Você está na página 1de 54

Capítulo um

Um segredo terrível

A escola terminou e Mark tinha quatro cigarros no bolso. Outras baías bebiam cerveja, e
alguns tentavam drogas, mas Mark gostava de cigarros. Agora, seu irmãozinho Ricky queria sua
primeira fumaça, e Mark sentiu-se terrível.

Os meninos desceram um caminho estreito nas árvores atrás de sua casa. Home foi um trailer
em um parque de trailers em Memphis, no Tennessee. Mamãe ainda não voltou do trabalho.
Papai também não estava lá. Mamãe o deixou cinco anos atrás porque ele sempre estava
bêbado e muitas vezes violento. Agora, Mark parecia o pai de Ricky. Um pai de onze anos de
idade. Ele ensinou Ricky a jogar futebol, andar de bicicleta e tudo o que sabia sobre sexo, mas
ele não queria ensiná-lo a fumar.

"Sente-se lá", disse Mark, quando chegaram ao seu esconderijo secreto. "E vamos ouvir as
regras novamente".

Ricky conhecia os dois. "Se eu contar a alguém, você vai me bater".

'Está certo.'

"E eu posso fumar apenas um por dia".

'Está certo. Se eu te atrapalhar mais, ou se começar a beber cerveja ... "

"Você vai me bater mais."

- Certo - disse Mark. "Agora, veja-me. É muito fácil.

Ricky logo estava ocupado soprando fumaça como um homem. Mark sentou ao lado dele e
acendeu outro cigarro. "Eu tinha nove anos quando comecei", disse ele. - Você tem apenas
oito anos. Você é muito jovem.'
Ricky não respondeu. Ele estava ouvindo algo. Então Mark ouviu isso também e eles pararam
de fumar. "Apenas fique quieto", disse Mark suavemente.

Através das árvores, podiam ver uma estrada velha, que ninguém mais usava. Um carro longo
e preto apareceu na estrada e veio lentamente através do solo áspero. Fez um círculo, depois
parou. Logo o motor parou também.

Escondidos na grama longa atrás do carro, os meninos observaram o carro. Depois de alguns
minutos, um homem gordo saiu.

'O que ele está fazendo?' Ricky sussurrou. O homem tinha um tubo de borracha. Ele colocou
uma extremidade no tubo de cauda do carro e a outra extremidade através de uma janela. Ele
entrou no carro, fechou a janela tão apertado quanto pôde e voltou a ligar o motor.

"Ele está tentando se matar", disse Mark. "Eu vi um homem fazer isso assim em um filme uma
vez".

'Quanto tempo leva?'

"Não muito longo", disse Mark, "mas vou pará-lo".

Mark rastejou até o carro, afastou o tubo e rastejou para trás. "Rápido, vamos sair daqui",
disse Ricky.

De repente, o homem saiu do carro novamente. Ele tinha uma garrafa de whisky e uma arma,
e ele estava chorando. "Vamos sair daqui", disse Ricky novamente, com urgência.

Mark observou silenciosamente. O homem olhou para o tubo, ele olhou em volta, então ele
colocou o tubo de volta no tubo da cauda. Ele voltou ao carro com seu uísque.

"Mark, por favor, vamos", disse Ricky, e começou a chorar.

"Vou tentar mais uma vez", disse Mark.


Ricky observou seu irmão avançar novamente, e então o homem viu Mark. Ele caiu do carro e
agarrou-o. "Você pequeno ...", ele gritou, quando ele bateu em Mark. 'Entrar no carro.' Ricky,
em estado de choque e medo, molha-se.

O homem empurrou Mark para dentro do carro e acertou-o novamente. Então ele riu. "Meu
nome é Jerome Clifford - Romey para meus amigos. O que é seu?'

- Mark - disse Mark.

Romey riu. "Aqui", disse ele. 'Pegue o uísque, filho. Vamos morrer juntos.

Mark pegou a garrafa e fingiu beber. Cheirava a gás. Ele olhou para a arma no assento.

"Nós estaremos mortos em cinco minutos", disse o homem.

Mark olhou no espelho e viu Ricky rastejando para a parte de trás do carro. 'Por que você está
fazendo isso?' ele perguntou.

"Me dê o uísque", disse o homem.

Mark olhou para o homem. Se ele estiver bêbado, ele poderia dormir, ele pensou. Ele passou o
whisky.

- É por causa do corpo - disse o homem. - Está na minha casa. Eu sou um advogado. Meu
cliente matou um senador. O FBI está procurando todo o seu corpo e meu cliente o escondeu
na minha garagem. Você acredita nisso? Bem lá embaixo do meu barco!

Mark sentiu o cheiro novamente. Sem gás agora, graças a Ricky. "Quem é seu cliente, Romey?"
ele perguntou.

- Barry the Blade - disse Romey. "Ele é um membro da Mafia em Nova Orleans. Agora ele quer
me matar porque eu sei sobre o corpo. Mas ele não pode porque o gás nos matará primeiro.
Ele riu e bebeu mais uísque.
Logo ele ficou bêbado e adormecido. Mark abriu suavemente a porta do carro e correu para
onde Ricky estava escondido. "Eu puxei o tubo para fora", disse Ricky em voz alta.

Mark acendeu um cigarro e viu o carro. De repente, a porta se abriu e o advogado saiu com a
arma na mão. Ele viu o tubo e começou a gritar. Seus olhos vermelhos e selvagens olharam
para Mark, mas Mark estava bem escondido na grama longa. Então ele parou, colocou a arma
na boca, fechou os olhos e disparou.

Ricky fez um barulho baixo, como um animal com dor e correu.

Mark olhou para o homem morto e pensou: "Aqui está o problema". Ele seguiu Ricky para
casa. Quando chegou lá, ele chamou o 911 para a polícia. Ele sabia que todas as chamadas do
911 foram registradas.

"Há um corpo na antiga estrada atrás do Tucker Trailer Park na Highway 17", disse ele.

"Precisamos de seu nome, filho".

Mark não disse nada e desligou o telefone.

Capítulo dois

Em problemas com os policiais

Ricky estava doente. Ele parecia estar chorando, mas não havia lágrimas. Sua pele estava fria e
molhada. Seu polegar estava em sua boca, seus olhos estavam abertos e seu corpo estava
tremendo.

Mark estava preocupado. Ele se lembrou de um programa de televisão sobre algumas crianças
que viram um acidente horrível. Depois disso, seus polegares estavam em suas bocas como
bebês por um ano.

- Mark - disse a mãe dele. "Como você cortou seu rosto?"


Mark não queria mentir para sua mãe, mas ele não queria contar a ela sobre o homem com a
arma também.

"É uma longa história, mãe", disse ele.

Dianne suspirou e mordeu as unhas. Eles estavam sentados em uma pequena sala no hospital
de São Pedro. Ela acendeu um cigarro e observou o filho mais novo. Quando ela chegou em
casa do trabalho e viu Ricky, ela havia chamado o médico de família. Ele havia chamado uma
ambulância imediatamente. Agora eles estavam esperando um médico do hospital para olhar
para Ricky.

Era hora do jantar e Mark estava inquieto. Ele abriu a porta. "Eu irei buscar um hambúrguer,
mãe", disse ele.

Mark afastou-se da sala e uma mão agarrou-o. Ele olhou para o rosto de um policial.

'Mark Sway?' perguntou ao policial. Mark assentiu.

"Nós encontramos o corpo", disse o policial.

"Que corpo?" disse Mark.

"Venha Mark, nós conhecemos você ao vivo no Tucker Trailer Park. Você fez a ligação, não foi?

Mark queria mentir, mas ele disse: "Sim, senhor".

"Bem, Mark, vamos buscar esses hambúrgueres", disse o policial, e ele levou Mark para o café
do hospital.

"Como você encontrou o corpo, Mark?"

"Meu irmão e eu estávamos brincando nas árvores".

"Você pegou alguma droga?"


'Não senhor.'

"Mas você estava fumando", disse o policial. "Nós encontramos seus cigarros mortos. Fique
longe de drogas, filho.

'Sim senhor.'

"Você viu o homem antes de se atirar nele?"

'Não senhor.'

"Então você acabou de encontrá-lo morto. Você já viu uma pessoa morta antes?

"Somente na TV".

O policial sorriu. As crianças viram tudo na televisão nos dias de hoje. 'O que aconteceu com o
seu rosto?' ele perguntou.

"Eu lutei na escola. A outra criança começou.

"O outro garoto sempre faz. Qual o nome dele?'

"Você não o conhece", disse Mark.

"Bem, eu posso querer falar com ele", disse o policial. "Agora me diga, por que você não deu o
seu nome para o 911?"

'Eu não sei.'

"Vamos Mark, me fale o por quê".


'Eu não sei. Com medo, acho. Mark tentou parecer muito jovem e inocente. "Você acha que
estou mentindo?"

"Eu não sei, criança. Sua história está cheia de buracos ", disse o policial. "Eu acho que você
estava lá, fumando, nas árvores, e eu acho que você viu o todo. É por isso que seu irmão está
chocado, não é? É por isso que você tem medo?

O coração de Mark parou e seu sangue ficou frio. Ele tentou parecer calmo. Suas mãos
tremiam, então ele se sentou nelas. As coisas estavam acontecendo muito rápido. Ele poderia
ir para a prisão? Ricky ficaria louco? Ele precisava de tempo para pensar.

"Coma sua comida agora", disse o policial. "É melhor voltar para sua mãe. Você pode levar sua
Coca com você.

Capítulo três

Evidência

As notícias da morte de Jerome Clifford viajaram rápido para a máfia em Nova Orleans. Seu
cliente, Barry Muldanno, não estava arrependido, mas estava preocupado.

Barry the Blade, ou simplesmente The Blade como ele gostava de ser chamado, usava trajes
brilhantes e muito ouro. Barry teve uma vida rápida e gostou que as pessoas tivessem medo
dele. Seu advogado certamente era, e é por isso que ele se matou.

