Você está na página 1de 11

ESCOLA SECUNDÁRIA CAMILO CASTELO BRANCO – VILA REAL

Modelos de Literacia da Informação


e Modelos de aprendizagem baseados na pesquisa/investigação
(Information Literacy Models and Inquiry Learning Models)

As atividades de aprendizagem que promovem o desenvolvimento da literacia da informação


podem ser agrupadas nas seguintes categorias: aprendizagem baseada em problemas (problem-
based learning); aprendizagem baseada em recursos (resource-based learning); aprendizagem
baseada em projetos (project-based learning) e aprendizagem baseada na investigação (inquiry-
based learning).
Existem numerosos modelos de Literacia da Informação, Pesquisa, ou Resolução de Problemas de
Informação disponíveis para os professores utilizarem com os alunos. Apresentamos alguns deles.

The Big 6 6 ETAPAS

1. DEFINIÇÃO DA TAREFA - definir o problema de informação


e identificar as necessidades informativas de modo a completar a
Eisenberg & Berkowitz, tarefa (resolver o problema)
2000 (EUA) http://big6.com/
2. ESTRATÉGIAS DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO -
determinar a gama de fontes possíveis (brainstorming) e avaliar as
"information problem-solving diferentes fontes possíveis para determinar prioridades (selecionar
strategy"
as melhores fontes)
3. LOCALIZAÇÃO E ACESSO DA INFORMAÇÃO – localizar
as fontes (intelectual e fisicamente) encontrar a informação (nas
fontes)
4. USO DA INFORMAÇÃO – procurar nas fontes e extrair a
informação relevante
5. SÍNTESE - organizar a informação extraída das diversas fontes
e apresentá-la.
6. AVALIAÇÃO – avaliar a eficácia do produto e a eficiência do
processo de resolução do problema de informação.
O modelo constitui um processo sistemático de resolução de problemas da informação apoiado nos
processos cognitivos. Pretende capacitar os alunos para lidarem com qualquer problema, decisão
ou tarefa. É um dos modelos divulgados pela Rede de Bibliotecas Escolares/RBE - http://rbe.min-
edu.pt.
Ver powerpoint sobre o modelo em http://biblioteca.esccbvr.pt/ : Literacias > Informação> 1.
Modelo Big6.

Página 1 de 11
Modelo PLUS 4 ETAPAS

James Herring's PLUS model (Reino Unido – 1. PLANIFICAR o trabalho, partindo do que
1996) http://farrer.csu.edu.au/PLUS/ o aluno já sabe, de como pode organizar as
ideias e do que precisa de pesquisar
2. LOCALIZAR a melhor informação
PLANIFICAR
(selecionando as fontes mais adequadas e a
informação de que necessita)
3. USAR a informação, usando o método mais
eficaz para a registar e a transmitir aos outros.
AUTOAVALIAR
PLUS LOCALIZAR
4. AUTOAVALIAR o trabalho – uma vez
recolhida a informação suficiente para terminar
o trabalho, planificar e elaborar a apresentação
e refletir sobre os resultados da pesquisa.
USAR

O modelo abrange o campo das competências necessárias aquando da realização de trabalhos que envolvem
o uso dos recursos de informação em vários formatos. Ver powerpoint.
Modelo Plus - http://prezi.com/vw60zfhbfy1w/pesquisa-e-tratamento-da-informacao-o-modelo-plus/
Ver artigo na página da biblioteca: HERRING, James. Information Skills: the PLUS approach – a view from
the UK. Disponível em http://archive.ifla.org/IV/ifla63/63herj.htm
É um dos modelos divulgados pela Rede de Bibliotecas Escolares/RBE - http://rbe.min-edu.pt

Os 8 Ws da informação e 8 ETAPAS
 1.Watching (Exploring) – Explorar
da comunicação (1997)
 2.Wondering (Questioning) - Questionar
 3.Webbing (Searching) - Procurar
http://virtualinquiry.com/inquiry/ws.htm  4.Wiggling (Evaluating) - Avaliar
 5.Weaving (Synthesizing) - Sintetizar
 6.Wrapping (Creating) - Criar
 7.Waving (Communicating) - Comunicar
 8.Wishing (Assessing – Avaliar

