Você está na página 1de 96
Oe wi DIRECAO hs « Pre ee caaony z CABOFRIOGUARAPAR OL) fo Viiteh im MUDAM.DE"CARA™:: dango =~ DKW-VEMAG trechos dificeis...a serra ingreme... are barro... quilémettos © quilémetros de estrada! Eo que 8'mais importante: no CANDANGO DKW-VEMAG 0 motorista féz Viagem segura © confortavel. ‘© moderno CANDANGO DKW-VEMAG possui tragao nas 4 rodas. E também sdmente om duas, com reduzida - para Metro de. profun uso em estradas’ menos dificois © nas buider protegiso cidades. Ambos contam com o podé® aia. ndac ofazer cs oso motor 1,000. = 0 CANDANGO DKW-VEMAG travessa cursos agua do até BALSA DE GUARUJA: UM PROBLEMA Prezado Diretor, ‘quero chamar a sua atengio para um fato bastante desagra- divel do qual sio vitimas, antes ou depois, todos os automobilistas ee le, as maravilhosas praias, etc. Quero falar do problema da balsa que vem arrstandose hi anos, sempre com promenas de solugdo, nunca cumpridas. Demora-se uma e até duas horas numa fila interminével para cencontrat-se um lugar numa das balsas que fazem o servigo, E en- ‘quanto se espera o nosto olbar cai distraldamente sBbre cartazes {que falam do melhoramento de tal cervigo, dizem que o niimero de carros transportados de Santos a Guarajé aumentou conside- Fivelmente, etc, ete, Naturalmente, tais cartazes nio se referem ‘90 tempo que se perde, ao nervosismo que se ganha © que falta ¢ planejamento, ¢ pessoal com boa vontade. Nao 4 asad que num sibado 2 tarde, um paseio tome vin problema. E’ necessirio que os responsiveis tomem providéncias. Que seja aumentado 0 mimero de balsas e organizado um servigo ypermanente de manuitengio perfeita e pari que qualquer com serto posta ser Feito imediatamente. ‘Que acha QUATRO RODAS — que esté fazendo tanto para © desenvolvimento do turismo nacional? Carlos de Souza Sto Paulo Achamos que 0 senhor tem razko. A carta fala por sie ndo necessita de comentarios. PERGUNTAS TECNICAS E RUMORES “Acabo de adquiric um carro Volkswagen com motor Porsche, Gostaria de saber como devo regular ésse motor € como encontrar © mancal do mesmo", Fernando Roberto de Faria Rio de Janeiro QUATRO RODAS the aconsetha procurar na Rio Motor (re- veniledor Volkswagen), & Rua General Polidoro, 260, o Sr. Lutz. Tratase de um téenico muito competente que poderd orientélo ‘melhor do que nds, que nto podemos ter oportunidade de exa- rminar 0 seu carro, De ee sabemos que no mercado ‘ndo existem mancais Porsche, mas, ever te, wm de outa marca poderd ser "Quem € 0 fabricante do carto Taunus? Quantes HP tem 0 QUATRO RODAS — norembro de 1960 DE ESTACIONAMENTO motor do Taunus 1951? Qual é o seu sistema de frefos? Quantas ‘marchas tem? Sio sincronizadas? Geraldo Inécio Rio de Janeiro © Taunus ¢ fabrieado pela Ford alema. O motor do modélo 51 tem 32 HP, freios hidrdulicos, rés marchas @ frente (sincro- nizadas) € wma @ ré. “B verdade que earros Warzava e Borgward seriam fabricados no Brasil?” Paulo Maciel Geraldo ‘Trts Coragées (Minas Gerais) Nada sabemas 1 Q0 respite. Segundo tudo india, trtese de rumores sem fundamento. SUGESTAO INTERESSANTE “Permito-me dirigirlhes uma sugestio. Com base nas infor: ragées prestadas por QUATRO RODAS sbbre os aspectos turfs: ticos do Brasil nio seria interessante que uma coletinea futura de tédas as péginas sdbre a matéria fésse ponto de portida para fa edigho de um “guia turistico do Brasil?” . Oswaldo de Castro Sio Paulo Em parte a sua sugestio coincide com um plano de QUATRO RODAS. Estamos cogitendo da publicagio de um volume con- tendo 0s nossos.mapas: 0 primeiro Atlas rodovidrio turistico Brasileiro, completo e funcional. Em: todo eso, a sua idéia, que torna o plano mais amplo, € muito boa, Merece ser estudada com carinho. © flagrante fixa um momento do_ visita do nosso Editor e Diretor, Sr. Victor Giita, a0 Ministo da Educagio e Cultura, Sr. Pedro Paulo Penido, O Sr Ministo declatouse encantado com QUATRO RODAS. LP/LPK/LPS 3318 193 HP-A MAIOR POTENCIA oroR: eile... 0M 2281 Clete: Oi dct: 289 Ox Pati (SA): Fade consis: 205:1 © novo e maig poderoso veiculo para transporte de carga fabricado no Brasil Ena om acdo um novo veculo ostertando a extila qu representa 78 anos te experibcia mundial. Na vanguarda da abcngio de unidades aviomoteres 8 Macedes Benz do Brasil S.A. aprosnta 0 mais patente caninhio prodsido| ro fas. 0 novo Mercedes-Benz Diesel, com 92HP 2 2200 ,pun transport cagas pesdas cor vlecidade med supcier a8 at agra ating as, Sobo rmpaso tranopée ecan eobinds maloes datineas em mrchas fiaas do qu qualquer uto veil de ranepr Netaalment pio econinico, roporiona mai vogens © maioes crs, com garaia da tae ficlonal ¢ mundalentereconbecde qsakiade MERCEDES-BENZ Tbs tpos de chassis: LP para camino, LPK para bascaans, LPS pata cavalo mecinica. Moir: Dies, 193 HP — 2.200 1.p.m, 6 ciindros com aberoles indidula. Sista patetoedo ée cambusso na antecimara em fixe continuo que pemite 0 provement tlal do combustvel. Regine tr. mico mais baio assegua vida itl muito mais loge. Calta de cimbio: 6 marchas para a frente « uma a ra. Freics: lo a ar, com ar comprinido, ahando sabre as todas diateas 0 tastes, O fila da mo age sobre 09 todas trasias. Eto traaao: dren olestal tipo lesson, que assgura yande resistencia com menor desgaste, Prous: dant simples « taseas dupes, ds ius! rosagam,100%20, 14 Tonss HO. Chasis: tio excads © fon: grins em U assoqurar a elasidade do conjnta. Oreste: sitar Rose feta rfrada o lve. Suspnsio: malo dante exm arotiesdes hi leo tlscépicos male taseio com contaeies ce agdo progressive. Elo cardi: didido © apiade por um mancal canal elisten. Cruretas de arcale- ‘0 tratahando om rolamerios tindidos, a prova de. pooka, Cabne: tipo ‘avancado, proporciona arpa vistildad, mor capaciade cibica e perme mmlhor distburio da carga, Asserts Palma, susvele, cletecom minima onto em logos percurs. Caine com lao, oscional, RacueNGmero 4 : QUATRO RODAS Novembro de 1960 SUMARIO Segurance na directo turismo Rio — Vitéria, pela costa, rumo fp morte ss Set 1b Férias em Cabo Frio 0.0.) 8 Guarapari: trés quilémeiras de saide : 2 Adaptagies da Kombi. 2 Trinta dias de turismo no. Rio de Janeiro... Sinal verde para nova forma de turismo Buashct e mapas a cores Rio — Vitéria..... a Cabo Frio... Low Guarapari ae ete mecfnica Procure a oficina certa .. Poupe 0 seu dinheiro reportagens Comma ht 00 : qué? 60 CARTA DO EDITOR servigos especiais Portree teat cats =) aia ea Een rrsioece. ul in i, il oy a ES ficoao ; A tiggem dine quire miner de QUATRO RODAS indica que o sunmob A primeira vez que ful a Santos, lista brasileiro também esta gostando da sua nova revista. Os 63.000 exemplares do ape icetae Geek 50 i i ov rev i Se ee ee i Peseaade QURTHO RODAS tn os oF wots des DEW-Vemag ... 70 ° © nosso secretirio Victor Gouveia pasou quinze dias ma estrada que une 0 mercado Ti eset erase seks oo aenuee iy sien oan Mercodo de extonsocts 80 eee ae ages niece) coke eae Pogo de ceminhees novos <0... 9h a Péra-brisa weeteetereeeen es 68 Enfim, um toque humano e lirico: Carolina Maria de Jesus, 2 “favelada” que ate ceaget opin “Gua de Dey Co pane fie > monn) Ponto do Fetaslnamento ...... 3 || Me, nim aus fl» sm mtn ven Sin quand vi los cue at Transito e Tréfego . 