Você está na página 1de 4
aR a ae FEDERACAO ESPIRITA BRASILEIRA i ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPIRITA PROGRAMA FUNDAMENTAL Médulo XII: Lei de Sociedade e Lei do Trabalho res Objetivo Geral: Possibilitar entendimento das le ALLAN KARDEC sociedade e do trabalho. CODIFICADOR DO ESPIRITISMO ROTEIRO 2 Vida em familia e lagos de parentesco Justificar por que os lacos de familia constituem uma lei da OBJETIVOS natureza ESPECIFICOS Identificar as especies de familia, do ponto de vista espirita Reconhecer a missao dos pais no seio da familia. CONTEUDO BASICO + Oslagos sociais so necessarios ao progresso e os de familia mais apertados tomam os primeiros. Eis por que os segundos constituem uma lei da Natureza. Quis Deus que, por essa forma, os homens aprendessem a amar- se como irmaos. Allan Kardec: O Livro dos Espfritos, questo 774. Hé, pois, duas espécies de familias: as familias pelos lacos espirituais e as famiiias pelos lagos corporais. Duraveis, as primeiras se fortalecem pela purificagao e se perpetuam no mundo dos Espinitos, através das varias migragdes da alma; as segundas, frageis como a matéria, se extinguem com 0 tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente, jé na existéncia atual. Allan Kardec: © Evangelho segundo 0 Espintismo. Cap. XIV, item 8. Oespiritas! Compreendei agora 0 grande papel da Humanidade; compreendet que, quando produzis um corpo, a alma que nele encarna vem do espao para progredir, inteirai-vos dos vossos deveres e ponde todo 0 vosso amor em aproximar de Deus essa alma; tal a misséo que vos esté confiada e cuja recompensa recoberis, se fielmente a cumprirdes. Os vossos cuidados e a educagao que Ihe dareis auxiliaréo 0 seu aperfeigoamento e o seu bem-estar futuro (...). Trecho de mensagem do Espirito Santo Agostinho, ditada em Paris, em 1862: O Evangelho segundo o Espintismo. Cap. XIV, item 9. aaa ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPIRITA PROGRAMA FUNDAMENTAL MODULO XII ~ROTEIRO2 SUBSIDIOS Ha no homem alguma coisa mais, além das necessidades fisicas: hé a necessidade de progredir. Os lagos sociais sdo necesséirios 20 progresso e os de familia mais apertados tomam os primeiros. Eis que os segundos constituem uma lei da Natureza. Quis Deus que, por essa forma, os homens aprendessem a amar-se como imaos. (3) A familia 6, pois (...) uma instituigéo divina cuja finalidade precipua consiste em estreitar os laos sociais, ensejando-nos o melhor modo de aprendermos @ amarsnos como irméos. (5) Nesse sentido, 0 relaxamento dos laos de familia representa uma pratica anti-natural, uma (...) recrudescéncia do egoismo. (4) De todas as associagdes existentes na Tema (..) nenhuma talvez mais importante em sua fungéo educadora e regenerativa: a constitui¢éo da familia. De semelhante agremiagéo, na qual dots seres se conjugam, alendendo aos vinculos do afelo, surge lar, garantindo os alicerces da civilizagao. Através do casal, ai estabelecido, funciona © principio da reencamnagao, consoante as Leis Divinas, possibilitando 0 trabalho executive dos mais elevados programas de ago do Mundo Espiritual. (10) Fécil entender que é assim justamente que nds, os espiritos etemnos, atendendo aos impositivos do progresso, nos revezamos na arena do mundo, ora envergando a posigao de pais, ora desempenliando o papel de filhos, aprendendo, gradativamente, na carteira do corpo carmal, as ligées profundas do amor — do amor que nos soerguerd, um dia, em definitivo, da Terra para os Céus. (12) A (...) familia, genericamente, representa o cid social ou de sintonia por identidade que reine espécimes dentro da mesma classificagéo. Juridicamente, porém, a familia se deriva da uniéo de dois seres que se elegem para uma vida em comum, através de um contrato, dando origem a genitura da mesma espécie. (...) A familia tem suas prépnes leis, que consubstanciam as regras do bom comportamento dentro do impositivo do respeito ético, recjproco entre os seus membros, favoravel 4 perfeita harmonia quo deve vigir sob 0 mesmo teto em que se agasalham os que se consorciam. (...) O far, no entanio, nao pode ser configurado como a edificagao material, capaz de oferecer seguranca e paz aos que ai se resguardam. (6) Habitualmente — nunca sempre — somos nés mesmos quem planifica a formagao da familia, antes do renascimento ferrestre, com 0 amparo e a superviséo de instrutores benemeéritos, 4 maneira de casa que levantamos no mundo, com o apoio de arquitetos téonicos distintos. Comumente chamamos a nés antigos companheiros de aventuras infelizes, programando-lhes a volta a0 nosso convivio, a prometer-Ihes socorro e oportunidade, em que se lhes reedifique a esperanca de elevacao e resgate, burilamento e melhoria, (13) E importante considerar, entretanto, que nao ( ..) S40 0s da consangtiinidade os verdadeiros lagos de familia ¢ sim os da simpatia 0 da comunhéo de idéias, os quais prendein os Espiritos antes, durante e depois de suas encamag6es. Segue-se que dols seres nascidos de pais diferentes podem ser mais imaos