Você está na página 1de 8

UCAM – UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES

DIOGO AONI BALAGUER

BENEFÍCIOS AMBIENTAIS NA UTILIZAÇÃO DO ASFALTO-BORRACHA NA


PAVIMENTAÇÃO DE RODOVIAS

RIO DE JANEIRO
2017
UCAM – UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES
DIOGO AONI BALAGUER

BENEFÍCIOS AMBIENTAIS NA UTILIZAÇÃO DO ASFALTO-BORRACHA NA


PAVIMENTAÇÃO DE RODOVIAS

Artigo Científico Apresentado à Universidade Candido


Mendes - UCAM, como requisito parcial para a
obtenção do título de Especialista em Engenharia
Ambiental.

RIO DE JANEIRO
2017
1

BENEFÍCIOS AMBIENTAIS NA UTILIZAÇÃO DO ASFALTO-BORRACHA NA


PAVIMENTAÇÃO DE RODOVIAS

Diogo Aoni Balaguer1

RESUMO

O Brasil, por ser um país majoritariamente rodoviarista, sofre um aumento em sua frota de
veículos ano após ano, consequentemente, ocorre o crescimento do descarte irregular de
pneus inservíveis causando grandes danos ao meio ambiente. Portanto é preciso que se
busque alternativas para a reutilização desses pneus, e uma opção viável técnica e
economicamente, além de promover a sustentabilidade, é a utilização da borracha moída dos
pneus na composição do ligante asfáltico utilizado na pavimentação de rodovias. O asfalto-
borracha, como é conhecido, é uma tecnologia amplamente empregada ao redor do mundo,
porém, no Brasil, apesar dos diversos estudos realizados que indicam sua viabilidade, ainda
não é aplicada em larga escala nas rodovias do país. Este trabalho tem por objetivo apresentar
as principais características do asfalto-borracha e as vantagens do ponto de vista do meio
ambiente e da sustentabilidade em se adotar esta solução de projeto. Realizou-se uma
pesquisa bibliográfica em artigos científicos e dissertações de mestrado. Concluiu-se que a
maior utilização do asfalto-borracha em obras de pavimentação é capaz de proporcionar
ganhos em sustentabilidade e em termos econômicos para a sociedade.

Palavras-chave: Asfalto-borracha. Pavimentação. Sustentabilidade.

Introdução

A pavimentação no Brasil, tradicionalmente utiliza o ligante asfáltico


convencional, porém o asfalto nas duas últimas décadas vem perdendo suas
principais propriedades associadas à elasticidade. Tais propriedades estão
sendo incorporadas pela indústria petrolífera aos produtos de combustíveis.
Dessa forma, para requalificar o asfalto, tem sido necessário incorporar aditivos
ao ligante e a borracha é um dos produtos que fazem esse papel. Tecnologias
como o Asfalto Modificado por Borracha (AMB) vêm ganhando espaço
prometendo melhorias na qualidade do revestimento, economia, conforto ao
dirigir e propiciando avanços na preservação do meio ambiente.

Um critério importante na adoção do asfalto-borracha como solução de


projeto é o da sustentabilidade, pois diminui o impacto ambiental do descarte
irregular de pneus inservíveis no meio ambiente, promovendo a reciclagem
1
Graduação: Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pós Graduação: Planejamento,
Gestão e Controle de Obras Civis, Universidade Federal do Rio de Janeiro
2

destes para serem utilizados na composição da mistura asfáltica na


pavimentação.

O presente trabalho tem como objetivo apresentar as vantagens do


ponto de vista ambiental na utilização do ligante asfalto-borracha na
pavimentação de rodovias. Tecnologia esta que já se apresenta bastante
difundida em países como os Estados Unidos, porém ainda é subutilizada no
Brasil, apesar de não ser uma tecnologia nova para os pesquisadores
brasileiros.
Para alcançar os objetivos, utilizou-se como metodologia a pesquisa
bibliográfica, realizada a partir da análise artigos científicos divulgados no meio
eletrônico, livros de autores consagrados na área de pavimentação e
dissertações de mestrado.

