Você está na página 1de 41

DISTÚRBIOS DO HUMOR

Isabella Sobroza
&
Leonardo Sales de Carvalho
&
Rafael Facioni
O que é humor?

• Energia vital

• Tônus afetivo

• Pode estar
aumentado ou
diminuído

• As outras funções
psíquicas
dependem dele
Humor vs Sentimentos

• Humor é como um modo


de ver as coisas

• Sentimentos são as reações


internas aos estímulos
DSM IV DSM V
• Transtorno Depressivo Maior • Transtorno Bipolar e
• Transtornos Depressivos Relacionados
• Transtorno Distímico
• Transtorno Disruptivo da
• Transtorno Depressivo Sem Outra Desregulação do Humor* • Transtorno Bipolar Tipo I
Especificação
• Transtorno Depressivo Maior • Transtorno Bipolar Tipo II
• Transtorno Bipolar I (incluindo episódio depressivo
maior)
• Transtorno Bipolar II • Transtorno Ciclotímico
• Transtorno Depressivo Persistente
• Transtorno Ciclotímico (Distimia) • Transtorno Bipolar
• Transtorni Bipolar Sem Outra • Transtorno Disfórico Pré-menstrual
Induzido Por Substância/
Especificação Medicamento
• Transtorno Depressivo Induzido Por
• Transtorno do Humor Devido a uma Substância/Medicamento
Condição Médica Geral
• Transtorno Bipolar Devido
• Transtorno Depressivo Devido a
a Outra Condição Médica
• Transtorno do Humor Induzido por Outra Condição Médica
Substância • Outro Transtorno Bipolar
• Outro Transtorno Depressivo Especificado
• Transtorno do Humor Sem Outra Especificado
Especificação
• Transtorno Depressivo Não • Transtorno Bipolar e Não
Especificado. Especificado
TRANSTORNOS
DEPRESSIVOS
TRANSTORNO
DEPRESSIVO MAIOR
O que é?

• Condição crônica comum


(12,6% prevalência ao longo
da vida no Brasil)

• Pode ser funcionalmente


incapacitante e pode
comprometer a saúde física.

• É a diminuição do humor e,
consequentemente,
esfriamento de todas as
funções psíquicas
Quando suspeitar?
Resumo das alterações do humor e as várias funções mentais
Descuidada
Aparência Higiene comprometida
Roupas velhas e rotas, tons escuros e cinzentos
Passiva, pode parecer pouco cooperativa e responder por meio de
Atitude
monossílabos.
Desatento, atenção voltada para temas de fracasso e ruína de
Atenção
forma quase obsessiva (ruminações)
Falta ou excesso de apetite
Impulso,
Perda de libido
instinto e
Hipo ou abulia
vontade
Impulsividade
Fala monótona, alentecida, arrastada, com conteúdo de ruína,
Linguagem
momentos de mutismo
Resumo das alterações do humor e as várias funções mentais
Pensamento
Alentecimento do curso, conteúdo de ruína, pode
haver delírios de ruína, de apodrecimento dos órgãos e
niilismo.Pode haver delírios incongruentes com humor.
Alucinações congruentes com humor (incongruentes
Sensopercepção
são menos frequentes)
Cognição Diminuída
Ausência ou diminuição secundários à bradipsiquia ,
Pragmatismo
negativismo e niilismo.

Inteligência e Diminuição da criatividade em alguns casos


criatividade Produção menor

Não existe possibilidade de prospecção e planos para o futuro


Prospecção
devido ao niilismo e ideias de ruína
Excesso de negativismo e falta de compreensão do processo
Insight
mórbido
• Vale lembrar que nem todas essas alterações podem estar evidentes ou presentes.
Triagem

• Em quem pesquisar?
Triagem

• Perguntas para rastreamento de episódio


depressivo:

• 1) Durante o último mês, você se sentiu incomodado por estar


"para baixo", deprimido ou sem esperança?

• 2) Durante o último mês, você se sentiu incomodado por ter


pouco interesse ou prazer em fazer as coisas?

• Critério diagnóstico: Sim para as duas questões possui


sensibilidade de 96 a 97% e especificidade de 57 a 67%.
Diagnóstico

Critérios diagnósticos (DSM-V)

A. Pelo menos 5 dos seguintes, sendo um deles ou o nº 1 ou o


2, por , no mínimo 2 semanas.
B. Os sintomas causam sofrimento significativo ou prejuízo em
importantes áreas da vida do indivíduo (social, trabalho...)
C. Episódio não é consequência de uso de substâncias ou outra
condição médica.
D. A ocorrência do episódio descrito em A, B e C não é
melhor explicado por outra doença psiquiátrica.

