Você está na página 1de 46

Licenciatura em Ciências da Cultura

Relatório de Estágio na Associação Cultural Vo’Arte

O Contributo da Vo’Arte para a Comunidade

Discente: Joana Catarina Poucochinho Albino (N.º 43673)

Supervisor da Entidade de Acolhimento: Dr. Pedro Sena Nunes

Supervisora da FLUL: Professora Doutora Adelaide Meira Serras

Junho de 2014
Índice

Introdução.................................................................................................................................... 3
1. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa: Entidade Formadora ..................... 4
2. Associação Cultural Vo’Arte: Entidade de Acolhimento .............................................. 6
2.1. A Divulgação da Vo’Arte: Análise do Site................................................................. 7
2.1.1. Homepage...................................................................................................................... 8
2.1.2. Menu Institucional ....................................................................................................... 9
2.1.2.1. “Home” .................................................................................................... 9
2.1.2.2. “Voarte” .................................................................................................. 9
2.1.2.3. “Videoteca” ............................................................................................. 9
2.1.2.4. “Reflexões” .............................................................................................. 9
2.1.2.5. “Parceiros” ............................................................................................ 10
2.1.2.6. “Links” ................................................................................................... 10
2.1.2.7. “Contactos” ........................................................................................... 10
2.1.3. Menu Cultural ............................................................................................................ 11
2.1.3.1. FESTVoarte .......................................................................................... 11
2.1.3.2. PRODvoarte .......................................................................................... 11
2.1.3.3. DIFvoarte .............................................................................................. 12
2.1.3.4. CINEvoarte ........................................................................................... 13
2.1.3.5. LABvoarte ............................................................................................. 13
2.2. Secções de Actividade da Associação ....................................................................... 15
3. O Contributo da Vo’Arte para a área da Inclusão Social ........................................... 22
4. O Contributo da Vo’Arte no âmbito da produção fílmica .......................................... 23
4.1. Género Documental ................................................................................................... 23
4.1.1. Projecto MICROcosmos ......................................................................... 24
4.1.2. 2and2 Are Four (2014) ............................................................................. 25
5.1. Vídeo-dança, vídeo-arte, experimental e instalação ............................................... 26
6. Como assegura a Vo’Arte a sua actividade? ................................................................ 28
Reflexão sobre o Curso de Ciências da Cultura: A formação aplicada ao mundo do
trabalho ...................................................................................................................................... 29
Referências ................................................................................................................................. 33
ANEXOS .................................................................................................................................... 34

2
Introdução

O presente relatório tem como fim apresentar algumas considerações e reflexões sobre
as actividades que têm vindo a ser desenvolvidas no âmbito do estágio curricular da
Licenciatura de Ciências da Cultura na Associação Cultural Vo’Arte. O estágio na
Associação iniciou-se no dia 25 de Março de 2014 e terminou no dia 25 de Junho, tendo
sido cumpridas mais horas do que as 120, estabelecidas pelo plano curricular da
Licenciatura do Curso de Ciências da Cultura. Ficou estabelecida a minha presença no
número oito N da Rua de S. Domingo à Lapa, em Lisboa, três dias por semana, às
segundas, terças e sextas entre as 9h30 e as 16h30, de modo a conseguir conciliar as aulas
com a minha actividade profissional.

Esta experiência tem deu-me a oportunidade de conhecer, de um modo geral, o


funcionamento das associações culturais e os procedimentos necessários à sua
divulgação, financiamento e produção de eventos através das várias tarefas que
desempenhei no quotidiano na Vo’Arte, registadas diariamente em diário, partilhado com
a direcção artística, onde constava o feedback sobre as actividades por mim
desempenhadas (Anexo III).

A meu ver, a oportunidade concedida pelo protocolo estabelecido entre as duas


entidades, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, entidade formadora e
Associação Vo’Arte, entidade de acolhimento, demonstra a grande importância do
contacto do aluno, futuro licenciado e profissional, com o mundo do trabalho, uma vez
que é através deste estágio que são adquiridas competências práticas e de organização de
trabalho, competências essas que, à excepção da cadeira de Gestão Cultural, que concede
aos alunos a possibilidade de organizar e explorar metodologias na organização de
actividades culturais de forma mais prática e autónoma, nenhuma outra componente do
Programa da Licenciatura em Ciências da Cultura oferece. Tendo também em conta o
panorama da cultura e meio profissional associado, todos estão conscientes da dificuldade
que existe em conseguir uma função ou emprego numa entidade que lhe permita aplicar
os conhecimentos adquiridos através da licenciatura. É de extrema importância, se não
indispensável, a associação da Universidade com entidades que se proponham acolher
estudantes universitários, sobretudo numa fase em que as dificuldades socioeconómicas
que têm surgido no panorama português têm vindo a condicionar o desenvolvimento de
novas oportunidades de trabalho na área da cultura. O estágio curricular possibilita a

3
integração na equipa técnica de uma entidade cultural por intermédio de uma instituição
transparecendo dessa forma a relação de complementaridade entre a Universidade e a
oportunidade de desempenhar actividades numa vertente prática e profissional. Este
estágio revelou-se bastante intenso e frutífero, também devido à natureza e
contextualização da actividade artística da Vo’Arte que, confesso, me eram
desconhecidas até ao meu contacto com a mesma.

1. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa: Entidade Formadora

A Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, instituição onde decorreu a minha


formação, é a entidade que proporcionou a experiência relatada no presente documento,
através do plano curricular estabelecido para o Curso de Ciências da Cultura, no qual se
insere o programa de estágios curriculares.

“A Faculdade de Letras é a escola de humanidades da Universidade de Lisboa. A Universidade


de Lisboa é herdeira da Universidade portuguesa, criada em Lisboa como Estudo Geral em
1288 e transferida para Coimbra em 1537. Em 2013, a Universidade Técnica de Lisboa fundiu-
se com a Universidade de Lisboa.” (Site da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa,
2014)

A criação desta instituição remonta ao século XIX, altura em que existiam em Lisboa
várias escolas superiores. No ano de 1911, parte desses estabelecimentos de ensino foram
integrados numa única Universidade, à qual a Faculdade de Letras pertencia já, quando
criada a partir do Curso Superior de Letras, fundado em 1859 por D. Pedro V.
A oferta formativa da Faculdade de Letras de Lisboa abrangia cursos e graus nas áreas
das humanidades, de que são exemplos os cursos de Filosofia, História e Filologia que,
com o passar do tempo e com a evolução das próprias áreas de estudo, foram sendo
reestruturados.
A Faculdade de Letras oferece hoje imensas possibilidades no que toca às áreas de
ensino e investigação e à qualificação contínua, através de cursos de mestrado e
doutoramento, para além de outros cursos de pós-graduação e cursos livres, verificando-
se a diferença entre o que acontecia em meados dos anos 80, em que se ofereciam apenas
cursos destinados à Licenciatura e os dias de hoje, em que já se estabeleceram cursos
transversais e dois ciclos de pós-graduações às diversas áreas de estudos da oferta

4
formativa da FLUL. É também visível o aumento do número de alunos da Faculdade e a
valorização que passou a ser dada à formação académica:

“Em 1911 a Faculdade tinha oitenta e três alunos. Em 1960, cerca de dois mil. Em 1967
atingiu dez mil alunos. A partir dessa altura o número de alunos voltou a decrescer. A
Faculdade tem hoje cerca de quatro mil alunos, um terço dos quais de mestrado e
doutoramento.” (Site da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2014)

(Ministério da Educação e Ciência, 2012)

A reestruturação mais recente da Universidade de Lisboa e, a meu ver, uma das mais
importantes da história da instituição, foi a sua fusão com a Universidade Técnica, outra
instituição de ensino superior da cidade de Lisboa. Esta união resultou de negociações
entre os vários membros das comunidades académicas, produzindo efeitos a partir da
publicação do Decreto-Lei n.º 266-E/2012 de 31 de dezembro de 2012.

“Pelo presente decreto-lei procede-se à fusão da Universidade de Lisboa e da Universidade


Técnica de Lisboa e à criação de uma nova instituição, designada «Universidade de Lisboa»,
nos termos propostos pelos respetivos Conselhos Gerais, em deliberação tomada em 30 de
abril de 2012, após discussão pública no seio das comunidades académicas. A fusão resulta
da vontade expressa de duas instituições, que se complementam, de acompanhar a evolução
do conhecimento na ciência, na tecnologia, nas artes e nas humanidades. A nova instituição,
porque é uma universidade com o conjunto das áreas do conhecimento, nela se cultivando as
Artes e as Humanidades, as Ciências, as Engenharias, as Ciências da Vida, da Saúde, da Terra
e do Espaço, o Direito, a Economia e as Ciências Sociais e Políticas, e áreas tão cruciais do
nosso tempo como o Ambiente, o Clima, a Energia, a Educação, o Desporto e o Território,
propiciará colaborações e sinergias, e também a mobilidade de estudantes, docentes e
investigadores, contribuindo, deste modo, para o progresso do saber e para o
desenvolvimento de Portugal. A razão principal para a criação de uma nova Universidade
reside na possibilidade de expandir a capacidade de investigação, de potenciar a fertilização
mútua entre as disciplinas e os temas de fronteira, trabalhando em áreas interdisciplinares do
conhecimento e em temáticas de convergência, na linha das melhores práticas
internacionais.” (Ministério da Educação e Ciência, 2012)

Assim, a Universidade de Lisboa alcançou uma dimensão ainda maior, sendo


actualmente constituída pelas seguintes escolas, que oferecem cursos em todas as áreas
de estudos, desde as ciências às artes: Faculdade de Arquitetura, Faculdade de Belas-
Artes, Faculdade de Ciências, Faculdade de Direito, Faculdade de Farmácia, Faculdade
de Letras, Faculdade de Medicina, Faculdade de Medicina Dentária, Faculdade de
Medicina Veterinária, Faculdade de Motricidade Humana, Faculdade de Psicologia,

5
Instituto de Ciências Sociais, Instituto de Geografia e Ordenamento do Território,
Instituto Superior de Agronomia, Instituto Superior de Economia e Gestão, Instituto
Superior de Ciências Sociais e Políticas e pelo Instituto Superior Técnico.

Verifica-se, pela quantidade de estabelecimentos de ensino superior, a importância que


a Universidade de Lisboa acrescentou ao ensino em Portugal, já que se tornou na maior
instituição universitária e na minha opinião, mais prestigiada a nível nacional.

2. Associação Cultural Vo’Arte: Entidade de Acolhimento

Foi através do NOC - Núcleo de Orientação de Carreira, departamento da Faculdade


destinado à orientação profissional, que se estabeleceram os protocolos com as entidades
colocadas à disposição dos discentes para fins de candidatura a estágio. A razão pela qual
me candidatei à vaga na Associação Cultural Vo’Arte foi a diversidade de actividades
desenvolvidas pela mesma no campo da Cultura, nomeadamente nas áreas da dança,
performance e cinema. A Vo’Arte é uma associação cultural criada em 1998 por Ana Rita
Barata e Pedro Sena Nunes, directores artísticos da mesma.