49 Tbe asfate MUMRMnE. b0 Place Phen en se aa Pare ANoties Coane 95 Uy tke Vr Editor ¢ Diretor, VICTOR CIVITA — Diretor Rosponsével, Gordiane 0... Rossi — Chefor da Redasdo, Mino Corta e Luir Corta ~ Secretario, F Antonie Gouveia ~ Chefe de Are, Attilio Saschera Netio — Coleboram neste nimero, Lomberlo Artal, Lauro do Barros Siciliano, ‘aurico Capovilla, Neon Pennain, Nelion Sarto, René Von Der Schulentburg, Stllio Vieira, Theodore Loui Sacco, Viods Pedro Cortizes ~ Fotdgrofos, Oswaldo Palerme, Leonards Scarabello — Mapes, Carlos {da Sucuizal no Rio de Joneiro, Andre Raceoh — Publcidade: Dietor, Roberto Civita — Representante em Seo Paulo, Alfred William Nyfeller — Representente no Rio de Janeiro, Pierre D'Avignon — Circulaggo: Chefe, Maury Demange — Propaganda Chefe, Claudio de Souza — Producao: Chefe, Ammo Langer. — QUATRO RODAS & uma publicagao de’ EDITORA ABRIL LTDA. — Redaséo, Publicldade « Cotrespondéncie: Rue Jodo Adolfo, 118 — tel 37-9111 — Coixa Portal 2372 — Departamento de Assinaturas: Rvc Jodo ‘Adolfo, 118, 8° andar ~ S40 Paulo — As ‘anveli Cr$ 260,00 vale portal) — Sucural no Rio de Janeiro: A 30s, 502 32.3575 — Todos os direitos rerervedos — Impresso na §. A. I. B. — S. A. Impresiora Brotlsirs — Distribuigao para fernando. Chinaglie Disiibuidera S.A QUATRO RODAS — novembre do 1960 5 QUATRO RODAS focaliza o principal problema provocado pela presenca do automével na vida moderna. Assustados diante do progressivo aumento de acidentes que mancham de sangue CeCe ee eee ec ©, nosso leitor. E preciso dirigix com cuidado: éste € um dever cfvico ¢ moral, a0 qual ninguém pede subtrair-se, para a seguranca propria e para a Pee CC a ee cesta Cec ste nao poupem esforgos para tornar os veiculos mais SST CST et eC ec ees Um CC Cera can) Cem CeCe Sea " Maa pee ord suma importéncia para cada um er eee are pacers eae Lee en a mais é do que o resultante do apélo Epes Tee eat ee rest aeeied Coo nc es eee meee mere eeu Chr ner eeetaeed ea ee Ser eee Cees Re Pee oes Peer cute que 6 bem néio vem sé. Mas noses eo ee ree ores cee ee ORCC oe ie Pree ee ed Ponte ee ere eee ar err Perea CMCC RC Pe OC Race eee mec eee eet et ams ee Seer LO SEGURANGA NA DIREGAO nas guorras mundiais. Nos Estados Unidos, por exemplo, que sao 0 pais onde hé © maior nimero de auto- méveis no mundo, feleceram, vit mas de acidentes, de 1913 até 0 ano passado, 1 milhdo © 200 mil pessoas, enquanto desde a Guerra de Seces- so (1861) até @ guerra da Coréia (1950) 1 mithée de mosos norte-ome- rieanos perderam a vida nos cam- pos de botalha. Bste fendmeno que 6, em boa par- te, uma espécie de tribute ao pro- gresso (mas que terrivel tributo!) ficause em todos 05 paises, & me- dida que aumenta © némero de au- toveiculos. Ainda nos Estados U dos, um estudo elaborado em 1951 demonstrou que 74% das mortes de- vides a causas no naturais foram xduzidas por acidentes automol cos. Do total, 27.452 vitimas fram automobilistas © tres. Em 1955, os danos materiais resultantes de acidentes automo! cos foram da ordem de 4,5 bilhses de_délares. Estes © outros dados colocam de imediato a questéio de se saber se diante de tudo isso as autoridades ¢ 0 usudrios devam cruzar os bra- ‘G03 © conformarom-se com 0 “triste destino” do automobilistc. A res- posta, evidentemente, 6 negative. Primeiro, porque 0 automével pode © deve ser um instrumento de vida e néo de morte.» Em segundo lugar, cabe as avto- ridades tomar medidas tanto no que concerne ao avtomével, quanto ao lista, as estradas, co poli- legislacée. Adotar as, porém, racionais, que reduzam ao minimo as conse- ragicas dos desast li Em ambos os casos, porém, acha- se envolvide um problema moral, mente mais importante do que quer tentativas de soluso de © cidadao precisa ter permanentemente em sua_cons- ciéncia © senso da responsabilidade. Esta qualidade, em geral, se acha intimamente relacionada com o ni- vel educative. Conclusto: & preciso educar © automobilista, individvo que, de uma hora para outra, se vé colocado na direcdo de um objeto inanimado, uma méquine, e que, se nao souber conduzi-la apropriada- mente, teré enormes possibilidades de tomar-se, também, um objeto inanimado, um cadaver. 60 ite gréfico procura iustar, ‘omparativamente, © qU8 acon: tece quando wm avlomével 50 choca contra_um obstéculo. ‘Aum, tomando por exemplo tum carro de médias dimensées, vemos que oo encontrorse com tm obstéculo fio, & velockdade de 50 km/h, 0 avtomével x0 comporta como se calsse de toma cltvra de 10 metros; & velocdéde de 110 km/h, um cheque equiveleré @ uma que- dda de 50 metros 0, @ 150 km/h, como 16 cake de 90 metros. Estos olturas hipotéticas av rmentam na razé0 direta de ve- locidade © em fungéo do piso do veiculo 10. ALGUNS LEMBRETES Embora © ovtomével aslo, em al, um Wbieto inofensive, pode, como procura- emos resumidomente mosiar, tornerse ‘um Insirumento prejudicial oo ser huma- @ ‘ne quando mal manipulade. QUATRO RODAS, que pretends na medida do posivel coniribulr na presente campenha contra os edldentes de trénto, drigese © voes, eutomabilsta omige, orgulhoso posuider de um carro nove ov viedo, pequeno ou grande, com ov som “rabo- de-poixe”, de 2, 4 ou 6 lugares e apre- senterlhe epones olguns lembretes, que dizem respeito @ voeb @ 0 10 carro Com éles, pretendemes, se néo de todo, ppelo menos em bea porte contribuir para © 209 moior segurance. Velocidade — gue, olém de um certo Timite, 6 um isco perigoso. Mantenho-o sempte proporcional 8 pomiblidades de virar de uma hora para ova © de freogem. © simples foto deo motor pormitir velecidades consideréveis nao quer dizer que vocé deva sentinse tone tado @ exporimenté-las. Se voct & dos ‘ave respeitam ov dos que ‘no do bolo” ara © Lei, solbe quo em nosso pals a Yelocidede méxima permitida em estra- da oberta & de 80 quilémetror horérios. Este limite néo foi fixedo por puro car riche. Ele & 0 mois adequade pare os ‘nossa estradas, que t8m buracos,aterrot, curvas fechadas, pontes sébre precipicion, etc. M6 também a sinalizaséo, ¢ claro, que deve ser respeltada. Mas s0, por ‘exemplo, os tondigées de viibidede néo forem satisfatéros, vocb pode perceber © tempo um aviso de perigo. Por i, guie devogar. Afinal, convenhamos, qual 6 © grace de uma tromboda? Freios — que so, quase sempre 0 “sine quo non" da segurensa automo: bilistica. Neste porticuler, importantes Progresios mecdnicos foram realizedot nos ‘himos tempos ‘Ao auiomebilite que no sia muito versade om mecBnica, aconselhamos 0 bomsenso: ume revi periédica des freios, a Gnica porte em que néo so devem medir os gostor. Faréis — de um modo geral, 0 potin- io dos farbis deve ser dicetomente pro- porcional 8 velocidade do automél ‘As limpadas devem ter luminotidede suficione que permita 8 14a percepséo rmolores disténcias em condigSes desfovo- riveis, de dia ov de noite, No que toca & seguranga do sev automével, & preciso referirmo-nos ainda ds luzes tro: seiras que tim duos fungées: asinalor «2 presenca do veiculo @ os momentos de freagem. A éste propésito @ estronhével © foto de serem, om geral, muito fracos 0 fordis travels dor carros pequenos ‘que costumam ser utrapasiedos em motor nimero pelos corror mais velozer Prevs — um pnev em pertelte estedo ro 6 the permitird rodar mais, como 6 tombém um fotor de seguranca con {to © inimige Insidioto do. evtomobiliste © derropogem. Verifique sempre o os tado de desgoste da benda de rodagem, © presséo do ar © foca 0 rodizlo, cvs pormenores foram expostos no ne") de QUATRO RODAS. Por citimo, um con telho que pode parecer dbvio, mos que ora muitos no serd. Love sempre um prev de reserva. VOCE Procure tomar conhecimento de sas condigées © ponibllidadés psiquicas pare sober do ontomée quals os seus poderes de roagio imediata em ca:o de perigo. Quanto 2 80, soibe que submoterse @ um psicoteste idBneo néo & om absolute lum motive para vergonha, Vocé e oF outros ficaréo meis seguros com into. Guiendo em tréfego intense ov & nok to, s2 estlver om companhia de alguém, converse 0 minimo possivel. N&o preciso ficar mudo, mat também néo fasa di cursos com 0 carro em movimento, Se gure © volonte com ar duct méat, cinda aque the possa parecer elegante seguté lo com uma s8 ov com nenhuma, Finolmente, nao beba quando vai di Gir. So nd puder ressr & tontogio de tm golezinho, v8 Id, Mas que selam 36 "dois dedos” mesmo. Um s8bre 0 ov: tro, grudodinps COMO AUMENTAR A SEGURANGA? A complexidade do probleme que envolve 12 seguranca das pesioas que se dispsem o foror uso de um