Barry gostava de passar horas em seus longos e pretos cabelos. Seu rosto estava
freqüentemente nos jornais hoje em dia, por causa do julgamento. Ele havia matado um
senador, e seu julgamento por assassinato ocorreria em quatro semanas. Barry não estava
preocupado com o julgamento, porque ninguém conseguiu encontrar o corpo do senador. Sem
o corpo, quem poderia provar um assassinato?

Jerome Clifford era um bom advogado da máfia, mas Barry o tinha assustado. Ele disse a
Romey onde o corpo estava escondido. Ele disse que o corpo estava sob o próprio barco de
Romey, em sua própria garagem. Que piada! Mas então Romey havia desaparecido, e agora
ele estava morto. Barry precisava de um novo advogado rapidamente.

***
Roy Foltrigg também sabia sobre a morte, e já estava a caminho de Memphis para descobrir
mais. Ele odiava voar, então seu carro estava equipado com telefones e televisão e até com
uma máquina de fax. Ele também tinha um motorista, para que ele pudesse trabalhar
enquanto viajava. Ele esperava chegar em Memphis até a meia-noite.

Foltrigg era um advogado do governo dos EUA. Seu trabalho era provar que Barry Muldanno
matou o senador, mas onde estava o corpo?

Talvez haja alguma evidência em Memphis. Talvez Clifford soubesse algo, disse algo ...

***

Outro homem também queria saber mais sobre a morte de Jerome Clifford. Ele era um
repórter do crime que trabalhava na Memphis Press. Ele queria uma história para o jornal da
manhã, e ele não se importou com o que ele conseguiu.

O verdadeiro nome de Moeller era Alfred, mas ninguém sabia disso. Todos o chamavam de
Slick. O crime era a vida dele. Ele conhecia todos, falava com todos e nunca chamava ninguém
que confiava em segredos. Ele freqüentemente sabia sobre um crime perante os policiais. Ele
conhecia todos e bebia café com eles em barras de café toda a noite. Ele passou a manhã na
sua sede, e agora ele estava no hospital de São Pedro.

Slick sabia que havia algo interessante sobre essa morte. Ele sabia que Clifford era o advogado
de Barry Muldanno. Ele sabia que Roy Foltrigg estava vindo para a cidade. Ele sabia sobre os
dois meninos, e aquele deles estava em estado de choque. E ele conheceu algumas coisas que
Mark não sabia. Jerome Clifford deixou uma nota que ninguém poderia ler. E havia impressões
digitais estranhas na garrafa de whisky.

***

O FBI agora controlou o caso. Dois detetives do FBI esperaram por Roy Foltrigg. Um era Jason
McThune, FBI Memphis, e o outro era Larry Trumann, FBI New Orleans. Eles tinham o carro do
homem morto e todas as outras evidências. Eles sabiam que alguém estava no carro com
Jerome Clifford porque havia impressões digitais na garrafa de whisky.

'Quem são eles?' disse Trumann.


- Talvez o do filho - disse McThune. "Como podemos verificar?"

"Vou pegar sua garrafa de Coca", disse um dos policiais. "Você pode verificar isso".

Capítulo quatro

Advogados e FBI Men

Mark era um pensador e um preocupante. Quando ele não conseguiu dormir, ele foi por
longos passeios secretos. Começou quando sua mãe e seu pai estavam lutando. Ele vestiu
roupas escuras e deixou o trailer para se mover como um ladrão durante a noite. Ele viu
amantes e viu crime. Ele aprendeu muito, mas nunca contou. Adorava sentar-se na colina
acima do parque de trailers e desfrutar de uma fumaça tranquila. Ele estava feliz em encontrar
a paz quando ele chegou em casa.

Agora, sua mãe e seu irmão dormiam no quarto do hospital, mas Mark ainda estava acordado.
Ele os observou dormir por vinte minutos, e então ficou entediado. Ele não tinha medo de
lugares estranhos. Ele cobriu quimicamente a mãe com um cobertor e saiu da sala. O salão
estava quieto e vazio. Ele levou o elevador para o café.

Havia duas pessoas em uma das mesas. Um estava em uma cadeira de rodas. O outro lhe
ofereceu um cartão branco.

"Meu nome é Gill Teal", ele disse com um grande sorriso. 'Você teve um acidente? Talvez eu
possa te ajudar.'

O outro homem não sorriu. "Acidente de estrada", disse ele. "Duas pernas quebradas". Mark
podia ver que ele estava com dor.

"Bem", disse Gill Teal. "Eu sou um advogado e talvez você tenha um caso. Quem bateu em
você?'

O outro homem olhou o advogado com cuidado. "Era um camião Exxon", disse ele. "Ele não
parou em uma luz vermelha".
"Ótimo", disse Gill Teal. "Já tenho dinheiro da Exxon antes. O que você tem - duas pernas
quebradas? Posso obter seiscentos mil dólares por isso.

"Eu conversei com outro advogado hoje. Ele disse que poderia me dar um milhão.

"Ele está mentindo", disse Gill Teal. 'Confie em mim. Mas talvez possamos obter mais. Você é
casado? Você tem filhos?

- Três crianças - disse o homem. Ele parecia cansado.

"Ótimo", disse Gill Teal. "Para uma família, podemos obter mais. Quinhentos por mês até você
voltar ao trabalho. Olhe, escolha-me e você terá o melhor, eu prometo.

- Vou pensar sobre isso - disse o homem.

'Posso te ligar amanhã?' disse o advogado.

"Não", disse o homem, "eu disse que pensaria nisso".

Gill Teal levantou-se. "Tudo bem", ele disse, "você pensa sobre isso. Você recebeu meu cartão.
Ele apertou a mão e saiu.

O homem na cadeira de rodas se afastou, deixando o cartão na mesa. Quando ele partiu, Mark
pegou o cartão. Ele olhou o nome e o endereço. Ele colocou o cartão no bolso e sentou-se para
assistir a televisão.

***

Roy Foltrigg gostava de estar na televisão. Ele realmente gostava dos momentos em que as
câmeras o esperavam. No momento certo, ele chegaria, caminhando rapidamente, segurando
a mão como um homem muito importante que adoraria responder a perguntas, mas
simplesmente não tinha tempo. Ele passou muitos momentos agradáveis assistindo vídeos de
si mesmo chegando a lugares importantes. Hoje, no entanto, não havia câmeras, nem
repórteres quando chegou aos escritórios do FBI em Memphis. Foi depois da meia-noite.
Jason McThune e Larry Trumann apresentaram-se. Havia apenas uma cadeira, e Foltrigg
pegou. McThune explicou os fatos rapidamente. Ele disse a Foltrigg sobre encontrar o carro, o
que estava nele, a arma, o momento da morte e sobre Mark Sway. Mark e seu irmão mais
novo encontraram o corpo e disseram à polícia. Eles moram cerca de meio quilômetro de
distância em um parque de trailers. A criança mais nova está no hospital agora. Ele está
chocado. Sua mãe, Dianne, está com ele, e Mark também está. Ele está mentindo.'

"Sobre o que ele está mentindo?" perguntou a Foltrigg.

"Ele diz que chegou depois que Clifford disparou contra si mesmo, mas não acreditamos nele",
disse McThune. "Primeiro, suas impressões digitais estão por todo o carro, por dentro e por
fora. Eles estão na garrafa de whisky de Jerome, e eles também estão no tubo da cauda.

"Como você verificou suas impressões?" perguntou a Foltrigg.

"Fora uma garrafa de Coca que ele bebeu hoje à noite", disse McThune. "Em seguida,
encontramos três cigarros perto do carro. Achamos que os meninos estavam com uma fumaça
tranquila quando Clifford chegou. Eles o esconderam e o observaram. Talvez eles tirassem o
tubo do tubo da cauda. Não temos certeza, e as crianças não estão contando. O garotinho não
pode falar apenas agora, mas estamos certos de que Mark está mentindo.

"E quanto a Clifford?" perguntou a Foltrigg.

- Verificamos o sangue dele - continuou McThune. Ele estava bêbado e cheio de drogas
também. Não podemos saber o que ele estava pensando. Sabemos que ele deixou Nova
Orleans pela manhã, e achamos que ele comprou a arma aqui em Memphis.

"Por que Memphis?"

"Ele nasceu aqui", disse McThune. "Talvez ele quis morrer onde ele nasceu. Ele deixou uma
nota - acrescentou, pegando um pedaço de papel. "Ele diz a sua secretária o que fazer depois
da morte dele. Não conseguimos encontrar a caneta que escreveu.

Foltrigg tirou-o e leu. 'O que é isso na parte inferior?' ele perguntou. A tinta é diferente. Diz
"Mark, Mark, onde estão ...", mas não consigo ler o resto ".
"Certo", disse McThune. "Nós também não podemos ler esse bit. Encontramos a segunda
caneta no carro, então talvez Clifford usasse lá, mas ele estava muito bêbado para escrever
claramente.

Foltrigg ouviu com a boca aberta. 'Então o que isso significa?' ele perguntou.

"Não há Mark na família de Clifford", disse McThune. 'Nós checamos. Então pensamos que a
nota é para Mark Sway. Mas como ele conheceu o nome de Mark, a menos que ele falasse
com ele?

"Por que o filho mentiria?"

"Porque ele tem medo", disse McThune. "Nós pensamos que ele estava no carro. Achamos
que ele e Clifford falaram sobre algo. Em algum momento, o garoto deixou o carro. Clifford
tentou adicionar algo à nota e depois atirou em si mesmo.

A boca de Foltrigg estava aberta novamente.

"Talvez o garoto tenha medo porque Clifford lhe contou algo que ele não precisa saber",
concluiu McThune.

Foltrigg fechou a boca, colocou a nota na mesa e limpou a garganta. "Você falou com o
garoto?" ele perguntou.

"Ainda não", disse McThune. "Faremos aquilo primeiro na manhã. Também gostaríamos de
conversar com seu irmãozinho, mas teremos que perguntar ao médico.

'Eu gostaria de estar lá.' disse Foltrigg, pensando no corpo. "Devemos saber tudo o que Mark
Sway sabe".

