Você está na página 1de 95

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL


FECIV

NOTAS DE AULA DO MINICURSO

Minicurso ministrado em maio/2012 - Prof. Jesiel Cunha


Organização: PET/Engenharia Civil
Apresentação
Este minicurso tem por finalidade iniciar o aluno na utilização do programa de
elementos finitos ANSYS. São apresentados os fundamentos do Método dos Elementos
Finitos e os comandos básicos do ANSYS para a criação e a análise estrutural de modelos
simples.

Uberlândia, maio de 2012.

Prof. Jesiel Cunha


Sumário
1 Método dos elementos finitos: fundamentos e aplicações........................................................1
1.1 Etapas da formulação do método...........................................................................................................1
1.2 Tipos de elementos.................................................................................................................................9
1.3 Tipos de análise por elementos finitos.................................................................................................10
1.4 Matriz de rigidez do elemento..............................................................................................................10
1.5 Malha de elementos finitos...................................................................................................................15
1.6 Aplicações do método.............................................................................................................................17

2 Análise
Análise por elementos finitos através do ANSYS......................................................................29
2.1 Estrutura geral do programa................................................................................................................29
2.2 Ambiente e comandos gerais do ANSYS..............................................................................................32
2.3 Propriedades dos elementos..................................................................................................................40
2.4 Alguns comandos importantes .............................................................................................................46
2.5 Exemplos de estruturas reticuladas ....................................................................................................52
2.6 Exemplos de estruturas de placa..........................................................................................................62
2.7 Exemplos específicos de comportamento estrutural............................................................................70

Anexo 1: Biblioteca de elementos do ANSYS..........................................................................................75


Bibliografia recomendada............................................................................................................................92
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

1 Método dos Elementos Finitos :


fundamentos e aplicações

1.1 Etapas da formulação do método

Para problemas que apresentam estruturas com geometrias, condições de contorno e de


carregamento complexas, a solução exata do comportamento mecânico (por exemplo, determinação
do campo de deslocamentos e de tensões), obtida através de procedimentos tradicionais da
matemática, não é evidente ou mesmo não é possível. Para estes casos deve-se usar um método
aproximado de análise. Nesta categoria se destacam os métodos numérico-computacionais.

O princípio de resolução de problemas por métodos aproximados é mostrado no diagrama a seguir.

Modelo contínuo:
- Infinitos graus de liberdade
Problemas complexos:
- Definido por equações diferenciais
- Geometria irregular
- Solução exata pelo cálculo diferencial - Condições de contorno não usuais
- Carregamentos variados
- Vários materiais
- etc.

Modelo discreto:
o
- N finito de graus de liberdade Método dos
- Equações diferenciais são transformadas em Elementos Finitos
equações algébricas (MEF)
- Solução aproximada por métodos numéricos

1
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Alguns métodos aproximados de solução do comportamento estrutural para problemas complexos são:

- Método de Rayleigh-Ritz: usa a energia do sistema;


- Método dos Resíduos Ponderados e Método de Galerkin: trabalham diretamente com a equação
diferencial;
- Método de Diferenças Finitas: solução da equação diferencial através de equações algébricas.

Estes métodos são básicos na formulação do Método dos Elementos Finitos. Assim sendo, o MEF é
essencialmente uma técnica de análise numérica que busca soluções aproximadas para problemas
regidos por equações diferenciais.

No Método dos Elementos Finitos (MEF), a solução do problema, ou seja, da equação diferencial, se
dá pela discretização da estrutura contínua. A idéia é de dividir a estrutura complexa em várias
subestruturas, com forma geométrica e solução simples. Por exemplo, seja uma placa sob flexão com
uma geometria irregular. A solução analítica (exata) deste problema não pode ser obtida diretamente,
através dos princípios da física e da matemática. Assim, para obter a solução aproximada é feita uma
divisão da placa em diversos subdomínios retangulares, com solução simples conhecida.

carregamento

Placa com geometria simples,


com solução conhecida

condições de
contorno
Placa com geometria complexa,
sem solução direta

A equação diferencial que rege os deslocamentos transversais de uma placa retangular sob flexão é:

∂ 4 w0 ∂ 4 w0 ∂ 4 w0 p
4 + 4 + 2 2 =
∂x ∂y ∂x ∂y
2
D

Eh 3
onde p é o carregamento e D é a rigidez à flexão da placa, dada por D = .
12(1 − ν 2 )

2
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Após a obtenção da solução desta equação diferencial, ou seja, após a obtenção da solução para um
subdomínio (uma placa retangular), é feita a união de todos os subdomínios, chegando-se à estrutura
com sua geometria original/real.

Na terminologia do Método dos Elementos Finitos, cada subdomínio da discretização é chamado de


elemento. Nos vértices dos elementos existem pontos, conectando-os. Estes pontos são chamados de
nós. A união de todos os elementos com seus nós forma a malha de elementos finitos (figura a seguir).

1 2 3

1 2 3 4
4 5 6 7 8
elemento
5 6 7 8
9 10 11 12 13

9 10 11 12 nó
14 15 16 17 18

13 14 15 16
19 20 21

- Malha de elementos finitos -

A solução geral para cada elemento é uma função aproximada, sendo chamada de função de
interpolação ou função de forma, podendo ser, por exemplo, um polinômio. A solução para cada
elemento é obtida em função unicamente dos valores da solução nos nós (valores nodais), que
passam a ser as incógnitas do problema. Em geral, para problemas em estática, as incógnitas são os
deslocamentos dos nós (translações e rotações). O grau e a forma da função de interpolação
dependem da natureza e do número de incógnitas, além do número de nós. A função de interpolação
deve também garantir as características de continuidade da solução. Esta continuidade é garantida
pela imposição de igualdade das variáveis de campo (incógnitas) nos nós de interface entre os
elementos.

Considerando um problema de análise estática de uma estrutura, as principais etapas de


implementação numérico-computacional do Método dos Elementos Finitos são:

3
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

1) Discretização do domínio - criação da malha de elementos finitos;


2) Formulação da solução para o elemento - nível elementar;
3) Formulação da solução para toda a malha (estrutura) - nível global;
4) Imposição das condições de contorno;
5) Resolução do sistema de equações - obtenção das incógnitas nos nós (deslocamentos: translações
e rotações);
6) Cálculo dos resultados para todas as variáveis do problema (deformações, tensões, etc.).

1a etapa: discretização do domínio - criação da malha de elementos finitos

Criar a malha significa criar os elementos, os nós e a conectividade entre eles, ou seja, definir quais
os nós de cada elemento. A criação de um nó se dá simplesmente pela escolha do seu número e pela
definição de suas coordenadas em relação a um sistema de referência (global) escolhido. O
elemento possui também um sistema de coordenadas local, de onde é montada a solução elementar.

Z
Y

Z X

X
Y
Sistema de referência local

Sistema de referência global

4
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

2a etapa: formulação da solução para o elemento - nível elementar

A partir da definição da malha, deve-se obter a solução para o elemento, ou seja, deve ser
explicitada a solução que leve aos valores das incógnitas nos nós. Isto é feito a partir de métodos
aproximados. Tem-se principalmente:

• Método direto: é baseado no conhecido Processo dos Deslocamentos, sendo, portanto, uma
técnica de fácil compreensão e aplicação, mas limitada a estruturas simples;

• Método energético ou variacional: é baseado no cálculo da energia potencial do sistema,


associada a princípios de estacionariedade, onde o ponto de mínimo representa o equilíbrio da
estrutura. Esta técnica pode ser aplicada a problemas mais complexos (Ex: Rayleigh-Ritz);

• Método dos resíduos ponderados: é um processo essencialmente matemático, que trabalha


diretamente com as equações diferenciais que regem o problema físico, não necessitando da
existência de um funcional (energia potencial, por exemplo).

