Você está na página 1de 35

Nesta últina aula do cuso 'Histúria Esencialda

Filôsófia", Olàvo de Caryaiho reroDa o tema da irlealidade


dôs modelos iilosóicos corenles e da distância ente
doúidna e dldiônciú. patindo de un panoramadê

segúído olavo, a lilosolia desse período é formada por


coÍeítes ;1áô coeúnte§ internamenie.
mas tâo dit'erentes
entre si e tâo distanciâdas dâ realidade da cxperiência, que
se iorna dinc o diálogo ou a cônlmítàçáo enle claJ'

Olavo encera o cúBo dúdo sM púpria yisáo da


I

"Olavo de Caffalho é o
mais importante pensador
büsileiro hoje."
Wagner Carelli

"Filósofo de gtande erudiçáo."


Robeío Campos
I
"Um gigânte."
Bruno Tolentino

"Olâvo de CâÍválh., sê
destaca porque pensa, !l
rel'lete,eédeuma
T
honestidade intelectual
que chega a ser cmel."
Carlos Heitor Cony

"Louvo a coÍagem e lucidez


de suas idéias e a maneira
I
admirável com que as expóe." {
HeÍbê o sales

tiltxilil[ltfl

E8tâ püblicâçáo vem acompaDhada de um DLD,


que náo pode ser vendido separadâmênte.
A realidade
Aria32
por Olavo de Carvalho

coleção

História
Essencial da
Filosofia
e.d*!i'irrJ51ô!ú E§!êitiild4fililnlh

dlehi!àrilÀ!t1!,iiltllitü{irolrlnDV§,
gm ÍúÕ pDn€ snàdddsleldârrMtq'
ll!$!§!q-nt Bríâ.§!,9r!rÚrôr?!03
etiirdl{ E)!t4 b 91à!9 {i t'i i@ô

Edíú
ÊátDÀ!tudêi-dd OU!.Í!litho

Prô149 §ni*ió
ru4iiqla§.qiir1tt,§{rD4llnalr;r!o!{' A realidade
DÀS.drqleo ..
É*rinid Í- Árín'é rr*l3rnúrGimss.

Ikinry !&'!f iêt!!


Auta52

por Olavo de earvalho

rp@ réô nêÉrô ., (e Dor


Êsseneial ila
rr*1rdo( teN 6 diErb dem obÉ. i4rbdc mtr B onhF
qrels-e E o o r 16 -4 sir a B Ê1Ftoií. a ou tBáú@ Íoiópa.8r".aÊo@ qldq#Fo
ColeÇáo lilistória Essenciâl da Filosolia
A realidade - Aula 52
por Olavo de CaNalho

Como eu disse paravocês naoutraaula. o panorama da filosofiano


sécu lo )ax é táo vâriâdo e complicâdo que ele precisaria deum curso só
para si. Umâvez eü tentei umproieto editorialsobre lilosofia no 5éculo
XXi e fiz um indicc de todos os filósolos importantes, todas as obras
importantes e tâI. Éu poderia até pâssar mais têrde isso parâ vocês,
mas ó uma coisa simplesmente monstruosê, e náo forma ncnhumâ fi
gura identificável, quer dizer, você não consegue perfilar assim grupos
que estâo discutindo com quais gtupos.
qs ve,,es r. arividader a que 'c ded;üum e(\es \orios g'upoc siu
táo heterogêneas. qu e vocô náo tem nesmo conro confrontá-las, Mais
ainda. criaram-so blocos de atividades Íilosóficas táo coerentes inter_
nâmente e táo dilêrentes do qúe os outros estáoJazendo, táo diferentes
dâquilo que âcontece em torno que você cria uin sentimento de iden-
tidade grupal que tornâ difÍcil até o diálogo, â comparaçáo com outros
filósofos. Por exemplo, se você pegaÍ a chamâda tradiçâo de filoso-
fia analiticâ que tem início aí no comeEo do sécu1o Xx com Bertrand
Russell, Hans Reichenbach, Moritz Schilick, e um grupo de lilósolbs,
uns ingleses outros alemáes (mas isso acabou pegando mais mesmo
no mundo anglo-sâxónico), você vê que ela forma um todo completo
em si, quer dizer, um todo completo e auto-suficiente. O sui€ito pode
passar a vida dentro daquilo sen1 jamais s€ interessal por outÉs pers-
pectivas filosóficâs fora porque a bibliografia é tão lmensa que mal dá
para o sujeito absoNer aquela m€sma "tradição" nâ qual ele está, e às

j
Olavo dê Cdalho reierc{e ao uoiclo por elê idealizâdo .hanado Biblioleca de FihsôIiâ ó
qúâl .ontou con a parccri a d a ê dnóra Recoid Três obras foEm la. qâdâs, a sâher. 'seis doenqas
do cspinto contemporânêo", de ConÍantin Noica r9q§ seguid. por Arislótel6', de Eúilê
Bôúhux 2000, e, porfim.'AoÍiÊer dãlincúagen' deEuEonRosenstock Htêsy,2002
Y

vczcs a transposiçáo para outro univcrso difercnte seriâ tâo trabalhosâ llâde dâs correnies existentcs. Evidentemente se tornâ uma obra imen'
que sc torna inviável, entáo, as pessoas se limiiaÍr a Íegislrar q0e exis- sâ, sâo nove volumes de mil páginas cada unr. A narrâtiva náo tcm
tem coisas dilerenles lorâ, rLnidade. fica umâ unidâde cnciclopédica ou cxterna. Isso quer diz€r
Unr fcnôffeno muito intcrcssântc, por exeDrplo, é uma série da edi- qlre umâvisâo de conjunto críticâ sobre a filosoíia do século )CX supo-
tora Oxtbrd sobre os $andes iilósolos que se chamaCompanion book riâ unl ponto de vista úpaz de articular essas várias correntes, saber

lo lulano de tal, AÍistóteles, Plarão, etc., etc. São livros auniliarcs para por que elas sc diversiflcaranl destà nraneira, de onde elas surgirâm, e
você comprc€ndcr os grandcs fiiósolbs. Evidcntenente todos os liló qual é o tcrreno comum onde é possível compará las Este princípio
sofos sâo como volllmes colelivos, lem quinze, vinte, a!toÍes em cada dc âriiculaçáo mc parece que náo cxiste aindâ, ele náo é impossivel,
um, iodos dentro da trâdiçáo briiânica. Sc você pcgar um livro sinlilar mâs náo existe ainda. entáo. os pâlloramâs ou hislórias da filosofia no
ptlblicado lla França ou na Espanha, vDcê \,ai encontrar ulnAristóteles século XX se dividiÍáo entre aquelas quetôrn umaperspêctiva limitada
tâo difcrente que você nio tem nem comlr conparâr Enlão, o diálogo pâm poder manter uma unidade de cnfoque e aquelas q e sâcrilicâm a
iilosófico, n(is pode]nos dizer que ele só existc dcntro dc blocos defi- unidàde de enloque pela abrangênciá das perspectivas.
nidos. Um desscs blocos cvi.lcnrcmcnte é a trâdiçào marxista. quer Isto mcsnlo já caracteriza um fenômeno da lilosoliâ no século Xx.
dizcr, a bibliogalia malxista é illlens.r, e lem evidentemenie o seu vo- csta impossibjlidadc do diálogo e da conhontaçáo e a dn'isáo da filo-
cabuláÍio pÍóprio. os seus cacoetes mentaG próprios, c o scu câmpo de sofia em inumeráveis disciplinas que não têm nirda uma a vcr com il
pcrcepÇáo próprio ao qual às vczcs os nembros de outras escolês são outra; e sobretudo a divergênciâ, ou o dcsentendimenio no qlre diz
pcrltiiamente insensíveis. Do mesmo modo vocé teria um bioco neo- respeito à própria deliniçào do campo. de tal modo quc aquilo que um
escolásiico qlre de Lodos esses blocos o quen1ais procurou contato com chama de tilosofia é precisamentc aquih que o outro considera náo
os ouiros fomn] scmprc os nco-cscolásticos. Os neo-escolásticos sem ser lilosofia de naneirâ âlgurnâ, então, a pcrda da identidade da tilo-
pre tiverâm esta âmbiçâo enciclopédica de estar senpre dialogando sotiâ, tudo isto laz parie do própÍio panorama moderno. Náo é preciso
conl as Lrlltras correntes) nas mesmo isso te linlites. O me professor, dizcr que isio náo vai poder continuar êssin por muito iempo scm
Stânislâvs Lâdusáns, nas aulas dclc, qualq cr problema que pegísse, gràves conscqüências paÍa a humanidade inieirâ. Uma dessâs graves
semprc lãzia qucstão de analisaro problcna desde o pontlr de vista das conseqúências é que, com a multiplicaEáo das perspectivas e â criação
várias correntes: um eíruturalisia analisada assin. um existencialista permânente de novas disciplinas cientílicâs que nós nào sabemos sc
analisâriâ âsslm, um ícnomcnologista analisaria assim. un1 mar\is1â sâo válidas ou náo, nâo sâbemos nem se os campos que elas assinalam

analisaria assim. etc., etc.. eniâo, ele tàzia isso desde vários ângulos parâ si mesmas exisÍem. lsso cria uma tal conlusáo que a idéiâ de 0ni_
a1é dar â solução que ele propunha no linal. Mas mes ro isso eviden- dade do conhecimcnio se iorna evidentenenle uma utopiê, mas uma
temenre tem linriies. Se vocês peilarem, por cxcmplo, a "História da utopiâ que é muito querida para muilâs pessoâs. Você vê que dcsde
Filosofia" do GuillcDro Fraile que era un1 jesuíta, um neo escolásiico, os anos cinqüenta existcn incessantemente novos e novos congressos
vocês verAo que é unla das po!cas que conseguem daÍ contâ dâ totali- mundiais sobre â ünidade do conhecinento. Com o surginenlo desta
I
perspectiva holística que ela surge já 4ntes dos anos cinqúenta. mas fado o bâstanre pârà eniender irês delas, mas cntender tambón náo
sobrctudo nessa segunda Dretâdc do sócuio XX ela se impóe con1o Lrm qucr dizcr que eu !á consegui-compará_la§ e articülá_las com outrâs
pólo mlrito atmcnte, quer dizer â âmbição dc você criar unla enciclo pcrspcotivâs [ntáo, â gcnte vê qLLe â produçáo dc novas perspectivâs
pédia da ciência univcrsal, üma visáo êbransentc da ciôncia: visão que filosóficas iá ulirapassou de há muito tenpo o ponto em que clas po
também é associada à idéia de giobâlização, de governo lnundiâ], dc .lc am tcr dlgum significâdo cogniiivo real. lloje em dia produzenr-sc
unidade planctáriâ, d€ consciêncià ecológicâ, ctc.. etc., tudo isso enl si la)gicas como se produzem progranus de computadorl uma atrás da
nlestno é uiópico cvidcntemente. mâs qlrando você qucr alcançar um outra. lsso náo signil]ca mais coisa nenhumâ. Justamenie o ericcsso d.r
ncgócio impossível, alglrIna coisa rto caminho você vâi êlcançando, c prcdrçáo fisjcâ de tilosofias, lógicas, eic., cic., já oolocâ por si mesmo
às vczcs âlgumas coisas benélicas. Eu âcho que uma das grandes re- no problema.la signilicaçáo dess€ conjunio.
alizações dâ seg nda meiâde do século )LX ioi quc pelâ primeira vez
nós tivenos histórias da lilosoliâ que abrangem as várias civilizaçôes (Aluno) Pois é- ptolessoÍ, elrc llLguns prc\tIfiadorcs é hobby
e ienlanl articulá-las de algum n1odo Quanrlo você vê, por exenplo. intplo' ,t ,tt c ,o\ loFtror 0ltet-rattJtt, J. p'oP)t'tto àa f,,:r r?i t
Lnna obra coDro a de Heníy Co.bin que é uma comparâÇáo sistemáiica
da lilosLriia iraniana corn â curopéia, tudo isso acâba surgindo juíê Clarol
mentc ncsia onda de holisnlo, de globalizâçáo, de unidade planetária,
etc.. etc. Eu crcio, porém, que o iato de vocô aspirar a uma unjdâde (AI nq biúcadeiru!
É utna
planetária nâ eslcra administrâliva náo gârênte quc dc fâto você ienha Âgora. como ó que você vai pcgar essas lógicas altemalivas todas.
uma perspectiva filosófica capaz dê articulâr esses vários planos. Ain- compará-las c arliculá las umas com âs outrâs? Num congresso, lpor
dzr se trata de uma unidade externâ. quer dizer. você tem uma unidade excmplol, câda sujcito \.ai lá preocupado coln o quc cle vai djTer e às
admiristrativa, entâo você te instiiuiça)€s de cscala plan€iária que vczcs com dois ou três e n1ais quc ele quer ouvir e ponto final. â cabcça
rcúncm lilósolos e os pôenl para discutir etc.. etc Mas o tàto de você humana náo vai além disso. cu nlesnlo vou com essa idéiâ na cabeça:
juntar mit, doisil, três mil filósoibs num congrcsso mundial, âinda ah, eu quero dizeÍ isso aqui, e veio lá no progrânra, t€m isio e isto aq i
a unidacte que você tem é a unictade do hotcl cm que eles esião hos quc mc inieressâm. É uma espécic de supeülercado, e a unjdade quc
nedrdo. c r unidid, do -c. inro o (l( re rcr.i,,J ú cung,c'.ô i\.o r"o têm é a unidâdc que têtn os produtos no supcrmercâdo. Nessa mes_
garantc âbsolulâmente que o§ assuntos tcnhatn âlgo a ver uns com os ma medidâ, a coisa perdc todâ a significaçâo cognitiva. lsso tudo náo
ouiros. Por excmplo, estecongresso de iógica dc qLre eu devo participar signilicâ mais nada do ponto de vista cieniilico. sâo apenas produtos
nâ Suíça.láqui â pouco ó o mâior congreslo de iógica que iá exisiiu no que c.td, rn nL rcrdo e qJc \occ r{oll,e o' .lJc \u(; qui'er nào .on
mundo. vâi gente para caramba. mas só de propostas de novas lógicas lorme o seu valor cognitivo que náo pode scr alêrido nem compârêdo,
paradoxais dcvcm ter umas quinhentas. e eu olho o prcgrana e vejo mas conlbrme o interesse pessoal que vocé ienha naquilo Nunca a
os limitei da minha cabeça, eü digo: vânos supor que eu s€ja aíoriu idéiâ de produEâo científica ou produçáo filosófica ioi táo verdadeira

8
quânto hoje, e evidcntenente o que aleta o valor cognitivo disso tudo nilivo, eu acho que é perfeitamcntc lÍcito você se desinteressar dela lr
nâo é só a quantidâde, mas às vezes a própria natureza dos produtos rc.ielinir, entáo. o campo filosóiico deliüeando eratament€ como uma
cujos autores nâo se inieressam pelâ qucstão do vâlor cognitivo, eles iradição, uma continuidade de esíorços voltados para unl objetivo
nem sabcm o que é isso e até duvidâm que isso exisia O que acontcce pcnnânente, um objetlvo que não é para ser alcançâdo no seniido de
neccssaÍianente é que um obseNador qlre airda esteja intercssâdo na (tue se deve chcgar a algunâ coisa, mas é um objetivo pcrmanente
questào do valor cognitivo âcaba se desinteressândo por tudo isso Se ,"1 cn o. pur .\,lrflu \o(ê rôna, banhn. uuc c rlir.ui\r 't-r \uLe
você propõe uma nova ciência, umâ novâ lógica, un1a nova lilosofia, dcve lãzer lodos os dias. ou pclo mcnos de quinze em quinze dias.
uma nova nâo scl o quê, rnas você mesmo diz que aquilo nâo tcm valor olr uma vez por môs. mas que vocé jamais poderá dizcr quc tomou o
cognitivo nenhum c qüe náo se inieÍessa também pela questAo do valor banho dcl]nitivo que o iibertaÍá de todos os banhos posleriores. lsso
cogritivo, para que eu vou n1e interessar por isso?
elrer dizer, por que ai nunca âcontece. então, ó uma coisa que você senpre iem que estar
eu von n1e interessar por uma coisâ que o próprio autor diz que náo hzendo porque é uma coisa para a sua manutenÇão e não pam você
intercssa para ninguóm, exceto para os intcressados? chcgar cm algum lugar Que eu saiba náo sc toma banho conl urna
Quando nós contemplamos csse conjunto e vottamos à origem cla finalidâde deternrjnada, mâs apcnas para manl€r Lr seu eslado de sâú-
filosoliâ corn Sócrates. nós podenos nos pergunla| Mas o que tem de nunr nível Íazoávcl. Entáo, â lilosolia tambénr e{iste para isso. cla
tudo isto a ler com aquilo quc Sócrates está tenlando fazeÍ? A reposta cxistc conira â disseninação de rm estado caótico pela prolileraÇáo
é: praiicâmen1e nada. Pode ter um interessc muito rcmoto como, aliás, dês opinióes, a lilosofiâ não existiria se nâo exislissem opinioes inúlti-
qualquer conhecimento verdadeiro ou lalso tem sempre âlgo aver com plas circulando pela socicdâde. Mas, por outro lado, se essas opiniôcs
â filosoíia, é clâro, no sentido socrátjco quatquer coisâ podc ser útil prclifcmm em quantidade inabârcável, enião, é cvidcnic quc â lilosofia
pâra ela. mâs é interesse nruito rcnroto e nâo cenlral. terá que recoriar dâs opiniôcs circulantes unt cerio gtupo pelo qual
É diantc, jusiamentc. .lesse panorana que eu abctiquej da icléia de ela vai se interessar e ignorar o reslo. De cerio nrodo o próprio descn-
considerar iilosofiâ tldo isto
que se lãz com este nome. ltm uma so rolar do tcmpo se encârrega de selecionar o que importa do que náo
luçAo prática para cst€ problerna, é ver o que a filosofia foi na sua ori- importa. porém, não podemos confiar totalmente no julgamento da
gem. quer dizer, ioi coino projeto humano e cstudar dentro do campo história, aquela história do Fidel Castro: 'A história me absolveráI" Eu
da filosoiia só aquilo que tem algo a vcr com o projeto originárjo, e llri náo âcredirô crn nada disso. Você náo pode esqüecer que as s€ntenças
exatamcnte csta oricniaçáo que mais olr menos.ós seguimos aqui ncs- do tribunal da história fâzem paÍe da própriâ lislória e seráo revis-
te curso. Qucr dizer que muiia coisa que hoje ó chamadâ dc filosofia no ia! pela pÍópriâ história na gerêçào seguinte. Náo existe umâ história
sentido acadêmico do lermo, náo seria chamado de fiiosoliano senlido definitiva quc pode absolvê 1() de ulnâ vez pâra scmprc. Entâo, logo
histórico. ou socrático, do termo. absolvida, ê suaabsolvição se toma ela própriaunl iato histórico e será
Como a filosofia no sentido acadêmico só cxiste como instiruiçào julgada també r, e de novo, e de novo. e de novo, e de novo. Eniâo, cm
e como produção e como fcnômeno social e nâo como tenômeno cog- pâde o tempo resoh.e os problemas e em pârte clê criâ outros novos e