Modelo desenvolvido por Annette Lamb, em 1990 e atualizado em 1997 e 2001. Foi publicado no livro
Surfin' the Web: Project Ideas from A to Z, de Annette Lamb, Larry Johnson e Nancy Smith, em 1997, e no
artigo, disponível na página da biblioteca, Wondering Wiggling, and Weaving: A New Model for Project and
Community Based Learning on the Web (Learning and Leading With Technology, 1997, 24(7), 6-13). Ver
powerpoint. O modelo é semelhante ao trabalho de Eisenberg, McKenzie, Kuhlthau, Pappas e Tepe . No
entanto, foi utilizada uma aliteração lúdica para estimular o interesse dos alunos e se concentrar no seu ponto
de vista.
Papéis em ambientes de aprendizagem ricos em informação - aluno: resolução de problemas, pensamento
crítico, criador, colaborador, comunicador; professor: guia, facilitador da aprendizagem; tecnologia: fornece

Página 2 de 11
ao aluno ferramentas para pensar, organizar, analisar e comunicar. http://eduscapes.com/tap/topic71.htm

5
Modelo Alberta ETAPAS
SKILLS
(Universidade de Alberta, Canadá, 1990)
 Estabelecer o tópico
 Identificar as fontes de informação
http://archive.ifla.org/IV/ifla65/papers/078- 1 Planear  Identificar a audiência e o formato de apresentação
119e.htm  Estabelecer critérios de avaliação
 Rever o processo
2. Reunir/  Localizar fontes
recuperar a  Reunir recursos
Focus on Research: a Process Approach informação  Rever o processo
 Escolher a informação relevante
 Avaliar a informação
3.Processar  Organizar e registar a informação
a  Fazer ligações e inferências
informação  Criar o produto
 Rever e editar
 Rever o processo
4.Partilhar  Apresentar o produto
a  Demonstrar o comportamento adequado da audiência
informação  Rever o processo
 Avaliar o produto
5.Avaliar  Avaliar os procedimentos de pesquisa e as capacidades
desenvolvidas
 Rever o processo

Na Universidade de Alberta, Canadá, foi desenvolvido em 1990 um modelo que resultou da colaboração
entre os professores de disciplina e o professor bibliotecário, com o objetivo de desenvolver a literacia da
informação. O modelo chama-se FOCUS ON RESEARCH : a guide to developing student’s research skills
e é constituído por cinco etapas (note-se que em todas estas etapas é necessário rever o processo para se ir
avaliando cada uma das fases). Rever o processo é um elemento crítico que ajuda os alunos a encarar a
pesquisa como um processo de aprendizagem e a desenvolver capacidades metacognitivas (pensar sobre o
pensar e pensar sobre o sentir).
Ver http://www.library.ualberta.ca/documents/focusonresearch.pdf. Artigo disponível na página da
biblioteca. Este modelo foi revisto e melhorado em 2004.

Modelo Alberta 6 ETAPAS


(Universidade de Alberta, Canadá,2004)
1. PLANIFICAÇÃO
2. RECOLHA DE INFORMAÇÃO
Focus on inquiry
3. PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO
4. CRIAÇÃO DO PRODUTO
5. PARTILHA DA INFORMAÇÃO
6. AVALIAÇÃO

Página 3 de 11
Alberta – Focus on Inquiry

Melhorado em 2004, o Modelo Alberta - FOCUS ON RESEARCH (1990) passa a ser conhecido
por modelo Alberta - FOCUS ON INQUIRY: a teacher´s guide to implementing inquiry-based
learnin e as 5 etapas dão lugar a 6.
Ver: http://www.learning.gov.ab.ca/k_12/curriculum/bySubject/focusoninquiry.pdf. Artigo
disponível na página da biblioteca.

