Você está na página 1de 32

Ministério da Educação

Secretaria de Educação a Distância

Universidade Aberta do Brasil

Fernando Haddad Ministro da Educação

Carlos Eduardo Bielschowsky Secretário SEED/MEC

Celso Costa Diretor da UAB

Maria Lúcia Cavalli Neder Reitora UFMT

Francisco José Dutra Souto Vice-Reitor

Valéria Calmon Cerisara Pró-Reitora Administrativa

Elizabete Furtado de Mendonça Pró-Reitora de Planejamento

Luis Fabrício Cirillo de Carvalho Pró-Reitor de Cultura, Extensão e Vivência

Myrian Thereza de Moura Serra Pró-Reitora de Ensino e Graduação

Leny Caselli Anzai Pró-Reitora de Pós-Graduação

Adnauer Tarquínio Daltro Pró-Reitor de Pesquisa

Carlos Rinaldi Coordenador UAB/UFMT

Ozerina Victor Oliveira Diretora do Instituto de Educação


Matem@tica
na Pr@tica
Curso de Especialização para
professores do Ensino Médio de Matemática
Ministério da Educação – MEC
Plano de Desenvolvimento da Educação – PDE
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes

Matem@tica
na Pr@tica
Curso de Especialização para
professores do Ensino Médio de Matemática

Módulo I
A sala de aula em foco

Cláudio Carlos Dias


João Carlos Vieira Sampaio
Marlusa Benedetti da Rosa
Paulo Antônio Silvani Caetano
Pedro Luiz Aparecido Malagutti
Roberto Ribeiro Paterlini
Victor Augusto Giraldo
Curso de Especialização para Professores do Ensino Médio de Matemática

Equipe de especialistas em formação de professores de Matemática


Coordenação: Paulo Antonio Silvani Caetano (DM-UFSCar)
Especialistas: Cláudio Carlos Dias (UFRN), João Carlos Vieira Sampaio (DM-UFSCar),
Marlusa Benedetti da Rosa (CAp-UFRGS), Pedro Luiz Aparecido Malagutti (DM-UFSCar),
Roberto Ribeiro Paterlini (DM-UFSCar), Victor Augusto Giraldo (IM- UFRJ)

Desenvolvimento Instrucional
Coordenação: Cristine Costa Barreto
Designers instrucionais: Juliana Silva Bezerra, Leticia Terreri, Maria Matos e Wagner Beff

Responsáveis por este fascículo


Autores: Cláudio Carlos Dias, João Carlos Vieira Sampaio, Marlusa Benedetti da Rosa, Paulo Antonio Silvani
Caetano, Pedro Luiz Aparecido Malagutti, Roberto Ribeiro Paterlini, Victor Augusto Giraldo.
Leitores: Marlusa Benedetti da Rosa e Victor Augusto Giraldo.
Designers instrucionais: Cristine Costa Barreto, Leticia Terreri e Maria Matos
Revisão: Paulo Alves

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

A Sala de aula em foco : módulo I. -- Cuiabá, MT :


Central de Texto, 2010. -- (Matem@tica na
pr@tica. Curso de especialização para professores
do ensino médio de matemática)

Vários autores.
Bibliografia.
ISBN 978-85-88696-93-8

1. Matemática - Estudo e ensino 2. Matemática -


Formação de professores 3. Prática de ensino
I. Série.

10-11746 CDD-370.71

Índices para catálogo sistemático:


1. Professores de matemática : Formação :
Educação 370.71

Produção Editorial - Central de Texto


Editora: Maria Teresa Carrión Carracedo
Produção gráfica: Ricardo Miguel Carrión Carracedo
Projeto gráfico: Helton Bastos
Paginação: Ronaldo Guarim Taques
Revisão para publicação: Henriette Marcey Zanini
Apresentação

Prezado professor cursista:

O Matem@tica na Pr@tica é um Curso de Especialização para Professores do Ensino Mé-


dio de Matemática na modalidade de Educação a Distância, que está inserido no Plano de
Ações Articuladas do Ministério da Educação. Esse plano tem como um de seus objetivos
promover uma importante atividade de formação continuada dirigida a você, professor
do ensino básico, incentivando a renovação da sua prática pedagógica e propondo cami-
nhos para que você possa criar, organizar e compartilhar novos conhecimentos com seus
estudantes e colegas de trabalho.
O primeiro módulo de nosso curso consiste em três atividades práticas sobre temas
que trazem importantes significados para a Matemática do ensino básico. Em seguida, você
terá a oportunidade de refletir sobre essas atividades para, depois, dedicar-se à aplicação
de uma delas em sua sala de aula.
Este texto, denominado “a sala de aula em foco”, tem a intenção de auxiliá-lo na
aplicação em sala de aula de um dos experimentos estudados. Ao longo desta aplicação,
você terá a oportunidade de conhecer o Portal do Professor e diversas atividades para a
sua sala de aula.
Desejamos a você um bom trabalho.

