Você está na página 1de 3

1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO


FACULDADE DE LETRAS
LINGUÍSTICA III
PROFESSORA: Adriana Leitão Martins

AULA 8: OBJETOS NULOS DISCURSIVAMENTE ORIENTADOS E

OBJETOS NULOS OPCIONAIS

1. OBJETOS NULOS DISCURSIVAMENTE ORIENTADOS

Ex. 1 : * Eu encontrei ontem à noite.

* Eu vi ontem à noite.

Ex. 2 : Você viu o jogo ontem?

(Eu) vi.

• Embora a sentença em (2) não contenha um objeto direto na FF, existe na FL

a representação semântica de um objeto direto pragmaticamente identificado

no contexto discursivo.

• A proposta é que essas orações contêm um tópico foneticamente nulo, cujo

valor referencial é dado pelo contexto discursivo, ligando uma variável

argumental na posição de objeto direto.

Diferenças entre o PB e o espanhol/francês

Ex. 3 : (Eu) vi.


Categoria vazia t (traço ou vestígio): cópia da
Lo i vi t i . categoria que sofreu movimento na sentença.
Nesse caso, o clítico (objeto direto).
Je l i ’ai vu t i . t = [- pronome, + anáfora] = ligado no domínio
mínimo onde é regido.

• OBS: O português é uma língua de objeto nulo. Cada vez mais apaga-se

menos o sujeito e mais o objeto.


2

• OBS 2 : Em algumas línguas, preferencialmente, o objeto é cliticizado ao invés

de apagado. É o caso do italiano, do francês e do espanhol.

• OBS 3 : Sujeito cópia ou objeto cópia: quando o sujeito ou o objeto é

foneticamente realizado mesmo sendo o tópico também foneticamente

realizado:

Ex. 4 : Quem viu João?

João, ele está em casa. (ele = sujeito cópia)

João, cv está em casa. (sujeito = cv variável)

João, eu vi ele. (ele = objeto cópia)

João, eu vi cv. (objeto = cv variável)

• OBS 4 : Em princípio, o português e o italiano são duas línguas de sujeito nulo

comparáveis. Entretanto, o português tende a não apagar o sujeito e a apagar

o objeto, e não o cliticizar. Pode ser que a não cliticização do objeto no

português ocorra porque o sistema de marcação morfológica pronominal de

caso nessa língua está caindo em desuso (utiliza-se a mesma forma

pronominal para o sujeito e para o objeto, como em “Ele ama Maria” e

“Maria ama ele”). Logo, o pronome não pode ser cliticizado (é possível “Eu

amo ele”, mas não “Eu ele amo”). Por outro lado, no italiano, o sistema de

marcação morfológica pronominal de caso é rico (utilizam-se formas

pronominais distintas para o sujeito e para o objeto), o que faz com que o

objeto pronominal seja cliticizado.


3

2. OBJETOS NULOS OPCIONAIS

Ex. 5: Eles não lêem.

Eles ainda não comeram.

• Nos exemplos em (5), a interpretação do objeto subentendido ou é

culturalmente fixa ou designa a espécie de coisas genérica, canônica ou

prototípica que os objetos fonéticos desses verbos usualmente designam.