Capítulo cinco

No Hospital
Mark estava dormindo na frente da televisão quando uma enfermeira o encontrou na manhã
seguinte. Ela lhe deu um pouco de suco de laranja e levou-o ao quarto de Ricky. "O Dr.
Greenway está aqui", disse ela, "e ele quer vê-lo".

Dianne parecia cansada. Ela ficou no pé da cama de Ricky e as mãos tremiam. Mark estava ao
lado dela, e ela colocou o braço em seu ombro. Eles observaram enquanto o médico tocava a
cabeça de Ricky e falou com ele. Os olhos de Ricky estavam fechados.

- Ele não o escuta, doutor - disse finalmente Dianne. Ela não gostou da maneira como
Greenway estava usando a conversa do bebê. Greenway continuou tocando e conversando.
Dianne tinha lágrimas nos olhos. Mark, cheirava sabão fresco e notou que seu cabelo estava
molhado. Ela também havia mudado suas roupas, mas não havia maquiagem.

Greenway estava em linha reta. "Um caso muito ruim", disse ele, olhando os olhos fechados
de Ricky.

'Qual é o próximo?' disse Dianne.

- Esperamos - disse o médico. "Ele vai acordar, e quando ele faz, é muito importante que você
esteja nesta sala. Ele deve ver sua mãe quando ele abre os olhos. Voce entende?'

- Não vou embora - disse Dianne.

Greenway olhou para Mark. "Você pode ir e vir um pouco, mas é melhor se você ficar aqui o
máximo possível".

Mark acenou com a cabeça, mas sabia que ficaria entediado.

"Você já viu casos como este antes?" perguntou a Dianne.

Greenway olhou para Ricky e decidiu dizer a verdade. Ele balançou sua cabeça. "Não é tão
ruim assim", disse ele. "Mas não estou preocupado. Ricky ficará bem. Vai demorar algum
tempo. Ele pegou um cartão e um jornal de sua bolsa. "Aqui está o meu número de telefone",
disse ele. "Se Ricky acordar, fale às enfermeiras e eles me chamarão imediatamente. OK?'

Dianne pegou o cartão e assentiu. Greenway abriu o jornal. 'Você viu isso?' ele perguntou.
"Não", ela respondeu.

"Bem, é melhor você lê isso. É sobre o Sr. Clifford.

Mark olhou para o jornal e viu uma grande foto de Romey. Sob a foto, ele leu: MAFIA LAWYER
TOCA-SE. A palavra "Mafia" saltou para Mark, e de repente ele ficou doente.

Greenway inclinou-se para a frente e falou suavemente para Dianne. "Parece que o Sr. Clifford
era um advogado bem conhecido em Nova Orleans. Ele estava trabalhando em um caso de
assassinato. A polícia e o FBI estão lá embaixo. Eles querem falar com Mark.

'Por quê?' perguntou a Dianne.

"É um grande caso. O homem assassinado era um senador. Você vai entender mais quando
você lê esta história. Então você pode conversar com eles.

- Não - disse Mark de repente.

Dianne e Greenway olharam para ele. "Eu não quero falar com eles", disse Mark. "Eu - eu
posso ficar com Ricky se eu tiver que falar", acrescentou.

"Mantenha-os por agora", disse Dianne.

- Tudo bem - disse o médico. "Eu vou mantê-los até as doze. Agora não se preocupe. Apenas
fique por esta cama até voltar.

Greenway esquerda. Dianne correu para o banheiro com o jornal e acendeu um cigarro. Mark
acendeu a televisão pela cama de Ricky e encontrou o programa de notícias. Nada além de
clima e esportes.

Dianne voltou para a sala. - O cliente de Clifford matou um senador dos Estados Unidos - disse
ela devagar.
"Eu me pergunto por que ele fez isso", disse Mark, porque ele não podia pensar em nada
diferente para dizer.

"Isso diz que Jerome Clifford trabalhou para a Mafia de Nova Orleans, e eles acham que seu
cliente é membro".

Mark tinha visto um filme sobre a máfia na televisão. Seu coração pulou, e ele sentiu dores no
estômago.

"Estou com fome, mãe. Está com fome?'

"Por que você não me disse a verdade, Mark?"

'Me desculpe mamãe. Tenho a intenção de lhe dizer quando estávamos sozinhos. Dianne
parecia triste e cansada. "Você nunca mente para mim Mark."

"Estou com muita fome, mãe. Podemos falar sobre isso mais tarde? Me dê algum dinheiro e
vou correr até o café e nos levar algo para comer. Você não quer um café?

Felizmente, Dianne ainda não estava pronta para uma conversa séria. Ela abriu sua bolsa e
deu-lhe cinco dólares. Mark pegou o dinheiro e colocou no bolso.

"Você sabe onde está o café?" perguntou a Dianne. Ele assentiu. "Tenha cuidado", disse ela, e
voltou a sentar-se para assistir a Ricky. Mark saiu da sala. Ele precisava de tempo para pensar.

Capítulo seis

Reggie Love

Quando Mark comeu o café da manhã no café, olhou para o cartão de Gill Teal. Ele sabia o que
precisava fazer. Ele pegou um café de volta para sua mãe e deu-lhe um beijo.

"Eu vou olhar um pouco pelo hospital", ele disse a ela, e saiu da sala novamente. Ele pediu às
enfermeiras para uma lista telefônica e olhou para o mapa da cidade. O escritório de Gill Teal
não estava longe. Então, ele desceu as escadas novamente e deixou o hospital por uma porta
traseira.

Mark caminhou rapidamente. Era terça-feira e ele era o único garoto na rua. Ele não queria
que ninguém perguntasse por que ele não estava na escola. O prédio de Gill Teal era velho e
alto. Ele entrou no elevador com uma multidão de outros e foi ao terceiro andar.

Quando ele saiu, ele estava em um longo salão com muitas portas. Ele tentou caminhar
calmamente, olhando os nomes nas portas. Todos eram advogados, mas queria Gill Teal. No
final do corredor, encontrou a porta direita. As palavras GILL TEAL - THE POW'S LAWYER foram
pintadas sobre isso. Três pessoas esperaram pela porta.

Mark entrou no escritório. Estava cheio de pessoas doentes e doentes, assim como o hospital.
O Sr. Teal certamente tinha muitos clientes.

'O que você quer?' - disse alguém rudemente.

Mark respondeu suavemente: "Eu gostaria de ver o Sr. Teal".

"Ele conhece você?"

'Não Senhora.'

'Você teve um acidente?'

'Não Senhora.'

"Bem, você está no lugar errado. Por que você precisa de um advogado?'

- É privado - disse Mark.

"Olha, garoto, você vê todas essas pessoas? Todos estão esperando para ver o Sr. Teal. Ele é
um homem muito ocupado, e ele só leva casos de acidentes.
"Tudo bem", disse Mark. Ele ficou feliz em deixar o escritório lotado. Ele pegou as escadas e
caminhou pelo segundo andar. Mais advogados. Passou alguns deles no corredor. Estavam
muito ocupados para se dar conta dele.

De repente, viu um policial se aproximando dele. A próxima porta tinha REGGIE LOVE -
LAWYER pintado em letras pequenas.

Mark abriu rapidamente a porta e entrou. Havia uma mesa de vidro, algumas revistas, música
suave e três cadeiras - e ninguém esperava.

Um jovem com uma gravata, mas nenhuma jaqueta estava sentada atrás de uma mesa. 'Posso
te ajudar?' Ele disse agradavelmente.

"Eu gostaria de ver um advogado".

"Você não é um pouco jovem?"

"Sim, mas estou tendo alguns problemas. Você é o senhor Love? '

"Não, eu sou Clint. Sou a secretária de Reggie.

"Então eu preciso ver Reggie", disse Mark.

'Qual o seu nome?' perguntou a secretária.

'Mark Sway'.

"Você está com problemas, Mark?"

'Sim.'

"Que tipo de problema? Você precisa me contar um pouco sobre isso, ou Reggie não vai falar
com você.
"Bem", disse Mark, "tenho que falar com o FBI às doze, e acho que preciso de um advogado".

Isso foi bom o suficiente. Clint saiu por um momento, depois voltou. Ele levou Mark para o
escritório do advogado.

"Este é Mark Sway", disse ele.

"Olá Mark", disse o advogado. 'Eu sou Reggie Love'.

Mark olhou para o advogado com surpresa. Reggie Love era uma mulher.

Capítulo sete

Advogado e Cliente

Reggie Love tinha cinqüenta e dois anos e era advogada há apenas cinco anos. A primeira coisa
que Mark percebeu sobre ela era seu cabelo cinza, e muito curto - mais curto que o dele. Seus
olhos eram verdes e ela usava óculos redondos e negros. Seu vestido também era preto. Ela
estendeu a mão e Mark sacudiu.

'Você gostaria de algo para beber?' Ela perguntou a ele.

'Não Senhora.'

Ela cruzou as pernas. 'Mark Sway, certo? Por favor, não me chame de senhora. Tenho idade
suficiente para ser sua avó, mas você pode me chamar de Reggie, ok?

'OK.'

Quantos anos você tem Mark? Conte-me um pouco sobre você.'

'Tenho onze anos. Eu vou para a escola na Willow Road.


"Por que você não está na escola esta manhã, Mark?"

'É uma longa história.'

"Clint disse que você tem que conhecer o FBI às 12 horas do dia. Isso é verdade?'

"Sim", disse Mark. "Eles querem me fazer algumas perguntas no hospital".

'O hospital?' Tirou um pedaço de papel e uma caneta.

"Faz parte da longa história. Posso te perguntar algo, Reggie? Era estranho chamar essa
senhora pelo nome de um homem.

"Claro", ela disse com um sorriso.

"Se eu lhe disser algo, você vai repeti-lo?"

'Claro que não.'

'Nunca?'

"Somente se você me disser, eu posso repeti-lo. Falar com um advogado é como falar com seu
médico. O que dizemos é secreto e mantido em confiança. Voce entende?'

"E se eu lhe disser algo que ninguém, além de mim, sabe?"

"Não posso repetir isso".

"Algo que a polícia realmente quer saber?"