“A Associação Vo'Arte nasceu da vontade de produzir, promover e valorizar a criação


contemporânea, através do cruzamento de linguagens artísticas e do desenvolvimento de
projectos nacionais e internacionais. Com 16 anos de actividades artísticas, pedagógicas e
sociais nas áreas da criação, programação, formação e inclusão, a Vo'Arte acredita na cultura
artística e continua a promover artistas consagrados e criadores emergentes, a criar novos
espectáculos, performances, exposições, instalações, filmes, seminários e propostas de
programação cultural transdisciplinar. A Vo'Arte incentiva o diálogo criativo; promove as
relações entre arte e comunidade; contribui para o alargamento e formação de novos públicos;
promove a descentralização, a internacionalização e o intercâmbio entre projectos
artísticos. Apresentou criações na área da dança contemporânea/performance e cinema,
destacando transversalmente a formação, em Capitais Europeias da Cultura (Guimarães
2012, Porto 2001), Capitais Nacionais da Cultura (Coimbra 2003, Faro 2005), Exposições
Mundiais (Saragoça 2008 e Expo 98) e Campeonatos Desportivos (Mundial de Boccia 2010
e no Campeonato Europeu de Futebol de 2004).” (Vo'Arte, 2014)

A equipa técnica da Vo’Arte é constituída por Patrícia Soares e Rita Piteira, na


Produção, Beatriz Dias Coelho na Comunicação e Assessoria de Imprensa, João P. Duarte
na Pós-Produção Audiovisual, Joana Gomes no apoio à produção e Joana Manaças a

6
designer. É uma equipa jovem, bastante dinâmica, que me acompanhou em todas as
alturas do meu estágio e com quem aprendi muito sobre a Vo’Arte e o mundo que a
envolve ao já que me deu indicações fulcrais para desenvolver o meu trabalho na
Associação. Entre todos os elementos da equipa existiu uma boa relação, o que tornou
todos os momentos do estágio mais motivadores.

2.1.A Divulgação da Vo’Arte: Análise do Site

Nos dias de hoje, no que toca ao plano da comunicação dada a diversidade característica
da contemporaneidade, é necessária, se não imprescindível, a criação de uma página Web
pelas mais diversas entidades. A Internet tem proporcionado uma troca de informação
como nenhum outro meio de comunicação, sendo o meio mais abrangente comparando
com as vias tradicionais de informação. As possibilidades de promoção e difusão de
produtos por parte de organismos culturais no que concerne às iniciativas promovidas
pelos diversos promotores culturais multiplicam-se.

No caso particular em análise, em que nos focamos numa entidade que cria, difunde e
programa acontecimentos culturais, torna-se mais enfática a importância da
disponibilização da informação online, de modo a que ela se torne mais acessível ao
público em geral.

A análise presente neste documento é desenvolvida no âmbito do estágio que frequento


neste momento, na Associação Cultural Vo’Arte. O website foi criado pela “Gráficos à
Lapa”, atelier de design gráfico, existente desde 1992, fazendo parte dessa equipa Luís
Carlos Amaro como Designer e Director de Arte, José Nunes como Director Financeiro,
Isabel Taquelim como Designer, Margarida Ornelas como Web Designer e, por último,
Carlos Ramadinha na Produção. O website está online desde 2012.

“Gráficos à Lapa, Comunicação e Imagem, Lda. é um atelier de design gráfico e web design
formado em Outubro de 1992.Com larga experiência no âmbito editorial, a sua actividade
estendeu-se à edição de texto e imagem. Desenvolveu vários projectos culturais, de jornais a
revistas (jornal O Repórter e reedição do Diário de Lisboa para as Festas de Lisboa; Revistas
Check-In e Livening para a ANA – Aeroportos de Portugal; Catálogo On Air para as LFP,
entre outros). Foi responsável pelo design do suplemento Computadores editado pelo jornal
O Público no final dos anos 90. Tem uma relação especial com o universo musical que se

7
traduz num conjunto de capas de discos nomeadamente A Naifa, Carlos do Carmo, Delfins,
Mafalda Arnauth, Peste&Sida, Sérgio Godinho, Três Cantos, Vitorino. A paixão pelo
grafismo não se esgota no papel. A nível digital, além da criação de sites, desenvolve
conteúdos para CDs e animações gráficas. O vídeo foi o passo seguinte. São vários os
pequenos filmes que foram desenvolvidos, desde clips musicais a making-of de produções
fotográficas.” (Gráficos à Lapa, 2014)

Como se verifica pela descrição acima, a Gráficos à Lapa não realiza apenas trabalhos
de web design, actuando em várias áreas da imagem e da comunicação, pelo que existe
alguma relação entre o visual da entidade promovida e o da entidade criadora da página.
Sem dúvida a sensibilidade artística tem de existir na criação de uma página web, uma
vez que se trata de uma janela aberta a todos os utilizadores, sendo esta a oportunidade
de abrir e estimular, conquistar pela imagem e estabelecer um grafismo particular.

Ainda na primeira página, podemos relacionar o banner com as imagens móveis


localizado no topo, ao centro, com uma tela onde se projectam imagens, desafiando ainda
mais o utilizador a buscar outros campos da actividade desenvolvida pela Vo’Arte.

2.1.1. Homepage

Na primeira página da Associação Vo’Arte, como é comum na maior parte dos sítios
web, consta o meu de acesso a todos os sectores Vo’Arte. É nesta página que, de imediato,
o visitante se apercebe da programação mais recente da Associação, já que é ali que se dá
destaque a toda a informação relacionada com novidades, eventos próximos e notícias
para que o acesso a esses conteúdos seja mais instintivo e imediato. Existe, também para
esse fim, um calendário interactivo em que o visitante pode selecionar a data pretendida
e visualizar os eventos futuros que a entidade promove.

O acesso aos restantes conteúdos da página é facilitado pelos dois menus da página: o
menu superior, de fonte cinzenta, a que vou chamar “Menu Institucional” e o menu
abaixo, de fonte negra, constituído pelas designações dos vários sectores Vo’Arte, a que
vou chamar “Menu Cultural”. Convém relembrar que estes dois menus são acessíveis de
qualquer ramificação da página, o que permite ao utilizador aceder a outros locais sem
ter de retroceder nos menus. Outra das particularidades da página é a existência de um
mapa do site que resume todos os conteúdos, na parte inferior da página, igualmente

8
presente em todos os locais da mesma, bem como os pequenos logótipos associados às
redes sociais (Facebook, Twitter, LinkedIn, Google+, email) nos conteúdos publicados,
que permitem ao utilizador partilhar conteúdos nas mesmas, contribuindo dessa forma
para a difusão e divulgação da Vo’Arte em meios de outra forma restringidos.

2.1.2. Menu Institucional

Constituído pelas opções “Home”, “Voarte”, “Videoteca”, “Reflexões”, “Parceiros”,


“Links” e “Contactos”, esta é a área da página que comporta a informação relacionada
com a própria instituição.

2.1.2.1.“Home”

O clique nesta página permite o redireccionamento imediato para a Homepage do sitio


web.

2.1.2.2. “Voarte”

É neste segmento que se encontra a apresentação da instituição, nomeadamente a data


de criação, objectivos e projectos com mais repercussão na actividade realizada pela
Vo’Arte.

2.1.2.3.“Videoteca”

Este é o espaço dedicado à multimédia, já que é aqui (CINEvoarte) que podemos


visualizar vários vídeos no âmbito da produção cinematográfica da Vo’Arte / Pedro Sena
Nunes, sendo assim acessíveis ao público trailers dos filmes do realizador. Ainda neste
sector, estão disponíveis spots publicitários criados para a promoção dos festivais
organizados pela Vo’Arte. A última opção deste sector permite ao utilizador aceder a
vídeos, também eles promocionais, de iniciativas desenvolvidas pela CIM – Companhia
Integrada Multidisciplinar.

2.1.2.4.“Reflexões”

9
Passando o cursor nesta opção, temos possibilidade de aceder a vários documentos
retrospectivos da autoria de Pedro Sena Nunes e de outros autores, relacionados com as
áreas do cinema, performance e inclusão, bem como entrevistas e outra documentação
relacionada com o trabalho da Vo’Arte.

O único apontamento que me cabe fazer a esta secção é em termos de estrutura. Em


outras zonas da página, podemos aceder a um menu “intermédio”, ou seja, pela lógica
presente em outras zonas do site, ao clicar em “Reflexões”, deveria surgir de imediato a
listagem com todas as possibilidades, isto é, Cinema, Performance, Inclusão, Entrevistas,
Outros, e o que sucede (será certamente um lapso de programação de fácil correcção) é
aparecer a opção “Cinema” apenas.

2.1.2.5.“Parceiros”

Nesta ligação surgem todas as estruturas, representadas pelo seu logótipo, que de
alguma forma contribuem para o desenvolvimento da Vo’Arte enquanto associação
cultural. Note-se nesta página o impacto causado pela imagem: as entidades não são
identificadas pelo nome sem que se passe o cursor sobre o logo, existindo um claro jogo
semiótico e, arrisco afirmar, hierárquico. As primeiras estruturas são o Governo de
Portugal, a Direcção-Geral das Artes (Estruturas de Financiamento), a Fundação Calouste
Gulbenkian (Financiamento do Web Site). As restantes estruturas são entidades
institucionais, parcerias de programação europeia e contributos mais logísticos, como é o
caso do apoio hoteleiro e de restauração. Ao apresentar no site esta diversidade de apoios
e parecerias, a Vo’Arte demonstra ser uma associação íntegra e apoiada pelo público.

2.1.2.6.“Links”

Na página “Links” constam hiperligações para o acesso a sítios de parceiros, projectos


de inclusão e redes sociais. Aqui constam alguns caminhos para sites de parceiros
logísticos, institucionais e para as redes sociais, plataformas também elas com um papel
determinante na difusão de iniciativas culturais.

2.1.2.7.“Contactos”

No último campo “Contactos”, para além dos dados de contacto e morada da


Associação, consta a informação biográfica da Direcção Artística, constituída por Pedro

10
Sena Nunes e Ana Rita Barata e da equipa Vo’Arte. No final dessa página podemos
encontrar um formulário que aproxima e convida o público à interacção com a Vo’Arte.

2.1.3. Menu Cultural

A referida barra de menus dá acesso aos vários segmentos que constituem a actividade
artística desenvolvida pela Vo’Arte, que se divide em 5 secções: FESTvoarte,
PRODvoarte, DIFvoarte, CINEvoarte e LABvoarte. A parte inferior da primeira
página conta com um mapa do sítio, ferramenta que facilita o acesso a qualquer um dos
conteúdos da página, dispensando a navegação por caminhos indirectos para aceder ao
conteúdo pretendido.

2.1.3.1. FESTVoarte

Este é o sector onde consta toda a informação referente aos festivais produzidos ou co-
produzidos pela Vo’Arte, nos campos da dança, performance e cinema.
É assim simplificado o acesso do público a toda a informação relativa aos festivais quer
a intenção seja de consulta quer mesmo de participação numa das iniciativas,
nomeadamente no Festival InShadow, organizado pela Vo’Arte uma vez que o site
permite a inscrição online e envio de material para selecção através de uma plataforma
integrada na referida secção.

2.1.3.2. PRODvoarte

O sector PRODvoarte abrange os conteúdos relacionados com projectos de inteira


responsabilidade e relacionamento directo com a Vo’Arte, nomeadamente a CIM –
Companhia Integrada Multidisciplinar, projectos transdisciplinares e projecto FRAGILE.

“FRAGILE é um projecto co-financiado pela União Europeia - Programa Cultura que visa a
inclusão de deficientes visuais nas artes performativas, em países de pontos distantes da
Europa, a partir da parceria entre as instituições Bærum Kulturhus (NO), Vo’Arte (PT),
Universidade de Talin (EE) e Salamanda Tandem (UK) e que assenta nas experiências no
âmbito da dança inclusiva dos coreógrafos Kjersti K. Engebrigtsen (Noruega), Ana Rita
Barata (Portugal) e Ajjar Ausma (Estónia).” (Vo'Arte, 2014)

11
Nesta área podem visualizar-se as sinopses, fichas técnicas e até mesmo algumas
imagens e vídeos relacionados com as criações de cada projecto.