E. Ausência de episódios de mania ou hipomania.


Critério A
1. Humor deprimido na maior parte do dia, quase todos os dias. (Em crianças e
adolescentes pode ser humor irritável)
2. Diminuição do interesse ou do prazer em todas ou quase todas as atividades
na maior parte do dia, quase todos os dias.
3. Alteração de mais de 5% do peso corporal em um mês sem estar fazendo
dieta ou alteração do apetite quase todos os dias. (Em crianças pode ser o
insucesso em ganhar o peso esperado)
4. Insônia ou hipersônia quase todos os dias.
5. Agitação ou retardo psicomotor quase todos os dias - observável por outros.

6. Fadiga ou perda de energia quase todos os dias


7. Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva ou inapropriada quase todos os
dias.
8. Capacidade diminuída para pensar ou se concentrar ou indecisão, quase
todos os dias
9. Pensamentos recorrentes de morte, ideação suicida com ou sem plano ou
tentativa de suicídio.
• Nota: Não incluir sintomas nitidamente decorrentes de outra condição
Tratamento

• Objetivo: REMISSÃO COMPLETA • Fase de manutenção: evitar


recorrência, em pacientes que possuem
• 3 fases: aguda, de continuação e risco.
manutenção.
• Qual medicamento? Duas principais
• Fase aguda: 2-3 meses. Objetivo: classes: Tricíclicos e Inibidores seletivos
diminuição dos sintomas ou remissão da recaptação de serotonina(ISRS).
do quadro (ideal). (Existem outras.)

• Fase de continuação: 4-6 meses. • Em Depressão leve, não é indicada o


Objetivo: manter a melhora e evitar tratamento farmacológico. Somente
recaídas. Ao final dessa fase, se houver psicoeducação, exercício físico,
permanência da melhora: paciente acompanhamento semanal do
recuperado do episódio-índice. paciente, psicoterapia quando possível.
Diagnóstico diferencial

• Luto : pode conter os sintomas descritos


em "A". Pode ocorrer os dois e este pode
inclusive desencadear um episódio
depressivo.

• Episódios maníacos com humor irritável


ou episódios mistos.

• Transtorno do humor devido a outra


condição médica.

• Transtorno de déficit de atenção/


hiperatividade.

• Transtorno de adaptação com humor


deprimido

• Tristeza (eu não inventei isso)


Luto vs Depressão

• Luto: • Episódio Depressivo Maior:


• Afeto: sentimentos de vazio e perda. • Afeto: humor deprimido persistente e
incapacidade de antecipar felicidade ou prazer.
• "Dores do luto": disforia diminui de intensidade ao
longo de dias e semanas, ocorrendo em ondas
associadas a pensamentos ou lembranças do • Humor mais persistente e não está ligado a
falecido. pensamentos ou preocupações específicos.

• Pode vir acompanhado de emoções e humor • Infelicidade e angústia características sem


positivos. emoções ou humor positivo.

• Pensamento: conteúdo de preocupação com • Pensamento: conteúdo de ruminações


pensamentos e lembranças do falecido. autocríticas ou pessimistas.
• Autoestima costuma estar preservada. Se estiver • Autoestima: Sentimentos de desvalia e aversão a
comprometida , costuma envolver a percepção de si mesmo.
falhas em relação ao falecido (p. ex., não ter feito
visitas com frequência suficiente, não dizer ao
falecido o quanto o amava). • Pensamento de morte: foco em acabar com a
própria vida por causa dos sentimentos de
• Pensamento de morte: foco no falecido e desvalia, de não merecer estar vivo ou da
possivelmente se unir a ele. incapacidade de enfrentar a dor da Depressão.
Risco de Suicídio!

• A possibilidade de comportamento suicida existe


permanentemente durante os episódios depressivos maiores.

• Perguntar sobre suicídio NÃO faz o paciente pensar sobre.

• Fatores de risco para tentativas:

• Tentativas prévias

• Ameaças (são os dois mais importantes, NUNCA deixe de levar a


sério uma ameaça suicida)

• Transtorno de personalidade borderline

• Sexo feminino tenta mais

• Suicídio completado:

• A maioria dos suicídios completados não é precedida por tentativas


sem sucesso.

• Sexo masculino tem mais sucesso

• Ser solteiro

• Viver sozinho
Como lidar com um risco iminente
de suicídio?

• Escuta empática e não


julgadora.

• Envolver família e/ou


pessoas próximas ao
paciente.

