Você está na página 1de 24

SEMIÓTICA: DA IMANÊNCIA À TRANSCENDÊNCIA

(QUESTÕES SOBRE O ESTILO)

Norma DISCINI1

• RESUMO: Procuramos trazer à luz a conexão entre a tradição dos estudos linguísticos
representada por Saussure e Hjelmslev e a filosofia da linguagem, tal como proposta por
Bakhtin, para que entendamos o lugar da semiótica junto a esses pensadores. Priorizados os
parâmetros oferecidos pela semiótica greimasiana, como a teoria da significação que cuida
do exame dos mecanismos de construção do sentido dos textos, observando a relação entre
os planos da expressão e do conteúdo, pretendemos refletir sobre a noção de discurso, de
gêneros discursivos, o que está entremeado pelo exame a ser feito do sujeito como imagem
depreensível de uma totalidade discursiva, logo, como estilo. Para quem analisa o discurso
sob a perspectiva da semiótica são permitidos tais alargamentos, tributários da natureza
interdisciplinar da teoria, esta que respalda estudos voltados para uma estilística discursiva
e que se constitui como lugar de acolhimento da noção de estilo como um corpo, uma voz,
um tom de voz, um caráter, um éthos, enfim.
• PALAVRAS-CHAVE: Signo. Estrutura. Discurso. Gênero. Totalidade. Estilo.

Saussure e Bakhtin

Saussure e Bakhtin estão, cada qual à sua moda, nas duas pontas do
pensamento sobre a linguagem ora contemplado com vistas a examinar
compatibilidades de pontos de vista entre eles. Esses dois pólos somente serão
postos em cotejo se pensados na cadeia discursiva estabelecida com mediação
de Hjelsmlev e Greimas. Assim as ditas compatibilidades deverão ser vistas
como base fortalecedora dos princípios teóricos e metodológicos da teoria da
significação, cuja preocupação é “[...] explicitar, sob a forma de construção
conceitual, as condições da apreensão e da produção do sentido” (GREIMAS;
COURTÉS, 2008, p.455): a semiótica. Não deixa de ser um confronto teórico juntar
a filosofia da linguagem, tal como proposta por Mikhail Bakhtin, e a semiótica,
seja nas bases greimasianas, seja nos desdobramentos voltados para as questões
da tensividade, tal como propõe Zilberberg. Para quem analisa o discurso sob a
perspectiva da semiótica são permitidos tais alargamentos, tributários da natureza
interdisciplinar da teoria. Por sua vez, o ponto de partida de uma análise que
tem como critério a descrição do sentido como significação, isto é, como rede
de relações hierárquicas organizada pela linguagem e depreensível de um texto,

1
USP – Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – Departamento de
Linguística, São Paulo – SP – Brasil. 05508-900. Pesquisadora do CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento
Científico e Tecnológico – normade@uol.com.br

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 595


manifestado seja por uma, seja por várias substâncias da expressão, diversas e
concomitantes, só pode situar-se teoricamente a partir do apoio encontrado em
Hjelsmlev. A teoria semiótica se ampara na noção hjemsleviana de estrutura, para
empreender a descrição do sentido segundo uma estrutura elementar, a qual funda
a forma, seja a do conteúdo, seja a da expressão. Assim podem ser examinados
aqueles textos manifestados por substância que não seja tão somente a verbal,
caso em que se inclui uma pintura, e aqueles textos que apresentam as substâncias
da expressão sincretizadas, como uma HQ ou um filme.
Trazemos à luz aquela conexão, em princípio atrelados à noção saussuriana de
signo, não só quanto à relação significante/ significado, repensada por Hjelmslev
como planos estruturalmente constituídos segundo uma forma da expressão e
outra, do conteúdo. Fazemos isso principalmente atrelados à noção saussuriana do
signo como nomeação da realidade e, consequentemente, não etiqueta sobreposta
ao que há previamente à linguagem. A partir daí pode ser confirmada a realidade
como representação linguageira, logo simbólica, lembrando Benveniste, cujo
pensamento é base dos estudos sobre a enunciação. “A capacidade simbólica é
a capacidade mais específica do ser humano”, diz o autor (BENVENISTE, 1995,
p.31).
Da concepção de signo como imagem acústica (significante) e conceito
(significado) fica pressuposto o fazer de um sujeito que filtra o som como memória
e o mundo como interpretação. “Esta [a imagem acústica] não é o som material,
coisa puramente física, mas a impressão (empreinte) psíquica desse som.” –
está dito no Curso de Linguística Geral – ao que o autor acrescenta: “O caráter
psíquico de nossas imagens acústicas aparece claramente quando observamos
nossa própria linguagem. Sem movermos os lábios nem a língua, podemos falar
conosco ou recitar mentalmente um poema” (SAUSSURE, 1970, p.80).
A noção de signo como “entidade psíquica de duas faces” (SAUSSURE, 1970,
p.80) verdadeiramente supõe a presença de um sujeito e viabiliza o sentido das
coisas segundo uma aparência (dimensão do significante) e uma imanência
(dimensão do significado). É então possível desvelar o pensamento de Saussure
subjacente ao de Greimas e Courtés (2008, p.324), quando os semioticistas afirmam
que entendem o mundo natural como “[...] o parecer segundo o qual o universo se
apresenta ao homem como um conjunto de qualidades sensíveis, dotado de certa
organização”. Sem negligenciar o mundo como um dado anterior ao indivíduo,
“natural”, portanto, por “estar aí” para situar “o homem desde o seu nascimento”
(GREIMAS; COURTÉS, 2008, p.336), Greimas e Courtés ressaltam a própria
natureza como culturalizada e o mundo natural como o que está enformado e
categorizado pelas línguas naturais. O mundo natural, apresentado “na relação

596 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


sujeito/ objeto”2, fica confirmado como representação simbólica: o parecer do ser
é o que interessa para a semiótica.
Por sua vez, Bakhtin (1988, p.33-34) também acaba por remeter à construção
sígnica do mundo, ao expor seu conceito de consciência: “A própria consciência
só pode surgir e se afirmar como realidade mediante a encarnação material
em signos”. A esse pensamento o russo acrescenta uma consideração acerca
do caráter responsivo do signo: “Afinal, compreender um signo consiste em
aproximar o signo apreendido de outros signos já conhecidos; em outros termos,
a compreensão é uma resposta a um signo por meio de signos” (BAKHTIN, 1988,
p.33-34). Esse caráter responsivo do signo, em que se fundamenta a noção de
dialogismo, é permeado pela noção de representação simbólica.
Voltemos à tradição saussuriana e hjelmsleviana da semiótica. A noção
saussuriana de valor e a noção hjelmsleviana de forma se complementam, ao
elegerem a relação como condição necessária para que se estabeleça o sentido.
A ideia de valor orienta a ideia de forma, abstração que remete à estrutura do
plano do conteúdo e do plano da expressão. A forma radica o plano do conteúdo,
concernente ao significado, e o plano da expressão, concernente ao significante.
Orientado pela relação disposta segundo uma estrutura elementar, apresenta-
se o plano do conteúdo como passível de análise segundo os patamares de um
percurso gerativo, por meio dos quais fica recuperado o sentido como arquitetura,
seja qual for a substância da manifestação.
Hjelmslev verdadeiramente ilumina a noção saussuriana de valor, ao propor a
noção de forma como sustentação do plano do conteúdo e do plano da expressão
dos textos. O valor, relacional por excelência, interessa para a identidade sígnica,
desse modo concebível como não fechada em si mesma. O valor confirma a
delimitação conceitual e mútua entre os signos da mesma língua e a definição
da própria língua como forma, antes de tudo: “As diferenças entre as línguas não
provêm das realizações diferentes de um tipo de substância, mas das realizações
diferentes de um princípio de formação” (HJELMSLEV, 2003, p.80). A delimitação
mútua faz emergir o sentido peculiar a cada signo de cada língua, assim dado
como um signo não suscetível de tradução pacífica de uma língua para outra.
Como exemplo, lembramos uma crônica jornalística, em que o autor (ROSSI, 2008,
p.A2) lamenta o fato relativo ao discurso de um ministro holandês, por ocasião
do “almoço que a rainha Beatrix ofereceu a Lula”. Depois de contar que garçons
cabo-verdianos “deram o popular jeitinho de contrabandear sanduíches para os
jornalistas”, o cronista enfatiza que “brasileiro adora esse ‘jeitinho’ ”. Lamenta
então que, para o elogio feito na tradução em inglês do discurso, foi usado hability,
“talvez por não haver ‘jeitinho’ em inglês ou holandês”. “Hability”, usado pelo

