Você está na página 1de 24

Classes de Palavras e seus empregos.

F: http://dicasdiariasdeportugues.com.br/wp-content/uploads/2015/05/5-estude-as-classes-de-palavras-fa
%C3%A7a-o-download-do-ANEXO-05.pdf

SUBSTANTIVOS
ADJETIVOS
ARTIGOS
VERBOS

São variáveis:
PRONOMES
NUMERAIS

São variáveis e invariáveis:


ADVÉRBIOS
PREPOSIÇÕES
INTERJEIÇÕES
CONJUNCÕES

São invariáveis:
SUBSTANTIVOS
ADJETIVOS
ADVÉRBIOS

Artigo
f: http://www.portuguesxconcursos.com.br/p/emprego-das-classes-artigo.html

O artigo integra as dez classes gramaticais que conhecemos. É definindo como o termo que
antepõe o substantivo para determinar o gênero(masculino/feminino) e
o número (singular/plural), de modo definido ouindefinido.

Artigos definidos – o, a, os, as.

Artigos indefinidos – um, uma, uns, umas.

Você me empresta a caneta azul?

a -> Determina que o nome a que se refere será feminino e singular.(Qual

caneta? Uma definida na frase, a azul.)

Você me empresta a caneta?


(Qual caneta? Uma definida no contexto dos interlocutores, ex: a caneta que está em

mãos / uma caneta sobre a qual conversaram.)

Vai me devolver as canetas?

as -> Determina que o nome a que se refere será feminino e plural.(Quais canetas?

Canetas definidas em momento anterior pelos interlocutores.)

Você me empresta uma caneta?

uma -> Determina que o nome a que se refere será feminino e singular.(Qual caneta?

Qualquer caneta, uma indefinida.)

Você me empresta uma caneta azul?

(Qual caneta? Uma caneta azul qualquer, indefinida, isto é, não precisa ser uma

caneta azul específica).

-Ficou sabendo que elefantes atacaram um carro e apertaram abuzina?

-Por que os elefantes atacaram os carros?

Observe que na primeira oração do diálogo, "elefantes" é usado sem artigo, isto é,em

sentido genérico; "carro" está indefinido e "buzina" está definida, pois se refere à uma

específica, a do carro. Já na segunda oração, "elefantes" e "carros" estão definidos, trata-

se daqueles citados na oração anterior.


Uma vez elucidadas tais características, constatemos algumas circunstâncias especiais em

que os artigos se manifestam:

Alguns nomes próprios indicativos de lugar admitem o uso do artigo, outros não:

São Paulo

O Rio de Janeiro

Veneza

A Bahia

Usa-se o artigo depois do pronome indefinido todo (o/a) para conferir uma ideia de

totalidade. Sem o uso do artigo, o pronome assume a noção de qualquer.

Toda a classe parabeniza o professor. (a totalidade da sala)

Toda classe parabeniza o professor. (qualquer sala)

Todo o time foi premiado. (os jogadores do time)

Todo time foi premiado. (qualquer time)

Pode também indicar toda uma espécie:

O trabalho dignifica o homem.

A utilização do artigo indefinido pode indicar uma ideia de aproximação numérica:

O máximo que ele deve ter é uns vinte anos.

O artigo também é usado para substantivar palavras oriundas de outras classes gramaticais:

Não sei o porquê de tudo isso.

A casa é perfeita, tem apenas um senão.


Considera-se obrigatório o uso do artigo depois do numeral “ambos”:

Ambos os garotos decidiram participar das olimpíadas.

Antes de pronomes possessivos, o uso do artigo é facultativo:

Adoro o meu vestido longo.

Adoro meu vestido longo.

OBS: Como consequência, a ocorrência de crase antes de pronomepossessivo feminino é

facultativa:

Vou a minha escola. (artigo ausente)

Vou à (a+a) minha escola. (artigo presente)

Outra consequência é que palavras antecedidas por crase são sempre determinadas. Caso

seja removido o sinal de crase, a palavra deverá ser tomada em sentido genérico.

Não assisto à (a+a) novela. (determinada novela)

Não assisto a novela. (Nenhuma novela)

No caso de nomes próprios personativos, denotando a ideia de familiaridade ou afetividade,

é facultativo o uso do artigo:

Maria é a xodó da família.