• Melhor tratamento?
DISTIMIA
Transtorno depressivo persistente (distimia)

! O conceito foi criado


por Robert
Spitzer como um
substituto para o termo
"personalidade
depressiva" no final de
1970
Definição
! A Distimia é um estado
grave de depressão
crônica, que persiste
por pelo menos dois
anos (ou um ano para
crianças e adolescentes).
A Distimia é menos
aguda e severa do que
o Transtorno depressivo
maior.
Características
! Baixa energia e motivação,
baixa auto-estima e
incapacidade de encontrar
satisfação nos afazeres do
dia-a-dia.
! Ela, na forma leve, pode
resultar em pessoas que
evitam o estresse para
assim evitar
oportunidades de falha.
 Essas pessoas geralmente
encontram prazer em
atividades e passatempos
pouco usuais.
Dificuldades no diagnóstico
! O diagnóstico de distimia
pode ser difícil devido à
natureza sutil dos sintomas e
os pacientes muitas vezes
podem escondê-los em
situações sociais, tornando
desafiador para os outros
detectarem seus sintomas.
Adicionalmente, a distimia
ocorre frequentemente junto
a outros distúrbios
psicológicos. Além disso a
pessoa pode interpretar a
doença como parte da
personalidade dela.
Tratamento da distimia
! ISRS associados à
Terapia Cognitiva-
Comportamental (TCC)
é o tratamento mais
eficaz.
TRANSTORNO BIPOLAR
Transtorno Bipolar

• Pacientes com humor elevado, irritabilidade,


impulsividade , aumento de energia raramente buscam
o médico por conta própria, uma vez que é comum ter
o juízo crítico alterado nesse quadro.

• 25% dos pacientes com Depressão Maior refratária ou


resistente ao tratamento.

• São dois tipos e o tipo II não é uma atenuação do tipo I


desde o DSM-V em razão da quantidade de tempo que
pessoas com essa condição passam em depressão e pelo
fato de a instabilidade do humor vivenciada ser
tipicamente acompanhada de prejuízo grave no
funcionamento profissional e social.

• Bipolar tipo I = Mania

• Bipolar tipo II = Hipomania

• É como se o tipo II tivesse uma distimia, um


rebaixamento de humor muito mais constante, o que
tornaria os seus episódios de elevação de humor menos
exuberantes.
Diagnóstico

• Bipolar tipo II: presença de pelo menos um


• Bipolar tipo I: presença de um episódio hipomaníaco e ausência de episódios de
episódio maníaco pelo menos. Esse mania.
episódio pode ser sucedido ou • A. Foram atendidos os critérios para pelo menos
precedido de episódios depressivos um episódio hipomaníaco (Critérios A-F em
e/ou hipomaníacos. Hipomania” descritos posteriormemte).

• B. Jamais houve um episódio maníaco.


• A. Foram atendidos os critérios
para pelo menos um episódio • C. A ocorrência do(s) episódio(s) hipomaníaco(s) e
depressivo(s) maior(es) não é mais bem explicada
maníaco (Critérios A-D em por outros transtornos.
“Mania” descritos posteriormente).
• D. Os sintomas de depressão ou a
imprevisibilidade causada por alternância
• B. A ocorrência do(s) episódio(s) freqüente entre períodos de depressão e
maníaco(s) e depressivo(s) maior(es) hipomania causam sofrimento clinicamente
não é mais bem explicada por significativo ou prejuízo no funcionamento social,
profissional ou em outra área importante da vida
outros transtornos. do indivíduo.
Mania Hipomania
A. Humor anormal e persistentemente elevado, expansivo ou irritável e aumento anormal e
persistente da atividade dirigida a objetivos ou da energia. Duração > 6 dias e presente na maior
parte do dia, quase todos os dias (ou qualquer duração, se a hospitalização se fizer necessária).
B. 3 ou mais desses:
1. Autoestima inflada ou Grandiosidade
2. Redução da necessidade de sono
3. Mais loquaz que o habitual ou pressão para continuar falando
4. Fuga de ideias ou experiência de pensamentos acelerados
5. Distratibilidade relatada ou observada
6. Aumento da atividade dirigida a objetos ou agitação psicomotora
7. Atividades com elevado potencial para consequências dolorosas
C. O episódio está associado a mudança no
funcionamento normal do indivíduo.
C. Prejuízo acentuado no funcionamento social D. Episódio notado por outros.
ou profissional ou necessitade de hospitalização a E. Não há prejuízo acentuado no funcionamento
fim de prevenir danos a si mesmo ou a outras social ou profissional ou necessidade de
pessoas, ou existem características psicóticas. hospitalização. Existindo
características psicóticas, por definição, o
episódio é maníaco.
D/F. O episódio não é atribuível aos efeitos fisiológicos de uma substância.
Tratamento

• Estabilizador de humor + vínculo


médico paciente são os tratamentos mais
importantes. O vínculo evita o
abandono do tratamento, que é muito
comum no transtorno.