10
conplica a coisa. De qualquer que seja o caso. o tàto é que os seres hu, r qlre consegue alticulâr os conhecimentos necessários, parâ mim.
manos individlralmentc precisa de uma oricntaEào dcntro do campo dcntro de um dctcrminado senso de orienlaçáo. Podc_se objetar con_
do conh€clmenio- e dentro do campo das opiniaes circulanrcs. Eu não trr isso corno fazia o Jean Piaget qüe este senso de orientação nâo
estou mc referindo à sociedâde, à cultura. mâs a você. você. você, e ó (r)nslituirá un1 conhecimcnto. rnas eu âcho que se isto não constitui
justêmente esta orientaçáo do indivíduo no conjunto que é a filosolla. nnr conhecinrento. quer dizeÍ que se a orientação que cada um dos
Desde o início. você vê que Sócrates náo lilosofa para 1ãzcr progredi irdi\,íduos concrelos tem sobre o conjunto náo constitui um conhe_
o conhccinrenio. ele rão lilosolã para uma finalidade acadêrnica, clc cjnr€nto, muito menos o coniunlo desses conhecimenlos constituirá
náo filosofa por nlotivos prcLissionais mas ele filosofa par.1 si próprio, rl conhec;menio. Porque somente csta perspectiva individual é que
porque ele conlessa que náo cstá eniendendo o que acontccc e que pode laz€r a tdâgem cÍítica No conjLlnto da sociedade náo existe
cle gostaria de entender un1 pouco melhor. Então, esta é a inspiraçáo unra âutoridade que reprcsente o conhecirnento e qlre possa lãzer a
básicâ da atividade lilosólica. quer dizcr o indivíduo concreto hürnâno triâgcm crítica e estabelecer Lrma cocrência entre os vários coúheci_
que q!er se orientar no conjunto. nrcntos. Náo existe Llma insiância social que lãça isso. Se nâo existe,
Ora, o problena da organizaçáo € da unidade do conhccircnto eniáo, só tem a individual, e se esla individual nâo repres€nta conhe
colocado na esfera cullural. social, ctc. é um: o problemâ colocado cimcnto, muito menos ê social representará. Entáo, a objeçâo de lean
nâ eslera pedagógica. quc é da auto-lormâqáo do scr humano, é outro Piâget de certo modo se comc pelo próprio rabo.
compleianrel1ie dilerente. Uma coisa é üma socicdâde quc se vê con- Tambérn, contrjbuiu muito para confundir o pênoÍama a idéiâ cor
liontada co Ínultiplicidade inabârcável de opinióes e que tcnta or-
a rcntc a respeilo do que seja ciência. A primeira metade do século Xx
ganizêr um congresso holístico pâra vcr sc botâ u pouco de ordem produziu umâ série de discussóes muito interessantcs a respeito das
nâ coisai ouirâ círisa é D indivíduo que se círloca o mesmo problema. várias modalidades de conhecimento e da sua possivel êriiculaçâo, só
Soncntc neste último caso é quc você pode lalar realmente dc uma que tudo isto foi perdido na segunda metade. e hoie nós voltamos de
Lrnidâde do conheciment.r. Quer dizer, a unidâde social ou cultlrral é certo modo a uma espécie de positivismo ingênüo que é do século XIX
absoluianente impossivcl; só exisle unidade quando eriste â urida âinda, qu€ hoje enr dia voltou a ser crença públiú; Pessoas que acre
dc de uma perspectiva criada por üma consciência determinada que ditam que existe um conhecinento cicntilico lirme, provado, etc.i etc..
lança o scu olhar sobre un1 conjunto de conhecimentos possívcis e obtido na linhagcm da ciência €xperimental de Bacon e que ele nos
os articula de algum modo. Isto somente o indivíduo huDiano pode lbmece certcza suÍlcienie parâ julgar iodos os outro§ conhecimcntos
fazer. E ele tem que lazer para ele nresmo e eventualmcnte para um Isto é un1â estupidez lbrê do comum que já tinha sido neutralizada na
grupo dc pcssoas que participa do mesmo eslorço. Porém, a possibi- primeira metadc do século XX, mas aí surge outro problema que é o
lidade de isso adquirir uma vigência cr tural oü social é ninima; en- da educaçáo da geraçáo seguinte. e está aí mais uln motivo pâra você
tão, d€sde loglr eu me desinteressei pelo probiemâ do holismo sócjo- não acreditâr no julgamento da história, porque êquilo que â geraçáo
cultulal. E só inleressa o meu holismo. O holismo que é para lrim. anterior sabia náo se transmite nccessariament€ à scguinte; o famoso

t2 L3
problema do Iean Forastjer do progresso dâ ignorânciá E se você vê, Sêvocê pegar o que é umâ mente produzida por un1â üniversidade
ao aumento do conhecimcnto de uma gcraçáo pârâ outra conespondc lx,ic ó um indivíduo que se apegou ê duas ou três crenças peúei_
o esquecimento ou perdâ de uma qua[tidadc às vezes maior de conhe- Irfrcnle idiotas, mas que se identificou profundanente com €lâs c
cimento de uma geraçáo pâra outra. de modo quc tenr que haver uma (tLrc as defendc de unhas e dentes e às vezes nem as defendc porque
permanente rcconquista. Então, esta confiança ingênua no poder dâ r,,nsidera que não existc sequer â possibilidâdc do ataque. ele apenâs
ciência e,{perimental. que já tinha sido vencida por Ednund Hlsserl sc apega aqüilo c nem sequer se lembrâria de argurnentar a favor.
e muitos oütros na primeira netade do século )c\, volta a ser uma p()rque náo precisa, para ele âquilo sâo v€rdàdes táo evidcntes e niíl
rcalidade. E criiste aí â interfcrência de unl outro elemento qüe é a dos podcrn ser questionâdâs. Entâo. náo exisie â possibilidade de qüe
grupos de pressáo políticos que estâo interessados cm doninar dcter-
alguém as questione e se alguém questionar o sujeiio ficârá prof n-
minadas universidades, instituiçóes, quc se âpegam a ccrtos a€umen-
(lalllente escandalizado e chocado. E as pessoas acrcditan qu€ esias
tos e razóes que pâr.aeles sâo muiio cientílicos, e que tentârn criârrna
crcnças delas são verdadcs cientificas. Entáo, ai é um panoraffa de
espécie dc jnquisiçào proibindo as idéias contúrias, ctc. Isso acontece
uma nriséria intclectuâI quâse inimâginável e o grosso da populaçào
nitidamente com o pessoal do evolucjonismo hoje; quer dizer que você
univel§itária hoje é constituído dcstâs pessoas. Náo é ncccssário di
sirnplesnrente relativizar o evolucionisno hojc iá é considerado unr
zcr que o ensino Llniversitário que foi leito parâ cri uma eliie de
pecêdo conila ê ciência; quer dize! você tentar discuiir o evolucio-
pe§soas eÍuditas se trânsformou exatamente no contÍário, se trans_
nismo é obscurantismo. Na vcrdade se conseguiu inverter a noçáo de
lormou numa usina popular dc crentes. Nessas horas náo há oulra
obscurantismo, quer dizer, â proibição de un1ê ccrta discussão é que
coisa a lãzer senâo vocô virar âs costas â esta instituiçâo e se apegar
se tornâ ilurninada, e a discussáo é obscurantisn1o. Mas jsso sáo lênô-
menos sociais que o filósolb náo deve absolutarncnte levar em conla aos âmbientes, lugares e condiqóes onde hajâ a possibilldâde âinda

porque sâo modas e correntes às quais as pessoas sc apegam como de uma discussáo e ainda ondc haia pessoas que buscâm de lãto o co-

nftletas. Você náo pode esquccer também que as crenças das pessoâs nhccimento. Esie panorama não deixâ de ser aterrador porque você
sâo clementos em que se apóiâ a personalidadc delas, então. às vezes tern massas de fanáticos e inbecis como nuncâ houve no mundo, só
você nâo pode inrpugnar uma idéia porque é como vocô tilaÍ um dos que eles sào diferenies das massas de iànáticos de outras épocas. Por
pilares em que se âssenta uma personalidadc vacilarte, então, âquilo quô? Porque agorâ eles têm a legitimâçáo acâdêmica e eles acham que
setorna uma espécic de agressáo psicológica lbra do comum. Num am- saben alguma coisa. Quer dize! o sujeito queinâdor de leiticeiras na
biente de pessoâs assim constilLlidas você náo tern a nenor conclição Idâde Médiâ pclo nrenos náo tinha a pretensáo de ser cicntífico. ele
para nenhunla discussão cienríIica poÍque cadâ contesta(áo que você sabia que ele esiava âpenas seguindo o que o padre lãlou e tal. E hoie
lêça será vivenciada como se fusse uma ameaEâ pcssoal. um perigo em diâ. não. Se você vê o nÍrmero fântástico de crimes e de violência
iminenie. E à medida qre o establishme í universitário âumenta cle que se tez com bâse "científica" dcsde a Revoluçáo Franccsâ até hoje
tân1anho, absorve mais genle, e se popularizâ, entâo, o núnero dcsses é unâ coisa que supera enomlemente todas as Suerrâs de religião e
iipos prolifcra de uma maneira absolutamente eriiraordinária. perseguiçoes rcligiosas dâ hlsiória humana em tLrdas as civilizaçôes.

14 l5
Se você somâr todÂs âs vítimas da Inquisiçáo mais as do lânâlismo csie privilógio que e]â jârnais reconheceu a ninguém? PoÍ que você vâi
islâmico mais todas âs vítirras do Império Clinês. etc., tudo é brin- rcconhecer que c)riste unl núcleo dc intenqóes puras c que iodo o mâl
cadeira perto do quc a "ciôncia' fez âié hoje Evidentenente, depois que se co etcu eln nome dclcs náo os compromete em nada? Você
de urna sangueira dessa. depois dc um mol1icinio desse, vem aquele icm. nâ mclhor das hipótcscs. uma deierminada cosnrovisão, Ltma de
senso de exaustão como o criminoso estuprador depois de ele matar tcnninâda visáo do nlrndo por mais bem iniencionada que elâ scja,
mais uma criancinha, clc icm o senso de eraustáo e de refluxo. ele cla leü suas limitâçaes, ela iem os seus pontos ccgos. e üa medida cn1
nega o qlre fez, ele se odeia a si mcsrno, c no dia seguinte ele já se sen que ela tcn esses pontos ccgos. aLi se introduz o mal Se ela nào tem
te dilêrente. clc scnre que ele náLr é aquela mesrnâ pessoa, entáo, cvi- Lrnraculpa ativâ na produqáo destcs pecacios todos, ela icnl uma culpâ
deÍtemenie, ele náo é rcsponsável pelo que le7. Se vocês assistiraDl pnssiva. qucr dizer, ela se iorna culpâda pela sua insuliciência Nâo sei
"O Vâffpjro de Dusseldorf", uln filmc de Fritz Lang, se lembram do se eÍá ficando claro isto aqui. EntAo, ninguén pode dlzer: "Eu eltlru
discurso final do bândido, é um assassino de crianças. clc no fim está inoccnte". Na produçâo deste mâleficio todo. as ciências têm culpa,
dizendlr que ele nâo tcm culpa do qüe faz. Entáo- todos esses mo- as religioes têm culpâ. as cultLrras iênl culpa, e ninguén esiá absoluta_
vimentos ideológicos contemporâncos que acreditam ter uma base Drente lirnpo. Eniáo, o quc tcm que larer é você examinar criticanente
científica, cl€s táo logo cornenten1 mais um morticÍnio desses. no dia quâis forâm os pontos cegos por ondc se introduzir o chamâdo nralr
seguinte eles se sentcm inocentes porque aquilo que ele§ fizerân é uslr. olr a distorçáo, etc., etc. Mas esse mau uso nâo scria possívc1 se
táo horrível que náo pode ser, nâo foram eles que fizeram. Entáo. náo houvcsse juslaÍrente o ponto cego É mâis fácil a Centc cstud,r'
vocô vê que particulamlente o movimento rcvolucionário, sociâlista, esscs casos em acontccinlcntos de ouirâs épocâs e náo da nossâ, por-
etc., nunca sc sente responsávelpelo que ele fez, lnesmo quc clc mate que na nossa a gente ainda está no meio do processo e é diiícil você
milhoes de pessoâs para implantar um rcginre, €le náo encara esse saber ondc vâi ter inêr, entâo. â coisa náo adquire umê iorma, ma§ se
regimc como umâ criaÇáo dele. mas corno um cl'eito do acaso e das você cxamina processos similares âcontecidos em outras épocas você
circunstâncias. Sáo sempre assim. pcrcebe claramentc onde estava o ponto cego, onde csiavâ a limilaçáo
E a idéia de que todos os argumcntos cientílicos usados para la- daqlrela concepção tao bela, tâo elevada, qüe pernite que elâ sin'a de
zcr isto sáo apenas um mâu uso dâ ciência c dc qu€ a esirutura in- instrumento para o mal.
ierna da ciôncia náo teÍr nada â ver com isso; essa idéia mc parece
âbsolutanrente inaceitável. Quer dizer, náo há como vooê ;nocentar (Alul1a) O senhot teia aLEun exemplo disso? Só paru elucíàat
a ciência modernâ dizendo: "Náo, aqui é a ciênciâ, o purc teÍnplo do
conhecinento. mas daí vênr esses malditos nâzistâs e comunistâs € Um eremplo câracteríslico é o quc se pâssa com a Igreia Ca1ólica na
pegam e usam parâ linalidadcs que não estáo na purezà da deliniçáo de cntrada da Modernidâcle. A pârtir de 1300 começan a surgir modifica-
ciência." Então, â ciência depois de ter nandâdo náo sei quanios paÍa çóes políticâs e culturais de grande podcr explosivo nâ Europa. prin-
Auschwitz, não sci quô, coniinlra linipa. Ora, por que a ciôncia tcria cipâlmente a formaçáo desses vários Estâdos nacionâis. Entáo. â idéia

t6 fi
dc Eslado nacionâl era totalmente esrrânhâ à Igreja Igreja como l\luna) Não. pot inicíatíüa do Í:st.tdo!
^ assembléiâ
se clÉmâ Igrejà Católica náo quer dizer outra coisâ senáo Suponha que a Igrejâ durante esse período flexibilizassc a sua or-
Lrniversal, entác, evidentcmenie que a Igreja Càtólica instintivament€
$rri7ação e deixasse foflnâr as Igrejas Nacionais. talvcz tivesse sido
e por essência iendia a uma organizâçáo de tipo imperial universêI. a Lrrâ soluÇáo mclhor, rnas eia 1êz o contrário. As lgrejâs Nâcilrnais se
idéia de nação é totâlmente estranhâ, mesmo porque na Bíblia está lirfnâm conira ela, se lormam por iniciaiiva dos Estados, cntào, você
escito que os deuses das nâçóes são demônios, entáo. de uln ponto de ir cria Lrma Igreja Estâtal. O problcma dc cotlscrvâr os bens da lgreja
vista estritamente católico a divisáo da EuÍopa em naÇóes erê intrin- llrâvcssâ quatro ou cinco séculos. â lgrejâ não quererdo ceder, e ce'
sccânrcnte um malj mas acontece que ninguóm na tgreja soube o que (lrndlr cada vez nais. QueÍdizer, parece que ali ninguóm cntcndeu que
làzer com isto. Por exempio, se você tem aqui um pais qlre se for al l lrtr raçáo dos Estâdos Nacionais cra um processo histórico ineversí
dentro dcsse país existem bens da lgreia; a lgrejâ tem rerras, eta tem v.l Na mesma mcdida, o que acontece? Conlo a Igreja náo cohsegue
iemplo§, clatem câsâs. tcm negócios, pode ter Lrm banco, pode ter uma rfolnpanhar o processo e ela nem enlende beln o processo, sflrgcm,
coisa assim. Enrâo, enquanto você estavâ numa Europa multinacional. rnlào, dols sub'prccessos dcntrc dos quais nós ainda vivemos. O pri
â Igrcja tinha bens cm toda partc. Daí se ibrma um Estâdo Nacional ncim é â desespiritualização da vida estatal e política. quer dizeÍ, o
O que o Estado 1àz corn os bens dâ Igrcja que estáo tá dentro? Assim, llsiado pâssa a conslituir un domÍrio autônomo sobre o quâl a rcli-
conro com os bens de urna nrultinâcional, por exemplo, como é que Biuo e. podanto. â moml religiosâ náo tem nenhuma autoridade, quer
1àz? En1ão. nâ mcdidê em que se formam esscs Estados Nacionais é ló- iLizer, o Estado como autoridade extra-religiosa e extrê moral é uma

gico que un1a partc considerável dos bens da Igrejâ seria tomadâ. Isso idóia que eln Maquiavel já está bem ioflnulada por escÍito. mas é uma

