Você está na página 1de 24

AO LEITOR

Apostilas mon'a'xí mais uma vez trazendo informação para você.


de forma simples e prática, fazemos seu intendimento ser muito mais preciso e
complexo.

Em nosso material focamos sempre a informação de modo que incentive o


estudo e aperfeiçoamento de conhecimento dentro da religião, procuramos
utilizar uma linguagem ''informal'', ou seja, uma linguagem fora da
gramática linguística culta. mas não para desmoralizar os dialetos, e sim, fazer
que o entendimento seja satisfatório.

Não adianta criar um documento totalmente dotado de palavras formais e até


mesmo utilizar os verdadeiros dialetos, pois, muitas pessoas não teriam noção
do que realmente está escrito ali.
dentro deste conceito que desenvolvemos então nosso material, simples, mas
preciso.

Ao decorrer da leitura, você observará todos os registros sobre o assunto


referido e ter a certeza de como fazer e proceder com o mesmo.

É importante lembrar sempre que, ninguém faz nada igual a ninguém e logo,
pode acontecer de algumas informações serem adversas de outras que você já
possui conhecimento. porém sempre deve ser visado que conhecimento nunca
é demais, e tudo o que aprendemos na vida há ela deve ser agregado.

Nosso material é produzido a partir de depoimentos de pessoas antigas da


religião, não com o intuito de banalizar a mesma, mas sim, de propagar o
conhecimento para evitar que ela se perda e que seja praticada de forma
errada.

Sugiro que para tornar sua assimilação mais precisa agregue o conteúdo de
uma apostila com o de outra, pois existem informações que estão divididas em
outros exemplares.

BOA LEITURA.
Amaci

AMACI vem da palavra ‘amaciar’, ‘tornar receptivo’, é um ritual, uma espécie de


iniciação que todos os médiuns umbandistas, iniciantes ou não, devem se submeter.
É um ritual onde o objetivo é preparar o médium para receber as energias com
equilíbrio. O amaci “fortalece” a ligação do médium com seus guias e demais
energias.

Amaci é um banho para lavar a cabeça, limpar e torna receptível o chacra coronário
do médium para novas energias. Esse se divide em diversos rituais e forma de se
fazer, apresentarei a forma mais coerente desses rituais e preparos.
É certo que a Umbanda tem mironga, tem fundamento, porém meu caro leitor nem
sempre o que vemos em certos terreiros é coerente com que realmente é, não cabe
a mim nem a você julgar ou corrigir, mas podemos da continuidade a essa nova
geração de umbandista que se preocupam com o fundamento correto.

No decorrer da apostila iremos ver alguns detalhes e observações que espero


desperta seu senso crítico.

Amaci NÃO é apenas um banho com ervas feito de qualquer jeito e despachado na
cabeça de um médium.

Amaci é um banho lustral energético, na fórmula do banho de Amaci vamos


encontrar energias externa que vem do ambiente onde as plantas e folhas foram
retiradas e a energia de quem as macero, vamos ter as energias das folhas que
pertence aos seus Orixás e guias, mas a energia do terreiro em si onde passar por 7
dias curtindo.

Todas essas energias que poderíamos encontrar em diversos banhos separados,


vamos ter no banho de Amaci, fazendo desse o banho mais poderoso da Umbanda,
sendo utilizado para O Ritual de Amaci, Batismo, Coroação, Camarinha e
Lavagem e descarrego do terreiro e objetos sagrados.

Sendo esse tão poderoso muitos Zeladores de umbanda não os ensina facilmente,
ou negligência os preceitos para esse banho, tornando seu preparo um segredo de
Estado.

Vejamos todo o preparatório.

Preparando a mistura do Amaci para todos os rituais litúrgicos do Terreiro:

É certo que em todo ritual de umbanda, antes desse mesmo acontecer todos os
participantes guardam preceito para que no dia do ritual estejam com a anergia
mais limpa possível. Amaci não foge dessa regra.
Nos 7 dias que antecedem o ritual, contando com o dia em que o ritual será feito:

• Não comer carne de nenhum tipo.