2
Confira Greimas e Courtés (2008, p.324).

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 597


político holandês, não tem o mesmo valor que “jeitinho”; este último termo, na
língua portuguesa, tem um valor que somente se depreende da observação das
relações imanentes, estabelecidas por nosso idioma, em que existe esta oposição
categorial: jeitinho (o popular “jogo de cintura”) versus falta de jeito (rigidez do
comportamento). A língua portuguesa estabelece arbitrariamente as fronteiras
que permitem emergir o tal conceito de jeitinho aludido na crônica.
Da imanência formal à transcendência social, encontram-se, via Hjelmslev,
Bakhtin e Saussure, quando o russo defende “o caráter social do signo”
(BAKTHIN, 1988, p.50), formulação que remete à porosidade sígnica, necessária
às delimitações mútuas. Embora voltado para a concepção substancialista do
signo, ao pensá-lo como um significante e um significado “intimamente unidos”
numa relação em que “um reclama o outro” (SAUSSURE, 1970, p.80), por meio
da noção de valor, Saussure oferece base para a concepção do sentido visto
no aquém (imanência) da substância e no entorno ou além do próprio signo
(transcendência).
A noção de valor também ampara a ideia de sistemas de crenças sociais.
As representações simbólicas obedecem a um sistema que as rege, logo não se
pode supor que sejam dadas aleatoriamente. Elas se organizam segundo certa
formação ou rede estrutural. A estrutura não é a-histórica, e pensar isso acaba
por clarear a própria noção de formações discursivas, que subsidiam os temas e
figuras do discurso. A assunção de valores ideológicos pela enunciação reverbera
na axiologia estabelecida no nível fundamental, e, sendo a recíproca verdadeira,
todos os patamares da construção do sentido esboçam certo lugar que o sujeito
ocupa no mundo. Temos uma “estrutura de atrações e repulsões”, noção proposta
por Greimas e Fontanille (1993, p.22), embora com algumas ressalvas. Os autores
interpelam a noção de sujeito, ou do “ser vivo” tão somente como tal estrutura,
quando fazem referência à massa fórica móvel, que progressivamente emerge
à superfície das coisas. Ressaltam que atração e repulsão podem misturar-se
em relação a um mesmo objeto, assim apresentado com contornos imprecisos.
Enquanto explicam que, “[...] depois da binarização da foria as ‘sombras de
valor’ são projetadas sobre o quadrado semiótico” (GREIMAS; FONTANILLE,
1993, p.48), alertam para a “relação entre o sujeito tensivo e as valências”, estas
entendidas como impregnações valorativas concernentes aos objetos “de contorno
impreciso”, na medida em que correspondem a “alguma coisa que vale a pena”,
independentemente de ser bom ou ruim (GREIMAS; FONTANILLE, 1993, p.49).
Desse modo os autores se projetam na busca dos princípios tensivos, que se
empenham em desvendar o mundo como percepção e o sujeito como campo
perceptivo de presença.
Esse estudo sugere que tais objetos ditos de contornos imprecisos podem
fundar paixões contraditórias, já que extrapolam a separação da foria nos

598 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


termos eufórico (o bem desejável) e disfórico (o mal repudiável). Esse estudo
sugere ainda que, para além do campo da moralização, social por excelência,
podem ser depreendidos os “estilos semióticos” (GREIMAS; FONTANILLE,
1993, p.75), resultantes de “[...] modulações tensivas estereotipadas, captadas
e congeladas pelo uso”. No congelamento, entendemos estar a estrutura, como
princípio regulador do modo segundo o qual o sujeito se apresenta ao longo de
uma totalidade discursiva indicativa de um estilo, conforme uma: inclinação a...;
propensão a...; disposição a... (GREIMAS; FONTANILLE, 1993, p.84), itens que,
como vimos, ultrapassam a polarização euforia versus disforia sem abandoná-
la.
Vêm à tona alguns pontos da semiótica tensiva, tal como apresentados por
Zilberberg, este que avança a partir do pensamento de Saussure e Hjelmslev,
para explicar o sentido segundo grandezas consideradas em correlação escalar:
da interação gradual entre “forças da intensidade” e “formas da extensidade”,
noções explicadas por Tatit e Lopes (2008, p.60), resultam os estilos como
campo de percepção. Relativas àquelas, continuam os autores, estão as “[...]
variações de andamento (celeridade e morosidade) ou de acento (tônico e átono)”.
Relativas a estas estão as “variações temporais (brevidade e alongamento) ou
espaciais (oclusão e abertura)”. Assim reconhecemos o que Zilberberg (2006b,
p.85) sugere como percepção concentrada ou estendida de mundo, entre outros
conceitos caros à tensividade. Junto a uma percepção tendente à concentração
dominante, poderemos ter o fortalecimento da intensidade do sentir, o que suporia
a diminuição da extensão daquilo que é percebido como difuso e numeroso.
Desse modo estaria confirmada uma presença inclinada ao impacto. O contrário
aconteceria, se tivéssemos uma propensão ao aumento da inteligibilidade, que,
juntamente com a dominância da extensidade da percepção, remeteria a um
decrescendum dos graus de intensidade. A percepção, como efeito de sentido,
dada de acordo com o discurso, firma o perfil sensível do ator, pertencente seja
ao enunciado enunciado, seja à enunciação enunciada. Lembramos que, no
mesmo estudo, Zilberberg (2006b, p.89) sugere como necessárias a “simplicidade
e a monotonia das estruturas”, para que se determinem as bases de um mundo
construído segundo a dominância da continuidade ou da descontinuidade, valores
aspectuais que constituem a percepção de um sujeito.
Inclinação a..., propensão a..., disposição a..., tendências do sentir, que
dispõem o mundo para o sujeito, e este, para aquele, conforme um olhar que pode
ser propenso à concentração e à aceleração emocionais, por exemplo, compõem
também uma voz social, já que deduzida do discurso. Por isso, enquanto se pensa
no sujeito do afeto, não se esvazia a enunciação como práxis enunciativa. Assim
a análise semiótica, que busca estabilidades da forma no plano da expressão
e no plano do conteúdo, incorpora “o ir-e-vir do sujeito entre texto e mundo”