Desenvolvimento

Segundo a ANIP (Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos), no


ano de 2016, no Brasil, foram vendidos 70,7 milhões de pneus novos. Em
adição aos novos pneus produzidos no Brasil todo ano, estima-se que existam
mais de 900 milhões de pneus no país desde que se iniciou a produção. Cerca
de 40% do total de pneus existentes no mercado foram descartados até 1999,
o que equivale a mais de dois pneus inservíveis por habitante. (BALAGUER,
2012)
Além da destinação inadequada dos pneus inservíveis ser prejudicial ao
meio ambiente, na questão da decomposição lenta, contaminação dos solos e
cursos d’água, risco de incêndio, os pneus descartados a céu aberto atraem
roedores e insetos e são criadouros de mosquitos causadores de doenças
como a dengue e zika, portanto esta pode ser considerada uma questão de
saúde pública.
De acordo com Oliveira (2007), os pneus são resíduos que apresentam
um complicado manejo, devido a dificuldade em se compactar, coletar e
eliminar, ocupando um grande volume os depósitos deste tipo de resíduo.
Quando ocorre a queima dos pneus, estes liberam fumaça com alto teor de
substâncias tóxicas como o dióxido de enxofre.
3

Para mitigar os efeitos do descarte deste tipo de resíduo no Brasil foi


criada em 1999 a Resolução nº258 do Conselho Nacional do Meio Ambiente, o
CONAMA, que obriga as fabricantes e importadoras de pneus a coletar e
providenciar destinação final ambientalmente adequada aos pneus inservíveis
existentes no país, proporcionalmente às quantidades fabricadas ou
importadas. Nos Estados Unidos, país onde se produz a maior quantidade de
pneus inservíveis no mundo, existem legislações que regulam a aquisição,
estocagem e processamento dos pneus, restringem a armazenagem em
aterros sanitários e incentivam o desenvolvimento de alternativas para esta
questão. (BERTOLLO et al., 2002)
Segundo Bernucci et al. (2008), uma maneira de se reduzir o impacto do
descarte irregular de pneus ao meio ambiente é a utilização da borracha dos
pneus inservíveis nas misturas asfálticas, técnica que vem sendo bastante
difundida ao redor do mundo, utilizando grande volume deste resíduo e ao
mesmo tempo melhorando diversas propriedades do asfalto.
A durabilidade do asfalto construído com a borracha de pneus em sua
composição aumenta em duas vezes a durabilidade do pavimento, quando
comparado com o asfalto convencional. Podendo chegar a durar três vezes
mais em determinadas condições de clima e tráfego. O que faria valer o
investimento na nova tecnologia, apesar do valor inicial do insumo asfalto
borracha ser em média 30% maior do que o asfalto convencional.
Concessionárias de diversos estados brasileiros já estão adotando a solução
da pavimentação em asfalto-borracha, porém, as empresas privadas
correspondem a uma pequena parcela das rodovias no Brasil, já que grande
parte da malha rodoviária do país é operada pelo Estado, que por hora, não
demonstra interesse em utilizar o AMB. (OLIVEIRA, 2007)
Segundo Oliveira (2007), na extensão de 1 quilômetro de uma rodovia,
com uma pista de 7 metros de largura e espessura do pavimento de 4
centímetros, são utilizadas a borracha de 4.200 pneus, após beneficiados com
a retirada de materiais que não servem para a pavimentação como fios de aço
e lona.
Balaguer (2012) acrescenta que em estudo realizado nos Estados
Unidos, verificou-se que a presença da borracha no ligante asfáltico reduziu o
ruído produzido pela passagem de veículos nas rodovias em 4db,
4

aproximadamente, na comparação com o asfalto convencional. Portanto, a


utilização do AMB é capaz de reduzir a poluição sonora produzida pelo tráfego
de veículos no entorno das rodovias onde foi aplicado.

Outras vantagens em se utilizar o AMB em comparação com o asfalto


convencional são: maior viscosidade, permitindo a execução de camadas de
maior espessura sem abatimento na aplicação; aumento da durabilidade do
pavimento resultando em uma diminuição dos custos de manutenção; redução
na espessura das camadas do pavimento reduzindo o tempo de construção e
aumento da segurança nas estradas devido ao maior contraste entre o asfalto
e as sinalizações horizontais nas vias pois o asfalto fica negro por mais tempo.
(CALTRANS, 2003)