automéval como meio de Ironsporie comumente cham incluindose neste. define © motor torne ¢ sue solugéo sobremanelra dificil por vétias ro26es: de um ledo, 0 considerarmos todos os fatéres cos quals pederemor deno- miner exeviores 8 viotura, ise 6, aquéles que, embora relacionados intimamente com {@ teguronga do aviomobilta néo forem parle do corpo do avtombvel. S60 os cok dados que envolvem legislasso, @ técnica, © pritica © a educozio do transite Em segundo lugar estéo os problemas re- lecionades com 0 veicule propriamente. dito, isto 6, como os fetbres de seguranga leva. dos em conta na construgdo do avtomével. (izes, no caso, que foram levados em conta 4, of8 certo ponto, um eufemisme, pols, eo: ramente, s60 éles levedos em cor Exterior ¢ muito menos no Brasil). Todovia, so justamente éstes.dltimos fatb- QUATRO RODAS — novembro de 1960 05, 05 quals, @ nosio Yer, e:t80 mois aptor © representarem papel decisive num cam onha em prol da reducdo de acidentes ov, ppolo menos e prineipalments, de ocidenter foto's Com efeito, pretsupor @ liminagéo total dos acidentes autemobilsicos constiui ume ‘em itimo caro (se isto {One post vel) tersea que acabor com o+ eutomével fenbmeno da praia milegrom. Preacto, fol « prépda ONU Gwe mandou comissio da qual faciam paste um’ medico assi- fate do presklents americano e Hsicoe jeuites, Depo, 0. go ‘eno brasleiro, que momeau comistio sob 0 comando do. pro fessor Carlos Chagas. Tim breve, sfo esperados os resultados of. ais, At6 li, a prea continuard se enchendo de reumdticos Cos as teneiads) ee homens camados, segues pot una feeuperacaa integall. H por aquéles que, eimplesmente, desea Geeeansat numa praia bonita © arei preta, um mito As praias de Guerapariapresentam um teoe de raditvidade 26 reijados s6 comparavel ao registrado no Ceilio. E sua presenga tem sido constatada nfo 6 junto ao mar, mas em pontos os mais variados, dentro da cidade © numa distincia superior a 7 léguas de pro fundidade no interior do continente. Mais acentuada em alguns Pontos, menos em outtos, chega ac coeficiente elevadissimo de 27 “roentgens” em muitos locais. As areias das praias de Guarapari apresentam a particular dade de nio terem coloragio uniforme. A flor do solo ou em ‘suas camadas justapostas, elas variam, do amarelo stave ao préto, compreendendo 0 dourado, cinza e avermelhado, segundo 4 sua constituigio, com preponderdncia da monazita Couro), zircOnio liléscinza), granada Cavermelhado) ou ilmenita Cpréto). As iditivas gon arbres pia recs Ge A see Be Porque a mulher nia podia viver sem ele ta de Branca de Neve bateu o recorde, ¢ arumou tim espelho que falava, A mulber automoblista onde procura 0 refler> da sua hlers? ‘No. captio retovior. E iso 6 perigoso. Porque « mulher desloca o espello re ttovisor © pode lembracse que ta deslocado somente no. momento fm que preci controlar as condigbes do tdfego ates do seu caro. 'A stlugio € cepresentada por espelhor que possam ser eplicados no lado interno 20 pérasol Ax nowsas letorsy aconselbamos. que Spliquem espelhos désse spo, atcée de. cada um dos dois, para-ois levando em consideragdo que a seu lado poderd viajar ume amige em Bogor iets com’ vailade de"quem ‘usr Sem qualauer ofensay eater needs cen om comb) pera serem adaptados 20 pitas, portsaceséroe completos Cespelho, prinpente, porta-suls, estjos pare maguilgem, etc). Custam Vamos a0 painel. Os vévios aparelhos que integram 0 painel de um carro "feminino” deveriam ser claros‘e simples, A’ mulher 38 . = Espanaor, com eabo dourado e yenas de avesiruz, em diversas ee 5 oa Bae ae = Clgsrcia, com ima, revetida de cowro — C$ 8000. Fernie ind Go TOO are uarnecides com cour — Cx$ 1.200,00. Phir sofsleada, es. pritine Torna eae 2g ge 2 ancl de etremidate 6 inate na Gedy 6 = Acessirio de mitiplas utildades: ventildor, vaporizador de verhume, portaretato e lanterna Cif, 200000" 7 — Chaser. "Pom de bet ¢ forrato de peli Contém gulls, alfinetes © tds. pequonos careiis ‘com’ linha G8 38000. no gona de fair los tre oo onic, Gi no extant, 6s termometos, te para medi a i agua, Jevendo-e em conta que a mulher, mals do que'o homem, se execs com freqiéncia de controlar o nivel da dgua 20 radia. © tidio no "um, acesério indipensével Se existe no caro, melhor sera que féxe de comando sutomdtice, sempre comiderand 9 fato de que as mulheres em ger, so automobilistes mais dita. das dh gu os omens «fom que e concent sa do, sll também o reldgioy para desmentit a fama. da escasa pon- ‘unde emia ied ‘mesa orn cgi 6 sina. Se a mulher sai em companhia dos seus como éloc no asento tnseio, pata evitar que a atrapalhem enquanto dirige. Se o carro fér de duas ports, melhor. A mulher Baca mate ‘rants ster que ox cir tio podem abc a8 borat Er Goncluimos, sublinbando que. caro feminino, mesmo, sendo de pegs linda deve te 0 po rio em’ ao deme? eit a permitir a mals ampla vsilidade pura a mancbra, especial mente no caso de marchea-é.” Mulher de fato “cncula” mutt 10 fentto da cidade, e'freaentemente € obrigada a escionse. Ea Suliea, numa rus do centro, nio ébrincadera Cmesio para ome). QUATRO RODAS — novembre de 1960 milhares de pecas a granel... © material pesado, de 10 ongustiosa armazenagem, o material middo, 10 preccupante pela facilidade de perdos @ pele dificuldade de contréle, encontram nas estanles de ago Securit @ hospitalidade perfeita que merecem. Sélidas colunas @ prateleiras para os primeiros, govetinhas oportunamente repartidas para os segundos. Estantes SECURIT.. antes para sempre! TECNOGERAL S.A. $80 Paulo: R24 de Malo, 47 Tel 35.5187 (15 rome) SIDEMA S.A. Rio d + R México, 128 — La Loja Tol, 42.6178 (10 romais) -novo servico exclusivo ! IAGEM do BANCO NACIONAL DE MINAS GERAIS S. A. Valem como dinheiro em todo o Brasil! Agora, voct dispée déste novo servigo do Banco Nacional de Minas Gerais: Cheques de Viagem, com a mesma garantia dos tradicionais “Traveller's Checks” internacio- nais. E como se fssem dinheiro. Voce poder tum dinheiro que s6 voct pode usar clos exatamente como tal. Mas & fica inteiramente a salvo dos riscos Assim, ve de perda, roubo+on destruigdo, que ameagam o seu dinheiro quando voce viaja, PORTANTo... Em férias ou @ negécios vigjande pelo Brasil... com a gi Banco Nacional do Minas Gerais Negociéveis a qualquer momento, ot Cheques de Viagem do Banco Nacional de Minas Gerais sf0. descontSveis em qualquer de suas Agéncias tapalhadas por todo o territGrio brasileiro. Vinje tranguilo... em ver de dinkeir, eve os Cheques de Viagem do Banco Nacional de Minas Gerais — im tudo em teda a pare pedir que voce deseja levar, por Cheques de Viagem, em vo~ lores 8 wa estolha, £s6. A froca 6 feita na hora. Os Cheques de Viagem nada the custom. Voc8 recebe exa- tomente quentia que entregou, en cheques individuals de 1.000, $:000 ou 20.000 ervzeros. © Ao receber seus Cheques de Viagem vocd ex cutentce, com $2 atsinalvr, em presenga do furciondrio do Bonco. 