é absolutamcnte inevitávci, náo


coisa que já êxisiiâ historicamente. Maquiavel não faz scnáo declârâr
ten como você evitar uma coisa des-
unra coisa quc já sc faziâ Muito bem, con1o isio nâLr pode {icaÍ assin
sa. Quer dizc! ou o Estndo náo se lorma. ou \,ocê boicota a torinaçáo
rlurante muito telnpo. o que acontece? Acontece que esta árca que ó
do Esiado Nacional, oLr você vai ier esse conflito. Entáo. csse conllito
dcsespiriluâlizada. que é extraída. tirâdâ dc dentro da csfcra espiritual
começa em 1500, quer dizer o primê]ro Estâdo Nacionat Europcü que
hlrlnâna é ern seguida rccspiritualizada de improviso por ideologias.
se lbrnu ó Po{ugal. Dcsde a iormaçáo.le Poriugal até a Revoluçáo
Qucr dizer as ideologias se tomam Lrm subslitutivo do sentido da vidâ
Italianâ no sécülo XIX quc forÍna à ltália, em volta esrá se formando a
tal como era vivenciado no cÍistlanismo. Nâ medidâ cm quc acontcce
Alemanhâ tambóm; senpre você vai ter estc problena: o que faremos
isLo, entao, nâ prirncira e1apa, a idéia de um sentido da vida e, portan-
com os b€ns da lgreja? Quer dizer, durânte quatro sócülos a Isreia náo
to, a idéia da integrâçáo dâ personalidade humana deniro do scntido
soube o que fazer con1 csse pÍobiema.
da vidarellui pâra o donrinio pÍivado, náo tem vigência pública mais. E
n.r segundaeiapa dâ "rcespiritualizaçào ' o falso sentido da vida criado
(Aluna) ... ctiar, enlao, I*reias Nocia ais íoi uma das...
pclâs idcologias é olêrecido a todâs as pessoas como sendo, ao contrá-
À criaçáo de lgreias Nâcionais, nlas náo por iniciativa da própria Isreia. rio. uma obdgaçao de todos e que tem plena vigência pública.

Il 19
Participar do seniido dâ histó a, por exenrplo, é nunr regime so' E claro, depressáo, sulcídio, eic. E os caras pâra conseltar isso
cialisia, marxista, aceltar qüe existe um sentido da história, e admitir irvcntâm idcologias que criam pseudo-sentidos da vidâ. Eu já vou
pafiicipar ativâmentc dele é ob gaçâo do cidadâo, ele náo pode achar (li7cr quâl é â dilêrença ILrncional enlre essas crenças ideológicas e â
que a história náo ten sentido nenhun ou que tem outto sentido, ele
é obrigado a dizer que o sentido da história ó a luta dc classe e que ele
pariicipa c quc clc vai rcalizar o socialismo, etc., etc. Então. você tem (Álu o) Minha pe]gul1ta ia nessa linha, quet dizer, o pontu cego,
unl intervalo onde, primeiro, náo pode ier senlido da vida. o sentido otttia, Là da lgteja àa século XIl, X l, loi eieatauleúe a rcIaçao dt)
Ll,:to can os padercs polílícas locatis. é issa que ?
da vida é umâ simples questáo privada. Mas sc ó uma simples questâo
Não só isso, Íras é quc â idóia fundaücntal da cxpcriôncia cristâ é
privada. é uma qucstào de opiniâo de cada um, €ntáo, isto é it mesma
ÍLhstituída pcla dout na cristà. Un1a doutrinê. un1a vez tormulada. se
coisa que reconhecer que nào tem sentido nenhum. QueÍ dizer, esta é
ir)rna objeio de disclrssão; enrão. já não se lrata mais de você ter ou
- ulupir l.b(rdl de 9-e.\i-le o l-.râdo que l. 1ciô1" apcr ãs mc.ari-
ri o i€r a cxpcriôncia clttiva da vida cristá. trata-se de você concordar
cânênt€ para colocar na ordcm extema nâ \.ida e que as crenças e
r)U não colll uma doutrina.
cada um sào assunlo dele. Isso é evidentemente uiópico, o ser hLurano
nao pode leÍ um senlido da vida dentro de casa e ad iiir quc náo tem
nenhum na rua, na pmça pública, isso nâo é possivel, quer dizer, isso
t\tr,tat - l*,' Íu' 1a ra , talo .tt. a to,ttb,n..
Os escolásticos qu€ fiTeranl issol Você podefia dizer: 'Mâs eles não
coloca para o ser humâno um desalilr impossível que é de e]e...
previam que la dar todo €ste rolol" E, por outro lado, tcr cnprcssado â
doutrina cristâ tambén foi Luna realizaçáo intelectuâl de grârde porte.
(Aluno) - Se nào tilet, na Le ade, o selttida da Dida, é só linqit Nlas acontece que apâdiÍ da hom em qüe ela é expressadâ, essâ dou-
que te de brincadeira!
rina se torra de ccrto modo transportável para lbra da expe ênciâ
Iringir que lem, exatamentel Você cÍia um enfraquecimcnto da oristã c, portânto, discutível forâ dela. Ora. no que consiste eslaexperi
alma humana. Entáo, isso vai criar uma detcrioraçáo moral lbrâ anciâ? Estâ experiêncla rrâo é formulável doutrinahnente, elâ não é um
do comum. Porque os princípios norâis que você cullua dentro de conjunto dc proposiçócs, cla é um modo de percepçáo da reâlidâde. E
vocé, principios religiosos, morais, etc., etc. náo iêm vigência pú- cstc nodo ou ele existe realmente cono experiência efeiiva de seu fu-
blica, e lá [oÍa locê é obrigado a âceitar outros. Isto âí ó um convite lttnlr. seu lulano, seu fulano; ou ele não existe, o equivalenie doutrinal
à oficiâlizaçâo da hipocrisia. Como ninguém agüenta viver disso, o dcla náo a substitui.
que acontece? De geraçáo em geÍaçáo o padrão morâl \,ai deterio-
rando nüito rêpidamente, nadâ é exigível dâs pessoas c)rccto que (ALuna)-Entào. túa ÍoiÍeita suiicíentenente essa disti ção entrc
obedeça à força policial. experiêtrcia e daufiina para prcserüar 4 expeÍiêt1cia, efibota fiao-..
(lJro .rd rrerhôr.ogárd Jnurrr " Ínra. Íirar.aÍr a,\pcricrcia. c
(ALufio) E a deprcssàa aumeníat1àa... o que se fez foi cxatamcntc o contrário.

2A
(ALuno) -A
rclíeiao Íicou ideútiíicada com a douírtua. . Irx) síj .io coniunto do que elc sabe, mas conscientemenle ele também
Quando o sujcito crisiâo se dirige a Deus, ele entra na presença cst:i abcrtD parâ o que está além do que ele sabe, para o fanoso &Í.rpo,
Je De(. O.tr.rr.\Jprelcncl:'scD.u. n".un".enç" .eria u (ripeiron), o horizonte do ilimitado, c isto é o que eles chanlan1 [de]
mero conieúdo de consciênciâ dele, entáo, ele estaria rczando para Ir itn sc-"ndência. é o que está para âlém de tudo o que eu sei. Q ândo
un1a idéia que ele tcm, c scria âbsolutâmente extÍaordinário que esta r) indivíduo se coloca nesta posição de abertura total visândo não o
ldéia que ele tem ibsse mais poderosa do quc ele mesmo ao ponio ir0dzoúte imediaio e nâo o horizonte de consciência, mas o que está
de âtender às suas pÍeces. Você vé que â idéia mesma de Deus como |]àra 1á, lnas quc ele sabe que existe, é ai que ele está na pr€sença de
crenÇa é absolutamentc incompâtív€l coln o sinples ato de entrar na l)cus. lsso é o conirário de ulna idéia E uma abcrtura de percepçácl
prcsença de Deus. Vocé náo pode entrar na prcsença de uma idéia. A .i, airda u'n conrcudu p-eci\u dE pLr((p!4, .
pârtir da horâ em que o sentjdo d.i fé se tomâ crenEa, é impossívclvocê ora, mas isto aqui que eu expliquei é só o esquema lbrmal da pre-
rezar. E se o sujcito fizer forca paÍa rezar? Àí é que ele vai eslourar â scnEâ de Deus. eu aindê náo disse qual ó o conteúdo dele. Quando,
(lcst€ horizontc que está parâ lá. você recebe Lrm benetício que corres-
câbeça delel Isso náo é possível. Entáo. a posiçáo.lo homem que se
pondc cxâtâmente aír que você precisavâ ou neccssitava, você chamâ
coloca na presença de Deus só pode ser a do indivíduo quc cstá na
isso de graÇa. pelâ e{periência dos rcligiosos de todas as religiires há
presenEa dc umâ rcalidade. Pâra lazeÍ uma analogia, onde está essa
I rilen g,aca ( 'nuiro nri. ticqü(nl< Jo
o\ pes\oa\ imagiralr.
qUe
rcâlidade e onde nós a encontramos? Imaginc urn animal que eÍá ou ^.. "
mas só pârâ quem eslá nesta posiaáo. Para quem está lidandlr com
no dcserto ou no meio de Lrna tlorestà e que ele sentc quc cxistc um
idéjâ! ou crençâs isso não cxistc absolutamente- o sujejto qlre llda com
perigo. Entâo, todos os sentidos dele se êbrem pâra ioclâs âs direçôes,
idéias ou crcnças só pede coisas à ele mesmo. Então, ele não csiá como
a audiçáo, o olIêto, a visâo. Qual é o horizonte, o limiie do horjzonie
o ânimâl no lentro do horizonte c abcrto para o que está alénl do hori'
dc âtençáo dele? Náo tem limilel 'l'enl até un1 certo ponto cm qlre ele
zonte, náo. ele esiá ltchado deniro da cabeça dele.
errxerga, em quc cIc ouve. mas pode ser que aquilLr qlre ele e§tá temen-
É por isso que se enlàtiza tanto a necessidade do silôncio interior
do náLr esteja neste hDrizontc quc clc já sente, mâs esteiê paü lá, quer
paravocê poder rezar Esse silêncio significâ quevocê nâo está pensan'
dizer, ele náo presta atençáo só no que ele ouvc, mas târnbóm no que
dír. você está pcrccbendo. Se você pensar, acabou a suâ oraçâo. Eniáo,
ele nào ouvc, mas pode ouvir dâqul a pouco, ele está numâ expecta-
csic si1êncio interior. mas que é leito de u ma expectativa c de uma aber-
tiva. f,m que direçáo vai cssâ cxpectativa? Em todas, porque o perigl) turâ, este é un1a intensificaçáo de consciência, quer dizer, vocé linrpa a
pode vir de iodâs Eniáo. esse está firmerncntc instalado no conjunto . ar.crcncia de .odu. u. pen'. rne rto< e .e hre pa-a a pcr., pciu. que
"
da realidade quc o circundâ e instalado até nlr círculo de realidade nâo é só apercepçao do que está prcsentc fisicamente, mâs do que está
qJerai par, 1.<rn dú.er huÍr/orrc Je cor ..,ercin Pe,ldapo.;çao para além do mundo fisico, mas quc está presente. Este estâr no centro
do homem que ora Náo é unlâ idéia, náo é uma coisa pensadâ, é uma da reâiidadc supóe que o indivíduo seja cêpaz de estar no ceniro dele
expect.rtivâ que tem o conjunto do que acontece. e tem o para lá do me§mo; se ele não tiver conc€ntraçáo suliciente pârâ afastar os pensâ-
que aconlece Com a dilerença dc quc o scr humâno pode estar aberlo ne.1ro\ e c4nri.ruar drcnlu, c c nrú vui (o rreguir re/a r.

22 21
Ac(,rtccc quc ó disso que está parâ êlé do horizorrte, poúanto, Ir,, o\enrpLo, sc você lechar os olhos agr)ra e corncqâr a ânolitr tfflos
dcssa transccndêncià, ele rcccbc a rcsposlâ dc quc clc prccis.L, isso se r)s sons quc chegâm âtó vocô, !ocê nno csiá produzln.lo rcnhunl deles.

charra graçai x graqâ gcrâ a caridade. o anror: cstc é o amor a Deus. E \t)ca cstá regisrrando. c es(e rugistro prcs§upae â âbcltura tolalr.ent€
esta srri.lr.lc gcra a Íói vi]cê conliâ porquc voca iá rccebeu a grâç4, isto t:rlsiva, atcnta. ligadíssirra. nras totalrnelle passivâ.,^gora. inraginc
ó irndânrcnlal, nar) urnâ ncm rluas. nruilas Entao, cstc é o conceito {LÚc alam dos soils você está ahcrio tâmbanr pa[ oüiros cstifftrlos .].)
agostlrillnL, da /i.l.rs.drrtot( iatntúu lé fofl a.lâ pcla ctri.lade: c.1ca'
', r'i,i iuô\ n\ qru ri\, , r r , \, i r,l' i .. rr. rr r.r '
rras knlosi c qlrc !ocô continutL abrintlo. abrindo. alír rlrcg:Lr lro lirlritc
rilla!ie. por sua vcz, fornrada pela itrâç4. Estc a o ccnl.{) da vida crisLai
rl,, qLrc é hu àIarrcntc cogroscilcl c voca s be .luc para lti djsso
vocô.nconlrará clcllrentos cquivaLentes ctri oulras rcliilióe§ lirnrbénr,
rirrcla Lcnr nrais coisa, c dcpois ttm nrris coisa, c dcpols le.r nrâis coi
mas crlr r.r!hürna cont csta clareTa O crislianisnlo iclc csse rrróriio dc
sa o indnidLro se colocâr nesla posiça1o slrpa)c (lr,c €lc scja ctLpa, de
erpliLlr: Olhâ. conrLr é qur sê lrz? O quc acortcce na hom cm qut i)
ü llâ cenirâlidadc cogniLiva. podânto. qnc tollà.rii!idadc pcrilérilr da
horrcrn sc dirigc a Ders? Isso aí Santo cxplicou tL(lo direl
^goslinhoqlrc rIrnt., toda alividâtlc pensânlc corsLruti\'â. ctc.. seií abolidâ
tinho. e Sao Pâ!lo já tinha cxplicado Àco|tccc csl i.léia ó iotal
r\gorâ. o h(nrcln mt)clcrno quxrrdo prirtr.le pcnsâr clc dor c lilc
nrcnLc p.rdi.lâ Por quô? t'erdid:L porquc o crisli.Lf isirl() se t(x nou unru
riio tern corrccrÍrâçiior .tu.rrrdo tcnr conccnLrâção ó conccrrlração
.loLrtrina. doLrtrlna fode srr objcto clc discussáo no plano intelcclual.
^ rrrnra idóia quc de rnesLro produziu tt c o Iccha ajfdr EnttLo.
cntao. \,ocê discütc agora as idélils. vocô discutc pró ou contrâ. 'rrais
clc nrlo lode tcr a cxperiÊncin.la grâçâ. fe.r da dcsgraç.r, aliís, clc
frlo vai tcr ncnhunra e\pcriôncia âlanr dnquilo qtLc ele Irresrrro podc
\tuttn I t.t,, !,It-,tt,r d, ,d,o1t t. t"
fmd zir por nxiios.luc clc conhec. o ttuc cxiste é um icchâ cnll)
IdcalizÂçao c de rcdüçao .lcsta e\periência quc por slra nalureza ó do scr hrrmano numir cslcrll dc cxpcriancia cleplorâvclmcnte pe.lurrà
u Âberl ra pârâ un horizorte ilirritado, ó a tentativê de tmnslomlaqiL)
l. clriosamcnte a csse Icchamcnto s€ char ou llunrinisrlro. ELL cligol
dessa al)crtura nunra lechâdurâ, oLr scja. nurn esqLrema.loLrtriftLl dis corro ilLrmilrisnro? Isso aí é o obscurantisIno total qucr .lizcr, só pocl!
crltÍ\,cl Ent,ro. dâli para diantc passa se a clrânrâr cristào o sujeilo quc cxislir âquilo.Luc você pode pensar. Eu digor escuta, c o urlivers{) reall'
êcieditâ nunra douir pâüd€fcndcra dL,ulrlni. sejaparaalacá
ina Quêr dizcr. â posição do homcm que se coloca n.L preser,Çâ dc Dcus.
Sej;r
la. vocô cstá cscuLhambando com o crisiianisrno Por quô? Porque í ó o sujcito que esiá abcrto pira a rotâlidâcle da realidadc. Ele náo eslá
condiqão ncccssárir pârâ cstâ abcrtura é justamcntc a ntlo (loutrirra pcnsando, eli'náo cslti criarrdo. clc csltl abedo não sa) pâra a i(nâlida-
Nào (eni doulrinâ. islo é uüra rcalidadc. is1o.tüe eu estou lal ndo. \,ocê de do univcrso lisico, lnâs pâra llrdo o quc, estando alérrrdo trniversrl
llleio e iica âilrnto. mas âtenLo cie lâl
s€ colocâ ali no cli
L)rodo quc r1ão tisico concebívcl. cstrutura e dctcrlnina ê lornrâ dcstc üurdo l1]e rrá.)
pâra pcnsar assim co|ro o lobo quc pressente â prcscnça do caçador, podc corheccr isso diretânrcntc. mts elc podc cstar âberro pâra isso
cmbor.r cle nao oLrça o caçatlor. toclos os neuúrios delc esllto ligados na Il dali clc pode reccber náo sonrcnle intuiEa)cs. coDhecinrcntos, inspi
perccpÇáo, nào clá parr ele pensari ou scja. o (érebn, húrnaro íunciolra raçócs. nas rcsposlâs lsto âcontcce mesrno A cxp.riêncil hunrana
dc râs maneirrs. rnra ó rcccptiva, a onira é emissiva. ou collslr'l]ti!a nrilerar contlnn.r isnr
(Alutto) O que é esse "c:iar aberÍo", ptulessor? (/\L no) A pala fti'leceptiüo" e cai& nissol
É exatarrrente a nresma coisa qu€ o lobo quc, tcmcndo a prcscnça Enrào. istl.) é oma expcriênciâ
do caEador, está aberllr para todos os esihrulos Por exemplo. pode
icr Iadrócs na suâ câsa. Dc ondc cles virão? Vocêvai percebé los pelo (1\luna) Mas, prcÍessot, utlta rekt. üfi(L oruçào, àa itnl íca etn
ouvklo, pelo olfâto. pclavisáo? Você nào sabc, então, você est,L simul t)tditlos t41t1bént a prusença Lle Deus?

