Você está na página 1de 8

ESTUDO E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS

Eng. Vicente Budzinski1


1,2,3
Acadêmicos do Curso em Pós-Graduação de Engenharia de Estruturas do Centro
Universitário de Lins - Unilins, Lins-SP, Brasil

Orientadora Profª. Drª. Luciana Maria Bonvino Figueiredo Pizzo


4
Docente do Curso Pós-Graduação em Engenharia de Estruturas do Centro Universitário de
Lins - Unilins, Lins-SP, Brasil.

Resumo
Apresentam-se os conceitos básicos Palavras chaves – Concreto, Aço, estrutura
necessários ao conhecimento do mista, viga mista, laje mista.
comportamento de vigas mistas. Os
objetivos deste trabalho é discutir as Abstract
vantagens e desvantagens dos sistemas Presents the basic concepts needed to
mistos, são discutidos e comparados com o understand the behavior of beams and slabs
sistema estrutural convencional. Discutir o mixed . The objectives of this paper is to
comportamento e algumas recomendações discuss the advantages and disadvantages
construtivas, bem como a viabilidade dos of mixed systems are discussed and
sistemas estruturais mistos. Elucidar os compared with the conventional structural
modelos de viga mista contemplado pela system . Discuss the behavior and some
NBR-8800:2008. Enumerar algumas das constructive recommendations , as well as
vantagens e desvantagens dos sistemas the feasibility of mixed structural systems .
mistos discutidos. Elucidate models of composite beam
Especificamente o trabalho objetiva: contemplated by NBR-8800:2008.
a) Apresentação do projeto de pesquisa Enumerate some of the advantages and
sobre vigas mistas; disadvantages of mixed systems discussed .
b) Elaborar um exemplo de cálculo de vigas Specifically, the study aims to :
mistas, a fim de possibilitar maior a) Presentation of the research project on
conhecimento do assunto; composite beams ;
Baseia-se no estudo comparativo dos b ) Prepare an example calculation of
resultados do dimensionamento de cálculo, composite beams , in order to provide
de uma estrutura de viga mista com greater knowledge of the subject ;
interação total com a laje, com outra Is based on the comparative study of the
estrutura de viga semelhante sem interação results of the sizing calculation of a
com a laje, será utilizada laje com forma composite beam structure with full
metálica incorporada (steel deck), sem interaction with the slab, with another
escoramento direto, tendo apenas contenção similar beam structure without interaction
lateral. Este trabalho trata do estudo técnico with the slab , slab will be used to shape
sobre alguns aspectos relacionados metal incorporated ( steel deck ) without
ao cálculo de estruturas mistas. Portanto, shoring straight , having only lateral
será baseado no estudo da restraint . This work deals with the technical
bibliografia disponível, que dará subsidio study of some aspects
para o desenvolvimento dos objetivos the calculation of composite structures . It
específicos do trabalho. will therefore be based on the study of
A elaboração deste projeto, ainda que available literature , we give subsidies for
simplificado, resultará em um roteiro the development of goals
didático sobre vigas mistas. specific job .
The development of this project, though MALITE (1993), em que foram realizados
simplified , resulting in a script ensaios em vigas mistas e ensaios
textbook on composite beams .. normalizados em 3 tipos de conectores de
Keywords – Concrete, steel, composite cisalhamento de chapa dobrada: cantoneira
structure, composite beam, slab. simples, cantoneira enrijecida e perfil U.
Uma das vantagens da utilização de vigas
1 Introdução mistas em sistemas de pisos é o
Denomina-se sistema misto aço-concreto acréscimo de resistência e de rigidez
aquele no qual um perfil de aço propiciados pela associação dos
(laminado, soldado ou formado a frio) elementos aço e concreto, o que possibilita a
trabalha em conjunto com o concreto ou redução da altura da viga de
com a armadura presente no mesmo, aço, implicando em economia de material.
formando uma viga mista, pilar misto, laje A principal desvantagem reside na
mista ou ligação mista.. O uso de sistemas necessidade de provisão dos conectores de
mistos de aço e concreto são muito cisalhamento na interface aço-
difundidos internacionalmente, no Brasil concreto. Com relação ao método
este tipo de estrutura vem ganhando espaço construtivo, pode-se optar pelo não
e popularidade entre os projetistas com o escoramento da laje devido à necessidade de
passar dos anos. Em comparação com as velocidade de construção. Por outro lado, o
estruturas em aço, há uma redução do escoramento da laje pode ser apropriado
consumo de aço estrutural, possível redução caso seja necessário limitar os
das proteções contra incêndio e corrosão, deslocamentos verticais da viga de aço na
entre outras. fase construtiva, com isso resultam em
perfis de aço menores. Segundo QUEIROZ
2 Referencial Teórico (2010), as lajes mistas de aço e concreto,
O comportamento das vigas mistas em também chamadas de lajes com fôrma de
perfis formados a frios possui aço incorporada, são aquelas em que a
particularidades em relação às vigas mistas fôrma de aço é incorporada ao sistema de
em perfis laminados e soldados, como o sustentação das cargas, funcionando, antes
tipo apropriado de conectores de da cura do concreto, como suporte das ações
cisalhamento e a pequena capacidade de permanentes e sobrecargas de construção e,
rotação da viga de aço. depois da cura, como parte ou toda a
Verifica-se na prática que os dois materiais armadura de tração da laje. Além da forma
são complementares, pois o aço resiste à de aço incorporada, a laje mista pode contar
tração e o concreto a compressão, onde com armadura na região superior para o
surge a idéia das estruturas mistas. controle de fissuração e nas regiões de
No Brasil, a construção mista limitou-se a momento negativo. Atualmente, vários
alguns edifícios e pequenas pontes, entre sistemas têm sido utilizados no processo de
1950 e 1960. É mencionado em MALITE construção de fôrmas para suportar o
(1993) que a partir da década de 70 e início concreto durante a fase de execução das
da década de 80, a utilização do sistema lajes. Entre esses sistemas, destaca-se o
misto praticamente ficou estagnada, dando- steeldeck, com várias opções de dimensões
se maior preferência pelo uso do concreto e já bastante difundido não só no Brasil,
armado e do concreto protendido na mas também em diversos países, como
construção de edificações e pontes. No Estados Unidos e Japão, onde é destacado o
departamento de engenharia de estruturas da seu uso em shoppings centers, hotéis,
EESC/USP, as estruturas mistas aço- edifícios residenciais, comerciais ou
concreto têm sido pesquisadas, tendo início garagens (ALVA, 2000).
com o mestrado de Maximiliano Malite,
MALITE (1990), e prosseguindo com o
trabalho de doutorado do mesmo autor,
3 Metodologia