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 599


(GREIMAS; FONTANILLE, 1993, p.13) segundo um esquema corporal que envolve
uma presença feita de afetos e de aspirações sociais.
O sujeito, tanto no seu lado axiológico como na perspectiva do sensível,
fundamenta a valorização do objeto de valor narrativo, como desejável (querer
ser) ou nocivo (querer não ser), como véritable (passível de ser verdadeiro), este
vinculado a um saber ser, ou como ilusório, este vinculado a um saber não ser, entre
outros (GREIMAS, 1983, p.99). Se observada a tensão que regula a junção do sujeito
com o objeto, poderemos encontrar um objeto nocivo e desejável simultaneamente,
valorizado segundo uma percepção comandada por certo andamento mais célere,
o que resultará na diluição cada vez maior dos contornos; menos célere, o que
resultará na expansão do olhar para um mundo reinstaurado na inteligibilidade
dominante. Neste último caso, teremos um mundo-objeto convertido para o estado
de numeroso, pois preservado segundo a nitidez dos contornos.
Voltando a cuidar do papel axiológico do sujeito, assim visto como o que
sustenta o texto como enunciado, ao testemunhar determinado lugar ocupado
no mundo, reencontramos o sujeito remetido à condição de ser responsivo. Assim
o corpo, individual porque social, é organizado segundo sistemas de valores. A
própria concepção do signo como meio de apreensão de realidade (percebo o
que nomeio; passa a ter existência para mim aquilo que é nomeado por mim) e o
princípio de que as palavras criam conceitos, e os conceitos ordenam a realidade
contêm esses movimentos de ir-e-vir relativos a uma práxis enunciativa. Via
discurso, o sujeito moraliza o mundo, confirmando-se como observador social.
Esse sujeito então se define na superfície discursiva por meio de um papel
temático de orientação judicativa, papel que se constitui como formulação
actancial depreensível não tão somente dos temas e dos percursos temáticos
que organizam o discurso, mas principalmente do posicionamento assumido
na moralização desses temas e desses percursos temáticos. Para acentuar a
possibilidade de apreciação moralizante em relação às ações de um ator do
enunciado, trazemos Fiorin (1996, p.66), que, ao ressaltar o caso do romance O
missionário, de Inglês de Sousa, em que um “[...] narrador implícito interpreta os
atos do padre Antônio Morais”, acrescenta: “Todas as apreciações moralizantes
do texto são da responsabilidade de uma instância inscrita no discurso, mas que
não diz eu.”
Verdadeiramente a separação feita entre o que é julgado eufórico ou disfórico
remete a escolhas axiológicas concernentes ao julgamento ético conferido aos
valores, assim responsivos a crenças sociais. Desse modo fica recuperada a
instância enunciativa como lugar de convocação da História e fica confirmada a
própria História não como sequência de fatos relatados anonimamente, mas como
moralização ou apreciação ética. Dizer que “fora do texto não há saída” não é
indicação de um imanentismo autocentrado. É proclamar o lugar do estudioso do

600 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


discurso, como aquele do pensador que, não restrito ao idealismo abstrato, também
se incompatibiliza com o psicologismo intuitivista: “O idealismo e o psicologismo
esquecem que a própria compreensão não pode manifestar-se senão através de
um material semiótico” (BAKHTIN, 1988, p.33). A exposição desse conjunto de
pensamentos recolhe questões discursivas sobre o estilo.

Estilística discursiva

Interrogar a noção de estilo sob a perspectiva de uma estilística discursiva


é pensar o estilo como a imagem de um sujeito discursivo, colhida por meio
do exame feito de indicações enunciativas que se reúnem em determinada
totalidade de enunciados. Uma estilística discursiva supõe a compreensão a
ser feita do sujeito pressuposto a uma totalidade integral (totus, Ti), relacionada
por complementaridade a uma unidade integral (unus, Ui). Na mediação entre
essas duas grandezas quantitativas, encontra-se, como unidade virtual que
aguarda sua atualização em totus (Ti) e sua realização em unus (Ui), o fato de
estilo, abstração designada por nemo3. O sujeito como efeito de individualidade
será então descrito mediante exame a ser realizado de um conjunto de textos
unidos por meio de um modo recorrente de dizer. Na unidade resultante
desse exame encontra-se o éthos discursivo. Afastam-se, portanto, noções
que apresentam o estilo como: a) desvio em relação a uma norma ordinária
de expressão; b) espécie de adorno textual; c) conjunto de características
individuais articuladas ao autor real; d) momento epifânico da criação da
obra de arte. Tudo tem estilo. Segundo tal concepção, tornam-se passíveis de
análise estilística textos que materializam qualquer gênero e que se vinculam
a qualquer esfera de comunicação, entendida esta como uma das acepções da
noção de discurso: o jornalístico e o literário, por exemplo. O estilo pode ser
examinado segundo cotejo feito de um texto com o próprio gênero e segundo
as expectativas relativas à própria esfera.
Entende-se como um sujeito responsivo, já que definido pelo lugar que ocupa
no mundo, esse ator que se expressa por meio de um conjunto de enunciados
que ele mesmo legitima e que o legitimam simultaneamente. Temos um corpo
e um caráter reunidos para definir um sujeito diferencialmente, ou seja, por
meio daquilo que ele não é. O fato de estilo é diferencial. Considerado como
unidade a ser depreendida da totalidade discursiva posta sob exame, esse fato
nem é fechado em si, nem é rede de representações universais. Ao se descrever
um estilo, examinam-se representações como determinados sistemas sociais,
necessariamente postos em confronto uns com os outros, enquanto se observam

3
A noção de totalidade foi herdada de Brøndal (1948) e desenvolvida para a definição de estilo por Discini
(2009).

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 601


os textos como enunciados, isto é, como unidades de sentido obtidas sob o cotejo
com a enunciação, instância sempre pressuposta.
Se é por meio do exame de uma totalidade que se obtém o efeito de
individualidade, somos levados a considerar um conjunto de enunciados vistos
segundo semelhanças do ato de dizer, para que se confirme o estilo por meio de
um modo recorrente de referencialização da enunciação no enunciado. Já que
a enunciação finca o enunciado no lugar de onde ele veio, ou seja, na sociedade
e na História, o ator da enunciação, que é o enunciador considerado segundo
a totalidade de seus discursos, terá a imagem entendida em relação a um
determinado sistema de restrições semânticas, interno à totalidade estabelecida,
na medida em que é responsivo ao mundo percebido.
A noção de éthos discursivo, fundamento da noção de estilo e herdeira do
éthos retórico, consolida o estilo como efeito de sentido que se oferece à construção
do “auditório”: o analista, que rastreará as indicações dadas pela enunciação
no conjunto de enunciados. Temos sob análise o caráter do sujeito. Devido à
pressuposição de uma escolha, o movimento da imanência à transcendência
se projeta por meio de uma sombra ideológica de valor, desde as relações mais
abstratas e simples da construção do sentido, estabelecidas no patamar profundo
de sua geração. “Caráter é aquilo que revela determinada deliberação; ou, em
situações dúbias, a escolha que se faz ou que se evita” (ARISTÓTELES, 1999,
p.45). A escolha feita de uma timia fundamental, que orienta o discurso para
uma avaliação feita segundo o bem e o mal, é responsiva às grades culturais, que
supõem, juntamente com a natureza, um “primeiro investimento elementar do
universo semântico coletivo” (GREIMAS; COURTÉS, 2008, p.337).
A noção de éthos contribui para que se confirme a totalidade discursiva como
determinada ética, do que resulta a possibilidade de articular o conceito de estilo
como arquitetura discursiva. Por meio da observância das relações estabelecidas
na construção do sentido dos textos, um homem, verdadeiro enquanto criado
segundo as possibilidades da própria palavra, é pensado em relação ao “enunciado
concreto” (BAKHTIN, 1997), isto é, em relação ao texto vivo e cotejado em situação
concreta de comunicação. Somos inevitavelmente remetidos à questão do gênero
discursivo. Pensemos na concepção de estilo, voltada para o estilo dos gêneros.
O gênero, apesar de ser a raiz do enunciado concreto, já que texto algum
se materializa como comunicação senão por meio dele, é, ele próprio, uma
abstração depreensível de uma totalidade. Tenho de ter um conjunto de bulas
de remédio para abstrair a composição, a temática e o estilo do gênero, os três
pilares que o tornam um enunciado relativamente estável, como propõe Bakhtin
(1997). Para a temática, que concerne ao assunto tratado, lembramos que a bula
reúne as prescrições relativas ao modo de usar o medicamento, as indicações da
constituição dele, a exposição detalhada dos efeitos de cura ou alívio esperados