Kuhlthau Model (1982) 7 ETAPAS

Information Search Process 1. INÍCIO


2. SELEÇÃO DO TÓPICO GERAL
3.EXPLORAÇÃO DA INFORMAÇÃO PARA
SELECIONAR O TÓPICO ESPECÍFICO
4. FORMULAÇÃO DO TÓPICO
5. RECOLHA DE INFORMAÇÃO
6. APRESENTAÇÃO
7. AVALIAÇÃO

Modelo desenvolvido a partir de conceitos referenciais da teoria construtivista da aprendizagem. Possui três
domínios - o afetivo (sentimentos), o cognitivo (pensamentos) e o físico (ações) - comuns a cada etapa/
estádio, explicando os sentimentos que acompanham os alunos-pesquisadores durante todas as etapas do
processo de busca da informação. É um modelo centrado no aluno.
Modelo de Informação Search Process
Inicio Seleção Exploração Formulação coleção Apresentação Avaliação
Sentimentos Incerteza Otimismo Confusão Claridade Sentido de Satisfação ou Sensação de
(afetivo) Frustração direção/Confiança desapontamento Missão
Dúvida cumprida
Pensamentos vago focado Autoconsciência
(cognitivo) Interesse crescente progressiva
Ações busca Exploração informação busca Documentação informação
(físico) relevante pertinente

http://www.asis.org/Bulletin/Feb-99/kuhlthau.html http://library.humboldt.edu/ic/general_competency/kuhlthau.html

Página 4 de 11
The Big Blue 8 ETAPAS

1.RECONHECER UMA NECESSIDADE DE


(Reino Unido - Manchester
INFORMAÇÃO
Metropolitan University Library e
Leeds University Library - 2002)
2.IDENTIFICAR A NATUREZA E PROFUNDIDADE
DESSA NECESSIDADE
O modelo da pessoa literata
3.ENCONTRAR/RECUPERA A INFORMAÇÃO
http://www.library.mmu.ac.uk/bigblue/
4.AVALIAR A INFORMAÇÃO DE FORMA CRÍTICA

5.ADAPTAR A INFORMAÇÃO

6.ORGANIZAR A INFORMAÇÃO

7.COMUNICAR A INFORMAÇÃO

8.REVER TODO O PROCESSO

http://www.library.mmu.ac.uk/bigblue/themodel4.php

O modelo foi elaborado tendo como base a taxonomia das competências em informação recolhidas
de autores e entidades referenciais e as caraterísticas da pessoa literata em informação. Cada uma
destas características representa uma atividade no processo de pesquisa de informação e é
acompanhada de detalhes relativos a essas mesmas atividades.

Stripling and Pitts 10 ETAPAS


Research Process Model 1. ESCOLHER UM TÓPICO GERAL.
(1988) 2. PROCEDER À VISÃO GLOBAL DO TÓPICO
3. ESPECIFICAR/RESTRINGIR O TÓPICO
http://witloof.sjsu.edu/courses/250.loertscher/mo
delstrip.html 4. DESENVOLVER UMA TESE OU PROPOSTA
5. FORMULAR QUESTÕES PARA ORIENTAR A
PESQUISA
6. PLANIFICAR A PESQUISA
7. ENCONTRAR/ANALISAR/AVALIAR AS FONTES
8. AVALIAR EVIDÊNCIAS/TOMAR
NOTAS/COMPILAR BIBLIOGRAFIA
9. ESTABELECER CONCLUSÕES /ORGANIZAR A
INFORMAÇÃO
10. CRIAR E APRESENTAR O PRODUTO FINAL

http://slisweb.sjsu.edu/courses/250.loertscher/modelstrip.html

Página 5 de 11
7 ETAPAS

Guided Inquiry, 1. INITIATION


de Carol Kuhlthau e Ross Todd (2007) 2. SELECTION
http://guidedinquiry.ning.com
3. EXPLORATION
4. FORMULATION
5 COLLECTION
6 PRESENTATION
7 ASSESSMENT

http://cissl.rutgers.edu/guided_inquiry/introduction.html

6 ETAPAS
The Research Cycle
Jamie McKenzie ((EUA – 1995) 1.QUESTIONAR
2.PLANEAR FORMAS DE ENCONTRAR A INFORMAÇÃO
http://questioning.org
3.REUNIR A INFORMAÇÃO
4.CLASSIFICAR E SELECIONAR A INFORMAÇÃO
5.SINTETIZAR
6.COMUNICAR
Este modelo tem a particularidade de, contrariamente a outros modelos, focalizar um conjunto de
questões essenciais na fase inicial do processo, colocando os alunos no papel de produtores de
informação, mais do que meros consumidores de informação.
Ver MacKenzie, J. (1995). The Research Cycle. Disponível em http://questioning.org/rcycle.html

