Você está na página 1de 11

2017/2018

Organização Administrativa

Fernanda Paula Oliveira 1

Sistema de órgãos, serviços e agentes do Estado, bem


como das demais pessoas coletivas públicas, que
asseguram, em nome da coletividade, a satisfação
regular e contínua de interesses públicos secundários,
isto é desempenham, a título principal, a função
administrativa

A “máquina administrativa” ou “aparelho administrativo”

Fernanda Paula Oliveira 2

A. Aspetos estruturais

Fernanda Paula Oliveira 3

Fernanda Paula Oliveira 1


2017/2018

Elementos básicos:

 Pessoas coletivas de direito público

 Órgãos administrativos

 Serviços públicos (que existem em cada ente e


funcionam na dependência dos respetivos órgãos):
são unidades funcionais meramente internas
Fernanda Paula Oliveira 4

A privatização e a organização administrativa:

 A função administrativa, embora continue a


ser exercida essencialmente por pessoas
coletivas de direito público, é também, com
cada vez maior relevo, levada a cabo por
pessoas coletivas de direito privado que se
encontram sujeitas a regimes especiais de
direito público

Fernanda Paula Oliveira 5

 Tradicionalmente: Administração pública constituída


apenas por pessoas coletivas públicas integralmente
submetidas a um regime de direito administrativo
 Actualmente: o exercício da função administrativa
encontra-se também atribuído:
 a pessoas coletivas, que embora de criação e/ou
controlo públicos, se revestem de forma jurídico-privada
(sociedades anónimas)
 a pessoas coletivas puramente privadas (associações e
fundações),

Fernanda Paula Oliveira 6

Fernanda Paula Oliveira 2


2017/2018

 O fenómeno de exercício da função materialmente


administrativa por privados não pode deixar de se
traduzir num alargamento da administração pública
em sentido orgânico.

 No entanto, e apesar disto, continua a ser possível


identificar um núcleo essencial da organização
administrativa constituída por pessoas coletivas de
direito público (e pelos seus órgãos). É sobre este
núcleo essencial que a nossa atenção, para já,
incidirá.

Fernanda Paula Oliveira 7

 Tendência atual para restringir a


existência destas entidades privadas
(v.g. cfr. artigo 57.º Lei n.º 24/2012: Lei
quadro das Fundações)
.

Fernanda Paula Oliveira 8

1. Pessoas coletivas públicas

Fernanda Paula Oliveira 9

Fernanda Paula Oliveira 3


2017/2018

Critério de reconhecimento

 Pessoas coletivas criadas por iniciativa


pública, para assegurar a prossecução
necessária de interesses públicos e, por
isso, dotadas, em nome próprio de
prerrogativas de autoridade, isto é,
exorbitantes do direito privado (poderes
e deveres públicos).

Fernanda Paula Oliveira 10

Tipos

 Pessoas coletivas originárias (as territoriais) e


pessoas coletivas derivadas (criadas e
reconhecidas por outras)

 Pessoas coletivas por natureza (as territoriais)


e pessoas coletivas por determinação da lei

Fernanda Paula Oliveira 11

 Estado e demais entidades coletivas territoriais


(entidades públicas primárias/originárias ou por
natureza),
 as entidades como tal qualificadas pela lei
(entidades públicas por força da lei)
 entidades criadas pelo Estado ou por outras
pessoas coletivas públicas, desde que não sejam
qualificadas pela lei como privadas e desde que
compartilhem dos predicados de personalidade
pública (prerrogativas de direito público,
nomeadamente poderes de autoridade).
Fernanda Paula Oliveira 12

Fernanda Paula Oliveira 4


2017/2018

Pessoas coletivas públicas

• Estado
• Regiões autónomas
• Autarquias locais (freguesias e municípios)

• Institutos públicos

• Entidades públicas empresariais

• Associações públicas e outras corporações públicas

• Entidades administrativas independentes

Fernanda Paula Oliveira 13

Espécies de pessoas coletivas públicas

• Estado versus entes públicos menores

• Entes públicos territoriais e entes públicos funcionais

• Entes públicos dependentes e entes públicos não dependentes

Fernanda Paula Oliveira 14

 Pessoas coletivas de população e território


(Estado, regiões autónomas e autarquias locais)

 Entes institucionais (institutos e empresas)

 Entes corporativos ou associativos (corporações


territoriais, consórcios públicos e associações
públicas)

 Entes hibridos (corporações para institucionais e


institutos para corporativos

Fernanda Paula Oliveira 15

Fernanda Paula Oliveira 5


2017/2018

2. Órgãos

Fernanda Paula Oliveira 16

 Órgãos:
 centros institucionalizados titulares de poderes
e deveres para efeitos da prática de atos
jurídicos imputáveis à pessoa coletiva (n.º 1 do
futuro artigo 20.º do CPA)
 Figuras organizatória (institucionais) dotadas
de poderes (consultivos, decisórios ou de
fiscalização) capazes de preparar, declarar ou
controlar as manifestações de vontade — isto
é, os actos jurídicos — imputáveis ao ente.