• Não manter relações sexuais.
• Fazer alimentação mais leve que o habitual, evitando ovos, leite e derivados.
• Tomar 7 banhos de descarrego, um por dia, utilizando somente as ervas
correspondentes ao seu Orixá (de 1,3,5 ou 7 tipos de ervas), acendendo vela para o
Anjo da guarda, entre as 6 horas e às 18:00 da tarde.
• Evitar qualquer tipo de contato físico, como abraços ou aperto de mão, etc.
• Alimentação de preferência à base de frutas, legumes e verduras.
(Esse preceito deve ser seguido a risca por todos que irão pôr a mão nas ervas)

Todas as ervas serão colhidas no dia do ritual de maceração, podendo usar folhas e
flores de cada linha de atuação, importante que todas esses elementos sejam
colhidos no dia e no ambiente onde rege o orixá da linha. Caso não for possível
serve flores da floricultura e ervas do seu quintal.

A diferença é que essas ervas retiradas do seu ambiente natural está com energia
mineral além da vegetal.

Exemplo: Colher a vitória regia no rio de Oxum, Colher quebra-pedras em uma


pedreira de Xangô. Assim consecutivamente.

Apenas pessoas de confiança ou o próprio Zelador para colheres tais ervas, pois só
assim garantira a colheita correta. (Em exceção para Amaci de Caboclo)

Leve todas as Ervas para o terreiro e as separem por orixás de cada linha.

Tenha disponível para o ritual de maceração pelo menos 2 pessoas para auxiliar.
Uma bacia grande podendo ser barro ou aguatá.
Um grande jarro de barro. (Quartilhão ou Porrão)
1 pilão completo
7 velas de 7 dias.
Um pano branco.
Óleo de essência de qualquer cheiro.
Água que tenha vindo dos reinos dos Orixás, como Aguá de poço, rio, nascente,
cachoeira, água benta, água de chuva, menos água de mar.

*A água de mar torna o Amaci muito tenso quando misturado no mesmo, tornando
a vida desse amaci muito curta e sua eficacia desagradável, vamos evitar água do
mar para Amaci.
Seguindo o ritual de Maceração.

Esse deve ser feito com a gira aberta, como se faz normalmente, Defume tudo,
acenda o Congá e a tronqueira também.
*Damos preferência para não haver assistência pois pode ser um ritual muito
demorado sem incorporações, logo não poderemos parar para dar atenção a
assistência.

Pontos Cantados para Abrir gira:

Abrimos a nossa gira,


Pedimos de coração,
Ao nosso Pai Oxalá,
Para cumprir nossa missão

Eu abro a nossa Gira


Com Deus e Nossa Senhora
Eu abro a nossa gira
Sandorê Pemba de Angola
Está aberta a nossa gira...

Com a chave de ouro


Abrimos nossos trabalhos de gloria
Louvado seja Deus
Que Ogun ganhou vitória
Ele ganhou por que
E guerreiro de Oxalá
Com sua espada inocente
Meus trabalhos vem afirmar
Firma o ponto minha gente
Que é de Deus esta seara
Na canjira de Umbanda
Ogun ië
Ogun Iara

Foi São Jorge Guerreiro


Quem matou o dragão
Vou abrir meus trabalhos
Com sua proteção
Salve Nana Buruque
Santa Mãe de Iemanjá
Salve Ode, salve ossae, salve meu Pai Oxalá
Salve Cosme e Damião, salve Doum e Alada, Salve o povo da Jurema, salve o
ponto e pemba, salve Ogun Beira Mar
Eu vou abrir minha cangira
com Deus e Nossa Senhora
Na fé de meu Pai Ogun,
Oxalá que manda agora
Ae Baba e Mamãe Sinda E ô – bis
(todos os orixás)

Pontos de Defumação:

Corre e gira pai Ogum,


Filho quer se defumar,
A Umbanda tem fundamento,
É preciso preparar
Cheira incenso e alecrim
Cheira arruda e alfazema,
Defumai filhos de fé,
Com as ervas da Jurema.

Defuma com as ervas da Jurema,


Defuma com arruda e guiné.
Benjoim, alecrim e alfazema,
Vamos defumar filhos de fé.

Meu Pai Oxossi


Dá licença pra defumar
Meu Pai Oxossi
Dá licença pra defumar,
Eu defumo, eu defumo
Essa aldeia real

Nossa Senhora incensou a Jesus Cristo


Jesus Cristo incensou os filhos seus
Eu incenso eu incenso essa casa
Na fé de Oxossi de Ogun e Oxalá
Estou incensando,
Estou defumando
A casa do bom Jesus da Lapa.