Equipe do Matem@tica na Pr@tica


Abril, 2010
Sumário

A sala de aula em foco 9

1. Números da Educação Brasileira 11

2. Ensino de Matemática e contextualização 11

3. Um portal para os professores 13

4. As aulas do Matem@tica na Pr@tica no Portal 21

5. Planejamento de uma aula inédita 25

6. Compartilhando experiências 26

Orientações sobre avaliação 27

Encerramento 28
A sala de aula em foco

Finalmente chegamos na última etapa do Módulo I do curso


de Especialização Matem@tica na Pr@tica.

Nos outros Ciclos, fizemos um exercício de pensar em


conceitos matemáticos na sala de aula e no Ensino de
Matemática. Neste Ciclo, vamos trazer essa mesma sala de
aula e o cotidiano de trabalho dos professores de Matemática
da Educação Básica para o foco das nossas reflexões.

Para começar, pense sobre as seguintes questões:

▹▹ Por que usar experimentos para ensinar Matemática?


▹▹ Como você pode utilizar o que estudou até agora, nos três
desafios anteriores, para planejar uma proposta inovadora
e desenvolver uma aula diferente com seus estudantes?

▹▹ Quais cuidados podem ajudar você a ter sucesso ao


realizar uma proposta inovadora em sua sala de aula?

▹▹ Se a metodologia é inovadora, a avaliação também tem


que ser?
Svilen Milev / SXC

▹▹ Como você pode avaliar se uma metodologia inovadora


deu certo?
1. Números da Educação Brasileira

Hugo Prates
A última análise do censo escolar brasileiro foi desenvolvida, em 2006, pelo Instituto
Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão vinculado ao
Ministério da Educação.
Os dados indicam a existência de 55,9 milhões de estudantes, distribuídos em 203,9
mil estabelecimentos de ensino. O que representa que, atualmente, 97% das crianças
estão na escola.

Harrison Keely / SXC


Estes mesmos dados nos mostram que, na rede estadual de Ensino Médio, a taxa de
reprovação e de abandono chega a 29,5% dos casos.
Mas por que será que esse número é tão elevado?
Sabemos que existem muitos trabalhos interessantes sendo realizados na intenção de
reverter essa situação. Mas ainda há muita coisa por fazer.
Muitas delas estão além do nosso alcance. Mas algumas estão bem próximas, no dia
a dia da sala de aula. Então, que tal começar este Ciclo refletindo sobre a parte que nos

Ivan Prole / SXC


cabe mais diretamente?

2. Ensino de Matemática e contextualização


Em sua experiência como professor, você já deve ter encontrado estudantes com difi-
culdade de entender algum conteúdo matemático ou que até tenham desistido das aulas

Tiffany Szerpicki / SXC


de Matemática por falta de interesse.
Os estudantes, de uma forma geral, têm a ideia de que Matemática não serve para
muita coisa, pois, muitas vezes, a Matemática que eles aprendem dificilmente se aplica
ao seu cotidiano. Essa aparente falta de conexão, com frequência, acaba causando o de-
sinteresse dos estudantes pela disciplina.
Lavinia Marin / SXC

2. Ensino de Matemática e contextualização 11


Você deve ter percebido, através dos três experimentos estudados até agora, que
estamos constantemente buscando maneiras de ensinar Matemática de uma forma mais
contextualizada. Acreditamos que as abordagens propostas podem enriquecer a compre-
ensão dos estudantes, já que fornecem uma contextualização dos conceitos utilizados em
relação não só a problemas concretos como também em relação à própria Matemática.
Nossa intenção com essas abordagens foi estimular sua reflexão sobre o ensino de
Matemática e sobre a possibilidade de desenvolver atividades práticas e contextualizadas
para ensinar conceitos matemáticos diversos. Além disso, esperamos também que, com
essas atividades, os estudantes do Ensino Médio possam se sentir mais motivados para
aprender Matemática. Isso certamente poderá ampliar a percepção que eles têm sobre o
mundo em que vivem.

Miguel Ugalde / SXC – Ralf Tauille – Juliana Silva Bezerra


Neste Ciclo, vamos acompanhá-lo no planejamento e na aplicação de uma aula, tendo
como base uma das atividades estudadas nos Ciclos anteriores.

A proposta é que, a partir dos experimentos apresentados (jogo dos discos, modelo
de despoluição de um lago e desafio geométrico do ladrilhamento plano com polígonos
regulares), sejam criadas diversas ações para serem aplicadas em sala de aula. Primeiro,
você terá que escolher, dentre esses experimentos, aquele que melhor se adapta ao seu
dia a dia em sala de aula. Depois, você deve planejar uma aula para desenvolver com seus
estudantes utilizando como base o experimento escolhido.
Todos os professores cursistas terão acesso aos trabalhos dos colegas, podendo assim
comparar diferentes aulas baseadas nos diferentes experimentos.
O nosso objetivo é que você possa ampliar o seu repertório de possibilidades através
do trabalho coletivo.
Mas como esse trabalho será feito?
A equipe do Matem@tica na Pr@tica elaborou modelos de aulas relacionadas a cada
um dos experimentos, que deverão ser adaptadas e aplicadas com seus estudantes. Essas
aulas estão disponíveis no Portal do Professor do MEC.
Você já ouviu falar do Portal do Professor? Então prepare-se para conhecer esse mundo
de possibilidades e recursos educacionais!

