Você está na página 1de 25

Labirinto hermético

Um alquímico "Game of the Goose"

[revisão agosto de 2011]

A imagem que escolhemos como logotipo do site foi desenhada por Nicola Vanore, que
também é autor dos desenhos da Carte delle Fiabe.

Em 32 imagens de cores vivas são representadas as várias etapas do processo alquímico, desde
o Caos inicial da Primeira Matéria até a conquista da Pedra Filosofal. Em sua sequência, essas
imagens constituem uma espécie de "Game of the Goose" que constitui o "Filo d'Arianna"
essencial para se orientar no Labirinto dos textos clássicos da Alquimia. Basta clicar em cada
caixa do "Jogo" para acessar uma descrição detalhada da fase ilustrada (clicando na imagem
específica, você retornará à figura geral).

Uma das maiores dificuldades na interpretação de textos alquímicos, que muitas vezes
desencoraja o leitor inexperiente, é a reconstrução da ordem correta das operações: o
respeito pelo Segredo, que os verdadeiros Adeptos sempre observaram, proíbe uma exposição
linear e completa da processo. Dos três trabalhos que compõem o Magistério Alquímico, a
maioria dos textos tradicionais da Alquimia são muitas vezes limitados a exibir um ou dois (e
mesmo estes não necessariamente na ordem correta), mas fazendo acreditar que estamos
falando de todo o processo. Além disso, é comum que a mesma substância assuma nomes
diferentes e aparentemente contraditórios nas três obras, o que aumenta consideravelmente
a confusão. Por esta razão, não é possível confiar em um único autor clássico, mas devemos
sempre comparar o maior número possível de textos por diferentes autores, levando em
consideração que cada um deles pode ter usado um método pessoal para uma determinada
operação.

Na nossa reconstrução e descrição do processo, confiamos em particular nas obras magistrais


de Fulcanelli e Canseliet, integrando-as com importantes esclarecimentos por outros autores
(incluindo Patrick Rivière). De acordo com os textos desses autores, nossa síntese descreve em
particular as etapas da Via Secca, a seguir a maioria dos alquimistas que também o velaram
sob as descrições da Via Umida. Os estágios e as principais elaborações dos dois caminhos
coincidem naturalmente; O que essencialmente altera são os produtos químicos iniciais que
são usados. Na explicação da Terceira Obra, então, integramos as escassas indicações
fornecidas pelos autores acima com as famosas descrições das cores que aparecem nos Sete
Regimes de Culinária, essencialmente seguindo Filalete: é claro que essas cores só são visíveis
na Via Umida, através do vidro "Del Vaso, e não na Via Secca; No entanto, as transformações
que ocorrem dentro do Filosofal são essencialmente as mesmas.

Em outros dois artigos (Esquema ilustrado da Grande Obra e Esquema da Grande Obra para a
Via Secca), resumimos na forma de um diagrama as descrições dadas aqui para as várias
caixas.

Um esclarecimento final é uma obrigação: nossa reconstrução de todo o processo é e continua


puramente teórica. Não há algumas dúvidas sobre o que ainda temos sobre os detalhes e a
localização precisa de muitas operações descritas aqui. A nossa quer ser apenas uma proposta
de trabalho, capaz de ser integrada, aprofundada e eventualmente modificada com base em
novos dados que possam surgir do estudo de textos tradicionais.
(Para mais informações sobre o simbolismo geral do Jogo do Ganso, veja nosso estudo
específico na seção Numerologia e Kabbalah).

PREPARAÇÃO

O Caos inicial, a Primeira Matéria, a Unidade de Todos, a origem, o começo indistinto que
inclui as potencialidades de cada desenvolvimento ou geração, a entrada no Labirinto.
2

O Alquimista que realiza a Obra: guiado pela luz da Sabedoria, segue fielmente os passos da
Natureza.

A descoberta da Matéria-prima, simbolizada pelo "Dragão mordendo sua cauda": sua Extração
e sua Preparação.

Uma vez "extraído da sua mina", o Solfuro d'Antimonio ou Stibina, símbolo da Matéria-prima,
deve ser submetido a uma Preparação que consiste em uma Suposição Preliminar: deve ser
pulverizada em uma argamassa, exposta a baixa temperatura e peneirada, embebida em
"orvalho". Estas operações destinam-se a libertar o sulfureto da sua ganga siliciosa e a oxidá-la
parcialmente, até ter uma cor acastanhada. Desta forma, a Matéria-prima é feita para receber
o Espírito, sob o aspecto do Fogo Secreto ou do Sal Duplo.