2.1.3.3. DIFvoarte

A secção DIFvoarte é o espaço direccionado, como o próprio nome sugere, para a


difusão de projectos de dança, performance a partir de artistas emergentes no panorama
das artes performativas da contemporaneidade nacional e internacional, que a Vo’Arte
apoia através de co-produções. Neste espaço podem consultar-se os projectos e as
informações inerentes aos mesmos.

12
2.1.3.4.CINEvoarte

É neste espaço que se pode ter acesso a toda a informação relacionada com a produção
cinematográfica levada a cabo por Pedro Sena Nunes. Esta secção da página tem como
objectivo dar a conhecer a obra e o percurso do realizador, bem como as iniciativas
desenvolvidas pela Vo’Arte no âmbito do vídeo e cinema. É possível, inclusive, visionar
alguma da filmografia do realizador e assim ficar a conhecer os projectos desenvolvidos
nesta área.

2.1.3.5.LABvoarte

LABvoarte é a secção da Associação mais relacionada com a experimentação e criação


artística transdisciplinar, uma vez que é neste âmbito que se desenvolvem as residências
artísticas, nomeadamente “Soudos”, numa co-produção com a Associação Amigos da
Cerca. É nesta plataforma que se promovem os encontros e a fruição de novas ideias para
a criação de arte, bem como o diálogo entre artistas de várias áreas.

O site da Vo’Arte apresenta a identidade da Associação através vários factores visuais,


entre eles a escolha das cores neutras para os menus e informações de navegação, títulos
(a preto, branco e escala de cinzentos), deixando assim espaço à utilização da cor nas
imagens, testemunhas do que acontece na Vo’Arte, e no próprio logótipo da Associação,
que utiliza em parte na sua simples e sofisticada composição a cor vermelha. A primazia
e o controlo na utilização da cor é visível não só na primeira página, como ao longo de
todo o website, tornando-a apelativa e agradável para quem a visita, como representa uma
sensibilidade artística decorrente da própria natureza da entidade. Será também
importante referir que todos os conteúdos da página da Vo’Arte estão traduzidos em
inglês, factor propício à interacção com públicos internacionais, que é já uma constante
na Vo’Arte, que acolhe e interage nas suas actividades com públicos e parceiros de
projectos oriundos de diversos países sendo o inglês, regra geral, a língua comum a todos
os intervenientes. Resta-me acrescentar que o facto de a Vo’Arte ter um domínio “.com”
faz com que o primeiro passo ao seu acesso, a sua digitação no browser seja instintiva,
pelo que a meu ver, este é um site bastante bem estruturado e concebido, tendo todas as

13
condições para albergar bastante informação e ser um meio de difusão decisivo para
cativar novos públicos e seguidores das iniciativas da Associação.

14
2.2.Secções de Actividade da Associação

Podemos entender melhor a actividade da Vo’Arte se explorarmos as secções da mesma


que representam a diversidade de projectos em que Associação se envolve:
“FESTvoarte”, “PRODvoarte”, “DIFvoarte”, “CINEvoarte” e “LABvoarte”. Cada sector
é responsável por actividades de diferentes âmbitos, sempre com contexto artístico.
Consta, em anexo, o organograma representativo da estruturação das secções que
constituem a Vo’Arte.

FESTvoarte traduz-se, como referido anteriormente no ponto 2.1.3.1., nas iniciativas


relacionadas com os festivais em que a Vo’Arte participa, produzindo ou co-produzindo.
A diversidade de iniciativas demonstra o extenso trabalho que tem vindo a ser
desenvolvido pela Associação em termos de produção de festivais e iniciativas culturais,
constituído pelas seguintes actividades:

- Lugar à Dança: “Lugar à Dança - Festival Internacional em Paisagens Urbanas caracteriza-se por ser
um festival internacional anual, único no seu género e no contexto da cultura nacional, que
promove a dança contemporânea e outras artes performativas em locais específicos,
programados para uma arquitectura concreta em espaços públicos. É um festival sem portas,
aberto a todo o público, que aposta nas tendências contemporâneas de artistas, criadores e
intérpretes nacionais e internacionais.” (Vo'Arte, 2014)

- InShadow - Festival Internacional de Vídeo, Performance e Tecnologias: “Festival


Internacional de Vídeo, Performance e Tecnologias é uma iniciativa inovadora da Vo'Arte em
co-produção com o São Luiz Teatro Municipal. É uma referência no território da criação
contemporânea transdisciplinar, com destaque para a convergência entre a imagem e o corpo
e processos de criação artística fundados na tecnologia. (…) InShadow explora atmosferas
interdisciplinares pela reflexão sobre soluções estéticas e técnicas de representação do corpo
no ecrã, no palco e noutros espaços de actuação. Géneros e linguagens cruzam-se em vídeos,
espectáculos e performances, instalações e exposições. A programação integra uma
competição de vídeo-dança e vídeo-arte, competição de documentários, espectáculos,
performance (solo), uma secção destinada ao público infanto-juvenil - LittleShadow -, uma
forte componente de formação com workshops e masterclasses destinados a público
especializado e ao grande público, bem como instalações e exposições que expandem o
Festival pela cidade. A vitalidade de um diálogo aberto pelo encontro da experiência de
artistas consagrados com as visões de criadores emergentes.” (Vo'Arte, 2014)

15
- Design e Performance: MuDe Em Movimento – “Integrado na iniciativa MuDe em Movimento,
cujo objectivo é sair fora de portas e ocupar temporariamente diferentes espaços públicos de
Lisboa, o Festival intercepta moradores, transeuntes e turistas no centro histórico da cidade,
com propostas artísticas que cruzam a performance, o design, a moda, a arquitectura e o
urbanismo. Com este Festival pretende-se contribuir para a vivência criativa e lúdica da
cidade, bem como sensibilizar adultos e crianças para a relação existente entre corpo,
equipamento e espaço público, procurando-se redesenhar a sua relação com a cidade.” (Site
MUDE, 2013)

- Coimbra Dança – “Coimbra Dança nasce na Capital Nacional da Cultura, assinalada em 2003 na
cidade de Coimbra, enquanto extensão do Lugar à Dança – Festival Internacional em
Paisagens Urbanas. Afirma-se no ano seguinte como independente, implantando na cidade
uma nova dinâmica de interpretação performativa do espaço urbano, e afirmando-se, ao longo
das últimas 5 edições, como um evento de referência e continuidade. Coimbra Dança habita
a cidade, propondo uma programação em praças, ruas, jardins, teatros e outros espaços,
constituída por espectáculos e performances (site-specific ou não), exposições de fotografia,
workshops e conversas em torno da dança contemporânea.” (Vo'Arte, 2014)

- Arte Non Stop – “Arte Non Stop é um espaço alternativo a novas ideias e criações de jovens criadores.
Surgiu no ano 2000 do reconhecimento da urgência sentida em oferecer visibilidade às várias
formas de expressão artística projecto de artistas emergentes, a partir de uma plataforma de
projecção nacional e internacional. Ao longo de 5 edições, têm sido seleccionados e
convidados a partilhar as suas obras em diálogo abertos os mais diversos criadores,
intérpretes e programadores. A programação decorre por norma em 2 dias intensivos e inclui
apresentações de peças, adaptações, exposições e instalações nas áreas da dança, teatro, circo,
música, vídeo, cinema, fotografia e artes plásticas.” (Vo'Arte, 2014)

16
PRODvoarte, como referido no ponto 2.1.3.2. do presente documento, relaciona-se com
as várias actividades desenvolvidas no âmbito das produções e iniciativas criadas pela
própria Vo’Arte de que são exemplo:

- CiM – Companhia Integrada Multidisciplinar - “CiM - Companhia Integrada Multidisciplinar.


Companhia de dança contemporânea com direcção artística de Ana Rita Barata (coreografia)
e Pedro Sena Nunes (vídeo e dramaturgia), produção e direcção executiva de António Barata
e Célia Carmona e colaboração de outros criadores. Criada em 2007 numa parceria entre a
Vo'Arte e a Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa, a CiM integra intérpretes, bailarinos
e actores com e sem necessidades especiais. Promovendo uma abordagem inclusiva da
criação artística através da dança, imagem e som e desenvolve um trabalho focado nas
particularidades do movimento e expressividade de cada intérprete.” (Vo'Arte, 2014)

- Projectos Transdisciplinares - “Projectos transdisciplinares (com predominância para as disciplinas


da dança/performance, do vídeo e da fotografia e expressões intersticiais) que a Vo'Arte
desenvolve em colaboração com artistas convidados. Reforça-se nesta área o trabalho com a
comunidade, numa perspectiva que explora diversos temas, sensibilidades e disciplinas. Por
exemplo: Devaneios Flutuantes (Teatro Taborda, 2001), Sarva (Coimbra Dança,
2003), Cidade Nua (TAGV, 2004), Da Pele à Pedra (Minas da Panasqueira, 2005), Arquivar
(Festival Circular, 2005), Corpo Todo (Casa da Música, 2007), Ícaro (Casa da Música, 2009)
ou Emergência (Casa Pia, 2010).” (Vo'Arte, 2014)

- FRAGILE - “Fragile - projecto europeu de dança com cegos e bailarinos que a Vo'Arte desenvolve
entre 2011 e 2013 em parceria com coreógrafos da Baerum Kulturhus (Noruega) e
Universidade de Talin (Estónia). Visa a integração de pessoas cegas e com baixa visão nas
artes performativas e a pesquisa de novos métodos de trabalho para bailarinos profissionais.
Passa pela implementação de workshops, a criação de três espectáculos de dança e três
documentários, bem como de seminários internacionais e assenta numa sólida base científica:
o método de consciência corporal para deficientes visuais que a coreógrafa norueguesa
Kjersti Engebrigtsen tem vindo a desenvolver ao longo da sua experiência académica e
profissional desde 1987.” (Vo'Arte, 2014)”

DIFvoarte, já mencionada no ponto 2.1.3.3., é a plataforma dedicada à difusão de


criadores contemporâneos no campo das artes performativas, em que a Vo’Arte
desempenha o papel de produtora dos espectáculos que apoia.

17
“Plataforma de difusão que incentiva a criação contemporânea e promove a difusão nacional
e internacional de criadores independentes. Garante o acompanhamento específico e
individual de cada projecto artístico, ao nível da produção de materiais gráficos e
videográficos para promoção, consultadoria e captação de recursos logísticos e financeiros.”
(Vo'Arte, 2014)

Neste momento, encontram-se a ser apoiados pela Vo’Arte a dupla |acsc| - António
Cabrita e São Castro, dupla de bailarinos, sendo o seu projecto mais recente o espectáculo
Play False, estreado em Maio de 2014.

“O Ser Humano é o único animal conhecido por pensar e questionar sobre um propósito de
vida além da básica e simples necessidade de sobrevivência. Ou a natureza da própria
existência. O que somos e o que nos condiciona.

Uma viagem pela condição humana confronta-nos com a nossa existência histórica e social.
A busca por um sentido muitas vezes entrega-nos à urgência da articulação entre o homem e
os seus limites, levando-o ao autêntico, mas também ao falso.

E quem melhor do que Shakespeare para falar sobre os conflitos mentais, as emoções versus
a razão ou mesmo o que está para além das palavras?

