Você está na página 1de 1

PONTO 1

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

Atividade financeira do Estado. Finanças públicas na Constituição de 1988. Orçamento. Conceito e espécies.
Natureza jurídica. Princípios orçamentários. Normas gerais de direito financeiro. Fiscalização e controle interno
e externo dos orçamentos.

ATIVIDADE FINANCEIRA.
O Direito Financeiro tem por objetivo disciplinar a atividade financeira do Estado e, assim, estabelecer regras relativas
aos três pilares dessa atividade: o orçamento público, a receita pública, o crédito público e a despesa pública. Assim, o
conjunto que envolve esses fenômenos, quais sejam, receitas públicas, despesas públicas, orçamento público e crédito
público chama-se atividade financeira do estado.
O Direito Financeiro ganhou sistematização em 1964 com a publicação da Lei 4.320. Com o advento da CF/88, foi
recepcionada com status de lei complementar (ADI 1726). O STF entende que os Tribunais de Conta possuem
competência para fiscalizar EMP e SEM, independentemente da exigência de dano ao erário (MS 25.092 e 25.181).
Princípios do direito financeiro. A) legalidade: art. 167, incisos II, III, V, VI e VIII, CF/88. Somente em casos
excepcionais admite-se a realização de despesa sem a respectiva autorização proveniente do Poder Legislativo: limita-
se à abertura de créditos adicionais extraordinários, via MP, nos casos de guerra, comoção interna ou calamidade
pública (§ 3º, art. 167, CF/88) – ADI 4048; B) economicidade: exigência relativa à eficiência; C) transparência: art. 48
a 49 da LRF estabelece os instrumentos necessários ao controle das contas públicas. São instrumentos de transparência
da gestão fiscal: i) planos, orçamentos e ldo; ii) prestações de contas e o respectivo parecer prévio; iii) relatório resumido
da execução orçamentária; iv) relatório de gestão fiscal e; v) as versões simplificadas desses documentos; D)
responsabilidade fiscal: visa assegurar que o gasto público seja realizado dentro de certos limites e de acordo com regras
escritas que, se não cumpridas, acarretam sanções aos entes públicos. É condição para tal a ação planejada e
transparente, em que se previnem riscos e corrigem desvios capazes de afetar o equilíbrio das contas públicas.

FINANÇAS PÚBLICAS NA CF/88.


A quem compete legislar sobre direito financeiro? União, aos Estados e ao DF, de forma concorrente. Cabe à LC
dispor sobre o exercício financeiro, a vigência, os prazos, a elaboração e a organização do PPA, LDO e da LOA;
estabelecer normas de gestão financeira e patrimonial da ADM DIRETA e INDIRETA, bem como condições para a
instituição e funcionamento de fundos e; dispor sobre critérios para a execução equitativa, além de procedimentos que
serão adotados quando houver impedimentos legais e técnicos, cumprimento de restos a pagar e limitação das
programações de caráter obrigatório (§ 9, art. 165, CF/88). A disciplina do § 9º, art. 165, CF/88 veio à tona com a LC
101/2000 (LRF).