Você está na página 1de 5

Referências bibliográficas

ABREU, Márcia. Cultura letrada: literatura e leitura. São Paulo: UNESP, 2006.
(Paradidáticos, série Cultura, coordenação de José Luís C. T. Ceccantini).

AMARAL, Maria Nazaré de C. Pacheco. Período clássico da hermenêutica filosófica


na Alemanha. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1994.

______. Johann Friedrich Herbart: instruir, acima de tudo, uma forma de educar. In
Revista da Faculdade de Educação, vol. 6, 1. São Paulo: USP, 1980.

______. Dilthey leitor de Hegel: sobre o espírito objetivo. In Cadernos de História,


Filosofia e Educação, vol. 5, 7, Faculdade de Educação, USP, s.d.

ARISTÓTELES. Metafísica (livro I e livro II). Tradução de Vinzenzo Cocco. Ética a


Nicômano. Tradução de Leonel Vallandro e Gerd Bornheim. Poética. Tradução de
Eudoro de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Os Pensadores, seleção de José
Américo Motta Pessanha).

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São


Paulo: Editora Perspectiva, Universidade de São Paulo, s.d.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes. A leitura incerta: a relação de professores(as) de


português com a leitura. In Educação em revista, 27. Belo Horizonte: CEALE,
Faculdade de Educação-UFMG, 1998.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. 3 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

______ (org.). Cultura brasileira: temas e situações. Colaboradores: Antonio Carlos de


Brito et al. São Paulo: Editora Ática, s.d. (Fundamentos).

BOUCHINDHOMME, Christian; ROCHLITZ, Rainer. “Temps et récit” de Paul


Ricoeur em débat. Paris: Les Éditions du Cerf, 1990.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero, 1983.

BRÉHIER, Émile. Histoire de la philosophie allemande. Paris: Payot & Cia, 1921.

CANDIDO, Antonio. Os parceiros do rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a


transformação dos seus meios de vida. 5 ed. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1979.

CHAUÍ, Marilena. Introdução à história da filosofia: dos pré-socráticos a Aristóteles


(vol. I). 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

COMPAGNON, A. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte:


UFMG, 1999.

CORETH, Emerich. Questões fundamentais da hermenêutica. Tradução de Carlos


Lopes de Matos. São Paulo: EPU, Editora da Universidade de São Paulo, 1973.
CRITELLI, Dulce Mára. Analítica do sentido: uma aproximação e interpretação do real
de orientação fenomenológica. São Paulo: EDUC – Editora Brasiliense, 1996.

DEWEY, John. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. 3 ed.


Tradução de Godofredo Rangel e Anísio Teixeira. São Paulo: Companhia Editora
Nacional, s.d. (Atualidades Pedagógicas, 21, direção de J. B. Damasio Penna).

DILTHEY, Wilhelm. Teoría de las concepciones del mundo. Traducción de Julián


Marias. Madrid: Revista de Ocidente, s.d.

______. Introduccion a las ciencias del espiritu: en la que se trata de fundamentar el


estudio de la sociedad y de la historia. Versión de Eugenio Imaz. México, editora, data

ECO, Humberto. Os limites da interpretação. 2 ed. Tradução de Pérola de Carvalho.


São Paulo: Perspectiva, 2004. (Estudos, 135, direção de J. Guinsburg).

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Tradução de Antônio Fernando Cascais e


Eduardo Cordeiro. 4 ed. Portugal: Vega, 2000. (Passagens).

GABRIEL, Gottfried. El valor cognitivo de la ficción. Traducción de M. Tereza López


de la Vieja. In Figuras del logos: entre la filosofía y la literatura. México: Fondo de
Cultura Económica, 1994.

GADAMER, Hans-Gerg. Verité et méthode: les grandes lignes d’une herméneutique


philosophique. Traductio de Étienne Sacre. Paris: Éditios du Seuil, 1976. (L’Ordre
Philosophique, 7, dirigée par Paul Ricoeur).

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Sete aulas sobre linguagem, memória e história. Rio de
Janeiro: Imago, 1997.

______. Uma filosofia do cogito ferido: Paul Ricoeur. In Estudos Avançados, vol. II, 30.
São Paulo: IEA, Universidade de São Paulo, 1977.

GENETTE, H. et all. Théorie des genres. Paris: Éditions du Seuil, s.d.

GOTTLIEB, Fichte. Discursos a la nacion Alemana. Buenos Aires: Editorial


Americalee, 1943. (Los Clasicos Politicos, direção de Francisco Ayala).

HANSEN, João Adolfo. O o: a ficção da literatura em Grandes Sertões: Veredas. São


Paulo: Hedra, 2000.

HEIDEGGER, Martin. Ensaios e conferências. Tradução de Emmanuel Carneiro leão,


Gilvan Fogel e Maria Sá C. Schuback. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. (Pensamento
Humano, coordenação de Emmanuel Carneiro Leão).

______. El ser y el tiempo. Traducción de José Gaos. 4 ed. México: Fondo de Cultura
Económica, 1993.

______. Ser e tempo. Parte I. Tradução de Márcia de Sá Cavalcanti. Petrópolis, RJ:


Vozes, 1988. (Pensamento Humano, coordenação de Emmanuel Carneiro Leão).
______. Identidad y diferencia. Identität und differenz. Texto bilíngue. Traducción de
Helena Cortés y Arturo Leyte. Barcelona: Editorial Anthropos, 1988. (Autores, Textos y
Temas: Filosofia, direção de Jaume Mascaró).