Nossa Senhora,
Incensou seus filhos,
Nossa Senhora,
Incensou o seu altar,
Nossa Senhora,
Incensou a sua aldeia,
Para o mal sair e o bem entrar
Estou louvando
Estou incensando
A casa do meu bom Jesus da lapa
A casa do meu Bom Jesus da lapa

Filhos de Umbanda
Vem ver os irmãos seus
Defuma defuma
Na santa lei de Deus

A Umbanda cheirou,
cheirou a guiné pra defumar
seus filhos de fé

Defuma eu Baba
Defuma eu Zelador – (bis)
Defuma eu Baba
Que minha hora chegou!

Foi assim foi assim foi assim


Foi assim que meu pai ensinou
A defumar nossa aldeia
Para saudar Pai Xangô

“Taca” fogo nestas ervas


Que são ervas de Xangô
Tem arruda tem guine
Tem fé e muito amor
Quem quiser se defumar
Vai pedir ao Pai Xangô
Tem arruda tem guine
Tem fé e muito amor

Defuma coroa de lei


Defuma coroa de lei
Meu rei é quem manda só
Ai ai ai
Meu rei é quem manda só
Ai ai ai

Aberta a gira.
A pessoa que macerará as ervas sentará em um banco baixo, ou no chão mesmo.
Rente a grande tigela. De acordo que o mesmo vai cantando para cada orixá da
linha, acenda uma vela no pé do jarro que estará no centro do terreiro, e as pessoas
vão trazendo as ervas que correspondem o mesmo orixá da corrente cantada, e
acrescentando aos poucos a água de acordo com a maceração.

Depois de macerado ao máximo, todo o suco extraído devera ir pra o jarro que
estará no meio do terreiro em frente o altar.

O resto das ervas que sobrarem na bacia deve ser passada no pilão, e depois
jogadas todas no jarro.

Esse processo é repetido com as ervas das 7 linhas de umbanda.

No final, após ter feito todo o processo das ervas, derrame sobre o jarro o óleo
aromatizante, e cubra com o banho branco. Esse deve ficar curtindo até as 7 velas
apagarem.

Depois coadas no pano branco e só ai ponderar ser usada.

Toda erva que será coada deve ser despachada na natureza.


A ordem a ser seguida das linhas de umbanda:

Segue abaixo as ervas de Cada linha de umbanda, e os pontos cantados de cada


linha para serem cantados enquanto macerado, podendo cantar também os pontos
diferentes do que apresentado aqui, desde que esse louve a linha certa.

Lembrando que A Linha do Orixá está falando também dos guias que nela atuam.
Exemplo: Linha das Águas, Além dos Orixás femininos também temos os
Marinheiros, Jangadeiros, Pescadores, Piratas, Janaína, Caboclas d'água. Logo
pode sim cantar os pontos dessas entidades enquanto macera suas ervas.

Esse Amaci não vai ervas de Exu e nem Pombo giras, o Amaci que é feito apenas
das ervas dos Exus nunca deve ser usada nos médiuns, apenas para lavar a casa de
Exu, tronqueira e imagens dos mesmos.

1° Linha de Oxalá

Ervas:

Fortuna, coqueiro, tamarindo, dama da noite, trombeta branca, oripepê, manjericão


branco, erva-de-bicho ou folha de igbi, guando, boldo ou tapete d’Oxalá, beti
branco, beti cheiroso ou aperta-ruão, erva prata, mamona branca, brilhantina,
parietária, mutamba, lágrima de Nossa Senhora, beldroega, trevo de quatro folhas,
algodão, alecrim, fruta pão, mamoeiro, cabaceira, graviola, dendezeiro, sálvia,
língua de galinha ou guaximba, erva vintém, azedinha do brejo, gameleira branca,
folha de inhame cará, macaé, cinco chagas, ingá, macassá, saião, emília, bananeira,
guapo, língua de vaca, vitória regis branco, oriri, chapéu de couro, carurú sem
espinho, cana do brejo, amendoeira, bálsamo, espinheira santa, benjoim, erva doce,
colônia, lírio branco, jasmim ou junquilho, mirra, noz-moscada, pixurim, uva
verde, maria sem vergonha branca, oliveira, elevante, beldroega, louro, malva
branca, paineira.

