Você está na página 1de 19

www.cers.com.

br 1
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA / ATOS ADMINISTRATIVOS

Princípios da Administração Pública


• Preceitos e normas fundamentais que regem a Administração Pública (“pedras angulares”)

Princípios explícitos na CF, art. 37

Legalidade

• Supremacia da lei.
• Atuação administrativa deve ser em conformidade com a lei.
• Agente público não tem autonomia de vontade, só pode agir de acordo com a lei.

Impessoalidade

www.cers.com.br 2
Reflexos da perspectiva do princípio da finalidade:
• exigência de concurso público como condição para ingresso em cargo efetivo ou emprego público (CF, art. 37,
II);
• obrigatoriedade de licitação pública que assegure condições de igualdade entre os participantes (CF, art. 37,
XXI).
• intolerância jurisprudencial ao nepotismo (Súmula vinculante nº 13 do STF).

SV nº 13 – Vedação ao
o nepotismo

www.cers.com.br 3
• Podem ser nomeados: primos, tios-avós, sobrinhos-netos, concunhados e
quaisquer outros parentes de 4º grau em diante.
• STF: súmula não se aplica aos cargos de natureza política.

Reflexos da perspectiva do agente:


• Validade dos atos praticados por funcionários de fato.
• A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos
públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não
podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção
pessoal de autoridades ou servidores públicos (CF, art. 37, § 1º).
• STF – interpretação rigorosa, entendimento de que é vedada a vinculação com o
partido político do administrador público (RE 191.668/RS).

Moralidade

• Atuação administrativa deve se pautar pela boa-fé, lealdade, moral, ética,


probidade.
• Ato administrativo, além de legal, tem que ser moral.
• Outro fundamento da vedação ao nepotismo – Súmula vinculante nº 13 (STF).
• Coerente com as sanções por improbidade adminstrativa (CF, art. 37, 4º / Lei
8.429/92).
• Ação popular contra ato lesivo à moralidade administrativa (CF, art. 5º, LXXIII).

Publicidade
• Fundamento no artigo 5º, XXXIII, da CF.

www.cers.com.br 4
Eficiência (EC 19/98)

• Presteza, rapidez, perfeição, rendimento funcional.


• Dirigido à atuação dos agentes públicos e à próprio estrutura da Administração Pública.
• Um servidor público estável só perderá o cargo, mediante procedimento de avaliação
periódica de desempenho, na forma de lei complementar, assegurada
ampla defesa (CF, art. 41, § 1º, III)

Princípios implícitos
• Supremacia do interesse público
• Indisponibilidade do interesse público
• Continuidade do serviço público
• Autotutela
• Controle Judicial dos atos administrativos
• Especialidade
• Tutela ou controle
• Presunção de legitimidade
• Segurança jurídica
• Motivação
• Razoabilidade
• Proporcionalidade
• Hierarquia

Supremacia do interesse público

• Em caso de conflito, o interesse público deve prevalecer sempre sobre o interesse privado.
• Refere-se ao interesse público primário (interesse da coletividade).
• Exs: cláusulas exorbitantes, desapropriação, poder polícia etc

Indisponibilidade do interesse público

• Proibição de renúncia ao interesse público.


• Dever de atuação administrativa, fiel ao interesse público.

www.cers.com.br 5
Continuidade do serviço público

• Prestação ininterrupta dos serviços públicos.


• Serviço público não pode parar.
• Exemplos: direito de greve do servidor público deve ser exercido nos termos da
lei, substituição obrigatória em determinados cargos públicos.

Autotutela
• Dever da administração rever seus próprios atos quanto à legalidade e ao mérito.
Súmula nº 473 do STF
• “A administração pode anular seus próprios atos quando eivados de vícios que os tornem
ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência e
oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a
apreciação judicial” (Súmula 473 do STF).

Tutela ou controle
• A Administração Direta (órgãos públicos) controla e fiscaliza as atividades das entidades da Adm. Indireta
(autarquias, fundações, sociedades de economia mista e empresas públicas).

Tutela ou controle
• Mas, não há hierarquia. Só há tutela, controle ou supervisão ministerial.

Presunção de legitimidade e veracidade


• Presume-se a atividade administrativa de acordo com a lei e fundamentada em fatos verídicos.
• Presunção é relativa (admite prova em contrário)

Consequências
• Ato administrativo produzirá efeito até que seja retirado da ordem jurídica (anulado ou revogado).
• Autoriza a realização imediata do ato.

www.cers.com.br 6
Controle judicial dos atos administrativos
• Todos os atos administrativos podem ser submetidos à apreciação judicial.
• A lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário nenhuma lesão ou ameaça a direito (CF,
art. 5º XXXV).

Segurança jurídica
• A lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada” (CF, art. 5º,
XXXVI).