Fernanda Paula Oliveira 17

Tipos de órgãos

 Órgãos colegiais e órgãos singulares

 Órgãos centrais e órgãos locais

 Órgãos representativos e órgãos não representativos

 Órgãos ativos (decisórios ou deliberativos), consultivos


e de controlo

 Permanentes e temporários;

 Simples e complexos

Fernanda Paula Oliveira 18

Fernanda Paula Oliveira 6


2017/2018

3. Outros elementos

Fernanda Paula Oliveira 19

— Titular ou membro: pessoa física que representa o


órgão ou a qualidade que exprime a ligação de um
indivíduo, singularmente ou em colégio, a um órgão . A
investidura é o vínculo que o liga ao órgão e que o
permite representa-lo

Fernanda Paula Oliveira 20

— Trabalhador da Administração pública: são


indivíduos com uma relação especial de serviço com
os entes administrativos e que desenvolvem, sob a
direção dos titulares dos órgãos, a atividade dos
serviços (desempenham tarefas materiais de exercício
ou contribuem para a preparação, conhecimento e
execução dos atos jurídicos).

Fernanda Paula Oliveira 21

Fernanda Paula Oliveira 7


2017/2018

B. Aspectos funcionais

Fernanda Paula Oliveira 22

 Atribuições: fins ou interesses que a lei


incumbe as pessoas colectivas públicas de
prosseguir e realizar.
 Pessoas coletivas de fins múltiplos
 Pessoas coletivas de fins especializados

 Competências: conjunto de poderes


funcionais que a lei confere aos órgãos para a
prossecução das atribuições das pessoas
colectivas públicas (artigo 36.º e ss do CPA)

Fernanda Paula Oliveira 23

 Qualquer órgão, ao agir, conhece e encontra pela


frente uma dupla limitação:
 está limitado pela sua própria competência – não
pode invadir a esfera de competências dos outros
órgãos da mesma pessoa coletiva;
 está também limitado pelas atribuições da pessoa
coletiva em cujo nome atua – não pode praticar
atos sobre a matéria estranha às atribuições da
pessoa coletiva a que pertence.

Fernanda Paula Oliveira 24

Fernanda Paula Oliveira 8


2017/2018

 O caso especial dos ministérios


 Em geral os órgãos têm competências diferentes
para prosseguir as mesmas atribuições (da pessoa
coletiva pública a que pertencem)
 No Estado os vários Ministros têm competências
idênticas para prosseguirem atribuições diferentes.

 O relevo da distinção: violação das


atribuições e violação das competências

Fernanda Paula Oliveira 25

Competências

 Artigo 36.º: funcionalidade e legalidade ou ordem


pública, com as consequentes imodificabilidade,
irrenunciabilidade e inalienabilidade
 Critérios de repartição - em razão da matéria, da
hierarquia e do território.
 Tipos de competências
 Competências explicitas e competências implícitas
 Competências próprias e competências delegadas
 Competências separadas e exclusivas
Fernanda Paula Oliveira 26

 Atribuições

 Competências

 Legitimação: qualificação específica do órgãos


para exercer a sua competência na situação
concreta

Fernanda Paula Oliveira 27

Fernanda Paula Oliveira 9


2017/2018

Factores de legitimação

— investidura do titular do órgão: acto de


transformação de um indivíduo ou indivíduos em
titulares do órgão ou em agentes da pessoa colectiva
— casos de impedimento (artigo 69.º CPA)

— o quorum (Artigo 29.º do CPA)

— decurso de um determinado lapso temporal

— autorização para agir

Fernanda Paula Oliveira 28

Conceitos

Pessoas colectivas de direito público

Órgãos e respetivos serviços

Titulares de órgãos

Trabalhadores da Administração pública

Fernanda Paula Oliveira 29

Pessoas colectivas públicas


Atribuições

Ministérios

Competências Órgãos

Órgãos

Legitimação Agentes (funcionários)

Fernanda Paula Oliveira 30

Fernanda Paula Oliveira 10


2017/2018

Complexidade da máquina administrativa: a


unidade administrativa em conflito com as
tendências de pluralização e societarização
— uma máquina complexa, composta por
entes públicos que se agrupam em sectores
fundamentais (administrações públicas)

Fernanda Paula Oliveira 31

Fernanda Paula Oliveira 11

Você também pode gostar