Pontos Cantados:

Oxalá meu pai


Tens pena de nos tem dó
Se a volta do mundo é grande
Teu poder é maior

Sexta feira visto branco


Em louvor a Oxalá – bis
Valei-me Senhor do Bonfim
Valei-me meu orixá – bis
Orixalá
Orixalá
Venha comigo irmão
Vamos juntos louvar
O Senhor do Bonfim
é o nosso Pai Oxalá
Juntos vamos cantar

Meu Pai Oxalá


Obrigado Meu Pai, que bom
As voltas do teu abraço
São laços de luz e som
Meu Pai, Oxalá
Eu sei que estás em mim
Nas dores da ilusão
Na força do não e o sim
Peço agora teu amor
Nesta hora de esperança
Pra ser livre como a flor
Ser adulto e ser criança
E Abençoa a todos nós
Nossos pais, nossos avós
Nossos filhos e parentes
Nossas vidas tão carentes
Meu Pai Oxalá
És tudo na criação
Igual teu poder não há
Me cura me dá tua mão

O beija flor toma conta do jardim – bis


O beija flor toma conta do jardim
Vou pedir a Oxalá pra tomar conta de mim

Meu Pai Oxalá


É o rei do mundo inteiro
Meu Pai Oxalá
Um amigo verdadeiro
Gosto de chamar por ele
Ele não tarda a chegar
Quem quiser falar com ele
Fala em qualquer lugar

Meu Pai Oxalá...


A caminhada é longa
Mas não cansa ninguém
E quem for com ele alcança
Um lugar lá no alem
Quem tem fé e paciência
E procura o bem fazer
E se hoje esta sofrendo
Amanhã não vai sofrer

Tão alto é o céu


Tão fundo é o mar
Tão grande é a força
Do Pai Oxalá

Sua gogue estava cheia


Sua gogue está no mar - bis
Nos queremos nos queremos alcançar
As graças do pai Oxalá

Eu vi brilhar, eu vi brilhar
Lá no horizonte eu vi brilhar
Era uma luz, era uma luz
Era um estrela nosso pai Oxalá
Ele vem, ele vem no além no além
Traz a paz e a alegria
A quem na terra faz o bem

A estrela de Oxalá
Brilhou, brilhou
Sua luz agora mesmo,
neste conga entrou

Oxalá Meu Pai


Somos filhos da Virgem Maria – bis
Uma estrela nos ilumina – bis
Estrela é a nossa guia – bis
Que nos anjos da guarda sejam nossa companhia

Oxalá é nosso pai


Nosso amigo e companheiro
Daí forças à filharada
Que tem missão no terreiro -bis

O Deus nos salve esta casa santa,


Oi Santa , Oi Santa,
Onde Deus fez a sua morada, morada, morada,
Onde mora o cálice bento,
E a hóstia consagrada.

Jesus e Maria
São João e São José,
São Pedro abriu o céu,
Para os filhos que tem fé,
Oh! São Miguel Arcanjo,
Por Deus quem sois quem es,
Rogai ao nosso pai,
Pra aumentar a nossa fé.

Abre a porta oh gene


Que ai vem Jesus
Ele vem cansado
Com peso da cruz
vem de porta em porta
Vem de rua em rua
Pra salvar as almas
Sem culpar nenhuma
Pombinho branco
meu pombinho de Oxalá (Bis)
Voou voou
foi voar pra Iemanjá (bis)

Pombinha branca
Que Oxalá mandou (Bis)
Naquele pé de Laranjeira
Pombinha pousou (Bis)

Oxalá é quem governa o mundo


só ele pode governar
foi ele quem nos deu a luz
clareou a umbanda e nossos orixás
Oxalá Oxalá Oxaláa
Abre os caminhos para seus filhos trabalhar
Oxalá
Oh quanta força tem meu pai no céu
quanta grandeza tem meu pai no mar
oh quanta força tem meu pai
Quanta grandeza tem meu pai Oxalá.

*Fiz questão de colocar vários pontos de Oxalá, pois são mais difíceis de encontrar,
os demais linhas colocarei apenas 5 pontos para que a apostila seja mais curta,
lembrando que no ritual vocês podem acrescentar os pontos de sua casa, sendo esse
ponto da linha correspondente.

2º Linha das águas:

Ervas:

Iemanjá:

Folhas de lágrima de nossa senhora (capiá), hortelã, alfazema, rosa branca, flor e
folhas de laranjeira, folha de trevo, jasmim, malva branca, pata de vaca marianinha.