A Maria é a xodó da família.

OBS: O uso da crase será facultativo neste caso, tal qual o caso anterior.

Contei tudo à (a+a) Maria. (Existe familiaridade ou afetividade)

Contei tudo a Maria. (Maria não é próxima)

Fiz homenagem à Joana D’arc. (Errado)

Fiz homenagem a Joana D’arc. (Certo)


Numeral
f: http://www.portuguesxconcursos.com.br/p/emprego-das-classes-numeral.html

Numeral é uma das palavras que se relaciona diretamente ao substantivo, dando a ideia de

número.

Cardinais Ordinais Multiplicativos Fracionários


um primeiro - -
dois segundo dobro, duplo meio
três terceiro triplo, tríplice terço
quatro quarto quádruplo quarto
cinco quinto quíntuplo quinto
seis sexto sêxtuplo sexto
sete sétimo sétuplo sétimo
oito oitavo óctuplo oitavo
nove nono nônuplo nono
dez décimo décuplo décimo
onze décimo primeiro - onze avos
doze décimo segundo - doze avos
treze décimo terceiro - treze avos
catorze décimo quarto - catorze avos
quinze décimo quinto - quinze avos
dezesseis décimo sexto - dezesseis avos
dezessete décimo sétimo - dezessete avos
dezoito décimo oitavo - dezoito avos
dezenove décimo nono - dezenove avos
vinte vigésimo - vinte avos
trinta trigésimo - trinta avos
quarenta quadragésimo - quarenta avos
cinquenta quinquagésimo - cinquenta avos
sessenta sexagésimo - sessenta avos
setenta septuagésimo - setenta avos
oitenta octogésimo - oitenta avos
noventa nonagésimo - noventa avos
cem centésimo cêntuplo centésimo
duzentos ducentésimo - ducentésimo
trezentos trecentésimo - trecentésimo
quatrocentos quadringentésimo - quadringentésimo
quinhentos quingentésimo - quingentésimo
seiscentos sexcentésimo - sexcentésimo
setecentos septingentésimo - septingentésimo
oitocentos octingentésimo - octingentésimo
nongentésimo ou
novecentos - nongentésimo
noningentésimo
mil milésimo - milésimo
milhão milionésimo - milionésimo
bilhão bilionésimo - bilionésimo

Emprego dos numerais


• Na designação de séculos, papas e reis usam-se:
de 1 a 10 – ordinais
Século V (quinto)
João Paulo II (segundo)
de 11 em diante – cardinais
Século XXI (vinte e um)
Bento XVI (dezesseis)

• Se o numeral estiver anteposto ao substantivo, lemos sempre como ordinal.


Participei do XI Congresso de Informática (décimo primeiro).
OBS: Em linguagem jurídica usa-se o ordinal até o nono. A partir do dez, usa-se cardinal.
Artigo segundo, parágrafo onze e artigo dez, parágrafo nono.

• Para designar dias do mês, utilizam-se os cardinais, exceto na indicação do primeiro dia, que
é tradicionalmente feita pelo ordinal:
Chegamos dia dois de setembro.
Chegamos dia primeiro de dezembro.

• Nos endereços de casas, usa-se o cardinal.


O número da minha casa é 99 (noventa e nove).
• Nas referências a páginas, usa-se o cardinal.
Leiam a página 22 (vinte e dois) do livro.

• O cardinal também é usado no sentido figurado, não expressando exatidão numérica.


Já bati nessa tecla mil vezes.

• Ambos ou Ambas e Zero são considerados numerais cardinais. Ambos(as) significa "um e
outro", "os dois" (ou "uma e outra", "as duas") e são largamente empregados para retomar
pares de seres aos quais já se fez referência.
Pedro e João parecem ter finalmente percebido a importância da
solidariedade. Ambos agora participam das atividades comunitárias de seu bairro.
OBS: A forma "ambos os dois" é considerada enfática.

OBS: Em relação à grafia, alguns numerais apresentam mais de uma forma.


quatorze ou catorze
décimo primeiro, undécimo ou onzeno
décimo segundo, duodécimo ou dozeno
décimo terceiro, tredécimo, trezeno ou tércio-décimo
septuagésimo ou setuagésimo
septingentésimo ou setingentésimo

nongentésimo ou noningentésimo
bilhão ou bilião
trilhão ou trilião

OBS: milhão e milhares são palavras masculinas.


