Você está na página 1de 43

Válvulas

Profa. Karla Silva


Ago/2011
Válvulas
São os acessórios mais importantes nas tubulações, sem
os quais estas seriam praticamente inúteis.
Destinam-se a estabelecer, controlar e interromper o
escoamento.
Em qualquer instalação deve-se usar o menor número de
válvulas possível, porque são peças caras, sujeitas a
vazamentos e que introduzem perdas de carga (que
podem ser elevadas).
Classificação das Válvulas
Construção das Válvulas
Meios de Operação das Válvulas
1.Válvulas de bloqueio
São as válvulas que destinam-se a estabelecer ou interromper
o fluxo e devem funcionar completamente abertas ou
completamente fechadas.

1.1.Válvulas gaveta
É a válvula de uso mais generalizado, mas que com a aparição
de válvulas mais leves e mais baratas (esfera e borboleta,
principalmente), seu uso é cada vez menor. Não aparecem entre
as válvulas sanitárias. O fechamento nessas válvulas é feito pelo
movimento de uma peça denominada gaveta, que se desloca
paralelamente ao orifício da válvula.
Quando estão totalmente abertas, a trajetória de circulação do fluido fica reta e
desimpedida, havendo pouca perda de carga.
Quando estão parcialmente abertas causam perdas de carga muito elevadas,
cavitação e violenta corrosão e erosão.

a) b)

Figura.Válvulas gaveta. a) Pequena com castelo rosqueado.


b) Grande com castelo parafusado.
Variantes das Válvulas gaveta
1.2.Válvulas (de) Macho

Não é sanitária.
São aplicadas nos serviços de bloqueio de
gases (em qualquer diâmetro, temperatura
ou pressão) e, também, no bloqueio rápido
de água, vapor e líquidos em geral, inclusive
com sólidos em suspensão (pequenos
diâmetros e baixas pressões).

Figura. Válvula macho.

Uma das vantagens da válvula macho sobre a válvula gaveta é o menor espaço ocupado.
O fechamento dessas válvulas se faz pela rotação de uma peça (macho), na qual há um orifício, no interior do
corpo da válvula. Quando o macho gira, o furo se alinha à tubulação, dando passagem ao fluido. Quando
estão totalmente abertas, a perda de carga é bastante pequena, porque a trajetória do fluido é reta
e livre.
As variantes das válvulas macho são:
*Válvulas esfera
a) b)

Figura. Válvula esfera. a) esquema com as partes principais.


b) válvula esfera sanitária comercial.
O macho dessas válvulas é uma esfera, que também é furada de lado a lado. O material de
vedação é bastante flexível, que no caso de válvulas sanitárias devem ser elastômeros sanitários,
de grau alimentício (buna-N, viton), para garantir que não haja vazamentos.
* Válvulas de 3 vias:
O macho dessas válvulas é furado em "T" ou "L", ou ainda,
em forma de cruz, dispondo a válvula de 3 locais para que
seja feita a ligação a tubulações.

Figura. Válvula de três vias


2.Válvulas de regulagem
São destinadas a controlar o escoamento, podendo trabalhar
em qualquer posição de fechamento parcial.

2.1.Válvulas globo
Nessas válvulas o fechamento é feito por meio de um
tampão que se ajusta contra uma única sede, cujo orifício
está geralmente em posição paralela ao sentido do
escoamento.
Causam, em qualquer posição de fechamento, fortes perdas
de carga, devido às mudanças de direção e turbilhonamento
do fluido dentro da válvula.
Figura. Válvula globo.

Não é sanitária!
Destina-se a serviços de regulagem e
de fechamento estanque em linhas de
água, óleos industriais, que não sejam
muito corrosivos, e para o bloqueio e
regulagem em linhas de vapor e de
gases.

As variantes da válvula globo são:


Válvulas em "Y":
Nessas válvulas, a haste fica em um ângulo de 45 com o corpo, o de
modo que a trajetória da corrente de líquido fica quase retilínea,
com um mínimo de perda de carga.
São usadas para bloqueio e regulagem de vapor e são
preferidas para uso com produtos corrosivos.

a) b)

Figura. Válvula em "Y"


2.2.Válvulas Agulha:
O tampão é substituído por uma peça cônica, a agulha, que
permite um controle preciso do escoamento.
São válvulas para regulagem fina de líquidos e gases, em
diâmetros de até 2".