4
A aquisição dos dois Sais filosóficos ou Fundantes que constituem o Fogo Secreto ou o Sal
Duplo. Esta substância, também chamada de Dissolvente, é o suporte material do Espírito, é o
Mediador Salino essencial para desencadear o processo.

Seus dois componentes são: 1. Salnitro (nitrato de potássio), isómero do Nitro celestial contido
no "orvalho", 2. Tartar (bitartrato de potássio).

1. Salnitro é obtido a partir da destilação de "orvalho", previamente exposto a raios cósmicos,


filtrada e preparada. É um sal volátil que inicialmente parece "branco como neve cristalizada"
e, continuando a extração, assume um tom "rosado" (daí o termo "orvalho").

2. O Tártaro, também chamado Vulcano Lunatico, é obtido indiretamente do trabalho sobre o


"orvalho" e é extraído do depósito da escória de vinho que permanece no fundo dos barris
("barris de carvalho" especifica a Tradição).

PRIMEIRA OPERA

Comece a primeira ópera agora. Existem três "atores" que devem ser colocados no cadinho:
1. Antes de tudo, a matéria-prima previamente preparada, qualificada como passiva
(denominada "Aries" por Filalete), pois representa o princípio Mercúrio que sofrerá a ação do
princípio ativo ou do enxofre. É simbolizado pelo Dragão. Sua proporção é dupla comparada à
do segundo "ator".

Materialmente, esta substância é frequentemente identificada com um mineral: o Stibina ou o


Antimony Solfuro (mas é claro que não precisamos entender esses termos "para a letra").

2. O segundo "ator" da Primeira Obra, simbolizado por um guerreiro armado com uma espada
ou lança com intenção de perfurar o dragão, é a matéria-prima ativa (chamada "Ares" de
Filalete), pois representa o princípio do enxofre (o Magic Steel) que terá de atuar sobre a
matéria-prima passiva. Sendo mais enérgico do que o último, sua proporção será de metade.

Materialmente esta substância é identificada com um metal, o ferro.


7

3. O terceiro "ator" da Primeira Obra é o Mediador Salitor indispensável (o Princípio do Sal)


que permite a reação dos dois primeiros componentes, ou o Fogo Secreto, composto pelos
dois Sais ou Filantós Filosóficos que são adicionados ao cadinho em frações sucessivas .

A proporção do fogo secreto é um décimo quinto da matéria-prima ativa (ou melhor, um


décimo quinto de Nitro, mas metade do peso total dos componentes do tártaro). Em resumo,
as proporções dos três "atores" são:

Princípio Mercúrio 2 - Sulfuro Princípio 1 - Princípio Venda 1/15.

Graças ao Mediador Salino, as duas Materiais (Passivas e Ativas) surgem em reação. Esta é a
Luta das Duas Natureza ou Conjunção da Primeira Obra, muitas vezes representada pela luta
entre dois animais (um cão e uma cadela, dois dragões, etc.). Nesta conjunção, o Primeiro
Preto ou Putrefação da Primeira Obra é realizado: é a primeira "união de opostos".
9

No final da Conjunção das Duas Natureza, a substância líquida é vertida ("liquidação") e deixa-
se arrefecer; Assim, solidifica em um lingote em que a separação é realizada, representada por
um "golpe de martelo" energético que separa a parte pura do "regina" do lingote do resíduo,
ou Caput Mortuum.

Materialmente, a reação que foi realizada é referida como "preparação da régua estrelada de
marimagem antimônio": o sulfato de antimônio, reagindo com o ferro, deu seu enxofre ao
último, transformando-se em antimônio puro (chamado "regolo" "na terminologia química
antiga); O ferro, unindo o enxofre, foi transformado em sulfeto de ferro (caput mortuum), o
que significa que o metal é "retrogradado" para a sua natureza mineral original (pirita).

10

Após a Separação, o Caput Mortuum se apresenta como uma terra negra e "deserdada" que
deve ser protegida contra o lançamento.

Materialmente estas escórias são compostas por sulfeto de ferro (o metal mineral
"retrogradado") e carbonato de potássio.
A escória é submetida a deliquescência no ar úmido da noite e se oxida progressivamente.
Assim, por lixiviação, obtemos desta escória um Terceiro Sal, fundamental para a Terceira
Obra: é o Sal Harmônico ou Sal da Harmonia (é o princípio do Corpo, que constituirá um dos
componentes do ovo filósofo; também chamado de enxofre branco).