tíneanenle abeflo a iLrclo A inragern do perigo fâlha, ela ó só parcial- CLaru. .

mcntc comparável â isto porqlrc ela implica urr temLrr A presença de


Dcus iambém tcm um tcnDr, mâs náo ó exatamente o lnesmo lipo de lALuno) .. qüe aí sâo p.! satl1enlos. -

temor Náo se lem essa ei{periênciâ sem tcmof pot isso timor Daniní \.,u.'. e Íal o t-J Ju Jrpnrr dn t, r.'r.t r" r. rr.'. r. . \ n.,u'âu
ptittcípiun sapientiac, o temor de Deu! é o principio da sâbedoriâ. rdianla, scnáo você está lâlando coln você rnesmo. Sc eu aqui: 'Ah,
I Esra é rlnÉ situação dc tcmor, mas clrriosancnte é um tenror tràn l)rus. mc dá isso nqüi. náo sci quê. não sei qLLê, qucro isso rnâis âqui_
qüilo porque não implica aqucla saranada dc pcnsancntos que às
l(r'. Náo l!ncional Funciora quando você sabe ond€ cstá. Porque se
lLrcê apenâs tãlar, você está talando para você mesmo. você e§tá lalâr-
vezes iüvade o sujeito que está com úedo. E nrais unrâ €xpectâtiva
rlo para um vizinho. você cstá làlando para urn bicho. você cslá lâlando
Qualqucr scr humano icm cssa cxperiência contanto que e1e lenha
pârâ as pa.edes. Qner di7er, você não está conscierÍe da prcsença
nnr pouquinho dc conccniraÇáo.
tisra presenea é â presença dâ totalidade da e)ipcriôncia possível qu€
pelrnancccrá sempre umâ prcscnEâ potenciâl. ela náo pode se atüâlizar
(ALLfirc) Setia um temar da i c()l efisutáúel?
''.r"lr r.rr< H.rlrr In o cqri' r,írle ,l.la rrau r ur t.t ner.epc;^ .ru.
Claro, lnas incomcnsurál,cl rcâ], dentro do qual ele está naquele
Lrma crpeciâtiva. Dai essas irumcrávci! técnicas mhiicas que exisiê]n
rrolrento Normalnenle o nosso horizonte dc consciôncia não chcga
.tu(.rn pa"" u 'rie'ro t\ôÍ.\.np.u p..r, rLlcl.,r'"rr{J/ii,rufe 'a-
ató aí, a gcntc só pegâ o ambienie imediaio- oü aquilo qüe â gente
,rcnto, ó issL, qlre qucrcrn dizer
supÕe qu€ vai aconteccr amanhã. Mas sc você se colocar no centro da
reâlidacle espacial inlinita, iliffitâda. c no ccntro cla linha dc tcmpo,
(Aluna) LrisleÍécnicã.-.
onde \.océ está no irstante presenie. mas você sabe que lem um pâs-
Claro qüe erislel Pois â técnica e\istc quando as pessoâs pcrdcnr
sado imensurável c um futuro inrcrsurável, entiio, é ali que você está
r capacidàdc para lazer lssr) nâturalmcnte, daí têm qLle invcnt.Lr uma
qüâfido você se colocâ nâ prcscnçâ dc Deus. Prcsença de Delrs quer
lacnicâ pâra consertar, âs pessoits 11,o sabcrn làzer isio hoie
dizer sonente isto. você estar abeÍlo para â lnfinitüd€. PrinrciLo, o ili- 'rras

rnitaclo cósmico c parâ alóm do ihnitado cósmico, o iniinito Que você


(Aluna) EIas lutlcíor.rn, incLusiDe!
náo vai pcrccbcr. vocô apcnas cstá âtcnto
Às vezcs luncion;ur, às vczcs náo. poÍque caria técnica Íoi irvcn-

'h.sarLrnÁ9l0 P,i,rripiumsrpi3ntirtnrorDon,n,iers.ic tii\â'L.lúnmpn](l!nIiJ l.ida parâ um delefl inado tipo cle pessoâ numa cerlâ siiuaÇáo c pode

26 2i
náo funcionar parâ oüir.r. o que interessa ó o objerivo, € o objeilvo é (ALu o) L o entendime lo?
esiar na presença de Dcus. 0 que teml

(Aluno) - OLaao. rccê rccotfierulou e eu li aqucLe lirro "Relâtos de (Aluno) A Bíblia ttúa que nós. .

u Peregrino ltusso' e sle consegue ã pLuUt (1e tn1.t i üestif,açàa.. você náo pode entendcr isto aqui, isto náo épaúentende! iÍo é a rea_

O que é aqlrela prece perpótua quc clc faz? A prece perpétu:r só Li.lade. Ela nào é u conteúdo. Você cntende conteúdos de consciência.
scrvc para uma coisai para o irdi\,ídlro parar dc pcnsar bcsicirâ e con
seguir a centralidêde. (ALtolo) - Mas a Bíblia f.tla q e nós dezlefios alnat a Deüs iüclu'
sire co l e Íendinento.
toda o nosso
(Aluna) E o Íerco. pot e$tfipta? A rc:a Siln. mas isio é posredor Àos poucos as iunçÕes mentais se êde'
(1Í, tet!i). aocê rcpete, Epele...
glsa repctiçáo ó só parâ n€utÍalizar a mente. quer dizer a ncntc quarao â essa experiência porqüe essa cxperiência é iâo âbrangentc c

ó o nosso mâior inimigo, é a partc pcnsântc. PoIqúc tuJo o que você


lao convincentc qne ela doma o pcnsamenio. O pensanlento se torna
d(icil a essa realidade abrangcnte. tlriáo, cla passa a invcntar cada vez
n. \rrô q. , r.rr r\r nl Irdu. i\.u,
o quc a. p. \\ô:r\ rao
pensar frais e pâssa a dizeÍ cada vez mais o que ela simplesnenle Percebeu.
sêbenl. Entâo, para quc scNe esse pcnsôr? serve para vocô al-
Tirada esiâ expcriência do horizonte d.i vida humana, o quc sobra?
canÇâr üm conhecirrenlo pLrs§ível dc coisas quc você náo conhece. Po.
Sobra uma outrâ lié, esta 1õ de que a genie está lalando é a lé qlre ó a
excmplo, cu parâ eu ver esia salit elr nâo preciso pcnsar nclâ. eu náo
conliança criada pela caridade, que é o amor a Deus, que é criada pela
preciso pensâr quc vocôs esrão âqui. eu eslou percebendo. Agora. sc
grâça. Se não tcvc a grêça primeilo, nao iem caridade e também náo
êu quero akrânça. unl conhecimcnto mais pÍeciso.le nlgo que nál.] está
tc lé. Qucr dizer, a lé não é o começo, ela nâo velll do nada. Eu vou
rLo alcancc da minha pêrcepção, elr conjeturo e crio un1 modelito. Mas
ier lé, por quê? Só porque você diz que Derls é assim. âssado? Ah. vài
essa não é ê únicâ mancim. você pode também en1vez dcvocê criar unr
pâstarl Eniáo, náo é assi quc vocé laz. é o própio Deus, é a presençâ
modeliio quc você cria e você projcta você pode sinplesmente adotâr
do própÍio Dcus que vai lhe dar a gÍaça, c vai ai, portanto. lhe intündir
a posiçâo da expectaiiya A expectâtiva é accitar o quc dcr e vier. lsto
lé. o que é a ié? A fé é que se elc fez un1a vez, elc vai tàzeÍ de novo. E
é uma enirega, rnâs é urra €nirega aiivô. Enláo, esta é a atençáo cspiri- dc que ele setnpre esiatá ali. Eniáo, a ié nâscc da experiêncial Nasce da
toal mesnlo. Quândo a pessoa pcl'(le â câpacidade de làzer isso, entào, cxperiênciâ da graça. Agora, hoje em dia as pessoas acreditam que fé é
o quc sobrou da religiáo? Sobrou a doutrinal o contrário, é âquilo de que você náo ten experiêrcia, náo teln conhe_
cimento, portanto, você âcredita. Mas note bem que a 1é é o terceiro
(Alüt1o) lealolia:: lístitas que apatecen pot aí. laú1bélfi...
ll,ssas elenento. primeiÍo a graça, depois a caridade, depois a lé.
É, o problernâ do rito é olrtro. o problcna da prec€ é esse que eu
estou tàlêndo. O problcma do riio p.ecjsaria de uma outra âula para (Aluno)- M.ts isso que o setlhot está Íazenda agaq tuúbém nãa é
explicar Entáo, deinê isso para lá por cnquânto. uúa douftilo^ O.cnhd podetiã P'.rP' ?r tudo i"L. aorirrttiouna--

2
Isso náo ó urna doutrinâ. isso é urn éiodo Um nrétodo é unr nlcio lirilo isso é mLlito intcrcssantc. mas não tcrr nâda a ver com o êssunlo
.l€ você lriTer algun.r coisât sc o mótodo ó trânsl(rrmado ern dourrira, ( ) fcssoal da lgrejâ rijo percebe qle é isio que esrá aconiecendo, rnas
clc dcixâ de furrcionar cr.rrro métoclo porquc bâsta vocô acrcditar nâ r.fr de lor8e. elcs âcharr qu€ é nnrâ discussáo doutrinâI.
doutrina E clarc qnc csre rél).lo pode ler unla cxpressào cloutrinâl
tanrbérr. S(i que se.lalipârâ diante cln vcz dc você buscara ié por nrcio (Alutto) Os cscaLósl.icas l1ao pcrcebe)am isso? Passannt batido'l
da caridadc c a.âriLla.le por nrenr dâ graç.r. vocô procura fazcr corn qrc
a própria doutrina scia obieto de lé. en1:lo, você trocolr uDra realidadc
pela sua erpressiio verbal. E ela sc torna o loco rla ricrçál) L e\aia lAluLtL)) PL)rquc eks stlpactn que ess.t etpetiêtlcit ctish..
mcntc conro nrrr reíaurân(c a relação crtrc a comicla c o cârdápio, Olha. eu acho q!e a intelcctualidadc cristã não pcrccbcu isso aró hoicl
qLrcr dizcr para cadâ itcrr prcsenl€ na coTinhr existc un1 itcm cscrilo
aqui no cardrípio. Nlâs nâo ó a mcsnrâ coisâ. Quer direr você goslar Ll.r lAlu o) obando o da crpcriêúcía pel.a daubütu-
L)

cornida do rcsi:Lurânte é unla coisa. você goslar do cârdápio a outra til O abàndt)lro da realidade pela doutrina. PorqLrc até chamar isso
\bca Iô iá c iãlar 'Ah, não gosleil" llnttro. você vai licâr cljscutindo o (lc c\periência, iá é adotar nnra tcrminologia modcrna. porque nin
cardápio. Podc se discutir o cârdápio tanrbénr ''Não, esse restaurante suónr faziâ isso por cxpcriência, lazia na realidade. lsso qlrer dizer que
dcvcria tcr oulros plaios- etc.l" N,las o lãio ó quc o quc clcs tôm sáo r(a uma ccúa época, o negüinho cristão vivia dcntro dc uma rcaliclâdc
csscs Entáo, vocó vai tcr.tur iulgaio rertalllantc pc]a quâlid.Ldc dâs , uc ele silbiâ qüe cm ilimitada no scrtido cspâciâI. icnlporal: c qlre
couidas quc clc tcm, não pclo quc clc não terr Agora. se a própria t)rrâ alérn dcssa rcalidâdc tcmporal c cspâcial ilimitadr hlvia !rra r)u
toflnulàçâo .lo .ârdápio se tornou objcto dc discrssão, €n1ão, ningüérr irr rcalidâdc mais ilinlitada aindr chariada elerniclade EIiáo. você
vai comcr coisa nc|hLrinâ A li)rrnulâçáo cloutrirn'l é cL,mo o clcito da \a que ê própria idóia dc rm scnso dc ctcrnidacic as pessoas náo tên1
geomeiria descriiiva. vocô vai rchatcr o tridinr€nsional nir plano Você nrais hojc. Elas nào sào capâzcs de cntender que sc elas esl ro .lenlro
pode disculi, r pl.Lnta do ediliclo. n1âs vocó não pode rrcrâr nela Dis (Lo tcmpo. clas cstào igualnenle dentr! Lla elerni.lâde. I que sêria iff-
cutir a planta ó unra coisâ, disclrtir a crsa é ouira conlplciân1cntc r:li- fossivel vlrcê estar no ienrpo scrn esrâr na ctcmidadc. l.\âo é possivell
lerei1lc. â planta nào scrvc pârâ as linrlidâdes da casâ, elê serve para lss{) quer dizer quc você nâo podc crpcrimcrllar â eternidade tenlpo
você lazer a casà Entào. houvc csta plânificacão da menle hunrana. r.rlnrcntc, rnas você pode cstar âberio pâra elâ clesde denho.lo tenrpo
qucr dizcr, náo dcixa dc scr coincldêncja qLLe unr dos pioneircs dâ gc- l)or quê? Porquc o rempo está dentft) dela. Lntão. vocô pcrccbcndo a
olnetria descritivâ scja o próprio DescaÍes lrLIo passolr pitra o plano, .sinr1Llrâ do tcmpo, vocô pcrccbc quc cxiste a sin1l laneida.le cle ioclos
ludo se tornolr qucstâo dc idóiâ, tüdo sc iornou.tuesito de doulrina, r)s rlorncntos. coDro é quc a i§to? signltiua que cad.i morlrento é êtenro
c a rridinrensionalicllcle da cxpeiênciâ rcal dcsaparcccu. S€ virâ dou' cm si. qucr dizer câda rromento qüe passou náo loi pam o nâda, clc
trina, rnt,Lo, entrâ o mundo dâ lâgarelice: cu goslo. eU nao gosto; cu ráo pode ir pârâ o nadâ, porquc aquilo quc s.iistiu por urr segundo que
iceito, eu n,ro accitoi cÍri aqui urr silogismo parâ provâr, eslá outro Iriss. nrir.â nr.is \,âi scr Inr fr.lâ

l1
I
V.rcê vai prcenchendo â vivôncia de tempo preenchendo a vivêt1cia I rirdc qlre seiâ. Então, o quc hollve toi unl deslocameirto na posiçao
ale espaÇo, atévocê chcgar dar um salto e percebe quc tem a etemidade ,lt)s individLLos no cosüos, eies estào vivendo nunr unh/crso là1so.

para Iá E que a eicrnidade é â csirutlua do tcmpo e do espâço denlro


do qual rós €sramos. ts(o como vi\,ê.cia rcal. Vivência dc erpectativâ, lt\lltno) Eu túo entendi ainda. pofesso] o ittlittilo c o ilíttlítado.