"Não consigo repetir", disse ela novamente. 'Mais alguma pergunta?'


'Sim. Onde você conseguiu o nome de Reggie?

"Meu nome costumava ser Regina. Eu estava casado com um médico. Então aconteceu todo
tipo de coisas ruins e meu marido me deixou. Mudei meu nome para Reggie e me tornei um
advogado.

"Meu pai deixou minha mãe".

'Eu sinto Muito.'

"Não se desculpe. Meu irmão e eu ficamos muito felizes com isso. Ele bebeu muito e nos
atingiu. Ele também bateu na mãe. Eu e Ricky sempre o odiamos.

"Ricky é seu irmão?"

'Sim. Ele é o único no hospital.

'Qual o problema com ele?'

"Faz parte da longa história".

"Você gostaria de me contar essa história?"

Mark ficou em silêncio. Ele ainda não estava pronto para conversar.

- Tem medo, Mark?

'Um pouco. Uma pessoa está morta. Um está no hospital. A polícia e o FBI querem falar
comigo.

"Olhe, Mark", disse ela. "Primeiro você tem que me pagar uma coisa e então eu sou seu
advogado. Eu acho que você não tem muito dinheiro, não é?
Mark tirou um dólar do bolso e entregou-o. "Isto é tudo o que tenho".

Ela colocou o dólar na mesa e disse: "Ok, agora eu sou o advogado e você é o cliente. Vamos
ouvir a história.

Mark respirou fundo e olhou para o chão. Ele falou sobre Ricky e os cigarros, o carro e o
homem. Reggie fez perguntas e escreveu tudo. Mark disse a ela tudo, exceto o que Romey
havia dito sobre o corpo.

Uma hora depois, eles começaram a fazer uma pausa. Clint trouxe um jornal e ela leu a história
duas vezes. Então ela leu suas anotações novamente. Mark percorreu o escritório enquanto
lia. Seu advogado parecia muito preocupado, e ele quase sentiu pena por ela. Ele realmente
gostou dela. Ele se sentou novamente.

"Com o que você tem medo, Mark?" ela finalmente disse.

'Muitas coisas. Eu menti para a polícia e acho que eles sabem disso. Meu irmãozinho está
muito doente por causa de mim. Eu também não disse a verdade a seu médico. Não sei o que
fazer, e é por isso que estou aqui. O que devo fazer?'

Reggie disse pensativa: "Você me contou tudo?"

'Quase.'

"Você mentiu para mim?"

'Não.'

"Você sabe onde o corpo está?"

'Eu acho que sim. Eu sei o que Jerome Clifford me disse.

"Você quer me dizer onde está?" ela perguntou lentamente.


"Não tenho certeza", disse Mark. - Tenho medo de contar. Eu não quero que ninguém saiba
que eu sei sobre o corpo. Romey me disse que seu cliente mata pessoas. Ele está na máfia, e se
ele achar que eu conheço esse segredo, ele também vai querer me matar. Mas os policiais e o
FBI querem falar comigo. Você acha que devo contar?

Reggie levantou-se e caminhou lentamente até a janela. Ela não tinha certeza. Mark estava
seguro agora, mas ele estaria seguro se ele contasse?

"Vamos fazer isso, Mark. Não me diga onde está o corpo. Talvez mais tarde, mas não agora. E
vamos nos encontrar com o FBI e ouvi-los. Você não precisa dizer uma palavra. Eu falarei. E
depois disso, vamos decidir o que fazer depois.

'Parece bom para mim.'

- Tudo bem - disse Reggie. "Por favor, chame sua mãe e diga a ela que estamos chegando". Ela
verificou o relógio e colocou mais papel na bolsa. "Estou pronto", disse ela. Mas ela parecia
nervosa.

Capítulo oito

A entrevista

O que Mark viu no quarto do hospital o assustou primeiro. Dianne estava na cama, segurando
Ricky e beijando sua cabeça. Ele estava se movendo e fazendo barulhos estranhos. Seus olhos
estavam abertos, depois fechados. "Tudo bem, querida", disse Dianne uma e outra vez. 'Está
bem. Mamãe está aqui. Mamãe está aqui.

Greenway estava perto. Uma enfermeira estava do outro lado da cama. Ninguém notou Mark
quando entrou. Reggie estava esperando lá fora. Era quase doze e claramente ninguém estava
pensando na reunião com o FBI.

Ricky abriu os olhos novamente e pareceu notar sua mãe. Ela o beijou uma e outra vez, e
sorriu através de suas lágrimas.

"Ele acordou cerca de duas horas atrás", explicou o médico. "Mas ele ainda não está falando".
Mark estava feliz com isso. Ele não queria que Ricky começasse a falar sobre Clifford. Ainda
não.

"Ele vai ficar bem?" ele perguntou.

"Eu acho", disse o médico. "Mas vai levar tempo. Onde está o resto da sua família? Sua mãe
precisa de ajuda.

- Só temos nós - disse Mark. 'E o FBI?'

"Ela não pode falar com eles agora", disse Greenway. "Mas eles estão esperando por você. Eles
disseram que é sério.

"Tudo bem", disse Mark. "Estou pronto para eles. Eu tenho um advogado.

'Um advogado?' disse Greenway, surpreso. "Como é isso?"

"Eu a encontrei essa manhã", disse Mark orgulhosamente. 'Não se preocupe. Você cuida de
Ricky e mãe, e eu e o advogado cuidarão do FBI.

***

Reggie encontrou um quarto vazio. Eles estavam dez minutos atrasados para a reunião, mas
ela queria fazer algo primeiro.

"Pegue sua camisa", disse ela rapidamente.

Ela abriu a bolsa e tirou um pequeno gravador preto. Verificou o gravador e amarrou-o até a
cintura de Mark. Mark puxou a camisa para baixo.

"Perfeito", disse Reggie. 'Vamos descer.'


A reunião estava no segundo andar, no quarto 28. Reggie verificou novamente o gravador e
ligou-o. "Agora vá", disse ela. "Vou aguardar aqui. Apenas lembre do que eu disse.

Mark respirou fundo e bateu na porta.

"Entre", disse alguém. Ele entrou e fechou a porta. Três homens o encararam. Eles não
estavam sorrindo.

"Você deve ser Mark", disse um. "Onde está sua mãe?"

'Quem é Você?' disse Mark.

Trumann e McThune se apresentaram. Foltrigg ficou em silêncio. - Tenha assento, Mark - disse
Trumann.

"Bem, Mark, nós realmente queríamos ver sua mãe também".

"Ela está com meu irmão", disse Mark. "Ela não pode vir hoje. Talvez isso possa esperar até
que ela possa vir?

"Não Mark, realmente precisamos conversar agora. Vamos falar alguns minutos só nós e você.
Você está nervoso?'

- Um pouco - disse Mark. O que você quer?'

"Queremos lhe fazer algumas perguntas sobre ontem".

"Preciso de um advogado?"

Os detetives se olharam surpresos. 'Claro que não. São apenas algumas perguntas, só isso.

- Já falei com um policial - disse Mark. 'Noite passada.'


"Nós não somos policiais", disse McThune. "Nós somos FBI".

"É por isso que estou nervoso. Talvez eu precise de um advogado.

'Pelo que?'

"Para proteger meus direitos".

Os homens sorriram um para o outro. "Você assistiu muita televisão, criança", disse McThune.
"Você não precisa de um advogado".

"Bem, não podemos esperar até que minha mãe possa estar aqui?"

Eles sorriram de novo. - Na verdade, Mark. Podemos esperar se devemos, mas você é um
garoto inteligente e estamos com pressa. Temos apenas algumas perguntas para você.

"Tudo bem", disse Mark. 'Se eu tiver que.'

'Certo. Primeiro, Jerome Clifford já morreu quando você e Ricky encontraram o carro ontem?

"Eu tenho que responder a pergunta?"

'Sim. Precisamos saber a verdade, Mark.

"O que acontece se eu não responder?"

"Oh, muitas coisas. Podemos levá-lo ao nosso escritório e fazer perguntas muito difíceis.

"A minha mãe pode ter problemas?"

'Talvez.'
'Que tipo de problema?'

Agora, os homens começaram a parecer nervosos. Eles sabiam que não deveriam conversar
com crianças sem antes conversar com seus pais. Mas eles continuaram tentando.

"Mark, se uma pessoa sabe sobre um crime e não conta à polícia ou ao FBI, eles podem ser
punidos. Você sabe, vai à prisão, ou algo assim.

"Então, se eu não responder às suas perguntas, eu e a mãe podem ir para a prisão?"

Os homens se olharam novamente. "Por que você não quer responder a pergunta, Mark? Você
está escondendo algo?

- Estou com medo - disse Mark. "Tenho apenas onze anos e você é o FBI, e minha mãe não está
aqui".

Trumann sentou-se para a frente e parecia serio. 'Mark, Jerome Clifford já morreu quando
você e Ricky o encontraram?'

- Preciso ir ao banheiro - disse Mark, e levantou-se.

"Ok, Mark, demora cinco minutos. Bem espere.'

Mark deixou a sala e fechou a porta atrás dele.

***

Os homens esperaram pacientemente. Eles sabiam que Mark iria falar. Mas quando a porta se
abriu novamente, não era Mark. Eles ficaram surpresos.

"Mantenha seus lugares", disse a senhora que entrou.

'Quem é Você?' - perguntou grosseiramente. "Estamos em uma reunião".


"Eu sou Reggie Love", disse ela. "Eu sou o advogado de Mark Sway".

Os homens pareciam chocados e sentaram-se novamente.

"Agora", disse Reggie. "Você tentou falar com o meu cliente quando sua mãe não estava com
ele?"

"Não", disse Trumann.

"Ele me diz que você fez".

"Ele veio aqui sozinho", disse McThune rapidamente. "Nós estávamos apenas tendo uma
conversa amigável enquanto a esperamos".

"Você falou a Mark que deveria conversar com um advogado?"

"Nós talvez brincamos com isso", disse McThune.

Mark não lhe perguntou se ele precisava de um advogado?