Figura 6.7. Esquema de uma válvula agulha.


2.3.Válvulas Borboleta

São basicamente válvulas de regulagem, mas também podem


trabalhar como válvulas de bloqueio.
O emprego dessas válvulas tem aumentado por serem leves,
baratas e facilmente adaptáveis a comando remoto.
O fechamento da válvula é feito por meio de uma peça
circular que gira em torno de um eixo perpendicular ao
sentido de escoamento do fluido.
Podem ser manuais ou com controle pneumático.
A válvula borboleta, além de ser barata, provoca pequena
perda de carga e pode ser usada com líquidos de alta e baixa
viscosidade.
Figura. Válvula borboleta.
a) Esquema de funcionamento de uma válvula manual.
b) Válvula comercial de acionamento automático.
2.4.Válvulas de Diafragma

São válvulas muito usadas para


regulagem ou bloqueio de fluidos
corrosivos (alimentos ácidos).
A válvula se fecha por meio de um
diafragma flexível que é aperta do
contra a sede.
O mecanismo que controla o diafragma
não tem contato com o fluido e, por
isso, são recomendadas para
processamentos estéreis.
Não possuem fendas e asseguram que
não há retenção de partículas.
3.Válvulas que permitem o
escoamento em um só sentido

3.1.Válvulas de retenção
Essas válvulas permitem a passagem do fluido em apenas um
sentido, fechando-se automaticamente por diferença de pressões,
exercidas pelo fluido em conseqüência do escoamento, no caso
de haver a tendência à inversão no sentido do fluxo.
São, portanto, válvulas de operação automática. Costumam
provocar elevada perda de carga, como todas as válvulas, e só
devem ser usadas quando for imprescindível.

Existem três tipos principais de válvulas de retenção:


A) Válvula de retenção de levantamento: o
fechamento é feito por um tampão semelhante aos das válvulas
globo. Esse tampão é mantido suspenso, afastado da sede, por
efeito da pressão do fluido sobre a face inferior. Caso haja
tendência à inversão do sentido do fluxo,a pressão do fluido
sobre a face superior do tampão, aperta-o contra a sede,
interrompendo o escoamento

Figura. Válvula de retenção de


levantamento.
B) Válvula de retenção de portinhola: é o tipo mais usual. O
fechamento é feito por uma portinhola que se assenta no orifício da
válvula. Embora, a perda de carga seja elevada,costuma ser menor que a
introduzida por válvulas de retenção de levantamento, porque a
trajetória do fluido é retilínea.

a) b)

Figura.Válvula de retenção de portinhola. a) Esquema com partes


principais. b)Escoamento vertical.
C) Válvula de retenção de esfera: são semelhantes às
válvulas de retenção de levantamento, porém, neste caso, o tampão
é substituído por uma esfera. É a válvula de retenção de
fechamento mais rápido.

Figura.Válvula de retenção de esfera.


3.3.Válvulas de pé
São instaladas na extremidade livre da linha, ficando mergulhadas
dentro do líquido no reservatório de sucção.
Elas impedem o esvaziamento do tubo de sucção da bomba,
colocada acima do reservatório, eliminando a necessidade do
escorvamento cada vez que a bomba é posta em funcionamento.
4.Válvulas controladoras de pressão
4.1.Válvulas de segurança e alívio

Essas válvulas abrem-se automaticamente, quando essa pressão


ultrapassa um determinado valor para o qual a válvula foi ajustada. A
válvula fecha-se em seguida,automaticamente, quando a pressão cair
abaixo do valor de abertura. Essas válvulas são denominadas de
"segurança", quando destinadas a trabalhar com fluidos
compressíveis (vapor,ar, gases) e "de alívio" quando trabalham com
líquidos, que são fluidos incompressíveis.

Figura 6.12. Válvula


de segurança.
4.2.Válvulas redutoras de pressão

Regulam a pressão dentro de limites pré-


estabelecidos. São automáticas e fecham-se por
meio de molas de tensão regulável, de acordo
com a pressão desejada. Esse tipo de válvula
mantém controle preciso de baixas pressões,
independente das variações de vazão ou da
pressão de entrada. São muito utilizadas nas
instalações de vapor e ar comprimido, nas redes
de abastecimento de água nas cidades e nas
instalações de água em prédios altos.