Oxum:

Camomila, erva cidreira, lírio, ipê-amarelo, malmequer, arnica, alfavaca,


samambaia, marcela, vitória regia. • Iansã: bambu, romã, espada de santa bárbara,
pessegueiro, catinga de mulata, folhas de morango, alfazema, gerânio vermelho,
louro, pessegueiro, peregum amarelo, para-raios • Nanã: avenca, agapanto,
alfavaca roxa, cedrinho, gervão, Uva brava.
Pontos cantados:

Iemanjá:

Mãe d’água, rainha das ondas,


Sereia do mar,
Mãe d’água seu canto é bonito,
Quando faz luar
Iê, Iemanjá, Iê, Iemanjá,
Rainha das ondas,
Sereia do mar.
Como é lindo o canto,
De Iemanjá,
Faz até o pescador chorar,
Quem escuta mãe d’água cantar,
Vai com ela pro fundo do mar.

Oxum:

Eu vi mamãe Oxum na cachoeira


sentada na beira do rio
colhendo lirio, lio ê
Colhendo lirio. Lirio a
Colhendo lirio pra enfeitar nosso Congar.

Estrela Dalva
Estrela Divina
É mamãe Oxum,
É mamãe Oxum
Que me ilumina

Iansã:

Iansã ela é dona do mundo


Dona do fogo, da faísca e do trovão
Epa hey Iansã na Aruanda
Santa barbara com espada na mãe. (bis)

Nanã:

Passeando na linda aldeia


Caminhando numa linda rua
Mas que beleza
Nana no clarão da lua - bis
3º Linha de Xangô:

Ervas:

Fortuna, cambará, romã, umbaúba branca ou vermelha, tamarindo, jaqueira, erva


de São João, alfavaca, xanan (aipim ou carurú sem espinho – para Barú), erva
tostão, pimenta-de-macaco, carurú sem espinho ou Oyó, branda fogo ou folha-de-
fogo, azedinha ou avinagueira, campainha, jaborandi, crista-de-galo, gerânio
cheiroso, capim fino, flamboyant, carapeteira, cinco chagas, capim limão, alibé de
Xangô (folhas e favas), orobô, castanha do Pará, vence demanda, oxibatá
vermelho, urucum, cascaveleira ou xique-xique, cajueiro, camboatá, cruzeirinho,
manjerona, negra-mina, salsaparrilha, iroco ou gameleira branca, kitoko, lírio
vermelho, lírio branco, elevante, aroeira, beijo vermelho, capeba, erva prata,
jarrinha ou cipó milomi, malva,
para-raios, panaceia, manjericão roxo, pena de Xangô.

Pontos Cantados:

Xangô Kaô,
Deixa essa pedreira aí,
A umbanda está lhe chamando,
Deixa essa pedreira aí.

No alto da pedreira está Xangô,


Senhor do meu destino até o fim,
Se um dia eu perder,
A fé que Deus me deu,
Que role a esta pedreira,
Sobre mim.

Xangô faz justiça com o corisco e com o trovão


Xangô senhor da guerra
Pai de bom coração
Olhai os filhos teus
Não nos deixe em aflição

Xangô é corisco,
Nasceu na trovoada,
Ele mora na pedreira,
Levanta de madrugada,
Longe, bem longe,
Aonde o sol raiou,
Saravá Umbanda,
Oi saravá Xangô
Machadinha de cabo de ouro,
É ouro, é de ouro,
Machadinha de cabo de ouro,
É de Xangô, é de Xangô,
Olha a machada,
Que corta mironga,
É de Xangô, é de Xangô

4º Linha de Ogun:

Ervas:

Romã, milho, aroeira branca, akoko, alumã, visgo, sumaúma, cipó chumbo
(Ogunjá), lírio do brejo, pinhão branco ou roxo, tiririca, sapê, capixaba, espada de
São Jorge, lança de São Jorge, abre caminho, guiné, guiné pipiu, cajazeiro,
dendezeiro ou màriwò, babosa, oficial de sala, folhas de inhame cará, dandá da
costa (capim e raiz), mangueira (principalmente espada), vence demanda ou vence
tudo, peregum verde, agrião do brejo ou erva botão ou pimenta d’água), caruru sem
espinho, araçá, costela de adão, eucalipto, goiabeira, espinheira santa, São
Gonçalinho, alfavaquinha, beldroega, camboatá, canela de macaco, capim limão,
cordão-de-frade ou São Francisco, erva tostão, erva-de-bicho, língua de vaca,
losna, mutamba, pé de pinto, mal me quer, coqueiro, carapeteira.