12 Módulo I – A sala de aula em foco


3. Um portal para os professores
O Portal do Professor é um sítio virtual ofertado pelo Ministério da Educação com o
objetivo de atender às diversas demandas dos professores da Educação Básica. Veja uma
explicação um pouco mais detalhada do próprio Ministério da Educação:

O Portal do Professor é
um espaço para troca de
experiências entre professores
do ensino fundamental e
médio. É um ambiente virtual
com recursos educacionais
que facilitam e dinamizam
o trabalho dos professores.
O conteúdo do portal inclui
sugestões de aulas de acordo
com o currículo de cada
disciplina e recursos como
vídeos, fotos, mapas, áudio
e textos. Nele, o professor
poderá preparar a aula, ficará
informado sobre os cursos
de capacitação oferecidos
em municípios e estados e
na área federal e sobre a
legislação específica.

3. Um portal para os professores  13


Talvez você ainda não conheça esse Portal. Neste caso, vai encontrar neste Ciclo 3 uma
ótima oportunidade de conhecer essa ferramenta educacional muito interessante, que
reúne recursos diferenciados. Esses recursos poderão ajudar você em sua sala de aula,
trazendo contribuições para suas reflexões acerca do seu cotidiano e de sua profissão.
Se você já conhece o Portal, o Ciclo 3 pode ser uma oportunidade para você visitá-lo
com mais frequência, para conhecê-lo mais de perto e para poder explorar todas as pos-
sibilidades que ele oferece.
Sendo ele um ambiente específico para o professor, além de dar a oportunidade de
você conhecer diferentes possibilidades de construir e planejar uma aula, também possi-
bilita o contato com professores do Brasil inteiro.
Para que o Módulo I do Matem@tica na Pr@tica seja finalizado com sucesso, é muito
importante que você conheça bem o Portal do Professor e passe a utilizá-lo.
Vamos, então, explorar esse universo virtual?

3.1 Primeiros passos

Zsuzsanna Kilián / SXC


Para começar a desvendar o Portal do Professor, nada melhor do que botar a mão na
massa, não é mesmo?!
As atividades a seguir foram elaboradas com esse objetivo. Esperamos que ao final
delas você esteja capacitado para explorar o Portal da melhor forma possível, descobrindo
todas as suas possibilidades.
E então, preparado para dar os primeiros passos?

Atividade 1 Identifique-se, navegue e des- ou diretamente a partir do endereço do Portal do Professor:


cubra! <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/index.html>
Veja abaixo a página inicial (Home Page) do Portal do
Para poder conhecer e ter pleno acesso às atividades do Professor e siga os passos para inscrever-se. É rápido e muito
Portal do Professor, você precisará fazer um cadastro. Acesse simples.
o Portal a partir do sítio do MEC <http://portal.mec.gov.br>,

14 Módulo I – A sala de aula em foco


Clique em Inscreva-se
para fazer sua inscrição

Preencha os dados desta


página e da próxima para
completar a inscrição

Ao final desses passos você terá uma senha


para navegar e ter acesso a todo o Portal.

3. Um portal para os professores 15


E agora, vamos conhecer um pouco das atividades e dos recursos principais do Portal?
A partir dos ícones da página principal percorreremos todo o Portal para você se fa-
miliarizar.

O Espaço da Aula é onde você poderá compartilhar o seu conhecimento


com outros professores. Todo professor poderá incluir aulas, individu-
ais ou em equipe, e colaborar consultando e comentando as aulas de
outros colegas.

O Jornal do Professor é dedicado ao cotidiano da sala de aula, trazen-


do quinzenalmente temas ligados à Educação. Todo professor pode
participar diretamente sugerindo e/ou enviando material, colaborando
a cada edição.

Os Recursos Educacionais são os recursos de multimídia, como filmes e


simulações, publicados no Portal para todos os níveis de ensino e em
diversos formatos. Experimente-os para aplicar em suas aulas.

Em Cursos e Materiais você tem a possibilidade de pesquisar através de


links com informações educacionais.

Em Interação e Colaboração acesse as novas ferramentas da internet


para interagir com outros professores.

Em Links você tem sugestões de outros locais virtuais relacionados a


assuntos de interesse dos professores.

A Plataforma Freire foi desenvolvida para cadastro de professores da


rede pública interessados em complementar a sua formação em licen-
ciatura. Através do Plano Nacional de Formação dos Professores da Edu-
cação Básica são oferecidos cursos para docentes não graduados, para
docentes que atuam fora da área de formação, e, também, de Formação
Pedagógica, para docentes que são bacharéis e sem licenciatura.

16 Módulo I – A sala de aula em foco


3.2 Procurando aulas no Portal
Agora que você já se cadastrou e já teve um primeiro contato com os recursos princi-
pais do Portal, vamos ao que interessa. Para concluir o Módulo 1, você terá que encontrar
aulas no Portal elaboradas pela equipe do Matem@tica na Pr@tica e aplicá-las em sua
sala de aula.
Você já tem uma ideia de como procurar uma aula no Portal? Vamos fazer isso juntos!