de abcrtura. ll
ilrsiâmcnte desta âbcrtura, como o §eu horizonte de llirrira.lo ó só qLrântit.tti!ol

corsciência se âbriu em todos os scnt;dos, vocô recebe algo dc l,t, peÍ-


cebe âigo. Qucrdizer queâ consciênciâ do crcnle nesle scnlido es1áenr (t\l.u a) Tet ttn bo l excfi1pb patu issa qtte é a supolície da
pennancnte abeÍturâ. E é evidente quc o que elc pcrcebe ou o que ele tiD . eta é ilimílado. mas t'itlitct- P.)cle du.lal cm quaLqLM dircçàL)'

rcccbc esiá nllinitamente aciüa da slra câpâcidade de exprcssào ve ral ,\\-, |unca lernina de atdat..
olr quâlquer outrâ crpressáo. Nós ntto podcmos erpressar a iniiniiudc,
('lrro clâml Você nnnca ter.rina cle ândâr rnas ela ó t'inila. vocô

embora cstejêmlrs d€nrro del.t. qüer dizcr saber quc eliá dentrc dâ !r re qu€ c
alguú lugâr ela acâba. Do nresnlo ür(do o Lrniverso fGico
infinitude, não só cspâcialmcntc olr temporalmcnte. mas exisiencial- ( rpcnâs urii campo ondc âconlecenr dclernrinados lenanncnos, qÜe
mente é a condiçào iniciâl para você estar dentro dâ rcalidâde. Não Lns chanranros dc lerômcnos lísicos. l'sse carnpo náo ó iniinito Infi-
dei).â de scr ergraçado que esse mesmo período ein que acontecc i§so ,r 10 i sa) aquilo que é inlinito cm tock)s os scftidos Náo s(i espaciâl

scja aquele quc o lloyré descrevcu con1o a passagem "do ,)u lcmporal. Lrâs que não tenr limitcs in(etrx)s lanrbénr. \rocê pegâ
Nllrndo Fechado ao^lex.rndrc
Universo lnlinito"; pam nim tbi o contrilrio. Qucr (tualqLrer campo de lenôrüenos lísicos. cniáo, por exemplo. âqlri vocô

clizer', antcs. até â Renasccnça. náo havia muiiâ preoclrpação cle você nccle as partÍculas quc nós temos aqLri. Lrrna parlícl]la cstá sepan'la de
descrcvci todos os dciâlhes do tulivcrso lisico ern tomo porquc você ,)LL1racomo se eu cstivesse scpar!t!h dc vLrcê a quarcntâ quilôntctros,
sabia qlre por mâior que elc t'osse ele em apenâs ili itado e nao infi- I.io tcln |ada fo ln€io EnliIU. só por isto vocô ertendc que o univcrso
nito, quc comparado ao inlinito o universo é liniio. Entáo, qualquer isico náo é irliniio. O hliniio tc .L qüc náo ter intcrvalo. Qúer dizer,
modclo Íirito servc parâ desctevcr o universo. Você làzia âqucle mo LIrrâ coisa é o ilimitado rlrnrcrica1r1entci LLnl, dois. três. quatro. cinco,

dclo. pa)e a Term no centrc. os planelas enr volta. depois você punhâ o scis. o(l 1; p('t cxernplo, a sórie dos nirmcros inlciros é ilimirâ-
i lillitu
céu das cstrclas tinês, dcpois você tinha o inlinito. Deus. De Épentc os dr Nlits ela ó inlinita'l Nlto, porquc elit é somenle a sóric dos númcro§
caÍas começân a mcdir estrela Por estrela e tal, e dizem: 'Ah, isso aqui iflcims. c cristcn1 outras coisas alér tlclâ.
ó infinitol' Eu digo: não é intiniio. é apcnas ilinitado. E â descriçáo
estrelâ por cstrelajanâis vai terninar Sc €1â iênâis i'ai icrminar, tanto (ALLtto) Quet dizer. se una caisa é i Ííníta en dete nittado .

laz você colocar cstrelas oll uôs trilhÕes de cstrelas, dá na mcsnâ,


ilis Existc. por oicmdo, â sórie clos nirmcros lrâciontir ios
entào, isso qüer dizcr que o modclo anierlor cra lnnis realisia do que o
que nós tcmos hoje. Porque hoje nós tcmo§ a idéiâ da ilimitação espa- (ALuuo) Se utno coístt i ittfí]1ita ttutn detet linddo sentido e

cial. mas ainda não cntendenos qrrc cste ilinlitado cspacial é finiio, por

32
tl
.( a cxtcnsao do seü conhccimento quanlitâtivÔ
disso disso disso'
nào é infiniral Clarol Lla não ó inlinitâ'
rL.
P nâo enr outro, cntao. cLÂ
L rr'o. (iisso, lez co que você
pcr.lessc a Írcdida da realidadc' Nâ vcr
ela é apcras ilinlitâtla EntlLo, a noção do ili itâdo '
.r,l \,.1; pdr'\e'i q .! . \oJr.li rrr'l'c\urr
(l\tlttL)) llimitado el11todos os scttLitlos'
'4não (Atuna) P()ryue \rcc, se Lí 1iÍou ape as aos aqeclos íísicas
il1 o inlinito icnl linlires ilc espécle alguinâ e scntidLr
é o qu€ niro
quc a
nenhllm. ncnr extcrrro. nem inlerno Tarrbén nós enicndenros
ráo existn iúirri- contá\,eisl E isso. evidcnlemc'(e, se locê se ativer ao con_
e\istancia de inrüliio ó uma neccssidade absolurâ Sc ^spcclos
,rvrl, cntáo, a noçío de infininr lai su]üir dâ suâ mcnie claro' vocô so
to lambénr n:]o podc eriistir finilo ncnhunl
l(,r! o ilimitado q antitativo.
(Alu o)Utlu natrcita tle desctezrel o qttao nao'itlt'inita é a es
ptlo é que e1. a ertfttfiane le liúitadL) pokqe só sào Ilüatro ditnen'
\aesl Nar) sãt) ittlittiLas rLinetNÓes!
l|t o) A pessou chqa ata ac]?tlilar que aquiLo que eLa aa
, t',:|.!ut tnedit ttão cxista
Clrro. ntio sáo inliniias ditnensóes, cxiliamenicL quc
Quer.lizcr quc a evidência dâs cvidências
lisLc é o pâsso seguinte.
I . inliniio se torla nuléria cte discuss:io: c o sujcito erige irroÍa' 'ligo'
(AIL] o) Alén tlísso, haie e 1(tid' as cosfiólaEos ! pt'ttiumenle um
pdm qrtakluer \,{ia ão po.lc.lar pro\'â nenhuna porquc islo c a basc de iodâ PÍ^Ia
c()]lstltso Ele o u iliers() nà.) se e\Le de assim setn fin
.\'c t'ltn rrntaott()pt;'t
'odú,1u,,tt,at o,ú,,,tt .tr1vIt4;tt
-

\l|11.1 \au o, Ji-dot1 \ auto Pi ttl' ttt'\ \


l';rtáo. !ocê vô qlre até espaciâLnentc é Úm negócio lcchado
lsso
crtâo sis- \,.cr.l,,lc u,ue io,rr.' \1"'. n"r'' 'e rr' lre\'r ' rcn'''^ 'nlur
qucr dizcr se ó unr cspaÇo lechado. sc é Lrm lrxlo techado já passârnos
ic â no meio os planciinhas ,r) rurso clesla discüssío nos últinros de7 n1irüios nós
nilica que o nnrcl€lo anLiilo qtlc punha a
r)rLâ | eslira tloutrinâl E todâ c
qüalquer clolrtrin or idéia que você
enl lorno, tlcpois o céu das cstrelas fi\as
O que é o céLL das cstrelas
e tlcliciente da
pocl€mos ieLrha ntio é senao uma cxprcssao parcial simbólica
ii\âs? ú tuclo o que nós esianros vendo, ó ttrclo o qüc nós conlebcr estâs idéias'
( \prriênciâ rcâl Nro se tralâ dê você conseguir
!cr. Depois do céu das cstrelas li\as dai tem o lnmo dc Deus tem
rrras dc você conseguir eristenciairrrcnte rcâlnrente- sc colocar Llcnlro
angélicas quc sao âspectos dc Detls limiiados depois
1em
as esfcrâs vocô o ilimjtado enr
para âléIn dL) rlo quadro real, ondc exisrern: o lnnitado perio dc
o tmno tlc lleus. llstc é o rno.iclo reâl' vocô siitrc quc
ll)lla c o infinito clepois lsso qucr cli7cr q!c qualtlucr pastor
dc cabra§
ilimilado e\iste o infinito
rh kladc Nlédia quc corrscguia rezar c cstâr dianie dc Deus cslá mais
l\$ é â cslrütura da reilichdcl l:nião, resume a descriç'Lo do uni D csses cnião'
reâlklade do quc René Dcscrrics ou Isaírc Ne\t'ton
\ r\.i..'\r\rl r'',, 'r"d.l',\r r|h.F-'' r'^'rr'iro'' Iri\'r- \r"
u
caprichârun pouco nlais r1â mediçào irealidadc porque qual
inlinito De rcpentc o quc locô i:Lz? Voc' \(') Lrn1
'la
vcl está colocâclo dcnlrc do urr r'''-
iniinilo e .t .cr . ,... tr..lc- ' fcir"l) Ô

crpande â descri!ào.lo rrrrivcrso lisico e slnÍ'c'nn o


tãL)
.siá lirra da rcalirlâde. ó unrâ invençio nrerrrc Íi dai' o que você là21'
sobra s(') o ilinritach quaniitâtivo: vocô c burreccu evidcnlcrrentc' ou 'la
Vocô vairrocando um Drodclo por outio modclo. por oulro modclo. por Só quc a sc,rtc podcritL peiguntar: rlas c cstc signo, pol Strâ vcz.
\ {( a o pcrccb! târrbónr {)Lr rocó perccbc o siSno
(lo signo c assnn por
olúro mo.leio: o sujejto diz: "Não, Ncwton náo lncdiu cxataDrenle, não
erí assirr. era assàdol NÍâs locô cstá irocâr1do orn produlo rlrertal por (lir tc indelinidamenle? Quc dizer, css.L epistcnlologia de Dcscailcs ó

outro produto rncrtal. lsso qrcr clizer qlre .l pra)pria rclação cntrc idciê L Irn bcsleira. rnas unra bcsleira dcscomunal quc lrunca ninglré'r tlcvia
e rc.rliclade nruclou. anLes a têalidadc tinhâ prioridadc. iLgor o que icrrr i. prcsiâdo dois rninulos dc atcnçao nisio aí hrqLre se cu sou callaz

prioiiclacle é a idéia. ,1, p.rccber Lrm signo forque é Lrma prescnça física. o signo la rbónl
r, nr unra cor )oralidâdc, cnl o, sc cu nlro pcrccbo re.ihncnie os corpos'

(^luüo) Qando h iskttcles desc)uia Lti tia LosnabSin tlil)(tÍ;.ts ,rrs apcnâs os scns signos, cu pcrcebo urn outro corpo, e essc corpo
esÍeru\ rcl.stes, et.. t tdl: elc cha\oul u citar as rltuetsas teu'it1s ri Irrrharr náo poclc sei pcrccbiclo, elc precisâ dc uln outrc signo e ssim
gc tes no épaca l)otso eslat olSanutLa. ele llatatltt co t ut paur:o de (lc oulro signo e assinr por dianic Erltato, esiâ idéia do Lrniverso iisicê

d.rsí/r?/ .ssa)^.liscrs (i(l§. tlaa em assi i| Na ta itttto de d(lsctt!rcr as rrnre infinilo não ó nada ais clo qLre unr ÍascÍrio hipnÚtico diantc do
.t. .a' -d al:,tttn, t t .r ,) .','-t irfrànho do univcrso qnântitativo
Sirr. clcs scDiprc sâbianr qrre essas cr)isas potlcfi scr assim ou pL)
dcnr nrlo sei assinr. serrpre Írberanr. Por quôl' Porque (tu"Lndo voci \lt.ut't l'.cip,\,d.,d d, n"Jtl.to t ptP.i'.1o-
esrá confro]rtarlo corn unra rcâlil:lade iniinil.r !ocó nao tcr|r cscala cclta. Ud.,tJ,,J J, l, e. n. dir rrr, " U'ir ri.' u rr .rc'r ' Jr r l ''"
cnião, \rccô sabc que todo o rlLrndo lísico é o nrundo da rclrtn,idtL sao, cssa prccisáo nunca se alcanqolr Elâ ó absoluranlcnte in!iáv€l
dc. lssLr sabiâ. Aristótelcs iá cra rclaiivisla muilo antes de llntão, o qLrc houvc âÍ foi reâlnrcnle ünrâ queda rrr]na vlsito .lilninuí
^ristótclcs
Einstcin. ArjsLótcles ohcga a dizcr quc o rnét(xb m.Lerrático rato a rl. .la rcalidade c rcalDerttc u$ lêscnlio lipnótico pelo i finito quân-
bom para rls eiências Iisicas, pt,que nadâ no rrLrndo lisico a cx.Lto..\ litati\,o Agora. De\cartcs acreditava que iodo u rirLlndo dos corpos É
Dratcrráticn é uni.r coisil e a reâlidâ.lc física ó outra. quan.lo chega na todo ilusório. vo.ô só pcgâ signos Quâl ó a reâ1idâcle'l A rcalidade ó
llenascença os cârâs sc nrÍnarn iaro icliotas que cles acieditânr.LUc ó unr inodclito âritmótico. rratcnálico. que eü construo "Qrcr di'zcr, o
possivcla mcdiçào crair de ludo. e que esla medição ó qnc ó a ver.la Sol que !ocô cstá vendo é Lrma ilusrlo, locê cstá pegando unr siilno cle

dcira rcalidade: e esle processo se âconrpâlrha nâ csltra !plsterlológica Sol. âgora, cu. rn.diantc cálculos, 1aço um n1odelo do trajeto do Sol e
ou giroseológica. eic v€n) iunto com a glloscologia dc l)escídes qúc diz (ligo: estâ é à reâlidâdel Só que êstc rnodelo podc à sêr dcsenhado
quc âs nossas pc[ccpçóes ni{] apreenderr oblcios aprccndcm apeünS .lc bllha)cs .le forma5 difcrcntes e ilinritâdas formas diltrcnte§ conior
sinâi! dc otrjclos. isso qucr.lizcr quc a pcÍccpqáo. para l)escartes. ú mc 0 Ponto de vista
Iirtáo. como é que você vaidiTerquc tudo aqriLo que vocôvê é ilusao,
um piocesso scmiolíigico, náo ó unr lcnômeno lisico. ou seja, eu csrotL
Ur\,'rr.5. n'.rrrÔ," r' riJaJc'l nl.r
vendo vocôs, cu nào csiou vcndo vocês. eu eslou londo âpcnas Lrnr '.^aq i'.,..\,t< R.rr. "rr'
signo dc vocós. Á ichcao rlcsic signo corn ti suâ rcâlidâclc é tolirlrnenre dc Lurra cstupidez lora do comum l'l sáo cstâs idéias que tênr dctcrmina-
inaf re!rsi!.1 pâra rrinr. ili) o curso cla !ida nos últilnos sécnlos. Pior vocô !ô qlre dc rudo isl{r só
sobra uma coisa que é a el;cácia dc uln mo(leliro nrecânico conliderado , L,r'r)s nr)delos inloflnáticos ioram invenlados pclo córcbro c nAo
enl si nresrrro. Vocô invcnta Lrmit naquininha. diz que a nriiquininha é
','
t,,Irrririo. Entiio. Longe de troder c\plicar o cércbro pelos rrodclos
a leidâdeim rcalidâde. ela náo é vcrdadc a rtalidade nenhumâ. n1as L) 1,, rLtilicos. você deleriâ c\plicar o nlodelo inlbrrninico pclo córc
lãro é quc cla cnl si iunciona. Rcsultado: você esiá explicanckr o universo ',, \j,,ci ieri u ra invcrsáo dâ rcalida.le Agora, roda cstâ irverstto
reat pelit nrâ.tuininha, osquecendo se que a rnaquiniúa é sonrcnrc mai§ , Llir (,ndc? Dá sc dcnlro .la própriâ rcalidade na quíl vocô continua
unrâ coisâ quc aconlece denlm .lo mcsrlo univtrso .eâl dcntro do qual , \irLirio. cntao. corriirua cxistirldo o iillinito. continua cxistindo a

vocô já csrâva. l'htio. qual é a tcndancia? a-lvocê !ivcr ntrm universo de li,L r( r(ir .livira, só quc \ú(ê nào síbe Ll€ ada. E a "cliâlidao", o
mrqrininhas .luc você inventolr c achar qnc aquilo é tudo \bcô lai pro r,, rL'irirl.rnrcnio intcrno das rracluininhas dâ Lrnr grân.ie rc.onlorto
.luzir onr lftxÍào de nraquininhas c cLÉ saro pitra locê a rcalidade. você |,,,ituc dá.1 sensaçao dc sâbcr âlguma coisrL ]sLo ó absolrLtârtcnle
csqucccu quc lodas as rnaqLrininhâs cslio dernro dâ rcalidade e que elas ,,Llr(rlo lhrão. ó por isso rluc você |io.luz cadâ vcz Dlais nl quiti
só tirnciorarrl porqnc clas cstào LleniIÍ) L, ,, ! r cadâ vcz nrais nraquininhas nrclhorcs c \.ocê iicl ca.la lcr nrais
,,,r. I \,i. ,r.,cur '. 'r],ri,rr.i, .t ,,\i.,.',,
lAlt! a) Podettu5edizetqu( L\sr ind i|líd Llo LlLcttti arluilaq1rceLc tirirforrrlrenLo tócnico crr qu.Llqucr s€lor. dâ indarsiliâ ou d vi.la
ufit kt. tnas eslá etÍada LtL) que neeal l,r r rrirâ. chcga unrn c.Lrg.r de nráquinas mclhorcs c ifstrnlari.arrclltc
Náo, porquc eb ntú eslá âlirmando âbsolulrrnerlic nadâ, a alirln . t urli(lirdc dos prolissionais quc li(lanr cor. ela dirriILi. Islo ú inc! j
r, ! rl. a gcIi. tcnr cadâ vez marqLrirrs rr€lhorcs pâra scr rr.r!lpLrladas
Por c\enrplo, sc \,ocó ilrveft urr rel(igio para você ilniLai os ciclos li! \,c/ nr.Lls burias, c o nÚmcro clc erro§ cres.e lornri-
lrcssoas cadâ
flan€iários. \,?rca podoià i.ritá lo sob csta lirrma e sob rrrllhócs dc otr (,L\clnr(ntc, cu, porc\ernplo,vi issonoiomalisrlo Quandocucoolc
tras lbnnas ditercntes. voci ntio vai poder c\plicâr os ciclo§ pltrneiários ,, I r lral)âlhâr aindâ sc lazja a coinlosiçâo cln chunrbo nos linoiipos
pclo scu relógio. Claro quc cle e\is1€, clc iLrnclonâ. ele loi lelto cxata- I ilrio, o quc o sujcilo lazia? !,lc tratiâ Iá r1âs tcclas. conll)rmc batia a
rienl€ para isto Mas elc n:1o podc scr â \,crdacleira reâlidadc por triis le(Lr. cuia Lrn] .rolderirho conr a Ictrâ. quando co!rpleLa!â ulnâ linha.
dos ciclos plirnciá os porqLrc \,()ca conreçou por irnitá-los. En1áo. islo ó lriririrva o chunrbo dcrretido e loflllitva ürna linhâ i ltarclo aquelis
âpenas u!llâ imiraÇáo iócnicâ de unr processo quc iá exi§tia antes, quc l.1L:rs ao contftirio, dcpois oulra linhâ. outra linhir, outr.L Iill lrx, ouira