Seja qual for o método utilizado, o resultado é um sistema de equações algébricas. No caso de
problemas de análise estática, este sistema de equações representa o equilíbrio da estrutura,
podendo ser colocado na seguinte forma matricial:

Ke Ue = Fe

onde:
Ke: matriz de rigidez elementar;
Ue: vetor elementar dos deslocamentos nodais;
Fe: vetor elementar das forças nodais.

Esta expressão matricial estabelece a relação entre as forças aplicadas nos nós da estrutura e os
deslocamentos correspondentes, através da matriz de rigidez. A partir da determinação das incógnitas
(deslocamentos nos nós) deste sistema de equações, o cálculo das deformações, tensões e esforços é
feito a partir de relações da Teoria da Elasticidade.

5
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

O significado físico dos termos da matriz de rigidez é: o coeficiente Keij representa a força no grau
de liberdade i, devida ao deslocamento unitário imposto ao grau de liberdade j, estando os demais
graus de liberdade bloqueados.

A ordem deste sistema de equações é dada pelo número de nós do elemento e pelo número de graus
de liberdade de cada nó. Por exemplo, considerando um elemento de placa que possua 4 nós e
6 graus de liberdade por nó (3 translações e 3 rotações), o sistema terá a ordem de:

Ke 24x24 Ue 24x1 = Fe 24x1


Z

w1
Z
θz1
1
θ x1
u1
2 v1
θ y1 X
4 X
Y Y
3

3a etapa: formulação da solução para a estrutura - nível global

A malha de elementos finitos da estrutura é o resultado da associação de todos os elementos. Assim,


para obter as equações que regem o equilíbrio da estrutura, deve-se associar as equações que regem
o equilíbrio do elemento. O resultado é um sistema matricial similar ao do elemento, com a
dimensão expandida. Esta dimensão é função do número total de graus de liberdade da estrutura, ou
seja:

K mxm U mx1 = F mx1

onde:
K: matriz de rigidez global (estrutura);
U: vetor global dos deslocamentos nodais (incógnitas do problema);
F: vetor global das forças nodais (forças aplicadas na estrutura).

sendo m o número de graus de liberdade da estrutura, que vale:

m= número total de nós da malha X número de graus de liberdade por nó

6
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Por exemplo, seja uma malha composta de 2 elementos de placa, com 6 nós, sendo 6 graus de
liberdade por nó, conforme figura.

u1, v1, w1 u2, v2, w2 u3, v3, w3


θx1, θy1, θz1 θx2, θy2, θz2 θx3, θy3, θz3
1 2 3

1 2

4 5 6
u4, v4, w4 u5, v5, w5 u6, v6, w6
θx4, θy4, θz4 θx5, θy5, θz5 θx6, θy6, θz6

O sistema de equações globais neste exemplo será do tipo:

u1 F1
24x24 v1 F2
w1 F3
θx1 F4
θy1 F5
Ke1 θz1
--------
F6
F7
u2 F8
v2 F9
w2 F10
θx2
12x12 θy2 =
θz2
-----
M M
-----
u6
Ke2 v6
w6
θx6 F34
θy6 F35
24x24
θz6 F36
36X36 36X1 36X1

K U F

Nota-se que a matriz de rigidez global K é obtida pela associação das matrizes elementares. A
superposição destas matrizes (área pontilhada) ocorre por causa da imposição de condições de
continuidade/compatibilidade dos deslocamentos nos nós comuns aos elementos. Um procedimento
semelhante deve ser aplicado ao vetor F, impondo-se neste caso o equilíbrio das forças nos nós
comuns aos elementos. Todo este procedimento deve ser feito de maneira automática,
computacionalmente.

7
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

4a etapa: imposição das condições de contorno da estrutura

Nesta etapa o sistema global de equações K U = F deve ser modificado para satisfazer as condições
de contorno (condições de apoio) da estrutura. Isto é feito pela imposição de valores pré-fixados
para os deslocamentos nos nós. Este procedimento reduz o número de incógnitas do sistema de
equações, que agora corresponde ao número “efetivo” de graus de liberdade do modelo.

5a etapa: resolução do sistema global de equações

Após a imposição das condições de contorno, a solução do sistema de equações K U = F leva aos
valores das incógnitas do problema (deslocamentos nos nós). Esta etapa é feita através de técnicas
numéricas apropriadas, não sendo aplicada a solução direta (U = K-1 F), pois o sistema pode
comportar milhares de incógnitas, onde a matriz de rigidez pode ser mal condicionada. Alguns
métodos conhecidos são: Método da Eliminação de Gauss, Método de Cholesky, Método de Jocobi,
Método de Gauss-Seidel. Um método eficiente deve considerar que a matriz de rigidez é simétrica e
esparsa.

6a etapa: cálculo de outras grandezas mecânicas

Na seqüência à determinação das incógnitas do problema (deslocamentos), a determinação de


outras variáveis mecânicas é feita a posteriori, através de relações físicas. Para problemas em
estática tem-se, por exemplo, as seguintes expressões da Teoria da Elasticidade:

- Cálculo das deformações: utiliza-se as relações deformação-deslocamento (εxx=∂u/∂x, etc.);


- Cálculo das tensões: utiliza-se as relações tensão-deformação (Lei de Hooke: σ = E ε).

Esquematicamente, as etapas de cálculo via Método dos Elementos Finitos são dadas pelo fluxograma
a seguir.

8
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Criação do modelo que representa a


estrutura real

Discretização do domínio:
geração da malha de elementos finitos
(nós, elementos e conectividade)

Formulação da solução para o elemento - nível


e e e
elementar: K U = F

Obtenção das matrizes de rigidez e dos vetores
e e
das forças elementares (K i e F i)

Formulação da solução para a estrutura - nível


global: K U = F

Montagem da matriz de rigidez e do vetor das
forças globais: F e K = Σ K i
e

Imposição das condições de


contorno da estrutura

Resolução do sistema global de equações



Obtenção das incógnitas (deslocamentos):
-1
U=K F

Cálculo das deformações,


tensões e esforços

1.2 Tipos de elementos

Do ponto de vista da geometria, os elementos podem ser pontuais, unidimensionais, bidimensionais,


tridimensionais e axissimétricos, além de elementos com geometria específica. Evidentemente, a
geometria está intimamente ligada à função estrutural que o elemento possui. Alguns tipos de
elementos básicos são:

(a) Elementos pontuais: massa concentrada, conexão;


(b) Elementos unidimensionais: treliça, viga, cabo;
(c) Elementos bidimensionais: membrana, casca e placa;
(d) Elementos tridimensionais (sólidos).

9
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Fonte: www.jppmonteiro.googlepages.com

1.3 Tipos de análise por elementos finitos

Algumas características frequentemente consideradas nas análises por elementos finitos são:

- Materiais: elásticos, plásticos, viscoelásticos, viscoplásticos, isotrópicos, ortotrópicos, etc.;


- Comportamento: estático (linear, não-linear), flambagem, dinâmico (modal, freqüência, transiente),
térmico, mecânica dos fluidos, contato, transferência de calor, magnético, acústico, falha, fratura,
fadiga, etc.;
- Cargas: concentradas, distribuídas, gravidade, variação térmica, protensão.

1.4 Matriz de rigidez do elemento

Conforme já explicado, a obtenção da matriz de rigidez do elemento é feita a partir de técnicas


aproximadas de solução, resultando em um sistema matricial de equações (K U = F), que representa
o equilíbrio da estrutura. Seja qual for a técnica de obtenção deste sistema, a matriz de rigidez
elementar depende da teoria considerada, sendo função da geometria do elemento e do material da
estrutura.

10
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Para exemplificar a forma, o conteúdo e os parâmetros que influenciam a matriz de rigidez do


elemento, são dados a seguir alguns casos básicos.