Os milhares de pessoas chegaram.
Os milhões de mulheres chegaram.

Distinção entre “um” numeral e “um” artigo


Na prática, descobre-se que "um" é numeral cardinal quando estiver acrescido de termo que
indica quantificação ("apenas", "único", "suficiente").
Um único homem consegue erguer isso. (numeral)
Um homem é suficiente para erguer isso. (numeral)
Basta um homem para erguer isso. (numeral)
Um homem consegue erguer isso. (artigo)

Coletivos Numéricos
São aqueles que designam conjuntos:

Pronome
f: http://www.portuguesxconcursos.com.br/p/emprego-das-classes-pronome.html
Questões: https://www.qconcursos.com/questoes-de-concursos/questoes/search?utf8=%E2%9C
%93&todas=on&q=pronomes&instituto=&organizadora=&prova=&ano_publicacao=&cargo=&e
scolaridade=&modalidade=&disciplina=&assunto=&esfera=&area=&nivel_dificuldade=&periodo
_de=&periodo_ate=&possui_gabarito_comentado_texto_e_video=&possui_comentarios_gerais=&
possui_comentarios=&possui_anotacoes=&sem_dos_meus_cadernos=&sem_anuladas=&sem_des
atualizadas=&sem_anuladas_impressao=&sem_desatualizadas_impressao=&caderno_id=&migalh
a=&data_comentario_texto=&data=&minissimulado_id=&codigo=33a66b8b-
86&resolvidas=&resolvidas_certas=&resolvidas_erradas=&nao_resolvidas=

Pronome é classe de palavra (variável em gênero, número e pessoa) que


acompanha ou representa o substantivo, serve para apontar uma das três
pessoas do discurso e situá-lo no espaço e no tempo. O pronome pode
funcionar como:

Pronome adjetivo: quando é modificador de substantivo.


Esta casa é antiga. (Não é qualquer casa, é esta.)
|____↑

Pronome substantivo: quando representa um substantivo.


Paulo é o melhor aluno, ele gabarita provas.
↑____________________|

1 - Pronome Pessoal

Pronomes pessoais são termos que substituem ou acompanham o


substantivo e determinam as pessoas do discurso, que são:

1ª pessoa…………a que fala


2ª pessoa…………com quem se fala
3ª pessoa…………de quem se fala

Classificam-se como:

Retos: atuam como sujeito da oração;


Oblíquos: atuam como complemento (objeto direto ou indireto).

Pronomes Pessoais do Caso Reto


Singular Plural
1ª pessoa Eu Nós
2ª pessoa Tu Vós
3ª pessoa Ele/Ela Eles/Elas

Eu apreciarei o fervor do torcedor.


Nós honraremos o clamor do tricolor.
Tu serás o artilheiro.
E ele será um paredão.
Vós sereis os guerreiros
que eles nunca esquecerão.

Pronomes Pessoais do Caso Oblíquo

Pessoas do
Átonos Tônicos
discurso
1ª pessoa me mim, comigo
Singular 2ª pessoa te ti, contigo
3ª pessoa se, o, a, lhe si, ele, consigo
1ª pessoa nos nós, conosco
Plural 2ª pessoa vos vós, convosco
3ª pessoa se, os, as, lhes si, eles, consigo

Pronomes oblíquos podem ser átonos, quando não estão


acompanhados por preposição ou tônicos, em caso contrário.
A torcida o amaldiçoou por todo o jogo.
Indaguei-lhe sobre o gol mal anulado.
[o, lhe = oblíquo átono da 3ª pessoa do singular]

Indaguei a ele sobre o gol mal anulado.


Os árbitros carregarão a culpa consigo.
[ele, consigo = oblíquo tônico da 3ª pessoa do singular]

Pronomes oblíquos podem exercer função de objeto direto ou indireto.


Os jogadores nos respeitam. (respeitam-nos)
[quem respeita, respeita alguém.]