Figura 6.13. Funcionamento de uma válvula


reguladora de pressão. 1) Válvula em equilíbrio. 2)
Abaixa a pressão e a válvula fecha. 3) Aumenta a
pressão e a válvula abre.
Válvulas sanitárias de duplo assento

Pode servir como válvula de


mistura ou de duplo processo.
Com essa válvula é possível circular
o produto por uma linha, enquanto
se faz a limpeza CIP pela outra, sem
haver risco de contaminação do
produto. Esse tipo de válvula tem
se tornado norma em muitas
indústrias, substituindo duas ou três
válvulas de simples assento,
Figura 6.14. Válvulas economizando espaço e custos de
sanitárias de duplo assento. instalação.
Válvulas de Controle
Nome genérico para designar uma grande variedade de válvulas utilizadas para
controlar automaticamente variáveis como
pressão, temperatura, vazão, nível, etc.
Válvulas de Controle
Como funciona:
Válvulas de Controle
Exemplos de Instalação:

10
1
13

2 5
4

4
Outros tipos de Válvulas de Controle
Válvulas de Controle
Exemplos de Instalação:

10
1
13

2 5
4

4
Arranjos Típicos de Instalação de Válvulas de Controle
Válvulas Termostáticas
Destinam-se a manter, automaticamente, temperaturas estabelecidas em tanques e
aparelhos aquecidos a vapor
Válvulas Termostáticas

Exemplos de Instalação:
Seleção de Válvulas
Dados para Requisição de Válvulas

1. QUANTIDADE
2.TIPO GERAL DA VÁLVULA (Gaveta, Globo, Macho etc.)
3. DIÂMETRO NOMINAL (Em alguns casos é diferente do Ø do tubo)
4. CLASSE DE PRESSÃO NOMINAL
5.TIPO DE EXTREMIDADE E NORMA DIMENSIONAL RESPECTIVA
6. ESPECIFICAÇÃO COMPLETA DE TODOS OS MATERIAIS (Corpo e
castelo, mecanismo interno, anéis de sede, anéis retentores, juntas, gaxetas,
revestimento anticorrosivo, parafusos, porcas etc.)
7.TIPO DE LIGAÇÃO DO CORPO-CASTELO
8. SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DA HASTE
9. ACESSÓRIOS OPCIONAIS E/OU EXIGÊNCIAS ESPECIAIS (Tubo de
contorno com válvula [by-pass], indicador de posição de abertura, volante com
adaptação para corrente, alavanca com catraca de fixação, alavanca para comando de
válvula de retenção, válvula com camisa de aquecimento, válvula a prova de fogo,
exigência de fechamento estanque etc.)
10. NORMA DIMENSIONAL
Dados Adicionais para Válvulas de Segurança
• pressão de abertura, norma de cálculo e tempo para abertura
• descarga livre ou valor da contra pressão de descarga
• vazão máxima, mínima e de regime
• letra indicativa da área do orifício de descarga
• necessidade ou não de fole de balanceamento

Dados Adicionais para Válvulas de Controle


• tipo de curva característica de fechamento
• vazão máxima, mínima e de regime, coeficiente de vazão (Cv)
• perda de carga (máxima e mínima)
• posição desejada da mola (normalmente fechada ou aberta)
• características do ar de comando
• nível máximo de ruído admissível
Acessórios
Os acessórios se classificam de acordo com a sua finalidade:
1) Fazer mudança da direção do fluxo (45º , 90º e 180º ):
 Curvas de raio longo
 Curvas de raio curto
 Cotovelos
2) Fazer derivações em tubos:
 Tês normais (90º )
 Tês de 45º
 Tês de redução
 Derivações em "Y"
 Cruzetas
3) Fazer mudanças de diâmetro em tubos:
4) Fazer ligações de tubos entre si ou de
equipamentos a tubos:
 Niples e luvas
 Abraçadeira: facilita a limpeza da instalação
 Flanges
 Uniões: facilita a troca de peças
5) Fazer o fechamento da extremidade de tubos
 Tampão
 Porca-tampão