• Elemento de treliça tridimensional

y
vI vJ
uI uJ
x
wI nó I
wJ nó J

uI vI wI uJ vJ wJ
uI
vI
wI
uJ
vJ
wJ

Fonte: ANSYS

11
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

• Elemento de viga bidimensional (Teoria de Timoshenko)

y
vI vJ
θz I uI θz J uJ
x
nó I nó J

uI vI θz I uJ vJ θz J
uI

vI

θz I

uJ

vJ

θz J

Fonte: ANSYS

12
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

• Elemento de viga tridimensional (Teoria de Timoshenko)

uI vI wI θx I θy I θz I uJ vJ wJ θx J θy J θz J
uI
vI
wI
θx I
θy I
θz I
uJ
vJ
wJ
θx J
θy J
θz J

Fonte: ANSYS

13
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

• Elemento de placa (Teoria de Kirchhoff)


Z

Z
w1

2
∂w1/∂x
X
∂w1/∂y X
4 Y
Y
3

Ke 12x12 = ∫ A BT DK B dA : matriz de rigidez do elemento

onde:
D νD 0
DK = νD D 0 : matriz de rigidez à flexão da placa;
0 0 ( 1 - ν )D / 2

Eh 3
D= : rigidez de flexão da placa (E = módulo de elasticidade; ν = coeficiente de Poisson;
12( 1 - ν 2 )
h = espessura da placa);

B = matriz de transformação deformações-deslocamentos nos nós, que depende das funções de


interpolação do elemento.

• Elemento de placa (Teoria de Mindlin)


Z

Z
w1

2
θx1
X
θy1 X
4 Y
Y
3

Ke 12x12 = ∫ A BT DM B dA : matriz de rigidez do elemento

onde:

14
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

D νD 0 0 0
νD D 0 0 0
DM = 0 0 ( 1 - ν )D / 2 0 0 : matriz de rigidez à flexão da placa;
0 0 0 Gh 0
0 0 0 0 Gh

Eh 3
D= = rigidez de flexão da placa (E = módulo de elasticidade;ν = coeficiente de Poisson;
12( 1 - ν 2 )
h = espessura da placa);

G = módulo de cisalhamento do material;

B = matriz de transformação deformações-deslocamentos nos nós, que depende das funções de


interpolação do elemento.

1.5 Malha de elementos finitos

A técnica aproximada utilizada para obter as equações do elemento deve ter uma formulação
matemática que represente adequadamente o comportamento físico ao nível elementar. No entanto,
quando se considera a estrutura completa, com sua complexidade (geometria, condições de
contorno e de carregamento), é necessária a utilização de muitos elementos, que garantam a
reprodução da geometria e consigam “acompanhar” a variação da solução (das tensões, por
exemplo) ao longo da estrutura. Neste sentido, onde há concentração de tensões, por exemplo, a
malha deve ser mais refinada.

Deve-se lembrar, no entanto, que quanto mais refinada a malha, maior é o número de elementos e
de nós, o que implica em uma ordem maior do sistema global de equações a ser resolvido (K U = F).
Por conseqüência, o custo computacional (tempo de cálculo) será mais elevado. Assim, o número
de elementos utilizados na criação do modelo (grau de refinamento da malha) será um compromisso
entre custo computacional e precisão requerida.

As figuras a seguir exemplificam como as malhas podem ser refinadas apenas onde é necessário.

15
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Fonte: www.cee.engr.ucdavis.edu

Fonte: www2.imperial.ac.uk

Fonte: www.scielo.br

16
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

1.6 Aplicações do método

Como foi dito, o Método dos Elementos Finitos pode ser aplicado, em princípio, a qualquer
problema físico em que se disponha das equações diferenciais que regem o fenômeno, o que torna o
campo de aplicação do método muito extenso. Deve-se lembrar, no entanto, que o MEF é uma
técnica aproximada de solução de problemas, onde são feitas simplificações em diversos níveis
(precisão da teoria utilizada, grau de refinamento da malha, forma de aplicação dos carregamentos e
das condições de contorno, imprecisão dos dados de entrada que caracterizam a estrutura,
procedimento iterativo da solução numérica, etc.).

Nas engenharias, o método é aplicado nas áreas de Mecânica dos Sólidos (Estática e Dinâmica),
Mecânica dos Fluidos, Transferência de Calor e Eletromagnetismo.

Em termos de problemas práticos, seja em pesquisa ou em aplicações industriais, há um grande


número de problemas que podem ser analisados via MEF. São nestes casos que frequentemente os
problemas são complexos, necessitando de uma ferramenta flexível de análise.

As tabelas a seguir mostram os tipos de problemas que o programa de elementos finitos ANSYS
trabalha. Na seqüência, as figuras ilustram algumas aplicações do MEF.

17
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

18
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

19
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

20
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

21
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Fonte: www.ansys.com

Fonte: www.grante.ufsc.br

22
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Fonte: www.eng.midasuser.com

Fonte: www.scia-online.com

Fonte: www.ansys.com

23
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Fonte: www.fem.unicamp.br Fonte: www.engineering-and-solutions.com

Fonte: www.rockfield.co.uk Fonte: www.bugman123.wordpress.com

Fonte: www.meta-synthesis.com Fonte: www.ansys.com

24
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Fonte: www.warungplus.com Fonte: www.bristol.ac.uk

Fonte: www-milton.ansys.com

25
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Fonte: www.ansys.com Fonte: www.ilight.com/fieldview12release.php

Fonte: www.vncold.vn Fonte: www.ansys.com

Fonte: www.engr.uconn.edu

26
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Fonte: www.kgt.co.jp Fonte: www.ansys.com

Fonte: www.eeimvr.uff.br Fonte: www.sci.utah.edu

Fonte: www.syd.kth.se

27
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Fonte: adg.stanford.edu Fonte : www.illustrations.marin.ntnu.no

Electrostatic octo-pole nano-scale level. Fonte: www.ansys.com

Fonte: www.peterbird.name

28
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

2 Análise por elementos finitos


através do ANSYS

2.1 Estrutura geral do programa

O programa ANSYS e a maioria dos programas comerciais de análise via Método dos Elementos
Finitos usam procedimentos similares para entrada dos dados, aplicação da solução e análise dos
resultados. As principais etapas a serem definidas são:

a) Tipo de elemento a ser utilizado (viga, placa, sólido, etc.);


b) Propriedades mecânicas do material (propriedades elásticas, físicas, etc.);
c) Propriedades geométricas (área e inércia da seção transversal, etc.)
d) Geração do modelo (malha de elementos finitos: nós e elementos);
e) Aplicação das forças atuantes na estrutura;
f) Imposição das condições de contorno (condições de apoio);
g) Tipo de cálculo a ser efetuado (estático, dinâmico, flambagem, etc.);
h) Análise dos resultados (listar, plotar e exportar).

29
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

A figura a seguir mostra esquematicamente estas etapas.

X
Estrutura: placa engastada sob tração

14 15
13 16
7 8 9
Propriedades 9 12
Tipo de 10 11
geométricas e 4 5 6
elemento
do material 5
6 7
8
(1) 1 2 3
(2) 1 4
2 3
(3) Malha

transl=rot=0
13 P/4
16

9 12 P/4

5 8 P/4

1 4 P/4
(4) Condições (5) Carregamento
de contorno

Análise
Cálculo dos
resultados
(6) (7)

30
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

O programa ANSYS possui 188 tipos de elementos para as mais diversas possibilidades de geometria e
de análise, conforme descrição no Anexo 1. Além das análises específicas por elementos finitos, o
ANSYS possui várias outras ferramentas: substruturação, otimização, programação (APDL), interface
com outros programas computacionais, etc.

Os módulos do ANSYS que definem as etapas de criação do modelo, de cálculo e análise dos
resultados, são mostrados a seguir.

/prep7
• Entrada do tipo de elemento
• Entrada das propriedades do material (módulo de
Pré-processador

elasticidade, densidade, etc.)