Pontos Cantados:

Por entre matas por entre mares e terras


Eu entendi o que meu Pai quis dizer - bis
Que Ogun não devia beber
Que Ogun não devia fumar
Mas a fumaça são as nuvens
Que passam
E a espuma
As ondas do mar

Ele é um príncipe de cavalaria


não vejo trevas nem escuridão
Vou dar um brado de salva
Para a primeira legião

Quando Ogun
Venceu a guerra
Seu manto estava
Sujo de terra
Foi humilhado
Foi ofendido
Filho de Ogun
É filho querido
Com o espírito
Purificado
Povo de Ogun
É povo sagrado

Pisa na linha de Umbanda,


Que eu quero ver, Ogum Sete Ondas,
Pisa na linha de Umbanda ,
Que eu quero ver, Ogum Beira Mar,
Pisa na linha de Umbanda,
Que eu quero ver, Ogum Iara,
Ogum Megê, olha a banda aruê

Salve Ogun Mege


Ogun Rompe Mato
Ogun Beira Mar - bis
Ele trabalha na areia, meu Pai
Ele trabalha no mar

5º Linha de Oxossi:

Ervas:

Samambaia, capim limão, guiné, folha de araçá, pitanga, alecrim, malva cheirosa,
alfazema, goiabeira, guaco, pariparoba, pitangueira, alecrim do campo, peregum
verde, arruda macho, mangueira, jurema, Folhas de milho, folhas de coqueiro,
murici, akoko, São Gonçalinho (principalmente os mais guerreiros), visgo, pinhão
branco e roxo, carrapicho, chifre de veado, dandá
da costa, sapê, taioba (principalmente Odé Inle), rama de leite, lágrima de Nossa
Senhora, guiné, guiné pipiu, acácia ou chuva de ouro, folhas de guaximba ou
língua de galinha, jasmim manga, carqueja, jurubeba, capim limão, cordão-de-
frade ou São Francisco, caiçara, guapo, colônia, alecrim do mato ou do campo,
araçá, cajueiro, cipó caboclo, erva curraleira, espinheira santa, juremeira,
nicurizeiro, erva passarinho, chapéu de couro, assa peixe, alfavaca, carurú sem
espinho, cana fita,
capeba, groselha, ingá, língua de vaca, peregum verde, pitanga.

Pontos cantados:

Oxóssi gira ele gira


Na macaia
Oxóssi gira ele gira
Na macaia
Gira gira no meu terreiro
Gira gira na minha banda

Oxosse quando vem, há ele vem aos pés da cruz


pedindo a proteção para os filhos de Jesus (bis)
A terra tremeu, a terra tremeu,
a terra tremeu a cruz, mas não tremeu Jesus.

Quem manda no mato é Oxosse.


Oxosse é caçador, Oxosse é caçador (bis)
Eu vi meu pai assoviar, ele mandou chamar...
Eu vi meu pai assoviar, ele mandou chamar...
Vem de aruanda aee
vem de aruanda aaaa
vem de aruanda ae todos caboclos
de umbanda, é de aruanda aaa

Ele atirou, ele atirou ninguém viu


só seu Oxosse é quem sabe
aonde a flecha caiu

Naquela estrada da areia


aonde a lua clareou (bis)
Todos caboclos paravam para ver a procissão de São Sebastião
Todos caboclos paravam para ver a procissão de São Sebastião
Oke, oke caboclo, não é Caboclo
é São Sebastião.

6º Iori (Crianças):

Ervas:

Anil, Alfazema, abre-caminhos, parreira, colônia, erva-cidreira, pitangueira,


camomila, erva doce, morango, capim limão, lírio, benjoim, fruta de conde,
hortelã, menta, poejo, manjericão branco, funcho, vassoirinha de cosme, Sapoti,
flamboyant, quiabo, cana-de-açúcar, maracujá, bananeira, abacaxi, araruta, poejo,
uva.

Pontos Cantados:

Tem bala de coco e peteca


Deixa a ibeijada brincar -bis
Hoje é dia de festa
Ibeijada vem saravar – bis

Papai me mande um balão,


Oi com todas as crianças,
Que tem lá no céu, bis
Tem doce mamãe,
Tem doce mamãe,
Tem doce lá no jardim. bis

Eu vi Doum,
Na beira d’água,
Comendo arroz bebendo água,
Eu vi Cosme e Damião,
Na beira d’água,
Comendo arroz bebendo água,
Eu vi as crianças,
Na beira d’água,
Comendo arroz bebendo água,

Papai do ceu
Protegei as criancinhas
Papai do céu
Que elas são inocentinhas
Papai do ceu
Criancinha quer brincar
Manda um presente
Que é pra ela não chorar
Criança contente é criança feliz
Criança que brinca por todo o pais.