Recorrer à psicologia e comportamento humano de personagens como Lady Macbeth,


Hamlet, Romeu e Julieta e Richard III e reflectir sobre as suas próprias questões, utilizando
as suas palavras e acções como matéria para os nossos gestos e movimentos.” (|acsc|, 2014)

Enquanto entidade produtora, a Vo’Arte tem como tarefa gerir a logística do


espectáculo, funcionando como “agente” dos artistas, já que acompanha e gere todo o
processo de organização do espectáculo, nas fases de pré-produção, produção e pós-
produção de um espectáculo. Recorrendo à obra Manual de Produção Cultural de
Conceição Mendes, que se baseia em obras de vários autores para definir o conceito de
“produtor”, destaco a definição de Miguel Abreu, retirada do Guia das Artes do
Espectáculo. Teatro, Dança e Música (1999:2-7), encomenda do Ministério da Cultura,
que se aplica ao papel que a Vo’Arte enquanto produtora desempenha nos espectáculos
que apoia e produz:

“Para os autores, o produtor é aquele que, ao ter a iniciativa de produzir um espectáculo,


assume todos os riscos que lhe são inerentes, nomeadamente os financeiros e artísticos. A

18
estas funções acresce, as de gestor porque cabe ao produtor a responsabilidade de gerir uma
“organização de produção”, isto é, de selecionar e acolher projectos teatrais ou artísticos e,
preocupando-se com a satisfação do público, de os planear, comercializar, implementar e
controlar” (Mendes, 2007)

A referida obra de Conceição Mendes trata também de definir os conceitos de “pré-


produção” e “produção, a saber:

Pré-produção: “Na primeira fase e talvez a mais importante do projecto, a pré-produção, o produtor e a
equipa que ele vai escolher para trabalhar directamente consigo (…) terão de procurar,
afincadamente, e de acordo com os objectivos do projecto (ou produção) todos os requisitos
técnicos, artísticos e financeiros para que o espectáculo se possa realizar. (…) O plano de
produção deve ser delineado na fase de pré-produção, deve prever o orçamento do projecto
e o trabalho que todas as equipas – artística, criativa, de interpretação, técnica e
administrativa – devem realizar no prazo de 9/10 semanas (estreia incluída) ” (Mendes, 2007)

Produção: “Na segunda fase, fase da produção (ensaios e realização), a equipa deve ter totalmente
preparada a sala onde os ensaios irão decorrer. (…) É, ainda, nesta fase, que as equipas da
direcção de cena e direcção técnica entram em acção. (…) Na fase da produção está incluída
a montagem do espectáculo e todos os ensaios técnicos prévios à sua estreia. (…)
Previamente às montagens, deve ser prevista pela equipa de produção, para os intérpretes, a
reserva de camarins e, para a montagem do cenário e do equipamento de luz, deve ser
averiguado, no local, se todas as normas de segurança, obrigatórias para o bem-estar dos
utilizadores do palco e das zonas técnicas, estão a ser cumpridas.” (Mendes, 2007)

Quanto à pós-produção este conceito relaciona-se com o balanço que é feito após a
realização dos espectáculos, nomeadamente no preenchimento de relatórios dirigidos às
entidades financiadoras das actividades da Vo’Arte, de que é exemplo a Direcção Geral
das Artes. Estes conceitos (pré-produção, produção e pós-produção) estendem-se todos
os outros sectores da Associação (CINEvoarte, LABvoarte, PRODvoarte e FESTvoarte),
já que esta é sempre a produtora das actividades que dinamiza.

Nesta secção específica da actividade da Associação, DIFvoarte, aquando do meu


estágio, foram delegadas a maior parte das actividades relacionadas com a difusão de
artistas a Patrícia Soares, produtora, que trabalha em conjunto com a directora artística
Ana Rita Barata.

19
CINEvoarte é a secção onde se insere a área cinematográfica do trabalho da Vo’Arte.
Como já referido no ponto 2.1.3.4., esta secção relaciona-se na sua maioria com a difusão
das obras de Pedro Sena Nunes, mas também com as actividades de formação dirigidas
ao público em geral que se relacionam com a área do cinema.

“Plataforma de criação, produção e co-produção, difusão, formação - workshops e


masterclasses de introdução ao vídeo, linguagem cinematográfica, cinema documental de
criação e experimental -, projectos sociais e programação de cinema - Olhares Frontais dos
Encontros de Viana, Mostras de cinema, entre outras - associada à visão e à obra do realizador
e produtor Pedro Sena Nunes.” (Vo'Arte, 2014)

LABvoarte, conforme indicado no ponto 2.1.3.5. “ (…) é um laboratório de investigação,


formação e criação artística transdisciplinar. Inclui a realização de residências artísticas,
ensaios abertos, apresentações, workshops, masterclasses, parcerias e colaborações entre
criadores, escolas, universidades e público. Criado para responder à necessidade de partilhar
processos de criação e de comunicar e divulgar as várias manifestações artísticas
contemporâneas o LABvoarte tem a sua maior expressão no projecto SOUDOS – Espaço
Rural de Artes, um local de acolhimento e experimentação aberto a criadores nacionais e
internacionais e à partilha de reflexões em torno das artes performativas.” (Vo'Arte, 2014)

A Vo’Arte é uma entidade privada, financeiramente apoiada por vários programas e


entidades, nomeadamente o Governo de Portugal/Secretário de Estado da Cultura –
Direcção Geral das Artes. Integra também as redes CQD – Ciudades Que Danzam e a
Studio-Trade, plataformas que estimulam o intercâmbio de ideias, projectos e o contacto
entre artistas das áreas da dança, vídeo, cinema, bem como permitem a difusão de
iniciativas nesse âmbito. A Vo’Arte é ainda co-organizadora dos projectos
Europeus EVDH - European Video Dance Heritage, que se traduz em encontros,
workoshops e masterclasses em que se abordam temas relacionados com a vídeo-dança e
a sua conservação e preservação de modo à sua transmissão às gerações
futuras, e Unlimited Access, projecto disponibilizado pelo British Council, cujo objectivo
é promover a inclusão na e através da arte, na qual a Vo’Arte se destaca pela iniciativa
InArte, que decorreu na primeira semana de Abril do presente ano.

No início do estágio curricular ficou estabelecido que seria responsável pela área do
cinema, coordenada por Pedro Sena Nunes, área que tenho desenvolvido através de
tarefas de contacto com entidades promotoras de festivais, envio de filmes, tradução de
filme, revisão de texto, entre outras. No entanto, tenho desempenhado outras actividades

20
de apoio à produção sempre que necessário, o que me deixa bastante satisfeita, dado que
tive a oportunidade de me deslocar a vários locais com o fim de, por exemplo, divulgar
iniciativas da Associação pela cidade de Lisboa ou remeter filmes de Pedro Sena Nunes
para diversos festivais, e assim contribuir para o bom funcionamento da Vo’Arte. A
diversidade de projectos que decorrem simultaneamente, nas quais a Vo’Arte se integra
e com as contactei, levaram-me a propor como tema do meu relatório de estágio “O
Contributo da Vo’Arte para a Comunidade”, tendo como objectivo a exploração e
definição das formas utilizadas pela Vo’Arte para apoiar a comunidade e fomentar os
meios para assegurar a sua actividade.

21
3. O Contributo da Vo’Arte para a área da Inclusão Social

A Vo’Arte contribui de diversas formas para a comunidade utilizando a arte para, de


forma directa ou indirecta, atingir essa finalidade. A actividade desta Associação nas
várias vertentes artísticas com que trabalha, nomeadamente dança, performance e cinema,
nas quais que se inserem diversas iniciativas de contexto mais formativo e pedagógico, é
de extrema importância para a difusão, intercâmbio de ideias e promoção do diálogo entre
diversos elementos da comunidade.

“A prática da inclusão social assenta no modelo social da deficiência. Ao contrário do modelo


médico da deficiência foi elaborado por pessoas com deficiência. Implica um esforço
bilateral entre a sociedade e a pessoa com deficiência visual no sentido de juntos encontrarem
soluções para que ocorra a igualdade de oportunidades em todos os cidadãos.” (Martins,
2008)

A programação da Vo’Arte conta com várias secções, todas elas dedicadas a variadas
vertentes artísticas, sendo a questão da inclusão social a mais distintiva da actividade da
Vo’Arte no panorama cultural da actualidade. Entende-se como inclusão social a
integração de várias comunidades, social ou economicamente desfavorecidas no coletivo
geral, sendo essa intenção mais intensa e visível no repertório artístico (espectáculos,
filmes e coreografias) da Vo’Arte, pela abordagem e exploração das potencialidades de
pessoas com necessidades especiais, com mais impacto no campo da dança.

O objectivo da Associação nesta área prende-se com a exploração dos limites dos
intérpretes e do público em geral, proporcionada pela criação de conteúdos artísticos
contemporâneos em que a dança é soberana, sem fronteiras ou limites, sobretudo se
considerarmos a actividade da CiM – Companhia Integrada Multidisciplinar, nascida em
2007, fruto da parceria entre a APCL - Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa,
Vo'Arte e o CRPCCG - Centro de Reabilitação de Paralisia Cerebral Calouste
Gulbenkian.

A minha participação no apoio à produção da iniciativa InArte – Encontros pela Inclusão


na Arte, realizada entre 31 de Março e 5 de Abril em vários espaços da cidade de Lisboa,
mostrou-me a importância destas iniciativas para a alteração da mentalidade das maiorias
relativamente à abordagem da temática da deficiência. A abertura que existe na
programação, tendo dias dedicados à exibição de filmes relacionados com a inclusão
social com entrada livre, é um factor decisivo que demonstra o caminho que a Vo’Arte

22
percorre para divulgar a dar conhecer a arte inclusiva ao público em geral, para contrariar
o facto de apenas de uma pequena parte da população estar familiarizado com este tipo
de arte.

4. O Contributo da Vo’Arte no âmbito da produção fílmica

“Entre 1996 e 2012, a Vo’Arte produziu 50 filmes nos géneros documentário (18),
Experimental (15), Ficção (5), Instalação (1), Vídeo-arte (5) e Vídeo-dança (2), exibidos 550
vezes em festivais nacionais e internacionais e galardoados com 27 prémios e menções
honrosas em festivais consagrados, acumulando um total de 60.000 espectadores.” (Vo'Arte,
2014)

Através da criação fílmica de autoria do realizador Pedro Sena Nunes, produzida pela
Associação Vo’Arte, é possível apercebermo-nos do valor cultural dos projectos
realizados. Estes filmes abordam diferentes temáticas que contribuem para estimular,
através da sua visualização, a reflexão e o pensamento crítico. As temáticas a que me
refiro são variadas, uma vez que podemos identificar vários géneros nas produções, entre
eles o “documentário”, “ficção”, “experimental”, “vídeo-dança”, “vídeo-arte” e
“instalação”, conceitos que definirei nas próximas páginas.