Os jogadores nos obedecem. (obedecem a nós)


[quem obedece, obedece a alguém]

O adversário me atingiu com força. (atingiu-me)

[quem atinge, atinge algo ou alguém]

O adversário me visou na jogada. (visou a mim)

[quem visa(procura), visa a alguma coisa]

O goleiro machucou-se.

[quem machuca, machuca alguém]

O goleiro impôs-se uma dieta rígida. (impôs a si)

[quem impõe, impõe algo a alguém]

OBS: A combinação entre alguns pronome e a preposição com originou


as formas especiais comigo, contigo, consigo, conosco e convosco, as
quais costumam exercer função de adjunto adverbial de companhia.
Ele carregava o documento consigo.

As formas [conosco] e [convosco] são substituídas por [com nós] e


[comvós] quando os pronomes pessoais são enfatizados por palavras
como: outros, mesmos, próprios, todos, ambos ou algum numeral.

Você terá de viajar com nós todos.


Estive com vós outros nos piores momentos.
Ele disse que iria com nós três.
<eu> ou <mim> ?

Lembre-se que o pronome oblíquo <mim> é tônico e, portanto, só


ocorrerá quando houver preposição, mas observe a quem a preposição
se refere, se for a um verbo, use <eu>; se for ao complemento, use
<mim>. Saiba mais em:

http://portuguesxconcursos.blogspot.com.br/p/emprego-das-
classes-preposicao.html

Associação de pronomes oblíquos a verbos:


Verbo terminado e
+ Oblíquo Resultado
m:
a la
-r
as las
-s
o lo
-z
os los

Marcos quer surpreender a namorada dele.


Marcos quer surpreendê-la.

Associação de pronomes oblíquos a verbos:


Verbo terminado e
+ Oblíquo Resultado
m:
a na
ditongo nasal as nas
-am, -em, -ão, -õe o no
os nos

Enviaram relatórios para o presidente.


Enviaram-nos para o presidente.

Os pronomes pessoais do caso oblíquo podem indicar reflexividade, no


sentido de indicar que a ação praticada pelo sujeito reflete nele mesmo.
Trata-se dos pronomes reflexivos.
Eu não me orgulho disso.
Olhei para mim no reflexo da água. (Eu)
Tu te condenas mais e mais.
Conheça a ti mesmo. (Tu)
Atirou-se aos pés do pai. (Ele/Ela)
Ela impôs a si uma meta difícil.
Conversava consigo mesma. (Ela)
Banhamo-nos nas águas rejuvenescedoras. (Nós)
Vós vos esquecestes daquele homem.
Eles se perderam pela floresta.

Em algumas circunstâncias, os pronomes reflexivos “nos, vos e se”,


indicam que houve uma ação <entre> os elementos do sujeito. Neste
caso, são chamados de reflexivos recíprocos (ou apenas recíprocos).
Eu e ele nos cumprimentamos.
Tu e ele vos tornardes servos fiéis.
Os meninos se ajudavam frequentemente.

OBS: Pode haver ambiguidade em alguns casos. Exemplo:

João e Maria enganaram-se.

Não sabemos, com certeza, se cada um enganou-se ou enganaram um


ao outro. Para eliminar a ambiguidade, pode-se acrescentar:
Para enfatizar ação reflexiva:
a si mesmos, a nós mesmos, a vós mesmos
Para enfatizar ação recíproca.
um ao outro, uns aos outros, entre si, reciprocamente, mutuamente

João e Maria enganaram a si mesmos.


João e Maria enganaram-se um ao outro.
João e Maria enganaram-se entre si.
João e Maria enganaram-se mutuamente.

Pronomes de tratamento

São aqueles que substituem a terceira pessoa gramatical. Alguns são


usados em tratamento cerimonioso e outros em situações de intimidade.

 senhor (Sr.), senhora (Srª.) : tratamento de respeito


 senhorita (Srta.) : moças solteiras
 você (v.) : tratamento familiar (origem: Vossa Mercê; Mercê =
graça, no sentido de benesse)
 Vossa Senhoria (V.Sª.) : para pessoa de cerimônia
 Vossa Excelência (V.Exª.) : para altas autoridades
 Vossa Reverendíssima (V. Revmª.) : para sacerdotes
 Vossa Emiência (V.Emª.) : para cardeais
 Vossa Santidade (V.S.) : para o Papa
 Vossa Majestade (V.M.) : para reis e rainhas
 Vossa Majestade Imperial (V.M.I.) : para imperadores
 Vossa Alteza (V.A.) : para príncipes, princesas e duques

