Você está na página 1de 1

Existem basicamente, quatro correntes que defendem pontos de vista diferentes com relação

ao início da vida humana e cada uma corresponde a uma etapa do processo embrionário.

1) Teoria da fecundação: defende que o início da vida começa com a fertilização.

2) Teoria da nidação: defende que o início da vida começa com a fixação do embrião no útero.

3) Teoria encefálica: defende que o início da vida começa com o início das atividades
neurológicas.

4) Teoria do Nascimento: defende que o início da vida começa com o nascimento.

Na minha opinião o desenvolvimento de um ser humano começa com a fertilização, processo


pelo qual duas células especializadas se unem para dar existência a um novo organismo
humano. Este é o ato inicial e fundamental para o desenvolvimento da vida humana. É óbvio
que sem a concepção não existem as etapas subsequentes.

Mesmo que haja fecundação in vitro, ainda é uma concepção.

Vejo o termo "pré-embrião" como um artifício utilizado em disputas políticas com intuíto de
relativizar e aliviar o peso ético e moral que o tema tráz consigo em busca de .

No entanto é preciso levar em consideração que os avanços científicos, dos quais somos os
maiores beneficiados, entram em conflito com a concepção clássica de quando inicia-se a vida
humana.

Enquanto a ciência não lança luz sobre esta questão, fico com o artigo 6º do Pacto
Internacional dos Direitos Civis e Políticos diz: "O direito à vida é inerente à pessoa humana.
Este direito deverá ser protegido pela lei. Ninguém poderá ser arbitrariamente privado de sua
vida" e a declaração

Não havendo dados científicos que comprovem a existência de um outro ponto específico,
entre a fecundação e o nascimento, que se possa dizer que ali começa a vida de um ser
humano, o aborto passa a ser uma questão puramente política, econômica e ideológica que
nos desumaniza e sua defesa é feita através do uso de artifícios que visam confundir e
convencer a opinião pública, evitando assim o debate dentro dos critérios científicos.