Você está na página 1de 54

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

DEPARTAMENTO DE FÍSICA TEÓRICA E EXPERIMENTAL

Apostila de Eletromagnetismo

Prof. Marcio Assolin Corrêa

Natal, 28 de Julho de 2011.


2

Prefácio

Esta apostila tem como objetivo ser um material de apoio aos alunos do curso de Eletricidade e
Magnetismo dos cursos de Física e Engenharias da UFRN. Os exemplos foram retirados de livros textos tradicio-
nalmente utilizados nos cursos de graduação de Física e Engenharias, tais como os livros dos autores: Tipler &
Mosca, Halliday & Resnick, Sears & Zemansky e Moisés e Alaor Chaves. O texto pode conter erros e gostaria
de pedir a ajuda de meus alunos enviando as correções para o email: marciocorrea@dfte.ufrn.br. Esta apostila
está montada até circuitos RC. Falta ainda a conclusão da parte do Magnetismo, circuitos de corrente alternada
e Equações de Maxwell. No transcorrer do semestre tais tópicos poderão ser adicionados.
Abraços a todos e vamos ao estudos.
Sumário

1 Eletricidade 7
1.1 Carga Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.2 Quantização da Carga Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.2.1 Conservação da Carga Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.2.2 Condutores e Isolantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.2.3 Carga por Indução - Eletroscópio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.3 Lei de Coulomb . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.3.1 Princípio da Superposição e a Lei de Coulomb: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

2 Campo Elétrico 13
2.1 Dipolos Elétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.1.1 Linhas de Campo Elétrico: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.1.2 Movimento de carga elétrica em campos elétricos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.1.3 Dipolos elétricos nos campos elétricos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

3 Campo Elétrico: Distribuições contínuas de carga 19


3.1 Campo Elétrico gerado por um segmento reto finito de carga: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
3.1.1 Campo Elétrico sobre o eixo do segmento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
3.2 Campo elétrico fora do eixo do segmento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
3.3 ~ sobre o eixo de um anel carregado: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Campo E 23
3.4 ~ sobre o eixo de um disco carregado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Campo elétrico E 24
3.5 O fluxo Elétrico: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3.6 Lei de Gauss para Eletricidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
3.7 Cálculo do campo elétrico a partir da Lei de Gauss: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
3.7.1 Simetria Plana: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
3.7.2 Simetria Esférica: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

4 O Potencial Elétrico 33
4.1 Diferença de Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
4.2 Potencial Elétrico devido a um sistema de cargas puntiformes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
4.2.1 Sistemas de Cargas Pontuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4.3 Cálculo do Campo Elétrico a partir do Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
4.4 Cálculo do potencial V para distribuições contínuas de carga: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
4.4.1 Potencial V no eixo de um anel carregado: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
4.4.2 Potencial elétrico V no eixo de um disco uniformemente carregado: . . . . . . . . . . . . 39

5 Capacitância 41

3
4 SUMÁRIO

5.1 Capacitores: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
5.1.1 Capacitor de placas paralelas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
5.1.2 Capacitor Cilíndricos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
5.2 Armazenamento de energia elétrica: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.3 Associação de Capacitores: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.3.1 Paralelo: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.3.2 Série: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
5.4 Dielétricos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

6 Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua (CC): 47


6.1 A corrente e o movimento das cargas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
6.1.1 Sentido da corrente elétrica: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
6.2 Resistência e Lei de Ohm: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
6.3 Energia nos Circuitos Elétricos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
6.4 Força Eletro Motriz (E) e Baterias: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
6.5 Associação de Resistores: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
6.5.1 Associação em série: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
6.5.2 Associação em Paralelo: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
6.6 Leis de Kirchhoff: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
6.7 Circuitos RC: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
6.7.1 Carga de um Capacitor: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Lista de Figuras

1.1 Forma de verificar se o objeto está ou não eletrizado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7


1.2 Série Triboelétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.3 Eletrização por indução - Polarização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.4 Eletrização por indução - Polarização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.5 Eletrização por indução - Polarização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.6 Cargas q1 e q2 dispostas sobre um plano cartesiano para definor o vetor posição de cada uma. . . . 10

2.1 Cargas localizadas em um plano cartesiano e suas respecitivas posições. . . . . . . . . . . . . . . 13


2.2 Representação do dipolo elétrico. Duas cargas de mesma intensidade porem de sinais opostos
separados por uma distância |L| . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.3 Representação das linhas de campo elétrico gerado por cargas pontuais. (a) campo para carga
positiva com as linhas divergindo da carga pontual. (b) campo para a carga negativa com as linhas
convergindo da carta pontual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.4 Dipolo elétrico submetido a um campo elétrico E ~ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

3.1 Corpo com formato aleatório carregado, destacando um elmento de carga dq que será considerado
para o inicio do calculo do campo elétrico no ponto P. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
3.2 Linha de carga carregada para o calculo do campo no ponto P. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
3.3 Linha de carga para o cálculo do campo fora do eixo do mesmo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
3.4 Anel carregado no plano yz para o cálculo do campo sobre o eixo do anel, neste caso também
sobre o eixo x. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
3.5 Disco carregado para o cálculo do campo elétrico no ponto sobre o eixo x. . . . . . . . . . . . . . 24
3.6 Fluxo elétrico onde podemos perceber as linhas de campo elétricos atravessando a área A . . . . . 25
3.7 Carga pontual q no centro de uma superfície gaussiana de raio R. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
3.8 Três cargas puntiformes, sendo que q3 encontra-se fora da superfície, não contribuindo assim para
o fluxo elétrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
3.9 Plano infinito carregado e a superfície cilindrica caussiana escolhida para calcular o campo. Nesta
~ o campo elétrico gerado pelo plano. . . . . . . . . . . . . . .
figura n̂ é a normal a superfície e E 27
3.10 Casca esférica carregada com uma carga Q e raio R, a linha tracejada refere-se a superfície gaus-
siana de raio r. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
3.11 Esfera não condutora de raio R carregada com uma densidade de carga ρ uniformemente distri-
buída. Nesta situação temos que r > R, onde r é o raio da superfície gaussiana. . . . . . . . . . . 30
3.12 Grafico do campo elétrico Er em função do raio r da gaussiana. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
3.13 Grafico para o comportamento do campo elétrico de uma casca esferica. . . . . . . . . . . . . . . 31

4.1 Diferença de potencial elétrica entre dois pontos a e b. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34


4.2 Carga puntiforme q e dois pontos de referência para o cálculo da diferença de potencial. Nesta
figura d~l é o elemento de deslocamento e r̂ é o versor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
4.3 Anel carregado para o cálculo do potencial elétrico no ponto P . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

5
6 LISTA DE FIGURAS

4.4 Anel carregado uniformemente para o calculo do potencial elétrico no ponto "P"sobre o eixo do
disco. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

5.1 Capacitor de placas paralelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42


5.2 Capacitor de placas cilíndricas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
5.3 Associação de capacitores em paralelo, ligado a uma fonte de tensão submetida a uma diferença
de potencial V . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.4 Associação em série de capacitores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

6.1 Fio condutor submetido a uma diferença de potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47


6.2 Fio condutor acoplado com uma bateria que gera uma tensão V com a chave S aberta. Perceba o
movimento aleatório dos elétrons, provavelmente gerado pela agitação térmica. . . . . . . . . . . 47
6.3 Representação da direção da corrente elétrica em um circuito elétrico. . . . . . . . . . . . . . . . 48
6.4 (a) Curva I × V para um elemento resistivo com comportamento Ôhmico. (b) Curva I × V para
um elemento resistivo não ôhmico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
6.5 Resistor com a codificação de cores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
6.6 (a) Bateria Ideal onde a queda de potencial no resitor é igual a FEM gerada pela fonte. (b) Bateria
real, onde a queda de potencial sobre o resistor é diferente da FEM produzida pela bateria. Nesta
figura r é a resistência interna da bateria. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
6.7 Associação de resistores em série . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
6.8 Associação de resistores em paralelo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
6.9 Circuito de múltiplas malhas onde existe a necessidade de solução a partir das Leis de Kirchhoff. . 53
6.10 Circuito RC utilizado para o cálculo da carga e descarga de capacitores. . . . . . . . . . . . . . . 53
Capítulo 1

Eletricidade

1.1 Carga Elétrica


A existência de carga elétrica foi percebida através da fricção de diferentes materiais. Quando isso ocorre cargas
elétricas (elétrons) são transferidos de um corpo para outro, dependendo da composição do material atritado, estes
podem permanecer carregados localmente ficando assim com excesso de carga positiva ou negativa localmente.
Existe uma série denominada Série Triboelétrica. Nesta série quanto mais abaixo o material se encontrar maior
será sua afinidade com os elétrons. Desta forma se dois materiais desta tabela forem atritados o que estiver mais
abaixo ficará carregado negativamente.

Série Triboelétrica
Amianto
Vidro
Nylon
Madeira
Couro
Alumínio
Papel
Algodão
Plástico
Borracha de Silicone

Figura 1.2: Série Triboelétrica

Figura 1.1: Forma de verificar se o objeto está ou não eletrizado.

1.2 Quantização da Carga Elétrica


A transferência de carta elétrica de um corpo para outro só pode ser realizado em números inteiros de carga
elétrica. Desta forma, um analise atômica torna-se necessária. Um átomo é formado pelo núcleo com prótons
(Carga positiva) e Nêutrons (carga elétrica total nula) e pelos elétrons que orbitam ao redor do núcleo com carga
elétrica negativa. Considerando que são os elétrons que tem a capacidade de se ”movimentar” então a carga elétrica
transferida com a movimentação de um elétron é

7
8 CAPÍTULO 1. ELETRICIDADE

e = 1.6 × 10−19 C (1.1)

Assim, a carga elétrica total transferida de um material para outro é um número inteiro do valor da carga elétrica
do elétron, ou seja

Q=N ·e (1.2)

Onde N = 0, 1, 2, 3 é um número inteiro. A unidade no SI para a carga elétrica é o Coulomb (C).

1.2.1 Conservação da Carga Elétrica


Quando dois corpos são friccionados os elétrons de um corpo são transferidos para o outro. Considerando que,
inicialmente, os dois corpos estavam neutros eletricamente estes ficarão com o mesmo valor cargas elétricas porem
com sinais contrários. Isso ocorre pois existe o que denominamos de conservação de carga elétrica. Ou seja,
durante este processo não ocorre o surgimento nem mesmo o desaparecimento de carga elétrica.
Exemplo: Uma moeda de cobre (Z = 29) possui uma massa de 3g. Qual a carta elétrica total de todos os
elétrons desta moeda?
Solução: Em um átomo de ”Cu” existem 29 elétrons de modo que a carga elétrica de elétrons em um átomo é

Q = −29e

Devemos descobrir agora quantos átomos de cobre existem em 3g de ”Cu”. Levando em consideração que a massa
molar é 63, 5g/mol para o cobre. Assim temos que

NA m
N=
M
onde NA é o número de Avogrado, m a massa da amostra e M a massa molar. Substituindo os valores temos

3 · 6, 02 × 102 3
N= = 2, 84 × 1022
63, 5

Com isso a carga total de elétrons é

Q = −29 · 2, 84 × 1022 · 1, 60 × 10−19 = 1, 32 × 105 C

1.2.2 Condutores e Isolantes


Existem determinados materiais, como o cobre, qe apresentam uma relativa mobilidade nos elétrons das camadas
mais afastadas do núcleo. Esta mobilidade de elétrons caracteriza os materiais ditos condutores. No entanto,
existe ainda materiais que não permitem a mobilidade de elétrons com no cobre, a estes materiais denominamos
de isolantes. Vale salientar que existe ainda os materiais denominados semi-condutores que não serão estudados
nesta etapa de estudos.