Reflexos da segurança jurídica


• Decadência em 5 anos do direito de anular um ato administrativo, quando seu efeitos forem benéficos ao
destinatário e não houver má-fé (Lei 9.784/99, art. 54).
• Direito líquido e certo à nomeação do candidato aprovado dentro do número de vagas – STF.

Motivação

• Regra: atos administrativos devem ser motivados.


de fato
• Fundamentos
de direito
• Exceções: previstas na CF e na legislação. Ex: livre
nomeação e exoneração do ocupante de cargos em comissão
(CF, art. 37, I - exoneração ad nutum)

Princípio da razoabilidade

• STF: decorrência do princípio expresso do devido processo legal.


• Atuação do agente deve se pautar pelos padrões de escolha do homem médio da sociedade, sem
cometimento de excessos.
• Limitação ao poder discricionário da Administração.

Proporcionalidade

• Meios devem adequados aos fins do ato administrativo.


• Também chamado de princípio da proibição de excessos.
• Requisitos:
- exigibilidade ou necessidade
- utilidade ou adequação
- proporcionalidade

www.cers.com.br 7
Princípio da Hierarquia

• Organização e estrutura administrativa configurada segundo uma relação de coordenação e


subordinação entre órgãos e agentes.
• Competências administrativas.
• Fundamento para delegação e avocação.

Princípio da Especialidade

• ligado à descentralização administrativa


• Estado cria outras pessoas jurídica para desempenhar funções administrativas e
prestação de serviços públicos objetivo de especializar a atividade

ATO ADMINISTRATIVO
Conceito
• Hely Lopes Meirelles: é “toda manifestação unilateral de vontade da Administração Pública que, agindo nessa
qualidade, tenha por fim imediato adquirir, resguardar, transferir, modificar, extinguir e declarar direitos, ou impor
obrigações aos administrados ou a si própria”.

Observações
• Fato jurídico X Ato Jurídico

Observações
• Conceito de ato administrativo não é consenso entre autores;
• Todavia, todos concordam que o regime para que determinado ato seja considerado ato administrativo deve ser
o regime de direito público.
• Atos de direito privado praticados pela administração não são atos administrativos.

www.cers.com.br 8
Uma primeira e necessária classificação dos atos administrativos

vinculados
• Quanto ao regramento
discricionários

Ato Vinculado (regrado)


Quando a lei confere poder à Administração para a prática de ato de sua competência,
determinando desde logo os elementos e requisitos necessários a sua formalização.

Ato Discricionário Quando há prerrogativa conferida pela lei para Administração


analisar, segundo critérios de conveniência e oportunidade, conforme o interesse
público, a melhor opção para a prática do ato (margem de escolha).

Elementos do ato administrativo

Competência
• É requisito vinculado.
• É a delimitação das atribuições do órgão, entidade ou agente que pratica o
ato.

www.cers.com.br 9
• Regras:
a) decorre sempre de lei;
b) pode ser objeto de delegação ou avocação, desde que não seja de competência exclusiva definida em
lei.

Finalidade

• É requisito vinculado.
• É o resultado que a administração pública pretende atingir com a prática do ato, que é igual
para todo ato administrativo, ou seja, é o interesse público.
• Finalidade genérica: atendimento do interesse público (presente em todos os atos
administrativos).
• Finalidade específica: definida em lei para cada ato administrativo

Forma

• É requisito vinculado.
• É o elemento exteriorizador do ato administrativo.
• A forma a ser adotada é a prevista na lei.
Regra geral
• Escrita
• Vernáculo
Exceções legais
• Sinais
• Cores
• Verbal
• etc

Motivo ou Causa

• Pressuposto de fato e de direito cuja ocorrência autoriza ou determina a prática do ato.


• Pode ser vinculado ou discricionário.

www.cers.com.br 10
LINHA DO TEMPO FINALIDADE E MOTIVO

Motivação

Motivo x Motivação
• Motivo: é elemento de validade do ato administrativo e, sem ele, haverá nulidade.
• Motivação: é a exposição (por escrito) do motivo, isto é a demonstração de que este
realmente existe.

• Motivaçao (Lei 9.784/99, art. 50)


Atos que: I - neguem, limitem ou afetem direitos ou interesses; II - imponham ou agravem deveres, encargos ou
sanções;III - decidam processos administrativos de concurso ou seleção pública; IV - dispensem ou declarem a
inexigibilidade de processo licitatório; V - decidam recursos administrativos; VI - decorram de reexame de ofício;
VII - deixem de aplicar jurisprudência firmada sobre a questão ou discrepem de pareceres, laudos, propostas e
relatórios oficiais; VIII - importem anulação, revogação, suspensão ou convalidação de ato administrativo.

