Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO

Curso: Letras Língua Espanhola (2ª Licenciatura)


Módulo: Literatura e Culturas Espanhola e Hispano-Americana
Data de Entrega até: 07/06/2017
Prof: Ana Lúcia Trevisan
Aluno(a):Marlon Cordeiro da Fonseca Matrícula (R.A.):276958 Polo:Vitória-
ES

Atenção: Esta atividade deve ser respondida na Folha de Respostas e encaminhada


para avaliação no campo de tarefa do Moodle “Trabalho Avaliativo: 24/05 –
Profª Ana Lúcia”, impreterivelmente, até o dia 07/06/2017.

Esta atividade vale até 7.0 pontos na média do módulo 4.


Utilize este mesmo arquivo para redigir o seu texto. Não se esqueça de colocar o seu
nome, matrícula e polo no cabeçalho.
Você pode e deve se valer dos textos prontos e publicados como uma fonte de consulta.
Contudo, NÃO pode copiá-los, mas se você utilizar TRECHOS retirados de sites da
internet nas suas pesquisas, não se esqueça de citar a fonte, de acordo com as regras
da ABNT.

FOLHA DE RESPOSTAS

Prezada (o) aluna (o),

A atividade avaliativa proposta abrange os conteúdos estudados no Módulo 4.

Considerando as aulas, as leituras, as atividades e os textos a seguir, redija um


texto crítico-reflexivo. Considere os pontos de interseção entre os textos. (Mínimo
2.000 caracteres, ou 40 linhas).

Leia os textos a seguir:

 A descoberta da América (que ainda não houve) de Eduardo Galeano


disponível em:

http://www.ufrgs.br/cdrom/galeano/galeano.pdf (Acesso 19.05.2017)

 Discurso de García Márquez ao receber o Prêmio Nobel de 1982: A


solidão da América latina de Gabriel García Márquez
disponível em:

http://desacato.info/a-solidao-da-america-latina/ (Acesso 19.05.2017)


Se preferirem, segue a opção dos textos em espanhol:

“El Descubrimiento que todavía no fue”. (De Eduardo Galeano)

Disponível em: http://www.taringa.net/posts/apuntes-y-monografias/6792671/El


descubrimiento-que-todavia-no-fue-Eduardo-Galeano.html (Acesso 19.05.2017)

"La soledad de América Latina (1982)". Discurso del Premio Nobel. Gabriel
García Márquez

Disponível em:
http://cvc.cervantes.es/actcult/garcia_marquez/audios/gm_nobel.htm (Acesso em
19.05.2017).

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=C7_eXGIizwU (Acesso em


19.05.2017).

Paradigmas da América Latina

No texto, “A descoberta da América (que ainda não houve)", Eduardo

Galeano fala sobre como a protagonista da História, a América Latina, está

sempre perdendo, tanto econômica quanto social e espiritualmente, desde a

colonização até os dias atuais. Além disso, ela tem estado sempre em

desvantagem, sofrendo com perdas para esses países "capitalistas" e

avarentos que, de alguma forma, roubam quase toda as riquezas da América

Latina, deixando-a na pobreza.


Ao longo do texto, o escritor uruguaio tenta mostrar responsáveis pela

pobreza da América Latina, também os mecanismos que o homem tem usado

para conseguir a civilização que hoje conhecemos; mecanismos, processos,

abstrações que não têm um próprio discurso, nenhuma intenção e nem corpos

próprios, más que são resultados de milhões de ações humanas que mudam

constantemente.

No discurso de Gabriel Garcia Marquez, ele orienta o público sobre as

várias facetas da América Latina. Sendo um dos criadores do realismo mágico,

ilustra questões absurdas que têm surgido em nossa região desde a pré-

conquista até o presente. Em sua narrativa ele expõe como nós, os que

vivemos neste hemisfério do mundo, formamos parte da realidade que, para


aqueles que não a compartilham, parece fantasia. No discurso, intitulado "A

Solidão da América Latina", ele argumenta que a nossa visão singular nos

separa do resto, nos deixando na solidão. García Márquez, atrai comentários

públicos a respeito da posição internacional e histórica. Ele conclui

mencionando a poesia como a finalidade e o teste de um homem, um ser que

sente.

Garcia Marquez muda o humor do discurso na medida em que as

referências se tornam contemporâneas. De alguma forma, essas referências

não contêm uma resposta semelhante às anteriores. Já que se falam de

Generais e presidentes latino-americanos que, em todos os países, têm sido

líderes com personalidades semelhantes. Ele cita números que resumem as

tragédias em que vivemos, na América Latina e chama a atenção do seu

público sobre os aspectos incomuns de nossas vidas e que não são

compreendidas e que não podem permanecer silenciosa.

Minha reflexão sobre os textos é que os dois mostram a realidade da

América Latina, a dificuldade que o seu povo tem de buscar uma autoafirmação

diante dos problemas políticos, sociais e econômicos que afligem a maioria da

população latino-americana. Não obstante, não se pode deixar de dizer que as

condições laborais e sociais na América Latina, entrou em colapso nas últimas

décadas. A democracia se deteriorou e a região parecia ingovernável. Os

textos, quando escritos, não só representavam o presente, mas antecipavam

um futuro que estavam por vir.