1.2.3 Carga por Indução - Eletroscópio


Considerando duas esferas idênticas e condutoras e uma haste isolante carregada eletricamente (positivamente)
podemos realizar a eletrização por indução tomando os seguintes procedimentos.

Exercícios:
Duas esferas condutoras idênticas, uma com carga inicial +Q e outra inicialmente descarre-
gada, são colocadas em contato. (a) Qual é o valor da nova carga em cada uma das esferas?
(b) Enquanto as esferas estão em contato, uma barra com carga negativa é aproximada de
uma das esferas, fazendo com que ela fique com uma carga igual a +2Q. Qual será o valor
da carga na outra esfera?
1.2. QUANTIZAÇÃO DA CARGA ELÉTRICA 9

Situação 01

Os elétrons são atraídos pela haste carregada positiva-


mente polarizando a esfera metálica, ou seja, separando
as cargas elétricas positivas e negativas. Se a haste for re-
tirada estas cargas irão se redistribuir e a esfera se tornará
não polarizada novamente.

Figura 1.3: Eletrização por indução - Polarização

Situação 02

Devido ao contato elétrico entre as duas esferas os elé-


trons se ”aglomeraram” próximo ao bastão carregado. Se
as esferas forem afastadas imediatamente, elas irão se tor-
nar carregadas com a mesma carga elétrica porem com
sinais opostos.

Figura 1.4: Eletrização por indução - Polarização

Situação 03

Após os bastão se afastar as esferas estão eletrizadas e a


carga irá se distribuir uniformemente por toda superfície.

Figura 1.5: Eletrização por indução - Polarização


10 CAPÍTULO 1. ELETRICIDADE

Exercícios:
Duas esferas idênticas são carregadas por indução e, em seguida, separadas. A esfera 1 possui
uma carga +Q e a esfera 2 uma carga −Q. Uma terceira esfera idêntica está inicialmente
descarregada. Se as esfera 3 entra em contato com a esfera 1 e se afasta, e em seguida, entra
em contato com a esfera 2 e é separada, qual será as cargas finais em cada uma das 3 esferas?

1.3 Lei de Coulomb


A atração ou a repulsão entre cargas elétricas é um conhecimento intuitivo atualmente, contudo foi Charles Cou-
lomb que em 1785 desenvolveu uma relação matemática capaz de quantizar a tal interação. Se considerarmos duas
cargas q1 e q2 localizadas nas posições ~r1 e ~r2 representada na figura 1.6. Utilizando o sistema de coordenadas
cartesianas desta figura podemos escrever os vetores ~r1 e ~r2 na forma:

Figura 1.6: Cargas q1 e q2 dispostas sobre um plano cartesiano para definir o vetor posição de cada uma.

~r1 = x1 î + y1 ĵ (1.3)

~r2 = x2 î + y2 ĵ (1.4)

A distância entre ~r1 e ~r2 é dada por,

~r2 − ~r1 = (x2 − x1 )î + (y2 − y1 )ĵ = ~r21 (1.5)

onde podemos definir o versor (vetor com módulo unitário) como sendo

~r21
r̂21 = (1.6)
|r21 |

Considerando esta representação vetorial, Coulomb formulou que a força de repulsão que a carga q2 gera
sobre a carga q1 (considerando que temos duas cargas positivas) tem a forma,

q1 q2
F~21 = k rˆ21 (1.7)
|r21 |2

onde a constante de Coulomb (k) é dado por

1 1
k= = = 8, 99 × 109 N · m2 /C 2
4πo 4π8, 85 × 10−12

Para calcular o módulo da força basta tomar

|q1 ||q2 |
|F21 | = k (1.8)
r2
1.3. LEI DE COULOMB 11

Exemplo:
Em um átomo de Hidrogênio, o elétron é separado do próton por uma distância média de aproximadamente 5, 3 ×
10−11 m. Calcule o módulo da força eletrostática de atração exercida pelo próton sobre o elétron.
Solução:
Considerando que o módulo da carga do elétron e do próton é |qe | = |qp | = 1, 6 × 10−19 o módulo da força é
calculado com

|qe ||qp |
F =k = 8, 19 × 10−8 N
r2
Tal força pode ser considerada muito pequena, contudo se considerarmos que esta força pode estar atuando sobre um
elétron,que tem uma massa extremamente pequena (9, 109 × 10−31 kg) ela irá acelerar consideravelmente o elétron.

1.3.1 Princípio da Superposição e a Lei de Coulomb:


Da mesma forma que na gravitação, o princípio da superposição é válido também para a eletrostática, desta forma
o cálculo da força resultante sobre uma determinada carga torna-se relativamente simples, pois passa a ser uma
operação de adição vetorial. Para comprovar isso iremos desenvolver um exemplo simples.

Exemplo: A carga q1 = +25nC está na origem, a carga q2 = −15nC está sobre o eixo x em x = 2m e a carga
qo = +20nC está posicionada em um ponto com as coordenadas x = 2m e y = 2m conforme mostrado na figura
abaixo. Determine o módulo, a direção e o sentido da força resultante sobre qo .

Inicialmente precisamos encontrar os vetores que posicionam as partí-


culas no plano cartesiano
~
ro = 2î + 2ĵ
~
r1 = 0î + 0ĵ
~
r2 = 2î + 0ĵ

Desta forma a distância entre as partículas pode ser calculado facilmente

~ ro − ~
r10 = ~ r1 = 2î + 2ĵ
~ ro − ~
r20 = ~ r1 = 2ĵ
de onde podemos calcular os versores que tem a forma
√ √
2 2
r̂10 = î + ĵ
2 2

r̂20 = ĵ
Podemos utilizar os principio da superposição e calcular a força que a carga q1 atua sobre a carga qo e a força que a
carga q2 atua sobre a carga qo independentemente e depois somar vetorialmente. Desta forma, temos

~10 = k qo q1 r̂10
F
|r10 |2
~20 = k qo q2 r̂20
F
|r20 |2
~R é a soma destes dois últimos, assim
O vetor resultante, representado na figura F
2
~R =
X qo qi
F k 2 r̂i
i=1
|r|i
Substituindo os valores numéricos do enunciado e os vetores temos que
√ √ ! !
~R = 8, 99 × 109 20 × 10−9 · 25 × 109 2 2 20 × 10−9 · −15 × 109
F √ î + ĵ + ĵ
|2 2|2 2 2 |2|2
Resultando em uma força dada por
 
~ R = 3, 973 × 10−7 î − 2, 767 × 10−7 ĵ
R
12 CAPÍTULO 1. ELETRICIDADE
Capítulo 2

Campo Elétrico

Considerando uma carga inicial q em uma determinada região do espaço. Aproximando uma carga −q desta
primeira verificamos que as duas cargas se atraem mutuamente e a intensidade desta força pode ser calculada a
partir da Lei de Coulomb. Em um segundo momento, se aproximarmos uma carga +q da primeira carga citada
acima, uma força de repulsão com o mesmo módulo surge. Assim podemos pensar que ao entorno da primeira
carga existe um "campo"de força característico, da mesma forma que pensamos em campos gravitacionais em
torno se corpos que contem massa. Este campo existe independentemente de aproximarmos uma outra carga teste.
Denominaremos este campo como sendo o campo elétrico. Este campo pode ser calculado a partir da Lei de
Coulomb. O campo elétrico pode ser obtido retirando-se a carga teste da Lei de Coulomb, ou seja, divide-se a Lei
de Coulomb pela carta teste.

~
~ = F
E (2.1)
qo

onde, neste equação qo é a denominada carga teste, que será sempre positiva para nós. A unidade no SI tem a
forma [E] = N/C. Poemos perceber desta última equação que o campo elétrico é uma grandeza vetorial assim
como a força, se considerarmos que a carga é um escalar, o vetor campo elétrico é um vetor com mesma direção e
sentido da força obtida da Lei de Coulomb, contudo seu módulo é menor que o da Força.
Pode existir situações em que precisamos calcular o campo elétrico total atuante sobre uma carta teste qo
gerado por varias outras cargas localizadas no espaço. Um exemplo está exposto na figura ?? O campo elétrico
atuante sobre a carga qo é a soma vetorial do campo gerado por cada uma das cargas q1 , q2 e q3 localizadas nas
posições ~r1 , ~r2 e ~r3 , respectivamente. Assim temos que

~ =k
X qi
E r̂i,0 (2.2)
|ri,0 |2

onde ~ri é o vetor posição de cada uma das cargas que geram um campo na posição onde se encontra qo localizada
na posição ~ro .

Figura 2.1: Cargas localizadas em um plano cartesiano e suas respectivas posições.

13
14 CAPÍTULO 2. CAMPO ELÉTRICO

Exemplo:
Quando uma carga de prova de 5nC é colocada em um certo ponto, ela fica sujeita à ação de
uma força de 2 × 10−4 N no sentido do aumento da coordenada x. Qual o valor do campo
~ atuante naquele ponto.
elétrico E

Solução: Neste caso temos um exemplo bastante simples, basta substituir na expressão para
o campo elétrico os valores indicados no enunciado, assim

~ −4
~ = F = 2 × 10 î = 4 × 104 N î
E
q 5 × 10−9 C

Exemplo:
Uma carga positiva q1 = +8nC é posicionada na origem, e uma segunda carga positiva
q2 = +12nC é colocada sobre o eixo x a uma distância a = 4m da origem. Determine o
campo elétrico resultante em (a) no ponto P1 sobre o eixo x em x = 7m e (b) no ponto P2
sobre o eixo x em x = 3m

Solução:
O campo elétrico no ponto P pode ser calculado a partir
da expressão X qi
E~ =k rˆi
|ri |2
Inicialmente iremos definir os vetores r̂i onde i = 1, 2 neste caso, para a carga q1

~r1,p = ~rp − ~r1


onde ~rp = 7î e ~r1 = 0î assim temos que

r̂1,p = î |r1,p | = 7
Substituindo estes valores no cálculo do campo elétrico vem

~ 1,p = kq1 r̂1,p = 1, 47 N î


E
|r1,p |2 C

Para a carga q2 temos que:

~r2,p = ~rp = ~r2


onde ~rp = 7î e ~r2 = 4î assim temos que

r̂2,p = î |r2,p | = 3
Substituindo estes valores no cálculo do campo elétrico vem

~ 2,p = kq2 r̂2,p = 11, 98 N î


E
|r2,p |2 C

somando as contribuições de cada uma das cargas

~ = 1, 47 N î + 11, 98 N î = 13, 45 N î
E
C C C
b) Este item fica como um exercício, o procedimento é o mesmo realizado acima.

2.1 Dipolos Elétricos


Quando duas cargas iguais porem com sinais contrários estão separadas por um pequena distância L definimos o
momento de dipolo elétrico como sendo
2.1. DIPOLOS ELÉTRICOS 15

~
p~ = q L (2.3)

onde L ~ é o vetor que vai da carga negativa até a carga positiva. A figura 2.2 representa o dipolo descrito acima. Esta
configuração de carga é importante para algumas aplicações práticas como iremos verificar adiante. Alguns mate-
riais tem a capacidade de polarizar suas moléculas tornando-se assim dipolos elétricos que poderão ser utilizados
para aumentar a capacitância de um capacitor.