1 Onde vocé chegor, pode tronforéclos em dee, bos fondo obinélor novemerte na presenes do frist ‘do Boney 0 de quem on vei vecober Ea" segunda minor, igiol& primera, & 2 gorentia do sey chess. por todo © Brasil GNMG> BANCO NACIONAL DE MINAS GERAIS S. A. — a servigo do cidadéo © da coletividade! O melhor servico a JATO a Londres e Europa! —A viagem é répida ¢ confortdvel, sem rufdos nem vibracées, sempre que V. voa pelos velocissimos COMET a JATO da BOAC, de Sio Paulo e Rio, via Recife, chegando a Londres e a Europa com boa disposigio para tra- tar imediatamente dos seus negécios. Primeira Classe ou Classe Turista — com 2 véos semanais: as 4as. feiras e Sabados. Pela BOAC, V. vos sempre sob a atenelio pessoal de Comissérias especialmente treinadas. Para mais detalhes, consulte seu Agente de Viagens ou qualquer escritério da BOAC. Rio de Janeiro: Avenida Rio Branco, 251-B - tel.: 42-4046 Sfo Paulo: Rua Braulio Gomes, 44 - tels.: 32-9671 e 32-8210 Recife: Vendas Gerais: Vasp — Rua Marqués de Recife, 156 - tel.: 6605 B (). A. ( PRIMEIROS A JATO NO MUNDO INTEIRO BRITISH OVERSEAS AIRWAYS CORPORATION ple. 48) _ ZILOMAG AUTENTICO "ill = tt oma? VIAJE COM MUSICA DE ALTA FIDELIDADE EM SEU ‘Mio ve ezznho! Mande nslar um ZILOMAG’AUTENTICO. “em sey automévele., lje com miscal A Bonoridade par- fetta do ZILOMAG AUTENTICO —o primero avo-rasio bra. ‘lero em alta eelidade — propecia um amiierte con ot canto musical dento do. eeu auiomérel ZILOMAG AUTENTICO 6 0 maie peri ridlo ‘para 0 seu autsmavel Pipl nse wh we aston Aso-Wils, Volanagn, pin, ‘Simca-Chambord, JK. @ outros te ‘Martino de Carvalho, 270 SS —_Aomno 518 - nite. ttn — i — Stis%2 © Sie Paulo 30 DIAS DE TURISMO NO RIO DE JANEIRO continuacao © Rio esté reesbendo uma grande afludncia de turstas na® cionais ¢ estrangeiros, que vieram apreciar o inicio oficial da Vida turstion do Estado la Guanabara. O Festival do Rio foi organizado por uma musical, “0 Rei da Vou", sob or auspicios do Covermador Sette Clara ¢ recebeu 0 apoio de mumerosa firmas tomeciais e érplor da lmprensa, entre os quais as revstes Quatro Rodas e Captcha, da Editors Absil © As comemoragées inciar-se-io com um grande’ programa de televisio, transmitido dicetamente do Maracanfzinho na noite de 31 de outubro. Seré apresentado tum grande “show” baseado em motivos tipicos do Rio. Apés 0 “show” teré inicio a parte solene do programa, com a confraternizagio de personalidades ddos mais diversos setores da vida do Pais. A manifestagio serd intitulada: “Noite do apésto de mic’ six X2,Latzo do Bots set criado o ambiente do séulo XIX na velha Rio de Janeiro, com a presenga de personagens 20 vivo © a exposicio de barracas tipicas, onde antiguidades ¢ objetos ligados & histéria da cidade serio vendidos. A mani festagio iré dos dias 4 a 27 de novembro. No mesmo periodo, tna Ginelindia, seré criada uma grande exposigio de livros, com 4 participasio das principais editdras do Bras © Para novembro acham-se_programadas as seguintes solent dades: dia 6, na Barra da Tijuca, o 1. Grande Circuito do Estado da Guanabara, com a participagio de famosos ases do volante nacionais e interacionais. Esta corrida visa atrair para © Rio, a atengio dos eitculos automobilisticos de todo o mundo. © Dia 7, No Largo da Carioca, inauguragio dos bustos de Francisco Alves e Cirmen Miranda, durante a homenagem que se prestard aos dois grandes cantores dessparecids. © Dia 10, escotha das “10 mais lindas cangbes de amor” bra- sileiras, num espetéculo piblico, durante o qual as cangdes premiadas, por um jtixi especaltzado serio apresentadas ‘por atbes, solistas e coos. ® Em frente 0 itd do Marcas, no di 13, ina gurada uma estitua em homenagem aos campedes mundiais de futebol: a selegio nacional que conseguiu 0 ambicionado titulo em 1958. No dia 18, Eder Jofre — 0 maior pugilista nacional —"enfrentard: um grande cariaz internacional. Alta ser rea Tizada no quadro da “Noite de luta de box intemacional”. © Por tdda a orla maritima, compreendida entre 0 Tiinel do Pasmado e 0 Moro da Vitiva, seré realizado no dia 20 de no- vembro um grande desfile folclérico, acompanhado de uma mo- rnumental queima de foges. Sé a estzla, que vai simbolizar 0 Estado da Guanabara, teri aproximadamente 300 metros. qu: drados, eno. mono do. Piode-agicar, haverd uma bandeira nacional, medindo mais de 200 metros quadrados. Um grande "rodeio” seré realizado no dia 21 de novembeo, com a participagio de 20 famosos.“cow-boys” norte-americanos. © 0 “show” teatral da cidade do Rio de Janeiro, nos dias 25, 26 27 de novembro, fechard as grandes solenidades. Num paleo armado no gindsio do Maracanfzinko, mil_personagens entre atdres, cantores, coros, “ballet”, etc., contario a historia musical do Rio de Janeiro, desde a fundagio da Repiblica. ‘Além das manifestagGes que lembramos, serio realizadas ainda: Grande Festival de Villa Lobos, Concurso de Miss Recepcio- nista, Insuguracio, da Exposigio Internacional da Indistria Comércio, Desfile de bandas militares, Noite da lagoa encantads, Tnauguragso. do Museu Histérico da Republica (Palicio do Gatete), Semana da misicag SOA SKF pode oferecer tao grande selegdo de rolamentos © problema da escélha do tipo de rolamento a ser usado em de- terminadas circunsténcias, pode ser facilmente solucionqdo, utili- zando-se 0 extenso conhecimento técnico que a 20S5* possui. ‘A SES 6 a Gnica fabrica que produz rolamentos de todos os ipos existentes, a saber: de esferas, de rolos cilindricos, de rolos cBnicos, de rolos autocompensadores, de rolos de agulha e de rolos cénico-compensadores, entre os quais sem divvida se encontra exata~ mente o rolamento adequado ao seu caso. ‘Assim, pois, quando precisar de um rolamento de excepcionais qualidades, para alta ou baixa rotagdo, que suporte cargas axiais ou radiais grandes ou pequenas, ou ainda combinagéo de cargas, exija 0 BES. (As ilustragdes acima mostram as principais direcées de carga.) E note, cada rolamento S20S%" incorpora uma experiéncia de construgdo e montagem como igual néo hé em todo o mundo. Essa experiéncia est & sua disposigéo, sem 6nus. Fasa uso dela! a linha de briedade que ero-Willys ~ 0 grande carro b = na plenitude de sua distin E moderna, de linhas sobrias, Um automével para acompantar 0 seu ortavel, rovito 90H. P. - 0 famoso bom gésto — num compromise social, num passelo com a famil econémico, 0 Aero-Willys foi construido especialmente para as condicbes do Brasil: motor de 6 cilindr jente nas rodas dianteiras ~ semifluante nas rodas traseiras. Estn ‘tor Wilys. Cam monobloce, ¢ epcionalmente resistente, Quatro portas, amplo o para seis pessoas, vsibildade panoramica E a mesma facilidade de pecas de todos os veiculos da linha ‘Jeep’. Examine-o: 290 Concessionsrios Willys. em tod teritério nacional, senti-se-a 18 em demonstiar que a industia automobilstica brasil m carro de alta categona — 0 Aero-Willys = que atende aos mais exigentes requisito Brasil S.A Fabricante dos a linha “Jeep” ~ S80 Bernardo do Campo, Es w COMMECAO Nos CoNcESsIONARIDS WILLYS) O real signi James Watt, inventor da maquina a vapor, calculou que um cavalo robusto poderia levantar, num minuto, 0 péso de 33.000 libras (15 toneladas) A altura de um’ pé (3014 cm). Denominou esta unidade de poténcia “horsepower” (cavalo-forca). Mais tarde, porque usaram um. freio no volante do motor para medir a poténcia =0s fabricantes de automéveis adotaram © que denominavam “brake horsepower” (poténcia ao freio). O método de medir a forca em cavalos tem softido modificagées no correr dos anos. Todavia o térmo é 0 mesmo no uso diario, ‘Com TEXACO icado de HP Pottncia ao freio significa simplesmente a forca desenvolvida e transmitida ao volante do motor ¢, portanto, disponivel para acio- nar as rodas do automével. Em média, os motores dos carros americanos, tipo “‘com- pacto”, desenvolvem 90 “cavalos”, 20 Passo que os mais possantes desenvolvem cérea de 350. Assegure, além de economia, o total apro- veitamento da poténcia do seu carro, lubri- ficando-o regularmente com Havoline Motor Oil. Com Texaco, vocé dirige com mais razer, seguranca e economia. + tudo anda melhor _trafego (© problema do trinsito nlo é recente na face da terra. Conta-nos 4 histria que Julio César, ha dois mil anos, impressionowse cam ertos problemas de cieulacto na Roma de entio tendo tomado me- idas que 20 longo dos séculos no perderam atualidade. Estacionamento: Problema N21 [A primeica foi a do estabelesimento de mio nie em algumas ras da Cidade Eterna. Outra medida: foi quanto &dieiplinagto das co entes de tdfepo, ito d, 9 esabelecimento de mio e contends. (Gutta medida interesante, ainda no adotada centre née, dian ito a0 abastcimento da ona comercial e dor mercadon,o qe rt ito A noite para no perturbar o tinsto durante odin. Se