______. Carta sobre o humanismo. 5 ed. Tradução de Pinharanda Gomes. Lisboa:


Guimarães Editores, 1998. (Filosofia & Ensaios).

______. Que é isto – a filosofia? Identidade e diferença. Tradução de Ernildo Stein. São
Paulo: Livraria Duas Cidades, 1971.

HOMERO. Odisséia (em versos). Tradução de Carlos Alberto Nunes. São Paulo:
Ediouro, 2001 (?).

HUSSERL, Edmund. A ideia da fenomenologia. 2 ed. Tradução de Artur Morão.


Lisboa: Edições 70. (Textos Filosóficos, 8, direção de Artur Morão).

INGARDEN, Roman. The literary work of art: an investigation on the borderlines of


ontology, logic and theory of literature. Translation of George G. Grabowicz. Evanston,
USA: Northwestern University Press, 1973.

JAUSS, H. R. Pour une esthétique de la réception. Traduction de Claude Maillard.


Paris: Éditions Gallimard, 1978.

JAUSS. Hans Robert. A história da literatura como provocação à teoria literária.


Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Editora Ática, 1994. (Temas, Estudos
Literários, 36).

LACOUE-LABARTHE, Philippe. A imitação dos modernos: ensaios sobre a filosofia.


Organização de Virginia de Araujo Figueiredo e João Camillo Penna. Tradução de João
Camillo Penna. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Tradução de Chaim Samuel Katz e


Eginardo Pires. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, s.d.

LIMA, Luiz Costa. Vida e mimesis. Rio de Janeiro: Editora 34 – Nova Fronteira, 1995.

LUKÁCS, Georg. Ensaios sôbre literatura. Tradução de Carlos Nélson Coutinho. Rio
de Janeiro: Civilização Brasileira, 1948 (?). (Biblioteca do Leitor Moderno, 58).

NUNES, Benedito. O drama da linguagem: uma leitura de Clarice Lispector. 2 ed. São
Paulo: Editora Ática, 1995. (Estudos Literários, 12, Temas).

______. O tempo na narrativa. São Paulo: Editora Ática, 1988. (Fundamentos, 31).

______. Heidegger & ser e tempo. 2 ed. Rio de janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.
(Passo-a-passo, 6).
PALMER, Richard E. Hermenêutica. Tradução de Maria Luisa Ribeiro Ferreira.
Lisboa: Edições 70, 1968 (?). (O Saber da Filosofia, 15).

PERRONE MOYSÉS, Leyla. Altas literaturas: escolha e valor na obra crítica de


escritores modernos. São Paulo: Companhia das Letras, s.d.

PROPP, Vladimir. Morphologie du conte. Traduction de Marguerite Derrida. France:


Éditions du Seuil, s.d. (Pétique, dirigée par Gérard Genette et Tzvetan Todorov.)

RICOEUR, Paul. El proyecto y la motivacion: lo voluntario y lo involuntario (I).


Traducción de Juan Carlos Gorlier. Buenos Aires: Editorial Docencia, 1986.
(Coordenação de Eugenio Gómez de Mier).

______. Poder, necesidad y consentimiento: lo voluntario y lo involuntario (II).


Traducción de Juan Carlos Gorlier. Buenos Aires: Editorial Docencia, 1988.

______. Interpretação e ideologias. Tradução de Hilton Japiassu. Rio de Janeiro:


Francisco Alves, 1977.

______. Tempo e narrativa (tomo I). Tradução de Marina Appenzeller. Campinas, SP:
Papirus, 1995.

______. Tempo e narrativa (tomo II). Tradução de Marina Appenzeller. Campinas, SP:
Papirus, 1995.

______. Tempo e narrativa (tomo II). Tradução de Marina Appenzeller. Campinas, SP:
Papirus, 1997.

______. A metáfora viva. Tradução de Dion Davi Macedo. São Paulo: Edições Loyola,
2000. (Leituras Filosóficas, 7).

______. Outramente: leitura do livro Autrement qu’être ou au-delá de l’essence de


Emmanuel Lévinas. Tradução de Pergentino Stefano Pivatto. Petrópolis, RJ: Vozes,
1999. (Ética e Intersubjetividade, 3, coordenação de Pergentino Pivatto).

______. Temps et récit: 1. l’intrigue t le récit historique. Paris: Éditios duSeuil, 1983.
(Essais).

______. Réflexion faite: autobiographie intellectuelle. Paris: Éditions Esprit, 1995.

______. Du texte a l’action: essais d’herméneutique II. Paris: Éditions du Seuil, 1986.

______. Le conflit des interpretations: essais d’herméneutique. Paris: Éditions du Seuil,


1969.

______. Soi-même comme um autre. Paris: Éditions du Seuil, 1996.

______. L’interpretation de soi. In Cités: philosophie, politique, histoire, 33. Paris,


2008.
______. Da interpretação: ensaio sobre Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

______. O conflito das interpretações: ensaios de hermenêutica. Tradução de Hilton


Japiassu. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

SCHLEIERMACHER, Friedrich D. E. Hermenêutica: arte e técnica da interpretação.


Tradução de Celso Reni Braida. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1999. (Pensamento
Humano, coordenação de Emmanuel Carneiro Leão).

STEVENS, Bernard et all. Paul Ricoeur: temporalité et narrativité. In Études


phénoménologiques, tome VI, 11. Louvain-la-Neuve, Belgique: Centre d’Études
Phénoménologiques, 1990.

ZARADER, Marlène. La promesse el l’intrigue (phénomenologie, éthique, cinéma). In


Cités: philosophie, politique, histoire, 33. Paris, 2008.