602 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


e dos efeitos colaterais a ser evitados mediante o uso. Também na bula está a
estrutura composicional que organiza o texto segundo uma divisão didática de
tópicos reunidos sob um tipo textual que oscila entre o injuntivo, no que diz
respeito às prescrições e interdições dadas comumente por meio do uso do
infinitivo (“Tomar dois comprimidos pela manhã” “Não ingerir bebida alcoólica;
não dirigir enquanto for usuário deste medicamento”, etc.) e o expositivo, relativo
à apresentação da fórmula e à explicação feita da constituição do remédio. A
temática e a composição direcionam o estilo do gênero. Temos um tom asséptico
de subjetividade para a voz depreendida de uma bula de remédio, se considerarmos
que há uma cenografia subjacente à cena genérica. Com apoio no pensamento
de Maingueneau (2004, p.96), de quem extraímos as noções de “cena genérica” e
de “cenografia”, lembramos que esta é responsável por aquela. Esta é da ordem
da enunciação, a cada vez nova para cada enunciado; aquela tem a estabilidade
sustentada nos três pilares genéricos. A tal ponto asséptico é aquele tom, que
não se esperam variações de uma bula para outra, o que a confirma como gênero
maximamente estável. Nesse ponto a bula se emparelha à lista telefônica.
Conhecer o estilo dos gêneros viabiliza uma economia da leitura. No caso
desses gêneros, ditos utilitários, sabemos que o estilo concerne a um uso linguístico
voltado para uma situação formal de comunicação e regido pela exclusividade
de uso da modalidade escrita da língua. Além disso, o leitor adentra o universo
discursivo de uma bula, munido de uma certeza inquestionável e previamente
montada sobre a informação que obterá, relativa às propriedades do remédio. Por
conseguinte, haverá um empenho reduzido de emoção para fazer esse leitor crer
na verdade enunciada, se fizermos comparação com um anúncio publicitário.
Tal redução é consequência das diferentes conotações veridictórias imprimidas
à verdade pelos diferentes gêneros. Voltaremos a falar delas.
O estilo da bula de remédio se fundamenta num contrato de confiança marcado
pela autoridade relativa a um sujeito, cujo papel temático é o do porta-voz do
discurso da saúde, especificamente o farmacológico. Temos um sujeito que deve e
pode saber tudo a respeito do que informa, expõe e prescreve e, para isso, procede
de modo homogêneo, com isenção de opiniões pessoais, como pede o simulacro. A
axiologização dos valores, de tal modo higienizada de subjetividade pelo discurso,
contribui para que a cena genérica, isto é, aquela própria ao gênero bula (e lista
telefônica), seja altamente cristalizada para ratificar o corpo asséptico e isento.
É verdadeiramente diferente o que acontece com um anúncio publicitário. A
cenografia pressuposta, mais fortalecida, tende aí a fortalecer a novidade relativa
a cada ato de enunciar.
Com base no “esboço de uma tipologia dos discursos cognitivos” sugerido por
Greimas e Courtés (2008, p.67), observamos que a bula, com suas peculiaridades
de divulgação, estaria inserida nos “ares” do discurso científico. Segundo o autor,

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 603


é próprio a este “o saber-verdadeiro como projeto e objeto de valor visado”.
Mas a bula de remédio pode ser parodiada num anúncio publicitário, que assim
procederá à paródia do gênero: a temática e a composição serão mantidas,
para que se reconheçam os índices identificadores do gênero. O estilo ou o tom
sério da voz da bula será então desestabilizado, a fim de que o anúncio possa
subverter o texto-base. Por meio de uma enunciação relevantemente voltada
para a venalidade do objeto de consumo, tido como primordialmente desejável
na medida em que a venalidade se mantém em segredo, confirma-se o anúncio
como um gênero discursivo particular. Um suposto “pacote turístico” para uma
viagem em alto mar poderá rabiscar o texto de uma bula, item por item, linha
por linha. No final do anúncio, poderá apresentar esta nota: Substitua doença e
remédio por um cruzeiro no navio X.
O estilo de um anúncio publicitário prevê a possibilidade de destruição e de
renovação do caráter de um gênero imitado e subvertido via paródia (de gênero).
Isso acontece porque está pressuposta, para cada anúncio e para a totalidade
deles, uma cena enunciativa direcionada por uma voz, cuja inflexão é fundada em
mecanismos de veridicção mais movediços, pois ambíguos, se pensado o anúncio
em relação à bula de remédio.
A esfera de comunicação sustenta o estilo dos gêneros que ela prevê: tanto
os já existentes, como os que advirão da demanda compatível a ela. É aberta a
lista dos gêneros radicada no caráter da própria esfera. O discurso publicitário
acolhe para si a mobilidade propícia a um tom por vezes malicioso, por vezes
brincalhão de voz. O discurso jurídico, ao contrário, supõe para os gêneros de
trânsito costumeiro dentro de suas margens um tom de voz coerente com o caráter
normativo, pressuposto ao éthos do legislador, e judicativo, pressuposto ao éthos
do juiz e do promotor, sem que se mantenha a rigidez da zona limítrofe entre
os papéis actoriais. Temos aí um tom de voz coerente com certa hexis corporal
ritualística, não à toa consumada em práticas sociais como a vestimenta. O uso
indispensável de terno e gravata predominantemente de cor escura para sessões
de audiência o comprova.
Desde uma sentença, uma petição, um mandado, até a Constituição Federal
e a Estadual, apresentam-se todos os gêneros desse discurso por meio de um
estilo propenso a volteios linguísticos de uma variante erudita, reverberação de
um lugar de acúmulo da autoridade oficial. Mesmo se concretizada em situação de
comunicação oral, como a defesa de um réu, a peça jurídica oferecerá a ilusão de
uma cena majestática. Para isso contribui a relevância conferida à palavra escrita,
aliada do efeito de durabilidade simbólica dos documentos que circulam com
traço de porta-voz da oficialidade. O discurso jurídico não oferece possibilidade
de sustentação de gêneros de limiar, isto é, aqueles sobre cuja inflexão de voz
paira certa indefinição relativa ao trânsito possível em esferas diferentes. Nesse

604 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


âmbito não ocorrerá uma pergunta deste tipo, que remete a um gênero que oscila
entre a História e a Literatura: “É biografia ou é romance?” – para uma narração
sobre determinado personagem da História do Brasil, por exemplo.
Embora seja o gênero pertencente a uma “ordem do impessoal”, como indica
Bakhtin (1997, p.312), o estilo aí se confirma por meio de uma inflexão própria
da voz. O filósofo, ao fazer alusão à “expressividade típica de um gênero”, cita o
tom triste de um epitáfio. A “aura estilística” da palavra (as aspas foram usadas
no próprio texto de Bakhtin) concerne não à “palavra da língua e sim ao gênero
em que a palavra costuma funcionar.”, completa o autor. Como se vê, a estilística
discursiva se põe a depreender o estilo também na imbricação entre gêneros
e discursos. Outras possibilidades oferecidas pelo pensamento de Greimas, de
Bakhtin e de Zilberberg serão contempladas, com vistas a integrar principalmente
a noção de estilo dos gêneros a essa estilística.

Estilo e conotação veridictória

Logo mais trataremos de um tema cotejado entre gêneros e discursos.


Falaremos do tema da solidão, examinado na relação entre uma reportagem e
um poema e, para que isso seja feito, pensaremos na distinção entre os discursos
jornalístico e literário, como diferentes modos de construção do referente,
assentado sobre a questão da veridicção. Por ora consideremos a reportagem
intitulada “Festa dos solteiros só atrai ‘solteironas’ de meia-idade”, da Folha de
S. Paulo (SAMPAIO, 2008, p.C8). Sob assinatura do repórter designado como
enviado especial à Mata de São João (BA), o texto se abre com este lide: “Pacote
de cinco dias para o evento, na Costa do Sauípe (Bahia), custou $1.548; homens
e mulheres se disseram decepcionados” 4. Em segmento inicial a reportagem
assim se expressa:

Não é fácil cumprir as promessas embutidas em um evento chamado


“1ª Festa Internacional dos Solteiros”. Especialmente quando há quase
o dobro de mulheres, a maioria delas com idades acima de 45, como no
encontro que reuniu na semana passada 135 pessoas em um dos ruidosos
hotéis da Costa do Sauípe, no litoral norte da Bahia.