• Entrada dos dados geométricos (espessura, área, inércia, etc.)
• Geração da malha
• Entrada do carregamento (forças estáticas, temperaturas, etc)
• Entrada das condições de contorno
finish

/solution
• Entrada do tipo de cálculo (estático, dinâmico, etc.)
Solução

solve
finish
Pós-processador

/post1
• Listagem, impressão e visualização dos resultados
finish

31
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

2.2 Ambiente e comandos gerais do ANSYS


Tela principal:

Menus mais utilizados:

Tela de cálculo:
Prompt de comandos

32
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Arquivos gerados pelo ANSYS:

Diretório de criação dos arquivos, definido em


“Ansys Product Launcher”, a partir do menu
“Iniciar” do Windows

file.err

nome.db : database file


nome.emat : element matrices
nome.err : error and warning messages
nome.log : command input history
nome.rst : results file

Help do ANSYS:

33
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Executar um arquivo fonte de comandos:

Limpar cálculos feitos, para


iniciar um novo cálculo

Formas de análise pelo ANSYS:


Salvar e carregar (1) Via menus do ambiente
dados e cálculos feitos (2) Via arquivo de comandos
(3) Via arquivo nome.db

Executar um arquivo
de comandos

Controles de imagens:

34
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

35
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Listar e plotar diversas opções:

36
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Análise via menus do ambiente ANSYS:

37
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

38
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

39
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

2.3 Propriedades dos elementos

40
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

41
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

42
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

43
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

44
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

45
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

2.4 Alguns comandos importantes

a) Tipo de elemento, propriedades geométricas e do material

ET,ITYPE,NAME : Define o tipo de elemento a ser usado

No qualquer Nome do
elemento

MP,LAB,MAT,VALOR : Define as propriedades elásticas do material


o
N qualquer

EX,EY,PRXY,GXY, etc.

R,NSET,R1,R2,...,R6 : Define as propriedades geométricas (chamadas pelo


ANSYS de “Constantes Reais”)
No qualquer

Valores das propriedades


geométricas

TYPE,ITYPE
MAT,MAT
REAL,NSET
Elementos gerados
⇓ terão as propriedades
anteriormente definidas
........
Geração da malha
........

46
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

b) Malha automática

Keypoint
K,NPT,X,Y,Z : Keypoints 4 3
L3
No qualquer Coordenadas Área

L4 A1 L2
Line
L,P1,P2 : Lines
L1
1 2
Keypoints

Número de
elementos

LESIZE,NL1,SIZE,,NDIV : Número (ou tamanho) de elementos

No da linha Tamanho do No de elementos


elemento

A,P1,P2,P3,P4 : Área onde serão gerados os nós e elementos

Keypoints

V,P1,P2,...,P8 : Volume onde serão gerados os nós e elementos

Keypoints

LMESH,NL1,NL2,INC : Geração automática de nós e elementos de linha


AMESH,NA1,NA2,INC : Geração automática de nós e elementos de área
VMESH,NV1,NV2,INC : Geração automática de nós e elementos de volume

Intervalo e incremento da linha, da


área ou do volume, onde serão
criados os nós e elementos (malha)

47
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

c) Malha “manual”

N,NODE,X,Y,Z : Criação de um nó

No do nó Coordenadas

E,I,J,K,L,M,N,O,P : Criação de um elemento


Nós

d) Carregamento

No dos nós

F,NO1,LAB,VALOR,,NO2,INC : Carga concentrada no nó

FX,FY,FZ,MX,MY,MZ Incremento

SFBEAM,ELEM,LKEY,PRES,VALOR : Carga distribuída em linha nos


elementos
No do Direção da carga (ver na
elemento descrição do elemento -
Help do ANSYS)

SFE,ELEM,LKEY,PRES,,VALOR : Carga distribuída em área nos


elementos
No do Face em que a carga é
elemento aplicada (ver na descrição
do elemento - Help do
ANSYS)

e) Condições de contorno (condições de apoio)

Uma restrição Demais restrições

D,NODE,LAB,,,,,LAB2,...,LAB6 : Restrições aplicadas nos nós

No do nó Restrição (grau de liberdade impedido):


UX,UY,UZ,ROTX,ROTY,ROTZ

48
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

f) Listar e plotar resultados

49
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

g) Comandos de seleção
Elemento Elemento
inicial final Incremento

ESEL,,,,EMIN,EMAX,EINC : seleciona elementos pela numeração


EALL : recupera todos os elementos do modelo

NSEL,,,,NMIN,NMAX,NINC : seleciona nós pela numeração


NALL : recupera todos os nós do modelo
NSEL,S,LOC,X,COORD1,COORD2,INC: seleciona nós pelas
coordenadas
NSEL,R,LOC,Y,COORD1,COORD2,INC: seleciona nós entre nós já
selecionados
NALL

h) União de malhas distintas

NUMMRG,NODE,TOLER : une os nós com distância inferior à TOLER

i) Simulação de uma rótula


Cria-se um nó suplementar, coincidente com o nó que se deseja rotular. O comando para acoplar
grau de liberdade é:

CP,NSET,LAB,NO1,NO2,...,NO17

No qualquer Grau de liberdade impedido: No dos nós


UX,UY,UZ,ROTX,ROTY,ROTZ

Repetir este comando tantas vezes quanto o número de graus de liberdade a serem impedidos.

50
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

j) Comandos básicos do módulo de solução

ANTYPE,TIPO : define o tipo de cálculo (STATIC, BUCKLE, MODAL, etc.)


SOLVE : inicia a fase de cálculo

k) Outros comandos

/ESHAPE,1 : plota em 3D as propriedades geométricas definidas


pelas Constantes Reais

HELP, nome do comando : help via prompt de comandos


/EOF : parada de execução em um arquivo de comandos

l) Traçado de diagramas e lista de esforços em estruturas reticuladas


(Sistema local)

MOMENTO FLETOR
====================================================================

etable,no_j,smisc,6 !Arquivo contendo os esforços no nó j


etable,no_k,smisc,12 !Arquivo contendo os esforços no nó k
plls,no_j,no_k !Diagrama dos esforços
pretab,no_j,no_k !Lista de esforços nas extremidades dos elementos
(nó j e nó k)

ESFORÇO CORTANTE
====================================================================

etable,no_j,smisc,2 !Arquivo contendo os esforços no nó j


etable,no_k,smisc,8 !Arquivo contendo os esforços no nó k
plls,no_j,no_k !Diagrama dos esforços
pretab,no_j,no_k !Lista de esforços nas extremidades dos elementos
(nó j e nó k)

ESFORÇO NORMAL
====================================================================

etable,no_j,smisc,1 !Arquivo contendo os esforços no nó j


etable,no_k,smisc,7 !Arquivo contendo os esforços no nó k
plls,no_j,no_k !Diagrama dos esforços
pretab,no_j,no_k !Lista de esforços nas extremidades dos elementos
(nó j e nó k)

51
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

2.5 Exemplos de estruturas reticuladas

a)Viga contínua

50 kN 20 kN 30 kN
10 kN/m

EI
2EI
100 kN.m
9m 3m 2m 4m

Lista de comandos ANSYS:

C********************************************************
C*** *
C*** Cálculo dos esforços em vigas contínuas *
C*** *
C********************************************************
/PREP7 ! Inicia o pré-processador
ET,1,beam3 ! Tipo de elemento do ANSYS(viga)
keyopt,1,6,1 ! Imprimir esforços no sistema local

C*** Propriedades elásticas ****************************


mp,EX,1,4.2e7 ! Módulo de Elasticidade (material 2EI) (KN/m2)
mp,EX,2,2.1e7 ! Módulo de Elasticidade (material EI) (KN/m2)

mp,PRXY,1,0.3 ! Coeficiente de Poisson (material 2EI)


mp,PRXY,2,0.3 ! Coeficiente de Poisson (material EI)