11

Também a partir do Caput Mortuum, após a deliquescência e a oxidação, é obtida, para


calcinação ou torrefação progressiva, uma substância enferrujada e gordurosa, semelhante à
lama: é a Terra Adâmica ou Vermelha (também chamada Cenere del Caput Mortuum).

Esta preciosa Terra contém no poder o Enxofre (Vermelho) que será extraído dele durante as
Sublimações da Segunda Obra.

12
A Regra que foi separada do Caput Mortuum com o "golpe de martelo" constitui o Mercúrio
Comum ou Mercúrio Branco ou Dissolvendo (note que o último termo foi usado pela primeira
vez para designar o Fogo Secreto), simbolizado pela Virgem Branca e também chamado de "
Pedra Astral ": é o Feminino, Princípio Volátil. Muitas vezes, o Mercúrio comum é designado
como Água dos Filósofos, Água Celestial, Água Abençoada, clara e pura, que flui da rocha ou
mesmo como Pontico ou Aceto Acerrimo, para sublinhar o seu poder dissolvente.

Materialmente, esta substância é puro antimônio, privado do enxofre que foi dado ao ferro.

13

O Mercúrio comum deve sofrer a Purificação para se tornar uma Regra Estrelada: uma parte
do Regulus está unida com 1/15 de Fogo Secreto que a purifica. Este processo é reiterado três
vezes (simbolizado pelas três unhas da crucificação); então a Regra está imbuída com o Espírito
Astral enquanto o Fogo Secreto assume uma cor verde, transformando-se em Vitriol.

No final da purificação, a Estrela aparece no Regulus, o sinal há muito aguardado que atesta a
pureza e a perfeita preparação canônica de Mercúrio: obtivemos o Mercúrio Estrelado Comum
(Starry White Mercury, Dissolving).

A luz veio da escuridão e triunfou.


14

O Fogo Secreto que atuou na Purificação do Mercúrio comum foi transformado, assumindo
uma bela cor verde, símbolo da vida universal: é o Vitriol, o Leão Verde ou o Smeraldo dei
Saggi (também chamado Graal Vetriolico), veículo vitrificado do fluido cósmico.

O papel de Vitriol será fundamental no Segundo Trabalho.

SEGUNDO TRABALHO

15

Agora começa a Segunda Obra que visa manifestar o Enxofre Filosófico, embrião da futura
Pedra Filosofal.

Os três "atores" da Segunda Obra são assim dispostos em um vaso para sublimação:
1. No fundo da Terra Adâmica ou Vermelha, que deve produzir o enxofre contida no banho de
Mercúrio acima dele.

2. Acima da Terra Adâmica será o Mercúrio Comum ou Dissolvendo Mercúrio que, sob a forma
de uma Água de Banho ou Mercúrio (Espelho da Arte) que submerge a Terra, representa o Ímã
que atrairá o Enxofre para si mesmo.

3. Na superfície você terá o Vitriol ou Leone Verde, que é a "rede" que permitirá que você
"pesque" o embrião.

As proporções dos três "atores" estão em ordem: Terra (Enxofre) 1 - Mercúrio 2 - Vitriol 1/15.

16

Depois de arranjar corretamente os três "atores" do Segundo Trabalho, as sublimações longas


ou Eagles começam, que devem ser repetidas sete a nove vezes.
O propósito das sublimações é extrair o enxofre filosófico da Terra Vermelha e unê-lo
intimamente com o Mercúrio comum. O processo consiste em uma série repetida de
imbibições e dessecações, simbolizada pela luta do Fisso ou Remora (= o Sulfato Filosófico
contida na Terra Adâmica) com o Volátil ou Salamandra (= o Mercúrio Comum) (ou do
combate do Leão-Enxofre com o 'Eagle-Mercúrio). Lembrando que o "seco, com avidez, bebe o
molhado" deve evitar submergir a Terra com um banho excessivo de mercúrio.

À medida que as sublimações progridem, em direção à quarta ou quinta Águia, há o Banho dos
Ásteres: Granulações são formadas na superfície do Banho Mercurial, primeiro prateado (Lua),
depois dourado (Sol). Ao mesmo tempo, Materia branqueia progressivamente (clareando o
"Lattone"). Em cada dessecação ocorre o aparecimento de flores brancas na superfície (que
representam o enxofre filosófico em formação) e, com cada imbutação, a aparência da Estrela
se manifesta (símbolo do Mercúrio Comum).

