kd)  a = kc e b = kd
 a

b
 k.
c d
107. Determine o valor de x para que os vetores u=(x,2) e v=(9,6) sejam paralelos.
x 2 2 .9
Solução: Se u e v são paralelos, então   x   x  3.
9 6 6
108. Determine os valores de x e y para que os vetores u=(2, 5, y) e v=(x, 10, 8) sejam paralelos.
2 5 y
Solução: Se u e v são paralelos, então    x  4 e y  4.
x 10 8
109. Prove que o segmento que une os pontos médios de dois lados de um triângulo é perpendicular ao
terceiro lado e tem por medida a metade da medida deste lado.

Prof. André Assumpção


Solução: Seja o triângulo ABC, onde M e N são, respectivamente, os pontos médios de AC e BC.
Podemos afirmar que AC  2 MC .
CB  2 CN
Somando membro a membro teremos:
1
2 ( MC  CN )  AC  CB  2 MN  AB  MN  AB .
2
110. Prove que, se u e v são vetores de R2 tais que u=kv, então u  k . v .

Solução: Supondo que v=(a,b), então u=(ka,kb). Assim, u  k a k b


2 2 2 2
 u  k (a  b )
2 2 2

 u  k. a  b  u  k.v .
2 2

111. Prove que, sendo u e v vetores ortogonais, então u.v=0.


Solução: Com o auxílio da figura, pode-se observar que u+v é a hipotenusa do triângulo retângulo que
possui catetos u e v. Aplicando Pitágoras encontra-se  u  v    u   v 
2 2 2
. Utilizando uma
propriedade do produto interno tem-se: (u+v).(u+v) = u.u + v.v  u.u + u.v + v.u + v.v = u.u + v.v 
2(u.v) = 0  u.v=0.
112. Verifique se os vetores u=(3,2) e v=(-4,6) são ortogonais.
Solução: Os vetores serão ortogonais se e somente se u.v=0. Assim, (3,2).(-4,6) = -12+6 = -6  0. Logo
u e v não são ortogonais.

113. Obter y de modo que os pontos A=(3,y), B=(0,4) e C=(4,6) sejam os vértices se um triângulo
retângulo em A.
Solução: Para que o triângulo ABC seja retângulo em A, os vetores AB e AC deverão ser ortogonais.
Assim, AB.AC = 0. Logo, (B-A).(C-A) = 0 (0 - 3, 4 - y).(4 - 3, 6 - y) = 0  (-3, 4 – y).(1, 6-y) = 0 
-3.1 + (4 - y).(6 - y) = 0  -3 + 24 – 4y – 6y + y2 = 0  y2 –10y + 21 = 0  y = 3 ou y = 7.

114. Sendo u=(2,5) e v=(5,2), verifique se u+v e u-v são ortogonais.


Solução: u+v=(7,7) e u-v=(-3, 3). Assim, (7,7).(-3,3) = -21+21 = 0. Logo u+v e u-v são ortogonais.

115. Determine x de modo que os vetores u=(x, 0, 3) e v=(1, x, 3) sejam ortogonais.


Solução: Para que u e v sejam ortogonais, u.v = 0. Assim, (x, 0, 3).(1, x, 3) = 0  x + 0 + 9 = 0  x = -
9.

116. Determine o vetor u ortogonal a v=(4, -1, 5) e a w=(1, -2, 3), tal que u.(1, 1, 1) = -1.
 ( x , y , z ).( 4 ,  1,5 )  0  4 x  y  5 z  0
Solução: Supondo u=(x, y, z) tem-se:  ( x , y , z ).(1,  2 ,3 )  0  x  2 y  3 z  0 . Assim, solucionando o

 ( x , y , z ).(1,1,1)   1  x  y  z   1

sistema, encontra-se x= 1, y = -1 e z = -1. Logo, u=(1, -1, -1).

Prof. André Assumpção