é !rn:i d:Ls ilinitadas imllâçaes possívcis. linhâ, oulra linhir. ouirâ linha. ourro linhâ, olrira lirlra Dâi vocô ti
vocô inlcniâ as maquinirhrs c depois copiando a rcali.ladê rrvr uma prola dâquilo, corrigiâ, devolvia trara o linotipista que parà
^gora,
você ir!€rtâ as maquininh s que são nrodcbs bem clirninuidos. crn eadâ lctra crâda cle linlra quc lazcr a Iinhâ xrtcift dc Lo!o \t)ci diz:
segllida vocô cxplica a ieàildadc pcLas rraquininhas errr vez vocô làzcr nras a cnornrmenle conirâproduccntel hl Sri quê d,rpois dc ccm ânos
o conirário. 14as acurLecc qtLc as nrâquininhas já eÍâvâln crplicacias Llc prítica.i p€ssoâ csrava atiaLlíssjnr.r rrcssc ncgócjo. Dai \,ori diz: v.
pela relllidadc ântcs (le elas serem invcntadas. Por crernplo. corno inos agora ar conrposiç,nr loiográfical Foi nos.Lfir5 60 rllàis ou mcnos.
hoic crn dia \,ocê len, nrodelos infornltiticos clo cérebro. Faz-n1c rjr, ,\h. a Lnn nralr)do âpritnoradÍssimo, nrailvilhoso. dá rarâ fazcr nruilo

llJ
(lue os lltodclinhoc
lnais lornâ11 O núrrre11) de errc nrrrliiplicou l'orLlidavclnl'rri' \l)cô '\liora. a paLiir do monreilio cn] quc locÔ co|fiu
naro lirha profissiorais qualifiut(lt,s para a'uito l\Íâl voct tcr
rirrou . .r.1 ,,.b.rrr. ,., Jro, .1".1...'t, ,1rri '.
,' rrr).lctinho. voci icnr qLrc enlrâr no rreu riro.lelinho). vr)cê não podi:
rle fomrrr os projissi(nrais: âh. rrao. gora é po' cornprrtadorl Entío'
,r:r s,:star ra rcalidadc ilirritLda. \,ocê srl !.1i cnicndci o rncrr modcli
se você olhar hoje qL,rl.tucr j(n nal 1c.r rrruilo Iiais c l)s de revistio do
uirr lerrôrreno un;versal quanio ,, rt) sc !ocÔ cntrai n€lc c o rcpelii ser,rilnrcnlc llntão, os nlodelos nâo
quc linha nos anos 50 ou 40 lsloó
!oc' le! para lorllrar ,lsr r a ilrLnrnrai pàrciaLnenle c silnbolicnrn€rlrc uma rer!idadc quc
nrris mclhoraDl os cquiprlrrcrltos. rncnos tcmpr)
parâ li L{ !irsso.ls jii co,rlrcccm lri conhcccü. fras rrão clolrrinar , conhecerrr
as pcssols âpt.LS â lidâr conr aqLrilo. c nrâl clâs sc iornanr aptas
,r,rr Dio âbarcânr poi(LUc tlns estaÚ dcrrLro da realidadc: visa "t dar inr'
dar cor aquilo, vcnr oLLlio cqtriPinrcnlo Isto tÍr qrLalquer sclor da

) r,s!rLo l:lc que a rcali.lâdc cslí .lentro .lcle, (l€ .Luc cle .r clorrrilrou. de
irdústria voca observâ que isso âcortecc. QLrer dizcr. urtra mriquina
,tL c (lc cngoliu r) mundo. li islo é dc rLnra l)urricc ilinriladâ Tânto m.tis
fola às lezcs ó xrrr flagclol Porquc vai levar linic anos Para vocô tei , iLIitr(la. por qrLa'1 Porquc o narffcro dc nraqrLirlinlra§ e nx)dclinlros e
os prolissionals classilicacbs c quan.lo clt§ esrivcrelr quirlilicaclos iLi
i(1f ir\ .LUc |oc! B)de invcnt r é tarnbarrr iljr.iiâtlo E cltLrc (luc o nú
hâverá oLrtra nrtlqulirâ para a quttl elcs naLo cstão qrralificados
r.ro dc rnrdeljrlros c maqulrinhâs, tal. §c irlrpLrgnanr nrutuamcntc e
[ntào. estc lenanncno quc elr €stou descr$'endo ó só nnü erprcs
lsl) !ai drr LInâ irlsccumnçâ brutal c daí vâi cLnneçai.i briBâ pali1 ver
\:'.i li(.lir.n1 ! J. o. r' l.R .lu Lrr I rú"1^'Ô .'ruir" rr ' ' lrr" ' " 'ui'il quâla o nrodelinho qLrc é nrclhor o
,
tLru l a.1nrâquiulfhn {tuc ó mclhor.
licar hipnotizado co r a mâquinirhr quc ele mcsnú invcnlou c achar ,t . ó üma brisa pedcitalnenle inúiil. sc t'ocô e§tá nbcrto para
quc âquela rrraquininha é o vcrdadeiro lno'lclo da rcalidadc c a vcrda- ^gora. tcoria ou quaLqucr mo
, Qliclâde ilinl;tada, \,ocê sabc quc quêhucr
para
.lcira crplicaçào da rcalilta,:lc. lsso signilicâ qtre as cxplicaqÓcs dai , (Llfho que locô curcebâ é scnrpr.'Lrrrrâ c\prc§s,(, sirnbarliür de u a
dianle visaü a subsliitrir â reâlidade Quantu você esiá aberio para a , \fcriancia ilinrltildâ c .luc clr ni cnicntlo o quc o snjcilo está tâlandl)
Leali.ladc Lrnivcrsal, você srbc quc o quc quer que vocô diga ou propo r)rlUc cu sei quc clc tenr uma cnpcriênci.i ilimitâda igual à ntnrha,
rira, ou qlrâlqucr .lortriJlâ quc voca crie, qualquer idôia qralquer 1llo r)r'rluc nós estamos dentrc da nrcsma realidadci corlto dizia Herádito,
rleLo que você Lrie. náo ó scnro unr sÍnbolo tjm sinbolo qlre aparece 'Os horncns acordâdos cstào toclos dcntro do mesnro nm lo. qúando
,:lcntro.lo próprio cxrso cla elpcriênciâ real, qucr dizcr' a realidadc' ã ., l"r'r.r ír rr:r.r r.' .i.. frôl'rin r.r. r, ' r) rr' 'u
pu
fri'priJ
c\periôncia, sc csclatccc a si mcsnrâ E você sâbe (luc âquele sirnbob ó nrulrdo'? ll esse rnodcllIlho.
sí) entcnde aqucle snnbo
provisóru, precário, e quc u|ra olrim pcssoa Quer dizcr a pr(nilcração de filosolias e de la)gicâs, ctc. cic., ó a
1o porquc ela 1âlnbém está abedâ Parâ a tolali'la'l" ilimitâda Nós dois ncsma coisa que â proliícraçao dc máquiras Cada uma delas funcio-
tcmos cxperiências ilinritadas c crpressào limiiâdâ en1ào' vocô Pega a râ ó claro que iodas funcionâlr, clas sâo feitâs p a iuncionârl thri
nrinha c\prcssâo lnnita.la, corlionta coü a sua erpcriênciâ iljmhada hcm se nlio funcionasselrr ai scria dcnrais tambénl, náo é? Ela funcionâ,
n ru,c."hr t1 q'r" .la rJu 'rôÍ1rr( J^ rr \Ô \ 'rr
r . ',' \ rnr! ' por quô? Porque ela cstá deniro da rcaliclâde, por(luc cla reíete âlgo da
porlanio, tLhcrras parâ o conjunto (h rcalidârl' rcâlidade, é só por causa disso.

+l
+0
(Alll-,a) pat isso que a nauisno nao Íuncionã?
É crn que eles fazem o computâdor e dizem: "o cérebro humano é un1
O ÍnâÍxismo funcional CIarol Há um aspecto da realidâde que cor co rputador", eu falo: não, o computador é unl aspecto do cérebrc hu_
respondc ao quc cle está lalando. EntAo. âquilo colocado dentÍo de nânol QüeÍ dlzer.làltâ o retorno da abstraçáo, qucrdizer, você abstrai,
ulnê relerênciâ infinitê llcâ perleitamerie âdequâdo. Agora, quando cu digo: olha, depois você tem que voltar e lcmbrdr que o quc você de
ele se torna o universo, clc substitui o universo e diz: "Nào. tlrdo só scnhou nào é a pessoa. é só um d€scnho da Pessoâ. Agora, você podc
funcionâ assim c só âssim". aÍ ele se torna uDra irrealidade rntrar num proccsso auto-hipnótico, você fica táo embevecido con1

Náu existe à "lul:l de clêsses'? Clâro qüe existel N.-ão exist€ o ca- aquilo que você mesnro invcntou que você prelêre âqullo à realidade
pitalis )? Não cxislc o socialismo? Náo cxisien as classes sociais?
Existcnl Tüdo isso existel Àgora, exislir é uma coisa. teÍ irnpodância (Alútlo) - O nu
doüi)íud|...
é outra. Àssim como as maquininhês1 O sujeito que inventou o abridor É. esse ó o mundo virtuâl. en1áo, você coneçâ a viver nunl
de garrala, por exemplo, inventou algo que cxistc c funciona, agorâ.
cle dizer quc o universo é um êbridor de gârralà é outra coisa comple-
rrnr(nrl uilsr(rre. ( làu L\l-piJo q-a rro d /e, que o un \\ r\n . um (Al na) É qüe isso aí ,ocê co ttala...
Íelógio ou que é Lrm computadorl O univcrco ó o univcrso, meufilhol E Você acha que cotltrola, porque ncnl aquilo você controlâ. Nem
dcntro dele existe tuclo isso, e mais essas naquiúinhas Nenhumadelâs âquele pequeno você controla. Porque as rnáquinâs quebran. as teo'
é o universot cada uma dessas coisas éunl microcosmo. portanto, ó um rias falhâm. c sobretudo cxistem outras teorias e eristenr outras lná
sínbolo apenas; isso quer dizer que um poema. um soncto, é tâo real quinas. você mal acabou dc inventar üma máquin.r. tem um sujeito que
quanio um computador, clc é um modclo também. inventolr uma nrelhor Ou pior, invcntou uma pior c fez §ucesso com
clâ. Não âcontece isso?
(Aluno) Enúa, os ponlos Íalhos que o setrhor estaaa comenta Essc mundo da criaçâo hunüna é somcnte mais um aspecto dentro

da no começo adüên senpre desse pracesso abstratito? dâ rcalidâde infinitâ. Você só está dentro dele no sentido em que você
Dessc processo de Iechamento âbstrativo Porqlre abÍração nós te- cstá dentÍo dcstâ salar você só está dentro desta salaporque existe €ssa
mos que Iazer porque nós nâo temos outro pensamcnto. Pcnsamento rua;e só existe essa ruâ porque existe âcidâde;e só existe a cidade poÍ'
,^nc,erô.o Dcu. rcn Dcu. pcn.a.un cu,d.. nJ. pLnrJr,u. (um que existe o pais: só cxiste o país porque exisie o mundo, e âssim por
idéias. Idéias sáo o quê? Aspectos abslraídos da realidâde. Só quc sc diante. Âgorâ, você pode tazer dc conta que somcnte esLa sâla existe.
elr que eu estou abstraindo da rcalidade, eu sci quc cles náo sáo a E se você começa a contar o número de elcmentos que tem nessa sala.
reâlidade. Por cxemplo, se cu vou fazer unr desenho de você, eu neçc) você náo acâba mais;primeiro a gentc contaos móvêis, depois os tacos
daqui, meço de lá. etc., etc., liz um desenho. O que eu tiz? Abstraçáol do chão. os iiiolos, e depois comcçamos a contar as pdrtíclrlas € dize-
Sepârei aspectos e rnonteil Agora, eu nâo posso dizcr: cssc desenho fi- mosr ah, é um universo infinitol Entáo, quândo Alexander Quârel lala
cou mâis real do quc vocêl Pois ó o que os caras estáo làzendol A hora "do mundo lechado ao universo infinito". isto é exatamente o inverso

+3
darealidadei vocô pcrde;r noção.lo infirito e â substiiüi pelo ilimitado clcs. Entào, eles ilventam esses flrodclitos iustamcnte para eles se en
qr.rantitativo que é serrpre uma sccçào. um pedaço, uma seleçllo. liarenr lá deniÍo e scntir qLrc estào seguros na sua própria toca. Mâs
Então. o processo que você vê no século )ax de prolileraçâo de quarüo ffais Iazcm isso nlâis lican com nredo. E têrt que lnvcntar
lógicas e de filosofias incornunicáveis ó o processlr conm acontcce em oLrtm maquininha, e ourra. e Lrulra. e oüira. e outra, c outra.
quâlqucr outro setor industrial, o rúnero de produtos é ilimilado e
nào signilica absolutâmcnte nada. I do ponto de vista cognitivo nào (ALuna) ()ue lilósota do sécltlo XX. au seí Lri, que o senhor ditia
teü iniportância algurna Por q!ê? Porqrc só un1n coisa intcrcssâ: L) que lLtgiu, que eeapolt desse caos Íilosólico lodo que se potleria citaj
conhecirncnto da realiclade E nós temos pouco ttnpo para oblêlo. caíto ekmpLa. Eenle que petcebeu isso e que eüitau isso alél
nós todos morrenros. Agora, se você quiser oclrpar o tenlpo tàzcnclo
I ]êm muitos qlre pêrceberam isso. O Iturl Jaspers percebeLr: Husserl
modelitos, você lai nnrrrer do mesmo icito, e não é clenlro do scu n1o
alé cerlo ponto, porquc dcpois ele talnbém invenia um modelo de idc-
deljio qLre vocô vai nlorrer, é dentro dâ reâlidacie rrresnu âlisrno filosófico que é para cncerrar 1o.las as discussóes.
I
I
(Alüúo) PníessoL o setlhot acha que de cetla totma esse caos Íi (ALu a) O Mátia leneia tem toisa parccid.t lcifibél11.
losólíca, isso podeset uü1a ai.prcssão deu l otilfiisno babo meu, mas Tâmbérnl Inv.nta um macro-sisiema que vâi encerÍar todas as dis-
as pessaas podefi percebet que ísso eslii acontece d.o e podefi rclfut
cussõcs, cu 1àlo: tudo isso es1á nruito bonito, só quc isso é outra má
àqLrcLa filosoÍia antiga. .
quina. Ou seja. é âqueie negócio do Vocgelin, a crítica do Voegelin, esse
A qualquer momento
pessoal se oclrpa de idéias e nào da rcalidâde. Não interessâ você lãzer
um modclo quc abârque â realidade. inieÍessa apenas desdc a posiÇão
(Al 11a) ... ou t1ão. essa tendê|1cia aa caos é aüfiel1tãt' ai|làtt
cm que você está iluminar aquele setor da realidadc quc csiá ao seu âl
tnaís. o que o senhar acha?
cance e deixdl aberla a peÍspectivâ infinita cnl volta. é só isso que você
Não, qualqlrer um pode sâir disso a qualquer momento. Mas paril
precisa fazer, locê náo prccisa Iocar a realidade por outra coisâ.
quc o sujeito vai fazeÍ isso?