• Estabilizador de humor: para ser


considerado estabilizador de humor, um
fármaco tem que ser eficaz na mania,
nos estados mistos, tratar depressão
aguda bipolar, reduzir a frequência e/ou
a gravidade de recorrências maníacas e/
ou depressivas, não piorar mania nem
depressão, não induzir mudanças do
humor nem ciclagem rápida.

• O que melhor faz isso: Lítio.


Kurt Cobain, bipolar, que se suicidou após suspensão
por conta própria do Lithium (Carbonato de Lítio)
Música Lithium - Nirvana
UM COMENTÁRIO SOBRE:
ELETROCONVULSOTERAPIA
Tortura? Aplicação?

• Depressões graves, com alto risco de


suicídio (pela rapidez da resposta, que
aumenta a segurança para o paciente);

• Depressões que não respondem ao


tratamento com antidepressivos (cerca de
50% melhoram com a ECT);

• Anestesia Geral • Episódios de mania grave ou que não


respondem ao tratamento medicamentoso
• Relaxante muscular (pela rapidez de resposta);
• Oxigênio • Depressões graves ou episódios de mania
em gestantes ( segurança para o feto, não
• Tratamento biológico mais efetivo para oferece risco de malformações, e para a
depressão ! Mais que medicações . gestação);
Remissão de 50 a 80%. Pode entrar
como tratamento em qualquer uma das 3 • Idosos que têm outras doenças clínicas.
fases
CASO CLÍNICO
Relato de caso

• Paciente sexo masculino, 37 anos, tabagista, etilista


crônico com tentativa de suicídio por tiro no peito,
relata ter sido por se sentir um "peso" para os outros
e relatar que estariam melhor assim. Episódios de
Humor deprimido, perda de interesse e de prazer
nas atividades diárias, diminuição da autoestima e
da autoconfiança, sentimento de culpa e inutilidade,
visão pessimista do futuro, insônia e perda de
apetite de duração maior que duas semanas. Nesses
períodos, não trabalha.
Diagnóstico?
Relato de caso

• Relata vários episódios prévios de humor irritável,


agressivo, impulsivo e imprevisível de duração desde
alguns dias até várias semanas com necessidade de
internações. O primeiro episódio que se recorda, ocorreu
18 meses antes da tentativa de suicídio, no qual chegou a
perseguir um amigo com uma:: lâmina de barbear devido
a delírios (sic). Relata , ainda, períodos que sente que seu
pensamento está muito acelerado, aumentando sua
produtividade no trabalho. Além disso, há certo fanatismo
por seu trabalho, deixando de comer e de dormir para
realizá-lo. Comportamento autodestrutivo. HF de
transtornos psiquiátricos.
E agora, diagnóstico?
É Lupus!
Vincent Van Gogh

• "Alguns dias ainda sofro involuntários ataques de excitação nervosa ou


de tristeza total, mas isso vai passar, e quando passar, fico mais
tranquilo. Vou esperar meus nervos ficarem estáveis."

• "Como diretor do asilo de Saint-Rémy, certifico e assino que van


Gogh (Vincent), 36 anos de idade, nascido na Holanda e domiciliado
atualmente em Arles, tendo sido tratado no hospital daquela cidade,
apresenta mania aguda e alucinações visuais e auditivas que o levaram
à automutilação, cortando a orelha. Atualmente parece recuperado,
mas ele refere não apresentar coragem e força para a vida
independente e, voluntariamente, solicita a admissão nesta
instituição."(Dr. Peyron, 9 de maio de 1889)

• Quadro muito mais complexo simplificado para fins didáticos.


Diagnóstico dele é controverso. Transtorno esquizoafetivo? Bipolar
tipo 1 com transtorno de personalidade esquizotípico? Menos
prováveis: Epilepsia, Neurossífilis.

• No primeiro episódio maníaco, cortou parte ou toda sua orelha, após


briga com Gauguin , seu amigo com quem vivia em Arles.

• Morreu 30 horas após atirar no próprio peito.

• O que teria acontecido se ele tivesse encontrado um tratamento


adequado? Qual seria o impacto na arte ?
“Após a experiência dos ataques repetidos,
convém-me a humildade. Assim pois: paciência.
Sofrer sem se queixar é a única lição que se deve
aprender nesta vida."

“Penso que não há nada mais artístico do que


amar as pessoas."

–Vincent Van Gogh