Pathways to Knowledge 6 ETAPAS


Marjorie Pappas e Ann Tepe (EUA – 1995)
1.APRECIAÇÃO
http://pathwaysmodel.com 2.PRÉ- PESQUISA
http://www.sparkfactor.com/clients/follett/home.html
3. PESQUISA
4.INTERPRETAÇÃO
5.COMUNICAÇÃO
6. AVALIAÇÃO
Alguns autores consideram o modelo demasiado elaborado. O modelo inclui recomendações
relativas a estratégias, formas de expressão e métodos de ensino aprendizagem.

Página 6 de 11
Information Skills 7 ETAPAS
(SCONUL, Reino Unido, 1999)
http://www.sconul.ac.uk/groups/inform 1.RECONHECER UMA NECESSIDADE DE INFORMAÇÃO
ation_literacy/sp/sp/model.html
2.DISTINGUIR FORMAS DE PREENCHER UMA LACUNA
DE INFORMAÇÃO
3.IMPLEMENTAR ESTRATÉGIAS DE LOCALIZAÇÃO DA
INFORMAÇÃO
4.LOCALIZAR E ACEDER À INFORMAÇÃO
5.COMPARAR E AVALIAR DIFERENTES FONTES
6.ORGANIZAR, APLICAR E COMUNICAR A
INFORMAÇÃO A OUTROS DE UMA FORMA
APROPRIADA
7.SINTETIZAR E CRIAR CONHECIMENTO

Este modelo foi concebido para permitir a aplicação quer às fontes de informação tradicionais quer
às digitais. Baseia-se na identificação de sete áreas-chave da literacia da informação que o aluno
deve desenvolver ao longo do seu percurso educativo, a partir de competências básicas de biblioteca
e das tecnologias da informação (SCONUL, 1999).
http://www.sconul.ac.uk/groups/information_literacy/papers/Seven_pillars.html
www.leeds.ac.uk/bigblue/

4 ETAPAS
Sylvia Edwards e Christine
1. PLANEAR A PESQUISA
Bruce 2. PESQUISAR
(2002) 3. REGISTAR OS RESULTADOS
4. REFLETIR, AVALIANDO CRITICAMENTE OS RESULTADOS
ENCONTRADOS

O modelo, que foi concebido para ser utilizado na investigação (escolar e profissional), pretende
constituir-se como um referencial para a pesquisa de informação na Internet, ajudando os alunos a
enfrentar os desafios de trabalhar com um ambiente em permanente mutação, quer em termos de
tecnologias, quer em termos dos conteúdos disponibilizados. As etapas principais incluem outras
etapas que se referem a estratégias de pesquisa (utilização de operadores booleanos, de diferentes
motores de busca e diretórios, avaliação da credibilidade da informação encontrada...). Apesar de
ser especialmente direcionado para a pesquisa de informação na Net, as autoras defendem que a Net
deve ser vista pelos alunos/investigadores apenas como uma fonte de informação e não como a
única fonte de informação.

Página 7 de 11
De forma particular dirigidos ao ensino secundário, encontramos os modelos La recherche
d’information à l’école secondaire e o Modelo FADBEN.

La recherche 6 ETAPAS
d’information à l’école 1. IDENTIFICAR O TEMA;
secondaire 2. PROCURAR AS FONTES DE INFORMAÇÃO;
(Léveillé, Québec, 1997) 3. SELECIONAR OS DOCUMENTOS;
4. RETIRAR A INFORMAÇÃO DOS DOCUMENTOS;
5. TRATAR A INFORMAÇÃO
6. COMUNICAR A INFORMAÇÃO.