Eles sacudiram a cabeça.

"Você o aconselhou sobre seus direitos?"

'Claro que não. Ele não é um criminoso. Ele é apenas um filho.

Reggie lentamente abriu sua mochila e tirou o gravador preto. "Está tudo aqui, meninos", disse
ela. 'Você quer ouvi-lo? Você tentou questioná-lo sem o presente da mãe. Você disse que não
precisava de um advogado. Você não lhe disse seus direitos, e você disse que ele poderia ir
para a prisão.

A sala estava em silêncio.


"Bem, meninos, de agora em diante eu quero a verdade de você", disse ela. "Agora me diga o
que você quer saber do meu cliente".

Eles disseram a ela.

"Eu vejo", disse Reggie. "Vocês realmente precisam do corpo, você não, e você acha que Mark
pode ajudar. Bem, vou falar com ele um pouco mais e eu vou encontrá-lo no meu escritório
em torno de três.

- Obrigado, Sra. Love - disse McThune, educadamente.

- É Reggie - disse Reggie. "Apenas me chame de Reggie".

Capítulo nove

O repórter

Barry Muldanno ficou satisfeito com seu novo advogado. Ele foi inteligente e ele foi rápido.
Quando o advogado lhe mostrou uma cópia do jornal de Memphis, Barry foi ver seu tio
Johnny. Johnny era o chefe da Mafia em Nova Orleans, e era hora de explicar algumas coisas
de Barry. Primeiro, ele explicou sobre o corpo dos senadores. O tio Johnny não se divertiu.
Então ele explicou sobre dizer a Jerome Clifford.

'E daí?' disse Johnny. "Clifford está morto agora".

Então Barry explicou sobre os dois meninos que o encontraram.

"E se Romey lhes contasse sobre o corpo?" disse Barry.

O tio Johnny ficou bravo. "Você fez uma coisa estúpida, Barry", disse ele. 'Agora, o que você vai
fazer sobre isso?'

"Preciso enviar um assassino a Memphis", disse The Blade.


"Você vai matar os meninos?" perguntou a seu tio.

"Talvez sim, talvez não", disse Barry. "Primeiro, precisamos saber se eles sabem alguma coisa".

- Mande Gronke - disse seu tio.

***

De volta a Memphis, Slick Moeller ficou satisfeito com o trabalho dele. O jornal da manhã
levou sua primeira história sobre a morte de Clifford. Agora ele queria mais novidades.

Slick andou pelo hospital procurando pessoas que conversassem com ele. Ele encontrou um
limpador. O limpador ficou satisfeito de falar com um repórter e disse-lhe qual quarto os
meninos estavam. Ele também disse que a polícia estava lá.

"O FBI esteve aqui o dia todo", disse o limpador. "E agora a família tem um advogado. Reggie
alguém. Não conhece o seu outro nome.

Slick esperou perto do quarto de Ricky até Mark sair.

'Como está seu irmão?' ele perguntou de forma amigável.

"Ele está ótimo", disse Mark. 'Quem é Você?'

- Sou repórter - disse Slick. "Estou trabalhando em uma história sobre Clifford. Os policiais
dizem que você sabe mais sobre isso do que você está contando.

"Quando a história está saindo?" perguntou Mark.

- Talvez amanhã - disse Slick.

Mark ficou doente. "Não estou respondendo a nenhuma pergunta".


"Tudo bem", disse Slick, e se afastou.

Mark sentou-se num canto calmo e começou a chorar.

***

Ricky ficou quieto novamente. Seu polegar estava de volta na boca e seus olhos estavam
fechados. Dianne virou-se quando Mark entrou no quarto.

- Quem é esse advogado, Mark? ela perguntou. "Por que precisamos dela?"

"Estou com medo, mãe. Há policiais por todo o lado, e o FBI, e agora há repórteres que
querem falar comigo. Precisamos de um advogado.

"Advogados não funcionam por nada, Mark".

"Não se preocupe, mãe. Eu paguei-lhe um dólar.

"Ela está trabalhando por um dólar? Ela deve ser um grande advogado. O que ela fez até
agora?'

"Ela conheceu o FBI hoje, e ela está encontrando-os novamente agora. Ela vem falar com você
esta noite. Mãe, eu preciso contar algumas coisas sobre mim e Ricky.

E Mark disse a Dianne o que ele e Ricky tinham visto.

"É por isso que Ricky está com choque", disse Mark. "Você vai explicar ao Dr. Greenway? Pode
ajudá-lo a ajudar Ricky.

- Tudo bem - disse Dianne. "Você não fez nada de errado, tentando ajudar esse homem. Mas
por que você mentiu para o médico?

"Diga a ele que só me lembrei", disse Mark. "Diga a ele que eu também estava com choque,
um pouco como Ricky. Mas agora lembro.
- Vou contar-lhe - disse Dianne.

Capítulo dez

A Mafia Chega

As fotos no jornal de quarta-feira eram do livro escolar Willow Road. Eles tinham um ano de
idade, mas eram os melhores que Slick poderia encontrar. Sob as fotos eram seus nomes.
Mark Sway. Ricky Sway. A história contou mais sobre a morte de Clifford, e disse que Ricky
estava chocado no hospital de São Pedro.

A história também disse muito sobre Mark - como ele chamou 911, mas não deu seu nome,
sobre suas impressões digitais no carro e sobre o FBI querendo falar com ele.

"Você é famoso", disse uma enfermeira, dando a Mark o jornal.

'O que é isso?' disse Mark, de repente, vendo seu próprio rosto. Ele lê a história lentamente.
"Isso é ruim", pensou ele. "Agora, a máfia sabe por onde me encontrar".

Mark estava a caminho do café para o café da manhã. Ele devolveu o papel e caminhou até o
elevador. A porta se abriu e ele entrou. Estava vazio. Ainda era cedo.

No andar número oito, o elevador parou e um homem entrou. Ele usava um casaco e jeans
brancos. Mark não olhou para ele. Ele estava cansado de conhecer novas pessoas.

A porta se fechou e, de repente, o homem agarrou Mark. Ele tinha uma faca. Ele empurrou seu
rosto horrível perto de Mark.

"Ouça-me, Mark Sway", disse ele. "Não sei o que Jerome Clifford lhe disse, mas se você repete
uma única palavra, mesmo para seu advogado, eu vou matar você. E vou matar sua mãe e seu
irmãozinho.

Gronke estava fazendo seu trabalho bem. Mark era branco com medo.
"Eu sei onde você mora", continuou o homem. "E eu sei onde você vai para a escola. Você não
pode escapar de mim, entende?

Os olhos de Mark estavam de repente molhados. Ele assentiu sim, sim, sim.

O elevador parou de novo. "E se você contar a alguém sobre mim, eu vou pegar você", disse o
homem, e ele desapareceu.

***

Reggie chegou ao escritório às nove. Clint fez uma xícara de café e deu-lhe o jornal da manhã.

"O café é excelente", disse ela, enquanto abriu o papel e viu a foto de Mark. De repente, Mark
estava no quarto, molhado da chuva e sem respiração.

"Qual é o problema, Mark?" ela perguntou. 'Como está Ricky?'

"Ele está bem", disse Mark. "Você já viu o jornal de hoje?"

"Eu acabei de ler", disse ela. "Isso te preocupa?"

'Claro que sim.'

Clint entrou no quarto com uma bebida quente para Mark. Mark agradeceu e calou as mãos
no copo.

'Você está pronto para conhecer o FBI às dez?' - perguntou Reggie.

"Não tenho certeza de querer falar com eles".

"Ok, você não precisa. Você parece assustado. Por quê?'


"O que aconteceria comigo se eu nunca contasse a ninguém o que eu conhecia?"

"Você me disse".

"Sim, mas você é meu advogado. E eu não disse nada a você - não onde o corpo é.

"Eu sei, Mark".

"Então, o que acontece se eu nunca contar?"

Reggie estava pensando nisso a noite toda, mas ainda não tinha resposta. Ontem à tarde,
quando conheceu Foltrigg, viu que tentaria tudo o que fazia para que Mark fale. Uma mentira
poderia salvar Mark. Uma mentira simples. Mas ela era advogada e não podia aconselhá-lo a
mentir. Pobre garoto.

"Eu acho que eles tentarão fazer você falar", ela disse finalmente. "É muito raro, mas acho que
a lei pode fazer você contar o que você conhece a um juiz".

"E se eu recusar?"

"Boa pergunta, Mark. Se você fosse um adulto, você poderia ir para a prisão. Eu não sei o que
eles fariam com uma criança. Mas se você mentir para o juiz, você poderia estar com grandes
problemas.

"Se eu disser a verdade, estou com problemas maiores".

'Por quê?'

Mark não respondeu.

'Mark, no hospital ontem à noite, você me disse que estava pronto para conversar com o FBI e
contar sua história. Agora você mudou de idéia. Por quê? O que aconteceu?'

Marque suavemente coloque seu copo sobre a mesa, cobriu o rosto e começou a chorar.
***

Até dez horas, Roy Foltrigg estava de bom humor. Tudo ontem à tarde, seus homens haviam
encontrado informações sobre Reggie Love. Eles sabiam que ela costumava se casar com um
médico rico. Eles sabiam que o médico a deixara. E eles sabiam que ela tinha começado a
beber pesado e a tomar drogas, então o médico conseguiu tirar seus filhos dela. Agora ela não
tinha marido, nem filhos e sem dinheiro. E um novo nome. Roy Foltrigg pensou que poderia
usar essa informação contra a Reggie.

O trabalho de Foltrigg era provar que Barry Muldanno havia matado o senador. Ele tinha
certeza de que Mark sabia algo que o ajudaria. Então ele ganharia o caso, e voltaria a aparecer
na primeira página dos jornais.

Às dez horas, Foltrigg voltou ao escritório de Reggie, pronto para a reunião prometida com
Mark. Clint abriu a porta para ele.

"Me desculpe, Sr. Foltrigg", disse ele. Reggie e Mark não têm nada para discutir hoje.

