Você está na página 1de 5

1

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I

RESUMO DA AULA TEÓRICA 13


Livro do Stewart: Seções 4.1 a 4.3.

MÁXIMOS E MÍNIMOS ABSOLUTOS:


revisão da aula teórica 6

Definição: O máximo absoluto de uma função f em um intervalo I é o maior valor


possível de f ( x ) quando x varia em todo o intervalo I . Analogamente, o mínimo
absoluto de uma função f em um intervalo I é o menor valor de f ( x) quando x
percorre todo o intervalo I .

Teorema: Toda função contínua em um intervalo fechado  a , b  possui máximo e


mínimo absolutos.

As figuras a seguir ilustram que esse resultado pode ser falso caso alguma hipótese do
teorema não seja satisfeita.

Pergunta: como determinar os valores de máximo e de mínimo absolutos de uma


função contínua definida em um intervalo fechado? Veremos que, para responder essa
pergunta, é conveniente o estudo dos pontos de máximo e mínimo locais da função.

MÁXIMOS E MÍNIMOS LOCAIS

Definição: Uma função f , definida num intervalo I , tem máximo local em x  c se


existir  0 tal que f ( x )  f (c) para todo x  c   , c    . Analogamente, dizemos
que essa função tem mínimo local em x  c se existir  0 tal que f (c )  f ( x) para
todo x  c   , c    . Observe que, nessas definições, c deve estar no interior do
intervalo I . (veja próxima ilustração)
2

Observação: o valor de máximo absoluto de uma função contínua f definida em um


intervalo fechado  a , b  é o maior dos valores dos seus máximos locais, ou então é
igual a f (a) ou f (b) .

Dessa observação, vemos que para encontrar os valores de máximo e de mínimo


absolutos de uma função contínua definida em um intervalo fechado  a , b  devemos
pesquisar esse valor entre todos os valores de máximo e de mínimo locais. Portanto,
para responder a pergunta do início da aula, precisamos responder a seguinte questão:

Pergunta: como determinar os valores de máximo e de mínimo locais?

A próxima figura ilustra uma vizinhança de um máximo e de um mínimo local de uma


função derivável f .

Na figura anterior, aparentemente nos pontos de máximo e de mínimo locais as retas


tangentes são horizontais e, portanto tem inclinação igual à zero. Isso implica que no
ponto de máximo x  c e no ponto de mínimo x  d a derivada da função é igual a zero:
f (c)  0 e f (d )  0 . De fato isso é verdade como está afirmado no próximo teorema.
3

Teorema de Fermat: se uma função f tiver um máximo ou mínimo local em x  c e


f for derivável nesse ponto, então f (c)  0 .

Observação: dependendo do desenvolvimento da aula, demonstrar esse resultado.

Observação: evidentemente, o teorema anterior não se aplica para funções que não
possuem derivada em algum ponto. Por exemplo, a função modular y  | x | tem mínimo
absoluto em x  0 mas não tem reta tangente horizontal nesse ponto. Portanto,
concluímos que num ponto de máximo ou mínimo local x  c ou não existe f (c) ou,
caso exista, o valor de f (c ) deve ser igual a zero. O próximo quadro resume essa
conclusão:

Definição: um ponto crítico de uma função f é um número c , no domínio de f , tal


que f (c)  0 ou f (c) não existe.

Teorema: se uma função f tiver um máximo ou mínimo local em x  c , então c é um


ponto crítico de f .

** CAUTELA ** O resultado anterior não afirma que num ponto crítico de uma função
f existirá um máximo ou mínimo absoluto. Exemplo: se f ( x)  x 3 , então x  0 é ponto
crítico, mas não é ponto de máximo ou mínimo local.

Para concluir a discussão sobre a procura dos pontos de máximo e de mínimo absolutos
de uma função contínua f definida num intervalo fechado  a , b  observamos,
novamente, que ou esses pontos são máximos ou mínimos locais de f , ou são extremos
do intervalo de definição de f .

Determinação de máximo e mínimo absolutos: seja f uma função contínua definida


num intervalo fechado  a , b  . Os valores de máximo e mínimo absolutos de f podem
ser encontrados seguindo-se o seguinte roteiro:

1. encontre os valores f (c) para todo ponto crítico c no intervalo aberto a , b  ;


2. calcule os valores f ( a ) e f (b) ;
3. o maior valor encontrado nas etapas 1 e 2 é o máximo absoluto de f . Por outro lado,
o menor valor encontrado nas duas etapas anteriores é o mínimo absoluto de f .

Observação: esse procedimento funciona bem quando a função possui um número finito
de pontos críticos no intervalo fechado  a , b .
4

Exemplos: em cada item, determine os valores de máximo e de mínimo absolutos da


função dada no domínio dado.

(a) y  2 x  3 x  12 , x real.
3 2
(b) y  x 3

, para x   1 , 2 .
, no intervalo  0 , 3  .
x
(c) y 
1 x2

COMO O SINAL DA DERIVADA AFETA O GRÁFICO DA FUNÇÃO:


Teste da Derivada Primeira

Nesta aula veremos que o sinal da deriva primeira de uma função f define o
comportamento (crescente/decrescente) dessa função.

Teorema do Valor Médio: Seja f uma função contínua no intervalo fechado  a , b  e


derivável no intervalo aberto  a , b  . Então, existe pelo menos um c pertencente ao
f (b)  f (a)
intervalo  a , b  tal que f ' (c)  .
ba

Observação: interpretar geometricamente esse resultado (figura abaixo) e, dependendo


do desenvolvimento da aula, apresentar uma demonstração.

Exemplo 1 : Ilustrar o Teorema do Valor Médio para a função f ( x)  x 2 , definida no


intervalo fechado  2 , 5 .
Exemplo 2: Questionar porque o Teorema do Valor Médio não é satisfeito para a função
2

f ( x)  x 3 , definida no intervalo fechado   1 , 1  .


5

Definição: Uma função f é crescente num intervalo I se, para quaisquer pontos x1 e
x 2 em I , a desigualdade x1  x 2 implicar em f ( x1 )  f ( x 2 ) . Por outro lado, a função f
é decrescente num intervalo I se, para quaisquer pontos x1 e x 2 em I , a desigualdade
x1  x 2 implicar em f (x1 )  f ( x 2 ) .

Teste da derivada primeira: seja f uma função derivável em um intervalo aberto I .


Então:

 Se f ( x)  0 , para todo x  I , então f é crescente em I .


 Se f ( x )  0 , para todo x  I ,então f é decrescente em I .
 Se f ( x )  0 , para todo x  I , então f é constante em I .

Observação: interpretar geometricamente esse resultado através do desenho de alguns


gráficos e, dependendo do desenvolvimento da aula, demonstrar algum caso a partir do
Teorema do Valor Médio.

Exemplo: determine os intervalos em que a função f ( x)  2 x 3  3 x 2  12 x  5 é


crescente e os intervalos em que ela é decrescente.