co tas! (ALuna) Olaüa, a fiofie lo em que aacê conleçou a dat a altla


(ALuno) Potque ele esLá ilttetessaào na teaLidade alinaLde
aocê coLocou o seguinle, pot ewl pLa: a unidade da conhecifielllo
Mâs quem disse quc clc está inleressado na realidade? Estâr intc-
ressado na reaLidade, meu iilho, é estar no meio de uma lloÍestâ, ou de
üocê só paàe tet numa pessou, nunl i dia[duo...
Clârol
uÍn deserto, sabcndo que o perigo pode vir de qüalquer lado, é estar
dentro do ilinitado, é náo ter segurança nenhu ma, é estar inteiramente
âberio à lotalidâdei e isto aí para estas pessoas é êtelrorizante. Quer (Alurut) ...isso hoje au semprc?

dizeÍ, estâ expcriência do temor de Dcus é aterrorizante dcmais para Não, s€mprel

+1
v
(Aluno) - wcê tem.. par eiNempLa, existe ?er
Mas e cana é qLLe Qüando você condensâ isso âí numa douirina, você iá comcçou a
dades que s.to unizlersois que índependent. por exetnpLa, do que eu rrraÍ. Quando Deüs q er enunci umâ doutrina. Elc â enuncia cono
acho au da que üacê acha.-. rstá na Itíblia. de uma maneira lão obscurâ quc pernite nilhóes de
Então. o que você quer dizer?... inlerpretâçÕcs contbmre â siiuaçáo real. Qucr dizer, aquilo só adquirc
scntido em lace da situâçáo rcâl. Por exenrplo, "náo matar": náLr malar
(Alúna) ...cotfioéq e uocê chega.-. nrLnca. nem qr.rando o sujciro esiá lá, sei lá, estmngulando a menininha
EspeÍal Eu não acredito em proposiçôes que sejan válidas cm si dc dois anos, e vocô icm qlre natá-lo para impedir? Aí você não podc
mcsmâs. Proposiçócs jamais são verdadeirâs ou tàlsas. Só sáo veÍ- rnatar? Entào, esle "não mâtar" só âdquire seniido em funçáo da sittr
dadeiras às percepções. proposiçõcs sáo símbolos dc pcrcepaõcs, âçào rcal Só existe uma vcrdadc, esta verdâde ó a rcalidadc mesnra. na
co.1o
^s
símbolos elas náo poden ser nem verdadeiras, nem lãlsâs. Ou srLâtorâlidade As proposiçôes nao pod€m scr vcrdâdeiras, ne lalsas
seja, ou você percebe â r€alidade e, podânlo. você percebe essa.ealida .m si mesmas Deus sâbe isso. tanto quc Ele só laz proposiçócs que
de como Lxna estrutura no ccnrro da qual vocô está naqu€le momento. sáo intcrprctáveis assirn; âgora, as pcssoas úão lâzcm. O próprio Deus
sâberdo qlre outras pessoas sâo outros tantos infinitos ccntros potcn- -^ rbl l(i. u,,'\er\:ri, r .\.. \ FriJu De.' a/ flopu.iiúi. un 'er.á '
ciais daquilo; e você, desde orde vlrcê está, entende o conjunto do que adaptáveis, pluri'scnsas. elas .idquirenl um scntido diferente em cada
â rodcia cm círculos cadâ vez mais abrângenies até o inliniio e você siiuaÇão. Elc nào fàz unra qüe scia a mesma coisa para todas as siiua
.bcutLrce,r, polrIo: nu\ô.. r"ô5ihe I i.,oque ÇÕcs Delrs náo é idiola pâra fazer isso. A verdâde final, Delrs enuncia
e t("LIJJc Propu.irur, \(ídàdrird\. digu Í'rz-nru -ir: rr na p-upu.içjo mediante a realidadc, csia é a verdade. Agora, c os texlos sagrados?
iamais pode scr verdadeira. Os texios sâgrados sáo apenâs um comcntáúo que Deus fez a rcspeito
dele mcsmo. O comeniário náo substilui a realidâdc. A realidade é a
(Alutla) Quer dízet que por eleemplo... primeira das rev€lâqoes, ó o nêior dos textos sacros. Esse é irrevo_
Por exemplo, unla doutrina Lrniversalmente válida: nâo existe ne gávell E o Íesto? O rcsto é condicionado â isio. Você vai ler a Biblial
nhuma doutrinâ uriversalmente válidâ. â única coisa que é universal V)cê vai intcrpretar a Búliâ conforne o qué? Coniol]ne a rcalidadel
mentc válida ó a rcalidadc. E a rcalidâdc é a doutrina de Deus, ele lez â Portanto. esse problernâ todo da noral que as pessoâs colocam hoje,
redlidade, e ela é verdadeira; o que nós dizemos sâo âpcnas símbolos. âs pessoas religiosas fican chocâdas co o rclativismo. Eu digo que o
relatlvismo ó incrente à vi!lÂ, ]neu Dcrs do céul O que importa é você
lAluna) Agon, por etenplo, o Íato de locê let o se sa contum relâtivizar de maneira coffeta.
et que as pessaas, por erempla, intenqmente sabem que utna coisa
é cetla ou ehada adüéÍn da percepçào da realidade qüe cada ürn lehl (^luno) - ht tetlha u 1a peryunta interess.tlTtc: As leis da natuÍe
za Íazem patíe ala natürcza?

16
Não, as lcis d.L n.Lturcza sao cxprcssócs que nós denús a cedâs Clarol Qucr di,er: o Íelativismo tao é errado. Apcnâs você ienr quc
rcgularidâdes parciait que nós obsclvanlos e lemos a carâ_dc_patr d€ rclativizar âs coisas coniome a rclâçâo cfctiv.r qlre elâs obscl./anl na
chamar cle leis da naturczâ rcalidadc, e ráo conlbrlne suposiqõcs que vouê fer.

(Alutlo) Pois é! As leis da nofineztl tl.ro íazen1 patle da ofioea! (Aluna) hnbétn, nao ariianta n Sente ficat ctiticotuLo o q e
Não iazern pari€ da naturcza Ela pode lunciorâr dc outro jeilo se tem ti lgrcja esse t otulismo sinplificadot que ten hoie. qüe eles
ela qlriserl Agora, cxiste estrutura dô reâlidadc, a nâlurcza é só urr pcgam algumas coisas e cobron Llas pessaas que he(liiefitan a lgt-ei.t
aspccto intcrno da realidâde, portanto, ela laNbénr é u'n snnbolo dâ Po|que uM a lErcÍa pode lalat "Nao,
pessoa que pocle frcqüentat

realidade Sc r.1o eristissc nâtürczâ nenhuma. se eristissc somcnte o r\::o uí é apetns Lina etprcssào, eu esloü aqui na lf,rcia é pot o ttos
vê7io espaciâl. â csiruiurâ d.L realidade esiâriâ lá. porque a estruin- fiali)os". Parítüe se a gelúe liur bol|ndo luiÍos d.eÍeilos taÍtbé|tl
ra dâ realidadc. csta é a lei de Deüs, isso ó a vontâde de lleus. essa essa noralidade iliàa, a gülLe nAa Trai enotlttat nwlca nenhuma

ó ctcrnai üas náo sáo leis da naturcza. Deus não âssinou ncnhtul
cortr.Llo c(tr)r â nâtLrrcza quc Ele lem qrie obedcccr a natureza. Flle Não, o làto ó iss.r: você vai lrânslbrnlêr a moralidâdc rígidii err mais

pode udâr â natlrrcz.L, o que l'lle não podc rnudaré Ele n1esrro Quer rnr nôdcllfho fechâdo.
dizcr crisle Lrna cstrütura nrcial'ísica dâ reâlidade, esta é imuiávcl. E
clrriosanrenle a essâ cstrutura metaiisica nós lenros accsso imedialo (ALLota) Exalafie Íel
pela nossa própria cxpcriôncia. porqüe â expcriência cstá.tenlro da Vocô o inierpretâ à sua maneira e vocô diz "Só isio âqri ó vá]i
realidadci conr estc detâlhe de qLre â1óln dc cxperienciar â reatidadc dol" Quândo a própria naiLreTa dos Dcz À'Iândarnerrtos implica uüra
conú lnzenr os anirnâis, nós podcnros pensá la e ernnciá-la. Só que pllrralidade de signiticados, mas náo é LrÍrâ plurâlidade lotalnentc cnr
ou a pensalnos e â cnunciâmos conllrnne o que cla diz. ou conlbmre al]erio. c]â cstá condicionada à sitlração rcal cfetiva.
uq-.,'^d,,.,,,^ S(r.,,,r,,rn-ela.li,... .iqu, úqLrq F q.c
cu diga é apenàs sjmbólico e scrvc parâ unla oÍienlaçáo parcial das (ALLrta) Ent.ro, üocê potle sifipLesnlcnte 1úô lel)lú a séio esvt
pessoas presenles. Por quô? Porque el.ts tanbém tÔm a experiência cti!ência, essa coisa ilida tttte lem. pot ewmpLa. nos e'L)an!éIicos
ilinirada d€niro dclas c dentro dessa erperiência ilimitadâ elas iden' hoje en1 ilia isso é quase gefierulizado. eu naa sei. aLgumas defioili
tificâm o que elr estoú lalando. aqc)es padem ircluit issq nas se a pessoa Íosse escoLhet set e angé'

Lico ou trão o p.l1lit disso...


(^l na) Engtaçado Ítuc esÍe é qüe é o rclatiaismo qüc... oll1a, toda essâ rigidez e lal impcdc que a pessoa reaja à realidade
Fst. ó ovdd,dcii) relâiivisnrol de acordo com â situaçáo efetiva.

\ \lt,.tn) 1 Ptr ta rtona tn \ü\tatPtc ja. . (Alüúo) \'irti utrut canisa'de'íorça. .

,18
Virâ cân sa-de-força, entáo. vocô sc apcga. qucr dizcr: "Eu cstolr Você vcja, por exemplo, a possibilidade de locê criâr urn mode
con1 a raz,ro, Deus me €nsinolr assiln, eu vou cumprirl" FlLr digo: eslá linho, teoria ou uma mâquininha qlre reprcscntc â seus olhos â
Lrma

cerio- só que â siiuirção real ern lorno é ouira, e a suâ rcação eslá des' esiruLuÍa do cosrnos é uma posslbilidâdc humânê, ela erisie. po(antoi
locada. ela nao esiá ermda em si, mâs ela está dcslocadâ conr rclaÇáo à você náo vai poder âbolir Os carâs scmpre váo inventar ou relógios.
reâlidâde. e sevocê insisii muiio nesse canlinho, arealidade vai pâssar ou náquinas de soflârt ou computadotes, ou quâlquer outra coisa, ou
leoúas, mâl)iismoi eles sempre váo invcntar essas coisas Então. como
snnbolos dc iotêlidade. elas scrvcm; c clas sao leitas para csclarece!
(Alutla) para vocó vivenclâr âquilo naquele nromenio sob aquclc êspeclo para
lsso acaba se Íor at1íJo una hípacrisitL. nlesma it1?o
você sabcr quc ó só unl aspecio. Assim como, você conversando com
urra pcssoa, você sabe qLre elâ nào é a única pessoaqrc cxistei eniáo,
Nâo é LrDrahipocrisia. é ulrra ia!la Inenlal €m que o suj€iio se pren-
deL1, cnr.o. clc fica dcslocado da rcalidadc.
sc você. sc a suâ cntc ó totâlnenle cercâda pclâ mcnte da ouirâ. c
você licâ âchândo que Âquela pessoa ó Deus, é o irliniio, cu acho que
Você precisa sâber Lr scguinle a reâlidêde nao erra jân1àls. ela nao
!ocê sc cnsanoul Porq!e tüdo o quc o sujeilo esiá iâlando só vale clcr
erra nunca e o conjunio da r-ealidade acessível lerr ullr liâjelo elâ reln
tro da âbcrlura dâ rcâli(ladc, porlanlo,.l lunçáo do iilósoro quê já toi
!rn rovinrenb hiÍórico. ela no conjunto não podc crrari âeora. a hLr'
dalla por Sócrâtcs rlaro é persuadir as pessoas de urra doüirina.
maniclâdc podc crra! a bumânidade inlcira pode enar. um lnonle de
gentc. se não cla intcira, pelo nlenos Lrm monte de gente; Éntáo. os
(Ah"lo) Aí in idealoEía...
erros seráo sempre parciais. e eles só lazenr s€niido dcnirc da própria griila r€ntc, aÍ virâ ictcdogia É d€voh,cr à realidade a rcalidadc
rcalidadc. Ibdas cssas tcorias quc a gcnrc cstá demolilldo aqui nao sAo
que vocô conhece Erlsic uma cstrutura Lla realidâdc quc ó aberh para
eradas consideÍrdas nos seus liniles. Agorí. a úlrica coha que làlta
todos nós Cada um dc nós pode vollar lá a qualqucr momenlo Lntão,
pâra elas é elas eDlendcreü que elas são.riâçoes humârras conro uÍn Fora disso é tudo sonho. ilu-
isso aí é â verdadcira presença de DCLLS.
pocmâ oll ü râ músicai ó algo para vocô obscrvar c dizer: [h. que
sáo. pocsia c romance
bonitol E cm scguida voltamos pâra â rcâlidade.
(AllL o) - ANoro. essas maquinil ns têm ma Íü11çào pttjtica
(Alutla) O p]obLeniLt é a laLsidade, mas elas ào dão cotlta da
canple.:(idadc dd rcalirlade. oí sü ! Claro1 Mas vocô pcrcebc que nenhuma dclas slrbslitui as ontras.
Elas náLr entenderan que clas esláo ctentro da iealidade. qüe elâs Não é por.luc unl sujeito tem um computador que el€ não prccisa
sáo apenas Lnna rellerão hunrâna qüe ilunina u]nâ pane irsignificantc nais dc um automóvel: náo é porque ele lenr urn auiomóvcl qlre ele
da rcalidaclc ialcomo sc aprcscntou a scu fldano naquclc molnento e não precisa mâis dc un1â batedeira elétricai clc náo polie iaz€r tudo
quc cla jamais poderá dâr corta dL, conjlrnlo Só istl, c{rm !nra lnáquina sói entAo, é caractcrislicâ desses odelos c dcssas

50
máquinas a sua proliferaçár). e se elas prolilcram signil'ica que nc- nós continuamos numa realidadc em aberto da qual eniendemos muito
nhuDra deltLS dá conla.lo rccâdo. ncm praiicamente ncltr tcoricâmcn puu(o e ê con, erra qLÊ vL,Lc l( n qu( ,e rÊlr(ionar
ici elas sáo leitas parâ o scIviço humano. pâiâ scrvir o scr hulnano. Sempre haverá homens que querem ser deuses, eles quercn quc
dentro cla iirniraçao da sua l]nêlidacle E o sricito quc tez pocle estar a mente del€s crie uma novâ estrütura e você tem que viver dentro
rnuito cncânlâdo corri a(tLrilo, e achar quc aquilo é ir soluqão dc todos destâ estrutura que ele acredita que conlprcendc e náo dentrc da
os proble as. nias. de fâto, só ó â sollrçáo de algüns; c como tuclo o realidade em aberlo. E se vocé entrega a esses homcns os meios
qLre nós in!entamos rcsolvc uns problemas e criâ outros. porque uma de legislâr, eles váo proibir um monte de coisâs que váo continuar
espócie dc dcsconforlo .lo ho eü dcntro da eslrxlura da reâlidadc é âcontecendo, mâs que ninguóm podc dizer que âcontece, então. fica
incrcntc à conctiEilo hüÍrânâ um desc0niofi o extraordinário.
EntaLo. a siiuaÇão |ilosófica do nundo alliil náo rclLctc sentho esse E a relaçáo que você teln coln âs leis divinas é especificamcntc di-
desligarnenb dâ cstrutura dê rcàlidâ(lc quc acontcceu qLIntro, cinco fcrente dâ que você iem conr relaçáo às Ieis humanas. Dcus só pode
sécülos atrásr c lbi crescendo. crescendo. crcsccndo. lUas. ern quc mc_ lhe proibir certas coisas porque cLe tem o dom infinito de perdoar e

dida csie dcsligamenio acontcccu?,4 maior pôrie dâs pessoas continLra corrigir; Deus pode lhe proibir o adultório porquc clc sabe que se você
vivendo perleitamentc dcntro da realidêcle, isso aí ó só a conluridade lizer no\,ecentos mi1, ele pode consertá-lo em seguida, agora, cu. sc cu

dos filósoIos quc está padecendo deste problcma. lhc proibir isto, eü náo sou capaz dê conseriálo
lsto quer dizer quc as lcis humanas náo podem ser copiêdas dire-
(Alutlo) hho, a naior patte rlas pessoas contitlua sabe da a lamente das leis divinas. E esse é um grandc crro: 'Ah. Deus mandou
fazer âssiÍr, tem que lazeÍ assiml" Náo, não é assiDll A hora, por exem-
Fizcram Lrma pesquisa n clâssc módicâ americâna, diz que sctcnta plo, cnl quc a lei divina sc irânsforma num código penal. úun1 código
c quatro por cenio dos nrédicos acrcditam enl curiis rlrirâculosas. Elcs civil, você estáliitol Por excmplo, o adultério ó um pecado, muito bem.
âcredilanr. por quêt Porque eles viraml Nao tcm caplicâçáo para isso além de ser unl pecêdo ele será tambén ulll crime?
Agora, h.,jc cnl dia âs pesslras achanr quc tudo aquilo que náo tem Deus quando o absolve ele o absolve independentenente das penas
explicação. cntáo. se torna râréria dc 1é oLr dc crcnqê, e reâlidadc ó só temporais qüe são aquelâs que os homens deram. Entáo. quer dizer
para o que você iem e:{plicaçâo Você já parou pam pensar que isto é que Deus já perdoou você dc uln pccado, lnas você âlndâ \,ai pagâÍ por
Lrma cu osâ invcrsáo? Nó5 tenos explicação dc urn ftagnlento nríni- ele aqui. Eu digo: mas [que] pula sacanâgem, hein?
rno da realidadc. E é deniro da realidadc incxplicâda que nós vivemos lsso quer dizeÍ qlre esta iensáo entre a lei divina e a lei huniana
Agora, sevocê se nrete dentro da suâ expiicâqão e ôcha que só cla ó rcâl cxiste em toda parte e elâ tem que ser resolvida de váÍias aneirast
e o resto não eiiistc, vocô inverteu, você é o avcstruzi vooê meteu ir ca no mundo islâmico eles resolvem assinl: â dula leí s€d lexi mas â sua
beÇa no buraqLrinho e acredjl! que s(i o burâquinho existe: na verdâde aplicaqAo é dificultosa, quer dizer que é dilícil você punir o suiciio;
você não vâi poder mudar a lei porque â 1ci foi dada por Deus, ntas a Estâ noçào de estru1üra da rcalidâde, â noçao dc inlinito, esta é

âplicacão ó hunanâ, cntáo, ela é faiível â noção básica, se âs pessoas perderen isso elas esiupidilicami ncrn
Agora, o número de pessoa§ que acreditam nâ aplicaçào ljieral e por isso elas sacm da reâlidêde, mas clas saem menlalnrentc E iodo o

perleita dâ lei quc eu conhcço é lantásticol "Lcis lbram lêi1as para se problema dcsta crise religiosâ dos últirnos qüÂtro séculos, a culpa não

rem cumpridâsl" Eu digo: náo foraml Deus cunpre as leis dcle mesmo, ó dos inimigos da religião, â culpa é dos próprios caras cla religiáo I'or-
por quê? Porque elc tenl soluçâo parâ iudo. que eles achavan que baslava ierâ doutrina correla. eu lalor náo basta
As leis lbran ltitas para serem âplicadas com moderação nnda. isso ai você nao vilr nâdâ aindâ.
palavra de Deus que está na llíblia é só um pedaço, o rcsto cstá
q ^
na realidade. Muito antes de ele ditar aquilo para os profetas dc Israel,
(ALtna) Pot isso e quanto tnais leis, ru1is desobediêncict'
Mas é cviderie. quanto Inais lei, mai§ desobcdiência ele já tinhafcito arealidade. Entáo, aquilo deve ser interprctâdo §egLrn-
Llo a rcalidâde e nio âo contrário.