Baseia-se no estudo comparativo dos


resultados do dimensionamento de cálculo,
de uma estrutura de viga mista com
interação total com a laje, com outra
estrutura de viga semelhante sem interação
com a laje, foi utilizada laje com forma
metálica incorporada (steeldeck), sem
escoramento direto, tendo apenas contenção
lateral. Este trabalho trata do estudo técnico
sobre alguns aspectos relacionados ao
cálculo de estruturas mistas. Portanto, será
baseado no estudo da bibliografia disponível,
que dará subsidio para o desenvolvimento
dos objetivos específicos do trabalho. A
elaboração deste projeto, ainda que Figura 1 - Planta baixa do sistema a ser
simplificado, resultará em um roteiro analisado, BUDZINSKI (2013).
didático sobre vigas mistas.
Dados dos materiais:
4. Desenvolvimento
- Aço: MR-250
Para o sistema de piso misto abaixo, - Módulo de elasticidade: E=200.000 MPa;
verificou-se a viga V02 nas condições de - Fy = 250 MPa;
interação nula, ou seja, perfil isolado. - Laje com forma de aço incorporada
Depois interação total, considerando viga h=145mm
mista, para posterior comparação dos (hf=75mm ; capa de concreto 70mm e
resultados. bf=137mm);
- Conector tipo pino com cabeça φ19mm, hcs
As hipóteses estabelecidas são: = 115mm, aço fu=415 MPa;
Concreto: C20 (fck = 20 Mpa), (γ=24kN/m3),
a) Construção não escorada; Ec=4760√fck = 21287MPa
b) A viga de aço é contida lateralmente na
fase de construção; 4.0 Perfil de Aço Isolado VS600x140
c) A viga de aço atende a verificação de
força cortante; No sistema biapoiado com interação nula, a
d) O deslocamento vertical das vigas de viga metálica deve resistir a todas as cargas
apoio pode ser desconsiderado no do sistema, peso próprio, carga permanente
cálculo da flecha da viga V02; e sobrecarga de utilização.
e) Será considerado o sistema de vigas Em resumo, a laje steel deck será somente
biapoiadas. uma “carga” para a viga, ou seja, não
ajudará no dimensionamento do conjunto.