Figura 2.2: Representação do dipolo elétrico. Duas cargas de mesma intensidade porem de sinais opostos separados por uma distância |L|

Exemplo:
Uma carga +q é posicionada em x = a e uma segunda carga −q é colocada em x = −a,
conforme figura abaixo. (a) Determine o campo elétrico sobre o eixo x em um ponto arbitrário
x > a. (b)Determine o valor limite do campo elétrico para x >> a.

Solução:
O cálculo do campo elétrico pode ser realizado utilizando
a expressão geral para o campo elétrico, ou seja
X qi
E~p = k r̂i,p
|ri,p |2
para encontrar a solução devemos encontrar os vetores ~r1,p e ~r2,p . Tais vetores tem a forma

~r1,p = ~rp − ~r1 = (x + a)î r̂1,p = î |r1,p | = (x + a)

~r2,p = ~rp − ~r2 = (x − a)î r̂2,p = î |r2,p | = (x − a)


com isso podemos escrever o campo elétrico na forma

~p = −kq kq
E î + î
(x + a)2 (x − a)2
ou ainda, manipulando algebricamente (fica com exercício para você)
 
~ 4xa
Ep = kq î
(x2 − a2 )2
b) Quando tomamos (x >> a) então podemos realizar uma aproximação de modo que (x2 +
a2 )2 ≈ (x2 + 02 )2 ≈ x4 , ou seja, se x >> a então x2 é muito maior que a2 de forma que
podemos desprezar este termo no denominador do resultado anterior. O resultado fica então
na forma

E~ p = 4qa î
x3
Considerando a segunda parte do exemplo acima, verificamos que se trata de um dipolo elétrico onde a distância
entre as cargas é 2a. Desta forma podemos escrever a intensidade do vetor campo elétrico em função do momento
de dipolo elétrico como sendo

2k2aq 2kp
E= 3
= 3 (2.4)
x x

2.1.1 Linhas de Campo Elétrico:


O campo elétrico pode ser representado por linhas que indicam a direção do campo e da força em qualquer posição
do espaço. Para uma carga pontual positiva o campo elétrico é radial e direcionado para fora da mesma, já para
16 CAPÍTULO 2. CAMPO ELÉTRICO

uma carga pontual negativa o campo é também radial contudo direcionado na direção da carga, a figura 2.3 mostra
esta configuração.

Figura 2.3: Representação das linhas de campo elétrico gerado por cargas pontuais. (a) campo para carga positiva com as linhas divergindo da
carga pontual. (b) campo para a carga negativa com as linhas convergindo da carta pontual.

2.1.2 Movimento de carga elétrica em campos elétricos:


~ esta partícula ficará sujeita a
Quando uma partícula carregada com carga q é submetido a um campo elétrico (E)
uma força dada por,

F~ = Eq
~ (2.5)

Lembrando a 2o Lei de Newton F~ = m~a podemos calcular a aceleração de uma partícula com massa "m"carregada
com uma carga "q".

P~
F q ~
~a = = E (2.6)
m m

Esta expressão se tornou importante, principalmente, pela possibilidade de se obter a razão carga/massa de uma
determinada partícula. Isto possibilitou a obtenção da massa do elétron. No entanto mudanças importantes foram
feitas quando as velocidades são da ordem da velocidade da luz (correções relativísticas necessitam ser feitas).

Exemplo:
Um elétron é projetado em um campo elétrico uniforma E ~ = 1000N/C î, com uma veloci-
dade inicial vo = 2 × 106 m/sî. Qual é a distância percorrida pelo elétron antes de parar
momentaneamente?

Solução: Considerando que a massa do elétron é dada por me = 9, 11 × 10−31 kg e a carga


e = −1, 6 × 10−19 C é possível calcular a aceleração imposta sobre o elétron com

q ~ (−1, 6 × 10−19 )
~a = E= · 1000 = −1, 76 × 1014 m/s2
m (9, 11 × 10−34 )
Da equação de Torricelli podemos calcular o espaço percorrido antes de parar momentanea-
mente

v 2 = vo2 + 2a∆x
onde a velocidade final v é nula e o restante dos dados foram calculados ou estão no enunciado
do exemplo

02 = (2 × 106 )2 − 2 · 1, 76 × 101 4 · ∆x

∆x = 1, 14cm
2.1. DIPOLOS ELÉTRICOS 17

2.1.3 Dipolos elétricos nos campos elétricos:

Algumas moléculas possuem momentos de dipolo elétrico permanente devido a uma distribuição não uniforme das
cargas elétricas em seu interior. Em outras moléculas uma polarização acontece quando submetidas a um campo
elétrico. A água é um exemplo importante deste efeito. Conforme mostrado na figura 2.4 a força F~1 e a força F~2
atuantes sobre as cargas fazem com que o dipolo sofra um torque para se alinhas na direção do campo elétrico.
com isso o torque pode ser dado por

~
Figura 2.4: Dipolo elétrico submetido a um campo elétrico E

~
~τ = p~ × E (2.7)

o módulo do produto vetorial descrito acima pode ser calculado com

τ = pEsen(θ) (2.8)

Se tal dipolo elétrico sofre um torque, então o campo elétrico está realizando um trabalho sobre dipolo, podemos
associar este trabalho com a energia potencial elétrica associada ao dipolo elétrico. Podemos escrever o elemento
de trabalho associado a um elemento de rotação como sendo

dW = −τ dθ (2.9)

substituindo a equação 2.8 na equação 2.9, vem

dW = −pEsen(θ)dθ (2.10)

O sinal negativo nesta equação indica que o torque é oposto a qualquer incremento no ângulo θ. Fazendo uma
ligação entre o trabalho e a energia potencial na forma

dU = −dW = pEsen(θ)dθ (2.11)

tomando a integral de 2.11

Z Z
dU = pEsen(θ)dθ (2.12)

R
lembrando que sen(θ)dθ = −cos(θ) podemos escrever a energia potencial elétrica associada ao dipolo,

U = −pEcos(θ) = −~ ~
p·E (2.13)

~
que é exatamente o produto escalar entre p~ e E
18 CAPÍTULO 2. CAMPO ELÉTRICO

Exemplo:
Um dipolo com momento de p = 0, 02e · nm faz um ângulo de 20o com um campo elétrico
uniforme de E = 3×103 N/C. Determine (a) o torque sobre o dipolo. (b) a energia potencial
do sistema.

Solução: Sendo e = 1, 6 × 10−19 C e lembrando que 1nm = 1 × 10−9 m o torque pode ser
calculado através de

|τ | = pEsen(θ) = 0, 02 · 1, 6 × 10−19 · 10−9 · 3 × 103 · sen(20o )


|τ | = 3, 28 × 10−27 N m
vale ressaltar que o cálculo acima indica apenas o módulo do torque.
b) Para calcular a energia potencial devemos usar 2.13, assim

U = −pECos(θ) = −9, 02 × 10−27 J


Aqui temos um escalar, uma vez que energia é um escalar.
Capítulo 3

Campo Elétrico: Distribuições contínuas


de carga

Até o momento estudamos as interações e os campos entre cargas elétricas pontuais. No entanto, existe a possi-
bilidade de encontrarmos corpos extensos carregados eletricamente. Estes corpos, por sua vez, irão gerar campos
elétricos em seu entorno. Neste capítulo iremo calcular os campos elétricos gerados por formas simétricas e dis-
tribuições contínuas de carga. Para isso precisamos definir densidade de carga elétrica, da mesma forma como é
definida densidade de massa. Conforme a forma do corpo carregado podemos ter 3 tipos de densidades: Volumé-
trica, Superficial e Linear.

∆Q
ρ= (3.1)
∆V

∆Q
σ= (3.2)
∆A

∆Q
λ= (3.3)
∆L
Se considerar um corpo com uma forma contínua conforme representado na figura 3.1 onde um corpo "C"apresenta-
se uniformemente carregado podemos calcular o campo elétrico no ponto P selecionando-se um elemento de carga
dq e calculando o campo no pondo requerido. Para calcular o campo elétrico total basta "varrer"todo corpo e
utilizar o princípio da superposição (integrando) sobre todo volume do corpo.

Figura 3.1: Corpo com formato aleatório carregado, destacando um elemento de carga dq que será considerado para o inicio do calculo do
campo elétrico no ponto P.

Como exemplo temos o campo elétrico gerado pelo elemento de carga dq no ponto P na forma

~ = kdq
dE r̂1 (3.4)
r12

O campo total é calculado integrando a equação 3.4

19
20 CAPÍTULO 3. CAMPO ELÉTRICO: DISTRIBUIÇÕES CONTÍNUAS DE CARGA

Z
~ = kdq
E r̂ (3.5)
V r2

onde dq pode ser escrito em função da densidade de carga com dq = ρdV , ou dq = σdA, ou dq = λdL.
A partir deste ponto iremos descrever o campo elétrico gerado pro algumas distribuições simétricas de
cargas. Todos os cálculos serão realizados a partir da Lei de Coulomb.

3.1 Campo Elétrico gerado por um segmento reto finito de carga:


3.1.1 Campo Elétrico sobre o eixo do segmento:
Vamos considerar uma barra carregada, no qual denominamos de segmento finito de cargas representados na figura
3.2.

Figura 3.2: Linha de carga carregada para o calculo do campo no ponto P.

Nosso objetivo é calcular o campo elétrico no ponto P, para isso vamos descrever o campo elétrico gerado
pelo elemento de carga dq mais escuro nesta figura gerando um campo dE ~ no ponto P. Tal campo pode ser escrito
como sendo,

~x = kdq
dE î (3.6)
r2
onde r é a distância entre a carga dq e o ponto P, que neste caso é dado por

~r = (xp − x)î (3.7)

substituindo na expressão acima

~x = kdq
dE î (3.8)
(xp − x)2

para integrar esta equação precisamos mudar o elemento de integração, para isso utilizaremos as definições de
densidade de carga, neste caso temos uma densidade linear de carga, assim o elemento de carga dq pode ser escrito
como sendo dq = λdx, substituindo na equação acima vem,

~x = kλdx
dE î (3.9)
(xp − x)2

o campo elétrico total é dado pela integração desta última, para este exemplo, entre os limites −L/2 até L/2.
Como, neste caso k, λ e xp são constantes, então
Z L/2
~ = kλî dx
E (3.10)
−L/2 (xp − x)2

resolveremos esta integral realizando uma mudança de variáveis da seguinte forma

u = xp − x

então, derivando u em função de x


3.2. CAMPO ELÉTRICO FORA DO EIXO DO SEGMENTO: 21

du d
= (xp − x) = −1
dx dx
assim

du = −dx

os limites de integração deverão mudar também de modo que

L L
xi = − ui = xp +
2 2

L L
xf = uf = xp +
2 2
retornando a expressão para o campo elétrico
Z xp −L/2
~ x = −kλî du
E (3.11)
xp +L/2 u2
 x −L/2
1 p
 
~ 1 1
Ex = kλî − = kλî − (3.12)
u xp +l/2 xp − L/2 xp + L/2

manipulando algebricamente encontramos

~x = kλL kq
E î = 2 î (3.13)
(x2p − (L/2)2 ) xp − (L/2)2

onde reescrevemos novamente o resultado em função da carga total da barra.