rossas grandes cidades adotasem cst mecha, at mune centrais Bic. am livres dos caminhbes, que normalmente ‘provacam 0. conges ‘Mas, passemos das bigas e dos cartes de antes de Cvisto para os veiculor de hoje Toda cidade grande tem problemas de trio. Bastin seed uma das poucss excegies. Tendo sido planejala dentro dos chnones do moderoo ube, mo Seve er problemas. de ireulaguo nem tampouco de eacionamento. Por ineivel que parega 1 questo do cstdonamentn, isto 6, da. yorslisGo dos vecslo, ‘constitu um grave e sexo problema de tnsio. B esse um problems 4 qual padecem Rio e S30 Paulo e esta cidade de forma ainda mai remente 'Na Velhacap, onde o tagado urbano se desenvolve linearmente ino ¢, nfo hi um centro Bem de Finide, "o estacionamento fica tt ng ld, Em’ Si Pal, ue, pelo contro, postal um ents "hem definide, problema Se agrava porque tos 65 moto frea relatvamente pequena, © “gue save "exaordina mente 0 protlema de_extacona mento ‘nar arandes celts de rom pals € # deficineia do tans Porte ‘coleiv. Um Onibus sabe tui Faclimente 20. automéves, ‘ccupando apenas 10 por cento da fren discs "A conelasto ligiea gue fe tra date fato 6 que havendo Poucn dren vida disponiel ‘noe eo ao, et deve e tte veleulos coletios, principlmente dnibus e eéleibus. Em outras Playas: o aceso 20 centro da cidade deve ser feito de_preferéncia Por veicuos toletivoe, cabendo 20 automével a lgagics interbaecs Ro Rio e Sto Paulo, deveria exe 0 metopaitano, aliiando sim ag fuss cents de ums pesto e poucn cicente transporte ind vidal, « lotagio médin dos sutomdvels € de cbrea de 2 pesoas por ‘carro de onde se conelul que para transporair mill pessos. norma tente seiam necerscor 500 automévest Elajam cums. e-avensdas para ino. Est claro que sempre haverg neceaidade de. Teal de Siticionamento. part cate de uso prvado.‘Cabe a0. poder publi Drevidenciar patgues de estacionamento ia, peferia do enue da Eidode. "Eo que os smercanoe chamam de “fringe packing”. AS fgragens de estacionamento publica ose jusficam em determinadas Fe poco smovimenta mo cmd ide Seam werd tbeurdo Constnemse_garagens em vias de. grande tdfego.-O con. genionamento vera faal naw frst creas motivado pela enuada © Shida dos veiculs. Multas irrisérias Camp media de enestna, plese vatelece, 0 sracionaneio luinecos’ ca Moarking secs cate nfs nlo dana watledon A Into upto na tet a adn co Pus em Roma © em futras cidades curopéias, onde 0 motorisa, 40 estacionar seu carro QUATRO RODAS — novembro de 1960 © (ransito em zona permiida coloca um catio especial na parte interna do pé- ‘ris Bewe carts edo ssinladhe a Hore a chegada ea de fa Tinted aed ridetends aera peat ee Tesponeel,colocado dentro de um invokuro com duae pequenas aber tng gaandose 0 dco, fase © hors aproximeds de chegad, ‘indo determianda auornticamente a hort em que 0 morris’ de $i per lo scenes pout nds am ito ven or falar em fscalagio, esa ¢ octane A esse acs ‘Que stends melioc 2 mua convenincl Aermmor vetclos paradoe a0 lado de vam sinal de pe Inotvor dese fat figura o valor isco da. mul Sabese que um local de estaconamento pago no cent da eile feti valondo de 3a. 79 cruzsros Sendo 0” valor da mult de 20 russe ¢ na eincdtncts 40, € slamente conveniente cometerse a {nerd Noe Extdoe Uidor o valor deca mult no cent da ce dde'e de 15 dilres, mais 10 dolaes de guinchamento’ © mals 5 ‘ltrs de atmszenagen, Total 30 délaes, on 5.700. cnet! “A” post opiniso que os extaconamentos aio sare, Por outro Tido\ad multe Geyeioe ex cleradae Te indispen svel's daboraglo de um novo Codigo de [povelto da onfem, ds diiplina do ‘prope sulomoUllita’ El ver EEG, inleloment, que papndcse una Tula de 20 Guaoe ou 40 € poste! esicionar 0 caro em, qualquer ponto da de Mas da moesna forma 6 verdad Aveo automével fea sem garanti, Sm qualguer protests. 2 dese dive! aie db cere © eocontat © eno deado\ on aoacadh ‘Resta alana sage a questo da lscentrlizasbo como sane medida fue se impoe cm evades afeadae or exageres cooenttades en: tae Temes vine exemple fees on aeons dads © dalocamento ou 6 st teleinento de orgenzagoes comer Sia oe aloe tee sna Ge Tig para 0 congestionamento cen itl © benefiior per 0 eracions. rnento local Todtvia, es desea: trallagSo deveriaobedecer ¢ um dimes ay 5 in Se lo tansferr par as unas pecs os mestos problemes sugides fo (sano as Sasae me xi =f Recentralizar cidades x baizos, nu sua maria} nfo, estio.prepaados para suport 0 srande impacto de tcinsto. © Poder Pdblice deveris ordenar a. de. cu em Hnguagem mais urbanites, cecentalivar 8 eh inde. Como, medidas prise para os casos mais comune singe 9 Decessdade. do proibilo tal de estacionamento, nas vias por onde ‘Sreulamvelculos coletvor e 0 estabelecimento de mos Gnicer nas ‘se dv zona comercial. exo rec dn boy tempo de xuconameni nfo, deve ser indisriminado;_ 0 estaionamento temporiio multiplies of leas “lindo oportunidades a outer para que fasam sas com rat ot cation Rigronmente falda tconeno dre Tooierurss ce eee Enola {Unie de ctconstincian io aereditamos que ése sistema dé resultados TEnoerranda es observcies sbbre 9 estacionament, gostaclamos ‘que os Iiores de "QUATRO RODAS" manifeassom 4 sta opinit, Sifenndo, comentando, cooperindo. para a solo do. problema, {endo cm visto interace geval Escreva-nos,digindo as suas ext parm a nossa redagio, seogin “TRANSITO' E wspensivel para diseiplinar 0 t€ parar em qualquer Tngar E muito comum entre ns ico. ‘Entre os 49 CAROLINA MARIA DE JESUS, a “fa- velada” que no desespéro encontrou motivos € temas para fazer poesia, autora de “Quarto de Despejo”, escreveu esta crdnica especial- menté para QUATRO RODAS. Dia 2 de setembro fui a Santos. Fomos de énibus. Os filhos iam sorrindo, con- templando as paisagens que ‘io mudando de aspecto a cada minuto. Como é gos- toso andar de énibus. ‘A Vera perguntou-me: = A senhora vai comprar um carro? Eu disse: — Nfo sei, Vera. Néo sei. — Compra, mie. E gostoso andar de automé- vel. O automével: é a asa da gente, ndo & mame? — E’ quase igual. © olhar de Vera ciculava pelo interior do énibus. — O que a senhora notou no énibus? = Que saimos de Séo Paulo ¢ vamos a San tos. Vou trabalhar longe de casa. Mas o dnibus proporciona-me retornar e dormir em nossa casa. Voce tem razSo, Vera. O dnibus uma asa que nos transporta para onde desejamos. E’ um veiculo excelente. ‘Agora que a minha vida transformouse, tendo andado nos carros. Comego a ser fi dos carros. Os filhos no desvievam o olhar das janelas. ‘Mostrei-lhes monumento do Ipiranga, o museu ea casinha do Dom Pedro Primeiro, que era pa- lacete no passado e é miniatura na atualidade. © José Carlos disse: — Credo! O Dom Pedro morava numa ca- sinha assim? — Naguele tempo o Brasil era primitive. Es- tava despovoado. Um pais desenvolve-se é com © corer dos anos. Naquele tempo as viagens PRIMEIRA. VEZ QUE FUI A SANTOS = eram a cavalo ou nos carros de bois. Quem tinha cavalo cera importante, Os bons ca- valos custavam quarenta — $6 isto? Por quarenta eruzeiros até eu. comprava um cavalo. Eu disse: = Quarenta.cruzeiros naquele tempo repre- sentava dez mil cruzeiros atualmente, Dom Pe- dro ia a Santos com dois dias e meio de viagem. E agora, com o automével, vamos a Santos num dia e retormamos descansados. Com a transfor magio da minha vida, os meus filhos estio aspi- rando um aufomével. Fles, que nfo esperavam ‘uma transformagéo assim, tém mesmo que sorrit, porque 0s vefculos que esto ao alcance dos fa: velados sio s6 bondes ¢ a RédioPatrulha. O automével de duas eres. Com a transformagdo da minha vida até eu fico deslumbrada quando estou dentro de um automével, nas estradas as faltadas que nos conduzem ao litoral, onde con templamos as belezas milenares que foram cita das pelos nossos historiadores que tiveram a des ventura de nascer numa época em que as con dugoes eram deficientes. 