C*** Propriedades geométricas **************************


R,1,1e-2,1e-5/12 ! Area da seção transversal(10x10) e inércia das barras
C*** Geração da malha ********************************
k,1,0,0 ! Keypoints
k,2,14,0
k,3,18,0
l,1,2 ! Lines
l,2,3
lesize,1,,,14 ! Divisão dos elementos
lesize,2,,,4
mat,1 ! Seleciona a propriedade de mp com mat=1
lmesh,1 ! Geração automática de nos e elementos com mat=1
mat,2 ! Seleciona a propriedade de mp com mat=2
lmesh,2 ! Geração automática de nos e elementos com mat=2

C*** Carregamento **********************************


f,11,fy,-50 ! Carga concentrada
f,14,fy,-20
f,2,fy,-30
f,2,mz,100 ! Momento fletor

esel,,,,1,9
sfbeam,all,1,pres,10 ! Carga distribuída
eall

C*** Condições de contorno (apoio)******************


d,1,all
d,11,uy
d,16,uy
C***************************************************
52
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

save
fini ! Encerra o pré-processador

C*** Solução **************************************


/solu ! Inicia o módulo de solução
antype,static
solve
fini ! Encerra o módulo de solução

C*** Resultados ***********************************


/post1 ! Inicia o pós-processador

C*** Traçado dos diagramas de esforços (sistema local)**********************

C*** MOMENTO FLETOR =====================================

etable,no_j,smisc,6 !Arquivo contendo os esforços em j


etable,no_k,smisc,12 !Arquivo contendo os esforços em k
plls,no_j,no_k !Diagrama dos esforços
pretab,no_j,no_k !Impressão dos esforços nas extremidades dos elementos

C*** ESFORÇO CORTANTE ===================================

etable,no_j,smisc,2 !Arquivo contendo os esforços em j


etable,no_k,smisc,8 !Arquivo contendo os esforços em k
plls,no_j,no_k !Diagrama dos esforços
pretab,no_j,no_k !Impressão dos esforços nas extremidades dos elementos

Modelo MEF: malha com carregamento e condições de contorno

53
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Resultados
Estrutura deformada:

Diagrama de momento fletor:

54
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Lista dos momentos fletores:

PRINT ELEMENT TABLE ITEMS PER ELEMENT

***** POST1 ELEMENT TABLE LISTING *****

STAT CURRENT CURRENT


ELEM NO_J NO_K
1 57.139 20.593
2 20.593 -5.9537
3 -5.9537 -22.500
4 -22.500 -29.046
5 -29.046 -25.593
6 -25.593 -12.139
7 -12.139 11.315
8 11.315 44.768
9 44.768 88.222
10 88.222 40.642
11 40.642 -6.9383
12 -6.9383 -54.519
13 -54.519 -82.099
14 -82.099 -109.68
15 -9.6790 -7.2593
16 -7.2593 -4.8395
17 -4.8395 -2.4198
18 -2.4198 -0.28422E-13

MINIMUM VALUES
ELEM 14 14
VALUE -82.099 -109.68

MAXIMUM VALUES
ELEM 10 9
VALUE 88.222 88.222

b)Pórtico plano

20 kN

10 kN
15 kN
0,07 kN/cm
3m
2m

2m 5m

55
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Lista de comandos ANSYS:

C********************************************************
C*** *
C*** Cálculo dos esforços em porticos planos *
C*** *
C********************************************************

/PREP7 ! Inicia o pré-processador


ET,1,beam3 ! Tipo de elemento do ANSYS (viga)
keyopt,1,6,1 ! Imprimir esforços no sistema local

C*** Propriedades elásticas ***************************


mp,EX,1,2100 ! Módulo de Elasticidade (KN/cm2)
mp,PRXY,1,0.3 ! Coeficiente de Poisson

C*** Propriedades geométricas *************************


R,1,800,100000 ! Area da seção transversal e inércia das barras (cm2)

C*** Geração da malha ********************************


k,1,0,0 ! Keypoints
k,2,200,200
k,3,478.543,88.583
k,4,700,0

l,1,2 ! Lines
l,2,3
l,3,4

lesize,1,,,20 ! Divisao dos elementos


lesize,2,,,10
lesize,3,,,10

lmesh,all ! Geração automática de nos e elementos

C*** Carregamento **********************************


f,2,fx,10 ! Carga concentrada
f,2,fy,-20
f,22,fx,-5.57
f,22,fy,-13.927

esel,,,,1,20
sfbeam,all,1,pres,0.07 ! Carga distribuída
eall

C*** Condições de contorno (apoio)******************


d,1,all
d,32,all

C***************************************************
save
fini ! Encerra o pré-processador

C*** Solução **************************************


/solu ! Inicia o módulo de solução
antype,static
solve
fini ! Encerra o módulo de solução

C*** Resultados ***********************************


/post1 ! Inicia o pós-processador

C*** Traçado dos diagramas de esforços (sistema local)**********************

C*** MOMENTO FLETOR =====================================


etable,no_j,smisc,6 !Arquivo contendo os esforços em j
etable,no_k,smisc,12 !Arquivo contendo os esforços em k
plls,no_j,no_k !Diagrama dos esforços
pretab,no_j,no_k !Impressão dos esforços nas extremidades dos elementos

C*** ESFORÇO CORTANTE ===================================


etable,no_j,smisc,2 !Arquivo contendo os esforços em j
etable,no_k,smisc,8 !Arquivo contendo os esforços em k
plls,no_j,no_k !Diagrama dos esforços
pretab,no_j,no_k !Impressão dos esforços nas extremidades dos elementos

56
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

C*** ESFORÇO NORMAL =====================================


etable,no_j,smisc,1 !Arquivo contendo os esforços em j
etable,no_k,smisc,7 !Arquivo contendo os esforços em k
plls,no_j,no_k !Diagrama dos esforços
pretab,no_j,no_k !Impressão dos esforços nas extremidades dos elementos

Modelo MEF: malha com carregamento e condições de contorno

Resultados
Diagrama de momento fletor:

57
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Diagrama de esforço normal:

Diagrama de esforço cortante:

58
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

c)Treliça plana

20 kN

10 kN

1m

2m 2m

Lista de comandos ANSYS:


C********************************************************
C*** *
C*** Cálculo dos esforços em treliças planas *
C*** *
C********************************************************
/PREP7 ! Inicia o pré-processador
ET,1,link8 ! Tipo de elemento do ANSYS (treliça)

C*** Propriedades elásticas ***************************


mp,EX,1,2.1e7 ! Módulo de Elasticidade (KN/m2)
mp,PRXY,1,0.3 ! Coeficiente de Poisson

C*** Propriedades geométricas *************************


R,1,1e-2 ! Area da seção transversal(10x10)das barras

C*** Geração da malha ********************************


n,1,0,0 ! Nós
n,2,2,1
n,3,4,0

e,1,2 ! Elementos
e,2,3
e,3,1

C*** Carregamento **********************************


f,2,fx,10 ! Carga concentrada
f,2,fy,-20

C*** Condições de contorno (apoio)******************


d,1,ux,,,,,uy
d,3,uy

C***************************************************
save
fini ! Encerra o pré-processador

C*** Solução **************************************


/solu ! Inicia o módulo de solução
antype,static
solve
fini ! Encerra o módulo de solução

C*** Resultados ***********************************

/post1 ! Inicia o pós-processador

C*** Lista dos esforços normais ********************


etable,esforco,smisc,1 !Arquivo contendo os esforços nos elementos
pretab,esforco !Impressão dos esforços nos elementos

59
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Modelo MEF: malha com carregamento e condições de contorno

Resultado - esforços normais:


PRINT ELEMENT TABLE ITEMS PER ELEMENT

***** POST1 ELEMENT TABLE LISTING *****

STAT CURRENT
ELEM ESFORCO
1 -16.771
2 -27.951
3 25.000

2.6 Exemplos de estruturas de placa


a) Placa sob tração
Y

X
Placa engastada sob tração

60
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Lista de comandos ANSYS:


C********************************************************
C*** *
C*** Placa engastada sob tração *
C*** *
C********************************************************