3.2 Campo elétrico fora do eixo do segmento:


Generalizando o problema anterior vamos calcular o campo elétrico fora do eixo do segmento, para direcionar
nossos estudos observe a figura 3.3, nesta figura a barra está sobre o eixo x com extremidades em x1 e x2 . O
elemento de carga dq gera um campo elétrico dE ~ no ponto P sobre o eixo y. Este campo pode ser decomposto em
campos na direção x e y do plano cartesiano exposto na figura. Na direção y temos o campo dEy , já na direção
x temos o campo dEx , neste caso direcionado na direção negativa do eixo x. A linha que liga extremidade x1
até o ponto P é direcionada através do ângulo θ1 , já a outra extremidade é direcionada através do ângulo θ2 , por
outro lado, o elemento de carga dq é direcionada através do ângulo θ. Este ângulos serão úteis durante a integração
posteriormente.

Figura 3.3: Linha de carga para o cálculo do campo fora do eixo do mesmo

Da mesma forma que o caso anterior devemos calcular o campo elétrico gerado pelo elemento de carga dq
sobre o ponto P.

~ = kdq
dE r̂ (3.14)
|r|2
22 CAPÍTULO 3. CAMPO ELÉTRICO: DISTRIBUIÇÕES CONTÍNUAS DE CARGA

substituindo o elemento de carga por dq = λdx

~ = kλdx
dE r̂ (3.15)
|r|2

Devemos encontrar o vetor ~r que liga o elemento de carga dq até o ponto localizado sobre o eixo y. Sendo
a localização deste elemento dado por ~rq = xî e do ponto P ~rp = y ĵ, assim

~r = ~rp − ~rq = −y ĵ − xî = −xî + y ĵ (3.16)

Podemos colocar os componentes do campo em função dos ângulos θ, de acordo com a figura 3.3 na direção
y temos que

~
dEy = |dE|cos(θ) (3.17)

~ vem que
substituindo |dE|

kλdx
dEy = cos(θ) (3.18)
r2
Observando as identidades relacionadas aos triângulos retângulos da figura 3.3 podemos escrever

y
cos(θ) = (3.19)
r
assim temos para o campo na direção y

kλy
dEy = dx (3.20)
r3
Para calcular Ey devemos integrar a ultima expressão. Para facilitar os cálculos podemos fazer uma mu-
dança de variáveis para não integrar sobre os limites x1 e x2 . Da figura temos

x
tg(θ) = (3.21)
y

escrevendo x em função de tg(θ) e derivando em função de θ

dx d
= (ytg(θ)) dx = ysec2 (θ)dθ (3.22)
dθ dθ
podemos escrever r em função de θ, de modo que

y
r= (3.23)
cos(θ)

Substituindo as duas ultimas na expressão para o campo, temos

kλy 2 sec2 (θ)dθ


dEy = y3
(3.24)
cos(θ)3


dEy = cos(θ)dθ (3.25)
y
Integrando 3.25 vem
Z Z θ2
kλ kλ
dEy = cos(θ)dθ = sen(θ)|θθ21 (3.26)
y θ1 y

kq
Ey = (sen(θ2 ) − sen(θ1 )) (3.27)
Ly
~ SOBRE O EIXO DE UM ANEL CARREGADO:
3.3. CAMPO E 23

Com procedimento semelhante podemos calcular a componente do campo elétrico na direção x (fica como
exercício para você), onde encontramos que


Ex = (cos (θ2 ) − cos (θ2 )) (3.28)
y

3.3 ~ sobre o eixo de um anel carregado:


Campo E
Antes de iniciar nossos cálculos, vamos observar que teremos campo elétrico apenas na direção x (veja figura 3.4)
uma vez que estamos calculando o campo sobre o eixo do anel. A figura 3.4 mostra os componentes dos vetores
onde podemos observar tal simetria.

Figura 3.4: Anel carregado no plano yz para o cálculo do campo sobre o eixo do anel, neste caso também sobre o eixo x.

Considerando o ponto localizado a uma distância x conforme mostrado na figura ?? o campo elétrico na
direção x tem a forma

~x = kdq
dE î (3.29)
r2
ou ainda, em função do ângulo θ,

kdq
dEx cos(θ) (3.30)
r2
x
como cos(θ) = r vem que

kdq x kdq
dEx = 2
= 3 x (3.31)
r r r
a distância r entre o ponto e o elemento de carga dq1 pode ser escrita em função do raio do anel e da distância x,
que para este caso são duas constantes,
p
r= x2 + a2 (3.32)

Substituindo r na expressão para o campo

kdqx
dEx = 3/2
(3.33)
(x2 + a2 )

o campo elétrico na direção tem o valor a partir da integral da expressão acima


Z Z
kx
dEx = 3/2
dq (3.34)
(x2 + a2 )

Assim
24 CAPÍTULO 3. CAMPO ELÉTRICO: DISTRIBUIÇÕES CONTÍNUAS DE CARGA

kxq
Ex = 3/2
(3.35)
(x2 + a2 )

3.4 ~ sobre o eixo de um disco carregado


Campo elétrico E
Da mesma forma que o anel, a simetria do disco possibilita o cálculo do campo apenas na direção x. Temos aqui
dq
uma densidade superficial de carga σ = dA . Onde dA neste caso é dado por

Figura 3.5: Disco carregado para o cálculo do campo elétrico no ponto sobre o eixo x.

dA = 2πada

de forma que a carga dq = σ2πada. Para calcular o campo do disco, vamos partir do resultado encontrado para o
anel da seção anterior. podemos escrever o campo elétrico dEx na seguinte forma,

kx2πσada
dEx = (3.36)
(x2 + a2 )3/2

No entanto, neste caso o raio a pode variar de a = 0 até a = R como pode ser visto na figura 3.5, desta
forma a integral toma a forma:
Z Z R
kx2πaσda
dEx = (3.37)
0 (x2 + a2 )3/2

Para resolver esta integral vamos utilizar uma mudança de variáveis da seguinte forma

u = x2 + a2 (3.38)

du = 2ada (3.39)

Os limites de integração tomam a forma

a = 0 → u = x2

a = R → u = x2 + R2

Substituindo os limites na integral temos que

Z x2 +R2
kxπσdu
Ex = (3.40)
x2 u3/2
Integrando vem que
3.5. O FLUXO ELÉTRICO: 25

u−1/2 x2 +R2
 
Ex = kxπσ | 2 (3.41)
−1/2 x

O campo gerado pelo disco é então dado por


 
1
Ex = 2πkσ 1 − q →x>0 (3.42)
R2
1+ x2

3.5 O fluxo Elétrico:


A descrição das linhas de campo elétrico não possibilita tomar uma análise quantitativa do campo elétrico. Nesta
seção iremos descrever o conceito de "fluxo elétrico"(ΦE ). O fluxo é uma grandeza que relaciona a quantidade de
linhas (campo elétrico) com uma área perpendicular a este campo. Uma representação é feita através da figura 3.6
(a), onde podemos calcular o fluxo na forma

Figura 3.6: Fluxo elétrico onde podemos perceber as linhas de campo elétricos atravessando a área A

ΦE = EA (3.43)

onde a unidade no SI é dado por N m2 /C. Se a superfície com área A não se encontra perpendicular ao campo
~ então o fluxo é alterado de acordo com o angulo θ entre a normal a superfície e o campo (figura 3.6 b).
elétrico E
Para calcular nesta situação temos que:

ΦE = EAcos(θ) (3.44)

Para uma situação onde o campo elétrico e a normal à área varia em função da posição precisamos calcular
de forma diferente o fluxo elétrico total ao circuito. Poderá ser relativamente mais fácil calcular um pequeno
elemento de fluxo de cada vez. Assim teremos

~ i · ∆A
∆ΦE = Ei ∆Ai cos(θ) = E ~i (3.45)

~ i cada vez menor podemos encontrar o limite onde,


Se tomarmos os elementos ∆A

X Z
ΦE = |{z}
lim ~ i ∆A
E ~i = ~ · dA
E ~ (3.46)
sup.
∆Ai →0

Para o cálculo do campo elétrico, muitas vezes estamos interessados em campos em uma determinada região
do espaço, ou seja, dentro de uma superfície fechada como por exemplo uma esfera, Desta forma 3.46 fica sendo
uma integral fechada e é representada como sendo
I I
ΦE = ~ · dA
E ~= En dA (3.47)

onde En representa o campo elétrico perpendicular a superfície fechada.


26 CAPÍTULO 3. CAMPO ELÉTRICO: DISTRIBUIÇÕES CONTÍNUAS DE CARGA

3.6 Lei de Gauss para Eletricidade


Se considerarmos uma carga puntiforme +q situado no centro de uma esfera de raio R que representa uma superfí-
cie fechada onde queremos calcular o fluxo elétrico, como representado pela figura 3.7, o campo elétrico calculado
a partir da Lei de Coulomb pode ser escrito como sendo

kQ
En =
R2
Lembramos também que o campo elétrico gerado por uma carga positiva é um campo que diverge da carga, desta
forma, em cada ponto da superfície esférica pontilhada da figura 3.7 o campo é perpendicular a ela. Utilizando
3.47 podemos calcular o fluxo elétrico na superfície fechada, de modo que, como o campo elétrico é uniforme
sobre esta superfície temos
I I
ΦE = En dA = En dA (3.48)

Figura 3.7: Carga pontual q no centro de uma superfície gaussiana de raio R.

A integral do lado direito de 3.48 é na verdade a integral dupla que define a área de uma superfície esférica que é
dada por 4πR2 . Assim o fluxo elétrico tem como resultado.

kQ
ΦE = 4πR2 = 4πkQ (3.49)
R2
onde utilizamos o campo de uma carga pontual, esta expressão demonstra que o fluxo resultante sobre uma esfera
com raio R depende, acima de tudo, da intensidade de carga Q, uma vez que 4πK é uma constante. Este resultado
mostra também que o fluxo elétrico de qualquer superfície fechada que envolva uma carga puntiforme é dado
por 4πKQ. Desta forma, para um sistema de cargas puntiformes como o representado na Figura 3.8, o fluxo irá
depender da carga total DENTRO da superfície fechada.

Figura 3.8: Três cargas puntiformes, sendo que q3 encontra-se fora da superfície, não contribuindo assim para o fluxo elétrico.

Neste caso, independente do sinal da carga q3 todas as linhas que partem da carga e penetram na superfície
irão sair em outro ponto da mesma, de modo que a carga q3 não afeta no fluxo total. No entanto as linhas de campo
proveniente das cargas q1 e q2 irão penetrar ou sair da superfície e deverão contar para o cálculo do fluxo.

ΦE = 4πK(q1 + q2 ) (3.50)

o valor do fluxo final irá depender do sinal e do valor das cargas aprisionadas na superfície fechada.
3.7. CÁLCULO DO CAMPO ELÉTRICO A PARTIR DA LEI DE GAUSS: 27

3.7 Cálculo do campo elétrico a partir da Lei de Gauss:


De acordo com a distribuição de carga e da simetria desta distribuição muitas vezes é mais fácil calcular o campo
a partir da Lei de Gauss. Para isso, precisamos de uma superfície denominada Superfície Gaussiana que é uma
superfície fechada que envolve as cargas, ou distribuição de cargas. A escolha da superfície gaussiana é escolhida
de forma que em cada ponto desta superfície o campo elétrico seja paralelo ou perpendicular a normal n̂ desta
superfície.