Os pronomes de tratamento que começam com "vossa" fazem referência


à qualidade da pessoa. Neste sentido, "Vossa Santidade" é uma
referência à santidade que há no Papa, não está o substituindo por
"santidade". Deste modo, os verbos ligados aos pronomes de tratamento
devem estar na 3ª pessoa, concordando em gênero e número com a
pessoa de quem ou com quem se está falando.
Vossa Excelência já terminastes a audiência? (errado)
Vossa Excelência já terminou a audiência? (correto)
Quando fazemos referência a pessoas que
merecem tais tratamentos,utilizamos o pronome "sua". Utilize o pronome
"Vossa" apenas quando tratar diretamente com tais pessoas..
Vossa Excelência já terminou a audiência? (perguntando à pessoa)
Sua Excelência já terminou a audiência? (perguntando sobre a pessoa)

Lembre-se!

"Doutor" não é um pronome de tratamento, é título acadêmico. De


modo geral, evite utilizá-lo com profissionais tais como médicos,
advogados, enfermeiros e veterinários que tenham apenas terminado a
graduação. Para estes casos, pela regra geral, o correto é "senhor".

No entanto, havendo consentimento das partes, qualquer um pode ser


chamado de qualquer coisa. Deste modo, não é um erro utilizar
"doutor"se houver consentimento das partes (assim como
usamos "mestre" em "mestre de obras", "mestre-sala", para o "mestre"
que é educador..., masexigir ser tratado por um título que não possui, ou
aplicar tal título em documentos oficiais, é uma demonstração de falta de
conhecimento.

2 - Pronomes Possessivos
Indicam posse. Estabelecem relação entre a pessoa do discurso e algo
que lhe pertence.
Singular Plural
1ª pessoa meu(s), minha(s) nosso(s), nossa(s)
2ª pessoa teu(s), tua(s) vosso(s), vossa(s)
3ª pessoa seu(s), sua(s) dele(s), dela(s)

3 - Pronomes Demonstrativos
Indicam a posição de algo em relação às pessoas do discurso.
Singular Plural
1ª pessoa este, esta, isto estes, estas
2ª pessoa esse, essa, isso esses, essas
3ª pessoa aquele, aquela, aquilo aqueles, aquelas

Pronomes Espaço Tempo Ao dito Enumeração


Perto de Presente Referente ao Referente ao
este(s) quem fala. que ainda último
esta(s) (1ª pessoa) não foi dito. elemento
isto citado em uma
enumeração.
Não Neste ano, Isto é o que nos A mulher e o
gosteidesta pintura viajei para a reserva: a vida homem têm
Exemplo: aqui. Espanha. eterna. sorte,
mas estetem
mais.
esse(s), Perto de quem Passado ou Referente aquilo
essa(s) ouve. (2ª pessoa) futuro que já foi dito.
isso próximo
Não gostei Nesse mês, Ela conseguiu
dessa realizei / passar no
Exemplo: pintura que está realizarei vestibular. Issonã
admirando. bons o me deixou
negócios. surpreso.
Perto da 3ª pessoa. Passado ou Referente ao
aquele(s), futuro primeiro
aquela(s), remotos elemento
aquilo citado em uma
enumeração.
Não gostei Naquele ano A mulher e o
daquela profético, homem têm
pintura próxima ao começou / sorte,
Exemplo
guia. começará masaquela tem
uma guerra menos.
mundial.
4 - Pronomes Indefinidos
São imprecisos, vagos. Referem-se à 3ª pessoa do discurso, dando-lhe
sentido vago (impreciso) ou expressando quantidade indeterminada. De
acordo com o contexto, os pronomes indefinidos podem ser
substantivos ou adjetivos.
Algo Fulano Quem
Indefinido Alguém Beltrano Nada
Substantivo Ninguém Cicrano Tudo
Outrem
Indefinido Certo(s)
Cada
Adjetivo Certa(s)
Bastante(s) Demais Qual
Mais Quanta(s) Que
Indefinido
Menos Tal, Tais Todo(s), Toda(s)
Substantivo
Tanto(s) Um(s) Vários
ou
Tanta(s) Uma(s) Várias
Adjetivo
(dependendo Outro(s) Pouco(s) Qualquel
do contexto) Outra(s) Pouca(s) Quaisquer
Algun(s) Nenhum Muito(s)
Alguma(s) Nenhuma Muita(s)
Cada qual
Qualquer um Todo aquele(que)
Cada um
Locução
Tais e tais Tal qual Tal e /ou qual
Pronominal
Seja qual for Uma ou outra Nenhuma nemOutra
Indefinida
Quem quer
Seja quem for Quantos quer (que)
que