Carregamento:

A hipótese estudada, leva em conta que o


piso servirá de depósito de óleo lubrificante
cuja massa específica é de 880 Kgf/m3.
Cada embalagem individual cheia de óleo
mede 5x10x20cm (CxLxA). A caixa
coletiva de óleo é composta de 75 unidades FD = [ 1,25.140 + 1,35.520,5 +
e mede 25x50x60cm (C;L;A). Foi 1,35.612,75 ] +
determinado empilhamento máximo de até 2 [ 1,5.2156 + 1,5.1832)] =
caixas.
FD =~ 7687 Kg/m
Carga acidental:
Momento Solicitante:
Volume de óleo 5x10x20cm = 1000cm3 =
0.001m3 Msd = (PxL2)/8 = (7687 x 9.822)/8
Massa da embalagem Individual = 0.001m3
x 880Kg/m3 = 0.88Kg Msd =~ 92660 Kg.m = 926,6 kN.m
Massa da Caixa Coletiva = 0.88Kg x 75 =
66Kg. Após realizado as verificações pertinentes
Massa do empilhamento máximo = 66Kg x conforme exigências da NBR:8800:2008, o
2 = 132Kg. perfil VS600x140 trata-se de uma viga
Área ocupada por 2 caixas empilhadas = compacta e possui momento resistente de
0.25 x 0.5 m = 0.125m2 1042 kN.m. (BUDZINSKI, 2013).
Se 0.125m2 pesa 132Kg => 1m2 pesará
1056Kg. O momento resistente do perfil isolado, sem
interação com a laje é superior ao momento
Resumo do carregamento: solicitante: Msd < Mrd, 926,6 < 1042
(kN.m).
Peso próprio da Laje: 300 Kg/m2
Carga acidental: 1056 Kg/m2 4.1 Perfil de Aço Misto VS600x140

Carregamento distribuído, carga permanente A próxima etapa do trabalho foi considerar


PP: o mesmo perfil VS600x140, no sistema
Carregamento distribuído PP LJ01: misto. Nos elementos mistos, a combinação
(3.470/2)x300=520.50 Kg/m aço-concreto propicia maior rigidez à
Carregamento distribuído PP LJ02: estrutura, visto que se aumenta
(4.085/2)x300=612.75 Kg/m consideravelmente a inércia da seção
Carregamento distribuído PP Perfil: 140 transversal, fato este que pode ser
Kg/m constatado na figura 2, pode-se considerar
que a laje de concreto complementa a seção
Carregamento distribuído, sobrecarga de transversal, aumentando a sua inércia:
utilização SCU:

Carregamento distribuído SCU LJ01:


(3.470/2)x1056= 1832,16Kg/m
Carregamento distribuído SCU LJ02:
(4.085/2)x1056= 2156.88Kg/m

Combinação mais crítica:

Figura 2 - Seção transversal perfil VS e laje


steel deck, PIZZO (2012).
Para cconsidera
onsidera
onsiderar interação total da viga de adotada neste trabalho, deve
deve-se
se verificar se a
aço com a laje de con
concreto
reto, ou seja, para que
reto, viga de aço isoladamente, suporta as ações
não haja deslocamento relativo entre os de construção.
elementos
elementos,, calcul
calculou
ou-se
se a necessidade de
utilizar 30 conectores de cisalhamento (stud Verificação da Flambagem Lateral da Alma
bolt).
bolt) FLA:
A largura colaborante da mesa
mesa de concreto
foi calculada em 245.5cm, de acordo com as
seguintes exigências da NBR8800:20008
NBR8800:20008:
69.38 < 106.35 OK
a) 1/8 do vão da viga mista;
b) metade da distância entre a linha de
centro da viga analisada e a linha de centro Verificação da Flambagem Lateral da Me
Mesa
sa
da viga adjacente; FLM:
c) distância da linha de centro da viga à
c) λ p = 0.38 ⋅
E
borda de uma laje em balanço. fy

Como a seção transversal é composta por


6.70 < 10.75 OK
dois materiais diferentes, aço e concreto,
deve-se
deve se fazer a homogeneização teórica da
seção, isto é realiz
realizado,
ado, transformando a área Verificação da Flambagem Lateral por
de concreto em uma área de aço Torção não é necessária, visto que a viga é
proporcional. contida lateralmente na fase de construção.
Conforme item O.1.2.1 da NBR NBR-8800:2008,
8800:2008,
esta homogeneização teórica é obtida Verificação do momento resistente do perfil
dividindo a largura efetiva pela razão de aço isolado:
Mpl
modular:
modular: MRd =
γ a1

Mrd = 1022
1022 kN.m
kN.m
Sendo Ea e Ec os módulos de elasticidade do
Sendo
aço e do co
concreto,
ncreto, respectivamente. Ações e combinações na fase de construção
construção:
Ignora se a participação do concreto na zona
Ignora-se
tracionada. 
 