Atividade 2 Em busca de uma aula

a) Para iniciar nossa busca, é importante termos uma Acesse o ícone "Espaço de Aula" para abrir
uma janela com as opções abaixo
visão geral do processo. Para isso, primeiro vamos dar uma
olhada para você se ambientar com a navegação.

Escolha a opção "Sugestões de Aulas"

3. Um portal para os professores 17


O quadro a seguir aparecerá para você fazer a busca pelo título, se já o conhecer. Nesse caso, o título deve
de uma aula específica. Para tanto, é preciso preenchê-lo ser digitado entre aspas, para que apareça em primeiro
conforme o seu interesse. lugar na lista que virá a seguir.
Na outra opção (Busca Avançada), você deverá espe-
cificar um pouco mais a sua pesquisa. Veja só!
1▹ Marque “Nível de Ensino” ou “Modalidade”.
2▹ Tipo de Pesquisa – Se você optou antes por “Nível de
Ensino”, escolha entre Ensino Fundamental, Infantil,
Médio ou Ensino Profissional. Se optou por “Moda-
lidade”, escolha entre modalidade de Ensino para
Jovens e Adultos ou Educação Indígena.
3▹ Componente Curricular – Escolha a área de conheci-
mento abrangente de seu interesse. As opções serão
apresentadas ao clicar na janela.
4▹ Tema – Escolha um assunto específico dentro da
área geral.
5▹ Ordem de Classificação – Escolha, também, em que
ordem você quer que as opções de aulas apareçam
Como você pode observar, nesta janela aparecem listadas (por ordem de publicação, as mais comenta-
duas opções de busca: das, as melhores classificadas, as mais acessadas, ou
A primeira opção (Busca) é mais abrangente, pois por ordem alfabética).
você pode buscar a aula a partir de um termo qualquer Faça o primeiro teste e veja se ficou com alguma
que esteja relacionado ao assunto de seu interesse. dúvida! Se você não conseguir, fique tranquilo e tente
Nesta primeira opção você pode, também, buscar a aula novamente, pode ter ocorrido algum pequeno erro.

3.3 A estrutura de uma aula do Portal


Agora que você já sabe como buscar aulas de seu interesse, iremos dar mais um passo
e conhecer como as aulas estão estruturadas no Portal do Professor. Todas as aulas seguem
uma estrutura padrão. É importante conhecer essa estrutura tanto para refletir sobre os
tópicos escolhidos para organizar as aulas quanto para que você esteja preparado, caso
queira inserir uma aula sua no Portal.

18 Módulo I – A sala de aula em foco


Atividade 3 O que tem nas aulas? postagem, o nome dos autores das aulas, entre outras in-
formações.
Para a realização desta atividade foi escolhida uma aula A aula que escolhemos para esta atividade chama-se
que já existe no Portal. Vamos ver como é o processo de “Coordenadas Cartesianas”, e é de um professor de Brasí-
busca desta aula desde o começo. lia, chamado Carlos Alberto Jesus de Oliveira (Brasília, DF).
� Entre no “Espaço de Aula” e, em seguida, escolha Achou? Então, clique nela e dê uma olhada geral na aula
“Sugestão de Aula”. antes de prosseguirmos.
� Preencha os itens de “Busca Avançada”, de acordo Se você clicar em outras aulas que apareceram na lista
com o exemplo abaixo: de resultados, irá observar que, apesar dos temas serem
diferentes, a estrutura das aulas é a mesma, ou seja,
todas estão divididas nos mesmos tópicos.
Agora, vamos analisar a estrutura da aula que
escolhemos para esta atividade: “Coordenadas Car-
tesianas”.
Quais são os tópicos dessa aula? Faça uma lista no
espaço a seguir e elabore uma justificativa para cada
um dos tópicos que você identificou. Ou seja, expli-
que por que você considera que cada um dos tópicos
foi selecionado para estruturar essa aula no Portal.

� Em “Tipo de Pesquisa”, marque “Nível de Ensino” e,


em seguida, “Ensino Médio”.
� Para “Componente Curricular”, escolha “Matemática”.
� Para “Tema”, escolha “Funções”.
� Em “Ordem de Classificação”, escolha “Mais acessa-
das”.
Não se esqueça de clicar no botão para
iniciar a busca.
Adam Ciesielski / SXC

Após a realização desses passos, aparecerá o resultado


de sua busca. Esse resultado é uma lista de diversas aulas.
Nessa lista aparece o título, o nível de ensino, a data de

3. Um portal para os professores 19


Vamos refletir sobre cada um desses tópicos. Veja o quadro abaixo:

Coordenadas Cartesiana
Autor Carlos Alberto Jesus de Oliveira

BRASILIA - DF
CEM PAULO FREIRE

Coautor(es) Maria Terezinha Gaspar

Estrutura Curricular
Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Ensino Médio Matemática Funções

Dados da Aula
O que o estudante poderá aprender com esta aula
Representar pontos em um sistema de coordenadas cartesianas.