Pronome Indefinido Substantivo


Assumem o lugar do ser ou da quantidade aproximada de seres na frase.
No exemplo seguinte, não é difícil perceber que <Alguém> indica uma
pessoa de quem se fala (uma terceira pessoa, portanto) de forma
imprecisa, vaga. É uma palavra capaz de indicar um ser humano que
seguramente existe, mas cuja identidade é indefinida.
Alguém entrou no santuário sem permissão.
Quem avisa amigo é.
Algo o incomoda?

Pronome Indefinido Adjetivo


Qualificam um nome.
Cada povo tem a sua história.
Certos homens são mais honrados.
Certas pedras são mais brilhantes.

Outros pronomes indefinidos podem ser substantivos ou adjetivos,


conforme o contexto:
Alguns têm senso de humor. (Substantivo)
Alguns homens têm senso de humor. (Adjetivo)

Diferenças entre pronome indefinido e advérbio

Algumas palavras como <muito, pouco, mais, menos, bastante, demais>


podem ser pronome indefinido ou advérbio.

Para realizar a diferenciação, basta verificar que os pronomes indefinidos


equivalentes variam em número ou gênero, mas os advérbios não
admitem tal variação (exceto <todo> com sentido de
<completamente>).

Fiquei muito cansado.


Ficamos muito cansadas.
Conclusão: muito é advérbio, não varia.

Como muito tomate. (pronome indefinido)


Como muitas frutas. (pronome indefinido)
Conclusão: muito é pronome, varia.

Percorri todo trajeto. (pronome indefinido)


Percorri toda jornada. (pronome indefinido)
Conclusão: todo é pronome, varia.

O roupão ficou todo molhado. (exceção)


Conclusão: todo com sentido de completamente é advérbio.

6 - Pronome Interrogativo
São empregados para formular perguntas diretas ou indiretas.

Quantos de vocês estudam diariamente?


Quem de vocês estuda diariamente?
Variáveis Invariáveis
Quanto(s)
Quanta(s) Que
Qual Quem
Quais

7 - Pronome Relativo

São os que, em geral, relacionam uma oração a um substantivo. Também


se classificam em variáveis e invariáveis.
Variáveis Invariáveis
o qual que
a qual quem
os quais onde
as quais
quanto(s)
quanta(s)
cujo(s)
cuja(s)

Os pronomes relativos estarão precedidos de preposição se a regência


assim determinar.
Havia condições a que nos opúnhamos.
(opor-se a)
Havia condições com que não concordávamos.
(concordar com)
Havia condições de que desconfiávamos.
(desconfiar de)
Havia condições - que nos prejudicavam.

Havia condições em que insistíamos.


(insistir em)

Quando o pronome relativo quem se refere a uma pessoa ou a umacoisa


personificada virá precedido de preposição.
João era o filho a quem ele amava.
Esse é o livro a quem prezo como companheiro.

Quando o relativo quem aparecer sem antecedente claro, é classificado


como pronome relativo indefinido.
Foi multado quem não parou no sinal vermelho.

O pronome relativo que pode ter por antecedente


os demonstrativos<o, a, os, as>.
Sei o que digo. (o pronome <o> equivale a <aquilo>)

Quando precedido de preposição monossilábica, emprega-se o


pronome relativo que. Com preposições de mais de uma sílaba, usa-se o
relativo o qual (e flexões).
Aquele é o machado com que trabalho.
Aquele é o empresário para o qual trabalho.

O pronome relativo cujo (e flexões) é relativo possessivo. Equivale a <do


qual, de que, de quem>. Deve concordar com a coisa possuída.

