Você está na página 1de 5

O TEXTO DRAMÁTICO:

O texto dramático é um tipo de texto que é escrito para ser representado.


Normalmente não tem narrador e nele predomina o discurso na segunda pessoa
(tu/vós). Além deste tipo de discurso, o texto dramático pressupõe o recurso à
linguagem gestual, à sonoplastia e à luminotécnica.

É composto por dois tipos de texto:

- Texto principal ( as falas dos actores) constituído por:

• Monólogo – uma personagem, falando consigo mesma, expõe perante o público os


seus pensamentos e/ou sentimentos;
• Diálogo – falas entre duas ou mais personagens;
• Apartes – comentários de uma personagem para o público, pressupondo que não
são ouvidos pelo seu interlocutor.

- Texto secundário (ou didascálias, ou indicações cénicas) destina-se ao leitor, ao


encenador da peça ou aos actores.

O texto secundário é composto:

- pela listagem inicial das personagens;

- pela indicação do nome das personagens no início de cada fala;

- pelas informações sobre a estrutura externa da peça (divisão em actos, cenas ou


quadros);

- pelas indicações sobre o cenário e guarda roupa das personagens;

- pelas indicações sobre a movimentação das personagens em palco, as atitudes que


devem tomar, os gestos que devem fazer ou a entoação de voz com que devem
proferir as palavras;

ESTRUTURA INTERNA E EXTERNA

Estrutura externa – o teatro tradicional e clássico pressupunha divisões em atos,


correspondentes à mudança de cenários, e em cenas , equivalentes à mudança de
personagens em cena.
O teatro moderno, narrativo ou épico, põe de parte estas regras tradicionais de
divisão na estrutura externa.

Estrutura interna – uma peça de teatro divide-se em:

• Exposição – apresentação das personagens e dos antecedentes da acção.

• Conflito – conjunto de peripécias que fazem a acção progredir.

• Desenlace – desfecho da acção dramática.

PERSONAGENS

Classificação quanto à sua concepção:

- Planas ou personagens-tipo – não alteram o seu comportamento ao longo da


acção. Representam um grupo social, profissional ou psicológico);

- Modeladas ou Redondas – evoluem ao longo da acção, as suas atitudes e


comportamentos vão-se alterando e, por isso mesmo, podem surpreender o
espectador.

Classificação quanto ao relevo:

- protagonista ou personagem principal


- personagens secundárias
- figurantes

Tipos de caracterização:

• Directa – a partir dos elementos presentes nas didascálias, da descrição de


aspectos físicos e psicológicos, das palavras de outras personagens, das palavras da
personagem a propósito de si própria.

• Indirecta – a partir dos comportamentos, atitudes e gestos que levam o


espectador a tirar as suas próprias conclusões sobre as características das
personagens.

ESPAÇO

Espaço – o espaço cénico é caracterizado nas didascálias, onde surgem indicações


sobre pormenores do cenário, efeitos de luz e som. Coexistem normalmente dois
tipos de espaço:

• Espaço representado – constituído pelos cenários onde se desenrola a acção e que


equivalem ao espaço físico que se pretende recriar em palco;
• Espaço aludido – corresponde às referências a outros espaços que não o
representado.

TEMPO

• Tempo da representação – duração do conflito em palco;

• Tempo da acção ou da história – o(s) ano(s) ou a época em que se desenrola o


conflito dramático;

• Tempo da escrita ou da produção da obra – altura em que o autor concebeu a


peça.

INTENÇÕES DO AUTOR

Quando escreve uma peça de teatro, o dramaturgo pode ter uma intenção
• Moralizadora (distinguir o Bem do Mal);
• Lúdica ou de evasão (entretenimento, diversão, riso);
• Crítica em relação à sociedade do seu tempo;
• Didáctica (transmitir um ensinamento.