Duração das atividades


Uma aula de 50 minutos.

Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o estudante


Retas perpendiculares.

Estratégias e recursos da aula

Olá professor, veja como você poderá explorar os recursos para abordar o assunto coordenadas
cartesianas com seus estudantes. 
(...)

Avaliação

A avaliação poderá ocorrer durante as atividades desenvolvidas na aula, observando a participação


dos estudantes nas discussões e na atividade de consolidação dos conhecimentos, que é uma ativi-
dade de marcação de pontos em um sistema de coordenadas cartesianas e a identificação de lugares
localizados por meio destes pontos no software Google Earth. Observe e avalie a exploração e os
comentários de seus estudantes.

Em primeiro lugar aparecem informações gerais, como o nome do autor e nome do


coautor, que é quem valida a aula para ser enviada ao Portal. Após ser enviada, a aula é
avaliada por professores escolhidos pelo Ministério da Educação, e só após essa avaliação
é disponibilizada para o público.
Além destas, aparecem informações relacionadas à estrutura curricular da aula: nível
de ensino, componente curricular e tema. Essas informações são essenciais para que todos
os professores possam buscar a aula, como você viu anteriormente.
Em “Dados da Aula” aparecem informações mais específicas da própria aula.
Em “O que o estudante poderá aprender com essa aula”, o autor deve inserir o obje-
tivo geral e o específico da aula, ou seja, o que ele espera que o estudante aprenda. No
caso do exemplo que escolhemos, esse tópico está bem sucinto, mas ele pode ser mais
desenvolvido. Outras informações, como que habilidades e competências o autor espera
Jay Simmons / SXC

que o estudante desenvolva ao fim da aula, também podem ser inseridas. Quanto mais
esse tópico for desenvolvido, melhor para o professor que quer experimentar essa aula
com sua turma, concorda?
O tópico “Duração das atividades” é fundamental. Sabemos que estimar o tempo de
uma aula e das atividades que queremos desenvolver é um aspecto muito importante do

20 Módulo I – A sala de aula em foco


planejamento de um professor. Todo professor sabe o quanto é complicado quando sobra
ou quando falta tempo para desenvolver determinado conteúdo.
Quando temos mais experiência, essa estimativa vai ficando mais fácil. Mas para quem
está começando a lecionar, esse é um aprendizado constante. Assim, a precisão desta
informação é muito importante.
No tópico “Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o estudante”, o au-
tor deve inserir conteúdos que considera importantes para que os estudantes possam ser
capazes de realizar as atividade sugeridas na aula. Assim, o autor explicita os conteúdos
que devem ter sido previamente trabalhados para que a aula seja realizada com sucesso.
No tópico “Estratégias e recursos da aula”, o autor deve, como o próprio nome já diz,
apontar que estratégias serão adotadas e que recursos serão necessários para a realização
das atividades sugeridas. Em seguida, deve descrever minuciosamente as atividades, expli-
cando como devem ser desenvolvidas e o que o professor poderá explorar e desenvolver
em cada uma delas. Uma aula pode ter uma ou mais atividades. Vai depender da escolha
de cada autor.
Em cada uma das atividades, o autor deve explicitar os tópicos do conteúdo que
serão abordados e destacar de que formas o professor poderá conduzir a discussão e a
explicação junto à turma. Muitas vezes, em nossos planejamentos, fazemos isso de forma
bem resumida. Mas todo professor sabe que, quanto mais especificamos essas questões,
maior sucesso temos quanto à realização das atividades que idealizamos. Para o professor
que acessa o Portal e escolhe uma aula, esse detalhamento é fundamental para que ele
conheça bem o terreno por onde está caminhando.
Por fim, no último tópico, “Avaliação”, o autor deve explicitar como o professor pode
avaliar a aula, considerando sempre a participação dos estudantes nas discussões e na
atividade de consolidação dos conhecimentos, bem como a exploração e os comentários
deles acerca das atividades realizadas.
Se um dia você quiser inserir uma aula de sua autoria no Portal, esteja atento, pois
você também deverá preencher cada um desses tópicos imaginando que sua aula poderá
ser acessada por professores de todo o Brasil.

4. As aulas do Matem@tica na Pr@tica no Portal


Agora que você já conhece e sabe como buscar as aulas do Portal do Professor, é hora
de analisar as aulas postadas pela equipe do Matem@tica na Pr@tica e escolher qual delas
você irá adaptar para aplicar em sua sala de aula.
Para fazer essa escolha, sugerimos que você leve em consideração o Projeto Pedagó-
gico de sua escola, sua turma, seu planejamento de ensino, o conteúdo que você está tra-
balhando, sua afinidade com o tema da aula, as condições disponíveis para sua realização
e a realidade de seus estudantes.
É importante também que a aula escolhida seja inédita para você, uma aula que você
nunca aplicou. Você concorda? Geralmente, quando estamos com muitos afazeres, procu-
ramos repetir o que já sabemos, pois, além de termos mais segurança, gastamos menos

4. As aulas do Matem@tica na Pr@tica no Portal  21


tempo com a preparação. Mas isso é justamente o que não queremos fazer aqui: repetir o
que já sabemos. Afinal, estamos realizando este curso para aprender coisas novas. Temos
que cumprir o verdadeiro desafio que este curso nos apresenta: renovar nossa atuação
profissional criando situações inovadoras em sala de aula. Aí é que entra a aula inédita.
Você topa este desafio?