C*** (1) Criação do modelo ******************************

/prep7 ! Inicializa o pré-processador

et,1,shell63 ! Define o tipo de elemento (placa)

C*** Propriedades elásticas *****************************


mp,ex,1,2.1e11 ! Módulo de elasticidade (N/m^2)
mp,prxy,1,0.3 ! Coeficiente de Poisson

C*** Propriedades geométricas ***************************


r,1,0.005 ! Espessura da placa (m)

C*** Geração da malha **********************************


a=0.5 ! Comprimento da placa (m)
b=0.2 ! Largura da placa (m)

k,1,0,0,0 ! Geração dos Keypoints


k,2,a,0,0
k,3,a,b,0
k,4,0,b,0

L,1,2 ! Geração e divisão das lines


lesize,1,,,10
L,2,3
lesize,2,,,5
L,3,4
lesize,3,,,10
L,4,1
lesize,4,,,5

a,1,2,3,4 ! Geração da área

amesh,all ! Geração automática da malha (elementos e nós)

C*** Carregamento *************************************************


nsel,x,a ! Seleciona os nós da extremidade
f,all,fx,1000 ! Aplica cargas concentradas nos nós selecionados(N)
nall ! Recupera todos os nós do modelo

C*** Condições de contorno ****************************************


nsel,x,0 ! Seleciona os nós da extremidade oposta
d,all,all ! Bloqueia as translações e rotações
nall ! Recupera todos os nós do modelo

C*** **************************************************************
save ! Salva os dados no file.db
fini ! Finaliza o prep7

C*** (2) Solução **************************************************

/solu ! Inicializa o módulo de solução


antype,static ! Define o cálculo estático
solve ! Efetua os cálculos
fini ! Finaliza o módulo de solução

C*** (3) Resultados ***********************************************

/post1 ! Inicializa o pós-processador


! Análise dos resultados: feita via menus

61
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Modelo MEF: malha com carregamento e condições de contorno

Resultado: deslocamentos segundo a direção x

62
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

b) Placa sob flexão

z
q

b
a

Placa simplesmente apoiada, com carregamento uniformemente distribuído.

Lista de comandos ANSYS (elemento de placa):


C********************************************************
C*** *
C*** Placa sob flexão *
C*** *
C********************************************************

/PREP7 !Inicializa o PRE-PROCESSADOR


ET,1,SHELL63 !Define o tipo de elemento

C*** Propriedades elásticas ******************************


MP,EX,1,2.1e11 !Módulo de elasticidade (N/m2)
MP,PRXY,1,0.3 !Coeficiente de Poisson

C*** Propriedades geométricas ****************************


R,1,0.005 !Espessura da placa (m)

C*** Geração da malha ***********************************


a=0.5 !Comprimento da placa (m)
b=0.5 !Largura da placa (m)

k,1,0,0,0 !Geração dos Keypoints


k,2,a,0,0
k,3,a,b,0
k,4,0,b,0

L,1,2 !Geração e divisão das lines


lesize,1,,,20
L,2,3
lesize,2,,,20
L,3,4
lesize,3,,,20
L,4,1
lesize,4,,,20

A,1,2,3,4 !Geração da area

AMESH,ALL !Geração dos elementos e nós

C*** Carregamento ***************************************************


sfe,all,2,pres,,5000 ! Carga perpendicular, distribuída em toda a placa (N/m2)

63
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

C*** Condições de contorno (apoio) **********************************


nsel,x,0
d,all,uz,,,,,uy,rotx ! Impede uz, uy e rotx dos nós da face x=0
nall

nsel,x,a
d,all,uz,,,,,uy,rotx ! Impede uz, uy e rotx dos nós da face x=a
nall

nsel,y,0
d,all,uz,,,,,ux,roty ! Impede uz, ux e roty dos nós da face y=0
nall

nsel,y,b
d,all,uz,,,,,ux,roty ! Impede uz, ux e roty dos nós da face y=b
nall

save
fini

C*** Solução *******************************************************


/solu !Inicializa o módulo de solução
antype,static !Define o cálculo estático
solve !Efetua os cálculos
fini !Finaliza o módulo de solução

C*** Resultados ****************************************************


/post1

Modelo MEF: malha com carregamento e condições de contorno

64
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Resultado: distribuição dos deslocamentos transversais

Lista de comandos ANSYS (elemento sólido):


C********************************************************
C*** *
C*** Placa sob flexão *
C*** *
C********************************************************
/PREP7 !Inicializa o PRE-PROCESSADOR
ET,1,SOLID45 !Define o tipo de elemento

C*** Propriedades elásticas ******************************


MP,EX,1,2.1e11 !Módulo de elasticidade (N/m2)
MP,PRXY,1,0.3 !Coeficiente de Poisson

C*** Propriedades geométricas ****************************


C*** Não existem!

C*** Geração da malha ***********************************


a=0.5 !Comprimento da placa (m)
b=0.5 !Largura da placa (m)
e=0.005 !Espessura da placa (m)

k,1,0,0,0 !Geração dos Keypoints


k,2,a,0,0
k,3,a,b,0
k,4,0,b,0
k,5,0,0,e
k,6,a,0,e
k,7,a,b,e
k,8,0,b,e

l,1,2 !Geração e divisão das lines


lesize,1,,,20
l,2,3
lesize,2,,,20
65
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

l,3,4
lesize,3,,,20
l,4,1
lesize,4,,,20
l,1,5
lesize,5,,,1
l,2,6
lesize,6,,,1
l,3,7
lesize,7,,,1
l,4,8
lesize,8,,,1
l,5,6
lesize,9,,,20
l,6,7
lesize,10,,,20
l,7,8
lesize,11,,,20
l,8,5
lesize,12,,,20

v,1,2,3,4,5,6,7,8 !Geração do volume

vmesh,all !Geração dos elementos e nós

C*** Carregamento ***************************************************


sfe,all,6,pres,,5000 ! Carga perpendicular, distribuída em toda a placa (N/m2)

C*** Condições de contorno (apoio) **********************************


nsel,s,loc,x,0
d,all,uz,,,,,uy ! Impede uz e uy dos nós da face x=0
nall

nsel,s,loc,y,0
d,all,uz,,,,,ux ! Impede uz e ux dos nós da face y=0
nall

nsel,s,loc,x,a
d,all,uz,,,,,uy ! Impede uz e uy dos nós da face x=a
nall

nsel,s,loc,y,b
d,all,uz,,,,,ux ! Impede uz e ux dos nós da face y=b
nall

save
fini

C*** Solução *******************************************************


/solu !Inicializa o módulo de solução
antype,static !Define o cálculo estático
solve !Efetua os cálculos
fini !Finaliza o módulo de solução

C*** Resultados ****************************************************


/post1

66
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Modelo MEF: malha com carregamento e condições de contorno

Resultado: distribuição dos deslocamentos transversais

67
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

2.7 Exemplos específicos de comportamento estrutural

a) Flambagem

Pilar engastado-livre. Pcrit = π EI/4L = 1,727 x 10 N


2 2 5

Lista de comandos ANSYS:


C********************************************************
C*** *
C*** Cálculo da carga critica de flambagem *
C*** e dos modos de flambagem *
C*** Pilar engastado-livre *
C*** *
C********************************************************
/PREP7 ! Inicia o pre-processador
ET,1,beam3 ! Tipo de elemento do ANSYS

C*** Propriedades elásticas ************************************


mp,EX,1,2.1e11 ! Módulo de Young(N/m2)
mp,PRXY,1,0.3 ! Coeficiente de Poisson

C*** Propriedades geométricas **********************************


a=0.1 ! Dimensao da secao transversal quadrada (m)
R,1,a*a,(a**4)/12 ! Area da seção tranversal e inércia

C*** Geração da malha ****************************************


lc=5 ! Comprimento da coluna (m)
nelem=5 ! Numero de elementos

k,1,0,0 ! Keypoints
k,2,lc,0
l,1,2 ! Lines
lesize,1,,,nelem ! Número de elementos
lmesh,all ! Geração dos nós e elementos