São Cosme e São Damião


São dois amigos leais
São Cosme brinca na areia
Damião brinca no mar
Cosme e Damião
Vem cá vem ver
Tenho uma batalha
Prá nós dois vencer
7º Iorimá: (Pretos e pretas velhas):

Ervas:

agapanto, alfavaca roxa, babosa, espinheira santa, trombeteira branca,avenca,


agapanto, alfavaca roxa, cedrinho, gervão, boldo ( tapete de Oxalá), hortelã,
alfazema, alecrim, alevante, manjericão, alfavaca, girassol, camomila, manjerona,
malva branca, mil folhas, salvia, rosa branca, poejo, funcho (erva doce), guiné,
arruda, alecrim.

Pontos Cantados:

A é a e a minha Angola
Ae ae meu Meu Angolá

Aue meu cativeiro


Meu cativeiro meu cativerá
Aue meu cativeiro, meu cativeiro
Meu cativerá
Preto velho
Tava cansado ia pra senzala
Batia o tambor
Preto velho dava viva a iaiá
Dava viva a sinhá
Dava viva ao sinhô

Pombinho de Zambi
pombinho de Obatalá (biz)
Vai meu pombo branco
na senzala de aruanda
vai buscar (….) para ajudar.

É o vento que balança a folha , Guiné - bis


É É é Pai Guiné
É o vento que balança a folha

Ele é Preto Velho


Preto sim senhor
Ele é Preto Velho, Meu Filho
Nego rezador
Sentado no toco
Ele vem trabalhar
E a sua doença , meu filho
Ele vai levar
Detalhes:

*A pois o ritual feito, a gira deve ser fechada e o banho não deve ser mexido ou
retirado do local.
Caso for haver outra gira no terreiro, deixe o Vaso do amaci no mesmo lugar junto
com as velas.
Só pode remove lo do lugar a pois os 7 dias para ser coado e usado.

*A pois coado o Amaci pode ser guardado em qualquer lugar com pouca luz, até
mesmo guardado no próprio vaso que foi usado para o ritual. Apenas pessoas
responsáveis deve ter acesso a esse Amaci, esse será usado apenas em casos
necessários.

*Quando o Amaci apresentar mau cheiro, é sinal de fazer outro. A vida do amaci
dependerá das energias que foi aplicada a sua Maceração, há Amacis que duram
anos e meses, outros que duram dias e horas. Por isso o preceito tão rigoroso.

*Caso o Amaci seja descartado por mal cheiro ou qualquer outro motivo que o leve
a não prestar mais. Esse deve ser despachado na terra. Nunca na pia ou no
banheiro.

*As sacerdotes que nos 7 dias que o amaci ficará curtindo no vaso de barro, abrem
gira dando espaço para incorporações das 7 linhas de umbanda, um para cada dia.
Isso fica a parte do Sacerdote.

*Nunca faça Amaci com água fervendo, pois nenhum banho que foi fervido deve
ser jogado na cabeça.

Lembre se, o Amaci que prepara vai ser usado na cabeça de seus médiuns para
diversos fins, e no sacramento de diversos itens e rituais, então coloque amor e
fervor no ritual, para que o banho agregue o máximo de energias positivas.

Outros Amacis:

O Amaci descrito acima é um ritual único para toda vez que for fazer um amaci
para todos os fins litúrgico. Abaixo veremos algumas forma de Amaci que também
são usados em terreiros de umbanda dentro do território brasileiro. Os preceitos e
ritual de maceração são os mesmos para todos amacis, o que muda são as misturas
de folhas e seu objetivo.

Amaci de Orixá:

Acima vemos a lista de ervas de cada linha de umbanda e Orixá regente, caso
queira fazer um amaci só com as ervas de uma única linha também pode, só que
esse Amaci deverá ser aplicado apenas as pessoas desse Orixá que responde na
linha. As ervas são as mesmas descritas acima.