4.1. Género Documental

“O género de documentário, em cinema ou audiovisual, pode ser definido de uma forma


elementar como o registo do que usualmente se entende como real ou realidade. Este processo
acontece de forma diversa do cinema argumental ou de ficção que nasce a partir de uma ideia,
que pode ser inspirada em situações reais mas que é construída no imaginário da pessoa que
o cria através de um argumento. O documentário, embora tenha necessariamente uma fase
de investigação, nasce na imagem, ou seja, "escreve-se" a partir da imagem registada da
realidade. No documentário, a investigação ajuda o autor a melhor entender e a procurar em
campo as perspetivas do tema que está a desenvolver. Mas, em muitos casos, não é possível
prever o que irá ser registado em termos de imagem, que dependerá, em grande medida, da
oportunidade, uma das situações mais fascinantes deste género audiovisual. Existem
diferentes abordagens ao documentário, desde os mais puristas que pretendem captar a
realidade tal como ela é até aos que elaboram documentários ficcionados que pretendem
contar uma situação com uma linguagem escrita e visual com um olhar mais subjetivo. (...)
O guião de um documentário escreve-se a partir das imagens e quase paralelamente à
montagem, terminando quando o vídeo está terminado. Um documentário nasce na

23
investigação que muitas vezes assume para a filmagem o papel que o guião assume no filme
de ficção. Em termos de captação de imagem, os documentários podem ser diretos e
espontâneos, quando captam um momento que não ser irá repetir da mesma forma, como,
por exemplo, um ritual folclórico. Os documentários podem ainda ser diretos induzidos
quando, por exemplo, numa pesquisa antropológica se podem fazer repetir gestos para
imagem, a fim de documentar um tipo de trabalho ou costume tradicional. Para além dos
documentários baseados em filmes de arquivo, existem ainda aqueles de análise prévia, nos
quais há o recurso a especialistas e a documentos, como acontece, por exemplo, num
documentário sobre construção de instrumentos musicais. São muitos os géneros e as formas
que o documentário pode assumir naquele que é um dos géneros mais apaixonantes do mundo
audiovisual.” (Porto Editora, 2014)

4.1.1. Projecto MICROcosmos

“O projecto cresce, torna-se visível, e cresce com ele a vontade de continuar a encontrar
microcosmos representativos de algumas essências de cada província portuguesa.
MICROcosmos é uma série de documentários. Um documentário por província. Entre acasos
diversos e momentos imperfeitos, filmei em Trás-os-Montes, Minho, Beira Litoral, Beira
Baixa e Algarve. Beira Alta será o próximo território que acrescentarei neste mapa.” (Nunes,
2014)

Utilizando as palavras de Pedro Sena Nunes para descrever o projecto de sua autoria
podemos, desde já, constatar a intenção do autor ao filmar em diversas regiões do
território português. Portugal, apesar do território reduzido, tem costumes e traços
culturais que se alteram de província para província. Os filmes que se inserem neste
projecto são Entraste no Jogo Tens de Jogar (2010), A Morte do Cinema (2003), Da Pele
à Pedra (2005), Elogio ao 1/2 (2006), Há Tourada na Aldeia (2010) e Não Tenhais Medo,
que se encontra em execução.

Neste sentido, o projecto MICROcosmos contribui, em primeiro lugar, para a ilustração


dessas diferenças, valorizando assim a identidade cultural da região documentada. A meu
ver, as imagens recolhidas por Pedro Sena Nunes são testemunhas da identidade regional
portuguesa, menos conhecida do público em geral, na sua essência e sem deturpações.
Estão patentes nestes filmes costumes, tradições e histórias que não poderão ser
reproduzidos num futuro próximo. O abandono das áreas rurais pelos mais novos que se
faz sentir nos dias de hoje contribui para tal. Só as populações mais velhas restam para
contar as histórias do antigamente. Se quisermos, só elas têm verdadeiras relíquias para
transmitir. Se considerarmos a utilização que é dada às redes sociais e a facilidade que
24
existe hoje na captação e difusão de imagens a título pessoal e de lazer, a população mais
jovem dispõe de meios que lhes permite contar as histórias no instante em que estas se
passam através da constante partilha de informação. Assim, a obra cinematográfica com
produção da Vo’Arte contribui presentemente, bem como num futuro próximo, como
acervo, recordando actividades, hábitos e costumes mais rurais que não serão mais
retomados com a intensidade que outrora era comum.

4.1.2. 2and2 Are Four (2014)

Este é o filme mais recente de Pedro Sena Nunes, que resultou de imagens recolhidas
no âmbito do espectáculo EDGE, parte integrante do projecto FRAGILE, já mencionado
no ponto 2.31.2. deste relatório, espectáculo criado e coreografado por Ana Rita Barata,
que conta com a interpretação de Joana Gomes e Luís Oliveira, ambos cegos, e Sofia
Soromenho e Bernardo Gama, que não possuem qualquer necessidade especial. O
documentário espelhou a interacção entre artistas com e sem deficiência, registando as
suas opiniões e pontos de vista sobre o projecto, de carácter inclusivo. A difusão de 2and2
Are Four tem sido uma das tarefas que tenho desempenhado na Associação Vo’Arte,
através do seu envio para festivais de cinema nacionais e internacionais, com o fim de
levar ao maior número de pessoas o trabalho de Pedro Sena Nunes, propensa à
consciencialização do público que o leve a incluir a pessoa com deficiência num patamar
de igualdade que não foi ainda atingido, pelo menos na sociedade portuguesa
contemporânea.

Como refere Patrícia Roque Martins, “Em Portugal, de uma forma ainda pouco definida e
quotidianamente tanto excluímos, segregamos, integramos ou incluímos a pessoa com
deficiência. Excluímos quando ignoramos a existência de pessoas com deficiência (situação
muito habitual no momento de projectar programas de acesso público). Segregamos quando
consideramos que a pessoa deficiente só está apta para operar em meios relacionados com a
sua deficiência e até quando consideramos que tem capacidades inferiores às de uma pessoa
sem deficiência. Integramos quando prestamos apoio à pessoa com deficiência de forma a
operar no meio social comum (situação que acontece por exemplo quando se emprega uma
pessoa com deficiência) ” (Martins, 2008).

Para além dos envios dos filmes a festivais, a tradução da legendagem de português para
castelhano foi da minha autoria, tarefa essa que me proporcionou bastante prazer, já que

25
a Tradução é uma das áreas que me interessa, talvez por influência da cadeira de Análise
do Discurso, cujo programa abordou com intensidade conteúdos relacionados com essa
prática. Assim, este documentário é um elemento que contribui, à semelhança dos
projectos desenvolvidos pela Vo’Arte e pela Companhia Multidisciplinar Integrada no
âmbito da dança, para a modificação do pensamento do público em geral, ainda detentor
de uma mentalidade desvalorizadora das capacidades artísticas dos indivíduos com
necessidades especiais.

4.2.Vídeo-dança, vídeo-arte, experimental e instalação

A actividade da Vo’Arte distingue-se enquanto associação cultural por ser pioneira na


criação, difusão e no incentivo às práticas artísticas mais contemporâneas na área do
vídeo, desconhecidas do público mais comum. Conceitos como vídeo-dança
(screendance em inglês), vídeo-arte e instalação são ainda pouco familiares do público
em geral, não só por se terem difundido apenas a partir dos anos 70 do século XX e não
existir ainda distância histórica suficiente para a generalização dos conceitos pelos mais
leigos, mas também pela dificuldade na obtenção de apoio e financiamento aos artistas e
entidades promotoras de iniciativas deste género. Podemos definir os conceitos
anteriormente referidos da seguinte forma:

Video-Dança: “The simple answer is; screen dance is dance made especially for the camera or screen
where choreography and screen practice reside together. It is about inventing a movement
language that can only exist on and for the screen. The main concern is movement, which
could be from traditional or recognisable dance steps to choreographed car chases, movement
from an archive or other sources, dancing JCB diggers or gun fights. It is useful to note that
screen dance as a developing art from is sometimes called dance for camera, screen
choreography, video dance or dance film. A more complex answer to the question ‘what is
screen dance?’ is to say: screen dance is a hybrid site; it is the merging of two distinct
disciplines; dance and film in a two way discussion in which each process is manipulated to
produce an innovative relationship between body or subject, the camera and the editing.”
(Agiss, 2008)

Vídeo-Arte: “Term used to describe art that uses both the apparatus and processes of television and
video. It can take many forms: recordings that are broadcast, viewed in galleries or other
venues, or distributed as tapes or discs; sculptural installations, which may incorporate one
or more television receivers or monitors, displaying ‘live’ or recorded images and sound; and

26
performances in which video representations are included. Occasionally, artists have devised
events to be broadcast ‘live’ by cable, terrestrial or satellite transmission.” (Hartney, 2009)

Experimental: “A definição de cinema experimental é difícil, convenhamos; eventualmente improvável.


A designação de cinema experimental permite acolher uma série de obras extremamente
distintas entre si – e mesmo assim não é suficiente nem exclusiva. Dois dados nos parecem,
porém extremamente relevantes a este respeito. Em primeiro lugar: existe uma forte
propensão para a criação de um cinema iminentemente conceptual, ou seja, um cinema de
ideias, mais do que um cinema de situações, de personagens, de imitações ou de
representações. (…) Em segundo lugar, e decorrente do anteriormente dito: é no cinema
experimental que a ligação da criação cinematográfica à arte no sentido mais solene e nobre
do termo mais nitidamente se manifesta. O cinema não pretende ser apenas um cinema de
ideias, mas também de ideias estritamente artísticas, e em muitos casos estritamente
cinematográficas. É como se, de algum modo, se procurasse teorizar acerca do cinema tendo
simultaneamente como meio e como matéria o próprio cinema, colocando-o a reflectir sobre
as suas próprias condições de produção e de criação” (Nogueira, 2010)

Instalação: “Term that gained currency in the 1960s to describe a construction or assemblage conceived
for a specific interior, often for a temporary period, and distinguished from more
conventional sculpture as a discrete object by its physical domination of the entire space. By
inviting the viewer literally to enter into the work of art, and by appealing not only to the
sense of sight but also, on occasion, to those of hearing and smell, such works demand the
spectator’s active engagement. As an art form, installations are particularly associated with
movements of the 1960s and 1970s such as Pop art, Nouveau Réalisme,
Minimalism, conceptual art and process art, but in theory they can be conceived within the
terms of virtually any style.” (Grove Art Online, 2009)

Estes vídeos de Pedro Sena Nunes mostram que a Vo’Arte contribui também para o
crescimento da criação de videografia de origem portuguesa, aumentando assim a
quantidade de elementos dos géneros acima enumerados no panorama nacional, de modo
a poderem também ser conhecidos por espectadores de outros países, onde é bastante
mais reconhecida a prática da vídeo-dança, da instalação e da vídeo-arte.

27
5. Como assegura a Vo’Arte a sua actividade?

A Vo’Arte depende inteiramente das parcerias, dos subsídios e prémios de festivais e


das candidaturas a projectos nacionais e internacionais para poder subsistir na actual
condição da cultura em Portugal, como já terá sido referido anteriormente neste relatório.
A elaboração de candidaturas de projectos a submeter em programas, concursos ou
parcerias, seja qual a sua natureza, é uma das mais importantes tarefas da equipa de
produção. A direcção artística trabalha conjunta e intensamente com a equipa técnica da
Associação de modo a que seja produzida uma ideia bem estruturada, para que seja obtido
o financiamento necessário à subsistência da Vo’Arte.

Estruturas como a Direcção Geral das Artes ou a Fundação Calouste Gulbenkian


contribuem através da atribuição de bolsas e subsídios para a execução dos projectos
propostos a concurso pela Vo’Arte. Estas contribuições têm como fim suportar as
necessidades financeiras e logísticas da Associação no âmbito das actividades que são
desenvolvidas.

Por outro lado, a Vo’Arte enquanto entidade tenta envolver-se com a comunidade
através de propostas espontâneas a diversas entidades, de forma a conseguir negociar
protocolos, parcerias e patrocínios que possam contribuir com as suas iniciativas, uma
vez que os apoios acima mencionados são insuficientes para cobrir todas as produções e
acontecimentos em que a Associação se envolve.