Cortaram as árvores cujos troncos estavam podres.

OBS: Não se usa artigo <o(s),a(s)> após o pronome cujo.

Aquelas são as mulheres cujos os maridos são fiéis. (errado)


Aquelas são as mulheres cujos maridos são fiéis. (correto)

Os pronomes quanto(s), quanta(s) são relativos quando seguem os


pronomes indefinidos tudo, todos ou todas.
Juntou tudo quanto pôde.

O relativo onde deve ser usado para indicar lugar e tem sentido
aproximado de <em que, no qual>.
Esta é a terra onde habito.

Colocação pronominal
É o estudo da colocação dos pronomes oblíquos átonos (me, te, se, o, a,
lhe, nos, vos, os, as, lhes) em relação ao verbo. Os pronomes átonos
podem ocupar três posições: antes do verbo (próclise), no meio
doverbo (mesóclise) e depois do verbo (ênclise).

Próclise – O pronome pode ser atraído por:


1. Palavras ou expressões
negativas: não, nunca, jamais, nada, ninguém,nem, de modo algum.
Nada me perturba.
Ninguém se mexeu.
De modo algum me afastarei daqui.
Ela nem se simportou com meus problemas.

2. Conjunções subordinativas: quando, se, porque, que, conforme,embor


a, logo.
Quando se trata de comida, ele é um “expert”.
É necessário que a deixe na escola.
Fiz a lista conforme me lembrava dos amigos sinceros.

3. Advérbios
Nem aqui se tem paz.
Sempre me dediquei aos estudos.
Talvez o veja na escola.
OBS: O pronome não será atraído se houver vírgula depois do advérbio,
pois, neste caso, usa-se ênclise.
Aqui, trabalha-se.

4. Pronomes demonstrativos, indefinidos e relativos.


Isso me traz muita felicidade. (demonstrativo)
Alguém me ligou? (indefinido)
A pessoa que me ligou era minha amiga. (relativo)

5. Em frases interrogativas.
Quanto me cobrará pela tradução?

6. Em frases exclamativas.
Isso me deixou muito decepcionado!

7. Em frase optativa (que exprime desejo, previsão).


Deus o abençoe.
Que o futuro lhe traga melhor sorte.

8. Com verbo no gerúndio antecedido de preposição em.


Em se plantando, tudo dá.
Em se tratando de beleza, ele é campeão.
9. Com formas verbais proparoxítonas.
Nós o desprezávamos.

Mesóclise
1. No futuro do presente (que vai acontecer)
Convidar-me-ão para a festa.

2. No futuro do pretérito (que ia acontecer, mas não aconteceu).


Convidar-me-iam para a festa.

OBS: Se houver uma palavra atrativa, a próclise terá preferência.


Não me convidarão para a festa.

Ênclise
1. Com o verbo no início da frase.
Entregaram-me as camisas.

2. Com o verbo no imperativo afirmativo.


Quero que vocês comportem-se.

3. Com o verbo no infinitivo impessoal.


Convém contar-lhe tudo.

4. Com o verbo no gerúndio.


Venceu, deixando-nos orgulhosos.
OBS: se o gerúndio vier precedido de preposição em ou de palavra
atrativa, ocorrerá a próclise:
Em se tratando de cinema, prefiro o suspense.
Assinou, não nos explicando seus motivos.

Colocação Pronominal nas locuções verbais


Verbo auxiliar + Particípio: o pronome deve ficar depois do verbo
auxiliar. Se houver palavra atrativa, o pronome deverá ficar antes doverbo
auxiliar.
Havia-lhe contado a verdade.
Não lhe Havia contado a verdade.

Verbo auxiliar + Gerúndio ou Infinitivo: se não houver palavra atrativa,


o pronome oblíquo poderá ficar depois do verbo auxiliar ou do verbo
principal.
Quero-lhe dizer o que aconteceu.
Quero dizer-lhe o que aconteceu.
Ia-lhe dizendo o que aconteceu.
Ia dizendo-lhe o que aconteceu.
OBS: Se houver palavra atrativa, o pronome oblíquo virá antes do verbo
auxiliar ou depois do verbo principal.
Não lhe quero dizer o que aconteceu.
Não quero dizer-lhe o que aconteceu.