17

Continuando as Sublimações, "o Leão Verde (Vitriol) vai entregar o Seu Sangue ao Leão
Vermelho", isto é, das flores brancas, o Zolfo Filosofico (Vermelho) ou Ouro Filosófico é
formado: é o Princípio Masculino, Fisso.

Este enxofre filosófico foi extraído da terra adâmica graças à ação atrativa do Mercúrio comum
dissolvido (entendido como "Ímã") e agora está emergindo na superfície: esta operação
também é chamada de Reincorporação de Ouro ou Terra Adâmica, no sentido de que
representa a "rejuvenescimento" do Princípio do Enxofre contido na Terra, obtendo o Enxofre
em seu estado original de pureza.

18

Na superfície do Mar Filosófico (= Banho do Mercúrio Comum), formou-se a ilha de Delos


(onde nascem Apollo e Diana). Esta substância, chamada Echineis, Ichtus ou Remora, é o
mesmo Sulfato Filosófico agora inextricavelmente ligado ao Mercúrio Comum em uma
substância hermafrodita, que constitui o Embrião metálico, o germe da futura Pedra Filosofal.

Como um "peixe", este embrião é "pescado", ou seja, preso, pela rede de malha entrelaçada
formada na superfície pelo Vitriol.

19

O embrião que obtivemos é o Rebis, a substância dupla ou andrógina, chamada com muitos
nomes:
1. Se considerarmos que seu aspecto "fixo" é Zolfo Filosofico, Piccolo Re, Remora, Embrione ou
Infante Regale.

2. Se considerarmos o fenômeno do ponto de vista de Mercúrio, podemos dizer que o


Mercúrio comum (Feminino), sublimado ao mais alto grau pelas Águias, uniu
inextricavelmente com Sulfúrio (Masculino), tornando-se uma substância dobrada ou
hermafrodita, um Mercúrio "animado" ou mesmo "fixo" pelo Enxofre, que se chama Mercúrio
Filosófico, Mercúrio Duplo ou Segundo Mercúrio.

A geração do Rebis ou Mercúrio filosófico constitui a Conjunção da Segunda Obra (a Conjunção


ao Branco) e também é chamado de incesto filosófico, uma vez que o Mercúrio comum, como
a mãe que gerou o Enxofre (filho) extraindo-o da Terra Adâmica, foi então unido para seu
próprio filho (Zolfo Filosofico).

O embrião ou Rebis vem na forma de uma pequena pedra branca em uma superfície, preta no
outro e violeta no interior (a cor violeta indica a união do enxofre vermelho com o Mercúrio
azul). Esta pedra é então consolada pelo fogo, fixa e assume a aparência de uma pequena
lente biconvexa comparável a um "botão traseiro" metalúrgico. Neste aspecto, também é
chamado, por alguns autores, Enxofre Incombustible ou Pedra da Primeira Ordem (outros
autores reservam este nome para a substância obtida da Great Cooking of the Third Work).

TERCEIRO TRABALHO
20

A Terceira Obra, que tem seu início aqui, consiste essencialmente em uma Grande Culinária do
Embrião ou Rebis dentro do Ovo Filosofal, em que este "germe" será "incubado" até atingir
sua maturidade perfeita e dar origem para a Pedra Filosofal.

O Filósofo Ovo, cuja casca mineral de sal se forma naturalmente de forma seca, é colocado
dentro do Athanor e encheu-se de seus três componentes:

1. O Embrião ou o Rebis (ou o Enxofre Filosófico) obtidos no final da Segunda Obra, que tem a
função de Princípio Masculino (também chamado de Zolfo Rosso);

2. O Mercúrio comum ou dissolvente indispensável que desempenha a função do Princípio


Feminino (também será chamado de "Enxofre Branco", que significa, por este termo, a parte
de Mercúrio que gradualmente se fixará no Cottura);

3. A Sale of Harmony ou Harmony Salt obtida da lixiviação do Caput Mortuum no final da


Primeira Obra, que, como Mediador, permite a reação e a conjunção entre os dois primeiros
componentes (não é claro se este Sal constitui o próprio ovo , ou seja, sua "concha", o "Vidro"
do "vaso da natureza" - como parece os autores principais - ou, como outros dizem, "os dois
(?) sais que o compõem constituem o" branco "e o" amarelo " De qualquer modo, parece que
este sal também representa o Princípio do Corpo, com o qual o Embrião estará unido de forma
indissolúvel e, neste último sentido, às vezes também pode receber o apelido de Enxofre
Branco); *
* [Esta divisão de funções entre os três componentes segue os autores mais credenciados,
mas, de outro ponto de vista, também se pode entender: o Embrião ou Enxofre Vermelho
como Princípio Masculino, o Sal Harmônico no sentido de Enxofre Branco como o Princípio
Feminino e o Mercúrio Comum ou Dissolvente como Mediador que permite a conjunção dos
dois primeiros, embora essa interpretação pareça mais forçada. A contradição entre as duas
versões deve-se à grande ambigüidade do termo "Enxofre Branco" em seu duplo significado de
Princípio Feminino e / ou Corpo de Princípio.]