As diferentes etapas constituem pontos de referência metodológicos para o aluno-investigador,


permitindo completar o ciclo de pesquisa, desde a escolha do tema até à comunicação dos
resultados. Tal como acontece em modelos anteriores, as etapas não são estanques entre si (as seis
fases do trabalho permitem a reavaliação dos dados e dos processos até à apresentação final).

Léveillé, Y. (1997). La recherche d’information à l’école sécondaire. [Em linha]. Disponível em


http://www.pages.infinit.net/formanet/csleveille.html

7 ETAPAS
Modelo Fadben 1. COLOCAR EM PROJETO
Féderation des Enseignants Documentalistes de 2. QUESTIONAMENTO
l’Éducation Nationale (FADBEN, França, 1997) 3. REFERENCIAMENTO
4. RECUPERAÇÃO DOS DADOS
5. LEITURA/ESCRITA
6. PRODUÇÃO/COMUNICAÇÃO
7. AVALIAÇÃO

Em cada uma das 7 etapas deste modelo existem cinco itens a ter em consideração, nomeadamente:
competências específicas (objetivo operacional); saber de referência; saber-fazer; meios e métodos
e produção.
FADBEN (1997). Referentiel FADBEN. Disponível em
http://www3.acpoitiers.fr/tpi/formanet/formatio/referenc/sommaire.htm

Todos os modelos, apesar de diferentes na nomenclatura e na complexidade, se referem


sensivelmente às mesmas etapas, ou seja, à identificação da necessidade de informação, à escolha
de estratégias para encontrar informação, à localização das fontes de informação, à recolha e
seleção de informação, à organização e comunicação da informação e à avaliação (do processo e do
produto).

Página 8 de 11
BIBLIOGRAFIA
BARROCO, José Alves (2004). As bibliotecas escolares e a formação de leitores. Dissertação de
Mestrado, Universidade do Minho ". [Em linha]. Disponível em WWW<URL:
http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/3400>. Acedido em 30 de abril de 2013.

BERNHARD, P. (1998). Apprendre à maîtriser l’information: des habilités indispensables dans


une "societé du savoir". [Em linha]. Disponível em em WWW<URL:
http://www.acelf.ca/c/revue/revuehtml/26-1/09-bernhard.html >. Acedido em 16/12/2013.

BRUCE, C. (2002). Information literacy as a catalyst for educational change. [Em linha].
Disponível em WWW<URL: <www.nclis.gov/libinter/infolitconf&meet/papers/bruce-fullpaper.pdf
> Acedido em 6/9/2013.

BRUCE, C. (2003). Seven Faces of Information Literacy. [Em linha]. Disponível em WWW<URL:
http://crm.hct.ac.ae/events/archive/2003/speakers/bruce.pdf Acedido em 16/12/20013.

BRUCE, C. (2007). Information Literacy models: from experience to practice. [Em linha].

Disponível em WWW<URL: http://www.lilacconference.com/dw/resources/2007/Bruce07.ppt >


Acedido em 8/1/2014)

CARVALHO, Ana Amelia Amorim (2007). Rentabilizar a Internet no Ensino Basico e Secundário:
dos Recursos e Ferramentas Online aos LMS. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, 03, pp.
25-40 [Em linha]. Disponível em WWW<URL: http://sisifo.fpce.ul.pt.> Acedido em 30 de abril de
2013.

CONDE, Elsa et al. (2012). Aprender com a biblioteca escolar, Referencial de aprendizagens
associadas ao trabalho das bibliotecas escolares, na educação pré-escolar e no ensino básico,
Lisboa: Rede de Bibliotecas Escolares.

DOYLE, C. (1992). Outcome measures for information literacy within the national goals of
1990 - Final report to National Forum on Information Literacy. [Em linha]. Disponível em
WWW<URL:
http://www.eric.ed.gov/EricDocs/data/ericdocs2/content_storage_01/0000000b/80/23/4a/
12.Pdf> Acedido em 10/11/2013.

DUDZIAK, Adriana, A Information Literacy e o papel educacional das Bibliotecas, S. Paulo,


2001.

DUDZIAK, E. (2005). Competências em informação: melhores práticas voltadas para a


information literacy. [Em linha]. Disponível em WWW<URL:
eprints.rclis.org/archive/00005018/01/166_DUDZIAK_CBBD_2005b.pdf > Acedido em
12/5/2013.