3.7.1 Simetria Plana:


Considerando um plano infinito apresentado na figura 3.9 que apresenta uma densidade constante de carga σ.
~ é perpendicular ao plano nas "tampas"da superfície cilíndrica escolhida e o
Devido a simetria, o campo elétrico E
mesmo campo é perpendicular ao cilindro em sua lateral.

Figura 3.9: Plano infinito carregado e a superfície cilindrica caussiana escolhida para calcular o campo. Nesta figura n̂ é a normal a superfície
eE~ o campo elétrico gerado pelo plano.

~ é paralelo ao vetor normal


Observando a figura 3.9 verificamos que o fluxo através de cada área do cilindro, onde E
n̂ é dado por En A, onde A é a área de cada uma das faces. Como temos duas faces, o fluxo total é igual a 2En A.
A carga resultante no interior da superfície é σA, assim

Qint = 0 ΦE (3.51)
com isso vem que

σA = 0 2En A (3.52)
Com isso o campo toma forma

σ
En = = 2πKσ (3.53)
20
A direção é î, a direita da placa infinita carregada e −î no lado esquerdo da placa se a densidade de carga
for positiva. Esta forma de cálculo é extremamente mais simples de calcular o campo elétrico quando comparamos
o cálculo a partir da Lei de Coulomb. No entanto, para cada distribuição de carga é importante que uma superfície
gaussiana adequada seja escolhida.

Exemplo: (Calcule em casa)


Um plano infinito com densidade superficial de carga σ = 4, 5nC/m2 situa-se no plano de
coordenada x = 0, e um segundo plano infinito com densidade superficial de carga σ =
−4, 5nC/m2 situa-se em um plano paralelo ao anterior na coordenada x = 2m. Determine
o campo elétrico em: (a) x = 1, 8m. (b) x = 5m

3.7.2 Simetria Esférica:


Para uma carga pontual, uma esfera ou uma casca esférica a melhor superfície gaussiana para o cálculo a partir da
Lei de Gauss é uma esfera com a carga em questão no seu centro. Desta forma, em qualquer ponto da superfície
28 CAPÍTULO 3. CAMPO ELÉTRICO: DISTRIBUIÇÕES CONTÍNUAS DE CARGA

~ · n̂ = Er , onde
gaussiana o campo elétrico é paralelo ao vetor n̂ que é normal a superfície.Assim o campo En = E
Er é o campo radial a superfície. O fluxo pode ser calculado a partir de
I I
ΦE = ~ · n̂dA =
E Er dA (3.54)
S S

como, sobre a superfície Er é uma constante, então podemos reescrever a equação acima na forma
I
Φ E = Er dA = Er 2πr2 (3.55)
S

sendo o fluxo elétrico ser dado por

Qint
ΦE = (3.56)
0

Campo devido a uma carga puntiforme:

Então para uma superfície gaussiana que engloba uma carga puntiforme q o resultado torna-se

q
Er 4πr2 = (3.57)
0
isolando Er vem que

q
Er = (3.58)
4π0 r2
que é exatamente o mesmo resultado encontrado utilizando-se a Lei de Coulomb.

Campo devido a uma casca esférica carregada:

Para uma casca esférica de raio R carregada com uma carga Q o procedimento é exatamente o mesmo que
no caso da carga pontual. Se tomarmos uma superfície gaussiana com raio r > R então teremos um fluxo dado
por:
I
ΦE = ~ · n̂dA = Qint
E (3.59)
S 0
como, sobre a superfície o campo elétrico é uniforme e constante, então podemos utilizar o mesmo procedimento
anterior e reescrever a equação acima na forma

Q
Er 2πr2 = (3.60)
0
de onde vem que, para r > R

1 Q
Er = (3.61)
4π0 r2
Que é o mesmo resultado encontrado para a carga pontual. O cálculo para o campo elétrico para uma superfície
gaussiana com r < R, como representado na figura 3.10
Escrevendo a Lei de Gauss
I
~ · n̂dA = Qint
E (3.62)
S 0
o lado esquerdo desta equação tem resultado igual ao dos cálculos anteriores, contudo no lado esquerdo, não temos
nenhuma carga liquida aprisionada dentro da superfície gaussiana, de modo que Qint = 0, deste modo temos que
3.7. CÁLCULO DO CAMPO ELÉTRICO A PARTIR DA LEI DE GAUSS: 29

Figura 3.10: Casca esférica carregada com uma carga Q e raio R, a linha tracejada refere-se a superfície gaussiana de raio r.

Qint
Er 4πr2 = =0 (3.63)
0
o campo elétrico é então

Er = 0 (3.64)

Este resultado era esperado, uma casca elétrica carregada irá blindar o campo elétrico dentro dela deixando este
espaço com campo elétrico nulo. Se considerarmos, uma esfera maciça e condutora, a mobilidade das cargas
elétricas irá fazer com que toda carga se concentre na superfície deste esfera maciça, assim, para efeitos de cálculos
de campos o procedimento é o mesmo adotado aqui nesta seção. Contudo, se a esfera maciça for não condutora
devemos levar em consideração uma distribuição volumétrica de carga, os cálculos serão apresentado na próxima
seção.

Campo devido a uma esfera isolante carregada uniformemente:

Para desenvolver esta situação iremos encontrar o campo elétrico para duas situações distintas, quando
r > R e r < R, onde r é o raio da superfície gaussiana e R o raio da esfera carregada. Considerando que a carga
está distribuída uniformemente em todo volume, então teremos uma distribuição volumétrica de carga, de forma
que ρ = VQ , onde V = 43 πr3 .
Inicialmente vamos calcular o campo elétrico para a situação em que r > R, na figura 3.11 verificamos a superfície
gaussiana nesta situação, podemos perceber que toda carga Q está concentrada dentro da referia superfície, assim
a Lei de Gauss tem a forma
I
~ · n̂dA = Qint
E (3.65)
S 0
a integral a esquerda tem como resultado, sobre a superfície gaussiana,

Qint
Er 4πr2 = (3.66)
0
nesta situação, a carga dentro da superfície gaussiana (Qint ) é a carga total sobre a esfera maciça não condutora,
de forma que Qint = Q, assim a equação acima toma a forma

1 Q
Er = (3.67)
4π0 r2
Quem mais uma vez é o mesmo resultado que obtivemos no caso de uma carga pontual, como se toda a carga
estivesse concentrada no centro da esfera maciça.

Vamos considerar agora a situação em que r < R, ou seja, a superfície gaussiana está dentro da esfera
maciça, com isso podemos calcular o campo elétrico dentro da esfera maciça não condutora. Diferentemente dos
30 CAPÍTULO 3. CAMPO ELÉTRICO: DISTRIBUIÇÕES CONTÍNUAS DE CARGA

Figura 3.11: Esfera não condutora de raio R carregada com uma densidade de carga ρ uniformemente distribuída. Nesta situação temos que
r > R, onde r é o raio da superfície gaussiana.

outros exemplos, nesta situação teremos uma carga liquida dentro da superfície gaussiana independente do valor
r < R, desde que r 6= 0. Aplicando novamente a Lei de Gauss
I
~ · n̂dA = Qint
E (3.68)
S 0
o lado esquerdo terá o mesmo resultado que a situação anterior, vamos resolver então o lado direito desta equação.
Neste caso a carga interna será parte da carga total distribuída na esfera maciça. A relação entre a carga interna
Qint a superfície gaussiana e a carga total pode ser descrita através da densidade volumétrica de carga, onde

Q Qint
ρ= = (3.69)
V VG
onde VG é o volume da gaussiana, assim podemos reescrever esta última

4 3
VG 3 πr
Qint = Q= 4 3
(3.70)
V 3 πR

de onde podemos tirar que

Qr3
Qint = (3.71)
R3
Substituindo a carga interna na Lei de Gauss

Qr3
Er 4πr2 = (3.72)
R 3 0
isolando Er o campo elétrico para esta situação tem a forma
Q
Er = r (3.73)
R3  0 4π

onde podemos perceber que para dentro da esfera maciça não condutora temos um campo que cresce linear com
relação ao raio da superfície gaussiana.
Analisando os resultados obtidos para r > R e r < R verificamos dois comportamentos distintos para o
campo. Tais comportamentos são resumidos na figura 3.12. Neste gráfico o eixo horizontal representa a distância
radial r do centro da esfera e o eixo vertical o campo elétrico Er . A curva representa o comportamento linear até
r = R e um comportamento proporcional a 1/r2 para r > R.
A mesma análise podemos fazer para o campo elétrico da casca esférica calculado anteriormente. Naquela
situação o campo elétrico apresenta uma descontinuidade em r = R uma vez que dentro da esfera o campo é nulo
e fora dela o campo é proporcional a 1/r2 . Assim o gráfico para esta situação é o apresentado na figura 3.13.
Percebe-se claramente uma descontinuidade no campo elétrico.
3.7. CÁLCULO DO CAMPO ELÉTRICO A PARTIR DA LEI DE GAUSS: 31

Figura 3.12: Gráfico do campo elétrico Er em função do raio r da gaussiana.

Figura 3.13: Gráfico para o comportamento do campo elétrico de uma casca esférica.
32 CAPÍTULO 3. CAMPO ELÉTRICO: DISTRIBUIÇÕES CONTÍNUAS DE CARGA
Capítulo 4

O Potencial Elétrico

4.1 Diferença de Potencial


Da mecânica clássica sabemos que a variação da energia potencial elétrica (dU ) está associada ao trabalho realizado
sobre o elemento, no caso da eletricidade o trabalho é realizado pela força elétrica (FE ) sobre um determinada carga
(q) fazendo com que a mesma se desloque de um valor d~l. Matematicamente temos que

dU = −F~E · d~l (4.1)

onde FE é a força devido a lei de coulomb dada por

F~ = q0 E
~ (4.2)

substituindo esta equação na equação para energia potencial elétrica vem

~ · d~l
dU = −q0 E (4.3)

Podemos calcular a diferença de potencial elétrico tomando então

dU ~ · d~l
dV = = −E (4.4)
q0

perceba a diferença importante entre a energia potencial elétrica (dU ) e o potencial elétrico (dV ) definidos aqui.
A figura ?? abaixo mostra uma forma de medir a diferença de potencial elétrica entre os pontos a e b em um
sistema para medir a diferença de resistividade entre dois substratos S1 e S2 normalmente utilizados em métodos
geofísicos. O cálculo da diferença de potencial elétrico entre os pontos citados acima pode ser realizado a partir da
integral de dV .

Z b Z b
∆V = dV = − ~ ~l
Ed (4.5)
a a

A diferença de potencial Vb − Va é igual ao negativo do trabalho por unidade de carga, realizado pelo campo
elétrico sobre um pequena carga de prova positiva quando esta se move de um ponto "a"até um ponto "b". Este
cálculo é valido se mantivermos fixas todas as outras cargas do sistema.

4.2 Potencial Elétrico devido a um sistema de cargas puntiformes


Podemos calcular o potencial elétrico a uma distância r de uma carga puntiforme a partir de seu campo elétrico.
Lembrando que o campo elétrico de uma carga puntiforme pode ser escrito por

~ = kq r̂
E (4.6)
r2

33
34 CAPÍTULO 4. O POTENCIAL ELÉTRICO

Figura 4.1: Diferença de potencial elétrica entre dois pontos a e b.