Amaci de Caboclo:

Esse amaci deve ser feita de forma coletiva no terreiro, ou seja, cada filho recebe o
nome de uma erva e esse deverá levar no dia da Maceração. Esse amaci servirá
para banhos de descarrego e desenvolvimento mediúnicos, sempre tomados antes
da gira. As ervas podem ser qualquer uma e de qualquer linha de umbanda. Esse
ritual é feito antes da festa de São Sebastião e todo o terreiro deverá ser lavado com
esse Amaci. Assim seguindo as comemorações nos próximos dias.

Amaci de raiz:

Esse Amaci serve para lavagem de terreiro para tirar grandes carregos.
Deve se fazer apenas com raízes das ervas de Ogun e Iorimá, Socar tudo no pilão e
diluir na água, deixando curti por um (1) dia e assim banhar todo o terreiro, nunca
se banhar com esse Amaci, pois o mesmo pode trazer grandes desequilíbrio no
campo mediúnico.

Amaci de Exu e Pombo gira:

Esse Amaci feito com as ervas de Exu e Pombo gira deve ser usado apenas para
assentamentos, lavar a tronqueira ou casa de exú e lavar e consagrar imagens dos
mesmos. Nunca tomar banho com esse Amaci, o mesmo é muito perigoso e contem
energias que podem prejudicar seriamente o médium. Esse amaci segue os mesmos
preceitos e rituais dos demais, porém deve ser feito o ritual no lado de fora do
terreiro, na tronqueira ou na casa de Exu.
Usa-se além de águas uma garrafa de cachaça e uma de champagne.

Ervas de Exu e Pombo-gira:

Picão, cambará, erva do diabo ou figueira do inferno, aroeira vermelha, dormideira,


pimentas (quaisquer), arruda, olho de gato, carrapicho, tiririca, alfavacão, perpétua,
sapê, cansanção, trombeta roxa, urtiga, maconha, branda fogo ou folha-de-fogo,
vassourinha ou mastruz, mamona vermelha, corredeira, coroa de cristo, cana-
deaçúcar, arrebenta cavalo, bico de papagaio, azevinho, carurú ou bredo com
espinho, tento de Exu, comigo ninguém pode, assa-fétida, erva-de-bicho,
espinheiro, erva grossa, losna, hortelã pimenta, mandacaru, cacto, palmatória de
Exú, pau d’alho, fortuna, patchuli, babosa, assa peixe, avinagueira, barba de diabo,
fedegoso, garra de diabo ou garra de Exu ou unha de Pomba Gira, Jamelão,
jurubeba, sempre viva, tinhorão roxo, rosa amarela, rosa vermelha, dama da noite,
catinga de mulata, catinga de bode.
As cantigas de Exú e pombo giras podem ser cantadas durante a maceração.

O Ritual de Amaci (lavagem de Cabeça):

Esse ritual, é em algumas casas uma forma de iniciação a umbanda, em outras é


apenas a confirmação de um médium que está entrando na corrente mediúnica e
que ainda não fez seu batismo.

Lavagem de Cabeça não é Batismo de Umbanda. É apenas o primeiro contato do


médium com um elemento energético do terreiro, obrigatoriamente feito antes de
entrar na corrente mediúnica e até batizar.

Esse ritual também é aplicado antes da Coroação e até mesmo da camarinha,


sempre será repetido no decorrer da vida do médium e quem o faz sempre é o
Zelador. Uma entidade não pode lavar a cabeça de um filho, eles terão outra
participação mais não nesse ritual.

É importante que o Zelador faça esse ritual, pois o mesmo depositará sua energia
na cabeça desse médium, logo que for um bom zelador e pai, vai fazer desse
médium um bom filho.

Com a gira aberta, o Zelador senta-se com uma bacia entre as pernas.
O médium se ajoelha na frente dele segurando uma vela branca acessa.

O Zelador pega essa vela, cruza o médium e reza um pai nosso.

A pois a reza aproxima a cabeça do médium até a bacia e despeje o Amaci sobre
sua cabeça.

Ainda com a cabeça baixa o Zelador cruza a cabeça do médium com a vela.
E a apague com o dedo (Nunca sopre).

Essa vela devera ser guardada pro próximo amaci.

O médium a parti desse ritual simples mais eficaz, pode participar da corrente
mediumínica sem medo.

O mesmo devera ficar 3 dias sem lavar a cabeça.

Se for do critério, o zelador pode integrar um fio dê conta do guia chefe da casa
para o médium, simbolizando que o mesmo está apto para participar da corrente,
apenas no batimos ele devera receber os fios de conta respondente as outras linhas.

APOSTILAS MON'A'XÍ