Outra das formas que a Vo’Arte utiliza para a sua subsistência, e agora a nível de
recursos humanos, é através dos programas de estágio propostos, tanto por iniciativa
própria como por intermédio de instituições, caso em que eu me insiro. Esta é uma forma
de ultrapassar os obstáculos inerentes à contratação a nível laboral, uma vez que
actualmente não existiria possibilidade financeira para tal. Esta tendência, bastante
positiva a meu ver, ao mesmo tempo que estimula a integração de futuros e recém-
licenciados, que têm assim a possibilidade de experimentar e explorar o mundo da
produção e gestão cultural, preenche necessidades de âmbito técnico das associações que
se disponibilizam a receber estagiários.

28
Reflexão sobre o Curso de Ciências da Cultura: A formação aplicada ao mundo do
trabalho

O Curso de Ciências da Cultura foi o eleito, desde o meu décimo primeiro ano, como o
“curso dos meus sonhos”. As várias saídas profissionais associadas ao curso eram
exactamente aquilo que se adequava aos meus planos profissionais. Talvez por ser natural
de Portimão e lá não existir a quantidade de meios culturais que existe em Lisboa ou em
outras localidades portuguesas tenha sentido necessidade de aprender mais e contactar
com o mundo da cultura de forma mais directa.

A Licenciatura em Ciências da Cultura, apesar de ter uma nomenclatura muito


chamativa, tal como muitas das cadeiras que constituem o seu plano curricular, não
correspondeu às expectativas que trazia aquando do meu ingresso. Existem cadeiras que
fazem todo o sentido estarem incluídas nesta licenciatura, como é o caso de Estudos
Culturais, Cultura Clássica, Gestão Cultural ou Comunicação Intercultural e das
opcionais concedidas. Existe também a situação oposta, em que se incluem cadeiras como
Estrutura das Frases em Português, nome que foi dado à disciplina de Sintaxe, ou a cadeira
de Linguagem dos Media, de que não resultam conteúdos muito relevantes, nem a nível
de cultura geral. No caso de Sintaxe notei uma estrutura bastante direcionada à linguística:
não encontro possibilidade de aplicar tais conhecimentos na minha função actual, tal
como no caso da disciplina de Linguagem dos Media que, apesar do nome, não me
ensinou nada que não tivesse sido leccionado no ensino básico.

A falta de correspondência às expectativas que mencionei deve-se apenas ao facto de


todo o plano curricular, à excepção de Gestão Cultural e Tecnologias da Investigação e
Comunicação por razões óbvias, ser demasiado teórico, não sendo dado muito espaço à
prática das tarefas que são impostas pelo mundo da gestão e produção cultural. Sinto que
há uma grande lacuna no que toca a questões legais relacionadas com a área da cultura,
licenciamentos, funcionamento das instituições, que a meu ver deveriam ser abordadas
com mais intensidade ao longo da Licenciatura. Confesso também que não encontro uma
relação directa entre o facto de ter frequentado este curso com o desempenho que tenho
vindo a ter na Vo’Arte, que na minha opinião tem sido positivo, não querendo com isto
dar a entender que as Ciências da Cultura não são interessantes ou não proporcionem
aprendizagem a quem frequentar a licenciatura. Pretendo apenas salientar que este curso
de direcciona à obtenção de saberes mais contextuais e teóricos, que serão certamente

29
bastante úteis e relevantes se colmatados com um mestrado na mesma área, que
certamente possibilitará outros desafios aos formandos. A área em que a Vo’Arte se insere
terá sido apenas contemplada na cadeira opcional de Artes Plásticas Contemporâneas, em
que se mencionaram questões directamente ligadas às correntes artísticas e culturais mais
próximas ao trabalho da Vo’Arte.

No entanto, continua a ser o curso que escolhi e não nutro qualquer arrependimento por
o ter elegido. O mundo da cultura e das artes é, a meu ver, o mais rico e gratificante uma
vez que não existem limites às possíveis abordagens da Cultura, sobretudo na actualidade,
em que temos tantos meios à disposição da criação, produção e difusão artística e cultural.

30
Conclusão

De um modo geral, este estágio proporcionou, como já terei mencionado neste


documento, o meu contacto com áreas culturais e artísticas que desconhecia,
nomeadamente a área da dança e as vertentes cinematográficas exploradas por Pedro Sena
Nunes. O estágio realizado apresentou-me novos desafios que contribuíram para a
percepção do funcionamento de uma entidade promotora de cultura, já que quem apenas
assiste ao espectáculo, como era o meu caso até ao início do estágio, não tem noção dos
processos que estão envolvidos na preparação, produção e também pós-produção de
conteúdos artísticos e culturais. Destaco a etapa de pós-produção de um espectáculo e
todo o processo associado, que se revela extenso e trabalhoso. Os balanços contabilísticos
e a elaboração de relatórios, com o fim de serem apresentados às entidades que de algum
modo apoiam a Associação foi a actividade que, apesar de não ter contado directamente
com a minha colaboração, mais espanto me causou, pois é necessário um trabalho
exaustivo para a conclusão dos relatórios das actividades desenvolvidas por existir a
necessidade de ser justificado o financiamento concedido, por exemplo, pela Direcção
Geral das Artes.

No que toca ao tema proposto, podemos concluir que o contributo da Vo’Arte para a
comunidade é claro: as actividades desenvolvidas pela Associação traduzem-se, em
primeiro lugar, no aumento das manifestações culturais no panorama português. As
criações, espectáculos, filmes e eventos culturais que a Vo’Arte produz são um motor do
desenvolvimento da arte contemporânea portuguesa devido ao caracter inovador e
singular das suas acções.

Em segundo lugar, a Vo’Arte proporciona a artistas em ascensão, sejam eles bailarinos


ou cinematógrafos, com ou sem deficiência, a visibilidade indispensável para a obtenção
de reconhecimento no meio artístico, levando a diferentes públicos os seus trabalhos
através da produção e da difusão dos seus espectáculos a nível nacional e internacional e
promovendo o diálogo entre os mesmos através das residências artísticas levadas a cabo
nos Soudos – Espaço Rural das Artes, devido à intensidade da experiência que promove
a criação artística.

Por último, e como já referi, a Vo’Arte proporciona, através da inclusão de membros


estagiários na sua equipa técnica, a oportunidade de jovens de diferentes áreas
ingressarem no mundo do trabalho de uma forma pedagógica e progressiva já que existe

31
um acompanhamento de toda a equipa de modo a que da experiência resulte uma
aprendizagem indispensável ao sucesso profissional.

Quanto aos meios que a Vo’Arte utiliza para subsistir e manter o desenvolvimento da
sua actividade, ficou já claro que sem os apoios e parcerias estabelecidos a curto e médio
prazo, a Associação certamente não teria forma de desenvolver as actividades artísticas
que a caracterizam. Desde o apoio concedido pelo Governo de Portugal, através da já
referida Direcção Geral das Artes (por mim considerado de prazo mediano devido à
constante necessidade de candidatura a projectos de financiamento), da RTP, com quem
foi conseguida a divulgação da iniciativa InArte através da transmissão de um spot
publicitário ou da empresa Águas do Vimeiro, que forneceu águas para a mesma, verifica-
se a necessidade de recorrer a parcerias externas para a subsistência e continuação do
trabalho da Vo’Arte. É uma constante do trabalho da Vo’Arte o contacto com possíveis
patrocínios, apoios e parcerias para a realização das actividades que são propostas. De
outra forma a Associação não conseguiria continuar a desenvolver as suas iniciativas
dadas as limitações impostas pela questão financeira. O facto de serem concedidos por
entidades externas os mais diversos apoios, por mais básicos que sejam, mostram que
existe um interesse e uma atitude solidária por parte dessas entidades externas, crucial à
progressão da actividade da Vo’Arte.

O estágio na Vo’Arte foi decisivo para perceber o funcionamento das associações


culturais em Portugal e, de uma forma mais directa, sentir as dificuldades que o panorama
cultural português atravessa. É importante destacar que todo esse trabalho, pelo menos
no caso da Vo’Arte, é realizado por poucos elementos, o que torna ainda mais relevante
o trabalho da mesma. Este estágio será para sempre uma marca na minha vida pessoal e
profissional como uma experiência muito positiva, sendo apenas de lamentar o facto de
não me ter conseguido dedicar a tempo inteiro devido ao meu emprego. Sem esse afazer,
certamente teria conseguido integrar-me ainda melhor no trabalho que é produzido pela
Vo’Arte.

32
Referências

|acsc|. (2014). Works. Obtido em 27 de Junho de 2014, de |acsc|:


http://www.acsc.pt/PT%20NEW/Play%20False/aboutplayfalse.html
Agiss, L. (2008). What is Screen Dance? (S. E. Dance, Editor) Obtido em 28 de Junho de 2014,
de British Council: http://www.britishcouncil.org/new/forward-motion/Forward-
Motion-Articles-Folder/What-is-Screen-Dance/
Ferro, M. L. (2013). Vídeo-dança de produção portuguesa. Lisboa, Portugal. Obtido em 29 de
Junho de 2014, de https://www.repository.utl.pt/handle/10400.5/6334
Gráficos à Lapa. (2014). Obtido em 28 de Junho de 2014, de Gráficos à Lapa:
http://www.graficosalapa.pt/index.html
Grove Art Online. (2009). MoMa. Obtido em 29 de Junho de 2014, de MoMa:
http://www.moma.org/collection/theme.php?theme_id=10101
Hartney, M. (2009). MoMa. (O. U. Press, Editor) Obtido em 28 de Junho de 2014, de MoMa:
http://www.moma.org/collection/details.php?theme_id=10215
Martins, P. I. (2008). A Inclusão Pela Arte: Museu e Públicos com Deficiência Visual. Lisboa,
Lisboa, Portugal. Obtido em 25 de Junho de 2014, de
http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/647/1/18070_ULFBA_Tes306.pdf
Mendes, C. (2007). Manual de Produção Cultural . Lisboa: INATEL.
Ministério da Educação e Ciência. (31 de Dezembro de 2012). Decreto-Lei n.º 266-E. Diário da
República - I Série, pp. 7424-(279)-(289). Obtido em 27 de Junho de 2014, de
http://dre.pt/pdf1sdip/2012/12/25202/0027900290.pdf
Nogueira, L. (2010). Manuais de Cinema II: Géneros Cinematográficos. Covilhã: Livros
LabCom. Obtido em 29 de Junho de 2014, de
http://www.livroslabcom.ubi.pt/pdfs/nogueira-manual_II_generos_cinematograficos.pdf
Nunes, P. S. (2014). Vo'Arte. Obtido em 26 de Junho de 2014, de Vo'Arte:
http://www.voarte.com
Porto Editora. (28 de Junho de 2014). documentário. Obtido em 28 de Junho de 2014, de
Infopédia: http://www.infopedia.pt/$documentario
Site da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. (2014). Obtido em 26 de Junho de
2014, de Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa:
http://www.letras.ulisboa.pt/quem-somos/a-faculdade
Site MUDE. (2013). Obtido em 28 de Junho de 2014, de Site Museu do Design:
http://www.mude.pt/_eventos/voArte/voArte_PT.html
Vo'Arte. (2014). Vo'Arte. Obtido em 28 de Junho de 2014, de Vo'Arte:
http://voarte.com/pt/voarte/