(Aluno) Deus Íala: "nàa malat", abtiamente' Deus sabe quc A base do confronto conl a rcâlidadc ó a âcejlação do infinito, a
Âceit.tçáo da aberturâ, aceiiação dâ insegurânça, e a entrcga a lleus.

\o..\.ri lc, qu( moJu'rr i âp ica Jo de'rd tu;\o \'nJoro'cndo Dssa entrcga é leita nâ basc da conliança Fé significa confiança, por-
ianto. não há segurança. nAo há contrato. E conliança Iüesmol Então.
se tâltâ esta conlianÇâ no conjulto da reali.lade, você cstá no maio
(Aluna) Cano é que lica o ptimeio nãrulanento? sem câchorro. E nada vai podcr tiráio de lá, nenhuma douúina. nerr

Pois este ó o Íürico que é obrigâtório. Como É que vosê vai obrigar tcoria, nem coisa ncnhuma. Então, pot isso quc csse dâí é o prnneiro
as pc§soas a cumprir issrr? Elas cstáo dciato obrigadas, não moralmcn nandamento, se nâo tiver esse. de fâio você esiá no mato scm cachor
te. elas cstâo realmenie. ro, porquc sc você náo amar'â Dcus, nALr restou rnâis nada para você
amar, você vai licar com mcdo de ludo O arror a Deus é dado pelâ
(AlúÍ1o) PeLa rcaLidade... graçat len
â graÇa, depois ven a caridadc, dePois vem a féi cntào,

Pela rcalidade. Sc você não fizeÍ isso, você tanbé não vai fazer primeiro precisa perceber a graÇa, parâ perceber a gmça prccisa esl{r
mais nada. Esia é â realidadc. Entáo, quêr1do você pára de tazer isso, aberlo para a totalidade, scnl galantia ne.lrtr a, vocô está exatamen

você pára dc làzer uma série de ouirâs coisas Mas você cstá fora da te conro um hârquinho solto no occano E perguntandor por quc eu
grâça por isso? Náol Você está lora apcnas da fé. E você nâo pariicipa nao afundo? Você nàl, aiundâ porquc Deus náo deixa. Só cxiste este
dâ câridade ativamenle, mas a gÍaÇa p.rde atingi_lo âinda. Nestc sen elemcnto de conl'iançâ, de confiânçâ, de amor; e ó a únicâ atilude que
tido você está cle alguma nrâneirâ lisado âo amo. divino v"cê não vâi podc instalar o homeln na realidade é estâ, o rcsto é tudo fuga dâ rcâ-

cscâpaÍ dcle. Você cscapa só na esfera dâ sua âção. mas dentro do todo li.tade. Tenr um outro modo de instalaçâo na realidade quc tcn terror
dâ realidâde vocô está 1á dcntro âinda. pânico, dc tudo. ai é o gnosiicismo, 'eslá tudo contrâ minll '. eu digol
(AIu a) - Qual do Leo struuss?
às vezes você senic que é assim nesmo, o universo loi feito contrâ
'A Criiica da Rcligiáo em Espinosa'.
niÍr, €ntáo. é a dcsgraçâ. Mas o gnosticismo icm a vantagem dc que
ele náo é unrafugr da realidâde. cle é unrâ experiência nomentânea dâ
rcalidade quc todos nós tenros. (Ahlno) Pelo fienos aLgum po ta positiao fio sistema dele é (tue
ele alitma o inÍhita e t setltida ptóptia...
(Alu a) - A abeiuru àa alma é ülna atitude na z)erdade comum a Sim, isso aí ele âindà ten1l Mas e1e acredita que o Íâciocínio hu-
tadas as cult rus... todas as cltltüras se utiLizanl' fias .. mâno é onipotenie, eratamente como Descartcsi mas o raciocinio,
Todas têm isto. lodâs iêm, iodas Exprcssândo de maneira diferen- tüdo o que vocô fizcr com o raciocÍnio é apen.rs um sírnbolo. você
tlr, todâs lêm isto. ainda cstá dentro da realidâde, nao foi você que crioü esta rcâlidade,
Àgora, é eviclenic quc a ilcnte vê o caos dê§ 'ôndlrtâs hnnrânâs enl c náo adianla você tazer o Í1odelito pedeito, gconrétrico, as pcssoas
iorno dc nós, e nós quercmos botar ordem, c nós qucrenos lnandar náo vão entrâr nisso
nos oulros c dizer: Náo iaça isso, náo faça aquiloi quândo na veÍdadc Qücr dizc! a lunEáo do tllósolb náo é hzer unra jaula parâ botar as
1ru pre.i\rt.r'dle- iç'u e \o c.r.irr1r o qL. DP I' en':rrn,' pcssoas lá dentro, nal, é Iâzer a doulina acâbâda, é devolver à rcalidâ-
de. Por qllê? Porque a menie humana tendc a fcchar.
(Ahttlo) Cono é que Espinasa se encaíxa isso? EIe eúLende l

t\\o.' I \\ã 1r0n\tf'1Jt4 ;a lr pottc lu ntü11d0 d,te^ L ulttto tun\ (Aluno) L a Eente le a te dància lle simplilicat...
cefidêncía? Não Íefi? Simplificar, é claro. E no lundo você náo gosta da rcalidadc, você
Ele acredita na possibilidâdc de iÍanslbrmar csta visão de Ders quer subsiiiui-la por oütrâ coisâ Você náo gosta porqlre ela parece
numa doutrinâ lcchâda. dcduiiva, c aí ele se cstrepa iodo; e elc achâ hostil, pcrigosa. etc., etc., eic.. ou seja. vocé vê o úr!ndo âtemorizânt€
reallncnte que as cledüçôcs a quc ele vai cheganr]o crian üm rnoc1elo quc o rodeiâ e vocé esqlrece que aquilo está dentro do nfinito c da
mais perfeito do quc o que iinhaln os pmletas de Isrâel, etc', elc', elc
grâça.!l dai você assüme a posição delensiva. qnândo a única delêsa
considera todos âqueles camaradas corno apcnas suieitos que tivcrênr
contm os pcrigos do mundo ó o que está para êlén do mundo, nao o
idéias. ele náo cntende â dimensáo de erperiÔncia quc tem atrás daqüi_
quc cstá dcntro dele.
lo. Por isso que ele loi excomungadoi clc iân1bénl cria Üma náqüina
e lêcha tudo deniro; aí não pode; qucr dizeÍ, os caras náo enlendian
lAluno) Quer dízer qLrc Espi oset não tliferc cia o cafiitllo clo
dircito o quc cle estava lazendo, mas sabia que estâva errado'
conhecimento e o catfiitlho dd expetiô cia?

(Aluna) Ele nao Íoi nlal iúletprutaclo...'


Nâo, para ele a experiénci.r náo vâle ada, só vale o raciocínio.
N4ais ou menos corDo Descartes tambórn. Dcscartcs também. cmborâ
Náo. ele fcz isso rcalmenlel Durante muito lempo cu âchci que lÔi
elc valorizc a cxpcriência sob olúros aspectos, no lundo só o que vale
mal interpretado, mas depois cu li o estudo qüe o Leo SÚâuss lez sobre
sáo os modclinhos necânicos qlre ele cria. NÍesÍrc â naturezâ s€nsívcl
ele, eu falei: ah, nào tenl jcito, os cârâs tinham râzaol


náo qlre. LlizcÍ nadâ paraelc, ó un1 coniunto dc faisidades, o Sol éíalso, Quando Leibniz inventa o negócio das mônadâs, que câda mônâda
p.ra ele o Sol que nós vcmos é lalso. só ó verdadeirc o Sol geomeirica_ é un1 ponto dc vista sobre o univcr.so, esse está dcntrc da realidâdc
mente dcscrito. Mas você esquece o scguinle, esta dcscriçao geomótri- poqüe ele sàbe que cle vê assim, o outrovê de um jeito, outro vê de um
ca do Sol que você cstálã/endo ó só um âspecto do Sol, ele podcriê ser jcito, e essas perspectivas todas se cruzanr de algum modo. Todas elâs
visio dc rnilhôes de oütrâs mareiras. esláo âbertas parâ o 1odo. mas nenhuma âbârca o todo, ele sabe disto.
A grande dileÍença cntre a lilosofia antiga e â modema é quc os Então, ele eÍá dcnirc da reâlidadc. Agora, ltspinosa, Descartes estão
tilósolos aniigos, Áristótele5 ou Platão. qüando cles erunciâvarn um lbrâ. QueÍdizer nem lodo mundolicou louco nos últimos sóculos. tem
princípio gcral sobre â cspócie humana. clcs se incluíam neste prin- unas pessoas que aindâ tênl â cabeça n(] lugar
cipio. Quancto AÍisiótclcs diz que o homelll é unr âninal râcional, clc
qucr dizer que elc. é urn animal mcional Quando cle diz (Alltüo) Sàa na]einais ..
^ristóteles.
que o hornem pcrcelre desla maneira. peÍcebc pelor lentidos c depois Náo, nem sempre são marginais. às vczes são liguras exponenciâis
lrabâlha aqllilo na ;maginaçáo. depois abstrâi as lonnas. c depois cons_ da época, mas nem sempre as suas coisas sáo aprcveiiadas O próprio

trói os conceiios, ctc., etc., ele está qucrendo diz€r quc ele pensa c)rata_ relativisno do Einstein, o que elc cstá falàndo? Ele cstá lâzendo de
mcnte âssirn e quc ele construiu os livros dele cxatamente âssin. novo as rnônadas. Qucr dizer, de cada ponto de visra que você des
A paúir de um cefio tnonenlo nâ histrjria .rté hoie, você vê que os cobre a pcrspectiva mudâ, c clâs se encaixam cm âlgum ponro, orâs
tilósofos começam â cnLrnciar sobre a espécie hümana regras quc nào nenhuma podc scr completa lsso aí é a realidâde mcsmo
podem se aplicar a cles própÍios. Quando Kant diz que nós não conhe
cemos a coisa ern si, mas sorrcnte o seu aspccto lenomên1co, nós temos (Aluno) Lsse ca ceita é r1a teoria da lísiüi, tlo éíilosólica.._
o dircito de pergrntar a ele: E â filosofia de L(ani. nós â conhec€mos Náo, é ainda: emborn você possâ expor isso como teo.ia tísica, você
em si ou só nâ sua aparéncia fenomênica? Se você faz esta pcrgunta eslá parlindo de conceitos que sào tirados da lilosofia cvidentemente.
você paralisa a máquina lilosófica de ltunt. Signil'ica que a lilosofià de
Kant só é \,álida se \,ocô supuser que lGrlt e§tá lora dcla conlo umâ (Aluuo) Que co ceíto? AlinaL de conÍas. a lísica taz Wrte àa
espécic cle,De i ex nachi a. ele cstá lbr.L do mundo, e ele descrcvc t eal.ídatu tmbéml
o mundo. Eniáo, os filósoios antigos estavarn dentro do mlrndo. csses Ela também faz pârte da realidâdc
aqui estão fora do nrundo, estAo âcima do mundo tjntáo. é evidentc
quc. o'*.p.(lir:r quc cl lle' J\.ur'r''_n umr In\h;o (Alutut) Poden 11Ao ser, então. naryífiais. mas gerulme te são
divina. na verdadc, todos eles Sornente uns poucos é que p€rccbe tnal i leryrcÍados...
qlre esiáo dentro da re.tlidâdc c que eles náo poden dar ulna dcscriçáo NÍLrito rnal interprctâdos, muitol cUlturâ geral absorve de mà
complcta. exceto desdc dentro e que, portanlo, seÍá uma descriÇão cnr nejra muito ^
crrada isso ai. o tipo de relativismo qu€ â gente tern hojc
pcrspcctiva. desdc o ponto de !ista onde ele êÍ, que é un1 relativismo proibitivo, quc cle no tundo abolc iodâs âs pers-

5lJ
Publicâçõe§ da É R€slizâqdes

Ourra! i\blieâéôes

À BçoDo.ldernôP Men-x,

O friviua -:{§ atte§liberais da.lôsrça, gremátiea e rei,irice


lrná.Mi.iân rolph

eanspim(ão de Portà$ Ábérta§


Diver§ú§Àrtor§

O Eixo dô MáI
Eeilor De.Pâtih

tdêagralna§rq.q çulturê ehrnê§ê

o Áro dq Galoi Íerdades §obli a Chiflâ

O lãdiÍn dâr Afliçoes: de fpicuro a Ressuryeiçào de Césâr


O ano deCarwloo

À coerêlrqia da$ Incelteaa§


Pallls.Mercadànlê
btipãtuúo, eilado dà íentsté lolns otdtti de c.úiL)l?

À.Sabedoriâ dâs Lei§ Étêma§


Mâri, Psreirà dos sânlos
líM!çn4,.rl;çld a, @lt1 e íótui Oldqde c\io:t ko

Relle"\4es Bstratãei3as; Hepe4sêdo a Défêsã Nãcioriàl


' Mà'io Cêêr fbt§§

l-uz ê Tler,ãs: nos TemDos de Iuscelino


Hêrrógmes Pr úiPe

O Ca4ti4ehte dA ɧPe&nçâ
Alejaidro Péiá Esclú§â

Ercolha e 6obre\ i\,Encia Ensaio! d€ Educasáo E'réri(a


Ár|gelD Mônteiiô

-l
Leiturar rqgeridar
wwdtí. afu §lr$í4 jleri )) xb éÀ (id)r t\i{ô rô!4! d th. llMtqticart ttt
A. Aàúà1r&, 4 zo15 _ tle \b-k , Eo adod HMte_ Í gt2

I,rlÍceaê§egarilrerpalrdia úáapúaíéb rsiêaaç.ôa Aúitê)9 q§têl


Sü Piúta, Eau.Édbsí,i 1*.
Dadô! ríte n:e onrirde càk oÊâçio nà pubtrcâ(ãu ictp) História
íCámam B àiile Édo Li!Íú Sp aro5 )

Filosofia
Hislóiià escncial dâ lilosolia /
s Í oh\o lrr cdalio - sáu pauto. É RedtDa.oês 20|s
icole(á. hi\roÍ3 esenúJld: Í o5ofiJ)
Inclui un DvD contêúdo

auh23 IGnt e Hegel: origem do pôsnivismo e hârxi§no-


aula 29r Geneâlogi a das CiênciÀ
aulaJO: EdnrundHúsê e a litosofia do sóculo ).X
âula31: O enigma Maquiavel

1. Fil.soIia Estudôeensino2. Filosolia-


Hislória I Tíulo IL Série

Índices para caiálogo siremálico

ISBN 13 DIGITOS

Este livro éa trànscrlçâo da âuta que


_ Ioisravada no dia 18/0212005 na
E Realizaçóes em Sao Paúlo - SP Brasil.

_lmpreso pela Prol pàra a


E Realizaçóes, ern oútúb.o de 2008.
Os tipos usadôs sâo da faúÍia ljuich.
O papel é Chamois Butk 90 e,/nr pam
oniolo e suptumoz5o g/h, para a capa