Segue este outro trecho, com fala de um dos participantes reproduzida pelo
repórter:

– Vimos o pacote na internet, achamos o preço acessível, era tudo


enganação. Dizia lá que vinham 500 pessoas. Ninguém aqui imaginou

4
Todas as citações relativas à reportagem constam da mesma fonte, que é o Caderno Cotidiano, p.C8.

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 605


que iria encontrar tanta gente da terceira idade”, diz a empresária baiana
Vera, uma loura de cerca de 60, cabelos compridos, lentes de contato
verdes, brincos pingentes de cristal e top preto de paetês – ela janta
com duas amigas de sua idade.

Consideramos os elos da cadeia midiática. Temos inicialmente o pensamento


de Volochinov (1976, p.96)5. O autor então alude aos “[...] enunciados verbais fora
do campo da arte – enunciados da fala da vida e das ações cotidianas [...]”. Para
ele, “[...] a essência social do discurso verbal aparece aqui [nos enunciados da fala
da vida e das ações cotidianas] num relevo mais preciso, e a conexão entre um
enunciado e o meio social circundante presta-se mais facilmente à análise”. Ao
fazer referência a Volochinov, é preciso abrir parênteses para esclarecer a questão
de autoria relacionada às obras de Volochinov/ Bakhtin. Freudianism (1976), dada
como de autoria de Volochinov, é ainda de autoria disputada dentro do Círculo
de pensadores ao qual pertenceu Bakhtin. Há da mesma obra tradução para o
português (Editora Perspectiva, 2001), que traz tão somente a indicação autoral
relativa a Bakhtin. Optamos pela versão de 1976, que apresenta Volochinov como
autor, pois apenas nela está, a título de apêndice, o estudo sobre o “discurso na vida
e discurso na arte”. Marxismo e filosofia da linguagem (1988) é obra disputada da
mesma maneira. Bakhtin (1895-1975), perseguido pela intolerância que marcou a
Revolução de 1917, teve “[...] parte de suas obras publicada sob o nome de amigos
próximos que não estavam interditados pela censura soviética”, segundo está
dito na orelha da versão referida (2001).
Ao voltar a falar em esfera midiática, referimo-nos então ao que se designa
como discurso da vida, oposto ao discurso da arte e tido como “claramente não
auto-suficiente”.

Ele [o discurso da vida] nasce de uma situação pragmática extraverbal


e mantém a conexão mais próxima possível com esta situação. Além
disso, tal discurso é diretamente vinculado à vida em si e não pode
ser divorciado dela sem perder sua significação. (VOLOCHINOV, 1976,
p.96).

Podemos pensar em esfera midiática com apoio em Volochinov, que também


entende “cada enunciado nas atividades da vida” como dotado de “[...] uma
‘senha’ conhecida apenas por aqueles que pertencem ao mesmo campo social”.
Prossegue o autor:

A característica distintiva dos enunciados concretos consiste


precisamente no fato de que eles estabelecem uma miríade de conexões

5
Para as citações relativas à obra citada (1976), utilizaremos a tradução feita por Tezza e Faraco, ainda em versão
xerocopiada.

606 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


com o contexto extraverbal da vida, e, uma vez separados desse contexto,
perdem quase toda a sua significação – uma pessoa ignorante do
contexto pragmático imediato não compreenderá estes enunciados. Esse
contexto imediato pode ter um escopo maior ou menor (VOLOCHINOV,
1976, p.101).

Se, com realce à etimologia, entendermos escopo segundo a acepção de


um vigia, guardião ou protetor, conforme se apresenta no grego skopós6, na
reportagem temos um acontecimento concebido como verdadeiro mediante
um grau máximo de força de legitimação oferecida pelo discurso ao escopo
do real, também observado como “contexto pragmático imediato”. A Costa do
Sauípe (BA) está lá; o Hotel Breezes, onde ocorreu o evento relativo à 1ª Festa
Internacional dos Solteiros, está lá; os participantes estão lá. O evento registrado
no jornal aconteceu. Entretanto, é mister enfatizar que esse evento é legitimado
como mundo percebido. Desse modo o “contexto pragmático imediato” pode ser
pensado como guardião de uma verdade peculiar ao discurso e ao gênero. Essa
verdade peculiar é a conotação veridictória.
Se, mantida a atenção dada ao conjunto do pensamento do Círculo,
remetermos ainda ao que afirma Bakhtin (1988, p.37) acerca do signo tido como
“instrumento da consciência” e por isso entendido como aquilo que “[...] funciona
como elemento essencial que acompanha toda criação ideológica, seja ela qual for
[...]”, o “contexto pragmático imediato” confirma-se como semântico. A noção de
escopo adquire então uma acepção ligada a diferentes tipos de fiador da verdade,
com função diversa no “discurso da vida” e no “discurso da arte” 7.
Para distinguir literatura de jornal temos em mente que há diferentes modos
de fazer assentar o relato na veridicção. O mesmo se dá em relação aos gêneros.
Naqueles relativos ao discurso jornalístico, como a reportagem, a veridicção não
acolherá como próxima sua variável tipológica, a verossimilhança, mais móvel
em relação ao escopo do “contexto pragmático”. A literatura goza de um grau
maior de auto-centramento da palavra8.
Mundo natural, verdade, considerados como elementos intrínsecos ao
enunciado, ratificam que, para distinguir esferas de comunicação, não interessa
o problema do referente dado a priori, nem tampouco a oposição real versus
fictício. Importa isto: o ato de “[...] referencialização do enunciado, que implica
o exame de procedimentos pelos quais a ilusão referencial – o efeito de sentido
‘realidade’ ou ‘verdade’ – [...], se acha constituída” (GREIMAS; COURTÉS, 2008,

6
Confira Houaiss, Villar e Fraco (2001).
7
O conceito de fiador pertence a estudo feito por Maingueneau (2005).
8
O mais e o menos, que tendem a atentar para o sentido como direção a..., são devidos à noção de valências
graduais examinadas pelo ponto de vista tensivo da semiótica.

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 607


p.415). Acrescentamos que a ilusão referencial acha-se constituída de modo
diverso nos diferentes discursos e gêneros. Aí está a função das diferenças de
conotação veridictória, noção esta que pode respaldar-se também pelos conceitos
bakhtinianos de limite e de limiar (BAKHTIN, 1981). Pensamos na verdade posta
nos limites da transparência do dizer e do dito; ou ao contrário, posta na opacidade,
aliada do limiar.
Ao recuperar a noção de limite como efeito de transparência e acabamento,
somos então remetidos ao seu oposto, o limiar, este em cuja dimensão ficam
preservadas as duplicidades do sentido. Personagens dosteivskianas examinadas
por Bakhtin (1981) como simultaneamente dadas segundo a insanidade e a
razão são representativas do limiar, essa dimensão típica da relatividade e
emparelhada à experimentação da verdade, seu ponto alto. Assim, segundo o
autor, ancoram-se tais personagens na própria polifonia, já que, sob o efeito de
serem não-administráveis pelo narrador, são construídas segundo o simulacro
de serem interiormente inacabadas. Enquanto isso, os acontecimentos narrados
dos quais fazem parte não são revelados no tempo biográfico e histórico comum,
como sugere Bakhtin (1981).
Pensando agora na enunciação instituída por meio de um saber
intensificadamente verdadeiro, em certas esferas da comunicação finca-se, como
oposto ao limiar, a ilusão de onisciência, relativa a uma “dimensão cognitiva do
discurso” (GREIMAS; COURTÉS, 2008, p.64), que “[...] se desenvolve paralelamente
ao aumento do saber (como atividade cognitiva) atribuída aos sujeitos instalados
no discurso”. Outra depreensão pode ser feita a partir das palavras de Greimas
na mesma fonte: em certas esferas como a midiática, temos o “espaço cognitivo”
designado como global e, além disso, absoluto. Isso ocorre, “[...] quando os dois
protagonistas do discurso compartilham da mesma onisciência acerca das ações
relatadas” (GREIMAS; COURTÉS, 2008, p.66). Pensando na ilusão de onisciência
tanto para o narrado como para os actantes da comunicação, somos remetidos
à esfera jornalística, que prima por apresentar contornos bem traçados no
delineamento do tempo, do espaço e da pessoa. Desse modo a reportagem se
firma afastada do efeito de polifonia, embora haja nela, como previsão de estrutura
composicional, a delegação feita à voz do outro, marcada por meio de recursos
como o do uso do discurso direto. Assim o discurso jornalístico confirma-se como
negação do evento estético, inacabado e fraturado por excelência.
Parecer e ser o que é remete a uma conotação veridictória própria ao discurso
jornalístico. É inadmissível para o jornal a desestabilização do saber verdadeiro,
assim alçado para o lugar do mais verdadeiro, tal como ancorado já nas primeiras
páginas por meio da manchete. Esse gênero funciona como elemento cristalizador
de topônimos (referente criado para consolidar o espaço tópico), cronônimos
(referente criado para remeter ao tempo cronológico e sua conexão com a data do