FORMAS DO GÉNERO DRAMÁTICO

• Tragédia
• Comédia
• Drama
• Teatro Épico

Tipos de cómico

Cómico de linguagem: o vocabulário e o tipo d da personagem e discurso provocam o


riso;

Cómico de carácter: a maneira de ser da personagem e a forma como se apresenta


provocam o riso;

Cómico de situação: o que a personagem faz, as circunstâncias da sua atuação


provocam o riso.

Outras características:

 Ausência de narrador.

 Predomínio do discurso na segunda pessoa (tu/vós


ATO - Divisão de uma peça teatral determinada pela mudança de espaço (cenário),
constituindo a estrutura externa da própria peça.

ADEREÇO – objecto móvel que ajuda a caracterizar uma personagem ou um espaço.

APARTE - Palavras ditas por uma personagem (destinadas a serem ouvidas só pelos
espectadores), partindo do princípio que as outras personagens com quem contracena não as
ouvem no momento. Através dos apartes, o público torna-se cúmplice dos actores.

BASTIDORES - local por detrás do palco, e lateral, onde normalmente se situam os camarins e
se guarda o material utilizado na representação

CAMARIM - local onde os actores se preparam (vestem, fazem a maquilhagem...) antes de


entrarem em cena.

CAMAROTE - pequenos compartimentos, situados num nível acima da plateia, destinados aos
espectadores.

CENA - Divisão de um acto, marcada pela entrada ou saída de uma personagem. CENÁRIO -
conjunto de elementos visuais que compõem o espaço onde se apresenta um espectáculo
teatral.

CENÓGRAFO – pessoa que imagina, concebe e executa o cenário de uma peça de teatro.
COMÉDIA - de origem obscura, supõe-se que se relaciona com cantos em festins de
homenagem a Dioniso. Peça teatral que visa a crítica social através da representação de
situações da vida real . O recurso ao ridículo, que provoca o riso, tem geralmente uma
intenção moralizadora.

CONTRA-REGRA – aquele que tem por função marcar a entrada dos actores em cena.
DIDASCÁLIA - texto secundário constituído pelas informações fornecidas pelo dramaturgo
(autor) sobre, por exemplo, o tempo e o lugar da acção (cenário), o vestuário, os gestos das
personagens, etc. também é chamado de indicações cénicas.

DRAMA - representação, através de palavras e acções, num espaço destinado a esta finalidade
(normalmente, um palco). Nele há, para além das linguagens verbal e gestual, o recurso à
luminotécnica e à sonoplastia, aos cenários, ao guarda-roupa, à maquilhagem…

DRAMATURGO – autor de textos dramáticos.

ENCENADOR – aquele que idealiza o espectáculo teatral, dirigindo os actores nos seus papéis,
“conduzindo-os” nos ensaios, transmitindo o que pretende a outros intervenientes no
processo (cenógrafo, figurinista, luminotécnico, sonoplasta, etc), levando à cena um texto ou a
adaptação de um original.

FIGURINISTA - técnico de teatro que se ocupa dos figurinos (guarda-roupa, maquilhagens, etc.)

GUARDA-ROUPA - conjunto das roupas e dos trajes utilizados numa peça de teatro.

MONÓLOGO - é uma fala interiorizado, em que o "eu" é o emissor (o "eu" que fala) e o
receptor (o "eu"/"tu" que escuta).
PONTO – pessoa que lê o texto das falas em voz baixa aos actores, caso eles se esqueçam
delas. Normalmente está por baixo do palco, ou por detrás, escondido do público.

RÉPLICA - fala dos actores em cena.

SONOPLASTA – pessoa responsável por todos os efeitos sonoros durante uma peça.

TEXTO DRAMÁTICO – texto orientado para a representação. Aquele que é escrito para ser
representado.

TRAGÉDIA - associada na origem, na Grécia, a celebrações dionisíacas, definiu-se como


espectáculo dramático onde se representam assuntos sérios, dignos, elevados.

Você também pode gostar