33
ANEXOS

 ANEXO I – Filmografia de Pedro Sena Nunes


 ANEXO II – Organograma Vo’Arte
 ANEXO III – Diário de Estágio

34
ANEXO I
Filmografia de Pedro Sena Nunes

FILMES

“Nunca mais te livras de mim” (1993) - Ficção


“Eléctricos” (1994) - Ficção
“Margens” (1995) - Documentário
“Fragments Between Time and Angels” (1997) - Documentário
“Entraste no jogo, tens de jogar” (1999) - Documentário
“Cacilheiros-Alerta” (2002) - Ficção
“A Morte do Cinema” (2003) – Documentário

VÍDEOS

“As Imagens de Peter Robinson” (1989) - Ficção “Burdião” (2003) - Experimental


“Efémeros Sentidos” (1993) - Ficção “2Lux” (2003) - Experimental
“Timor Loro Sae“ (1996) - Documentário “Histórias Perdidas” (2003) - Documentário
“Filhos da Mãe“ (1996) - Ficção “Sarva Mangalam” (2003) - Vídeo-Dança
“Materialidade Teatral“ (1996) - Documentário “2lux Carlos Paredes” (2003) - Experimental
“Impressões do 3º dia em Glasgow“ (1997) - “Índios Meia Praia” (2003) - Vídeo Clip
Documentário “Memórias” (2003) - Experimental Web
“As Palavras derretem-se na água“ (1998) - “Da pele á pedra” 2005 Documentário
Ficção “Elogio ao ½” 2005 Documentário
“Devaneios Flutuantes: Carlos Paredes“ (1998) - “Eficiências” 2007 Experimental
Documentário “Labirinto” 2008 Experimental
“25 do 4 em 99“ (1999) - Experimental “Corpo Todo” 2008 Documentário
“Nómadas Urbanos“ (1999) - Ficção “A Evolução de Darwin” 2009 Documentário
“Lugar à Dança“ (2000) - Documentário “Fragmentum Natura” 2009 Documentário
“Fragmentos do Esquecimento“ – (2001) - Ficção “Mergulho” 2009 Experimental
“Bebé Babá” (2001) - Documentário “Ícaro” (2010 Documentário
“Homens Suspensos” (2001) - Experimental “Hope” (2010) - Experimental
“Palavras sem Rosto” (2002) - Experimental “Há Tourada na Aldeia” (2010) – Documentário
“2menface” (2003) - Vídeo-Dança

35
ANEXO II
Organograma Vo’Arte

Vo'Arte

FESTvoarte PRODvoarte DIFvoarte CINEvoarte LABvoarte

Filmes de Pedro Sena Soudos - Residências


Lugar À Dança CiM Dança
Nunes Artísticas

InShadow FRAGILE Transdisciplinares

Projectos
InArte
Transdisciplinares

Design E Performance:
MuDe em Movimento

Coimbra Dança

Arte Non Stop

36
ANEXO III

Diário de Estágio até ao dia 24.06.2014

24.06.2014 – 11.30h – 16.45


Enviado email de agradecimento à resposta de Carlos Sargedas. Resposta em email de dia
24.06.2014 – 11.31h.
Enviado email a Curto Circuito (Santiago de Compostela) a pedir envio por We Transfer.
Enviado filme para SANFIC – 2 and 2 (não enviei Hope por ano de produção ter de ser superior a
2013)
Criado modelo de email para envio a festivais a solicitar envio por email como alternativa às
plataformas.
Preparado envelopes CTT para festival S. Tomé e Temps D’Images
Criado perfil de “Mergulho” na plataforma filmfestivallife.
Inscrição em Abu Dhabi Film Festival

23.06.2014 – 11.35h
Verificado regulamento Sound and Image Challenge: Ano de produção e duração dos filmes
incompatível com requisitos
Contacto com Carlos Sargedas para entender presenças e exibição de Desgustação Visual.
Enviado email a pedir waive de fee, falta resposta.
Enviado mail para FUSO a pedir envio de pt.es, que tinha como máximo 20 minutos. Não
aceitaram excepção.
Enviado mail para festival CineToro a pedir envio por mail, estamos a aguardar resposta.
Elaboração de lista de assuntos pendentes

18.06.2014 – 11.45 – 16.46h


Envio de email para Fest Mind Rights a pedir isenção de fee (25€)
Actualização de BD de festivais
Verificação da selecção dos festivais com filmes PSN inscritos
Deslocação a CTT para envio de filme pt.es (1’) para Interfilm

17.06.2014 – 11.15 – 16.45


Criada e corrigida ficha técnica Opus Tutti (PT e EN)

37
Reenvio de email para Interfilm (Berlim) a pedir envio de ficheiro por mail (não acederam)
Reenvio de Opus Tutti para DocLisboa
Reenviado mail para Porto/Post/Doc questionando a possibilidade de ser enviado um dos filmes
de PSN

16.06.2014 – 10.45h – 16.40h


Verificação e alterações ao projecto Listopad com base em Projecto Partis e Histórias Suspensas
com Manaças
Recebido correio electrónico de S. Carlos VD: Não estão ainda definidas datas de exibição de
2and2
Deslocação a Real Ficcção e Chip7
Contacto para DocLisboa a perceber se Opus foi recebido ou não: a responsável por essa questão
não estava mas ficaram de confirmar a recepção para percebermos se será necessário novo envio.

12.06.2014 – 10.25h – 17.00h


Envio de ficha pt.es para festival CineSocial Conurbano
Recolha de Stills Opus Tutti
Envio de filme CineSocial (pt.es)
Criação de documento com sinopse Opus Tutti
Envio de email a Festival de VD S. Carlos, questionando data de exibição de 2and2
Continuação de recolha de actividades PSN (neste momento já vou a meados de 2012)
Leitura e recolha de referências de “Biografia de Cristal” de Jorge Listopad e criação de
documento com informação
Carregamento de Opus Tutti para plataforma FilmFestivalLife para envio para Doc Lisboa. Como
o ficheiro não carregou desde manhã, vou tentar fazer o envio a partir de casa. Necessário apenas
terminar upload e endereçar para DocLisboa.

09.06.2014 – 11.00h – 16.50h


Reenvio de email para Lo CercaCuts a pedir envio por email: Acedido e enviado PT.ES
Envio de filmes:
Festival Segarra: Hope
FECISO – Festival Cine Social – PT.ES: Ficha e Link para acesso
Uploadado para Vimeo PT.ES (privado https://vimeo.com/97720970 com password
“raiavistapor”)
Listopad: Verificada a obra “Biografia de Cristal” não existe muita informação que possa ser
utilizada para elaboração de Projecto

38
Opus Tutti_Crescer para envio a DocLisboa: Criada ficha técnica, falta recolha de stills

05.06.2014 -11.00 – 16.45h


Redacção de declaração de legendagem para IGAC
Início de recolha de actividades para Word: PSN 2011-2013
Actualização de base de dados festivais
Envio de email Porto/Post/Doc
Envio de tabela de filmes e festivais a Pedro Sena Nunes

03.06.2014 – 10.30h – 16.30h


Contagem de notícias no âmbito do relatório DGArtes e download de publicações de site para
posterior eliminação
Redacção de email para envio Porto/Post/Doc a propor envio de filmes
Contacto com vendedor biografia de Cristal: Combinado encontro para obter livro.
Recolha de informação e comunicação com Pedro Sena Nunes para eleição de filmes para envio a
próximos festivais.
Resposta Jameson Cine Fest: Não libertam fee

02.06.2014 – 11.30h – 16.50h


Tradução itens FRAGILE
Contacto com ICA para perceber a elegibilidade da Vo’Arte para usufruir de programas de apoio
à produção
Contacto com vendedor Biografia de Cristal
Envio de novo email a Braga Cine
Recepcionada confirmação de filmes em Vila do Conde
Envio de materiais em falta para festival IFOLT e Sans Souci
Envio de correio electrónico a agradecer resposta a boa recepção de “2and2 Are Four” através de
plataforma We Transfer.

30.05.2014 – 11.30h – 16.30h


Contacto com Malta Film Festival: Enviado Mergulho
Recebido mail IFOLT: Faltam diálogos de 2and2: Falei com João, falta ele enviar-me isso
Envio de email IGAC para esclarecer legendagem e actividade
Reenvio de email para BragaCine, Message2Man e DOCANT para pressionar

39
Actualização de BD com festivais Lo Cercacurts, Festival de curtmetratges de Montornès de
Segarra, Festival Internacional de Cine Social de Castilla-la Mancha e Duhok International Film
Festival
Envio de pt.es para Opuzen Festival

29.05.2014 – 10.00h – 16.30h


Deslocação a contabilidade a pedido de Ana Rita
Enviado “Mergulho” para Sans Souci
Porto/Post/Doc – Falta enviar proposta de exibição, preciso que Pedro responda a email
Enviado “2and2” para São Carlos VD festival
Enviados filmes: Polónia (International Random Film Festival) – Enviei Mergulho
Munich… - Enviei Hope
Sarajevo: Mergulho
PROYECTOR2014 - Enviei Mergulho
Para Malta – Mergulho
Faltam respostas para: Para Rússia e festival da Jameson e Brasil (kinoforum)
Envio de email para Docant a perguntar por resultados
Envio de proposta para compra de biografia de Cristal no OLX: A aguardar resposta
Envio de mail BragaCine e Message2Man a pedir isenção.
Contacto com ICA a solicitar NIF e NISS.

26.05.2014 – 10.40h – 16.30h


Transferência 2and2 para São Carlos VD Fest
Verificação de regulamento Figueira da Foz
Deslocação a contabilidade a pedido de Ana Rita
Email para Sans Souci: estamos isentos de fee, já enviei pedido de entry form (que já não está no
site) e enviei link Mergulho.
Criação de documento com ajuda para criação de eventos no site.

22.05.2014 – 10.30h – 16.30h


Enviar 2and2 Festival VD Brasil  Perguntar de condições para deslocação  boa
Enviar filme para Sans Souci: Falta resposta de Pedro para saber que vídeo enviar (Deadline 23
de Maio) propus que visse com João, enviei email tb para João

40
Contacto com ICA: Como, quanto?  enviado mail não me lembro, isto é festival?
Não é festival, é o mail para esclarecimentos dos apoios
Enviado mail para Aljazeera para saber se Tourada participou  melhor ver no nosso Excel se
não está é mau, mas depois preenchemos
Actualização de Deadlines em festivais boa
Actualização de agenda site boa, com patrícia, certo?
Sim, Patrícia deu orientação
Actualização de informação Mapa de Produção. boa

19.05.2014 – 10.30h – 16.30h


Tudo bem, sem grandes questões
Redacção de email para envio a Helena Simões (esposa de Listopad)
Contacto com Finisterra a solicitar informações sobre exibição de Degustação Visual
Envio de proposta de participação em festival de Dança Sans Souci
Actualização BD festivais de VD
Actualização BD festivais geral

15.05.2014 – 10.50h – 16.30h


Pesquisa de informação sobre Jorge Listopad devíamos aprofundar mesmo sem ajuda da Helena
Simões
Mas chegou a enviar o mail? É porque não há informação condensada, está tudo disperso, e numa
das entrevistas que encontrei, Jorge Listopad mencionou que existem vários CVs, feitos pela
esposa.
Contacto com festivais quais e para? – São Carlos VD Festival: Tentar enviar por WeTransfer, a
transferência demora imenso tempo e parece que falhou. Já estou a efectuar novo envio.
Actualização de tabela com festivais de cinema portugueses
13.05.2014 - 11.00h – 16.40h
Pesquisa de informação acerca de Jorge Listopad: Necessária verificação por parte de Pedro para
indicações do que falte acrescentar no projecto. Aprofundar como expliquei
Contacto com festivais: NY Portuguese Short Film Fest e Festival de Videodança de São Paulo.
Desenvolvimento de pesquisa sobre Vídeo-Dança;
Actualização e pesquisa de festivais para tabela. Quantos festivais mais?
12.05.2014 – 10.30h ás 16.30h
Contacto com festivais, nomeadamente Finisterra, com o fim de saber informação acerca de
exibição de “Degustação Visual”