608 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


jornal) e antropônimos (referente criado para assentar os atores sociais envolvidos
pela notícia).
Se lembrarmos Greimas (1983, p.99), que, ao fazer o estudo sobre “A modalização
do ser”, pensa na “modalização inscrita no objeto de valor”, confirmamos que o
leitor do jornal se apresenta direcionado para uma informação (o saber, ele mesmo o
objeto de valor) modalizada de modo próprio. A informação nesse caso tende a “ser
querida” por envolver necessariamente o “saber verdadeiro como projeto e objeto
de valor visado” (GREIMAS; COURTÉS, 2008, p.67), atributo conferido por Greimas
ao discurso científico e transferido aqui para a mídia impressa, sem esquecermos
as especificidades das verdades relativas a este e àquele discursos. Reforçada
como uma questão de veridicção, a verdade confirma então suas bases nestas
perguntas feitas por Greimas (1983, p.105): “Como procede o enunciador para
que seu discurso pareça verdade? Segundo quais critérios e quais procedimentos
julgamos o discurso dos outros com aparência de ser verdadeiros?”
Os procedimentos de construção de diferentes estatutos da verdade constituem
uma questão de estilo. Greimas (1983, p.105), destacando a importância do acordo
implícito entre enunciador e enunciatário, para que se conceda um estatuto
peculiar à verdade, à falsidade, à mentira e ao segredo, conforme o “lugar frágil [do
discurso]”, em que se inscrevem tais modos de veridicção, acrescenta que esses
modos “[...] resultam da dupla contribuição do enunciador e do enunciatário”.
As diferenças de expectativas relativas aos diferentes efeitos de verdade,
firmados pactualmente na enunciação de um jornal e de um poema, remetem
ao que torna o jornal e o poema um enunciado concreto, isto é, posto no mundo.
A veridicção salta dos entornos de um enunciado específico, da unidade
textual e discursiva posta sob exame, para marcar as especificidades dos
diferentes discursos. As marcas de veridicção, relacionadas a uma “conotação
veridictória”, constituem noção que vem de Greimas (1983, p.108). Aí o autor
alude a “diferentes modos de existência dos discursos verdadeiros” (GREIMAS,
1983, p.107). Consideramos tais marcas na medida em que elas podem tornar-
se recurso identificador de determinada esfera discursiva e permitem que se
flexibilize a noção dura de referente dicotomizado em interno ou interno. Pensar
no referente articulado à conotação veridictória supõe uma verdade que pode ser
mais dependente, ou menos, da força do escopo pragmático, ou do que aconteceu
independentemente da percepção veiculada pelo discurso. O leitor de um jornal
se define na relação estabelecida com um saber verdadeiro próprio ao “discurso
da vida”, diferente daquele relativo ao “discurso da arte”. Mas, dentro de um
jornal, uma crônica circunstancial com pendor literário pode constituir-se como
gênero de fronteira.
Vale romper a dicotomia fictício/real. Isso feito, podemos pensar numa escala
linear em que, numa ponta, está a veridicção articulada ao grau máximo da força

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 609


de incidência do escopo ou fiador pragmático; na outra, a veridicção articulada
ao grau mínimo dessa força. Aqui se aloja a veridicção na sua variante tipológica,
a verossimilhança (GREIMAS; COURTÉS, 2008, p.488). Lá, o “discurso da vida”;
cá, o “discurso da arte”. Entre as extremidades e com oscilação possível mais
para uma e menos para outra, estão ancorados os gêneros discursivos. Aqueles
de fronteira circulam em mais de uma esfera de comunicação.
Greimas (1983, p.99) ainda nos dá subsídios para expandir a noção de
conotação veridictória, ao permitir pensarmos que, no discurso jornalístico, a
informação somente se mantém desejável, se for preservado para ela, via contrato
de fidúcia, o caráter de verdade indispensável (obrigatoriamente tudo deve ser
verdade). Aí o caráter de indispensável, imprimido à verdade, antecede o da
verdade possível (tudo o que foi relatado pode ter sido assim mesmo). Assim a
verdade se apresenta, ela mesma, “véritable (saber-ser)” (GREIMAS, 1983, p.107),
isto é, passível de ser verdadeira, segundo os parâmetros veridictórios do discurso.
As interpretações relativas à verdade indicam-na como algo em construção, ou
como construção daquilo que é passível de ser verdade (vraissemblable), pois
tem aparência de verdade.
Uma verdade linear, porque não apresentada segundo contradições, sustenta
a expectativa própria ao jornal e sua sintagmática dos acontecimentos. O que
foi noticiado de modo relevante ontem terá de sê-lo hoje e amanhã, para que se
garanta a satisfação do leitor, relativa à informação buscada. O acúmulo do ido e
do vivido sob o escopo pragmático altamente incidente se estende da manchete
às reportagens.
É diferente o que acontece para a verdade a ser colhida de um poema. Aqui
retornamos ao pensamento de Greimas (1983, p.107-108), quando o autor se
refere a uma “voz segunda, outra, que transcende a palavra cotidiana e assume o
discurso da verdade”. Ao referir-se a certas manifestações do poético, ele afirma: “A
exploração da materialidade do significante para destacar a verdade do significado
será um dos modos da conotação veridictória.” Acrescentamos que, no âmbito
literário, a conotação veridictória, dada segundo parâmetros da imprevisibilidade,
firma um mundo interiormente inacabado.
Podemos expandir a noção greimasiana de conotação veridictória, pensando
então em verdade do limite e verdade do limiar. Podemos ainda fazer isso,
pensando também na categoria verossimilhança externa versus verossimilhança
interna, proposta por Bakhtin (1981). Passamos a operar em bases conceituais
diferentes daquelas oferecidas pela noção greimasiana de verossimilhança.
Na clareza do raciocínio linearizado pelas relações de causa-efeito no
enunciado da reportagem, pode ser identificado o peso do que é nomeado por
Bakhtin (1981) como verossimilhança externa. Lá, o enunciador bem como os