Ben kaye-skinner / SXC


Nós, da Equipe do Matem@tica na Pr@tica, topamos o desafio de idealizar umcurso
de especialização inovador, focado no “chão da escola”. Entendemos que você também faz
parte desse desafio, e precisamos trabalhar todos juntos para realizá-lo.
Nesse sentido, a equipe do Matem@tica na Pr@tica elaborou uma série de aulas sobre
os experimentos realizados e estudados nos Ciclos anteriores. Nestes experimentos, o ensi-
no/aprendizagem é viabilizado de forma significativa, pois a construção do conhecimento
se dá a partir da experimentação, possibilitando aos estudantes um maior envolvimento,
cooperação e reflexão.
Para efeito de avaliação, neste Ciclo, você deverá analisar todas as aulas apresentadas
na próxima seção. Após analisá-las, você deverá escolher pelo menos uma delas para
aplicar em sua sala de aula.
Você perceberá que algumas aulas possuem um encadeamento entre si. Fique à von-
tade para aplicar mais de uma aula com seus alunos. Mesmo que sejam aulas de experi-
mentos diferentes!

4.1 Aulas relacionadas ao jogo dos discos

O objetivo geral destas aulas é explorar o tema probabilidade a partir de experimentos


envolvendo o lançamento aleatório de discos em quadriculados. Com estas aulas preten-
demos também que os alunos aprofundem seu conhecimento sobre diferentes tipos de
registro e sistematização de dados (tabelas e gráficos).
Miguel Ugalde / SXC

Aula 1 Lançando CDs no chão da escola para estudar probabilidade

Nesta aula, os estudantes irão apresentar o conceito de probabilidade em uma situação


lançar aleatoriamente CDs em pisos envolvendo geometria. Além disso, aprenderão também que
ladrilhados no chão da escola. A partir destes lançamentos, a estimativa encontrada melhora com o aumento do número
irão estimar a probabilidade do CD parar inteiramente dentro de lançamentos realizados, conforme preconiza a Lei dos
de um ladrilho. Este experimento é muito adequado para Grandes Números.

22 Módulo I – A sala de aula em foco


Miguel Ugalde / SXC

Aula 2 Probabilidade no jogo dos discos

Nesta aula, os estudantes irão partir dessa tabela, poderão construir, por ajuste de curva,
lançar aleatoriamente discos de uma aproximação do gráfico da probabilidade em função do
vários diâmetros em quadriculados, obtendo uma tabela diâmetro e estudar propriedades desse fenômeno.
diâmetro versus probabilidade do lançamento favorável. A

4.2 Aulas relacionadas ao modelo de despoluição de um lago


O objetivo geral destas aulas é organizar um ambiente provocador de aprendizagem e
explorar as potencialidades pedagógicas da modelagem matemática. Para isso, propomos
uma atividade experimental como desencadeadora do processo, pois acreditamos que esse
tipo de atividade possibilita momentos de reflexão e cooperação entre os alunos, além do
aspecto lúdico e motivador que uma simulação permite desenvolver.
Ralf Tauille

Aula 1 Modelando o processo de despoluição


de um lago através de um experimento prático

Nesta aula, o objetivo é que o aluno der como a Matemática do Ensino Médio pode ser impor-
realize experimentos simulados de despo- tante para entender problemas ambientais. Através desses
luição de um lago-modelo utilizando os registros, pretendemos chegar à construção da fórmula do
diferentes tipos de registro e sistematização termo geral de uma geométrica e analisar o comportamento
dos dados (tabela, gráfico e algébrico), a fim de compreen- gráfico da mesma.
Ralf Tauille

Aula 2 Poluição de lagos: modelagem matemática, progressões geométricas e logaritmos

Nesta aula, o aluno poderá aprender tos serão abordados de forma integrada e contextualizada.
sobre conceitos matemáticos como pro- Assim, ele poderá perceber que, quando trabalhados deste
gressão geométrica e logaritmos, a partir modo, esses conceitos são ferramentas importantes e ne-
de dados obtidos em uma experimentação cessárias que contribuem para encontrarmos respostas para
prática que simula a despoluição de um uma questão matemática que surge a partir de um problema
lago e do processo de modelagem matemática. Esses concei- concreto, nesse caso a despoluição de um lago.