C*** Carregamento *********************************************


nsel,x,lc
f,all,fx,-1 ! Carga concentrada
nall
C*** Condições de contorno ************************************
nsel,x,0
d,all,all ! Base engastada
nall

save
fini

68
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

C*** Solução estática *****************************************


/solu
antype,static
pstres,on
save
solve
fini

C*** Solução para flambagem ***********************************


C*** ------------------------------------------
nmod=3 ! Numero de modos de flambagem
C*** ------------------------------------------

/solu
antype,buckle
bucopt,subsp,nmod
save
solve
finish

C*** Expandir a solução (modos de flambagem)*******************


/solu
expass,on
mxpand,nmod
solve
fini

C*** Resultados ***********************************************


/post1
set,list ! Listagem das cargas críticas
set,1,1
pldi,1 ! Display do modo de flambagem

Modelo MEF: malha com carregamento e condições de contorno

69
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Resultado: primeiro modo de flambagem e cargas críticas

***** INDEX OF DATA SETS ON RESULTS FILE *****

SET TIME/FREQ LOAD STEP SUBSTEP CUMULATIVE


1 0.17272E+06 1 1 1
2 0.15561E+07 1 2 2
3 0.43504E+07 1 3 3

b) Vibração

Placa livre-livre em vibração.

70
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Lista de comandos ANSYS:


C********************************************************
C*** *
C*** Placa livre-livre em vibração *
C*** *
C********************************************************

/PREP7
ET,1,SHELL63 ! Tipo de elemento (placa)

C*** Propriedades elásticas e densidade *********


mp,EX,1,2.1e11 ! Módulo de elasticidade (N/m2)
mp,PRXY,1,0.3 ! Coeficiente de Poisson
mp,dens,1,7800 ! Densidade (kg/m3)

C*** Propriedades geométricas *******************


R,1,0.005 ! Espessura da placa (m)

C*** Geração da malha **************************


a=0.5 ! Largura da placa (m)
b=0.5 ! Comprimento da placa (m)

k,1,0,0,0 ! Keypoints
k,2,a,0,0
k,3,a,b,0
k,4,0,b,0

L,1,2 ! Criação e divisão das lines


lesize,1,,,20
L,2,3
lesize,2,,,20
L,3,4
lesize,3,,,20
L,4,1
lesize,4,,,20

A,1,2,3,4 ! Área
AMESH,ALL ! Criação dos nós e elementos

save
fini

c*** Solucao ************************************


/solu
antype,modal
modopt,subsp,20
mxpand,20
solve
fini

c*** Resultados *********************************


/post1
set,list ! Listagem das frequencias naturais
set,1,1 ! Visualização dos modos de vibracao
pldi,1
set,1,2
pldi,1 ! etc...

71
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Resultados
Primeiro modo de vibração

Frequências naturais:

***** INDEX OF DATA SETS ON RESULTS FILE


*****

SET TIME/FREQ LOAD STEP SUBSTEP


CUMULATIVE
1 0.0000 1 1 1
2 0.0000 1 2 2
3 0.0000 1 3 3
4 0.0000 1 4 4
5 0.0000 1 5 5
6 0.0000 1 6 6
7 67.352 1 7 7
8 97.960 1 8 8
9 121.34 1 9 9
10 174.13 1 10 10
11 174.13 1 11 11
12 305.51 1 12 12
13 305.51 1 13 13
14 318.83 1 14 14
15 347.03 1 15 15
16 385.85 1 16 16
17 528.06 1 17 17
18 528.06 1 18 18
19 586.02 1 19 19
20 612.29 1 20 20

72
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Anexo 1
Biblioteca de elementos do ANSYS
Versão 11 / 2008 (188 tipos de elementos)

73
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Descrição dos elementos:


LINK1 - 2-D Spar (or Truss)
BEAM3 - 2-D Elastic Beam
BEAM4 - 3-D Elastic Beam
SOLID5 - 3-D Coupled-Field Solid
COMBIN7 - Revolute Joint
LINK8 - 3-D Spar (or Truss)
INFIN9 - 2-D Infinite Boundary
LINK10 - Tension-only or Compression-only Spar
LINK11 - Linear Actuator
CONTAC12 - 2-D Point-to-Point Contact
PLANE13 - 2-D Coupled-Field Solid
COMBIN14 - Spring-Damper
PIPE16 - Elastic Straight Pipe
PIPE17 - Elastic Pipe Tee
PIPE18 - Elastic Curved Pipe
PIPE20 - Plastic Straight Thin-Walled Pipe
MASS21 - Structural Mass
BEAM23 - 2-D Plastic Beam
BEAM24 - 3-D Thin-walled Beam
PLANE25 - Axisymmetric-Harmonic 4-Node Structural Solid
MATRIX27 - Stiffness, Damping, or Mass Matrix
SHELL28 - Shear/Twist Panel
FLUID29 - 2-D Axisymmetric Harmonic Acoustic Fluid
FLUID30 - 3-D Acoustic Fluid
LINK31 - Radiation Link
LINK32 - 2-D Conduction Bar
LINK33 - 3-D Conduction Bar
LINK34 - Convection Link
PLANE35 - 2-D 6-Node Triangular Thermal Solid
SOURC36 - Current Source
COMBIN37 - Control
FLUID38 - Dynamic Fluid Coupling
COMBIN39 - Nonlinear Spring
COMBIN40 - Combination
SHELL41 - Membrane Shell
PLANE42 - 2-D Structural Solid

74
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

SHELL43 - 4-Node Plastic Large Strain Shell


BEAM44 - 3-D Elastic Tapered Unsymmetric Beam
SOLID45 - 3-D Structural Solid
SOLID46 - 3-D 8-Node Layered Structural Solid
INFIN47 - 3-D Infinite Boundary
MATRIX50 - Superelement (or Substructure)
CONTAC52 - 3-D Point-to-Point Contact
PLANE53 - 2-D 8-Node Magnetic Solid
BEAM54 - 2-D Elastic Tapered Unsymmetric Beam
PLANE55 - 2-D Thermal Solid
SHELL57 - Thermal Shell
PIPE59 - Immersed Pipe or Cable
PIPE60 - Plastic Curved Thin-Walled Pipe
SHELL61 - Axisymmetric-Harmonic Structural Shell
SOLID62 - 3-D Magneto-Structural Solid
SHELL63 - Elastic Shell
SOLID65 - 3-D Reinforced Concrete Solid
PLANE67 - 2-D Coupled Thermal-Electric Solid
LINK68 - Coupled Thermal-Electric Line
SOLID69 - 3-D Coupled Thermal-Electric Solid
SOLID70 - 3-D Thermal Solid
MASS71 - Thermal Mass
PLANE75 - Axisymmetric-Harmonic 4-Node Thermal Solid
PLANE77 - 2-D 8-Node Thermal Solid
PLANE78 - Axisymmetric-Harmonic 8-Node Thermal Solid
FLUID79 - 2-D Contained Fluid
FLUID80 - 3-D Contained Fluid
FLUID81 - Axisymmetric-Harmonic Contained Fluid
PLANE82 - 2-D 8-Node Structural Solid
PLANE83 - Axisymmetric-Harmonic 8-Node Structural Solid
SOLID87 - 3-D 10-Node Tetrahedral Thermal Solid
VISCO88 - 2-D 8-Node Viscoelastic Solid
VISCO89 - 3-D 20-Node Viscoelastic Solid
SOLID90 - 3-D 20-Node Thermal Solid
SHELL91 - Nonlinear Layered Structural Shell
SOLID92 - 3-D 10-Node Tetrahedral Structural Solid
SHELL93 - 8-Node Structural Shell
CIRCU94 - Piezoelectric Circuit
SOLID95 - 3-D 20-Node Structural Solid
SOLID96 - 3-D Magnetic Scalar Solid
SOLID97 - 3-D Magnetic Solid
SOLID98 - Tetrahedral Coupled-Field Solid
SHELL99 - Linear Layered Structural Shell
VISCO106 - 2-D 4-Node Viscoplastic Solid
VISCO107 - 3-D 8-Node Viscoplastic Solid
VISCO108 - 2-D 8-Node Viscoplastic Solid
TRANS109 - 2-D Electromechanical Transducer
INFIN110 - 2-D Infinite Solid
INFIN111 - 3-D Infinite Solid
INTER115 - 3-D Magnetic Interface
FLUID116 - Coupled Thermal-Fluid Pipe
SOLID117 - 3-D 20-Node Magnetic Solid
HF118 - 2-D High-Frequency Quadrilateral Solid
HF119 - 3-D High-Frequency Tetrahedral Solid
HF120 - 3-D High-Frequency Brick Solid
PLANE121 - 2-D 8-Node Electrostatic Solid
SOLID122 - 3-D 20-Node Electrostatic Solid
SOLID123 - 3-D 10-Node Tetrahedral Electrostatic Solid
CIRCU124 - Electric Circuit
CIRCU125 - Diode
TRANS126 - Electromechanical Transducer
SOLID127 - 3-D Tetrahedral Electrostatic Solid p-Element
SOLID128 - 3-D Brick Electrostatic Solid p-Element
FLUID129 - 2-D Infinite Acoustic
FLUID130 - 3-D Infinite Acoustic
SHELL131 - 4-Node Layered Thermal Shell
SHELL132 - 8-Node Layered Thermal Shell
FLUID136 - 3-D Squeeze Film Fluid Element
FLUID138 - 3-D Viscous Fluid Link Element
FLUID139 - 3-D Slide Film Fluid Element
FLUID141 - 2-D Fluid-Thermal
FLUID142 - 3-D Fluid-Thermal
ROM144 - Reduced Order Electrostatic-Structural
PLANE145 - 2-D Quadrilateral Structural Solid p-Element
PLANE146 - 2-D Triangular Structural Solid p-Element
SOLID147 - 3-D Brick Structural Solid p-Element