610 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


atores sociais postos no enunciado sob a imagem daqueles que enunciam o
próprio discurso em segunda instância enunciativa apresentam, todos, o efeito do
vivido biograficamente. Desse modo, lá se desenvolve a verossimilhança externa,
conceito bakhtiniano que firma, também como negação de seu contrário, a noção
de polifonia. Para esta, segundo o russo, temos a verossimilhança interna, tal como
se dá em Míchkin, o príncipe de O Idiota, de miserável a rico herdeiro na virada de
uma noite, ou Natacha Filíppovna, sua amada infeliz (DOSTOIÉVSKI, 2003). Para
o Idiota, o paraíso carnavalesco. Para Natacha, o inferno carnavalesco, segundo
Bakhtin (1981). Para ambos o limiar e a polifonia, logo a verossimilhança interna,
que com eles predomina sobre a outra. Ambos os personagens se soltam das
mãos do autor, segundo Bakhtin. Para Totski, personagem do mesmo romance,
os limites. Com Totski e outros personagens afins, porque plantados de modo
claro e transparente na vida, a verossimilhança externa predomina. A verdade dos
primeiros é do limiar; deste, ela é do limite. Não pairam dúvidas sobre Totski.
Estamos no rastro da conotação veridictória. Constatamos então que,
emparelhado ao simulacro de Totski, está o tom do discurso jornalístico, ou a
“entonação” e a “expressividade” da esfera midiática, se aceitarmos estes dois
últimos termos destacados como umas das bases da noção bakhtiniana de
estilo (BAKHTIN, 1997, p.312). O modo de parecer e ser verdadeiro, imprimido à
construção desse ator, pode ser examinado como similar àquele concernente à
esfera da comunicação midiática. Por conseguinte, a categoria verossimilhança
interna versus verossimilhança externa, proposta por Bakhtin para explicar a
“poética de Dostoiévski”, se entendida como categoria a ser depreendida de
qualquer discurso, contribui para o reconhecimento das diferentes conotações
veridictórias relativas a gêneros e discursos. O “discurso da vida” se inclina para
a verossimilhança externa; o “da arte”, para a interna. Aquela remete à verdade
relativa aos limites; esta, à verdade do limiar. Nesse ponto podemos voltar para
aquela escala veridictória: se um discurso tender para a verossimilhança externa,
ficará alojado na extremidade em que a incidência do escopo do real é mais forte;
o contrário se dará com a verossimilhança interna, equivalente à submissão
mínima ao guardião do real.

Notas finais

Ao encerrar estas reflexões, tendentes a permanecer abertas para outras


investigações sobre possibilidades de operacionalização da noção discursiva de
estilo, podemos pensar na relação entre estilo e tensividade. Adentrando a esfera
literária, passemos a observar o tema da solidão num poema em que ela se torna
sujeito convocado.

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 611


DESPERDÍCIO

Solidão, não te mereço,


pois que te consumo em vão.
Sabendo-te embora o preço,
calco teu ouro no chão.
(ANDRADE, 1973, p.579).

Como temos partido do princípio de que o contexto é construção do texto, logo


entendido como opção discursiva de referencialização, não interessa um suposto
referente ficcional, atributo hipoteticamente definitório da esfera literária. Sob
parâmetros de fidúcia relativos ao discurso literário, a interlocução estabelecida
com a solidão é verdadeira. Ainda, se tomássemos o poema Desperdício
juntamente com outros reunidos sob a mesma assinatura, poderíamos depreender
um fiador com função diversa daquela observável no estilo dos gêneros. Um ator da
enunciação poderia emergir como unidade estruturalmente organizada em torno
de “interpretações conotativas do discurso”, definitórias dos próprios contextos
culturais (GREIMAS, 1983, p.107). Essas interpretações poderiam consolidar como
ideal a aspiração à própria solidão. É o que aconteceu com Desperdício.
Nesse poema, embora personificada na isotopia do raro e do precioso, a
solidão se apresenta pisoteada pelo sujeito. Quanto mais se firma a relação
concessiva como diretriz da percepção que o sujeito tem em relação à solidão,
mais esta mesma se delineia como um grande acontecimento, primeiramente aqui
considerado em termos éticos. Temos um mundo curiosamente contrário àquele
esperado pelos “maduros” da reportagem, para os quais o grande acontecimento
é exatamente o oposto, isto é, o indispensável encontro amoroso. Estes outros
versos de Carlos Drummond de Andrade (1973, p.110) comprovam aquele bem
mais que desejável, ao propor a inutilidade para certos laços: “Chega um tempo
em que não se diz mais: meu Deus./ Tempo de absoluta depuração./ Tempo em
que não se diz mais: meu amor./ Porque o amor resultou inútil”.
Se nos dedicássemos à busca do éthos drummondiano, poderíamos atentar
para um centro enunciativo balizador do estilo, que poderia dar-se segundo uma
inclinação a certa triagem de valores. Poderíamos encontrar radicados, ao longo
da totalidade examinada, “valores de absoluto”, contrários, portanto, aos “valores
de universo”. Estes “pedem o concurso da mistura e da abertura”, tomando para
nós o estudo desenvolvido por Fontanille e Zilberberg (2001, p.47) sobre a própria
noção de valor. Determinada totalidade, cuja unidade sustenta a imagem de um
fiador com corpo, voz, tom de voz e caráter, confirmaria o sujeito como determinado
sistema de valores e de percepção de mundo, segundo a triagem. Entretanto não
é meta, aqui, buscar o éthos drummondiano, já que tem sido prioridade observar
o estilo dos gêneros, este, cujo exame se oferece também ao crivo da semiótica
tensiva. Nessa perspectiva, entendemos que, a partir dos textos contemplados,

612 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


podemos supor o dizer numeroso da reportagem versus o dizer compactado do
poema e, compactado, não devido à curta extensão textual. Tal dizer numeroso
se vincula ao próprio discurso jornalístico, confrontado com o da literatura, assim
depreensível como concentrado.
Aliado a esse dizer numeroso, toma realce, na reportagem, o corpo
enfraquecido e átono da enunciação. Se formos à superficialidade discursiva,
verificamos a diluição do papel temático do narrador que não pode assumir a
própria narração, já que o enunciador do jornal deve sobrepor-se a ele. É fraco
o estatuto da assinatura de um repórter, principalmente numa reportagem
de cunho não opinativo. Os mecanismos sintáticos de instauração de
pessoa o comprovam, já que não é costume termos aí uma enunciação que
se enuncia, dizendo eu e tu. O contrário se dá num poema, cuja inclinação
para a verossimilhança interna favorece possibilidades imprevistas, como a
inusitada maneira de discursivizar o lamento diante da própria incompetência
para fruir a solidão. No poema, a conversa encetada investiu a solidão com
a concretude de uma posição actorial discursiva e a propôs como entidade
extática, porque relativa a uma percepção tumultuada do sujeito. Com traços
de acessibilidade para o “consumo” de si pelo poeta, autodeclarado como
quem não a consegue fruir, a solidão contrasta com o alto preço, seu atributo
necessário. No poema, investida, portanto, dos traços de algo que, embora
goze de altos méritos, é arremessado ao chão (da disforia), a solidão faz com
que se confirme na profundidade tensiva o corpo tônico e impactante do
poeta como aquele que, exposto na cena enunciativa, está pressuposto ao
fiador do ato estético em geral: um sujeito de “veemência afetiva”, como diz
Zilberberg (2006a, p.233), que descreve o survenir (o grande acontecimento)
como explosão da “aceleração louca e da saturação tônica” da presença. Desse
modo a aceleração, relativa a um tempo figural, mais profundo e anterior ao
figurativo, retém a presença tão mais impactante quanto mais se borram os
limites para o mundo percebido.
No poema, a ruptura dada no nível discursivo, conforme a assunção de valores
contrários àqueles de mistura, demonstrados na reportagem como acolhimento
irrestrito ao outro, reverbera na fratura da própria criação estética. A literatura,
comparada ao discurso jornalístico, funda “uma crise fiduciária radical”, para que
o sujeito seja transportado de seu agir cotidiano e “se projete na estranha esfera
do subir”, ou da explosão do sentir (ZILBERBERG, 2006a, p.203). O campo de
presença relacionado ao grande acontecimento perceptivo pode ser parâmetro
para depreensão de estilos.
Na reportagem não poderia estar a ruptura relativa ao ato de enunciar, já que
o estilo do gênero prevê um direcionamento contrário ao espanto e à surpresa.
Estes subsidiam a concentração que, como presença, não será a de um verbete