Foltrigg gritou com raiva, depois para a esquerda, batendo a porta. Ele foi direto ao escritório
do FBI e gritou um pouco mais.

"Eu quero o garoto seguir", ele disse com raiva. - Conhecemos o Gronke na cidade. Ele não
deve chegar ao garoto. Assista também ao advogado. E eu quero que você prepare
documentos para levar a um juiz. Vamos falar com Mark Sway.

Capítulo onze

Momma Love

Quando Reggie e Mark voltaram para o hospital, havia repórteres em todos os lugares.

'Ms Love, Ms Love', eles chamaram. "Apenas algumas perguntas, por favor". Ela pegou a mão
de Mark e caminhou mais rápido.

"É verdade que seu cliente está se recusando a falar com o FBI? Seu cliente conversou com
Jerome Clifford antes de morrer? É verdade que seu cliente sabe onde o corpo do senador é?
Reggie disse rapidamente a Mark: "Não olhe para eles e não diga uma palavra".

No quarto 943, Ricky estava sentado no final da cama. O Dr. Greenway disse a Mark para
sentar ao lado dele e segurar sua mão.

"Ricky", disse ele, "eu gostaria de falar sobre o outro dia quando você e Mark estavam
escondidos nas árvores".

"Tudo bem, Ricky", disse Mark. "Ele sabe que estávamos a fumar. Mamãe não está brava com
a gente.

"Estou realmente com frio", disse Ricky.

"Ricky, está muito quente aqui", disse o Dr. Greenway. "Agora você se lembra de ter visto o
grande carro preto?"

"Sim", disse Ricky calmamente.

"O que o grande carro preto fez, Ricky?"

Ricky fechou os olhos com força, colocou a cabeça no joelho de Mark e o polegar entrou na
boca dele. Ele não falou outra palavra durante vinte e quatro horas.

***

Reggie perguntou a Dianne se Mark pudesse passar a noite em sua casa. Dianne concordou,
então, quando Ricky estava dormindo novamente, eles deixaram o hospital no carro esporte
de Reggie. Era velho, mas Reggie gostava de dirigir rápido, e estava bem com Mark.

Mark observou o espelho de perto para ver se alguém estava seguindo-os.

"Você acha que mamãe e Ricky estão a salvo?" ele perguntou.


'Sim. Não se preocupe com eles. O hospital prometeu manter guardas na porta. Agora, eu me
pergunto o que mamãe ama está nos dando para o jantar?

Momma Love era a mãe de Reggie. Muitas vezes, eles tinham jantares jovens para jantar. A
maioria do trabalho de Reggie era com crianças. Alguns tiveram problemas familiares, alguns
tiveram problemas de drogas e alguns já começaram uma vida de crime. Reggie geralmente
decidiu que eles precisavam de boa comida no Momma Love's.

"A culinária de Momma Love é a melhor", disse ela a Mark.

E foi. Momma Love era meio italiana, e ela cozinhava a comida da maneira antiga. Tudo estava
fresco e cheirava a perfeição. Passaram uma hora na mesa, conversando e comendo. O jantar
no trailer nunca levou mais de dez minutos!

Depois do jantar, Momma Love mostrou a Mark algumas fotografias. "As crianças de Reggie",
disse ela. "Eu nunca os vejo agora. A droga e a outra tem grandes problemas de dinheiro. Seu
pai os pegou e os mimou. Reggie sentiu-se brava primeiro, mas agora tem uma nova vida e
tenta não pensar nisso.

A cama de Mark estava confortável, e ele adormeceu rapidamente, mas às duas horas ele
acordou e se viu preocupado com a mãe e Ricky. Por que ele estava aqui? Seu lugar estava
com eles, no hospital. Ele se levantou e ficou na janela, pensando nos últimos dois dias. Tudo
começou na segunda-feira, depois da escola. Agora ele havia perdido dois dias de escola.
Quando tudo acabaria?

Quando Mark olhou para a noite escura, de repente notou uma pequena luz vermelha. Um
cigarro. Alguém estava lá fora, na rua, fumando um cigarro. Embora ele não pudesse ser visto,
Mark prendeu a respiração. Alguém estava assistindo a casa.

***

Gronke apagou o cigarro e foi até o carro dele. O garoto não ia mexer esta noite, e ele tinha
algo para fazer. Ele dirigiu para Tucker Trailer Park.

Capítulo doze

As coisas pioram
As sete e meia da manhã eram muito cedo para Reggie, mas ela teve que levar Mark de volta a
Dianne. Clint ligou antes de sairem.

"Boas novidades, Reggie", disse ele. A imagem de Mark está na primeira página novamente.
Slick Moeller escreveu outra história.

Quando chegaram ao hospital, viram os repórteres esperando na porta da frente.

"Siga-me", disse Mark, e levou Reggie através de uma porta lateral para as cozinhas e subindo
as escadas traseiras. "Eu conheço este hospital agora, não?" ele disse com orgulho.

O sorriso dele caiu quando viu sua mãe. Ela estava sentada no corredor com um policial junto a
ela. Ela estava chorando demais. Mark correu para ela. Ela o agarrou e o apertou forte.

"Mark", disse ela. "Nosso trailer queimou a noite passada".

"Isso mesmo", disse o policial. "Apenas algumas horas atrás".

Dianne ainda estava chorando. "Tudo se foi, Mark".

"O que começou o fogo?" - perguntou Reggie.

"Ainda não sei", disse o policial.

"Como está Ricky, mãe?" perguntou Mark.

"Ele está bem", disse Dianne. "Ele teve uma boa noite".

"Olhe, mãe", disse Mark, "podemos entrar e conversar?"

Dianne assentiu e levou-o para a sala. Quando a porta se fechou, a pequena e sem-teto família
Sway estava sozinha.
***

Foltrigg tinha um plano. "Talvez possamos conseguir que um juiz tome Mark sob custódia.
Obtenha a lei para mantê-lo seguro para nós.

Os outros pareciam interessados.

"Aqui estão as vantagens", disse Foltrigg. "Primeiro, ele protegerá Mark da Mafia. Ao mesmo
tempo, assustará Mark e o preparará para falar. Nós diremos ao juiz que precisamos de Mark
para que ele possa conversar no tribunal.

"Se você quer fazer isso", disse McThune, "você precisa ver o juiz Harry Roosevelt. Ele é o juiz
principal dos tribunais infantis aqui em Memphis. Mas não diga a ele que quer assustar Mark.
A melhor maneira de levá-lo a aceitar a custódia é mostrar-lhe que Mark está em perigo. E se
você quiser levar a Court no tribunal, você terá que dizer que ele sabe algo que ajudará o caso
de Muldanno.

"Ele sabe de tudo bem", disse Foltrigg. 'Estou certo disso.'

***

Quando o juiz Harry Roosevelt se tornou um juiz há vinte e dois anos, ele foi o primeiro juiz
negro da corte infantil no Tennessee. Ele era inteligente, ele era gentil e ele era sábio. Quando
ele ouviu falar sobre o perigo para Mark Sway, ele pensou cuidadosamente. Ele não gostou de
fazê-lo, mas ele concordou em ouvir a Court no tribunal e para levá-lo sob custódia até então.

Ele assinou um pedido. "Leve-o para a prisão infantil", disse ele.

"Dê-lhe um quarto privado. Não o assuste. Eu falarei com seu advogado mais tarde hoje.

***

Mark e Dianne estavam no quarto falando sobre o fogo e todas as coisas que perderam. Eles
sussurraram porque não queriam que Ricky soubesse sobre o fogo ainda.
Ricky estava acordado. Seus olhos estavam abertos, mas ele estava olhando para o teto sem
dizer uma palavra ou mover-se.

Havia algo que Mark não dizia a Dianne. Algo que o preocupou. Talvez o fogo não tenha sido
um acidente. Poderia ser outra mensagem do homem com a faca? Os trailers geralmente não
queimavam às quatro horas da manhã.

Houve uma batida na porta. Mark abriu.

Dois homens entraram na sala. 'Polícia de Memphis aqui. Detetive Nassar e detetive Klickman.
À procura de Dianne Sway. E entregaram alguns papéis a Dianne.

"Estes são do tribunal para crianças, Sra. Sway", disse Nassar. "Estamos aqui para tomar Mark
Sway sob custódia agora, senhora. O juiz quer vê-lo no tribunal esta tarde.

'O que!' Dianne gritou para Nassar, deixando cair os papéis.

- Ordem do juiz - disse Nassar, pegando os papéis.

"Você não pode levar meu filho", gritou Dianne.

Mas eles podiam, e eles fizeram, puxando-o para o corredor. Dianne correu atrás deles,
agarrou Mark e gritou. Nassar segurou Dianne e Klickman tentaram afastar Mark. Dianne
chutou Klickman e houve mais gritos e brigas.

No meio de tudo isso, Ricky apareceu na porta. Ele olhou para Mark, que foi atendido por
Klickman. Ele olhou para a mãe, que era mantida por Nassar. Todos olharam para Ricky. Seu
rosto era branco e sua boca estava aberta.

"Tudo bem, mãe, eu irei", disse Mark. "Olhe para Ricky. E ligue para Reggie. Diga-lhe que
venha à prisão.

Uma dama de uniforme com DOREEN no bolso encontrou-os na prisão. Ela deu a Nassar um
papel para assinar e pediu a Mark para esvaziar seus bolsos. Tudo entrou em uma caixa de
metal. Então o levou para uma pequena sala. Não era tão ruim, mas Mark sentiu-se muito
solitário.
'Posso usar um telefone?' ele perguntou. "Para chamar minha mãe?"

Doreen lhe trouxe um telefone e uma lista telefônica. "Você pode tê-lo por dez minutos", disse
ela, e trancou a porta.

Mark encontrou o número de São Pedro e pediu o quarto 943. "O número 943 não está
levando chamadas agora", disse ele. Ricky deve estar dormindo, pensou Mark. Ele tentou
Reggie. Sem sorte. Então ele teve uma idéia. Ele chamou uma pizza-restaurante.