41
Revisão de texto de projecto Jorge Listopad boa, temos de ir ais longe
08.05.2014 – 10.00h – 16.30h
Bem a tudo
Contacto com Finisterra para decifrar participação de Degustação Visual no Festival.
Envio de CVs de trainers de projecto EVDH a Pedro Sena Nunes
Pesquisa de novos festivais Porto
Breve análise a projecto “Jorge Listopad”
Actualização de lista de deadlines de envio de filmes para festivais
Pesquisa em IGAC relativa a classificação de videogramas
Apoio a logística calculando valores de táxis InArte e em deslocação a contabilidade

05.05.2014 – 10.00h – 16.30h


Bem a tudo
ICA – Rita Piteira encarregou-se de contacto
Envio de mail Finisterra (Degustação Seleccionado para dia 8 de Maio)
Recolha e actualização de deadlines de festivais
Pesquisa de emails antigos a verificar respostas para selecção de festivais e actualização de tabela.
Selecção e criação de BD a partir de página FB -
https://www.facebook.com/videodanceMVB/likes
Inserção de InShadow em FestHome (falta banner e Logo)
Faltou consultar Projecto ListoPad e pesquisar conteúdo próxima vez pode levar para estudo
30.04.2014 – 10.50h – 16.40h
Deslocação aos Correios para envio de DVDs (FIKE, Arouca, Avanca) Boa boa boa
Actualização de tabela de filmes
Preparação de novos DVD
Envio de filme para DOCANT (argentina, questão das legendas) como ficou?
Recolha de dados WKS Madrid (criação de Excel com apoio de documentos enviados por
numeridanse)
Reenvio de cartaz estreia PLAYFALSE (mailinglists) boa

28.04.2014 – 10.00h – 16.30h –


Finalização em Word do texto “Ode Marítima” para envio a Diogo Infante boa
Contactos para Festivais, actualização de base de dados e preparação de DVDs para envio.

42
Inscrição em festivais boa, quais

24.04.2014 – 16.30h – 20.00h


(Este foi o dia em que fui à FLUL reunir com a Prof. Adelaide.) boa boa boa
Deslocação ao Bazar do Vídeo para comprar cassetes; obrigado
Deslocação a GoPrint para recolher cartazes Play False boa
Deslocação a locais propostos por Patrícia para colocar cartazes boa
Assinalar de erros de Diogo Infante em “Ode Marítima”
23.04.2014 – 10:00 – 19.00h
Redacção de post para FB no âmbito da co-produção XL- PLeasures boa
Envio de Filmes boa
Contacto com ICA boa

22.04.2014 – 10.00h – 19.00h


Recolha de dados sobre participantes do Workshop no âmbito do projecto europeu EVDH, de
modo à preparação para o acontecimento. boa
Contacto com empresa de projector de modo a tentar solucionar avaria de equipamento. Boa,
descobrir se existe algum em segunda mão
Envio de filmes para European Short Film Fest (MIT) boa
Conclusão da legendagem 2and2 – Espanhol fantástico
Início de pesquisa sobre VD boa
17.04.2014 – 10.15h – 18.50h
Envio de email para Finisterra a ver se já há novidades sobre selecção – responderam que já têm
selecção, mas o Carlos não sabia de cor. Disse que envia resposta assim que possa (será para a
semana) menos fácil
Organização pastas Outlook boa, urgente
Continuação de tradução boa
Actualização Site Vo’Arte (Agenda) boa
Continuação de tradução para castelhano. boa

16.04.2014 – 11.00h – 18.30h


Tradução para castelhano de 2and2 Are Four. Boa iniciativa
Finalização de tabela de participantes encontros modul-dance em Madrid para apoio à Logística.
Boa
Revisão de texto PSN no âmbito de Olhares Frontais. Muito pertinente, obrigado

43
Resumo de funções do Departamento Cultural de GuangDong. Boa
Continuação da tradução (e transcrição) de 2and2. Boa

15.04.2014 – 09.40h – 16.30h


Actualização de base de dados deadlines fundamental
Envio de Filmes:
http://www.ferfilm.eu/apply.php - 2and2 Are Four – Enviado Boa
Reunião exigente, longa e muito importante para todos
Tradução de informação relativa a Guangdong Boa

Resposta de Buenos Aires: Necessário traduzir 2and2 para Castelhano. Parece-me valer a pena
traduzir: Filme fica disponível para enviar para países de língua espanhola e promove-se difusão
nesses locais. INSTITUTO NACIONAL DE ANTROPOLOGÍA Y PENSAMIENTO
LATINOAMERICANO – Além disso, esta entidade pertence ao Governo Argentino, penso que
valerá a pena. Boa
João fica encarregue de me enviar ficheiros para editar de forma a que legendagem seja mais fácil.
Tradução será iniciada a partir de casa, através da visualização do filme. Obrigado!

http://www.proyector.info/ - Mergulho – Enviado Boa Boa

14.04.2014 – 09.40h – 16.30h


Actualização de bases de dados cinema (pesquisa de festivais Europa de Leste) agora temos de
avançar a afinar caminhos de envios
Envio de filme para DEA (Albânia) Boa Boa

10.04.2014 – 09.30h – 16.30h


- Continuação de pesquisa de locais de espectáculo na China. Boa
- Contacto para pedro.orvalho@gmail.com (cineclube de Évora) de modo a responder ao email
com pedido de disponibilização de Elogio ao ½ Boa, e agora?
Ainda não houve resposta…
- Actualização tabela deadlines festivais de cinema Boa

09.03.2014 – 10.00h - 16.30h


- Dia dedicado a entrega de extensão para Braga em Sete Rios. Regresso à Vo’Arte. Boa Falhou
mas recuperámos
Deslocação a casa de Pedro Macedo para levantar DVD. (Devido a problema em comunicação
foi-nos dada morada errada, que me levou a ter de fazer um desvio no percurso e me tirou algum
tempo do dia. Obrigado!
Regresso à Vo’Arte a fim de finalizar o dia. Obrigado
08.03.2014 – 11.40h – 16.30h
O atraso deveu-se a consulta no dentista. Bem, falado
- Ida aos correios de modo a finalizar envio de Extensão para Porto. Boa

44
- Feita pesquisa de Jornais e Rádios no distrito do Porto: Criada folha Excel com contactos de
jornais que poderá ser actualizada através de critério Distrito, de modo a se possuir BD de
contactos de jornais (poder-se-ia também recolher informação acerca de contactos de TVe Rádio,
poderei trabalhar nisso) a nível nacional. Obrigado! É mesmo urgente
- Contacto para terratreme a pedido do Pedro de modo a solicitar link ou médium para
visualização de “Lacrau” de João Vladimiro. fechado
- Iniciada recolha de dados acerca de participantes no evento modul-dance a pedido da Patrícia.
Boa
(Modul-dance is a multi-annual cooperation project (2010-2014) with the participation of 20
dancehouses from 16 European countries. It focuses on the development of independent
professional dance artists. Its aim is to create the optimum production conditions for artists,
dancers and choreographers throughout Europe in order to facilitate their mobility and promote
the dissemination of their work. 52 choreographers are supported by the project and
approximately 500 artists are participating in international exchange.)
- Revisão e tradução de conteúdos para divulgação no site Vo’Arte: Aulas Abertas CiM Boa
07.03.2014 – 10.00h - 17.00h
- Pesquisa de Jornais no Barreiro Bem
- Pesquisa de locais de espectáculos em Guangdong, China para Projecto Europeu. Bem
- Actualização lista de festivais de cinema Bem

03.04.2014 – 10.00h - 17.20h


Preparação de sala de refeições InArte na APCL, recepção e acompanhamento dos convidados no
mesmo local. Obrigado!
Tarefas logísticas. Obrigado!
Deslocação à Culturgest de modo a preparar os últimos detalhes da Masterclass. Obrigado!
01.04.2014 – 09.30h – 16.45h
Nova deslocação com o fim de divulgar InArte 2014 (FMH, Fórum Dança, ESDAE). Obrigado!
27.03.2014 – 10.00h – 16.30h
O dia iniciou-se na APCL. Foi feita a recolha de paletes de garrafas de água gentilmente cedidas
pelas águas do Vimeiro. Obrigado!
Foi uma experiência diferente, em primeiro lugar por me ter deslocado à Associação, espaço que
ainda não conhecia, bem como tive a oportunidade de acompanhar o processo de recolha das
águas, contactar com novas pessoas, representando a Vo’Arte. Boa
Depois do regresso, houve a deslocação até à Faculdade de Belas Artes com o intuito de recolher
os cartazes para a divulgação do evento InArte 2014. Foi feita a recolha e regressei à Vo’Arte.
Boa
Foi também feita a distribuição dos cartazes pelos vários locais seleccionados, no dia 28.03.2014.
Bem
25.03.2014 – 10.30h – 16.30h
Foi retomada e concluída a pesquisa de restaurantes. Boa

45
Foi feita a actualização das páginas Facebook associadas ao evento InArte com informação acerca
dos acontecimentos a desenvolver nesse âmbito. Boa
Em colaboração com a actividade da produtora Rita, na organização e acompanhamento aos
convidados do evento, foram elaborados planos de viagem com a finalidade de serem também
enviados, facilitando assim aos convidados o processo de online check in, bem como foi feita a
tradução para a língua inglesa contida nos bilhetes enviados por email à Vo’Arte, cuja informação
está em português. Boa
Por fim, foi feita alguma actualização relativa a festivais cinematográficos. Boa Boa
Quanto a dúvidas, não existe, por agora, nenhum aspecto que levante qualquer questão.
Vemo-nos então na Quinta-Feira! Obrigado!
24.03.2014 - 10.00h – 16.30h
O primeiro dia de estágio desenvolveu-se num plano mais observacional. Foi feito o
reconhecimento da rede informática, pastas e conteúdos. Bem
Foi determinado inicialmente que iria ficar responsável pela secção “CINEvoarte”: Foram-me
apresentados pela gentil Beatriz os documentos e o “kit” para envio de filmes para festivais, bem
como a tabela das deadlines dos Festivais cinematográficos que vão sendo lançados. Bem
Neste aspecto, verifiquei a importância da gestão e organização de informação através de suportes
informáticos (Excel), de modo a existir sempre actualizada uma base de dados para facilitar o
acesso à informação para fins de divulgação de trabalhos. Bem
Foi feita alguma recolha de informação, mas dada a necessidade de preparar o acontecimento
InArte, as minhas actividades acabaram por se desenvolver nesse aspecto. Bem
Aqui, apercebi-me do quão importantes são as parcerias desenvolvidas pela Vo’Arte
(nomeadamente com a entidade British Council) para o financiamento das actividades a
desenvolver. Acompanhei a produtora Rita na troca de e-mails com a mencionada entidade, bem
como tive oportunidade de observar os métodos utilizados para a divulgação do InArte em termos
externos e internos (no relacionamento entre a Vo’Arte e os convidados).
Foi feita pesquisa de restaurantes próximos ao Hotel onde os convidados irão ficar alojados
(campo da Logística) de modo a dar algum apoio à Patrícia nas questões do acolhimento dos
mesmos, do qual resultou um documento Word com a finalidade de lhes ser entregue. Bem

46