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 613


de dicionário filosófico que tenha como entrada solidão9. O verbete, no quadro de
um discurso cognitivo por excelência e com a prioridade oferecida, a seu modo,
para o saber verdadeiro como projeto e objeto de valor visado, apresenta uma
compactação cognitiva em torno do projeto do gênero e do discurso científico. A
compactação cognitiva de um verbete, geralmente coincidente com a exiguidade
da extensão textual, não viabiliza, entretanto, a retenção da presença, tal como se
deu no poema. Neste encontramos a conservação da intensidade concernente ao
segredo. Para Zilberberg (2007, p.14-15) a retenção “[...] exige sua concentração
na medida em que sua divulgação é considerada dispersão e desperdício. Nesse
caso, a divulgação é negadora”. Lembrando que a percepção se realiza segundo
graus firmados como grandeza intensiva, pensamos em graus de compactação
da presença para diferenciar o estilo dos gêneros. Vemos que tanto a reportagem
como o verbete se diferenciam do poema, já que aqui a força da compactação
se maximiza, na medida em que lá se minimiza. Por conseguinte no poema, a
retenção, que viabiliza a presença forte e concentrada, permite que se defina um
mundo segundo a verossimilhança interna. No verbete, cuja concentração é tão
somente de textualização, temos um modo de presença difuso.
Sob outra construção, o que acontece com o verbete equivale ao que
acontece com a reportagem. Para aquele, tal como para esta, temos a divulgação
considerada boa. A presença tônica decresce ao passar da literatura para a esfera
científica ou jornalística. Passamos da dominância da intensidade do sentir, para a
extensidade do inteligível. A divulgação é experimentada como partilha altruísta
nas esferas cujo projeto primordial e o objeto de valor visado se definem segundo
o saber-verdadeiro. O segredo é aí reprovado. Juntando verbete e reportagem de
um lado, e poema, de outro, somente este apresenta uma propensão de tal modo
crescente para um andamento acelerado da percepção, que entre segredos e
ambiguidades se confirma saturado de êxtase e subitaneidade, o fiador, nesse
caso afetivo. Eis o efeito de estesia. Na reportagem e no verbete, na medida em
que a subitaneidade e a decorrente exaltação da emoção se atenuam, firma-se a
longevidade da percepção inteligível. Assim uma grandeza se ajusta a outra por
aumento e diminuições correlatas, também na distinção entre estilos.
O poema permite que se observe o plano da expressão como instigador de
novas descobertas. A desestabilização oferecida por um plano da expressão
que constrói em si novos sentidos é fortalecida no procedimento conferido ao
papel temático que recobre o jogo actancial: quem é a Solidão? Uma entidade
estabelecida no modo do limiar, um actante posto na ordem do inacabamento,
impede a instalação dos limites e reduz ao máximo a dependência em relação à
verossimilhança externa.

9
Confira Abbagnano (1998).

614 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


Por fim destacamos que, para que se refine a noção de estilo, seja a dos gêneros,
seja à relativa ao estilo autoral, contribui refletir sobre a noção saussuriana de valor
e sobre a noção hjelmsleviana de forma, as quais remetem à noção greimasiana
de ator da enunciação. Saussure está na tradição dos estudos linguísticos das
primeiras décadas do século XX (Genebra, Suíça). Bakhtin (Rússia), em época
aproximada, criou uma obra sob os percalços do regime stanilista, o que justifica o
fato da autoria ainda considerada disputada. Partem, cada um desses pensadores,
de lugares não confundíveis entre si quanto a interrogações e pressupostos teóricos
acerca da própria natureza da linguagem. Entretanto ajuda, para os estudos do
discurso, investigar como e por que tais lugares apresentam convergências de
perspectivas, justamente quanto à questão crucial, que é a relação entre imanência
e transcendência.

DISCINI, N. Semiotics: from immanency to transcendency (matters of style). Alfa, São Paulo,
v.53, n.2, p.595-617, 2009.

• ABSTRACT: This paper brings up the connection between the linguistic studies represented
by De Saussure and Hjelmslev and the language philosophy proposed by Bakhtin so as to
understand the theoretical place of semiotics through the view of these scholars. Having
chosen the tools offered by the Greimasian semiotics theory, which deals with the mechanisms
of text meaning construction, this study focuses on the notions of discourse and of discourse
genders, interlinked by the study of the subject as an inferable image of the discourse totality,
that is, as style. That scope extension is granted by the semiotics of discourse, thanks to the
interdisciplinary nature of the theory, which supports studies related to discourse stylistics and
which provides shelter for the notion of style as body, as voice tone, as character, as ethos.
• KEYWORDS: Sign. Structure. Discourse. Genre. Totality. Style

REFERÊNCIAS

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. Tradução de Alfredo Bosi. 2.ed. São Paulo:


Martins Fontes, 1998.
ANDRADE, C. Drummond de. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: J. Aguilar,
1973.
ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Baby Abrão. São Paulo: Nova Cultural, 1999.
(Os pensadores).
BAKHTIN, M. M. O freudismo: um esboço crítico. Tradução de Paulo Bezerra. São
Paulo: Perspectiva, 2001.
______. Estética da criação verbal. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira.
São Paulo: Martins Fontes, 1997.

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 615


______. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução de Paulo Bezerra. Rio de
Janeiro: Forense Universitária, 1981.
BAKHTIN, M. M. (V. N. Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas
fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução de Michel
Lahud e Yara Frateschi Vieira. Prefácio de Roman Jakobson. Apresentação de
Marina Yaguello. 4.ed. São Paulo: Hucitec, 1988.
BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral I. Tradução de Maria da Glória
Novak e Maria Luisa Neri. 4.ed. Campinas: Pontes, 1995.
BRØNDAL, Viggo. Les parties du discours: partes orationes: études sur les
categories linguistiques. Traduction française par Pierre Naert. Copenhague: E.
Munksgaard, 1948.
DISCINI, N. O estilo nos textos. 2.ed. São Paulo: Contexto, 2009.
DOSTOIÉVSKI, F. O idiota. Tradução de Paulo Bezerra. 2.ed. São Paulo: Ed.34,
2003
FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo.
São Paulo: Ática, 1996.
FONTANILLE, J.; ZILBERBERG, C. Tensão e significação. Tradução de Ivã Carlos
Lopes et al. São Paulo: Discurso Editorial; Humanitas, 2001.
GREIMAS, A. J. Du sens II: essais sémiotiques. Paris: Éditions du Seuil, 1983.
GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de semiótica. Prefácio de José Luiz Fiorin.
Tradução de Alceu Dias Lima et al. São Paulo: Contexto, 2008.
GREIMAS, A. J.; FONTANILLE, J. Semiótica das paixões: dos estados de coisas
aos estados de alma. Tradução de Maria José Coracini. São Paulo: Ática, 1993.
HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S.; FRACO, F. M. de M. Dicionário Houaiss da língua
portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
HJELMSLEV, L. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. Tradução de J. Teixeira
Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 2003. (Coleção Estudos, 43).
MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Tradução de Sírio Possenti. Curitiba:
Criar Edições, 2005.
______. Cena de enunciação. In: CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário
de análise do discurso. Tradução de Fabiana Komesu. São Paulo: Contexto, 2004.
p.95-97.
ROSSI, C. Jeitinho não basta. Folha de S. Paulo, São Paulo, 13 abr. 2008. Opinião,
Caderno A, p.A2.

616 Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009


SAMPAIO, P. Festa dos solteiros só atrai ‘solteironas’ de meia-idade. Folha de S.
Paulo. São Paulo, 4 out. 2008. Caderno Cotidiano, Especial, p.C8.
SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo
Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1970.
TATIT, L.; LOPES, I. C. Elos de melodia e letra: análise semiótica de seis canções.
Cotia: Ateliê Editorial, 2008.
VOLOCHINOV, V. N. Discourse in life and discurse in art (concerning sociological
poetics). In: ______. Freudianism: a marxist critique. Translated by I. R. Titunik.
New York: Academic Press, 1976. p.93-116.
ZILBERBERG, C. Louvando o acontecimento. Tradução de Maria Lucia Vissotto
Paiva Diniz. Galáxia, São Paulo, v.7, n.13, p.13-28, jun. 2007.
______. Élements de grammaire tensive. Limoges: Pulim, 2006a.
______. Razão e poética do sentido. Tradução de Ivã Carlos Lopes et al. São Paulo:
EDUSP, 2006b.

Recebido em março de 2009.


Aprovado em maio de 2009.

Alfa, São Paulo, 53 (2): 595-617, 2009 617