Você está na página 1de 25

INTERVENÇÕES PSICOPEDAGÓGICAS

PARA AUTISTAS NA PRÁTICA


Pp. Patrícia Leuck
SINDPSICOPp-BR 170
O QUE É INTERVENÇÃO?
A intervenção psicopedagógica pode ser
de forma preventiva, a qual detecta as
dificuldades e promove sugestões
metodológicas, orientação vocacional,
educacional e ocupacional ou de forma
terapêutica. Seja em escolas, identificando
alunos com dificuldades ou em hospitais,
elaborando diagnósticos das pessoas
internadas.
Cabe a nós Psicopedagogos , otimizar a
aprendizagem através do estímulo, descoberta de
potencialidades, reabilitação cognitiva e funções
executivas, socialização, treino comportamental
através do lúdico,no rendimento escolar, além de
investigar, detectar e intervir nas causas que
estão levando ao fracasso escolar e os fatores que
limitam o aprendizado, na orientação dos
familiares quanto as suas posturas e também os
profissionais envolvidos diretamente com o aluno
autista.
MAS O QUE É AUTISMO?
O Transtorno do Espectro Autista (TEA)
é transtorno do neurodesenvolvimento
infantil caracterizado por dificuldades na
interação social, comunicação,
comportamentos repetitivos e interesses
restritos, podendo apresentar também
sensibilidades sensoriais.
• Mais em homens que em mulheres: 1 mulher
para cada 4,2 homens. (Fombonne, 2009;
Rice, 2007)
•A prevalência é estimada em 1 em cada
88 nascimentos.
•(Centers for Disease Control and
Prevention, 2012)
No Brasil, os estudos epidemiológicos são
escassos. No 1º Encontro Brasileiro para
Pesquisa em Autismo (EBPA), Fombonne
(2010) estimou uma prevalência de aprox. 500
mil pessoas com autismo em âmbito nacional,
baseando-se no Censo de 2000
MAS O QUE MUDOU?
• Antiga Classificação do (DSM - IV)
• - Autismo ( clássico)
• - Asperger, (PDD-NOS)
• -Transtorno Invasivo do Desenvolvimento sem outra
especificação.
___________________________________________

• Atual = Classificação = ( DSM - V)


• - Transtorno do espectro autista (TEA)
• - Autismo Grave
• - Autismo Moderado
• - Autismo Leve
AUTISMO LEVE
Sinais brandos

Poucos sinais

Menos comprometimento

Melhor comunicação

Aprende habilidades com mais facilidade


AUTISMO MODERADO

Sinais entre os brandos e os intensos

Mais sinais que no nível anterior

Comprometimento médio
AUTISMO SEVERO

Sinais mais intensos e frequentes

Maior comprometimento

Comunicação ausente

Grande dificuldade na aprendizagem de habilidades

APOIO PERVASIVO MAIOR


ABORDAGEM DO TRABALHO
PSICOPEDAGÓGICO
• Como montar as intervenções para meus
aprendentes?

• Que método utilizar com ele ? Teach? ABA?


PECS? Son Rise? Floortime?
Conhecendo um pouco cada um..
• Método Teacch
• O método TEACCH utiliza uma avaliação
denominada PEP-R (Perfil Psicoeducacional
Revisado) para avaliar a criança e determinar
seus pontos fortes e de maior interesse, e
suas dificuldades, e, a partir desses pontos,
montar um programa individualizado.
• O TEACCH visa o desenvolvimento da
independência do aluno de forma que ele
precise do professor para o aprendizado de
atividades novas, mas possibilitando-lhe
ocupar grande parte de seu tempo de forma
independente.
Método ABA
Os objetivos da intervenção são:
1. Trabalhar os déficits, identificando os
comportamentos que a criança tem dificuldades
ou até inabilidades e que prejudicam sua vida e
suas aprendizagens.
2. Diminuir a freqüência e intensidade de
comportamentos de birra ou indesejáveis, como,
por exemplo: agressividade, estereotipias e outros
que dificultam o convívio social e aprendizagem
deste indivíduo.
3. Promover o desenvolvimento de
habilidades sociais, comunicativas,
adaptativas, cognitivas, acadêmicas etc.
4. Promover comportamentos socialmente
desejáveis
Método PECS
O PECS pode ser um sistema de
comunicação alternativa (único método) para
aqueles que não falam ou um sistema de
comunicação aumentativa (suplementar) para
aqueles que falam.
Método floortime
• A meta no Floortime é desenvolver a criança
dentro dos 6 marcos básicos para a plenitude
do desenvolvimento emocional e intelectual
do indivíduo. Greenspan descreveu os 6
degraus da escada do desenvolvimento
emocional como:
• noção do próprio eu e interesse no mundo;
intimidade ou um amor especial para a
relação humana;
• a comunicação em duas vias (interação);
• a comunicação complexa;
• as ideias emocionais e o pensamento
emocional..
A criança autista tem dificuldades em se
mover naturalmente através desses marcos,
ou subir esses degraus, devido à reações
sensoriais exacerbadas ou diminuídas e/ou a
um controle pobre dos comandos físicos
Método Son-Rise
O Programa Son-Rise é centrado na pessoa
com autismo. Isto significa que o tratamento
tem início na busca de uma profunda
compreensão e genuína apreciação da
criança, de como ela se comporta, interage e
se comunica, assim como de seus interesses.
O Programa Son-Rise descreve isto como o “ir
até o mundo da criança”, buscando fazer a
ponte entre o mundo convencional e o mundo
desta criança em especial.
Com esta atitude, o adulto facilitador vê a
criança como um ser único a ser respeitado,
não como alguém que precisa “ser
consertado”, e pergunta-se, “como eu posso
me relacionar e me comunicar melhor com
essa criança?”. Quando a criança sente-se
segura e aceita por este adulto, maior é a sua
receptividade ao convite para interação que o
adulto venha a fazer.
CONSIDERAÇÕES
1. Todo ser humano é passível de sofrer
transformações, assim, é preciso uma
mudança de concepção acerca da pessoa
Autista;
2. Como profissionais – intervir e proporcionar
condições para que esse individuo se
transforme. Não focar no transtorno e sim no
processo de ensino
3. Tanto nosso aprendente como nós
profissionais somos sujeitos suscetíveis de
transformações desencadeadas no próprio
contexto em que as relações acontecem
durante o processo de mediação da
experiência de aprendizagem.
4 . Mesmo que este processo pareça
prolongado, a perseverança e a busca de
alternativas possibilitam mudanças.
ESTUDO DE CASO:
• Caso um : autismo severo ( TGD)
• Caso dois: autismo severo
• Caso três: Autismo não especificado (
reviravolta no diagnóstico)
CONTATOS:
• E-mail: patricianaps@yahoo.com.br
• Página facebook: Psicopedagoga Patricia
Leuck
• Watts: 54 92510905