4. As aulas do Matem@tica na Pr@tica no Portal 23


Ralf Tauille

Aula 3 Poluição de lagos: modelagem matemática, funções exponenciais e gráficos

Nesta aula, o aluno poderá aprender so- disso, aprenderá também sobre comportamentos gráficos
bre a relação entre funções exponenciais e variados para descrever um mesmo fenômeno: o processo
progressões geométricas, a partir de dados de despoluição de um lago, seja ele real ou simulado por um
obtidos em uma experimentação prática experimento. Pretendemos trabalhar o conceito de gráfico
que simula a despoluição de um lago e do de função, estabelecendo a correlação com outras formas de
processo de modelagem matemática. Esses conceitos serão representação (expressões algébricas e tabelas).
abordados de forma integrada e contextualizada. Além

4.3 Aulas relacionadas ao desafio


geométrico do ladrilhamento

O objetivo geral destas aulas é organizar um ambiente provocador de aprendizagem


e explorar as potencialidades pedagógicas das construções geométricas. Pretendemos
abordar conteúdos, como polígonos regulares e seus ângulos internos, de maneira que
os alunos compreendam a importância do que estão estudando.
Juliana Silva Bezerra

Aula 1 A arte no plano: confeccionando ladrilhos e construindo ladrilhamentos

Nesta aula, o objetivo é que o aluno polígonos regulares, a fim de compreender a importância
realize experimentos de confecção de da Geometria do Ensino Médio.
ladrilhos e a construção de ladrilhamen-
tos utilizando diferentes modelos de
Juliana Silva Bezerra

Aula 2 Ladrilhamento do plano: ângulos internos e ladrilhos de três em três

Nesta aula, o aluno poderá aprender ção de ladrilhamentos. Esses conceitos serão abordados de
sobre polígonos regulares, seus ângulos forma integrada. Assim, ele poderá perceber que, quando
internos e a relação que existe entre trabalhamos deste modo, esses conceitos são ferramentas
eles em um ladrilhamento, a partir de importantes e necessárias que contribuem para o entendi-
observações feitas em uma experiência prática de constru- mento de questões geométricas.

24 Módulo I – A sala de aula em foco


Juliana Silva Bezerra

Aula 3 Ladrilhamento do plano: ângulos internos e ladrilhos de três em três

Nesta aula, o aluno poderá estudar mentos formados com mais de três polígonos regulares e
a Matemática que está por trás dos qual é a influência desses polígonos e seus ângulos internos
ladrilhamentos. Para isso, ele será incen- na construção dos ladrilhamentos do plano.
tivado a investigar quais são os ladrilha-

Esta foi apenas uma breve apresentação das aulas. Mas, para você fazer uma boa esco-
lha, é importante que você conheça cada uma delas com mais detalhes no próprio Portal.

Atividade 4 Conhecer para escolher

Neste momento você deve acessar o Portal do Professor escolha pelo menos uma delas para aplicação. Lembre-se que
e, seguindo os passos de busca das aulas, e que aprendeu você pode buscá-las com o nome delas (entre aspas) ou com
anteriormente, você deve acessar cada uma das aulas do o do autor (equipe do Matem@tica na Pr@tica).
Mate@matica na Pr@tica. Analise as aulas com cuidado e

5. Planejamento de uma aula inédita


Agora que você já analisou as aulas do Matem@tica na Pr@tica no Portal e escolheu a
que irá aplicar em sua sala, é hora de planejar como fazer esta aplicação.
Para auxiliar você nessa tarefa, sugerimos que leve em conta os seguintes itens:
▹ Verifique a necessidade de adaptação da aula escolhida.
▹ Prepare com antecedência o material necessário para desenvolver a aula, ou provi-
dencie para que seus estudantes o façam.
▹ Realize você mesmo, antecipadamente, as atividades que irá propor aos seus estu-
dantes.
▹ Procure prever as possíveis dificuldades que podem ocorrer durante a aplicação, e
como superá-las.
▹ Procure estimar o tempo necessário para cada atividade da aula (realização do
experimento, realização do estudo dirigido, discussão com a turma, explicação de
conceitos, etc.), de modo que você possa aproveitá-lo da melhor forma possível.
▹ Planeje detalhadamente o que será produzido pelos estudantes (folha de respostas,
tabelas, gráficos, etc.).
▹ Planeje detalhadamente como avaliar o que será produzido pelos estudantes.
▹ Prepare um bloco de notas para registrar os acontecimentos interessantes da aula
e, se possível, registre a aula com fotos ou vídeos.

5. Planejamento de uma aula inédita 25


Atividade 5 Relatando o planejamento de sua aula inédita

O relato desse planejamento deverá ser postado no am- que levaram você a escolher o tema e a aula em questão.
biente virtual do curso conforme as instruções contidas no Capriche nesse relato, pois ele será avaliado pelo seu tutor.
próprio ambiente. Não se esqueça de descrever os motivos

Agora que você já planejou sua aula, é hora de aplicá-la. Fique tranquilo. Vai dar tudo
certo!
Para concluir este módulo, um dos objetos de avaliação será um relato sobre a aplica-
ção da aula planejada e o compartilhamento das experiências com os colegas de curso.
Você deverá organizar um relato rico e consistente, e para isso sugerimos o registro de
tudo em um diário. Na próxima seção apresentamos uma sugestão de elaboração de um
“Diário de Bordo”.