82ଶ
9.82
9
1.3
1 3 6
6
1.3 3 
33
 141
141 
. 
8

Msd (141 kN.m)


kN.m) < Mrd ((1022
1022 kN
kN.m)
.m)
bf 2
λ = Portanto, a viga de aço VS600x
VS600x140
140 isolad
isolada,
a,
tf
é capaz de suportar o momento fletor devido
as cargas de construção sem necessidade de
escoramento.

V
Verificação
erificação da seção mista
mista:

Figura 3 – Seção
eção homogeneizada,
homogeneizada PIIZZO
ZZO Para garantir que haja interação completa
(2012)
(201 ). entre a viga de aço e a laje, é preciso utilizar
conectores de cisalhamento de tal fforma
orma que
Conforme previsto na NBR
NBR--8800:2008,
8800:2008, se a ΣQrd
Qrd  0.85
0 85. fcd.
fcd b. tc.
tc
construção não for escorada, hipótese
Qrd é a resistência de 1 (um) conector de
cisalhamento tipo pino com cabeça, seu  ≤ 
valor é dado pelo menor valor entre: 926,6
.  < 1600
.  .:.
OK, verifica.
0,5. . √ 
. 
 =
 4.2 Perfil de Aço Misto VS500x97
. 1,9ଶ
0,5. ( ). (2. 2128,7) Considerando que o momento fletor para o
= 4 = 74,0
1,25 perfil VS600x140 foi bem superior ao
momento solicitante, foi estudado um novo
cálculo para o perfil VS500x97.
. . . 
 =
 Verificação da seção de aço isolada:
. 1,9ଶ
1.0,75.   . 41,5 Verificação da Flambagem Lateral da Alma
4
= = 70,5 FLA:
1,25

Determinação do número de conectores: 79.37 < 106.35 OK

ℎ 2086
 = = ≅ 30 
 70,5 Verificação da Flambagem Lateral da Mesa
FLM:
Momento fletor resistente de cálculo:
6.58 < 10.75 OK

Verificação da Flambagem Lateral por


Torção não é necessária, visto que a viga é
contida lateralmente na fase de construção.
Verificação do Mpl
momento
resistente do MRd = γ perfil de aço
a1
isolado:

Mrd = 595 kN.m

Realizando a combinação, obtém-se:


yp = 1.751 Cm
9.82ଶ
  = 1.36 + 1.33
Yt= 17.894 M
Yc= 0.876 Cm 8
Mrd = 1600.52 kN.m  = 141 . 

Momento fletor solicitante x momento Msd (141 kN.m) < Mrd (595 kN.m)
resistente.
Portanto, a viga de aço VS500x97 isolada, é
 = [1.25. 140 + 1.35 . 1133 + capaz de suportar o momento fletor devido
ଽ.଼ଶమ as cargas de construção sem necessidade de
1,5 . 3988 )]. = 92660 Kgf.m escoramento.

 = 926,6
. 
Momento fletor resistente de cálculo: Um segundo estudo foi elaborado para o
perfil de aço VS500x97 no sistema misto.
Foi obtido momento fletor resistente
Mrd=931 kN.m, logo, continua atendendo a
solicitação de Msd=920 kN.m, porém com
uma economia de 43Kg de aço estrutural
por metro linear de viga.

5.0 Conclusão

As estruturas mistas, formadas pela


associação de perfis de aço com o
concreto, resultam em uma solução
extremamente eficiente em sistemas
yp = 0.66 cm
estruturais de edifícios, sendo bastante
utilizado em diversos países. No Brasil, o
Yt= 21.32 cm
emprego do sistema misto ainda é muito
Yc= 0.322 cm pequeno.
Mrd = 931 kN.m A utilização de sistemas mistos,
principalmente constituídos de lajes e vigas,
 = [1,25 .  ! + 1,35 . 1133 + oferece as seguintes vantagens: a rapidez de
ଽ,଼ଶమ execução, a significativa redução no uso de
1,5 . (3988)]. =