• Doutrina e a jurisprudência atuais: necessidade de motivação em todos os atos administra-


tivos (lista do art. 50 é tão ampla que abarca tudo).
• Exceção: alguns atos discricionários se houver dispensa legal ou constitucional (ex: exone-
ração ad nutum)

STF – Súmula 684


”É inconstitucional o veto não motivado à participação de candidato a concurso público”.
§ 1o A motivação deve ser explícita, clara e congruente, podendo consistir em declaração
de concordância com fundamentos de anteriores pareceres, informações, decisões ou
propostas, que, neste caso, serão parte integrante do ato.

www.cers.com.br 11
• Teoria dos motivos determinantes
O administrador fica vinculado aos motivos declinados para a prática do ato, sujeitando-se à
demonstração de sua ocorrência, mesmo que não estivesse obrigado a fazê-lo.

Objeto ou Conteúdo
• É o efeito jurídico imediato que o ato produz.
• Deve ser previsto em lei e moralmente aceito.
• Pode ser discricionário ou motivado

• Os requisitos motivo e objeto é que vão nos diferenciar se o ato vem a ser discricionário ou vinculado.
• Competência, finalidade e forma, são sempre vinculados.

• Elementos do ato administrativo que podem ser vinculados ou discricionários

demais elementos:
apenas vinculados

Atributos ou características do Ato


Administrativo
• Presunção de legitimidade ou veracidade.
• Imperatividade.

www.cers.com.br 12
• Auto-executoriedade.
• Tipicidade.

Uma tipicidade da minha sogra é que ela é uma pessoa que age com muita imperatividade, só querendo man-
dar. É ela mesma que faz as suas maldades comigo, com total auto-executoriedade. E o pior é que tudo o que
ela faz para me prejudicar tem presunção de legitimidade, pois, a princípio, minha mulher sempre confia nela, só
acreditando em minha palavra se eu provar o contrário.

Tipicidade
• Todo ato administrativo deve corresponder a figuras previamente definidas pela lei como aptas a produzir resul-
tado; ou seja, para cada finalidade, há um ato a ser praticado.
• Só existe nos atos unilaterais, não existindo nos contratos.

Imperatividade
• Atos administrativos se impõem a terceiros, mesmo sem a concordância destes.
• Só existe nos atos administrativos que impõem obrigações, nos atos normativos, nos atos punitivos e nos atos
de polícia.

Auto-executoridade
• Administração pública pode executar o ato administrativo sem necessidade de intervenção do Poder Judiciário.
• Só é possível quando expressamente prevista em lei ou quando se tratar de medida urgente e extremamente
necessária.

Presunção de legitimidade e veracidade


• Presume-se, até prova em contrário, que o ato administrativo foi realizado de acordo com a lei (legitimidade) e
que os fatos alegados pela administração para a prática do ato, também, sejam verdadeiros (veracidade).
• Permite a imediata execução do ato.

Classificação dos Atos Administrativo


Quanto aos destinatários
• atos gerais: possuem caráter geral e abstrato, sem destinatário determinado
• atos individuais: são dirigidos a destinatários certos e determinados, criando uma situação jurídica
particular

Quanto ao alcance
• Internos: produzem efeitos apenas na administração pública, atingindo seus órgãos e agentes
• externos: seus efeitos alcançam o administrado e só vigoram após serem publicados

Quanto ao objeto
• atos de império: praticados pela administração pública valendo-se de sua supremacia
• atos de gestão: praticados pela administração pública em condições de igualdade com o
administrado
• atos de expediente: destinam-se, apenas, a impulsionar os processos administrativos

Quanto à formação
• simples: manifestação de vontade de um único órgão, seja singular seja colegiado
• complexos: manifestação de dois ou mais órgãos, sejam singulares ou coletivos; mais de
um órgão na formação de um ato único
• compostos: dois atos, sendo um principal e outro acessório

www.cers.com.br 13
Quanto à eficácia
• válido: provém de autoridade competente e contém todos os requisitos necessários.
• nulo: tem vício por ausência ou defeito substancial em seus elementos constitutivos ou procedimento
formativo.
• inexistente: possui, apenas, aparência de ato administrativo, mas não o é.

Classificação dos Atos Administrativos


Quanto à exequibilidade
• imperfeito: não completou seu ciclo de formação.
• perfeito: já completou seu ciclo de formação.
• pendente: já completou seu ciclo de formação, mas não está apto a produzir seus efeitos.
• consumado: já produziu todos os seus efeitos.

Espécies de Atos Administrativos


Atos Administrativos Normativos
• são aqueles que contêm um comando geral e abstrato, visando à correta aplicação da lei;
• servem para explicar a lei;
• têm como limite a própria lei, não podendo criar direitos ou obrigações não previstos naquela.
Exemplos: decreto; regulamento; regimento; resolução; deliberação.