pelo Espirito, do que se fossem pelo sangue. Podem entéo atrair-se, buscar-se, sentir prazer quando juntos, PROGRAMA FUNDAMENTAL — MODULO XII ~ ROTEIRO 2~ CONT. 1 ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPiRITA a0 passo que dois irméos consangiineos podem repelir-se, conforme se observa todos 0s dias: problema moral que so 0 Espinitismo podia resolver pela pluralidace das existéncias. Ha, pois, duas espécies de familias: as familias pelos lagos espirituals e as familias pelos lagos corporais. Duraveis, as primeiras se fortalecem pela purificagdo e se perpetuam no mundo dos Espiritos, através das vérias migragées da alma; as segundas, fageis como a matéria, se extinguem com 0 tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente, jé na existéncia atual. (1) Por intermédio da patemidade e da maternidade, o homem @ a mulher adquirem mais amplos créditos da Vida Superior. (...) Os filhos so liames de amor conscientizado que Ihes granjeiam protegéio mais extensa do Mundo Maior, de vez que todos nés integramos grupos afins. ‘Na arena terrestre, é justo que determinada criatura se faca assistida por ‘outras que lhe respiram a mosma faixa do interesse afotivo. De modo idéntico, 6 natural que as inteligéncias domiciliadas nas Esferas Superiores se consagrem a resguardar e guiar aqueles companheiros de experiéncia, volvidos a reencarnacao para fins de progresso @ burilamento. A parentela no Planeta faz-se filtro da familia espiritual sediada além da existéncia fisica, mantencio os tacos preexistentes entre aqueles que Ihe comungam 0 clima. Arraigada nas vidas passadas do todos aqueles que a compéem, a familia terrestre é formada, assim, de agentes diversos, porquanto nela se reencontram, comumente, afetos e desafetos, amigos e inimigos, para os ajustes © reajustes indispensaveis, ante as leis do destino. (11) Formam familias os Espiritos que a analogia dos gostos, a identidade do progresso moral ¢ a afeigao induzem a reunir-se. Esses mesmos Espiritos, em suas migragées terrenas, se buscam, para se gruparem, como o fazem no espaco, originando-se dai as familias unidas e homogéneas. Se, nas suas peregrinagées, acontece ficarem temporariamente separados, mais tarde foram a encontrar-se, venturosos pelos novos progressos que realizaram, Mas, como nao hes cumpre trabalhar apenas para si, permite Deus que Espiritos menos adiantados encamem entre eles, a fim de receberem conselhos ¢ bons exemplos, a bem de seu progresso. Esses Espfritos se tormam, por vezes, causa de perturbacao no meio daqueles outros, 0 quo constitui para estes a prova e a tarefa a desempenhar. (2) Na (...) esfera do grupo consanguineo o Espirito reencarmado segue ao encontro dos laos que entreteceu para si proprio, na linha mental em que se Ihe caracterizam as tendénoies. A chamada hereditaniedade psicolégica 6, por isso, de algum modo, a natural aglutinagéo dos Espiritos que se afinam nas mesmas atividades e inclinagdes. (2) Moderamente, ante a precipitagéo dos conceitos que generalizam na vulgaridade os valores éticos, tem-se a impresséio de que paira rude ameaga sobre a estabilidade da familia. Mais do que nunca, porém, 0 conjunto doméstico se deve impor para a sobrevivéncia a beneficio da soberania da propria Humanidade. (7) ‘Atualmente, na fase de aferi¢ao de valores morais por que passa a Humanidade, & ‘comum ouvir a voz da imaturidade e do pessimismo anunciando a extingao da familia. Entretanto, devemos tranqtilizar(...) os nossos coragbes, porque a familia nao esta TILL IcivicilLivicicicit 64 aan UU UR Ua UL a LT ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPiRITA PROGRAMA FUNDAMENTAL MODULO XII ~ ROTEIRO 2 CONT. 2 em extingéo, 0 processo é de transformagéo. A vulnerabilidade do bebé humano & sua dependéncia dos cuidados do adulto sao indicios muito fortes de que a familia é uma necessidade psicofisica do homem e, portanto, sera dificil imaginarum sistema social sem essa instituigéo basica. O fato de ser a instituigéo familiar uma necessidade do homem néo significa, contudo, que ela seja imutavel. A familia jé se modificou muito desde a fase da sociedade predominantemente agricola até os dias de hoje. Estamos assistindo a uma nova transformacéo. Toda mudanca sempre acarreta um momento de desorganizacao e talvez dal tenha surgido a idéia de que a familia esté se desmoronando, desestruturando-se, extinguindo-se. Algumas pessoas se sentem téo abaladas por essa desordem transitéria, que se aferram a um modo de viver ja ultrapassado, na tentativa de preservar valores decadentes, acreditando defender assim os interesses da coletividade. Outras se aproveitam da oportunidade para extravasar seus préprios impulsos desequilibracos. Entretanto 0 individue que consegue ver © panorama social de um ponto mais elevado, que jé desenvolveu a capacidade de pensar criticamente, pode discernir com mais faciidade acerca dos valores a serem preservados, separando-os daqueles que devem ser descartados, contribuindo, desse modo, para a consolidacao do progresso. (8)