- Este é o detetive Klickman, a polícia de Memphis - disse ele com uma voz profunda. "Por
favor, envie-me quarenta pizzas para uma festa surpresa aqui na delegacia de polícia. Eu
pagarei quando vierem.

Quando Doreen voltou para o telefone, Mark parecia muito mais feliz.

Capítulo treze

Voltar à Prisão

Reggie não ouviu falar de Mark até o almoço na quinta-feira. Ela freqüentemente trabalhava
nos tribunais infantis, e conhecia bem o juiz Roosevelt. Ela correu para o escritório dele.

"Não estou surpreso ao vê-lo, Reggie", disse ele.

"Não consigo entender por que você fez isso, Harry", disse ela. "Mark não fez nada de errado".

"Eu concordei em vê-lo no tribunal esta tarde", disse o juiz, "e eu estou mantendo-o seguro
até então. Espere aqui. Eu pedirei aos guardas para trazê-lo aqui para vê-lo agora.

Quando Mark chegou, sorriu para Reggie. "Não se preocupe", disse ele, "estou bem". Mas o
que devo dizer no tribunal?
Reggie explicou com atenção. "Ninguém pode fazer você falar", disse ela, "mas o juiz pode
mantê-lo em custódia se você não fizer isso".

"Mas não fiz nada de errado".

"Não", disse Reggie, "mas se o juiz lhe fizer perguntas e você não responde, então isso seria
errado. A lei é muito clara nisso. Se você sabe algo que ajudará um caso de homicídio, você
não pode ficar quieto, mesmo que pense que está em perigo.

- É uma lei estúpida - disse Mark.

- Talvez - disse Reggie -, mas não podemos mudar isso hoje.

"Eu poderia dizer-lhes que não sei de nada", disse Mark.

Reggie queria dizer sim, mas ficou em silêncio. Por fim, ela disse com firmeza: "Você não pode
ele no tribunal, Mark".

***

Slick Moeller estava esperando fora do tribunal. Ele viu Mark entrar com dois guardas. Ele viu
Reggie entrar em seguida, e depois os homens do FBI, com Foltrigg. Ele sorriu para si mesmo.
Na quadra das crianças, não havia câmeras e nenhum repórter. Ele sabia que Foltrigg não
gostaria disso!

A porta do tribunal estava trancada e Slick esperou pacientemente. Quando foi destrancado de
novo, ele entrou rapidamente nos banheiros dos homens e esperou lá. Logo um dos guardas
se juntou a ele.

'O que aconteceu?' perguntou Slick. 'Seja rápido.'

"O garoto não conversaria", disse o guarda, "então ele vai voltar para a prisão".
'O que ele conhece?'

"O juiz perguntou se ele sabia onde o corpo do senador é, mas ele não responderia".

'Qual o proximo?' perguntou Slick.

"O juiz quer vê-lo novamente amanhã. Ele lhe deu uma noite para mudar de idéia.

Slick passou pelo guarda cem dólares.

"Você não ouviu isso de mim", disse o guarda.

"Confie em mim", disse Slick.

***

Foltrigg estava gritando de novo. "Esse juiz não bom", ele disse repetidas vezes. "Esse não bom
juiz. Ele é muito macio. Vou voltar para Nova Orleans. Este caso de assassinato é um trabalho
de Nova Orleans. Posso chamar Mark para os tribunais de Nova Orleans. Então, podemos fazê-
lo falar.

***

Mas o FBI teve outras ideias. Quando Foltrigg partiu, eles pediram outra reunião com o juiz e
Reggie. Eles queriam explicar como o governo poderia proteger Mark e sua família se ele
apresentasse evidências contra a máfia.

"É chamado de programa de proteção de testemunhas", disse McThune.

"Eu ouvi falar disso, Sr. McThune", disse o juiz. 'Conte-nos mais sobre isso.'

"É bastante simples. Nós movemos a família para outra cidade. Damos-lhes novos nomes.
Encontramos um bom trabalho para a mãe e conseguimos um bom lugar para viver. Nós nos
certificamos de que os meninos estão em uma boa escola. Damos-lhes algum dinheiro. E
ficamos próximos.

"Bem, Reggie?" disse o juiz. 'Parece bom.'

Certamente o fez. No momento, os Sways não tinham casa. Dianne teve um trabalho ruim.
Não tinham relações em Memphis.

"Eles não podem se mover agora", disse ela. "Ricky deve ficar no hospital".

"Encontramos um hospital infantil em Phoenix que pode levá-lo imediatamente", disse


McThune. "É um hospital privado, e, claro, vamos pagar por isso".

"O que você acha, Reggie?" perguntou o juiz Roosevelt.

"Vou conversar com Dianne sobre isso", disse Reggie.

"Bom", disse o juiz. "E veja se ela pode vir a tribunal amanhã. Eu gostaria que ela estivesse lá.

- Vou tentar - disse Reggie.

Mark também estava pensando em como salvar sua família. Doreen ficou surpreso ao vê-lo de
volta à prisão.

"Por quanto tempo você está de volta?" ela perguntou.

"O juiz não disse. Devo voltar a tribunal amanhã.

"Como está o seu irmãozinho?"

Mark colocou um rosto muito triste. "Provavelmente ele vai morrer", disse ele. 'Não!'
- Sim - disse Mark com uma pequena voz. "Ele não fala. Ele faz ruídos terríveis. E ele não come.

'Eu sinto Muito.'

'É mau. Eu também não me sinto tão bem.

"Pobre garoto. Qualquer coisa que eu possa te pegar?

"Não, eu só preciso me deitar".

Pobre garoto ", ela disse novamente. "Eu vou ficar de olho em você".

Capítulo quatorze

Não há outro jeito

A história da escuridão da aparição da sala de Mark estava no jornal na manhã de sexta-feira -


notícias da primeira página novamente. Gronke levou o primeiro avião a Nova Orleans e
chamou The Blade.

Olhe, Barry disse. Eu não posso fazer muito quando o garoto está na prisão, posso? Mas ele
ainda não falou. Pense nisso. Cheguei com ele com uma faca. Eu queimei o trailer. O garoto
está muito assustado para falar.

- Não sei, Gronke - disse Muldanno. "O garoto sabe alguma coisa. Claro que você não pode
chegar até ele?

"Não podemos matar o garoto, Barry. Todo mundo está olhando para ele.

- E a mãe ou irmão?

Gronke não disse nada. Ele estava cansado do jogo de Muldanno.


"E o seu advogado?"

"Por que você quer matar seu advogado?"

"Porque eu odeio os advogados", disse The Blade, descontroladamente.

- Não, Barry - disse Gronke, perguntando-se se Muldanno estava ficando louco. "Não tenho
vontade de matar alguém agora".

"Tudo bem", disse Muldanno. "Outro homem pode fazê-lo".

***

Quando o juiz Roosevelt leu a história de Slick, seus olhos ficaram com frio. No tribunal infantil,
tudo era privado. Como Moeller recebeu sua informação? Ele chamaria Moeller para o tribunal
hoje para explicar. Vai ser outro dia agitado, mas no final, seus filhos o levariam pescando para
o fim de semana. Ele sorriu para esse pensamento agradável.

***

A história do tribunal tornou Foltrigg irritado novamente. Mas os papéis para chamar Mark
para o tribunal em Nova Orleans estavam quase prontos. Ele chamou o FBI local.

"Sr. Foltrigg, pensamos que você gostaria de saber que as costas de Gronke na cidade. Ele
chegou esta manhã. E temos uma gravação de uma conversa telefônica com Muldanno.

"Deixe-me ouvir isso", disse Foltrigg.

"Bom", ele disse quando ouviu isso. "Envie para Memphis. Quero que o juiz Roosevelt o ouça
hoje. Isso fará com que ele mantenha a Mark Sway em custódia para o fim de semana. Hoje à
noite enviaremos papéis para chamar Mark para New Orleans. Os tribunais estão fechados até
segunda-feira, e nesse momento teremos o filho aqui onde o queremos.

***
A história de Slick tornou Reggie triste. Com relatórios de jornais como este, a Mafia sabia tudo
o que estava acontecendo.

Ela se sentou com Mark agora, tentando explicar o programa de proteção de testemunhas.

'O que a mãe pensa?' perguntou Mark.

"Ela não tem certeza", disse Reggie.

"Eu também não tenho certeza", disse Mark. "Eu vi isso uma vez em um filme. Alguém disse a
verdade sobre a máfia e o FBI o ajudou a desaparecer. Ele teve um novo rosto, até uma nova
esposa. Ele foi ao Brasil.

'O que aconteceu?'

"Levou a Mafia um ano para encontrá-lo. Eles também mataram sua esposa.

"Era apenas um filme, Mark. Não há outra maneira. É a coisa mais segura a fazer.

"É claro que eu tenho que dizer o que sei antes que eles façam todas essas coisas maravilhosas
para nós".

"Isso faz parte do acordo, Mark".

"A Máfia nunca esquece, Reggie".

"Você assistiu a muitos filmes, Mark".

"É fácil para você, Reggie. Você vai ficar bem. Mas viveremos com medo pelo resto de nossas
vidas.

"Não há outra maneira, Mark".


'Sim existe. Eu poderia mentir.'

Capítulo quinze

Escapar!

Mark não mentiu, mas ele ainda não estava preparado para dizer a verdade. Quando o tribunal
se encontrou novamente na tarde de sexta-feira, ninguém ficou realmente surpreso quando
ele novamente se recusou a responder as perguntas do juiz. "Não vou responder", disse ele,
uma e outra vez.

Mas todos ficaram chocados com a gravação que foi tocada. Os olhos de Reggie se abriram
quando ela ouviu Muldanno falar de matá-la. O juiz concordou que Mark estava em grande
perigo e o devolveu a custódia.

Houve uma surpresa, no entanto, quando Slick Moeller veio antes do juiz. Fiel à sua palavra, o
repórter se recusou a nomear a pessoa que lhe deu informações privadas.

- Bem, senhor Moeller - disse o juiz. "Se eu posso enviar uma criança à prisão por se recusar a
dizer o que sabe, posso fazer o mesmo por você".

