Você está na página 1de 3

7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná

Anais Eletrônicos

MAPA CONCEITUAL: PROCEDIMENTOS E ESTRATÉGIAS DE CRIAÇÃO EM DANÇA

49
Rosemeri Rocha da Silva
Faculdade deArtes do Paraná
Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia

RESUMO
Este artigo é um recorte da tese de doutorado que está em andamento pelo Programa
de Pós Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia – PPGAC/UFBA,
intitulada Uno - O Corpo propositor na Dança Contemporânea. Trata-se de um esboço
do capítulo III, que tem por objetivo apresentar um mapa de criação, nomear os
procedimentos investigativos e exibir o espaço como uma estratégia de composição, a
partir do entendimento de Improvisação no discurso na dança.

Palavras-chave: improvisação; procedimentos investigativos; mapa de criação.

49
Doutoranda e Mestre em Artes Cênicas pelo PPGAC/UFBA; especialista em dança pela FAP;
professora/pesquisadora da Faculdade de Artes do Paraná (FAP); artista/propositora do Batton-organização de
dança.

Anais do 7º Seminário de Pesq. em Artes da Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, p. 90-92, jun., 2012.

90
Silva, R. R. Mapa Conceitual: procedimentos e estratégias de criação em dança

Esta pesquisa de doutorado trata inicialmente do conceito de corpo propositor


e reflete sobre questões relacionadas ao corpo e ao processo criativo na dança
contemporânea. O objeto de estudo são os processos investigativos da obra Uno, do
UM – Núcleo de Pesquisa Artística em Dança da Faculdade de Artes do Paraná (FAP),
de Curitiba/PR. O objetivo principal é apresentar um mapa conceitual com abordagens
sobre corpo e proposição na criação em dança. Busca-se ampliar, reformular e
nominar os conceitos de procedimentos em processos criativos do núcleo de pesquisa
da FAP. Assim, a pesquisa utiliza-se de obras dos teóricos da Educação Somática, das
Ciências Cognitivas, da Crítica Genética e Dança.
A proposta desse artigo é esboçar o capítulo III da pesquisa de doutorado que
está em andamento. O objetivo é apresentar estratégias de criação, a partir do
entendimento de Improvisação no discurso na dança. Apresentar um mapa de criação,
nomear os procedimentos investigativos e exibir o conceito de “espaço” como uma
estratégia de composição,
A improvisação50 como procedimento investigativo é uma ferramenta de
criação direcionadora dos processos criativos do UM- Núcleo de pesquisa em dança da
Faculdade de Artes do Paraná – FAP. É uma característica que se mantém durante os
doze anos de existência desse Núcleo. Para Cleide Martins a improvisação é vista como
uma dança não planejada, garante sua existência e permanência porque é capaz de
elaborar conhecimento (2002, p.97).
Com efeito, esse caminho da improvisação leva o criador–intérprete a
investigar as possibilidades de movimento, formular perguntas e resolve-las durante a
ação.
Para Cleide Martins (2002, p.98) “o improvisador na busca de novas soluções,
procura novas ações e aprende a fazer novos arranjos e combinações de movimentos”.
No entanto, a improvisação como investigação é o que guia a experiência do
corpo propositor durante o processo criativo, como também evidencia um modo de
estar em cena. “A improvisação é uma estratégia indispensável para que a
comunicação seja evolutiva também” (MARTINS, 2002, p.101).
A proposta de apresentar um mapa como estratégia de criação veio através do
conceito de mapa mental, trazido da Neurolinguística. “Um mapa mental é um
diagrama que se elabora para representar ideias, tarefas ou outros conceitos que se
encontram relacionados a palavra-chave ou uma ideia central, e cujas informações
relacionadas em si são irradiadas (em seu redor).”51.
A proposta de construção de um mapa criativo individual é uma estratégia que
dará ao criador-intérprete um foco de atenção, enfatizando algumas pistas ou

50
As práticas de improvisação são introduzidas nos EUA, no começo dos anos 1930, por intermédio de uma aluna
da coreógrafa Mary Wigman, a bailarina alemã Hanya Holm (COURTINE, 2008).
51
Disponível em: http://conceito.de/mapa-mental. Acesso em: 20.05.12.

91
Silva, R. R. Mapa Conceitual: procedimentos e estratégias de criação em dança

princípios direcionadores52 do seu projeto poético, dando possibilidades de


direcionamentos para desenvolver seu processo criativo. Este mapa terá alguns nomes
desses procedimentos de criação que estão vinculados aos conceitos discutidos nos
capítulos anteriores.
O espaço será trazido para discussão como elemento fundamental para
composição da cena coreográfica, apontando ao criador-intérprete mais uma
estratégia de criação, que dará o suporte para ao fechamento do projeto poético, o
resultado da composição cênica.

REFERÊNCIAS
MARTINS, Cleide. Improvisação Dança e Cognição, os processos de comunicação no
corpo, Tese de Doutorado. PUC/ São Paulo, 2002.

COURTINE, Jean Jacques. et al. História do corpo III: as mutações do olhar: o século XX.
Tradução e revisão de Ephrain Ferreira Alves. Petrópolis/RJ: Vozes, 2008.

52
As tendências do percurso podem ser observadas como atratores, que funcionam como uma espécie de campo
gravitacional e indicam a possibilidade de ocorrência de determinados eventos. Nesse espaço de tendências vagas
está o projeto poético do artista, que são princípios direcionadores, de natureza ética e estética, presentes nas
práticas criadoras, relacionados à produção de uma obra específica e que atam a obra daquele criador, como um
todo. São princípios relativos à singularidade do artista. São planos de valores, formas de representar o mundo,
gostos e crenças que regem o seu modo de ação: um projeto pessoal e singular. Esse projeto está inserido no
espaço e tempo da criação, que inevitavelmente afetam o artista. A busca, como processo contínuo, é sempre
incompleta. O próprio projeto que direciona, de algum modo, a produção das obras pode mudar ao longo do tempo
referência. Disponível em: http://www.redesdecriacao.org.br/?verbete=80. Acesso em: 11.11.2011.

Anais do 7º Seminário de Pesq. em Artes da Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, p. 90-92, jun., 2012.

92