0s filhos aconselharam-me que eu, sendo es ‘xitora, devo ter um carro para viajar e conhecer as belissimas paisagens que apreciamos quando viajamos de automével. Eles sio fandticos por automéveis ¢ ficam con- tentes quando esto dentro de um carro, A sen: sagio € diferente das viagens nos carros de préso. Nos carros de préso éles choravam. Agora vio sorrindo, ee BUJOES COM CHAVE PARA TANQUE DE GASOUNA MACACOS MIDRAULICOS, E MECANICOS ¥ CAUBRADORES (BE PRESSAO PNEUS, com Ou SEM. CAMARA * ASSENTOS € ENCOSIOS DE PALHINHA BOMBAS MANUAIS EOE Pe MESBILA TEM OS MELHORES ACESSOR PARA SEU CARRO! e lembre-se: Carro bem equipado.. carro mais valorizado ! MESBLA Se tem, parabéns. £ uma pessoa de posses «, eobrelude, de bom g8sto. Em cato contri, Cconsole-e ~ pouca gente fem um. Mos vocb pode Setisfozer 0 seu bom gésto e o sa tendéncia para excolher sempre © melhor em tronsperte de mancira interomente satsfatéria: quondo a viegem fr pelo ar, ¥6 pela Real. Voct uoreré efslivamente © méximo em confért, service ionauilidade. VOE EM BOA COMPANHIA PELA AEROVIAS 4ATL BRASILIA "0 Senhor tem tudo* o que eu quero.” isto €, SENHOR apresénta a melhor ficsa0 senvion discuto politica SENHOR escreve repotlagens de grande envergadura » i SENHOR orienta suas gOmpras SENHOR pratica esportes SenHoR /// acompanha a atlalidade,SenhOr faz rit SENHOR tem “hobbies SENHOR 6 a revista mais cara do Brasil, mas senor ¢ af inica tevispapbrasileira de categoria intemacional MANUTENGAO PREVENTIVA Dando prosseguimento a0 seu curso de manutengio pre- ventiva, QUATRO RODAS desta vez indica o que se deve fazer no automével cada 10 mil quilémetsos.” Nao é initil repetir que se forem cumpridos & risca, os ditames de uma precisa e pontual manutencéo preventiva, seré muito dificil — para nfo dizer impossivel — que o carro denuncie falhas fun- ionais. Cada 10 mil quilémetros: |] = trocar 0 lubrificante do chmbiowndo diferencial, sem- ppre de acérdo com 0 plano de lubrificagéo do automével; 2 — comprovar a regulagem dos freios. {A operaso consiste em regular os patins (lonas) do freio em examinar se hd vazamento no sistema hidrdulico, Néo se deve esquecer que os vazamentos so perceptiveis sdmente antes de se proceder 8 lavagem do chass; 3 — renovar 0 fluido do depésito do sistema hidcbulico: sangrar ¢ medir a pressio. Retirado o fluido do sistema devese proceder a uma per- feita limpeza de todo 0 depésito, removendose, para isso, também os sangradores. A limpeza, ou melhor, a lavagem, Dé de ser feita com solventes especiais. ‘Nunca com alcool. Os solventes, em geral,sio produzidos plas melhores fabricas de fluidos para freios. Mais adiante indicaremos 0 procedimento exato para a lavagem dos freios; 4, ~ lubsifiear 0 couro da bomba para encher os pneus. ‘Sto muitos os que dispensam éste cuidado e naturalmente, quando sfo obrigados a usar a bomba, verificam estar 0 couro ressecado ¢ 0 aparelho Funcionar mal ou nfo funcionar Por completo; 5 — teencher os amortecedores ¢ examinar as buchas de borrac 6 — tocar 0 filtro de Sleo. ‘Testar a presso da bomba de dleo. A pressio da bomba medese com um mandmetro. B im- portante examinar a’ hermeticidade dos condutos do sistema; "7 — examinar os rolamentos ou buchas do gerador. Efernar um exame sem desmontagem. Remover sdmente correia do ventilador; QUATRO RODAS — novembro de 1960 a a G — rodizio dos pneumiticos. Esta operagio pode ser efetuada em espagos entre 5 ¢ 10 mil quilémetros. Tratase de uma regra muito importante. O desenho que publicamos abaixo indica um sistema correto de mudanga. Gessieman 5 peaks et « iS cer, ——. Treas das Denti = Lavagem do sistema de freios © procedimento para a lavagem & 0 seguinte: a — escoar 0 fluido doistema, abrindo os quatro sangra- ores e movimentando 0 pedal de freio; b — fechar os quatro sangradores; ¢ — introduzir 0 solvente no sistema, através do depésito ou do cilindro mestre; d= abrir os sangradores, um de cada vez, e fazer com que mais ou menos um litro de fluido se escoe em cada san- srador; ¢ — repetir as quatro operagSes. Repetindo altima, 20 reencher 0 sistema, use fluido da melhor qualidade, mas, desta feita, reduza a quantidade para 50 por cento: de um litro (por sangrador) para meio litro, mais ow menos; £ — sangrar como de costume ¢ medir a pressfio confor- ime as indicagtes do fabricante ou do equipamento. NOTA: recomendase muita atengJo quanto 20 uso do fluido para freios. Existem no mereado um semnémero de rmareas, das- quais sbmente uma pequena parte atende as ‘especificagbes técnicas de fabricacto. Portanto, todo cuidado & pouco. 55 SINAL VERDE PARA NOVA FORMA DE TURISMO Barracas, treilers e Kombi-Turismo abrem © caminho para uma “revolucdo pacifica” que j4 triunfou nos Estados Unidos e Eu- ropa — Acampar: um verbo que deve ser conjugado pelos automobilistas brasileiros. 66PP cxcebi como € quanto mudaram as Pet een aceet vee Mando sempre novo quando no salio de ‘bg do cassino de Montecarlo notei a pre senga de alguns “blue-jeans”, Havia um grupo de mosas bem hodierno em volta a mesa da lea, Jogavam cam empenbo esportivo, apesar da reprovagio explicita de um par de olhos provivelmente brit nicos, de propriedade de vim comedido ca- valhelro de “black-tie” e camisa purssima Depois de dez minutos 0 “black-tie” deu mostras de desgosto inconsolével: ¢ que furando a multidfo de “blue-jeans’ tinha aleangado a mesa um casal rechonchudo de pequenos burgueses.de meia-idade: éle cao ¢ bse com 9 né da gravata des pertido, ela parecendo-se vagamente com tuma poltrona, ambos satisfeitos da vida e ‘ostentando a disposigio aterradora de go- Zt uianolteinesquectel. Mas der mi Tmutps, € 0 “black-tie” eclipsava-se, incapaz de ‘esistir a0 “desacato”. Assim, escreve uum jomalista europen contando a historia de uma revolugio pacifica ocorrida recen- temente na Europa e j4 hé tempo nos Es tados Unidos. Uma revoluséo para a qual © Brasil esti quase maduro. Os QG tevolucionérios chamamse “campings”. Em portugués acampamentos. Mas, acampamentos pacificos, como. a re: volugio de que estamos falando, © “cam- ping’ é um recinto fechado, a0 ar livre, no centro de uma paisagem Ducélica, na maioria dos casos & beita de um rio ou de_um lago. Ou junto a0 mar. Inicialmente 08 “campi nos Esta- dos Unidos e na Europa — nfo pasaavam de esplanadas cercadas por sebes ou esta fas, nio oferecendo outras comodidades, aléim de se poderem ali armar barracr ot encostar os tellers (‘trailer’, em inglés, pronuncia-se “treiler”: dato” portuguese mento da polevra, podendo-se usar tam- 56 bbém reboque, se bem que zeboque tena significado mais amplo; talver a expressio certa Fosse ‘casa stbre todas"). Hoje, po tim, 0 “camping” algo muito male com plexo ¢ confortivel. O “camping” achese dividido em pequenos lies, Em cada um disses lotes hd tomadas de fbrga clétrica ¢ bias de dgua e, naturalmente, 0 espago necessirio para a barraca ou 0 teller. No centro do “camping” erguenrse.algumas construpies, em cimento ou madeira: be nheiros, bar, restaurante, ¢ venda, para fs que querem comprar mantimentos ¢ co mer "em casa". Alguns Sentam entre as suas. atragdes, amt Pistas de baile, quadras de voley, gangor 15 e balangos para as criangas Por uum pemoite no “camping” cobra-se em média, na Franga, na Itdlis e na Ale manha, de 40 2 200 cruzeiros por pessoa Em alguns “campings" cobrase. por bat vaca 0 por teller, Turismo deixou de ser o programa de uum punhado de gente endinkeicada, Hoje em dia na Europa Cnem se fale dos Esta dos Unidos) as pessoas que hi trinta anos passcavam de palheta & beiramar ainda Ketam or grandes hotis, poem, a massa is densa de turistas, de\tidas as cond goes © de, t6das as. procedéncias, Lota os “campings’. E muita “gente-bem” tam: bm procura 0 “camping” Acampam mo- 405 € velhs, vicos, os menos rigos eos ue nfo slo’ rls, dispondo de barracts € treilers proprio ¢ alugados, “Chegamos 3 conclusio — escreveu um jovem socid Jogo francs, René Fremont — que 0 “cam- ping” tem ‘uma magia especial, que se manifesta acima das idades e das catego Desde que seja possvel levar a cabo uma sondagem no campo de magia — ras no caso € — quais sio 08 motivos que tomam 0 “camping” um fenfmeno socio légico de tio amplo aleance? & simples acampar 6 econdmico, ¢ saudéve, € spor No Brasil muito pouco tem sido feito esse. numo. Hid particnlares, ue. cof fumam’acampar em grupo ou islados Goa Praia das Vacas, em Sto. Vicente — Sfo Paulo — em certs fins de semands, muito ensolarados formase junto 20 mat tim “povoeda” tempordrio e pitoresco de ttezentas barracas), Porém, 080 hf “came pings" fixs, organizados de forma reco al’ B, pov entanto, temos.plena certeca fe que o “acampamento””scabark. repre Sentando uma das. conseqiéncias,Hoicas jue vem se. desenzblan 20 lado do desenvolvimento 42 indisria ‘automoblstica nacional © desdobramento da nossa rede. rodov Diziamos que scampar € econémico, De fato., Uma barra, amas, mess tareira desmontives: cit 0 equipamento Sndispensfvel_ para. acampar. Tudo aces Sivel e relativamente barat. No comer tio existem bartcas nacionss, exelents, S"venda geralmente nas lojas de caga pets, Dor preyos que clam entre 6 mil 2°45 mil erszetos Um jéyo de mesa, eadeirae bancos por eiceis custa de 3 mil a5 mil cruzios Banquinhos de_vitios tipos a partir de 230 cruzeiros. Camas desmontives, desde 3 mil, Geladeira porttil, desde mil Lampides: 300 cruzcivs. Fogio Ca que: rowene): a parti de 300 ‘A ‘experitnia, na Europa e nos Estados Unidos, tem demonstrado que a Barrace prepa o caminho para 0 reboque. Favaning-camping? reservados pata teilers — € conseqiténcia do “acam- pamento”. Jéexstem treilerscem por cento brasileiros. Trata-se dos modelos 57 formula nova para o turismo los pela “Brasinca”, de S50 Cactano do Sul = Sto Paulo. Um ‘modélo pequeno (BHT-03) © um grande BHT). ©. primero pode acomodar de duas a tes pessoas eo segundo, quatro © BHT-03 cua 315 mil cruscos 0 BHTT-04, 400 mil. A Brasings "em peduind deo ques por més, alguns dos_ uals, vendidos 4 fires locadomas, no. Rio. ¢ cm Sto Paulo, podem ser ahigados para fins de semana e mesmo por periodos, mais lon Ge Ge o guido em detaquc). No Brasl no existem leis regulamentando 0 trlfego de reboques. Naturalmente, It implica deve ser reetads po gue possul teller ou por quem o alga: dict Bir com atengio especial, cuidando de adaptar ao carco um espelho retrovisor ex ‘Os treilers pequenos — no caso do Bra sil, 0 BHT-03 — podem sex rebocados, desde que se pretenda trafegar por extra: das asfaltadas, Os treilers maiores podem set rebocados por eartos com mais de 100 HP. Em todos os casos, aconselhivel reforgar as suspensbes dos veiculos. Unica excesio; “creilers! 0s jipes que, em matéria de So "pau para thda obra”, 58 No alto: Modelos do “Treilar” pequeno fabricado pela Brasinea. Embaixo: detalhe do interior do “Treilar” maior, 0 Bhi-4. Os reboques nacionais sdo robustos e confortévels, Uma solucio, muito interessante, desti- nada a incentivar uma nova e atuaifesima forma de turismo automobilistico, na qual se encaixam trellers ¢ barracas, foi apre- sentada recentemente pela Volkswagen do Brasil, com o langaménto da Kombi-Tu. rismo. © novo modélo é uma das muitas versbes, da camioneta Kombi, produzida pela fabrica em larga escala e, em grande parte, substitui o reboque. Equipada com ‘duas ‘camas, pode acomodar, além de um casal, também uma ou duas. criangas, Gusta 740 mil eruzeiros e — velculo muito versitil — pode ser aproveitado normal: rua”. Uso comum nos dias cteis; casa ‘motorizada no fim de semana e nas férias, E a adaptagio automobilitica de uma ve Tha expresso, que admite a possibilidade de se matarem dois coelhos com uma s6 eajadada, ‘Ultimo ponto, Ckimo, mas émportan- te. Onde e como acampar? Excluindo um punhado de cagadores © pescadores, sem: pre dispostos a embrenhar-se no mato, fl ta ainda a mentalidade do “acampamento” E é pena. Por que nés, que jé experimen: tamos “acampar’,‘sabemos como & bom, saudivel divertido e econbmico, ‘Ans nossos eitores, aye pretendem se guir © exemplo de QUATRO RODAS e de outros pioneicos, aconselhamos que, 2 ‘espera de "campings” organizados, mio’ se afastem dos lugares povoados, que encos tem a sua casa shbre rodas ou armem as suas barracas em pontos turisticos acess veis © freqlentados. Neste mimero de QR contamos os resultados de sima vista 8 Cabo Frio e Guarapari. Ai estio, por exemplo, dois lugares excelentes "para “acampat”, E lugares désse tipo, hd as dezenas. & & aproveitar. Porque © Brasil também nisso & grande, QUATRO RODAS julga oportuno que as autoridades se interessem por ima nova forma de turismo que se encaixa perfeite mente na realidade do Brasil de hoje. A nosso ver, 0 proprio DNER e os Depirta ‘mentos Estaduais poderiam encarregar se de {ndicar os pontos turisticos que mais se reco mendar para a organizacio de “camping.” QUATRO RODAS voltaré a examinat ‘2 questo, nfo esmorecendo na sua tenta- tiva de tomar 0 “camping” popular tam: bém entre nds, ¢ para tanto fornecerd aos seus leitores t6das as noticias, informagées € indicagées suscetiveis de dar alento a ‘uma revolucio pacifica, alhuses jé vitorios. 9 QUATRO RODAS — novembro de 1960 FIRMAS QUE. ALUGAM TREILERS Tpirangs Auto Locadora Lida, — Ra Barats Ribeio, 253A — Rio, Rua Reg Petas, 363 ~ Sto Paulo ede Lea nang 1100 7° anda — le 70 ‘So Prulo. A Rodolar organiaou wm plano para a ongnizacio “Jos prmcios “eampings” braleios, plano ese “dvidido em Be a wes ee Sear ee en ce eae ene le ns a a ee are ee ee ote tee ‘CARACTERISTICAS DA KOMBI-TURISMO 1) — Dois bancos estofados, opostos entre si, que, quando eee to dee ee one Pee a ae ee eee ee gee ae eee eee cae Tava com mola, que. permite, ia frag a posico. horizontal tn emt no panel, quand fecha, 3) ~ Teaco ened pars embutit ee oe oe eet ‘a pia e torneira; 4) — dois armédrios: um guarda-roupa e outro ee ee era Set ee er ee ee oes ee ee eee eee Dae Cigipn caee ae as) so jndividual, de armagio simples de tubos de ferro, que serve de ee Se ec oer ae eee as eee fie cto tre punie eto! eee oe recs Bria att Piedad Se Spt ps ee ar ele teh ee eee eh eet eee econ oo See aera oir REBOGUES “TREILAR": MODELOS E EQUIPAMENTO bhi BE — nn de omen eee es ee ed wae 7 ee i age pea oe oy Re gal el ee ee See eee ss a Pate eee ecard tee ee ee ees tne ees tye oe ee ee ee pees ee eer a errenaac ys Se ea a Foe es canastelthes cnn semmniorbe pe abo pene revels em Se ee ween oe {0 lavatério. por meio ae ee ee ee ea en ee ee eee eee ee re i eens oe eee at cee laegura externa, TESPECIFICAGOES GERAIS (Estutura © Construsio) haat nacional de aro, fabscagio Baines ou Ponta, Sue peniio, elxos ¢ ares, Pontal, Rodagem, 15” ou 16”. Compti- Mentor: Se 4 metsos. Acoplamento: 1,10 metros, Bitola: 1,70. Plan estimado: 650 kg (3 m). Plo eximado: 950 kg C4 in). Esrutura de ago. Revestimento extemo em chapas de aluminio Revestiept terms cp Bocatesolgte Asal cm made comgennda a rove Tigun Focus gem. Tominaga ‘com’ os tegulamentos de tinsito. Pintura de frisos em ddoas ces QUATRO RODAS — novembro de 1960 A KombiTurismo, Durante a semana desempenha 0 mesmo papel da Kombi Standard e no *weck-ond” & casa motorizada Interior da Kombi-Turismo. A camioneta fabricada pela Volkswagen pode acomodar um casal ¢ uma ou duas criangas. LINHA COMPLETA DE EQUIPAMENTOS PARA POSTOS DE Ty a ELEVADORES HIDRAULICOS PARA ONIBUS & CAMINHOES: + ELEVADORES PARA AUTOS, VOLKSWAGEN E ESPECIAIS + COMPRESSORES DE AR + BOMBAS PARA LAVAR AUTOS + LUBRIFICADORES: PNEUMATICOS & MANUAIS UT en NET 59. . QUATRO RODAS chama a atencao das autoridades e do piblico para o assunto do momento e manifesta a sua opiniao acérea de um problema que provocou debates, discuss6es ¢ até mesmo greves. 