6. Compartilhando experiências
Como o ideal é que você realize anotações em um diário antes, durante e depois da
aplicação de sua aula inédita, dê uma olhada na atividade a seguir antes de realizar a aula
planejada com sua turma.

Bartek Ambrozik / SXC


Atividade 6 Diário de bordo de minha aula inédita

O relato da aplicação de sua aula inédita deverá ser Para auxiliar você nessa tarefa, sugerimos que leve em
postado em Fórum do ambiente virtual do curso, conforme conta os seguintes itens:
as instruções contidas no próprio ambiente. Capriche nesse � Descreva brevemente as características da escola e
relato, pois ele será avaliado pelo seu tutor. o perfil da turma e dos estudantes que participaram
da aula.
� Descreva, em ordem cronológica, os principais mo-
mentos da aplicação das atividades. Lembre-se de
anexar fotos, caso as tenha.
� Relate, comparando com seu planejamento inicial, o
que deu certo e também o que precisou (ou precisa-
ria) ser modificado. É importante que você relate o
que motivou os problemas eventuais que possam ter
aparecido e de que forma eles foram solucionados.

26 Módulo I – A sala de aula em foco


� Descreva o material que foi produzido pelos seus � Faça uma autoavaliação de sua aula, respondendo
estudantes, analisando os aspectos positivos e as difi- se mudaria alguma coisa numa próxima aplicação.
culdades encontradas. Fale também do envolvimento � Relate como pretende dar continuidade ao trabalho
dos alunos, do tipo de participação que tiveram. iniciado.
� Se possível, tire fotos de exemplos significativos do � Responda se você pretende repetir a aula em outras
material que foi produzido, para enriquecer seu salas, no ano seguinte, em outro momento, etc.
relatório.

O que você achou da experiência de aplicar uma aula inédita com sua turma?
Esperamos que você tenha gostado. Agora é hora de compartilhar essa experiência
com seus colegas de curso.
Você sabe que a troca de experiências é importante para o aprimoramento profissio-
nal em qualquer área de atuação. A troca sempre enriquece nossas reflexões, permite
que aprimoremos uma visão crítica do nosso trabalho e que possamos pensar em novas
possibilidades. Por isso, essa troca também será objeto de avaliação neste Ciclo. Veja, a
seguir, de que forma ela será realizada.

Atividade 7 Trocando experiências

Nesta atividade você deverá ler os relatos das aplicações opiniões no Fórum do ambiente virtual do curso. Reforçamos
das aulas dos seus colegas de curso e contribuir com suas que esta atividade também será avaliada pelo tutor.

Orientações sobre avaliação


Lembramos que estão à sua disposição, nos recursos do Ambiente Virtual do
Matem@tica na Pr@tica, atividades por meio das quais você poderá desenvolver e com-
plementar seus estudos. Sua participação ali é imprescindível, pois nesse recurso interativo
está inserido todo o registro de sua avaliação.
Com o propósito de orientar e fazer uma síntese, listamos os itens de conteúdo e ha-
bilidades que fazem parte da avaliação relativa ao Ciclo 3.
Após ter realizado a sua aula, você deverá ser capaz de:
▹ Reconhecer que a escolha do tema da aula deve levar em conta o Projeto Pedagógico
da escola e as necessidades de aprendizado dos estudantes e de sua turma;
▹ Utilizar o Portal do Professor levando em conta seus objetivos e as características
de seu funcionamento;

Orientações sobre avaliação 27


▹▹ Procurar no Portal do Professor aulas de seu interesse, saber analisá-las e adaptá-las
às necessidades de seus estudantes;
▹▹ Planejar e aplicar a aula escolhida;
▹▹ Avaliar a participação dos estudantes em sua aula e auto-avaliar seu trabalho;
▹▹ Compreender por que é importante compartilhar suas experiências e saber manejar
corretamente os instrumentos necessários para essa comunicação.
Lembramos que a avaliação não se destina apenas a aferir conhecimentos e participa-
ção. Ela é importante para apontar novos caminhos e para correção de rumos, tanto para
os próprios participantes como para as equipes aplicadoras e proponentes desse curso.

Encerramento
Com a troca de experiências sobre as aulas, chegamos ao final deste ciclo. Desejamos
que você tenha aproveitado ao máximo essa troca de experiências e tenha enriquecido
seu repertório de aulas inovadoras com seus colegas de curso.
Esperamos que você tenha compreendido a importância da experimentação no ensino
de Matemática ao aplicar uma das aulas propostas no Portal do Professor. Com estas aulas,
visamos à construção de um ensino mais alinhado com as orientações curriculares nacio-
nais. Também buscamos trazer maior contextualização e significado para os conteúdos
matemáticos que são trabalhados no Ensino Médio.
Mas nossos trabalhos não param por aqui! Continuaremos caminhando juntos e refle-
tindo sobre a melhoria do ensino de Matemática em nossas escolas.

28  Módulo I – A sala de aula em foco


Formação Continuada
de Professores
especialização UAB - PAR