Considerando um deslocamento d~l a diferença de potencial pode ser escrito como sendo

~ ~l = kq r̂ · d~l
dV = −Ed (4.7)
r2
Da figura 4.2 temos que

dr = dlcos(φ)


r̂ · d~l = d~l cos(φ)

dr = r̂ · d~l

Figura 4.2: Carga puntiforme q e dois pontos de referência para o cálculo da diferença de potencial. Nesta figura d~l é o elemento de
deslocamento e r̂ é o versor.

Substituindo o produto escalar para o cálculo dV

kq
dV = dr (4.8)
r2
integrando desde o ponto de referência até o ponto rp temos,
Z Z rp Z rp
kq 1
dV = − dr = −kq dr (4.9)
r r2 r r2
resultando em
 
1 rp kq kq
V = −kq − |r = − (4.10)
r rp r
Se tomarmos r no infinito, o segundo termo da expressão acima tende a zero e o potencial toma a forma
4.2. POTENCIAL ELÉTRICO DEVIDO A UM SISTEMA DE CARGAS PUNTIFORMES 35

kq
V = (4.11)
r

Com isso, podemos calcular a energia potencial de uma carga de prova puntiforme colocada a uma distância r de
uma carga pontual q.

kqo q
U = qo V = (4.12)
r

onde qo é a carga de prova puntiforme.

Exemplo:
Qual o potencial elétrico a uma distância r = 0, 529 × 10−10 m de um próton? (distância
entre o núcleo e o elétron em um átomo de hidrogênio). Qual é a energia potencial elétrica
do elétron e do próton a essa distância de separação?
Solução:

Para calcular o potencial V devido ao próton basta tomar

kq ke 8, 99 × 109 · 1, 6 × 10−19
V = = = (4.13)
r r 0, 529 × 10−10
V = 27, 2N m/C = 27, 2V
O cálculo da energia potencial é dada por

U = qo V (4.14)
onde neste caso qo = e ou qo = −e para o caso do elétron. Assim

U = qo V = −e(27, 2) = −27, 2eV (4.15)


Esta unidade se chama Elétron-volt e está diretamente relacionada a carga elementar.

4.2.1 Sistemas de Cargas Pontuais

Para calcular o potencial em um ponto específico pode-se utilizar o princípio da superposição, de modo que

X kqi
V = (4.16)
i
ri

Para desenvolver melhor esta ideia iremos resolver um exemplo prático.


36 CAPÍTULO 4. O POTENCIAL ELÉTRICO

Exemplo:
Duas cargas puntiformes de +5nC estão sobre o eixo x, uma na origem e outra em x = 8cm.
Determine o potencial (a) no ponto P1 sobre o eixo x em x = 4cm (b) no ponto P2 sobre o
eixo y em y = 6cm.
Solução:

No ponto P1 temos,
X kqi
V =
i
ri
onde ri é a distância de cada uma das cargas até o ponto
em questão
Assim temos que,
X kqi kq1 kq2
V = = +
i
ri r1 r2
onde r1 = 4cm, r2 = 4cm, q1 = q2 = +5nC. Passando para o SI e substituindo acima vem
que

8, 99 × 109 · 5 × 10−9 8, 99 × 109 · 5 × 10−9


V = + = 2, 25kV.
0, 04 0, 05
Para o ponto P2 tomamos o mesmo procedimento, contudo agora mudam as distâncias r1 e
r2 , assim
X kqi kq1 kq2
V = = +
i
ri r1 r2
Neste caso, r1 = 6cm = 0, 06m, r2 = 10cm = 0, 1m, substituindo

8, 99 × 109 · 5 × 10−9 8, 99 × 109 · 5 × 10−9


V = + = 1, 20kV.
0, 06 0, 1

Exercício 1: Uma carga q1 é posicionada na origem e uma segunda carga q2 é colocada sobre
o eixo x em x = a. Determine o potencial sobre o eixo "x"para um ponto qualquer.

Exercício 2: Um dipolo elétrico consiste em uma carga positiva +q sobre o eixo x em


x = +a e uma carga negativa em x = −a, conforme a figura abaixo. Determine o
potencial no eixo x para x >> a em função do momento de dipolo elétrico p = 2qa.

4.3 Cálculo do Campo Elétrico a partir do Potencial


O campo é o potencial elétrico estão intimamente relacionados a partir da equação da diferença de potencial

~ · d~l
dV = E

onde d~lé um vetor deslocamento e E


~ o campo elétrico naquela região do espaço. Se considerarmos um pequeno
4.3. CÁLCULO DO CAMPO ELÉTRICO A PARTIR DO POTENCIAL 37

deslocamento (dx), apenas na direção x a única componente do campo elétrico que contribui para a diferença de
potencial é a componente Ex do campo. pois é a componente paralela a dx. Desta forma

dV = −Ex · dx (4.17)

de onde podemos tirar que

dV
Ex = − (4.18)
dx

com isso temos que o campo elétrico é o negativo da derivada espacial do potencial elétrico. Como exemplo
podemos calcular o campo elétrico gerado por uma carga pontual a partir do potencial elétrico dado por

kq
V = (4.19)
r

neste caso o campo é radial a carga, assim iremos calcular a componente radial do campo

 
dV d kq
Er = − r̂ = r̂ (4.20)
dr dr r

resolvendo, temos

kq
Er = r̂ (4.21)
r2

que é exatamente o campo elétrico gerado por uma carga pontual, conforme já havíamos demostrado a partir da
Lei de Coulomb. Se o campo elétrico tiver componentes nas três direções, então o campo toma a forma

~ = Ex î + Ey ĵ + Ez k̂
E (4.22)

se além disso o deslocamento d~l tiver componentes nas três dimensões o potencial pode ser escrito como

~ · d~l
V =E (4.23)

para cada componente do campo elétrico teremos uma derivada direcional de forma que

~ = − ∂V î − ∂V ĵ − ∂V k̂
E (4.24)
∂x ∂y ∂z

ou ainda, considerando que

∂ ∂ ∂
∇= î + ĵ + k̂
∂x ∂y ∂z

o campo elétrico pode ser calculado como sendo

~ = −∇ · V
E (4.25)

ou seja, o campo elétrico é o negativo do gradiente do potencial elétrico.


38 CAPÍTULO 4. O POTENCIAL ELÉTRICO

Exemplo:
Calcule o campo elétrico em uma região do espaço onde o potencial elétrico é dado por

V = (3x2 y + y 2 + yz)volts

Solução:
Para calcular o campo elétrico devemos tomar o negativo do gradiente do potencial elétrico.
Assim
 
~ ∂ ∂ ∂
k̂ · 3x2 y + y 2 + yz

E = −∇ · V = î + ĵ +
∂x ∂y ∂z
podemos reescrever na forma

~ = − ∂ 3x2 y + y 2 + yz − ∂ 3x2 y + y 2 + yz − ∂ 3x2 y + y 2 + yz


  
E
∂x ∂y ∂z
resultando em
h i
~ = − 6xy î + 3x2 + 2y + z ĵ + y k̂ V /m

E

4.4 Cálculo do potencial V para distribuições contínuas de carga:


Da mesma forma que para o campo elétrico, no capítulo anterior, podemos calcular o potencial elétrico para um
pequeno elemento de carga dq e, logo após, utilizar o princípio da superposição para calcular o campo elétrico
total da distribuição de carga, ou seja,
Z
k
V = dq (4.26)
r

4.4.1 Potencial V no eixo de um anel carregado:


Considerando um elemento de carga dq do anel da√figura 4.3, este irá gerar um potencial elétrico V no ponto P
distante r da posição do elemento. Neste caso r = a2 + x2 . Para calcular o potencial elétrico V basta tomar

Z Q Z Q
k k
V = dq = dq (4.27)
0 r r 0

a fração kr foi retirado do integrando pois tanto k quanto r são constantes neste caso. Assim o potencial elétrico
tem a forma

kQ kq kq
V = =√ = q (4.28)
r 2
a +x 2
|x| 1 + a2
x2

Figura 4.3: Anel carregado para o cálculo do potencial elétrico no ponto P .


4.4. CÁLCULO DO POTENCIAL V PARA DISTRIBUIÇÕES CONTÍNUAS DE CARGA: 39

Exemplo:
Um anel com 4cm de raio está apoiado no plano xy com seu centro na origem do plano
cartesiano. O anel possui uma carga uniformemente distribuída de 8nC. Uma pequena
partícula de massa m = 6mg e carga qo = 5nC é colocada em x = 3cm e liberada.
Determine a velocidade da partícula quando estiver a uma grande distância do anel. Admita
que os efeitos gravitacionais sejam desprezíveis.

Solução:

Devido ao sinal da carga, ao ser liberada ela será repelida e acelerada na direção positiva do
eixo x. Desta forma, toda energia potencial elétrica armazenada pela carga irá se transformar
em energia cinética. Assim, inicialmente iremos calcular a energia potencial.
kQ
U = qo V = qo √
x2 + a2
substituindo os valores numéricos temos

5 × 10−9 · 8, 99 × 109 · 8 × 10−9


U= p = 7, 18 × 10−6 J
0, 032 + 0, 042
igualando a energia potencial inicial com a energia cinética final vem que
1
mv 2 = 7, 18 × 10−6
2
de onde podemos calcular a velocidade

v = 1, 54m/s

4.4.2 Potencial elétrico V no eixo de um disco uniformemente carregado:


Podemos utilizar o resultado do anel para calcular o potencial elétrico do disco carregado uniformemente. Con-
siderando que o eixo do disco seja o eixo x, podemos imaginar que o disco seja uma série de anéis carregados
criando um certo potencial elétrico em um ponto dobre este eixo. O anel de raio "a"e espessura da mostrado na
Q
figura 4.4 tem uma área de 2πada e sua carga é dq = σdA = 2πσada, onde σ = πR 2 é a densidade superficial de

carga. O potencial devido a carga desse anel no ponto P é dado pela equação 4.28. Assim podemos integrar entre
os limites a = 0 até a = R para determinar o potencial elétrico total divido a carga do disco.

Figura 4.4: Anel carregado uniformemente para o calculo do potencial elétrico no ponto "P"sobre o eixo do disco.

O potencial dV devido a um anel de raio "a"é dado por

kdq kσ2πada
dV = 1 = 1 (4.29)
(x2 + a2 ) /2 (x2 + a2 ) /2

para calcular V basta integrar a expressão acima entre os intervalos a = 0 até a = R, assim
40 CAPÍTULO 4. O POTENCIAL ELÉTRICO

Z Z R
kσ2πada
dV = 1/2
(4.30)
0 (x2 + a2 )
para facilitar o cálculo desta integral vamos tomar uma mudança de variáveis, tal como:

u = x2 + a2
du = 2ada

se a = 0 então u = x2
se a = R então u = x2 + R2

Assim a integral 4.30 fica


 
Z x2 +R2 1/2 x2 +R2
u
u−1/2 du = kσπ 

V = kσπ  (4.31)
x2 1/2 2 x

assim o potencial fica


p √ 
V = 2kσπ x2 + R 2 − x2 (4.32)

finalmente temos
r !
R2
V = 2πkσ |x| 1+ 2 −1 (4.33)
x
Capítulo 5

Capacitância

O Potencial V devido a uma carga Q de um condutor isolado é proporcional a própria carga e as dimensões do
condutor. O potencial de um esfera carregada eletricamente com uma carga Q é dado por:

kQ
V = (5.1)
R
A relação entre a carga Q e o potencial V é chamado de capacitância

Q
C= (5.2)
V
Apesar desta dependência a capacitância de um condutor é função das dimensões e da forma do condutor. Para um
condutor esférico temos que

Q Q R
C= = = (5.3)
V kQ/R k

assim a capacitância de um condutor esférico tem a forma

C = 4πo R (5.4)

a unidade no SI é o C/V denominado Farad, onde 1F = 1C/V . Normalmente a capacitância é em função de


seus submúltiplos,como por exemplo, 1µF = 10−6 F ou 1pF = 10−12 F .

