Você está na página 1de 2

A REFORMA PROTESTANTE: PERGUNTAS E RESPOSTAS

Alderi Souza de Matos

1. Qual a importância da Reforma?

A Reforma Protestante foi importante para o cristianismo porque chamou a


atenção para verdades (doutrinas) e práticas bíblicas que haviam sido
esquecidas ou distorcidas pela Igreja Medieval. Não foi um movimento
inovador, mas restaurador das convicções e ênfases do cristianismo
original. Algumas de suas principais contribuições foram: retorno às
Escrituras; a centralidade de Cristo; a salvação vista como dádiva da graça
de Deus, a ser recebida por meio da fé; a Igreja não é a instituição ou a
hierarquia, mas o povo de Deus – cada cristão é um sacerdote.

2. A Reforma foi um movimento exclusivamente religioso?

Embora tenha sido um movimento predominantemente religioso, a Reforma


teve importantes ligações com as realidades econômicas, políticas e sociais
do século 16. Na área econômica, contribuíram para a Reforma fenômenos
como o fim do feudalismo, o desenvolvimento do capitalismo e a crescente
urbanização. Ao contrário da mentalidade católica medieval, os protestantes
tinham uma visão positiva do trabalho, do lucro e das ocupações
“seculares”. Suas concepções acerca da pobreza também eram diferentes.
Por outro lado, a Reforma foi um protesto contra a opulência da Igreja
Majoritária e suas contínuas interferências na economia das nações
européias (através de inúmeros impostos eclesiásticos e outros meios).

3. Qual a posição de Lutero quanto ao livre arbítrio?

Lutero negou o livre arbítrio no que diz respeito à salvação – o ser humano,
escravizado pelo pecado, não pode por si mesmo buscar a Deus. Todavia, o
livre arbítrio permanece intacto em relação a outras questões, como as
decisões comuns e as responsabilidades da vida cotidiana.

4. Por que existem tantas igrejas protestantes?

Lutero defendeu firmemente a sacerdócio universal dos fiéis, mas essa não
é a principal razão da existência de muitas igrejas evangélicas. A razão
maior está no princípio do “livre exame”, ou seja, o direito de todo cristão
de estudar por si mesmo as Escrituras, não ficando preso à autoridade da
Igreja ou a uma interpretação “oficial” da Bíblia.

5. Há necessidade de uma nova Reforma?

Existem muitas igrejas ditas “protestantes” ou “evangélicas” que, por terem


se afastado dos princípios básicos propostos pelos reformadores, realmente
necessitam de uma nova Reforma.

6. Como a Reforma contribuiu para o pensamento moderno?

A Reforma contribuiu para o pensamento moderno de muitas maneiras. Seu


questionamento do autoritarismo religioso medieval, sua ênfase à
participação responsável dos fiéis na vida e na direção das igrejas, seu
estilo participativo de liderança, sua valorização do trabalho e de toda e
qualquer ocupação honesta contribuíram para o fortalecimento de noções
como liberdade, democracia e solidariedade social. Os diferentes
reformadores e seus seguidores deram importantes contribuições nas áreas
da teologia, filosofia, política, sociologia e ética.

7. Que dizer da imagem negativa de Lutero?

Felizmente, essa imagem negativa de Lutero está em declínio. Atualmente,


mesmo historiadores católicos têm tido uma visão mais construtiva e
equilibrada do pensamento e da obra do reformador.

8. É correta a interpretação de Marx e Engels de que a Reforma foi


motivada por fatores sociais e econômicos?

Essa visão de Marx e Engels é parcial e inadequada. Lutero foi movido


acima de tudo por sua intensa experiência religiosa. Ele havia se tornado
um monge por preocupar-se com a sua salvação; porém, a sua vida
monástica só fez aumentar a sua insegurança espiritual. Foi então que
descobriu nas epístolas paulinas o ensino acerca da justificação pela fé.
Essa experiência libertadora, que trouxe paz ao seu coração, e as
convicções dela resultantes, foram o fundamento da sua obra como
reformador.

9. Lutero era aliado das elites?

Lutero era inteiramente popular, como demonstram fartamente os seus


escritos. Ele era um homem do povo, falava a linguagem do povo, por
vezes bastante áspera, e só ocasionalmente envolveu-se com os nobres,
por força das circunstâncias políticas da época.

10. É verdade que o reformador Lutero gostava de uma boa cerveja?

Lutero realmente gostava de comer e beber, por entender que essas eram
dádivas de Deus aos seus filhos.

11. Por que a Reforma teve diferentes manifestações?

A Reforma teve características distintas em outras partes da Europa por


vários motivos: as personalidades e ênfases dos outros reformadores, as
peculiaridades culturais das outras nações e as realidades políticas dessas
nações. Por exemplo, na Inglaterra a Reforma só implantou-se graças à
interferência decisiva de vários monarcas, como Henrique VIII, Eduardo VI
e, em especial, Elizabete I. Querendo agradar os seus súditos protestantes
e católicos, ela criou o anglicanismo, uma síntese de elementos dessas duas
tradições religiosas.