Estudos conduzidos nos Estados Unidos apontam ainda que os


pavimentos em asfalto-borracha aumentam o conforto na direção além de
economia de combustível da ordem de 4,5% em comparação com o asfalto
convencional. Isto se deu devido ao asfalto-borracha apresentar uma superfície
mais lisa com menos defeitos, tais como afundamentos e trincas por fadiga,
mesmo com o passar do tempo graças a maior durabilidade deste tipo de
pavimento. Melhores superfícies de rolagem resultam em menos necessidade
de manutenção dos veículos, gerando mais economia. (ASPHALT RUBBER
ITALIA, 2013)

Além do benefício ambiental em se utilizar pneus reciclados na


pavimentação em asfalto-borracha, de acordo com Bertollo et al. (2002), é
preciso que se analise os ganhos no ponto de vista da engenharia, pois ainda
não existe consenso se a utilização da borracha triturada fornece benefícios
significativos às propriedades de engenharia e na produção de um pavimento
com maior desempenho no longo prazo, quando comparada ao pavimento
tradicional. Contudo, entre as potenciais melhorias nas propriedades dos
pavimentos gerados pela adição de borracha à mistura asfáltica pode-se
salientar: aumento de flexibilidade quando em baixas temperaturas, aumento
da resistência à deformação permanente em altas temperaturas, aumento da
resistência à fadiga, maior resistência ao desgaste e ao envelhecimento,
quando comparado ao pavimento tradicional.
5

Conclusão

Em virtude dos aspectos apresentados neste artigo, os ganhos e


benefícios ambientais em se utilizar a borracha moída de pneus na
pavimentação são evidentes. Os pneus inservíveis que seriam descartados no
meio ambiente de maneira irregular são reciclados, diminuindo a quantidade de
resíduos.
Depósitos irregulares de pneus na natureza também são prejudiciais do
ponto de vista da proliferação de vetores de doenças, como roedores e insetos,
além de contaminar o solo e mananciais. A queima dos pneus produz gases
tóxicos que prejudicam a qualidade do ar.
Portanto a utilização do asfalto-borracha se apresenta como uma
excelente alternativa para a mitigação de diversos problemas ambientais
oriundos do descarte irregular de pneus.
Os benefícios econômicos também são grandes na pavimentação com
AMB, pois, apesar do maior valor inicial do insumo, a durabilidade e vida útil
são maiores quando comparadas ao asfalto convencional, gerando economia
com manutenção e operação da rodovia, além de maior conforto na direção do
veículo e menor consumo de combustível.
Em termos de melhorias nas características de engenharia do asfalto-
borracha, ainda estão sendo desenvolvidas diversas pesquisas e estudos no
Brasil, porém os resultados têm se mostrado bastante favoráveis e a tendência
é que a tecnologia ganhe cada vez mais espaço nas estradas brasileiras.
Em suma, o asfalto-borracha, também conhecido como asfalto
ecológico, pode ser considerado como uma alternativa sustentável em obras de
pavimentação.

REFERÊNCIAS

Asphalt Rubber Italia, Custo-benefício do asfalto-borracha para os usuários,


2013. Disponível em: www.asphaltrubberitalia.com/wp-
content/uploads/2013/05/AsphaltRubber-USERCOSTBENEFITS.pdf, Acesso
em 19 de abr. de 2017.

BALAGUER, Marcos. Avaliação estrutural de um pavimento flexível executado


em asfalto-borracha elaborado pelo processo de produção contínua em usina.
6

196 f. Dissertação (Mestrado) – Engenharia de Transportes Instituto Militar de


Engenharia, 2012.

BERNUCCI, Liedi et al. Pavimentação Asfáltica: Formação Básica para


Engenheiros. Rio de Janeiro: Petrobras: Abeda, 2008.

BERTOLLO, Sandra et al. Avaliação Laboratorial de Mistura Asfáltica Densa


Modificada com Adição de Borracha. Rio de Janeiro: Revista Transportes, v.
10, n. 1, p. 65-83, 2002.

CALTRANS, Guia de utilização do asfalto-borracha, 2003.Disponível em:


rma.org/sites/default/files/MOD-044-Asphalt_Rubber_Usage_Guide.pdf,
Acesso em 11 de abr. de 2017.

OLIVEIRA, Otávio. Estudo da destinação e da reciclagem de pneus inservíveis


no Brasil. Foz do Iguaçú: XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção,
2007. Disponível em:
www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2007_TR650481_0291.pdf. Acesso em
29 de ago. de 2017