O Grande Cozinhar do Ovo Filosofal dentro do Athanor cruza sete Regimes em que a
temperatura é gradualmente aumentada, correspondendo a sete cores que assumem o
conteúdo do Vaso e a sete frequências musicais ou "sibilos" emitidos pelo próprio Ovo.

O Primeiro Regime é o Regime de Mercúrio, no qual o Composto é formado, ou seja, a mistura


dos três componentes mencionados acima, e começa sua fase de dissolução (fase de Solve).

21

O Segundo Regime é o regime de Saturno em que os componentes são completamente


dissolvidos pelo Mercúrio Comum e o Composto atinge a Putrefação completa, sinalizada pelo
odor fétido que emana do Vaso.
É neste Regime que uma nova concepção ocorre no fundo do vaso, ou seja, os princípios
masculino e feminino (Zolfo Rosso e Zolfo Bianco), depois de terem lutado entre si, "morrer" e
unir-se na Conjunção da Terceira Obra.

22

O Regime Saturno representa o Black Stage da Terceira Opera ou Nigredo, simbolizado pelo
Skull ou o Raven (Corvo's Head).

23

O Terceiro Regime é o Regime de Júpiter, também chamado de Sublimação: através de


sucessivas imbibições ou "lavagens" pelo Virgin Milk (outro nome do Mercúrio Comum ou
Dissolução que tem um poder de clareamento aqui), o Rebis (Sulphur Red + Sulphur) Branco)
gradualmente começa a perder sua cor preta e assume uma cinza cinza.

Os autores afirmam aqui que o Rebis ou o Infante Filosófico é alimentado com o alimento
leitoso (Virgin Milk).
24

O Quarto Regime é o Regime da Lua em que, com a elevação da temperatura, começa a fase
de coagulação (fase de Coagula): graças às abluções efetuadas pelo Virgin Milk, seguido de
secagem progressiva ou coagulação, o Rebis é sempre descorado mais e solidifica em uma
substância que atinge a cor branca perfeita.

É o símbolo da ressurreição do espírito.

25

O Regime da Lua representa o Palco Branco da Terceira Ópera ou Albedo, simbolizado pela
pomba branca.

É possível, se desejar, interromper o processo Great Cooking aqui, indo imediatamente para a
Multiplicação e a Fermentação final, porque a substância que foi obtida já poderá exercer um
poder transmutatório, mesmo que seja menor do que a Pedra que será obtida. no último
regime.

Na verdade, através de uma Fixação adequada, é possível transformar essa substância branca
em Elixir Branco, também chamado de Pedra Branca de Segunda Ordem, que, oportunamente
Multiplicada e Fermentada, terá o poder de transmutar os metais em Prata (outros autores
chamam esta substância fixada Enxofre Branco Incombustible e referir-se a ele como a Pedra
Branca da Primeira Ordem).

26

O Quinto Regime é o Regime de Vênus, no qual o Rebis, elevando a temperatura, assume uma
cor verde.

Esta fase também é chamada Fase Vegetativa, pois a cor verde mostra que a Pedra possui um
poder vegetativo germinativo, o que faz com que ela cresça e aumente. Os autores afirmam
que aqui "a árvore filosófica brota, cobrindo-se de folhas e ramificações".

27
O Sexto Regime é o Regime de Marte em que, a uma temperatura mais alta, o Rebis sofre
imbibições sucessivas pelo Meaty Food (outro nome do Mercury Philosophical ou Second
Mercury, como está unido ao Enxofre, o que, portanto, tem poder vermelhidão) seguido de
uma secagem ou coagulação progressiva que leva a uma cor amarela cada vez mais intensa.

Os autores afirmam aqui que o Rebis ou o Infante Filosófico, que já havia sido alimentado com
leite (Mercúrio Comum ou Primeiro Mercúrio), agora é alimentado com carne (Mercúrio
Filosófico ou Segundo Mercúrio).