Página 9 de 11
EINSENBERG, M. e Berkowitz, B. (2008). What is the Big6? [Em linha]. Disponível em
WWW<URL: http://www.big6.com/showarticle.php?id=415> Acedido em 28/5/2013.

FADBEN (1997). Referentiel FADBEN. [Em linha]. Disponível em WWW<URL:


http://www3.acpoitiers.fr/tpi/formanet/formatio/referenc/sommaire.htm> Acedido em 14/5/2013.

FURTADO, Cassia Cordeiro (2009). “Bibliotecas Escolares e web 2.0: revisão da literatura sobre
Brasil e Portugal”, Em Questão, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 135 - 150, Jul./Dez.

IFLA/UNESCO (2005). “Faróis da Sociedade da Informação Declaração de Alexandria sobre


literacia da informação e aprendizagem ao longo da vida”. [Em linha]. Disponível em
WWW<URL: http://www.infolit.org/International_Colloquium/alexprocport.doc >Acedido em
6/9/2012.

KUHLTHAU, C. (2006). Information Literacy Through Guide Inquiry: Preparing students for the
21st Century. Apresentação realizada na 35 ª Conferência da IASL, Lisboa [Em linha]. Disponível
em WWW<URL:
http:www.sils.rutgers.edu/kuhlthau/recent_presentations/iasl2/IASL2006.ppt> Acedido em
6/9/2012.

LANGFORD, L. (1998). Information literacy? A Clarification. School Libraries Worldwide4(1).

LÉVEILLÉ, Y. (1997). La recherche d’information à l’école sécondaire. [Em linha]. Disponível em


http://www.pages.infinit.net/formanet/csleveille.html> Acedido em 28/11/2012.

MACKENZIE, J. (1995). The Research Cycle. [Em linha]. Disponível em


WWW<URL:http://questioning.org/rcycle.html > Acedido em 6/9/2012.

MMUL/LUL (2002). The Big Blue - Final Report [Em linha]. Disponível em WWW<URL:
http://www.leeds.ac.uk/bigblue/> Acedido em 28/11/2012.

MOTA, F. (2006). Competência informacional e necessidade de interacção entre bibliotecários e


professores no contexto escolar. [Em linha]. Disponível em WWW<URL:
www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/447/367> Acedido em 25/09/2012.

SHENTON, A. (2004). How do I choose from all these? The School Librarian52.
SCONUL (1999). Information Skill in Higher Education: A SCONUL Position Paper. [Em
linha]. Disponível em WWW<URL: http://www.sconul.ac.uk/groupsinformation-
literacy/papers/Sevenpillars2.pdf > Acedido em 11/10/2012).

TAYLOR, J. (2006).Information Literacy and the School Library Media Center. Libraries
Unlimited, ISBN 0-313-32020-9.

TODD, R. (2000). Information literacy in electronic environments: fantasies, facts and futures. [Em
linha]. Disponível em WWW<URL:
http://www.eric.ed.gov/ERICDocs/data/ericdocs2/content_storage_01/0000000b/80/23/ef/50.pdf>
Acedido em 8/12/2013.
Página 10 de 11
TODD, R., Lamb, E. e McNicholas, C. (1992). The Power of Information Literacy: Unity of
Education and Resources for the 21st Century. [Em linha]. Disponível em
WWWURL:www.eric.ed.gov/ERICWebPortal/recordDetail?accno=ED354916 Acedido em
25/09/2012.

TOMÉ, Maria da Conceição Dinis Alves Ferreira (2008). A Biblioteca Escolar e o Desafio da
Literacia da Informação. Um estudo empírico no Distrito de Viseu, Dissertação de Mestrado,
Lisboa, Universidade Aberta.

VIRKUS, S. (2003). Information Literacy in Europe: a literature review. Information Research


8(4).

WERTHEIN, J. (2000). A Sociedade de Informação e seus desafios. [Em linha]. Disponível em


WWW<URL: http://www.scielo.br/pdf/ci/v29n2.pdf> Acedido em 25/3/2012.

Página 11 de 11