Você está na página 1de 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

FACULDADE DE LETRAS
LINGUÍSTICA III
PROFESSORA: Adriana Leitão Martins

AULA 2: A CAPACIDADE DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM


(Baseado no texto de Eric Lenneberg)

• CRÍTICA
A visão da linguagem como um fenômeno puramente aprendido e
cultural.

• OBJETIVO
A demonstração de que o homem possa estar equipado com propensões
biológicas altamente especializadas que favorecem e até mesmo dão forma ao
desenvolvimento da fala de uma criança.

• ESTRATÉGIA
Justapor dois tipos de atividade humana: o caminhar e a escrita.

⇒ Critério 1: VARIAÇÃO DENTRO DA ESPÉCIE


♦ Três pontos em que todas as línguas são iguais:
◊ fonologia: todas as línguas têm sistemas fonêmicos (fonemas
como grupos de traços distintivos);
◊ concatenação: enfileiramento de morfemas ou palavras em
seqüências completas denominadas locuções, frases ou
discursos (em termos mais modernos, sintagmas e sentenças);
◊ estrutura sintática: os falantes nativos produzem frases
conforme regras.
♦ Os sistemas de escrita variam enormemente: sistemas silábicos x
sistemas logográficos (pictográficos ou ideográficos).
⇒ Critério 2: HISTÓRIA DENTRO DA ESPÉCIE
♦ Universalidade sem exceção:
◊ dos fonemas;
◊ da concatenação;
◊ da sintaxe.
♦ Exemplo de evolução histórica de um sistema de escrita: três tipos de
script usados no Egito Antigo – hieroglyphic, hieratic e demotic.

⇒ Critério 3: EVIDÊNCIA DE PREDISPOSIÇÃO HEREDITÁRIA


♦ O desenvolvimento da linguagem em condições desfavoráveis, tais
como:
◊ na surdez;
◊ na mudez orgânica com boa audição.

⇒ Critério 4: PRESSUPOSIÇÃO DE CORRELAÇÕES ORGÂNICAS


ESPECÍFICAS
♦ O desenvolvimento da linguagem segue um desenvolvimento
maturacional. As diferenças culturais não têm efeito algum. Todas as
crianças atravessam fases idênticas.
♦ A escrita, por sua vez, não se desenvolve automaticamente em uma
idade específica e parece que várias culturas desenvolveram sistemas
de graus variáveis de dificuldade.

CONCLUSÃO: “A aquisição da linguagem é controlada por um conjunto de


fatores biologicamente determinados, e não por treinamento intencional (...)”.