75
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

SOLID148 - 3-D Tetrahedral Structural Solid p-Element


SHELL150 - 8-Node Structural Shell p-Element
SURF151 - 2-D Thermal Surface Effect
SURF152 - 3-D Thermal Surface Effect
SURF153 - 2-D Structural Surface Effect
SURF154 - 3-D Structural Surface Effect
SURF156 - 3-D Structural Surface Line Load Effect
SHELL157 - Thermal-Electric Shell
LINK160 - Explicit 3-D Spar (or Truss)
BEAM161 - Explicit 3-D Beam
PLANE162 - Explicit 2-D Structural Solid
SHELL163 - Explicit Thin Structural Shell
SOLID164 - Explicit 3-D Structural Solid
COMBI165 - Explicit Spring-Damper
MASS166 - Explicit 3-D Structural Mass
LINK167 - Explicit Tension-Only Spar
SOLID168 - Explicit 3-D 10-Node Tetrahedral Structural Solid
TARGE169 - 2-D Target Segment
TARGE170 - 3-D Target Segment
CONTA171 - 2-D 2-Node Surface-to-Surface Contact
CONTA172 - 2-D 3-Node Surface-to-Surface Contact
CONTA173 - 3-D 4-Node Surface-to-Surface Contact
CONTA174 - 3-D 8-Node Surface-to-Surface Contact
CONTA175 - 2-D/3-D Node-to-Surface Contact
CONTA176 - 3-D Line-to-Line Contact
CONTA177 - 3-D Line-to-Surface Contact
CONTA178 - 3-D Node-to-Node Contact
PRETS179 - Pretension
LINK180 - 3-D Finite Strain Spar (or Truss)
SHELL181 - 4-Node Finite Strain Shell
PLANE182 - 2-D 4-Node Structural Solid
PLANE183 - 2-D 8-Node or 6-Node Structural Solid
MPC184 - Multipoint Constraint Element
MPC184-Link/Beam - Multipoint Constraint Element: Rigid Link or Rigid Beam
MPC184-Slider - Multipoint Constraint Element: Slider
MPC184-Revolute - Multipoint Constraint Element: Revolute Joint
MPC184-Universal - Multipoint Constraint Element: Universal Joint
MPC184-Slot - Multipoint Constraint Element: Slot Joint
MPC184-Point - Multipoint Constraint Element: Point-in-plane Joint
MPC184-Translational - Multipoint Constraint Element: Translational Joint
MPC184-Cylindrical - Multipoint Constraint Element: Cylindrical Joint
MPC184-Planar - Multipoint Constraint Element: Planar Joint
MPC184-Weld - Multipoint Constraint Element: Weld Joint
MPC184-Orient - Multipoint Constraint Element: Orient Joint
MPC184-Spherical - Multipoint Constraint Element: Spherical Joint
MPC184-General - Multipoint Constraint Element: General Joint
SOLID185 - 3-D 8-Node Structural Solid or Layered Solid
SOLID186 - 3-D 20-Node Structural Solid or Layered Solid
SOLID187 - 3-D 10-Node Tetrahedral Structural Solid
BEAM188 - 3-D Linear Finite Strain Beam
BEAM189 - 3-D Quadratic Finite Strain Beam
SOLSH190 - 3-D 8-Node Layered Solid Shell
SOLID191 - 3-D 20-Node Layered Structural Solid
INTER192 - 2-D 4-Node Gasket
INTER193 - 2-D 6-Node Gasket
INTER194 - 3-D 16-Node Gasket
INTER195 - 3-D 8-Node Gasket
MESH200 - Meshing Facet
FOLLW201 - Follower Load
INTER202 - 2-D 4-Node Cohesive Zone
INTER203 - 2-D 6-Node Cohesive Zone
INTER204 - 3-D 16-Node Cohesive Zone
INTER205 - 3-D 8-Node Cohesive Zone
SHELL208 - 2-Node Finite Strain Axisymmetric Shell
SHELL209 - 3-Node Finite Strain Axisymmetric Shell
COMBI214 - 2-D Spring-Damper Bearing
PLANE223 - 2-D 8-Node Coupled-Field Solid
SOLID226 - 3-D 20-Node Coupled-Field Solid
SOLID227 - 3-D 10-Node Coupled-Field Solid
PLANE230 - 2-D 8-Node Electric Solid
SOLID231 - 3-D 20-Node Electric Solid
SOLID232 - 3-D 10-Node Tetrahedral Electric Solid
SURF251 - 2-D Radiosity Surface
SURF252 - 3-D Thermal Radiosity Surface
REINF265 - 3-D Smeared Reinforcing
SHELL281 - 8-Node Finite Strain Shell

76
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

77
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

78
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

79
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

80
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

81
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

82
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

83
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

84
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

85
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

86
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

87
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

88
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

89
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

90
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

91
Curso básico do programa de elementos finitos ANSYS

Bibliografia recomendada

FILHO, A.A. Elementos finitos: a base da tecnologia CAE. São Paulo: Érica, 2000.

SORIANO, H.L. Método de elementos finitos em análise de estruturas. São Paulo: EDUSP, 2003.

COOK, R.D.; MALKUS, D.S.; PLESHA, M.E. Concepts and applications of finite element
analysis. New York: John Wiley & Sons, 1989.

COOK, R.D. Finite element modeling for stress analysis. New York: John Wiley & Sons, 1995.

BRAUER, J.R. What every engineer should know about finite element analysis. New York: Marcel
Dekker, 1993.

KNIGHT, C.E. The finite element method in mechanical design. Boston: PWS-KENT Publishing
Company, 1993.

HUEBNER, K.H.; THORNTON, E.A. The finite element method for engineers. New York: John
Wiley & Sons, 1982.

ASSAN, A.E. Método dos elementos finitos: primeiros passos. Campinas: Editora da UNICAMP,
2003.

92