fôrmas, a eliminação do escoramento, a
redução das cargas na fundação devido ao
92006 Kgf.m = 920 kN.m
menor volume e peso da estrutura, redução
 ≤ 
do desperdício, significativo aumento na
capacidade estrutural das vigas, resultando
920
.  < 931
.  .:. OK, verifica.
em economia de material. Nos elementos
mistos, a combinação aço-concreto propicia
maior rigidez à estrutura, visto que se
5 Resultados
aumenta consideravelmente a inércia da
seção transversal.
Pode-se observar na marcha de cálculos,
Considerando um edifício de 5 pavimentos,
que utilizando 30 conectores de
com piso em planta com ordem de grandeza
cisalhamento tipo pino com cabeça (stud
4 vezes maior que a planta deste estudo,
bolt), consegue-se para este modelo,
podemos extrapolar esta redução de aço
interação completa, ou seja, não há
estrutural de 43Kg por metro linear de viga,
deslocamento relativo entre a laje de
como sendo de grande importância,
concreto e a viga de aço. Logo, pode-se
pensando na redução econômica , chegando
considerar a seção transversal, constituída
ao montante de: 43Kg/m . 9,82m . 4 . 5
do perfil de aço, mais a laje de concreto,
pavimentos =~ 8.4 toneladas em economia
com suas limitações prescritas na marcha de
de aço estrutural.
cálculos.
Para a viga estudada, o perfil de aço
6.0 Referências Bibliográficas
isoladoVS600x140, passou na verificação
do momento fletor, pois o momento ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
resistente Mrd é de 1042 kN.m e o momento NORMAS TÉCNICAS. NBR 6120: Cargas para o
solicitante é de Msd=926,6 kN.m. calculo de estruturas de edificações. Rio de
Considerando o sistema misto, o momento Janeiro, 1980.
resistente de cálculo subiu para Mrd=1600
kN.m, um aumento de 53,55%.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
NORMAS TÉCNICAS. NBR 8681: Ações e PIZZO, L. M. B. F. Apostila da disciplina
Segurança nas estruturas. Rio de Janeiro, 2003. de estruturas mistas – material didático do curso
de pós graduação em engenharia de estruturas da
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE Unilins - SP. 2012. – Escola de Engenharia de Lins,
NORMAS TÉCNICAS. NBR 8800: Projeto e Universidade de Lins, Lins, 2012.
execução de estruturas de aço de edifícios. Rio de
Janeiro, 2008. QUEIROZ, G.; PIMENTA, R. J.;
MARTINS, A. G. Estruturas Mistas. Vol I. Rio de
ALVA, G.M.S. Sobre o projeto de Janeiro:CBCA, 2010.
edifícios em estrutura mista aço-concreto.2000.
277p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia QUEIROZ, G.; PIMENTA, R. J.; MATA,
de São Carlos, Universidade de São Paulo, São L. A. C. Elementos das Estruturas Mistas Aço-
Carlos, 2000. Concreto,Belo Horizonte: Editora O Lutador, 2001.

BUDZINSKI, V.S. Estudo e TRISTÃO, Gustavo A. Comportamento de


dimensionamento de vigas mistas, TCC. 2013. conectores de cisalhamento em vigas mistas aço
Trabalho de Conclusão de Curso – UNILINS, Lins, concreto com análise da resposta numérica. 2002.
2013. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia de
São Carlos - Universidade de São Paulo, São Carlos,
DE NARDIM, S. Estudo teórico- 2002.
experimental de pilares mistos compostos por
tubos de aço preenchidos com concreto de alta
resistência.1999.Tese (Mestrado) – Escola de
Engenharia de São Carlos,Universidade de São
Paulo, São Carlos, 1999.

DIAS, L.A.M. Estruturas de Aço:


conceitos, técnicas e linguagem. São Paulo.
Zigurate Editora, 1997.

FABRIZZI, M. DE A. Contribuição para o


projeto e dimensionamento de edifícios de
múltiplos andares com elementos estruturais
mistos aço concreto.2007.Tese (Mestrado) - Escola
de Engenharia de São Carlos, Universidade de São
Paulo, 2007.

INTERNET, Pesquisa realizada site


<http://metalica.com.br/shopping-salvador-estrutura-
mista-aco-concreto>, 2013.

MALITE, M.Sobre o cálculo de vigas


mistas aço-concreto: ênfase em edifícios.1990.
144p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia
de São Carlos, Universidade de São Paulo, São
Carlos, 1990.

MALITE, M. Análise do comportamento


estrutural de vigas mistas aço concreto
constituídas por perfis de chapa dobrada. 1993.
Tese (Doutorado) - Escola de Engenharia de São
Carlos - Universidade de São Paulo, São Carlos,
1993.

PIGOZZO, J. C. Estudo e aplicações de


barra de aço colada como conectores em lajes
mistas de madeira e concreto para tabuleiros de
pontes.2004. Tese (Doutorado) – Escola de
Engenharia de São Carlos, Universidade de São
Paulo, São Carlos, 2004.