Esta fase também se chama Phase at Yellow ou Citrinitas.

28

O Sétimo Regime é o Regime do Sol: a temperatura atingiu o grau mais alto e, graças à
imbibição feita pela comida carnuda e à coagulação perfeita que se segue, o Rebis está cada
vez mais avermelhado para solidificar, ou melhor, para vitrificar, em uma substância com uma
cor vermelha perfeita.
A ressurreição da Fase Branca foi seguida pela perfeita Reparação da Fase Vermelha: o espírito
"retornou à Terra", retornou para se juntar a um corpo agora perfeito, atingindo uma
individuação completa.

29

O Regime do Sol, o último dos sete, representa a Fase Vermelha ou Rubéo da Terceira Obra,
simbolizada pela águia bicefálica vermelha.

Através de uma maior fixação, esta substância vermelha é transformada em Elixir Vermelho,
também chamado de Pedra Vermelha da Segunda Ordem, que, oportunamente Multiplicada e
Fermentada, terá o poder de transmutar os metais em ouro (outros autores chamam esta
substância fixada de Enxofre Vermelho Incombustible e eles se referem a ele como a Pedra
Vermelha da Primeira Ordem).

30

A Pedra Branca, obtida em Albedo e a Pedra Vermelha, obtida no Rubedo, ainda não são
perfeitas, pois ainda não têm o poder de transmutar os metais em Prata e Ouro,
respectivamente. Para isso, devemos sujeitar essas substâncias a Multiplicações que permitem
que a Pedra aumente em quantidade (peso e volume) e qualidade (energia).
Na prática, é uma questão de redissolver a Pedra em uma quantidade apropriada de Dissolver
Mercúrio (para ser entendido como Segundo Mercúrio ou Mercúrio Filosófico), fazendo com
que reveja, cada vez mais brevemente, toda a sucessão dos Sete Regimes de Culinária (isto se
quisermos multiplicar a Pedra Vermelho, para a Pedra Branca, os primeiros quatro Regimes
são repetidos).

O Elixir Branco ou Vermelho, assim multiplicado, é transformado em Medicina Universal ou


Pedra Filosofal (Bianca ou Rossa), também chamada Pietra del Terzo Ordine *.

* [Por favor, note que aqui pode haver uma "derrapagem" dos nomes: os autores que chamam
a substância fixa obtida do Regime da Lua e do Regime do Sol como Pedra de Primeira Ordem
então falam de duas Multiplicações sucessivas. A Primeira Multiplicação transformará o
Incombustible de Enxofre em Elixir ou Pedra de Segunda Ordem; A Segunda Multiplicação
transformará este Elixir em Medicina Universal ou Pedra da Terceira Ordem.]

31

A Medicina Universal ou a Pedra Filosofal (Branca ou Vermelha) é a Pedra da Terceira Ordem,


obtida das Multiplicações. Também é chamado de Tintura Branca ou Tinta Vermelha. Seu
símbolo é o Phoenix, que renasce de suas próprias cinzas (ou seja, de sua própria dissolução)
no final de cada Multiplicação.
Por ter um poder transmutador, esta pedra deve ser "orientada" para a produção de prata ou
ouro. Esta "orientação" da Pedra é Fermentação. Consiste na prática em fundir a Pedra
Filosofal Branca com uma pequena quantidade de Prata ou a Pedra Filosofal Vermelha com
uma pequena quantidade de Ouro.

32

O que é obtido a partir da Fermentação é o Pó de Projeção (Branco ou Vermelho), que


finalmente possui o poder de transmutar os metais.

A operação de transmutação é chamada de Projeção: consiste em lançar uma pequena


quantidade de Pó de Projeção (fechado, para protegê-lo, em uma pequena cera) no metal em
fusão. Instantaneamente, o Pó de Projeção Branco irá transmitir o metal em Prata; O Red
Projection Powder irá transmitir o metal em ouro.

A ópera é realizada.
Além da transmutação, no entanto, são possíveis outros usos da Pedra Filosofal:

1. Adequadamente dissolvido em álcool, a Pedra se tornará Potable Gold ou Universal


Medicine propriamente dito: uma droga que permitirá curar qualquer doença física e garantir
a longevidade.

2. Ou, através de uma série de Multiplicações repetidas, empurradas para o limite extremo,
será possível transformar a Pedra em Luz Inextinguível, quase uma forma de energia radiante
pura que testemunha o triunfo absoluto da Luz e a conquista bem sucedida pela Alquimista da
dimensão transcendente.

Você também pode gostar