Você está na página 1de 2

A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS NEGRAS NA FORMAÇÃO

INICIAL DE PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS: vivências e perspectivas

Pedro Ivo Silva1;


Raimundo Márcio Mota de Castro2
1
Licenciado em Letras, pela Universidade de Brasília, e mestrando do Programa de Pós-
Graduação Stricto Sensu Mestrado Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias,
da Universidade Estadual de Goiás. Anápolis-GO. E-mail: pi.silva@gmail.com.
2
Pós-doutorado em Educação Escolar e Religião, pela Pontifícia Universidade Católica do
Paraná, doutor em Educação, pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Anápolis-GO.

RESUMO

O estudo em andamento aqui apresentado trata da Educação das Relações Étnico-Raciais


negras (ADÃO e FREITAS, 2014; BRASIL, 2003, 2004, 2006) na formação inicial de
estudantes do curso de graduação em Letras de uma universidade federal brasileira –
habilitações ‘Português do Brasil como Segunda Língua (PBSL)’ e ‘Língua Portuguesa e
Respectivas Literaturas’. Seu objetivo está em desvelar os sentidos e as implicações que
emergem das narrativas autobiográficas sobre as vivências e perspectivas desses sujeitos na
sociedade brasileira e em sua formação profissional para as relações étnico-raciais. Diante
disso, apresentam-se inicialmente algumas reflexões sobre a influência que exercem na
sociedade os conceitos de raça, racismo e etnia (RIBEIRO, 1995; BRASIL, 2004;
MUNANGA, 2004; ABBAGNANO, 2007), assim como a visão crítica trazida pelo
multiculturalismo e a interculturalidade (GONÇALVES E SILVA, 2001, 2003;
ALBUQUERQUE e BRANDIM, 2008; CANDAU, 2008, 2011) também sobre esses
conceitos, associando-os ao debate no âmbito da Educação das Relações Étnico-Raciais
(SOUZA, 2001; BENTO, 2004; GOMES, 2005a; GARCIA FILICE, 2011). Nesse sentido, a
presente pesquisa inscreve-se nos pressupostos dos estudos de natureza qualitativa (ANDRÉ,
2005; MOREIRA, 2004; FLICK, 2009) e aplicará, consoante esses pressupostos, as técnicas
de ‘entrevista’ e ‘método da história de vida’ (MOREIRA, 2004), assim como os instrumentos

Pirenópolis – Goiás – Brasil

20 a 22 de Outubro de 2015
‘entrevista aberta’ e ‘relatos autobiográficos’ (LÜDKE E ANDRÉ, 1986; MOREIRA, 2004;
CHIZZOTTI, 2011; PASSEGGI, ABRAHÃO, DELORY-MOMBERGER, 2012; CASTRO,
2014), para a coleta e análise de dados obtidos junto aos sujeitos de pesquisa informados. Por
ser uma pesquisa em andamento, espera-se que a análise das narrativas autobiográficas dos
estudantes faça surgir temas relevantes sobre seus processos de construção identitária
enquanto brasileiros e futuros professores da área de conhecimento que escolheram, com base
nas legislações pertinentes à temática abordada, em suas vivências pessoais e também de
formação acadêmica.

PALAVRAS-CHAVE: Formação inicial docente. Relações étnico-raciais negras. Narrativas


autobiográficas.

APOIO FINANCEIRO: Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Pirenópolis – Goiás – Brasil

20 a 22 de Outubro de 2015