5.1 Capacitores:
Dispositivo constituído de dois condutores isolados eletricamente e carregados com cargas de sinais opostos. Desta
forma a capacitância do dispositivo é dado por Q/V onde V é a intensidade da diferença de potencial.

5.1.1 Capacitor de placas paralelas:


É um capacitor constituído de duas placas planas separadas por uma distância "d". Já é de nosso conhecimento
que o campo elétrico gerado por um placa infinita carregada é dada por

σ
E= (5.5)
2o

e que σ = Q/V , desta forma a capacitância pode ser escrita como sendo

σ Qd
V =E·d= d= (5.6)
o o A
a capacitância é então

41
42 CAPÍTULO 5. CAPACITÂNCIA

Figura 5.1: Capacitor de placas paralelas

Q o A
C= = (5.7)
V d

Exemplo:
As placas de um capacitor de placas paralelas são quadradas, com 10cm de lado e separadas
por 1mm. (a) Calcule a capacitância desse dispositivo elétrico. (b) Se esse capacitor for
carregado com 12V , qual será a carga transferida de uma placa para a outra?
Solução: (a) Para calcular a capacitância basta fazer

o A 8, 85 × 10−12 · 0, 12
C= = = 88, 5pF
d 0, 001
(b) a carga é dada por

Q = CV = 88, 5 × 10−12 · 12 = 1, 06nC

5.1.2 Capacitor Cilíndricos:


Considerando que a capacitância é dada por C = Q/V devemos atribuir uma carga +Q para um dos cilindros
e uma carga −Q para o outro. Da mesma forma podemos calcular a diferença de potencial V a partir da Lei de
Gauss através de

Figura 5.2: Capacitor de placas cilíndricas.

~ · d~l
dV = −E (5.8)

se consideramos que d~l = d~r devido ao fluxo na superfície do cilindro ser radial, podemos escrever,
I
Qint
ΦE = En dA = (5.9)
S o

Sendo a área do cilindro dado por 2πRl, onde R é o raio da superfície gaussiana, onde R1 < R < R2 . Se a largura
da gaussiana for "l"e dos cilindros "L"a carga interna a superfície tem a forma
5.2. ARMAZENAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA: 43

Q
Qint = l (5.10)
L
substituindo na Lei de Gauss temos

1 l
Er 2πRl = Q (5.11)
o L
assim

Q
Er = (5.12)
2πLo R
com isso podemos calcular a diferença de potencial a partir de
Z VR2 Z R2
V = VR2 − VR1 = dV = − dR (5.13)
VR1 R1

Z R2  
Q dR Q R2
V = =− ln (5.14)
2πLo R1 R 2πLo R1

finalmente a capacitância para um capacitor cilíndrico é dada então por

Q 2πo L
C= = (5.15)
V ln (R2 /R1 )

5.2 Armazenamento de energia elétrica:


Com um capacitor inicialmente descarregado existe o equilíbrio de cargas positivas e negativas. Logo após o
capacitor ser ligado a uma bateria, as cargas negativas iniciaram seu movimento em direção a placa com diferente
potencial. Inicialmente o trabalho será nulo, pois não há cargas repelindo as primeiras cargas "chegando"a placa.
No entanto, com o acúmulo das cargas o trabalho irá aumentar gradativamente, armazenando assim energia elétrica.
O potencial pode ser calculado como sendo.

1 Q2 1 1
U= = QV = CV 2 (5.16)
2 C 2 2

5.3 Associação de Capacitores:


5.3.1 Paralelo:
Quando dois capacitores estiverem ligado conforme a figura 5.3 podemos concluir facilmente que a tensão V será
a mesma nos dois capacitores. Desta forma a carga em cada capacitor será calculada por

Figura 5.3: Associação de capacitores em paralelo, ligado a uma fonte de tensão submetida a uma diferença de potencial V

Q1 = C1 V (5.17)

Q2 = C2 V (5.18)

a carga total "Q"armazenada no circuito é a soma das cargas Q1 e Q2 , assim


44 CAPÍTULO 5. CAPACITÂNCIA

Q = Q1 + Q2 = C1 V + C2 V (5.19)

Para simplificar o circuito deveríamos substituir C1 e C2 por um capacitor equivalente Ceq que tenha a capacidade
de armazenar a mesma carga Q quando submetido a mesma diferença de potencial V , ou seja

Q
Ceq = (5.20)
V
substituindo Q = Q1 + Q2

Q1 + Q2 Q1 Q2
Ceq = = + (5.21)
V V V
ou seja,

Ceq = C1 + C2 (5.22)

a capacitância equivalente de uma associação de capacitores em paralelo é a soma algébrica de cada uma das
capacitâncias.

Ceq = C1 + C2 + ... + Cn (5.23)

5.3.2 Série:
Quando associamos os capacitores na forma da figura 5.4 dizemos que é uma associação em série de capacitores.
Neste caso a tensão em cada capacitor dependerá da capacitância de cada um. O terminal positivo da bateria irá
induzir uma carga positiva na placa esquerda de C2 . Da mesma forma o terminal negativo da bateria determinará
uma carga −Q na placa da esquerda de C1 . As placas da direita dos capacitores irão se carregar por indução. Com
isso verificaremos uma mesma carga para os dois capacitores, de forma que a tensão sobre cada um será dada por

Figura 5.4: Associação em série de capacitores.

Q
V1 =
C1
Q
V2 =
C2
o potencial elétrico total do circuito dever ser a tensão da fonte de corrente, ou seja

V = V1 + V2 (5.24)

substituindo V1 e V2 temos que


 
Q Q 1 1
V = + =Q + (5.25)
C1 C2 C1 C2

tomando o mesmo procedimento que no caso da associação em paralelo, podemos simplificar o circuito substi-
tuindo esta associação por um capacitor equivalente que armazene a mesma carga Q quando submetido a mesma
diferença de potencial gerado pela fonte V , ou seja
5.4. DIELÉTRICOS: 45

Q
Ceq = (5.26)
V
sendo V = V1 + V2 então

1 1 1
= + (5.27)
Ceq C1 C2

5.4 Dielétricos:
Um dielétrico é um material não condutor com uma certa capacidade de polarização, que, quando inserido entre as
placas dos capacitores, tem o poder de aumentar a capacitância do mesmo de um fator κ. Exemplos de dielétricos
são: ar, vidro, papel, plástico.
Com a inserção de um dielétrico entre as placas de um capacitor carregado o campo elétrico entre as placas
irã atuar na estrutura molecular do dielétrico polarizando o material. Esta polarização, por sua vez, irá diminuir
o campo elétrico resultante entre as placas do capacitor, a consequência é a diminuição do potencial elétrico e o
aumento da capacitância do capacitor. Matematicamente temos que

Eo
E= (5.28)
κ
onde Eo é o campo elétrico entre as placas do capacitor sem o dielétrico e κ a constante dielétrica do elemento
inserido entre as placas. Utilizando este campo elétrico no potencial vem que

Eo d Vo
V =E·d= = (5.29)
κ κ
onde aqui Vo é o potencia elétrico sem a presença de um dielétrico. A capacitância é então dada por

Q Q Q
C= = =κ (5.30)
V Vo /κ Vo
Q
onde Vo é a capacitância antes da inserção do dielétrico, ou seja, Co , assim

C = κCo (5.31)

com isso podemos concluir que a capacitância de um capacitor é multiplicado pelo fator κ quando inserido um die-
létrico. Para um capacitor de placas paralelas, por exemplo, os propriedades dielétricas irá alterar a permissividade
do meio de modo que  = κo . Na tabela ?? listamos alguns valores da constante dielétrica de alguns materiais.

Material κ
Ar 1,00059
Vidro 5,6
Baquelita 4,9
Papel 3,7
Porcelana 7
46 CAPÍTULO 5. CAPACITÂNCIA
Capítulo 6

Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente


Contínua (CC):

6.1 A corrente e o movimento das cargas:


Quando submetemos um fio condutor a uma determinada diferença de potencial, automaticamente tal condutor es-
tará sujeito a um campo elétrico E. Tal campo atuará sobre os elétrons livres dos átomos que compõe o condutor,
fazendo com que os mesmos sofram um deslocamento na direção do campo elétrico. Assim se tomarmos uma sec-
ção transversal do fio, como representado na figura 6.1 teremos uma certa quantidade de carga (∆Q) atravessando
esta área (A) em um determinado intervalo de tempo (∆t). Assim a corrente elétrica será definida como sendo

∆Q
I= (6.1)
∆t

Figura 6.1: Fio condutor submetido a uma diferença de potencial

.
a unidade no SI é o Ampère onde [I] = C/s = A. Quando a diferença de potencial é retirada, o campo
elétrico cessa automaticamente, consequentemente a corrente elétrica torna-se nula, pois não haverá uma corrente
liquida de cargas em uma única direção, a energia dos elétrons é consequência da agitação térmica apenas, uma
representação simplificada pode ser vista na figura 6.2.

Figura 6.2: Fio condutor acoplado com uma bateria que gera uma tensão V com a chave S aberta. Perceba o movimento aleatório dos elétrons,
provavelmente gerado pela agitação térmica.

Exercício:
Considerando um circuito onde passa uma corrente elétrica de 5mA em um determinado
condutor metálico. Qual a quantidade de elétrons que atravessa a secção transversal deste
condutor em 1s?

47
48 CAPÍTULO 6. CORRENTE ELÉTRICA E CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA (CC):

6.1.1 Sentido da corrente elétrica:


Sabemos que a mobilidade de carga elétrica está associada aos elétrons de um átomo. Assim temos cargas negativas
em movimento no interior de um fio metálico. No entanto, por convenção, a corrente elétrica em circuitos é
orientado no sentido oposto ao movimento das cargas negativas. A representação correta em um circuito é então
mostrada na figura 6.3

Figura 6.3: Representação da direção da corrente elétrica em um circuito elétrico.

6.2 Resistência e Lei de Ohm:


Levando em consideração que a corrente elétrica I está na mesma direção do campo elétrico E ~ no interior do
condutor. Desta forma, a corrente I percorre um segmento de fio de um potencial maior Va até um potencial
menor Vb . Se o fio tiver um comprimento ∆L a diferença de potencial elétrica pode ser calculado como sendo

V = Va − Vb = E · ∆L (6.2)

a razão entre a diferença de potencial "V "e a corrente "I"denomina-se de resistência elétrica.

V
R= (6.3)
I
1V
A unidade no SI é o "Ohm"(Ω), onde 1Ω = 1A .
A resistência elétrica dos materiais é uma função dimensões e das características atômicas que definirá o
que denominamos de resistividade dos materiais. Se a resistividade for constante a resistência é uma constante,
consequentemente a relação entre a tensão e a corrente destes materiais tem um comportamento linear, para este
tipo de material denominamos de Materiais Ôhomicos. Caso a relação entre a tensão e a corrente não tenha um
comportamento linear, denominamos o material de Material não Ôhomico.

