Você está na página 1de 110
Titulo original: La Part maudite Copyright © 1967 by Les Editions de Minuit, 7, rue Bernard-Palissy, Paris, Editoragao Coordenacao: Pedro Paulo de Sena Maduteira Traducao: Julio Castation Guimaries Reviséo tipogréfica: Gustavo Meyer Capa: José Tornel Direitos para a lingua portuguesa adquitides por IMAGO EDITORA LTDA., Av. N, Sra, de Copacabana, 330, 10? andar, tel.: 255-2715, que se reserva a propriedade des- ta tradugio, Impress no Brasil Printed in Brazil GEORGES BATAILLE A PARTE MALDITA Precedida de “A Nogio de Despesa” Série Logoteca Direcao de JavME SaLomao “Membro-Associado da Sociedade Brasileira de Psicanilise do Rio_de Janeiro. Membro da Associacao Psiquidtrica do Rio de Janeiro. Membro da Sociedade de Psicoterapia Analitica de Grupo do Rio de Janeiro. IMAGO EDITORA LTDA. Rio de Janeiro SUMARIO Introdugdo, — Bataille e 0 mundo A NOCGAO DE DESPESA Insuficiéncia do principio da utilidade cléssica © principio da perda : Produgao, toca e despesaimprodutiva ‘A despesa funcional das classes ricas A lua de classes 5 © Cristianismo e a Revolugio-...... A insubordinagio dos fatos materisis aavpones A PARTE MALDITA Prefacio PRIMEIRA PARTE, INTRODUGAO TEORICA. 1 — Sentido da economia geral 1. A dependéncia da economia em relado ao percurso da energia sobre o globo terrestre 2. Da necessidade de perder sem lucro 0 exce- dente de energia que no pode servir para 0 crescimento do sistema . 13 49 oT 7 58 1 —Leis SEGUNDA PARTE. OS DADOS HISTORICOS I. A pobreza dos organismos ou dos conjuntos limitados e 0 excesso de riqueza da natureza ‘A guerra encarada como uma despesa catas- trofica da energia excedente ... i da economia geral . A superabundéncia da energia bioquimica e © crescimento eos O limite do crescimento A pressio © primeiro efeito da pressio: a extenstio O segundo efeito da pressio: a dilapidacao ou 0 luxo ... Os trés luxos da natureza: a manducag morte e a reproducao sexuada . : A extensio pelo trabalho e pela técnica, e 0 Iuxo do homem A parte maldica Oposicado entre o ponto de vista “ ponto de vista “particular” .. : As salut da economia gral a “Conscién- cia de si” SOCIEDADE DE CONSUMO” 1 — Sacrificios e guerras dos astecas 1 2 ape Sociedade de consumo e sociedade de em preendimento © consumo na concepeao do mundo dos as- tecas ea 5 sacriticios htumanos do México Intimidade dos algozes e das vitimas Cardter religioso das guerras .. Do primado da religido ao primado da eficd- cia militar : O sacrificio o4 0 consumo A vitima maldita e sagrada 83 83 84 87 89 92 93 Il —A dadiva de rivalidade (0 “potlateh”) «+ 100 1. Importancia geral das dédivas ostentatérias na sociedade mexicana . vee 100 2. Os ricos e a prodigalidade ritual’ 101 3. 0 “pottaich”” dos indios do noroeste norte- americana... . 104 4. Teoria do “potlatch”": 6 paradoxo da “dé- diva" reduzida & “aquisicao” de um poder .. 105 $. Teoria do “‘potlatch"*: 0 contra-senso apa- rente das dédivas ... 107 6. Teoria do “potlatch” *: a aguisigéo da “posi 5a 108 7. Teoria do “pottatch’”': primeiras teis funda mentais a a 109 8. Teoria do “potlatch’: a ambigiiidade e a con- tradicao... 110 9. Teoria do “‘potlaich” *: 0 luxo ea miséria |) ALL TERCEIRA PARTE. OS DADOS HISTORICOS II. “A SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTO MILITAR E A SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTO RELIGIOSO” I — A sociedade conquistadora: o Ishi... 7 1. Dificuldade de dar um sentido @ religiao mu- culmana uy 2. As sociedades’ de consumo dos arabes antes da Hégira ... 120 3. 0 Isla nascente ou a sociedade reducida’ ao empreendimento militar + 122 4. O Isla tardio ow o retorno a estabilidade 126 It —A sociedade desarmada: 0 lamaismo .......... 128 1. As sociedades pacificas 128 2. O Tibet moderno e seu analista ingles 129 3. O poder puramente religioso do Dalai-lama 131 4. A impoténcia e a revolta do décimo-terceiro Dalai-lama... 133 A revolta dos monges contra uma tentativa de organizagdio militar... ceeeeeceee 1ST