5 vezes como um autdmato. Quanto mais essa atividade se relacionar com os sentidos, mais apto estaré o individuo para reagic 208 ¢: timulos externos. No caso do motorista, o: estimulos sio tepresentados por tudo aquilo ‘que, na esfera do trdfego e do trinsito, por via sensorial — visio, audigéo, ete. — motiva uma reagio. ‘Os estimulos podem ser esperados, pétvisiveis ou imprevistos. A mudanga do sinal verde pera vermelho € estimulo previsvel. Um buraco na rua é estimulo inesperado, imprevisivel Emas, eonsiderando. ay péssimas condigées dos calgamentos das ruas, em Sido Paulo ¢ no Rio, Geveria tepresentar cstimulo perfeitamente previsivel © esperado), As reagées dos motorstas Giante désses estimulos diferem, nfo sdmente no que diz respeito ao espago de tempo em que ft reagio € engatilhada, mas, também no que tange qualidade da mesma reagio, No caso de stimulos previsiveis, ¢, portanto, normais, a reagio € normal e mecinica, Nio hé diferencas muito sensiveis de reagio, entre sutomobilistas em condigées fiscas psiquicas nommais, As iferengas vem a tona quando se registam estimulos imprevistos, que provocam a necessidade dle uma decisio ripida, A reagho nesses casos nfo € mecinica, mas, € 0 resultado de um ‘Conclui-s, logo, que 0 “tempo de reagio” ¢ diferente, Chama-se “tempo de reagio” aquéle compreendido entre ‘0 aparecimento. do estimulo, ou causa, ¢ a reagio. O "tempo de reacio” fonstitui um elemento importantissimo ¢ varia de individuo para individuo ‘O exame psicotéenico visa exelarecer, antes de mais nada, de que forma reage 0 motorista diante de. dois tipos fundamentais de estimulos. Convém acentuar, de passagem, que 0 térmo “psicotéenico” niio se ajusta perfeitamente ao exame em questio. Num teste psfeotécnico propria- mente dito, a investigacto psicolégica se desenvolve em profundidade e ditetamente, represen- tando o objetivo fundamental do teste. O exame previsto para os motoristas é no que diz respeito a esa investigngio, superficial e répido, cuidando de focalizar aspectos e situaghes que pertencem precipuamente A esfera automobilistica e as capacidades sensoriais do individuo na Guilidade de sutomobilist, © teste principal do exame, mais propriamente,chamado, psico- Sensorial, consiste em fazer com que 0” examninado s6 reaja ou responda a um determinado sinal ou estimulo a ee : Tmaginemos uma luz colocada a frente do candidato. A luz, 20 s¢ acender, poderd sex bran- ca, verde, amarela ou vermelha, Um comutador, préso } mio do examinando, poderé interrom: per 2 corrente assim que o estimulo se registrar. O "tempo de reagid” seré determinado por tin cronafo gue digara quando se scende «lure pir com infeed crete aa vés do comutador. epois de varios testes, inclusive com estimulos sonoros Ccampainha), o candidato poderé ser clasefiado de acdrdo com 0 seu “tempo de reacio", que constitui uma constante do seu psiquismo. Esse tempo poderé variar de acdrdo com certas citcunstincias relativas &s condi: fede individ Fos ede te ot foo examinadr deve sr cates « Freensivo. Mas, de uma maneira geral representa um bom indice para avaliar « capacidade do Individuo de digit com seguranga, Vamos a um exemplo pritico, Suponhamos que 0 can: Gidato a motorista reaja diante de um estimulo de 75 centésimos de segundo, Se estiver diri- indo o seu carro a 60 quildmetros por hora, isso quer dizer que em um segundo percorreré 17 1 sua vida cotidiana, 0 homem age mui 61 TESTES Nat MOTORISTAS © candidato as voltes com « prova do farol. Deve apertar 0 com tador sémente quando se acender 9, vermeiho. ‘mewos, Mulipicandose 0 “tempo de reasio™ (0,75 segundos) poe 17 mets, venficamos que dle, ants de tea, peor 13 metros decde 0 instante em que 0 estimulo x manesiou, © mowtta age ‘bre os fein co atbre' reso, en cnformidade com 9 cao. Se 0 estimulo fe representa por wm tanseunte que staves @ afoitamente, as pouiblidades de ser evita snpelanents +0 nas sinda ats coniderndo que o velco, depois de feado, za por considerivel distinc notes de parnt” Orcs de nee sto! & nesta condigir,faor-deimpordncnprimaca Nanirlment, ha ootros testes para determinaio de caaceriias também melt» importante ‘no tulomoblisa svlagho da distin, visio exereescépil, ofwscamento, senso dfs ee Hi inde ob ‘ies pique pebpramente dion xealzadoe pars agua cera Tartcularidedes mentas do india. E’Iogico que nfo sufiene aque © motoitatenba. boas caraceiics "pacomotras Se aston Hesse ado pasatia de um *atleta do wlan’, © nada tas Como vero, a sre de teres ¢ bastante ampla e profunda, E no hhé duvidas de que — se os examinadores agem com competéncia e, como acima disemon, com cruela'e compricnsso oy teas ice ‘Genes e meniaissio ites, poi, conte um foice rzsavel mente seguro para'asvalingho de condgbes do motorea. E € peta tamense natural que s tact testes sjam submetios, em pre fe, motorisas mals expons 9 perign io os moron pes emi "nclmene rules ser tv aps lee ara proeyio de suas prope pestias, dos parses ds ieeals tne teh esa Na opnito de QUATRO RODAS, os demais motorists devem sr cxaminados obigntovamente sempre que se crvelvam ca sense thal aves. Nesas oporunidader sntnina importinca fundamental #.deteminacto das eondigiespricomenras © mentas dy natsactl- Hg aim de Fiat caramente 0 gw de cup que Ike cab no 2 . [Em todo caso, seria oportuno que os motorstas amadores se subme- tessem espontineamente 408 testes Pak ' fim de conhecerem as suas, Capacidades de reagao diame dot estimulos provoghios na tesfera do trinsito © do trifego e, em geral, as suas condigies como “eolantes", de maneira a se precaverem para a propria seguranga 4 seguranga de todes. lis, QUATRO RODAS acredita que set de bom alvitreincluir uma parte dos testes no quadro de exames pre vistos para a habilitagio a dirigir do amador. QUE E EXAME PSICOTECNICO Quatro tos de testes Yio aplicdos atuimente np exame_psio séenen realzado Hs Ps Sto dle ira os motoristas profissionals de Sio Paulo. 1) Prova de Tdade Mental Raven; 2) Teste de Dina 4) Um conjunto de das a medir 0 tempo de reacdo frente a estimulos visuals audios ¢ uma prova mals complesa que teva steno dbus, sot Bh ide Mena Ravn 4 dein» seiio que deve contar com 0s feeios de pé e mio, especialmente, por ‘que 0 motor de Dois Tempos age apenas relativamente como freio auxi- -- Cuide-os, pois, ao maximo, = Procure ficar sempre com o tanque de gasolina cheio, para evitar as con: densagées de umidade, e verifique freqiientemente 0 filtro que se acha no copo antes da bomba, — Periddicamente mande limpar as velas. — Exija nos postos de servigos que © funil usado para despejar o dleo seja impo com pano; usando-e est8pa, em pouco tempo, os filtros do com: Dustivel ficardo-entupidos. = Adicionando 0 éleo, lembre que é melhor usilo em excesso do que EOS. 4p GASOLINA E OLEOS Quatro Rodas dé prosse- guimento a publicagao dos guias de lubrificagao para as unidades automo- tivas fabricadas no Brasil. No nGmero 6 publicare- mos o guia de lubrifica- cdo para veiculos Willys. Ob nee ii DIRUA VOCE MESMO CARROS VOLKSWAGEM Novos E auarias DA LOCADORA DE AUTOMOVEIS STAR LTDA. TRCN LCR S ULM aid 72 QUATRO RODAS, desta feita, foi do Rio de Janeiro até Vitéria, As setas apontam na dire¢ao de Cabo Frio, que foi uma das etapas da nossa viagem. Mas abra e desdobre: verificar que as setas apontam também, na dire. go de Guarapari, outra etapa, e encontrara, num mapa grande e com- pleto, 0 roteiro que, ao longo de uma costa deslumbrante, toma o rumo do Norte. No préximo némero, contaremos em de Janeiro, Velhacap, a Salvador, Antigaeap, coraséio de um Brasil que, embora inse. ido no progresso de hoje, ainda guarda com carinho o encanto des tempos colonicis. QUATRO RODAS — novembro de 1960 Estrada pesquitode osfaltede Pesto de cbesecimento i Y——Ofielnas mectineas Mecdnicor isolados a Estrada pesqusada ig = QUAT J Estrade pesquisada de terra Hottie TAT 4—+ ive estodval Estrada em obras - Hil ee