Figura 6.4: (a) Curva I × V para um elemento resistivo com comportamento Ôhmico. (b) Curva I × V para um elemento resistivo não
ôhmico.

A resistência elétrica de um elemento metálico é calculado levando em consideração o seu comprimento L


a área A e a resistividade ρ a partir de,

L
R=ρ (6.4)
A
6.2. RESISTÊNCIA E LEI DE OHM: 49

Em alguns casos prefere-se calcular a condutividade elétrica que é definida como o inverso da resistividade. A
unidade da condutividade é dada por (Ωm)−1 denominado de Simiens (S). A condutividade ou resistividade dos
materiais depende da temperatura do elemento resistivo. Em muitos materiais a relação entre ρ e T é linear e pode
ser calculado a partir da resistividade a temperatura ambiente (20o C).

(ρ − ρ20 )/ρ20
α= (6.5)
Tc − 20

Aqui α representa o coeficiente de temperatura para um determinado material. A tabela 6.1 traz alguns coeficientes
de temperatura e resistividade de elementos utilizados no cotidiano em circuitos elétrico e componentes eletrônicos.

Material Resistividade ρ(20o C) Coef. Térmico α(20o C)


Cobre 1, 7 × 10−8 Ωm 3, 9 × 10−3 K −1
Ferro 10 × 10−8 Ωm 5, 0 × 10−3 K −1
Alumínio 2, 8 × 10−8 Ωm 3, 9 × 10−3 K −1
Silício 640Ωm −7, 5 × 10−2 K −1

Tabela 6.1: Tabela de Resistividades Elétricas

Exercício:
Um fio de Nichrome (ρ = 10−6Ωm ) possui um raio de 0, 65mm. Que comprimento desse fio
é preciso para que se obtenha uma resistência de 2, 0Ω? (Resposta: L = 2, 65m)

Comercialmente os fios são fabricados em dimensões padronizadas. O diâmetro da secção transversal


circular de um fio é identificado pro um número, o Calibre com valores maiores para diâmetros menores. A tabela
6.2 apresenta as características dos fio para cada dimensão.

Calibre Diâmetro (mm) Área (mm2 )


4 5, 189 21, 15
6 4, 115 13, 30
8 3, 264 8, 366
10 2, 588 5, 261
12 2, 053 3, 309
14 1, 628 2, 081
20 0, 812 0, 517

Tabela 6.2: Tabela de referência e calibres

Exemplo:
Calcule a resistência por unidade de comprimento de um fio de cobre calibre 14.
Solução: Vamos calcular a resistência por unidade de comprimento utilizando
L
R=ρ
A
R
queremos calcular a razão L, assim
R ρ
=
L A
utilizando os valores da tabela 6.2 temos

R ρ 1, 7 × 10−8
= = = 8, 17 × 10−3 Ω/m
L A 2, 08 × 10−6

Grande parte dos resistores encontrados nos equipamentos são de carbono, que apresentam uma resistência alta.
Para facilitar a identificação, os resistores são vendidos com um código de cores que identificam o valor de sua
resistência. A seguir será apresentado um exemplo simples baseado na figura 6.5.Para fazer a leitura da resistência
devemos fazer o seguinte procedimento: A leitura deve ser feita a partir da linha mais próxima da extremidade do
resistor. As duas primeiras linhas indicam um numero entre 00 até 99. A terceira linha irá indicar o expoente do
fator que deverá ser multiplicada pela dezena formada anteriormente 10x . A quarta linha indica a tolerância do
50 CAPÍTULO 6. CORRENTE ELÉTRICA E CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA (CC):

resistor, caso não esteja presente a tolerância é de 20%. Utilizando a figura 6.5 o valor da resistência é 33 × 100 Ω,
ou seja, 33Ω. Para exercitar você pode acessar www.areaseg.com/sinais/resistor.html.

Figura 6.5: Resistor com a codificação de cores.

6.3 Energia nos Circuitos Elétricos:


Quando um condutor fica sujeito a uma diferença de potencial (d.d.p) os elétrons os responsáveis pela corrente
elétrica adquirem energia cinética que rapidamente é dissipada em forma de calor. Este mecanismo de dissipação
recebe o nome de Efeito Joule. O cálculo da variação da energia potencial pode ser escrita na forma

∆U = −∆Q(Vb − Vb ) (6.6)

onde Va e Vb estão relacionados a diferença de potencial entre dois pontos de um condutor cilíndrico com área de
secção transversal "A"e ∆Q a quantidade de carga que se desloca em um intervalo de tempo ∆t, o sinal negativo
na equação acima é devido a diminuição da energia devido a dissipação. Para calcular a taxa de variação de energia
em função do tempo, tomamos

∆U ∆Q
− = · V = IV (6.7)
∆t ∆t
a potencia dissipada é então

P = IV (6.8)

utilizando a Lei de Ohm V = RI podemos reescrever esta última na forma

V2
P = IV = I 2 R = (6.9)
R

6.4 Força Eletro Motriz (E) e Baterias:


Existem duas principais forma de gerar uma determinada d.d.p. Uma é através de um processo químico, dispo-
sitivos que funcionam baseado neste processo denominamos de Baterias. Caso a energia elétrica seja gerada por
energia mecânica, denominamos de Geradores. A diferença de potencial gerada por uma bateria é denominado
de Força Eletro Motriz (E). No entanto, em uma bateria real, nem toda E produzida é liberada ao circuito. Uma
parcela deste valor é "gasta"pela própria bateria ou gerador para o seu funcionamento, para representar este gasto
inserimos no circuito uma resistência interna r em série com a bateria, com isso podemos ter duas representações
de fontes de tensão, as ideais e as reais como apresentadas na figura 6.6.
A potência entregue por uma bateria ideal ao circuito é dado por
6.5. ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES: 51

Figura 6.6: (a) Bateria Ideal onde a queda de potencial no resistor é igual a FEM gerada pela fonte. (b) Bateria real, onde a queda de potencial
sobre o resistor é diferente da FEM produzida pela bateria. Nesta figura r é a resistência interna da bateria.

P = EI (6.10)

Para uma bateria real, podemos calcular a diferença de potencial entregue ao circuito através de

V = E − Ir (6.11)

onde E é a FEM produzida pela bateria e Ir = Vd é a tensão dissipada devido ao funcionamento da bateria. O
cálculo da corrente em um circuito contendo uma bateria real pode ser feita a partir da associação de resistores em
série. A expressão para a corrente I é dada por

E
I= (6.12)
R+r
uma forma de representar a especificações de uma bateria é através do valor Ampère-hora (Ah) onde

1Ah = (1C/s)(3600) = 3600C

6.5 Associação de Resistores:


A prática de substituição de diversos resistores em circuitos elétrico é comum. Existem duas possibilidades de
combinar resistores em m circuito elétrico, associação em série e em paralelo, a seguir iremos analisar cada uma
das situações.

6.5.1 Associação em série:


Considere o circuito representado na figura 6.7.

Figura 6.7: Associação de resistores em série

Nesta situação a queda de potencial em cada um dos resistores pode ser calculado com

V1 = R1 I

V2 = R2 I
52 CAPÍTULO 6. CORRENTE ELÉTRICA E CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA (CC):

onde foi considerado que a corrente I em cada um dos resistores é a mesma. A tensão total dever ser a soma das
tensões em cada um dos resistores, de forma que

V = V1 + V2

Podemos substituir os dois resistores do circuito da figura 6.7 por um único resistor equivalente, que submetido ao
mesmo potencial V dever gerar a mesma corrente I. Desta forma

V = Req I (6.13)

ou ainda

V1 + V2 = Req I (6.14)

substituindo V1 e V2 encontramos

R1 I + R2 I = Req I → Req = R1 + R2 (6.15)

6.5.2 Associação em Paralelo:


Utilizando o mesmo procedimento anterior e lembrando que neste caso a tensão é a mesma para os dois resistores
presentes no circuito da figura ?? encontramos a seguinte expressão para a associação de resistores em paralelo

1 1 1
= + (6.16)
Req R1 R2

Figura 6.8: Associação de resistores em paralelo.

6.6 Leis de Kirchhoff:


A figura 6.9 representa um circuito de múltiplas malhas, neste circuito existem algumas fontes e alguns receptores
que irão dissipar a energia liberada por elas. Em cada ramo das malhas estão indicadas as direções das correntes
que estão circulando neste circuito. Para resolver este tipo de circuito e encontrar as variáveis precisamos utilizar
as duas leis de Kirchhoff, que são:

1. Ao percorrer uma malha fechada em um circuito, a soma algébrica das variações de potencial dever ser igual
a zero.

2. Em qualquer nó do circuito, a soma das corrente que chegam ao nó dever ser igual a soma das corrente que
saem deste nó.

6.7 Circuitos RC:


Como vimos nas seções anteriores, os capacitores tem a capacidade de armazenar energia elétrica em um circuito
elétrico, por outro lado, os resistores tem a capacidade de dissipar energia elétrica a partir do chamado Efeito
Joule. Vamos agora associar estes dois dispositivos elétricos em um mesmo circuito e analisar fisicamente e
matematicamente as consequências disso. Inicialmente iremos fazer uma análise qualitativa.
6.7. CIRCUITOS RC: 53

Figura 6.9: Circuito de múltiplas malhas onde existe a necessidade de solução a partir das Leis de Kirchhoff.

6.7.1 Carga de um Capacitor:


Considere o circuito representado na figura 6.10, inicialmente o capacitor C1 está completamente descarregado,
ao fecharmos a chave S uma corrente I irá fluir no circuito no sentido horário, de modo que, utilizando as Leis de
Kirchhoff temos

Figura 6.10: Circuito RC utilizado para o cálculo da carga e descarga de capacitores.

Q
E − Ir − =0 (6.17)
C
o primeiro termo é o aumento do potencial elétrico E, o segundo termo é a queda de potencial no resistor e o
terceiro é a queda de potencial no capacitor. Com isso, substituindo neste equação I = dQ
dt vem

dQ Q
E −R − =0 (6.18)
dt C
manipulando podemos reescrever na forma

Q dQ
E= =R (6.19)
C dt
ou ainda

dQ
CE − Q = RC (6.20)
dt
separando os termos para a integração

dQ dt
= (6.21)
CE − Q RC
integrando a carga de 0 até Qf para o intervalo de tempo entre 0 e t, vem
Z Qf Z t
dQ dt
= (6.22)
0 CE − Q 0 RC

Tomando uma mudança de variáveis de forma que


54 CAPÍTULO 6. CORRENTE ELÉTRICA E CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA (CC):

u = CE − Q → du = −dQ

Q = 0 → u = CE

Q = Qf → u = CE − Qf

com isso a integral torna-se


Z CE−Qf
1 t
du = (6.23)
CE u RC
o resultado é então

Ce − Qf t
ln = (6.24)
CE RC
usando e como base para toda equação acima encontramos

CE − Qf = CEe−t/RC (6.25)

resolvendo para a carga vem


 
Q = CE 1 − e−t/RC (6.26)

Sendo esta a função da carga de um capacitor em um circuito RC. Fica com exercício para você, mostrar que a
função para a descarga de um capacitor em um circuito RC é dado por

Q = Qo e−t/RC (6.27)

onde Qo é a carga inicial armazenada nas placas do capacitor.