Atos Administrativos Ordinatórios


• são os atos que disciplinam o funcionamento da administração e só atingem os servidores
hierarquizados à chefia que os expediu
Exemplo:
instruções; avisos; circulares; portarias; ordens de serviço; despachos; ofícios.

Atos Administrativos Negociais


• contêm uma declaração de vontade da administração apta a concretizar determinado negócio
jurídico ou a conceder certa faculdade ao particular, nas condições impostas ou consentidas pelo
Poder Público,
• isto é, possuem manifestação de vontade do Poder Público coincidente com a do particular
Atos Administrativos Negociais
• Não há imperatividade;
• Vinculados ou discricionários;
• Precários ou definitivos;
Exemplo:
licença, autorização, permissão, admissão, aprovação, visto, homologação, dispensa, renúncia.

www.cers.com.br 14
Atos Administrativos Enunciativos
• São os atos em que a administração pública se limita a certificar ou atestar um
fato ou emitir uma opinião sobre determinado assunto.
Exemplos:
certidão, atestado e parecer

Atos Administrativos Punitivos


• São aqueles que contêm uma sanção imposta pela administração pública aos agentes
que cometeram infrações; podem ser internos ou externos.
Exemplo:
multa, interdição, embargo de obras, destruição de coisas.

Extinção ou Modos de Desfazimento do Ato Administrativo


• pelo cumprimento dos seus efeitos
• pelo esgotamento do conteúdo jurídico
• pela execução material
• pelo implemento de condição resolutiva ou termo final
• pelo desaparecimento do sujeito ou do objeto

Pela retirada
• cassação: destinatário do ato descumpriu as condições impostas
• caducidade: sobreveio norma jurídica que tornou inadmissível a situação antes permitida pelo direito e
outorgada pelo ato precedente

Pela retirada
• contraposição ou derrubada: sobreveio ato cujos efeitos são contrapostos ao primeiro
• renúncia: beneficiário abre mão

Revogação
• conceito: extinção de um ato administrativo válido, ou de seus efeitos por outro ato
administrativo, por razões de conveniência e oportunidade
• competência ou sujeito ativo: mesmo Poder que o editou.

www.cers.com.br 15
• Poder Judiciário não pode revogar atos do Poder Executivo.
• Efeitos da revogação: são ex-nunc, isto, é não retroagem e são válidos os atos
praticados até a data da revogação.

• objeto: ato administrativo válido ou relação jurídica válida dele decorrente, que seja
inconveniente ou inoportuno
• Indenização: em regra, não há direito
• Atos irrevogáveis: por lei ou por natureza.

Anulação ou Invalidação
• conceito: é o desfazimento de um ato administrativo por razões de ilegalidade
• competência ou sujeito ativo: própria Administração ou o Poder Judiciário.

Atenção: Poder Judiciário pode anular atos discricionários, pois fundamento é ilegalidade (ref. parte da
legalidade do ato discricionários)

www.cers.com.br 16
• Prazo: Lei 9784/99, art. 54, caput:
“O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para
os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-
fé.”

Anulação ou Invalidação
• objeto: ato administrativo inválido
• efeitos: ex tunc (retroage)
• indenização: gera direito à indenização quanto aos terceiros de boa-fé

Vícios quanto aos Elementos do Ato


Administrativo
• competência ou sujeito: usurpação de função; excesso de poder
• objeto: proibido por lei; diverso da previsão legal; impossível; incerto em relação aos destinatários, ao
tempo, ao lugar
• forma: quando a lei expressamente exigir determinada forma ou quando é a única forma de se alcançar a
finalidade pretendida
• motivo: inexistência ou falsidade dos motivos
• finalidade: desvio de poder ou de finalidade

Convalidação ou Sanatória
• Conceito: é o ato administrativo que supre o vício existente em um ato ilegal, com efeitos retroativos à
data em que este foi praticado (ex tunc).

www.cers.com.br 17
Espécies:
• Ratificação
• Reforma
• Conversão
A convalidação é ato discricionário ou vinculado?

• A convalidação só pode ser realizada quando o ato possuir vício sanável e quando com a convalidação
não haja prejuízo ao interesse público nem a terceiros.

Convalidação quanto aos Elementos do Ato:


• forma: pode, se não for essencial ao ato
• competência: pode, exceto se for competência exclusiva
• Finalidade, motivo e objeto: não podem

CERS: Plantão de Dúvidas – Alan Martins


Site: www.professoralanmartins.com.br
Facebook: @professoralanmartins
E-mail: prof.alanmartins@hotmail.com
Instagram: @prof.alanmartins

www.cers.com.br 18
www.cers.com.br 19