Slick sabia mais do que ninguém sobre o crime em Memphis, mas ele nunca esteve dentro de
uma prisão. Agora era a vez dele.

***

De volta ao quarto da prisão, Mark estava pronto para o plano dele. Durante meia hora, ele
correu ao redor de seu quarto, até que seu coração ia muito rápido e seu rosto estava
vermelho e quente. Quando ouviu a chave de Doreen pousou no chão, fechou os olhos e
colocou o polegar na boca.

- Mark - gritou Doreen, quando o viu. 'Mark - oh, seu pobre garoto!' Ela correu da sala para
obter ajuda, e voltou em alguns segundos com outro guarda.

"Mark estava preocupado com isso", disse Doreen. "Ele está em estado de choque como seu
irmãozinho. Olhe - sua pele está molhada. E seu coração está indo tão rápido!
'Fique aqui. Liguei para uma ambulância - disse o outro guarda. "Precisamos levá-lo ao
hospital".

Tudo foi confundido depois disso. Ninguém queria que um menino morresse na prisão.
Quando a ambulância veio, os guardas assinaram papéis para enviar Mark para o hospital e ele
foi levado imediatamente para St Peter's. Mais papéis. Havia enfermeiros em todos os lugares,
e todos estavam com pressa. Uma enfermeira moveu Mark para uma cama.

"Assine isto", disseram os homens da ambulância, e seja rápido. Temos outro caso em espera.

A enfermeira assinou, os homens saíram e a enfermeira foi atender um telefone. Mark abriu
os olhos e viu que estava sozinho. Ele pulou da cama e encontrou um corredor. Ninguém o
notou. Ele desapareceu em um escritório vazio e encontrou um telefone.

'Reggie?' Ele disse rapidamente quando respondeu o telefone. - Estou em St Peter's. Não
posso falar agora. Por favor, venha me pegar. Não conte a ninguém. Estarei no parque de
estacionamento.

Mark sabia como se esconder no hospital. Ele se moveu rapidamente e silenciosamente, e


encontrou o caminho para o estacionamento. Quando o carro de Reggie chegou, ele subiu e se
escondeu no chão.

"Drive, Reggie", disse ele. "Dirija a qualquer lugar. Vamos. Eu vou explicar mais tarde.'

***

Quando a enfermeira voltou, Mark não estava lá. "Alguém o moveu", pensou, e correu para
outro emprego.

Quando os homens de Foltrigg chegaram com papéis para levar Mark a New Orleans,
verificaram a prisão e depois verificaram o hospital. Só então as pessoas perceberam que ele
tinha ido embora.

"Ele é o quê?" - exclamou Dianne.


"Vá buscá-lo", disse McThune.

Mas naquela época Mark e Reggie estavam na estrada.

'Onde estamos indo?' - perguntou Reggie.

- Escute, Reggie - disse Mark. 'Eu estive a pensar. E se Romey me dissesse uma mentira? E se o
corpo não está onde ele disse? Então eu ficaria a salvo. Nós precisamos verificar. Precisamos ir
a Nova Orleans.

Capítulo Dezesseis

Nova Orleans

No sábado, a notícia estava fora. Todos estavam procurando por Mark. Quando Barry
Muldanno ouviu, ele estava com medo. Ele foi direto ao seu tio.

"O miúdo desapareceu", disse ele. "O que ele vai fazer agora? Preciso mover o corpo. Ajude-
me. Me dê dois homens.

"Você é estúpido, estúpido, estúpido", disse o tio Johnny. "Eu vou te dar dois homens, mas não
fiquem apanhados".

"Eu vou fazer isso hoje à noite", disse Barry, "quando está escuro".

***

Reggie e Mark chegaram a Nova Orleans no sábado à tarde. Eles dirigiram a noite toda,
parando apenas para dormir algumas horas no carro. Reggie sabia que estava errado. Ela
conhecia os policiais e o FBI os procuraria.

Conversaram durante a noite, sobre a vida de Memphis e Mark, sobre sua escola e seus
amigos. Então, Mark disse com tristeza: "Se o corpo estiver lá, não posso voltar para Memphis,
posso?" Então eles falaram sobre o plano de proteção de testemunhas.
Reggie ainda não tinha idéia de onde eles estavam indo.

- Temos que encontrar a casa de Clifford - disse Mark.

"O corpo está lá? És maluco?'

"Está lá", disse Mark, sob o barco na garagem.

Eles encontraram a casa no final da tarde de sábado. As ruas estavam quentes, então eles
estacionaram o carro e caminharam para a parte de trás da casa. Tudo ficou em silêncio.

- Há a garagem - disse Mark, calmamente.

"Isso é louco", disse Reggie. "Esperamos até a escuridão".

***

Reggie olhou para o relógio. Meia-noite. Eles estavam escondidos na grama alta atrás da casa.
Estava cansada e tinha dores nas pernas. Era hora de se mudar.

Lentamente, eles se arrastaram pela grama para a garagem. Reggie estava tremendo. Tinha
medo de cobras. De repente, Mark parou. "Há uma luz ali", ele sussurrou. "Há alguém lá. Fique
aqui Reggie.

Ele rastejou silenciosamente para uma janela. Havia o barco. E estava se movendo. Ele viu as
formas de três homens.

"Ok, Muldanno", disse um dos homens. "Onde nós cavamos?"

O coração de Mark estava em sua boca. Ele rastejou de volta para Reggie. "É Muldanno", ele
sussurrou. "Eles estão cavando o corpo. O que fazemos agora?'

'Ah não!' disse Reggie. "Eu disse que isso era louco. Deixe-me pensar.' E de repente ela sabia o
que fazer.
Ela rastejou na outra direção, em direção à casa ao lado. Com o sapato, ela abriu uma janela.
De repente, a noite já não estava em silêncio. Bels tocaram em todos os lugares. As luzes
continuaram na casa ao lado. As vozes estavam gritando. Um homem apareceu com uma
arma. Ele disparou violentamente no escuro.

"Olhe", chamado Mark, "eles estão saindo". Muldanno e seus homens saíram da garagem e
desapareceram. Reggie rastejou de volta.

Foi mais uma hora antes que a confusão terminasse. A polícia veio para a casa ao lado. Mais
gritos, mais luzes. Mark e Reggie ficaram escondidos atrás da garagem de Clifford. Então tudo
ficou em silêncio novamente.

"Vamos", disse Mark. "Nós temos que olhar".

O bloqueio na porta da garagem estava quebrado. No escuro, eles se moviam em direção ao


barco. Ao lado dele, havia um buraco. No buraco havia uma bolsa de plástico.

"Nós temos que olhar", disse Mark novamente. E abriram a bolsa. O rosto horrível e morto do
senador olhou para eles. O cheiro era terrível.

Reggie sentiu-se doente, mas agora eles conheciam a verdade.

"Venha", disse ela, "eu tenho que fazer um telefonema".

Capítulo dezessete

Esperando

Era domingo de manhã. Todos estavam esperando.

No escritório de Johnny, Muldanno esperava nervosamente a noite para chegar. Ele teria que
tentar novamente.

Em sua casa, Foltrigg esperava com raiva as notícias de Mark. Ele precisava dele no tribunal na
segunda-feira.
No aeroporto da cidade, Mark e Reggie estavam esperando. Eles estavam em uma sala privada
com o detetive Trumann do FBI.

'A que horas eles estarão aqui?' - perguntou Reggie.

- Em breve - disse Trumann. "Eles deixaram uma hora atrás".

"Eles terão os papéis?" - perguntou Reggie.

"Claro", disse Trumann. "Tudo o que você pediu".

Mark estava em uma janela, observando um avião decolar. Ele pensou que ele gostaria de
voar. Talvez ele fosse um piloto.

"Ele é um filho corajoso", disse Trumann para Reggie.

Um avião negro do FBI pousou. "Eles são?" Mark perguntou com entusiasmo. A porta se abriu,
as escadas caíram, e McThune apareceu. Ele foi seguido por Dianne, depois o Dr. Greenway
carregando Ricky. Trumann levou Mark e Reggie para conhecê-los.

Reggie observou enquanto Mark e Dianne se mantinham perto. Então ela se virou para
McThune.

"Você vai levar Ricky para um hospital?" ela perguntou.

'Acordado. Temos um quarto reservado em Phoenix. Um hospital privado. Eles estão


esperando por Ricky.

"Quando ele é melhor, eles podem escolher onde viver?"

"Concordou", disse McThune. - Está tudo nos jornais. Eu só preciso de você e da Sway para
assinar.
"Mãe", disse Mark. 'Eu estive a pensar. E sobre a Austrália? Eles têm vaqueiros reais lá. Eu vi
isso em um filme uma vez.

"Mais filmes para você, Mark", riu Dianne. "Não há mais TV. Apenas livros a partir de agora. E
ela assinou os papéis.

Reggie viu enquanto Mark e Dianne voltaram para o avião. De repente, Mark virou-se.

"Você não vem, Reggie?" ele perguntou.

'Nenhuma marca. Não posso.

Ele mordeu o lábio. "Eu nunca mais vou ver você, eu?"

Ela balançou a cabeça. Havia lágrimas em seus olhos.

"Eu te amo Mark. Vou sentir sua falta.'

"Também sinto sua falta", ele disse, e por uma vez ele não teve vergonha de chorar em
público.

"Nunca mais o vejo", disse Mark novamente, quase para si mesmo. Ele secou os olhos
molhados com o dorso da mão e caminhou lentamente para se juntar a sua mãe. No topo da
escada, ele se virou para um último olhar.

***

Minutos depois, quando o avião se afastou, Trumann disse novamente: "Ele é um garoto
corajoso".

Reggie olhou para o avião e não disse nada. Então ela se virou e disse-lhe o que queria saber.

"O corpo está na garagem atrás da casa de Jerome Clifford", disse ela. '886 East Brookline'.
- Obrigado, Reggie - disse Trumann, de repente pronto para sair.

"Não me agradeça", disse Reggie, olhando para as nuvens. 'Obrigado Mark'.

- O FIM -

Espero que tenha gostado da leitura!